Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Historia de um beijo
Author: Escrich, Enrique Pérez
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Historia de um beijo" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



                                XLVII
                               Colecção
                            Horas de Leitura

                          Enrique Perez Escrich

                                HISTORIA

                                  DE UM

                                  BEIJO

                                2.ª Edição

                                   1912
                         GUIMARÃES & C.ª--Editores
                68, Rua do Mundo (Ex. Rua de S. Roque), 70
                                  LISBOA



Historia de um Beijo



COMPOSTO E IMPRESSO NA IMPRENSA DE MANUEL LUCAS TORRES RUA DIARIO DE
NOTICIAS, 93



Colecção Horas de Leitura

_Obras publicadas, a 200 réis o volume_

1 a 4--*Ivanhoé*, de W. Scott, (2.ª edição) 800

5--*O frade negro*, por Clemencia Robert, (2.ª edição) 200

6 e 7--*As Semi-Virgens*, de Marcello Prévost, (3.ª edição illustrada) 400

8--*Werther*, de Goethe, (3.ª edição illustrada) 400

9--*Madame Flirt*, de Jaques Yvel, (2.ª edição) 200

10 a 12--*A Taberna*, de Zola, (2.ª edição) 600

13--*O Vigario de Wakefield*, de Goldsmith, (2.ª edição) 200

14--*A vida aos vinte annos*, de Dumas, filho, (2.ª edição) 200

15--*A agua profunda*, de Bourget, (2.ª edição) 200

16--*O dominó amarello*, de Marcello Prévost, (2.ª edição) 200

17--*Cortezã*, de A Belot, (2.ª edição) 200

18--*O Rosquedo*, de Delfim Guimarães, (2.ª edição) 200

19--*Os Vagabundos*, de Maximo Gorki, (3.ª edição) 200

20--*A escravidão moderna*, de Tolstoi, (2.ª edição) 200

21--*Os degenerados*, de Maximo Gorki, (3.ª edição) 200

22--*A Dama das camelias*, de Dumas, filho, (3.ª edição illustrada) 200

23--*As Virgens*, de G. d'Annunzio, (2.ª edição) 200

24--*Na prisão*, de Maximo Gorki, (2.ª edição) 200

25 e 26--*A Dama das perolas*, de Dumas, filho, 400

27--*Varenka Olessova*, de Maximo Gorki, 200

28--*O jardim dos suplicios*, de Octavio Mirbeau, (2.ª edição) 200

29--*Saudades*, (Menina e Moça) de Bernardim Ribeiro, (2.ª edição) 200

30--*Na Esteppa*, de Maximo Gorki, 200

31--*Nami-ko*, Tokatomi, 200

32--*Um conchego de Solteirão*, Balzac, (2.ª edição) 200

33--*Sapho*, de Daudet, (a sahir 2.ª edição)

34--*Um começo de vida*, de Balzac, 200

35 e 36--*O Paraiso das Damas*, de Zola, (esgotado)

37--*Amor e liberdade*, de Tolstoi, (esgotado)

38--*Casamento de Amor*, de Theuriet, (esgotado)

39 e 40--*Illusões perdidas*, de Balzac, 400

41 e 42--*Esplendores e miserias das cortezãs*, de Balzac, 400

43--*A ultima incarnação de Vautrin*, de Balzac, 200

44--*Mater dolorosa*, de Ernesto Daudet, 200

45--*O Immortal*, de Affonso Daudet, 200

46--*Ares do Minho*, de Delfim Guimarães, 200

47--*Historia d'um beijo*, de E. Perez Escrich, 200

48--*O intruso*, de Gabriel d'Annunzio, (esgotado)

49--*A mulher de 30 annos*, de Balzac, 200

50 e 51--*Germinal*, de Zola, 400

52--*O crime de Silvestre Bonnard*, de Anatolio France, 200

53--*Miseraveis*, (Cañas y barro) de Blasco Ibañez, 200

54--*O Abade Constantino*, de L. Halévy, 200

55--*O Dr. Rameau*, de Jorge Ohnet, 200

56--*Agua corrente*, de Severo Portella, 200

57--*O luxo dos outros*, de Bourget, 200

58--*O tio Goriot*, de Balzac, 200

59 e 60--*A derrocada*, de Zola, 400

61--*O canto do Cysne*, de Tolstoi, 200

62--*Contos*, de G. de Maupassant, 200

63 e 64--*Náná*, de Zola, 400

65--*A Sonata de Kreutzer*, de Tolstoi, 200

66--*O Padre Maldito*, de Silva Pinto, 200

67--*Paulo e Virginia*, de Sain-Pierre, 200

68 e 69--*O Dinheiro*, de Zola, 400

70--*Confissão d'um Amante*, de Prévost, 200

71--*A sepultura de ferro*, de H. Conscience, 200

72--*A musa do departamento*, de Balzac, 200

73 e 74--*A Obra*, de Zola, 400

75--*Genoveva*, de A. de Lamartine, 200

76--*Um filho do povo*, de Escrich, 200

77 e 78--*O crime do padre Mouret*, de Zola, 400

79--*Casamentos fidalgos*, de Feuillet, 200

80--*Amor tragico*, de A. Hermant, 200

81--*A Religiosa*, de Diderot, 200

82 a 84--*Ana Karenine*, de Tolstoi, 600



COLECÇÃO HORAS DE LEITURA

Enrique Perez Escrich

Historia de um Beijo

TRADUCÇÃO DE

A. J. LIONE SOUTELLO

2.ª Edição



1912

GUIMARÃES & C.ª--Editores

68, Rua do Mundo (Ex. Rua de S. Roque), 70

LISBOA



CAPITULO I

Uma chavena de café

    Um beijo é muitas vezes a esmola que faz uma mulher a uns labios
    lisonjeiros; outras um pedaço d'alma que se escapa pela bôcca. No
    primeiro caso o homem é a victima, no segundo é a mulher.


Existem na terra creaturas tão bem organisadas, corações tão generosos,
que não necessitam ser correspondidas para amar com toda a sua alma,
para terem gravada em seu coração uma imagem querida.

Estes entes soffrem com o rosto sereno e choram com o sorriso nos
labios, porque se chora de dois modos: umas vezes deixando correr as
lagrimas, outras recolhendo-se ao coração a queimarem essa bella flôr da
juventude chamada a esperança.

A vida n'estes casos é um desejo infinito que se afoga em pranto porque
se vê a felicidade que se deseja rodeada de uma muralha cheia de
impossiveis. Se pudesse conquistar-se a tiro, conhecer-se-hiam os nomes
de muitos heroes ignorados.

A incerteza, essa anciedade da alma que tem o poder de reduzir e
prolongar o tempo segundo o seu capricho, faz-se sempre sujeita á
poderosa magia de uma syllaba. Um _sim_, resoa docemente no ouvido do
namorado e tem a encantadora poesia do mez de Maio com os seus perfumes,
as suas flôres, e o harmonioso canto das aves; um _não_, tem a aridez do
deserto, a melancholia da desgraça, a solidão da morte.

Vou, pois, contar-lhes uma historia sentida, um gemido do coração.

Vou dar-lhes a conhecer a protogonista do meu livro e supplico-lhes o
perdão para a fraqueza da sua alma: o coquettismo.

Chama-se Amparo, nome cujas seis letras encerram uma promessa de amor
nunca realisada.

Procurarei pintar com as côres da verdade o seu rosto, formoso como um
sonho da adolescencia; a sua fronte radiante como a luz do sol quando
apparece, ao romper do dia, do fundo do mar; os seus olhos claros e
expressivos através dos quaes se lêem todas as impressões da sua alma,
sensivel como as harpas das filhas de Sião que vibram ao menor sopro do
zephiro.

Se os impressionam as scenas terriveis, as grandes catastrophes, as
situações inverosimeis, fechem o meu livro, porque em suas paginas só
acharão a historia de um coração que se partiu em pedaços.

..........................................................................

Ernesto foi para Roma, pensionista do governo hespanhol. Era um rapaz de
25 annos, cheio de vida, de illusões, um genio; muitas vezes nos seus
sonhos de pintor julgava egualar-se a Velasquez, Murillo e todos esses
grandes homens que brilham em primeiro logar na historia da pintura
hespanhola.

Vivia n'uma pequena casa nas immediações da Cidade Eterna, a Deusa da
arte; pensando na gloria, trabalhando sempre, porque Ernesto era um
sonhador infatigavel, o mundo para elle resumia-se nos seus quadros, nos
seus pinceis, na sua paleta.

Nunca amara senão sua mãe, que já tinha morrido, e a gloria, que
desejava alcançar.

Coração impressionavel, mas adormecido, as mulheres eram para elle como
flôres formosas de um jardim.

N'uma palavra, Ernesto ainda não tinha encontrado o seu bello ideal, o
perfume da sua alma.

A mulher formosa, para elle, só era uma bella obra onde o grande
artista, que se chama a natureza, derramara os seus mais preciosos
dotes.

Vejam, pois, como a casualidade lhe proporcionou o meio de pagar de um
modo terrivel o tributo das almas sensiveis, que é o amor.

Como dissémos, Ernesto habitava uma casinha nas proximidades de Roma.

O _atelier_, situado na parte que dava para o jardim, recebia a luz de
duas grandes janellas por onde entravam os caprichos e interessantes
braços de algumas trepadeiras.

Era uma tarde do mez de Maio. Ernesto estava retocando uma figura quando
veiu o creado dizer-lhe que um cavalheiro e uma senhora desejavam
falar-lhe.

--São hespanhoes, disse o criado, e parece-me que o conhecem.

--Hespanhoes? exclamou Ernesto, largando a paleta. Que entrem
immediatamente!

Ernesto dirigiu-se para a porta seguindo o creado, quando ouviu uma voz
que lhe não era desconhecida, dizendo:

--Onde está este mau hespanhol, que é preciso vir a Roma, á Via Appia
para lhe dar um abraço?

--Oh! é o sr. D. Ventura! exclamou o pintor, vendo entrar um sujeito
d'uns 50 annos, dando o braço a uma menina tão formosa como elegante.

--Sim, sou eu, querido pintor, sou eu, o D. Ventura do café Suisso, o
amigo dos artistas, o enthusiasta pela divina arte de Apollo; eu que,
apezar do meu enthusiasmo pela pintura, nunca soube collocar n'um rosto
o nariz no seu verdadeiro lagar. Mas, senta-te, querida Amparo,
senta-te; os homens do talento são sem-cerimonia como aldeãos, e francos
como a verdade--e apoz pequena pausa, continuou:

--Começarei por pedir-lhe duas chavenas de café.

Ernesto deu ao creado as ordens necessarias.

A joven, que se sentara n'uma cadeira d'onde distrahidamente contemplava
os quadros do _atelier_, dispensou um sorriso de cumprimento ao pintor,
deixando vêr uns dentes pequenos como os de uma creança, e brancos como
o miolo do coco.

Tudo o que é bello attrae irresistivelmente os homens de talento.

Ernesto fitou a joven.

Amparo teria 20 annos. O seu rosto de uma graça attrahente, provocadora,
via-se quasi animado por um d'esses sorrisos em que ficamos em duvida se
são a manifestação do coquettismo ou a ternura da alma.

Os seus labios bastante vermelhos e humidos pelo constante roçar dos
dentes, ficavam ás vezes entreabertos como se fossem a exhalar um
suspiro ou a receber um beijo.

Os seus olhos eram grandes e negros como amoras maduras; mas tão
movimentados, tão inquietos, tão cheios de vida, tão promptos em
manifestar as impressões da alma, que tão depressa se viam enlanguescer
com a sombra embriagadora de um amor platonico, como brilhar com todo o
fogo da paixão que conduziu Ovidio a um calabouço e Sapho á morte.

Ernesto estudava dissimuladamente aquella joven que tão profunda
sensação causava na sua alma, virgem das terriveis tempestades do amor;
e, cousa rara, o seu genio de artista, tão depressa encontrava em Amparo
a belleza sensual e provocadora das mulheres de Rubens, como o pudor
candido das virgens de Murillo.

Emquanto a D. Ventura só diremos que era um homem de 50 annos, calvo,
com os poucos cabellos que possuia já grisalhos, um rosto cheio de saude
e alegria; n'uma palavra, uma d'estas physionomias que sorriem sempre,
até quando choram; o typo, emfim do honrado commerciante que conseguiu,
depois de muitos annos de trabalho, reunir um peculio que o livra de
necessidades na velhice.

Amparo era filha unica; fôra educada n'um dos melhores collegios de
Madrid, e possuia um dote de quatro milhões de pesetas para quando
achasse quem a merecesse.

D. Ventura era feliz, revendo-se na filha, nova, formosa, vivaz e
alegre; tocava piano com bastante correcção, cantava regularmente e
pintava quasi com tanta perfeição como o divino Raphael.

Amparo era, por assim dizer, rainha absoluta, e seu pae um ministro
bastante condescendente.

A mulher nova e livre, quando a riqueza lhe permitte emprehender viagens
de recreio durante a estação calmosa, precisa de alguma cousa mais do
que mudar de paiz para distrahir-se; a viagem torna-se fastidiosa se a
alma não toma parte e o coquettismo não esgrime as suas armas, tão
deliciosas como traidoras, para matar o tempo.

Fazer uma conquista sem graves compromissos, sem funestos resultados,
n'um commodo _wagon-lit_; trocar olhares expressivos com qualquer
mancebo pela praia de Biarritz ou no cume das montanhas da Suissa, tem
tantos attractivos para as jovens viajantes!... É tão agradavel ao
coração de uma mulher encontrar a duzentas leguas da patria um patricio
que se torne seu escravo, que esteja disposto a salval-a, a defendel-a e
juncar-lhe de flôres a terra que pisa, que não póde resistir á tentação
de pôr em jogo todas as suas seducções.

Demais, a mulher tem a facilidade de comprehender a impressão que causa
e sabe aproveitar-se d'ella. Quando volta o inverno, quando as primeiras
nuvens do outomno as obriga a recolher aos seus lares, esses ternos
bandos de aves emigradoras, com saias de _piquet_, chapéu de palha e
botas brancas, recordam-se então já ao calor do fogão, de todas as
loucuras, de todas as innocentes concessões feitas ao ar livre e
poetisadas pelo vento da montanha ou pela brisa do mar; e como não ha
mulher que não saiba calcular, como o melhor mathematico, pensa se deve
acabar ou continuar com os amores do verão.

Amparo, pois, encontrou casualmente Ernesto em Roma. Tinha ouvido dizer
que possuia talento; agradaram-lhe alguns quadros que viu no _atelier_,
e não lhe parecendo má a figura do pintor, dirigiu-lhe alguns olhares e
sorrisos, d'esses que no coração de um homem sincero e apaixonado causam
uma terrivel tempestade.

Não pensava a joven que aquelle coquettismo era condemnado pelo
bom-senso. Empregou-o com a mais santa intenção, apezar de começar a
sentir-se aborrecida em Roma, onde andava só com seu pae por toda a
parte. Ernesto, então, foi olhado, como um recurso, como uma distracção.

Quando Amparo sahiu de casa do pintor, ia convicta de que o tinha
captivado.

--Pensará em mim, disse ella, virá vêr-me, falaremos de pintura, de
musica e d'esta fórma aborrecer-me-hei menos.

Amparo ignorava ainda as terriveis consequencias que os seus olhares e
sorriso deviam exercer na alma do artista. Se o soubesse,
indubitavelmente se teria abstido, porque o seu coração era bom,
generoso e tão impressionavel, que se commovia ante a mais ligeira
contrariedade, como a folha do trémulo alamo ante o mais ligeiro sopro
do zephiro.



CAPITULO II

Uma noite no Colyseu


Quando Ernesto ficou só, em vez de pegar na paleta e nos pinceis
approximou-se da janella e ficou pensando na joven hespanhola que
acabava de sahir.

Depois de uma hora de meditação, retirou-se da janella, dizendo para
comsigo:

--Se me encommendassem um quadro onde figurasse alguma das tres
encantadoras filhas de Jupiter e de Eurinome pediria a Amparo para me
servir de modelo.

E, tomado de uma subita inspiração, pegou na paleta e nos pinceis e
começou a pintar, n'um pedaço de tela, uma cabeça, mas com tanta rapidez
que, em vinte minutos, estava completamente esboçada.

Afastou-se um pouco do cavallete para examinar o seu trabalho, e disse:

--Sim, é ella. Tenho boa memoria.

E como não se contentasse com a sua opinião, chamou o creado e
perguntou-lhe:

--Com quem se parece esta cabeça?

--Bravo! Com quem se ha-de parecer? Com a senhora que esteve cá,
respondeu o creado sem vacillar. Não é preciso ser muito esperto para a
reconhecer.

Ernesto tornou a pegar nos pinceis e retocou o seu trabalho.

Duas horas depois tinha terminado um soberbo retrato de Amparo, que o
pintor mais escrupuloso não recearia pôr em exposição.

Tinha promettido a D. Ventura ir no dia seguinte almoçar com elle ao
hotel de Londres na praça de Hespanha, onde estavam hospedados.

Ernesto levantou-se cedo, fez a barba, vestiu-se com mais cuidado do que
de costume, admirando-se de ter gasto tanto tempo ao espelho.

Assim que terminou a sua _toilette_, satisfeito de si mesmo, enrolou a
tela com o retrato de Amparo, embrulhou-a n'um papel e sahiu de casa
dizendo ao creado que tinha o dia livre, visto não voltar senão á noite.

D. Ventura e a filha occupavam dois quartos no primeiro andar do hotel
de Londres.

Quando Ernesto subia a escada ouviu os accordes de um piano. Deteve-se:
tocavam a magnifica symphonia de _Guilherme Tell_.

--Será Amparo? pensou elle.

E vendo um creado no corredor, disse-lhe:

--Qual é o quarto do sr. D. Ventura d'Aguillar?

--O seis: ahi onde estão tocando.

Ernesto não se tinha enganado: era Amparo quem tão magnificamente
interpretava uma das mais bellas composições de Rossini.

Receoso de interromper aquella brilhante corrente de notas que tão
docemente resoavam no coração, esperou junto da porta que terminasse a
symphonia.

Logo que ella acabou bateu á porta.

--Entre, disse D. Ventura.

Entrou. Amparo estava ainda sentada ao piano. Por cima d'este estava um
grande espelho e no limpido crystal Ernesto viu retratado o
encantador rosto de Amparo, que sorria, enviando-lhe um olhar que o
perturbou por um momento.

--Bravo, é um homem de palavra, disse D. Ventura. Ahi está uma qualidade
que não é muito vulgar nos artistas.

--Então não me esperavam?

--Eu esperava, mas o meu pae, não, disse Amparo, fazendo girar o banco
do piano, até ficar voltada para o pintor.

Amparo tinha um vestido tão simples como elegante. O seu cabello negro e
frizado, estava atado com uma fita azul que fazia realçar a brancura do
seu rosto e o tom rosado das faces.

O pintor achou-a muito mais formosa do que no dia anterior.

De bôa-vontade ficaria contemplando o encantador modelo que tinha ante
si; mas isso álêm de inconveniente seria ridiculo.

A donzella, por seu lado, olhava o pintor com o mais seductor dos seus
olhares e enviava-lhe o mais bello dos seus sorrisos.

Comprehendera o que se passava na alma de Ernesto. Só D. Ventura não via
nada. É bem certo o dictado que diz que os paes são todos myopes.

--Que traz ahi, sr. Ernesto? É algum quadro? perguntou Amparo vendo o
rolo que o pintor tinha na mão.

--Como estava distrahido! respondeu Ernesto. Hontem de tarde fiz um
trabalho. É um atrevimento que espero me desculpem.

O pintor desenrolou a tela e apresentou-a, sorrindo-se.

A joven não poude conter um grito de assombro, e D. Ventura pronunciou
uma interjeição.

--Sou eu!

--É a minha filha!

--É um retrato d'esta senhora, e venho offerecel-o como uma recordação
da visita que tiveram a bondade de me fazer.

--São levados da breca estes pintores, exclamou D. Ventura. Como se póde
reter na memoria de uma fórma tão completa as feições de uma pessoa e
passal-as para a tela com tanta verdade?! Porque és tu! Sim, tão
parecida como duas gottas d'agua; muito mais parecida do que uma
photographia.

Ernesto sorriu-se das admirações de D. Ventura. Amparo parecia
agradecer-lhe com um olhar cheio de ternura aquella recordação tão
delicada.

--Pois é a cousa mais facil do mundo, disse o pintor olhando para
Amparo, comprometia-me a fazer outro d'aqui a tres annos sem me esquecer
do menor detalhe do vestido e do penteado que tem n'esta occasião.

--Pegue-lhe na palavra, papá, disse Amparo, e d'aqui a tres annos, se
nos encontrarmos em Madrid havemos de vel-o ficar mal.

--Fica encommendado o retrato. Mas agora parecia-me melhor que nos
servissem o almoço e que pensassemos em que devemos entreter o dia.

--Já visitaram as _vilas_ ou casas de campo dos arredores? perguntou
Ernesto.

--Já visitámos uma... Como se chama a que vimos hontem? perguntou D.
Ventura á filha.

--_Vila Aldobrandini_.

--É magnifica, mas está pouco menos do que abandonada. Deliciosa mansão
se se arranjassem os jardins em fórma de amphitheatro. O Dominiquino
deixou-nos n'essa casa sumptuosa uns quadros inegualaveis. Faz pena
ouvir, no meio de tanto abandono, o cadente murmurio das suas cascatas
que se assimilham á harmonia dos orgãos aquaticos da antiguidade como ao
mesmo tempo vêr as soberbas estatuas e outros objectos de esculptura de
grande merito.

--Com franqueza não a achei grande cousa... como disseste que se
chamava, Amparo?

--_Aldobrandini_, papá. Valha-o Deus, que cabeça a sua!

E Amparo trocou um sorriso com Ernesto.

--Podemos vêr outras que estão melhor conservadas, ajuntou o pintor. Por
exemplo, é digna de visitar-se a _Vila Borghése_ pelo seu grandioso
lago, pelo hypodromo, pelo templo, pelos jardins e, sobretudo, pelo rico
museu de numismatica, e se desejarem visitaremos a _Vila Albani_ e o seu
celebre museu. Os antigos romanos tiveram grande predilecção pelas casas
de campo. Os historiadores d'aquelle tempo contavam cousas fabulosas. Os
poetas, esses sonhadores de todas as epochas, esses pobres loucos que
não tendo um real de seu phantasiam palacios e cascatas brilhantes,
falam com grande entusiasmo das quintas que nos arredores de Roma
possuia Cesar, Lucullo, Marcello, Nero, Pompeu, Salustio e muitos outros
homens celebres; mas hoje não existem mais do que ruinas. A casa de
campo de Mecenas, onde iam Augusto, Virgilio, Horacio, Plocio, Tiscca e
Polion descançar das fadigas de Roma, converteram-se hoje em forja de um
pobre ferreiro. Que ode tão sentimental escreveria o pudico auctor da
_Eneida_ se ressuscitasse ao contemplar as ruinas de Roma.

D. Ventura ouvia Ernesto de bôcca aberta. Tudo isto para elle era grego.
Amparo não deixava de se sorrir. Entre elles começava a existir uma
grande intimidade, a intimidade que produz as sympathias.

--Sabe o que desejo vêr, sr. Ernesto? disse Amparo. É o Colyseu. Li, não
me recordo em que livro, que visto n'uma noite de luar é surprehendente.

--Os viajantes julgam segundo a impressão que os objectos produzem no
seu temperamento. Por isso emquanto uns ao percorrer a Palestina a
descrevem cheia de frondosidade e poesia que a adornava no tempo de
Salomão, outros a classificam de um arido areal, um deserto
insupportavel, pobre, povoado por tribus selvagens e ascorosas, mas o
Colyseu começado por Vespasiano e acabado por Tito, visto, quer á luz do
sol quer á da lua é verdadeiramente admiravel.

--Ainda assim prefiro vel-o de noite, disse Amparo.

--Então aproveitaremos o luar, e hoje mesmo se póde realisar o seu desejo.

--Que dizes a isso, papá?

--Que estou ao teu dispor.

--Fica, pois, combinado para esta noite.

Almoçaram como bons hespanhoes, depressa e sem lhe dar grande
importancia, pois não é a Hespanha a terra dos Lucullos.

Do meio-dia ás 5 horas da tarde visitaram algumas casas de campo dos
arredores de Roma.

D. Ventura estava encantado. Ernesto sabia tudo; era, como vulgarmente
se diz, um livro aberto.

Não encontraram uma pedra, uma columna, um sepulchro do qual o pintor
não soubesse a historia.

Amparo escutava-o com prazer. Encostando-se-lhe familiarmente ao braço
fazia-lhe perguntas, principalmente quando encontrava alguma inscripção
latina.

O dia passou-se agradavelmente para os tres; as horas foram curtas, e os
laços de amisade estreitaram-se duplamente com aquelle agradavel passeio.

Ás seis horas regressaram ao hotel. O jantar já os esperava. Depois
metteram-se n'um trem que os conduziu ao Colyseu.

A noite estava serena; a lua no seu auge, e a sua clara luz banhava as
colossaes ruinas onde em outros tempos oitenta e sete mil espectadores
iam gozar o barbaro espectaculo das luctas humanas.

Então, o povo romano pedia pão e circo, e os imperadores tinham o
cuidado de satisfazer os desejos da terrivel fera que dormia,
lambendo-lhe os pés.

Ernesto levava os dois amigos a um e outro lado, esplicando-lhe com o
mesmo conhecimento que poderia fazer-lhe um _cicerone_ do tempo do
imperador Claudio, descrevendo-lhe ao mesmo tempo aquellas terriveis
luctas, dos adestrados gladiadores, cujo sangue regou com abundancia a
arena do circo.

--Assistiram mulheres a esse barbaro espectaculo? perguntou Amparo.

--Ao principio era-lhes prohibida a entrada, respondeu Ernesto, mas
depois foi auctorisada, reservando-lhes Octavio Augusto as bancadas mais
altas do amphitheatro. Precisamente aqui onde estamos era a tribuna do
imperador, e alli a das vestaes, cujo docel era egual ao do imperador. A
este sitio chamava-se _Spoliarium_, para onde conduziam os cadaveres
dos gladiadores ou os que estavam mortalmente feridos, puxando-os com um
gancho de ferro. Esta obra colossal foi construida no curto espaço de
quatro annos. Tinha setenta portas, sem contar com as entradas
reservadas para o imperador e a sua côrte. As festas da inauguração no
tempo de Flavio Sabino Tito duraram cem dias consecutivos, e n'ella
perderam a vida dois mil gladiadores.

--Parece impossivel que tão sanguinolentos espectaculos agradassem a
mulheres, exclamou Amparo.

--A vida dos feridos, continuou Ernesto, quando caíam banhados de sangue
na arena, ficavam sempre á disposição dos espectadores. O vencedor
collocava a ponta da espada no peito do vencido e esperava que o publico
lhe dissesse; «Mata» ou «Perdôa». Outras vezes o ferido arremessava as
armas e caía ao pé das grades a implorar clemencia. Se os espectadores
levantavam o dedo pollegar, concedia-se-lhe a vida; mas se o viravam
para baixo, então o ferido apresentava o peito ao seu adversario para
que o acabasse de matar.

--Mas perdoavam sempre? disse D. Ventura.

--Algumas vezes. Durante o reinado do infame Caracalla nem uma só vez se
concedeu o indulto aos gladiadores vencidos. O povo romano de então, era
tão feroz como sanguinario, e só gozava com a agonia dos seus
similhantes, pois, como disse o grande poeta inglez Lord Byron, ácêrca
dos costumes do povo, assim apparecem singelas e naturaes as cousas mais
horriveis e sangrentas.

D. Ventura escutava em silencio o narrador, que lhe contava com a
precisão de um bom livro, todas as horriveis scenas que tiveram logar no
Colyseu.

Algumas vezes Amparo, para caminhar com mais segurança por aquellas
sumptuosas ruinas, dava a mão a Ernesto. Aquellas duas mãos apertavam-se
docemente, transmittindo um suave estremecimento.

D. Ventura era um homem de bem, mas um homem todo prosa; e aquillo tudo,
apezar do luar e das descripções historicas de Ernesto, parecia-lhe
um montão de ruinas, uma toca de lagartos.

Comtudo, para não ser _desmancha-prazeres_, dizia de quando em quando:

--Soberbo! Magnifico!

Á meia-noite regressaram ao hotel.

Quando Ernesto se despediu, Amparo disse-lhe, apertando-lhe a mão e
dirigindo-lhe um olhar cheio de doce esperança:

--Passei uma noite deliciosa. Estou certa de que sempre me lembrarei do
Colyseu de Roma.

Para Ernesto aquella despedida foi uma promessa irmã da esperança, essa
bella flôr que perfuma a alma.



CAPITULO III

Sonhos côr-de-rosa


Ernesto teve aquella noite um sonho côr-de-rosa, porque a bella Amparo
foi o anjo do seu sonho.

Os homens de genio e sobretudo os pintores, quando pensam no amor, antes
de amar, criam um typo perfeito como todas as sublimes creações da
imaginação; uma d'essas mulheres de extraordinaria belleza cheia de luz,
sem um _senão_ no moral, sem um defeito no physico, perfeita de corpo e
d'alma: mas quando chega o momento de, ou cançados do celibato, ou para
pagar esse tributo de que poucos se salvam, chamado matrimonio, se
decidem a casar, então já é outra cousa, pois muitas, mesmo muitissimas
vezes a poesia se incarna na prosa, e depois... Satanaz toma parte
activa na symphonia do matrimonio.

O amor é cego, e os homens e as mulheres devem resignar-se a não vêr
bem, precisamente quando deviam ter olhos de lynce.

Ernesto levantou-se alegre e cantando a symphonia de _Guilherme Tell_; e
pensando em Amparo pegou na paleta e poz-se a pintar no seu quadro.

A filha do D. Ventura tinha-se photographado d'uma maneira tão profunda
na sua imaginação, que o pintor achou sem saber como que uma das figuras
do seu quadro tinha grandes parecenças com Amparo. Admirou-se, mas
agradou-lhe ao mesmo tempo.

Ás dez horas largou a paleta, almoçou, e pegando n'uma folha de papel,
poz-se a pintar uma aguarella do Colyseu visto á luz do luar.

--Isto será uma recordação dedicada a Amparo, disse elle. Dir-lhe-hei
que a colloque no seu gabinete para que nunca se esqueça da noite que
representa.

Ernesto esmerou-se marcando com arte e delicadeza todos os detalhes da
aguarella. Collocou n'um ponto conveniente um pintor tirando o _croquis_
do Colyseu, e ao seu lado um cavalheiro e uma joven.

Apezar das figuras terem apenas duas pollegadas, o pintor tinha o maximo
empenho em que ficassem parecidas com os originaes que representavam. A
empreza era difficil; mas por fim, apoz algum trabalho, conseguiu o que
desejava.

Satisfeito com a sua obra e com a alegria do homem que sente na alma os
primeiros perfumes do amor e julga causar uma surpresa agradavel á
provocadora dos seus sonhos, ao cair da tarde dirigiu-se para Roma.

D. Ventura e a filha estavam tomando café. Tinham acabado de jantar.

--Chega a proposito, disse D. Ventura.

--Dou-me por feliz, respondeu Ernesto, cumprimentando a joven.

--Sente-se e tome café comnosco.

--Primeiro que tudo, desejo saber em que consiste a opportunidade da
minha chegada.

--Aborreciamo-nos, disse Amparo, Roma é uma cidade morta; nem sequer tem
theatros.

--Diz muito bem. Roma é um cadaver que todos os annos ressuscita pelo
Carnaval, e vive um mez commettendo as mais excentricas loucuras;
depois torna a cahir na soledade da tumba, até ao anno seguinte.

--Quer dizer que errámos a epocha da nossa viagem, disse D. Ventura.

--Justamente. Mas se a sr.ª D. Amparo quizer ir ao theatro, temos
actualmente um aberto.

--Qual?

--O do Tiano.

--Dizem que não é bonito.

--Sim, mas em compensação representam admiravelmente.

--Sabe, senhor Ernesto, que esta noite tive uma ideia? disse Amparo,
cerrando docemente as palpebras para conservar a luz dos seus formosos
olhos fixos no pintor.

--Estou crente, de que foi uma ideia sublime.

--Vaes ouvir, papá; o senhor Ernesto já disse que a minha ideia era
sublime; agora só necessito que o papá a ache tambem.

--Olha que os artistas são muito aduladores; não te fies n'elles. Mas
vamos, dize qual é a tua ideia.

--Resume-se em deixarmos Roma e irmos passar um mez em Florença; mas com
uma condição: que o senhor Ernesto nos acompanhe como nosso _cicerone_.

--Essa exigencia é uma loucura, filha da pouca experiencia propria da
tua edade, disse D. Ventura. Ernesto está pintando um quadro que tem de
mandar para a proxima exposição de Madrid, em setembro.

--Sim, o senhor Ernesto tem o quadro muito adeantado e d'aqui até
setembro vão ainda quatro mezes, disse rapidamente Amparo, dirigindo ao
pintor um olhar supplicante para que elle annuisse.

--Acceito sem vacillar, disse Ernesto, e dou as minhas razões. Preciso
só de um mez para concluir o meu quadro. E antes de voltar a Hespanha
tinha necessidade de ir a Florença para tirar uns croquis da _Venus de
Médicis_, do _Grupo de Niobe_ e de alguns quadros da escola flammenga
que existem no celebre palacio de Pitti. Quero tambem tirar alguns
_croquis_ da _cathedral de Santa Maria de Fiore_, d'essa memoravel
architectura da qual Miguel Angelo, disse ser impossivel fazer outra
mais bella, pois era digna de servir de frontespicio ao Paraiso, e que o
imperador Carlos V devia pôl-a n'um estojo para melhor a conservar.
Assim pois, tudo se resume em adeantar dois mezes a minha viagem a
Florença. Quando partirem para Hespanha, eu regressarei a Roma para
terminar o meu quadro, e prometto que o verão collocado n'um dos salões
da Exposição no dia 20 de setembro.

Amparo applaudiu, como uma creança que manifesta sem reserva a sua
alegria. A viagem projectada por ella era encantadora. Grande foi o seu
contentamento vendo que era acceite o seu plano, porque nada é tão grato
ao coração de uma mulher joven, como realisar um dos seus sonhos
côr-de-rosa que de vez em quando lhe acariciam a alma.

Na noite anterior deitara-se, pensando no seu poetico passeio ao
Colyseu. Como o somno se mostrasse rebelde, recapitulou na memoria até
as mais pequeninas cousas acontecidas nas celebres ruinas.

