Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: O Carrasco de Victor Hugo José Alves
Author: Castelo Branco, Camilo Ferreira Botelho, 1825-1890
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O Carrasco de Victor Hugo José Alves" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



                               O CARRASCO

                                   DE

                          Victor Hugo José Alves


                               O CARRASCO

                                   DE

                          Victor Hugo José Alves

                                   POR

                         CAMILLO CASTELLO BRANCO


                                  Os cantaré un estraño cuento
                                  que no le avreis oydo tal en
                                  toda vuestra vida.

                                      M. CERVANTES--_Novellas_.


                                  PORTO
                            LIVRARIA CHARDRON
                       DE Lello & Irmão, editores
                                  1902.


                        _Porto--Imprensa Moderna._



I

A LUVEIRA DA RUA NOVA DA PALMA


    Il y a ici quelque chose... une fleur... cherchez!

                    SAINT-BEUVE, Portraits des Femmes.


Á volta de uma mesa do _café Martinho_, em Lisboa, estavam, por 1857,
cinco ou seis sujeitos saturados de politica. Estava tambem eu em
principio de _saturação_--palavra pedida de emprestimo á chimica para
bem materialisar a idéa do corpo abeberado d'aquelle civico enthusiasmo
que salva as nações... nos botequins.

N'aquella noite, os meus interlocutores eram todos mais ou menos
republicanos. Havia tal que dizia acreditar na metempsycose, porque
sentia dentro do seu ventre os figados de Robespierre; e outro, que
arredondava musicamente os periodos corrosivos, revelava-nos, com
modestia parelha do talento, que sentia coriscar-lhe no craneo o
cérebro de Mirabeau;--coriscos, se o eram, todos para dentro; que do
fogo, que lhe faiscava da fronte, não havia que receiar combustão em
armazem de sulphureto de carbonio.

Os outros não me lembra quem tinham dentro de suas pessoas.

Pelo que me diz respeito, recenseando longa fileira de defuntos
historicos, suspeitei ser eu a paragem de dois pedaços transmigrados, um
de Falstaff, outro de Sancho, por me sentir rasamente lerdo á beira
d'aquellas pessoas trabalhadas por crudelissimas almas de torna-viagem.

Suppunha Gerard de Nerval, que Méry, pela admiravel intuição que tinha
das coisas da India, devia ser a metempsycose d'um mouni do Indostão na
pelle d'um marselhez; ora eu, se é licita a comparação ambiciosa, á
vista da sisuda pachorra com que assistia aos projectos regicidas
d'aquelles cavalleiros andêjos, devo presumir que ha em mim o que quer
que seja do pagem do cavalleiro triste, antes de intontecido pelas
lisonjas dos ilheos que o degeneraram.

Havia ali um que esmurraçava o marmore das mesas, protestando que os
thronos seriam aluidos, quando a lava, escandecente no seio da
Liberdade, irrompesse, resfolegando para si os monarchas, e revessando
para fóra, com o novo baptismo de fogo, uns evangelhos novos.

O meu terror foi grande. Encarei n'aquelles homens exterminadores, e
agourei-lhes mentalmente que morreriam justiçados para descanço do
genero humano, e particularmente dos possuidores de inscripçoens e
outros fundos.

Agora é de saber que todos aquelles regicidas, hoje em dia, vampirisam
as veias desangradas do paiz, pisam alcatifas do paço, e fumam, nos
aposentos dos camaristas, charutos da munificencia real, pelos quaes se
lhes vaporaram os figados de Robespierre, o encephalo de Mirabeau, e
toda a mais peçonha que lhes petrolisava as entranhas, tirante a do
estomago, que ainda é corrosiva, como sempre.

Revertendo aos assumptos debatidos n'aquella roda de trogloditas, cujas
caras a lavareda do ponche azulejava terrificamente, dizia um que os
monarchas lusitanos, em seculos de bons costumes e fé viva, procreavam
filhos illegitimos.

Esta noticia fez-me calafrios.

Em confirmação da these, individuou o sujeito, com prodigiosa retentiva,
os filhos bastardos de cada soberano, e não sómente os abonados pelos
chronistas, senão outros muitos denunciados pela tradição, e sonegados
pelos historiadores em preito a insignes familias.

Occasionou-se-me então o ensejo de observar que o senhor D. Miguel de
Bragança, bem que malsinado de frasqueiro e muito dado a damarias, não
deixára filhos illegitimos reconhecidos, ou sequer suspeitos: d'onde eu
inferia que a calumnia superfluamente lhe encarecêra os vicios, não
querendo imputar-lhe sómente á descultura do espirito e aos ruins
companheiros da mocidade os funestos casos do seu reinado.

Redarguiu de prompto o malsim das reaes progenituras que o snr. D.
Miguel podia ser menos fecundo que seus avós, sem ser mais casto que D.
Diniz; e acrescentou que affirmava a existencia de filhos do principe
proscripto, e me desculpava da ignorancia por eu ser da provincia, e
desconhecer as entranhas tuberculosas da côrte.

Estimulado por este dizer oriental e therapeutico, pedi que me dissessem
quem eram os notorios filhos do snr. D. Miguel Maria do Patrocinio.

O sujeito interrogado nomeou cinco ou seis pessoas de ambos os sexos,
umas que eu conhecia de vista, e outras dos appellidos heraldicos dos
seus progenitores legaes.

Feita a resenha, um dos circumstantes ajuntou:

--Ainda te falta uma.

--Quem é?--acudiu o outro.

--A luveira da Rua Nova da Palma.

--É verdade... a luveira, a mais sympathica e adoravel e florida
vergontea d'um tronco roído e verminoso. Hei de mostrar-lhe a vossê a
luveira, a dôce creatura que faz lembrar a borboleta iriada que saíu de
uma crysalida paludosa. Quer?

--Com a mais ardente curiosidade--respondi.

--Ámanhã.

No dia seguinte, o pontual amigo levou-me á Rua Nova da Palma, e ahi
entramos em uma pequena loja de luvas e camisaria.

A dentro do balcão estava sentada a costurar uma senhora, singelamente
vestida, e formosa quanto a mais descompassada phantasia podéra cobiçar.
Figurava, quando muito, vinte annos; mas eu já ia prevenido de que ella
não podia contar menos de vinte e sete; e, se o não fosse, desde logo,
em vista da sua edade apparente, refutaria a procedencia que lhe davam,
se queriam que houvesse nascido durante o reinado de D. Miguel.

José Parada cortejou-a gravemente, chamando-lhe D. Maria José. Ella
recebeu o cumprimento com agraciado rosto, e correspondeu á minha
cortezia, depois que lhe fui apresentado como homem de letras...
maiusculas, minusculas, cursivo, bastardinho, etc.--letras, que, longe
de serem ganancia, seriam o desdouro d'um cambista e a fallencia de dois
bancos.

Logo percebi que a dama luveira era mais ou menos entendida em romances,
pelo benevolente sorriso com que acceitou a minha apresentação; e tambem
observei, de passagem, que esta senhora, se estimava livros, não se
parecia extremamente com os avós--dessimilhança, porém, que não fazia
implicancia á magestade da sua origem.

Não duvidei, por tanto, que D. Maria José em verdade houvesse a prosapia
realenga que lhe attribuiam; antes me quiz parecer que o seu porte
altivo sem soberba, e um certo natural nada commum, sem laivo de
artificio, estavam inculcando uma senhora de fidalga condição.

--Aqui tem uma filha do snr. D. Miguel de Bragança--disse o meu amigo
com urbana e grave seriedade, mais do que eu esperava de tamanho
republicano; e ajuntou logo, coherente com os seus principios:--N'esta
honrada posição é que eu unicamente respeito os descendentes dos reis.
No sublime abatimento do trabalho é que as pessoas, nascidas para a
ociosidade principesca e devoradora das nações se me figuram regeneradas
para a humanidade laboriosa, e repostas pela mão do Christo na plana da
egualdade a que elle chamou todos os filhos de Deus. Deante d'esta
operaria, sinto o reverente enthusiasmo que os abjectos sentiriam se a
vissem a roçagar nos pavimentos vellosos da Ajuda o manto de princeza.

D. Maria abaixou ligeiramente a cabeça, depois de haver relançado os
olhos com suave magestade ao rosto do seu admirador. E eu, que tinha
entrado com animo indisposto para tão solemne colloquio, compenetrei-me
de involuntaria sisudeza e compostura como se ali estivesse uma princeza
de lista civil, uma genuina vergontea das senhoras Dona Carlota de
Bourbon e Dona Maria de Saboya.

Como sou de natureza bastante monarchica, e fui creado com o bom leite
do antigo amor portuguez aos seus reis, grande foi o enleio em que me
vi, rosto a rosto de tão egregia dama!

Com quanto acatamento e cortezania pude, enviei-lhe umas tartamudas
palavras significativas de respeitosa vassallagem. E ella, sem
descompor-se do seu palaciano aprumo, proferiu estas vozes:

--Contento-me com ser respeitada como costumam sêl-o as mulheres que
vivem decorosamente. Algumas vezes tenho sido alvo de motejos por
ser filha de um principe desafortunado; mas ainda não fui escarnecida
por quem pudesse reprehender os actos da minha vida. O ter nascido
grande não deve desmerecer-me pela resignação com que me sujeito á
humildade da minha posição.

E, levantando-se, foi vender um peito de camisa a uma mulher que lhe
chamava «Dona Mariquinhas».

Pouco depois entrou na loja um rapaz, asseiado a primôr, mui fragrante
de cosmeticos, e todo elle uma bonita caçoula a recender perfumes de
mocidade. O meu amigo apertou-lhe a mão, chamando-lhe Raul Baldaque, e
acotovelou-me. Não percebi o intento espirituoso do cotovelo de José
Parada.

O paralta encarou-me do alto da sua importancia, arregaçando a face
direita para prender no olho correspondente um vidro. N'aquelle olhar
preponderante, o sujeito parecia querer-me annunciar que era o filho
unico do famoso capitalista conde de Baldaque, chegado da America, seis
annos antes.

Sahimos os dous sem haver dispendido no estabelecimento mais que o ouro
puro das nossas phrases. Eu ainda quiz comprar duas camisas e um par de
luvas verde-gaio; mas acanhei-me de mercadejar com tamanha senhora,
receiando desafinar da linguagem aulica e tom de côrte em que não fui de
todo bajoujo.

Contou-me, depois, José Parada que D. Maria José de Portugal, a luveira,
havia sido requestada, para casamento, de homens não só abastados, mas
tambem fidalgos da raça cavalleirosa e da industrial, e até--o que mais
importa--de litteratos.

--Não duvide vossê--proseguiu elle, derivando do meu ar desconfiado a
incredulidade com que escuto, em geral, historias de desprendimento,
quando são de ouro os ganchos com que a alma d'um homem pretende
acolchetar-se na alma d'uma mulher.--Não duvide--insistiu Parada.--Eu
não faço romances, nem invento prodigios. Nego a existencia da virtude
em quanto a não palpo e lhe não sacudo a poeira dos preconceitos; mas se
chego a convencer-me, o systema de duvidar não póde tanto comigo, que,
por amor de seita, hesite em crer que ha princezas não refesteladas em
almadraques de setim, princezas que não disputam ás nações pobres a
enxerga dos desherdados, para quem o dormir é a consolação da fome.

D'este phraseado bem é de perceber que o meu interlocutor não erguia mão
de sobre a mais singela resposta sem lhe esponjar exordios para discurso
sedicioso.

Não inquiri quem fossem os ricos e fidalgos pretendentes de D. Maria
José de Portugal; quanto, porém, aos concorrentes litteratos, desejei,
por affecto á classe, reconhecer os meus collegas, ambiciosos de se
aparentarem tão affins com a casa reinante. Satisfez-me a curiosidade o
meu amigo, nomeando um poeta de piano, um prosador de calendario, um
redactor do _Jardim das Damas_, charadista historico dos almanaks de
Castilho. D. Maria José havia recusado as mãos d'estes litteratos pobres
assim como já tinha recusado os pés d'alguns capitalistas.

E acrescentou José Parada:

--Um homem que morre por ella é aquelle Raul que lá ficou na loja. Ali
tem vossê um rapaz que ha-de herdar mil e duzentos contos. A figura é
correcta, não acha? Dá jantares, e empresta dinheiro aos convivas
insoluveis, que o lisongeiam e escarnecem alternadamente. As mulheres,
que o amam, são tantas como as abelhas á volta d'um favo que tem dentro
a essencia de todas as flores de mil e duzentos contos. Pois sabe que
mais? quer um milagre em pleno seculo XIX? A luveira repelle com fidalga
delicadeza, e ouve com supremo desdem a apotheose dos milhões do conde
de Baldaque. Não é isto, em tempos de infame positivismo, um caso
assombroso?

E concluiu emphaticamente:

--Quando as filhas dos marquezes, com dezoito avós aforados, não se
desaforam, confundindo nas veias dos filhos o seu sangue ostro-godo com
a lama dos argentados escapados ao cruzeiro, não é de espantar que a
obscura filha de um principe, pobre e chasqueada, recuse abastardar a
sua regia stirpe, adjudicando-se ao ouro de um plebeu? Devo repetir-lhe
que desprézo o prejuiso das distincções, posto que procedo de avós
honrados no serviço da patria; entretanto, se os instinctos fidalgos
alam o espirito ao de cima das idéas villissimas d'esta quadra de
chatins, eu me curvo então, repassado da religiosa reverencia, e
comprehendo que a nobreza das indoles não é phantasmagoria obsoleta;
será antes divina loucura, se de uma parte reluz a pobreza radiosa com a
sua aureola do trabalho humilde, e da outra rutila a fascinação
explendida dos milhões.

--_Puff!_--disse eu entre mim--ou mais exactamente, disseram dentro de
mim o pedaço do Falstaff ao pedaço do Sancho.

Aquelle _puff_, interpretado pelos glossologicos da ultima camada, quer
dizer: «Bem me fio eu em ti e n'ella!»



II

PERFIL DE VICTOR HUGO JOSÉ ALVES

    Personne de servile condition et de race servile.

                        AMYOT, ALCIB., Vers. de Plut.


Tudo quanto este homem arengou me pareceu acertado.

A luveira não se me delia da idéa.

Ao outro dia fui lá, resolvido a derrear bastante o estylo, de feição
que me não ficasse canhestro comprar, nem a D. Maria José de Portugal
vender, seis collarinhos. Por onde, a toda a luz se mostra com que
innocentes intençoens lá fui.

N'este proposito mercantil, entrei; mas, feita a cortezia, não pude
aparrar a linguagem ao raso de um freguez de collarinhos.

Não se póde. Um homem capaz de aconsoantar uma quintilha, não sabe
regatear com damas camisolas de flanella. O que logo lembra, em
presença da filha de um principe, se ella é bonita, e os amores lhe
esvoaçam á volta da regia fronte, é a mandóra dos provençaes, o
enamorado Macias, as trovas suspiradas no harpejar do bandolim, á
barbacan do castello, ou mais dentro, se é possivel.

Assim foi que nossos decimos avós, se eram menestreis e cytharistas,
procederam com as filhas e açafatas dos reis, não contando com as
portuguezas, tirante as inspiradoras de D. João da Silva[1] e
de Bernardim Ribeiro--que as restantes princezas saíram todas muito
descaroadas de poetas, de theorbas e cytharas, bem que a musica foi
sempre bemquista dos nossos monarchas, desde D. Pedro I, que tangia
trombeta bastarda, até D. João IV, que tocava tudo, compunha motetes, e
escrevia livros ácerca da musica. E, se D. João V não exercitava
pessoalmente a formosa prenda, folgava de ouvir retroar os cento e
quinze badalos do carrilhão de Mafra, que comprou por mil e trezentos
contos de reis. Depois, encontramos o snr. D. João VI cantando psalmos
entre os seus frades; e, hoje em dia, o snr. D. Luiz I, basso
primoroso, revive os saraus melicos da sala da Ajuda, como elles foram
em Queluz, quando, na orchestra real, regida por David Peres, se viam as
loiras infantas de Bragança tocando rebeca.

Revertamo-nos, em boa hora, ao conto.

Estava a dama lendo a _Nação_. Depoz cortezmente a gazeta para me
attender. Pedi-lhe que por minha causa não interrompesse leitura tão
lenimentosa para as dores do seu filial coração. D. Maria José,
penhorada por estas suaves expressoens, fitou-me brandamente e murmurou:

--Mal sabe......

--O quê, minha senhora?

--Quantas lagrimas eu tenho chorado sobre este jornal...... lagrimas
inuteis, que fariam até sorrir de piedoso motejo as pessoas felizes......

Todas as fibras sensiveis e sonoras da minha alma se desataram então em
plangentes melodias de coisas, de que não tomei apontamento; porém, taes
e tão insinuantes lh'as influí no animo, que vinguei merecer-lhe
confiança e desafôgo de sentimentos circumspectamente abafados.

Esta confiança, com as visitas diarias, fez-me digno de lhe ouvir,
interpoladamente, revelaçoens que vou compendiar, de mistura com
esclarecimentos obtidos, Deus sabe com que perspicacia e finura.

D. Maria José havia nascido em Lisboa, no anno de 1832. Seu pae era o
snr. D. Miguel de Bragança, rei n'aquelle anno. Sua mãe tinha sido D.
Marianna Joaquina Franchiosi Rolim de Portugal, senhora portugueza,
nascida em Lisboa, e descendente de fidalgos de régia plana por
bastardia, como ao diante se dirá. Vivêra D. Maria em companhia de sua
mãe, rodeada de pompas, aias, mestras e caricias, até á edade dos quinze
annos. Lembrava-se de sua mãe ter carruagem brazonada, librés, e
relaçoens de grande posição na aristocracia; e, em meio d'esta
disfarçada felicidade, a vira frequentemente lavada em lagrimas, que de
dia para dia lhe iam desbotando a formosura deslumbrante.

Observou mais que as alfaias valiosas desappareceram umas depós outras;
que a sege foi vendida; que os convivas rarearam á mesa; que os hospedes
da noite foram tambem rareando, e que em fim ninguem entrava na casa
desbalisada de sua mãe, senão duas senhoras de baixa origem que a não
desampararam até á morte.

Lembrava-se tambem de que sua mãe, nos derradeiros annos da vida, abrira
um hotel; e, n'essa posição decahida, morrêra.

A morte de sua mãe não sabia ella dizer se foi natural, se violenta.
Conjecturava, porém, que houvesse sido suicidio com veneno contido em um
frasco de crystal, que depois se encontrara vasio. Era esta hypothese
confirmada pelo caso de sua mãe, na véspera do dia em que se finou, lhe
haver dado um cofre de sandalo, dizendo que lhe não podia legar outro
patrimonio; mas que, n'aquella caixa, encontraria titulos que a
elevassem sobranceira ás primeiras senhoras de Portugal.

Ora o cofre encerrava cartas do snr. D. Miguel--cartas que ella me não
mostrava por conterem coisas intimas e segredos de estado de maximo
melindre.

Fallecida D. Marianna Joaquina Franchiosi Rolim de Portugal, a orphã,
que então vicejava uns quinze annos, como facil me foi imaginar-lh'os,
passou para a companhia das duas mulheres, unicas pessoas que assistiram
aos funeraes de sua mãe.

Por conselho d'estas, escreveu a alguns homens insignes e relaçoens de
sua casa, participando-lhes que estava orphã. Contava ella que cada
palavra escripta lhe custava uma lagrima por sentir-se abatida n'aquella
mal dissimulada supplica de esmola. Ninguem lhe respondeu, exceptuado um
agiota de raça judaica e humilde extracção que devia, não sabia ella
como, a sua prosperidade á mãe, de quem havia sido escudeiro, mordomo,
ou coisa assim.

Quiz este homem leval-a para sua casa; mas, como ella se esquivasse a
deixar as duas senhoras, o generoso agiota offereceu-lhe abundante
mesada, que ella acceitou para soccorrer as amigas que a não podiam
alimentar e vestir sem sacrificio.

Aos desoito annos, D. Maria José alcançara notaveis conhecimentos
litterarios, sem descuidar-se de outras prendas mais caseiras e
accommodadas ao seu sexo.

N'aquelle anno de 1850, falleceu o caridoso rebatedor, testando á filha
de D. Marianna de Portugal nove contos de reis em inscripçoens e um
predio pequeno na rua Nova da Palma.

Longo tempo indecisa no destino que melhor lhe quadrava, foi habitar a
casinha herdada, porque, primeiro que tudo, almejava a soledade, a
tristeza, o recolhimento, a leitura, o chorar sem testimunhas nem
consolaçoens importantes. Os ultimos lances da vida de sua mãe, e a
penuria do seu proscripto pae davam-lhe horas muitissimo amarguradas.
N'aquella doentia compleição havia que receiar quebra de juizo por
excesso de sensibilidade, ou morte prematura.

Divulgou-se a residencia da filha de D. Miguel. Muita gente duvidou-lhe
da filiação. Outra acreditou, poetisando o caso de sua natureza prosaico
e vulgar como todos os phenomenos d'esta especie. Uns e outros, ainda
assim, forcejaram debalde por vêl-a.

D. Maria José, ao abrir da manhã, em dias santificados, ia á missa
d'alva, e voltava a horas em que nenhum homem de siso sairía da cama
para vêr a propria Semiramis. Á casa da Rua Nova da Palma entravam
apenas as duas amigas de sua mãe, conhecidas pelas Picôas, e presumidas
descendentes bastardas dos condes de Povolide. Com certeza, porém, estas
duas irmãs, Rozenda e Euphemia, nasceram e criaram-se na casa chamada
das Picôas, onde seu pae tinha sido estribeiro-ferrador, e sua mãe ama
sêcca dos fidalguinhos.

Redarguindo contra este argumento dos linhagistas de estrebaria, Rozenda
e Euphemia asseveraram--por lh'o haver affirmado a mãe com tal qual
competencia, ao que é de suppôr--que o pae d'ellas não era o ferrador;
mas sim um monsenhor parente da casa. Não me recordo bem se diziam
monsenhor da patriarchal, se dom abbade de bernardos, declaro. N'este
livro, se alguma vez a verdade gretar, é involuntariamente. Assim que
me pruem escrupulos, coço-os com a rectificação. Escrever para a
posteridade é assim.

Aquellas duas senhoras, ambas prolificas, iam com os seus meninos já
pennugentos de buço a casa de D. Maria José; e uma d'ellas, D. Rozenda
Picôa, proprietaria d'um hotel na Travessa do Estevão Galhardo, levava
comsigo um filho já barbaçudo que dizia ser litterato-politico, e se
chamava Victor.

Este sujeito é quem nos botequins andava pregoando a belleza e os dotes
espirituaes da filha do snr. D. Miguel; e tão a miudo e encarecidamente
o fazia que sobrava rasão a desconfiar que elle, amando honestamente D.
Maria, queria subir pelo estribo do avô ao cavallo branco do timbre
ducal das armas bragantinas, ou guindar-se ao _banco de pinchar_, para
não ficar estatellado sobre o banco do ferrador. E D. Rozenda, mãe
d'este litterato-politico, algumas vezes deu a perceber á princeza que
as suas entranhas maternaes estremeciam de jubilo, quando sonhava com o
hymeneu de Victor e Maria.

É certo que a neta dos reis se nauseava, se a indiscreta albergueira
repetia similhante injuria; mas tanto era seu juizo que nunca levou a
desaffronta além do silencio.

Convem saber que Victor, nos seus primordios litterarios, quando se viu
no Chiado, com a republica a fervilhar-lhe nos miolos, ajuntou ao
nome o sobrenome _Hugo_, crendo que o chamar-se _Victor_ era
predestinação que o fizera sahir já republicano da pia: e d'ahi o
assanhar-se contra os monarchas, á imitação d'aquella sublime vêspa que
zunia estrophes demagogas em Gersey.

Obrigado pelo sobrenome, Victor fez versos vermelhos como sangue de
javali. As suas quadras cheiravam a gamella de fressureira. E tambem,
nas prosas d'elle, as testas coroadas não eram tratadas com mais
caridade que a syntaxe.

No emtanto, os criticos ordeiros, vituperando a ira republicana do
rapaz, diziam que não admirava raivasse tanto contra os nobres quem era
filho de um sapateiro, ao qual muitos fidalgos não haviam pagado os
remontes, e neto d'um ferrador a quem outros fidalgos não haviam pago as
ferraduras.

Esta matraca, impressa nas gazetas, desvairou o litterato que forçou a
mãe a declarar pelos prélos que seu defunto marido não havia sido
sapateiro; mas sim negociante de couros. Ninguem contestou; já por ser
verdade, já porque ninguem podia desfazer na palavra da snr.ª Picôa,
quanto á mercadoria do snr. João José Alves, seu marido. Pelo que
respeita ao ferrador, guardou ella judicioso silencio em attenção ás
cinzas do dom abbade de bernardos.

Manteve-se o politico, não obstante, socialista e orador de assemblêas
populares até 1854. N'este anno, porém, ahi por maio, quando as arvores
florejam, e as calhandras trilam, e nas quebradas dos montes hervecidos
ornejam as poesias lyricas da preceptora de Balaam, achou-se Victor Hugo
José Alves invadido d'amor.

Se não amaria! Era maio portuguez, sasão de paraizo terreal, em que a
todos nos quer parecer que o matrimonio foi inventado pelos cardeaes na
primavera.

Notou-se então no paiz, e particularmente desde o Chiado até ao Rocio,
que o Hugo da travessa do Estevão Galhardo gorgeava umas endeixas
passarinheiras que ninguem creria destiladas do mesmo craneo que
trovejara Nemesis clangorosas de odes republicanas! Elle, o Victor, que
dissera em dous versos:

    Eu hei-de avassallar os reis ao genio,
    E pol-os histriões sobre um proscenio,
    E... etc.

Elle, que escrevêra aquillo, vinha agora offertando a uma
_mulher-rainha_ a monarchia da sua alma, á similhança de Filinto
Elysio que offerecêra a sua em dous versos de um soneto salobro como
infusão de chicorea:

    Nise gentil, que até á sepultura
    Terás d'esta minh'al_ma a mona_rchia...

(Não podia deixar de ter a drastica _mamona_ o verso).

Por algum tempo, o filho de Rozenda conciliou a mansidão de bardo
amoriscado com as fumaças de publicista revolucionario; mas, por 1855,
encontra-o a historia litteraria e politica da Europa a desviar-se
notavelmente da vereda do Hugo, que lhe havia de ser bussola entre o
Marrare-das-Sete Portas e o templo da memoria, se elle antes não pudesse
trocar o nicho perpetuo do Pantheon por um logar vitalicio de aspirante
de alfandega de raia sêcca.

Este genio, cujas guedelhas serpejavam, revoltas e besuntadas, como
idéas a espumejarem-lhe do cerebro á feição do muco esverdinhado que
esvurma das fauces de um chacal, revirou-se com effeito, perguntando ao
governo se era decoroso que a um filho do snr. D. João VI--a um rei
vencido e exul, se roubasse perversamente o seu patrimonio.

«Á casa do infantado, ao pão do proscripto, que lhes fizestes, ladrões?»
bradava Victor Hugo José Alves no seu periodico socialista.

E acrescentava:

«Roubastes o throno, desterrando o principe espoliado, como em
encruzilhada da Calabria. Não vos bastava a usurpação de um titulo?

«Roubastes o altar, expulsando os seus ministros mendigos. Não quizestes
que sobrevivesse no cenobio um só homem de bem que testimunhasse os
vossos latrocinios!

«Salteadores!

«Á barra!

«Aos tribunaes! aos tribunaes!»

N'aquelle tempo, o pudor dos ministros era mais historico e provavel que
o da Lucrecia de Collatino.

O ministerio publico deu a suspirada querella. Inaugurou-se, pois, o
martyrio do Victor Hugo portuguez. Condemnaram-no em vinte dias de
gloriosos ferros, e nas custas.

É o que elle queria.

Queria a hecatomba, para elle sosinho a gloria, que nos sacrificios
antigos tinham os cem bois: _hecaton_, cem: _boûs_, boi. (Lardo de
erudição que não fecha as portas da academia a ninguem). Queria a
hecatomba, a via dolorosa da Boa Hora até ao Limoeiro, para depois,
nobilitado pelo holocausto, se consubstanciar no coração de D. Maria. O
carcere sorria-lhe como um templo em que, velando as armas, sairía
de espora d'oiro, nobre e digno paladim da dama a quem se devotára,
apostatando do Evangelho de Mazini, de Cabet, e do Herminigildo do pão
barato.

Declarou-se. Ousou remetter directamente á neta dos Braganças o
manifesto nem sempre humilde das suas aspirações. Estabeleceu confrontos
de casamentos em que a desigualdade do sangue era retemperada pelo amor.

Respigando exemplos na propria familia da noiva requestada, contou a
alliança do representante dos senhores de Biscaia com uma neta de um
duque de Bragança. Bem é de vêr que o filho de Rozenda ousava
equiparar-se aos senhores d'Azambuja e Val de Reis, inculcando-se
producto de coito damnado entre o dom abbade de Cistér e a ama sêcca dos
condes de Povolide.

E mais despejada petulancia foi livelar-se elle hombro a hombro com o
fidalgo gentilissimo de quem as mais augustas e bellas damas de Portugal
solicitavam á competencia um sorriso, um relance dos olhos requebrados,
uma phrase languida de deliciosa pachorra. Elle, Victor Hugo José Alves,
a medir-se com as graças plasticas do garboso môço de quem um principe
prussiano escrevera isto:... «O marquez de Loulé, com os vestidos dos
grandes de Philippe II, pareceria decerto um Buckingham, ou o
bem-quisto de todas as rainhas galanteadoras dos tempos feudaes... Esse
portuguez admiravelmente bello e verdadeiramente perigoso... tinha
enlouquecido tantas cabeças femininas...»[2]

Como quer que parvoejasse em displantes de tal atrevimento, Victor
cerrava a missiva fazendo votos por que o mais ditoso lance de sua vida
fosse o instante em que elle Alves, dobrando os joelhos ás plantas do
rei legitimo, pudesse exclamar: «Pae, e senhor!»

    «Para servir-vos, braço ás armas feito;
    Para cantar-vos, mente ás musas dada.»

Donde havemos de inferir que para uso de muitos tolos creou Deus as
mulheres formosas, e creou Camoens os formosos versos.



III

D. ROZENDA

                  Dizem que disse assim.

        BERNARDIM RIBEIRO, Menina e Moça.


D. Maria José de Portugal, bem que muito grata ao denôdo civico do
litterato, não entendeu que as filhas dos reis desenthronisados devessem
pagar com a moeda do matrimonio um artigo condemnado, que, por via de
regra, os emprezarios das gazetas costumam pagar á razão de 800 reis a
publicistas de maior pôlpa.

Extremamente delicada, respondeu a Victor Hugo em termos pautados pela
mais atilada prudencia, mantendo-se na alteza da sua dignidade, sem
aviltar os brios do pretendente. Escreveu ella muito bem que as
mulheres, nascidas nas grimpas culminantes, estavam, por isso, nas
borrascas da vida, mais ao alcance dos raios da adversidade;--que não
podiam essas invejadas infelizes ser arbitras do seu destino,
principalmente, se, como ella, tinham pae a quem a proscripção,
usurpadora do throno, não podéra usurpar direitos sobre a alma de uma
filha que o respeitava e adorava. _Etc._

Com os acicates do orgulho cravados no epigastrico, onde a sciencia diz
que as paixões amorosas espoream mais, replicou o bardo absolutista.
Dispensando os naturaes raciocinios que desfazem chiméras de castas,
combateu as razoens de D. Maria de Portugal, inculcando-lhe a
procedencia visigothica de seu avô D. Guterres Pelayo, e o parentesco
ainda não safado pelo atrito de dous seculos entre os duques de Bragança
e os condes de Povolide.

Maria não replicou, retransida de espanto. Sua mãe havia-lhe dito que as
duas irmãs estalajadeiras eram filhas do estribeiro da casa de Povolide,
e que Rozenda era viuva de um negociante de bezerro, que malbaratava os
seus haveres no partido dos Cabraes. Era-lhe por tanto espantosa nova o
parentesco de Victor Hugo José Alves com a casa real.

Como Rozenda a visse meditativa depois que leu a carta do neto de D.
Guterres Pelayo, perguntou-lhe o que tinha, suppondo que o amor
motivasse aquella abstracção.

A menina respondeu com innocente reparo que o snr. Victor lhe escrevera
coisas de fazerem receiar que elle tivesse a razão alterada.

Pediu explicaçoens a sobresaltada mãe.

Hesitou algum tempo D. Maria José; mas, obrigada pelas instancias,
mostrou a carta.

O carão da viuva, já enfiado de susto, ganhou côres quando viu, no
contheudo da epistola, o infundado medo da menina.

--Ai! não se assuste, snr.ª D. Maria José...--disse Rozenda velhaqueando
certo pudor no tregeito das maxillas--Meu filho está muito em seu
juizo... Elle diz a verdade...

--Como?--tornou D. Maria José espantada--Pois a snr.ª D. Rozenda é
parenta da casa real?!

--Sou, sim, minha senhora--volveu a filha do ferrador, baixando os olhos
com pudicicia que parecia pedir misericordia para as fragilidades da
mãe. E proseguiu, tirando dois, suspiros do esôphago, e rolando os olhos
na direcção do céo, d'onde provavelmente a estava ouvindo a alma do pae:

--Perdoae-me, minha santa mãe, se offendo a vossa memoria!

