Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: O Assassino de Macario - Comedia em tres actos
Author: Castelo Branco, Camilo Ferreira Botelho, 1825-1890
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O Assassino de Macario - Comedia em tres actos" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



produced from scanned images of public domain material


O ASSASSINO DE MACARIO


Porto--Imprensa Moderna



CAMILLO CASTELLO BRANCO


O ASSASSINO DE MACARIO


Comedia em tres actos


Versão livre


Expressamente coordenada para a festa artistica do ACTOR DIAS

2.ª EDIÇÃO


PORTO
Livraria Chardron
De Lello & Irmão, Editores
1903



Propriedade absoluta dos editores


_Reproducção interdicta em todos os paizes_



PERSONAGENS


_Barnabé._

_Liborio._

_Itelvina._

_Sebastiana._

A scena é no Porto.

Esta comedia não póde ser representada sem auctorisação dos editores,
para quem ficam reservados todos os direitos.



ACTO PRIMEIRO

Sala elegante. Porta ao fundo. Portas lateraes no segundo plano. Janella
á esquerda, no terceiro plano. Piano encostado á parede direita, no
primeiro plano. Canapé á esquerda. Dois contadores pequenos á esquerda e
direita. Sophás, cadeiras, e tamborete de piano. Sobre o contador da
esquerda utensilios de barbear e espelho. No outro um relogio.


SCENA I

Barnabé, (_só_)

(_Entra pela esquerda, trajo da manhan, traz na mão uma chocolateira e
toalha. Chama:_) Sebastiana!... Isto é que foi dormir alarvemente!
(_Olhando para o relogio_) Já dez horas... e eu sem fazer a barba!
(_chamando_) Sebastiana! Esta creada é uma calaceira!... Não ha
d'outras... Tive um sonho... Isto de sonhos é uma tolice... Sonhei que
estava pescando á cana... n'uma cazinha campestre, com transparentes
verdes... e um repucho!... Ah! o meu sonho d'oiro!... Logo que eu cazar
a filha... Um repuxo... (_chamando_) Sebastiana! Com effeito! (_Vai á
porta do fundo_) Sebastiana! Sebas...


SCENA II

Sebastiana e Barnabé

SEBASTIANA

(_entrando pelo fundo_) Aqui estou, senhor!

BARNABÉ

Não me tinhas ouvido?

SEBASTIANA

Perfeitamente. O senhor chamou-me quatro vezes.

BARNABÉ

Então porque não vieste logo?

SEBASTIANA

Estava a almoçar. Acho que o senhor não pretende que os creados não
comam.

BARNABÉ

Não...

SEBASTIANA

Além d'isso, eu sei que o senhor é pachorrento, um paz d'alma...

BARNABÉ

Abusas um pouco do meu temperamento.

SEBASTIANA

Está enganado... eu pelo senhor era capaz de me atirar ao lume...

BARNABÉ

Pois bem, vai atirar ao lume esta chocolateira... Quero barbear-me.
(_Dá-lh'a_)

SEBASTIANA

Dentro de 15 minutos aqui estou. (_Vai sahir_).

BARNABÉ

(_chamando_) Olha, Sebastiana...

SEBASTIANA

(_tornando_) Não me mande fazer duas coisas ao mesmo tempo que me
atrapalha, ouviu?

BARNABÉ

(_á parte_) É uma creada como se quer! Boa bisca... (_alto_) Olha lá...
Noto que vae na caza um socêgo extraordinario! Minha filha estará
doente?

SEBASTIANA

Não senhor; sahiu de manhan cedo.

BARNABÉ

Ah! é isso? (_Senta-se no canapé_).

SEBASTIANA

E, na verdade, a menina faz um estardalhaço! credo!... E é de pasmar
como o snr., tão manso, tão socegado, fez uma filha tão...

BARNABÉ

Tão estapafurdia, pódes dizer...

SEBASTIANA

É isso, estapafurdia... é uma trovoada... credo!

BARNABÉ

Tu que queres?... A natureza tem desconcertos... Olha, Sebastiana, eu
nem sempre vivi dos meus rendimentos.

SEBASTIANA

Pois sim, sim...

BARNABÉ

Tive uma fabrica de ligas em Fradellos.

SEBASTIANA

De ligas? ora vejam...

BARNABÉ

Fazia pouco negocio... Resolvi ir para o Mexico, por que n'um paiz, n'um
paiz quente, bem percebes, mostra-se mais a barriga das pernas... Fundei
o meu estabelecimento no Mexico, e grangeei logo toda a freguezia das
boas pernas do paiz... com sáias curtas.

SEBASTIANA

Olha que pechincha!...

BARNABÉ

Vais vêr... um par das taes pernas... duas buxas fizeram-me uma
impressão profunda... Todas as profissoens tem os seus perigos...
Esposei...

SEBASTIANA

As taes buxas?

BARNABÉ

Sim... Ella chamava-se Dolores. Sete mezes depois, tinha uma filha...

SEBASTIANA

Sete mezes só? ora essa!...

BARNABÉ

No Mexico a vegetação cresce muito depressa, é o que é; e isso mesmo te
explica o genio impaciente da minha Itelvina... Ella não quiz esperar
que se completassem os nove mezes... sahiu...

SEBASTIANA

Não admira, não...

BARNABÉ

E aqui tens tu, Sebastiana, como eu, um portuguez de lei, sou pae d'uma
mexicana...

SEBASTIANA

Agora é que eu percebo a differença dos dois genios.

BARNABÉ

O ceo do Mexico! Os costumes d'esse clima de fogo! Minha filha tem nas
veias o meu sangue; mas... mais quente... ferve-lhe mais... em fim, tem
uma temperatura mais alta...

SEBASTIANA

Acho que sim... intendo.

BARNABÉ

Ha-de haver um anno que passei o negocio e vim para a patria... Estava
rico... primeira felicidade; estava viuvo, segunda feli... Emfim, como
não nos davamos bem... segunda felicidade, está dito.

SEBASTIANA

Então não se davam bem...

BARNABÉ

Quero dizer... a senhora Barnabé... era muito fogosa... muito
atiradiça... e chamava-me... maricas.

SEBASTIANA

Credo!

BARNABÉ

Em fim ella tinha desculpa... Eu bem me conheço... Mesmo hoje, com minha
filha, sou uma lesma, um fracalhão... Ahi está ella a querer casar com o
valdevinos do Macario.

SEBASTIANA

Mas não basta querer ella.

BARNABÉ

Assim é; mas ella quer á fina força e eu não quero; a final, quem hade
vencer é ella, que é a forte, e casará! São favas contadas. Era o mesmo
com minha mulher. Dizia-lhe eu «quero»; respondia-me ella «não quero», e
eu... moita... nem palavra.

SEBASTIANA

Então estavam sempre de harmonia?

BARNABÉ

Está claro. (_Rumor fóra_)

SEBASTIANA

(_indo á janella_) Que será isto?

BARNABÉ

Algum choque do americano com o Rippert.

SEBASTIANA

Nada, parece desordem... Tanta gente defronte da porta...

BARNABÉ

Da nossa?

SEBASTIANA

Sim, snr. Quer que eu vá saber o que é?

BARNABÉ

Não... que me importa a mim?... Olha se me aqueces a agua... anda.


SCENA III

Os mesmos e Itelvina (_Abre-se com estrondo a porta do fundo. Itelvina
entra afogueada e passeia muito colerica._)

BARNABÉ

Ólá!... és tu?

ITELVINA

Sim, sou eu. Bom dia.

BARNABÉ

Tu que tens?

ITELVINA

Estou furiosa! (_Passa para a direita._)

BARNABÉ

D'onde vens?

ITELVINA

De pregar uma bofetada n'um sujeito.

BARNABÉ

Fizeste isso?

ITELVINA

N'um atrevido...

BARNABÉ

Talvez imaginasses...

ITELVINA

Qual imaginasse! um grosseirão que ousou dizer-me cara a cara: «a menina
é encantadora.»

BARNABÉ

E bateste-lhe por isso? Que farias tu se elle te chamasse estafermo?

ITELVINA

O seu sangue frio, meu pae, quando sou insultada! Castiguei-o, e espero
que a scena se não repita.

BARNABÉ

De te chamar encantadora?... Tambem me parece que o homem deve ter
modificado a sua opinião a teu respeito... (_A Sebastiana_) Que fazes tu
ahi? a minha agua quente?

SEBASTIANA

Lá vou já, snr. Barnabé. (_Á parte_) Muito atolambada é esta menina!
(_Sahe pelo fundo_).


SCENA IV

Barnabé, Itelvina, e depois Sebastiana

ITELVINA

(_depondo o chapeu e o chaile, vae sentar-se ao piano e canta_) Trai la
ri, trai la ri, trai la ró.

BARNABÉ

Isso é um bota a baixo! Agora é o piano que leva a sua conta...

ITELVINA (_Cantando_)

    «Na primavera da vida
    Ambos e dois muito amigos
    Suspiravam por um ninho,
    Por um ninho entre os trigos.»

BARNABÉ

Que é isso que tu cantas?

ITELVINA

Uma cançoneta moderna, que se chama: _Um ninho entre os trigos_.
(_Canta_):

    E de braço dado juntos
    Ao repontar da manhan
    Iam fazer o seu ninho
    Nos trigos de Campanhan.

BARNABÉ

É mais natural que fôsse nas arvores... Os passaros em geral preferem...

ITELVINA

Mas não se trata de passaros. (_Canta_):

    E depois elle cantava
    Pousado nos ramos novos,
    E ella aquecia, cantando
    No seu ninho os caros ovos.

BARNABÉ

Ah! então não é de passaros que se trata? Lá me parecia que dois
passaros de braço dado por Campanhan...

ITELVINA

É uma menina e um rapaz.

BARNABÉ

(_pegando na cançoneta com arremesso_). Basta! Deixa vêr. (_Lê alto as
tres quadras que ella cantou_). E chama a isto um ninho o tratante do
cançoneteiro! Quem diabo fez esta coisa?

ITELVINA

Foi um poeta inspirado. Dê-me cá a muzica, ande!

BARNABÉ

Empresto-t'a para a estudares, de tarde, quando eu estiver a dormir a
sésta... (_Á parte_). Mandem lá ensinar piano ás raparigas n'uma terra
em que os poetas inspirados dizem ás meninas que se fazem ninhos nos
trigos de Campanhan!... e que se aquecem os ovos... O Porto está peor
que o Mexico a respeito de ovos e de ninhos...

SEBASTIANA

(_entrando pelo fundo_). Ainda havia agua quente. Ella aqui está
(_Dá-lhe a chocolateira_).

BARNABÉ

Bem, vou para o meu quarto (_Mudando de ideia_). Mas, se estiveres
quieta... Um pae póde escanhoar-se na presença da filha (_Arranja os
utensilios, e remeche o pincel na vasilha do sabonete_).

ITELVINA

(_a Sebastiana_) Veio carta para mim?... de Braga?

SEBASTIANA

Não, minha senhora, o carteiro passou ha muito. (_Sahe pela porta do
fundo_)

ITELVINA

(_comsigo mesma_) É espantoso! Ha trez dias que Macario foi para Braga,
e nada de noticias! Se eu não tivesse inteira confiança no seu amor...
Talvez uma catastrophe! Acontecem tantas desgraças nos caminhos de
ferro!... (_Vae agitadamente para o pae que lhe voltou as costas e se
está barbeando_) Meu pae! (_com intimativa_)

BARNABÉ

Que é? cuidado, que por pouco me não cortei... Que temos?

ITELVINA

Acha isto natural?

BARNABÉ

Natural, o quê?

ITELVINA

Trez dias de auzencia sem me escrever?

BARNABÉ

Ah! sim, o Macario? (_Á parte_) Bem me importa a mim isso... (_alto_) Se
elle foi buscar os papeis a Braga, é preciso dar-lhe tempo. (_Torna a
escanhoar-se_)

ITELVINA

(_passeando_) Dar-lhe tempo, dar-lhe tempo! Eu não exijo que elle volte;
mas que me escreva; não se está assim trez dias... a fazer o quê?... que
difficuldades encontrou?

BARNABÉ

Não andes assim n'esse passo que me incommodas. Fazes tremer o sobrado.

ITELVINA

O pae não sabe o que é amor!

BARNABÉ

Soube-o primeiro que tu, e dou-te a minha palavra que depois que a gente
sabe o que isso é, e pensa a sangue frio... não vale um caracol o
amor... Tu o saberás...

ITELVINA

Ha tres mezes que conheço Macario, e a toda a hora maldigo as
formalidades portuguezas, e pergunto de que servem para a gente se
casar, papeis, banhos, tabellião, padre, sacristão...

BARNABÉ

Ha pessoas que dispensam tudo isso... mas (_com energia_) fazem mal...
fazem muito mal... Sem tabellião, e banhos, e padre e sacristão não ha
honra.

ITELVINA

Finalmente, logo que Macario chegar com os papeis, não haverá
impedimentos...

BARNABÉ

Isso lá de impedimentos... veremos.

ITELVINA

(_derrubando uma cadeira, e indo direita ao pae_) Haverá alguns? diga...

BARNABÉ

(_cortando-se_) Cá está um... vês tu?

ITELVINA

Um impedimento?

BARNABÉ

Um golpe de navalha... estou acutilado!

ITELVINA

(_estancando-lhe o sangue com o lenço_) Deixe vêr... Isto não é nada.

BARNABÉ

Arde-me... e bastante...

ITELVINA

Vae passar.

BARNABÉ

Falla-me, se queres, mas lá de longe... Eu só de longe é que ouço bem.

ITELVINA

(_afastando-se e levantando a cadeira_) Faço-lhe a vontade; mas o pae
fallou de um impedimento... desejo conhecêl-o.

BARNABÉ

É o meu consentimento.

ITELVINA

O seu consentimento?

BARNABÉ

Está claro; tu não pódes casar sem eu consentir... A lei é positiva.

ITELVINA

Que arrelia! Isso quer dizer que, se o pae não ama Macario, tambem eu
não posso amál-o...

BARNABÉ

Lá tu amál-o pódes... mas não basta...

ITELVINA

Não posso casar com elle, se o pae o não amar?...

BARNABÉ

Não.

ITELVINA

As leis portuguezas dizem isso? Existem absurdos taes n'um povo livre?

BARNABÉ

(_limpando a navalha e pondo-a sobre o contador_) Tal e qual, minha
filha. Ora agora, quanto a Macario...

ITELVINA

(_passando para a esquerda_) Meu pae, eu amo Macario!

BARNABÉ

Elle não tem chêta.

ITELVINA

Amo Macario!

BARNABÉ

Passa a vida nos bilhares e nas cervejarias.

ITELVINA

Mas eu amo-o.

BARNABÉ

Serás desgraçada com elle.

ITELVINA

Acabemos com isto. Amo Macario!

BARNABÉ

«Amo Macario, amo Macario!» Estás-me cantando o 1.º acto da _Favorita_.
«Eu o amo, eu o amo!»

ITELVINA

Dá ou não dá o consentimento?

BARNABÉ

Não.

ITELVINA

Não? (_Pega da navalha_) O pae é implacavel, hein?

BARNABÉ

Que é o que ella tem na mão? Ceus! a minha navalha!

ITELVINA

(_caminhando e brandindo a navalha e o pae a seguil-a_) Trato de me
evadir ás leis infames d'este paiz. Suicido-me.

BARNABÉ

Larga a navalha.

ITELVINA

Ultima vez: consente?

BARNABÉ

Consinto: casa com elle.

ITELVINA

(_largando a navalha e abraçando-o_) Obrigada, meu pae, obrigada!

BARNABÉ

Agora, asfixias-me... (_Passa para a direita, levanta a navalha e
colloca-a sobre o contador_) Cruzes!