Os olhares de Ernesto, os suaves apertos de mão, a lua que banhava,
poetisando, as pardas e as derrubadas galerias do Colyseu, as
descripções historicas que com doce e carinhoso accento narrava Ernesto,
tudo isto formava um conjuncto agradavel ao coração de Amparo.

Amava Ernesto? Nem ella mesmo sabia que responder a esta pergunta que
fez pelo silencio da noite.

O pintor era novo, elegante, bem parecido, com uma educação pouco
vulgar, e pelo menos era-lhe sympathico.

Como ha sempre algum egoismo no coração da mulher, Amparo pensou que
continuar a sua viagem pela Italia acompanhada de Ernesto tinha muito
mais encanto, era mais divertido do que viajar sósinha com o pae.

Amparo não pensou senão em si. Com algum conhecimento mais profundo da
vida material dos artistas, isto é, a prosa do talento, teria pensado
que talvez Ernesto não se encontrasse em condições de emprehender
uma viagem em carruagem de primeira classe, e installar-se n'um hotel de
luxo.

É bem certo que Amparo ignorava o valor do dinheiro: gastava o do pae,
que era rico, sem se preoccupar com o valor que tem um duro[1]
para quem não possue vinte reales.

Por outro lado Ernesto, um verdadeiro artista, sonhava que era um
principe e julgava os seus sonhos uma realidade... Era mais ambicioso de
gloria do que de ouro.

Quando acceitou a projectada viagem por Amparo, sem pensar se o dinheiro
que possuia por sua unica fortuna chegaria para occorrer a todas as
despezas, só pensou na felicidade de viajar com aquella mulher formosa,
por uma terra encantadora, cujo céu azul e o perfume das brisas são o
orgulho das filhas de Toscana, a admiração dos estrangeiros.

Combinada a partida para quatro dias depois, Ernesto apresentou a
aguarella do Colyseu, que arrancou um grito de admiração e muitos
olhares de agradecimento a Amparo.

O pintor regressou a casa já bastante tarde, tão alegre, tão feliz, que
não teria trocado a sua existencia por cousa alguma d'este mundo.

A felicidade está ás vezes em tão pequenas cousas!... O pobre artista
julgava-se amado, e começava a amar com toda a sua alma virgem e
apaixonada.

Quando chegou a casa, pegou n'uma folha de papel para fazer o orçamento
das suas despezas.

--Necessito, disse elle, de quatro mil reales para a viagem. Vejamos
como estou a respeito de fundos.

Ernesto só tinha seiscentos. Era-lhe preciso arranjar dinheiro.

Procurou na memoria os nomes de alguns amigos pintores que como elle
viviam em Roma, mas um sorriso lhe assomou aos labios.

--Todos elles, disse, são tão pobres ou mais do que eu; não devo
expôr-me a uma negativa forçada, que é tão desagradavel a quem a dá como
a quem a recebe. Melhor será sacrificar alguns dos meus quadros. O
senhor Daniel é um judeu, menos judeu que os dez mil que pelo interesse
do commercio o papá consente em Roma. Escrever-lhe-hei.

E pegando na penna escreveu:


                                                _Senhor Daniel Raithany_

«Meu bom amigo

    «Vou emprehender uma viagem a Florença e preciso vender alguns
    quadros. Tenha, pois, a bondade de vir hoje ao meu _atelier_,
    onde o espero até ás quatro horas da tarde.

                                                         Seu amigo,

                                                    _Ernesto Alvarez_.»


O pintor chamou o creado e disse-lhe:

--Amanha, quando te levantares, vaes a Roma entregar esta carta ao sr.
Daniel, negociante de quadros. Mora no bairro dos judeus; já o conheces.

Depois deitou-se para sonhar com Florença e Amparo.

Ernesto achava-se na ditosa edade dos sonhos côr-de-rosa, e viu durante
algumas horas passar pelos olhos da sua illusão um panorama encantador
onde a flôr mais perfumada, mais bella, mais resplandecente, era Amparo
que, olhando-o com languidez, lhe dizia uma e mil vezes mais: «amo-te!
amo-te! amo-te!»

E para que desperta um homem d'estes sonhos encantadores?



CAPITULO IV

O pintor e o judeu


Daniel Raithany era um dos maiores negociantes do bairro judaico. Tinha
em toda a Europa fama de intelligente e honrado, apezar de ninguem
ignorar que vendia caro e comprava barato. Esta qualidade era
descupavel, tratando-se de um negociante judeu; mas, em compensação,
tinha uma grande qualidade, que era que quando um admirador de pintura,
ainda que de Londres, Paris, Vienna, S. Petersburgo, Madrid ou de
qualquer das grandes capitaes da Europa necessitava para a sua galeria
um quadro d'este ou d'aquelle auctor celebre, escrevia-lhe uma carta, e
não olhando a preço tinha o que desejava.

Nunca enganava ninguem, dando uma copia por original. Daniel era
intelligente, e apezar de não saber pintura, tão conhecedor era das
escolas que mais de uma vez, em casos duvidosos, o chamavam como períto.

Todos os pintores eram amigos de Daniel e era tão difficil enganal-o
vendendo-lhe gato por lebre, como vulgarmente se diz, que ninguem
tentava fazel-o.

Dizia-se que o negociante conseguira juntar muitos milhões. Comtudo a
sua loja apresentava sempre o mesmo aspecto modesto, e a sua pessoa
conservava a mesma linha; isto é, usava constantemente uma sobrecasaca
verde com grandes abas, calças e collete preto, uma gravata de velludo,
um chapéu usado, um chapéu de chuva velho debaixo do braço e uma cadeia
d'aço, em cuja extremidade estava preso um modesto relogio de prata.

Daniel era um homem alto, magro e pallido, nariz arqueado, cabello
grisalho, olhos verdes, pequenos o encovados; um d'esses typos vulgares,
mas em quem, olhados com attenção, se encontra bondade e doçura no
semblante.

Ernesto estava pintando. Eram dez horas da manhã quando viu entrar no
_atelier_ o judeu.

Daniel entrou como sempre, sorrindo-se, com o chapéu de chuva debaixo do
braço, e a caixa do rapé que nunca abandonava, na mão esquerda.

--Bons dias, millionario, disse Ernesto, extendendo-lhe a mão. Muito
agradecido pela sua pontualidade.

--Em questão de dinheiro, respondeu Daniel, é preciso sermos pontuaes, e
aproveitarmos o tempo. Por um minuto se póde perder um bom negocio.

--Pelo que se vê o senhor é negociante até á medulla dos ossos. Mas
vamos falar do nosso.

O pintor deixou a paleta e os pinceis, indicou-lhe uma cadeira e
sentou-se n'outra.

--Preciso dinheiro.

--Já o suppunha.

--Por isso lhe pedi que me viesse visitar.

--E eu, conhecendo a impaciencia dos artistas, apressei-me em vir.

--Agradecendo-lhe pela segunda vez, começarei por lhe dizer que dentro
de tres dias parto para Florença.

--Uma viagem de recreio.

--De recreio e estudo. Tenciono tirar alguns _croquis_ da celebre
galeria do palacio de Pitti.

--Bello pensamento!

--E como para ir a Florença é preciso dinheiro e como eu não o tenho, ou
melhor, tenho pouco, quero que me compre alguns quadros. Póde escolher,
exceptuando o que está no cavallete, pois esse é, como sabe, para a
Exposição de Madrid, e póde dizer-se que me não pertence.

Daniel guardou silencio, levantou-se, poz os oculos e começou a passar
revista aos quadros, e estudos que estavam nas paredes.

Ernesto entretanto accendeu um charuto e recostou preguiçosamente a
cabeça no espaldar da cadeira.

Mais de tres quartos de hora durou a revista passada ás telas por
Daniel. Quando estava perfeitamente inteirado, tirou os oculos, com todo
o seu vagar, guardou-os no bolso, e, sentando-se, disse:

--Tem seis quadros de comestiveis, quatro pequenos de costumes
hespanhoes, e dois de flôres. Fico com os doze, pois tenho probabilidade
de os vender a um inglez que me encarregou de comprar alguma cousa
n'este genero, e dou por elles quatrocentos duros.

--É pouco dinheiro.

Daniel encolheu os hombros.

--Não dou mais, respondeu; é impossivel.

--Dou-lh'os por doze mil reales e creia que ainda ganhará uns duzentos
por cento.

--N'estes tempos não é possivel. Desde que a photographia póde offerecer
o _fac-simile_ de uma obra-prima por um franco, a pintura perdeu muito.

--Senhor Daniel, concedo-lhe o direito de regatear o preço de um quadro,
de dizer que é mau sendo bom, mas não lhe consinto que ponha a
photographia a par da pintura. Poderá ter-se uma copia do Ticiano
estampada em um boccado de papel por dois reales, mas não se terá
Ticiano, nem pela photographia se poderá nunca formar uma ideia, ainda
que vaga, do que vale o citado auctor.

Daniel fez um gesto de indifferença, o ajuntou:

--Sabe que tenho em muita consideração os seus trabalhos, e que se não
estivesse tão occupado, o encarregaria de algumas copias, e isso deve
inspirar-lhe confiança para crer que não procuro exploral-o. Quem sabe
se terei quatro ou mais annos armazenados na loja esses doze quadros que
pretendo comprar. E se assim succeder, o senhor bem sabe que dinheiro
vale dinheiro, e isso representa uma grande perda.

Ernesto comprehendeu que o judeu não lhe daria mais, visto conhecer a
necessidade que elle tinha do dinheiro.

Calculou que com a importancia offerecida e o que possuia podia fazer
desafogadamente e até com luxo a viagem e resolveu acceitar o negocio.

--Está fechada a transacção, disse o pintor. Mando-lh'os ainda hoje mesmo.

Daniel tirou a carteira, e d'ella a importancia offerecida em notas do
Banco Romano, e entregou-a ao pintor, dizendo:

--Muito dinheiro podia ganhar!

--Não desejo outra cousa, respondeu Ernesto, pondo o dinheiro sobre a mesa.

--Seriamente?

--O dinheiro é a primeira necessidade do homem n'este valle de lagrimas.

--Então posso offerecer-lhe á volta de Florença algumas notas mais, se
me trouxer algumas copias da escola flammenga e franceza dos originaes
que existem no palacio Pitti.

--Isso depende do tempo.

--A actividade augmenta as horas.

--Não me comprometo, mas farei todo o possivel porque receio que me faça
falta o dinheiro para ir a Hespanha expor o meu quadro.

--Pois já sabe o meio de o obter.

Daniel começou a despendurar os quadros que comprara e ia-os collocando
todos juntos, para que Ernesto ao mandal-os se não esquecesse de algum.

Depois despediu-se do pintor, tornando-lhe a recommendar que trabalhasse
muito.

--O trabalho, senhor Ernesto, é a maior fortuna do homem. Não se esqueça
de que as formigas e as abelhas são muito mais ricas do que as cigarras.

Ha conselhos que só produzem um ligeiro murmurio nos ouvidos de quem os
ouve.

Daniel sahiu. Ernesto chamou o creado.

--Logo levas esses doze quadros a casa do senhor Daniel Raithany,
disse-lhe. Vou fazer uma viagem a Florença. Demoro-me um mez. Podes
dispor de ti como te aprouver, n'esses trinta dias, mas nem uma só noite
deixarás de dormir em casa.

Entregou o dinheiro que julgou sufficiente para o sustento do creado,
mandou que lhe servissem o almoço, e depois sahiu.

Uma vez em Roma comprou alguma roupa para a viagem.

Á tarde foi visitar os seus amigos e jantar com elles.

D. Ventura começava a olhar Ernesto como da familia; é verdade que
quando se encontra um compatriota a algumas centenas de leguas distantes
da mãe patria, sente-se uma alegria tão grande no coração que o tratamos
como se fosse um parente.

A D. Ventura parecia o mais natural do mundo que um rapaz tão bem
educado, tão fino, tão illustrado como Ernesto o acompanhasse na sua
viagem a Florença.

Emquanto a Amparo, não pensou senão em realisar o seu desejo; viajando
com Ernesto, tinha mais encanto a excursão, porque o pintor lhe era
sympathico.

Os olhares, os sorrisos, os apertos de mão, as palavras carinhosas são
impulsos muitas vezes naturaes do coração feminino, e é sem duvida por
isso que não lhes dão nenhuma importancia.

Mas Ernesto pensava de outro modo, e ia reunindo na sua alma simples e
apaixonada, um sem numero de esperanças encantadoras, que eram o seu
maior thesouro, e que deviam tornar-se a sua maior desgraça, porque o
amor quasi sempre é um jogo em que um dos jogadores perde.

Os preparativos de uma viagem em que esperamos gozar e divertirmo-nos
são muito encantadores. Ernesto offereceu a D. Ventura um _Guia do
forasteiro em Florença_, preciosamente illustrado, e a Amparo um
elegante album para desenhos.

--Temos que trabalhar muito, dizia o pintor, e não podemos consentir que
nos importune com perguntas.

--Sim, sim, o senhor Ernesto tem razão; temos que fazer muitos desenhos,
e para que se não aborreça, emquanto trabalhamos, lerá o seu _Guia_
deante das obras d'arte que vamos visitar.

D. Ventura para quem não havia maior felicidade do que a alegria de
Amparo, vendo-a contente e feliz, ria-se com a expansão de um pae que
ama com loucura a filha.

Só uma vez se poz serio vendo crescer aquella sympathia entre Amparo e o
pintor, e disse:

--E a rapariga acaba por se enamorar de Ernesto. Fez algumas reflexões
mentaes e ajuntou:

--Diabo, Ernesto é pobre; minha filha tem quatro milhões de dote no dia
do casamento e mais oito quando eu morrer.

Aqui tornou a deter-se; mordeu o labio inferior como o negociante que
pensa n'um negocio importante, mas rapidamente se lhe alegrou o rosto e
exclamou:

--Se ella o ama e quizer casar com elle, que se case; vale mais ter por
genro um homem como Ernesto, pobre, do que um parvo rico.

Desde aquelle momento, Ernesto podia contar com a protecção do pae.

Chegou o dia da partida. A viagem podia fazer-se de dois modos: em
pequenas jornadas, parando-se para vêr as povoações de alguma
importancia artistica, ou em caminho de ferro.

D. Ventura optou pela ligeireza da locomotiva, e os nossos tres
viajantes, alegres como estudantes em ferias, installaram-se n'um
compartimento de primeira classe. A fortuna favorecia-os: iam sós.
Emquanto foi dia, Amparo e Ernesto passaram a maior parte do tempo á
janella da carruagem, admirando o panorama que se ia desenrolando a seus
olhos.

Os jovens só trocaram algumas palavras em voz baixa; mas os olhos têem
uma linguagem tão expressiva, que dizem tudo, quando se movem
impulsionados por uma alma apaixonada.

D. Ventura lia o livro offerecido pelo pintor, ou dormitava. Quando
chegou a noite, Ernesto bastante timido, apoderou-se de uma das mãos de
Amparo, não menos linda do que a da Laura que inspirou a Petrarcha
quatro sonetos, e disse-lhe:

--Que feliz eu sou!...

Amparo sorriu-se e retirou a mão.

Depois, reclinando a cabeça em um dos cantos da carruagem, cerrou os
olhos, fingindo que dormia.

Assim collocara certa distancia entre si e Ernesto. Amparo, apezar de
nova, tinha mais conhecimento do coração humano do que o seu companheiro
de viagem, e temeu que prolongando a conversação á tenue luz do vagon e
quasi tocando-se os joelhos, fizesse alguma d'essas concessões de que
mais tarde se arrepende a mulher.

Ernesto procurou tambem posição commoda e tentou dormir, mas foi em vão.

Nasceu o dia, e com elle a animação entre os viajantes.

A linha seguia n'aquelle momento o curso do rio Arno. A conversação
renovava-se a cada paragem do comboio. D. Ventura lia o nome das
estações e procurava no _Guia_ a parte interessante da terra.

Em Signa atravessaram o Arno e não demorou muito vêr-se ao longe as
torres elevadas de Florença, os quatro pontos e os quatros bairros.

Ernesto exclamou:

--Alli está Florença, berço do renascimento das artes, patria de Dante,
de Petrarcha, e de Galiléu!



CAPITULO V

O grupo de Niobe


A Florença dos nossos dias é muito differente da que engrandeceram os
Médicis; mas por toda a parte se encontram as pégadas de Cosme o
Virtuoso, chamado o pae da patria, talvez pelo excessivo rigor com que
tratava os filhos.

Indubitavelmente os Médicis foram grandes negociantes. A sua fortuna
fabulosa e a sua honradez ao mesmo tempo, elevou-os á primeira
dignidade da republica florentina.

Mas como em todas as familias ha sempre um judas que vende a sua raça,
succedeu que emquanto Cosme o Virtuoso, chamado pae da patria, mandava
emissarios por todo o mundo em busca de manuscriptos para enriquecer as
bibliothecas, pensionando com luxo artistas, e Lourenço Magnifico sahia
em segredo de Florença e apresentando-se ante Fernando de Napoles, com
quem estava em guerra, dizia-lhe: «_Aqui me tens só e desarmado. Se é a
mim a quem odeias satisfaz a tua vingança com a minha morte, pois ditoso
me julgarei libertando com a minha vida a de tantos valentes, dispostos
a despedaçarem-se pelas nossas rivalidades_», outros Médicis deshonraram
o illustre appellido que tinham herdado de seus nobres antepassados.

Sublime foi o rasgo de abnegação levado a cabo por Lourenço de Médicis,
evitando a corrente de sangue que ameaçava inundar Napoles e Toscana,
apezar de dizer a historia que o papá Sixto IV preferia a guerra,
esquecendo-se de que era um representante de Christo, do Deus da
bondade, do perdão e da tolerancia.

Mas a natureza é variada, e depois dos grandes Médicis da republica
vieram os pequenos ladrões do despotismo.

Chegou Alexandre, verdugo do povo, morto ás mãos do sobrinho, que com
incrivel cynismo lhe perguntou ao enterrar-lhe a espada no peito:
«_Senhor, estaes dormindo?_» Veiu depois Fernando, que morreu d'uma
indigestão de fructa verde, e por ultimo o estupido Cosme III, cuja
esposa Margarida de Orléans, não podendo supportar a repugnancia que lhe
causava o marido, o abandonou, envergonhada de lhe ter pertencido. Para
que a estupidez de Cosme chegasse ao cumulo, dedicou-se em procurar a
mulher pelas côrtes da Europa: mas em toda a parte se riram d'elle,
despedindo-o vergonhosamente como a um ente repugnante.

Deixemos os Médicis á historia, e continuemos a narração interrompida ao
avistar as altas muralhas de Florença.

Na estação, entre os muitos corretores d'hoteis que disputam os
estrangeiros, D. Ventura encontrou-se com um hespanhol que tinha casa de
hospedes, entrou em ajuste com elle, e conduziu-os n'um trem para casa.

D. Ventura alugou todo o rez-do-chão, com o direito de lhe pertencer o
jardim plantado de laranjeiras, limoeiros e grandes acacias.

O rez-do-chão compunha-se de um quarto com janellas para o jardim, uma
sala grande, um quarto de vestir, uma casa de jantar e uma sala. Amparo
installou-se em dois quartos. D. Ventura e Ernesto ficaram com a sala e
outro quarto contiguo á casa de jantar; a sala declarou-se terreno
neutral e todos podiam dispôr d'ella para o que necessitassem. Era o
ponto de reunião dos nossos viajantes.

O senhor Rosales, dono da casa, era um sujeito muito amavel e serviçal.
Disse-lhes que tinha sempre muitos bons hospedes; que o primeiro andar
estava todo alugado ao sr. Conde de Loreto e ao seu velho mordomo; que
no segundo estavam varios portuguezes e que era tão apaixonado das
cousas de Hespanha, que mandava vir grão e chouriço hespanhoes, para que
quando algum hospede quizesse de vez em quando comer rico cosido
madrileno, podel-o servir.

D. Ventura esteve quasi a abraçar o seu hospedeiro, porque como bom
madrileno começava a sentir a falta d'aquelle manjar predilecto.

Emquanto a Amparo acercou-se da janella do gabinete, viu o formoso céu
de Florença, aspirou o perfume das laranjas e dos limões, exclamou:

--Oh! que delicioso cheiro! que bem que ficamos aqui!

A alegria de Amparo reflectia-se no coração de Ernesto.

No primeiro dia entretiveram-se os nossos viajantes em arranjar
itinerario. Ernesto propoz visitar na manhã seguinte o palacio de Médicis.

Em Florença o céu tem sempre luz, doçura, poesia. Os nossos viajantes
levantaram-se, dispostos a emprehender o seu passeio. A manhã não podia
estar melhor, o céu mais azul.

Como não necessitavam de _cicerone_, porque Ernesto conhecia Florença
tão bem como Roma, sahiram em direcção ao celebre palacio de Médicis.

Amparo e Ernesto levaram os seus _carnets_, e D. Ventura o seu _Guia_.

Logo que chegaram ao palacio e entraram nos jardins, Ernesto, depois de
fazer observar aos seus amigos as duas distinctas architecturas do
edificio, a construida na Edade Media e a edificada por Vasari no seculo
XIV, exclamou:

--Quando o viajante passeia por estes vastos jardins, parece que
encontra de menos Lourenço de Médicis, cognominado o Magnifico. Oh!
ditosa epocha aquella em que Lourenço, agarrando o braço de Miguel
Angelo, reprehendia com doçura paternal a indolencia do grande artista,
incitando-o ao trabalho! Ditoso tempo aquelle! Lourenço ria e applaudia
os comicos epigrammas do alegre Pulci, fazendo-o escrever o _Morgante
Maggiore_, o poema heroe-comico mais celebre de Italia, e em que Angelo
Poliano lhe lia os discursos de historia e philosophia.

E mudando de entoação continuou com accento alegre:

--É preciso confessar, meu caro senhor D. Ventura, que hoje os reis, os
potentados da terra se occupam pouco ou nada dos pobres sonhadores, dos
filhos do genio. Então, ante o talento dobravam a fronte os soberanos.
Cosme de Médicis encontrou um manuscripto de Tito Livio, enviou-o a
Fernando de Napoles, com quem estava em guerra, e foi tão grande a
alegria d'este rei, que receando ser ingrato, assignou o tratado de paz
que Cosme solicitava; devendo as mães de Italia a sua tranquillidade e a
vida dos filhos a umas folhas de pergaminho manuscriptas. Hoje, nem
todos os preciosos manuscriptos das bibliothecas romanas decidiriam dos
reis, quando disputam um palmo de terra, a deporem as armas. Mas
entremos na sala que immortalisou o cinzel do filho de Paros.

D. Ventura, que ouvia com satisfação as palavras de Ernesto, exclamou:

--Para que diacho me comprou este livro se aqui não diz nada do que tem
estado a contar?

--Senhor D. Ventura, respondeu o pintor, sorrindo-se, breve chegará a
hora em que lhe seja util. A collecção de camafeus, medalhas e debuxos
compõe-se de vinte e oito mil estudos e _croquis_, feitos pelos mais
celebres pintores italianos, e em chegando ahi, fecho a bôcca e pego no
lapis. É então que o livro falará pelo _cicerone_.

Ernesto conduziu os seus amigos á sala de Niobe e ao chegar deante
d'aquelle grupo que representa a mais sublime epopeia da dôr maternal,
ao deter-se em frente d'aquella mãe, cem vezes mais dolorosa do que a
dos Machabeos, tirou o chapéu com veneração e ficou como que fascinado
ante aquella esculptura, creada pelo magico cinzel de Scopas 478 annos
antes de Christo, para que fosse o pasmo e a admiração das edades futuras.

D. Ventura descobriu-se tambem, apezar de não comprehender o valor de
tão interessante grupo que tinha ante si. Para elle, aquillo era uma mãe
chorando seu filho morto e uma joven ferida que agonisava; para Ernesto
e Amparo, que tinham uma alma mais artistica, mais enthusiastica,
aquelle drama maternal, aquella cabeça sublime modelada, enlouquecida
pela dôr, era uma obra sem rival. Scopas, o _artista da verdade_,
apparecia ante os seus olhos como o gigante da esculptura.

--Que bello grupo!

--Sim, senhora D. Amparo, respondeu Ernesto. Para os que têem a arte em
alguma conta só para vêr esse grupo vale a pena vir a Florença, ainda
que das regiões mais afastadas do universo. Essa scena é tão
sublime, tão dramatica, que os exigentes criticos de Athenas inclinaram
a cabeça com admiração, assombrados de tão grande obra. Na figura da mãe
está toda a alma de Scopas.

D. Ventura, que não compartilhava do enthusiasmo do pintor nem de
Amparo, um pouco enfadado com tantas exclamações, nas quaes não podia
tomar parte por se julgar profano no assumpto, disse, instigado pela
curiosidade:

--Mas o que representa esse grupo que tanto admiram?

--Scopas foi um artista pagão. No seu tempo estava em moda a Mythologia,
e os homens adoravam as deusas e os deuses do Olympo, apezar dos seus
defeitos e fraquezas, disse Ernesto. Pois bem, Niobe era filha de
Tantalo e esposa de Anfior, rei de Tebas, tão presumida da sua
fecundidade, que se queixou amargamente aos deuses vendo que no Olympo
se dava sensivel preferencia sobre ella á deusa Latona, filha de Saturno
e de Febe, mãe de Apollo e Diana, e esposa, segundo se assegura, de
Jupiter. Os deuses irritaram-se da soberba d'aquella pobre mortal que se
atrevia a refutal-o e combinaram um terrivel castigo. Appollo e Diana
feriram com as suas flechas os filhos de Niobe; Jupiter converteu em
pedras os subditos da orgulhosa rainha de Thebas, que queria ser mais do
que uma deusa. Durante nove dias, os filhos de Niobe permaneceram no
solo cobertos de sangue; a agonia foi grande, terrivel, tragica, até ao
grau mais sublime; Niobe, louca de dôr e de amargura, derramando um mar
de lagrimas, arrancando os cabellos de desespero, pedia soccorro com
gritos d'alma, mas os seus vassallos permaneceram immoveis e
indiferentes. Por fim ao decimo dia Jupiter compadeceu-se d'aquella mãe
e julgando-a já sufficientemente castigada, tornou á vida os thebanos,
permittiu que tomassem algum alimento, mandou enterrar os filhos, e
convertendo Niobe em uma rocha, collocou-a no cume d'um solitario monte,
onde chora eternamente a perda dos queridos fructos das suas entranhas,
sendo um monumento de vergonha dos vingativos deuses do Olympo.

Quando Ernesto acabou o conto mythologico D. Ventura, movendo a cabeça
em signal de duvida, disse:

--Mas tudo isso é uma fabula.

--Que deu bastante assumpto, respondeu o pintor, para que Scopas,
deixasse essa sublime e inimitavel esculptura, que é uma verdade
admirada por todas as nações; grupo sublime do qual nos permittirá que
tiremos um rapido _croquis_.

E Ernesto começou a copiar a obra prima do celebre filho de Paros.

D. Ventura encolheu os hombros, e emquanto Amparo e Ernesto desenhavam a
Niobe, entreteve-se a vêr os bustos antigos, as estatuas egypcias, os
sarcophagos e o retrato de Bruto feito por Miguel-Angelo.

O rico commerciante passava com ligeireza por todas aquellas obras de
merito. Para elle não tinham a importancia que lhe attribuiam; e do
fundo do coração dizia que os artistas eram uns pobres loucos que viviam
de illusões, exaggerando tudo.

Ernesto e Amparo entretanto tiravam um desenho do grupo: e tão embebidos
estavam no seu trabalho que não repararam que um rapaz elegantemente
vestido, de correctas feições e maneiras distinctas, se deteve a poucos
passos d'elles, e tomando das mãos de um creado que o seguiu o _carnet_
de desenhos, começou a tirar uma copia da celebre esculptura de Scopas.

Chamava-se Fernando de Villar, Conde de Loreto.

Quando Amparo desviou os olhos do papel onde desenhava viu o conde, e
este cumprimentou-a com um ligeiro movimento de cabeça. Ernesto
cumprimentou-o mas com uma certa frieza que demonstrava o desgosto que
lhe causava a presença d'aquelle homem.

Ao sair da sala de Niobe, D. Ventura disse:

--Viram o conde de Loreto?

--Era o joven que desenhava proximo de nós? perguntou Amparo.

--Sim. Occupa o andar por cima de nós.

E deixando a conversação continuaram visitando o palacio.

O rico museu dos Médicis, contem dezenove galerias.

Não é, pois, nosso intento percorrer minuciosamente estes immensos
arsenaes da arte, detendo-nos ante cada obra-prima que se apresenta aos
avidos olhos do viajante enthusiasta.

Os nossos amigos dedicaram os dias a vêr os museus, as bibliothecas e as
egrejas. Para as noites ou assistiriam aos espectaculos, ou passeariam
nos jardins, aspirando os perfumes.

A segunda noite da sua estada em Florença, Amparo passeava no jardim com
Ernesto, quando lhe chegaram aos ouvidos as melodiosas notas de um orgão
expressivo, tocado com tanto gôsto como mestria. Detiveram-se e ouviram
com a religiosidade dos amantes de musica.

No dia seguinte Amparo perguntou ao senhor Rosales quem tocava o orgão.

--O senhor conde de Loreto. É um grande musico.

Desde então Amparo abriu algumas noites a janella para ouvir o orgão

Um dia D. Ventura deteve-se deante da celebre mula negra do palacio Pitti.

--Isto será um capricho de algum celebre esculptor? perguntou.

--Isto é a vergonha de um nobre tão ingrato como parvo, respondeu Ernesto.

--Temos outra historia como a da Niobe?

--Não, esta é historica e vergonhosa para o auctor. Luc Pitti foi um
homem cuja riqueza e liberdades lhe tinham grangeado a estima dos seus
concidadãos e a aura da popularidade. Pitti quiz luctar em magnificencia
com Cosme de Médicis, e começou a construir um palacio, que é este em
que nos achamos; mas bem depressa se viu arruinado, e a obra teve que
suspender-se. O povo sempre generoso e agradecido com os que d'elle
se recordavam e os Médicis, protectores da arte, vieram em ajuda do
soberbo Pitti, publicou-se um decreto concedendo o perdão a todos os
criminosos e malfeitores que viessem trabalhar no palacio de Luc. O povo
correu em tropel a trabalhar nas obras: todos os condemnados de Italia
vieram tambem. O palacio acabou-se com o suor dos pobres; mas Pitti tão
nescio como ingrato, fez construir essa mula gravando-lhe no pedestal um
distico latino para sua eterna vergonha, pois prova-nos a sua
inqualificavel ingratidão, porque a mula representa o povo e o distico
diz: «_Esta azemola trabalhou e conduziu tudo; pedras, marmores,
madeiras e columnas._»

Outra tarde Ernesto conduziu os seus amigos á egreja de São Giovanni,
fazendo-lhes admirar os quadros de Andrea del Sarto, tão miseravelmente
retribuido pelos frades, e ante a inimitavel _Virgem do Sacco_, por cuja
obra, que admira o orbe, pagaram-lhe com um sacco de trigo os irmãos
servitas da Annunciada, abusando da pobreza do artista, que se vingou,
pondo o mundo por testemunha da sua humilhação dando á sua obra o nome
de _Virgem do Sacco_.

Visitaram tambem os sepulchros dos poetas e dos grandes artistas. Junto
ao de Dante Alighieri, onde chora a poesia e medita a estatua de
Florença, Amparo e Ernesto recordaram Beatriz e os seus interessantes
amores.

Assim se passavam os dias, crescendo nas almas dos dois jovens esse
preludio do amor que se chama sympathia.

Mas deixemos a luz d'esse esplendoroso sol de Floreça, para gosar dos
poeticos raios da lua. A noite tem tambem os seus attractivos.



CAPITULO VI

Um beijo


Os nossos viajantes foram varias vezes aos theatros mais importantes de
Florença; ao de _Pergola_ que comporta duas mil e quinhentas pessoas,
que tem cinco ordens e cento e dez camarotes, ao de _Los Intrepidos_ e
ao de _Alfieri_.

O tempo passava-se sem se sentir.

D. Ventura disse uma manhã:

--É preciso pensar na nossa volta para Hespanha, e contando que sempre
nos demoraremos quinze dias em Paris, não temos muito tempo para
permanecer em Florença.

Isto foi um grito de alarme para Ernesto. Era tão feliz ao lado de Amparo!

Os vinte cinco dias passados em Florença tiveram para elle a duração de
um minuto. Milhares de vezes durante esse periodo esteve a ponto de lhe
assomar aos labios o segredo que se lhe occultava no coração.

O receio detinha-o. Amava Amparo com tão firme, tão pura paixão, que o
medo de um desengano lhe emmudecia a bôcca.

Uma tarde D. Ventura sahiu para receber uma lettra. Amparo, sentada
proximo da janella, entretinha-se em colleccionar e guardar um grande
numero de desenhos, feitos pelo seu companheiro, das bellezas artisticas
que juntos tinham admirado.

Ernesto entrou no gabinete. Amparo extendeu-lhe a mão sorrindo-se:

--Bem vê, senhor Ernesto, que como a nossa partida se approxima,
occupo-me em colleccionar convenientemente estes preciosos desenhos, que
conservarei toda a minha vida, pois encerram a historia d'esta
viagem encantadora, viagem que, como todas as cousas terrestres, tem que
acabar em breve.

Ernesto julgou ouvir sair um debil suspiro dos labios de Amparo. O seu
coração bateu com violencia, fez-se pallido e como receasse que as
forças o abandonassem, sentou-se n'uma cadeira ao lado da joven.

--Para que a vi em Roma?!

Esta exclamação que se lhe escapou do coração fez estremecer Amparo; mas
serenando immediatamente disse:

--Tem pena que a casualidade nos tivesse feito amigos?

Ernesto deixou cair a cabeça sobre o peito. A sympathica physionomia do
pintor tinha n'aquelle momento a expressão da mais profunda tristeza.

Amparo compadeceu-se d'aquelle amante respeitoso que se não atrevia a
declarar-lhe o seu amor.

A compaixão, essa bella e delicada qualidade da alma da mulher,
apoderou-se do coração da joven, e com uma doçura infinita, perguntou:

--Mas, meu Deus. O que tem, Ernesto? Nunca mais nos tornaremos a vêr?

Ernesto, que sentia penetrar no fundo do seu coração a doce voz de
Amparo, levantou a cabeça, fixou n'ella um amoroso olhar, e disse:

--Irei a Madrid antes do fim de setembro; mas durante esses tres mezes
que faltam, a minha alma viverá em eterna solidão, rodeada de triste
melancholia porque vae partir, e eu amo-a como um louco.