E, expectorando outro bafejo a modo de gemido puchado do diaphragma,
continuou:

--Minha mãe era galante, e foi educada no mosteiro de Odivellas, onde
tinha já estado tambem minha avó, que era sobrinha de uma ama de leite
que creou um filho da freira d'el-rei D. João V, a qual freira se
chamava por signal a Garça, e o menino chamava-se Antoninho. Não sabia
d'estes amores do rei com a Freira, snr.ª D. Maria?

--Ouvi contar...--respondeu a outra, um tanto pezarosa de recordar esta
fraqueza do seu quarto avô.

--Talvez não saiba uma coisa que minha bisavó contou a minha mãe... E
era que a freira recebia o rei na cella, e que o rei saía de lá até á
portaria debaixo do pallio com a abbadeça atraz e mais a communidade.

--Não me conte similhante desatino, que isso é calumnia!--acudiu a neta
do fundador da egreja patriarchal de Lisboa.--Affligem-me...--tornou D.
Maria molestamente nervosa--Affligem-me essas funestas e deturpadas
paginas da historia de minha familia.

--Eram usos d'aquelle tempo, minha senhora--observou ethnographicamente
D. Rozenda Picôa.--As freiras tinham enguiços que enfeitiçavam toda a
fidalguia e mais os frades, que era mesmo uma pouca vergonha--perdôe-me
a expressão, que não é muito civilisada. E então o snr. D. João V? Isso
era um ratão! Olhe que ajuntou na Palhavan tres filhos de
differentes mulheres! Mas bom pae era elle, honra lhe seja! Dizia minha
avó que os poz todos ao serviço da egreja, fazendo-os inquisidores, e
arcebispo um d'elles, chamado o _Flor da Murtha_. E os amores que elle
teve com aquella cigana, chamada Margarida do Monte...

--Acabe com isso, snr.ª D. Rozenda!--interrompeu D. Maria José offendida
pela teimosia de escavar escandalos nas cinzas do creador da capella de
S. Roque.

--Pois sim, menina, eu vou acabar o que tinha a dizer. Como eu vinha
contando, minha mãe foi educada em Odivellas com uma freira muito
pronóstica, que eu ainda conheci na rua da Bombarda a viver com o
prégador da casa real, o padre José Agostinho de Macedo, muito amigo do
seu paezinho. Ora minha mãe casou com um sujeito que ella imaginava
cavalleiro, porque o viu a cavallo na companhia de alguns fidalgos que
namoravam as freiras; e, só depois que casou, é que soube que elle era
estribeiro dos condes de Povolide. Ora imagine, minha rica senhora, a
embaçadella que levou a noiva quando soube com quem estava casada, tendo
rejeitado as offertas de muitos titulares que lhe tinham querido pôr
casa e sege em Lisboa! Emfim, não havia remedio a dar-lhe. Resignou-se
com a sua sorte, e foi viver ás Picôas no palacio onde estava o
impostor do homem. Minha mãe era tão querida das fidalgas que até a
levavam comsigo a visitas como aia e mestra dos meninos. Os senhores da
casa e de fóra perseguiam-na de dôr de ilharga, perdôe-me a expressão,
que não é muito civilisada; ao mesmo tempo que o libertino do marido
andava á gandaia por touradas e pagodes, sem se importar com ella. As
mulheres não são santas, não é verdade, menina? Minha mãe era uma
perola! Ai! que anjo do céo aquelle! Já não nas ha d'aquella raça!
Resistiu ás tentaçoens, passante de dois annos; mas, por fim, o coração
desconsolado da infeliz esposa enfraqueceu, e... rendeu-se!

Deteve-se D. Rozenda algum tempo recolhida na sua dôr, e continuou:

--Depois d'aquella desgraça, nasci eu. Meu pae era um alto dignatario da
egreja, que morreu d'apoplexia, na véspera mesmo de um sabbado em que
tencionava reconhecer-me e fazer testamento a meu favor e da minha irmã
Euphemia, legando-nos os appellidos e uma herança em harmonia com o
nosso nascimento.

Aqui, D. Rozenda, a malograda herdeira, limpou os olhos onde apenas
espumava a humidade serosa d'uma ophtalmia chronica. Depois, ajuntou com
suspirosas intercadencias:

--Minha pobre mãezinha morreu de saudades de meu pae... sim, de meu
pae... quero dizer do outro, percebe a menina? O homem d'ella morreu
primeiro d'uma borracheira em Queluz, onde foi com os fidalgos de
bambochata. Achei-me sósinha com minha irman, tidas e havidas na baixa
conta de criadas de nossas primas. Esta posição não se dava com a
nobreza do meu sangue. Quiz vêr se me admittiam como criada ordinaria do
paço. A mãezinha de v. ex.ª, que tinha então muito valimento, e nós
conheciamos desde que a vimos, linda como as estrellas do céo, a
passeiar leites na quinta das Galveas, pediu por nós; mas não havia
logar. Resolvi casar-me com o primeiro homem endinheirado que me fizesse
a côrte, fôsse elle o proprio diabo em pessoa. Appareceu-me neste
comenos o meu defunto Alves, que constava ter cincoenta mil cruzados em
sola e dinheiro. Casei-me. Ai! foi outra logração como a que levou minha
mãe que Deus haja! Ora oiça, menina. O meu esposo, desde que os
chamorros o fizeram pedreiro-livre e regedor, e lhe deram o habito de
Christo, não quiz saber mais de negocio. Entregou os armazens aos
caixeiros, que nos roubaram; e, á volta e meia, foi-se tudo, e aqui
fiquei eu viuva, na flôr da edade, com o meu Victor no berço, e... quer
saber? Ainda tive de pagar as custas d'uma querella por causa d'umas
cacetadas que meu marido dizem que dera nas eleições!

D. Rozenda, neste agoniado lance da sua chronica, escumou os olhos com o
lenço, e proseguiu, em quanto D. Maria a contemplava com enternecido
semblante:

--Poucas viuvas se portariam como eu me portei... ficando pobre e
bonita, sem amparo de alguem, senão da snr.ª D. Marianna de Portugal,
sua mãezinha, que nos valeu em grandes apêrtos...

--Não esteja agora a lembrar-se d'isso, minha senhora...--atalhou D.
Maria José--Está bom, está bom, conversemos n'outra coisa...

--Tudo isto que eu disse--volveu a viuva do pedreiro-livre--veio a
proposito do meu filho escrever n'esta carta que os seus avós são
parentes da familia real. Se eu sou filha de quem sou, e elle é meu
filho como de facto é, ninguem póde duvidar que nobreza não nos falta...
assim nós tivessemos dinheiro, não acha?--E ajuntou sorrindo e
festejando as faces de D. Maria com dengosas meiguices:--Socegue,
menina, socegue que meu filho não está doudo nem para lá caminha. O que
elle aqui diz na carta é verdade pura, e bem certa estou que foi a
paixão que o obrigou a declarar isto; porque elle foi sempre republicano
e nunca se lhe importou com os avós; pelo contrario, quando eu lhe
contava quem era meu pae, o rapaz mettia-me a ridiculo, e até uma vez
lhe preguei uma bofetada por elle me dizer que acreditava que eu fôsse
fidalga por ser muito burra.

D. Maria deu visiveis signaes de enfastiada da longa pratica, e assim
tratou de cortar o discurso por onde Rozenda pendia a lhe propôr
francamente o enlace com o filho.

Voltando despeitada a casa, contou a albergueira o succedido, e concluiu
por estas acrimoniosas palavras aceradas com um perverso sorriso:

--Ella não quer casar com o nosso Victor... tu verás... Enfeita-se para
o primo duque de Cadaval provavelmente... Ora queira Deus que eu não
venha a pôr-lhe a calva á mostra... O folheto ainda ali está na gaveta...

--Ó mulher!--accudiu Euphemia--não me falles no folheto, que já foi a
causa da morte de D. Marianna! Tu bem sabes que tudo que ali escreveram
é falso... Não mettas a tua alma no inferno! Deixa-a lá casar com quem
ella quizer.

Ora este folheto...

A seu tempo.



IV

O ESTOMAGO DE VICTOR HUGO

    Da vara de Epicuro idoneo porco.

            HORACIO, Epist., Liv. 1.


E o litterato, como a filha do infante lhe não contradissesse a linhagem
realenga, nem lhe nevasse desdens sobre o coração ardente, pediu
explicaçoens á mãe, que lh'as deu, senão lisonjeiras, inoffensivas do
seu orgulho.

Era muito para lastimas vêr aquelle rapaz tão soberbo dos desaforados
brazoens que lhe procediam da deshonestidade da avó! Tolejando chimeras
da sua mascavada jerarchia, cachoava-lhe o sangue como no empenho que,
mezes antes, desvelára em nivelar-se com a plebe, no intento de lhe
trepar aos hombros sordidos para de lá ser visto. E ahi, no atascadeiro
da escumalha social, era elle mais nauseativo, porque toda a gente
limpa se arreda do cerdo que sahe d'um esgoto, sacudindo-se.

Operou-se, todavia, notavel mudança no genio e costumes de Victor Hugo,
restituido á liberdade. Os mais aristocratas fautores do grupo
absolutista acarearam-no ao seu gremio, ás suas assemblêas clandestinas,
ás suas novenas secretas, e á sua maçonaria, se tal nome quadra á ordem
de S. Miguel da Ala, na qual o adepto foi armado cavalleiro, chamando-se
_Fuas Roupinho_--nome de guerra.

Entretanto, a menina revelava-lhe candidamente sentimentos de affectiva
gratidão, e folgava que elle se nobilitasse na convivencia de pessoas
distinctas e amigas de seu real progenitor, as quaes lhe confiavam
cartas do principe para que a filha as visse, e por ellas lhe repontasse
aurora de esperança na longa noite da sua saudade filial.

Mas, na correnteza d'estes successos, Victor, por muito que
melindrosamente escrutasse o coração de D. Maria José, não se via lá.
Sem embargo, o cavalleiro de S. Miguel da Ala, cobrando alentos,
prudencia e heroismo do seu patrono Fuas, confiára-se aos lances do
acaso, ás transformaçoens do tempo, á versatilidade femeal, e, em fim, a
um imprevisto rapto de amor, não raro em peitos sensiveis das senhoras.

Outra coisa agora.

Não é vulgar contarem romancistas de que vivem os poetas das suas
novellas. Provavelmente, como os desenham mais em espirito que em
substancia adiposa, esgalgados, esbatidos, fumarentos, na vigesima
dynamisação de fibrina, mais ethereos que azotados, o publico incauto
cuida que elles não comem, e se nutrem das brisas lusitanas, pelo mesmo
systema physiologico das eguas portuguezas que concebiam das mesmas
brisas, segundo assevera algures frei Bernardo de Brito e eu tambem.

Muitos annos ha que escrevo biographias de poetas e outras pessoas
phantasticas, sem descurar o capitalissimo predicado da sua maneira de
se alimentarem.

Bem sei que vae n'isto prosaismo plebeu, e por isso me hão de malsinar
de immortalisador de bagatellas com egual razão da que apódam Camoens
por entremetter na vida epica de Vasco da Gama o tacanho caso de não se
ter podido vender de prompto a pimenta que o heroe ia negociando nas
feitorias asiaticas. Ora os criticas fingem não saber que a pimenta, o
cravo e a canella explicam melhor que todo o restante poema o
patriotismo de D. Vasco; e que, na mesma razão explicativa, está para
Victor Hugo José Alves o bife do Mata, a dobrada do Penim, o pato da
Praça da Alegria, e o linguado da Taverna ingleza.

Não me dispenso, por tanto, de espreitar com um olho o coração, e com o
outro a cozinha d'este sujeito, e tambem o guarda-roupa, desde que elle
se nos estadêa vestido com apontado primor, e nutrido nos mais selectos
restaurantes da capital. Não era elle assim quando esbombardeava contra
o altar e o throno. Parecia querer então inculcar que se vestia na
«feira da ladra» e que ao abysmo profundo do seu desprezo das frioleiras
humanas atirára os figurinos do Keill e do Catarro, juntamente com a
carta constitucional, com o codigo do bom-tom, e com os tratadistas
hygienicos, quanto a lavagem de cara, orelhas e dentes. Haviam-lhe dito
ao sordido que Cabet e Proudhon andavam sujos; e devéras lhe doia
desconfiar que o Victor Hugo francez se lavava todos os dias. Este
requinte de limpeza tinha para elle o fortum burguez improprio do genio.

A sua alimentação predominante era alface, espinafre, e a fava em grande
cópia no tempo. Rejeitava carnes vermelhas e brancas, porque o azote era
elemento infesto ao cerebro e por tanto obnoxio ás funcçoens do
intellecto. Em compensação, comia á tripa fôrra pescadinhas marmotas
em razão de abundar no peixe o phósphoro que é grande parte na
estructura do cerebêllo.

Afóra as indicaçoens da sciencia, este regimen era-lhe aconselhado por
intuitos de ordem assás psycologica e social. Como o seu proposito fôsse
caldear e refundir o genero humano, recuando-o á simplicidade dos
costumes patriarchaes, estudava em si mesmo o retrocesso do
_fillet-aux-trouffes_ á bolota crua, affrontando com selvatica
heroicidade os appetites, as cubiças, as fomes, as tantalisaçoens que
separam Apicio de Epicuro.

Esta lucta do eu-abdomen com o eu-psyche trazia-o magro e esgrouvinhado.
Da cabeça revolta, onde toda a vitalidade se lhe congestionára,
estourava-lhe a idéa com umas fulguraçoens indicativas de excesso de
phósphoro, extrahido do goraz e do carapau. O seu rancor ás praxes
triviaes da arte commum de fallar da rhetorica mercieira--como elle
dizia--manifestava-o em discursos e escriptos com argumentos _ad odium_
contra quem comia bons bocados. Os preceitos da grammatica e os canones
da logica--coisas crassas e sandias--asseverava elle que tinham sido
ideadas por monges atoicinhados em alma e corpo pelo pingue refeitorio
da orelheira afeijoada.

Além da injuria que Victor Hugo José Alves irrogava á grammatica, aos
frades e ás vitualhas saborosas, acrescia que esfusiava tempestades de
phrases horridas contra as ucharias reaes, inventariando as vitelas e
bois que semanalmente eram espostejados nos paços, depois de haverem
atravessado as ruas de Lisboa amortalhados em xareis com as armas
brigantinas. O disparate da censura faria rir á desgarrada os ouvintes,
se a cara do orador não estivesse pregoando ao mesmo tempo quanto é para
sagrados horrores a eloquencia dyspeptica da fome, e as refulguraçoens
acendidas pela superabundancia do phósphoro. Segundo elle, a sanguinea
lubricidade dos sujeitos gordos procede da demasia dos globulos rubros
do sangue enriquecido pelas carnes esmoídas nos vinhos seculares.

Depois, na ladeira destas supremas semsaborias, esbarrava na lista
civil. Era então o remontar-se a raptos propheticos em toada biblica, e
assomos de Ezequiel, e conclusoens tanto a frisar que eu, uma vez, assim
admirado quanto aterrado, lhe ouvi dizer que elle, sonhador da
felicidade do povo, tinha visto uma visão de sete vaccas magras
escornarem sete vaccas gordas, e derrubal-as. O meu terror não seria
escorreito, se elle depois não acrescentasse que as vaccas magras
eram a republica, e as vaccas gordas a monarchia!

Tal era o discolo nos seus dias de gloria, de fome civica, de quinzena
cossada, e do phósphoro dos safios e caçoens.

Como se fez por fóra a transfiguração que mal pode explicar-se pelo
reviramento do espirito?

A nediez da epiderme, os caracoes da cabelleira, os camapheus da
abotoadura, a phantasia das gravatas que pareciam aves do Amazonas, a
luneta de ouro, o bigode encalamistrado, o lemiste do fraque, a bota do
Sthelpflugg, a badine de unicornio, o galhardear das attitudes, e, sobre
tudo, a nutrição--quem lhe deu tudo aquillo ao filho de Rozenda?

O chamar-se _Fuas Roupinho_ politicamente, o afivelar a espora de
cavalleiro da Ala, não nos auctorisa a decidir que elle, em arrancadas
contra sarracenos, se apossasse christãmente do thesouro de algum rei
mauritano. Conjecturar que os partidarios da realeza se fintassem para
arraçoarem no presepio o futuro continuador da _Besta esfolada_, tambem
não é racional, attendendo á pleiada de talentos que lá reluzem com
habilidade para mais.

Então que era?



V

O CORAÇÃO DE D. ROZENDA

    _Agnosco veteris vestigia flammæ._

    Ca sinto 'inda o calor da antiga brasa.

          VIRGILIO, Eneida, Liv. IV, V. 23.


Estava um dia D. Maria José de Portugal lendo a _Nação_, e de subito as
lagrimas lhe turvaram os olhos. Acabava de ler a piedosa senhora uma
invocação aos esmoleres amigos do principe desterrado, tanto mais
compungente quanto o tragico articulista historiava as penurias do filho
de D. João VI, desde o dia em que D. Miguel, conforme o testimunho do
visconde de Arlincourt, não tivera em Roma com que comprar o leite para
o almoço.

Da concentração lagrimosa passou D. Maria, de repente, a uns transportes
de alegria desacostumada, exclamando de golpe:

--Como é bom ser rica!

E, feita breve pausa, acrescentou já menos expansiva:

--Rica!... eu não sou rica!... mas em comparação de meu pae, tão pobre,
tão infeliz, tenho muito!

Em seguida, escreveu a D. Rozenda Picôa, annunciando-lhe _a primeira
radiação de jubilo em sua vida, e a ancia em que ficava de lhe revelar
os seus anhelos_.

A mãe de Victor, lendo a carta, disse alvoroçada á irman:

--Tenho nora!

--Tens nora? exclamou Euphemia--Então diz-t'o? ella quer?

--Não se explica bem; mas eu já lhe entendo o palavriado. Ouve lá, mana.

E releu a carta, accentuando cada palavra com intimativa perspicaz para
emfim interpretar complexamente que D. Maria José de Portugal se achára
de salto possuida do amor que ella, em sua linguagem perlicteta, chamava
_anhelos_.

--Essa palavra _anhelos_--observou D. Euphemia, arregaçando o beiço de
baixo, com o dedo indicador--parece-me que é isso mesmo que tu dizes,
mana Rozenda... Não te lembras... ora pucha pela memoria... não te
lembras das cartas que te escrevia aquelle furriel de lanceiros
quando ficaste viuva? Chamava-te _meu anhelo_.

--Não era o furriel--corrigiu Rozenda.--Quem me chamava seu _anhelo_ era
o Peixoto.

--O capitão da carta? Tens razão; era esse... Pois dizes bem; o que ella
quer dizer é isso. Anhelo é amor. Ora espera, mana... Eu tambem agora me
estou a recordar de não sei quem que me dizia que eu era os seus
anhelos, ou anhelitos... Não sei se era aquelle tenente de marinha que
nos deu de almoçar na barcaça dos banhos, se era o Januario da rua dos
Fanqueiros...

E, reparando na melancolia da irman, disse adocicando o tom:

--Estás triste, mana! Já sei o que é... Lembrei-te o Peixoto... Se eu
soubesse...

--Ai!--suspirou Rozenda pondo a mão no lado esquerdo do peito--Ainda
aqui me palpita por esse ingrato! Quando o encontro ainda não sou
senhora de mim! Se amei alguem n'este mundo, foi elle! Dizias-me tu,
quando o perfido se casou, que o melhor systema era o teu:--amar outro
até esquecer aquella pessoa. Bem quiz... mas vou-te agora confessar que
nem o deputado Elias me fez esquecer o Peixoto!...

--Não é tanto assim, mana...--emendou Euphemia.--Já depois andaste muito
apaixonada pelo conego Antunes, pois não andaste?

--Gostei d'elle--respondeu Rozenda langorosamente requebrada.--Não
desgostei... mas amar de paixão foi só uma vez... Ai! o Peixoto! o
Peixoto! não sei que feitiços me fez!...

Concentrou-se largo espaço com os olhos vidrados de lagrimas, e exclamou
por fim com abrupta cólera:

--Canalhas! O Elias, quando depois foi ministro, pedi-lhe que me
arranjasse uma pensão já que o meu defunto Alves perdeu tudo na politica
dos Cabraes, e nada me fez o patife! O conego Antunes, quando foi
despachado bispo para o ultramar, pedi-lhe que fallasse aos ministros na
minha pretenção, e safou-se sem me dar cavaco! Corja de tratantes! que
tornem para cá!...

Não pareça caricatura a vaidosa precaução com que a snr.ª Picôa se
resguarda ou finge acautelar-se das tentaçoens, escarmentada por varios
casos funestos. As decepçoens experimentadas podem ainda aproveitar-lhe,
se ella esconjurar os embellécos de um major reformado que protestou
induzil-a a trahir certo professor de bellas-artes, cuja ternura, como
se viu, não tapa os lacrymaes sempre gottejantes da saudosa Rozenda,
quando lhe punge na lembrança a imagem do capitão da carta--aquelle
Peixoto que lhe desfibrinou o melhor sangue do coração.

D. Rozenda não pôde ainda atravessar despercebida a corrupção do seculo.
Tem quarenta e sete annos remoçados pelas madeixas postiças que lhe
inquadram o rosto besuntado de posturas. Piza ainda com a firmeza e
garbo de meneios que hoje em dia deshonestam o decoro de quem os usa;
mas que, n'aquelle tempo, era o estylo das damas que haviam já florecido
em 1834, e não mostravam desesperado empenho em ser citadas como
exemplares de castidade. Favorecida pela magrêza que, no lapso de trinta
annos, desilludira os enfeitiçados de sua elegancia, desde o seu defunto
Alves até ao conego, desde o lyrico amador, que lhe chamava _anhelo_,
até ao major reformado que lhe chamava o osso do seu osso, D. Rozenda
estofava e boleava os musculos, mantendo a flexibilidade e donaire que
muitas damas ainda viçosas perderam logo que os tecidos espessos
refegaram e descahiram placidamente.

Lisboa, como todas as capitaes das naçoens que tem civilisação, gaz e
ostras, encerra bastas mulheres da tempera de Rozenda, pomos menos
prohibidos que sorvados, creaturas observantissimas, em demasia talvez,
d'aquelle preceito colonisador com que Moysés justifica Rozenda e as
outras philogynias dadas ás contemplaçoens geneticas.

Isto de acabar cedo para o erotismo, o esfriar do sangue, o atrophiar
dos nervos, é triste condão das mulheres provincianas.

As que viveram cinco annos da mocidade, curvadas sobre o berço dos
filhos, estillaram no seio d'elles todo o seu coração, bafejaram-lh'o
nos beijos; o namorado brilho dos olhos desluziram-lh'o as lagrimas de
uma noite desvelada á cabeceira de creancinha enferma; sorrisos de amor
ou desdem perderam a doçura ou o agro,--já a ninguem enlouquecem de
jubilo ou desesperação: é um sorrir para filhos e para Deus que lh'os
ha-de manter e guiar. Isto é formoso e santo; mas as mães assim
envelhecem cedo; as cores do rosto esmaia-lh'as o gear interno; não lhes
esmalta a vida uma restea do sol da alma, não as desperta o alvoroço de
sonho apaixonado, nem a esperança lhes enxuga nas palpebras cerradas uma
lagrima de saudade. Ninguem as vê, ninguem as ama; porque, na voluntaria
abdicação da mulher esquecida de si, e toda absorvida nas graças das
vidas que estremece, ha uma glacial repulsão que não deixa aquecer em
peito de homem desejo impuro. Os filhos, que a rodeam, são uns como que
baluartes sagrados. Primeiro amor e ultimo, maternidade, insulação,
muitas maguas, raras alegrias, uma primavera com flores abertas, e logo
fenecidas; e depois, memorias sacratissimas, e a posteridade que
attribue a sua honra á benção da alma digna do céo.

Ó Lisboa, que vantagem levaria a tua civilisação á das provincias, se lá
houvesse duas d'estas mulheres, além d'uma que é decerto a esposa do
leitor!



VI

O SANTO CORAÇÃO DE FILHA

            Tu lanças de ti tres raios:
            Belleza, innocencia, aurora.

        GUILH. BRAGA, Heras e Violetas.


Acudiu pressurosa Rozenda ao chamamento de D. Maria; e, para logo
mostrar á conspicua menina que lhe percebera as figuras do estylo,
entrou exclamando ridentissima:

--Com o amor não se brinca, minha querida menina. Quando o coração
empurra, a cabeça vae para diante. A gente, por mais que faça, não
resiste ao que tem de ser. E máo é que nos amem; que nós, frageis por
natureza, mais hoje, mais amanhan, amamos quem nos ama, não acha?

D. Maria José, fitando os explendidos olhos na illuminada e tregeitosa
cara da snr.ª Picôa, quedou-se pasmada sem perceber nem responder. A
mulher anhelada do capitão da carta, attribuindo a pudor o silencio
espantadiço da menina, continuou gesticulando como creatura de ralé, que
não houvesse sido polida pelo deputado Elias e pelo conego Antunes:

--Não se acanhe, que eu bem sei o que é um coração de donzella. Já por
lá passei; e, pudesse eu voltar aos dezoito, que escolheria onde
quizesse e me fizesse conta. Eu sempre gostei dos homens sabios; mas,
como não amei senão o meu Alves, fiquei sem saber o que é a satisfação
de estar uma senhora constantemente a ser adorada de um poeta. O meu
defunto não era tolo; mas tambem d'isto de sciencias e escrever nas
folhas não sabia nada. E, veja o que são as coisas, o meu Victor Hugo
sahiu esperto como a menina vê e o sabe apreciar melhor que eu! Dizia-me
a este respeito o deputado Elias, que foi meu hospede--a menina bem se
lembra d'aquelle deputado baixo e gordo--pois dizia-me elle, muito
admirado do talento de Victor, que o menino havia de vir a ser em
Portugal uma coisa grande. E eu por amor disso, não me poupei a
despezas: mandei-lhe ensinar tudo quanto ha... Ainda bem que elle achou
uma senhora que lhe soube dar a devida estimação!... Ha muitas meninas
em Lisboa que namoram asnos--perdoe-me a expressão que não é muito
civilisada. O que ellas querem é chelpa, e marido seja lá como fôr. São
raras as que sabem apreciar a poesia e os dotes de um rapaz fino. Graças
a Deus que o meu Victor Hugo amou quem é digna delle! Cheguei ao que
tanto desejava... Vou ter uma filha que me ha de dar netos muito
lindos... Se não fosse ser ella quem é, eu não queria ainda ser avó...

D. Rozenda cascalhava umas casquinadas com o mais desgracioso e tolo
artificio, quando D. Maria perguntou serenamente:

--Então o snr. Victor vae casar?

--Se vae casar!--acudiu Rozenda estupefacta--Pergunta-me isso a menina?

--Sim, minha senhora... Pois não acaba de me dizer que seu filho
encontrou uma menina que o sabe apreciar!?

--Ora essa!--tornou a mãe do poeta, avincando o sobrôlho--ou a senhora
está a desfructar-me, ou estou doida varrida! Pois a menina não me
escreveu uma carta...

--Sim, escrevi, pedindo-lhe o favor de aqui chegar...

--Para me contar os seus anhelos...

--É verdade, para lhe contar que sou feliz com a certeza de que posso
ser util a meu pae, que recebe esmolas dos portuguezes... envergonhados
de estar um principe portuguez mendigando o pão estrangeiro...

--Ah!--atalhou Rozenda, prolongando a exclamação á medida do seu azedume
mal disfarçado--Então, pelos modos, a menina quer dar o seu dinheiro ao
snr. D. Miguel?!

--Com a melhor vontade e o mais inteiro contentamento. Nunca me senti
feliz como hoje. Imagino que cada pessoa deve receber dos thesouros do
céo egual porção de bens da alma, de alegrias puras. A uns sorri a
fortuna em gosos de cada dia; a outros, em meio de muitos annos lutuosos
que passaram e de outros escurissimos que hão de vir, abre-se-lhes o céo
em subitas torrentes de felicidade, que trazem comsigo em uma hora todos
os jubilos de longa vida satisfeita.

D. Rozenda abria a bocca a vêr se percebia, emquanto D. Maria de
Portugal continuava:

--Foi Deus comigo liberal e justiceiro, dando-me esta occasião de poder
mandar a um rei sem throno, e a um principe portuguez sem tecto que o
cubra nos paços dos reis seus avós, recursos que devem ser valiosos para
o indigente que os pede; e confio que elle os receba sem pejo porque
lh'os manda uma filha.

--Então a menina--repisou D. Rozenda em tom reprehensivo--quer dar o que
tem e ficar pobre!?... Estou passada! Que tenciona fazer depois, não me
dirá? Sim... pergunta a minha curiosidade, depois que der as suas
inscripçoens e a sua casa, para onde vae?

--Eu ainda lhe não expliquei todo o meu pensamento...

--A snr.ª D. Maria José tem o coração de uma pomba;--proseguiu a snr.ª
Picôa, desdenhando a interrupção explicativa--mas ha de dar-me licença
que eu lhe diga que não tem juizo para regular a sua vida... Coração
toda a gente o tem; mas cabeça... isso é raro.

--Eu lhe respondo, snr.ª D. Rozenda--insistiu reportadamente a filha do
snr. D. Miguel, soffreando a redea aos instinctos soberbos que por
natureza e raça lhe deviam beliscar o pundonor.--A minha tenção não é
mandar a meu pae tudo quanto possuo. Elle mesmo receberia com desprazer,
se o não recusasse, o beneficio de uma mulher que depois da sua
imprudente liberalidade, se expozesse aos aviltamentos que marêam a
pobreza, e a não deixam mostrar-se á luz a que as senhoras opulentas
costumam alumiar as suas virtudes. Repito, minha senhora, não dou ao
snr. D Miguel tudo que possuo; mas decerto lhe darei tudo que me sobra.
Eu vivo com pouco. A minha amiga sabe que os meus alimentos e vestidos
não requerem grandes despezas; mas, ainda que eu estivesse habituada
ás pomposas superfluidades da dispensa e da guarda-roupa, corrigiria as
loucas demasias, logo que soubesse que meu pae pedia aos homens de quem
foi rei os sobejos da minha mesa e do meu toucador.

--Mas...--interrompeu D. Rozenda com ar de quem entendêra.

--Deixe-me dizer o resto, e depois ouvil-a-hei com prazer, minha
senhora. Tenho esta casa e nove contos de reis em inscripçoens. A casa
não a dou por ora, mas dal-a-hei tambem, se meu pae carecer do valor
d'ella, e irei servir, se com o meu abatimento e baixesa puder obstar a
que o aviltem. O producto das inscripçoens quero enviar-lh'o, excepto a
quantia precisa para eu abrir n'esta casa um estabelecimento de luvas.

--Luveira!--bradou D. Rozenda persignando-se e exprimindo pausadamente
as palavras da cartilha--Luveira! a filha do snr. D. Miguel! Ó céos, que
escuto! Que dirá sua mãe no outro mundo se a vir a fazer luvas!

--Minha mãe, se me vê do outro mundo, ha-de abençoar-me--respondeu
placidamente D. Maria José.--Não ha trabalho deshonroso, nem ociosidade
honrada, snr.ª D. Rozenda!... Que dirá minha mãe no outro mundo, disse a
senhora! Pois eu não sei a vida de minha infeliz mãe nos seus ultimos
annos! Não a conheci apparentemente rica? Não vi sahirem da cocheira
a carruagem e os cavallos penhorados? Esqueci eu já que minha mãe teve
um hotel, e que nem ahi, em tão obscura e humilde paragem, a desfortuna
deixou de a perseguir? Que mais brasoens tem a hospedaria que a loja de
luvas?

--Faz differença...--explicou D. Rozenda em desaffronta do seu hotel na
travessa do Estevão Galhardo--faz muita differença, muitissima! A dona
d'um hotel está nas suas salas, no seu escriptorio, tem criados que
servem, e dispensam de tratar cara a cara com os hospedes, percebe? A
menina bem sabe que eu nunca admitti á minha mesa, senão o deputado
Elias, que depois foi ministro, e o conego Antunes, que depois foi
bispo. Eram dois cavalheiros que me tratavam com o maior respeito, e
nunca me disseram a menor desattenção n'um tempo em que eu não deixava
de ser galantinha. Ora, agora, uma luveira é outra coisa. Tem de estar
ao balcão á espera de quem vem. Entra um, entra outro, chalaça d'aqui,
chalaça d'acolá, faz lá idéa?! E, quando se tem a cara da menina,
imagina lá os atrevimentos que lhe hão de dizer os rapazes, ainda que
saibam que a menina é filha de quem é? Hoje em dia, não se respeita
senão o dinheiro... Luveira! a snr.ª D. Maria José de Portugal
luveira! Sabe que mais? A menina leu tanto que tresleu! Essa sua idéa
faz-me lembrar o theatro onde apparecem passagens que não acontecem
n'este mundo. Se leu em novellas algum caso d'esses, mande as novellas e
mais quem as fez ao diabo, que não fica rico com o presente. Os romances
são patranhas que perturbam as cabeças do sexo sem pratica do mundo,
como bem dizia o conego Antunes. Emfim, minha senhora, o dinheiro é seu,
póde atiral-o á rua, se quizer; mas eu, para desaggravar a minha
consciencia de escrupulos, declaro-lhe que faz grande asneira, e perdôe
a expressão, que não é muito civilisada.