ITELVINA

Mas o silencio d'elle assusta-me, meu pae! Trez dias sem noticias! Vou
escrever a Macario; e, se me não responder, amanhan parto para Braga. Se
lhe tivesse acontecido algum revez! (_A Sebastiana, que entra pelo
fundo_) Sebastiana, não estou em casa para ninguem, absolutamente para
ninguem (_Entra pela direita_)

BARNABÉ

Sou o pae d'esta pombinha... É um anjo... Se eu me vejo livre d'esta
ardente creatura do Mexico... Sebastiana, dá-me o casaco e o chapéo.

SEBASTIANA

Sim, senhor. (_Sahe pela esquerda_)

BARNABÉ

(_só_) Deixál-a casar com o Macario! O que eu quero, sobre tudo, é paz e
socego... O casamento favorece os meus projectos... Fallaram-me d'uma
quinta que se vende em S. Mamede de Infesta. O dono mora perto d'aqui;
vou tratar com elle; e, se não fôr muito cara, o meu sonho d'esta noite
realisa-se... O repuxo! Ah! o repuxo!

SEBASTIANA

(_entrando com o casaco e o chapeo_) Aqui estão as coisas.

BARNABÉ

(_despindo o rob-de-chambre_) Obrigado... Ajuda-me... (_Vestindo-se_)
Irei viver sosinho em paz e socego.

SEBASTIANA

O senhor vem jantar?

BARNABÉ

Sim, mas ha de ser tarde. (_Sahe pelo fundo repetindo_) Em paz e
socego...

SEBASTIANA

(_só_) Muito bom sujeito! (_arruma_); mas a filha... Ah! tenho pena do
tal Macario, se casar com ella! Credo! se eu fôsse homem, e topasse uma
creatura assim... ó senhores!... Emfim, isto de homens gostam assim das
mulheres que puxem por elles... Mas esta ida a Braga... Quem sabe se o
tal Macario... _an, an..._ (_Toque fóra_) Quem sabe se é elle? (_Liborio
entra pelo fundo_)


SCENA VI

Sebastiana e Liborio

SEBASTIANA

Ai! não é elle!

LIBORIO

Não é elle: sou eu.

SEBASTIANA

O senhor que quer?

LIBORIO

A snr.ª D. Itelvina Barnabé, uma mexicana de raça portugueza...

SEBASTIANA

É aqui; mas...

LIBORIO

Ella sahiu? É o que eu quero. (_Assenta-se, e apresenta um aspecto
risonho_) Vou-me ensaiar.

SEBASTIANA

Mas a senhora está em casa.

LIBORIO

(_erguendo-se de impeto, e tornando-se grave_) Recôlho o meu sorriso;
n'esse caso vae dizer a tua ama...

SEBASTIANA

A senhora está a escrever, e prohibiu-me de a interromper.

LIBORIO

(_tornando-se a sentar risonho_) Muito bem... vou-me ensaiar.

SEBASTIANA

(_á parte_) A fallar a verdade, a menina é tão exquisita que, se eu a
não aviso, é capaz de se escamar. (_alto_) O senhor como se chama?

LIBORIO

Como me chamo?

SEBASTIANA

Sim... vou avisar a senhora. Quem direi que a procura?

LIBORIO

Annuncia-lhe... um desgraçado! (_passa para a esquerda_).

SEBASTIANA

Um desgraçado?!

LIBORIO

Não... (_á parte_) Seria parlapatice de mais...

SEBASTIANA

Então que decide?

LIBORIO

A tua ama é nervosa?

SEBASTIANA

O senhor que diz? olha que pergunta!

LIBORIO

Deve ser nervosa... Olha bem para mim... Vês esta cara melancolica? vês?
pois vae dizer á menina Itelvina que está aqui um sujeito com cara de
quem chorou...

SEBASTIANA

Como? o senhor quer que eu diga...

LIBORIO

Não, outra coisa... espera...

SEBASTIANA

O senhor não pense que eu vou agora incommodar a menina para lhe fazer o
seu retrato.

LIBORIO

Tens rasão; não a incommodes... Esperarei... convem-me esperar...

SEBASTIANA

(_á parte_) Tem grande têlha o homem!

LIBORIO

Como te chamas?

SEBASTIANA

Para que o quer saber?

LIBORIO

Para quê? É para não estar a chamar-te creada; mas, tens rasão... Que me
importa a mim? Eu queria chamar-te Mariquinhas ou Theresinha... Que
lindos olhos tu tens, e que cinta!... (_Cinge-a pela cintura_).

SEBASTIANA

Está bonita a chalaça!... foi para isto que veio cá?

LIBORIO

Não. Tu me impões o cumprimento de um dever. Obrigado, rapariga,
obrigado!

SEBASTIANA

(_á parte_) Elle é doido; mas aparelha bem com a minha ama... Cá se
avenham, que eu vou para a cosinha. (_Sahe pelo fundo, levando o
rob-de-chambre de Barnabé, e os utensilios de barbear._)


SCENA VII

Liborio

(_só, arrumando á esquerda o chapeu e a bengala_) Eis-me a braços, com a
minha missão!... Aquelle diabo do Macario!... Acabou-se... Não ha
remedio... Hontem á noite, entrei no café Lisbonense, e estava lá o
Macario a apostar ao bilhar. Assim que me avistou, veio direito a mim, e
disse-me: «Liborio, és meu amigo?» Eu conhecia-o de ter estado com elle
no collegio do Six, onde tinhamos rilhado de parceiros algumas raizes de
latinidade. Respondi-lhe: «Sim, sou teu amigo para a vida e para a
morte.»--«Para a morte? exclamou elle. É o que eu exijo da tua amizade.
Se me amas, vaes matar-me!» E em poucas palavras contou-me os seus
amores com uma mexicana a quem promettera casamento. «Esta neta de
Montezuma, disse elle, não pega como uma obreia--agarra-se á gente como
colla forte: é um betume. Quer por força pregar comigo na egreja. Se eu
não cazar com ella, mata-me; e eu prefiro antes morrer ás tuas mãos que
ás d'ella.» Fallou-me então d'uma fantastica sahida para Braga, e
encarregou-me da missão que venho cumprir... Confésso que não me
encarregaria d'isto sem umas certas intençoens... O retrato que elle me
fez d'essa Itelvina realisa os meus ideaes. Uma rapariga selvagem é ave
rara no Porto!... Uma mulher que tem nas veias sangue dos Incas!... alto
lá com ella! Está no meu gosto. Resolvi, por tanto, relacionar-me com a
pequena; e, se me agradar, tratarei de lhe dar algum alivio, e passo a
emprehender a conquista do Mexico. (_Olha para o lado direito_) Abre-se
uma porta... é talvez a pequena... Agora é que são ellas... Firme!...


SCENA VIII

Liborio, Itelvina (_entrando pela direita_)

ITELVINA

(_com uma carta na mão_) Está feita a carta... já p'ro correio...
(_avistando Liborio_) Um homem!...

LIBORIO

(_cumprimentando_) Minha senhora... (_á parte_) Fatia!... rica natureza!

ITELVINA

O senhor quem procura?

LIBORIO

A snr.ª D. Itelvina Barnabé.

ITELVINA

Sou eu.

LIBORIO

(_sorrindo_) Minha senhora... (_á parte_) trabalha-se bem no Mexico...
(_alto_) Venho encarregado de lhe transmittir uma importante noticia...

ITELVINA

Noticia?

LIBORIO

(_á parte_) Circumspecção...

ITELVINA

Queira dizer (_apontando-lhe uma cadeira e sentando-se_)

LIBORIO

(_pegando de uma cadeira do fundo á esquerda e sentando-se_) (_á parte_)
Estou atrapalhado... (_alto_) Minha senhora, acabo de chegar de Braga.

ITELVINA

(_erguendo-se, e elle tambem_) De Braga?

LIBORIO

(_passando para a direita_) (_á parte_) Parece que o cavaco tem de ser
de pé. (_Alto_)... Venho de Braga, onde estive com Macario...

ITELVINA

O senhor é amigo d'elle?

LIBORIO

Sim... isto é... sim... oh! certamente... amigo intimo...

ITELVINA

(_com vehemencia_) Por que não está elle aqui ao pé de mim como
prometteu e jurou? Por que me não escreve? porque é? diga-me o senhor
por que é?

LIBORIO

(_á parte_) Que bonita ella é zangada!

ITELVINA

O senhor não responde?

LIBORIO

Responderei. (_á parte_) Circumspecção! (_alto_) Macario ficou em
Braga... e encarregou-me de communicar a V. Exc.ª as rasoens que o
prendem lá.

ITELVINA

Mas acabe com isso... vamos direitos á questão... Nada de delongas...

LIBORIO

(_á parte_) Tambem não é feia na impaciencia!... (_alto_) Minha senhora,
o imprevisto é o machinista da existencia... O acaso arranja uns
scenarios, umas tramoias que parecem de peça magica...

ITELVINA

Que mais?

LIBORIO

(_á parte_) Não vamos logo ás do cabo. (_alto_) Ah! minha senhora... ser
joven, bello, amado de uma mulher... isso não é rasão para impedir que
um máu destino... pelo contrario é peor...

ITELVINA

Ó senhor! por piedade! Acabe...

LIBORIO

Macario disse a V. Ex.ª, creio eu, que ia a Braga buscar uns papeis...

ITELVINA

E mentiu-me?

LIBORIO

Quanto ao fim da viagem, mentiu. Ninguem hoje vae a Braga senão por dous
motivos.

ITELVINA

Quaes?

LIBORIO

Ou se vae ao Bom Jesus vêr os judeus e comer frigideiras, ou terçar no
campo da honra dois floretes, desde que os duelos no Porto, por muito
repetidos, têm a policia n'uma constante vigilancia.

ITELVINA

Um duelo!?

LIBORIO

Um conflicto de honra...

ITELVINA

Elle foi bater-se? Ficou ferido?

LIBORIO

Minha senhora...

ITELVINA

Ligeiramente ferido, sim? quasi nada? Oh! diga-me que não é nada!

LIBORIO

Minha senhora... Macario... ah!... não posso... Se V. Ex.ª soubesse...

ITELVINA

Ó ceus!... que foi?...

LIBORIO

(_á parte_) Chegou o momento.

ITELVINA

Macario?...

LIBORIO

Macario...

ITELVINA

Morto! (_Liborio está um momento silencioso; depois, ampara a cabeça com
as mãos_).

ITELVINA

(_expedindo um enorme grito_) Ah!

LIBORIO

Minha senhora...

ITELVINA

Morto! assassinado... elle!... ah! (_Roda sobre si mesma duas vezes e
vae desmaiar no canapé_).

LIBORIO

Hein! ella desmaia!... ora esta! Não a julgava capaz d'esta tolice!
(_vae junto d'ella_) Menina... Acho que chamo alguem... Mas que
historietas se vão arranjar com este caso!... Menina, peço-lhe que
recupere os sentidos... Se eu a despertasse... Mas é preciso bolir-lhe
nos colchetes... Não, não me atrevo a fazer tanto... O coração
bate-lhe... Estou mais socegado... É gentil!... é mais que gentil, é
formosa! Isto é bom a valer!... E aquelle parvo do Macario a
desdenhar... Ella está ganhando côres... já lhe tremem as azas do
nariz... e pestaneja. Volta á vida... Se eu me safasse agora... (_Vae a
querer sahir e retrocede_) Não: já agora fico, succeda o que succeder.

ITELVINA

Onde estou?

LIBORIO

Menina...

ITELVINA

Quem me falla? quem é o senhor? (_encarando-o_) ah!

LIBORIO

Por quem é, socegue!

ITELVINA

Esta voz... esta cruel voz...

LIBORIO

Que é?

ITELVINA

Recordo-me... Macario, o meu noivo, a minha alma... ah! ah! ah! (_recahe
sobre o canapé e chora_).

LIBORIO

(_á parte_) Palavra, que me mordem remorsos.... Se eu previsse...
Acabou-se... Vou-lhe dizer tudo... (_caminha para ella; mas
reconsidera_) É demais atormentar assim esta mulher com mentiras...
Diabo! como ella chora... (_avisinha-se_) Minha senhora, então, então...

ITELVINA

(_erguendo-se energicamente, limpando as lagrimas, e passando para a
direita_) Basta de fraqueza! Nada mais de prantos! Um scelerado matou
Macario... e eu aqui a carpir-me em vez de o vingar! (_Vae a Liborio_) O
senhor foi testemunha do duelo?

LIBORIO

Sem duvida... isto é... sim... fui testemunha (_com dôr_) Fiz quanto
podia; mas...

ITELVINA

Sabe qual foi a causa do duelo?

LIBORIO

A causa? ora, se sei... pois não sei?... (_á parte_) Ó diabo!...
(_alto_) pois não heide saber a causa? não sei eu outra coisa...

ITELVINA

Então diga lá qual foi?

LIBORIO

Uma questão de carambolas... A paixão do Macario... bem sabe... é o
bilhar... Por causa de uma carambola...

ITELVINA

De uma carambola?

LIBORIO

Sim... o parceiro tinha descolado a bola.

ITELVINA

Está bem... não quero saber d'isso... Logo que o motivo não foi outra
mulher, o resto não me importa. Como se chama o adversario?

LIBORIO

O adversario?

ITELVINA

O nome d'elle?

LIBORIO

Então quer que eu lh'o diga...

ITELVINA

O nome do assassino. (_Liborio hesita_) Vamos!

LIBORIO

Ah! sim o nome do assa... Ora espere... Mas é que eu fui padrinho do
Macario... e não conheço o outro...

ITELVINA

Ora essa! um padrinho deve conhecer os dois.

LIBORIO

Tem razão; é natural que m'o dissessem; mas a commoção...

ITELVINA

(_á parte_) O homem está atrapalhadissimo! (_alto_) Mas o senhor quem é?
como se chama?

LIBORIO

Liborio, minha senhora, Arthur Liborio; profissão, filho familia que
devora a legitima paterna; mas tenho muitos tios ricos...

ITELVINA

Pois então, senhor Liborio, meu presado senhor Liborio, diga-me o
nome...

LIBORIO

De quem?

ITELVINA

Do assassino de Macario.

LIBORIO

Palavra d'honra que não sei...

ITELVINA

O senhor mente!

LIBORIO

Ó minha senhora...

ITELVINA

Não é possivel...

LIBORIO

Antes isso... que é menos indelicado...

ITELVINA

Está bom: eu saberei o nome. Onde foi que se bateram?

LIBORIO

Onde foi?

ITELVINA

Tambem não sabe?

LIBORIO

Não sei eu outra coisa! mas essas miudezas... (_á parte_) ella
embrulha-me!

ITELVINA

(_á parte_) Outra vez atrapalhado!

LIBORIO

Foi n'uma carvalheira... A snr.ª D. Etelvina conhece Braga?

ITELVINA

Nada.

LIBORIO

(_á parte_) Ainda bem! (_alto_) Braga tem a figura d'um enorme bacalhau
da Noruega, e tem 3 portas. Nós sahimos pela estrada de Guimaraens. Foi
ao pé da Falperra. Carregando á mão direita topa-se uma azenha, depois
sobe-se um pedaço de monte, toma-se para a esquerda, e entra-se n'uma
mata virgem... Foi ahi que se bateram.

ITELVINA

Não preciso mais nada. A que horas se sahe para Braga?

LIBORIO

Ha tres comboios a escolher.

ITELVINA

Iremos no primeiro.

LIBORIO

Iremos?!

ITELVINA

Duvída acompanhar-me?

LIBORIO

Eu?

ITELVINA

Ir mostrar-me a fatal mata virgem, e auxiliar-me nas minhas pesquizas
até descobrir o assassino de Macario?

LIBORIO

Mas, minha senhora...

ITELVINA

Não vae?

LIBORIO

Irei; mas...

ITELVINA

Vou escrever a meu pae, preparar a malêta e vamos... (_vae para a
direita_)

LIBORIO

Sosinhos?

ITELVINA

Com meu pae... Jura que me espera?