Amparo córou. As suas formosas faces cobriram-se d'esse encantador
carmim que tão bem assenta ás jovens e que tanto arrebatam e enlouquecem
os homens.

--Sim, para que occultar-lh'o por mais tempo? continuou Ernesto. Deve
tel-o comprehendido. Se os meus labios ainda lh'o não disseram, os meus
olhos têem-lh'o confessado infinitas vezes. Quando se ama pela primeira
vez, com a vehemencia filha de um amor tão firme como verdadeiro, é
trabalho em vão dissimulal-o. Os olhos revelam o sentimento da alma e
atraiçoam-nos. Não é verdade, Amparo, que já tinha adivinhado que eu
desde Roma a amava com toda a minha alma? Oh! isto certamente não era
segredo para si.

Amparo suspirou. Os seus olhos bellos, cheios de melancholica expressão,
fixaram-se com certo receio no joven, e com voz tremula e doce, respondeu:

--Sim, Ernesto, adivinhei-o e, não obstante, fui a causadora d'esta
viagem. Se em Roma nos tivessemos separado, talvez que a estas horas já
não pensasse em mim.

--Não pensar em si! Isso para mim é tão impossivel como seria a Tasso
não pensar em Leonor, a Raphael esquecer a Fornarina, cujo retrato
contemplámos os dois de mãos dadas em Roma, e cuja copia admirámos
tambem em Florença. Para certos homens é um passa-tempo, uma nuvem de
verão carregada de mais ou menos electricidade, mas que passa e que
rapidamente desapparece; para outros, o amor é a vida, é a luz, é o ar
que dá vida, força á imaginação, alegria á alma, porque o amor é para
elle a unica luz que lhe embelleza tudo; tirando-lhe esse amor, ficam
rodeados das mais profundas trevas e morrem de tristeza.

Ernesto ia continuar quando se ouviu a voz de D. Ventura, que falava na
sala anterior com o senhor Rosales.

--Por Deus, Ernesto, disse Amparo com voz supplicante, que meu pae não
suspeite nada!

--Esteja descançada, Amparo. Não receie que a importune; para amar não é
preciso ser correspondido. Esta noite estarei á meia-noite no
caramanchão do jardim. Espero-a até que amanheça: se vier, a bella flôr
da esperança renascerá na minha alma, perfumando a minha existencia, se
não vier, ámanhã, com qualquer pretexto, partirei para Roma e não nos
tornaremos a vêr.

Amparo guardou silencio. Ernesto poz-se a arranjar os desenhos,
procurando dissimular a sua commoção.

Quando entraram Rosales e D. Ventura, os dois jovens occupados com os
desenhos, não inspiraram a menor suspeita ao honrado commerciante.

--Fazem muito bem em dispor tudo, disse D. Ventura. Entre quatro ou
cinco dias tomaremos o caminho de França.

--Com que então decididamente partimos, papá? perguntou Amparo.

--Filha, ha cêrca de tres mezes que sahimos da nossa casa, é preciso
voltarmos a ella.

--Em verdade, senhor D. Ventura, que esta viagem tem um tanto de
traiçoeira, respondeu Ernesto esforçando por rir-se. Emfim, brevemente
nos veremos em Madrid.

--Diga que é a melhor terra do mundo.

--Assim a reputo.

--Creio que hoje não temos nada que fazer, proseguiu D. Ventura.

--Esta noite, se quizerem, iremos ao theatro. Estreia-se uma opera em
Pergala.

--Não, estou muito cançado, e esta noite quero-me deitar cedo; mas se
quizer não se prenda por nossa causa.

--Convem-me ficar em casa. Temos que aperfeiçoar alguns desenhos,
tirados tanto á pressa, que apenas são quatro traços. Tambem fico em casa.

--Ah! esquecia-me dizer-te que estive falando com o visinho do primeiro
andar.

--Com o conde de Loreto?

--Sim.

--Dizem que é um sujeito que deu muitos desgostos á mãe... disse Amparo.

--Em Madrid está sempre em ordem do dia a mexeriquice: O conde de Loreto
é um rapaz como muitos outros, que se divertem quanto podem, porque teve
a sorte de herdar dos paes uma grande fortuna. Imagina que esse rapaz
tem agora 28 annos, possue uma fortuna de quinze milhões. Demais, dizem
que é muito instruido. O nosso hospedeiro não se cança de o gabar.

--É um bom hospede, disse Amparo, sorrindo-se.

Ernesto não tomava parte na conversa: desagradava-lhe ouvir elogios do
conde.

Mas deixemos correr as horas, e com a rapidez do pensamento
transportemo-nos ao jardim da casa que occupavam os nossos conhecidos.

Os relogios de Florença acabam de dar as onze e tres quartos, quando
Ernesto saltou da janella para o jardim dirigindo-se para o caramanchão,
coberto de madresilva, lupulo e hera.

Dentro do caramanchão haviam quatro bancos e uma mesa. Ernesto sentou-se
n'um disposto a esperar toda a noite como tinha dito a Amparo.

A lua estava em quarto minguante, o céu limpido e de um azul escuro
carregado onde as estrellas brilham de uma maneira extraordinaria.

A brisa nocturna roubava a essencia perfumada das flôres, e, sempre
prodiga, espargia pelo ambiente como se tivesse envergonhado d'aquella
usurpação.

N'um relogio de torre soou a meia-noite.

Ernesto levantou a cabeça, poz-se de pé e foi pôr-se em uma das entradas
do caramanchão. O coração dizia-lhe que Amparo vinha.

A noite é em todos os paizes a protectora carinhosa dos namorados,
porque o amor, vulgarmente timido á luz do sol, cobra valor e energia
antes esses tibios reflexos que a lua envia do céu.

Ernesto, de pé junto da entrada do caramanchão, com uma das mãos sobre o
coração e a outra languidamente caída, dirigia olhares cheios de
inquietação para o silencioso edificio d'onde devia vir a sua
felicidade, a sua dita, o anjo dos seus sonhos.

Passou-se um quarto de hora. Amparo não vinha, e os segundos passavam
com um vagar, com uma monotonia aborrecedora para Ernesto.

Por fim os labios entreabriram-se-lhe, sem duvida para dar um grito de
prazer, mas conteve-se. Vira desenhar-se entre as sombras das arvores a
encantadora silhueta de um corpo para elle conhecido, e em seguida
uns passos se ouviram na areia das ruas que conduziam ao caramanchão, e
o ligeiro _frou-frou_ de um vestido que se approximava.

Ernesto sahiu ao encontro de Amparo, porque era ella; pegou-lhe n'uma
mão e conduziu-a até ao caramanchão.

A joven tremia; estava nervosa e pallida.

Ernesto sentou-a n'um dos bancos procurando tranquilisal-a.

--Obrigado, Amparo, obrigado por tanta bondade. Tranquilise-se, os
homens honrados que amam como eu, sabem respeitar o objecto do seu amor.

--Ernesto, respondeu a joven, commetti uma imprudencia. Nunca devia ter
vindo.

--Tão pouca confiança lhe inspiro?

--Sim, muita, meu amigo, muita; de contrario não teria vindo. Mas sou
franca, não pude resistir, porque as ultimas palavras que me disse esta
tarde pareciam recriminar-me. Bem vê: aqui estou, apezar de tudo. Tive
um susto terrivel. Para vir ao jardim era preciso passar pelo quarto de
meu pae; receei despertal-o. E sabe o que fiz? Pois bem, vou-lhe dizer:
saltei pela janella. Nem eu mesmo posso explicar como tive coragem para
tanto: tratava-se de me despedir de um amigo bom e leal, e não tive
animo para faltar.

Ernesto tinha entre as suas as mãos de Amparo, que apertava docemente,
escutando ao mesmo tempo aquella voz encantadora que tão suavemente lhe
vibrava no coração.

Nunca experimentára um prazer tão completo, uma felicidade tão ineffavel.

O perfume das flôres, o aroma da madresilva que se espalhava n'aquelle
recinto; a luz tibia da lua, que penetrava no caramanchão pelos
intervallos das folhas; aquella mulher, bella como o mais perfeito e
encantador sonho da sua alma de artista, tudo contribuia para que
Ernesto se julgasse arrebatado da terra pelos anjos e transportado a
esse paraizo de amor que tanto embriaga as pobres creaturas.

--Ha momentos de felicidade, exclamou Ernesto, que nunca deviam acabar.
Se ao homem fosse dado escolher o momento da sua morte sem passar por
suicida, eu escolheria este.

--Está louco, Ernesto?

--Quem sabe! Talvez. O amor não é outra cousa senão uma loucura sublime
que conduziu Raphael aos pés de uma moleira, Tasso a uma prisão e Ovidio
a uma masmorra. A historia conta-nos tantas loucuras de amor, que seriam
necessarios muitos volumes para a descrever. Mas, feliz o que ama e é
correspondido! Ditoso o que ao dar metade da sua alma, recebe em troca
outra metade que lhe envia um peito agradecido em mutua correspondencia.

Amparo suspirou em silencio. Ernesto, julgando que esse suspiro era uma
confissão, levou aos labios a mão da donzella, imprimindo n'ella um beijo.

Amparo estremeceu sem retirar a mão.

Esta condescendencia animou o pintor.

--Vamo-nos separar, Amparo; não nos veremos durante tres mezes;
necessito ouvir antes uma palavra que inunde de felicidade o meu peito,
que deposite o perfume da esperança em meu coração. Tambem me ama?

--Ernesto, Ernesto, tudo isto me parece uma loucura, respondeu
debilmente Amparo.

--Não, não é essa a resposta que desejo, é outra, meu anjo. Ama-me, sim
ou não?

--Pois bem, sim. Ha muito que o devia saber; desde a noite do Colyseu de
Roma.

Ernesto não poude conter um grito de immensa felicidade, e enlaçando com
o braço a cintura da donzella exclamou:

--Juro pelas cinzas de minha mãe amar-te emquanto viva, e conquistar um
nome tão glorioso que te sintas orgulhosa chamando-te minha.

Este juramento, esta exclamação, brotaram de uma alma de artista, cheia
de fé, de enthusiasmo, de amor.

Amparo assim o comprehendeu, e, agradecida por tão grande paixão,
achava-se n'um d'esses momentos de fraqueza em que a mulher não tem
forças para resistir, momentos perigosos, dos quaes só se aproveita o
homem para satisfazer um desejo, causando a infelicidade d'aquella a
quem jura um amor eterno e por quem n'esse instante faz os maiores
sacrificios.

Mas Amparo rapidamente serenou; conheceu que era uma imprudencia
permanecer á beira de tão grande precipicio, e ainda que Ernesto lhe
inspirasse absoluta confiança, como elle mesmo acabava de dizer, amor
não é outra cousa senão uma loucura sublime; por isso poz-se de pé e disse:

--Separemo-nos, Ernesto, estou desassocegada e por enquanto convêm que o
nosso amor seja um segredo.

--Já? disse o pintor, tornando a cingil-a pela cintura. Pensa, querida,
que em poucos dias nos vamos separar.

--Ámanhã nos tornaremos a vêr aqui, se eu puder vir; mas hoje... hoje
não devo ficar mais tempo.

--Pois bem, sim, separemo-nos, não quero que estejas inquieta; sou
demasiado feliz para te desgostar; mas se te inspiro confiança, se
queres que seja esta a noite mais bella da minha vida, permitte-me que
selle com um beijo a mutua promessa que acabamos de fazer.

--Meu Deus, Ernesto, por compaixão! Ah! Para que vim?

O pintor estreitou docemente o desfallecido corpo de Amparo de encontro
ao seu. Aquellas duas cabeças jovens, apaixonadas, uniram-se; aquellas
duas boccas tocaram-se e o doce som de dois beijos confundidos n'um
fugiu nas azas da brisa nocturna.

Pobre Ernesto! Elle tinha dado toda a sua alma n'aquelle beijo, emquanto
que Amparo só lhe tinha feito uma esmola como paga de agradecimento que
a sua deferencia para com ella inspirava.

Amparo desprendeu-se dos braços de Ernesto, sahindo rapidamente do
caramanchão.

Ernesto deixou-se cahir n'um dos bancos, murmurando em voz baixa:

--Meu Deus! Esta felicidade que sinto é demasiadamente grande para que
seja duradoura!



CAPITULO VII

Separação


No dia seguinte quando Ernesto appareceu no quarto de D. Ventura, este
disse-lhe:

--Que pallido que está? Que é isso? Não se sente bem? São más as aguas
de Florença?

--Pallido? respondeu Ernesto. Estou como sempre, estou bom.

--Não, não, está com muito má côr. Não achas, Amparo?

--Acho-o na mesma, papá, respondeu Amparo de um modo natural.

--Seja como fôr, disse Ernesto sorrindo-se, não pensemos n'isso e
tratemos de aproveitar o tempo que nos resta.

D. Ventura, que não tinha vontade propria, pegou no Guia, Ernesto e
Amparo nos seus _carnets_ de desenho e sahiram de casa com a incançavel
curiosidade dos viajantes.

..........................................................................
..........................................................................

N'aquella noite foram ao theatro de _Alfiere_, onde se representava _O
pae de familia_, do celebre poeta cómico Carlos Goldoni, a quem chamavam
o _Molière italiano_.

Ao começar o primeiro acto abriu-se o camarote fronteiro ao dos
nossos amigos e entrou um joven vestido de rigoroso luto.

--Olhem, disse D. Ventura. É o nosso visinho do primeiro andar, o conde
de Loreto.

Amparo dirigiu o olhar machinalmente até ao camarote.

Ernesto, como sempre, ao ouvir pronunciar aquelle nome sentiu uma vaga
inquietação.

O conde de Loreto teria vinte e oito annos. Era alto; não podiam vêr-se
com facilidade as suas feições, mas de longe parecia muito pallido,
elegante e sympathico. Era um d'esses typos distinctos que fazem com que
se fixe n'elles a attenção. Como o panno acabára de levantar, o conde
sentou-se. Durante o acto esteve ouvindo com grande attenção. Ao acabar
sahiu do camarote para não tornar.

A mais de metade do terceiro acto, D. Ventura que parecia gosar falando
do seu visinho, disse:

--Que homem tão extraordinario!

--Quem? perguntou a filha.

--O conde de Loreto. Durante o primeiro acto, nem pestanejou, ouvindo
com attenção os versos de Goldoni, e durante o segundo e terceiro não
tornou a entrar, mostrando a indifferença irritante dos nossos elegantes
de Madrid em noite de estreia.

Amparo nada respondeu. Ernesto guardou silencio.

Depois da comedia representava-se uma d'essas farças em um acto que
tanto agrada aos italianos em que toma parte a figura de Polichinello;
farças vulgarmente improvisadas pelos actores que as representam.

Como D. Ventura era um bom hespanhol, não sabia passar sem o cigarro, e
sahiu do camarote para satisfazer o innocente vicio.

Ernesto e Amparo ficaram sós.

Durante alguns segundos ficaram silenciosos; ella parecia preoccupada,
elle triste.

Por fim Ernesto rompeu o silencio.

--Que tem, Amparo? Noto nos seus formosos olhos uma melancholia que me
entristece.

--Penso que em breve nos vamos separar.

--Ah! sim! É verdade! Mas esta noite...

--Não, Ernesto, não; esta noite não vou ao jardim, receio que meu pae
saiba.

--Pois bem, não quero ser exigente; não sáias, mas ao menos abre-me a
janella para que possa vêr o luar sem testemunhas importunas; que possa
dizer-te no silencio da noite o que sente o meu coração.

--Ámanhã, Ernesto, ámanhã, prometto-te abrir a janella para me despedir
de ti; hoje sinto-me mal; necessito descançar.

--Mas é uma crueldade roubar-me uma noite quando tão poucas nos restam.

Amparo fixou os seus olhos no pintor, e compadecida da triste e
apaixonada expressão de Ernesto, disse:

--Bem, abrirei.

Ernesto fez um movimento como para se apoderar de uma mão da Amparo, mas
esta conteve-o com o olhar, exclamando:

--Que vae fazer? Que imprudencia!

Ernesto conteve-se, e só então se recordou que se achava no theatro.

Durante a farça, D. Ventura riu-se muito. Ao acabar dirigiram-se para casa.

Á uma da madrugada, Ernesto estava junto á janella do quarto de Amparo.
Chamou suavemente. A janella abriu-se. Amparo apagara a luz; assomou á
janella e começaram um d'esses dialogos, doces, apaixonados, cheios de
encantadoras trivialidades, que só têem valor aos ouvidos dos namorados.

Quando eram tres horas. Amparo disse:

--Separemo-nos já, Ernesto.

--Bem, separemo-nos, mas dá-me outro beijo de despedida.

Amparo inclinou a cabeça e como na noite anterior, duas boccas se
juntaram, e um beijo cheio de amorosa ternura interrompeu o silencio da
noite.

Ernesto e Amparo, durante aquellas duas horas de amoroso colloquio,
fizeram mil promessas de amor e fidelidade.

--Não me esqueças nunca, disse o pintor; pensa sempre em mim.

Amparo tirou uma fita de seda com que prendia os cabellos e deu-a a
Ernesto.

--Esta fita será a que une os nossos corações. Pega, conserva-a.

Ernesto cobriu de beijos aquella fita, que jurou conservar toda a sua
vida como uma recordação de tão feliz noite.

Quando o pintor entrou no seu quarto, pegou na penna e escreveu na fita:
«_Florença, 2 de Julho de 186..._».

Depois deitou-se, e não demorou muito em gosar um d'esses sonhos de que
não quizera despertar.

..........................................................................
..........................................................................

Dois dias depois, Amparo, seu pae e Ernesto entravam na sala de espera
da estação. O comboio estava preparado para partir; faltavam alguns
minutos para se pôr em andamento.

O pintor esforçava-se por se mostrar satisfeito, mas uma enorme tristeza
lhe opprimia o coração.

Nunca Amparo lhe parecera tão bella como n'aquella occasião, mas era
preciso resignar-se á separação.

Os olhares furtivos que ella lhe dirigia pareciam dizer-lhe:

--Confia e espera. Em breve nos tornaremos a juntar.

Rapidamente D. Ventura pôz a sua mala de mão sobre um banco da estação e
disse:

--Oh! Aquelle não é o conde de Loreto?

Ernesto e Amparo voltaram-se.

Effectivamente, o conde estava sentado a um canto com um livro na mão, e
falando em voz baixa com um velho de cabellos brancos, gravata branca e
sobrecasaca preta que o ouvia em respeitosa attitude.

O velho era um d'esses typos proprios para mordomo de casa rica; de
parecer carregado, severo e completamente barbeado.

O conde de Loreto parecia dar-lhe algumas ordens; o velho cumprimentou e
sahiu do salão e foi para o local destinado aos despachos na estação.

Ernesto poude vêr então perfeitamente aquelle rapaz, que parecia
seguil-o como uma sombra.

Era, em verdade, bello e distincto, notando-se-lhe na pallida e
sympathica physionomia uma profunda melancholia que interessava.

A julgar pelo traje, o conde ia emprehender alguma viagem.

--Irá para Paris, tambem? pensou Ernesto, sentindo-se inquieto, mau
grado seu, ante o conde de Loreto.

A sineta deu o signal. Os passageiros dirigiram-se para a gare afim de
escolherem logares.

D. Ventura, que caminhava á frente, deteve-se junto de um compartimento
de primeira classe, e disse:

--Aqui.

E subiu adeante para dar a mão a Amparo.

N'um canto do compartimento e sobre um banco estava uma mala de viagem;
no da frente o velho que pouco antes estivera falando com o conde de
Loreto.

Era por acaso ou propositadamente a escolha de D. Ventura? Quem sabe?
Talvez que o honrado commerciante, vendo n'um compartimento de primeira
classe o mordomo do conde de Loreto, escolhesse aquella carruagem com o
firme proposito de viajar com um compatriota de sangue azul, ou talvez
não reparasse senão depois no silencioso e sympathico ancião.

Mas a escolha causou um profundo desgosto a Ernesto, que pela primeira
vez sentiu no peito a terrivel punhalada do ciume.

O pintor apertou a mão do commerciante e depois a de Amparo,
enviando-lhe toda a sua alma n'um olhar.

--Até setembro, lhe disse.

N'aquelle momento ouviu-se uma voz varonil, mas doce e respeitosa, que
disse em castelhano:

--Dá-me licença, cavalheiro?

Ernesto deixou-o passar. O conde de Loreto cumprimentou e subiu para a
carruagem, indo sentar-se em frente do seu mordomo.

Apitou a locomotiva, e começou o comboio a mover-se e a sahir
pausadamente da estação.

Amparo e D. Ventura assomaram á janella e acenaram com um lenço ao seu
bom amigo.

Um momento depois, o comboio tinha desapparecido; mas Ernesto como se
estivesse pregado ao chão permanecia immovel e preoccupado.

..........................................................................
..........................................................................

N'aquella noite, Ernesto partiu para Roma, levando a duvida na alma e o
ciume no coração.

Pobre sonhador! Infeliz artista, que tinha trocado por um beijo, a
felicidade, a paz do seu espirito e todos os seus sonhos de gloria!



CAPITULO VIII

Caminho de Hespanha


Ernesto encerrou-se no _atelier_. Era preciso ganhar o tempo perdido;
era preciso acabar o seu quadro quanto antes e regressar a Hespanha e
sobretudo era indispensavel fazer uma obra-prima que cobrisse o auctor
de gloria, que fosse falada em todo o mundo, e que Amparo se sentisse
orgulhosa. Mas ai! o pobre artista tinha a imaginação demasiadamente
occupada, a alma pouco socegada para conseguir o seu fim.

Comtudo, fez esforços heroicos, trabalhava emquanto tinha luz, e
durante as noites, fechado no quarto, passava longas horas, escrevendo
as impressões da sua alma no meio da soledade em que vivia.

--Ámanhã, quando nos tornarmos a reunir, pensava elle, entregar-lhe-hei
estas folhas de papel em que diariamente escrevo os meus pensamentos, e
ella verá que a não esqueci nem um só instante, que a continuo amando
como nunca.

Ernesto pintára um pequeno quadro, representando a scena do caramanchão,
no momento de dar e receber o beijo de Amparo. Os dois jovens, docemente
abraçados, estavam illuminados pela debil luz da lua.

O grupo era encantador; respirava amor, ternura, poesia.

Era aquelle quadro uma grata recordação que a sua alma sensivel
transportára á téla.

Em volta do quadro collocou a fita que lhe dera Amparo.

Durante a noite, Ernesto passava ás vezes um quarto de hora contemplando
o pequeno quadro, pendurado n'uma parede do seu quarto.

Depois pegava na penna e escrevia. Isto consolava-o.

O pintor acabou por fim o seu quadro e convidou para almoçar alguns
amigos para que vissem a sua obra e dessem a sua opinião.

A opinião geral foi de que ganharia o primeiro premio.

Ernesto meneou a cabeça em signal de duvida.

--Parece-me que podia fazer mais do que o que fiz, e duvido muito que o
meu quadro tenha o merito que suppõem.

Os seus companheiros trataram de convencêl-o de que o seu desalento, a
sua falta de confiança eram infundados.

No dia seguinte, Ernesto escreveu uma carta ao judeu Daniel.

O negociante de quadros, como sempre que se tratava de fazer algum
negocio, apresentou-se com pontualidade.

--Vou para Hespanha, disse Ernesto.

--O que quer dizer que precisa de dinheiro.

--Sim, vou expôr o meu quadro; por conseguinte escolha o que gostar.

Daniel passou revista aos quadros com a sua tranquillidade costumada, e
escolheu a maior parte das pequenas telas que o pintor possuia.

Depois de ajustar e ao entregar o dinheiro, disse Daniel:

--São os artistas tão pouco agarrados ao dinheiro!... E comtudo, o
dinheiro é a alma da vida. Com que então vae para Madrid?

--Sim, senhor. Ámanhã saio de Roma.

--No museu de Madrid ha quadros de muito merito, como tambem em varias
egrejas; e se o senhor fosse um homem de palavra...

Ernesto sorriu-se.

--Se eu não soubesse o quanto me aprecia, respondeu, quasi teria direito
a offender-me com as suas palavras.

O senhor Daniel que nunca abandonava a caixa de rapé, tomou uma pitada
com gravidade, e disse:

--Em Madrid existem preciosos originaes dos melhores auctores. Temos ahi
sobretudo os da escola hespanhola, e se quizesse tirar-me algumas copias
feitas com consciencia, não teria inconveniente em ficar com ellas.

--Isso depende do trabalho que tiver na minha patria.

--Será pouco. Em Hespanha não ha costume de proteger as artes. A
politica, os touros e a bolsa absorvem a attenção dos hespanhoes. As
artes e a agricultura encontram-se em completo abandono. Para ser
artista em Hespanha, precisa ter a força de vontade de Aristoteles, a
paciencia de Job, e o estomago privilegiado dos arabes; e para ser
agricultor a resignação de Santo Isidro, com a desvantagem de que no
tempo d'aquelle santo, os anjos desciam á terra e lavravam para que o
santo dormisse, e hoje os anjos não lavram. Mas, emfim, o senhor
pensará o que lhe convém e n'esse sentido me escreverá indicando-me
os tamanhos e o preço por que m'os vende.

Ernesto comprehendendo que o judeu tinha razão, não o contradisse,
porque sabido é que sendo Hespanha um paiz agricola, não tem outra
protecção senão a da Providencia. Quando chove muito succede como no
Egypto, têem boa colheita. Quando chove pouco, os pobres lavradores
pagam o mesmo ao _protector_ governo que não se occupa d'elles e morrem
de fome; mas isso pouco importa, comtanto que se receba a contribuição,
porque n'essa desgraçada nação chegou a ser impossivel encontrar-se um
governo _bom_ e _barato_.

Resumindo: Ernesto partiu de Roma, no dia seguinte, levando no quadro
uma esperança de gloria; no beijo que abrazara a sua alma uma esperança
de amor.

Tres mezes tinham decorrido desde o dia em que se separou de Amparo.
Durante este tempo, nem uma só carta recebêra.

Ernesto levava, sem saber porquê, a tristeza na alma. Ha presentimentos
que perseguem o homem com a tenacidade da sombra. O conde de Loreto fôra
para Ernesto, desde o primeiro dia, uma ave de mau agouro.

Deixemol-o viajar até Hespanha, e encontremo-nos novamente com a formosa
Amparo.

O coração da mulher é insondavel; não se póde definir, porque é vario e
caprichoso como a mesma natureza. Por isso Amparo, que indubitavelmente
sahiu de Florença enamorada do pintor, chegou a Paris pensando muito no
seu companheiro de viagem, o joven conde de Loreto.

Vejamos o que succedeu.



CAPITULO IX

De Florença a Paris


Fernando del Villar, conde de Loreto, depois de cumprimentar
respeitosamente com um movimento de cabeça os seus companheiros de
viagem, accomodou-se do melhor modo possivel no canto, e pôz-se a lêr.
Em frente d'elle, grave e immovel como _El banquero de Cera_, de Paulo
Féval, estava o velho mordomo. D. Ventura pensou que com uns
companheiros tão graves se iria aborrecer extraordinariamente, mas
restando-lhe a consolação de lêr até que se apresentasse melhor
occasião, tirou o _Guia_ que lhe offerecêra Ernesto.

Amparo, alguma cousa preoccupada com a recente despedida do homem a quem
julgava amar, fechou languidamente os olhos e entregou-se a essa doce
vida das recordações em que o passado é o presente da imaginação.

Durante a primeira hora tudo se passou da fórma por que acabamos de
descrever. Depois, como se prolongasse o silencio, Amparo, olhava
dissimuladamente o joven aristocrata que tão embebido estava na leitura.

O conde de Loreto era um d'esses homens a quem as mulheres não podem
olhar impunemente, porque o seu rosto pallido e formoso, a triste
expressão do seu semblante, convida o bello sexo a fazer esses terriveis
commentarios que lhe são tão peculiares.

Porque seria que sendo o conde de Loreto immensamente rico, estava tão
triste? Isto pensou Amparo. E vendo atravéz aquella melancholia
impropria da juventude, uma historia interessante, teve empenho em
conhecel-a.

Desde aquelle momento a felicidade de Ernesto estava ameaçada da morte.

D. Ventura, que tinha passado a maior parte da sua juventude atraz de um
balcão, com os olhos alegres, o sorriso nos labios, a lingua disposta a
entabolar conversação com os freguezes, aborrecia-se extraordinariamente
no meio d'aquelle silencio enfadonho e do ruido da trepidação que a
machina transmitte aos vagons.

Não podendo supportar aquella situação por mais tempo, deixou o livro e
dispôz-se a falar com a filha, pensando que talvez assim conseguisse
interessar o conde na conversa.

--Olha, Amparo, que delicioso panorama apresenta essa povoação collocada
assim na falda d'esse monte, exclamou Ventura. Oh! decididamente a
Italia é um paiz encantador.

--Que povo é este? perguntou Amparo.

--Diabo! É difficil de t'o dizer porque me esqueci de comprar o Guia dos
Caminhos de Ferro.

O conde levantou a cabeça e assomando-a á portinhola, disse com voz
harmoniosa e clara.

--Este povoado, chama-se, se me não engano, _Santa Maria della Spina_.

Amparo cumprimentou com a cabeça, como dando os agradecimentos ao conde
pela sua deferencia.

--Obrigado, senhor conde, disse D. Ventura, no tom mais amavel que lhe
foi possivel.

O conde tirou um livro da sua mala de mão, e dando-o a D. Ventura,
continuou:

--Possuo por casualidade dois Guias Geraes dos Caminhos de Ferro de
Italia e França. Se o senhor quer acceitar um...

--Bem vês, Amparo; isto é o que se chama viajar com sorte. Em Roma
encontrámos o bom Ernesto, que foi para nós o melhor dos _cicerones_;
aqui o senhor conde de Loreto offerece-nos um _Guia_ que tirará pelo
caminho todas as duvidas.

Fernando sorriu-se, e respondeu:

--O favor é tão insignificante, que não merece a pena falar n'elle;
sobretudo, entre compatriotas e visinhos, pois creio que somos visinhos
ha um mez.

--Sim, senhor, em casa de Rosales.

--Tive o prazer de ouvir esta senhora tocar piano algumas noites; toca
admiravelmente.

--E o senhor conde, segundo me disse minha filha, toca muito bem orgão.

Amparo se pudesse teria tapado a bôcca a seu pae. Mas já dissémos que D.
Ventura tinha muita vontade de falar, e sobretudo fazer-se amigo do conde.

--Ah! incommodei com o meu orgão algumas noites esta senhora?

--Pelo contrario, pelo contrario, senhor conde; ouvimol-o com muito
prazer. Abriamos as janellas para o ouvir melhor, ajuntou D. Ventura.

--O orgão, disse Amparo, tomando parte na conversa, receando sem duvida
que seu pae commettesse alguma imprudencia, é um dos instrumentos que,
quando bem tocado, expressa melhor o sentimento da musica.

--Sim, minha senhora, quando seja bem tocado, accrescentou o conde,
deixando assomar aos labios um sorriso imperceptivel: mas,
desgraçadamente, não succede isso commigo; toco por curiosidade, e nada
mais. Apaixonado pela musica até ao exaggero dedico-lhe alguns momentos
d'ocio. Admiro os grandes mestres, mas em mim a musica, como em tantos
outros, não é mais do que um adorno, uma parte da educação. Toco, é
verdade, mas toco muito mal, o que é o peior.

D. Ventura estava encantado com a singeleza e naturalidade com que se
expressava o conde.

--Quizera, comtudo, disse o pae de Amparo, saber tanto como o senhor.

--Saberia muito pouco, meu amigo; sobretudo, na Italia que estamos
atravessando, onde todos são musicos.

--O senhor conde chamar-me-hia indiscreto se lhe fizesse uma pergunta?
disse D. Ventura.

--Entre compatriotas que viajam juntos na mesma carruagem deve reinar a
maior franqueza. Póde perguntar o que quizer.

--Vae directamente para Paris, ou pensa detêr-se em alguma cidade de
Italia?

--Vou para Paris; já percorri tres vezes toda a Italia.

--Então faremos a viagem juntos.

--Pelo que me considero extremamente feliz.

--Paris é o povo mais alegre da Europa.

--E tem a vantagem de que os estrangeiros em Paris encontram-se quasi
tão bem como na sua patria.

--O caracter parisiense é a reunião da alegria e da amabilidade; gostam
de ser amaveis, e esforçam-se para o conseguir.

--Sempre que d'isso lhes resulte alguma vantagem, continuou o conde, mas
seja como fôr, passa-se admiravelmente uma temporada n'aquelles modernos
_boulevards_, onde o luxo reuniu todas as encantadoras loucuras. Oh! Só
para cear uma noite no café _Tortoni_, almoçar na _Maison Dorée_ e
passear uma tarde no _boulevard dos Italianos_ vale a pena fazer-se uma
viagem a Paris.

--E vae estar muito tempo na capital de França? perguntou D. Ventura.

--Tenho muito que fazer, disse Fernando, sorrindo-se; primeiro ouvir a
Patti na _Somnambula_, depois correr uma egua arabe nas proximas
corridas de cavallos. Quero ganhar o premio que offerece a Imperatriz,
que é uma rosa de brilhantes.

Amparo, que ouvia com prazer a conversa, ainda que não tomasse parte
n'ella, ás ultimas palavras do conde, pensou que não seria pelo valor da
rosa de brilhantes que elle desejava ganhar o premio, mas para fazer com
elle uma offerta a alguma pessoa querida.

Desde aquelle momento Fernando del Villar, conde de Loreto, era para
ella um homem que começava a espicaçar-lhe a curiosidade.

--Ah! disse D. Ventura. Tem em Paris a egua que vae correr?

--Tenho em Madrid os meus cavallos, mas mandei vir para Paris a minha
invencivel _Rabeca_. Creio que assistirão ás corridas.

--Teremos muito gôsto desde que se effectuem dentro d'um mez, e ao mesmo
tempo uma grande alegria em que seja vencedor.

Quando se começa uma viagem, durante os primeiros momentos, mais ou
menos prolongados, segundo o caracter dos viajantes, só reina o maior
silencio; cada um pensa quem será o companheiro da frente ou lado, mas
uma vez entabolada a conversa estabelece-se uma certa intimidade
agradavel que dura toda a viagem e ás vezes toda a vida.

Durante a viagem dos nossos conhecidos, reinou a maior harmonia. Amparo
e o conde falavam de musica; o mordomo e D. Ventura, de numeros. O
honrado millionario estava satisfeito por ter encontrado tão bons
companheiros.

