Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Carta em resposta a outra bom senso e bom gosto dirigida por Anthero do Quental ao ex.mo sr. A. F. de Castilho o incomparavel tr
Author: Cunha, Elmano da
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Carta em resposta a outra bom senso e bom gosto dirigida por Anthero do Quental ao ex.mo sr. A. F. de Castilho o incomparavel tr" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



of public domain material from Google Book Search)



                                   CARTA

                                    DE

                               ELMANO DA CUNHA

                             EM RESPOSTA A OUTRA

                            BOM-SENSO E BOM-GOSTO

                                DIRIGIDA POR

                             ANTHERO DO QUENTAL

                          AO EXCELLENTISSIMO SENHOR

                        ANTONIO FELICIANO DE CASTILHO

               O INCOMPARAVEL TRADUCTOR DOS FASTOS DE OVIDIO
         OBRA EM QUE SE FAZ O CONFRONTO DE ROMULO E JESUS-CHRISTO
                         OFFERECIDA AO INCOMPARAVEL
                             DUQUE DE SALDANHA



                                   COIMBRA
                          IMPRENSA DA UNIVERSIDADE
                                    1865



                                   CARTA

                                    DE

                               ELMANO DA CUNHA

                             EM RESPOSTA A OUTRA

                            BOM-SENSO E BOM-GOSTO

                                DIRIGIDA POR

                             ANTHERO DO QUENTAL

                          AO EXCELLENTISSIMO SENHOR

                        ANTONIO FELICIANO DE CASTILHO

               O INCOMPARAVEL TRADUCTOR DOS FASTOS DE OVIDIO
         OBRA EM QUE SE FAZ O CONFRONTO DE ROMULO E JESUS-CHRISTO
                         OFFERECIDA AO INCOMPARAVEL
                             DUQUE DE SALDANHA



                                   COIMBRA
                          IMPRENSA DA UNIVERSIDADE
                                    1865



    Em Coimbra: ás 5 horas da madrugada do dia 20 de novembro de 1865;
    ao concluir um innocente e util trabalho em que se pretende
    demonstrar, que ao cantar da _segunda_ cigarra de Anacreonte, sob a
    copa da frondosa olaia do Saturno portuguez, se está forjando o
    dogma da infallibilidade litteraria do sobredito senhor; proclamando
    o dom da inerrancia do mesmo; resuscitando um odio velho contra a
    universidade de coimbra; condemnando o producto espontaneo do
    trabalho intellectual, livre e independente; fazendo sordida
    mercancia do futuro--_a quem mais der_--; permutando a lisonja vilan
    pelos 30 dinheiros pharisaicos; transigindo ignominiosamente com as
    paixões egoistas da actualidade a troco das ovações da burguezia,
    senhora das situações prosperas e beneficentes.

Amigo--Em que cyclo social andaram os talentos d'esta, ou de outra
qualquer terra, pela arreata das auctoridades?!...

Em que geração andaram aguadeiros litterarios, com os canecos do genio
ás costas, dessedentando os sequiosos de verdade e inspiração,
aspergindo a agua lustral no seio das multidões, fornecendo as fontes do
espirito publico, pregoando a superior qualidade do producto litterario
ou scientifico nacional, porque traz a marca d'alfandega--A. F. C.?!...

.........................................................................

Pobres dos pilotos da humanidade se, tendo, através da esteira dos
tempos, que vão cahindo nos abysmos do passado, conduzido as
civilisações com a unica bussola do seu livre alvedrio, têm no seculo
XIX de fazer a figura de amphoras humanas nas mãos do primeiro aguadeiro
ambicioso!?...

A mim, que fui embalado com os primeiros vagidos da eschola liberal, a
unica que tem as regalias, os privilegios, os foros da independencia, a
unica, que tem um axioma por principio, tinham-me dito, que a liberdade
de toda a industria humana é a primeira condição do seu desinvolvimento
e progressos; que o principio da responsabilidade individual é o
primeiro motor do bello, do grande, do util, do ideal; que o prysma
social tem apenas algumas faces, que reflectem já a septiforme côr da
aurora boreal do futuro, e infinitas que, os que nos precederam,
deixaram na obscuridade, e que é forçoso clarear de viva luz; que ao
livre trabalho do pensamento incumbe esta tarefa civilisadora; que a da
«mercancia por avareza, das lettras por vaidade, dos litigios
prolongados por caprichoso empenho», tem sido a thenia enorme que,
inoculando-se no coração das sociedades, vai seccando as fontes da
moralidade, viciando e prevertendo os abundantes succos nutritivos da
arvore do bem, torcendo vigorosos musculos sociaes, prostituindo a
mulher, desatando os vinculos da familia,--o fogo sagrado do
Estado,--dividindo os interesses da communa, semeando a descrença e o
desconforto nos orgãos da nacionalidade.