LIBORIO

Faça favor de reflectir... minha senhora...

ITELVINA

Jura?

LIBORIO

Sobre os manes de Macario! juro!

ITELVINA

Obrigada! venho já. Oh! sim! a Braga, no expresso! (_sahe velozmente
pela direita_).

LIBORIO

(_só, cobrindo-se_) Toca a safar! É uma canalhice faltar ao juramento...
mas basta de asneiras... Onde esta o meu chapeo? A rapariga é bonita, é
adoravel; mas leval-a a Braga e mais o pae, e continuar esta tramoia
absurda...--onde poria eu o chapeo?--que eu vim representar no seio
d'esta familia (_Põe a mão na cabeça_) Cá está o chapeo... Por aqui me
esgueiro... (_Vae a sahir pelo fundo, e encontra Barnabé que entra_).


SCENA IX

Barnabé e Liborio

BARNABÉ

(_vendo Liborio_) Olha o Liborio!... (_á parte_) que veio aqui fazer
este typo?

LIBORIO

O meu parceiro do quino!...

BARNABÉ

O grande pandego por aqui?

LIBORIO

(_á parte_) E eu que ainda hontem estive a jogar com elle... Isto vae
transtornar a patranha...

BARNABÉ

Então que feliz acaso o trouxe aqui a minha casa?

LIBORIO

A sua caza?... É celebre coisa! Eu não sabia que o amigo Barnabé era o
pae da menina... Muito gôsto em o conhecer...

BARNABÉ

Ainda me não explicou o mais importante.

LIBORIO

Acabo de ter o prazer de communicar a sua filha uma tristissima
noticia...

BARNABÉ

Sim? então que foi?

LIBORIO

(_querendo sahir_) Não... Já bastará... dispenso o _bis_... Ella cá lh'o
contará...

BARNABÉ

(_sustendo-o_) Snr. Liborio, eu sou pae... ouviu?

LIBORIO

(_á parte_) A pequena é encantadora, e não será máo sondar o pae...
(_alto_) O senhor conhece o Macario?

BARNABÉ

Muito... de mais.

LIBORIO

Vim annunciar-lhe que elle morreu.

BARNABÉ

(_com jubilo_) Que me diz?

LIBORIO

(_admirado_) Gosta?

BARNABÉ

(_reconsiderando-se_) Não... pobre moço... Sem duvida, deploro esse caso
palpitante! mas em fim (_alegremente_) faz-me conta.

LIBORIO

Sim? Faz-lhe conta?

BARNABÉ

É o que eu lhe digo. Elle ia casar com a pequena... Consenti com muito
custo. Não gostava do homem, eu; e persuado-me que minha filha se daria
mal com elle. Por tanto, como individuo, lamento-o; como pae, exulto.

LIBORIO

(_á parte_) Isto vae bem, vae bem... mas então é inutil que eu o
convença de que... (_alto_) Snr. Barnabé... (_Leva-o para a esquerda_)
_Psiu_... Macario está de perfeita saude.

BARNABÉ

O Macario que morreu?

LIBORIO

Não é isso... não morreu...

BARNABÉ

Isso máo é!...

LIBORIO

Ahi vae o inigma em duas palavras. Macario fez á sua filha juramentos
que não quer cumprir, percebe?

BARNABÉ

Diga o resto.

LIBORIO

E para fugir á vingança, pediu-me que viesse dar parte da sua morte.

BARNABÉ

É um caso bonito e extraordinario, esse...

LIBORIO

Eu fiz um relatorio em regra... um duelo em Braga, etc., etc., etc.

BARNABÉ

Ella havia de fazer ahi o diabo!... Ella não lhe bateu, hein?

LIBORIO

Não; mas soluçou, desmaiou, escabujou... Oh! soberba creatura na sua
angustia!

BARNABÉ

Está alli uma linda viuva, não acha?

LIBORIO

A final quer que eu vá com ella a Braga.

BARNABÉ

O senhor?

LIBORIO

Eu e mais o senhor. Quer que vamos os trez.

BARNABÉ

Então desconfia da pêta?

LIBORIO

Não, senhor. Quer ir vingar a morte do noivo.

BARNABÉ

Toma!

LIBORIO

E exige que eu lhe diga o nome do assassino; e como até esta data o
unico assassino de Macario sou eu...


SCENA X

Os mesmos e Itelvina, _que vinha entrando pela direita, e, ao ouvir a
ultima phrase, se esconde_.

ITELVINA

(_á parte_) Que disse elle?

LIBORIO

Agora, já o meu amigo entende a minha atrapalhação...

ITELVINA

(_á parte_) A sua atrapalhação!...

BARNABÉ

Porque lhe não disse um nome qualquer?

LIBORIO

Não me occorreu essa idéa...

ITELVINA

(_á parte_) Que mysterio é este?

LIBORIO

Já vê em que entalas eu me acho... A cada instante, quasi que me
estendia... Que colicas eu rapei! Eu não queria de modo algum que ella
soubesse que...

ITELVINA

(_á parte_) Que horrores eu estou adivinhando!

BARNABÉ

Soubesse o quê?

LIBORIO

Jogo franco. Macario fallou-me de sua filha n'uns termos que
espicassaram a minha curiosidade...

BARNABÉ

Com effeito... espicassaram-no os termos...

LIBORIO

Meu amigo, sympathiso com esta menina original...

ITELVINA

(_á parte_) Hein?

LIBORIO

É o que lhe digo... Amo as plantas exoticas... Gosto d'estes licores
capitosos de fabrica estrangeira, e regeito os charopes amelaçados da
fabrica nacional.

BARNABÉ

Em summa, o senhor gosta de minha filha...

LIBORIO

Deveras.

ITELVINA

(_á parte_) Elle ama-me!... que horror!

BARNABÉ

Querido Liborio! (_á parte_) Elle é rico... (_alto_) O seu pedido faz-me
muita honra... mas...

LIBORIO

Recusa?

BARNABÉ

Acceito. (_Dão-se as mãos_).

ITELVINA

(_á parte_) Que revelação!

BARNABÉ

Mas o essencial é conquistar a vontade d'ella... Uma feliz lembrança!
vamos partir todos para Braga...

LIBORIO

Parece-lhe?...

BARNABÉ

(_gracejando_) O senhor não se arrisca a encontrar o assassino de
Macario, pois não?

LIBORIO

(_rindo_) É muito provavel que não...

BARNABÉ

Vocês viajam juntos; e em quanto finge que faz indagações, vae lhe
fazendo a côrte.

LIBORIO

É isso, perfeitamente.

BARNABÉ

Eu vou tambem... bem me custa; mas em fim não ha conveniencias a guardar
quando se trata do futuro de uma filha.

LIBORIO

Mil graças, snr. Barnabé.

BARNABÉ

Venha commigo ao meu quarto, e ajuda-me a fazer a mala.

LIBORIO

Com muito prazer! Estou contentissimo!

BARNABÉ

E então eu! Vi-me livre do Macario! Que bem fez o senhor em matar esse
bigorrilha! (_Entram pela esquerda_)


SCENA XI

Itelvina

(_só_) Elle! foi elle o assassino de Macario! E meu pae sabia-o! e ambos
elles querem que eu caze!... Mas que paiz é este... este Portugal...
este mundo onde o assassino cubiça a noiva da victima! E pude conter-me!
E não avancei para elle como uma leôa, como a pantera ferida! Oh! mas
elle torna, e então... Não, não é com um golpe de punhal que elle hade
morrer! Para crimes monstruosos é necessario vinganças excepcionaes!
Hade morrer não a golpes de punhal, mas a picadellas de alfinete! Elle
ama-me!... ama-me!... quer esposar-me!... por que não? por que não? Pois
não é justo que o seu nome e a sua honra me pertençam? (_ironica_) Ah!
com que jubilo eu não proferirei deante do sacerdote, o ditoso _sim_, a
doce renuncia de mim toda! Nunca uma noiva apaixonada, mais ternamente,
nunca uma solteirona de 35 annos terá proferido esse _sim_ com maior
exultação! Ah! parece-me que me estou vendo e ouvindo quando o padre me
disser: «Recebe como esposo o snr. Liborio?» e eu com a coroa de virgem
na fronte e a raiva no coração e a injuria nos labios e os olhos em
terra, responderei «sim, sim, sim!» Ó meu Macario, conta com uma
vingança desconhecida na Europa! uma vingança mexicana! Ah! lá da mansão
celeste, tua derradeira morada, ver-me-has com ufania!... Vem gente... é
elle!... Cala-te, meu coração!... Sorride meus labios! Silencio, minhas
saudades! É forçoso! é forçoso!... (_Senta-se junto ao piano_).


SCENA XII

Liborio, Barnabé, Itelvina

BARNABÉ

(_fóra_) Confio-lh'a; mas não lhe dê grandes abalos. (_Entra pela
esquerda com Liborio_).

LIBORIO

(_com uma grande mala_) Peza que tem diabo!

BARNABÉ

Peza, peza... Obrigado... Eu é que já não posso com isso.

LIBORIO

(_vendo Itelvina, baixo a Barnabé_) Cá está ella... Álerta!

BARNABÉ

Justo... Façamos caras dolorosas. (_Avança e pára_) Cuidei que ella
estava arranjando as malas...

LIBORIO

(_baixo_) Está a pensar n'elle...

BARNABÉ

(_aproximando-se em tom maguado_) Itelvina, Itel...

ITELVINA

Quem me chama?

BARNABÉ

Ninguem... isto é, sou eu, teu pae. (_Aponta para Liborio e faz com que
ella o veja com a mala_). Estamos promptos para partir...

ITELVINA

(_como se não entendesse_) Partir não entendo...

BARNABÉ

Não entendes? boa!... O snr. Liborio contou-me...

ITELVINA

Então já sabe?

BARNABÉ

Sim, sei. Que se lhe ha de fazer? A Parca é inflexivel!

ITELVINA

E o papá tem grande pena, não tem?

BARNABÉ

E que pena! aqui tens a prova... ali está a mala... Resigno-me a ir a
Braga, auxiliar-te nas tuas indagaçoens.

ITELVINA

Quaes indagaçoens?

BARNABÉ

Então nós não vamos procurar o assassino de...

ITELVINA

(_erguendo-se de golpe_) O assassino de Macario?... (_Avança para
Liborio, que sustenta sempre a mala, e recua deante do olhar d'ella_) O
senhor que tem? que tem o snr. Liborio?

LIBORIO

Eu?... nada...

ITELVINA

Pensei que estava atarantado...

LIBORIO

Um pouco, com esta mala...

ITELVINA

(_á parte_) O remorso estrangula-o!... (_alto_) O senhor era amigo
d'elle, não era? muito amigo d'elle, pois não?

BARNABÉ

Está bom, está bom... tem muito tempo de conversar na jornada...

ITELVINA

Qual jornada?

BARNABÉ

Pois nós não vamos a Braga?

ITELVINA

Fazer o quê?

BARNABÉ

Mas o snr. Liborio não me disse que tu...

ITELVINA

Ah! sim... no primeiro momento, queria... pensava mas mudei de tenção...
Não vamos.

LIBORIO

(_deixando cahir a mala_) Hein?

BARNABÉ

Boa vae ella!

ITELVINA

De que serve procurar esse feliz contendor... O duelo é um jogo
d'azar... e a minha vingança não se submette ao acaso... (_Passa para a
direita_)

BARNABÉ

Apoiada! tens muita rasão! isso é que é ter juiso! (_A Liborio_) Está
applacada!... Bravo!

LIBORIO

(_á parte_) É o arco da velha a annunciar trovoada.


SCENA XIII

Os mesmos e Sebastiana

SEBASTIANA

(_entrando pelo fundo_) Está o almôço na meza.

ITELVINA

Põe mais um talher.

BARNABÉ

Trez talheres?

ITELVINA

Pois então, meu pae! não ha nada mais natural... O snr. Liborio, que
chegou de Braga, e que veio prestar-nos um serviço, não duvidará
acceitar...

LIBORIO

Eu... mas... (_á parte_) Bem disse eu que era o arco da velha...
(_alto_) com muito prazer.

ITELVINA

O seu braço, snr. Liborio. (_Liborio offerece-lh'o e sobem_).

SEBASTIANA

(_á parte_) Este será tambem um noivo?

BARNABÉ

(_á parte_) Que mudança ella fez!

ITELVINA

(_para o pae_) (_Parando á porta do fundo_) Então, meu pae? Vem? está a
pensar no Macario, ou no assassino de Macario? Vamos almoçar. (_Sahem_).

BARNABÉ

(_pensativo_) Máo! máo! Bem dizia o Liborio... O arco da velha vae dar
muita chuva... (_Segue-os_).

FIM DO 1.º ACTO



ACTO SEGUNDO

Quarto de dormir. Ao fundo, um leito cujos cortinados, pendentes de um
docel, estão meio-cerrados. Um pouco áquem uma porta que abre para um
gabinete de _toilette_. Á direita, no primeiro plano, uma janella
fechada com cortinas e _store_. No fundo, á direita do leito, a porta da
entrada. Á direita, no 3.º plano, uma porta de communicação para o
quarto de Itelvina. Á direita, na frente, uma meza. Á esquerda uma
jardineira sobre a qual está uma caixa de charutos, phosphoros, e um
barrete de veludo. Ao pé da jardineira, sobre uma cadeira, uma camizola.
Á direita, uma cadeira de estofo sobre a qual estão as calças de
Liborio. Ao pé uma bota e um chinelo. Á cabeceira do leito, uma
bispoteira. Cadeiras de estofo, quadros, etc. Uma lanterna de furta-fogo
sobre a jardineira.