Uma vez em Paris, como D. Ventura era um homem rico que viajava por
prazer e não tinha casa na moderna Babylonia, deixou ao conde de Loreto
a escolha do hotel onde deviam hospedar-se.

Fernando optou pelo Hotel do Louvre, e installaram-se em dois quartos
contiguos no segundo andar com toda a commodidade que offerece aos
passageiros o citado estabelecimento.

O conde quiz que se collocasse um orgão no quarto de Amparo,
offerecendo-se para lhe dar algumas lições.

--Sou muito pouco habilidosa, disse Amparo, agradecendo-lhe com um olhar
aquella deferencia.

--Ora, respondeu o conde. Para uma mestra de piano como Vossa
Excellencia nada mais facil que aprender orgão. Creia que em quinze dias
póde tocar perfeitamente.

--O que me vae custar uns oito ou dez mil _reales_, disse D. Ventura,
porque terei de comprar um.

--E nunca em melhor occasião do que agora que estamos em Paris, onde os
constructores mais afamados têem os seus armazens. Ámanhã
visitaremos alguns, com tres mil francos na carteira.

--Vejo, que tanto o senhor conde como Amparo, conspiram contra a minha
bolsa.

No dia seguinte compraram um orgão, precioso instrumento de doze
registos, incrustado em madreperola; uma verdadeira obra de arte que
custou a D. Ventura seis mil francos, e que foi escolhido pelo conde, e
o ex-commerciante não quiz deixar mal o joven aristocrata.

Pagou D. Ventura, encarregando o fabricante de lh'o remetter para
Hespanha, e não se tornou mais a falar no assumpto.

Todas as tardes Fernando dava lição de orgão a Amparo. Ao principio
estas lições foram curtas, depois prolongaram-se a duas horas.

Quando cantava a Patti iam juntos ao theatro; sómente o conde ia para as
cadeiras e D. Ventura para um camarote, mas durante os intervallos o
conde visitava o millionario.

Assim se passaram vinte dias. Amparo começava a pensar muito no conde e
pouco em Ernesto.

Quando a mulher faz comparações, a derrota de um dos comparados é
infallivel. Vejamos como o conde de Loreto cahiu a fundo sobre o pintor.

Tudo estava preparado para as corridas.

A Imperatriz Eugenia, com toda a sua côrte, devia assistir.

D. Ventura tinha conseguido a peso d'ouro, alugar uma luxuosa caleche.
Amparo mandára fazer uma elegantissima _toilette_. A festa promettia ser
das mais brilhantes. Toda a aristocracia de sangue e de dinheiro se
reunia n'aquellas corridas. Amparo desejava vivamente que Fernando
ganhasse o premio. D. Ventura, pela sua parte, dizia:

--É uma questão de honra nacional.

Ao meio dia appareceu Fernando: estava pallido, nervoso; no rosto tinha
marcados signaes de desgosto.

--Succedeu uma grande desgraça, exclamou.

--Morreu _Rabeca_? perguntou D. Ventura.

--Não, respondeu, esforçando-se por se rir.

--Mas o que é? disse Amparo.

--O meu jockey que está doente e que não póde correr.

--É verdade que é um contratempo. Mas não se encontrará outro?

--Outro? exclamou o conde assombrado. E quem me responde pela sua
habilidade, pelos seus dotes, pela boa fé de um jockey alugado? Todos os
leões de Paris, todos os afficionados de equitação, que não são poucos,
que frequentam á noite a _Maison Dorée_ e á tarde o _boulevard dos
Italianos_ conhecem _Rabeca_ e têem grande interesse em que fique
vencida; e seriam capazes de comprar o jockey que n'ella corrresse, para
que a sopeasse e perdesse. Demais isso é sériamente grave para mim. Se
não corre a minha _Rabeca_ perco cinco ou seis mil francos que apostei a
noite passada com um _lord_ que traz tambem um dos seus cavallos para a
corrida de hoje. A aposta está feita com as seguintes condições: «Se por
qualquer casualidade um dos cavallos não puder correr dá-se por perdida
a aposta.» É preciso portanto que _Rabeca_ corra, e por isso venho
dizer-lhes que não os posso acompanhar, pois que sou eu quem a vae correr.

--O senhor? disseram ao mesmo tempo pae e filha.

--Sim, eu. Sei que é uma desvantagem para mim. O jockey do meu
adversario pesa escassamente tres arrobas: é um liliputiano, um homem em
miniatura, é o rei dos jockeys, emquanto eu péso muito mais. Mas não
quer dizer nada: a minha egua fará um esforço e vencerá.

--Permitta-me que lhe diga, disse D. Ventura, que se expõe...

--Isso é o menos. Quando chegar á terceira volta, saltarei já
affoitamente. Tenho confiança na egua.

E o conde, depois de algumas respostas dadas aos argumentos que lhe
apresentavam os seus amigos, sahiu, despedindo-se d'elles.

Como se póde calcular o interesse de Amparo cresceu uns setenta e cinco
por cento.



CAPITULO X

A rosa de brilhantes


Uma hora depois, a caleche de D. Ventura estava parada quasi ao fim da
pista.

D'aquelle ponto tinha a vantagem de vêr perfeitamente o cavallo que
chegasse em primeiro logar á meta e estar proximo do camarote imperial
onde o vencedor devia ir receber o premio.

Amparo, de pé sobre as almofadas da carruagem, com a mão esquerda
appoiada no hombro do pae, percorria com o binoculo o pittoresco
panorama que a rodeava.

Parecia-lhe impossivel que se pudesse reunir tanto luxo, tanta riqueza
n'uma cidade.

Dizem os francezes que Paris é a capital do mundo civilizado, e em
verdade assim é.

Quando a imperatriz Eugenia entrou no camarote, fez um signal com o
lenço para que começassem as corridas, e ouviu-se então o sonoro som dos
clarins.

Amparo sentia palpitar o coração com violencia; deixou de olhar para o
camarote e viu na pista, no ponto por onde deviam entrar os
concorrentes, o conde de Loreto.

N'aquelle momento daria tudo quanto lhe exigissem para conceder a
victoria ao seu companheiro de viagem.

Pouco depois, ouviu-se o tropel que vinha do lado para onde se fixaram
todos os olhares, e o precipitado e forte galope de muitos cavallos
chegou aos ouvidos de Amparo como surdo rumor da tempestade que avança
com rapidez.

Começaram por admirar os cavallos; de todos os lados se ouviam bravos e
gritos de enthusiasmo, misturados com exclamações de raiva.

Quando um cavallo passava adeante de outro, ouvia-se um rugido de raiva
que exhalava o peito do vencido.

Entretanto aquella quantidade de cavallos, deitando espuma pela bôcca,
fogo pelas narinas, avançava com uma velocidade vertiginosa até ao sitio
onde estava Amparo.

Aquillo era um furacão de carne, empenhado pelo amor-proprio; parecia
que arrebatava tudo.

Amparo tremia; estremecia, mau grado seu, procurando avidamente o conde
de Loreto entre aquelles bonets de variadas côres.

Subitamente soltou um grito e fez com que D. Ventura, que contemplava
boquiaberto aquelle soberbo espectaculo, voltasse a cabeça.

--Que é? perguntou elle.

--Alli, alli! exclamou Amparo. Vem á frente e traz n'uma mão o bonet e
na outra o _stick_.

--Oh! meu Deus! Que loucura! Póde cahir.

N'aquelle momento o conde de Loreto passou pela frente da caleche de
Amparo com velocidade de um raio. Mas apesar d'isso, cumprimentou-a com
o bonet.

Amparo levou a mão ao peito como para conter as palpitações do coração.

Fernando levava pelo menos quarenta metros de avanço a todos os outros
concorrentes.

Quando chegou á ultima valla, _Rabeca_ saltou com tanta facilidade como
se aquelle fosse o primeiro obstaculo. Um applauso geral resoou dedicado
ao cavalleiro e cavallo.

O conde de Loreto ganhára a rosa de brilhantes e os cincoenta mil
francos, e não tardou que não estivesse rodeado de admiradores e curiosos.

Fernando del Villar apertava a mão de alguns desconhecidos e
cumprimentava os espectadores.

O _lord_ approximou-se montando um soberbo cavallo de pura raça arabe.

--Ganhou, senhor conde, disse apertando-lhe a mão. Esta noite espero-o
para cear na _Maison Dorée_, não só para lhe pagar o que lhe devo, como
tambem para lhe propôr um negocio, ácêrca da sua preciosa egua.

N'essa occasião approximou-se um dignitario da côrte a dizer-lhe que a
imperatriz Eugenia esperava o vencedor.

O conde não esperou segundo convite: dirigiu a egua para o camarote
real. Grande quantidade de cavalleiros o acompanharam.

Ao chegar, Fernando desmontou-se e foi introduzido no camarote pelo
fidalgo.

--Disseram-me que era hespanhol, disse Eugenia em castelhano.

--Nasci na Andaluzia, senhora, respondeu o conde inclinando-se
respeitosamente.

--Ainda bem, somos compatriotas. Aqui tem o premio que ganhou.

A imperatriz entregou-lhe um estojo de velludo. O conde ajoelhou-se para
o receber, beijou a mão e sahiu do camarote.

Amparo não perdera o conde de vista nem um só momento. Quando viu que se
dirigia para a sua carruagem, sentiu uma commoção desconhecida, como
nunca tinha experimentado.

Fernando foi até ella, sorrindo-se.

--Bravo! bravo! exclamou D. Ventura, enthusiasmadissimo. Fazia o senhor
muito bem, caro conde, em ter toda a confiança na valente _Rabeca_.

--É invencivel, disse elle. Tinha inteira segurança, de que, a não me
succeder uma desgraça, o triumpho era meu.

E extendendo o braço, apresentou o estojo a Amparo, dizendo-lhe:

--Senhora D. Amparo, como sei que pedia a Deus para que me concedesse a
victoria, como sei o interesse que tomou, ouso pedir-lhe que acceite
como uma recordação d'este dia o premio que me acaba de offerecer a
imperatriz dos francezes.

Amparo pegou com mão trémula no estojo, e antes de ter tempo para
responder uma só palavra de agradecimento por aquella amabilidade, o
conde partiu a galope em direcção a Paris.

D. Ventura estava louco de alegria.

Amparo commovida, pallida, seguiu o conde com a vista.

--É um cavalheiro, disse o commerciante.

--Sim, papá; não se póde ser mais delicado.

--Mas, vamos vêr isso que tens na mão. Parece que não estás em ti.

E D. Ventura, notando que a filha corava, sorriu-se maliciosamente.

Amparo abriu o estojo: tinha um broche de brilhantes. Não se podia
exigir mais gosto n'uma joia d'aquella natureza.

--Em verdade, é um bonito premio, disse D. Ventura, fixando os olhos no
broche.

Amparo guardou silencio.

..........................................................................
..........................................................................

Sigamos o conde de Loreto, que, entregando a egua ao creado, tomou um
trem de praça que o conduziu ao hotel do Louvre.

--Pódes dar-me os parabens, meu leal Francisco, disse o conde, abraçando
o velho mordomo.

--Quer dizer que ganhou o primeiro premio!

--Não só o primeiro premio como tambem a aposta que tinha feito com lord
Rutheney.

--Que grande alegria me dá, senhor conde, disse Francisco sem perder um
só momento a sua peculiar gravidade. Temos gasto tanto dinheiro durante
a viagem!

--Ahi vens tu com os teus malditos numeros.

--Senhor, o interesse que tomo pela casa faz com que muitas vezes tenha
certas liberdades...

--Vamos, Francisco, não comeces a attribuir a ti faltas que não
commetteste. Quando o meu pae morreu disse-me: «Nunca deixes Francisco;
viu-te nascer, estima-te com idolatria e é honrado e leal.» Desde
então ainda não tive de que pense que não é tão grande como devia ser,
em relação ao que gasto; mas que queres... quando estiver arruinado,
quando me vir como vulgarmente se diz com a corda na garganta, então
seguirei o teu conselho e casarei. E a proposito: Que tal te parece a
filha do nosso companheiro de viagem?

--É extremamente formosa!

--E nada mais? perguntou o conde, sorrindo-se.

--E que tem doze milhões de dote.

--O que te traz preoccupado. Emfim, até lá veremos. Quem sabe se terás
razão, aconselhando-me a que case! Mas, dá-me algum dinheiro; vou cear
com alguns amigos á _Maison Dorée_ e talvez se jogue.

--Hontem dei ao senhor conde tres mil francos.

--Sim, e hoje não tenho nem um centimo,

Francisco exhalou um suspiro, abriu a gaveta e deu tres notas de mil
francos ao amo, dizendo:

--O tal inglez não pagará esta noite?

--É natural; mas não devo acceitar um convite com sentido no que me devem.

Fernando calçou as luvas, pôz o chapéu, pegou n'uma delicada bengala de
canna da India, e sahiu.

A _Maison Dorée_ é um dos taes estabelecimentos que só se encontram em
Paris. Ponto de reunião da elegante e louca mocidade, centro d'esses
seres felizes, sempre occupados em não fazer nada; come-se, joga-se e
murmura-se, gastando dinheiro ás mãos cheias.

Ahi tudo se sabe, tudo se commenta; e mais de uma vez têem ficado a
honra das mulheres da moda, de mistura com o _Champagne_ e o _Rheno_
sobre aquellas elegantes mesas.

O conde de Loreto estava convidado para jantar com o lord que fizera a
aposta, que o esperava com pontualidade britannica.

Depois de cumprimentar, lord Rutheney tirou a carteira e entregou
friamente os cincoenta mil francos que perdera.

--Senhor conde, antes que comecemos a jantar, e segundo o costume
inglez, de não fazer nada depois de nos levantarmos da mesa, vou
propôr-lhe um negocio. Quer vender-me _Rabeca_? Dou-lhe por ella egual
quantia á que me fez perder.

--Mylord, desejo conservál-a.

--Então não falemos mais no assumpto.

E pediu que lhes servissem o jantar.

Durante este, lord Rutheney fez elogios á egua do conde.

--É um precioso animal, dizia. Se me pertencesse, nas proximas corridas
annunciadas em Londres, jogaria duas ou tres mil libras esterlinas com
certeza de ganhar. Pena será se soffrer algum desastre.

Depois de jantar lord Rutheney e o conde de Loreto entraram no café.

Depois passaram á sala do jogo e o conde sentou-se proximo ao banqueiro.

Fernando jogava forte, mas com pouca sorte.

Meia hora foi sufficiente para perder quanto trazia comsigo.

Então voltou-se para o inglez que estava a seu lado ganhando mais de mil
francos e disse-lhe sorrindo-se:

--Mylord, fica fechado o negocio: _Rabeca_ é sua.

Lord Rutheney inclinou a cabeça em signal de approvação, e entregou ao
conde cincoenta notas de mil francos.

Depois, tirou tranquillamente a charuteira e d'ella um havano e
dirigiu-se pachorrentamente para a sala de fumo.

Sentou-se n'um commodo divan, e começou a saborear o delicioso charuto.

Proximo do sitio em que se achava o conde, fumavam quatro rapazes,
conversando em voz alta.

Nenhum d'elles reparára, em Fernando.

--Desengana-te, Heitor, dizia um d'elles, o teu cavallo está muito longe
de ser o que é a egua do hespanhol, e o arabe de lord Rutheney.

--Pois apezar da tua opinião, respondeu com voz alterada Heitor,
garanto-te que se o meu jockey não tivesse sido um parvo, ganhava o
primeiro premio.

--A ti succede o mesmo que a Marco Antonio quando os seus gallos iam
combater com os de Octavio Augusto, que perdia e para consolação á sua
pouca sorte arranjava sempre uma desculpa. O cavallo de lord Rutheney
levava ao teu mais de vinte metros de avanço. Emquanto ao do hespanhol
não se fala, esse não era um animal, era um raio: nem mesmo o vento
corria mais do que elle.

--Os hespanhoes, respondeu Heitor, em tom desdenhoso, têem nas veias um
sangue mixto de godo e arabe, e não é para estranhar que saibam dar
vantagens aos cavallos nas corridas. O conde de Loreto parecia um cigano
correndo d'aquella maneira.

Fernando ao ouvir estas palavras, pôz-se de pé e pallido, com o olhar
turvo e ameaçador, dirigiu-se para o grupo que falava de si e encarando
o que acabava de falar, disse-lhe:

--O conde de Loreto sabe correr como um cigano e bater-se como um
cavalheiro.

E dizendo isto, atirou uma luva ao rosto de Heitor, que se lançou sobre
o seu antagonista.

Fernando extendeu o braço e deteve-o com incrivel facilidade.

Todos o rodearam.

Da parte do conde foi um creado chamar lord Rutheney.

--Que foi? perguntou elle.

--Quer ser meu padrinho?

--Como? Tem alguma pendencia?

--Sim, senhor. Este cavalheiro acaba de me insultar e tenho de me bater.

--Tem a escolha das armas.

--Cedo-a ao meu adversario: espero-o no café.

Pouco depois lord Rutheney reunia-se ao conde de Loreto.

--Já está tudo combinado, disse o inglez. Batem-se ao florete, ámanhã,
ás oito horas da manhã, no bosque de Bolonha.

--Perfeitamente. Espero-o ás seis no hotel do Louvre.

--É sufficientemente forte ao florete para se pôr na frente de um
adversario que o escolhe para se bater?

--Manejo-o regularmente, e tenho pouco amor á vida; com estes dois
requisitos não me devo arrecear d'um lance. Mas se me permitte,
retiro-me. São dez horas: esta noite canta a Patti, e desejo ouvil-a,
porque ámanhã mata-me o meu adversario.

Lord Rutheney conduziu-o na sua carruagem á Opera.

Quem visse Fernando na sua cadeira applaudindo com enthusiasmo a celebre
Patti, não supporia que elle se ia bater no dia seguinte.

Á meia noite entrou no seu quarto do hotel do Louvre, sentou-se,
accendeu um charuto, e dirigindo um olhar tranquillo a Francisco,
disse-lhe:

--Ámanhã bato-me ás oito horas da manhã.

O mordomo recuou dois passos, e exclamou assombrado:

--Outra vez?!

--Sim, é a quinta. Quem sabe se será a ultima? Não é vontade minha;
quando menos se pensa, um insolente ou um enfatuado atravessa-se-nos no
caminho, insulta-nos, e a honra exige que nos batamos. Cinco vezes me
tem succedido isso. Prepara, pois, os meus floretes, e deita-te. Ah!
Esquecia-me. Ámanhã cedo, mandarás por um creado _Rabeca_ a lord
Rutheney; vendi-lh'a; e, verdade verdade, que isso me desgosta mais do
que o duello.

Francisco fez um gesto como se fosse para falar.

--Não te inquietes, não te inquietes com reflexões inuteis; o duello é
inevitavel. Quero dormir para estar fresco. Bôa noite. Acorda-me ás
cinco e tres quartos.

E o conde principiou a deitar-se.

Francisco sahiu triste e preoccupado.

Alguns minutos depois o conde de Loreto dormia profundamente.

O honrado mordomo não se deitou: ser-lhe-ia impossivel dormir, e
preferiu estar levantado.

Ás cinco horas e meia entrou no quarto do amo.

O velho esteve-o contemplando por alguns momentos. Notava-se-lhe na
triste expressão do rosto o estado do seu espirito. Receava pela vida do
amo.

Por fim disse em voz alta:

--Senhor, são horas.

O conde abriu os olhos, bocejou, e, fixando um olhar somnolento no
mordomo, disse:

--Nunca perdoarei ao meu adversario este delicioso sonho que me rouba.
Que mau costume baterem-se de manhã!

Fernando vestiu-se com esmero, como se fosse fazer uma visita de
cerimonia, com a differença de que em vez do frack ridiculo e
incommodativo, vestiu uma sobrecasaca preta.

--Querido Francisco, disse o conde, dando o ultimo toque na gravata em
frente ao espelho, se o meu adversario me matar, o que é provavel, mas
não impossivel, tu te arranjarás como puderes, com os meus crédores; e
visto o remanescente da minha fortuna ser para a avarenta da minha tia,
a marqueza del Ramo, aconselho-te que fiques com tudo quando te seja
possivel, porque não é justo que ao cabo de tantos annos de bons
serviços, tenhas que procurar um novo amo, que indubitavelmente te não
trataria como mereces. Agora faze o favor de dizer ao creado que me
sirva o chá. Mylord não se póde demorar; são já seis horas, e é pontual
até ao exaggero.

Effectivamente lord Rutheney, acompanhado de outro amigo, entrou no quarto.

--Creio, senhores, que temos tempo de tomar uma chavena de chá, disse o
conde.

Rutheney olhou para o relogio.

--Os meus cavallos conduzir-nos-hão em menos de uma hora: temos tempo,
isto é, podemos dispor de sessenta minutos.

--Creio que este cavalheiro, ajuntou o conde, indicando o companheiro do
lord, será o meu segundo padrinho.

--É _mister_ Carlos Bobbe, meu medico e meu amigo; servirá, pois, de
medico e de testemunha.

--Tanto melhor. Mas vamos ao chá.

O creado entrou trazendo uma bandeja com chavenas e pratos, que deixou
sobre uma meza.

_Mister_ Bobbe bebeu cinco chavenas de chá; lord Rutheney tres e o conde
uma.

--Quando quizerem, meus senhores, disse Fernando, vendo que os padrinhos
collocavam as chavenas na bandeja, como prova de que não queriam beber
mais.

Fernando abraçou o mordomo, cujo rosto circumspecto e os olhos
arroxeados o fizeram sorrir.

--Não receies, lhe disse; sahir-me-hei bem como das outras vezes. E
partiu.



CAPITULO XI

Mais um


Quando Francisco ficou só, não poude conter as lagrimas; deixou-se cahir
n'uma cadeira e chorou.

A dôr do mordomo era tão profunda, tão verdadeira que ao entrar o creado
para o serviço, nem sequer deu pela sua presença.

O creado que servia seis quartos do corredor do segundo andar era um
rapaz tão diligente como desembaraçado, e ao vêr o profundo pesar do
velho creado do conde e que este sahira tão cedo, acompanhado de dois
amigos, suspeitou tudo, mas em vez de dirigir a palavra a Francisco,
julgou que era mais conveniente confiar as suas supposições ao hespanhol
que occupava o quarto n.º 14, intimo do conde de Loreto. Assim,
dirigiu-se para o quarto de D. Ventura e chamou-o.

D. Ventura ainda não perdera o costume de madrugar; estava levantado
e disposto a barbear-se. Abriu a porta, julgando que fosse o conde a
propor-lhe algum passeio para aquelle dia, e encontrou-se com o creado e
o seu eterno sorriso.

--Que ha? perguntou D. Ventura.

O creado falava, ainda que mal, o hespanhol, mas o sufficiente para se
fazer comprehender pelos hospedes.

--Cavalheiro, disse elle, sei que sou um tanto indiscreto e importuno
batendo tão cedo á porta de um hospede...

--Bem, bem. Que é? perguntou D. Ventura.

--Mas sei tambem, continuou o creado, que o senhor é o amigo intimo do
senhor conde de Loreto.

--Sim, homem, sim, acaba.

--Pois bem, o senhor conde deve correr algum perigo, porque o vi sahir
acompanhado de dois inglezes; e o mordomo do conde assim que elle sahiu,
pôz-se a chorar amargamente. Não quero equivocar-me, mas julgo que o
senhor conde vae bater-se.

--Diabo! Bater-se? Isso é grave!

--É muito, cavalheiro.

--Mas não sabes porquê?

--Só vi metter no trem os floretes.

D. Ventura sahiu precipitadamente do quarto, e entrou no do conde.

Francisco continuava prostrado na cadeira e com o rosto occulto entre as
mãos.

--Que novidades temos? perguntou em voz alta D. Ventura.

O mordomo levantou a cabeça. Aquelle rosto veneravel estava decomposto
pelas lagrimas e pela dôr: tinha uma expressão de profunda tristeza.

--É certo o que me acabam de dizer? É certo que Fernando foi bater-se?

--Desgraçadamente é certo, senhor D. Ventura.

--Diabo! Não sei para que se expõe a vida assim com tanta facilidade. Eu
tive pelo menos, cincoenta mil questões, e nunca tive necessidade de me
bater com pessoa alguma. Para que temos os tribunaes, se fazemos
justiça por nossas mãos? E demais, o que deu origem ao duello, valeria a
pena?

--Não sei detalhes; só me disse que se ia bater; mas ia apostar em como
o meu amo o não provocou, pois que o conde é incapaz de offender alguem.
Oh! se o seu adversario o matasse era uma desgraça.

--Era, era! Mas tenho esperança em que não será assim. Ora o diabo do
rapaz!...

E como o mordomo continuasse gemendo e suspirando, D. Ventura pôz-se a
passear pelo quarto.

Assim se passou meia hora. Nenhum dos dois falava. D. Ventura pensou,
por fim, que seria mais conveniente esperar o resultado no seu quarto do
que junto do mordomo, cuja dôr o affligia duplamente.

--E a que horas saberemos o resultado? perguntou D. Ventura.

--Creio que ás nove, pouco mais ou menos.

--E são só oito! Mas, não se poderia dar parte ás auctoridades para
evitar o duello?

--Se tal fizessemos, o senhor conde nunca nos perdoaria.

--Diz bem; não ha outro remedio senão esperar e conformarmo-nos com a
sorte. Ora o diabo do rapaz! Vou vêr se a minha filha já se levantou, e
peço-lhe que tão depressa saiba alguma cousa me avise.

O quarto de Amparo era separado do de seu pae por uma debil parede
communicando por uma porta.

Amparo ouvira entre sonhos parte do que o creado dissera a D. Ventura.

Quando este entrou já estava levantada.

--Não me occulte nada, disse, quero saber tudo quanto se passa.

--Pois, filha, o que se passa é pouco agradavel. Fernando a esta hora
bate-se em duello.

Amparo empallideceu e como se lhe faltassem as forças, sentou-se n'uma
cadeira.

--Que é isso? Estás doente? Era só o que faltava.

--Não se assuste; não tenho nada.

--Nada! nada! Não me capacitas de que é sem motivos que perdes as
côres, commoveste-te, e isso é natural, muito natural, sim, senhora;
porque demais, o conde é um joven que se faz estimar; e se tivessemos a
desgraça de o perder, se o seu inimigo o matasse...

--Cale-se, papá, cale-se! exclamou Amparo estremecendo. Não diga isso
nem a brincar.

--Sim, bôa brincadeira, não haja duvida! Ora o diabo do rapaz!

D. Ventura, depois de barbeado, assomava á porta a cada momento.

Nunca o tempo lhe parecera tão comprido.

Quando o relogio do quarto deu as nove horas, disse:

--Já se não póde demorar.

Como se estas palavras fossem como um amuleto magico, ouviram-se os
passos de varias pessoas no corredor.

D. Ventura chegou á porta e não poude conter um grito.

--É elle? perguntou Amparo.

--É.

--E como vem? perguntou a medo.

--Perfeitamente, andando pelo seu pé. Ah! Louvado seja Deus!

E dizendo isto, sahiu precipitadamente do quarto, entrando no do conde.

--Venha um abraço, venha um abraço, exclamou.

O conde deixou-se abraçar.

--Com que então, foi feliz? perguntou D. Ventura com infantil alegria.
Muito folgo, muito folgo.

Fernando dirigiu um olhar de censura ao mordomo, e deixando assomar aos
labios um amargo sorriso, disse:

--Sabe então que me bati. Pois, visto isso, só me resta dizer-lhe que o
lance foi desgraçado; teve graves consequencias.

--Como? Está ferido? exclamou D. Ventura.

--Não, infelizmente.

--Não o comprehendo.

--Senhor D. Ventura, quando por uma d'essas nescias exigencias de decoro
se batem dois homens e um d'elles morre no que chamamos campo da honra,
o que sobrevive, o que torna para casa vencedor, traz uma espinha
cravada na alma que permanece ahi toda a vida. Indubitavelmente alguma
maldição está suspensa sobre a minha cabeça. Tenho má mão para desafios.

E o conde deixou-se cair n'uma cadeira, dando mostras do mais profundo
abatimento.

--Conheço, senhor conde, que se deve ter um remorso muito grande em
matar um homem, disse D. Ventura, mas, que remedio? Quando se tem em
frente um inimigo armado que cubiça a nossa vida temos o dever de
disputál-a.

Lord Rutheney pronunciou algumas palavras para tranquillisar o conde que
parecia vivamente incommodado.

--Agradeço o interesse que lhes inspirei, disse Fernando; mas ao mesmo
tempo, desejava que fizessem o favor de me deixarem só, pois estou
fatigado e preciso descançar.

Era evidente que uma grande fadiga do espirito se apoderára do conde e
os seus amigos retiraram-se.

D. Ventura entrou no quarto da filha a quem contou tudo quanto se
passára, que com esse natural egoismo da mulher se alegrou profundamente
ao saber que o conde se tinha sahido bem do lance de honra, visto ella
não conhecer o infeliz Heitor morto no desafio, e unirem-na a Fernando
relações de amizade que iam tomando o caracter de uma paixão verdadeira.

Entretanto, o conde de Loreto fechava-se no quarto, permanecendo o resto
do dia sentado n'uma cadeira. Nem elle mesmo poderia dizer se o somno se
assenhoreou d'elle algum momento.

Quando a obscuridade da noite se espalhou por todo o quarto, levantou a
cabeça e disse:

--É uma desgraça que já não tem remedio; tenho uma mão fatal. Esta é
a quinta vez que causo a morte ao proximo e uma profunda dôr a um pae.

E passando a mão pela fronte, como se quizesse livrar-se dos tristes
pensamentos que o preoccupavam, levantou-se e tocou a campainha.

Francisco, o mordomo, tão pallido, tão commovido como o amo, entrou com
uma luz na mão.

--Bôas noites, senhor conde, disse deixando a vella sobre uma mesa.

--Bôas noites, Francisco. Já sabes; matei um homem.

--E todavia o senhor tinha-me dito que não mais se bateria ainda que o
insultassem.

--É verdade; jurei não me bater, mas para que ninguem duvidasse de que
sei defender o meu decoro, não me pude conter, e agora arrependo-me. Ah!
se fosse em Hespanha não me tinha batido.

--O remedio que ha, disse Francisco, é esquecer o passado.

--Isso é mais difficil do que parece. Na memoria, como n'uma chapa
d'aço, grava o buril do tempo todos os acontecimentos da vida. Só a
morte tem o privilegio de os apagar. Mas tu disseste: já não tem
remedio. Prepara tudo, que ámanhã sahiremos de Paris. Necessito, pelo
menos, afastar-me d'esta terra.

--E para onde vamos, senhor?

--Para Hespanha.

--Está bem.

Fernando del Villar exhalou um suspiro e sahiu do quarto dirigindo-se ao
de Amparo.



CAPITULO XII

Como se pede


O piano é um grande recurso para aquelles que possuem e sentem na alma
as doces e gratas impressões da musica, essa linguagem universal a que
renderam tributo até os proprios deuses.

Amparo estava tocando. Tinha na estante a partitura da _Estrangeira_,
mas os dedos percorriam machinalmente o teclado, e os olhos fixavam-se
distrahidamente nas notas.

A musica para ella n'aquelle momento não era mais do que um grato ruido,
adormecedor, como o sussurro cadencioso de uma fonte que convida á
meditação.

Não pensava quasi nada no piano, muito pouco na partitura que tinha ante
si, mas muito no conde de Loreto.

De Florença a Paris, isto é, trinta e seis horas de comboio, foram
sufficientes para a formosa hespanhola se enamorar.

Antes d'esta viagem a casualidade collocára, ainda que momentaneamente,
no palacio de Médicis, Fernando e Amparo; depois em Paris as corridas de
cavallos e o duello reforçaram a ideia fixa que começava a dominál-a.

N'este momento Amparo estava só. D. Ventura sahira, depois de lhe contar
tudo quanto sabia referente ao desafio do conde.

Tocava, pois, piano, pensando no seu companheiro de viagem, quando ouviu
passos atraz de si; voltou a cabeça, e encontrou-se com Fernando que lhe
dirigiu um cumprimento respeitoso e um sorriso cheio de tristeza.

--Bôas noites, senhora D. Amparo. Talvez a venha incommodar, disse o conde.

--Incommodar-me? respondeu ella, parando de tocar. Pelo contrario. Bem
vê que estou só... Meu pae é um valdevinos; abandona-me e então o piano
é o meu recurso. Mas que tem? Está mais pallido que de costume, e
noto-lhe uma expressão de tristeza na physionomia.

--Suppunha que não ignorava a desgraça que me succedeu hoje, e venho
despedir-me.

--Como? abandona Paris?

--Ámanhã.

--Tão depressa.

--Pensava passar aqui alguns mezes, mas agora é-me impossivel; necessito
vêr outro sol, respirar outro ar.

--E para onde vae?

--Para Hespanha.

--Então, sr. conde, não tardará muito que nos vejamos lá, porque, apezar
de tudo, creio que o céu de Hespanha é o melhor de todos.

--Diz muito bem, e sobretudo quando no céu de Paris a imaginação
preoccupada vê algumas manchas de sangue que perturbam o socego e roubam
a paz de espirito.

--Verdadeiramente, é uma desgraça que as leis da honra imponham aos
homens deveres tão desagradaveis. Meu pae contou-me tudo, e posso
garantir-lhe que tão desgraçado acontecimento me penalizou bastante.

O conde sentou-se n'uma cadeira proximo do banco de Amparo.

--Não parece senão que me persegue algum genio fatal, disse elle, como
se falasse comsigo. Quando o destino me colloca ante um homem com a arma
homicida na mão, juro-o pela memoria de meu pae, sempre preferi morrer a
matar, e expuz generosamente o peito ante o perigo, sem me preoccupar em
evitál-o. Mas indubitavelmente uma força superior á minha vontade guia a
minha mão, e sempre vejo cahir sem vida o meu adversario. Só a
primeira vez que me bati tive desejos de sahir vencedor; era uma
creança, e a vaidade e o amor proprio cegavam-me. Então tive a desgraça
de matar um amigo intimo, um antigo condiscipulo. Pobre Arthur! E
sobretudo, pobre mãe aquella, em cujos olhos não mais se lhe sêccaram as
lagrimas, até que a dôr a conduziu ao sepulchro!

O conde deteve-se. Bastava vêr-lhe o semblante, ouvir-lhe o timbre da
voz para comprehender o estado do espirito. Amparo escutava-o
interessada e sem se atrever a interrompêl-o.

O conde, mudando de tom, continuou.