A mim tinham-me dito principalmente, que a suprema fórmula de todo o
homem, é a sua moralidade e independencia; que esta consistia em ser
cada um responsavel pelo que pensa perante Deus, pelo que sente perante
a sua consciencia, pelo que escreve, pelo que diz perante a sociedade.

Seria eu victima de um embuste grosseiro? Enganar-me-iam os apostolos do
Evangelho da liberdade a mim, que, sincero, puro e innocente, os
escutava em religioso silencio, numa quasi que idolatria?!...

Tu, meu amigo, dizes-me que não; que o facto póde traduzir uma abjecção
moral, uma torpeza de todo o ponto condemnavel, mas que isto não é mais
que um accidente, susceptivel de correcção e exemplo: que a these é a
que bebemos com o leite da nova mãe social, aquella que me convida a
junctar hoje ao teu nome «quasi desconhecido» o meu que apenas consta de
um assento de baptismo que nunca ninguem leu.

Deixo-o ahi escripto por duas considerações sómente; a primeira como
protesto, a segunda como cautela; a primeira, porque juro viver e morrer
á sombra da bandeira de Jules Simon, por nenhum preço a sombra da copa
da olaia de Antonio Feliciano de Castilho, que respeito como talento,
como homem que «_por entre os edificadores do futuro anda estudando o
passado_», que detesto como caracter, e como traficante convicto de
cambio litterario: a segunda porque sei que verdades amargas magoam o
alifafe moral de consciencias vulneraveis; porque sei que o principio da
auctoridade, a immodestia immoderada, a vaidade impertinente, a
consciencia da suprema gloria e do ultimo laudo em bom-senso e em
bom-gosto são entidades congenitas do principio da irritabilidade, e
porque finalmente os desvios da má indole e as paixões violentas da
soberba indomavel e indelicada poderiam _tosquiar_ algum camêlo ou
_fraco_ ou _innocente_.

Postas as cousas a esta luz, benefica para quem se allumiar d'ella no
interesse do futuro e dos tibios do proprio campo, conversemos um pouco.

Eu não quiz ler o escripto de _Antonio Feliciano de Castilho_ no
livro do sr. _Pinheiro Chagas_--_Poema da mocidade_--onde a
proposito de faltas de bom-senso e de bom-gosto se citam os nomes
illustres--Theophilo Braga--Vieira de Castro, e o teu «quasi
desconhecido», e se _tosquia_ sem clemencia nem piedade, com odio, com
azedume, a chamada eschola litteraria de Coimbra, eschola que não
existe, _camêlo_ imaginario, _camêlo_ creado pelo sr. Castilho nas suas
_segunda e terceira intenção_. Façamos justiça á pontaria do genio.
Encadernado na mais esplendida capa litteraria, que jámais vimos, está o
homem, que, fazendo fogo de caçador esperto, atira a dois alvos ao mesmo
tempo. É esta a verdade, isto o que é preciso ver e definir detalhadamente.

Eu não quiz ler, por ter lido a--_conversação preambular_--do D. Jayme,
do sr. Thomaz Ribeiro.

Era razão de sobejo.

Conheci o sr. Thomaz Ribeiro antes do seu poema, e o poema depois, que
me deliciei eu com o ouvir recitar ao proprio auctor em 1860 na
sociedade do dr. Antonio de Oliveira Silva Gaio; á sombra da copa de
nenhuma olaia, não; no seio da estima não mercadejada, da admiração
desinteressada, da livre apreciação, sim.

Que o auctor fôra bafejado no berço por espiritos bons, fadado para
destinos melhores ainda, para uma independente e mais que muito justa
reputação litteraria, soubemo-lo, e dissemol-o nós então.