SCENA I

Itelvina, (_só_) Liborio, (_no leito meio occulto_)

(_Ao correr do panno, a scena está alumiada pela lanterna, deixando na
penumbra o leito. Quando corre o panno, Itelvina, erguida ao fundo sobre
uma cadeira, pendura uma das botas de Liborio n'um painel; depois desce,
pega da lanterna, examina a bota, e diz:_) Bem... está como se quer...
d'um bello effeito! Mas, se elle não visse... Ah! tenho aqui linha...
(_Põe a lanterna sobre a meza, e sacando da algibeira um novello de
linha torna a subir á cadeira, prende a extremidade da linha á bota; e
descendo, traça com o fio no taboado uma linha que vae até á meza sobre
a qual põe o novello; ahi pega d'um bocado de gis, senta-se e escreve
sobre a meza, fallando em voz alta._) «Seguir o fio». (_Ergue-se, e vae
ao pé do leito_). Acordaria elle?... não. (_Ouve-se resonar ao fundo_)
Elle resona, o miseravel resona! Condemnei-o a passar as oito primeiras
noites de casado em uma completa solidão, e elle resona indifferente á
minha auzencia! Antes assim!... Hoje entramos na nova crize, a crize das
pequenas mizerias, as picadellas dos alfinetes antes das punhaladas...
Vejamos se me lembrou tudo. (_Senta-se á meza, e lê em uma carteira á
luz da lanterna_). «Despregar por tres lados os cortinados do leito para
que lhe cáiam sobre o nariz.» Isso está feito e bem me
custou...(_Lendo:_) «Furar os charutos». Já furei. «Polvilhar de pimenta
o bonnet.» Já tem. «Coser os lenços ás algibeiras». Estão cosidos.
«Esconder um dos chinelos e uma das botas; adiantar a pendula e atrazar
o relogio; deixar-lhe só um tostão no porte-monnaie, e cortar os
elasticos dos suspensorios». Está tudo feito. (_Lendo:_) Acordal-o de
sobresalto para lhe causar um grande estonteamento». É o que se vae
fazer. (_Ergue-se e dirige-se com a lanterna para a porta da direita_).
Ah! Liborio, assassino de Macario, o céo é justo, e a hora da vingança
soou! (_Proferindo esta phrase, tira da algibeira uma pistola; dita a
ultima palavra, dá um tiro e sahe fechando sobre si a porta. Completa
escuridão._)


SCENA II

Liborio

(_só_) Ui! isto que foi? Que é isto? (_Espreita por entre as cortinas_).
Entre quem é! Quem está ahi? Não é ninguem... quem foi que me acordou?
Parece que ouvi um tiro ou um espirro enorme, não sei bem o que foi...
Estaria eu a sonhar? Ninguem aqui vem espirrar de noite no meu quarto, e
mais sou casado, casado ha oito dias! Tudo está em repouso, excepto a
minha imaginação. Isto que horas serão? As cortinas estão fechadas...
não se vê boia... escuro como um prego... Felizmente o meu relogio é de
repetição (_Toca na mola do relogio pendurado no espaldar do leito, e
ouve 4 horas_). Quatro horas! ainda quatro horas! Ah! as noites
solitarias!... como são eternas! Vamos vêr se se adormece... (_Deita-se,
a pendula dá horas, e elle conta-as em voz alta, erguendo a cabeça a
cada nova pancada_). Uma, duas, tres, quatro, cinco, seis, sete, oito,
nove, dez... Dez horas! Como dez horas! E o meu relogio que só dá
quatro... (_Assenta-se na cama_) E são ambos do mesmo relojoeiro! Mas,
se ja fôssem dez horas, eu devia estar a pé. Principiemos por abrir os
cortinados. (_Puxa pelas cortinas que cahem e o embrulham_) Que é isto,
com dez raios de diabos... Larguem-me, larguem-me!... Larguem-me o quê?!
Grande besta que eu sou! Ninguem me prende... são os cortinados que eu
agarro... que me agarram a mim. (_Ao desembaraçar-se das cortinas cahe
da cama ao chão_) Que trapalhada é esta! o dia principia mal... Vou
correr as cortinas e os stores. Não gosto da escuridão. (_Abre: é dia
claro_) É dia claro! A pendula tinha rasão. Toca a vestir depressa.
(_Pega das calças e vae vestil-as atraz do fauteuil; calça um chinelo e
procura o outro_) Onde estará o outro sapato? Não me apparece senão
este... Parece-me obra do diabo isto! Vou calçar as botas. (_Depois de
calçar uma_) Onde está a outra? Como é isto de achar só um chinelo e uma
bota? Seria a Sebastiana? Ella ficou de me chamar ás nove horas, e
entraria sem eu dar fé... mas para que fim me levaria só uma bota?
(_Trata de cruzar um suspensorio que quebra_) Irra! agora são os
suspensorios! (_Aperta o outro, enraivado_) Que inferno este! (_Quebra o
outro_) Lá vão ambos! (_Atira-os ao chão_) A fivela estará direita?
está... segura-se... Valha-nos isso. (_Procurando_) O meu bonet? Está
acolá... (_cobre-se_) A camisola? está aqui... (_veste-a_). Agora, vou
procurar... (_suspende-se_) Mas se ainda é cedo... (_espirra_) que raio
de cheiro a pimenta! Se a Sebastiana tivesse vindo, acordava-me como eu
lhe ordenei... Não serão ainda nove horas? Receio de ir acordar... Vou
fumar um charuto. (_Pega de um charuto e phosphoro_) O fumar de manhan
aclara-me as ideas. Santo Deus, como é incommodo passear com uma bota e
um chinelo! (_Assenta-se á esquerda do gueridon_) Em quanto Sebastiana
não vem, recapitulemos os meus infortunios fumando um delicioso
havano... (_espirra_) Que é o que cheira aqui tanto a pimenta?
(_Pretende accender o charuto_) Era meia noite. Itelvina pertencia-me ao
cabo de trez mezes de scenas exquisitas; ella tinha proferido, de
manhan, com uma voz energica o _sim_ encantador que me dava sobre ella
direitos senhoriaes absolutos. Dançava-se no salão amarello, e havia uma
hora que eu amaldiçoava os relogios (_Não podendo accender o charuto
atira-o ao fogão e vae buscar outro_) que me pareciam todos parados.
Annunciára-se finalmente a ultima quadrilha, os dançantes começavam a
cancanizar-se um pouquito... (_espirra_) D'onde virá este cheiro a
pimenta? Minha mulher dançava com o tabellião, e parecia muito
emocionada... Eu attribuia a mim esta emoção que o tabellião não
justificava de modo nenhum... Em fim, sôa a meia noute. (_Ergue-se_).
Ouve-se um grito agudissimo... Corro e exclamo... (_Atira fóra o segundo
charuto_) Que é o que tem estes charutos? (_Pega n'um terceiro_)... e
exclamo: Céos! minha mulher! Itelvina estava desmaiada. Tinha torcido um
pé quando polkava com o tabellião; e eis-me aqui, á meia noute, a
primeira das minhas nupcias, á procura d'um indireita. A final, topo um;
e cuidando que á meia hora depois da meia noite, tinha direito a
examinar o estorcegão do pé da minha esposa, entro com a faculdade
algebrista até ao seu leito de dôr. (_Accende o terceiro charuto_)
Baldada esperança! Nega-se-me obstinadamente este primeiro favor, e sou
obrigado a esperar n'um quarto proximo, com o papá Barnabé, a sahida do
doutor que, depois de um quarto d'hora de angustias, veio em fim
declarar-nos que uma forte distensão dos ligamentos, uma contracção
terrivel da articulação, reteriam minha mulher quinze dias de cama; e
com effeito, depois... T'arrenego, diabo! este charuto está rôto! E os
outros? (_Examina a caixa_) Estão todos estripados! (_espirra_) Com toda
a certeza, tenho pimenta nas ventas! (_Tira o bonnet_) Ah! aqui está a
pimenteira! É possivel!... como é isto? Sebastiana mette a pimenta no
meu bonnet... (_atira-o fóra_) para o preservar do bicho... hade ser
isso, mas ella é idiota!... (_espirra_) Que é do meu lenço? Está cosido!
Cozeram-me o lenço á algibeira, como aos rapasinhos de escola... Ah!
isto é um cumulo! (_Puxa por um cordão de campainha proximo á cheminé_)
Não me importa acordar toda a gente! (_sacode a campainha_).

SEBASTIANA

(_fóra_) Lá vae, lá vae, senhor!

LIBORIO

Vamos a esclarecer isto tudo...

BARNABÉ

(_fóra_) Que banzé é este?

LIBORIO

O sôgro... sôgro de mão cheia... (_gesto ironico. Barnabé e Sebastiana
entram pelo fundo_).


SCENA III

Sebastiana, Liborio, Barnabé

SEBASTIANA

O senhor está doente?

BARNABÉ

Será preciso chamar os bombeiros?

LIBORIO

(_a Sebastiana_) Vem cá... e responde.

SEBASTIANA

Quem, eu?

BARNABÉ

Que tem o meu genro?

LIBORIO

Passados cinco minutos, tem-me ás suas ordens. (_a Sebastiana_) Vem
cá... Que horas são?

BARNABÉ

Então foi para saber que horas eram...

LIBORIO

Snr. Barnabé, não é comsigo que eu fallo. (_a Sebastiana_) Quantas horas
são?

SEBASTIANA

Oito e meia, senhor.

LIBORIO

Por que é então que o meu relogio tem quatro e a pendula dá dez e meia?

SEBASTIANA

Eu sei cá! pergunte-o ao relojoeiro.

BARNABÉ

Ella tem rasão; o seu officio não é esse. Ella de pendulas não percebe
nada.

LIBORIO

Espera um pouco. (_a Sebastiana_) Por que metteste pimenta no meu
bonnet?

SEBASTIANA

Eu?! que metti eu?

BARNABÉ

Sim... isso lá da pimenta é com ella... Responde sobre a pimenta,
rapariga!

LIBORIO

Por que furaste os meus charutos?

SEBASTIANA

Eu furei os seus charutos!...

BARNABÉ

Ella furou os charutos?... Tu furaste... (_a Sebastiana_)

LIBORIO

Por que me coseste os lenços ás algibeiras?

SEBASTIANA

Olha que espiga!

BARNABÉ

Pois tu coses os lenços?...

SEBASTIANA

Isso é falso, senhor!...

LIBORIO

(_mostrando_) Estão cosidos ou não estão cosidos?

SEBASTIANA

Eu cá não fui.

LIBORIO

E os cortinados do leito... e os chinelos que deviam estar aos pés da
cama...

BARNABÉ

Nos seus pés, quer dizer o meu genro.

LIBORIO

Meu sogro, queira amordaçar o seu espirito que me está arreliando. (_a
Sebastiana_) Em fim, responde, explica-te.

SEBASTIANA

Não percebo patavina.

BARNABÉ

E dois.

LIBORIO

Não percebem que se está aqui representando uma magica de pessimo
gosto... uma diabrura de auctores anonymos...

BARNABÉ

Não está má essa! O senhor disfructa-nos!

SEBASTIANA

É lá possivel a diabrura! cruzes, canhoto!

LIBORIO

Desde esta manhan estou sendo uma almofada em que mão desconhecida
espeta alfinetes... Notem isto... Aqui está uma bota. Pergunto eu: onde
está a outra? Aqui está um chinelo; e o outro onde está?

SEBASTIANA

(_procurando_) Eu procuro... (_Aproxima-se da meza e vendo o que está
escripto_) Esperem lá!... (_Lendo_) «Seguir o fio.»

LIBORIO

(_approximando-se_) Seguir o fio?!

BARNABÉ

(_o mesmo_) Então sigamos o fio. (_Seguem os tres o fio da linha.
Sebastiana á frente vae innovelando o fio. Barnabé atraz_) Onde vae isto
parar? (_Vão indo até chegar á parede_) A linha aqui, trepa! (_Levantam
as cabeças_).

SEBASTIANA

(_vendo a bota_) Olha!

BARNABÉ

É ella!

LIBORIO

A minha bota!

BARNABÉ

A sua bota!

SEBASTIANA

É verdade, a bota!

LIBORIO

(_passando para a direita_) Quem a pendurou acolá?

SEBASTIANA

(_tirando a bota para baixo_) Eu não fui.

BARNABÉ

Menos eu.

LIBORIO

Por consequencia...

SEBASTIANA

O snr. Liborio tem estado a mangar comnosco... Isto é uma chalaça... não
ha que vêr...

LIBORIO

Hein?

BARNABÉ

(_rindo_) O meu genro hade ser sempre um pandego...

SEBASTIANA

Quiz-nos impingir esta comedia.

LIBORIO

Irra! Foste tu; olha que te ponho no olho da rua!...

SEBASTIANA

Oh senhor!...

BARNABÉ

Como imagina o senhor que esta rapariga...

LIBORIO

Se não foi ella... foi o senhor.

BARNABÉ

Meu genro!... ousar desconfiar que um antigo negociante...

LIBORIO

Tem razao... seria espirito de mais para um antigo negociante... Mas o
certo é que nós aqui não sômos senão trez. Minha mulher não póde ser,
porque está de cama com um pé torcido.

BARNABÉ

A respeito d'isso, parece que ella está melhor do pé... O senhor sabe
que ella está melhor do pé...

LIBORIO

Como eu que sei?

BARNABÉ

Eu ouvi o meu genro esta noite abrir a porta do quarto d'ella.

LIBORIO

Eu?

BARNABÉ

E que balburdia o senhor fez!...

LIBORIO

Eu?

BARNABÉ

Se não receasse ser indiscreto, vinha cá abaixo.

LIBORIO

O senhor está doudo! Eu não sahi d'aqui!

BARNABÉ

Ora, deixe-se d'isso...

SEBASTIANA

(_reflectindo_) Achei o que é... Já sei...

LIBORIO

(_vivamente_) Achaste quem é que manga comigo?

SEBASTIANA

É o senhor mesmo.

LIBORIO

Eu?

BARNABÉ

Elle? dize lá...

SEBASTIANA

(_a Barnabé_) Eu tive um primo que fazia o mesmo... levantava-se de
noite...

BARNABÉ

Um somnambulo! Ella tem razão... O snr. Liborio é somnambulo.

SEBASTIANA

É isso, é isso, somnambulo...

LIBORIO

Eu somnambulo!... está bem!... fico sciente!...

SEBASTIANA

É que o senhor não se lembra do que fez. Uma noite, meu primo, entrou
pelo meu quarto dentro, e abraçou-me; e eu como sabia que é um perigo
acordar os somnambulos, nada lhe disse, e elle ao outro dia não se
lembrava de nada.

LIBORIO

É lá possivel que fôsse eu!...

BARNABÉ

Então quem havia de ser?

LIBORIO

É assim... é--está tudo bem explicado... mas será dificil fazer-me crer
que eu a dormir rompesse os meus charutos, que deitasse pimenta no meu
bonnet e cozesse os meus lenços.

BARNABÉ

Aqui estou eu que fui somnambulo quando era pequeno, e escrevia os
traslados a dormir...

LIBORIO

(_á parte_) Estou inquieto... (_Alto_) Meu sôgro, e tambem tu,
Sebastiana, peço-lhes que não digam nada do acontecido a minha mulher.

SEBASTIANA

Eu cá por mim...

BARNABÉ

Fique na certeza...

LIBORIO

(_scismando_) De mais a mais, eu não sei cozer... Como é possivel que eu
soubesse cozer a dormir?...

SEBASTIANA

Ó meu senhor, o meu primo só sabia abraçar-me quando estava a dormir...
Chama-se a isso vista dobrada.

LIBORIO

(_á parte_) Este caso faz-me desconfiar...


SCENA IV

Os mesmos e Itelvina

ITELVINA

(_fóra_) Quem me acode, quem me acode!

BARNABÉ

Minha filha!

SEBASTIANA

Senhora!... (_Todos se dirigem para a porta da direita que se abre para
dar passagem a Itelvina que entra em toilette de noute com a perna
direita ligada encostando-se á parede_).

ITELVINA

Socorram-me... uma cadeira... amparem-me... (_Liborio e Barnabé pegam em
Itelvina em quanto Sebastiana puxa a cadeira para o centro da scena_).

BARNABÉ

Pois tu ergueste-te?

LIBORIO

Então isso como vae? melhorzinha?

ITELVINA

Pelo contrario... cada vez peor.

LIBORIO

Era melhor ter tocado a campainha.

ITELVINA

(_deixando-se cahir no fauteuil_) Ai! devagar, devagar... Sebastiana, um
banquinho...

LIBORIO

(_chegando-lh'o_) Aqui está... venha uma almofada... (_Sebastiana traz a
travesseirinha que elle colloca sobre o banquinho; depois quer pegar na
perna da mulher_) Com licença...

ITELVINA

Não lhe toque... Ai! a menor pressão... (_pondo a perna sobre o banco_)
Ai!... como eu estou!... (_Sebastiana tem passado para a direita_).

BARNABÉ

Para que te ergueste tu?

ITELVINA

Eu estava melhor... quiz experimentar... E, depois que me levantei,
achei-me tão boa, que pensei poder vir até cá; mas receio bem ter
aggravado o mal...

LIBORIO

(_á parte_) Vamos bem!... o casamento está para demora... O meu
matrimonio está pendente d'um pé desnocado... Se isto não fôr pé de
cantiga, fico toda vida a fazer pé de alferes a minha mulher coixa.

BARNABÉ

(_que tem estado a conversar com a filha_) Fizeste muito mal em te
levantares... Eu não posso demorar-me por que tenho de fallar com o José
Francisco Braga que me quer ceder a quinta da Carriça... E, como não
pude arranjar a de S. Mamede de Infesta, vou-me lá.

ITELVINA

Então o pae quer deixar-nos? Muda de casa?

LIBORIO

Ó meu sôgro!... (_á parte_) Não seria máo...

BARNABÉ

_Sôgro_... precisamente... um sôgro entre uns casados que se adoram, é
incommodo... é emprasador...

ITELVINA

Ora...

LIBORIO

Ora... (_á parte_) Diz muito bem...