E como D. Maria permanecesse largo tempo silenciosa, folheando
distrahidamente um livro, D. Rozenda colligiu que a mudez era
perplexidade, e talvez uma saudavel reconsideração, devida ao acêrto de
suas razoens. Vaidosa pois do triumpho, ganhou fôlego e proseguiu:

--Quer a menina fazer bem a seu pae? Dê tempo ao tempo. Arranje-se
primeiro. Case com quem saiba augmentar a sua fortuna, e depois reparta
do que lhe sobejar; mas de feitio que os seus filhos não fiquem a pedir,
por causa de serem netos d'uma pessoa real. Pois não é assim? Se a
senhora D. Maria der o que tem, e se puzer a vender luvas, cuida que
acha pessoa de teres que a queira para esposa, apesar de ser muito
linda? Não ha de faltar quem a queira; mas a felicidade, que lhe ha de
vir d'esses pretendentes, Deus m'a desvie da porta pela sua divina
misericordia...

--Está bom!--cortou D. Maria José, com enfado e sobranceria.

--Não se zangue, minha senhora... O que eu lhe digo é o que sua mãezinha
lhe diria...

--Não offenda a memoria de minha mãe, que foi uma desgraçada digna de
respeito.

A viuva do mercador de couros sorriu então com um tão brutal esgar de
bocca e olhos que fez transluzir no semblante de D. Maria a raiva de
ver-se affrontada por aquelle tregeitar de beiços que lhe pareceram
estar escarnecendo a memoria de sua mãe.

--De que se ri a senhora?--perguntou desabridamente.

--De que me rio? Pois a gente não ha de rir-se, quando ouve
dispauterios? Em que offendi a memoria de sua mãe? Essa é boa! Então
dizer eu á filha do snr. D. Miguel e da snr.ª D. Marianna Rolim de
Portugal que não se faça luveira, é offender a memoria de sua mãe! Ora,
minha senhora, não nos entendemos! A menina é sabia, lê livros e casos
romanticos; e eu cá, a respeito de livros, basta-me a experiencia
que não é máo livro, e o mundo que não tem pouco que ler... Emfim, minha
menina, estou ás ordens de V. Ex.ª, e hei de amal-a sempre como filha,
tanto me faz que seja luveira como rainha. Prometti a sua mãe, quando a
fui encontrar nas agonias da morte, que, emquanto eu fosse viva, a
menina, não passaria precisoens. E, se as não passou porque teve quem
lhe désse uma mezada, tambem as não passaria, se nada tivesse de seu.
Deus permitta que não; mas, se alguma, vez a snr.ª D. Maria José chegar
á pobreza, ha de achar-me tão sincera amiga como fui e sou.

A menina, commovida e repêza da altivez, com que interrogára a amiga de
sua mãe e sua gasalhosa hospedeira em annos perigosos, abraçou-a,
pediu-lhe desculpa, e ao mesmo tempo protestou, soluçando, que não
deixaria de soccorrer seu desvalido pae.

--Faz bem, faz bem, menina!--obtemperou Rozenda sensibilisada e, ao
mesmo tempo, previdente.--Se seu pae voltasse ao throno...

--Nunca mais!--murmurou D. Maria com os braços pendidos e os dedos
entrelaçados--nunca mais!

--Por que não?!--replicou a mãe do vidente, que assoprava á pira do fogo
sacro no escriptorio da _Nação_.--Tenha esperanças, menina! Meu
filho diz que o snr. seu pae ha de vir, e ha de ser elle mesmo, o meu
Victor, quem o ha de pôr no throno!

--O snr. Victor é poeta...--volveu D. Maria, sorrindo
melancolicamente.--Cuida que as phrases inspiradas pela justiça fulminam
as iniquidades dos homens. Engana-o a miragem do genio, que se julga
omnipotente. Os raios do talento não são como os do céo que vão direitos
aos durissimos brilhantes e os pulverisam. A sociedade sabe e a
experiencia mostra que os coriscos, arremessados contra os poderosos,
apagam-se quando o resplendor do ouro os deslumbra...

--Sempre é muito esperta!--interrompeu D. Rozenda ingenuamente
admirada--A gente esquece-se a ouvil-a, minha senhora! Quantas vezes o
deputado Elias me disse que a menina havia de ser uma grande capacidade!
O meu Victor Hugo diz tambem que a snr.ª D. Maria José, se quizer, póde
idear novellas. Porque não dá a menina alguma coisa á luz? Escreva um
romance de amores...

--De amores!...--obstou, sorrindo, D. Maria--como hei de eu escrever do
que não entendo?

--Não entende!?... Boa vae ella! O amor não tem nada que entender.
Quem ensinou os passarinhos a amar? não me dirá? A natureza tanto ensina
os animaes como a gente. A menina, se não sabe, é porque não quer.

--Não posso, nem penso em tal. O amor só entra em coraçoens abertos ao
contentamento. Alma em trevas não attrahe raios de luz tão intensos. O
amor é como o sol que decerto não brilhará neste recinto, se eu
conservar as janellas fechadas d'uma noite a outra noite.

--Ora deixe lá...--redarguiu em excellente prosa a quinhoeira do lyrismo
do deputado Elias.--A snr.ª D. Maria José ha de pagar o tributo como as
outras: se não fôr Sancho, será Martinho. O que a menina faz é o que eu
tenho feito desde que enviuvei: não quer amar; isso lá percebo eu. Bem
importunada tenho eu sido por pretendentes ás segundas nupcias, tantos
como a praga dos gafanhotos do Egypto! Resisti e hei de resistir, porque
jurei eterna fidelidade até á morte ao meu defunto Alves, apesar de elle
me deixar pobre, sacrificando-me á politica cabralista. Lá se elle fosse
esperto como o filho, ainda valia a pena deixar o negocio pela politica;
mas, Deus o tenha á sua vista, aquelle perdeu-se por ser um toleirão! O
meu Victor Hugo sahiu ao avô cá pelo meu lado, que dizem que era
muito sabio meu pae de Povolide. Todos me dizem que o rapaz ainda pode
ser ministro. Eu não engulo carapêtas; mas, quando me lembro que o meu
hospede Elias chegou a ministro, sendo elle bom homem, mas muito
tapadinho, diga-se a verdade, não me admira nada que meu filho, cedo ou
tarde, venha a subir ao governo. Se o snr. D. Miguel viesse, a menina
pedia-lhe que désse uma pasta ao meu filho, não pedia?

--As mulheres, minha senhora, quer sejam princezas, quer sejam luveiras,
não devem intrometter-se nos negocios do estado. Se meu pae tornasse a
Portugal, dir-lhe-hia eu que o snr. Victor soffreu vinte dias de carcere
por amor d'elle.

--E o mais que elle soffrerá ainda...--ampliou D. Rozenda.--Acho-o tão
incanzinado no partido realista, que, qualquer hora, estoura trovoada
peior, que a outra. Os fidalgos trazem-no nas palminhas, e eu vejo-me
atrapalhada para o vestir com mais luxo, porque elle vae a todas as
casas principaes, e não me falla senão na senhora marqueza d'Abrantes,
na senhora condessa de Pombeiro, de Redondo, da Figueira, Barbacenas,
Pancas, etc. E bem vê a menina que quem gira nesta roda fina não se
ha de ir vestir ao Nunes Algibebe por dez ou doze pintos. Deus sabe com
que linhas cada qual se coze...

--Peço-lhe, minha amiga, que disponha do que é meu--disse a menina
apertando-lhe a mão.

--Muito agradecida, minha senhora; por emquanto, cá me irei remindo,
como puder. O que eu queria da minha menina para o meu apaixonado
Victor, sabe o que era?--isto.

E, apontando-lhe ao coração, trejeitava com os olhos mui derramados e um
pender de cabeça languescida--coisas e modos que muitas vezes deviam ter
eschammejado vesuvios no deputado Elias e no conego Antunes.

--Tem de mim o snr. Victor--disse solemnemente D. Maria--o mais que
posso offerecer a um irmão.--E logo, norteando a palestra n'outro
rumo:--Ainda me falta pedir-lhe um favor, minha amiga. Queria eu que seu
filho soubesse a maneira de eu remetter a meu pae tres contos de reis,
que é o que posso liquidar das inscripçoens, tirando para mim o
necessario para manter a minha lojinha de luvas.

--Ella cá torna com a mania! Então não muda de idéa?

--Não.

O tom imperioso e sêcco da resposta fechou o debate.

D. Rozenda sahiu, promettendo communicar-lhe o que seu filho lhe
informasse quanto ao modo de remetter o dinheiro.

No dia seguinte, D. Maria, recebidas as informaçoens, entregou a D.
Rozenda os seus papeis legalisados para a venda.



VII

OS TRES CONTOS DE REIS

         Por entre o labio torpe e podres dentes,
         D'aquelle abysmo esqualido, que póde
                  Sahir que não tresande!?

                    GOETH., Fausto Segundo--côro.


E n'aquelle tempo reinava em Portugal D. Pedro V--cidadão portuguez, que
morreu honrado e sinceramente carpido.

Aquelle rei era triste, porque o sol ardente do espirito, o ardor da
sciencia lhe crestaram o viço da juventude.

O conde da Carreira e outros pedagogos, que trajavam ainda calção e
rabicho na alma, intouriram o animo do principe com iguarias indigestas,
introvertendo-lhe para o viver intimo, em florescencias sem aroma, os
gomos da mocidade que nunca desabrocharam perfumes de contentamento.

E, porque era triste, era bom, compadecido, esquivo a vanglorias, como
quem sabia, que, nas naçoens livres e pobres, nenhumas ostentaçoens
sobredouram o manto real senão as da reportada parcimonia e abstenção de
soberanias extemporaneas.

Um regimen de governação, que facultasse ao rei amplas prerogativas,
demonstraria que o primogenito da snr.ª D. Maria II era especulativo de
mais para deliberar n'esta rasa missão de governar homens. O polyglotto
snr. Viale inoculara-lhe empólas academicas, uns arrôbos já
bastantemente serodios em glossas de mysterios dantescos, pelos quaes o
principe, absorto entre o enigma da meia-edade e o enigma peior dos
mestres, revelou predilecção impertinente.

Que farte sabia o previsto alumno dos pingues sabios que lhe não
montaria ganancia alguma o estudo da sciencia de governar este manso
povo, que lhe havia apedrejado o avô e rossado a injuria desbragada pela
sombra da mãe impolluta. Nas angustias da snr.ª D. Maria da Gloria se
lhe revelou a condição acerba de quem ha de ver homens e factos atravéz
do prisma dos validos. Desde o padre Marcos até ao senhor do castello de
Gualdim Paes, encadearam-se successos que mostraram ao meditativo
principe o indeclinavel calix em que sua mãe lhe legara--para
saudades e exemplo--o travo de suas lagrimas.

Por isso aquelle moço não provára as alegrias e regalos de sua edade e
jerarchia.

Ao saír do sereno ambiente do gabinete de estudo para as borrascas da
vida pratica, retrahia-se aos braços da chimera luzentissima que
esvoaçava ás regioens sombrias da _Divina Comedia_--semsaboria
immortal!--ou se librava nas nevoas de Macpherson,--immortal semsaboria!

O ar do paço tresandava ás prêas que os escaravêlhos rolavam pelas
alcatifas. Da camarilha das mulheres ainda vaporavam as caçoletas
encontradas nas recamaras da Bemposta. Na camarilha dos homens mal podia
o principe sincero extremar entre respeito e adulação, e entre silencio
estupido e sisudeza discreta. Se os mestres, preleccionando-lhe o
reinado de seu tio-avô, bosquejassem o caracter dos validos que o
derrancaram, o rei, nas suas salas, cuidaria achar redivivos, em cada
cortezão, o Vadre, o barbeiro viscondisado, e o Sedvem, mais seriamente
vestidos com as librés de 1857.

Uma vez, D. Pedro V, obedecendo a impulsos de bonissima indole, ordenou
que as lastimas dos queixosos de iniquidades pudessem chegar á quasi
soledade onde se amiserava um rei. Inaugurou-se a celebrada caixa
onde os requerimentos eram lançados. A chave d'esse cofre de lagrimas,
que já haviam sido acalcanhadas no peito dos repulsos, era el-rei que a
tinha. Confluiram a centenares os appêllos da injustiça dos ministros
para o simulacro do braço soberano; mas as reparaçoens eram baldas,
porque D. Pedro V o mais que podia dar em beneficio dos queixosos era a
esmola aos que lh'a mendigavam, e commiseração aos que se deploravam,
pedindo justiça ao rei e não esmola ao abastado. O alvitre do imperante
denotára alma egregia; mas o infortunio vingára apenas fazer-se
conhecido no gabinete real. E mais nada. As virtudes do rei não podiam
ser mais fecundantes que as do cidadão, primeiro na jerarchia, mas não
decerto o primeiro em bens de fortuna. Era rei, consoante a pauta
constitucional; e os accusados no seu tribunal fantastico eram os
pennachos, as togas, os arminhos e os argentarios a quem os éphoros
pediam de usurario emprestimo as mezadas da lista civil.

Os aulicos de quem o principe se rodeava, forçado pela pragmatica, nunca
lhe referiram com certeza as penurias que esmaltavam as cans de D.
Miguel de Bragança. Não era respeito á legitima soberania, nem temor do
real desagrado que os amordaçava. Elles sabiam que na alma do rei
não negrejavam odios ao irmão do seu avô, nem se quer á sequéla
legitimista que explorava nas franquias do codigo liberal a liberdade de
injuriar o throno, vendendo a injuria impressa. Enfreava-os o receio de
espertar em a liberalidade do coração dadivoso, defraudando-se dest'arte
do quinhão que repartiam, pondo o almoxarife á porta das mercearias
insoffridas a pedir-lhes que não denegassem ao refeitorio do rei de
Portugal as massas e os paios fiados com desconfiança.

Não obstante, D. Pedro V soube que D. Miguel, levado pela providencia
applacada aos braços da espôsa, que lhe tapetava de flores tardias o
breve caminho da sepultura, e o rodeava de alegres berços, povoados de
ridentissimas creanças--uma senhora, no mais vicejante dos annos, e no
esplendor da belleza, immaculada, neta de reis--espectaculo que
dulcifica lagrimas!--offerecia o seio para reclinatorio de um velho
expatriado e pobre!

No regaço d'aquella dama alguns portugueses, ajoelhados, não á rainha,
mas ao anjo, depunham o producto das esmolas colhidas em Portugal.

O Senhor D. Pedro V apreciára a virtude dos que, sem esperança de
galardão, mantinham no exilio a mediania do infante. Quiz, pois,
egualar-se no sentimento da caridade aos que se devotavam ao homem
esbulhado de todas as grandezas, e até privado da gloria posthuma com
que a historia fartas vezes honra a lapide dos que resvalaram do throno
ao sepulcro pela rampa do exilio.

E, depois, o magnanimo monarcha, arrobado no resplendor de uma estrella
que lhe levára para Deus a luz ephemera dos seus jubilos, alou-se no
raio celestial, e gosou-se de lá na contemplação das mais sinceras
lagrimas que ainda alguma nação chorou sobre a mortalha do seu principe.

E então somente em um secreto livrinho de lances, que o rei deixára
escriptos de sua vida intima, se encontrou a verba mensal de trezentos
mil reis votada a D. Miguel de Bragança.

Ora haveis de saber que o irmão do snr. D. Pedro IV nunca recebeu a
mezada do rei de Portugal, nem os tres contos de reis de D. Maria José.

Posto isto, leitor attento e sobre tudo philosopho, diga-me V. Ex.ª, se
dado o exemplo da fraude em tão altas regioens, é muito de espantar que
Victor Hugo José Alves enriquecesse o seu sangue depauperado com a
substancia metallica dos tres contos de reis que a obscura D. Maria José
enviara ao pae!

É d'este modo que se esclarecem as melhorias tão depressa feitas na
pessoa espiritual e corporea do filho de D. Rozenda Picôa.

O procedimento d'este escriptor não seria, talvez, digno da commenda de
S. Thiago da Espada, nem tambem me consta que elle a pedisse; todavia,
não se me figura irreprehensivel equidade alcunhar de ladrão qualquer
sujeito, porque não foi agraciado. Se não teem sido muitos os exemplos
d'este descuido em Portugal, as excepçoens não devem menoscabar os
creditos de Victor Hugo. Os reis não podem, sobraçando a cornucopia das
mercês, espreitar todos os latibulos onde se forjam malfeitorias. Não é
da attribuição dos cabos de policia enviarem a sua magestade um mappa
mensal dos malandrins mais conspicuos da sua esquadra. Por via de regra,
o poder executivo não leva todas as quintas feiras á munificencia regia
pessoas de quem o leitor costuma acautelar o seu relogio, ou receia
encontrar em ruas não patrulhadas.

Quando um ministro do reino apresentava, ha poucos annos, ao senhor D.
Luiz I, que Deus guarde, o decreto que laureava com a corôa de barão de
S. Diniz um proprietario de bordeis no Rio de Janeiro, seria indecoroso
para o alcouceiro agraciado ajoujarem-no a um biltre ordinario. O rei
sabia que tambem Catão ministrava em Roma collarejas de alquilaria
das quaes cobrava percentagem. Qual rei denegaria um baronato a Catão
censorino?

Victor Hugo José Alves que espere. Mais tarde será regalardoado na
proporção da injustiça ou da inveja que lhe atabafou os meritos. Deixe o
bem estreiado cidadão germinar a semente que fiou do uberrimo torrão da
sua patria. A arvore ha de bracejar vergonteas afestoadas de grinaldas
que algum dia lhe hão de juncar a escarpa do capitolio.

Entretanto, a conversão de tres contos de reis em objectos attinentes á
reformação physica e moral do poeta, seria acto digno de moderados
elogios, se o sujeito não precedesse de calculos e consideraçoens
politicamente transcendentes a consubstanciação do metal com a sua
pessoa. Dotado de vistas perfurantes nas nuvens pardas do futuro, Victor
Hugo, estribando-se nos correligionarios, e mais ainda na efficacia dos
seus proprios artigos e instinctos amotinadores, previu que o principe
proscripto seria cêdo ou tarde redintegrado no throno. Não era base
menos fundamental de seus propheticos raciocinios a depravação das
doutrinas liberaes, desde que a classe media corrompida gafára de sua
lepra a gentalha, de quem se divorciou, pensando que o irmanar-se com
fidalgos desbragados era desencanalhar-se da ralé onde havia nascido.

O severo snr. Alexandre Herculano, no prologo _Da Origem e
estabelecimento da Inquisição_, tinha escripto umas phrases biliosas de
que Victor Alves inferiu a provavel restauração do rei legitimo. O
vidente historiador, no conceito do cavalleiro da Ala, não podia
illudir-se, quando vaticinava a restituição do absolutismo pelos
proprios esforços da burguezia, sua triumphante inimiga, a qual, já
temerosa das sanhas da plebe desafrontada do cabrêsto religioso, se
colligaria com reaccionarios para repor rei absoluto que lhe caucionasse
os haveres, cortando com a espada dos dragoens de Chaves as cubiças dos
proletarios.

Prenhe d'estes grandes palpites sociologicos, Victor impoz-se o dever
civico de jurar bandeiras na vanguarda do trôço mais aguerrido, metter a
cabeça aventureira á brecha mais bombardeada, e lampejar claroens onde a
noite dos espiritos fosse mais caliginosa--claroens de eloquencia nos
clubs, nos botequins, e até nas salas das Aspazias vetustas, que, desde
1834, anafavam as barbas de todos os Pericles--como elles vingam n'este
paiz--mais ou menos similhantes em esthetica e plastica ao chorado Elias
de D. Rozenda.

Á mais vivida luz do entendimento se mostra que Victor Hugo não
conseguiria relacionar-se na sociedade, onde lhe cumpria fecundar com o
verbo as convicçoens legitimistas, se não se entrajasse com o asseio e
galanice que hoje em dia realçam as clausulas do bom orador. Decerto lhe
seria atravancado o accesso aos saloens, se na sua guarda-roupa tivesse
sómente a quinzena de panno pilôto com que mediocremente se distinguia
nas cêas do _Collete-Encarnado_; e com a qual se escondia na penumbra de
um «caffé» da rua de S. Roque, aquecendo a grogs fiados a fantasia.
Tempos calamitosos eram esses em que o deputado Elias o brindava com um
paletó no fio, e um collete de mozaico desbotado, relançando á mãe um
olhar que requeria gratidão, fidelidade, e talvez a renuncia completa ás
caricias do conego Antunes!

Victor Hugo tinha presenciado das galerias da camara baixa que os
homens, em cuja testa latejava a inspiração estuosa dos Izocrates e
Hortencios, primavam na casquilhice do trajo, no adamado da penteadura
lustrosa, no azeviche brunido dos bigodes. Viu que o involtorio
engrandecia mais que muito as posturas sculpturaes e antigas da
gesticulação, bem que a clamyde grega ondularia mais imponente nas
omoplatas do snr. José de Moraes, do que em verdade as abas do fraque um
tanto  canhestras para as attitudes largas e arrojadas. Reparou em
particular o embellesado Victor Hugo José Alves no aprumo estatuario do
snr. Carlos Bento; e, com quanto o fino gosto dos Phidias inéditos
estivesse cubiçando uma toga cahida com romana magestade sobre aquella
confirmação de myologia classica, o bem posto da pessoa entre as
costuras da vestimenta não prejudicava de todo os raptos de eloquencia
que lhe phosphoreciam no aspeito grávido de idéas. Ia n'estes effeitos,
desconhecidos a Longino, o segredo da arte de vestir bem.

Não lhe fez menor impressão o snr. Arrobas, que sorria de esconso para o
collete listrado do já hoje defuntissimo snr. João Elias; nem pôde
esquivar-se a imaginar que o snr. Mártens Ferrão, sem o primor das suas
casacas, e o compassado pendulo do braço direito á competencia com o
pendulo compassado do braço esquerdo, apenas vingaria com os seus
discursos retirar das pharmacias o láudanum, e constituir a camara em
permanente jardim das Oliveiras, onde os discipulos de Jesus _dormiam de
tristesa_, como S. João refere. Dormir de tristeza!--é o mais curial e
justificado somno que pode narcotisar uma assemblêa de legisladores,
quando a providencia das naçoens não encarrega alguns deputados bem
penteados e vestidos de manterem o auditorio em alegres insomnias,
salvante o snr. duque de Loulé para quem o proprio snr. padre Antonio
Ayres do Porto seria uma amendoada.

Destas contemplaçoens sahiu o filho de D. Rozenda Picôa bastante
inquieto sobre a proveniencia dos recursos precisos a quem por força,
privado d'elles, havia de abdicar dos destinos apontados fatidicamente
pelo genio.

Se elle enviasse ao snr. D. Miguel de Bragança os tres contos de reis, e
assim se exonerasse de ser o motor da restauração, á mingua de fato
digno d'um restaurador, não seria isto damnificar o paiz, a trôco de ser
honrado com um homem? Que montaria mais ao proscripto--o ouro da filha,
ou a restituição da corôa? E, se alguns punhados de ouro, em mãos
alheias, lhe estavam logrando juros de patria e corôa, não era obra para
tres vezes bemdita aquella santa ladroagem que habilitava o
revolucionario a acercar-se, depois, do solio do rei restituido, com a
ufania de outros bandoleiros que elle via assentados á orla do solio
usurpado?

Tres contos de reis nas algibeiras de Victor Hugo, estavam germinando
casos e transformaçoens de magnitude incalculavel, ao passo que,
enviados a Heubach, seriam ingloriamente consummidos em comestiveis
e outras ridiculezas de todo ponto inuteis á reivindicação da lei
fundamental de Lamego.

Ao proposito da legislação patria, derogada pelo direito da força,
muniu-se Victor Hugo de copiosa livraria; mas tanta era a confiança que
pozera na espontaneidade original dos seus syllogismos, que lia quasi
nada, contentando-se com o substractum extrahido dos escriptos do padre
José Agostinho de Macedo e fr. Fortunato de S. Boaventura. Um livro que
elle preferia ao _Punhal dos Corcundas_ era _Les talismans de lá
biauté_, obra até certo ponto estranha ás estudiosas vigilias d'um
conspirador; mas conducente aos seus intuitos de coadjuvar a beldade dos
actos do espirito com a compostura esmerada do corpo.

A limpeza da sua pessoa, longos annos suja, não se fez rapida nem
superficialmente. O talento, que o infuriava hydróphobo contra os banhos
do doutor Nilo, impunha-lhe agora a necessidade de, todas as manhans, se
retoiçar voluptuariamente n'um banho aromatisado com _Lait d'amande
douce_, friccionando-se com saboens de _Thridace_ e da _la reine des
abeilles_, ou _Crème froid mousseuse_. Depois, no amanho dos espessos e
oleentos cabellos, que em outro tempo fariam recuar um javali assanhado,
enfileirava os cosmeticos numerados desde o _Baume des violettes
d'Italie_ e _crèmes duchesses_ até á _Eau redivive de Nangavaki_ e á
_Diamantine lustrale_. N'esta operação capillar, em frente d'um espelho
de Veneza ladeado de columnas com arandelas de bronze, formadas por Leda
com o cysne e Europa com o boi, ia Victor Hugo ensaiando as prégas da
fronte e os vincos do sobrôlho, significativos de cerebro causticado
pela cantharida do genio: ensaio previo que elle imaginava contribuir
assás para os triumphos oratorios do snr. Sá Vargas.

Involto em robe de chambre azul-ferrete de brocatel, cingido á cinta por
cordoens de sêda e borlas escarlates, Victor encaracolava as favoritas
do bigode, encerando-o e lustrando-o com _Pommade hongroisse_; depois
ungia a epiderme com _crème Pompadour_, e operava o quarto lavatorio da
untuosa cara com agua saturada de _rosée des abeilles_. Finalmente,
seguia-se o polimento das unhas escovadas e alfanadas com _poudre
oriental_. Todo o requinte n'este ponto lhe parecia baldo,
figurando-se-lhe que as suas mãos não accusavam na delgadeza e
transparencia a aristocracia dos Marialvas ou Vimiosos.

Feito isto, alli se quedava largo espaço narcizando-se diante do vidro
com o languor mulheril de um Bathylo ou Juvencio. Requebrava o colo
em dengosas flexuras de cysne preto, e entre-abria sorrisos de donzel,
deixando apenas descerrar os labios. Risos francos e abertos não os
confiava sequer do espelho. Eram-lhe dôr, desaire e violencia enormes
não poder rir.

E porque não ria este homem tão alvoroçado de alegrias intimas? Seria
para simular profundeza de juizo, e cuidados de conspirador que lhe
traziam os miolos amartellados? Não, senhores. É que tinha os dentes
lurados de cavernas cariadas e chumbadas, e as gengives tábidas d'um
gluten verdoengo. Era uma podridão de caveira, um arcaboiço de
mandibulas a vaporar febres perniciosas.

Tirante os dentes, o alinho complexo do poeta, visto a vulto, recendia a
olorosa elegancia que lhe perfumava o ambiente, mitigando-lhe o halito
paludoso, e temperando sadiamente o ar a favor dos circumvisinhos.

Não assevero que Victor Hugo ensaiasse com alguma felicidade, nos
saloens da aristocracia herdada, a influencia anachreontica dos seus
dotes physicos; antes pendo a suspeitar que lá se sentisse mais a
corrupção dos seus dentes que a da sua alma.

As finas bellezas das raças historicas olhavam-no de soslaio, e trocavam
entre si tregeitos indicativos de espanto e mofa. O inculcado
talento do poeta não obteria sequer, na sociedade frivola das damas
illustres, aquella attenção convencional e contrafeita que a sociedade
burgueza dispensa aos litteratos, sob condição de que o poeta escreva o
soneto em dia de annos, ou a necrologia nos obitos da familia.

Rosnava-se, porém, que uma marqueza, já bem esfolinhada de teias de
aranha de preconceitos em 1820, não o fizera esperar, como Ninon a um
certo abbade, o anniversario natalicio dos seus annos ultra-canonicos,
para o convencer de que a lira do bardo hodierno podia, sem profanar o
culto antigo, desferir endeixas accommodadas á magestade de uma
cathedral gothica. Outro sim constava que o filho do Alves dos couros,
morto em odor de caceteiro cabralista, cultivára aquelles amores como
quem escarda, no estylo do seculo XVI, archaismos para os lardear, com
presumpção de entendido, nas modernas formulas litterarias.

Queriam dizer, ou dizia elle que a marqueza, reliquia das antigas
usanças de palacio, collectora de anecdotas attinentes ao viver intimo
da fidalguia, e refinadamente polida de maneiras exclusivas da sua
casta, pagava generosa as fumigações do nardo, dando ao seu poeta uma
demão de verniz de bom-tom, que elle decerto não dispensaria para
escodear as crustas da educação, na convivencia do capitão da carta e
nas cêas de figado frito na tasca da Rua das Pretas com os clowns do Price.

Como quer que fosse, n'estes amores transitorios e meramente acceites
como appendice de policiamento, Victor Hugo José Alves guardava
intemerata e sem nodoa a poesia do seu peito. D. Maria não se lhe
despintava da idéa apaixonada.

A conversão do dinheiro em beneficio da causa de D. Miguel era incentivo
a maior para que elle, mais ao diante, na liquidação de suas contas com
D. Maria José de Portugal, descontasse a verba empalmada,
incendrando-lhe em ternuras o mais fino ouro do seu amor.

Entretanto, o causidico da legitimidade ganhava entre os seus confrades
o nivel dos mais esperançosos talentos da restauração. Ensejo de fallar
melodramaticamente não perdia um. Ageitava a occasião de exhibir troços
de discursos que compunha no seu escriptorio, declamando-os á tia
Euphemia, que se mostrava accessivel ás descargas electricas da
metaphora, resultado da sua diuturna familiaridade com um auctor
dramatico, que a denominava a sua Laforêt, e a beijava com delirio,
se ella lhe cantava, com as mãos no peito bambo, as chacaras dos seus
dramas. Com os olhos suados de saudoso liquido, D. Euphemia, attenta ás
oraçoens do sobrinho, cuidava estar ouvindo o dramaturgo, que se fôra
d'este mundo com os ouvidos ainda atroados das ovaçoens do Salitre, e o
coração alanceado de invejas roazes aos _Dous Renegados_ do snr. Mendes
Leal.



VIII

RAUL

    No rosto do anjo que desdem tão nobre!

                       DANTE, Inf., c. IX.


Relataram-se os casos anteriores ao realisado designio de fazer-se
luveira D. Maria José.

Já, ao começo d'esta historia, José Parada, o meu introductor á presença
da filha de D. Miguel, nos referiu, mais ou menos hyperbolicamente, a
concorrencia de preitos á volta da galante dama. Não foi, certo,
encarecido louvaminheiro quando nos relatou as esquivanças da luveira ás
propostas de casamento, já com velhos endinheirados, já com rapazes de
genio, e até com um rico e elegante môço que podia aspirar ao mais
selecto consorcio na melhor sociedade da côrte. Tal era aquelle Raul,
filho unico do conde de Baldaque, millionario que entrára em Lisboa
com o seu socio e amigo Manoel Pinto da Fonseca, o homem de ouro que as
mulheres de carne cognominaram o _conde de Monte-Christo_.

D. Maria José não estremára o filho do conde entre os frequentadores da
sua loja, senão pela timidez tartamuda, e rara infelicidade no acovardar
as phrases, tão avêssas da galhardia dos meneios e tom de peralvilho que
lhe dava a luneta, e de uma certa dextridade a que devia nos saloens o
renome de bom conversador.

Nas suas praticas com a luveira da Rua Nova da Palma mediavam
intercadencias de silencio que tanto podia significar amor que absorve a
palavra na contemplação, como cansaço de duas almas em spasmos de tedio
reciproco.

Raul, porém, amava n'aquelle extremo em que a mulher impõe respeitosa
adoração, independente do prestigio do nascimento. Póde ser que elle,
desconhecendo a origem real da luveira, se houvesse em presença d'ella
com menos resguardos, sem todavia lhe querer menos; mas, em leal
verdade, o dizer-se que a gentil menina era filha de um rei, e o porte
soberano com que ella, sem arte e genialmente, justificava sua fidalga
condição, eram realços á já de si peregrina belleza, os quaes, a meu
vêr, insinuaram ao animo enthusiasta do môço brazileiro a idolatria
genuflexa que se confunde com a superstição.

Raul de Baldaque, saltando do dog-cart á porta de D. Maria de Portugal,
e atirando as guias ao jockei, ia encontrar a luveira pregando botoens
em luvas. A gentil senhora correspondia-lhe graciosamente ao
cumprimento, passava-lhe uma cadeira, que elle recebia com ademanes de
extremada cortezia; e, cumprido o dever de urbanidade como se o
exercitasse nas salas opulentas de sua mãe, continuava o seu negocio,
tratando os freguezes com semblante prasenteiro e um sorrir de paciencia
que ninguem, entendido em dôres recalcadas no fundo da alma, poderia vêr
sem pena.

Raul, subtilisado pela paixão que adelgaça os temperamentos mais
espêssos, adivinhou um dia que o sorriso da luveira em resposta aos
desabrimentos de certa mulher que lhe regeitava umas luvas esgarçadas ao
vestir, era a expressão ironica do infortunio que se irritava, ou acaso
a serena alegria da voluntaria martyr.