O sr. Thomaz Antonio Ribeiro nascera tambem no seio da eschola liberal,
ou, o que mais val, acceitára por amor e convicção o principio na sua
accepção mais larga, na sua concepção mais absoluta, curando menos dos
preceitos, e ainda menos dos preconceitos de eschola. Muito
intelligente, soube ser livre, tirou de si seus recursos, trabalhou por
sua conta e risco. Na pia baptismal do trabalho purificou as suas
crenças como homem e como escriptor, fortaleceu a sua religião social e
litteraria, não pedindo inspiração mais do que á fonte commum, a propria
natureza e a das cousas, alentos senão á vontade, que o trabalhava,
confortos senão á propria consciencia, elevação e independencia sómente
á sua dignidade, consolações sómente á maxima expressão de todo o homem,
a sua _moralidade_.

Em 1860 pensavamos nós assim... Quem, quem havia de proferir a
blasphemia atroz, que o sr. Thomaz Ribeiro teria de sujeitar a sua bella
creação poetica ao insulto hypocrita da _primeira_ cigarra de
Anacreonte? Quem, conhecendo o caracter do illustre escriptor, havia de
suppor que para tanto e tão pouco tivera bondade, modestia, terrores
vagos, receios infundados?!...

A nebulosa, a vaga, a astuta, a matreira, a equivoca--_conversação
preambular_--dera-nos a medida de uma prostituição e de uma infamia;
aquella de um, justificada, até certo ponto, e fertil de fecundos
ensinamentos a futuros escriptores; esta de outro, que, tendo um nome já
grande, carece de um outro nome para ser quanto merece.

_Saturnus exultavit; flevit honor. Saturnus exultavit cum maerore et
luctu_, como sempre.

Um obreiro de menos, uma iniciativa de mais: um successo a meio caminho,
porque a inveja insidiosa o atraiçoou pelos trinta dinheiros da eschola
do interesse proprio!

_Saturnus flevit cum planctu magno_, e desatou a rir debaixo da copa da
sua olaia!

A resignação é uma perpetua lagrima a sorrir-se: resignámo-nos. Estes
desvios de prumo não interrompem a construcção das pilastras de cada
seculo, em que vai assentando a abobeda da civilisação. Houve apenas um
atrazo. Depois os obreiros foram abrindo alicerces, baldeando materiaes,
cimentando paredes, cada um na medida das suas forças, livres de
preceito extranho e official, da correcção pretenciosa de um mestre de
obras do passado, todos amigos, todos innocentes e puros, todos
desinteressados, e o que mais é, nefando crime, todos apostolos do ideal!

Eu, pobre de intelligencia, mas amigo do trabalho, do fundo do meu
retiro, da minha mansão de paz, minguada de tudo, menos de boa-vontade,
estava contemplando com amor, até mesmo com desvanecimento, esta
liberdade de pensar, estas auroras novas, este volitar de ideias, este
grangeio livre de alimentos futuros, este caminhar de cada um a sabor da
propria responsabilidade, sem nem sequer me lembrar da cigarra de
Anacreonte e de que houve outr'ora uma Divindade que comia os proprios
filhos; de subito vejo um membro da commum abandonar a christandade com
a obra debaixo do braço....

Era _Pinheiro Chagas_, que tambem abrira os olhos da alma á luz do
seculo que vai passando; um talento superior, um coração limpo de toda a
mancha, modesto tambem, e tambem fraco, tomado de terrores vagos, de
infundados receios, que dera os ultimos traços no--_Poema da
mocidade_--e receoso que lhe calumniassem a obra os invejosos confrades
da religião nacional, ia ao templo pagão sacrificar o cordeiro da sua
independencia!

Um sacerdote de crenças bem diversas das nossas na indole e na
influencia social acabava de ministrar o sanctissimo sacramento do
baptismo litterario a um nome que não carecia de mendigar calor alheio
para crescer em celebridade e honras bem merecidas!

Cantava a _segunda_ cigarra de Anacreonte na copa da frondosa olaia!

_Saturnus exultavit cum planctu magno._

.........................................................................

Eu que estava neste momento, quando tudo isto se passava, distinguindo á
luz do _bom-senso e do bom-gosto_ o paganismo e a ideia christã, abria
pela primeira vez a traducção dos _Fastos de Ovidio_, e pasmava, pasmava
sinceramente, de ver o hyerophante do seculo estabelecer o confronto do
seductor das sabinas e do casto Filho de Maria!

Eu acabava de concluir na intimidade do meu pensamento, que os grandes
homens tinham jogado as nozes com os rapazes, e que dispensarem-se de
dizer _tolices_ como elles seria falta de logica....