BARNABÉ

E, n'esse caso, resolvi... com muito pezar... com muita saudade... ir
viver sósinho... o que me hade custar muito... na aldeia... É um
sacrificio... vou victimar-me á felicidade dos meus filhos... E além
d'isso, está no meu gosto... a meditação... divagar solitario no seio da
natureza...

ITELVINA

Então não o demoramos, meu pae; mas esperamo'l-o para o almoço.

BARNABÉ

Não será possivel... Tenciono almoçar no botequim... Não gosto de
almoçar de garfo; prefiro o meu café com leite, uma torrada, e o
_Primeiro de Janeiro_ que é tudo leve.

ITELVINA

Plena liberdade...

BARNABÉ

Liberdade... liberdade...! E, se tu agora peorasses...

ITELVINA

Não... eu sinto-me melhor... Sebastiana ficará ao pé de mim, e se fôr
preciso, o Liborio vae chamar o medico.

BARNABÉ

E eu não me demorarei muito tempo... Se o José Francisco lá estiver,
antes do meio dia volto a casa... Vou tratar depressa este negocio...
Então é verdade que estás melhorsinha?

ITELVINA

Sim... n'este momento quasi que não soffro.

BARNABÉ

Então vou acabar com isto... Meu genro, aqui lh'a entrego...

LIBORIO

Vá descançado, meu sôgro.

BARNABÉ

(_abraçando Itelvina_) Até logo, minha Lili... Vou-me já safando, por
que, se fôsses a peor, teria de ficar, e fazia-me desarranjo. (_Sahe
pelo fundo_).

LIBORIO

(_acompanhando-o_) Arrange lá os seus negocios e não se apresse...


SCENA V

Itelvina, Sebastiana e Liborio

ITELVINA

(_á parte_) Vou em fim saber o resultado das minhas primeiras picadellas
de alfinete.

LIBORIO

(_voltando de bom rosto para junto de sua mulher_) A senhora aqui... na
minha alcôva... Que surpreza!

ITELVINA

Ora esta! O senhor traz uma bota e um chinelo?!

LIBORIO

Foi a Sebastiana que...

SEBASTIANA

Eu? E elle a dar-lhe...

LIBORIO

Ou eu... É muito possivel que fôsse eu... Eu tenho padecido tanto depois
do nosso casamento... que posso estar doudo... (_Ergue-se_).

ITELVINA

(_á parte_) É possivel que elle se persuada...

SEBASTIANA

(_ao pé do leito_) Ora esta! as cortinas estão rasgadas! quer vêr?

LIBORIO

É isso, é isso; fui eu... Quando me erguia, puxei pelos cortinados, e
_zás!_... é preciso chamar o estofador.

ITELVINA

(_á parte_) Está persuadido que foi elle...

LIBORIO

(_á parte_) Ella acredita que eu sou somnambulo!...

SEBASTIANA

(_arrumando_) Este quarto está n'uma felga...

LIBORIO

(_á parte_) A mulher é capaz de ficar... Detestavel creatura!

ITELVINA

(_olhando para a pendula_) São onze horas?

LIBORIO

(_á parte_) Ai! já onze!

SEBASTIANA

Não, minha senhora, só são nove horas... Eu não sei como isto seja! A
pendula do senhor adianta-se, e o relogio atraza-se.

LIBORIO

Como será isso? entende-se bem... é muito simples... Sou eu que
desmancho tudo... Como heide eu andar direito, se o pé torto de minha
mulher não me sáe do espirito?!

ITELVINA

Pobre Liborio! (_á parte_) Elle será tão estupido? (_Alto a Sebastiana,
mostrando-lhe os suspensorios que estão no chão_) Sebastiana, levanta
isso.

SEBASTIANA

(_erguendo os suspensorios_) O senhor estragou assim os seus
suspensorios?

LIBORIO

É verdade, é verdade... Foi de proposito.

ITELVINA

De proposito?

LIBORIO

Encommodavam-me. (_á parte_) A creada já me inoja...

ITELVINA

(_á parte_) Como elle é tão philosopho, dobrarei a doze...

LIBORIO

(_a Sebastiana_) Sebastiana...

SEBASTIANA

Senhor.

LIBORIO

Seria bom tratar do almoço.

SEBASTIANA

Sim, meu senhor; mas, se a senhora precisar de mim?

LIBORIO

Se precisar, chamo-te... Faze um almoço ligeiro, refrigerante.
(_Sebastiana tem passado para a direita_).

ITELVINA

Eu tinha dado as ordens; mas, se as não approva...

LIBORIO

Eu? tudo o que a minha esposa quizer é o que eu quero... Sebastiana, vae
preparar o almoço que a senhora ordenou.

SEBASTIANA

Sim, meu senhor. (_Sae pelo fundo_).


SCENA VI

Itelvina e Liborio

ITELVINA

Ah! tu queres um _tête-à-tête_... Vamos a isso...

LIBORIO

(_á parte_) Sosinhos! estamos sosinhos! (_com transporte, sentando-se ao
lado de Itelvina_) Ah! Itelvina! Minha esposa! querida...

ITELVINA

Que é, meu amigo?

LIBORIO

Desculpa a minha perturbação!... esta emoção!... este primeiro
_tête-à-tête_... porque é o primeiro... o primeiro... depois que és
minha mulher, e que me pertences, Itelvina!... por que tu és minha, és o
meu bem, o meu thesouro, a minha vida...

ITELVINA

Sim, Liborio; somos um do outro, são inseparaveis os nossos destinos...
Eu sou sua como o senhor é meu... O senhor póde esquecer isso... eu é
que jámais!...

LIBORIO

Esquecer, esquecer, eu! Se tu soubesses as noites tormentosas que eu
passo!... o que me custa a adormecer... as reflexões que precedem o meu
somno... os sonhos que o acompanham... Queres que eu t'os conte?

ITELVINA

Pois sim, conte lá.

LIBORIO

(_erguendo-se_) Ás vezes, vejo-te sahir d'uma floresta como a Armengarda
do Alexandre Herculano das penhas da Covadonga; outras vezes estamos os
dois n'um paraizo terreal como Adão e Eva... e eu a apertar-te ao
coração (_aproxima-se_) a apertar-te... (_Cinge-a com os braços_).

ITELVINA

(_gritando_) Ai! ai!

LIBORIO

(_recuando_) Tu que tens!

ITELVINA

Ah! que dôres!

LIBORIO

(_á parte_) Diabolico torcegão!...

ITELVINA

Isto passa... não é nada... foi um geito que o senhor me fez dar. (_com
a voz natural_) Póde continuar, meu amigo.

LIBORIO

Em que estavamos nós?

ITELVINA

Estavamos no paraiso terreal.

LIBORIO

É verdade, um ao lado do outro.

ITELVINA

O senhor abraçava-me...

LIBORIO

Mas, presentemente, não me atrevo...

ITELVINA

Isso não faz nada ao caso... o abraço era a sonhar...

LIBORIO

Itelvina!

ITELVINA

Liborio!

LIBORIO

O nosso cazamento não é um sonho... pois não?

ITELVINA

Decerto não, meu amigo.

LIBORIO

E todavia...

ITELVINA

E todavia...

LIBORIO

Olha, Itelvina, eu queria que o pé torcido fôsse meu; ainda que tivesse
torcidos ambos os pés não deixaria de me lançar nos teus braços... Não
ha supplicio comparavel... Ah! Tantalo no meio da agua, debaixo de
arvores carregadas de fructos que elle não podia trincar... Eis a minha
posição!... a arvore... és tu! Tantalo, sou eu! Tenho fome, e não posso
comer... Horrivel!

ITELVINA

Então o senhor padece muito, não é verdade?

LIBORIO

Até ao extremo de me tornar cruel e insensivel ás tuas dôres... Quando
ahi te vejo, face a face, não ouço senão a minha paixão e...
(_abraça-a_)

ITELVINA

Ai! ai! meu Deus! ai!

LIBORIO

(_erguendo-se_) Não, não, não... nada de novo... mesmo nada... (_á
parte_) Tudo como d'antes... Quartel general d'Abrantes...

ITELVINA

Ai que dôres! que dôres lancinantes!

LIBORIO

Se sou o culpado, peço desculpa...

ITELVINA

Ah!... vae passando... adormece... Ah! respiro! (_tom natural_:) Póde
continuar, meu amigo.

LIBORIO

Continuar... o quê?

ITELVINA

Isso que me estava contando... que era muito bonito...

LIBORIO

(_á parte_) Ella parece innocente como uma ovelhinha recem-nascida!
(_alto_) Minha senhora, se me dá licença, ataremos o fio partido do
cavaco quando a senhora estiver san.

ITELVINA

Mas... por quê?

LIBORIO

Porque esta palestra... agita-me... agita-me bastantemente.

ITELVINA

Ah! sim? então fallemos d'outra coisa.

LIBORIO

Sim... de coisas frias... historias da Siberia... Fallemos do Marão, da
Serra da Estrella.

ITELVINA

Diga-me cá, não o incommoda andar com uma bota e um chinelo?

LIBORIO

Incommoda-me horrivelmente... e, se me dás licença, calço a outra.

ITELVINA

Se dou licença? ora essa... Póde calçar.

LIBORIO

(_calçando a outra bota_) De mais a mais, este acto não é por nenhuma
maneira provocante nem estimulante... até acho que faria bem em me
vestir... (_tira a camisola_)

ITELVINA

Vestir-se?

LIBORIO

Sómente vestir um colete e uma rabona (_á parte_) Creio que um marido,
sem faltar á decencia... (_Emquanto falla, vae abrir o gabinete da
toillete, e recebe na cara o outro chinelo que pendia d'uma guita_) Cá
está o outro chinelo!

ITELVINA

Tinha-o perdido?

LIBORIO

Nada, fui eu... Estou no habito de todas as noites...

ITELVINA

Pendurar um dos chinelos no gabinete de _toillete_...

LIBORIO

Sim... isto é... quero dizer... Ordinariamente penduro os chinelos...
não, eu ponho-os ambos aos pés da cama; mas aconteceu que pendurei
este...

ITELVINA

(_á parte_) É admiravel! nada o espanta! Forte idiota!

LIBORIO

(_á parte, tirando a gravata do gabinete_) É inevitavel que eu seja
somnambulo... acabou-se... sou somnambulo.

ITELVINA

É singular coisa! Tenho momentos em que não me doe nada o pé...
perfeitamente bôa...

LIBORIO

Esses momentos duram pouco (_Procurando atar a gravata_) Não me
ageito!... maldita gravata... estou muito perturbado...

ITELVINA

Quer que o ajude, meu amigo?

LIBORIO

Agradeço, mas receio...

ITELVINA

Venha cá... pois eu não sou sua mulher?

LIBORIO

Ah!

ITELVINA

O senhor diz _ah!_

LIBORIO

Eu cá me intendo... (_Ajoelha aos pés da mulher estendendo-lhe o pescoço
e dando-lhe a gravata_) Tu não me percebes... mas eu é que me
comprehendo... Mysterios...

ITELVINA

(_sorrindo_) Então tem segredos para mim, Liborio?

LIBORIO

Ah! Itelvina! que gentil, que formosa tu és! (_Itelvina aperta a
gravata_) Ai!

ITELVINA

(_ingenuamente_) Que tem?

LIBORIO

É que me afogas!

ITELVINA

É por que o senhor mexe-se.

LIBORIO

Eu mexo-me por que tu me asphixias.

ITELVINA

(_maviosamente_) Esteja assim quietinho... para eu lhe fazer um lindo
laço. (_Elle quer abraçal-a_).

ITELVINA

Ah! Deus do céo! que dôr!

LIBORIO

(_erguendo-se_) Não, não... não me lembrou... (_á parte_) Apre! que
situação! (_Passa para a esquerda, e vae vestir o collete e a rabona que
tira do gabinete_).

ITELVINA

Que dôres! que dôres!


SCENA VII

Os mesmos e Sebastiana

SEBASTIANA

(_entrando pelo fundo_) Está prompto o almoço, senhora. Onde quer a
meza?

ITELVINA

Não tenho appetite...

LIBORIO

Nem eu tão pouco, a não ser que... Que ha que almoçar?

SEBASTIANA

Ostras cruas, pasteis de camarão e sallada de lagosta.

LIBORIO

Ui! querem-me incendiar!

ITELVINA

Não gosta do almôço?

LIBORIO

Ha occasiões, menina, ha occasiões... mas, no estado actual, o que eu
precisava era limonadas e orchatas.

ITELVINA

Porque não vae almoçar com meu pae ao botequim?

LIBORIO

Pensa que eu a deixava...

ITELVINA

Não tem duvida... vá que eu preciso descançar.

LIBORIO

Tambem eu...

ITELVINA

Cá fica a Sebastiana... Vá e demore-se por lá, que eu preciso dormir.

LIBORIO

(_que passou para a direita_) Pois bem, seja assim; vá dormir, que eu
vou tomar um pouco d'ar. (_á parte_) Ah! Itelvina, Itelvina, por que
polkaste tu com o tabellião! (_Sahe pelo fundo_).

SEBASTIANA

(_que passou para a esquerda_) Então, pelo que vejo, ninguem almoça...

ITELVINA

Depois, Sebastiana, depois... mas tu não esperes. Almoças quando tiveres
vontade.

SEBASTIANA

Eu não posso deixar a senhora sósinha...

ITELVINA

Pódes... Vou dormir... Vae, e fecha-me esta porta. (_Sebastiana passa
para a direita_) Olha, para eu não acordar estremunhada, espreita, e
quando o senhor vier, vem prevenir-me.

SEBASTIANA

Sim, minha senhora. (_á parte_) Ella quer aqui dormir sósinha... porque
será? (_Sahe pelo fundo_).


SCENA VIII

Itelvina

(_só_) (_está um instante quieta, mas, logo que a porta se fecha, desata
precipitadamente as tiras que lhe ligam a perna, e entra a caminhar
rapidamente_). Ah! sim? tu comerás o almoço incendiario... hasde comêl-o
por força! quando só encontrares no teu _porte-monnaie_ um tostão para
pagar o leite e as limonadas, é natural que voltes ao teu posto... Essa
felicidade espero eu têl-a. Seja como fôr, vou tratando de armar as
engenhocas para a noite que vem. Comecemos pelas campainhas de que elle
abusa... Onde acharei eu com que as corte? (_Vae ao gabinete da toilette
e encontra lá uma faca de mato_) Uma faca de mato! Ah! tu tens facas nos
teus guarda-roupas?... tens!... está bom... esta hade servir-me... Vamos
primeiro cortar... Cortar, não! (_Atira com a faca para dentro do
gabinete que fecha_) O que se deve quebrar é o arame... Ah!... com a
cadeira sobre o leito, chego acima... (_Pega da cadeira, que põe sobre a
cama, e sobe acima cantarolando. Ergue-se, de costas para a parede, e
pega no arame com as mãos ambas_) Oh! c'os diachos! parece-me muito
rijo!... _An!_ é puxar... (_ouve-se tilintar a campainha_) Ai que eu
toquei! Se a Sebastiana me vê aqui...


SCENA IX

Itelvina e Sebastiana

SEBASTIANA

A senhora chamou?

ITELVINA

Ai!

SEBASTIANA

Onde é que está? (_Vendo-a_) Ah!...

ITELVINA

_Sio!_ cala-te!

SEBASTIANA

Foi a senhora que...

ITELVINA

Cala-te, que te heide dar uma prenda.

SEBASTIANA

Então que quer que eu faça, senhora?

ITELVINA

Espera ahi. (_Puxando pelo fio_) _Záz! Záz!_ Está quebrado! (_Quebra o
fio, e o mesmo tilintar da campainha continua_).


SCENA X

As mesmas e Liborio

LIBORIO

(_entrando pelo fundo quando sôa a campainha_) Ella a chamar, a minha
querida a chamar...