Desatou-se-lhe então da alma ao concentrado môço um dizer que o
engrandeceu no conceito de D. Maria:

--Quantos sorrisos d'esses terá tido o snr. D. Miguel de Bragança!...

A senhora fitou-o com os olhos já nubelosos de lagrimas, e respondeu:

--Não ha comparação, snr. Baldaque. O snr. D. Miguel não póde sorrir. O
que póde haver egual entre o principe e a luveira é o chorar... Mas que
differença no travôr das lagrimas! Eu choro por elle, e elle... chora
por si mesmo. Eu vejo a tortura, e compadeço-me: elle é o torturado. E
essa mesma piedade que lá chega em escassos beneficios deve ser-lhe fél
coado ás feridas do pundonor... Ha infelizes que se estorcem em sêdes
abrasadoras; os amigos querem apagar-lh'as, e dão-lhes veneno... Não sei
se para esses, que tudo perderam, a mais relevante caridade seria
deixal-os morrer...

Não seria facil a Raul atar as idéas descozidas e interceptadas por
silencios; mas o que elle percebeu animou-o a proferir uma expansiva
bondade que soou asperamente nos ouvidos da luveira:

--Se eu não fosse rico, as suas palavras, minha senhora, seriam tambem
para mim uma tortura...

--Não me comprehendeu--murmurou ella, abaixando o rosto sobre o engenho
das luvas.

--Creio que entendi;--replicou Baldaque--mas, se a magoei, perdôe-me...

--Que entendeu?--disse ella, sem levantar os olhos.--Que eu lhe pedia
uma esmola para o snr. D. Miguel?

--Não, minha senhora, eu entendi que... balbuciou o môço grandemente
embaraçado.

--Então que foi que entendeu?

--Que V. Ex.ª lamentava que seu pae não tivesse morrido, antes de
acceitar os donativos dos seus partidarios.

--Se assim é, que importa que V. Ex.ª seja rico?

--Tenho medo de lhe responder--disse Raul, erguendo-se de golpe, e
sacudindo com a mão os longos cabellos que lhe afogueavam as faces.

--Mêdo!... que poderá dizer-me que o intimide?

--Tem razão, minha senhora. Eu preciso ser franco... preciso ser mais
feliz do que sou... quero abrir-lhe a minha alma... quero, emfim...

Susteve-se algum espaço; e maior seria a detença se D. Maria José o não
desfitasse d'aquella penetrativa interrogação que parecia
recommendar-lhe summa prudencia nas palavras que ia proferir.

E proseguiu, tirando brios propriamente da necessidade que tinha de se
justificar:

--Se eu ainda lhe não disse que a adoro, é porque, na sua presença,
todas as minhas resoluções fraqueam. Sou ainda novo; mas conheço o
mundo. As almas infelizes envelhecem cedo. Eu não amei nunca; mas sei as
palavras com que se pintam as grandes paixoens. Depois de aqui vir
repetidas vezes, disposto a dizer-lhe que a amo, e não o fiz, deliberei
escrever-lhe. A mesma timidez me acanhava em lhe entregar a carta.
Cheguei a ter pejo de mim proprio; porque vi o desassombro com que
certos homens, sem lhe faltarem ao respeito, ousavam dizer-lhe palavras
que me feriam o coração e o amor proprio, ao mesmo tempo. Restava-me, ao
menos, em meio de minhas amarguras uma consolação: e era que, dado que
V. Ex.ª me não visse a alma atravéz do silencio, me não julgaria um
frivolo namorador, sempre a ponto em dizer palavras banaes. E ainda
outra consolação mais me lisongeava: era ver que V. Ex.ª, se me
desprezava, ou me não via, não prestava maior attenção ás pessoas que a
cortejavam, sabendo eu que o proposito de algumas era tão honesto quanto
eu quizera que minhas irmans, se as eu tivesse, o merecessem.

--Eu nunca dei occasião a que me fizessem propostas de natureza
nenhuma--interrompeu a luveira.--Digo-lhe isto, snr. Baldaque, para o
despersuadir de que tenho a vaidade de haver rejeitado propostas que o
mundo chama partidos vantajosos.

--Sei isso...--acudiu Raul, algum tanto abatido da coragem com que ia
discorrendo, por inferir da interrupção assomado orgulho.--Sei isso...;
e, porque o sabia, contive-me, aconselhado pelo desengano dos outros.
Mas, apezar de tudo, talvez me illudisse a vaidade de me suppor mais
digno do que elles, porque eu sentia por V. Ex.ª a veneração, que não
impediu que os outros se declarassem. É isto a unica distincção que me
deve singularisar; pois, sendo natural que todos amem uma senhora bella
no semblante, no coração e no espirito, nem sempre succede que a paixão
se deixe abafar pelo acatamento. Agora, porém, minha senhora, já não
haverá nada que me empeça de lhe revelar em poucas palavras todas as
minhas meditaçoens de seis mezes; mas, se V. Ex.ª me está ouvindo
constrangida... se me confunde com os homens que a importunaram com
phrases mais ou menos similhantes ás minhas, então diga-me que me escuta
por mera delicadeza...

--Por mera delicadeza o estou ouvindo--disse serenamente D. Maria José.

--Pois bem...--tartamudeou o moço empallidecendo--calar-me-hei...
Mas...--volveu elle, passados instantes em que o rubor succedeu á
pallidez.--Mas... V. Ex.ª perguntou-me ha pouco:--que importava que eu
fosse rico?--E eu disse-lhe que tinha medo de responder. A snr.ª D.
Maria José animou-me a explicar-me; e antes que eu chegasse á
justificação, emmudece-me, declarando que me está ouvindo, porque é
delicada! Se fosse tão boa de coração quanto é melindrosa, não m'o dizia
tão seccamente... antes havia de permittir que eu me desculpasse d'umas
palavras innocentes que lhe deram de mim conceito injusto e máo.

--Máo conceito, não, senhor--emendou D. Maria--pareceram-me apenas uma
impertinente phrase que só violentada podia entrar na nossa conversação.
Eu dizia-lhe que o snr. D. Miguel é infeliz; e V. Ex.ª respondeu-me que
era rico. Figurou-se-me que me considerou medianeira nas esmolas que se
pedem para elle...

--Errou, minha senhora--retorquiu Raul, fortalecido pela pureza
nobilissima das suas tençoens.

--Então, seja generoso em me desculpar, e creia que por interesse, e não
por civilidade desejo ouvil-o.

Baldaque, após uma longa pausa, em que denotou no rosto penosa
inquietação do animo, disse verdadeiramente conturbado:

--Já não posso...

--Não póde!?--sobreveio a luveira com ares de incrédula.--Então não
póde? porquê? Isso faz-me desconfiar que...

--Desconfiar?...

--Sim, desconfiar que V. Ex.ª, em sua hesitação, me dá a perceber a
difficuldade de combinar o respeito, que me tem, com a explicação que me
ia dar da sua riqueza. Se assim é, agradeço-lhe mais o silencio que a
explicação... Deixemos no escuro o seu segredo e esqueçamos o que houve
de mais nas suas revelaçoens. Entretanto, snr. Baldaque, não lhe direi
que vou ser com V. Ex.ª mais sincera do que fui com outras pessoas de
quem me não aggravo nem me orgulho. Com essas pessoas a minha evasiva
foi o silencio, sem desdem nem menos preço. Com V. Ex.ª não será assim.
Serei verdadeira, porque vou responder ao que me disse e talvez até ao
que formou tenção de me dizer. No dia em que abri esta loja de luvas,
estabeleci com a sociedade as unicas relaçoens compativeis com este
modo de vida. Não escolhi esta posição, calculando outra melhor. Não
pensei puerilmente em prender admiraçoens de espiritos extraordinarios
que folgam de matizar os actos vulgares da vida com o ouropel da poesia.
Esta loja, com uma pobre mulher que tira d'aqui o seu parco sustento,
não é romance, é occupação ajustada ás minhas faculdades e aos meus
recursos. Eu poderia optar por encargo mais senhoril e lucrativo;
poderia ensinar nos collegios as linguas que estudei, e algumas prendas
que vou deixando esquecer como inuteis; poderia; mas o contacto com a
sociedade assustava-me; a convivencia de mestra com as discipulas
privar-me-hia dos confortos da alma que esperava achar e achei neste
viver obscuro: é a soledade, o estar sósinha o maior numero das minhas
horas, o desprendimento de cuidados que me forçariam a sahir de mim
mesma, se eu quizesse dar boa conta do meu prestimo salariado á educação
de meninas. Sei que me desempenharia mal por não poder, com este
espirito que tenho egoista de sua tristeza, prestar attenção aos
sagrados deveres de quem educa...

--Mas V. Ex.ª...--interrompeu Baldaque.--Perdão!... receio ser
indiscreto, fazendo-lhe uma pergunta...

--Queira dizer.

--Se ouso perguntar, é porque muita gente diz que V. Ex.ª herdou...

--Esta casa e nove contos de reis em inscripçoens.

--Nove contos de reis em inscripçoens...--volveu receioso o filho do
millionario--não bastam para quem tiver aspiraçoens menos modestas que
V. Ex.ª; mas... o rendimento d'elles, creio eu, dispensariam a snr.ª D.
Maria José de dirigir este negocio tão pouco lucrativo; e, se me concede
dizer mais, bem podéra V. Ex.ª, afastando-se inteiramente da sociedade,
gosar as suas horas todas de solidão, poupando-se ás lagrimas que ha
pouco vi explicarem o seu sorriso... Peço outra vez perdão, se me excedi
nestas observaçoens á sua vida intima.

--As observaçoens são justas--respondeu tranquillamente D. Maria--mas eu
não tenho hoje de meu senão esta casa e o valor dos objectos desta loja.
A indagação de V. Ex.ª deve satisfazer-se com saber isto, e nada mais.
Se mais alguem o sabe, não ha razão para que eu esconda a minha pobreza
d'uma pessoa já convencida de que eu desejo ser pobre.

--Ó minha senhora!... nem mais palavra hei de proferir a tal respeito...

--A minha pobreza é voluntaria, reflectida e aprazivel--continuou a
filha de D. Miguel. Quem tiver pena de mim, usurpa a sua
commiseração a quem a merece e necessita... Ha pouco me disse V. Ex.ª
que eu não dei valor ás generosas propostas de cavalheiros abastados que
me pretendiam com honrosos intentos. Não dei valor á opulencia que me
offereciam; mas ao sentimento que os moveu a favorecer-me sou muito
grata. Eu desejava que para cada mulher mal-afortunada sorrisse a
ventura dos casamentos ricos. Deve ser muito cubiçada similhante
felicidade, porque tenho visto o espanto, e talvez o despeito, no rosto
das pessoas cuja riqueza eu me dispensei de apreciar. E a mim, ao mesmo
tempo, parecia-me indiscrição e mediania de polidez vir aqui alguem
obrigar-me a ser indelicada para evitar exposiçoens de affectos, que só
então me faziam pensar na inconveniencia de ser luveira.

Dona Maria sorriu, passou a mão alvissima pela fronte, deteve n'ella a
cabeça como quem revoca idéas fugitivas, e proseguiu:

--Snr. Baldaque, cheguei ao fim do que deve saber de mim propria.
Escolhi esta posição. Se sahisse d'ella, attrahida por bens de fortuna,
a minha alma teria pejo de sua baixa indole. Ha sacrificios que tem
glorificaçoens intimas e ineffaveis. São dôres que os pacientes não
querem consoladas; são as rozetas dos cilicios que as creaturas
delirantes de amor divino apertam mais, quando é maior a angustia. Ha
penitencias moraes muito parecidas com as voluntarias macerações das
santas. Nem a penitente acceitaria os supremos regalos deste mundo a
trôco das suas disciplinas, nem eu trocaria a minha independencia, nesta
solitaria e obscura distancia de theatros e bailes, pelo brilho que meus
olhos cançados de chorar não supportariam.

--Comprehendi, minha senhora... disse Raul, revelando a magua no tremor
da voz.--A palavra coração nem uma só vez appareceu entre as phrases
glaciaes com que me repelle. Ha poesia sublime e santa no mysterio que
lhe nortêa a existencia; mas, nas suas estrellas, no céo das suas
visoens, estrella de amor não brilha nenhuma... Como havia de V. Ex.ª
comprehender-me, se eu, articulando em soluços as minhas confissoens,
seria como o infeliz que exhora uma divindade de marmore, e não a alma
apaixonada que pretende communicar o seu ardor a outra alma?... As
minhas confidencias não poderiam ser ouvidas no alto ponto d'um
sentimento incomprehensivel em que V. Ex.ª me esconde as suas
phantasias. Eu sabia que tinha posto os olhos da face e os da alma na
mulher virtuosa; mas tambem cuidava que as excellencias do espirito
não matam de esterilidade as flores, do coração. Na sua edade, snr.ª D.
Maria José, ha almas devastadas, que, desde o baixo positivismo do
descrer, vingaram, por effeito da fé ou da graça divina, desferir nas
azas da piedade altos vôos até pousarem no seio de Deus; essas, porém,
sei eu que lá mesmo do céo devem chorar sobre as illusoens perdidas da
terra. Sei que ha almas assim cahidas e resgatadas; mas sobre as cinzas
de minha mãe irei jurar que na pureza do rosto, na serenidade do olhar,
na virtuosa altivez de suas palavras, minha senhora, lhe transluz a vida
inteira, sem nodoa, sem laivo escuro que ahi deixasse o anjo maldito do
desengano. Nenhuma esperança lhe foi mentida, nenhum desejo lhe foi
malogrado. V. Ex.ª não desejou nem esperou as felicidades que espera e
deseja a mulher na flor dos annos. Se alguma hora sentiu estremecimentos
de amor, soffreou-os com a violencia da sua justa vaidade...

--Vaidade!--interrompeu D. Maria--Vaidade!

--A palavra não é esta;--insistiu Raul com firmeza--ha outra mais bem
cabida, mais senhoril; mas tambem menos desculpavel em nossos dias de
luz, de expansão e de guerra victoriosa aos preconceitos...

--Diga a palavra... Não se constranja...

--Orgulho do seu nascimento--obedeceu elle receioso.

--Louvo-lhe o coragem, snr. Baldaque. Se disfarçasse a idéa, não
conseguiria enganar-me. Agradeço-lhe a franqueza. Tenho orgulho, é
verdade, tenho muito orgulho de ser filha do principe pobre, do principe
desterrado; e, cortejada á beira do throno de meu pae, talvez o não
tivesse. Tenho orgulho de me ver abatida, e tenho pezar de não haver
compartido das amarguras do grande infeliz. Quando elle soffreu extremas
necessidades nos primeiros annos do seu desterro, ainda eu via nas salas
e guarda-roupa de minha mãe valiosas reliquias de uma opulencia que não
havia sido d'elle, nem do estado, nem da casa do infantado, nem das
extorsoens feitas a uma nação arruinada. Se essa opulencia subsistisse
áquella hora em que fiquei orfan, eu venderia até o leito de minha mãe
para o soccorrer, e ajoelharia á divina Providencia, exhorando-lhe que
me deixasse ganhar o pão de cada dia, e permittisse que a miseria se
abraçasse com a dignidade, e as lagrimas, se era precizo choral-as, me
não sahissem impuras do coração. O meu orgulho já vê, snr. Raul, que
principiou assim: principiou como começa a humildade de muita gente
desafortunada. Filhas de reis haverá muitas que se julgariam
aviltadas pelo trabalho; e eu soccorri-me do trabalho humilde para
sustentar o meu orgulho de filha d'um rei. A mulher que se dá a fidalga
distincção de igualar-se á plebe, reservando para si a superioridade de
agradecer com um sorriso as offensas inevitaveis nas posiçoens humildes,
não se lembra que é neta de reis para ter orgulho. Mas esta palavra é
aspera, é negativa da virtude, sôa rispidamente aos ouvidos da moral
christan. Tambem aos meus. Se a consciencia me não dissesse que ella
exprime innocentemente o conceito que de mim fórmo, pediria a V. Ex.ª
que antes lhe chamasse energica hombridade, vigor de caracter, condição
excentrica e singular, se quizer, mas defeito de coração seria injustiça
attribuir-m'o. Orgulho de pobreza, sim; mas sem as irritaçoens do
orgulho plebeu; sem a cupidez infernada na alma. Tenho uma ambição,
mortificante mas inoffensiva, uma ancia, que, se é peccaminosa, as
lagrimas, que ella me faz chorar, de certo me tem lavado a alma das suas
impurezas. Esta ambição é um desvario de enfermo que se estorce no ardor
da febre; mas é peor ainda;... que as minhas agonias não devem
revelar-se, são profundas, abafo-as, escondo-as de todos; porque estou
sósinha n'este mundo; e tão desgraçada que não acharia allivio
algum em confidencial-as... Expliquei-lhe o meu orgulho--concluiu D.
Maria José, sorrindo e bebendo as lagrimas ao mesmo tempo.

E, volvidos alguns segundos, como Raul, embebecido na contemplação
d'aquella mulher, em que duas formosuras pareciam deslumbrar-se, não
proferisse um monosyllabo, disse ella, amaciando a aspereza da pergunta,
com a brandura do tom:

--Chamou-me orgulhosa do meu nascimento, snr. Baldaque. Eu confessei que
sou; e, olhe, tenho uma qualidade mais reprehensivel ainda... quer que
lh'a diga?

--Outra virtude?

--Outro defeito... Sou soberba.

--Soberba!...

--Sim, disto que vê: d'aquellas luvas, d'aquellas camisas, d'estas
farraparias que me rendem as preciosas galas que eu preciso para
sustentar a minha soberba.

E terminou por um frouxo de riso indescriptivel, talvez um gemido
convulso, um regolfo de lagrimas que se retrahiu ao coração.

N'este lance, entrava uma criadinha com duas latas, de feição de
marmitas, nas quaes ia o jantar da luveira, comprado em uma taverna das
portas de Santo Antão.

Raul, com olhos turvos e voz tremente, apertou a mão de D. Maria
José de Portugal, murmurando estas palavras de modo que a criada as não
ouvisse:

--Eu não a mereço... mas hei de amal-a como um escravo, que eu tive, me
quer e ama ainda hoje. E assim como o amor do escravo me faz bem á alma,
póde ser que o meu amor seja na vida de V. Ex.ª um sentimento suave.

E sahiu.

José Parada, e os convivas de Raul de Baldaque e eu não duvidamos
assacar ao amador da luveira os estimaveis defeitos que dão quilate
superior a quem faz praça d'elles com a invulneravel petulancia da
riqueza. Julguei-o mal á primeira vez que o vi galhardear-se com
tregeitos e garridices incompetentes de rapaz sisudo. Além de que, na
altania do seu olhar, no sobrecenho arrogante com que mediu as minhas
modestas dimensoens, emfim n'aquelle hirto aprumo da sua catadura, eu,
illudido pela experiencia de dezenas de exemplares de tolos que me
trazem desconfiado, conjecturei que Raul hão tinha dotes que podessem
inliçar o affecto da filha de D. Miguel, a não ser a sua pessoa
tafulamente vestida, o urco do seu phaeton, e o alardo de uns
presumptivos mil e tantos contos.

Este rapaz escolhêra o peor expediente para se fazer acceitar na estima
dos seus conhecidos em Lisboa. Deu-lhes jantares cuja magnificencia
inculcava proposito de ostentação; e, não contente da vangloria de ser
rico, desvanecia-se em exceder nas graças de espirito os seus
contubernaes. A reputação de nescio crearam-lhe estes. Havia na calumnia
o ignobil intuito de se arranjarem com a consciencia que os arguia de
parasitas; e o accôrdo, que elles faziam com a sua dignidade beliscada,
era imaginarem-se «disfructadores» do parvena.

Póde ser que o filho do conde de Baldaque, alguma vez ou todas as vezes
que presidiu ás suas ceias irritantes e escandecentes no Matta, quer
inflammado pelo ardor natural da sua compleição, quer exagitado pela
perfidia dos licores, se demasiasse em basofias de galan, relatando com
indiscreta jactancia proezas fameaes, mais ou menos phantasmagoricas. Os
seus commensaes, mordidos no orgulho nacional, de mate forçoso deviam
trocar-se aquelle geito de olhar de soslaio com que o despeito
convencionalmente se dá a mascara de disfructe. Não sei até que ponto o
sensato idolatra da luveira havia direito á fatuidade de afortunado em
jerarchias somenos da filha de um Bragança, mas tanto ou quanto
aparentadas com a sua real amada. Como quer que fosse, os seus amigos
apregoavam-no petisco infinitamente brazileiro; e as suas amigas,
com aquelle fino faro de que são prendadas as damas menos candidas, por
tal arte o haviam conceituado que todas as aventuras contadas, em estylo
de _roué_, vinham a ser o mais desgraçadamente exactas que é
possivel;--desgraçadamente, digo, porque eu desejo que no seio das
familias, que respeito, não sejam sómente conhecidas as tres virtudes
theologaes.

Se as entranhas d'aquelle rapaz de vinte e seis annos estavam
canceradas; se as suas victimas lhe resvalavam do seio de gêlo á
sepultura levadas em lagrimas torrenciaes, não sei, nem o diria quando o
soubesse; que este livro não é obituario. Contra quem me levanto, é
contra mim proprio, porque, á primeira intuição, o aquilatei no vulgar
dos rapazes ricos, libertinos, e cansados.

Não fundamento esta retratação e protesto unicamente na sensibilidade,
polidez, e atilado accento de suas palavras á luveira, por tanta maneira
louvaveis que, sendo apaixonadas, não desatremam da prudencia, e podem
ser dadas como exemplar de colloquios do paço dos nossos reis e senhores.

O meu protesto cimenta em bases que não podem dar de si. É o estylo.
Quem falla d'aquelle feitio a linguagem portugueza,--quem ama com
todas as partes da oração em concordancia irreprehensivel, poderá, por
inveja ou injustiça grave, não ser mencionado nos _Logares selectos_;
mas tolo é que não pode ser.

Ora agora, se amar luveiras regiamente phantasticas, com tamanho siso e
tão desusada reverencia, é hoje em dia argumento contra a sanidade
intellectual de um homem que representa mais de dois milhoens, isso é
outra questão que ha de ventilar-se opportunamente.



IX

DAMIÃO RAVASCO

    A pelle é feia; mas o sangue que gira dentro é estimavel.

                               EURIPEDES, O Cyclope, acto IV.


A gravidade fria e desanimadora de D. Maria José de Portugal não vingou
despersuadir o filho do conde. As visitas continuaram com a mesma
quotidiana assiduidade, bem que menos demoradas. Raul Baldaque, ao
reverso do que era natural, em vez de ganhar alento e desembaraço,
depois que tão resolutamente se manifestára, tornou áquella timidez de
collegial, vencida no impeto da paixão.

Ás vezes, o abatido moço sahia confuso e como corrido de sua tibieza,
pedindo aos proprios brios que o salvassem de tão ridicula, senão
indecorosa pusillanimidade. Desconfiado, porém, da inefficacia do
seu pundonor em assumpto de per si rebelde a razoens de orgulho, formava
a só comsigo venerandos juramentos de sacrificar a chimera da luveira á
realidade do seu alegre viver de rapaz. N'estes protestos fazia elle
entrar a sacratissima memoria de sua mãe; imagem que raramente lhe
passava diante dos olhos do espirito sem lhe deixar no coração bons
sentimentos e um suavissimo ideal da felicidade humana estreme de
dissabores, tedios e remorsos.

Mas a querida imagem, invocada a solemnisar o juramento, não lhe
antepunha mulher que offuscasse a filha do infante. A deparar-lh'a,
dar-se-hia o unico milagre possivel n'estas conjuncturas, milagre aliás
frequente, quando as mulheres queridas não tem comsigo a predestinação
da luveira, e o iman tresdobradamente portentoso da formosura, do
talento e do espirito, sem fazer menção do mais feiticeiro filtro que ha
ahi n'isto de magia amorosa, que vem a ser a esquivança da que é
adorada, um não-querer de exempta, uma delicada repellencia que a um
tempo vos alanceia coração e amor-proprio.

As conversaçoens de Raul e D. Maria versavam, ás vezes, sobre
occorrencias politicas d'onde derivou a guerra civil funesta ao rei
absoluto. D. Maria José, sem ousar arguir as imprudencias do pae,
lamentava que os seus conselheiros não fossem mais esclarecidos do que
elle, cuja educação apoucada o obcecara em meio das alvorejantes idéas
do seu seculo. Discorrendo varonilmente ácerca da historia das luctas
entre a democracia e o privilegio, concatenou os successos que
precederam a revolução de 1820, e justificou as resultas de que seu pae
devia ser a victima, em castigo de prestar-se a representante passivo
dos ambiciosos estupidos que lhe aconselharam a transgressão do
juramento feito.

Baldaque saboreava-se não do tom preleccionador da dama, que não o
tinha; mas da feminil suavidade com que ella simplificava, em breves e
claros termos, passagens da historia patria, na maior parte ignoradas do
brazileiro.

O leitor, que esvoaça em regioens diaphanas onde se não condensam
vapores crassos de historia, dispensaria que a inspiradora das suas
lyricas lhe referisse chronologicamente os annaes de D. João VI no
estylo flatulento de mestra regia bem saturada da philosophia do
historiographo snr. Moreira de Sá, ou qualquer Niebuhr da sua estôfa.
Quero até persuadir-me que o leitor anemico, e avêsso a iguarias
condimentosas, rejeitaria mesmamente a senhora de espiritos assás
metricos que lhe leccionasse os fastos lusitanos em estancias do
snr. conselheiro Viale, poeta voluptuoso como gondola veneziana, vista
da Ponte dos Suspiros, a balouçar-se cheia de... repôlhos.

Dou-lhe razão.

O amor seria divindade indigna das lagrimas que se lhe choram nas aras,
se algum peito succubo d'elle podesse acceitar liçoens de historia como
flechas do seu carcaz.

A ignorancia, mais ou menos absoluta, é uma das clausulas que nos impõe
á nossa servidão o filho da deusa viciosa, cuja illustração não poderia
medir-se com a da senhora Dona Canuto, Venus Urania, se é forçoso
mitifical-a--ou outra capacidade menos provada.

No adro dos templos do frécheiro não demandemos philosophos eructando
azias hegelianas, nem jurisperitos polvilhando a ambula dos perfumes com
o vinagrinho que lhes espirita o cerebro resentido da cegueira da
justiça. O que lá se nos depara, em redor dos pagodes do deus cego, é
gentio a rir e a chorar, que ora se postra supplicante, ora se espoja em
desbragada alegria.

Amor spasmodico, amor macabro, amor epileptico. Ha d'estas tres castas
d'amor na zona luminosa da mulher peregrina. O spasmodico é o
comtemplativo; o macabro é o que salta e se estorce nas vascas
voluptuosas do deleite; o epileptico é o que escabuja debaixo da garra
da perfidia. Ha uma quarta especie d'amor, do qual ninguem faz livros
porque é a mais analphabeta: é o amor de mercearia, o amor sebaceo e
rubido como o burril antigo o immortalisou nas cascatas, e no coração de
nossas avós. Encontra-se esta reliquia dos tempos honestos no terceiro
andar das familias cujos chefes labutam nas suas tendas. Está sentado na
travesseirinha do leito nupcial, brincando com os folhos e borlas azues
da almofada. Resfolega, por bochechas de cravelina, frouxos de riso á
esposa, quando ella, depois da ceia, desaperta os nastros da ceroula
conjugal, emquanto elle encarapuça o marido no barrete de dormir. Não
temos que entender com algum d'esses amores n'esta chronica, exceptuado
o primeiro, o spasmodico. Nem Stendhal creou adjectivo tanto ao ponto.
Deixemo-nos de crystallisaçoens. Spasmos, macabrismos e epilepsias--é o
que ha. Mais nada.

Raul de Baldaque estava, pois, escutando as narrativas da luveira em
arroubos que sobreexcedem os de um alumno de boa fé absorto a escutar o
snr. João Felix Pereira, quando arenga ácerca de Herodoto.

Em uma d'essas tardes de innocentissimo prazer, entrou na loja de D.
Maria José um mulato offegante, com os olhos vidrados de lagrimas, e
exclamou em soffocativas intermitentes, dirigindo-se a Raul:

--Menino, venha depressa a casa... venha depressa... que o snr. conde...

--Que é, Damião?!--interrompeu Raul--que tem meu pae?...

--Cahiu por morto, quando ia a entrar na carroagem... levei-o nos braços
para casa... chamou-se o medico; mas já não respirava...

O moço, apertando a mão de D. Maria José, que balbuciava algumas
palavras compassivas, sahiu acceleradamente.

Quando entrou no quarto de seu pae, as pessoas que rodeavam o leito, não
responderam á interrogação de Raul. O medico apertou-lhe convulsamente a
mão e sahiu. Os restantes eram criados, cujos aspeitos exprimiam mais
espanto do que dôr.

O filho ajoelhou á beira do leito e beijou a mão do cadaver; depois,
encostando a face ao hombro do pae, soluçou palavras inintelligiveis. Do
outro lado do leito ajoelhou alguem com os punhos cerrados na fronte e
as lagrimas a borbulharem-lhe dos olhos espavoridos no rosto do morto:
era o mulato Damião.

Digamos d'este homem que se nos revela sympathicamente em frente
d'um filho que chora, e ao lado do velho que lhe expira nos braços.

Damião Ravasco era o seu nome. Gentil corporatura de mestiço. Feiçoens
levemente denunciativas da origem indiana de sua mãe. Olhos fulgurantes.
Epiderme esmaiada, aquelle esfumado de marfim antigo, que nas raças
europêas distingue as bellezas finas, o pallor romantico, a vantagem do
espirito sobre a riqueza do sangue.

Damião Ravasco orçava pelos trinta e dous annos. Já sua mãe havia
nascido em casa de Antonio Ferreira Baldaque, pae do defunto conde.
Ninguem lhe attribuia filiação d'este ou d'aquelle. As escravas eram
muitas e fecundas todas. Entretanto, nos traços physionomicos de Damião,
realçavam parecenças com o pae de Raul; e, no particular affecto com que
o capitalista o estremara desde a primeira infancia, havia o quer que
fosse indicativo de virtude não vulgar nos progenitores dos filhos das
escravas.

Antonio Ferreira Baldaque deu aso a suspeitarem-no pae do mulato quando
o mandou á escóla, trajando-o com decencia incompetente a um servo.
Aggravaram-se, porém, as desconfianças, quando, prompto em primeiras
lettras, o rapaz seguiu estudos superiores.

Poucos annos antes, havia casado o negociante com a mãe de Raul, a qual,
ciosa da consideração que o esposo liberalisava ao filho da escrava,
disparou em impertinencias que poderiam resultar a felicidade do mulato,
se elle pendesse a engrandecer-se por lettras.

Quiz o prudente esposo restabelecer a paz domestica, enviando Damião a
seguir em Portugal a carreira da jurisprudencia ou da medicina na
universidade de Coimbra. O rapaz ouviu as ordens do padrinho, e
respondeu humilde, mas com firmeza, que não queria ser doutor, nem tinha
queda para estudos.

Esta confissão não era vaidade mal rebuçada em modestia. Em Damião
Ravasco, ao passo que a esforçada musculatura se alargava com
proporçoens agigantadas, parecia que as potencias da alma lhe eram
deprimidas pelo pezo da materia. Os condiscipulos não ousavam
motejar-lhe a rudêza, desde que elle, em polemicas grammaticaes,
abusando dos preceitos mais vulgares da camaradagem litteraria,
respondia com sôccos ou marradas aos argumentos dos adversarios:
indignidade que ainda não vimos praticada em outra parte, senão no
parlamento portuguez.

Os professores haviam já prevenido o protector do mulato, quanto á
incapacidade rebelde do estudante; apesar disso, Baldaque desejou
illustral-o, até ao momento em que Damião por claros termos se recusou.

Interrogado sobre o modo de vida que melhor quadrava ao seu genio, o
rapaz, que então contava dezoito annos, respondeu que o seu gosto era
ser boleeiro; e acrescentou que tarde ou cedo o havia de ser, porque
ninguem fugia á sua estrella.

Ou porque respeitasse a estrella de cada sujeito, ou receiasse denunciar
o que era, ou dar mais fortes suspeitas do que não era, o negociante
offerecera alguns contos de reis a Damião Ravasco a fim de que se
estabelecesse, consoante sua vontade e vocação.

O mulato rejeitara o dinheiro dizendo entre soluços que não queria
deixar o padrinho; e, abraçado ao pequeno Raul, rogava-lhe, debulhado em
lagrimas, pedisse ao pae e á mãe que o não mandassem embora.

A esposa do submisso negociante não condescendera. Os rasteiros
instinctos de Damião, preferindo a cocheira á universidade, e a sella ás
cartas de bacharel, acerbaram o desamor da dama que afiava cortantes
chacotas contra a defunta escrava, assacando-lhe que ella arteiramente
capacitara da tal paternidade o seu senhor, usurpando direitos de
progenitura a algum obscuro lacaio. Antonio Baldaque, posto que não
se desse como pae do mulato claramente, devorava em silencio o insulto,
deixando-se invilecer e maneatar pelas centenas de contos que a esposa
augmentara aos seus haveres.

Não era elle todavia insensivel ao espinho occulto que lhe pungia na
vaidade de pae, quando diligenciava demover o afilhado da vil profissão
de boleeiro, incitando-o a sair para Portugal, onde lhe segurava
recursos para negociar, se não quizesse outra carreira.