Não obstante eu pedia ainda sobras á vontade para crer, que os talentos
saudosos do passado não negociavam com as suas crenças, quando o vento
do levante, entrando no meu gabinete de trabalho, me desdobrou a
primeira pagina do livro. Estava ahi escripta em lettras negras,
grandes, famosas, uma dedicatoria:

    _Ao incomparavel Duque de Saldanha!_

O sol nascia d'esta vez no meu pacifico retiro: um facho de luz
inundava-me a fronte carregada de pensamentos tenebrosos, e o jubilo
entrava em minha alma!

Mentira!

A opinião publica era a Messalina devassa que se prostituira ainda uma
vez ao erro voluntario de uma calumnia vilã, vendendo uns restos de
honestidade, que nunca ninguem perdeu, ao odio eterno e inclemente das
paixões partidarias.

A opinião publica _indignada_, cujos murmurios escutava com vago terror,
que eu julgava apenas suffocada pela força das _conveniencias_, mas
distinguindo já através das sombras da posteridade um annel de fogo
envolvendo dois astros, que até mesmo no abysmo das miseraveis
vergonhas, a que sub-serviram, tiveram luz para se esconderem as
pustulas dos olhos investigadores da geração, que, cometas funestos,
esterilisaram por um lado, desmoralisaram por outro, instruiram pelo
ultimo; a opinião-publica, que via, que proclamava tudo isto, não era
dominada senão pela odio dos Titães, o odio que tentava escalar os
astros, que na obra do paganismo enlaçaram suas orbitas para maior
gloria do Christianismo!

E todavia era uma infamia!

Eu via, não podia duvidar: um genio coroava outro!

Os pobres de espirito como eu poderiam errar, depositando uma oblata
christã sobre as aras ensanguentadas de Mavorte: os sanctos innocentes
da eschola de Coimbra poderiam ignorar as noções mais vulgares do bem e
do mal, a mais simples regra de honestidade, o mais ostensivo principio
de moral practica e de moral christã; mas a intelligencia, o genio, o
talento, a philosophia, a historia, a luz, a vista de aguia, não, não, e
não podiam ver a infamia, onde só mora a virtude, o ultramontanismo,
onde só mora a liberdade, a reacção, onde repousa a inercia, o templario
politico, onde se aninha a pomba innocente e immaculada, de olhar azul e
candido, magico, sereno, celestial, divino.

E eu, que ás cinco horas da madrugada ia ser um ecco da opinião publica,
e de uma infame calumnia, ás oito sou apenas um bemaventurado!