SEBASTIANA

Ui!... meu Deus!...

ITELVINA

Oh! co' a breca! Estou aviada!

LIBORIO

(_não encontrando a cadeira em que Itelvina ficou sentada e passa á
esquerda_) Como é isto? Ella não está aqui? (_Vendo-a_) Ólé!

ITELVINA

(_sempre sobre a cadeira; e com a maior naturalidade_) Então já por cá?

LIBORIO

Que fazes tu ahi?

ITELVINA

Como estava melhor do pé, quiz experimentar um passeio.

LIBORIO

Passear lá por cima?... Ah! tudo se explica! O somnambulo não era eu...
eram vocês as duas que...

SEBASTIANA

Ó senhor! os diabos me leve se...

LIBORIO

Retira-te.

SEBASTIANA

Mas senhor... Raios me parta, se...

LIBORIO

(_avançando para ella_) Rua! rua!

SEBASTIANA

Rua?... mas...

LIBORIO

Safa-te, ou eu... (_Sebastiana dá um grito e foge pelo fundo. Liborio dá
um pontapé no banquinho_).


SCENA XI

Liborio e Itelvina (_Durante estas ultimas fallas, Itelvina desce
serenamente da cadeira, depois desce do leito, e ahi fica fria e
impassivel_).

LIBORIO

(_fechando a porta do fundo, e approximando-se de Itelvina_) Agora nós
dois, senhora! (_silencio de Itelvina_). Quando eu entrava no botequim,
a inquietação fez-me regressar... Vejo que fiz bem... (_silencio_) Que
geringonça é esta? queira responder.

ITELVINA

Geringonça, dizes tu? perguntas-me que geringonça é esta?

LIBORIO

Sim!... pergunto e quero saber.

ITELVINA

(_formalisada_) Liborio, tu esmagaste o coração de uma mulher, o seu
primeiro amor...

LIBORIO

Eu? que esmaguei eu?

ITELVINA

Despedaçaste a minha vida, cobriste o meu céo com um crepe negro!...
Assassinaste Macario!

LIBORIO

Lerias!

ITELVINA

Atráz, assassino! atráz, que me horrorisas!

LIBORIO

Como? então é p'ramôr d'isso que?... Ora adeus! isso é pêta... eu não
matei Macario nenhum.

ITELVINA

Pois tu não assassinaste Macario?

LIBORIO

Não tinha eu mais que fazer!... E a prova é que Macario está vivo e são.

ITELVINA

Macario vive?

LIBORIO

(_reconsiderando_) Eu cá de mim não o matei... (_á parte_) que ia eu a
dizer? Ella ama-o! e, se sabe que elle vive, temos novo chinfrim...

ITELVINA

Ah! tu negas? não tens a coragem do teu crime?

LIBORIO

Itelvina, palavra d'honra!... Quem te disse?...

ITELVINA

Nada de questoens... Você está condemnado!

LIBORIO

Condemnado!

ITELVINA

Eu fiz um juramento, Liborio! e na minha patria não se quebram
juramentos!

LIBORIO

Isso nós veremos depois... A senhora jurou de encher de pimenta os meus
carapuços? coser os meus lenços?...

ITELVINA

Isso era um preludio... a farça antes da tragedia...

LIBORIO

Tragedia?!

ITELVINA

Para vingar Macario, cumpria que a sua vida me pertencesse, e por isso
casei comsigo!

LIBORIO

Então foi só para isso que...

ITELVINA

Unicamente para me vingar, e nunca pelos seus attractivos, percebe?

LIBORIO

Mas a senhora, casando comigo, tambem me deu a sua vida e...

ITELVINA

A minha estava despedaçada... O sacrificio que eu lhe fazia era d'uns
pedaços da minha existencia.

LIBORIO

Mas a senhora sabe que eu sou uma especie de balão que não obedece ao
movimento de vontades alheias?

ITELVINA

Os baloens obedecem ao capricho do vento, e os homens ao capricho das
mulheres.

LIBORIO

Sim? estou com curiosidade de vêr isso...

ITELVINA

Eis o meu programma: (_Com energia_) Quero que cada um dos teus dias
seja uma catastrophe! cada uma das tuas horas uma tortura! cada um dos
teus minutos um grito de dôr!...

LIBORIO

(_com ironia_) Diga lá o resto.

ITELVINA

Heide fazer-te tragar todas as amarguras! cravejar-te com todos os
punhaes!... passarás a vida sobre umas grelhas como S. Lourenço, e eu de
vez em quando a voltar-te nas grelhas... e tu a arder, a rechinar...
oh!...

LIBORIO

Que enorme têlha!

ITELVINA

É o teu futuro!

LIBORIO

Mas é que eu fujo-te... podéra!...

ITELVINA

E eu vou atraz de ti. Sou tua mulher; a lei obriga-te a receber-me.

LIBORIO

Excellente separação de corpos a que já estou habituado!... Divorcio-me.

ITELVINA

E as provas? Pensas no divorcio? Cuidas que eu não previ já esse caso
muito natural de me quereres escapar? Eu já li o teu codigo civil.
Ninguem se separa sem provas e testemunhas; e tu nunca hasde arranjar
testemunhas nem provas. Mulher mais terna do que eu, em publico, não
hade haver segunda, heide acariciar-te, ameigar-te, se fôr preciso, que
isso me não custa nada...

LIBORIO

(_á parte_) Irra! estou a sentir uns calefrios na espinha...

ITELVINA

Em publico, serás o meu amante, o meu heroe, o meu Deus! Serás um mortal
ditoso e invejado!... possuirás uma gentilissima esposa,
dedicadissima... e, se, um dia, ousares queixar-te de mim, se promoveres
o divorcio, passarás por um monstro extraordinario, por um ignobil...
malandro!

LIBORIO

(_á parte_) Isto é o José do Telhado disfarçado em mulher!

ITELVINA

(_indo para Liborio que passa á esquerda_) Mas o anjo das salas será o
demonio dos lares! quero que a tua vida se teça de espinhos
dilacerantes. Não entrarás em tua casa sem cahir n'uma esparrela! Não
poderás sahir sem te palpitar uma desgraça imprevista. E este amor...
este amor que me pedias, heide dál-o a outro!

LIBORIO

Oh! _Shocking!_

ITELVINA

Sim! heide cuspir na tua honra!

LIBORIO

(_furioso_) Senhora!

ITELVINA

Eis o teu futuro, Liborio! eis o teu futuro! (_sahe pela direita_).


SCENA XII

Liborio

(_só, atordoado_) Safa! caramba! É _bècarre!_ Estou a abafar! ardem-me
os miolos! Anda-me tudo á roda! Parece-me que estou n'uma jaula
_tête-à-tête_ com uma panthera solta... Falta-me a coragem para a lucta!
(_Cáe prostrado perto do gueridon_) Que a panthera me devore!
Resistir-lhe é-me impossivel!... (_Fecha os olhos e fica immovel..._)

SCENA XIII

Liborio e Barnabé

BARNABÉ

(_entrando alegremente pelo fundo_) O meu negocio vae bem...
optimamente.

LIBORIO

É elle!... (_levanta-se e sobe um pouco_).

BARNABÉ

Ah! meu amigo Liborio, obterei a casa. O Braga ainda hesita quanto ao
preço, mas eu conheço-lhe o genio... elle é condescendente... e emfim,
viverei em paz e socego.

LIBORIO

(_dirigindo-se-lhe_) Em paz?... Sorri-lhe essa esperança? Pois não
viveste...

BARNABÉ

Sim... sorri-me esta esperança.

LIBORIO

O senhor é cumplice, não é?

BARNABÉ

Cumplice de quem?

LIBORIO

Da besta-fera de quem se intitula pae?

BARNABÉ

Snr. Liborio! Modere-se!

LIBORIO

É cumplice d'ella... Concorde... Apraz-me a sua confissão... Ao menos
que a minha colera encontre um homem em frente d'ella...

BARNABÉ

Eu não o percebo! Será isto um ataque de somnambulismo?!

LIBORIO

Somnambulo! Ainda está n'isso, o senhor! Não sabe que a farça se
desenvolveu depois... o véo veio á terra... descobri o inimigo do meu
descanço, o ente mal-fazejo que se mettia, de noite, no meu quarto, para
me transtornar tudo...

BARNABÉ

Então... quem é?

LIBORIO

A sua hedionda filha... a sua filha que o senhor teve artes de me
impingir!...

BARNABÉ

Itelvina? o senhor está a mangar...

LIBORIO

Sim... finja-se espantado!...

BARNABÉ

Com um pé desnocado? a minha filha?

LIBORIO

(_rindo amargamente_) Pé desnocado! (_rindo_) Ah! ah! ah! ah! Não vê que
ella me bigodeou?

BARNABÉ

Mas para quê?

LIBORIO

Para quê? para vingar Macario que ella me accusa de eu ter assassinado!

BARNABÉ

Isso é incrivel!

LIBORIO

E quer saber o futuro que ella me destina? A sorte de Meneláo de
Sganarello, de Vulcano e d'outras testas celebres.

BARNABÉ

E ella disse-lh'o? Mas, quando isso se dá, as mulheres nunca previnem os
maridos...

LIBORIO

É uma excepção...

BARNABÉ

Tudo isso é tão anormal... tão extravagante... (_como assaltado por uma
idea_) Ah!

LIBORIO

Que é?

BARNABÉ

Lá vou... Foi a palavra _extravagancia_ que me orientou... Estou no
caminho...

LIBORIO

Caminho de quê?

BARNABÉ

O snr. Liborio sondou o pulso de sua mulher?

LIBORIO

Ora essa!... sondar-lhe o pulso!... Não.

BARNABÉ

Fez mal. Esta excentricidade no seu proceder, este humor extravagante...
explica-se tudo...

LIBORIO

O quê? o que é que se explica?

BARNABÉ

É a crize ordinaria... Amigo Liborio, não succumba ao pezo da sua
felicidade... Liborio, vou dar-lhe um jubilo immenso... Olhe que vae ser
progenitor! Vae ser pae!

LIBORIO

(_exasperado_) Pae!

BARNABÉ

Sim! esses appetites desvairados... essa desordem moral...

LIBORIO

(_agarrando-o pelo colete_) Ah! patife!

BARNABÉ

Hein? você chame-me patife? a mim?

LIBORIO

É a minha deshonra que você apregôa!

BARNABÉ

(_desagarrando-se sem poder_) Que diz?

LIBORIO

Você sabia-o e não me gritou: _acautele-se!_

BARNABÉ

Você esgana-me!...

LIBORIO

Mas agora estou convencido... (_sacode-o cada vez mais_).

BARNABÉ

Largue-me! socorro! ó da guarda!


SCENA XIV

Os mesmos e Itelvina (_Itelvina entrando agitadamente pela direita; está
em toilette de quem vae a passeio_).

Que é isto? que aconteceu? (_Liborio larga Barnabé, que cahe assentado
ao pé da jardineira. Liborio fica um momento immovel entre o sogro e a
mulher, olhando-os alternadamente; depois despede um suspiro abafado, e
sahe precipitadamente pelo fundo, fazendo um gesto de horror_).


SCENA XV

Barnabé e Itelvina

BARNABÉ

(_assentado_) Uf! (_bufando_)

ITELVINA

O pae que tem! parece que está sobresaltado!

BARNABÉ

Sim... com certeza... eu não me sinto bastante bem. (_respira
fortemente_).

ITELVINA

Mas que aconteceu?

BARNABÉ

(_erguendo-se_) Aconteceu... mas não, as explicações são inuteis... Vou
deixar esta caverna...

ITELVINA

Mas emfim... que lhe disse o meu marido? onde foi elle?

BARNABÉ

Não sei nem me importa... Cá te avêm sem mim... Lavem cá a sua roupa
suja como poderem, que eu tenciono ser estranho a esta barrela. Boas
tardes. (_Vae para sahir_).

ITELVINA

Mas... meu pae! venha cá...

BARNABÉ

Convence-te de que me vou embora (_sobe_).

ITELVINA

(_tolhendo-lhe o passo_) Ao menos diga-me...

BARNABÉ

Não digo... deixa-me!

ITELVINA

Não hade sahir!

BARNABÉ

Impedir-me! (_indo para ella_) Minha filha!

ITELVINA

Não sahe antes de me dizer...

BARNABÉ

Tudo o que eu tenho no coração? Vaes ser satisfeita! Tu, a meu pezar,
envolves-me nas tuas combinaçoens ferozes! Pois bem... Tambem eu vou
torturar-te... e desde já fica sabendo uma pequena coisa que te vae dar
grande prazer! Macario existe! Macario vive!

ITELVINA

Macario!

BARNABÉ

Nunca se bateu... não era tão bêsta, como isso... É um maltrapilho, mas
é velhaco... Elle logo conjecturou a linda mulhersinha que tu serias...
e disse lá com os seus botões: «Não quero contas com a mexicana» e pediu
a este bajojo do Liborio que viesse annunciar-te a sua morte, e este
parvoeirão foi tão asno... que...

ITELVINA

O pae está blasphemando...

BARNABÉ

Que é blasphemar?

ITELVINA

Macario vivo!... Macario auctor de tal perfidia!... não, não, é
impossivel!

BARNABÉ

Com que então impossivel! E, se eu te disser, que elle, bem contente por
não entrar n'este langará, se consola em uma mancebia...

ITELVINA

Mancebia?

BARNABÉ

Sim... com uma creaturinha, de pouco mais ou menos, rua de Miragaya n.º
1071, lado direito.

ITELVINA

Rua de Miragaya n.º 1071, lado direito...(_Passa para a esquerda_).

BARNABÉ

Mudou de freguezia; mas não de costumes... O fedor dos escandalos de
Miragaya não passa da Cordoaria, e confunde-se com as flôres do jardim e
do peixe do barracão...

ITELVINA

Oh! isso seria horrivel! horrivel! (_Liborio entra pelo fundo_).


SCENA XVI

Os mesmos e Liborio

LIBORIO

(_com o porte-monnaie na mão_) Minha senhora, eu tinha aqui 12$000 réis.
Foi a senhora que lhe deitou o gatazio?

ITELVINA

Logo o saberá quando eu voltar (_Sahe_).

LIBORIO

Onde vae você?

ITELVINA

Rua de Miragaya n.º 1071. (_Sahe precipitadamente pelo fundo_).

LIBORIO

Que é? Rua de Miragaya n.º 1071! Quem lh'o diria? (_A Barnabé_) Foi o
senhor... Rua de Miragaya, é lá effectivamente (_Ouve-se fechar á chave
a porta do fundo_) Ella fecha-nos! e vae a casa d'elle! a casa d'elle!
(_Indo á porta da direita_) Por esta porta... (_Ouve-se o rodar da chave
que a fecha_) Fechada! fechada tambem! (_correndo á chaminé_)
Sebastiana! (_pucha pelo cordão da campainha_) Não ha campainha! está
quebrada a campainha!

BARNABÉ

E o Braga que me está esperando para assignar a escriptura!

LIBORIO

Eis-me encarcerado!

BARNABÉ

E eu!

LIBORIO

(_fóra de si, ameaçando Barnabé_) Ah! seu biltre! foi você a causa de
tudo isto! (_Atira-se a Barnabé, que procura fugir-lhe, aos encontroens
aos trastes. Liborio persegue-o vivamente. Cahe o panno, quando Barnabé
está apitando_).

FIM DO ACTO SEGUNDO



ACTO TERCEIRO

A mesma decoração.--Grande desarranjo.--Os moveis tombados, um colchão
está meio cahido para fóra do leito.


SCENA I

Liborio e Barnabé (_ao levantar do pano, Barnabé está sentado no
colchão, e Liborio, á direita sobre uma cadeira de braços, cahida.
Depois de instantes de silencio, Liborio levanta-se e vae á janella_).

LIBORIO

(_examinando a rua_) Nada, não vejo vir ninguem. Que horas são, snr.
Barnabé?