--Com franqueza, não sou ridiculo? Vim despedir-me de V. Ex.ª, e
estou-lhe contando historias que só a podem commover; mas ha dias em que
se apodera de mim uma tristeza tão grande que não sei falar de outra
coisa senão da minha vida passada, ou o que é o mesmo, dos meus
remorsos, porque os sinto, senhora D. Amparo, e a minha sorte é
duplamente desgraçada porque não tenho uma pessoa, que sendo depositaria
das minhas amarguras, me console com os seus conselhos.

--Senhor Fernando, exclamou a joven verdadeiramente commovida, receando
que só o desespero fosse o motivo da melancholia do conde; senhor
Fernando, se julga que posso ser essa amiga, apezar da minha pouca
experiencia do mundo, não me occulte nada e honre-me com a sua confiança.

--Senhora D. Amparo, ajuntou o conde com vehemencia, póde ser para mim o
anjo salvador que me arranque do antro escuro em que me revolvo,
conduzindo-me ao reino da luz e da felicidade; porque eu, qual judeu
errante vagueando pelo mundo, necessito d'uma alma sensivel que me
comprehenda, um coração bondoso que palpite com o meu e que se compadeça
de mim. De que serve a mocidade e a riqueza? Preciso amar e ser amado. O
bulicio do mundo não é sufficiente para distrahir a tenacidade do meu
pensamento, a soledade da minha alma. Para esquecer o passado
necessito que comece para mim uma vida nova; é indispensavel regenerar o
meu coração, porque não póde calcular a persistencia com que me persegue
o infortunio. Um anno depois do meu desgraçado lance com Arthur a quem
matei, estava na Italia, precisamente em Florença, no palacio de
Médicis, defronte do grupo de Niobe onde a vi pela primeira vez...

O conde deteve-se, fez um brusco movimento com a cabeça, e exclamou:

--Só uma creança ou um louco seria capaz de entabolar similhante
conversação; e talvez eu seja uma e outra coisa. Desculpe-me, minha
senhora, e perdôe-me todas as loucuras commettidas esta noite; mas parto
ámanhã, talvez que nos não tornemos a vêr mais, porque, já lhe disse,
como o judeu errante percorro o mundo em busca de uma alma que me
comprehenda, que se una á minha e que me dê parte da sua paz, da sua
tranquillidade, da sua seiva. Ao vêl-a, disse: «É este o anjo que
cubiço.» Mas creio-me indigno de merecêl-o; e já que o segredo do meu
coração assomou aos labios, ainda que lh'o quizesse occultar, a senhora
teria já comprehendido que a amo, e só me resta supplicar-lhe que não me
guarde rancor por tanto atrevimento, e que me permitta antes de partir
apertar-lhe a mão como amigo.

Se Amparo não tivesse verdadeira sympathia pelo conde, se não estivesse
disposta a amal-o, necessariamente ter-lhe-hia parecido tão rara como
incoherente a declaração que o conde lhe acabava de fazer.

Mas Amparo amava o conde, e não se enganava ao pensar que era amada por
elle. Por isso, aturdida, trémula, com voz commovida e pouco firme, o
olhar fixo no chão, extendeu a mão a Fernando e disse:

--Pois bem; se o senhor julga que depende de mim a sua felicidade,
confie a meu pae, logo que elle volte, o seu segredo e partamos juntos
para Hespanha.

O conde soltou um grito, pegou na mão que Amparo lhe offerecia, e
cobriu-a de beijos.

..........................................................................

N'aquella noite o conde pediu a D. Ventura a mão da filha.

O honrado millionario mal poude dissimular a alegria que similhante
pedido lhe causava. Era-lhe tão agradavel ouvir chamar á filha
condessa!... Fraqueza por certo muito natural n'um homem nas condições
de D. Ventura.

Mas, ainda assim, não se precipitou: ouviu com apparente serenidade o
pedido, e concedeu o seu consentimento, depois de ouvida a opinião da
filha.

Quando o conde sahiu, D. Ventura foi ao quarto de Amparo.

--Venho dar-te uma noticia surprehendente, inesperada, talvez agradavel.

--O que é papá?

--Que o conde parte para Hespanha.

--Já sabia.

--Já sabias?! E quem t'o disse?

--Elle proprio.

--Mas sabes que quer partir ámanhã, se isso lhe fôr possivel?

--Sim.

--E sabes tambem que me pediu a tua mão?

--Calculava tambem, meu pae, accrescentou Amparo, sorrindo-se.

--Por conseguinte atraiçoaram-me?

--O que perdoará, porque é muito generoso.

--Será possivel que todos os paes sejam malucos?

--Malucos só no preciso, isto é, d'alma e coração.

--Sim, sim. Mas, dize-me que lhe hei-de responder.

--Responda-lhe que sim, é o mais logico.

--E o casamento.

--Celebrar-se-ha em Madrid.

--Claro. Quem se casa em França residindo em Hespanha?

--Pois então já sabe; quando o conde lhe perguntar pela resposta
definitiva, diga que sim e é assumpto concluido.

--Mas olha, Amparo, agora que já se póde dizer que és a promettida
esposa do conde de Loreto, vou contar-te uma cousa. Em Florença, suppuz
que tu e Ernesto se amavam; mas assim é melhor; enganei-me, com o que
muito folgo, porque, minha filha, n'estes tempos é mais acceitavel para
marido um conde rico, do que um artista pobre. Ernesto pinta muito bem,
mas não tem uma peseta.

Amparo ao recordar-se de Ernesto commoveu-se; mas a commoção foi
passageira, como a ave que cruza sobre a nossa cabeça para não mais voltar.

Dois dias depois, um compartimento de primeira classe conduzia a
Hespanha com a velocidade da locomotiva os nossos conhecidos. Era o dia
28 de junho.



CAPITULO XIII

Os tres amigos


Dois mezes depois dos ultimos acontecimentos que acabamos de narrar,
isto é, no dia 1 de setembro ás seis horas da manhã, dois rapazes
passeavam na gare da estação do sul, esperando o comboio correio de
Alicante.

--Garanto-te, dizia um d'elles, que Ernesto traz um grande quadro.

--E eu concedo-lhe o primeiro premio, ainda antes de o vêr.

--Tem muito talento.

--Sim, mas segundo pude perceber nas suas ultimas cartas, está enamorado.

--O amor abre muitas vezes o caminho.

--Quando nos não conduz a precipicios horriveis.

--Isso tudo depende da mulher que o inspira.

--Dizes bem; ella faz do homem ou um heroe ou um parvo, mas quasi sempre
o segundo caso.

--Não te concedo voto no assumpto.

--Como! Collocas-me fóra das leis do sentimento humano?

--Sim, porque és um exaggerado e odeias o sexo fraco.

--Tenho motivos para isso. Procurei estudar a mulher e estou convencido
de que para ellas o mais importante é a exterioridade. Uma gravata bem
posta, brilhante e bem feita bota de polimento; n'uma palavra um _dandy_
adamado e escravo da moda, e que tenha o cabello sempre bem apartado,
tem muitas probabilidades de ser amado; emquanto que um homem de
verdadeiro merito, que cuide mais da sua intelligencia do que do seu
traje, fica sempre derrotado em questões de amor. A historia
apresenta-nos milhares de exemplos: todos os homens que honraram a sua
patria não tiveram a quinta parte das aventuras amorosas de Lovelace,
cuja arte se reduzia em fazer olhares ternos e trazer magnificas
fivellas de prata nos sapatos.

--Ovidio foi amado por uma princeza.

--Quase esqueceu d'elle ao vêl-o n'uma masmorra.

--Tasso foi amado por uma fidalga.

--Que lhe não mandou nem um simples coto de vela quando por sua causa
estava no calabouço escrevendo, _Jerusalem libertada_. Mas tu só me dás
dois exemplos. Olha, André, Cesar foi o primeiro da sua epocha, a grande
figura de Roma, e comtudo, a sua mulher, Pompeya, preferiu-lhe um
imberbe creançola, Publio Clodio, que se vestia de mulher para pôr ao
conquistador do mundo, uma corôa que não era por certo de louro. Pobre
Cesar! Como era calvo, a sua cabeça estava sempre ameaçada.

Os que assim matavam o tempo esperando o comboio, era um poeta a quem
conheceremos pelo nome de Marcial e um pintor que se chamava André,
ambos amigos intimos de Ernesto e a quem este remettêra de Alicante
um telegramma avisando-os da sua chegada.

Marcial e André viviam juntos n'uma mansarda da rua do Prado, tinham um
creado para ambos e comiam no café Suisso.

O unico patrimonio de Marcial era a penna; a fortuna de André, os
pinceis. Os dois amigos tinham passado a fatal epocha de bohemios e
tanto Marcial com os seus dramas; como André com os seus quadros,
ganhavam o sufficiente para viver bem e serem muitas vezes a Providencia
de alguns companheiros.

Mas continuemos na gare, que não tardará que visitemos a mansarda da rua
do Prado.

O agudo silvo da locomotiva annunciou aos dois amigos que o comboio
entrava nas agulhas; deixaram, pois, a discussão e dispuzeram-se a
abraçar Ernesto.

Effectivamente chegou o comboio, e n'elle Ernesto, que se lançou nos
braços dos seus amigos.

--Agora que já te abracei, digo que te acho muito abatido, disse Marcial.

--Effectivamente, estavas melhor quando partiste de Madrid, ajuntou
André. Roma continúa a ser uma cidade doentia.

--Pois estou bom, completamente bom, e com um appetite devorador,
respondeu Ernesto; mas, quando se vôa de Roma a Civita-Vecchia, de
Civita-Vecchia a Marselha, de Marselha a Alicante, de Alicante a Madrid
sem descançar nem uma noite, e quando de mais temos a infelicidade de
enjoar no mar, creio que se não póde exigir a um corpo como o meu, magro
e doente, que se apresente ante os seus amigos com as bochechas e a
barriga de Sancho.

--Mas porque não vieste por Paris?

--Tinha pressa de chegar a Madrid, e receei demorar-me na capital do
visinho imperio mais do que podia. E bem sabes que breve se fecha o
praso para a apresentação dos quadros; chego, pois, a tempo.
Arranjaram-me casa?

--Tens a nossa. Nós temos casa.

--Tenho quarto?

--Viverás como um principe desthronado, não te apoquentes.

--Conduzam-me, então, para onde quizerem.

--E a tua bagagem?

--Reduz-se a uma mala, dois caixotes com quadros, e a tela que venho
expôr, que vem enrolada em um cylindro de madeira. Aqui está a guia.

--Dá-m'a. Pepe encarrega-se de tudo. É um rapaz muito esperto.

Os tres amigos sahiram da estação, entregaram a guia ao creado que se
chamava Pepe, e subiram para um trem.

Para chegar á mansarda dos artistas era necessario subir noventa e seis
degraus.

Uma vez vencida a difficuldade dos noventa e seis degraus, a mansarda
occupada pelo pintor e pelo poeta era alegre como uma manhã de maio.

Alli respirava-se o ar puro; d'alli o céu parecia mais azul e a vista
espairecia contemplando as arvores do Retiro e do Prado.

André fizera da sala o seu _atelier_, onde tudo se encontrava n'uma
desordem encantadora e propria do genio.

Marcial reservara a saleta para escriptorio. Ficava ainda a casa de
jantar bastante grande, outra sala, dois quartos e a cosinha.

A segunda sala estava adornada com moveis alugados para receber Ernesto.

Devemos advertir que era uma d'essas mansardas decentes, que têem fogão
em todas as casas, e que rendem ao senhorio oito mil reales por anno.

Quando os tres amigos se installaram na sala que servia de _atelier_ a
André, este disse:

--Aqui tens o nosso palacio, que de hoje em deante será tambem teu, se é
que desejas viver comnosco.

--Está claro! Acceito uma parte da casa, porque vejo que têem um
grande _atelier_ e admiraveis luzes para trabalhar.

--O que quer dizer que vens disposto a continuar com os pinceis.

--Bem sabes que são elles o meu unico patrimonio.

--Ai! Ernesto, por desgraça, em Hespanha a pintura pouco rende.

--Bem sei; mas trabalhando muito, espero não morrer de fome.

--Morrer de fome, estando comnosco!? exclamou Marcial. Isso não é facil;
aqui os bens são communs e d'esse modo nunca nos falta nada. Demais o
teu quadro será premiado, tu ficas rico, garanto-t'o eu.

--Não confio em promessas de poetas.

--O tempo te convencerá de que laboras n'um erro. Mas tratemos de outra
coisa. Que tal te déste em Roma?

--Bem como sempre. Roma é a minha patria.

--Sim, é a patria dos artistas. Mas agora dize-me com franqueza, tu
tiveste o mau gosto de te enamorares?

--Meu caro Marcial o amor não é outra cousa do que uma contribuição que
todos pagamos, mais tarde ou mais cedo.

--Em boa hora o fosse. Eu procurarei pagál-o o mais tarde possivel. Mas
com o direito que me concede a boa amizade, permitte-me que te continue
a interrogar.

--Pergunta o que quizeres.

--Amas?

--Creio que sim.

--Vamos vêr. Quantos graus attinge o teu amor?

--Muitos, respondeu Ernesto, sorrindo-se.

--E quem é ella?

--Se me permittem, guardarei segredo.

--Não ha inconveniente; mas sem dar nome ao santo, creio que nos pódes
dar alguns pormenores.

--Isso é diverso.

--É nova?

--Vinte annos.

--Formosa?

--Como o mais bello sonho d'um pintor.

--Bem, bem, a arte deve ser irmã da belleza. É rica?

--Sim, por meu mal.

--Diabo! Isso não se explica.

--Digo por meu mal, porque se fosse pobre como eu, já seria minha mulher.

--Tão enamorado estás?

--Para que negál-o? Não tenho segredos para vocês, que são os meus
unicos amigos: amo-a com toda a minha alma.

--De fórma que, quando terminar a exposição, regressas a Roma.

--Não, porque ella vive em Madrid.

--Anh! Isso é diverso; do mal o menos. Esperamos que nol-a apresentarás
quando já não fôr segredo o teu amor.

--Prometto-o, tão depressa alcance o consentimento do pae. Por agora só
lhes peço uma cama onde me deite algumas horas, porque estou muito
moido.

--Tens razão, vem. Nós mesmo te vamos acompanhar ao quarto que te
reservámos, mas não consentimos que durmas até muito tarde, porque
convidámos uns amigos para almoçar.

--Acordem-me quando quizerem.

Um quarto de hora depois dormia docemente emballado pela gloria e pelo
amor.

Pobre Ernesto! Como estava longe de imaginar a volubilidade da creatura
a quem entregára toda a sua alma n'um só beijo!



CAPITULO XIV

Curiosidade não satisfeita


Emquanto Ernesto dormia, os seus amigos collocaram convenientemente a
tela que o pintor trouxera de Roma.

--Magnifico! exclamou Marcial ao vêl-a. Estou crente que na Exposição
não apparecerá nada melhor.

--É uma grande obra, ajuntou André, contemplando o quadro com olhos de
entendedor. Ernesto obtem o primeiro premio.

--Mas espera. Já vi esta cabeça de mulher em alguma parte, disse o poeta
fixando uma das figuras do primeiro plano, que representava a rainha
Esther.

--Eu tambem, ajuntou o pintor.

--Recordemo-nos onde.

Mas de repente deu uma palmada na testa, e exclamou:

--Espera, já sei! Esta cabeça não é outra senão a de uma menina que
conheço e que mora em Madrid. É a filha do milionario D. Ventura
d'Aguillar.

--Ah! Sim! Aquelle sujeito que vem muito ao Suisso e que é tão amigo dos
artistas.

--Esse mesmo.

--E que faz esse senhor?

--Não o vejo desde o inverno passado. Deve andar viajando.

--Preoccupações dos ricos durante o verão.

--Sabes que examinando este magnifico retrato me assalta uma suspeita?

--Qual é?

--Que seja a linda Amparo o amor de Ernesto.

--Tambem me parece que tens razão em o suspeitares, visto que não ha
muito ainda nos disse que ella era rica.

--Decididamente está decifrado o enigma.

--Sendo assim, sou de opinião que Ernesto deve dar, o mais breve
possivel, o nó gordio.

--Nunca! Um artista de merecimento, um homem de talento deve ser
solteiro toda a vida; o matrimonio é um obstaculo para a sua gloria.

--Seja como fôr, o quadro é admiravel.

--E devemos confessar que Ernesto será uma gloria nacional.

--O quadro produzirá um effeito grandioso; tambem eu não esperava menos.

--Se Ernesto encontrasse um Cosme de Médicis, tinha a fortuna feita.

--Desgraçadamente para os pintores aquelles tempos passaram.

--Sim, dizes bem.

Ás onze horas chegaram tres amigos de Ernesto, pintores tambem, que
estavam convidados para almoçar com Marcial e André.

Ernesto continuava dormindo, somno que se respeitou durante meia hora
que passaram entretidos a contemplar o quadro.

Por fim decidiram-se a despertar o hospede, e Ernesto deixou a cama
entre applausos, felicitações e abraços dos amigos.

Tudo sorria em volta de Ernesto, e elle pensava de si para si:

--Hoje estou com os meus amigos; ámanhã... oh! ámanhã irei vêl-a ao seu
palacio de Caramanchel.

Ernesto ignorava que Amparo tivesse morrido para elle.

Os seis amigos foram para o restaurant do Arminho, onde estava
encommendado o almoço.

Os poetas e os pintores são tão pobres de dinheiro como ricos de
imaginação. Quando a venda de um quadro ou a estreia de uma peça
lhes rende algum dinheiro, gastam-no alegremente com o mesmo
desprendimento de principes. Ao acabar-se o ultimo centimo puxa-se pela
intelligencia e cria-se outra obra. Assim passam a vida esses
sonhadores, esses filhos do genio que vivem acariciados pelo sopro da
gloria e pela interminavel melodia das suas illusões.

O restaurant do Arminho hoje já não existe; ha ainda pouco tempo que
fechou as suas portas, convertendo-se no de Madrid. Mas seja como fôr,
occupemo-nos do primeiro.

O Arminho no seu pequeno, mas elegante recinto, não era frequentado por
pobres ou economicos. O serviço era á lista, e os pratos caros, mas bons.

Os frequentadores sabiam que um simples almoço lhes custava um par de
duros, mas sabiam tambem que era preciso pagar, não só os manjares que
depositavam no estomago, como as gravatas brancas dos creados e o
serviço de prata em que eram servidos.

N'uma grande cidade como Madrid ha o costume de se atirar o ouro por um
lado, emquanto que do outro alguns desgraçados morrem de fome.

Marcial encarregára-se do almoço. N'aquelle dia os estomagos dos amigos
estavam á sua disposição. Escreveu n'um papel os quatro pratos fortes de
que devia compôr-se, deixando ao gosto do cosinheiro do restaurant as
sobremezas e os vinhos.

Os seis jovens, alegres e cheios de illusões, tinham bom apetite;
comeram como quem não sente remorsos na consciencia, falaram de
pinturas, de theatros, de mulheres.

Ernesto ouvia com certa satisfação os seus amigos; fallava menos do que
elles sem duvida, porque tinha a imaginação mais preoccupada.

Quando chegou o _Champagne_, o vinho da alegria, do amor, quando
começaram os brindes e os epigrammas picantes. Marcial levantou-se com
um copo na mão, e disse:

--Brindo pelo original que serviu de modelo ao nosso amigo para
pintar a formosa figura de Esther no quadro que será a admiração de Madrid.

Todos esvasiaram os copos.

--E se essa figura que tanto celebras fosse uma creação minha? disse
Ernesto, sorrindo-se.

--Então, respondeu Marcial maliciosamente, brindo pellas bellas creações
do teu genio, e se alguma vez tiver a triste ideia de me casar,
pedir-te-hei primeiro que pintes uma mulher a teu gosto, e juro-te que
não consumarei o sagrado laço do matrimonio sem que encontre uma de
carne que seja egual á do teu retrato. Mas, que queres, parece-me que já
vi a tua Esther com trajes á moderna.

--Estás enganado, respondeu Ernesto com embaraço.

--Senhores, disse André, levantando-se, eu, em nome da fraternal amizade
que nos une, peço que respeitem o silencio do nosso amigo.

--Pois eu, pelo contrario, peço que nos conte todos os seus segredos,
exclamou um dos convidados. Entre amigos como nós, tudo é commum, até os
segredos.

--Tem razão. Ernesto não deve ser avarento dos seus segredos, já que
nunca o foi da sua bolsa.

--Fala!

--Conta-nos o que fizeste em Roma desde o dia em que pisaste a cidade
eterna, até ao momento em que partiste para nos trazeres o melhor quadro
que verão os contemporaneos.

--Sim, conta-nos a historia dos teus amores.

--Basta, senhores! exclamou Ernesto, estendendo os braços para
restabelecer a ordem. Quem diabo lhes disse que estou enamorado?

--Foi Marcial.

--É uma calumnia.

--Podemos provar-te o contrario.

--De que maneira?

--Apresentando-te o original da tua Esther.

Ernesto estremeceu.

--N'esse caso, só se poderia attribuir a uma casualidade, disse
inquieto.

--A amizade não deve ser exigente, disse André desejoso de livrar o seu
amigo d'aquelles apuros. Visto que Ernesto não conta, respeitemos o seu
silencio, e tomemos café.

--Sim, sim; tomemos café, ajuntou Marcial, e com pouco assucar, para que
allivie um pouco a cabeça, dissipando os vapores do vinho!

--Isso é um insulto; chamas-nos _piteireiros_.

--Póde ser que tenhas razão, disse outro. Apesar de tudo, o piteireiro é
um ser feliz.

--Que seria dos homens se não existisse o vinho?

--Uma sociedade de paes graves.

--Um vasto cemiterio.

--Viva o vinho!

--E os homens despreoccupados, que se não importam de se embriagarem!

--Viva a Inglaterra, onde a embriaguez é respeitada.

--E está na ordem do dia.

--Ah! Nós, os hespanhoes, somos uns hypocritas; criticamos os
piteireiros, mas bebemos vinho.

Desde aquelle momento a conversa dos seis rapazes foi tão animada, tão
alegre, que nos seria difficil reproduzil-a.

Contos, anecdotas, escandalos da capital, tudo serviu de assumpto, em
redor d'aquella mesa, onde fumegava a digestiva _moka_ e o estomacal
_cognac_.

Ás seis da tarde abandonaram o restaurant, e dirigiram-se para
Castelhano. Necessitavam respirar o ar fresco do campo.



CAPITULO XV

Carta interrompida


Penetremos na encantadora quinta que D. Ventura possuia em _Carabanchel
de Arriba_; mas não nas elegantes e luxuosas habitações, pois que Amparo
que é quem procuramos, está n'um caramanchão situado no extremo de uma
recta e larga rua formada por altos e copados castanheiros da India.

Para que o leitor se inteire de tudo o que succedeu desde que perdeu de
vista a formosa herdeira de D. Ventura, bastará dar-se ao incommodo de
lêr a carta que Amparo escreve a uma amiga intima e antiga condiscipula.

Leiamos, pois:


                                                    «Minha querida Luiza

    «Desde o dia do meu casamento com o conde de Loreto, isto é, ha um
    mez, nem tu sabes o que tem sido de mim nem eu sei nada de ti. Agora
    que meu marido me deixou, pois alguns negocios o prendem todo o dia
    em Madrid, vou dar-te parte da minha vida.

    «Escrevo-te, ouvindo o canto das aves sobre a minha cabeça, e
    aspirando o perfume do jasmim e da madresilva. A minha alma
    necessita da doce quietação que me rodeia, para poder expressar-te
    toda a immensa felicidade que sinto.

    «Ah! Luiza, já sei que amas um homem, e que és egualmente amada por
    elle. Porque se não casam? E porque não veem para o campo?

    «Ignorava que no coração d'uma creatura o amor infundisse uma
    felicidade tão ineffavel como a que experimento. É bem verdade que
    Fernando, meu marido, é o melhor dos homens.

    «Se visses a maneira amavel e obsequiosa que tem sempre para
    commigo! Eu sou, por assim dizer, a rainha absoluta d'este pequeno
    paraizo. Meu pae ri-se do que chama caprichos de menina amimada, e
    Fernando approva immediatamente, tendo por logico e natural até o
    mais estranho e excentrico.

    «Muitas vezes pergunto a mim propria se esta felicidade poderá durar
    muito. Mas porque não ha de durar? Quando o amor é verdadeiro, dura
    tanto como a vida. Que digo? Mais do que a vida, pois acompanha a
    alma até á eternidade.

    «Mas vou-te falar de Fernando a quem só conheces superficialmente.
    Imagina, querida Luiza, um rapaz bonito, com um coração de anjo, a
    quem os genios da musica e da pintura bafejaram em creança, pois que
    Fernando é musico e pintor.

    «Toca orgão de uma maneira admiravel, e desenha quasi tão bem como
    Gustavo Doré, cujos bellos trabalhos conheces.

    «Junta a isto uma bondade sempre disposta a comprazer e poderás
    imaginar quem é o homem que me coube por sorte para companheiro de
    toda a minha vida.

    «Demais, Fernando tem uma conversação que fascina.

    «Quando de noite passeamos pelo jardim de braço dado, deleita-me
    ouvir-lhe os planos que formulou para que a minha felicidade seja
    mais duradoura.

    «Se soubesses as viagens encantadoras que projecta para a proxima
    primavera!...»


Estava a carta n'este ponto, quando Amparo ouviu pronunciar o seu nome;
levantou a cabeça e não poude conter um grito.

Tinha na sua frente, seu pae e Ernesto.

D. Ventura, alegre e risonho como sempre; o pintor pallido como um cadaver.

Amparo ao vêl-o, deixou cair a penna da mão, exclamando:

--Ah! é o sr. Ernesto!

--Elle proprio, respondeu D. Ventura, collocando familiarmente uma mão
no hombro do pintor. Surprehendeste-te, não é verdade? Pois olha que a
mim tambem me succedeu o mesmo, apezar de o esperar mais dia, menos dia,
visto a exposição abrir em meados do mez.

Durante este curto dialogo, Ernesto guardou silencio. Os olhos tinha-os
fixos em Amparo e os labios entre-abertos deixavam assomar um sorriso
tão amargo como doloroso.

Amparo por sua parte, parecia perturbada. A presença inesperada de
Ernesto produzira-lhe um effeito desagradavel. Nos olhos d'aquelle homem
estava o ameaçador olhar do amante offendido.

Aquelle homem era para ella um terrivel presagio, um vivo remorso.
Desejava estar a cem leguas d'alli.

--Sem duvida, que viemos importunar esta senhora, disse Ernesto
procurando dominar-se.

--Não, senhor Ernesto; escrevia a uma amiga, e tenho tempo. Só á noite é
que parte o correio.

--Demais, disse D. Ventura, o senhor não é uma visita importuna para
nós, mas um bom amigo a quem tratamos com o maior prazer e recebemos
sempre com satisfação. Se assim não fosse commetteriamos uma ingratidão.
De fórma nenhuma se esquecem facilmente as nossas excursões por Florença
e Roma.

Innocentemente D. Ventura feriu no mais recondito o coração da fllha.

--Creio, senhor Ernesto, que concluiu o seu quadro que vimos começado em
Roma, disse Amparo.

--Sim, minha senhora, concluio-o, e espero depois de ámanhã,
requerer um logar para a proxima exposição.

--Onde iremos admiral-o e orgulharmo-nos, porque somos amigos do pintor,
ajuntou D. Ventura.

--Quem o duvida?

--Mas dize-me: onde está o teu marido. Desejava apresentar-lhe Ernesto.

--Fernando foi esta manhã a Madrid e não volta senão á tarde.

--É pena; mas tudo se póde remediar, ficando Ernesto e almoçando comnosco.

Decididamente D. Ventura parecia disposto a atormentar a filha.

Ernesto comprehendeu que Amparo desejava vêr-se livre da sua presença,
mas a noticia inesperada do seu casamento, causára-lhe tão terrivel
effeito, que acceitou o almoço que lhe offerecia D. Ventura, só pelo
prazer de atormentar aquella _coquette_ que brincára com o seu coração
para depois o despedaçar.

O almoço ia ser egualmente terrivel para os dois, mas Ernesto devorado
pelo ciume, pela raiva, pelo desespero, estava resolvido a soffrer tudo.

Acceite o convite, D. Ventura, que não sabia estar quieto em parte
alguma, teve ainda outro ensejo mais lamentavel para atormentar a filha
do que os anteriores.

--Ernesto é como da familia e como fica para almoçar, vou dar as ordens
necessarias e escrever duas cartas; passeiem pelo jardim, que eu venho
buscal-os depois.

E dizendo isto dirigiu-se precipitadamente, para casa.

N'aquella occasião Ernesto daria a D. Ventura, a vida, e até a gloria;
tinha necessidade de falar com Amparo sem testemunhas, de ouvir uma
explicação da sua conducta; e demais, continuar o fingimento, a
dissimulação, seria impossivel.

Quando n'um peito cheio de juventude e apaixonado se levanta essa
terrivel tempestade do ciume, é difficil dominál-a, chega o momento
em que, esquecendo-se dos deveres sociaes, estala e produz um conflicto.

Ernesto, ao vêr-se só, suspirou com força.

Amparo comprehendeu a sua situação e conhecendo o generoso coração de
Ernesto, juntou as mãos, deixou assomar aos olhos duas claras e
transparentes lagrimas e com voz commovida, disse:

--Pela memoria de sua mãe, pela recordação d'aquellas noites imprudentes
de Florença, rogo-lhe, Ernesto, que se esqueça de tudo e me perdôe.

O pintor fixou um olhar intenso, sinistro, n'aquella mulher que nunca lhe
parecêra tão bella, e dominando-se, mas estremecendo ao mesmo tempo,
como se o fosse a acommetter um ataque nervoso, disse:

--Perdoar, é facil; basta ter um coração grande e generoso; esquecer é
impossivel, senhora, quando se tem uma alma como a minha, quando se
sente na bôcca o fogo de um beijo que ha de causar a minha desgraça e a
minha morte.

E levando a mão á cabeça, em tom desesperado, exclamou:

--Tudo isto é um sonho! É impossivel que isto seja realidade! Que mal
fiz a esta mulher, para que depois de mostrar-me o céu, me lance no
abysmo do desespero?

--Ernesto, senhor Ernesto, por piedade. Conheço que fui uma imprudente,
que sou culpada, mas que quer...

--Senhora, exclamou Ernesto com dignidade, ha procedimentos, que nem
Cicero com toda a sua eloquencia, poderia explicar satisfatoriamente, e
o seu, é um d'elles; e, se eu, vendo-me enganado, me quizesse vingar, se
eu n'este momento em que a vida me é indifferente, commettesse um
d'esses crimes que lança o desespero nos homens, seria mais desculpavel
ainda ante os homens do que a senhora ante a sua consciencia.

--É verdade, é verdade! murmurou Amparo, escondendo o rosto nas
mãos. Póde-me matar se lhe apraz.

--Não tenha medo; tenho bastante coragem para receber a morte sem me
defender. Até ainda ha pouco a esperança, essa bella flôr da vida que
tudo embelleza, esse grato perfume da alma, acariciou o meu coração,
porque a luz d'uns olhos que outr'ora se fixaram nos meus cheios de
ternura, illuminava todo o meu sêr; mas, agora, encontro-me subitamente
mergulhado na mais profunda escuridão. Foi tudo um sonho, tudo uma
mentira; a senhora nunca me amou; as noites de Florença foram momentos
passageiros de delirio, entretenimento de mulher _coquette_, esmola
concedida por uns labios lisongeiros, falso ouropel que tive a veleidade
de receber por ouro puro; e emquanto recebia um beijo falso, dava a
minha alma inteira. Ah! Que louco fui! Se ao menos tivesse tido
compaixão de mim, se se tivesse dignado escrever-me uma carta,
dizendo-me: «Ernesto, esqueça tudo quanto se passou entre nós; vou
casar-me com o conde de Loreto, meu pae exige-o, é um compromisso que
não posso evitar...» uma desculpa qualquer, uma mentira ao menos, porque
ha mentiras desculpaveis porque nos fazem bem... Mas não; a senhora,
pelo contrario, guardou silencio, e eu continuava alimentando as minhas
illusões. Hoje chego a esta casa com a alma repleta de amor e de
esperança e o seu pae diz-me com a mesma frieza e indifferença como se
me falasse de um dos seus negocios: «Amparo casou com o conde de
Loreto.» Comprehende, senhora, o effeito que em mim produziu esta
noticia? As palavras não matam porque eu ainda vivo.

Amparo chorava. Só então comprehendeu a gravidade da sua imprudencia. O
conde de Loreto fascinara-a: desde o dia das corridas em Paris amava-o
de toda a sua alma, mas se antes de casar ouvisse as justas
recriminações que lhe dirigia Ernesto, não teria pronunciado o _sim_ de
esposa junto ao altar.

Mas o coquettismo, essa arma terrivel da mulher, quando esgrimida contra
um coração enamorado e sensivel, dera os seus terriveis fructos e jé
era tarde para retroceder.

Por isso Amparo não encontrava palavras com que se defendesse, com que
se justificasse.

N'estes casos, a mulher tem dois caminhos; ou rir-se do amante enganado,
ou confiar na sua generosidade e pedir-lhe perdão.

Amparo nem por sonhos pensou no primeiro caso; conhecia bem o amor de
Ernesto e a bondade do seu coração; por isso appellou para o segundo
recurso, e, levantando a cabeça, apresentou ante os olhos do pintor o
seu rosto interessante, formoso e pallido, e, derramando lagrimas, disse:

--Pois bem, sim, Ernesto; fui uma _coquette_, uma imprudente, uma
leviana. O meu procedimento não tem desculpa; mas amo o meu marido e
preferiria cem vezes a morte a faltar ao que a minha honra e os meus
deveres de esposa me impõem. Se não é bastante generoso para perdoar,
mate-me, antes que Fernando conceba a menor suspeita, e antes que a mais
pequena nuvem empanne a sua felicidade, prefiro morrer. Mas o senhor é
bom e terá dó de mim.

Ernesto começava a sentir-se enternecido. Amava tanto aquella mulher que
não se sentia com coragem para lhe negar fosse o que fosse. Amparo
aproveitava-se das vantagens que ia conquistando.

--Sejamos, pois, amigos, como nos primeiros dias em que nos conhecemos;
irmão, se quizer, mas perdôe-me e esqueça-me... não será tão cruel que
m'o negue.