Eu ia talvez dizer, se o vento do levante me não traz aos olhos
a--_dedicatoria_--que quaesquer que fossem os nomes, que os nomes dos
grandes pretendessem illuminar e impôr aos livres pensadores da eschola
liberal, desciam, baixavam á condição servil dos que procuram diluir o
successo no expediente, justificar a immoralidade e a baixeza da
alienação do seu primeiro direito absoluto com o bom successo do jogo de
fundos litterarios; insinuar talvez, que existia ainda uma litteratura
unica, embora absurda, embora _metaphysica_, embora inintelligivel e
portanto ideal, ou ideal e portanto inintelligivel, embora asnatica,
embora desgraciosa na essencia e na fórma--innocente, casta, pura,
independente, espiritualista, moralisadora antes de tudo e sobre tudo;
que essa litteratura era a que se condemnava pelo talento serio de
Antonio Feliciano de Castilho no--_Poema da mocidade_--litteratura que
se não prostituira nos mercados publicos ao osculo do primeiro Judas
litterario do seculo. Se não existira uma atmosphera, pura e buliçosa,
onde podessemos ainda respirar, ia proclamar bem alto, que a litteratura
de Antheros, de Vieira de Castro, de Theophylo Braga, de todos os
Bragas, de todos os escriptores nobilitados pelo cunho da sua
independencia, de Coimbra, do Porto, de Lisboa, não é o producto liquido
e homogeneo de nenhuma eschola, porque tal não existe em parte
alguma, e menos em Coimbra; que o primeiro estylista do paiz a
classificara assim para practicar uma dupla baixeza, impropria de um
talento raro e serio, de um homem honesto, desambicioso, desinteressado;
diria comtigo, Anthero--«Combatem-se os herejes da eschola de Coimbra
por causa do negro crime de sua dignidade, e do atrevimento de sua
reputação moral, do attentado de sua probidade litteraria, da impudencia
e miseria de serem independentes e pensarem por suas cabeças. E
combatem-se por faltarem ás virtudes de respeito humilde ás vaidades
omnipotentes, de submissão estupida, de baixeza e pequenez moral e
intellectual... Mas é que a eschola de Coimbra commetteu effectivamente
alguma cousa peor de que um crime--commetteu uma grande falta: _quiz
innovar_. Ora, para as litteraturas officiaes, para as reputações
estabelecidas, mais criminoso do que manchar a verdade com a baba dos
sophismas, do que envenenar com o erro as fontes do espirito publico, do
que pensar mal, do que escrever pessimamente, peior do que isto é essa
falta de querer caminhar por si, de _dizer_, e não _repetir_; de
_inventar_, e não de _copiar_. Porque? Porque todos os outros crimes
eram contra as ideias: haveria sempre um perdão para elles. Mas esta
falta era contra as pessoas; e essas taes são imperdoaveis.» Commettendo
sem duvida a esquerda indiscrição de asseverar que aquella dupla baixeza
consistia em envolver ao mesmo tempo tres nomes distinctos, que nunca
lhe pediram ao mestre nem protecção nem arrimo, na mesma damnação do seu
orgulho omnipotente, e presuppôr, armar, construir do alicerce até á
telha uma eschola litteraria em Coimbra, para a atirar á cara da
universidade, que o fez poeta e grande, cerrando-lhe as portas do
magisterio, porque a vida de lente é a cousa mais sinceramente prosaica,
que ainda houve--Affirmaria sem duvida que este odio é negro, é velho, e
ha de ser eterno! Diria que em principios do anno de 1835 a universidade
foi vivamente atacada pelos então chamados--_Institutarios_--que,
contando com as luctas e dissenções dos correligionarios dos dois
partidos extremos, que então se dilaceravam no proprio seio da
universidade, a desprestigiavam e calumniavam a academia d'esses tempos,
servindo-se de uma imprensa corrupta e vendida a um certo frade, que não
achava desgostosa a tisana de lodo que do Tibre lhe mandaram para
beber. Tractava-se nem mais nem menos do que da mudança da universidade
para Lisboa, onde os obreiros, negros na _alma_ e no _habito_, tinham o
seu principal centro de operações, onde seria arma terrivel contra as
instituições liberaes: que a bella e intelligente fronte da estudiosa
adolescente do paiz, vendo que lhe roubavam a liberdade e a honra,
despertara da somnolencia dos que soffrem, porque têm vida, que lhes não
deixam viver, e, acalentada pelos generosissimos e liberalissimos
sentimentos de alguns academicos distinctos, acceitára a luva que se
jogava á universidade: que o jornal, o _Academico_, fôra publicado em
principios do anno de 1835, e dahi até 28 de junho do mesmo anno, em 49
numeros, evidenciára que á litteratura de Coimbra não presta para
baixezas, mas póde e sabe saldar as suas dividas de honra: que todos os
artigos do _Academico_, jornal ao mesmo tempo litterario, scientifico e
politico, d'aquella politica que convém a academicos--a da
imparcialidade--respiravam tanto bom-senso, tanto bom-gosto, e tanta
moderação, que foram elles que semearam no meio do paiz opiniões mais
justas e sensatas sobre a questão universitaria, que a final foi julgada
pelo parlamento do modo mais lisongeiro para a universidade. Perguntaria
depois d'isto ao sabio distincto, ao engenho raro:--Ereis estranho á
seita dos--_Institutarios_--conhecieis-l'os, vistel-os, sabieis-lhes os
nomes, apertastes-lhes as mãos, assentastes-vos com elles á sombra da
copa da vossa olaia a conversar, com razão ou sem ella, «em practica
chã, desenfadada e satisfeita, como é de uso entre lavradores chãos e
abonados depois de uma colheita abençoada»?!--Com a mão sobre a cabeça
respondei, senhor! Eu creio-vos, eu proclamei o dogma da vossa
infallibilidade: vós não podeis errar, enganar, e menos ser enganado!