Damião Ravasco, soffreando esforçadamente a sua mania, cuidou que
poderia conformar-se, e já parecia vencido das indirectas instancias do
padrinho. Mas, um dia, como visse annunciada a venda de carroagem e
parelha do ministro francez, concorreu ao leilão, licitou por não poder
conter-se, e arrematou o trem, obedecendo á espora do instincto que o
não deixou reflectir na desobediencia.

Dado tal passo, Damião foi despedir-se do padrinho que o recebeu de máo
rosto, improperando-lhe a baixeza das inclinaçoens. O moço, porém,
possuido dos fidalgos espiritos de muitos portuguezes coevos, netos de
Gamas, Albuquerques, Castros e outros, respondeu que a sua inclinação,
não o deshonrando a elle não podia deshonrar ninguem.

A pessoa de quem Damião Ravasco se despediu com muitas lagrimas era
o menino Raul. A creança pagava amorosamente os afagos do mulato,
defendendo-o como podia, quando a mãe o tratava com desaffecto, e
fugindo d'ella para os carinhos do filho da preta, quando a retrincada
senhora o appellidava affrontosamente o _negro_.

Começou o mulato sua vida de alquilador prosperamente, comprando
carroagens, e boleando-as elle mesmo. A paixão da almofada e do pingalim
não lhe consentia aristocratisar-se na sua esphera de proprietario de
nove parelhas normandas e seis aceados trens. Era artista em extremo
grau. Entrajava com menos alinho que os seus criados. Todo o seu
deliciar-se em luzimento e galhardia de composturas eram os arreios dos
cavallos e o brilhante verniz das equipagens.

A propensão do mulato não era das que menos se prestam a irritar as
sanhas das indoles brigosas. A parçaria com homens de Cavalhariça, de
natural bulhentos, muitas vezes o poz no gume do perigo, e outras tantas
lhe deu admiraveis triumphos de pugilato, quando não era a navalha que
empurrava os adversarios para o hospital. A policia, inquietada e nem
sempre respeitada pelo valentão, quiz prendêl-o em cumprimento d'uma
pronuncia por crime de tentativa de morte nas pessoas de dous
negros que haviam maltratado na chacara Raul de Baldaque, em occasião
que este se comprazia frechando-os com alfinetes desempolgados do arco,
sob pretexto de ensaiar-se para Guilherme Tell.

Homisiou-se Damião em Vassouras, recommendado pelo padrinho, a quem
cumpria patrocinar o generoso defensor do filho legitimo.

Este caso amolleceu a dura condição da mãe do menino, cujo prazer de
assetear negros lhe seria descontado em torcegoens de orelhas, se o
filho da escrava não sangrasse a ferro as iras dos offendidos.
Quebrou-se, pois, a antipathia da dama, até á condescendencia de
permittir que o marido sahisse a publico em abono do afilhado,
legalisando as navalhadas como justa defesa.

Damião Ravasco regressou absolvido, mas não emendado, ao Rio de Janeiro.
A impunidade alargara-lhe o fôlego das proezas. Cuidar-se-hia que a sua
paixão dos quadrupedes ia desandando n'outra menos estranha á
super-intendencia do codigo criminal. Quando evitasse o ensejo de provar
a mão na cara dos que se lhe arrostavam, vêr-se-hia á sua beira Raul a
quem elle obedecia docilmente; mas, como essas occasioens eram menos que
os lances em que o provocavam, ou elle se considerava provocado, raro
era o dia em que Ravasco não tivesse de explicar á policia a razão
por que certos queixosos haviam perdido alguns dentes, ou, com os olhos
tapados por contusoens, recorriam á justiça pouco menos cega que elles.

N'este meio tempo, falleceu a esposa do capitalista.

O viuvo apressou a liquidação dos seus grandes bens de fortuna, com o
proposito de repatriar-se, e saborear em socego o restante da vida.

Não queria elle trazer para Portugal o mulato, receiando desgostos e
sobresaltos, em tempo e terra onde lhe sorriam esperanças de remançosa
tranquillidade. Tanto poderam, no emtanto, com elle instancias do filho
que não houve recusar-lhe a companhia do amigo.

O conde de Baldaque, em Lisboa, ostentava opulencia ajustada ao titulo.
Damião mordomisava a cocheira, com voto deliberativo na escolha das
parelhas e carroagens. A paixão recrudecera-lhe a termos de não querer
outra posição em casa do padrinho. Pelo que toca ao sestro das
valentias, corrigira-se tanto quanto o conde podia ambicionar. Como não
tinha inimigos em Lisboa, o mulato, absorvido no deleite de palmear e
almofaçar as ancas dos seus cavallos, apenas uma ou outra vez
esbofeteava os criados gallegos da cavallariça para exercitar a
pujança dos tendoens _in anima vili_.

Raul de Baldaque, nas estouvices de rapaz, se precisava de um amigo que
lhe antepozesse a sua vida aos lances arriscados, aventurava-se aos
maiores perigos com Damião ao lado. Confidencias amorosas,
particularidades que elle escondia dos seus commensaes, dialogos intimos
com damas de primeira plana, tudo revelava a Damião Ravasco. O mulato
ria das aventuras do amo, e aconselhava-o a ser rasgado e audacioso com
as fidalgas quando elle se prezava de o ser com as môças dos visinhos.

Não lhe era portanto mysterioso o amor de Raul á luveira.

E o seu modo de pensar a respeito d'esses amores, que tão mudado lhe
traziam o pensativo menino, o saberemos logo.

Dada em resumo a biographia do mulato, personagem de maxima importancia
n'esta historia, temos explicado aquellas lagrimas, que o filho da
escrava chorava, beijando a mão fria do homem a quem nunca ousára chamar
pae, posto que, no silencio da alma, uma voz mysteriosa lhe dissesse que
Raul era seu irmão.



X

FRUCTA DO BRAZIL

    _Murro_, s. m. pancada com a mão fechada. _Soco._

                      ROQUETE, Dicc. da Lingua Port.


Aqui desapparece o romantico nome de Raul.

Vamos ter a vulgaridade d'um conde. Queixem-se do ministro que dera o
titulo em duas vidas ao primeiro. Todavia, entre luveira e conde o
relevo dos amores deve dar margem e contrastes mais palpitantes de
actualidade, como já se não diz. Amores de luveira...

Não é isto exactamente. A luveira não o amava. Era para elle em rigor o
que lhe disse que era.

Distinguia-o do acume d'onde o via em baixo, bem que no seu levantado
orgulho houvesse uns brios de magestoso abatimento. Era
irreconciliavel o divorcio de sua fidalga pobreza com opulencias
provenientes de homem que intentasse offuscal-a com esta cousa
sobremaneira desprezivel chamada dois milhoens, ou--mais execravel
ainda--tres milhoens!

O conde honrou a memoria de seu pae, encerrando-se por espaço de quinze
dias.

Como a saudade filial lhe estivesse pedindo consolaçoens que ninguem
sabia dar-lhe, o moço desafogava em cartas enviadas a D. Maria José, nas
quaes se carpia como se devesse achar allivio na condolencia da mulher
destinada a duplicar-lhe os perdidos affectos de pae em caricias de esposa.

D. Maria José de Portugal respondia compassivamente ás cartas,
adoçando-lhe a dôr com a certeza de que lh'a conhecia, porque tambem
ella havia perdido sua mãe, e gemêra na dupla orphandade de mulher e
mulher pobre. As suas respostas, se alguma vez pareciam dulcificadas por
sensibilidade de amiga, nunca tocavam o sentimentalismo amoroso. E,
tanto era o desartificio com que naturalmente se expressava, que ninguem
veria nas cartas d'ella o esforço da mulher que se disfarça, ou procura
colorir com termos delicados a parcimonia de mais affectivos
sentimentos.

O conde não escondia o seu despeito de Damião Ravasco. Lia-lhe as cartas
que escrevia e as respostas recebidas por intermedio d'elle. E o mulato,
pouco dado a interpretaçoens de phrases que se afiguravam reconditas á
vaidade do conde, sahia-se ás vezes com umas reflexoens alheias do bom
senso que irritavam sobre modo a delicadeza do amo.

Por exemplo, uma vez, andando o conde a passeiar no seu quarto, e a
dizer em vozes interrompidas por suspiros que a luveira o havia de matar
ou endoudecer, Damião, tomando-lhe o passo, fallou do seguinte theor:

--Ora meu amigo, vamos a isto. Estou farto de palavriado. Obras, obras é
que se quer. Seja homem, e attenda lá ao que lhe vou dizer. Se o menino
quer morrer ou perder o siso, não quero eu. A mulher ha de ser sua tanto
me importa a mim que seja filha do rei como do diabo! Luveira é ella,
isso vou eu jural-o, porque ainda hontem lhe comprei umas luvas de
camurça. Mas, se fosse filha de rei e morasse no palacio real, antes de
V. Ex.ª morrer ou endoudecer, havia eu de fazer mais restolho que dez
milhoens de diabos para que ella fosse sua. Se eu pudesse, muito que
bem; se não pudesse, quem havia de morrer primeiro que o snr. conde era
eu.

--Que fazias tu, Damião?--perguntou entre grave e risonho o conde.

--Que fazia?

--Sim...

--Vamos aqui fallar serio. Sente-se o snr. conde, e, se eu disser alguma
parvoice, não se enfade, que perde o tempo. Um homem é um homem, parta
d'este principio, como dizia o frade que me queria ensinar logica. Um
homem não é uma mulher. As mulheres vencem com choradeiras, os homens
vencem com obras: percebe o que eu quero dizer na minha? Um homem sem
desembaraço... é mulher. Lá que a gente morre, quando não se desengana a
puxar por si, não tem duvida nenhuma. Ha muito tempo que eu andaria ás
malvas, se me deixasse estar quieto a conversar com a prudencia. A
prudencia é boa nas terras onde não ha marotos...

--Mas a que vem tudo isso, Damião? Bem se vê que o frade não conseguiu
ensinar-te logica!... Então que queres tu que eu faça?

Damião Ravasco soltou uns froixos de riso sêcco, esfregou as mãos, deu
duas palmadas nas pernas, e respondeu:

--Se o menino me dissesse: «Damião, eu quero aquella mulher, custe o que
custar»--a mulher seria sua, ou eu me dava em corpo e alma ao maioral do
inferno! Diga-me cá, snr. conde: como foi que se arranjou no Rio
aquelle negocio da franceza que estava com o chanceller? O menino
contou-me que ella não o queria, e o maltratára diante de outros...

--Cala-te, que me estás irritando!--atalhou o conde.--Não admitto
comparaçoens entre a franceza e D. Maria!

--Mas o menino dizia da franceza a mesma alicantina que diz
d'esta--observou o mulato, maliciando o sorriso com a velhacaria d'um
pratico do coração humano.--Eu fui dar com V. Ex.ª, na chacara de
Petropolis, triste, pensativo, a fallar só, a dar uns ais que parecia
rebentar de paixão d'alma. Perguntei-lhe que tinha. Disse-me que amava a
franceza do chanceller, e que dava um tiro na cabeça, se a não pudesse
tirar ao francez. Foi assim, ou não foi?

--Não me atormentes!--insistiu o conde, corrido talvez de confrontação
que o mulato equiparava entre as duas situaçoens analogas.

--Mas...--tornou Ravasco.

--Já te disse que me não afflijas... Queres dizer-me que fazes á filha
d'um principe o que fizeste á franceza?...

--Sim... eu... acho que...

--Achas que D. Maria póde ser levada n'uma sege á traição, e calar-se
depois mediante alguns centos de libras como a outra?...

Damião sacudiu os hombros á feição de quem cynicamente presume que a
distancia divisoria entre duas mulheres não é tamanha como os poetas a
medem. O conde todavia assanhado pelo tregeito do mulato, ergueu-se de
impeto, coriscou-lhe um lance de olhos humilhante, e sahiu, murmurando:

--Instinctos de cocheiro... a final!

O insulto confrangeu a alma forte do filho da negra; mas nem leve assomo
de colera se denunciou na mudança d'aquelle aspecto. O amor de Damião ao
filho de seu padrinho era tolerante e impassivel até á covardia.
Beijal-o-ia, depois da injuria, como as mães beijam os filhinhos que as
esbofeteam.

Não obstante, logo que o espanto e a dôr cederam á reacção da dignidade,
o mulato procurou o conde, e disse-lhe dissimulando a commoção:

--O cocheiro vem despedir-se. Vou recolher-me á cavalhariça de V. Ex.ª,
e sahirei de lá para outra, quando souber que o snr. conde encontrou
feitor que me substitua.

O conde deteve-se momentos a contemplar a serenidade do mulato, que o
fitava com os olhos turvos de lagrimas a desmentirem a dureza do semblante.

Qualquer que fosse o agastamento do amador da luveira, a offensa feita á
filha dos Braganças podia menos no amor do moço que a inveterada
gratidão aos extremos do mulato. Demais d'isso, a opinião publica do Rio
de Janeiro, quanto á filiação do filho da escrava, não era estranha ao
conde; e mais que tudo, seu defunto pae, louvando o sisudo proceder do
afilhado, em Lisboa, havia dito ao filho que a sua maior pena era não
ter podido elevar Damião á decente independencia que projectára.

Por tanto, ainda que de si mesmo quizesse esconder as proprias
suspeitas, o conde não podia esquivar-se á conjectura de que o mulato
era seu irmão; e tal desconfiança, penetrante como um sobresalto de
subita evidencia, lhe alvorotou o animo no instante em que as lagrimas
de Damião, rebeldes á vontade, pareciam a um tempo queixar-se do ingrato
e pedir perdão para o desvario d'um doudo enthusiasta que, em serviço
das paixoens frequentes de seu amo, não distinguia entre a concubina
d'um chanceller e a filha de um rei.

Estas e outras louvaveis reflexoens ponderavam no espirito do conde,
quando, approximando-se de Ravasco, lhe abriu os braços, estreitou-o ao
peito, e disse:

--Não finjas que me deixas, Damião, porque tu não deves nem podes
deixar-me...

E o mulato, rindo e chorando, tartamudeava palavras convulsas, em
quanto o conde proseguia:

--Não se deixa um rapaz de quem se é amigo, desde o berço, e a quem se
deu protecção quando elle a precisava menos que hoje. Olha que estou só
no mundo, Damião. Não tenho ninguem que me estime, senão tu. Dos
affectos que me rodearam na infancia e mocidade, vives tu só. Se me
faltares, accuso-te de máo e ingrato, e hei de convencer-me que não ha
para ti amisade duradoura senão... a dos trens--concluiu jovialmente o
conde, já quando o mulato o levantára nos braços como quem afaga no colo
uma creança para desamuál-a com meiguices.

D'ahi a pouco estava outra vez o conde confidenciando a Ravasco o seu
fatal amor á mulher que lhe não dava mais estimação ás qualidades
pessoaes do que á riqueza e ao titulo. O mulato transiu-se de assombrado
quando o millionario lhe affirmou que a luveira pobre o rejeitaria, se
lhe elle offerecesse a mão de esposa.

--O menino já lh'o disse?!--interrogou Damião.

--Não. Disse-m'o ella para me poupar ao dissabor da pergunta.

--Snr. conde--volveu o sceptico--olhe que ha mulheres finorias!... Olho
vivo, menino!

--Damião!--accudiu desabrido o conde em desforço de D. Maria.--Sinto que
o teu espirito não saiba respeitar devidamente a mulher que eu
escolheria para minha esposa!

--Respeito, sim, senhor. Isto é um modo de fallar. Mas não creio que
haja senhora rica ou pobre que rejeite o snr. conde, que é moço, é bem
parecido, sabe o que diz, e tem mais do que pensa. A mulher, que o não
quizer, tem outro homem, ou é douda. Eu, no seu logar, tratava de
averiguar se essa creatura é o que parece, e regula bem da cabeça.

--Damião!... és incorrigivel!--bradou o conde.

--Palavra de honra, que não sei fallar com o menino! Sabe V. Ex.ª que
mais, senhor conde? Ha por ahi duzias de amigos que o intendam e o
enganem; eu cá por mim, sou d'esta laia. Digo as cousas toscamente como
sei. Se a senhora fidalga é boa, não perde nada com a minha opinião; se
não é boa, peor para ella. O que eu quero é que V. Ex.ª não soffra, nem
seja enganado. Das duas uma, como dizia o meu mestre de logica: se ella
o ama, case com ella; se o não ama, de que lhe serve padecer? Eu cá não
queria mulher que me quizesse por compaixão.

Apezar da nimia tolerancia com que o escutava, o conde pretextou
qualquer motivo para cortar a conversação.

N'esse mesmo dia, Damião Ravasco foi á loja da luveira, com o disfarce
de quem passava, e perguntou a D. Maria José se queria alguma cousa para
o snr. conde.

--Elle está bom?--perguntou ella.

--Não, minha senhora.

--Não! que tem? está doente?

--Da alma.

--Saudades do pae?

--Tudo se ajunta. Saudades... e paixão....

--Paixão? sim... paixão pelo pae...

--Paixão por V. Ex.ª

D. Maria córou. Não era bem o pejo de tal revelação feita por pessoa de
esphera infima. Era febre de mais fidalga enfermidade: era o decoro de
princeza, fibra estremecida por nevralgia de orgulho, mas fibra que não
é commum de todas as senhoras fibrinosas. É um filamento adelgaçado pelo
esmeril do tempo atravéz das raças; cousa que vem das castellans do
cyclo feudal; que estremeceu nas mulheres dos baroens da meia edade; que
não tem vibração nenhuma nas baronezas d'esta edade recentissima. E vai
depois o mulato, como eu vinho contando, foi embargado no seu plano de
requerer a mão da luveira para o conde.

É que dous sujeitos, vestidos ao bizarro, e bem talhados de suas
pessoas, entraram á loja, e com ademanes farçolas, pediram collarinhos
de bretanha.

Expoz no balcão a luveira as bocêtas dos colleirinhos.

Os freguezes, a par e passo que os iam examinando mui devagar,
galanteavam a silenciosa senhora com uns dizeres desta casta:

--Mal empregados olhos em almofadas de costura! Quem os tem tão
matadores melhor uso lhes daria, se se dignasse olhar para outros que a
amam...

    Eram negros côr da noite
    Uns olhos negros que eu vi...

O sujeito que assim fallava, dava ares de deputado do norte, papa-fina,
calaceiro de damas sertanejas, gallo de aldêa vezado a cacarejar
finezas; mas bem creado e de fama na sua comarca, e talvez mais adiante,
como pessoa perigosa para senhoras frageis ao dom da palavra.

O outro, que vislumbrava esperteza e garbo de lisboeta, sorrindo
desdenhoso á linguagem do amigo um tanto rançosa das galanices do
Clarimundo, fallou d'esta arte:

--Esta menina, aqui onde a vês, tem, segundo consta, sangue real
nas veias. Se eu fosse principe, fazia-lhe os meus cumprimentos, e
pedia-lhe um osculo.

--E eu dois--ajuntou o deputado dos Arcos ou de Melgaço--(de Melgaço é
que era, se bem me lembro); mas, prescindindo dos osculos--continuou
mais requebrado--limito as minhas ambiçoens a pedir-lhe que me tome
medida do pescoço afim de saber-se quaes colleirinhos hei de comprar.
Vou sentir o avelludado das suas alabastrinas mãos, mãos de princeza...

D. Maria José, durante as pungentes facecias dos mal-fadados, não
erguêra do balcão os olhos carregados de lagrimas. _Mal-fadados_ lhes
chamei; porque Damião Ravasco, em quanto elles fallavam, trincava e
cuspia a pedaços um charuto, ao mesmo tempo que, fervendo em ira, e
agitando machinalmente os braços, parecia dar-lhes alôr para uma pega
mortal.

E os dois faceiras decerto não attentaram nos olhos assanhados do
mulato, nem dariam significação funesta áquelles tregeitos, se os vissem.

O deputado, entretanto, como a luveira não respondesse ao pedido, aliás
honesto, de lhe medir o pescoço, insistiu abemolando a rogativa com um
sorriso de ironica meiguice:

--Então o meu anjo não se humanisa até á humanidade de me tomar a
medida do pescoço?

--Meço-lh'o eu--disse Ravasco, abarbando-se com o sujeito.

E, proferido o serviçal offerecimento, recurvou-lhe os dedos da mão
direita na garganta, sacudiu-o de encontro á hombreira da porta, e
d'ahi, tangido pelo impulso de uma valente pescoçada com um sonoro
ponta-pé, tombou-o á rua. Consummado o feito, voltou-se para o outro,
que se quedava immovel, fulminado, empedrenido talvez por sua justa
indignação, e disse-lhe:

--Vossê tambem ha de ter o beijo que pediu.

E o mesmo foi convidal-o com trez tapa-olhos á mão tente, cascados de
tal guisa que, ao terceiro, o sujeito mordia o macadam dos fortes
colhidos de sobresalto, resvalando os dous degraus que o separavam do
seu infausto amigo.

Cobriu-se de profunda amargura o aspeito de Damião Ravasco, ao ver que
os dous freguezes de colleirinhos, depois de se escovarem reciprocamente
com os lenços, e de trocarem entre si palavras mysteriosas,
calcurriaram-se embora com apparencias de sãos e escorreitos.

Na sua fome de musculo e sede de sangue, o mulato, dando redia á furia,
idealisára o deleite de esfaquear e mastigar aquelles homens,
porque pensava que elles, repostos na posição vertical, o atacariam
façanhosamente.

N'este emtanto, D. Maria não dava signaes de susto, nem d'aquelle
nervoso palpitar que vai tão senhorilmente ás compleiçoens feminis,
quando um homem esmurraça dois na sua presença. Longe d'isso. A
desaffronta dilatara-lhe o coração que o pejo retrahira. Reluzia-lhe o
prazer nos olhos. O odio aos insultadores da sua honesta pobreza
accendera-lhe no peito, por momentos, a ruim, mas natural paixão da
vingança. O sangue de princeza, orgulhosa de raça, refluira ao coração
da luveira, humilde por estudo. Sentia-se bem. Não podia nem queria
fingir-se descontente do arrojo do mulato. Com a fronte alta e a
commoção do prazer dos deuses olympicos na voz, disse a Damião:

--Praticou um acto de generoso valor! Se houver de soffrer por minha
causa, não se arrependa de defender a mulher que só tem tido a sua
dignidade e paciencia a resguardal-a de peores insultos...

Avisinhou-se então o estrupido de uma carruagem. Damião conhecia o
trotar cadenciado dos seus normandos.

--É o patrão...--disse elle, correndo á rua.

E abriu a portinhola da carruagem.

--Estavas cá?--perguntou o conde.--Que faz aqui este povo?

Referia-se ao ajuntamento do rapazio e mulherigo que escutavam das
primeiras testemunhas do conflicto o caso dos dois homens afocinhados na
rua.

--Que faz aqui esta gente?--instou o conde ao mulato que se occupava
distrahidamente em alargar umas fivélas dos arreios.

--Fui eu que sacudi o pó a dous pirangas que...

--Tornas ao fadario antigo?... Que te fizeram?--volveu o conde mal
assombrado.

--A mim? nada...

--Então a quem?

--Estavam a rinchar pachuchadas e chalaças á senhora alli da loja como
quem derriça por uma mulherinha de pouco mais ou menos. Figurou-se-me
que o snr. conde, se cá estivesse, faria o mesmo que eu fiz... Os
cavallos estão endiabrados com a mosca! Olha a rédea falsa, rapaz! Vai
ahi até ao Rocio, e desanda. Toca!... Não me deixes escarvar o gado que
se escabreia... Olha o cavallo da mão... não no vês a arrifar?

--Espera!--disse o conde ao sota.--Eu volto a pé... Damião, salta para a
almofada, mette os cavallos á cocheira, e espera-me em casa.

O mulato obedeceu constrangido. Vaticinava-lhe o coração que
ausentar-se era perder lanço de desemperrar as articulaçoens dos pulsos.

D. Maria de Portugal referiu o successo, colorindo-o nos promenores
improprios da sua narrativa; mas entremostrando, nas hesitaçoens
delicadas, que os offensores haviam merecido o castigo recebido.

N'esta conjectura, abeirou-se da porta um dos curiosos, que mantinham na
rua o auditorio á espera da explicação da desordem, e disse para dentro
que os dois janotas socados pelo mulato vinham do lado da Praça da
Figueira com tres municipaes.

--Snr. conde!--disse D. Maria assustada--rogo-lhe que se retire...

--Não me peça V. Ex.ª sacrificios em que a minha dignidade seja
violentada. Retirar-me de que perigos? O procurado pelos soldados de
certo, não sou eu! Prouvera a Deus que o fosse... N'este momento invejo
Damião; e prezo-o mais do que é costume prezar as pessoas que se invejam.

Dito isto, o conde assomou ao limiar da porta, a tempo que os soldados e
os dois respeitadores da intervenção judicial defrontavam com a loja.

O conde conheceu o amigo do deputado. Era um dos seus commensaes nas
ceas amostardadas por dançarinas, mulheres que dissolviam o coração
em champagne, e o espumavam nos labios em beijos acres de tanino. Os
quaes beijos, na alma deste contubernal do liberalissimo Raul, haviam
deixado contusoens menos duradoiras que os tres bofetoens do selvagem
americano nas maçans pizadas da sua cara.

Acercou-se o paralta da porta da loja e perguntou:

--Ó conde, ahi dentro está um preto?

--Não.

--O scelerado fugiu! disse o deputado.

--Não fugiu--emendou o conde.--De quem havia de fugir elle? De VV.
Exc.as? Dos soldados de certo não; porque seria injuriar dois
cavalheiros dessa laia, suppor que VV. Ex.as, castigados ao mesmo
tempo por um só homem, iam invocar a protecção de trez municipaes!

--Que ar é esse teu?--perguntou o lisboeta, estranhando o tom
insolentemente ceremonioso do conde.--Que tens tu com o assassino que
nos assaltou ahi na loja d'essa notabilidade protegida por sicarios de
tal casta?

--Vejo que a protecção da força armada--replicou rindo o conde--lhe
permitte á lingua a actividade que lhe falta nos braços!... O homem que
lhe bateu, não fugiu.

--Então onde está?

--Quer esclarecimentos para instaurar querella contra elle? Eu lh'os
dou. Chama-se Damião Ravasco, e vive na casa de Raul Baldaque, ás
Janellas Verdes... Procure-o lá.

--Ah! então o preto é da sua familia brazileira?--atalhou o lisboeta
casquinando.--Eu não sabia que a sua nobilissima raça era bicolor! E nós
a cuidarmos que o assassino era um bolieiro!--proseguiu o esmurraçado,
tregeitando jogralmente para o legislador melancolico.

--Ó camaradas!--disse o conde aos municipaes--a nação portugueza
paga-lhes para guardarem as costas a covardes d'esta ralé?

O que parecia mais auctorisado entre os soldados, voltando-se aos dois
queixosos, disse que elle e seus camaradas não tinham que fazer alli,
visto que o homem que os espancára já lá não estava.

E, como, depois se retirassem, os queixosos seguiram o exercito.

E logo a gentalha, o jury permanente das ruas, usando aquella sarcastica
philosophia que lhe dá a independencia dos farrapos, apupou os janotas,
socados por um mulato de jaleca.

--Lá vão a mastigar fructa do Brazil! dizia um caiador preto, floreando
o pincel com ademanes de vaidoso patriotismo.



XI

SOLEMNIA VERBA

    Allons, de l'égoisme, de l'esprit, et de l'impudence,
    e tu seras bientôt dans les grandeurs.

                                                  BALZAC.


Elle rugiu de indignação, e metteu na algibeira um rewolver de seis
tiros, quando soube que D. Maria José de Portugal tinha sido ultrajada.
Elle quem?

Victor Hugo José Alves--pois quem havia de ser?

D. Maria, n'aquella tarde da sova subministrada por Damião Ravasco,
nutava indecisa se deveria fechar o estabelecimento e obstar a novo
insulto, se affrontar animosamente as contingencias da sua posição.

N'esta penosa alternativa, em que de um lado preponderava a inflexivel
necessidade, e do outro lado o medo da zombaria, a encontrou Victor
Hugo.

O ingresso precipitado, que elle fez na loja esbofando, alvorotou a dama.

--Acabo de saber--disse elle, com intercadencias de asphyxia--que dois
biltres ousaram aggraval-a, minha senhora! Eu antevi sempre que V. Ex.ª,
baixando á plana onde se acha, seria alvo de taes vilipendios. O
sentimento de excelsa virtude, que lhe aconselhou tal passo, não podia
ser entendido n'este javardeiro de Lisboa. Ha dedicaçoens santas que se
não permittem ás mulheres formosas. É prohibido aos anjos avoejarem por
este inferno sem crestarem as azas. Eu avisei-a, snr.ª D. Maria José.
Contava com isto. Sei o que é esta sociedade. Esperava que a sua
innocente alma provasse o fel do intransitivo calix que está sempre
emborcado aos labios puros. Mas... não venho arguil-a... Venho saber os
nomes dos bigorrilhas que a offenderam!

--Não conheço as pessoas que me offenderam, snr. Victor--respondeu D.
Maria José, abafando o despeito que lhe causara o tom pretencioso da
censura.

--Mas aqui--volveu o cavalleiro da Ala, arejando-se com o chapéo e
chibatando a perna direita com a badine de caoutchouc--aqui estava
alguem que sabia os nomes dos dois birbantes!...

--Estava, sim. O conde de Baldaque sabe quem são: eu não sei.

--N'esse caso, vou procurar... sua excellencia... o snr. conde de Baldaque.

Victor Hugo pausou em cada syllaba uma accentuação ironica, deixando vêr
nos dentes caninos o azedume e a podridão.

--Procural-o...--acudiu D. Maria, mais receiosa da tolice que da
braveza--Procural-o!...

--Sim..., minha senhora.

--Para quê?

--Para que me diga o nome dos dois sujeitos que enxovalharam V. Ex.ª, se
é que o snr. conde não reserva para si a honra de a desaggravar.

--O favor do desaggravo já o recebi de um criado do conde; entretanto,
agradeço ao snr. Victor a resolução com que veio aqui.

--Mas eu, minha senhora!--replicou o filho de Rozenda, enroscando a
badine, e fazendo resaltar a ponta de uma para outra mão--eu lamento
profundamente que V. Ex.ª fosse desaggravada por um criado de quem quer
que seja. As senhoras, nascidas em degraus inferiores da escala social,
recusariam tão ordinario paladim; salvo se o conde de Baldaque pode
armar cavalleiros os seus criados.

D. Maria José encarou soberanamente no poeta, e disse:

--A final, que ares são esses que se está dando, snr. Victor? Depois das
zombarias dos homens que não conheço, vem V. S.ª com os seus motejos?
Estou em lhe dizer que os insultos dos estranhos não me ferem tanto como
as ironias das pessoas que me conhecem.

--Eu não a motejo, snr.ª D. Maria--acudiu Victor Hugo, compondo a cara
de visagens melodramaticas.--Queixo-me, deploro-me, appéllo do seu
orgulho para o seu coração. Uns peitos recalcados dão lagrimas; outros
dão sangue; e os mais infelizes são os que não podem desafogar chorando,
nem succumbem ao gume da ingratidão que os sangra e retalha... Os mais
dignos de lastima são os que a si mesmos se despedaçam com os gryphos do
escarneo. Mas eu queixo-me, senhora, sem accusar. Accusar a filha d'um
principe não ousa o vérme, o plebeu, a fronte onde a mão de Deus pode
ser que esculpisse a palavra GENIO...

(Em parenthesis: Victor Hugo, quando pronunciou a palavra «genio», não
fez algum signal indicativo que me auctorisasse a escrevêl-a em
lettras maiusculas, a não ser o tom, a pancada com que elle a proferiu,
batendo na testa).

--GENIO,--repetiu elle--só genio; corôa de conde, não: as corôas não as
dá Deus; compram-se cá. Vinte negros, vendidos depois de azorragados,
dão uma corôa de conde, snr.ª D. Maria José de Portugal. O sangue de
vinte negros n'um prato da balança; e no outro prato a corôa de conde.
Aqui tem como hoje na monarchia de seu pae se forjam os grandes do
reino, os senhores do novo feudo, os castellãos dos armazens de
molhados, os ricos-homens que conquistaram pendão e caldeira nas
arrancadas de Africa, nas costas de Guiné, pelos sertoens dentro, á
montaria das rezes negras, que se acurralam nos poroens dos açougues, e
se infeiram nos atrios dos palacios d'estes condes, d'estes Baldaques,
d'estes...

D. Maria, que o estivera escutando com os olhos baixos, relançou-lhe um
olhar de frecha, e disse:

--Está-me incommodando, senhor Victor! Lembro-lhe o dever de não
insultar uma pessoa ausente, que me tem tratado com a maior delicadeza,
e de quem V. S.ª não tem razão de se queixar.

--Estou-a incommodando!--replicou elle com espanto.--Onde foi V. Ex.ª
escavar palavra tão aviltante, tão despresadora!?... Diga-me antes que a
injurio. _Incommodar!_ Isso diz-se a um mendigo importuno, a um
miseravel que nos enoja, a uma lama que nos salpica o verniz das botas!
_Incommodar!_ V. Ex.ª perdeu a magnanimidade com que tratava os
humildes, antes de viver com os condes? A mim, senhora, devêra
incommodar-me o carcere onde estive por amor de V. Ex.ª, e não me
incommodou! Deviam incommodar-me as vaias, as zombarias dos
correligionarios que deixei por amor de V. Ex.ª, e não me incommodaram!
Devia incommodar-me o aprumo realengo das suas vozes sentenciosas quando
me falla, e não me incommodam; porque as ingratidoens de V. Ex.ª não
incommodam, dilaceram; não são fastidiosas como a impertinencia; são
percucientes como a ponta hervada d'um punhal!...