--Amparo, a senhora não póde imaginar o sacrificio que me pede; mas faz
bem em confiar em mim. Como poderei ser a causa da desgraça da mulher
que amo de toda a minha alma? Perdôo-lhe todo o mal que me fez, mas
esquecer... é impossivel. Para amar não é preciso ser correspondido. Mas
para que prolongar por mais tempo uma scena que me despedaça o coração?
Adeus, minha senhora, seja feliz, viva socegada, porque entre os dois
abriu-se, desde hoje, um abysmo, no fundo do qual estão sepultadas
todas as minhas illusões, toda a minha felicidade.

E Ernesto sahiu do caramanchão como o demente que arrebatado pela
vertigem do seu doente cerebro não sabe para onde caminha.

O primeiro movimento de Amparo foi detêl-o; porém conteve-se, calculando
que ia commetter uma segunda imprudencia, e de mais graves consequencias
do que a primeira.

Uma vez só procurou serenar-se.

--Pobre Ernesto! disse ella, enxugando as lagrimas. Nunca imaginei que
fosse tão grande o seu amor. Ah! Tem muita razão para me odiar. Foi uma
imprudencia.

E, recordando-se de que uma só palavra de Ernesto poderia perturbar a
sua felicidade, exclamou:

--Meu Deus! Permitti que esse homem não seja assaltado pela terrivel
paixão da vingança.

Amparo fixou o olhar na carta que escrevia tão alegre, poucos momentos
antes, á sua amiga, e não tendo paciencia nem socego n'aquelle momento
para concluil-a, guardou-a na carteira do seu estojo de viagem.

Quando o pae voltou, Amparo estava quasi socegada, ou pelo menos fingia,
para que se não suspeitasse nada da scena que acabára de dar-se
n'aquelle logar.

--Aonde está Ernesto? perguntou D. Ventura.

Rapidamente imaginou uma desculpa que motivasse a precipitada fuga do
pintor.

--Ernesto, disse, acaba de sahir.

--Mas, volta para almoçar?

--Não; disse-me para lhe pedir desculpa de se retirar, mas havia-se
esquecido de que tinha uma entrevista importante em Madrid ás duas horas
da tarde.

--Todos os artistas têem a cabeça á razão de juros. Mas emfim que
remedio! Almoçaremos sósinhos.

E offerecendo o braço á filha, dirigiram-se para casa.



CAPITULO XVI

Propostas


Ernesto chegou a casa e deixou-se cahir desesperadamente na cama;
sentia-se fatigado, um desejo irresistivel de chorar, um calor immenso
nas fontes e um frio glacial no coração.

Deitou a cabeça nas almofadas e chorou.

Ás cinco horas da tarde, Marcial e André foram buscal-o para irem
jantar, e ao verem-n'o pallido, com o parecer decomposto e os olhos
avermelhados, perguntaram sobresaltados:

--Estás doente? Que tens?

--Nada, meus amigos, nada; quero estar só. Deixem-me; esta tarde não
tenho appetite.

--Mais uma prova de que estas doente, e por isso não te abandonaremos.

--Por Deus, não me obriguem a levantar. Um boccado de socego far-me-ha
bem. Repito-lhes que não tenho nada. Vão tranquillos que lhes peço eu.

Depois de meia hora de inuteis perguntas, Marcial e André sahiram
afflictos do quarto de Ernesto.

--Indubitavelmente ha alguma cousa, disse o poeta.

--Que diabo succederia? ajuntou André.

--Parece-me que anda n'este mysterio o original da formosa Esther do
quadro.

--Tambem o creio.

--Não te disse elle esta manhã, que ia a Carabanchel?

--Sim.

--Em Carabanchel tem D. Ventura uma casa de campo.

--Que lhe succederia?

--Quem sabe! Talvez algum desengano.

--Seja o que fôr, procuremos indagar. É uma desgraça ter um coração
impressionavel como o de Ernesto; vae dar-lhe muitos desgostos.

Marcial e André recolheram n'aquella noite mais cedo que de costume.

Ernesto continuava deitado; no quarto não tinha luz. Marcial
approximou-se da cama com um phosphoro acceso para vêr se o seu amigo
ainda dormia.

O pintor tinha os olhos abertos.

O poeta accendeu a vela que estava na mesa de cabeceira, puxou uma
cadeira e sentou-se proximo da cama do amigo.

--Olha, Ernesto, a dissimulação só tem logar entre pessoas que se não
estimam. É em vão que procuras occultar-me o que te succedeu. Soffres,
tens uma d'essas dôres immensas que opprimem o coração. Basta olhar-te
para a cara para te adivinhar. Comprehendes que, estimando-te como a um
irmão, não me posso retirar tranquillo, só porque me dizes: «Não tenho
nada». Confia, pois, na minha amizade, deposita em mim as tuas maguas.
Quem sabe se poderei servir-te de consolação?

Ernesto apertou carinhosamente a mão do amigo e disse:

--Sei quanto me estimas; sei de quanto é capaz o teu generoso coração.
Somos amigos ha muito tempo, e nunca tive o mais leve motivo para
duvidar da tua amizade. Em nome, pois, d'essa amizade, peço-te que
respeites o meu silencio e que me deixes só.

--Está bem, obedeço; mas não esqueças nem um só momento de que me
encontro disposto a fazer o sacrificio da minha vida, se com ella posso
evitar-te algum desgosto.

Marcial sahiu do quarto de Ernesto na occasião em que ia a entrar André.

--Onde vaes? lhe disse.

--Vêr Ernesto.

--Deixa-o, está dormindo; o que precisa é de socego.

No dia seguinte Ernesto levantou-se de melhor parecer, e os tres amigos
tomaram juntos uma chavena de chá e alguns biscoitos inglezes.

Nem André, nem Marcial tornaram a perguntar a causa da sua tristeza, mas
elles tambem estavam tristes e desgostosos.

N'aquelle mesmo dia ficou o quadro de Ernesto na exposição. Á noite
reuniu-se com os amigos no café. Todos respeitaram a taciturnidade do
pintor, porque todos o estimavam e se compadeciam da sua
incomprehensivel tristeza.

Assim se passaram quinze dias. A exposição de pintura abriu as portas ao
publico, e o quadro de Ernesto arrancou um grito de admiração aos
espectadores.

A figura de Esther era uma obra tão perfeita como a Virgem de Murillo. O
quadro tinha sempre um grupo de admiradores, que o contemplavam com
verdadeiro extasi.

Uma manhã Ernesto acabava de se levantar quando José, o creado, entrou
participando-lhe que um cavalheiro lhe desejava falar.

Esse cavalheiro não era outro senão Fernando del Villar, Conde de Loreto.

Ernesto procurando simular uma serenidade que não sentia, offereceu-lhe
uma cadeira, e perguntou tranquillamente o que desejava.

--Vi e admirei o precioso quadro que tem na exposição de pintura, disse
o conde. É na verdade uma obra-prima. Tenho a absoluta certeza de que
alcança o primeiro premio, e venho vêr se o senhor m'o quer vender.

--Senhor, disse Ernesto, creia que concede ao meu trabalho mais
merecimentos do que os que realmente tem. Mas de modo nenhum desejo
desfazer-me d'elle emquanto o jury não resolver.

--Entretanto póde confiar, disse o conde, que o jury lhe concede o
primeiro premio, e eu compro-lhe o quadro como uma obra-prima. Póde
pedir-me quanto quizer sem receio de que me pareça exaggerado o preço.
Felizmente sou rico, e sei avaliar o valor das obras como a tela de Esther.

--Tenho tambem que advertir-lhe, senhor conde, de que um correspondente
da casa de Rotschild já me fez proposta sobre o quadro.

--Rotschild é mais rico do que eu, disse o conde, sorrindo-se, mas tenho
mais direitos do que elle ao quadro a que nos referimos.

--O senhor tem mais direito?! exclamou Ernesto, comprehendendo o ponto
para onde o conde desejava levar a conversa.

--Sim, porque o senhor não ignora que a cabeça de Esther tem uma grande
parecença, parecença de retrato perfeito, com uma mulher que tenho em
muita conta, e cujo bom nome me importa mais do que e vida.

--Não serei eu que o contradiga na sua opinião, senhor conde, mas se é
retrato, é por pura casualidade, pois foi pintado de imaginação.

--Creio, senhor, ajuntou o conde manifestando a sua importancia, que
n'estas coisas o melhor é falar com a maxima franqueza.

--Nada ha de que eu mais goste.

--Assim, pois, começarei por lhe dizer o que o senhor não ignora, e é
que a cabeça de Esther não é outra cousa senão o retrato de minha
mulher, a quem o senhor conheceu em Roma e em Florença.

--Pois bem, senhor conde, ainda que assim seja, ainda que visse e
tratasse em Roma e Florença com a senhora que hoje é sua esposa, ainda
que a minha memoria tivesse sido tão feliz que retivesse as suas feições
e as transportasse á tela, tudo isso não é mais do que uma liberdade que
tomei, e se o offende essa liberdade, a questão, entre pessoas de bem,
tem uma solução que o senhor não ignora.

Ernesto pronunciára estas palavras com a altivez de quem provoca. O
conde ouviu-o tranquillamente e sem demonstrar a mais leve agitação.

Quando o pintor concluiu, o conde fez um movimento de olhos e de rosto,
manifestando o desgosto que lhe causava similhante provocação.

--Senhor, disse pausadamente, primeiro que tudo, previno-o de que não
vim aqui ao som de guerra e julgo por tanto fóra de proposito a solução
que acaba de me propôr. Que conseguiriamos batendo-nos? Justamente o
contrario do que desejo e do que o senhor desejará ámanhã. Poderia
provar-lhe, sem que lhe ficasse duvida alguma, que não sou um cobarde, e
que me tenho batido mais de uma vez.

Ernesto sorriu-se.

--Perdôo-lhe essa nova provocação, ajuntou o conde, e torno a pedir-lhe
não só que me venda o quadro, como tambem que espalhe a noticia de que
eu lh'o encommendei em Roma, pedindo-lhe que este fosse o retrato de
Amparo.

--Nunca!

O conde estremeceu, augmentou de uma maneira terrivel a sua pallidez, os
seus olhos brilharam momentaneamente de uma fórma sinistra, e fazendo um
esforço violento para dominar-se, continuou sem levantar a voz, com
humilde entoação.

--Creia, meu amigo, que está em completo erro se julga que vim aqui com
exigencias; longe do meu espirito toda a ideia de ameaça; só supplico.
Se o senhor se nega a vender-me o quadro, mas se deseja evitar a minha
mulher graves desgostos, creio que por fim cederá a publicar um artigo
nos jornaes em que explique satisfatoria e convincentemente para todos,
a similhança que tem a figura de Esther com Amparo.

E o conde, levantando-se ajuntou:

--Pense, e pense tambem nas graves consequencias que a todos podem
trazer a sua negativa. Espero até ámanhã a sua resposta em minha casa.
Este cartão indica-lhe a minha residencia em Madrid.

E deixando sobre uma mesa um bilhete de visita, cumprimentou-o e sahiu.

Ernesto permanecia sentado com o olhar provocador, sem se dignar
corresponder ao cumprimento que o conde lhe dirigira ao sahir.



CAPITULO XVII

Confiança


Quando o conde entrou na carruagem que o esperava á porta, deu ordem que
o conduzissem para casa, e deixou-se cahir no assento rugindo de raiva.

--Ah! exclamou falando comsigo. Aquelle insensato julgou talvez que tive
medo. E não conheceu o horrivel tormento que me causava o conter-me.
Terei que matar outro homem? Não, não, mil vezes não. Consentirei antes
que elle me esbofeteie, preferirei fazer saltar os miolos.

Quando o conde chegou a casa, situada na rua do Barquillo, entrou no
quarto de vestir de Amparo, que o esperava inquieta e commovida.

--O tal senhor Ernesto, disse o conde, sentando-se n'um sofá, é menos
generoso do que suppunhas. Nem quer vender-me o quadro, nem publicar uma
communicação em que explique decentemente a natural curiosidade de todos
que te conhecem.

--Mas elle não tinha nenhum direito para fazer o que fez, para me pintar
n'um quadro com risco de me comprometter, exclamou Amparo tartamudeando.

O conde sorriu-se, e fazendo um movimento de hombros, disse:

--Não pódes calcular o quanto me fez soffrer esse homem. Durante a nossa
entrevista, falei-lhe com doçura, com humildade, pedi-lhe que me
vendesse o quadro, suppliquei-lhe, e julgando, sem duvida, que as minhas
palavras eram dictadas pelo medo, que eu era um cobarde, teve o
atrevimento de me dizer que se não ficava satisfeito com a sua
negativa, o assumpto liquidava-se d'outra maneira entre homens.
Desgraçado! Necessitei de todo o valor, de toda a força do homem que se
não póde bater, depois de ter morto cinco homens, para não o esbofetear
na sua propria casa. Mas quem sabe se esse insensato me fará faltar ao
meu juramento e terei de matal-o.

--Não, não, Fernando! Não quero que te batas! Não quero que te exponhas!
A tua vida pertence-me!

--Mas se esse homem, depois de ter dado pasto a maledicencia com o seu
importuno quadro, me insultar na rua, no theatro, n'um passeio, o que
hei de fazer senão bater-me?

--Pensa que um duello não serviria senão para augmentar essa
maledicencia que nos assusta, esse murmurio que receamos.

--Sim, concordo; mas não vejo outro caminho.

--Dize-me, Fernando, tens confiança em mim?

--Se a não tivesse, estaria como estou, aqui?

--Obrigada, meu amigo.

--Mas a que proposito veiu essa pergunta?

--Porque conheço o bello e nobre caracter de Ernesto.

--Vaes fazer-me algum elogio das suas qualidades moraes?

--Não; vou tranquilizar-te. Ouve. Uma casualidade fez com que eu
conhecesse Ernesto em Roma. Depois acompanhou-nos a Florença. Bondoso e
illustrado, levou-nos a toda a parte, e não demorou muito que não
percebesse que eu lhe não era indifferente. Bem sabes, Fernando, que não
tenho segredos para ti, porque o meu coração e a minha vida
pertencem-te, porque te amo de toda a minha alma.

--Sim, sim, não tenho duvidas a esse respeito e comprehendo
perfeitamente tudo quanto se póde passar entre uma menina e demais
formosa como tu e um homem como Ernesto, que viajam juntos. Amou-te,
fez-te uma declaração que não regeitaste, já por coquettismo, já
por compaixão. Isso é natural nas mulheres, não as censuro; mas ás vezes
traz más consequencias. Agora, por exemplo: Ernesto ao voltar a
Hespanha, encontra-te casada e julga-se com o direito de fazer a tua e a
minha desgraça, e apezar d'isso não tenho a mais pequena duvida de que
esse rapaz tem uma boa alma, um generoso coração.

--Dizes bem, é uma desgraça. Tomei aquelles passeios em Florença, por um
passatempo, por uma distracção. Aborrecia-me. Ernesto, pelo contrario,
julgou que eu o amava como Heloisa amou Abelardo... Lastimo tão funesto
engano. E agora auctoriza-me para que meu pae compre o quadro, eu
procurarei a maneira, sem faltar aos meus deveres de esposa, de liquidar
este assumpto satisfatoriamente, porque nada me interessa tanto como a
tua felicidade, meu Fernando.

--Repara, Amparo, que o que me propões é uma imprudencia. Ernesto para
ceder aos teus pedidos, póde ser exigente.

--N'esse caso, dir-te-hei: «Fernando, sou tua; o teu amor é a minha
vida. Mata esse homem, que me julgou capaz de faltar aos meus deveres.»

O conde soltou um grito, abraçou com enthusiasmo a mulher.

--Ah! disse Amparo, este abraço prova-me que te inspiro confiança, e que
annues ao meu pedido.

--Faze o que quizeres; mas fica sabendo que se antes de vinte e quatro
horas esse homem não explicar nos jornaes, de um modo satisfatorio para
mim, a parecença da condessa de Loreto com a Esther do seu quadro, não
me fica outro remedio senão matal-o.

E o conde cumprimentando a esposa, sahiu do quarto.

Amparo ficou por um momento como que oppressa sob o peso da ameaça que o
marido acabava de proferir.

Pela primeira vez comprehendeu até onde podia conduzil-a a
imprudencia do seu coquettismo em Florença.

Rapidamente lhe passaram pela imaginação as recordações d'aquellas
noites passadas com Ernesto no jardim do hotel do senhor Rosales.

--É preciso evitar a todo o transe que se batam. Um desafio entre meu
marido e Ernesto produziria um escandalo, e a maledicencia, duvidando da
minha honradez, poderia menoscabar na honra do conde. Se isto
succedesse, toda a felicidade que agora disfructo desappareceria. Não,
não, falarei com Ernesto e supplicar-lhe-hei se tanto fôr preciso.

Amparo deteve-se, como se tivesse commettido alguma imprudencia.

--Mas se lhe peço uma entrevista, continuou, ainda que esta seja com a
nobre intenção de evitar uma desgraça, se se sabe que a mulher do conde
de Loreto e o auctor do quadro de Esther se viram sem testemunhas, então...

Amparo escondeu o rosto entre as mãos, rompendo em amargo choro, porque
comprehendia que por todos os lados sómente encontraria difficuldades.

N'aquelle momento entrou D. Ventura.

--Que é isso? Que tens? Porque choras? Acabo de encontrar o teu marido
que me cumprimentou com uma frialdade um tanto importuna. Vou-me
convencendo de que os aristocratas quando se casam com a filha d'um
plebeu, embora este seja o mais honrado e o mais rico do mundo, sempre
julgam que lhe fazem favor. E olha, como isto me desgosta, e caso
continue assim, separo-me de vocês, ainda que o não te vêr me amargure a
velhice e abbrevie os dias que me restam de vida.

D. Ventura falava rapidamente, dissimulando mal o desgosto que sentia e
as lagrimas que lhe começavam a assomar aos olhos.

--Meu querido pae. Creio que nos ameaça uma grande desgraça.

Este grito sahido do peito de Amparo fez empallidecer o pae.

--Uma desgraça! exclamou. E que desgraça é essa?

--Ernesto foi um imprudente ao tomar-me para modelo do seu quadro.

--E é só isso? perguntou D. Ventura que não via motivo para se
sobresaltar d'aquelle modo. Se o motivo é o quadro, se não querem que
elle continue exposto, comprem-lh'o, e é assumpto concluido.

--Mas elle não o quer vender.

--Ora! Porque não lh'o pagam bem.

--Não, meu pae, não. Ernesto não o vende ainda que lhe offereçam um milhão.

--Pateta! Nem tu nem Ernesto sabem o que é um milhão. Não ha quadro do
mundo que valha essa quantia.

--O pae não conhece Ernesto.

--Mas entendamo-nos. Que é que tu queres? Que elle retire o quadro?

--Não é sómente que o tire da exposição, como tambem que publique nos
jornaes um artigo, assignado por elle, dizendo que o quadro é do conde,
o qual teve o capricho de que Esther fosse o retrato da esposa.

--Pois bem, falarei com Ernesto, e tudo se arranjará.

--Mas Ernesto recusa-se!

--Como! E porque recusa?

Amparo comprehendeu que era preciso revelar tudo ao pae, porque só elle
podia valer-lhe n'aquelle apuro, e pegando-lhe carinhosamente nas mãos e
olhando-o com doce expressão, disse-lhe:

--Porque Ernesto ama-me; porque tem ciumes, porque ao chegar a Hespanha
e encontrando-me casada lhe fugiram todas as esperanças do seu generoso
coração, e receio que commetta alguma loucura.

--Diabo! Diabo! Isso é muito differente! E teu marido sabe que Ernesto
te ama?

--Suspeita-o, e jurou bater-se com elle, se antes de vinte e quatro
horas não ficar completamente resolvida a questão do quadro.

D. Ventura deu um profundo suspiro.

Começava a vêr a questão sob o seu verdadeiro ponto de vista, e receava
que tivesse um desenlace fatal.

--Bem vê, meu pae que o meu sobresalto e o meu receio é fundado. Se
Fernando e Ernesto se baterem, se algum d'elles morrer...

--Tudo, menos isso. É preciso liquidar esse negocio. Vou falar com Ernesto.

--Negar-se-ha; estou crente. Será mais conveniente que eu lhe fale, mas
não na sua casa. É preciso que o papá o chame.

--Não vejo inconveniente. Mas onde? Amparo reflectiu um momento.

--Occupo o meu rez-do-chão d'esta casa; pois bem, escreva-lhe uma carta
pedindo-lhe para vir aqui; não a casa do conde de Loreto, mas--á sua.

D. Ventura sentou-se a uma mesa, pegou na penna e disse:

--Dicta a carta.

Amparo pensou alguns instantes. Depois disse:


                                                _Senhor Ernesto Alvarez_

«Meu bom amigo

    «Peço-lhe para que tão depressa receba esta carta tenha a bondade de
    me vir procurar em minha casa pois desejo falar-lhe de um assumpto
    da maior importancia.

    «Julgo inutil participar-lhe que moro no rez-do-chão, onde o espero,
    confiado em que se apressará em satisfazer o pedido de um amigo que
    tanto o estima.

                                                Sempre seu amigo,

                                             _D. Ventura de Aguillar._»


Fechada a carta, enviou-a immediatamente por um creado.

Depois, D. Ventura e a filha desceram para o rez-do-chão.

--Agora, meu pae, disse Amparo, só lhe peço que quando vier Ernesto
me deixe a sós, com elle, mas é preciso que, detraz d'aquelle
reposteiro, seja testemunha da nossa entrevista.

--Farei o que quizeres, porque estas questões apoquentam-me atrozmente.

--Preciso, para que se ámanhã tentarem debicar em mim, ao menos o meu
pae saiba que não sou uma d'essas mulheres que faltam aos seus deveres
com facilidade.

Uma hora depois Ernesto era introduzido no gabinete em que estava Amparo.

D. Ventura occultou-se precipitadamente no quarto contiguo.



CAPITULO XVIII

A golfada de sangue


Ernesto, de pé, com o chapéu na mão, pallido, e surprehendido por se
encontrar com Amparo, não se atrevia a dar um passo.

Amparo que fazia grandes esforços para dominar a commoção que
experimentava sorriu-se e extendeu-lhe a mão.

--Que é isso, meu amigo! Tão zangado está comigo que não quer apertar-me
a mão?

--Senhora condessa, em verdade que a não esperava encontrar aqui,
tartamudeou Ernesto.

--Porque a suspeital-o não teria vindo, não é verdade? Agora vejo que
fiz bem em pedir a meu pae que escrevesse a carta. Mas, peço-lhe que se
sente aqui, ao meu lado; tenho que lhe falar de um assumpto de que
depende a tranquillidade da minha alma, o senhor que sempre foi tão bom
para commigo creio que não deixará de sel-o neste momento.

Ernesto sentou-se ao lado de Amparo, mas sentia-se muito commovido,
agitado e quasi sem forças para fixar os seus olhos no formoso rosto da
condessa.

--Conheço, senhor Ernesto, que me não assiste nenhum direito para lhe
pedir algum favor por mais insignificante que seja, porque comprehendo
que deve estar resentido commigo. Seria inutil desculpar-me; confesso-me
culpada, e fui, se assim quizer, uma _coquette_ que pagou esse tributo
de vaidade de que poucas mulheres escapam, e por isso vou-lhe falar, não
ao homem em cujo braço me appoiei para visitar o Colyseu de Roma e cujas
palavras carinhosas resoaram nos meus ouvidos como uma embriagadora
musica durante as noites de Florença, mas a um cavalheiro, a um homem
generoso e desinteressado, em cujo nobre coração só se albergam
sentimentos nobres, emfim, a si, senhor Ernesto, a quem não quero
occultar a situação em que me encontro, a si de quem depende a paz do
meu lar, a tranquillidade do meu espirito.

Amparo deteve-se, levou uma das lindas mãos aos olhos e enxugou as
lagrimas que durante a conversa lhe assomaram.

--Não creia, senhora condessa, que os meus labios pronunciem uma só
palavra que seja de recriminação, disse Ernesto. Desde que cheguei a
Madrid, e assim que soube que a senhora pertencia a outro, que era a
esposa do conde de Loreto, senti tão profunda dôr no coração, tão grande
magua na alma, que só então pude avaliar a enorme paixão que me tinha
inspirado. Não sou d'aquelles homens que se resignam a perder n'um
momento as esperanças que durante muito tempo acariciaram. Será isto uma
desgraça, concordo, porque não devemos encarar a sério esta vida.

Ernesto passou a mão pelo rosto, fez um esforço para se dominar e
continuou:

--Sou um nescio! Estou falando de mim, a senhora condessa, em logar de
lhe perguntar o que deseja e apressar-me a satisfazel-a. Peço-lhe
desculpa das minhas anteriores divagações, e ordene tudo quanto lhe
aprouver.

--Não, senhor Ernesto, não; conheço todo o mal que o meu coquettismo lhe
causou, e por conseguinte não podem ser-me indifferentes os seus
soffrimentos. O que quero, o que lhe imploro é que me perdôe e me não
odeie, o que lhe peço é que annua ao que esta manhã lhe foi pedir meu
marido, porque só assim poderá a minha alma viver tranquilla e
restabecer-se a paz n'esta casa.

--E... pensou bem no que me pede, minha senhora?

--Sim, sei que para si é um grande sacrificio. Se o senhor fosse outro
homem nunca me resolveria a pedir-lhe tão grande favor, senhor Ernesto,
mas do senhor espero tudo, porque se tanto fôr preciso, lançar-me-hei a
seus pés até que o consiga, porque o senhor não quererá que nos meus
olhos nunca mais sequem as lagrimas, nem vêr-me desprezada pela
maledicencia e odeiada de meu marido a quem tanto amo; porque se o
senhor não cede acontecerá indubitavelmente uma desgraça.

Ernesto fixou em Amparo um olhar intenso, profundo, como se pretendesse
lêr-lhe no fundo d'alma, e depois disse:

--O senhor conde de Loreto é um homem valente, um dextro atirador que
tem provado a sua habilidade e o seu valor em mais de uma occasião. Sei
que se eu recusar terminantemente ao que me pede nos bateremos, e não
sendo eu um espadachim, será d'elle o melhor partido. Tambem não terei
grande trabalho para lhe provar, minha senhora, que a ideia de um duello
de morte pouco me preoccupa. A vida só é preciosa para os que são
felizes e a senhora destruiu toda a minha felicidade. De mais ha já
algum tempo que goso de pouca saude, e por conseguinte é desnecessario
pensar em mim. Só temo que em Madrid me tomem por um cobarde; é epitheto
que não mereço e por isso me recusei a satisfazer os pedidos do senhor
conde.

--E quem ousará chamar-lhe cobarde? disse Amparo. Para que os seus
amigos fizessem similhante apreciação, seria preciso que houvesse alguma
cousa que não fosse natural. Acaba de chegar de Roma com o quadro de
Esther; em Roma estive este verão e lá esteve tambem meu marido. Nada
tão facil e tão interessante para a sublime obra que expôz n'um dos
salões da Exposição de pintura, como inventar uma d'essas anecdotas que
fazem na posteridade parte da historia de um quadro. Por exemplo: o
senhor precisava de um modelo para Esther; encontrou-me com o conde,
então meu noivo e seu amigo, e encontrando nas minhas feições tudo
quanto sonhava para a figura de Esther, pediu a Fernando para que eu
servisse de modelo. O conde annuiu com uma condição: a de comprar-lhe o
quadro pelo preço em que o senhor o avaliasse; e effectivamente
fechou-se o negocio por vinte e cinco mil duros. Tudo isto é o mais
natural do mundo. Ninguem depois de lêr nos jornaes a historia da
parecença de Esther com a condessa de Loreto, assignado por si, será
capaz de dizer que semelhante declaração foi escripta pela mão de um
medroso.

--Effectivamente, minha senhora, respondeu Ernesto, d'esse modo, na
minha historia, haveria um episodio fabuloso, o de vender um quadro no
seculo da photographia pela fabulosa quantia de meio milhão, e estou
certo de que tão vantajosa venda produziria inveja a muitos. Mas
ignorando todos que conheci em Roma e que acompanhei a Florença D.
Amparo d'Aguillar, ninguem supporá qual a verdadeira historia da
parecença de Esther com a condessa de Loreto; e para mim, basta-me que a
senhora o saiba e que o não ignore o senhor conde. Tambem julgo que a
senhora não quererá fazer-me o aggravo de me julgar interesseiro. O meu
quadro não vale vinte e cinco mil duros e por isso não posso ceder aos
seus desejos.

--Meu Deus! disse a joven juntando as mãos, e derramando abundantes
lagrimas. Julgava que este homem me amava, mas enganei-me.

Ernesto fez-se pallido até ficar livido, os olhos brilharam-lhe de um
modo terrivel, pegou bruscamente em uma mão de Amparo, e disse:

--Senhora, o meu amor é tão grande, que não encontraria palavras com que
podesse narrar-lh'o.

E pondo uma mão sobre o peito, continuou:

--Aqui, desde o momento em que perdi a esperança de realisar os meus
sonhos, sinto como que uma tempestade infernal que rebentará em breve,
despedaçando-me o peito. Oh! Como é insensato todo o homem que não sabe
ser superior ás paixões que o dominam. Eu nunca amara senão minha mãe e
a gloria. A que me deu o ser deixou de existir. Fiquei orphão, e a
gloria desde esse dia foi minha mãe, minha amada, minha vida; mas um dia
o destino ou a fatalidade collocou-a ante mim, e amei-a com toda a minha
alma. Este amor então foi correspondido, sellado com um beijo que ainda
me queima nos labios, que ainda abraza a alma, e depois...

Ernesto soltou uma gargalhada hysterica e ajuntou:

--Mas para que recordar-lhe o que a senhora esqueceu? Que deseja a
senhora? Fiz-lhe o sacrificio da minha felicidade, talvez o da minha
vida, farei tambem o da minha honra, estou disposto a tudo. O quadro é
seu, minha senhora; escreverei a noticia, e entregarei ao senhor conde
de Loreto o documento com que poderá retiral-o quando a Exposição
terminar. Depois, se quizerem, podem queimal-o, pois era esse o fim a
que o destinava.

Ernesto poz-se de pé, fazendo um esforço supremo, e como se as suas
ultimas palavras tivesse esgotado as forças, dirigiu-se para a porta.

Amparo olhava-o absorta, commovida, sem coragem para detel-o. Viu-o
partir, e notou que aquelle homem tremia como um ebrio.

Apenas sahira do gabinete, ouviu-se na antecamara um ruido como o que
produz um corpo ao cahir desamparado. A condessa soltou um grito e D.
Ventura sahiu da alcova.

--É um rapaz que vale quanto pesa, disse o commerciante.

--Meu pae, corra, succedeu qualquer cousa a Ernesto.

D. Ventura foi por onde o pintor tinha sahido, e effectivamente
encontrou-o estendido no chão.

Soltou um grito e pediu soccorro. Ernesto estava desmaiado com a cara e
o peito manchados de sangue.

Quando Amparo chegou, julgou que Ernesto se suicidara; os creados
levantaram-n'o e transportaram-n'o para a cama de D. Ventura, e quando
chegou o medico, soube-se a verdade: Ernesto tivera um grande vomito de
sangue que o obrigara a perder os sentidos.

Uma hora depois, quando voltou a si e abriu os olhos, o conde de Loreto,
Amparo, Ventura e o medico estavam em volta da cama.

O pintor estava extremamente pallido, mas com essa palidez mate,
melancholica, dos doentes de peito, e dirigindo um olhar vago e fatigado
em volta de si, disse com voz debil:

--Quanto me penalisa, senhores, este contratempo. Senti-me mal
repentinamente, como se se tivesse rompido qualquer cousa dentro do
peito; quiz evitar á senhora condessa um desgosto, e retirei-me á
pressa, mas ao chegar á antecamara, perdi os sentidos. Espero que me
desculparão o susto que lhes causei.

--O mais importante, meu amigo, disse o conde, é a sua saude, e desejo
que me faça o favor de permanecer em minha casa até que se encontre
completamente restabelecido.

Havia tanta doçura, tanto interesse n'aquella voz, que Ernesto, fixando
o conde com um olhar replecto de agradecimento, respondeu:

--Um doente nas minhas condições, senhor conde, é demasiadamente
importuno. Agradeço-lhe reconhecidissimo o seu offerecimento, mas não
devo acceital-o e peço-lhes que tão depressa o medico diga que me
encontro em estado de ir para minha casa, me concedam licença.

--Não será hoje nem ámanhã, respondeu o medico, e por conseguinte creio
que não nos devemos occupar d'outra cousa que não seja fortalecer o
nosso doente.

--Não se fala mais n'isso, disse D. Ventura, Ernesto é mais bem tratado
aqui do que em sua casa. Eu, em nome da nossa amizade, prohibo-lhe que
se levante da cama. Quando estiver restabelecido, quando estiver forte,
fará então o que lhe aprouver. Hoje mando eu.

Ernesto fez um movimento d'olhos indicando que se resignava. Sentia-se
tão fraco, que lhe seria impossivel ter-se de pé.

Ficou, pois, resolvido que ficaria no quarto de D. Ventura.

Quando o medico sahiu, Amparo deteve-o para lhe perguntar pelo doente.

--É grave, disse o facultativo. Mais tarde ou mais cedo morre. Deve ter
soffrido muito.

Amparo retirou-se para os seus aposentos, e, fechando a porta, chorou.

O remorso começava a preoccupar-lhe o espirito.



CAPITULO XIX

Pagar a hospitalidade


D. Ventura mandou pôr uma cama no quarto de Ernesto.

--Serei o seu enfermeiro, disse, Amparo, e o conde ajuda-me n'esta
tarefa. Animo, pois, amigo Ernesto, e não pense n'outra cousa que não
seja em restabelecer-se.

Desde aquella occasião o pintor encontrou uma familia carinhosa,
solicita, que lhe prodigalizou todo o bem estar. Nem elle mesmo podia
explicar o que se passava em redor de si.

Muitas vezes era Amparo quem lhe dava os remedios, limpando-lhe o
copioso suor que com frequencia lhe inundava a fronte, e isto fazia-o
mesmo deante do marido e com a amorosa solicitude de uma irmã.

D. Ventura logo ao segundo dia começou a tratar o enfermo por tu com a
ternura e o interesse de um pae.

Assim se passaram cinco dias. Ernesto falava pouco, não só porque o
medico lh'o prohibira, como tambem porque pensava muito em todos estes
acontecimentos.

O seu amor por Amparo era immenso. O conde indubitavelmente conhecia
esse amor, e comtudo, dedicado e obsequioso, consentia que sua mulher
passasse horas inteiras sentada a cabeceira da sua cama.