Se aquella veridica--_dedicatoria_--me não illuminasse o espirito, diria
que em 1854 o conselho de decanos da universidade negára ao illustre
escriptor a sala dos capellos, que sollicitára para ensinar á _eschola_
de Coimbra o methodo de leitura repentina, com bem fundados receios de
que os nossos monarchas, os representantes de setecentos e cincoenta e
quatro annos de cousas serias, ririam até rebentar, o que não era
bonito: que por essa occasião, no salão do Instituto, o auctor do
methodo se dignára manifestar a consideração em que pôz sempre a
universidade: que o ouvi eu, que tenho o orgulho de ser d'aquelles, que
nunca deixaram cobrir da poeira do esquecimento insultos ou perolas que
de maduras cahissem na sua presença de labios sibylinos, ou viperinos:
affirmaria que o sr. Antonio Feliciano de Castilho na sua ultima visita
a Coimbra azedou com a suprema injuria da nenhuma practica que teve com
academicos á sombra da copa da sua olaia, porque nem um só devoto, ao
que me disseram, queimou um só grão de incenso e myrrha ao idolo dos que
por modestia, por bondade, por terror, por imitação, vão mendigar á sua
porta um obulo da graça das multidões, que com razão o admiram nas suas
inimitaveis traducções, nos seus poemas, nas suas imitações, e até mesmo
nas inimitaveis contrafações do seu caracter.

Continuaria a dizer, que a cousa assim é mais commoda e mais decente,
porque é arteira, porque deixa sempre livre á tangente do seu odio por
todos e por tudo o systema matreiro da raposa velha. E diria ainda em
termos mais claros: o Ovidio portuguez, temendo «aventurar a _vida_ por
desempenhar um pontinho de honra propria», preparou e prepara sempre
previdentemente o terreno de vespera, semeia o pomo da discordia em
propriedade alheia, e deixa ao proprietario, agradecido da sua abençoada
lavoura, o cuidado de defender os renovos. Já cançado de _tosquiar_
camêlos, como tão classicamente escreve, assenta-se com razão a
conversar em practica chã, desenfadada e satisfeita, como é de uso de
lavradores depois de uma feia acção, á sombra da copa da sua olaia, e,
reclamando serviço por serviço, entrega a defeza das suas causas e
cousas graves áquelles a quem deu saude e graça para correrem mundo.
Habil piloto, deposita nas mãos dos remeiros, a quem alugou a barca de
passagem, o fardo da sua dignidade, para lh'o levarem a porto de
salvamento. Se o fardo chega avariado, como é mais que provavel, aos
consignatarios da opinião publica--_aqui d'el-rei_--que foram elles que
o deixaram ao tempo! e eil-o a chamar gallego a todo o mundo,
inclusivamente ao mais honrado e independente caracter, que ainda houve
nesta terra--o sr. A. Herculano! No entretanto a cigarra de Anacreonte
vae cantando sobre a copa da proverbial olaia: e o Saturno portuguez,
tomando á sombra d'ella o café confortador, para mais facil digestão
dos tenros cordeirinhos que a cigarra _tosquiou_, e elle comeu para
ficar sosinho no seculo actual como agente, e os bôlos litterarios
nacionaes como pacientes.

Isto sim, que é obra prima, accrescentaria eu, da mais fina
_methaphysica_; isto sim, que é a expressão do mais puro ideal de
refinada pouca-vergonha! É verdade que não aproveita a ninguem, nem á
humanidade actual, nem ás futuras, nem a coevos, nem a vindouros, nem á
Allemanha, nem á França, nem a Turim, nem ao Porto, nem a Lisboa, nem á
infame _eschola_ litteraria de Coimbra, que fazem escala por caminhos de
honra e honestidade, mas aproveita-lhe a elle, ao seu orgulho feroz, mas
ás suas entranhas insaciaveis de tudo, como de gloria, mas ao seu velho
odio sem treguas, sem clemencia, sem repouso, mas á sua suprema soberba
e á sua infinita vaidade.