BARNABÉ

Outra vez... Depois do nosso combate... singular, já me perguntou isso
trez vezes.

LIBORIO

A quem heide eu perguntal-o? ao meu relogio? á minha pendula? Tudo aqui
está desmanchado (_á parte_) como a cabeça de minha mulher (_Levanta a
cadeira_).

BARNABÉ

Ha cinco minutos que eu lhe disse que eram 3 e 25; agora, por
consequencia, são trez e meia.

LIBORIO

(_passeando com grandes passos_) Ella sahiu ás duas horas... (_dirige-se
a Barnabé_) Como explica o senhor isto? Auzente á hora e meia! (_Arruma
os trastes_).

BARNABÉ

Não que d'aqui de Malmerendas a Miragaya são dois kilometros. Dê-lhe
tempo...

LIBORIO

Que lh'o dê? Ella toma o que quer! Fechar o pae e o marido para ir...

BARNABÉ

Minha filha é incapaz de tal...

LIBORIO

É capaz de tudo: é Mexicana, e basta.

BARNABÉ

Não o contrarío, para você não pegar de novo comigo. (_Levanta-se e põe
o colchão sobre o leito_).

LIBORIO

Ah! o senhor tem magnificas ideias! Que eu era pae! Esta só pelo diabo!
eu podia lá ser pae, homem!

BARNABÉ

E eu podia lá imaginar que o senhor depois de casado?... Emfim, o que eu
lhe disse era para o applacar...

LIBORIO

E para applacar minha mulher disse-lhe que o Macario era vivo. Foi isso?

BARNABÉ

Está claro; as minhas intençoens fôram sempre boas... eu não tive culpa,
se o senhor é um marido... distincto.

LIBORIO

Que horas são?

BARNABÉ

(_tirando o relogio pacientemente_) Trez e trinta e dous minutos. Outra
vez. O melhor é ficar com o relogio na mão, (_fica assobiando_) até o
senhor acertar o seu.

LIBORIO

O senhor assobia?

BARNABÉ

Então o senhor quer que eu chore? Deixe-me assobiar, homem! Ha paixoens
d'alma que não desafogam se não pelo assobio... situaçoens crueis em que
um homem sente a necessidade de estar sempre não só a assobiar, mas até
a apitar.

LIBORIO

Tem rasão. Quando se possue uma filha como a sua, e uma esposa como a
minha, todas as manifestaçoens do assobio e do apito são permittidas.
(_Barnabé continua a assobiar_) Tem rasão. Assobie á sua vontade... use
de todos os instrumentos de sôpro... Desabafe, snr. Barnabé, que eu faço
o mesmo. (_Assobia tambem. Ouve-se ruido de passos_). _Sio..._ escute...

BARNABÉ

Será?... (_rumor na fechadura_).

LIBORIO

É ella!

BARNABÉ

Prudencia, snr. Liborio, prudencia...

LIBORIO

(_sentando-se n'uma cadeira á esquerda, e pegando de um jornal de sobre
o fogão_) É ella... (_atira os pés para cima de uma cadeira_).

BARNABÉ

(_á parte_) Elles vão-se agatanhar!... se eu podesse tingar-me...


SCENA II

Os mesmos e Itelvina (_Abre-se a porta do fundo precipitadamente.
Itelvina entra muito agitada, fita o pae e o marido, tira o chaile e o
chapeu que atira sobre a cama; depois, desce, torna a fitar o marido e o
pae, e diz a Barnabé_):

ITELVINA

Meu pae! deixe-nos sós. (_Barnabé, sem responder, safa-se apressadamente
pelo fundo_).


SCENA III

Liborio e Itelvina (_Itelvina está momentos sem fallar, olhando para o
marido que a não encara; depois faz um gesto de impaciencia e diz:_)

ITELVINA

Vi Macario. Não estava só... Estava com uma creatura com um penteado de
estardalhaço, muito estapafurdio. Iam sentar-se á meza... e eu puxei
pela toalha e quebrei tudo... (_Movimento de Liborio, que logo se
riprime, e retoma a sua apparente tranquilidade_). Levantaram-se ambos e
avançavam para mim; eu fiquei de braços cruzados, serena, immovel,
encarando-os assim! Depois affastei-me lentamente, sem dar palavra, e
sahi! (_Silencio. Itelvina dá uns grandes passos_) Ah! o que são os
homens! o que são os homens! (_Torna para o marido_) Por que é que o
senhor me annunciou a morte d'elle? (_Silencio_) Eu sei-o, disse-m'o meu
pae... foi elle, esse miseravel que assim o quiz, não foi? O infame
Macario escarneceu o meu amor, ludibriou a minha angustia! Ah! é
incomprehensivel! é execravel! (_Pega da cadeira em que o marido tem os
pés e senta-se ao lado d'elle_) Como é que nós havemos de matar Macario?

LIBORIO

(_agitado, erguendo-se_) Que diz?

ITELVINA

(_fazendo-o sentar-se_) Ambos nós andamos mal, Liborio. Eu cuidei que tu
o matáras... Não se falle mais no passado... acabou-se... Agora,
unamo-nos para a vingança... Como é que se hade assassinar Macario?

LIBORIO

(_erguendo-se_) A senhora terá o diabo no corpo?

ITELVINA

Se estivessemos na minha patria, eu não o consultava; mas aqui, os
homens que fizeram as leis, reservam para si o monopolio da vingança, e
a honra de uma mulher nada importa, se não implica com a honra do homem.
Pois então, snr. Liborio, visto que me esposou, a minha honra é a sua.
Um pulha, um sacripanta escarneceu sua mulher... cumpre-lhe evitar que
elle o escarneça tambem a si... (_com ternura_) Mata-o! filho! mata-o!

LIBORIO

(_á parte_) Arreda! estou em braza!

ITELVINA

(_formalisada_) Dar-se-ha caso que o senhor, escravo de vãos prejuizos,
não queira attentar contra a vida d'elle sem expor a sua? Se é isso,
esteja descançado. Se Macario o matar, eu não lhe sobreviverei, nem
elle, por que morrerá ás minhas mãos; matal-o-ei, matal-o-ei, e depois
lá nos veremos... no ceu! (_Apontando-lhe para o ceu, bate-lhe com a
outra mão no hombro_).

LIBORIO

A senhora com toda a certeza está doida!

ITELVINA

Doida?

LIBORIO

Então a senhora quer que eu vendime o Macario por que elle não quiz
cazar comsigo... Tomára eu obrigal-o a cazar...

ITELVINA

Senhor! veja lá o que diz!

LIBORIO

Olhe, menina; isso que a senhora me propõe já Hermione o propoz a
Orestes em uma tragedia de Racine, e sabe o que fez a canalha da
Hermione, depois que o parvo do Orestes matou Pyrrho? Poz-se a chorar
por Pyrrho, e mandou o Orestes á fava. Aqui tem a gratidão das
mulheres...

ITELVINA

Por tanto, recuza?

LIBORIO

Redondissimamente. (_á parte_) Isto é que é o _chic_ da patifaria!

ITELVINA

Bem! Eu pedia-lhe a cabeça de Macario para salvar a sua... Você não
quer? não quer? não se falla mais n'isso.

LIBORIO

Isso que quer dizer... explique-se!

ITELVINA

Macario recuou deante dos laços indissoluveis; mas amava-me, estou certa
d'isso, e eu... ainda o amo.

LIBORIO

(_levantando os dois braços_) Que diabo!

ITELVINA

E visto que o senhor desculpa o proceder passado de Macario, terá de
desculpar tambem o futuro...

LIBORIO

(_agarrando-a pelos braços_) Mulher!... Ah! tu pensavas que...

ITELVINA

Largue-me!

LIBORIO

Amas Macario?

ITELVINA

Você magoa-me!

LIBORIO

Os indigenas do Mexico que é o que fazem ás mulheres que se parecem
comtigo?

ITELVINA

O senhor está-me a quebrar os braços...

LIBORIO

Póde ser; por que em Portugal, nós os homens, ao lado da lei, tambem
temos a força.

ITELVINA

Isso é uma covardia!

LIBORIO

Não sei se é; mas eu, se houvesse de matar alguem, não mataria o
Macario...

ITELVINA

Ai! (_Cahe de joelhos_).

LIBORIO

Olhe bem para mim, senhora! (_Ella quer morder-lhe a mão_) e não môrda!
Se cuidou que cazava com um cordeirinho, mude de opinião a meu respeito.
Este homem que se chama Liborio, nascido no Porto, no Poço das Patas n.º
610, é de per si só mais feroz que todos os leopardos do Mexico... Não
môrda, ouviu?

ITELVINA

Ai!

LIBORIO

Por emquanto, deixo-a viver; mas tenha juizo, muito juizo, ou dou-lhe a
minha palavra de honra que não tardarei a passar a segundas nupcias!
(_Deixa-a_).

ITELVINA

(_conserva-se um instante immovel, como humilhada de sua fraqueza;
relança á volta de si olhos furiosos, depois levanta-se de um pulo,
exclamando:_) Ah! a faca de mato! (_Corre para o gabinete da toillete_).

LIBORIO

Bem sei... (_Vae atraz d'ella, e fecha-lhe a porta por fóra logo que
ella entra_).

ITELVINA

(_fechada_) Abra, abra a porta!

LIBORIO

(_pegando do chapeo_) Medite, senhora, que eu passados tres dias, volto
cá. (_Sahe pelo fundo_).

ITELVINA

(_batendo na porta_) É infame, é abominavel! Snr. Liborio! Olhe que
quebro a porta. (_Pancadas cada vez mais fortes_) Abra-me a porta;
peço-lhe que me abra a porta por quem é! Oh! que vil, que indigno
procedimento!


SCENA IV

Itelvina (_fechada_) e Barnabé

BARNABÉ

(_entrando pelo fundo_) Ora aqui está! Em quanto eu estive aqui fechado,
o Braga vendeu a casa da Carriça... Tenho de procurar outra...
(_Itelvina bate á porta do gabinete. Barnabé que está perto, recua
assustado_) Que diabo é isto?

ITELVINA

Abra-me a porta!

BARNABÉ

A minha filha fechada! (_alto_) Tu que fazes ahi?

ITELVINA

Abra, meu pae, abra!

BARNABÉ

Mas como foi isto? (_Vae para abrir_).

ITELVINA

Foi meu marido... Abra que eu lhe contarei.

BARNABÉ

(_retirando-se_) Teu marido!... diabo! diabo! isso é mais serio...

ITELVINA

Então, abre?

BARNABÉ

Minha filha, um sôgro não deve intervir entre marido e mulher.

ITELVINA

Então não abre?

BARNABÉ

Procedo como fino politico... Mantenho-me na neutralidade, na não
intervenção.

ITELVINA

Mas eu suffoco!... (_Grando tropel dentro_).

BARNABÉ

Não suffocas, não... Isso passa!... (_á parte_) Ella arromba o
sobrado!... (_Sahe_).

ITELVINA

(_batendo sempre_) Meu pae! meu pae! Foi-se?... Socorram-me! Acudam-me!


SCENA V

Sebastiana e Itelvina (_Sebastiana entra pela direita, trazendo pratos,
talheres, pães e guardanapos_)

SEBASTIANA

A voz da senhora no gabinete de vestir... (_Pousa o que traz sobre o
marmore do fogão_). É a senhora?

ITELVINA

Abre, Sebastiana, abre a porta.

SEBASTIANA

Ahi vou, ahi vou. (_Abrindo_) Que foi isto?

ITELVINA

Péga! (_Dá uma bofetada em Sebastiana_).

SEBASTIANA

Ah! a senhora bate-me?

ITELVINA

(_percorrendo o theatro furiosa_) Ó raiva! ó furor!

SEBASTIANA

Se eu soubesse que estava fechada...

ITELVINA

Perdôa-me, perdôa-me, Sebastiana... É a colera, são os nervos...
(_Dá-lhe dinheiro_) Pega lá, guarda...

SEBASTIANA

Obrigado, minha senhora! (_á parte_) Ella é muito boasinha! (_Põe a meza
na jardineira_).

ITELVINA

(_cahindo n'uma cadeira á direita_) Tudo que me succede é incrivel! é
estupido! Este homem que eu julgava um choninhas, um maricas, um
fracalhão, agarrou-me, e prostrou-me supplicante! Elle furioso,
parecia-me até bonito! (_Voltando-se para Sebastiana que põe a meza_)
Que estás a fazer?

SEBASTIANA

Ponho a meza, senhora.

ITELVINA

Aqui?!

SEBASTIANA

A senhora esqueceu-se das ordens que me deu esta manhan?

ITELVINA

Ah! sim, sim, esta manhan... então ainda eu me preoccupava com
pieguices... Mas agora... (_Ouve-se a campainha_) Tocaram.

SEBASTIANA

Vou vêr. (_Sahe pelo fundo_).

ITELVINA

(_só_) Não póde ser meu pae nem meu marido... elles não tocavam. Se
fôsse elle... ah! talvez seja... Macario! Quem sabe se a minha presença,
despertando-lhe lembranças, acordou a sua paixão... Ah! se fôsse elle,
se fôsse elle...

SEBASTIANA

(_entrando pelo fundo. Traz uma garrafa, copos e um papel_) Senhora, é
um homem, enviado pelo snr. Macario, com este papel.

ITELVINA

(_pegando no papel com anciedade_) D'elle? dá cá, dá cá. (_Passa para a
direita, em quanto Sebastiana põe a garrafa e os copos sobre o gueridon.
Á parte_) Ah! não me enganei! Elle ama-me!... Triumpho, em fim!

SEBASTIANA

(_á parte_) Ella que terá?

ITELVINA

(_lendo_) «Anno do Nascimento de... 1885, aos 24 dias de... a
requerimento...» Hein? papel sellado! (_lendo_) «A requerimento do snr.
Macario dos Anjos, eu, official de justiça abaixo assignado, citei a
snr.ª D. Itelvina Barnabé para pagar a quantia de 64$460 réis de
porcellanas e crystaes quebrados, etc. etc. etc.» Ah!... (_Cahe em uma
cadeira á direita e fica silenciosa_).

SEBASTIANA

(_que tem continuado a pôr a meza, corre para ella_) Ai! meu Deus! a
senhora achou-se mal?


SCENA VI

Os mesmos e Barnabé

BARNABÉ

(_entrando cautamente pelo fundo e vendo Sebastiana que encobre a
senhora_) Sebastiana! A senhora ainda está no gabinete?

ITELVINA

(_indo para o pae_) Meu pae!

BARNABÉ

(_querendo safar-se_) Olha!...

ITELVINA

Venha cá!...

BARNABÉ

Eu volto logo.

ITELVINA

Fique, meu pae. Vae-te embora, Sebastiana.

SEBASTIANA

Sim, minha senhora. (_Sahe pelo fundo_).

BARNABÉ

Vou-te contar... Descobri outra quinta no Candal.

ITELVINA

Meu pae, eu volto para o Mexico.

BARNABÉ

Com teu homem?

ITELVINA

Já não tenho homem.

BARNABÉ

Não tens homem? Então Liborio o que é? Parece que tens razão... Elle
para homem parece-me muito atrazado... Tu lá sabes...

ITELVINA

Fujo de Portugal, das suas leis, do seu codigo, dos seus costumes
(_ironicamente_) e da sua justiça...

BARNABÉ

Mas, desgraçada, tu vaes encontrar a mesma coisa no Mexico.

ITELVINA

No Mexico?

BARNABÉ

Portugal não tarda a lá chegar com a sua influencia, com os seus
jornaes...

ITELVINA

Irei para a China.

BARNABÉ

Não sabes que Portugal está em Macáo! Basta lá estar o Camoens na gruta.

ITELVINA

Vou para o Japão.

BARNABÉ

Estão lá missionarios portuguezes... os jesuitas que tem um olho muito
fino...