Em vão Ernesto perguntava a si mesmo porque era que aquella familia se
mostrava tão attenciosa, tão obsequiadora para com elle, e o seu coração
generoso repellia algum pensamento pouco favoravel para ella. O conde
parecia-lhe um homem digno e honrado, Amparo uma irmã, D. Ventura um
pae, e até o medico era para elle um amigo.

Desde que recuperára os sentidos, durante os dias em que se achava
n'aquella casa, ninguem lhe tornára a falar do quadro. Ernesto
sentindo-se mais alliviado, aproveitou um momento em que estava só, pois
desejava demonstrar áquella familia o seu reconhecimento.

Levantou-se da cama, chegou com algum custo a uma mesa onde estavam os
apetrechos de escripta, e poz-se a redigir um artigo.

Passada uma hora tinha acabado.

Então, voltou para a cama, tocou a campainha e disse ao creado que se
apresentou:

--Faça favor de dizer ao senhor D. Ventura que desejo falar-lhe.

O creado obedeceu e poucos momentos depois entrava o commerciante,
sorrindo como sempre.

--Bravo, bravo, disse elle. Já te vejo esse parecer mais animado e gosto
d'isso. Mas, saibamos o que quer o meu doente.

--Que leia isto, que mande tirar copias e que as remetta aos jornaes que
quizer.

E Ernesto entregou uns linguados de papel em que pouco antes escrevera.
D. Ventura leu para si. Quando acabou a leitura lançou-se nos braços de
Ernesto, exclamando com voz commovida:

--Obrigado, Ernesto, obrigado. Estas linhas trarão a paz a um lar e o
socego a um pae; és o homem mais generoso do mundo.

D. Ventura tinha os olhos cheios de lagrimas.

Ernesto estava impressionado ante a profunda satisfação do velho.

--Demais, disse o pintor, fingindo grande naturalidade, essa declaração
que destruirá por completo a maledicencia, vale bem pouco, e não vejo
motivo para que o senhor m'o agradeca. Em poucos dias estarei
completamente restabelecido, e sahirei de Madrid, e nem o senhor conde,
nem a senhora condessa me tornarão a vêr. Tenho um plano de vida que me
será proveitoso. Emquanto ás nossas excursões artisticas por Florença, e
Roma só me resta julgál-as um encantador sonho, filho d'uma imaginação
viva e impressionavel, e como os sonhos se esquecem procurarei
esquecêl-as tambem.

--Oh! Tu não dizes o que sentes, Ernesto, soffres e tentas occultal-o.

--E quem não soffre n'este valle de lagrimas? Existe porventura homem
feliz n'este mundo? Creio que não. A vida não é outra cousa senão um
castigo que Deus impõe á humanidade pelo peccado original;
resignemo-nos, pois e paguemos esse tributo ao Creador.

--Mas isso não me tranquillizou por completo. Dizes no teu artigo
que o quadro é propriedade do conde de Loreto, que o comprou em Roma,
com a condição de que Esther fosse o retrato de sua futura mulher, e
isso não é verdade.

--Meu amigo, ás vezes a mentira, que tem alguma cousa de santa, é
indispensavel.

--Comtudo o conde não te comprou o quadro.

--Mas se eu lh'o offereço.

--Isso não póde ser. Tu és pobre e nos não consentimos...

--Mau! O quadro, dado o caso de ser premiado pelo governo, poderá
render-me quando muito cinco ou seis mil duros. Com essa quantia é rico
um homem como eu.

--Mas nós podemos dar-te pelo quadro vinte mil duros.

--Isso seria roubar o dinheiro, e não creio que o senhor me faça a
offensa de me julgar interesseiro.

--Demais sei eu que todos os homens de talento desprezam o dinheiro.

--Pois então consinta que a minha pobre Esther salvando os filhos de
Israel fique em paga da carinhosa hospitalidade que me concederam, e não
se fala mais no assumpto. Mas não percamos tempo; é preciso que ámanhã
saia em alguns jornaes o meu communicado.

D. Ventura não poude convencer Ernesto a que acceitasse qualquer quantia
pelo quadro.

--Para todos, disse o pintor, o quadro foi comprado pelo conde de Loreto
pela importancia que lhe aprouver dizer, e eu não o desmentirei; para
nós, o quadro será uma offerta que eu faço ao esposo de D. Amparo de
Aguillar.

No dia seguinte, ao levantar-se, Amparo, viu varios jornaes sobre uma
pequena mesa de pau rosa.

--Que é isto? perguntou. Cuidam que me vou dedicar á politica?

--Não sei, minha senhora, mas o papá disse-me que os puzesse ahi e que
dissesse da sua parte á senhora condessa, quando se levantasse, que
lesse um communicado que trazem os jornaes.

Amparo suspeitou do que tratava o communicado, pegou no jornal e leu em
voz baixa o que se segue:


                                                  «Senhor director do...

    «Espero da sua amabilidade que publicará esta carta no seu
    acreditado jornal que tão dignamente dirige, pois importa ao senhor
    conde de Loreto e ao que subscreve a presente carta, desvanecer
    certas equivocas apreciações que uma parte do publico que visita a
    Exposição de pintura tem feito sobre o meu quadro de Esther.

    «Ha alguns mezes estava em Roma pintando o quadro de Esther quando
    tive a honra de ser visitado por Fernando del Villar, conde de
    Loreto, com a então sua futura esposa, hoje condessa de Loreto.

    «Verdadeiro enthusiasta pela pintura, o conde de Loreto, protector
    dos artistas, propôz-me comprar o quadro por uma quantia bastante
    elevada; attendendo ao pouco ou nenhum merecimento da minha tela,
    acceitei o negocio e ficou desde então o quadro de Esther sendo
    propriedade do conde de Loreto.

    «A partir d'ahi o conde passou a visitar-me todas as manhãs,
    passando algumas horas no meu atelier vendo-me pintar.

    «Um dia, ao ter quasi terminada a minha obra, occupava-me em retocar
    a figura de Esther, quando o conde me disse:

    --«Meu amigo, tenho um capricho de homem rico que desejava
    satisfazer. Se o senhor não se escandalizasse e quizesse, a cabeça
    da rainha Esther poderia ser o retrato da senhora que em breve será
    minha mulher. Ha algum inconveniente n'isso?

    --«Nenhum, senhor conde, lhe respondi. Nem conheci a celebre judia
    da tribu de Benjamin, a bondosa sobrinha de Mardoques, nem vi mesmo
    algum retrato d'ella, mas desde já aposto qualquer cousa em como a
    mulher do rei Assuero não foi mais bella do que a joven que d'entre
    em pouco será a condessa de Loreto.

    «Poucos dias depois, a cabeça de Esther era um retrato bastante
    parecido da senhora D. Amparo de Aguillar, condessa de Loreto.

    «Assim fica explicada a similhança que com a esposa do senhor conde
    de Loreto tem a figura principal do meu quadro.

    «Peço-lhe me desculpe o incommodo que lhe causo, mas a rectidão do
    meu caracter e o agradecimento a isso me obrigam, e antecipadamente
    agradece, o que é

                                                       De V. S.ª

                                                Att.º V.or Cr.º e Obrg.º

                                                    _Ernesto Alvarez._»


Quando Amparo acabou a leitura ouviu a voz do marido que lhe pedia
auctorização para entrar. Entrou com o jornal na mão.

--Entra, Fernando. Não precisas auctorização para entrar no meu quarto,
lhe respondeu.

O conde approximou-se da mulher e depois de lhe ter dado um carinhoso
beijo na face e dirigir-lhe um sorriso amoroso, disse:

--Bom dia, querida Amparo, bom dia. Vejo que ambos lemos o communicado
de Ernesto.

--Sim; meu pae mandou-me estes jornaes.

--Tambem m'os mandou a mim, e vinha perguntar-te se sabes o que se
passou entre teu pae e Ernesto.

--Não sei.

--Fosse o que fosse, a conducta d'esse rapaz não póde ser mais nobre.
Bem vês que nos offerece o quadro, porque tu bem sabes que lh'o não
comprei.

--Sim, é um rasgo de generosidade pouco vulgar n'um homem que não tem
outro patrimonio senão os pinceis.

--Mas nós não podemos consentir em similhante offerta.

--Ou pelo menos compensal-o com outra.

--Dizes bem. N'este assumpto convém proceder com toda a delicadeza.
Vinha lêr-te isto mas como já lêste, retiro-me e vou vêr Ernesto.
Almoçamos juntos?

--Sim, meu Fernando, espero-te aqui para me contares tudo o que resolveres.

Fernando tornou a abraçar a mulher e sahiu.

Amparo ao vêr-se só, deixou-se cair n'uma cadeira e leu pela segunda vez
o jornal.

--Ah! exclamou, exhalando um suspiro que brotava do mais fundo da sua
alma. Ernesto vale cem vezes mais do que eu. Causei toda a sua desgraça.
O coração tambem me diz que serei a causa da sua morte. Que Deus me
perdôe o mal que fiz a esse homem.

E, cobrindo o rosto com as mãos, deu livre curso ás lagrimas.



CAPITULO XX

Abnegação


Quando o conde entrou no quarto de Ernesto, acabava este de se vestir.

Pallido, com o parecer cadaverico, o semblante do pintor tinha
impressos os profundos vestigios da enfermidade que lhe minava o peito.

O conde admirou-se de o vêr levantado. Ernesto, sorrindo, veiu-lhe ao
encontro.

--O medico já lhe deu auctorização para se levantar? perguntou Fernando.

--Os medicos são uns ignorantes. Se seguisse os seus conselhos, ficaria
ainda um mez na cama, mas tenho esperanças de me restabelecer d'outra
maneira sem auxilio da medicina.

--Senhor Ernesto, disse o conde com voz carinhosa, ignoro o que tenciona
fazer para se curar, mas reprovo que abandonasse a cama.

--O meu plano de vida é muito simples, senhor conde, reduz-se a ir viver
no monte, a respirar o ar puro e livre do campo, longe da balburdia da
cidade, do bulicio dos homens; é o remedio mais efficaz para os doentes
do peito. Em outros tempos fui um enthusiastico amador da caça. Quando o
governo me fez seu pensionista, quando parti para Roma, offereci os meus
cães e as minhas espingardas e abandonei a minha distracção favorita. Em
poucos dias adquirirei todos os apetrechos e partirei para os montes de
Toledo onde conheço um caçador de profissão, viverei com elle, caçando
umas vezes, pintando outras, e quem sabe se a vida semi-selvagem que vou
emprehender me restabelecerá a saude.

O pintor procurava dissimular o cansaço que a conversação lhe causava.

O conde, que o conhecia, disse com commoção:

--Ernesto, offender-se-ha commigo se lhe falar com a franqueza de irmão?

--Pelo contrario, senhor conde, julgar-me-hei muito honrado.

--Pois bem, o senhor crê que essa viagem, essa vida semi-selvagem, como
acaba de dizer, lhe será tão proveitosa, como diz?

--Sem perceber de medicina, comprehendo que a vida do campo é muito
proveitosa aos doentes do peito.

--Comtudo a vida de caçador é agitada e precisa de corpos robustos e
fortes.

--Quem sabe se o meu se fortalecerá?

--Duvido!

--É preciso dar-se tempo ao tempo.

--Mas ainda que assim seja o senhor não é rico e precisa trabalhar para
viver.

--Tão pouco precisa um caçador de profissão! disse Ernesto sorrindo-se.
Álêm d'isso pintarei quadros pequenos, que, vendendo-os baratos, sempre
terei quem m'os compre; por exemplo, assumptos de caça, paisagens
tiradas do natural. Oh! tenho esperanças que nada me faltará.

--Está então resolvido a emprehender essa nova vida e eu não me opponho,
mas quero propor-lhe um negocio.

--Qual?

--O senhor precisa de quem lhe compre os quadros que pintar.

--Certamente.

--Pois bem, compro-lh'os eu. Como vê não tenho muitos quadros bons nas
minhas paredes, e por isso espero que me permitta pagar-lhe o que está
na Exposição das Bellas-Artes.

--Emquanto a esse creio que o senhor já leu a carta que enviei aos
jornaes, e como digo que recebi em Roma antes de concluir...

--Mas isso não é verdade.

--Que importa? O quadro é seu, senhor conde, e não falemos mais de
similhante assumpto. Emquanto á venda dos que pinte de futuro, isso é
diverso e não vejo inconveniente em que o senhor m'os compre.

--Fixemos então desde já o preço, ficando assente que recebo todos
quantos o senhor pintar.

--Isso é offerecer muito.

--Compro todos. Marque preço.

--Marcarei quando lh'os mandar, a não ser que o senhor me indique desde
já os assumptos e os tamanhos.

--Isso fica á sua escolha.

--Pois então fica desde hoje sendo o meu unico comprador.

--E o senhor o meu pintor. Mas repito que é uma loucura abandonar os
recursos da capital quando a saude não esta sufficientemente restabelecida.

--Pelo contrario, senhor conde, é muito conveniente abreviar a minha
partida.

Fernando encolheu os hombros conhecendo que Ernesto estava firmemente
resolvido a sahir de Madrid.

--Não insisto mais, apezar de lamentar que nos deixe tão depressa,
porque de amigos tão generosos, tão nobres como o senhor, é sempre
custosa a separação.

--Senhor conde, antes de nos separarmos tomarei a liberdade de lhe falar
com a rude franqueza de um homem que sempre foi dominado pelos impulsos
do seu coração. Odiei-o de morte durante algum tempo. Então não conhecia
o conde de Loreto mais do que de nome; hoje é diverso: tive occasião de
tratar comsigo, de apreciar o que vale, e a minha alma, sempre generosa,
arrepende-se de haver abrigado, ainda que por pouco tempo, sentimentos
perversos. A carta que mandei aos jornaes não é outra cousa que o
descargo da minha consciencia. Preciso, pois, partir e esquecer. O
senhor sabe que amei Amparo, e tambem não ignora que ainda a amo.
Tratou-me como a um bom amigo, e nada mais. Sei que são felizes, e que
se amam muito. Uma imprudencia minha esteve a ponto de destruir toda
essa felicidade, que não tem preço entre dois esposos. Reparei essa
imprudencia e tranquillizou-se um tanto a minha consciencia. O passado
será um sonho para mim, o presente, a soledade dos montes, até ao dia em
que Deus queira apagar o meu nome do grande livro dos vivos.

Ernesto calou-se. O conde fixou n'elle um profundo olhar que demonstrava
a admiração que sentia ouvindo expressar-se com tão nobre franqueza,
julgando inverosimil que na corrupta sociedade ainda se pudesse
encontrar n'um homem um rival tão generoso.

--Vá, disse o conde, depois de uma pausa, parta, mas nunca esqueça que
tem em todas as occasiões que precisar um irmão, em Fernando del Villar.

--Obrigado, senhor conde, não esquecerei o seu offerecimento. Peço-lhe
me desculpe para com a senhora condessa, pois não me posso despedir
d'ella, e que mande que uma das suas carruagens me leve a minha casa.

--Como! Partir sem apertar a mão a minha mulher, sem lhe dizer adeus?
Não, senhor Ernesto. Julga porventura que sou um d'esses maridos zelosos
e ridiculos que desconfiam da mulher a quem deram o nome? Julga-me capaz
de lhe fazer a offensa de duvidar de si, o homem mais generoso que
conheço, o melhor dos meus amigos? Não. Amparo virá despedir-se de si;
peço-lhe que não deixe esta casa sem que assim succeda.

--Não insisto mais. Já que assim deseja despedir-me-hei da senhora
condessa.

--Vou eu mesmo chamal-a.

O conde sahiu, murmurando em voz baixa:

--Este homem venceu-me á força de generosidade.

..........................................................................
..........................................................................

A condessa acabava de se pentear: estava vestida com uma simples bata
branca.

Ao vêr entrar o marido exclamou:

--Tu, outra vez aqui!

--Sim, Amparo, venho annunciar-te a partida de Ernesto.

--Não é possivel, ainda está muito doente, segundo diz o medico.

--Isso mesmo lhe disse eu, mas insiste em se querer restabelecer no
campo, e está resolvido a abandonar hoje mesmo a nossa casa. Pedi-lhe
que se não fosse, sem primeiro se despedir de ti e de teu pae. É
preciso que meu sogro, que tem mais confiança com elle, o convença a que
receba o valor do quadro que tão generosamente nos offerece.

--Será inutil; não receberá nada.

--Comtudo espero que teu pae insista pela ultima vez. Não pódes calcular
o quanto me interessa esse pobre rapaz, pobre como Diogenes e generoso
como Lucullo. Fala-lhe, fala-lhe sem perda de tempo; eu, entretanto vou
á loja de Manuel Arenas fazer umas compras.

Fernando tocou uma campainha e disse ao creado:

--Avise o senhor Ernesto de que a senhora condessa deseja vêl-o.

E depois, abraçando Amparo, continuou:

--Adeus, minha amiga. Procura convencer esse tresloucado. Não me demoro.
Vou comprar umas cousas para Ernesto. É preciso presenteal-o como a um
principe que pensa em passar uma grande temporada no monte, dedicando-se
a caça.



CAPITULO XXI

Abandonando Madrid


Amparo, depois do conde sahir, ficou immovel, preoccupada. Ia
despedir-se de Ernesto, talvez para não mais o vêr; ia ter uma
entrevista sem testemunhas com o homem a quem tão desgraçado fizera, e
esta entrevista era proporcionada, pedida pelo marido.

Por um momento Amparo receou que aquillo fosse um laço, mas rapidamente
affastou similhante pensamento, conhecendo a nobreza com que procederam
Ernesto e o conde de Loreto.

--Não, não; Fernando não póde ter ciumes; tem confianca absoluta,
sabe que o amo com toda a minha alma, disse Amparo, falando comsigo.
Comtudo quer que me despeça de Ernesto a quem tão desgraçado fez uma
leviandade, filha do coquettismo. Devo obedecer-lhe, ainda que me seja
dolorosa esta entrevista.

E como n'aquelle momento entrasse o creado para annunciar que o senhor
Ernesto esperava a condessa, Amparo encaminhou-se para o quarto do pintor.

Ernesto, ao vêr entrar Amparo, pôz-se de pé, mas foi-lhe preciso
encostar-se ao espaldar d'uma cadeira.

A condessa não se commoveu menos, vendo a extrema pallidez do seu antigo
apaixonado.

--É verdade, senhor Ernesto, o que o meu marido acaba de me dizer? Pensa
em deixar-nos?

--Senhora condessa, respondeu o pintor com uma tranquillidade que
assombrou Amparo, sinto-me muito melhor, e resolvi restabelecer-me no
campo. Dentro em pouco as brisas do outomno annunciarão o inverno, e
creio que me é conveniente fortalecer-me primeiro.

--Se a sua resolução é inabalavel, não nos devemos oppôr, nem meu marido
nem eu, mas creia, senhor Ernesto, que ambos sentimos do coração que o
senhor deixe tão depressa esta casa, que podia considerar como sua.

Ernesto sorriu-se amargamente, fez um movimento de indifferença com os
hombros, e ajuntou:

--Ha creaturas, minha senhora, para quem o mundo é um deserto, um campo
de tristes saudades. Sósinhos na terra, vivem, sem uma affeição que os
console, sem um peito carinhoso onde possam reclinar a fronte nas horas
d'amargura. Para estes seres, a sociedade dos homens é demais, porque
desconhecendo o embuste e a falsidade, são sempre enganados; eu talvez
pertença a essa desgraçada familia de orphãos das grandes cidades. Por
isso estou resolvido a nunca mais pisar as suas ruas, por isso me vou
encerrar como um selvagem nos montes de Toledo esperando no meio
d'aquelles agrestes barrancos o ultimo momento da minha vida, que
felizmente não se fará esperar muito.

Amparo inclinou tristemente a cabeça sobre o peito. As palavras eram uma
terrivel accusação, um castigo ao seu coquettismo.

--Porque me não odeia, senhor Ernesto? tartamudeou Amparo. Porque me não
despreza?

--Senhora, a minha alma não póde nem odiar, nem desprezar, nem esquecer.
As noites de Florença e de Roma imprimiram n'ella uma impressão
demasiadamente profunda.

A condessa comprehendeu que a conversa ia seguindo um rumo perigoso.

--Pois bem, senhor Ernesto, disse, peço-lhe em nome da amizade que
apague da memoria essas noites.

--Impossivel; é uma recordação que faz parte da minha vida; e por assim
dizer a minha segunda natureza. Quando der o ultimo suspiro, quando
deixar de existir, então, sim, então é que se extinguirá do meu peito.

--Mas sente-se assim tão doente? perguntou Amparo, que, aturdida ante as
sentidas recriminações do pintor, não sabia que dizer.

--Quem sabe se serei um d'esses ridiculos apprehensivos que á força de
pensarem na morte sempre d'ella vão escapando!

E sorrindo com um ar triste, continuou:

--O ar saudavel das montanhas talvez me restabeleca.

E puxando o cordão da campainha, disse a um creado:

--Diga ao senhor D. Ventura que me vou embora immediatamente e que o
espero para me despedir.

Amparo, ante aquella resolução inesperada, que punha fim á entrevista de
uma maneira brusca, levou as mãos á cara para occultar as lagrimas que
lhe fôra impossivel suster.

--Póde-me odear, se assim lh'o apraz, disse a condessa; mereço-o, porque
não ha palavra com que possa desculpar o meu procedimento.

E sahiu precipitadamente do quarto.

--Ah! exclamou Ernesto, vendo-a sahir. Não posso esquecer esta mulher!...

Deixou-se cair n'uma cadeira, como se o abandonassem as forças para
suster-se de pé.

Em vão D. Ventura procurou persuadir Ernesto de que a vida de caçador
montez, quando se carece de saude, é uma temeridade. O pintor estava
resolvido, e sahiu de casa do conde.

Quando chegou a sua casa da rua do Prado, quando os seus amigos André e
Marcial o viram entrar pallido como um cadaver e fraco como um
convalescente, depois de oito dias de ausencia, não puderam conter um
grito de assombro.

Ernesto explicou-lhes a ausencia e participou-lhes o plano que concebêra
para se curar.

N'aquella mesma noite escreveu uma carta a Mauricio, caçador de
profissão, que vivia nos montes de Toledo.

Tres dias depois, Mauricio respondeu a Ernesto, offerecendo-lhe a sua
casa, participando-lhe que se casára, e que, por conseguinte, podia
estar com alguma commodidade.

Ernesto fôra caçador n'outros tempos, antes de partir como pensionista
para Roma. Era d'aquella epocha que conhecia Mauricio, com quem entrára
em algumas caçadas.

Resolvido a emprehender a viagem, principiou a dispôr tudo, isto é, pôz
n'um caixote alguns quadros, o cavallete, a caixa das tintas e os
pinceis; n'outra metteu alguns livros de estudo e de recreio.

Só lhe faltavam os apetrechos de caça, quando uma manhã em que se
dispunha a sahir para comprar todos esses artigos, viu entrar o mordomo
do conde de Loreto, seguido de dois creados que traziam duas caixas e
dois bellos cães inglezes, um Setter e outro Pointer.

O mordomo avançou com o seu costumado ar grave, e, entregando uma carta
a Ernesto, disse-lhe:

--Meu amo, o senhor conde de Loreto, manda-me entregar esta carta,
estas caixas e estes cães, ao senhor, encarregando-me de lhe pedir o
desculpe de não vir pessoalmente, mas é-lhe inteiramente impossivel.

A um signal do mordomo, os creados arriaram no chão as duas caixas e
amarraram os cães ao pé de uma mesa.

--Creio que o senhor não deseja mais nada, ajuntou o mordomo, vendo que
Ernesto guardava silencio.

--Diga ao senhor conde que lhe agradeço reconhecidissimo a offerta que
se digna fazer-me, e que lhe falarei ou escreverei antes de partir.

O mordomo cumprimentou e sahiu seguido dos creados.

Então Ernesto fez uma caricia aos cães, que se acercaram, meneando a
cauda, e exclamou:

--Aqui estão os meus novos amigos. Oh! Estes sim, que não me venderão!

E sentando-se n'uma cadeira, abriu a carta do conde e leu:


«Meu bom amigo

    «Deixou-me com o quadro de Esther uma recordação que conservarei
    emquanto viver; permitta-me que lhe remetta tambem como uma
    lembrança, os meus melhores cães e algumas armas e objectos que
    podem ser de muita utilidade no campo.

    «Carlos I de Inglaterra offereceu a Rubens, em pleno parlamento, a
    espada que levava cingida á cinta, um diamante que trazia no dedo e
    uma banda de diamantes que lhe cruzava o peito. Tudo isto foi a paga
    do magnifico retrato d'aquelle monarcha que mais tarde tão maus
    boccados fez passar a Luiz XVI. Permitta, pois, que eu, sem ser rei,
    tome a liberdade de offerecer alguns apetrechos de caça, de
    pouco valor, e não esqueça que espero com anciedade noticias da sua
    saude e algum quadro dos que me prometteu.

    «Minha mulher e meu sogro cumprimentam-n'o e desejam vêl-o
    brevemente em Madrid restabelecido da sua doença

                                                    Seu amigo

                                                _Fernando del Villar._»


Ernesto leu duas vezes a carta, e, soltando um suspiro, murmurou em voz
baixa:

--Eis-me amigo do conde de Loreto, de um homem com quem estive a ponto
de me bater.

Ernesto abriu as caixas, encontrando n'ellas tudo quanto póde necessitar
no campo um caçador de dinheiro.

Só a mão de uma pessoa intelligente teria sido capaz de reunir todos
aquelles objectos.

Ernesto encontrou duas espingardas, uma de Scotte de dois canos, do
systema Lefaucheux, outra de Greener para tiro de bala, uma excellente
botica de viagem, uma barraca de campo, uma mala de couro da Russia com
quinhentos cartuchos carregados com chumbo, e outra com duzentos
carregados com bala; um fato completo de camurça, botas de cautchouc,
facas de matto, um rewolver Flaubert de doze tiros, com ornamentações de
ouro, um estojo com todas as peças em prata, duas mantas inglezas e
varios artigos todos diversos e uteis.

Indubitavelmente o conde de Loreto gastára mais de cinco mil duros com o
presente.

Ernesto contemplou tudo com profunda melancholia.

--É preciso acceitar, disse. Ia para Toledo com um equipamento mais
modesto. Emfim, tanto melhor para o pobre Mauricio, que se se portar
bem, será o meu herdeiro no dia em que eu morrer.

Como se vê, Ernesto, não deixava nem um só momento a ideia da morte.

N'aquella noite Ernesto escreveu a seguinte carta:


«Senhor conde

    «A opportunidade produz sempre bom resultado no animo impressionavel
    das creaturas. Dispunha-me a sahir de casa com tenção de comprar
    alguns apetrechos de caça, quando vi entrar o seu creado com o que
    me enviou.

    «Sem ter nada de Pedro Paulo Rubens, não agradecerei menos os
    presentes que me fez, do que agradeceu o pintor flammengo os
    donativos de Carlos I.

    «Obrigado, pois, senhor conde, pela sua delicada offerta. Ámanhã
    parto e talvez nos não tornemos a vêr, apezar dos bons desejos que
    têem pelo meu restabelecimento. Ha doenças que cada hora qua passa
    nos leva uma parte da existencia, são as incuraveis; e a minha é
    d'essas que se chamam de morte.

    «Não é o medo nem a apprehensão que me fazem dizer isto; sei bem
    qual é o mal que me consome, e só terei illusões, quando tiver sido
    tocado pelos dedos gelados da morte. Deus quer que os doentes do
    peito sonhem com a vida nos ultimos momentos.

    «Adeus, senhor conde. Em breve lhe enviarei por pessoa da minha
    confiança o primeiro quadro que pintar, e assim o irei fazendo
    successivamente, mas não receio, que a collecção seja muito grande.

    «Cumprimentos á senhora condessa e ao senhor D. Ventura, e não
    esqueça este desterrado voluntariamente, que prefere a solidão do
    campo ao ruido e bulicio dos homens.

                                                    «Sempre seu amigo

                                                    _Ernesto Alvarez._»


No dia seguinte, Ernesto, depois de fazer varias compras, entre as quaes
se contava um vestido para a mulher de Mauricio, despediu-se dos amigos
e entrou n'uma carruagem de primeira para Toledo.

Ernesto possuia por uma unica fortuna, ao partir de Madrid, dez mil
reales que lhe produziram os objectos e quadros que vendeu.

Álêm dos quinhentos duros e dos presentes do conde de Loreto, levou uma
grande caixa com garrafas de champagne, rhum, cognac, aguardente e bom
café.

--Esta caixa será a minha alegria, disse Ernesto, sorrindo-se para os
amigos. O rhum concilia o somno e o champagne alegra os pensamentos.

..........................................................................
..........................................................................

Mauricio esperava-o em Toledo.

Carregou-se toda a bagagem em varios animaes e partiram para os montes,
onde o caçador morava.



CAPITULO XXII

Vida de recordações


A mulher de Mauricio não conhecia Ernesto; mas vendo-o chegar com o
marido e toda aquella bagagem, disse:

--É um principe que entra para nossa casa.

E effectivamente, o pintor foi para aquelle honrado casal tanto como um
principe, a julgar pela generosidade com que pagava os serviços que
recebia.

Petra ficou louca de contentamento, vendo sobre uma cadeira o presente
que Ernesto lhe trouxera, e que constava de um vestido de lã, um lenço
de seda e uns brincos de ouro e coral.

Mauricio examinava tambem com satisfação uma espingarda de dois canos,
de fabrico belga, e uma forte e boa faca de matto.

--Mauricio, disse Ernesto, depois de entregar os presentes; estou muito
doente e venho passar algum tempo comtigo. Sei que vives da caça.
Nomeio-te meu caçador, e dou-te um duro por dia. Aqui tens
adeantadamente dois mezes.

Ernesto pôz na mesa sessenta duros.

Mauricio e Petra olharam para o dinheiro, sem comprehenderem uma palavra
de tudo aquillo.

--A caça que matarmos, exceptuando algumas peças que Petra cosinhará, é
tua e pódes vendêl-a e guardar o dinheiro. Eu comerei com vocês. Nada de
cerimonias, o modesto cosido e uma vez por outra uma perdiz com molho de
villão ou um coelho á caçadora, de que muito gósto, e por isso para
prato darei doze reales diarios. O café e o vinho ficam por minha conta.
Por agora aqui têem esse caixote, onde estão varias garrafas. Preciso
que me cedam a sala, porque tenciono pintar alguns boccados. Tambem
virei a precisar que de vez em quando vás a Madrid levar os quadros que
pintar e comprar varias cousas que me tornem mais ameno este deserto.
Emfim, meu caro Mauricio, sei que vou dar-te muitos incommodos, que vaes
ter muitos carinhos para commigo, mas eu procurarei recompensar-te o
melhor que puder.

--Offerece-me muito, disse o caçador, visto poder vender uma parte da
caça que matarmos, e então com o senhor que atira tão bem ou melhor do
que eu!...

--Mas estou doente, e já não tenho as infatigaveis pernas d'outros
tempos; e muitos dias deixaremos de matar por causa d'ellas.

Durante aquelle dia, Ernesto, Mauricio e Petra occuparam-se em
arrumações, transformando a sala em atelier para o pintor.

--Agora, meus amigos, só me falta advertil-os d'uma cousa, disse
Ernesto. Estou doente, e como todos os doentes tenho as minhas
rabugices. Quando estiver no meu quarto, depois de me chamarem duas
vezes para comer e eu não vier, comam sem esperarem por mim.

Mauricio e Petra notaram que Ernesto estava muito pallido e com mau
parecer, que tinha uma tosse tão sêcca e importuna que não prophetisavam
nada de agradavel para o seu hospede.

Quando Mauricio e sua mulher recolheram ao quarto, ella disse:

--Uhn! Parece-me que o senhor Ernesto não viverá por muito tempo.

--O mesmo penso eu.

--Sabes, Mauricio, que me parece que deve haver algum mysterio em tudo
isto?

--Anh! As mulheres não pensam n'outra cousa. Aqui não ha outro mysterio
senão que o senhor Ernesto está doente e que se vem restabelecer.

--Seja como fôr, que seja bem vindo, porque com elle veiu a fortuna.

Mauricio não respondeu. Como a mulher, suspeitára que algum desgosto
atormentava o seu hospede, mas mais prudente que Petra, disse de si para
comsigo:

--Dêmos tempo ao tempo que saberemos a verdade. Emfim, seja como fôr,
Ernesto é bom rapaz e sinto-me satisfeito por vêl-o em minha casa.

..........................................................................
..........................................................................

Ernesto estava fechado no quarto. Seriam onze horas da noite. O luar
entrava pela janella que se conservava aberta. A brisa nocturna levava
até elle, de envolta com as suas invisiveis pregas, o perfume das
silvestres plantas do monte.

Aos pés da cama, sobre duas pelles de carneiro, dormiam os dois cães que
Ernesto baptisára com os nomes de Roma e Florença.

O pintor, sentado junto de uma mesa, tinha na sua frente uma garrafa de
cognac e um copo.

Não illuminava o quarto outra luz senão a do astro da noite.

De vez em quando Ernesto bebia um gole de cognac e levava a mão ao
peito, respirando com difficuldade.

--Ah! Sim, sim, dizia, falando comsigo. A solidão dos montes, é o que me
convêm, porque longe da importuna charlatanice dos homens poderei
dedicar a ella todos os momentos da minha vida. Quizera apagar da minha
alma a recordação d'aquellas noites de Florença e arrancar dos meus
labios o beijo de fogo que me queima o coração. Mas é impossivel! Cada
vez a amo mais. Que seja feliz já que eu o não posso ser!

Ernesto bebeu de um só trago o conteúdo que ainda tinha no copo e
encheu-o novamente.

--A embriaguez sempre me repugnou, continuou, mas é o meu unico recurso
para esquecer. Que feliz é o homem que esquece!

E Ernesto esvasiou o segundo copo, fazendo um gesto de repugnancia; mas
dominando-se a si mesmo encheu-o pela terceira vez, despejando-o
rapidamente.

--Abraza-se-me a garganta, murmurou, mas é preciso que durma e que esqueça.

E, levantando-se tirou uma garrafa de champagne do armario onde as
arrumára, fez-lhe saltar a rolha, e bebeu com avidez, dizendo:

--Este é que é o grande vinho! Vinde, sonhos côr de rosa! Vinde, ainda
que seja uma mentira, uma illusão, fumo que desappareça ao sopro
terrivel da realidade!

E depois de exgotar a garrafa, deixou-se cahir na cama, onde não tardou
muito que adormecesse, porque estava completamente embriagado.

..........................................................................
..........................................................................