--Tanta palavra, meu Deus!--exclamou D. Maria José, rebuçando a ironia
no tregeito da admiração.--Todo esse excesso de sentimentalismo seria
bom de perceber, se algum acto da minha vida me obrigasse a dar conta
dos outros ao snr. Victor Hugo... Mas eu creio que não... A amisade não
explica o zelo de V. S.ª nem me força a respeitar a censura que me
faz. Se me avalía injustamente, sinto; mas não sei que lhe faça...

--Quer dizer--sobreveio o poeta--que ama o conde de Baldaque?

--Não, senhor; quero dizer que amo a minha liberdade.

--E nega que ama o filho do negreiro?

--Quem é o negreiro?

--O negreiro era o pae do _roué_, cujo escravo despicou V. Ex.ª. Vai bem
á filha do snr. D. Miguel de Bragança deixar-se requestar de um homem a
quem seu augusto pae daria como escudo um tagante sobre as costas negras
d'um ethiope a ressumbrarem sangue? Senhora D. Maria José de Portugal,
não responda: medite, e, depois dir-me-ha se eu devo noticiar aos
fidalgos portuguezes, com quem me dou, que V. Ex.ª fez d'este balcão uma
especie de altar baixo, ao réz da rua, bem baixo, para que algum ignobil
transeunte pudesse levantar até aqui o braço humilde e depôr o vóto. Só
assim, minha senhora, o arlequim, trajado de conde, ousaria defrontar-se
com V. Ex.ª. Emfim, começo a ler no seu rosto o fastio que avilta. Eu
retiro-me... Saiba, porém, que a amo, snr.ª D. Maria José... Note bem...
que a amo! E os homens da minha tempera, quando são indignamente
menoscabados, morrem, ou fazem guerra mortal a quem os despreza!
Note bem isto! palavras solemnes!...

E sahiu.

Victor Hugo José Alves era assim! Amava e bramia d'aquelle feitio; mas
era homem--como já poucos havia, e não ha hoje nenhuns--capaz de
desfechar valentes rhetoricas á face de uma senhora. Não lhe afeminavam
os olhos as lagrimas da pieguice. Em vez de suspiros ciciosos como auras
entre moitas de rosmaninho e trevo, trovejava urros, quando o ôdre da
paixão lhe rebentava dentro. Fizeram-no assim a natureza e o theatro, o
sangue do dom abbade de Cistér misturado ao sangue do Alves da sóla,
caceteiro defunto; e, além d'estes sangues, a arte, os dramas do snr.
Mendes Leal, cheios de judeus ciosos, e outros facinoras metaphoricos.

Na noite d'esse dia funesto, o amador aviltado pediu a D. Rozenda que
lhe mostrasse um folheto publicado em 1840 contra a mãe de D. Maria José
de Portugal.

D. Rozenda, receiosa de alguma imprudencia intempestiva, quiz saber que
destino o filho tencionava dar ao folheto.

--Nenhum,--disse elle, coando um riso feroz por entre as luras
croozothicas de tres dentes incisivos.

--Vê lá, Victor!... Não faças mal á rapariga...--instou a mãe.--Se ella
doidejar, deixal-a... Olha que este folheto mente que tem diabo... Lá
que ella é filha de D. Miguel, isso é tão certo como tu seres meu
filho... O que tu tens sei eu... É ferro... soubeste que ella namora um
conde... Isso já eu desconfiava... E então que se lhe ha de fazer?...

--Que pergunta!--replicou sacudindo a juba o equivoco neto do ferrador
de Povolide.--Que se lhe ha de fazer!... Ignobil pergunta! Ó mãe, mãe,
que é dos instinctos nobres da sua origem? Como pode consentir que seu
filho seja acalcanhado por um villão, que se diz conde? _Conde!_ Nós, os
legitimistas, não reconhecemos titulos outhorgados pelo governo
usurpador. Baldaque é o negreiro, é o chatim, é o plebeu reféce. Maria
José de Portugal, a luveira, é filha de um rei. Nós, os que defendemos o
prestigio dos nomes historicos, não consentimos que um bandalho, vestido
de conde na guarda-roupa d'esta tramoia que se chama o systema liberal,
se atreva a mercadejar com o producto das negras uma senhora que teve o
pae no throno...

--Pois se sabes que ella teve o pae no throno--replicou a mãe
sensata--que queres fazer ao folheto?

--O que quero? Vêr se posso convencer-me de que esta mulher não é
filha do snr. D. Miguel, casando ella com o plebeu, arraiado dos xaireis
de conde, percebe?

--Mas, ó rapaz, se esse conde tem dois ou tres milhoens...

--Ahi vem a senhora com as baixezas do costume!... É o que eu lhe tenho
dito muitas vezes... Está contaminada...

--O quê?--interrompeu D. Rozenda funestando a cara com uma ruim
visagem.--Estou contaminada?!

--Sim, senhora! está contaminada da peste do dinheiro; está gafa da
podridão dos costumes. Creio sinceramente que nasceu nobre; mas a
convivencia com um homem de negocio abastardou-lhe o sangue...

--Olha que esse homem era teu pae, Victor! Vê lá como fallas do auctor
dos teus dias; que eu não admitto atrevimentos, ouviste? Já uma vez te
puz as mãos na cara, por me dizeres que bem se via que eu era fidalga
por ser burra; agora, dizes que estou contaminada dos costumes, porque
acho que a luveira não andaria mal, se se fizesse condessa... Ora queira
Deus que as tuas faltas de respeito me não obriguem a quebrar-te a cara,
percebes?

Victor Hugo, voltando o dorso ás ameaças maternas, ia retirar-se, quando
ella, retendo-o pelas abas do fraque, exclamou:

--Já p'r'aqui, malcriado! Você volta as costas a sua mãe! Olhe que o
espatifo, ouviu?

N'isto, acudiu aos brados da mulher de rija tempera a irmã Euphemia,
cuja brandura de alma se operara debaixo das emollientes meiguices e
trechos litterarios do finado dramaturgo e d'outros homens sensiveis
dados ás lettras. As duas irmans altercaram largo tempo ácêrca da
materia sujeita. Rozenda opinava que o filho era um bréjeiro. Euphemia
desculpava-o, porque todos os poetas eram assim esquentados da
idéa:--these que ella poderia provar com o snr. conselheiro Viale, se o
conhecesse tão de perto e á lareira como devem ser apalpados os poetas
grandes.

Assistiu Victor Hugo, impando de tedio, á discussão das manas. Aquelle
espirito, dilatado ao calorico das salas da côrte, não cabia na área
burgueza onde outr'ora Elias e Antunes couberam com as suas almas
fadadas para a pasta e para a mitra. O rival do conde pejava-se de ter
estado no seio de Rozenda por espaço de nove luas. Dizia-lhe a
philosophia que o talento é emancipação quando a tutela é bruta, e que
as mães de natural bronco, bem que sejam respeitaveis como machinas
productoras, devera ser desviadas do caminho do genio, se lh'o
atravessam com babozeiras e outras coisas chatas. Encabrestado por estas
idéas, Victor, ainda então bastante adinheirado d'aquelles tres contos
das inscripçoens da luveira, sahiu da casa da mãe, e foi morar no Hotel
de Bragança.



XII

EXPLOSÃO DE AMOR

                         Deus, ecce Deus!

          VIRGILIO, Eneida, L. VI, V. 46.


Um dia, corridos poucos mezes depois dos successos relatados, entrou na
loja da luveira um ancião com tres senhoras pobremente vestidas de luto
e quatro meninos pallidos, magros, com os olhos grandes e socavados da
fome.

Descobriram-se o velho e as crianças. D. Maria José levantou-se e
respondeu á cortezia profunda das tres mulheres, que a cortejaram como a
desgraça corteja o valimento.

O homem, que parecia engulir as lagrimas para poder fallar, disse com o
chapéo em uma das mãos e a outra no peito:

--Está na presença de V. Ex.ª um brigadeiro que em Evora-monte
entregou a espada aos vencedores. Em vez de entregal-a, se eu não
tivesse mulher e quatro filhas, ter-me-hia inclinado para a ponta da
espada, e cahiria vingado da sorte, já que as balas do inimigo me
pouparam para tão longa e desmerecida infelicidade. Estas tres mulheres
são minhas filhas, A mãe morreu esgotada de forças, porque teve fome
quando creava a ultima menina, que não está aqui, porque tambem morreu
ha seis mezes. Era já viuva: foi descançar na sepultura, e deixou-me
quatro netos que são estas crianças. Somos oito pessoas de familia. As
minhas filhas trabalham quanto podem e em tudo que sabem. Mas pouco
sabem, porque a si devem tudo. As duas mais velhas ainda estiveram dois
annos em collegio; porém, aprendiam linguas, como cumpria que
aprendessem as filhas d'um official-general, com appellidos tradicionaes
e serviços á patria mais valiosos que os appellidos. Tirei-as do
collegio, logo que principiei a vender as joias de minha mulher. As duas
meninas, voltando a casa, fallaram em francez á mãe, que tinha sido
educada no estrangeiro; e eu disse então ás innocentes mal entendidas na
desgraça de seu pae: «Filhas, aprendei a pedir esmola em portuguez.»
Ellas estremeceram e choraram, como se adivinhassem a fóme e a nudez.

D. Maria José, com as palpebras trementes e as lagrimas a borbulharem,
atalhou o brigadeiro:

--Deve ser muito penoso a V. S.ª contar-me a sua desgraça, e a mim
ouvil-a. Se me julga nas circumstancias de soccorrer as suas mais
urgentes precisoens, e se quer servir-se do meu pouco, espere V. S.ª que
eu vou buscar algum dinheiro...

--Não, minha senhora--tornou o velho.--É certo que venho pedir a V. Ex.ª
uma esmola, mas esmola muito avultada: nada menos que o pão, a educação
e o futuro destes meus netinhos...

--Oh! se eu pudesse...--atalhou D. Maria--V. S.ª provavelmente está
enganado com os meus recursos...

--Eu não me valho dos recursos da fortuna; mas sim dos da alma de V.
Ex,ª. Receio estar roubando-lhe tempo, minha senhora, e portanto serei
succinto quanto possa, até para me não parecer com todos os desgraçados
que são geralmente diffusos. Ha um mancebo poderoso em Lisboa, do qual
muitas familias realistas, de seis mezes a esta parte, recebem mezadas
abundantes. Este caritativo senhor não é legitimista; não sei o que
é politicamente: sei que é bom; é dos que professam a divina
legitimidade de Jesus Christo. Chama-se elle o snr. conde de Baldaque...

D. Maria José corou: eram o nome, a surpreza, e o jubilo, tudo
simultaneamente.

O ancião proseguiu:

--Eu tambem sou dos favorecidos pela bem-fazeja mão do snr. conde, que
me não conhece, nem recebe á sua presença as pessoas que o buscam para
lhe agradecerem a esmola: recebe apenas as que vão pedir-lh'a. Eu já o
procurei. Annunciei-me como portador das lagrimas reconhecidas de meus
filhos e netos. O benigno mancebo mandou-me dizer que voltasse eu a
pedir á minha familia que lhe mandasse sorrisos em vez de lagrimas.
Delicado coração! Como é possivel haver no peito de um rapaz afortunado,
que nunca soffreu, esta sciencia da desgraça, este respeito ao pêjo com
que um velho, outr'ora feliz e affagado de ricas esperanças, se dobra a
beijar a mão que lhe reparte o pão de cada dia pela sua familia! Diga-me
V. Ex.ª minha senhora, como tão cedo se formou na alma do snr. conde de
Baldaque a virtude que é costume retemperar-se na fragua das dores!...
Teria elle, em annos tão verdes, experimentado desenganos, perdas de
nobres affectos, dissabores grandes que antecipam a velhice moral e
influem a precoce piedade dos anciãos como eu, e das familias
angustiadas como esta minha?

--Não posso responder-lhe...--disse a luveira--conheço o snr. conde ha
pouco mais de um anno... Não sei de alguma dôr grande na sua vida, senão
da morte do pae...

--Um cavalheiro que o conhecia não me disse mais do que V.
Ex.ª--continuou o velho.--A este cavalheiro, que priva muito com os meus
correligionarios e se chama Victor Hugo José Alves, perguntei se as
relaçoens, que tem com o snr. conde, o auctorisariam a pedir-lhe um
favor para o desvalido brigadeiro Tavares. Respondeu-me o snr. Victor
Hugo que não; mas ajuntou que me diria pessoa idonea, e logo me nomeou a
snr.ª D. Maria José de Portugal. Hesitei se devia acceitar a informação
seriamente, porque havia no tom das palavras e no gesto d'elle certo
azedume ou ironia que me fez desconfiar. Contei isto a minhas filhas, e
ellas, principalmente as duas mais velhas, quando eu proferi o nome de
V. Ex.ª, disseram logo que tinham conhecido uma filha do snr. D. Miguel,
no collegio onde algumas vezes foram visitar as suas antigas mestras; e
uma d'ellas, se bem se lembra, ainda deu liçoens de francez a V.
Ex.ª...

--É aquella!--exclamou com alvoroço D. Maria José, saindo fóra do balcão
para abraçal-a.--É a snr.ª D. Ernestina Tavares... Eu entrevia no seu
rosto uma pessoa conhecida...

--É esta velha que aqui vê de cabellos todos brancos aos trinta e cinco
annos... disse Ernestina.

E D. Maria, com mais familiar sorriso:

--Eu tenho uma saleta, onde posso receber senhoras minhas amigas e de
mais a mais pobres...--E, subiu a escada, correu um reposteiro de chita,
e esperou que as oito pessoas entrassem.

Depois, mandou para a loja a criada, e pediu ao brigadeiro Tavares que
lhe desse a satisfação de ser util á sua familia.

--Eu não sei que futuro hei de dar a estes quatro meninos...

N'este acto, parou um cabriolet defronte da casa. A luveira chegou á
vidraça, e disse serenamente ao brigadeiro:

--É o snr. conde de Baldaque... Eu digo-lhe que suba, e V. S.ª tem
excellente occasião de dispensar o meu patrocinio, pedindo directamente
o que pretende.

Levantaram-se todos com alvoroto e certa inquietação como de medo. Mil e
duzentos contos representados por um homem é coisa capaz de assustar um
ministerio, quanto mais uma familia pobre!

O conde ficou maravilhado quando D. Maria José, descendo até ao ultimo
degrau da escada, lhe pediu que subisse á salinha.

Era o primeiro convite que recebia.

Entrou, e deu logo de rosto com o velho inclinado, quasi ajoelhado que
lhe tomára a mão, e a levára aos labios.

--Eu não conheço...--tartamudeou o conde no maior enleio.

--Sou um brigadeiro do exercito do snr. D. Miguel, sou Christovão de
Pina Tavares, a quem V. Ex.ª ha seis mezes dá o pão d'esta numerosa
familia que aqui está.

--Mas...--balbuciou o conde, voltando-se para D. Maria José.--V. Ex.ª
não me disse que conhecia esta familia...

--Não conhecia--respondeu a luveira--; mas reconheci agora esta senhora
que algum tempo me leccionou em francez, no mesmo collegio onde ella foi
educada. Alguem disse ao snr. Tavares que V. Ex.ª me honrava com a sua
amisade; e este senhor, carecendo d'um empenho para o snr. conde,
procurou-me, e agora mesmo começava a expor a sua pretenção. Estava
dizendo o snr. brigadeiro que não sabia que destino havia de dar
áquelles quatro meninos, seus netos... Queira continuar, snr. Tavares...

O ancião, tomado de sobresalto, acanhou-se na presença do millionario. O
pejo e a dignidade empéciam-lhe a eloquencia da palavra, realçando-lhe a
do silencio. O conde olhou na face das creanças uma por uma, chamou-as
para si, e disse brandamente:--É necessario fazermos homens estes
pequerruchos... Então que querem ser? Provavelmente generaes. Quasi
todas as creanças querem ser generaes...

--Seduzidos talvez pela fortuna militar do avô...--interrompeu Tavares;
e continuou animado pela communicativa lhaneza do millionario.--O que eu
muito desejo obter do valimento de V. Ex.ª, mediante a protecção d'esta
senhora que bondosamente nos recebeu, é que os meus quatro netos sejam
recebidos em algum azilo de infancia desvalida. Eu já requeri ao actual
governo, documentando o requerimento com os meus serviços de soldado,
desde 1801 até ao anno em que eu devia ter desertado da bandeira jurada,
para estar hoje na alta posição onde subiram os meus camaradas
desertores. Escravo da obediencia e da disciplina, segui os meus
generaes e acabei a minha carreira onde a honra me fez parar. Ora,
se a extrema da honra foi ao mesmo tempo para mim o começo da penuria,
isso é questão que não vem ao ponto, nem que viesse eu importunaria V.
Ex.ª com queixumes e lastimas. Requeri, pois, pedindo a admissão de meus
netos no collegio militar. A absurdeza do pedido era pelos modos tamanha
que o meu requerimento nem sequer mereceu a consideração de ser
indeferido. Fechadas as portas da justiça, bati ás da caridade. É V.
Ex.ª, snr. conde, o bom anjo que sahiu a escutar os meus rogos, e...

--Muito bem...--obstou o conde, amargurado pelas lagrimas do
velho.--Tenho entendido que V. S.ª deseja que os seus netos sejam
recebidos em algum estabelecimento de educação... Ámanhan, á hora da
tarde que lhe convier, queira enviar-m'os a minha casa...

O conde affagou as faces dos meninos, que lhe beijaram as mãos, sorrindo
para elle com a graça do infantil amor que vem do coração das
creancinhas aos labios que ainda não sabem agradecer. Depois, ergueu-se;
apertou francamente a mão do venerando veterano; cumprimentou-lhe as
filhas, que o contemplavam com os olhos anuviados de lagrimas; e
despediu-se de D. Maria José, que o fitava com estranho e amoravel olhar.

Ao entardecer do dia seguinte, Christovão Tavares entrou na loja da
luveira impando de cançasso e exultação. Contou que o snr. conde o
mandára entrar com os meninos para a sala, onde elle estava com um
sujeito, a quem dissera:--Aqui estão os seus alumnos.

--Era o director d'um collegio de primeira ordem--ajuntou o velho.--O
snr. conde enviou os meus netos a um collegio, minha senhora, com ordem
de os proverem de roupas abundantes, de todo o enxoval prescripto aos
meninos ricos. Depois, os pequenos e mais eu e o mestre entramos na
caleche do snr. conde, e fomos a minha casa despedil-os das tias que
choravam de contentamento. O generoso moço disse-me á sahida que fosse
todos os mezes ao escriptorio d'um cambista á rua dos Retrozeiros, e que
hoje mesmo lhe apresentasse um bilhete que me deu. Eu estava por tal
maneira aturdido e embriagado de felicidade, que nem sei se lhe
agradeci... Os desgraçados, minha senhora, quando de repente se acham a
respirar uma atmosphera que não é a sua, suffocam, ouram, e não se acham
em si mesmos, no seu habitual viver de escura cerração!... Fui á rua dos
Retrozeiros, apresentei o bilhete, e recebi cem mil reis! Eil-os
aqui, snr.ª D. Maria! Cem mil reis para cada mez! E quatro netos no
collegio a expensas d'aquelle anjo que a Providencia divina mandou
travar a roda da minha desfortuna! Veja isto, minha querida senhora! Se
eu me não affizer a esta luz que me alumia o fim da existencia, receio
enlouquecer de alegria! Mas tanta felicidade é a V. Ex.ª que a devo...

--A mim, snr. Tavares?! pois que fiz eu?

--Que fez, meu Deus?! Recebeu-me na sua casa; olhou compassivamente para
minhas filhas, disse palavras amorosas aos meus netos, e quiz que o snr.
conde nos visse atravez do seu coração... Oh! eu creio que este milagre
o fez a piedade abraçada ao amor... Quem nos deu o pão abundantissimo, o
vestir, a casa com ar e sol, o acordar alegre sem o fantasma da fome
diante, o futuro das creanças... quem foi senão a... futura condessa de
Baldaque?

Ao proferir as ultimas palavras, o velho pegára convulsante da mão de D.
Maria José e collára n'ella os labios tremulos.

A filha de D. Miguel sentira n'esse lance mui deliciosa commoção, um
alvorecer de luz em cheio na alma, a revelação subita d'um amor, o
primeiro, com as santas alegrias da pureza, e a confiança profunda nas
virtudes do homem amado. A revelação, em tom prophetico, feita por
aquelle velho de barbas brancas orvalhadas de lagrimas, soou-lhe na alma
com religiosa suavidade.

O instante foi solemne. A poesia pode engrinaldar o quadro com as suas
flores e a moral regosijar-se, como é justo, de um caso de amor nascido
em condiçoens tão honestas.

Eu, de mim, menos attreito que o leitor á idealisação de coisas
naturalmente explicaveis, penso que ella já o amava tão devéras e de
dentro da consciencia, que, se o conde descorçoado por desdens, se
vingasse esquecendo-a, teria levado pela mão da saudade a filha do
principe á sepultura; mas ás fragilidades das amorosas mais celebradas,
não.

Isto é o que me parece; mas não afirmo que assim houvesse de acontecer.
Sei historias de amores tão bem começadas como esta e acabadas nas
enfermarias das loucas. Os personagens masculinos d'algumas andam ahi ao
flaino ainda com a sua velhice tingida e sadia. Creio que o castigo
d'elles é andarem pintados; mas o diabo conhece-os, apezar do fluido.
Elles lá irão cair-te nas prezas, ó horrendo Minos!



XIII

DESASTRE DO GATUNO

                                 Vem agora aqui o casar.

          D. FRAC. M. DE MELLO, Carta de Guia de Casados


Aquelle rapaz abrazado de cara, a refulgurar uns olhos vertiginosos á
feição dos ebrios, cercado de gente, que o escuta, á mesa redonda do
Hotel Bragança, é Victor Hugo José Alves.

O energumeno vocifera contra certa mulher que o trahiu. Conta que lhe
immolou as convicçoens politicas, a juventude e a liberdade. Diz que por
amor d'ella apostatára do socialismo, renegára das crenças republicanas,
furtára ao edificio do futuro as achêgas do seu talento, e puzera o seu
nome illustre debaixo das maldiçoens da posteridade.

Alguns convivas riem de esguêlha, em quanto outros lhe vão solicitamente
reparando o destroço que elle faz no kumel, acinte pedido para
afogar a hydra que lhe roe as fêveras da alma.

Disse elle mais que essa perfida havia casado no dia anterior com o
filho de um negreiro que morrera conde, transmittindo ao herdeiro, com a
herança ignominiosa de tres milhoens, o titulo, o pergaminho onde o
ministro fizera assignar ao rei a abdicação da sua moralidade.
Acrescentou que o segundo conde de Baldaque se deixára embair do ardil
de uma luveira, que se dava ares de princeza bastarda, tendo sido sua
mãe uma famosa aventureira que não poderia com exactidão apontar o pae
aos filhos que tivera. Disse mais... Não disse mais nada, porque n'este
comenos estalava-lhe em cada face uma bofetada das que entupem os jorros
da mais caudal eloquencia.

O que dera aquellas provas muito equivocas da sua admiração á
objurgatoria do poeta era um velho barbaçudo, de espessos bigodes
brancos, alto, gravemente vestido, magestoso aspeito de soldado da
guerra peninsular. Era o ex-brigadeiro Christovão de Pina Tavares.

Victor Hugo, estupefacto da injuria e talvez atordoado do choque,
encarou fremente, mas silencioso, o veterano que elle perfeitamente
conhecia.

--Villão!--rugia o velho com os olhos brilhantes da chamma dos vinte
annos--Torpissimo gaiato que insultas a senhora que roubaste! Bandido,
que comes no Hotel Bragança os tres contos de reis de...

Tavares susteve-se, reprimido pela mão da caridade. O homem, que havia
bebido o fel da injustiça, receiou ultrapassar o direito do castigo.
Conteve-se, vendo o quebranto do miseravel, e o fundo abysmo a que podia
tombal-o com o pé.

Outro militar, general das fileiras da liberdade, antigo camarada de
Chistovão Tavares, e seu convidante n'aquelle jantar, tirou-lhe com
força pelo braço, e levou-o.

Os galhofeiros ouvintes de Victor sahiram de espaço, sem sequer
averiguarem da injustiça do insulto. Elle, porém, restaurado da pancada
moral, recolheu-se ao seu quarto, atirou-se contra o estofo d'uma
voltaire, fincou os dedos na testa, e resmuneou cabeceando entre as
sacudidelas da colera e dos gazes da indigestão:

--Ó minha vingança!... Ó minha vingança!...

Terribilissimo, formidando e medonho pela cara que fez então!

Quando, passados minutos, o criado lhe entrou ao quarto com os
castiçaes, Victor Hugo remetteu contra elle, bramindo:

--Que queres?

E cambaleava como se as luzes lhe inflammassem o alcool.

--Que queres?--tornou elle de murros apontados á cara innocente do gallego.

--Trago as luzes, snr. Victor Hugo...--tartamudeou o moço assombrado.

--Vai-te!... Deixa-me!... Negro, negro, quero tudo negro, como a vingança!

O criado sahiu, e disse á criada, que espreitava o poeta:

--Safa-te, que elle está borracho!...

Safemo-nos tambem nós: deixemol-o gizar a traça da vingança; não
assistamos áquella alchimia diabolica; que o kumel e o cognac se lhe
destillem em peçonha escorrida da fornalha do cerebro ao coração.

Mas quem disse a Christovão Tavares que o seu correligionario consumia
em golodices francezas, no famigerado hotel, as inscripçoens da condessa
de Baldaque?

Não foi ella.

Acontecera, como era natural, contar a luveira ao conde o destino que
dera aos seus apoucados haveres. Esta confidencia--bem se lembra o
leitor--denegada n'outra occasião, fêl-a espontaneamente depois
que, sem rodeios nem contrafeito pudor, disse ao conde que o amava.
Similhante revelação realçou-lhe a virtude no conceito do noivo. Nada
mais formoso, mais para se adorar que a pobreza tão de vontade, o
despojar-se a magnanima senhora em beneficio d'um pae que lhe não
enviára sequer palavra de agradecimento! Esta magua tocara-lhe o
coração; mas sem queixar-se.

Entretanto, o conde, quando soube quem tinha sido o medianeiro da
remessa do dinheiro, suspeitou da fraude, sem todavia insinuar ao animo
de D. Maria as suas desconfianças.

Neste tempo, o brigadeiro Tavares era muito da casa do conde, e estimado
como amigo com todas as excellencias de leal caracter, ao passo que D.
Maria José solicitára a familiaridade das filhas a quem communicava as
delicias do seu amor.

Contou o conde a Tavares o lance admiravel da remessa do dinheiro; mas,
duvidando que o principe proscripto o recebesse, encarregou o velho de
averiguar dos maioraes do partido legitimista, se alguem, auctorisado
por D. Maria José de Portugal, remettera tal quantia ao snr. D. Miguel
de Bragança. O indagador levava instrucçoens para não citar o nome
do medianeiro, talvez com o proposito de lhe não ferir o pundonor, se
elle houvesse honradamente cumprido o encargo.

A commissão de soccorros respondeu que nenhuma quantia lhe fôra entregue
de ordem de tal dama; posto que muitas vezes, nas reunioens onde
concorria Victor Hugo José Alves, se houvesse mencionado tal senhora
como filha d'el-rei o snr. D. Miguel--filiação aliás duvidosa para elles
membros da commissão de soccorros.

No dia immediato, Christovão Tavares entregava tres contos de reis aos
encarregados de remetter para Heubach os donativos, e pedia que se
fizesse chegar ao conhecimento de D. Maria José de Portugal qualquer
palavra que o snr. D. Miguel escrevesse a tal respeito.

Antes de volvidas tres semanas, a commissão de soccorros enviava, por
via do ex-brigadeiro, á luveira da Rua Nova da Palma, uma carta do
principe proscripto ao vice-rei, perguntando-lhe se a senhora que tão
generosa o visitava no seu desterro era filha de Marianna Franchiosi
Rolim de Portugal.

O conde, disfarçando a parte que tinha no jubilo da sua amiga, assistiu
ao mavioso espectaculo da ternura com que ella beijava a carta do pae.

Dizia então D. Maria, para aliviar escrupulos de ter sido injusta:

--Olhe, Raul, eu nunca lhe disse isto; mas digo-lh'o agora como quem se
alivia de um peccado, confessando-o. Cheguei a desconfiar que Victor
Hugo não mandasse o dinheiro. Nunca ousei perguntar-lhe por nada,
receiando que elle me adivinhasse a suspeita... Pobre rapaz!...

E o conde sorria, sem lhe entre-mostrar uns longes da verdade.

Tavares, por sua parte, obedecia ás ordens do conde, guardando, com
superior esforço e dolorosa violencia, o segredo do roubo. Quando, ainda
assim, encontrava o ladrão entre os homens de bem do partido
absolutista, o velho descorava, torcia-se, gaguejava monologos,
resfolegava fumaradas de colera, e fugia com o segredo, que lhe pezava,
como se levasse sobre a alma um enorme remorso--remorso de não avisar os
seus correligionarios.

Uma vez pediu com as mãos erguidas ao conde que o deixasse expulsar
d'entre os realistas aquelle hediondo larapio. E o conde respondeu:

--Isso é de justiça; mas deixe-me casar e saír de Portugal; depois,
quando minha mulher estiver longe, fará o que entender. Não lhe
roubemos á feliz menina o prazer de ter sido d'ella o dinheiro que D.
Miguel recebeu. Se o snr. Tavares denuncia o furto, o escandalo andará
tão fallado por essa Lisboa que D. Maria será das primeiras pessoas que
o saibam.

N'este bom proposito, esperava o velho, quando concorreu áquelle jantar,
a convite do antigo camarada, que solemnisava n'esse dia, com duas
garrafas do Porto, a sua reforma em marechal de campo. A garrafa
correspondente ao ex-brigadeiro, a gratidão e a honra cooperaram
n'aquelle impeto das duas bofetadas. Mas, graças ao sentimento de
commiseração que o reteve, os circumstantes não perceberam senão que
Victor Hugo insultava uma senhora a quem havia roubado tres contos de reis.

No dia seguinte, contava-se o caso no Chiado. Uns diziam que Victor
havia sido amante da luveira casada agora com o conde, e lhe gatunára a
herança que ella tivera d'um agiota. Esta era a opinião dos sugeitos
contusos por Damião Ravasco. Outros, rejeitando a tradição mais
corrente, asseveravam que a roubada tinha sido uma marqueza velha, e que
o official realista, que bofeteara o litterato, era amante da marqueza
desde 1801--ou 1789, acrescentava o meu amigo José Parada para quem
todos os infortunios eram cornucopias de chalaça.

O conde, recolhido á dôce intimidade do noivado por muitos dias, ignorou
o successo; e, quando saíu, não houve indiscreto que lh'o referisse.

No emtanto, Victor Hugo dava que scismar aos seus partidarios, não
comparecendo nas reunioens onde innocentemente conspiravam os letrados
da causa; nem sequer nos saráos somnolentos, onde a idéa velha passava
as noites cabeceando acalentada nos braços do snr. padre Beirão e d'outros.

Naturalmente se explica o desvio do cavalleiro da Ala pelo justo receio
de ser interrogado ácêrca dos tres contos de reis, sabido já o roubo
pelo ex-brigadeiro, que tinha accesso ás casas principaes, e reputação
de homem honesto.

E mais depressa ainda se esclarece a conversão d'este desgarrado bode ao
seu rebanho antigo,--á seita dos carbonarios, reorganisada em 1848, com
elementos combustiveis de tanta força, que todos se vaporaram, deixando
as fezes ahi por essas secretarias do Terreiro do Paço, encrustadas nas
pastas dos ministros que foram, que são, e hão de ser. Diziam os
seus confederados na loja: que Victor Hugo, restituido á bandeira que
desertára por amor d'uma ingrata Dalila, nunca fôra tão Samsão na força
do verbo, tão Hugo na energia das figuras, tão republicano na medula dos
seus ossos. O seu auditorio destampava em gargalhadas quando o Fuas
Roupinho da esquadra naufragada, zombando do seu proprio appellido de
guerra, chacoteava da ordem de S. Miguel, que elle denominava a
cavallaria desferrada do archanjo.

É justo que não se esqueça, na correnteza d'estes casos, a familia
d'esta pessoa.

D. Rozenda Picôa, assim que viu annunciado o casamento de D. Maria José
de Portugal, deliberou visital-a e manter boas relaçoens com a sua
hospeda, visto que a fortuna caprichosa a collocara na posse pouco
vulgar de uma corôa de condessa com tres milhoens.

Annunciou-se ao guarda-portão do palacio. Tangeu-se uma campainha.
Desceu um escudeiro que recebeu o nome da visita. E com demora de alguns
minutos, voltou o escudeiro dizendo que a snr.ª condessa não recebia.

--Então porque?!--perguntou D. Rozenda abespinhada.

--Porque não quer... É boa a pergunta!--respondeu o escudeiro com altivez.