ITELVINA

Irei para uma ilha deserta. (_Passa para a esquerda_).

BARNABÉ

Ah! sim! se achares uma... Ilhas desertas são hoje rarissimas... Não se
apanha meia...

ITELVINA

O pae vae comigo?

BARNABÉ

Eu!

ITELVINA

É indispensavel...

BARNABÉ

Nunca! Pede-me o que quizeres; mas viver só comtigo, isso, nunca!

ITELVINA

Não importa. Vou sosinha. (_Repassa para a direita_).

BARNABÉ

Filha!... juisinho, filha.

ITELVINA

Eu já não tenho pae... nem marido... nem familia. Parto! adeus! (_sahe
pela porta da direita_).

BARNABÉ

(_vendo-a sahir, depois diz tranquillamente_) Fallaram-me d'uma casinha
no Candal, e, se não fôr humida, tem muitas commodidades. Fiquei de me
encontrar com o agente ás cinco horas, e...


SCENA VII

Barnabé e Liborio

LIBORIO

(_entrando pelo fundo, sem vêr Barnabé, e olhando para a porta do
gabinete que está aberta_) Ah! já a soltaram! Sim... definitivamente é a
melhor resolução... (_Vendo Barnabé_) Olá! o senhor!

BARNABÉ

Eu ia sahir.

LIBORIO

Eu tambem parto.

BARNABÉ

E para onde vae?

LIBORIO

Isso é que eu não sei; sei que vou para muito longe. (_Passa á
esquerda_).

BARNABÉ

Muito longe?

LIBORIO

Se vir sua filha, diga-lhe que morri.

BARNABÉ

(_tranquillamente_) Está bem; direi.

LIBORIO

Diga-lhe que me matou Macario--dê-lhe esse regalão.

BARNABÉ

Está dito. Vá descançado.

LIBORIO

Vou arranjar a mala. (_Entra no gabinete_).

BARNABÉ

(_vê-o sahir e ata o seu monogolo_) É no Candal, suburbios de Villa Nova
de Gaya; visitarei os armazens. Gaya dizem que tem um castello feito por
um rei Mouro, e uma fonte celebre com uma agua muito fina, que seria a
melhor bebida do mundo, se não estivessem ali perto as garrafeiras de
1815. Logo ali ao pé está o convento da serra, um logar historico... É
um bello arranjo... com repuxo. (_Desapparece pelo fundo--A scena fica
vasia_).


SCENA VIII

Liborio e Itelvina

ITELVINA

(_entrando pela direita com uma malêta_) Creio que deixei aqui o meu
chaile e o meu chapeu (_Põe a malêta sobre a meza_).

LIBORIO

(_sahindo do gabinete com a mala_) Onde diabo deixei eu a minha _Guia de
viajantes_?

ITELVINA

(_achando o chaile e o chapeo sobre a cama_) Cá estão.

LIBORIO

(_achando a Guia_) Ella aqui está.

ITELVINA

(_parando junto d'elle_) Ah!... o senhor...

LIBORIO

(_surprehendido_) Ólé!... a senhora.

ITELVINA

Você parte?

LIBORIO

Parto.

ITELVINA

É boa! temos a mesma ideia!

LIBORIO

Tambem vae?

ITELVINA

Sim senhor... As ideas encontram-se.

LIBORIO

Muito bem; mas, embora se encontrem as ideas, é necessario que nós nos
desencontremos. Para onde vae?

ITELVINA

Para onde o senhor não fôr.

LIBORIO

Temos o mesmo itinerario. (_Assenta-se perto da jardineira, tendo a mala
sobre os joelhos cujas correias afivela, depois de lá ter mettido
pequenos objectos que tirou do marmore do fogão_).

ITELVINA

Eu vou para o sul.

LIBORIO

Paizes quentes... vae muito bem. N'esse cazo, tomarei o caminho de ferro
do norte.

ITELVINA

Ás mil maravilhas.

LIBORIO

Ora olhe... (_consulta o Guia_) Segue para Lisboa?

ITELVINA

Sigo no expresso.

LIBORIO

Ás 7 da tarde.

ITELVINA

Tão tarde!

LIBORIO

Vejamos a linha do norte. Quatro e quarenta e cinco... que zanga!

ITELVINA

D'aqui até lá, que se hade fazer?

LIBORIO

Uma ideia que o estomago me inspira. Estou em jejum. Jantarei antes de
partir.

ITELVINA

Na estação de Campanhã? Pois vá!... Eu faço o mesmo.

LIBORIO

(_a sahir com a mala_) Adeusinho, e estimo que coma com bom appetite.

ITELVINA

Da mesma sorte. (_Vão ambos a sahir pela porta do fundo, e param,
cedendo a passagem um ao outro cortezmente_). Faz favor.

LIBORIO

Queira passar, minha senhora...


SCENA IX

Os mesmos e Sebastiana

SEBASTIANA

Aqui está a sopa. (_Passa por deante de Liborio e colloca a terrina
sobre o gueridon_).

LIBORIO

A sopa!... Como cheira bem!

SEBASTIANA

Está uma delicia, meu senhor! (_sahe pelo fundo_).

ITELVINA

(_á parte_) Uma senhora sosinha n'um restaurante...

LIBORIO

(_aproximando-se da meza_) Que aromatica!...

ITELVINA

(_á parte_) O que eu devo fazer é deixar-me estar (_Depõe a malêta, o
chaile e o chapeo_).

LIBORIO

(_largando a mala_) Se eu tomasse um caldo...

ITELVINA

(_indo á jardineira, e achando Liborio a destapar a terrina_) Então
sempre se resolve?...

LIBORIO

Ah!... é que eu... como o outro que diz...

ITELVINA

Sim... eu tambem reflecti que jantar sosinha n'um restaurante...
Repara-se, não é verdade?

LIBORIO

(_pegando da mala e passando para a direita_) Tem razão e eu cedo-lhe a
sopa.

ITELVINA

Então o senhor... não come!

LIBORIO

Boa viagem. (_sahe pelo fundo_).


SCENA X

ITELVINA

(_só, parece muito agitada, e observa se Liborio não volta_) O tempo
deve estar entroviscado... Cá o sinto nos nervos! (_Senta-se á esquerda
da jardineira, e serve-se da sopa atabalhoadamente; come em silencio_)
Esta sopa é detestavel! e depois não tenho appetite nenhum! (_Arremessa
a colher_) Que é o que eu vou fazer a Lisboa? É uma tolice. Viajar, para
quê? Lisboa já eu conheço... Se eu fôsse para o norte... (_Erguendo-se
raivosa contra si_) Oh! Itelvina! tu és incrivel!... fazes coisas!... Eu
fui muito injusta... porque elle amava-me... Meu pae foi o causador de
tudo... Para que lhe disse elle... «Fez bem em matar Macario»? Oh! com
certeza, teria elle feito uma boa acção, e a minha maior injustiça foi
eu querer castigal-o por isso... Papel sellado!... que patife!...

LIBORIO

(_fóra_) Vae ahi á Batalha chamar o trem, depressa.

ITELVINA

É a voz d'elle!... tornou!...


SCENA XI

Itelvina e Liborio

LIBORIO

(_entrando pelo fundo_) Queira perdoar, minha senhora! Chove a cantaros;
hade consentir que eu espere o trem que mandei buscar.

ITELVINA

Póde esperar, e como está em jejum, e a sopa está excellente... se
quer...

LIBORIO

A sopa cheira bem... muito bem... Isso é verdade.

ITELVINA

Se não receia que o envenene...

LIBORIO

Oh!... (_reconsiderando_) Em fim... (_jovialmente_) visto que a senhora
tambem come...

ITELVINA

Então sente-se.

LIBORIO

Pois sim... Nada, não quero... Tenho visto muitas comedias em que
esposos zangados commettiam a imprudencia de comer juntos, e á sobremeza
tinham a desgraça de fazer as pazes... Eu não quero que a senhora se
persuada...

ITELVINA

Sem cerimonia... Não quer?

LIBORIO

Não duvido... mas peço licença para comer a minha sopa, longe, acolá,
sobre aquella meza (_Leva para a meza da direita o seu talher e prato; á
parte_) Antes quero isto.

ITELVINA

Á sua vontade... talvez estivesse mais seguro no páteo.

LIBORIO

Isso não, porque o vento me sacudiria a chuva sobre o prato. (_come_).

ITELVINA

(_comendo tambem_) Que triste tempo para viajar!...

LIBORIO

Não tanto assim... Em primeira classe vae-se agasalhado... Mas pergunto
eu: a senhora por que vae?

ITELVINA

Porque não quero estar no Porto.

LIBORIO

Mas, visto que eu me retiro, a senhora fique.

ITELVINA

Sosinha?

LIBORIO

Não: com seu pae e com o defunto Macario.

ITELVINA

Acha que é de bom gosto fazer-me troça?

LIBORIO

Pois não me disse ainda ha pouco que o amava?

ITELVINA

O senhor não me acreditou. Conhece-me bastante para saber que eu não sou
mulher que ame quem a ultraja... Quer beber? (_deita-lhe vinho no copo_)
Beba, ande. Ora vá!...

LIBORIO

(_erguendo-se_) Muito obrigado (_Vae pegar do seu copo de sobre a
jardineira e bebe_).


SCENA XII

Os mesmos e Sebastiana

SEBASTIANA

(_entrando pelo fundo com um prato_) Fil-a esperar, minha senhora: mas a
causa foi o senhor que me mandou buscar um trem (_a Liborio:_) Já lá
está.

LIBORIO

(_pousando o copo_) Ah! bem! (_saudando_) Minha senhora!

ITELVINA

(_a meia voz_) Deante da creada, não. (_alto_) Sáe, Sebastiana.

SEBASTIANA

(_pondo o prato sobre a jardineira_) Sim, minha senhora. (_Sahe pelo
fundo levantando a terrina e os pratos servidos_).

LIBORIO

Agora, se me dá licença... (_faz mensão de sahir_).

ITELVINA

Peço-lhe que se demore um momento... O meu fim não é fazer a tal scena
das pazes, descance. Mas, como não nos veremos mais é necessaria a
ultima explicação.

LIBORIO

De que serve isso?

ITELVINA

De mais a mais, sobra-lhe tempo para jantar aqui ou na estação.
(_Servindo-o_) Quer uma aza de perdigoto?

LIBORIO

O certo é que as emoçoens tem-me extenuado... Tomarei um pãosito; mas
deixemo-nos de explicações, se faz favor... (_Pega d'um prato e pão e
vae sentar-se á sua meza, a comer_).

ITELVINA

(_passados instantes_) Confesso que fui violenta, arrebatada; mas o
senhor julga-se innocente?

LIBORIO

De modo nenhum. Eu pratiquei o enorme e condemnavel crime de me
apresentar á senhora em fórma de carta a participar um enterro.
Confesso, contrito, a culpa. Se me levassem a uma policia correccional e
o juiz me perguntasse: «O snr. Liborio é réo?» Eu respondia: «Sou réo,
snr. juiz!»

ITELVINA

O senhor prestou-se a uma ridicula mistificação, uma fraude ultrajante,
odiosa, só com o fim de dilacerar uma mulher.

LIBORIO

Não foi isso.

ITELVINA

Então que foi?

LIBORIO

O caso é este. Macario tinha-me dito o diabo a quatro da senhora. Ora eu
tenho cá para mim que quanto mais mal se diz de uma mulher, mais se
deseja ser amado d'ella. A alma do homem é assim formada de estupidez e
capricho...

ITELVINA

Huum! (_Depois de um curto silencio_) Quer beber? (_Enche o copo_).

LIBORIO

(_erguendo-se_) Agradeço (_vae á jardineira_) Muito obrigado, querida
senhora! (_Bebe e torna a ir sentar-se, levando o copo_).

ITELVINA

(_tendo bebido_) Sempre o senhor me collocou n'uma situação bem
exquisita! Eu julgava-o o assassino de Macario; e, n'esta persuasão, o
meu dever qual era? que me cumpria fazer?

LIBORIO

Mandar chamar o chefe da policia.

ITELVINA

Eu conheco lá policias...

LIBORIO

Em vez d'isso, pensou lá comsigo: «Como é um scelerado, cazo com elle.
Se o mettesse na Relação, elle poderia fugir vestido de mulher; mas,
cazando com elle, é o mesmo que pôl-o na Penitenciaria, d'onde não se
foge facilmente.

ITELVINA

(_erguendo-se e vindo ao meio_) E isso é tão verdade que o senhor gosa a
liberdade de retirar-se quando quizer.

LIBORIO

Mas pergunto eu: tenho liberdade para offerecer a outra o nome que lhe
dei? Posso mentir, enganar... e mais nada. Com toda a certeza, heide
esquecêl-a; mas hade levar tempo... Não me fingo mais forte do que
sou... Esta manhan ainda eu a amava... Como os homens são, senhora!...
As mulheres, ás vezes, agradam pelos seus defeitos... e a senhora estava
na conta. A senhora chorava de raiva; e eu ao deixal-a, chorava
imbecilmente de saudade... d'amor! (_Ergue se_) Estupida confissão, mas
verdadeira!... (_Passa á esquerda_) Ah! Como os homens são bêstas!
Graças vos sejam dadas, Senhor! Isto acabou-se! (_Itelvina, sem lhe
responder, corre á janella que abre_).

ITELVINA

(_atirando dinheiro á rua_) Cocheiro, ahi tem 10 tostoens; vá-se embora.

LIBORIO

Como é isso? elle é o meu cocheiro.

ITELVINA

Liborio! eu amo-te!

LIBORIO

Como?

ITELVINA

Tu não te vaes embora!

LIBORIO

Não vou?...

ITELVINA

Peço-te perdão, peço-t'o de joelhos! (_ajoelha_).

LIBORIO

(_ajoelhando-se tambem_) Tu... de joelhos!

ITELVINA

Confesso que fui injusta.

LIBORIO

Sim... a fallar verdade... mas não...

ITELVINA

Perdôa-me!

LIBORIO

Perdôo... E o pé torcido? Destorceu-se?

ITELVINA

Estou boa de todo.

LIBORIO

Minha esposa!

ITELVINA

Meu marido! (_abraçam-se sem se levantarem_).


SCENA XIII

Liborio, Itelvina, Barnabé e Sebastiana

BARNABÉ

(_entra pelo fundo e recúa_) Elles lá se estão a trincar um ao outro!

LIBORIO

(_erguendo-se_) Está enganado... não nos trincamos.

ITELVINA

(_o mesmo_) Meu pae, eu adoro o meu marido!

BARNABÉ

Ora ainda bem!

LIBORIO

Aqui entre nós, eu creio que ella está de todo _desméxicada_.

BARNABÉ

Antes isso, meus filhos, antes isso... Eu vinha annunciar-lhes que me
installei definitivamente no Candal.

SEBASTIANA

(_a Liborio_) Meu senhor, a sege foi-se embora. Quer que se chame outra?

LIBORIO

Só se fôr para meu sogro que se muda, acho eu...

BARNABÉ

Effectivamente mudo para sermos todos felizes de uma assentada. Gosto do
Candal. Tenho lá para me entreter o castello do rei mouro, os armazens
de Villa Nova. Nos armazens... oh! isso lá é que ha fontes sem ser
moiras; fontes christans... christans talvez de mais, por serem muito
baptisadas... E depois a serra do Pilar, logares historicos, etc. Vocês
cá ficam muito felizes...

ITELVINA

Sim, meu pae, muito felizes... (_abraça estremecidamente o marido_).

LIBORIO

(_com ternura_) Então, esta noite, não me penduras a bota nem escondes o
chinelo?

ITELVINA

(_com meiguice_) Não.

LIBORIO

Nem torces um pé?

ITELVINA

Tambem não...

BARNABÉ

Bem! Regalem-se por cá. Lua de mel á portugueza... e nada de Mexico...

FIM





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O Assassino de Macario - Comedia em tres actos" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home