Elle, o mestre; elle, o poeta da arte; elle, o sabio; elle, a
intelligencia, que com mais felicidade e facilidade tem sabido assoalhar
as abundantes e abençoadas sementes, que por ahi estavam por celleiros
classicos a apodrecer na humidade e no abandono; elle, a mais esplendida
e luxuriosa fórma que tem vestido lettras portuguezas; elle, o
privilegiado do genio; elle, o que devia em fogo inextinguivel de amor e
honestidade alimentar os primeiros attributos da divindade, que allumiam
o destino de cada homem, e de cada sociedade; elle, que devia, e como
poucos podia, bafejar todas as vocações; acompanhar com respeito, com
veneração, com dulcidão d'alma, com candor de coração, toda a _eschola_
nascente, toda a ideia nova e original, ao menos nesta terra; toda a
_utopia_, amiga do bom, do util, do social; todo o esforço dos limpos de
coração, para tornar a humanidade mais ideia, menos argilla; mais
absoluto, menos relativo; mais bem, menos miseria; mais virtude, menos
abjecção; mais amor, menos calculo; mais elevação moral, menos torpeza;
mais religião, menos descrença; mais perdão, menos vindicta; mais
caridade, menos odio; elle, que devia esmagar nos abysmos do coração,
com a mão firme da vontade, os seus resentimentos particulares, e as
reclamações exaggeradas da aspiração da gloria; domar pela sagacidade o
que em todo o homem existe de fera humana, cicatrisar pela braza viva
do seu talento de fogo a ferida do seu peccado original, enfrear o
sentimento da paixão individual, pela superior consideração dos
interesses sociaes de qualquer ordem; este homem, que devia comprehender
que todos os da sua esphera já hoje não podem nascer, sem perigo de
damnação social, para se consumirem no sentimento mesquinho do egoismo e
interesse proprios, senão sim para allumiarem, como o sol, que não cuida
de si, do nascimento ao occaso um hemispherio da sociedade, do occaso ao
nascimento os antipodas do progresso; elle, Castilho, falsifica
ignominiosamente a sua missão no seio da eschola liberal, dá cada dia um
abraço angustioso na ambição, que o domina, attrela-se ao carro da
inveja insidiosa, julga ainda pequenas as lettras de luz do seu nome,
que ninguem já póde apagar-lhe nas memorias do porvir, e chafurda-se
como a serpente do Eden na tremedal da hypocrisia astuta, offerecendo
com palavras ensopadas em ambrosia e nectar o pomo enganador aos
Evangelistas da _Divina palavra_, que hão-de levar com os seus o nome do
_Verbo_ aos quatro cantos do universo e ás christandades por-vir.

A mim rasgava-se-me o coração se tivesse dito tudo isto, convencido de
um erro; se a aragem da madrugada do dia 20 de novembro de 1865,
impregnada do espirito invisivel da verdade, desdobrando aquella
primeira folha da traducção de Ovidio, me não viera evidenciar, que o
nome de um christão póde egualar o de um pagão, por consentimento tacito
do segundo, e acceitação expressa do primeiro.

Mas então a que vim eu?--perguntarás tu, Theophylo Braga, Vieira de Castro.

A dizer-vos, que Anthero do Quental póde e deve confessar que não teria
publicado a pagina decima primeira da sua Carta, se ao concluil-a
abrisse, por desenfado, o _Camões_ de Antonio Feliciano de Castilho, e o
gostasse com todos os cinco sentidos; se, virgulando o que escrevera,
houvesse tempo para ter em mór valia e consideração o seu bom-senso e
bom-gosto, que os seus, aliás justos, resentimentos: não a agradecer-vos
o delicado favor da vossa amisade, que não vem para aqui, ou a
absolver-vos de peccados, que todos commettemos mais ou menos, mas a
descarregar a minha consciencia de um pêso que de ha muito a
mortificava; a asseverar-vos finalmente que, digam o que disserem os
Sanctos Padres, que venero; os canones dos Concilios, que leio; os
decretos e bullas dos pontifices, que em conta de boas bullas terei
sempre; chovam raios e coriscos sobre a triste humanidade; rasgue-se o
véu do templo; sôe embora a trombeta do Juizo Final; resuscitem as
provas de agua e fogo; até morrer, e ainda mesmo a morrer hei-de
exclamar pelas mil boccas da minha fera vontade:

    _É o sol que está parado, é a terra que se move._

Dito isto, vou ler pela centesima vez a lei de 18 de agosto de 1769, a
lei da _Boa-razão_. É fastidiosa, detestavel, pessima para uns certos,
que se acoitam á sombra da arvore do bem e do mal a ruminarem torpezas é
iniquidades; uberrima, recreativa, bonissima para outros que, quando
menos, têm o bom-senso e o bom-gosto de a lerem, e comprehenderem.

No sentido que deixo dito

                                        Vosso

                                  _Elmano da Cunha._





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Carta em resposta a outra bom senso e bom gosto dirigida por Anthero do Quental ao ex.mo sr. A. F. de Castilho o incomparavel tr" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home