--Não quer?!--redarguiu a mãe de Victor.

--Então a snr.ª luveira já não conhece as amigas velhas?... Não?... Ella
me conhecerá!...

E saíu enfurecida em busca do filho, deliberada a conciliar-se com elle
para collaborarem na vingança.

Em abono do benigno coração da condessa cumpre saber-se que ella
receberia com alegre sombra a visita de D. Rozenda, se o conde, ao ouvir
proferir o nome da mãe de Victor Hugo, não pedisse brandamente á esposa
que se abstivesse de receber tal senhora.

Perguntou ella que razão havia para não a receber. O conde respondeu:

--Deve ser muito forte a causa que me faz contrariar-te pela primeira
vez, minha filha. Tu a saberás. Por em quanto, basta que eu te diga que
esta mulher é mãe de um homem que os meus lacaios recusariam acceitar
nas suas assemblêas de taverna. Sabes de mais que eu não defendo minha
casa aos pobres; as tuas amigas e os meus amigos são todos pobres. Se
essa senhora está necessitada, soccorre-a; mas não a recebas, porque é
mãe de um homem que está hoje escarnecendo os amigos de teu pae.

A condessa ficou sabendo que Victor Hugo renegara da sua quarta ou
quinta religião politica, e mais nada. Observava ella porém:

--O que a mim me admira, Raul, é ter elle entregado os tres contos de
reis! É uma honra que não se entende bem a d'este homem!...



XIV

A VINGANÇA

    _Sunt quædam quoe honestè non possum dicere._
    Ha ahi coisas que eu não posso honestamente referir.

                                 CICERO, Seg. Philipica.


Tenho á vista o folheto que Rozenda Picôa entregou ao filho, feito o
pacto de vingança.

Em 1840, desoito annos antes dos successos até aqui referidos,
publicou-se em Lisboa, na _Typographia portuense_, estabelecida na rua
da Palmeira n.º 36, um opusculo de 23 paginas em 8.º, intitulado: _A
villan fidalga. Ou aventuras e transformaçoens da filha d'um moleiro
conhecida em Lisboa pela alcunha de D. Marianna Joaquina Franchiosi
Rolem Portugal, moradora actualmente na Travessa nova de S. Domingos n.º
4, segundo andar_, etc.

O signatario do opusculo, Luiz Caetano da Rocha, principia por uma
_Breve exposição_ na qual relata que Marianna Joaquina o arguira de
falsificador de um titulo de divida, em que a assignatura da querelante
era imitada. O ministerio publico tambem querelara. Luiz Caetano, depois
de oitenta dias de cadeia, foi ao tribunal para assistir á ratificação
da pronuncia.

O advogado da accusação era Abel Maria Jordão, que morreu visconde de
Paiva Manço; o da defeza era Antonio José Dique da Fonseca. Arcaram os
dois athletas forenses com toda a pujança da sua notoria habilidade.
Diziam os espectadores que o melhor causidico de D. Marianna era a sua
formosura, bem que ella orçasse então pelos trinta e nove annos. O certo
é que a parcialidade do juiz e delegado eram por tanta maneira
insidiosas que o patrono do réo foi chamado á ordem, quando contava aos
jurados a vida escandalosa da auctora. Quer, porém, o jury se deixasse
vencer do soborno ou convencer da justiça, é certo que não ratificou a
pronuncia e affirmou que era dolosa a querela.

Vem depois o réo absolto á imprensa com os documentos que o seu advogado
não logrou ler no tribunal.

Examinemol-os succintamente, bem longe de os acceitarmos com a
importancia que o foliculario lhes dava quando escrevia: _talvez que
ainda uma penna habil se sirva d'estes documentos para compor uma
novella... a qual mostrará que no mundo muitas vezes o plebeu se atavia
com as galas da nobreza, o vicio se encobre com a capa da virtude, e nem
tudo é o que parece_.[3]

O primeiro documento é um attestado onde se diz que Marianna Joaquina,
filha de Eusebio Joaquim e d'outra Marianna Joaquina fugira de Azeitão
em 1814 com João Lopes Giraldes.

Do segundo documento convem trasladar o seguinte, que é já copiado da
nota do tabellião de Lisboa Thomaz Isidoro da Silva Freire (Livro 214,
folhas 103):


_Saibam quantos este instrumento de declaração virem que no anno do
nascimento de nosso Senhor Jesus Christo, de mil oito centos e trinta e
um, aos vinte e nove dias do mez de novembro, n'esta cidade de Lisboa,
na rua da Magdalena n.º 70 e casas de morada de D. Marianna Joaquina
Franchiosi Rolem, aonde eu tabellião vim, estando ahi presente Eusebio
Joaquim da Silva, morador em Villa Fresca de Azeitão, e por elle
foi dito na minha presença e das testimunhas ao diante nomeadas: que, no
anno de mil oito centos e quatro, lhe foi entregue e a sua mulher
Marianna Joaquina da Conceição, uma menina para crear, a qual viveu em
sua companhia, e da dita sua mulher na Villa d'Azeitão, reputada como
sua filha até á edade de treze annos para quatorze em que se casou, e
que agora pela prezente escriptura declara que a referida menina é a
dita D. Marianna Joaquina Franchiosi Rolem, e que não é sua filha, nem
com ella tem parentesco algum, e que esta declaração promette, e se
obriga haver em todo o tempo por firme e valiosa. Estando tambem
presente a dita D. Marianna Joaquina Franchiosi Rolem por ella foi dito
acceita esta declaração na forma d'ella._


O terceiro documento é um auto lavrado em 1838, na villa de Azeitão,
onde appareceu um José Antonio Atalaya, com procuração de pessoa que o
documento omitte, citando Eusebio Joaquim da Silva para jurar em sua
alma se D. Marianna Joaquina de Portugal residente em Lisboa, é sua
filha, e se ali possue uma quinta. Eusebio declara ser verdade o
allegado na petição.

Segue um documento denominado _Querela_.

É o traslado da querela que deu em 1821 contra Marianna Elisia, mulher
solteira, um Manoel Rodrigues, padeiro na Travessa do Secretario da
Guerra, queixando-se de ter sido roubado em objectos de ouro e diamantes
no valor de 848$000 reis.

Vem depois um attestado do solicitador de causas Antonio Gamarra,
passado em 1838, certificando que Marianna Joaquina da Conceição Elisia,
concubinaria do padeiro em 1821, era a mesma que, desasete annos depois,
se chamava D. Marianna Joaquina Franchiosi Rolem Portugal, e vivia na
rua da Emenda, onde tinha carruagem propria.

Accresce outra attestação do prior de S. Nicolau Francisco do Rozario e
Mello, datada em 1839. Jura elle _in verbo sacerdotis_ que, no anno de
1827, apparecêra no cartório da egreja de S. Nicolau uma mulher de
capote dizendo que pretendia se lhe baptizasse um menino filho de paes
incognitos, e que trazia procuração do desembargador Ferraz para ser
padrinho; mas, no acto de lançar o competente assento no livro, ella
observára que, sendo verdadeiramente padrinho quem tocava no menino,
melhor seria não designar elle prior como padrinho o dito desembargador,
mas sim o portador da procuração. Attesta mais o padre que, volvido
algum tempo, appareceu no mesmo cartorio uma senhora ostentando
grande personagem pela tafularia dos vestidos e carruagem de que apeara,
e disse chamar-se D. Marianna Joaquina Portugal; mas declara o prior que
logo reconheceu ser a mesma que solicitara o baptismo já referido. E
declarou a dama que tinha havido um filho do desembargador Ferraz, o
qual menino ali fôra baptisado como filho de paes incognitos.
Acontecendo, porém, ter proximamente fallecido o desembargador, ella
pretendia que no assento baptismal de seu filho se declarasse o nome do
pae. O padre recusou-se, sem que a competente auctoridade o
auctorisasse. Dias depois, voltou a mesma senhora com uma ordem do
vigario geral, o desembargador José Gonçalves Pereira, mandando proceder
o prior ás diligencias necessarias para averiguar se o menino Francisco
era filho do desembargador Ferraz. Em observancia de tal mandado foi o
prior a casa de D. Marianna de Portugal, e ouviu o depoimento de tres
mulheres; todavia, no dizer do padre, as testimunhas eram tão discordes
nas circumstancias, que nenhum credito lhe mereceram. E acrescenta que
tendo elle despedido um preto seu criado, o preto entrou no serviço de
D. Marianna de Portugal; e, voltando para casa d'elle prior, declarara
que na casa, d'onde sahira, havia um menino comprado para herdar
d'um homem rico e fallecido.

Temos agora outra attestação, que vae integralmente copiada:


_José Joaquim do Cabo Pinto, commendador da ordem de S. Bento de Aviz,
tenente coronel de cavallaria, governador do Forte da Cruz Quebrada.
Attesto que D. Marianna Joaquina Franchiosi Portugal, hoje intitulada
Rolem, talvez por se ter naturalisado franceza, tem sido heroina sem
egual, como é notorio n'esta cidade, querendo-se intitular fidalga,
sendo filha de um moleiro de Azeitão, por nome Euzebio, a quem fugiu com
um official de Marinha, vindo assistir para o pé da Fundição; dizem que
depois cazou com um sombreireiro, que a deixou e fugiu; tomou uma caza
na rua dos Douradores, a que deu o nome de hospedaria, aonde iam os
figuroens com as suas amasias, e por isso adquiriu grandes
conhecimentos, dos quaes soube tirar partido, sendo seus apaixonados
Luiz da Motta Fêo, o Barrão, coronel de milicias, Antonio Sicard,
tenente de cavallaria que morreu na Torre de S. Julião, e um Rego, e a
final o desembargador Ferraz que lhe poz carruagem, e ella largou então
a hospedaria, e veio morar para o Carmo; mas, indo todos os dias á
Travessa de Pombal a caza do tal Ferraz, que morreu quasi de repente,
apoderou-se de um bahu em que elle tinha os seus papeis; e, por
temer que lh'os procurassem em caza, foi morar ao pé do Paço de Bem
Formoso, e metteu-se depois a protectora de pretendentes, alcançando
muitas coizas pois era protegida do ministro da fazenda D. Diogo Lousan;
passou a ser espia de D. Miguel, a quem ia fallar um dia sim outro não,
quasi sempre, e por isso contrahiu grande amisade com o Vadre. E, como
receasse a chegada do snr. D. Pedro a Lisboa, se naturalisou franceza,
pois sei a quem ella mostrou a carta de naturalisação; isto era para
jogar com um pau de dous bicos. Finalmente é heroina do seculo, como é
notorio. E, como me consta haver uma cauza que a dita propoz ao snr.
F... na qual diz que uma menina que tem em caza é filha do tal F...
declaro pela presente que ainda que ella fosse sua mãe propria, era
impossivel saber se...[4] Mas é constante por ella o dizer
ás suas amigas que a menina era sua afilhada, e a tinha tomado por a mãe
ser pobre; mas agora no seu proceder se conheceu o fim para que a
tomou... etc. Lisboa 5 de julho de 1838._


Agora são duas senhoras que véem quebrar a dureza do quadro com as
mimosas feminilidades dos seus dizeres. A snr.ª D. Maria Leonor da Cunha
Saldanha, solteira, diz em 1838 que conhecera D. Marianna de Portugal em
1831 e 1832, a cuja casa ia; e vendo então uma menina de peito lhe
perguntára de quem era. Primeiro, D. Marianna respondera que era filha
d'uma mulher que a declarante via por lá; e, passados mezes, dissera que
aquella menina era sua filha e do snr. D. Miguel, intitulado rei
n'aquelle tempo.

A snr.ª D. Joanna Candida da Silva Monteiro, viuva, diz que conhecera
entre 1817 e 1818 D. Marianna Elisia, criada de M.me Chapsal. Sabe que
ella depois teve amisade com um padeiro, e depois com Luiz da Motta Fêo,
e depois com o desembargador Ferraz; e que uma menina que tem em casa, e
conta hoje de seis para sete annos, por nome Maria José, lhe disse ella
que era sua afilhada. Declara mais D. Joanna que conhecia a pessoa
contra quem depõe por ter sido ella depoente sua costureira, depois que,
na ausencia de M.me Chapsal, a sua antiga criada, já n'outra posição,
ficára senhora da casa.

                                ---------

Eis muito compendiada a substancia do opusculo que D. Rozenda entregou
ao filho.

Victor Hugo empeçonhou a segunda edição do libello com prefacio e notas,
para fazer bem sensivel que a filha de Marianna era a logrativa luveira
da Rua Nova da Palma, feita por obra e graça dos seus olhos feiticeiros
condessa de Baldaque.

O folheto, impresso clandestinamente, espalhou-se pela posta interna. O
conde e a esposa receberam exemplares em duplicado. Foi ella quem os
recebeu e descintou, á hora em que seu marido não estava em casa. Leu as
primeiras paginas, e já pouco percebeu do affrontoso attestado do
tenente coronel de cavallaria. O sangue, regorgitando-lhe do coração
anciado, estuou-lhe no cerebro. Escurentou-se-lhe a vista, não por
lagrimas, mas pela treva da congestão que lhe deu receios da morte. A
attribulada senhora ainda chamou a brados a sua amiga Ernestina Tavares,
lançou-se-lhe nos braços já esvahida, e balbuciou ainda:

--Que Raul não veja...

Alludia ao folheto que ali estava cahido no pavimento; mas Ernestina,
sem attentar no folheto nem ponderar as inintelligiveis palavras, rompeu
em altos clamores, mandando todos os criados procurar o conde.

Já elle subia accelerado as escadas, perguntando a Damião Ravasco se o
correio da posta interna havia trasido alguns papeis.

--Trouxe dois folhetos;--disse o mulato--um para V. Ex.ª e outro para a
senhora condessa.

--Que desgraça!--murmurou o conde.

É que elle, entrando em casa do seu banqueiro, vira sobre a escrivaninha
um folheto ainda cintado, e lera nas margens onde não chegava o papel
sobrescriptado as palavras _Marianna_ e _Portugal_. Pediu licença para
abrir o folheto, leu salteando algumas linhas de cada pagina, e sahiu
precipitadamente no intento de impedir que a condessa visse os insultos
a sua mãe.

Entrou ao quarto onde Ernestina escutava a agitada respiração da condessa.

--Ella leu o folheto?--perguntou o conde.

--Não sei que folheto V. Ex.ª diz... Eu ouvi-a gritar, corri logo, e
achei-a n'este estado. Ainda me disse não sei que palavras que mal
percebi...

A este tempo, Damião Ravasco, esquecido do respeito usado com a
ante-camara de seu amo, tinha tambem entrado, e erguido do chão o
impresso. O conde, que transportára nos braços a esposa para o quarto
inferior, não reparou no mulato que ficara lendo o folheto. Quando,
passados dez minutos, voltou para mandar procurar um medico, achou
Damião a lêr.

--Quem te chamou aqui?--perguntou com azedume.

--Vim eu, snr. conde--respondeu serenamente o mulato.--Estava aqui a vêr
quem é que fez isto... Ha de dar-me licença de levar este folheto...
Quem o escreveu, dou-lhe a minha palavra de honra, juro-lhe pela alma de
seu pae, que não torna a escrever outro. Diga-me, pela memoria de sua
mãe, e pela vida da snr.ª condessa lhe peço que me diga quem escreveu isto?

--Não sei, Damião...--respondeu o conde reconhecido ao zelo e vehemencia
dos rogos do mulato--Nós o saberemos... Vae chamar medico... Não te
demores.

O medico não tardou; mas Damião Ravasco só entrou noite alta. Dizia-se
que um mulato, com o fogo do inferno nos olhos, andára perguntando de
typographia em typographia se um folheto que mostrava tinha lá sido
impresso. Parava á beira dos grupos e imaginava que poderia descobrir
rasto por onde fariscasse o auctor do folheto. Estacára no Chiado em
frente do deputado da sova memoranda, a vêr se poderia, com mais ou
menos justiça, escorchal-o contra um frade de pedra. Offerecêra
dinheiro grande a uns agentes da policia que lhe descobrissem a victima.
E nestas diligencias que lhe queimaram o sangue e centuplicaram os
demonios do máo genio, andou Ravasco todo o dia e grande parte da noite.

Quando chegou a casa foi muito ás surdas até á porta dos aposentos do
conde. Escutou e ouviu passear na ante-camara. Bateu de mansinho. O
conde sahiu á saleta.

--Como está a senhora?--perguntou Damião.

--Está com febre.

--Não descobri nada--voltou o mulato.

--Não descobriste o quê? que procuravas tu?

--O auctor do papel.

--Prohibo-te que faças taes indagaçoens. Eu o saberei; mas, se o souber,
prohibo-te que me vingues. Se o infame não puder ser castigado por um
homem de bem sêl-o-ha por um lacaio; mas não por ti que és... meu irmão...

Damião dobrou os joelhos, e cobriu de lagrimas as mãos do conde.



XV

A PROLE DE D. AFFONSO VI

    Para vós verdes como coisa nenhuma é encoberta.

            BERN. RIB., Menina e Moça, cap. XII


Aquelle folheto, impresso em 1840, explica tres annos de angustias
dilacerantes que levaram Marianna Rolem de Portugal ao extremo desafôgo
do suicidio, ao ver-se desvalida das pessoas que se pejavam de conviver
com a mulher infamada, e de mais a mais empobrecida.

Mas quem era Marianna Joaquina Franchiosi Rolem de Portugal?

Que havemos de inferir dos attestados reimpressos por conta de Victor Hugo?

É a filha aventureira do moleiro de Azeitão? Fugiu d'alli com um
official da armada?

É a criada da franceza Chapsal?

É a infiel contubernal do padeiro Manoel Rodrigues?

É a supposta parturiente do menino Francisco, e a indigitada amante de
D. Miguel?

Donde lhe veem aquelles appellidos? Quem a levou a Joaquim Euzebio para
que a creasse?

Vamos derivar a resposta de tão justa curiosidade desde 1661.

Onde isto vae!

A historia patria, que o leitor conhece impressa, não lhe refere que D.
Affonso VI, á volta dos dezoito annos, viu em Lisboa, nas
circumvisinhanças de Queluz, uma rapariga muito formosa, pelo braço de
um mancebo de boa figura. Encarregou o valido Henrique Henriques de
indagar quem fosse a galante menina. Descobriu-se que era Catharina
Arrais, natural de Coimbra, donde fugira com seu primo, Manoel Arrais,
estudante, a fim de se casarem em Lisboa, logo que obtivessem dispensa
de parentesco e remoção de outros impedimentos canonicos attinentes ás
fragilidades da sua céga paixão.

Sabido isto, e a residencia dos profugos amantes, estava sabido tudo.
Manoel Arrais foi preso e conduzido a Coimbra. Catharina, na noite
d'esse dia, foi assaltada no seu esconderijo por um tal Agostinho Nunes
e por Henrique Henriques de Miranda que a levaram ao rei.

Dois annos depois, Catharina Arrais era freira em Santa Anna, e Manoel
Arrais era fallecido de dôr.

Antes, porém, de ser dada como esposa a Jesus Christo, houvera Catharina
uma filha de Affonso VI, a qual se chamou D. Luiza de Portugal.

Esta D. Luiza, quando prefez seis annos, foi transferida a casa do
famoso estadista conde de Castello Melhor, onde recebia tratamento de
alteza.

Aqui se deteve com honras de infanta até ao anno de 1667, em que o pae
já estava preso á ordem do principe seu irmão. Mas um dia o corregedor
da côrte entrou á força no palacio do marquez, apoderou-se de D. Luiza
de Portugal, e levou-a para o mosteiro de Santa Anna.

Soror Catharina recebeu sua filha, pensionada pelo infante, com a
declaração de que sua alteza não a reconhecia como sobrinha; mas a
protegia como desgraçada victima da libertinagem de seu augusto irmão.

Vejamos agora o que se fez para destruir as conjecturas de ser filha de
D. Affonso VI aquella menina. A historia impressa não o diz. Ha
manuscriptos que nos elucidam; e um, que possuo com a maior
estimação e de nenhum modo suspeito, vae referir-nos a villissima traça
que teceram os partidarios da rainha e do infante para desfazerem a
embaraçosa hypothese da fecundidade do filho de D. João IV.

O manuscripto intitula-se: _Vida de el-rei D. Affonso VI, escripta no
anno de 1684_.[5]

Dava que pensar e receiar a crença publica de existir a filha do rei. O
processo do divorcio, fundamentado em rasoens de torpissima
deshonestidade, tropeçava n'aquella menina. O procurador da rainha,
duque do Cadaval, refere o expediente que lhe desatravancou o passo.
Sobeja malvadez onde a imaginação coxêa no enredo. O homem escreveu isto
para a posteridade, e talvez vaidoso de engenhar o capitulo d'uma novela
ao sabor do tempo. Conta elle: «Offerecia-se ao duque uma grande duvida
do bom successo da causa (_o divorcio_); porque dizia que era
impossivel, tendo el-rei uma filha em casa do conde de Castello Melhor,
chamada D. Luiza e com tratamento de alteza. Achando-se este negocio com
esta grande duvida, Deus, que é a mesma verdade, foi servido de buscar
os meios de se descobrir e averiguar com toda a certeza.

Recolheu-se um dia ao jantar para casa; achou na mão de um criado seu,
um escripto que ali tinha deixado um moço. Dizia elle: _Se V. Ex.ª quer
saber um negocio muito importante para a cauza da rainha com que V. Ex.ª
corre, ache-se á noite no seu coche, só, ás escadas do Loreto, de sorte
que espere n'aquelle logar o sino da meia noute._ E não se assignava o
escriptor. Logo foi o duque á Esperança,[6] e, mostrando o
escripto á rainha, lhe disse ella que de maneira nenhuma queria que
fosse, por que aquillo podia ser de grande perigo. Respondeu-lhe o duque
que havia de ir, e que deixasse sua magestade á conta d'elle a segurança.

«Reedificava-se a egreja do Loreto do incendio que havia padecido. Tinha
no adro um grande telheiro a cujo abrigo trabalhavam os officiaes da
obra. Mandou o duque metter n'elle o capitão de cavallos Manoel
Travassos e o de couraças Manoel Caldeira, ambos de grande valor.
Acompanhavam aos capitães quatro creados do duque, todos valorosos e bem
armados com ordem de que, se vissem mais de que uma pessoa, sahissem do
logar onde estavam. Foi o duque áquelle logar assignalado esperar a meia
noite. Eis que chega ao estribo do coche uma mulher embuçada; e,
perguntando ao duque se a conhecia, o duque lhe respondeu que não; e
ella lhe tornou que era D. Anna Saraiva, que havia muitos annos o duque
a vira e lhe fallara muitas vezes; e disse-lhe o duque que entrasse no
coche, e que fossem até á Cotovia, que era parte mais solitaria.

«Disse-lhe D. Anna Saraiva que lhe queria mostrar como uma menina, que
estava em caza do conde de Castello Melhor não era filha d'el-rei, posto
que tractada por tal. Perguntando-lhe o duque como o sabia, lhe
contou toda a historia, e disse que, morando Agostinho Nunes nas cazas
do armeiro-mor, a convidou para ir ver botar uma náo ao mar; e que alli
vira uma moça bem parecida, descorada e com o cabello cortado; e que,
perguntando-lhe algumas cousas a fim de saber quem era, e que vida era a
sua, lhe respondeu que as más cores do seu rosto eram effeito da sua
dor, e os cabellos lhe haviam sido cortados pela mão d'el-rei. Foi D.
Anna, que era destra, inquirindo a môça, até que esta lhe manifestou sua
desgraça, e disse que se chamava Chatharina Arrais; e, galanteando-a
Manoel Arrais seu primo em Coimbra, viera para Lisboa com animo de casar
com elle; e que, morando em umas cazas com o dito seu primo, a foram
furtar uma noite Agostinho Nunes e Henrique Henriques, e a levaram ao
paço, e pernoitou na camara de el-rei: que seu primo morrera de magua em
Coimbra, e ella fôra para casa de Agostinho Nunes, onde se achava, e
fôra obrigada a dizer, quando desse á luz, que a creança era filha
d'el-rei; e sobre isso lhe fizeram grandes tyrannias até chegar el-rei a
cortar-lhe os cabellos. Disse mais D. Anna Saraiva que D. Catharina
Arrais estava freira em Santa Anna, e que ella lhe fallara, e estava
resolvida a vingar-se, declarando a verdade. Chamou o duque a
Agostinho Nunes e em presença de Duarte Ribeiro foi inquirido e disse a
verdade. Resolveu-se o duque a ordenar a Aurelio de Miranda, tabellião
de notas, fosse ao campo de Santa Anna, perto da egreja, e alli
esperasse recado d'elle duque; o qual deixando Augusto Nunes no seu
coche, mandou dizer á prelada que quizesse fallar-lhe; e, vindo a
prelada, lhe disse que tinha que fallar com Catharina Arrais, e sua
mercê lh'a mandasse á grade. Assim fez. Appareceu; e, dizendo-lhe o
duque que não vinha tirar-lhe a sua tença, antes conservar-lh'a; que
elle sabia a verdade do que tinha passado; que convinha muito que o
depuzesse em juizo, e que elle pediria licença á rainha para tal
deposição. Veio Aurelio de Miranda. Disse D. Catharina o que havia
succedido, e assignou. Averiguada esta materia, foi D. Luiza tirada pelo
corregedor da côrte de casa do conde de Castello Melhor, e o infante lhe
deu uma tença. Tirado este impedimento, se processou a causa de divorcio
até final conclusão, etc.»

Até aqui a fantasia do historiador, atando alguns lanços verosimeis com
outros de todo o ponto irracionaes. Que precisão tinha D. Anna Tavares
de revelar o mysterio, a deshoras, nas escadas do Loreto? De quem
se temia ella, se tinha por si a rainha, o infante, o duque, Agostinho
Nunes e todos quantos haviam sido alcayotes do rei preso? Quem teve a
sandia credulidade de acceitar que D. Catharina, á primeira vez que via
D. Anna, lhe contasse as miudezas vilipendiosas de sua vida? E o caso de
el-rei lhe cortar de mão propria as tranças, por que ella se recusava de
o acceitar como pae da creança que havia de nascer? Claro é que os
personagens d'aquelle tenebroso drama de cruezas e devassidoens eram
melhores algozes que romancistas.

Todavia é certo que soror Catharina recebeu sua filha, e, segundo a
vontade de quem lh'a pensionára, quiz que ella fosse religiosa. Estava,
porém, um amor infantil começado em casa do grande ministro de Affonso
VI com D. Pedro de Mello e Alencastre, fidalgo de primeira plana,
aparentado com os Castello-melhor. O moço, com quanto nobilissimo,
olhava timidamente para a filha do rei; mas, depois que a prepotencia
rebaixara a jerarchia de D. Luiza, complanou-se o terreno em que elle
mais affoitamente podia requestal-a.

Estreitaram-se as relaçoens amorosas--tanto quanto os degenerados
mosteiros do tempo as facilitavam--mantidas, ainda assim, no mais
alto ponto da honestidade. D. Pedro de Mello e Alencastre casou com D.
Luiza de Portugal, e viveram em uma quinta do Riba-Tejo, em um quasi
desterro imposto pelo contrariado infante.

Houveram varios filhos todos varoens, e um d'estes, D. Prior de
Guimaraens, de amores com uma dama da côrte e de stirpe muito selecta,
reconheceu sua filha D. Maria de Portugal, que casou com Marco
Franchiosi, filho de um conde milanez, que militara em Portugal, no fim
do reinado de D. Pedro II. Seguiu-se, neta de D. Luiza, D. Maria Izabel
Franchiosi de Mello e Portugal e Alencastre, dama da côrte da rainha D.
Marianna de Austria, acolhida pela soberana por dó da extrema pobreza em
que a deixára o pae, homem de vida estragada.

N'este tempo, appareceu em Lisboa um provinciano riquissimo, de Pinhel,
chamado Salvador da Costa Fagundes, a quem D. João V fez capitão de
cavallos, deu habito de Christo, foro de fidalgo, e nomeou sargento mór
da sua terra.[7]

Este Salvador Fagundes, movido pela formosura e prosapia da açafata da
rainha, casou com D. Maria Izabel, segunda neta de D. Luiza de
Portugal.

Tiveram quatro filhos: um que succedeu na casa, dois que professaram em
Santa Cruz de Coimbra, e uma senhora que se chamou D. Maria Escolastica
Pulcheria Fagundes de Alencastre Portugal.

Esta menina, que vivia na côrte em casa de parentes, amou um official
francez chamado Hilario Lescoeure Rolem, (_Rolin?_) com o qual fugiu
para Azeitão e mais uma filhinha nascida em Lisboa. Por Azeitão viveram
anno e meio clandestinamente em uma quinta que o francez ali comprara.
Descoberto e perseguido pela justiça, o official foi assassinado em acto
de resistencia, e D. Maria reconduzida aos seus parentes, depois de ter
deixado entregue a Joaquim Eusebio, moleiro em Azeitão, a filha, que se
chamou Marianna Joaquina.

D. Maria, em 1808, forçada pelo irmão, casou para o alto Minho com o
representante de uma casa antiquissima, cujos appellidos omitto em
respeito a seus netos.

E, como em 1816 ficasse viuva, foi a Lisboa, e encarregou um seu
afilhado, official de marinha, de procurar Marianna em Azeitão, e
convencêl-a a seguil-o para Lisboa, se tivesse a fortuna de a encontrar.

O official encontrou a filha de sua madrinha moirejando no cazebre
do moleiro. Facil lhe foi movêl-a a acompanhal-o.

Orçava então pelos treze annos D. Marianna Elisa. Era linda quanto Deus
podia fazel-a. A mãe nobilitou-lhe o nascimento com as suas lagrimas, e
entregou-a aos disvellos de uma franceza illustrada que se chamava
madame Chapsal.

A mãe demorou-se com a filha alguns mezes, fez-lhe doação da quinta de
Azeitão revindicada de illegitimos possuidores, estabeleceu-lhe
abundantes recursos, e voltou para a provincia, onde tinha filhos na
primeira infancia.

Não sei se esta senhora voltou a Lisboa desde aquelle anno até ao de
1819 em que faleceu, depois de haver rogado a um provedor Ferraz, então
seu hospede em Ponte do Lima, que entregasse a Marianna o seu cofre de
joias, não podendo legalisar-lhe outra herança.

Este Ferraz, quando entregou as joias, rendeu-se por tal feitio á
belleza da orfan, que não houve mais desenliçar-se d'aquella fascinação.
Por desventura, o provedor era rivalisado por um gentil cadete de
cavallaria, de nome Antonio Sicard.

Travou-se entre os dois emulos batalha de odios abafados, que mais tarde
levaram Sicard, já alferes de cavallaria, por denuncia aleivosa de
Ferraz, á Torre de S. Julião, onde morreu.

Presume-se, todavia, que D. Marianna decidira o pleito a favor do
cadête, por maneira tão decisiva e inappellavel que se estadiava em
publico, de braço dado com o esbelto môço.

Tambem conjuraram bastantes tradiçoens a confirmar que o desembargador
Ferraz, homem teimoso e rico, lográra tal qual dominio no coração de D.
Marianna, á custa de liberalidades, entre as quaes realçavam o palacete
e a carruagem.

Que D. Marianna de Portugal quiz mais tarde legitimar um filho para
succeder na herança do magistrado é de todo o ponto inquestionavel,
segundo jura o prior de S. Nicolau; mas essa creança não desdoira os
creditos da quinta neta de Affonso VI. Era um filho artificial.

A opinião publica desdoira as mães dos filhos naturaes; dos artificiaes,
não. Ultraja-se a natureza e respeita-se a arte.

Vivia D. Marianna de Portugal fóra de portas, quando D. Miguel a viu.
Sua sexta avó D. Catharina Arrais soprara a mesma lavareda no peito de
Affonso VI. Mas o real amante, graças á brandura de costumes d'este
seculo, não a tosquiou, antes lhe beijou as tranças, e se deixou
encadear por ellas. Tambem não consta que Marianna se doêsse do pejo da
maternidade, á imitação da freira de Santa Anna, consoante o duque
de Cadaval a calumniou. Muito pelo invéz: ella adorava o principe, e
sentia-o na alma e no sangue quando a creança lhe palpitava no seio.

Attesta o coronel José Joaquim do Cabo Pinto, no opusculo reeditado por
Victor Hugo José Alves, que D. Marianna visitava D. Miguel de dois em
dois dias. Isto não me parece exacto. Pendo a crêr que ella o visitasse
todos os dias. Quanto á espionagem, que lhe assaca o desbragado
commendador d'Aviz em estylo de tarimba, isso é calumnia a descambar em
parvoice. As espias absolutistas não tratavam com o rei directamente:
começavam no Miguel alcaide, e tocavam o ápice do valimento se levavam a
denuncia até ao intendente geral da policia.

D. Marianna de Portugal empobreceu durante a sua intimidade com o rei.
Para sustentar carruagem, libré e uma apparente abastança, vendeu as
joias da mãe, depois que exhauriu o peculio que amealhara nos cofres do
desembargador. Animo isempto e estreme de vil ganancia ostentou-o
nobremente quando o coração predominou e abafou os baixos sentimentos
que a pertinacia do desembargador lhe implantara na alma plebeamente
educada. Um amor grande com os luzimentos verberados da corôa real,
devia ser segundo baptismo para o coração da neta de reis.

Acabada a guerra e desterrado o infante, D. Marianna estava pobre e
tinha uma filha.

O desembargador Ferraz volveu a procural-a como amigo, como protector, e
como velho inveterado de paixão, agora exacerbada pelos realces que o
amor de D. Miguel haviam resurtido da belleza de D. Marianna.

Se é preciso confessar que a desvalida senhora acceitou a protecção do
magistrado por amor á filha e desamor á penuria, diga-se o delicto bem
alto, e haja de lhe perdoar em silencio a notoria sensibilidade do leitor.

Voltou a neta de D. Catharina Arrais a equipar sege e lacaios; mas, em
1838, o desembargador, aquelle Merlin cupidineo, levou comsigo para o
inferno dos desembargadores a lanterna milagrosa que fazia prodigios de
ouro á volta de Marianna.

Recorreu a mãe de Maria José ao expediente da hospedaria. N'esse trato,
ia provendo á educação da filha, e costeando certas pompas um tanto
desbotadas, mas incongruentes ainda assim com o seu estado. Contrahiu
dividas, precipitou a queda na rampa da uzura; e é bem de presumir que o
agiota, de quem a filha herdou, a desbalisasse a termos de lhe  não
poder a consciencia com o roubo. Exemplo unico.

O insulto publicado em 1840 impeçonhou a vida da infausta vergontea de
Bragança. Os tres annos que ainda arrastou á volta da filha, como quem
se estorce e despedaça entre o amor de mãe e a necessidade de morrer,
foram expiação acerba, purificação que nos torna respeitavel a memoria
d'esta senhora de tão illustre sangue.

Em 1842 devia ter D. Marianna de Portugal quarenta annos proximamente, e
vivia ahi por perto da Praça dos Romulares, com o seu hotel bastante
luxuoso ainda, para dignamente hospedar o principe Lichnowsky.

Este principe viu-a, admirou-lhe as graças, comquanto já desluzidas, e
então soube que uma linda menina, que ali se via, era filha do principe
proscripto. Nas suas _Recordaçoens, do anno de 1842_, escreveu elle:
_Fui recebido na rua de... em uma hospedaria...[8] A dona
da casa, uma_ ci-devant _bella mulher com ainda classicos vestigios
de depostos encantos, esteve antigamente na posse de ternas relaçoens
com D. Miguel. Ha mesmo alguem assás atrevido para chegar a
assegurar que existem provas vivas d'aquella perdilecção real._[9]

Poucos mezes mais disputou a vida atormentada, a desgraça, que, de dia
para dia, lhe esvasiava os guarda-fato e os bahús. Não é mister
rendilhar phrases lugubres, que deixem transparecer as dilaceraçoens que
a levaram ao suicidio.

Duas palavras bastam: vergonha e pobreza. Vergonha dos opprobrios
d'aquelle folheto, e ninguem que a defendesse. Pobreza, que explicava o
desamparo dos protectores, e a impunidade da injuria.

Morreu, descansou.



XVI

RESSURREIÇÃO DE UMA ALMA

            _Nec sine premio virtutes._

            Não ha virtude despremiada.

            BOETIUS, da Consolação da Philosophia, Liv. IV.


A medicina, informada da origem da enfermidade moral da condessa,
aconselhou viagens como distracção. O caracter intermittente dos
accessos de lagrimas, e a incongruencia das palavras, delirantes sem
febre, eram symptomaticas de perturbação de juiso. Todo seu empenho
apontava em provar ao marido que as affrontas atiradas á sepultura de
sua mãe eram calumniosas. O conde esforçava-se por convencêl-a de estar
d'isso bem persuadido; ella, porém, sobrevinha na mesma prova, se
despertava apoz um breve espaço de repouso.

Assim que a desfigurada condessa ganhou forças e se docilisou ás
carinhosas supplicas do marido, aprestou-se tudo rapidamente para a viagem.

Da casa e direcção dos negocios do conde ficou encarregado Damião
Ravasco. O mulato exultou quando o dispensaram de os acompanhar, sem
todavia manifestar o intento que o prendia a Lisboa. Toda a sua
esperança era descobrir o publicador do folheto, bem que de si para
comsigo devia ser um dos dois que elle esmurraçára, sem embargo de lhe
dizer Christovão Tavares que suspeitava muito d'um tal Victor Hugo.
Queria muito o mulato que lh'o mostrassem a fim de o não procurar longo
tempo, se um dia o diabo o atraiçoasse. E, com effeito, chegou a vêl-o á
porta do Marrare do Chiado. Contemplou-o com disfarce, e disse entre si:
«deve ser este!» Entretanto, as cartas vindas de differentes paragens da
Europa, não davam esperanças do restabelecimento da condessa. A
monomania da justificação da mãe resistia ás diversoens, aos rogos, ás
caricias, e á therapeutica dos banhos, frios da Allemanha.

No outono de 1860, chegaram a Baden, esperançados nas aguas mineraes. Ao
mesmo tempo, chegava D. Miguel de Bragança com sua esposa e alguns filhos.

O conde levou alvoroçado a noticia á enferma, que teimava em não
sahir do seu quarto. A condessa agitou-se, riu-se, chorou, bateu as
palmas, abraçou o marido, beijou a sua amiga Ernestina, e exclamou com
febril vertigem:

--Vou vêr meu pae!... vaes vêl-o, Raul!... verás o que elle te diz de
minha mãe... verás que é tudo calumnia!...

Mas o conde receiava que o infante desconfiasse da sanidade intellectual
de uma senhora que lhe saisse ao encontro a chamar-lhe pae, sem de
antemão se haver prevenido para tal apresentação.

Contida no seu enthusiasmo a condessa por considerações de etiqueta
indispensaveis com os principes, o conde fallou a um sacerdote da
pequena comitiva do infante, e industriou-o sobre a maneira de precaver
D. Miguel para ser cumprimentado por uma dama portugueza, a condessa de
Baldaque.

O principe alegremente mostrou vivo desejo de conhecer a esposa de um
cavalheiro a quem elle e os legitimistas portuguezes deviam relevantes
finezas.

Incutia receios o arquejar do peito da condessa, quando apeou da
carruagem á porta do infante.

Sahiu D. Miguel de Bragança ao patamar da escada a recebel-os. Quando,
com a mais lhana cortezia, o principe offerecia a mão á dama, ella
ajoelhou; e, suffocada por soluços, cobriu de lagrimas e beijos a mão
que não pôde esquivar-se áquelle estranho transporte.

--Ó minha senhora!--exclamava o infante--por quem é! peço-lhe que se
levante...

E olhava para o conde, como a pedir-lhe a explicação da anciedade da dama.

E o conde, com os olhos turvos de lagrimas, disse:

--Vossa magestade comprehenderá a perturbação de minha mulher, sabendo
que ella é Maria José de Portugal, filha da snr.ª D. Marianna...

--Ah!--exclamou o infante--já sei... já comprehendo...

E, com maior esforço, inclinando-se até poder levantal-a dos seus pés,
abraçou-a, beijou-a na testa, correu-lhe as mãos pelas fontes, e murmurou:

--Vi-a creancinha... de seis mezes...

E, tomando-lhe o braço, conduziu-a á sala, sentou-a na othomana, ao seu
lado, lançou-lhe o braço pela cintura, e disse-lhe quasi em segredo:

--Sua mãe... é morta?

--Ha muitos annos...--balbuciou a condessa.

--Porque me não escrevia, quando me enviava...--tornou elle, feita
uma longa pausa.

--Oh!--atalhou D. Maria--peço-lhe que não se lembre... vossa magestade...

--Que me não lembre?... Eu não me esqueço senão dos ingratos... minha
filha!...--E voltando-se para o conde:--sênte-se, senhor... Como se
chama seu marido?--perguntou á condessa.

--Raul--respondeu ella.

--Sênte-se, snr. Raul... Sei que é brazileiro... Agradeço-lhe esta boa
hora da minha vida--proseguiu tomando entre as suas a mão de Maria.--Mal
diria eu!... Ella aqui está... aquella creança que eu via como um anjo
lá ao longe da vida... um ponto branco e luminoso do passado... um
sonho!...

D. Miguel alongou os olhos tristes para o horisonte azul que as
montanhas recortavam. Que visão! que saudade! que escuridade ia dentro
d'aquella alma, purificada na onda das lagrimas, na fragua da
indigencia, no cadinho ardente do desesperar!

O conde, embevecido no aspecto respeitavel e triste d'aquellas cans
geadas dos invernos de vinte e oito annos, escutava-o tão admirado,
quanto em Portugal a opinião da plebe das letras malsinava de ignorancia
o principe. D. Miguel interrogava, ora o conde, ora a filha sobre
coisas e pessoas da patria, alheando-se da politica, e instando a sua
dolorosa curiosidade em miudezas de certos sitios, dourados pelo sol da
infancia, e esmaltados de indeleveis côres pelo archanjo da saudade, que
lá de longe nos segue até nos entregar ao archanjo da morte.

Quando um criado entrou á sala annunciando que a rainha se recolhera do
banho, o infante disse ao conde:

--Minha mulher ha de querer cumprimental-os em occasião mais opportuna.

A condessa levantou-se, dobrou o joelho ao lado do esposo, beijaram as
mãos do principe, que deu o braço á dama, até ajudal-a a subir ao
estribo da carruagem.

Desde esta hora, raiou luz nova no espirito da condessa. As lagrimas do
enthusiasmo filial diluiram a mancha negra que lhe ennoitecia, a
intervallos, a razão. Se a causa d'aquelles crepusculos da escuridade da
alma tinha sido julgar-se abatida pela calumnia aos olhos do marido, a
cura operou-se pelo exalçamento que lhe dera a consideração do pae em
presença do conde. Só assim: nenhuma outra ancora salvaria do golpho das
trevas aquelle espirito. A ferida escalavrara o orgulho da neta de
Affonso VI, por sua mãe e por seu pae.

Demorou n'aquella paragem o conde até que D. Miguel recolheu a
Heubach. Depois, deteve-se em Allemanha. Por espaço de anno, raros dias
se não viram as duas familias. A felicidade de Maria José era o céo,
como raras vezes a virtude n'este mundo o encontra, na consciencia, e
nas alegrias inalteraveis da vida exterior.

O conde, adivinhando os discretos silencios da esposa, disse que nunca
mais voltaria a Portugal. Projectou, pois, deter-se na Europa mais dois
annos, e voltar para o Brazil, onde o chamavam as memorias da infancia,
como quem queria continuar as doçuras da vida adulta e lá esperar a
quietação da velhice.

N'este proposito ordenou ao seu procurador e mormente a Damião Ravasco a
venda de todos os seus haveres em Lisboa, com ordem ao leal amigo de o
ir encontrar a Marselha, levando comsigo Christovão Tavares e toda a
familia do afortunado velho.

Quando Damião, grandemente desconsolado por ter de sahir de Portugal sem
vingar o conde, obedecia ás ordens recebidas, foi colhido de sobresalto
por uma noticia que, segundo elle affirmou, por pouco o não matava de
prazer.

Christovão Tavares mostrou-lhe uma gazeta liberal em que o articulista,
em polemica virolenta com o redactor d'outra gazeta, escrevia estas
lisonjas: «... Quem é este sevandija que nos falla em moralidade, em
caracter, em firmeza de principios, em dignidade jornalistica? Quem é o
gaiato, o fundibulario das esnogas d'Alfama, que nos despede a pedra,
sem receio que o recochête lhe vá bater no stigma infamante da testa,
onde a lei já não deixa escrever LADRÃO com ferro em braza? Quem é, e
donde veio este Victor José Alves, que incravou no nome plebeu o «Hugo»
tão honrado no mundo? Quem lhe disse a elle que onde estava o _Alves_,
para memoria de um certo _Diogo_, devia intervir o sobrenome do primeiro
poeta do universo?

«Victor Hugo! elle, o filho da estalajadeira, que ainda tem, como brazão
de familia, atraz da porta o cacete do marido, que quiz mercadejar com
as costas dos septembristas, como com os coiros de vacca onde se
levantou subindo pela tripeça do pae!

«Victor Hugo! elle que imbaiu uma certa luveira a dar a D. Miguel uns
tres contos de reis, que o _escroc_ desbaratou em pasteis de camarão e
orgias nos bordeis!

«Victor Hugo! elle que depois prefaciava um apontoado de injurias
aleivosas que haviam matado a infeliz mãe da luveira roubada, e levaram
depois ao cairel do sepulcro moral a razão de certa condessa, que
hoje erra foragida da patria em companhia de seu honrado marido!

«Elle, Victor Hugo, que apoz tantas protervias, umas culminantes de
infamia, outras de irrisão, exerce hoje um logar de confiança politica,
o secretariato d'um governo, e pendura na lapella da casaca, que devia
ser blusa de forçado, duas commendas, uma que lhe dá o foro de fidalgo,
e outra que o representa benemerito das consideraçoens litterarias!...
Elle que...»

Damião Ravasco arrojou o jornal, e atirou-se aos braços de Tavares
exclamando:

--É meu o homem! Se alguem lhe põe a mão, arranco-lhe os figados pela
bocca!

E parecia jorrar ascuas de forja afogueada por ambos os olhos.



CONCLUSÃO

    É immolado um porco á terra.

            HORACIO, Epist. I, Livro II.


Corria o mez de agosto de 1862.

Na estação de seges de praça, que descorrem pela cidade baixa, notaram
os boleeiros a concorrencia de um mulato, que elles tinham visto,
adestrando as soberbas parelhas do conde de Baldaque, ou aderençando
pôtros rebelloens e alfarios com a galhardia de consummado picador.
Reputavam-no mordomo do millionario; porém, quando o viram na praça,
boleando uma sege numerada, inquiriram d'elle mesmo se deixára o serviço
do conde. E elle respondeu:

--O conde foi-se embora para França, e eu, que me dou bem por cá,
empreguei as minhas soldadas n'este trem, e vou vivendo.

O serviço de Damião agradava sobre modo aos rapazes do Chiado. O mulato
era já conhecido da mocidade de pechisbeque, versão genialmente
portugueza da _jeunesse dorée_ lá d'álem. Em dia de toirada era ditoso
quem o emprazava de vespera.

Victor Hugo rara vez sahia de sua caza na Travessa do Estevão
Galhardo--aonde voltára reconciliado com a mãe e um tanto fallido ao
dinheiro--que não visse o mulato convidando-o a acceitar-lhe o seu serviço.

Uma vez, entrou na sege, e disse:

--Ás camaras!

A sege voou. Victor, apeando, disse:

--Isso é que é andar, rapaz! Como te chamas?

--O mulato.

--Mas como é o teu nome?

--Mulato.

--Mulato não é nome, é côr. Tu deves ser Simão ou André ou Belchior...

--Sou mulato.

--Pois então, mulato--voltou sorrindo o commendador da Conceição--queres
ir amanhã levar-me a Cascaes?

--É longe, meu amo. Faz muito calor. Estafo os cavallos á torreira do
sol; e eu não sei andar a passo. É para lá! bem vê V. Ex.ª... Eu não
poupo o gado...

--Pois vamos de noite, queres?

--De noite? A que horas?

--Ás tres.

--Isso é de dia.

--Ás duas, serve-te?

--Convem. Chegamos lá ás sete.

--Sabes onde moro?

--Parece-me que sei... é...

--No Hotel da Travessa...

--Do Estevam? já sei... Lá estou ás duas em ponto.

--Sem falta? palavra?

--De mulato. Quer que espere?

--Não. Pega lá...

E deu-lhe, com fidalga bizarria, dez tostoens. Damião recebeu-os na luva
de algodão. Subiu á almofada, largou para a rua de S. Bento, e deixou
caír as duas corôas no regaço de uma mendiga cega.

Á uma hora da manhã Victor Hugo recolheu do Gremio, e sevou o seu
rewolver de seis tiros. Depois trajou-se á campezina, fato inteiro azul
anil, luva amarella, chapéo de palha, uma gravata de muitas pontas com
muitas flores e muitas borboletas. O espelho lisongeava-o, occultos os
dentes, o vestibulo infecto d'aquella caverna do peito, as navalhas
podres do javali que esfoçava lá dentro.

Victor Hugo ia a Cascaes á cata d'uma grega que, por aquelles dias,
alvorotára os galans enfrascados em damarias d'aquella casta. Farto de
amores peninsulares, o poeta Alves almejava um amor grego, perfumado das
auras do Bosphoro, coisa que lhe désse uma vez ao menos as morbidezas do
oriente na Travessa do Estevam Galhardo.

A grega perseguida dos caens vadios de Lisboa, que se lhe penduravam de
cauda de murzêlo, fugira para Cascaes, no intuito outro sim de traduzir
o Alkorão para uso dos seus cathecumenos.

Victor Hugo ia procurar a grega, fugida do serralho de Bysancium, e
disposto a enrodilhar o turbante na cabeça, mahometanizar-se, restaurar
a Grecia por amor d'ella, dar a casca em Missolonghi, e almoçar com
ella, se pudesse.

Ás duas horas rodou a sege na calçada e parou. D. Rozenda, quando o
filho passava no corredor, disse lá de dentro da alcôva:

--Onde vaes tão cedo, Victor?

--Vou a Cascaes.

--Que vaes fazer a Cascaes, homem?!

--Respirar as brizas do mar.

--Forte asno!--murmurou a mãe, e adormeceu. A sege abalou velocissima.

Ahi por Paço d'Arcos, Victor perguntou ao boleeiro, quando a sege ia
muito a passo:

--A quem compraste esta boa parelha?

--No leilão do conde de Baldaque. V. Ex.ª conhece-os?

--Conheço o conde, os cavallos não.

--Não me saberá dizer porque é que o conde se foi embora?

--Sei: casou com uma aventureira...

--Que vendia luvas...

--Isso...

--E depois?--tornou o mulato.

--A opinião publica fez-lhe troça e elles safaram-se.

--Ah!... então a troça como foi?... Acho que havia de ser um folheto que
ouvi ler, a dizer o diabo da mãe da tal condessa...

--É isso...

--E aqui, ha de haver um mez, leram-me um jornal onde se dizia que o
folheto fôra publicado por um snr. Victor Hugo, que tinha roubado grande
chelpa á tal luveira. Sempre ha cada malandro! O senhor conhece-o?

--Quanto déste pela parelha?--perguntou Victor, como se a pergunta fosse
feita a um pavão, que berrava no arvorêdo dos Palhas.

--Cincoenta libras--respondeu o mulato, muito mais delicado que o seu
interlocutor.

--Não foi cara.

--Todo o trem do conde se vendeu ao desbarato. Contou-me um criado
d'elle, meu patricio, quero dizer, tambem mulato, que a condessa
fôra de Lisboa doida, por causa do tal folheto, publicado pelo larapio
que a roubou. Veja V. Ex.ª que patife aquelle! O mulato é levadinho de
dez milhoens de diabos, e disse-me que não se vae embora de Portugal sem
cortar a cabeça ao tal Victor Hugo!

--Quem, o preto?--perguntou sorrindo o commendador.

--Sim, o preto...

--Ha de ser um que dava sôcos nos namoros da luveira...

--Hade ser esse, provavelmente...

--Pois, se o vires, dize-lhe que o tal Victor Hugo só deixa cortar o
pescoço depois que mette seis balas na cabeça de quem lh'o quer cortar.

--Então o homem pelos modos é têzo?

--É: fia-te em mim.

--Não duvido, patrão; mas a valentia não tira que elle seja um ladrão; e
um malvado que roubou a alegria e o juizo a uma senhora que lhe não fez
mal nenhum, que eu saiba.

--Elle lá teve as suas rasoens... Olha lá, não deixes adormecer os
cavallos... Ainda agora vamos em Oeiras...

--Temos muito tempo, patrão... V. Ex.ª não conhece um caminho por onde
se atalha uma legua boa?

--Não.

--Quando chegarmos ao fim do muro da quinta do marquez, eu lh'o mostrarei.

Damião chicotou os cavallos com frenezi. Era a onda de sangue que já lhe
girava como meandro de vitriolo por entre os seios do cerebro. As
chicotadas eram uma maneira de se desafogar d'aquella congestão.

Chegados á extrema do muro, o mulato metteu por uma vereda estreita,
desterroada e pedregosa.

--Não é por ahi!--disse Victor--por onde diabo vaes?

--Por aqui é o atalho--respondeu Ravasco.

--Deixemo-nos de atalhos agora de noite!

--Não tenha medo, patrão. O snr. não traz rewolver?--dizia e affoitava a
parelha.

--Trago rewolver; mas...

--Então que medo tem?

--Não é medo de ladroens; é medo que esbarrondes a sege! Olha que o
caminho vae já bater ahi n'uma charneca fechada, não vês? Volta para
traz, bruto!

Damião Ravasco não respondeu. Levou impetuosamente os cavallos aos
sacoens até entestal-os com um comoro eriçado de piteiras e socavado nas
margens resvaladias, e saltou de golpe da almofada, quando as bestas se
escabravam trepando á valla.

Este abrupto salto, depois da pertinacia do cocheiro em fustigar os
cavallos contra o vallado, incutiu em Victor Hugo a suspeita de estar em
perigo de ser roubado pelo mulato. Instinctivamente arrancara do
rewolver, quando o boleeiro saltou. E, no conflicto em que Damião
arremettendo á sege, puchava de repellão pelas cortinas embreadas,
Victor desfechou-lhe um tiro na face, e o segundo no respaldo da sege,
porque o pulso lhe estalou e revirou-se na mão do mulato como se os
ossos se deslocassem dos ligamentos estorcidos por uma tenaz.

E do mesmo impeto fincou-lhe na garganta a garra esquerda, e empuchou-o
para fóra da sege.

Victor, escabujando de encontro aos raios da roda, rugia gritos de
soccorro, luctando em balde para arrancar a mão ainda armada á torquez
que lhe desarticulava o pulso.

O mulato remessou-lhe um joelho ao ventre, e disse-lhe n'um rouquejar de
voz, mudada em bramido pela ferocidade da ira:

--Hasde saber quem sou, perverso ladrão! Sou o preto do conde de
Baldaque. Dá-me seis tiros na cabeça antes que eu te corte a tua. Um já
cá o tenho no rosto; se morrer delle, perdoo-te.

Á ultima palavra vociferou elle um rispido regougo, coisa parecida
ao soturno urrar da féra; e, no mesmo acto, arrancou da navalha
espanhola já aberta entre a manga da jaleca e o braço, e cravou-lh'a
através da garganta.

Era cadaver o insultador da condessa de Baldaque; mas o leão não
desenterrára os gryphos aduncos das carnes do tigre morto.

A cólera recrudescia ao compasso da dôr atroz que lhe sangrava na cara.
Levou a mão ao olho direito, e retirou-a empapada em sangue e humores.
Receiou morrer, e este mêdo dava-lhe vertigens, e um raivar de demonio,
cada vez que o sangue barbotando lhe tolhia a vista.

Talvez que a vingança ficasse áquem das raias da barbaridade, se Victor
o não houvesse ferido mortalmente, como elle suppunha. Travou dos
cabellos ao cadaver, e correu-lhe á volta do pescoço repetidos golpes
até o degolar. Atirou para dentro da sege a cabeça, e deixou o restante
no chão ensopado da sangueira.

Antes de repontar o sol, sege e cavallos estavam na cocheira do conde.

A cabeça de Victor Hugo foi submersa em álcool n'uma vasilha negra. E
Damião Ravasco, entregue aos cuidados de Chistovão Tavares e d'um
cirurgião, soffria a dolorosa anatomia da extracção do olho direito
e esquirolas da orbita correspondente.

Ai! elle não poderia mais vêr a cabeça de Victor Hugo José Alves senão
com um olho!

Do apparecimento do cadaver descabeçado na Azinhaga das Cobras deve
lembrar-se perfeitamente o leitor de Lisboa. Primeiro, disse-se que era
uma victima das vinganças clandestinas dos carbonarios. Alguem pensou
que fosse o administrador do concelho de Oeiras, que n'esse dia estava
sadio e incolume em Cascaes namorando a grega. Outros, os mais sensatos,
pediam a cabeça do sujeito para fazerem o seu juiso ácêrca da identidade
da pessoa. A final soube-se quem era, por causa d'umas cartas de namoro
que lhe encontraram na algibeira, dirigidas a _Victor Hugo_; mas tambem
isto foi motivo a conjecturar-se que o auctor do _Napoleon--Le petit_,
viera incognito a Lisboa, e o imperador dos francezes o mandára
assassinar, decapitar, _etc._, _etc._ O que é certo é que muita gente,
quando se disse que o descabeçado era o Victor, filho do Alves dos
coiros, respondeu brutalmente: _Foi bem feito_.

Sarado da ferida, mas cego do olho, e esburacado no bordo inferior da
orbita, Damião Ravasco, liquidado o trem da homicida façanha, fez-se ao
mar e mais o official realista e as filhas e os netos. Marselha era
o itinerario prescripto pelo conde. Dirigiram-se á rua Camebiere, _hotel
des Empereurs_.

Entraram juntos á sala privativa do conde. Damião ia na frente,
sobraçando uma caixa de estanho, com argolas lateraes. Quando se
defrontou com o conde e a condessa, ambos exclamaram espantados da tão
differente cara de Ravasco:

--Que é isso!?--bradou o conde--Vens cego de um olho, Damião?

--E que profunda cicatriz elle tem na face!--disse a condessa.

--Que foi isso?--tornou o irmão.

--Este olho que me falta--respondeu Ravasco pousando o caixote sobre uma
banca; e repetiu:--Este olho, que me falta, tirou-m'o um sujeito chamado
Victor Hugo José Alves.

--Porque, meu Deus?--disse a condessa.

--É possivel!?--exclamou o conde--E tu...

--Eu sempre ouvi dizer ao meu mestre de latim: «olho por olho, dente por
dente»--respondeu Ravasco;--mas, a fallar a verdade, não me accommodo
com esta lei. Quem me tira um olho a mim ha de ficar sem dois, pelo menos.

E, dizendo, destapava a caixa de estanho. A condessa tremia
convulsamente. O conde encarava-o estupefacto. O ex-brigadeiro e as
filhas e netos agrupavam-se á volta da condessa. E Damião continuou:

--Ora eu que não tinha vagar, nem a occasião era a melhor, para tirar os
dois olhos ao sujeito que me tirou um, achei que o mais summario e
seguro era cortar-lhe a cabeça. Eil-a aqui! Vejam se a conhecem!--disse
o mulato, mostrando a cabeça tragica, mergulhada em espirito de vinho,
no amplo frasco extraído da caixa.

A condessa parecia desmaiar nos braços do marido, exclamando em extrema
afflicção:

--Jesus! que horror! que barbaridade!...

--Horror, sim, minha filha!--disse o conde--mas barbaridade... Não
culpes Damião sem o escutar.

E Ravasco, aproximando-se da condessa, fallou serenamente:

--Eu tenho pouco que dizer em minha defesa, snr.ª condessa. Em Lisboa
sahiu um folheto no qual se dizia que sua mãe roubava padeiros de quem
era amazia...

--Silencio!--bradou o conde.

--Deixe defender-se o barbaro, snr. conde!--volveu Damião--N'esse
folheto havia uma nota em que se dizia que o conde de Baldaque casára
com uma aventureira. Se o snr. conde casasse com uma mulher perdida, eu
não o vingaria, por entender que era justo o castigo; mas como eu
sei que V. Ex.ª era uma senhora honesta, entendi que devia cortar a
cabeça d'onde sahiram os insultos a V. Ex.ª e a um homem que me chamou
irmão. Não tenho mais que dizer. Cá levo a cabeça para lhe dar honrosa
sepultura nos esgotos de Marselha.

E sahiu com o caixote debaixo do braço. Na sala era tetrico e profundo o
silencio. Nem que aquillo fosse a cabeça de Holofernes, ou de Pompeu! E
as lagrimas derivavam copiosas no rosto de Maria José.

Ó egregia alma, como essas lagrimas deviam ser abençoadas do soberano e
inexprimivel Espirito que tão perfeita scintilla de sua divindade te
bafejou no berço!



EPILOGO


Os condes de Baldaque, n'este anno de 1872, viajam no Oriente, com o
filho mais velho.

Damião Ravasco, reconhecido irmão do conde, e quasi millionario, vive no
Ceará com sua mulher D. Luiza Tavares, a mais nova das filhas do
ex-brigadeiro já fallecido.

As outras filhas, exceptuada Ernestina que acompanha a condessa, casaram
e são ricas.

Os netos do brigadeiro, doutorados na universidade de S. Paulo, estão
estabelecidos no imperio brazileiro.

D. Rozenda Picôa é mestra regia na Porcalhota.

D. Eufemia, dada ao mysticismo, e repêza de escrupulos purificantes,
está no seminario de Brancanes, encarregada da limpeza dos jesuitas.

Obrigado pelas leis da transmigração, Victor Hugo José Alves resuscitou
nos corpos e almas de tres sujeitos que hão-de prosperar n'este paiz, se
não encontrarem mulatos...

FIM



    [1] Veja os amores deste fidalgo com a filha d'el-rei D. Duarte.

    [2] PORTUGAL, Recordações do anno de 1842, pelo principe Lichnowsky.
    Lisboa, 1844.

    [3] Pag. 5.

    [4] Elidem-se phrases que ressumbram de mais á cazerna onde o
    commendador d'Aviz escrevia o seu despejado depoimento.

    [5] A pagina 111, penultima do _ms._, lê-se o seguinte: «Este
    Epytome da vida d'Affonso VI, foi copiado exactamente do original,
    que se achava na livraria do duque de Cadaval, composto sobre as
    «Memorias» de Luiz Teixeira de Carvalho, que foi official maior da
    secretaria de estado, por cuja mão correram as ditas «Memorias»;
    porém, ha n'ellas circumstancias tão particulares que persuadem
    serem ditadas pelo duque D. Nuno Alvares Pereira, que teve tanta
    parte na deposição deste monarcha. Suas queixas o fizeram esquecer
    das grandes acções do governo d'este infeliz rei e das gloriosas
    victorias do seu reinado. Veja-se sua vida por o auctor mais
    critico.»

    Segue outra declaração:

    «A copia a que se allude, e da qual esta foi tirada, pertence a D.
    Miguel Antonio de Mello; e hoje possue-a o conselheiro Antonio
    Joaquim Gomes de Oliveira, official maior da secretaria de estado
    dos negocios estrangeiros. Lisboa, 29 de Maio de 1845. _Jacintho da
    Silva Mengo._»

    [6] Mosteiro onde se recolhera D. Maria de Saboya.

    [7] Á margem do livro-genealogico donde vou trasladando esta
    linhagem, está escripta uma nota curiosa: «Salvador Fagundes era um
    homem ordinario de Pinhel, que andava a vender meias, e neste tracto
    o viu o padre Francisco Xavier da Mesquita Pimentel, frade loio, que
    m'o disse, em Fevereiro de 1775. E diz que haverá setenta annos que
    lhe vira vender as ditas meias. Outros me dizem que fôra pintor;
    emfim, sempre foi pessoa humilde. Porém, enriquecendo, foi pagador
    d'um regimento, e ajuntou tanto cabedal, que era já muito estimado.
    A um general que de Castella veio andar nas guerras de Portugal fez
    grandes offertas; e, quando se recolheu a Hespanha, lhe mandou por
    todas as partes offerecer todo o dinheiro que quizesse e na forma
    que lhe parecesse; e por ultimo, julgando o general que aquillo
    seria bazofia, disse em uma parte que queria 50$000 cruzados; e,
    como logo lh'os dessem, os não acceitou, e ficou muito agradecido
    por ver que era verdade, e escreveu a el-rei de Portugal, dando-lhe
    parte de tudo, e pedindo-lhe que premiasse aquelle homem que tantos
    obsequios lhe fizera, João Pinto Ribeiro de Castro Vella me disse
    que o dito Fagundes ajuntára muito cabedal, quando fôra assentista e
    pagador nos tempos da guerra; e que, suspeitando que o governador o
    queria culpar pelo muito que furtára, lhe foi fallar; e como o
    governador o não quizesse receber, o Fagundes fingira um flato ou
    accidente, deixando uma bengala que trazia, na qual, pegando um
    criado do governador, e achando-a muito pezada, a levara ao amo que,
    admirado do pezo, a entrou a examinar e a achou cheia de moedas de
    6$400 reis, com as quaes se accommodou, etc.»

    Viessem cá hoje Fagundes com taes bengalas, que levavam com ellas...
    depois de vasias.

    [8] Não percebo o pudor de quem traduziu, omittindo o nome da
    proprietaria do hotel.

    [9] _Portugal. Recordaçoens do anno de 1842_--pag. 18.


INDICE

         I A LUVEIRA DA RUA NOVA DA PALMA
        II PERFIL DE VICTOR HUGO JOSÉ ALVES
       III D. ROZENDA
        IV O ESTOMAGO DE VICTOR HUGO
         V O CORAÇÃO DE D. ROZENDA
        VI O SANTO CORAÇÃO DE FILHA
       VII OS TRES CONTOS DE REIS
      VIII RAUL
        IX DAMIÃO RAVASCO
         X FRUCTA DO BRAZIL
        XI SOLEMNIA VERBA
       XII EXPLOSÃO DE AMOR
      XIII DESASTRE DO GATUNO
       XIV A VINGANÇA
        XV A PROLE DE D. AFFONSO VI
       XVI RESSURREIÇÃO DE UMA ALMA
           CONCLUSÃO
           EPILOGO





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O Carrasco de Victor Hugo José Alves" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home