Mauricio e Petra levantaram-se com o sol, e viram, com grande assombro,
ao passarem pelo quarto de Ernesto, que as janellas estavam abertas.

--Sahiria tão cedo? disse Mauricio.

E entrou no quarto.

Ernesto dormia. Mauricio fechou a janella e sahiu nos bicos dos pés
para o não despertar, mas toda a precaução foi inutil, porque Ernesto
abriu os olhos e viu-o.

--Ah! És tu? disse elle. Bons dias, Mauricio. Que bem que dormi.

Mauricio reparou então que o seu hospede não se despira, e que sobre a
mesa estavam duas garrafas despejadas.

--Sabes, Mauricio, que estou com vontade de experimentar os meus cães?

--Podemos dar uma volta, se quizer.

--Mas é preciso ter alguma contemplação.

--Andaremos só o que quizer.

--Então vamos.

E Ernesto poz a cartucheira, pegou na espingarda e chamou os cães.

A uns quinhentos passos de casa, Roma e Florença levantaram os focinhos
e moveram a cauda com mais viveza do que a usual.

--Parece que os cães se sentem satisfeitos, disse Ernesto.

--Têem bom faro. Já sabem que este terreno é muito abundante de caça; e
estou crente que algum dia vou encontrar as perdizes dentro de minha casa.

Os cães deram signal: Roma todo curvado com o focinho junto ao matto,
Florença extendido. Roma encontrára uma peça de surpreza e Florença o
rasto verdadeiro.

Um bando de perdizes levantou-se então com estrepito do meio do matto á
investida dos cães.

Mauricio disparou, matando com o segundo tiro um perdigoto. Ernesto ia
tão distrahido que não teve tempo de fazer fogo.

Desde o rei ao batedor, desde o caçador ao armador, todos quantos
abandonam as commodidades da sua casa e se dedicam aos prazeres da caça,
são inimigos irreconciliaveis da perdiz; por isso a natureza a dotou com
uma vista melhor que a do lynce, de um ouvido superior ao da lebre, e de
um instincto de conservação tão grande que não ha animal que lhe ganhe.

Se a perdiz fosse tão dorminhôca como o arganaz e tão indolente como a
codorniz, teria desapparecido do reino animal antes de se inventar a
polvora.

O arganaz tem, comtudo, tanto engenho como somno; diga o ardil
maravilhosamente inventado por elle para apanhar o incauto passarinho
que vae pôr sobre elle, satisfeito por ter encontrado um ninho onde
guardar os ovos.

Mas deixemos esta digressão. Se algum dia as minhas occupações
permittirem, escreverei um livro para os caçadores que contenha a parte
agradavel e ridicula da caça, consignada na pratica de muitos annos de
experiencia passados na agreste e grata solidão dos montes.

Voaram as perdizes, surprehendidas no seu doce bem-estar, á sombra de um
sobreiro, e como o violento e rapido vôo da perdiz excita e põe nervoso
o caçador aficcionado, Mauricio exclamou:

--Vamos a ellas, senhor Ernesto.

--Sim, sim, vamos, já que não disparei.

Mauricio esqueceu n'aquelle momento que levava por companheiro um doente
fraco, e foi depressa, ou melhor dizendo, a correr pela encosta de um
barranco.

Ernesto fez esforços para o seguir mas a meio caminho largou a
espingarda, extendeu os braços e cahiu desamparado. Tinha desmaiado.

Mauricio deteve-se assustado, pegou no seu hospede ao collo e deitou a
correr até casa, que não era longe. Petra ao vêl-o entrar, trazendo
Ernesto nos braços, não poude conter um grito.

Mauricio continuou o seu caminho e deitou Ernesto na sua cama, o qual,
pouco depois, abriu os olhos, enviando um sorriso de agradecimento ao
caçador.

--Diabo! Que susto que me pregou, senhor Ernesto! Julguei que se
despenhava pelo barranco.

--Bem vês, Mauricio, que não presto para nada, nem mesmo para caçar. Já
estou melhor. Mas em quanto não estiver em estado de te acompanhar,
dedicar-me-hei a caça de espera. Agora tranquilliza-te, hoje em vez
de caçar, pintarei. É preciso matar o tempo.

Uma hora depois, Ernesto mais alliviado, tomava algum alimento e punha
uma tela n'um cavallete.

Pensou alguns minutos qual o assumpto de que trataria primeiro, e acabou
por decidir-se, esboçando a scena que pouco antes succedêra no barranco.



CAPITULO XXIII

Uma caçada


Durante oito dias Ernesto não tornou a pegar na espingarda. De manhã,
pintava, á tarde, seguido pelos cães dirigia-se a um monte proximo de
casa, sentava-se na parte mais alta e como gozava disfructando o
panorama que aquelle sitio apresentava, passava largas horas immovel
como uma estatua.

Algumas vezes, já noite, Mauricio ia buscal-o e ambos regressavam a casa.

Ao nono dia, Ernesto chamou Mauricio.

--Desejo que vás a Madrid, disse-lhe, entregar este quadro á pessoa que
te indicarei, mas preciso primeiro que matemos um javali, para offerecer
á mesma pessoa.

--Para isso é preciso fazermos uma espera toda a noite, e como o senhor
está muito fraco...

--Não te inquietes com a minha fraqueza; esperaremos. Preciso de um javali.

--Posso matal-o sósinho, se quizer.

--Não, não; quero acompanhar-te. Quando póde ser?

--Esta noite; sei onde se vae banhar uma manada d'elles, e é infallivel
matar-se algum.

--Um só chega.

--Pois matar-se-ha.

--Então prepara tudo para esta noite.

--Devo advertil-o de que o sitio onde vamos fazer a espera, fica a tres
quartos d'hora de caminho d'aqui.

--Não faz mal, iremos com antecedencia. Sahiremos cedo.

--Bem, bem.

Mauricio sahiu do quarto de Ernesto, meneando a cabeça em signal de
desgosto, chegou á cosinha, onde estava sua mulher, e disse-lhe:

--Petra, esta noite o senhor Ernesto quer que vamos á espera dos
javalis: tem desejos de matar um. Por isso cearemos uma hora antes de
pôr o sol. Talvez não voltemos em toda a noite.

--Mas isso é uma loucura. O sr. Ernesto não está em estado de passar
tantas horas ao relento da noite.

--Então que queres, embirrou que me ha de acompanhar!

--Mas não acho bôa a vida que leva para quem precisa restabelecer-se.

Mauricio encolheu os hombros, e, sentando-se num banco, enrolou um cigarro.

--Estamos em quarto minguante. Para matar uma ou duas peças é preciso ir
aos charcos do barranco da Culebra, pois vão ali de noite beber agua e
fossar no barro. O caminho não é dos melhores. Queira Deus que possa lá
chegar.

--Já lhe disseste isso? Porque não vae a cavallo?

--Já, mulher, já; mas diz que quer ir a pé e quando elle teima não ha
outro remedio senão obedecer.

Petra approximou-se do marido, e, baixando a voz, disse:

--Dize-me, Mauricio. Tu conhécel-o ha muito tempo?

--Sim, cacei com elle muitas vezes e sempre foi o melhor e o mais
generoso homem do mundo.

--E tinha o vicio que tem agora?

--Não, Petra, antigamente não bebia bebidas brancas, bebia sómente
vinho, e isso mesmo pouco. Hoje, como sabes, quasi todas as noites...

Mauricio deteve-se, dirigiu um olhar para a porta, e depois continuou:

--Hontem reprehendi-o amigavelmente, dizendo-lhe que não lhe podia
fazer bem beber tanto rhum, e elle, pondo-me uma mão no hombro, e
sorrindo-se com expressão bondosa, respondeu-me:

--Caro Mauricio, ha dôres tão terriveis, desgostos tão profundos, que
para os esquecer algumas horas é preciso embriagarmo-nos. A minha doença
não tem cura; deixa-me, pois, beber, esquecer, dormir.

--Quando eu disse que havia aqui algum mysterio!... disse Petra.

--Tambem me parece que tens razão; aqui deve haver mysterio.

--Sabes o que calculo? Que tudo isto deve ser obra de mulher.

--E porque calculas que seja obra de saias?

--Vaes vêr. Outro dia entrei no quarto para o tratar, como de costume, e
encontrei debaixo da almofada uma fita de seda, e um boccado de tela,
onde estava pintada uma cabeça de mulher extremamente formosa. Não tive
tempo para mais do que olhar rapidamente para estes objectos e tornal-os
a pôr no mesmo sitio em que os encontrei quando o vi entrar,
precipitadamente, dirigir-se para a cama, pegar n'elles e sahir do
quarto do mesmo modo, olhando-me de um modo estranho, como se quizesse
adivinhar se eu tinha visto. Fiz-me desentendida, e continuei arrumando
o quarto.

--Que curiosas são as mulheres.

--Juro-te que só por casualidade...

--Emfim, seja como fôr, visto que elle nada nos disse, nos não lh'o
devemos perguntar.

Como se vê a conducta de Ernesto causava viva curiosidade ao honrado
casal.

Ao cair da tarde Ernesto e Mauricio levantaram-se da mesa.

--Levamos Roma e Florença? perguntou o pintor.

--Parece-me melhor deixal-os em casa, respondeu Mauricio; não estão
costumados ás esperas, e poderão espantar-nos a caça. Levarei antes o
meu podengo para que procure a presa no caso de ficar ferida. _Currito_
(assim se chamava o cão de Mauricio) deita-se a meus pés e não se move
d'ahi.

--Vamos quando quizeres.

Mauricio carregou com escrupuloso cuidado a espingarda e guardou um
frasco de rhum no bolso. Ernesto pegou na sua e sahiram.

O sol começava a declinar.

--Temos tempo, disse Mauricio. D'aqui até aos charcos levaremos quando
muito tres quartos de hora. Reconheci esta manhã o terreno e calcúlo
pelas pégadas que são uma femea com sete a oito filhos, e dois machos
que não devem ter menos de dez annos. Os machos veem sós, antes ou
depois da femea. Parece-me que nos divertiremos, mas é preciso ter muita
paciencia, porque apezar de todas as rezes abandonarem as tocas quasi á
mesma hora, umas estão mais longe do que outras do barranco e chegam por
conseguinte mais tarde. Tenha cuidado em fazer fogo sobre a peça antes
d'ella entrar n'agua. Se cair morta fique quieto, porque quando o charco
estiver silencioso, em poucos minutos apresentar-se-nos-ha outra, e
assim successivamente se podem disparar alguns tiros durante a noite. O
sitio onde vamos é bom, e estaremos perfeitamente collocados.

Ernesto ouvia satisfeito as lições que lhe dava aquelle homem
experimentado.

Mauricio que como todo o caçador de profissão tinha uma vista
privilegiada, deteve-se, inclinou-se para reconhecer o caminho, e disse:

--Ola! Por aqui passou um veado de _dez pontas novas_; aqui ha pégadas
recentes; os córtes na herva são frescos. A femea caminhava mais á
direita: passou por aqui.

--Mas como diabo conheces se é femea ou macho? perguntou Ernesto,
admirado da certeza com que Mauricio falava.

--Isso salta bem a vista. Um montanhez practico nunca se engana. O veado
tem o passo maior do que a corça, e deixa a pégada mais profunda,
caminha com mais regularidade, e colloca a pata trazeira sobre a pégada
da pata deanteira. A corça tem o pé mal feito, os seus passos são mais
curtos, e por conseguinte, não chega com as patas trazeiras ás pégadas
das patas deanteiras. Emquanto ao conhecimento pelas pégadas, é
unicamente devido á grande practica. Quando se segue um rasto pelas
pégadas, o caçador deve conhecer se o veado que persegue é _estaquero_,
isto é, se lhe começam a sahir os paus, tem um anno; _enodis_, tem tres
a quatro annos, _diez condiles nuevos_, se entrou nos seis annos, ou
_ciervo viejo_, se tem mais de dez annos. A estes conhece-se facilmente;
têem os pés deanteiros mais desenvolvidos do que os trazeiros.

Depois d'estas explicações que deixaram Ernesto satisfeito, receou não
as poder pôr em practica sem commetter grandes erros.

De vez em quando o caçador dirigia um olhar furtivo ao seu companheiro,
cuja pallidez e difficil respiração o inquietavam.

A meio da ladeira, que tinham que transpôr para chegarem aos charcos,
situados em um dos barrancos, Mauricio deteve-se e disse com manifesto
interesse:

--Senhor Ernesto, vejo que está muito cançado. Quer encostar-se ao meu
braço?

--Não preciso, mas vamos mais devagar, se te parece.

Como quizer.

Quando chegaram ao cume, Ernesto teve necessidade de se sentar e,
encostando os cotovellos sobre os joelhos, deixou cahir a fronte entre
as mãos.

O caçador não disse nada; de pé, immovel, ficou contemplando Ernesto com
tristeza.

Mauricio não tinha palavras, mas sobrava-lhe coração para compadecer-se
do seu hospede, a quem julgava gravemente enfermo.

--Podemos continuar, disse Ernesto, levantando-se.

--Agora o caminho é mais facil, respondeu Mauricio. Os charcos estão
n'esse barranco; antes de um quarto de hora estaremos commodamente
sentados nos nossos postos.

Mauricio seguiu por uma vereda aberta entre a matta. Ernesto caminhava
atraz.

De vez em quando o caçador voltava a cabeça para vêr se o seu
companheiro o seguia.

Quando chegaram aos charcos ainda restavam alguns instantes de dia. As
magestosas sombras da noite avançavam com rapidez, mas a lua ia
rapidamente tornal-as menos escuras, pois o seu disco despontava já no
horisonte.

--Parece-me conveniente que fiquemos juntos, porque assim quando estiver
cançado voltaremos para casa, disse Mauricio.

--Mas mataremos menos caça.

--Quem sabe! Podem entrar juntas e então cada qual escolhe a sua.

Mauricio conhecia varios esconderijos em torno do charco e escolheu,
pelas recentes pégadas dos javalis, o que lhe pareceu melhor; dobrou o
capote, e estendeu-o no chão para que Ernesto estivesse mais
commodamente e esperaram calados.

A noite é mais magestosa, mais imponente, mais bella no meio do Oceano
ou n'uma montanha, do que nas ruas de Madrid. Nas grandes cidades vê-se
por toda a parte a mão do homem, mas no mar ou na montanha vê-se a de Deus.

Ernesto e Mauricio esperavam no mais profundo silencio. O pintor
entretinha-se contemplando o magnifico astro da noite que subia
magestosamente pelo céu enchendo o espaço de poetica e melancholica
luz, que cahindo como chuva de perolas sobre as armadas das arvores
e sobre as silenciosas aguas do charco, dava um tom encantador á paisagem.

Ernesto, como pintor, pensava em fazer um estudo d'aquelle logar e
pintar depois um quadro; mas ao mesmo tempo pensava na mulher do homem
que se compromettera a comprar-lhe tudo quanto pintasse durante a sua
estada nos montes de Toledo.

A presença da lua, o imperceptivel movimento das ramadas dos azinheiros,
o silencio da noite que o rodeava, fizeram-lhe recordar Florença. Fechou
os olhos para sonhar acordado, e os seus labios entreabriram-se em doce
extasis, como se fôsse a dar e receber um apaixonado beijo de amor.

N'aquelle momento para elle não existia mais do que o presente. A sua
vida era uma recordação; a sua alma apaixonada apresentava-lhe com todas
as côres da verdade as scenas apaixonadas e perdidas para sempre, causa
da sua desgraça, origem da sua morte.

Se tivesse entrado no charco um bando de cincoenta rezes, Ernesto não
ouviria; mas, felizmente tinha ao seu lado Mauricio, caçador de
profissão, que sem ter a imaginação preoccupada com outra cousa que não
fosse o fim para que fôra até alli, estava com o olhar fixo, o ouvido
attento e a espingarda prompta a despedir a morte e como o verdadeiro
caçador que quando faz uma espera tem o ouvido e a vista tão perspicaz
como a da perdiz, e por isso sem duvida Ernesto sentiu que o seu
companheiro lhe tocava no braço.

Ernesto abriu os olhos.

--Acorde, que já as ouço.

--Não estou a dormir, respondeu o pintor, mas não ouço nada.

--Pois já se approximam, tenha a certeza, ainda estão longe, e são
femeas; conhecem-se pelo barulho que fazem. Os machos veem sempre mais
silenciosos.

Ernesto applicou o ouvido, e, depois de um segundo de immobilidade,
meneou a cabeça dizendo:

--Pois eu não ouço nada.

--Sim? Pois tenha paciencia que não tardará muito que tenha de tapar os
ouvidos, porque a musica d'ellas, quando andam em manadas, não é por
certo das mais agradaveis. Veem a entrar por aquella clareira que está
na nossa frente. Antes de se metterem n'agua, de que tanto gostam, param
para conhecerem o terreno. Então deve fazer fogo, apontar á maior que
ficar a sua esquerda; eu entreter-me-hei com a direita a vêr se,
disparando ao mesmo tempo, matamos duas.

E Mauricio, collocando o bico do pé esquerdo sobre o de Ernesto, disse:

--Quando carregar com o meu pé, faça o _gosto ao dedo_ e faça fogo. E
agora silencio que já estão perto.

Dois minutos depois, Ernesto ouvia a algazarra que Mauricio lhe annunciára.

Esperaram, pois, pelo momento opportuno que se não devia fazer esperar
muito.

No sitio que Mauricio indicára appareceu de repente uma femea muito
grande seguida de seis javalis pequeninos cujas desegualdades de tamanho
indicavam ser de duas ninhadas differentes.

Ernesto pudéra ter feito fogo á femea; estava uns cinco passos afastada
dos filhos, levantando a cabeça em direcção aos charcos.

O pintor olhou para o seu companheiro como que a interrogál-o, mas o
caçador indicou com um movimento de olhos que esperasse. E
effectivamente a uns vinte metros de distancia do logar em que estava a
femea, abriu-se uma clareira e appareceu um javali quasi do dobro do
tamanho da femea.

A lua estava tão clara que os caçadores viram perfeitamente os animaes.

Ernesto sentiu o pé de Mauricio comprimir o seu, e como tinha a
espingarda apontada, disparou.

As duas detonações produziram no espaço um só echo.

A bala de Mauricio foi tão bem apontada que o javali deu um salto,
caindo sem vida depois de soltar um grunhido de raiva. A femea, a que
Ernesto apontára foi ferida na cabeça; deu duas voltas, quiz fugir, mas
foi cair junto ao charco; depois fez um esforço supremo, levantou-se
novamente, entrou na agua para tornar a cair revolvendo-se nas ancias da
morte, soltando grunhidos desesperados que pouco a pouco foram
enfraquecendo.

Os demais tinham desapparecido como por encanto.

Mauricio ouvia as palpitações do coração de Ernesto cujo ruido e
precipitação o assustaram.

--Está peor? lhe perguntou.

--Não, não; é o prazer que experimento n'este momento. Se tornasse a
renascer em mim a paixão da caça, talvez esquecesse uma historia que me
assassina, que será a causa da minha morte.

O pintor revelára a Mauricio n'um arranco de enthusiasmo, a causa da sua
melancholia, a origem da sua doença.

--E que fazemos agora? perguntou Ernesto.

--Primeiro que tudo castrar o macho para que sangre e a carne perca o
gosto a bravo.

Mauricio levantou-se, tirou a faca de matto da bainha, e sahiu do
esconderijo, dirigindo-se para o sitio onde estava o javali.

Ernesto segui-o, examinando com o mais particular interesse todas as
operações que Mauricio fazia ás duas peças mortas.

O caçador depois de lhe abrir todo o ventre e de lhe tirar os
intestinos, pendurou-os pelos pés para que sangrassem e ficassem limpos.
Depois lavou as mãos na agua do charco, e disse:

--Agora diga-me se quer dar por terminada a caçada ou quer fazer nova
espera, apezar de me parecer melhor, o primeiro caso, pois é preciso
esperar pelo menos duas horas até que volte outro javali.

--Vamos para casa. E as rezes?

--Ficam ahi. Venho logo buscal-as com o meu cavallo.

--Então dá-me um gole de rhum, e a caminho. Passei um bom boccado.

Ernesto bebeu e deu o frasco a Mauricio. Depois dirigiram-se para casa
onde o pintor chegou bastante fatigado.



CAPITULO XXIV

Uma carta e um annel


Ernesto deixou-se cahir na cama, e como sempre, o seu pensamento
occupou-se de Amparo.

--Ámanhã, disse, falando comsigo, ouvirá pronunciar o meu nome, e no
fundo da sua alma renascerá a recordação das noites de Florença. Os seus
labios, vermelhos como bagos de romã, recordar-se-hão tambem d'esse
beijo fatal que me fez o mais desgraçado dos homens, e pela mente do
conde de Loreto cruzará debil, mas ameaçador, o phantasma de uma duvida,
a sombra de uma suspeita.

Ernesto tinha sempre na mesa de cabeceira uma garrafa de rhum; extendeu
o braço, pegou na garrafa e bebeu um gole.

--Ha quasi um mez sem a vêr, continuou, e comtudo a ausencia não apagou
o fogo devorador d'esta paixão que me abraza. O conde de Loreto tinha
mais direito do que eu para ser amado, mas indubitavelmente não a ama
tanto. E que importa isso ás mulheres? O conde é rico, nobre, e a
vaidade é o dominio tentador do bello sexo. Se o amor é o fogo d'alma
que transmitte calôr ás ideias dos homens de genio, devo fazer grandes
quadros.

E Ernesto soltou uma gargalhada, pegou novamente na garrafa, e
quasi a despejou de um trago.

Na sua physionomia, no seu olhar, assomaram os symptomas da embriaguez
produzida pelo alcool.

Com a lingua, presa e balbuciante, começou a falar em voz alta.

--A luz dos seus bellos olhos é o unico reflexo que illumina as
profundas trevas da minha alma, a que acompanha a fria soledade do meu
coração; as seis lettras do seu nome, as notas mais harmoniosas que
resôam no fundo do meu peito. Insensato! A tua vida não é mais do que um
sonho, que se desvanece ante o sopro da realidade. Tu recebeste tres
beijos, durante tres noites de luar; aquelles beijos encerravam o veneno
do teu sangue. A tua vida não é vida; o teu amor é só uma recordação.
Onde está a morte? Porque tarda tanto? Porque não chega, quando a espero
de braços abertos?

Ernesto fechou os olhos. Os seus labios entreabriram-se para deixar
passar um suspiro, e ficou dormindo pensando em Amparo.

..........................................................................
..........................................................................

Mauricio entrou no quarto do seu hospede ás cinco da manhã.

Ernesto levantou-se.

--Está tudo prompto para partires? perguntou.

--Sim senhor; tenho o javali grande preso convenientemente ao cavallo. Á
femea, segundo as suas ordens, tirei-lhe a cabeça e o lombo; o resto
fica em casa.

--Espera, disse Ernesto.

E pegando n'uma carta que estava sobre a mesa e n'uma tira de papel,
continuou:

--Entregas esta carta, o javali grande e estes dois quadros ao senhor
conde de Loreto, rua do Barquillo, n.º..., e comprarás tudo o que vae
mencionado n'esta lista.

Ernesto abriu uma gaveta da commoda, tirou dez moedas de cinco duros e
entregou-as a Mauricio.

Depois escreveu rapidamente n'uma folha de papel:


«Meus bons amigos

                                                          Marcial e André

    «Remetto-lhes uma cabeça de javali que cosinharão no restaurante do
    _Armiño_ para almoçarem com alguns amigos, bebendo por este caçador
    _selvagem_ que se não esquece de vocês.

                                                            «Sempre amigo

                                                            «_Ernesto._»

--A cabeça e o lombo da femea entrega-os onde diz este envellope, rua do
Prado. Vae com Deus e vem ámanhã, se te fôr possivel.

Mauricio sahiu, despedindo-se da mulher, e encaminhou-se para Toledo,
onde devia tomar o comboio de Madrid.

Ernesto pegou na espingarda, chamou os seus cães Roma e Florença, e
sahiu tambem em busca de perdizes, prevenindo Petra de que não viria
almoçar antes do meio dia.

..........................................................................
..........................................................................

O conde de Loreto, Amparo e D. Ventura estavam almoçando quando entrou
um creado dizendo-lhes que estava á porta um homem que parecia um
montanhez, que trazia uma carta, um javali e uns quadros.

--Ah! exclamou o conde, Ernesto cumpriu a sua palavra. Dize a esse homem
que suba e tragam vocês o javali para o vêrmos.

Dois creados trouxeram o javali para cima de uma mesa.

--Soberbo animal! exclamou Fernando. Pelas cerdas e pelos dentes bem se
vê que deve ser velho.

--Oito annos, respondeu Mauricio. Vale bem a onça de chumbo que lhe deu
a morte.

--Pelo que vejo, Ernesto diverte-se pelos montes?

--Diverte-se, exclamou o caçador, tudo menos isso; está muito
doente, dorme pouco e não tem appetite. A bem dizer que se alimenta só
com café e rhum. Tenho cá um palpite em que não morrerá de velho.

Todos escutavam com interesse as palavras de Mauricio.

--Disseram-me que traz uma carta e uns quadros, disse Fernando.

--A carta está aqui: os quadros deixei-os n'aquella casa.

O conde leu em voz alta o seguinte:


«Senhor conde de Loreto

    «Ignoro ainda se é proveitosa ao meu corpo esta soledade em que vivo
    ha vinte dias, mas conheço que é ao espirito.

    «No cume d'estas montanhas não se vêem homens, não se encontra a
    animação nem o bulicio das grandes cidades, mas o ar é mais puro, o
    horisonte mais limpido, o ambiente mais perfumado e respira-se com
    mais facilidade.

    «Seja como fôr, espero sem sobresalto que se resolva o problema da
    minha enfermidade, sem me occupar muito se será ou não vantajoso o
    desenlace.

    «Com o portador d'esta, caçador infatigavel e amigo leal, em casa de
    quem vivo no meio d'estes barrancos solitarios, remetto-lhe o
    primeiro javali que matámos e dois quadros sobre assumptos de caça,
    genero a que tenciono dedicar-me emquanto tiver forças para
    sustentar o pincel.

    «Não marco preço aos quadros que lhe envio, porque d'isso falaremos
    depois de lhe mandar doze. Demais, ainda que pobre, hoje não preciso
    de dinheiro, mas avisál-o-hei quando precisar. Seja, portanto, o meu
    banqueiro.

    «Para lhes provar que não os esqueço, desejava que me concedessem
    auctorização para fazer trez retratos de memoria, ainda que se
    admire ao vêl-os, o meu leal amigo D. Ventura.

    «Deponha aos pés da senhora condessa os meus respeitos, dê um abraço
    em seu sogro e não esqueça que n'este deserto fica esperando
    occasião de lhe ser util

                                                    «o seu amigo e obrg.º

                                                    «_Ernesto Alvarez._»


Amparo ouvira lêr a carta sem descerrar os labios, mas agradecia do
fundo da alma a fórma delicada como estava escripta.

Só lhe prendeu a attenção a auctorização que pedia para pintar os tres
retratos, entre os quaes devia figurar o seu.

--Quando tenciona voltar para Toledo? perguntou o conde ao caçador.

--Desejava ir esta noite no comboio das sete e quarenta. Os meus
affazeres em Madrid, depois de sahir d'esta casa, resumem-se apenas a
algumas compras de que o senhor Ernesto me encarregou, e entregar uma
cabeça de javali e um lombo a uns senhores que moram na rua do Prado.

--Tem algum inconveniente em me dizer que objectos o senhor Ernesto o
encarregou de comprar.

--Não, senhor; aqui está a relação.

E Mauricio entregou-a ao conde que depois de lêr, disse:

--Meu amigo, tenho em casa tudo quanto Ernesto deseja; não precisa,
pois, ir comprar cousa alguma. Agora vá almoçar emquanto escrevo uma
carta, depois irá levar a cabeça a esses senhores, e meia hora antes do
comboio partir encontrará na estação, despachado para Toledo, tudo
quanto Ernesto pede.

Mauricio com sinceridade natural, ia entregar ao conde o dinheiro que
Ernesto lhe dera.

--Não, esse dinheiro entregue-o a quem lh'o deu, e demais, far-me-ha o
favor de acceitar esta _onza_,[2] para comprar um presente a
sua mulher.

Mauricio tentou recusar a _onza_, mas o conde obrigou-o a acceitál-a.

Depois, conduziram-n'o a outra casa onde lhe serviram o almoço.

O conde escreveu entretanto a seguinte carta.


«Amigo Ernesto

    «Os quadros são bellos e o javali soberbo. Quando os homens têem
    talento trabalham em todos os generos. Obrigado pela sua boa
    memoria, obrigado, porque se não esqueceu de nós, apezar do mal que
    lhe temos feito.

    «Pede-me auctorização para fazer tres retratos; concedo-lh'a
    satisfeito não só por lhe ser agradavel a si como tambem ás pessoas
    que vão ser retratadas nas telas.

    «Desejava passar uma temporada na sua companhia para caçarmos
    juntos, e para vêr se o convencia a abandonar essa vida solitaria,
    principalmente durante os quatro mezes de rigoroso inverno.

    «Até então veremos o que posso conseguir. Hei de fazer a diligencia.

    «Fico esperando os doze quadros que me annuncia na sua carta, o que
    me prova que se sente animado para o trabalho.

    «Adeus, meu amigo, e não esqueça que lhe desejamos todas as
    propriedades.

                                            «Sempre seu amigo,

                                            «_Fernando del Villar._»


O conde leu a carta á mulher e disse:

--Agora, minha querida, escreve quatro linhas ao nosso amigo; talvez
isso lhe faça bem.

Amparo olhou o marido, receando que aquelle desejo envolvesse uma
intenção pouco agradavel.

O conde sorriu-se porque comprehendêra a duvida da mulher. Mas
rodeando-lhe a cintura, e, dando-lhe um beijo apaixonado, disse-lhe:

--Leio nos teus olhos, minha querida, a desconfiança, e sinto-o; isso
indica-me que me amas muito, mas que me conheces pouco. Escreve a
Ernesto, sou eu que t'o peço. Quatro palavras tuas far-lhe-hão bem, o
desgraçado ama-te de toda a sua alma. Muito desgraçado o fizemos. Não
sejamos egoistas até ao ponto de sermos malvados gozando com a sua
agonia, com a sua dôr, que só terá fim com a morte. Escreve-lhe, pois, o
que quizeres, Amparo.

O conde sorrindo-se com bondade, e dando segundo beijo na esposa,
continuou:

--Não lerei o que escreves. Adeus. Quando acabares fecha a carta e
entrega-a tu mesma a esse homem.

E o conde sahiu.

Amparo ficou com a carta na mão e como que pregada ao chão.

Aquella confiança que o marido acabava de mostrar era verdadeira ou um
laço?

Amparo não podia crêr na hypothese de um laço n'um homem tão generoso
como Fernando.

O conde de Loreto não era um homem vulgar. Amava a mulher, perdoára-lhe
o seu coquettismo com Ernesto antes de o conhecer a elle, calculava as
dôres e os soffrimentos do pintor a quem estimava devéras e por isso
disséra á mulher que escrevesse.

Amparo sentou-se, pegou na penna e durante dez minutos não soube como
começar.

De subito teve uma ideia. Os olhos brilharam-lhe, o semblante
reanimou-se-lhe: dir-se-hia que receava transmittil-a ao papel, mas
fazendo um esforço, e com mão mal segura, escreveu:


«Senhor Ernesto

    «Ja que meu marido o auctoriza a fazer os tres retratos, e julgando
    que d'elles um será o meu, peço-lhe, (queira perdoar este capricho
    de mulher), que se não esqueça do vestido que tinha em Roma quando
    veiu offerecer-me o que fizera, e que ainda conservo sobre o fogão
    do meu gabinete.

    «Trate-se, porque desejamos em breve vêl-o completamente restabelecido.

                                                            _Amparo._»


A condessa fechou a carta e foi entregál-a a Mauricio, que já tinha
acabado de almoçar.

--Entregue esta carta ao senhor Ernesto, mas só a elle, disse-lhe.

--Sim, senhora condessa.

Amparo ia a sahir, mas deteve-se.

--É casado? perguntou.

--Sim, minha senhora.

--Então faça favor de dar da minha parte este annel a sua mulher, e
recommendar-lhe que trate do senhor Ernesto com todo o carinho.

E Amparo como que envergonhada por aquelle arranco, tirou um annel do
dedo, entregou-o a Mauricio e sahiu, dizendo para comsigo:

--Assim comprehenderá que me não é indifferente o seu soffrimento e que
a sua morte me ha de custar algumas lagrimas.

Mauricio ficou um momento immovel. Pensava se aquella mulher tão formosa
teria alguma coisa que vêr com os padecimentos do seu hospede.

..........................................................................
..........................................................................

Á hora indicada pelo conde, Mauricio estava na estação, onde um
creado lhe entregou uma guia do caminho de ferro.

--Que é isto? perguntou elle.

--Da parte de meu amo, o senhor conde de Loreto. Com esta guia lhe
entregarão em Toledo, pois que foram expedidas em grande velocidade,
duas caixas e um caixote grande. N'ellas vae tudo quanto o senhor
Ernesto encommendou.

Mauricio guardou a guia na carteira e entrou para a _gare_, tomando
então logar n'um compartimento de terceira classe.

Durante a viagem, o caçador olhou muitas vezes para o annel, e pensava
em quem lh'o dera, dizendo de si para comsigo:

--Parece-me que vou descobrindo alguma cousa do segredo!



CAPITULO XXV

O regresso de Mauricio


Quando Ernesto sahia só, afastava-se pouco da habitação de Mauricio.

Muitas vezes pendurava a espingarda no ramo de um azinheiro, e, subindo
com difficuldade ao mais alto monte, sentava-se ahi, ficando largas
horas a contemplar a paisagem; outras, sem temer o perigo, descia ao
mais fundo dos barrancos, agarrando-se ás plantas, gozando tambem
n'aquella silenciosa soledade, onde o menor suspiro faz na concavidade
das rochas um echo como se repetisse a voz humana.

Então esquecia os cães, a espingarda e a caça, e a recordação
inolvidavel de Florença preenchia-lhe por completo a sua imaginação.

O seu amor por Amparo era tão constante, tão verdadeiro, tão grande,
que, enchendo todo o seu ser, formára n'elle uma segunda natureza tão
poderosa que era impossivel separar-se d'elle sem perder a vida.

Conhecia, comtudo, toda a loucura da sua paixão, e acceitára-a como se
acceita uma d'essas doenças que se não procura e que nos causa a morte.

Se Ernesto tivesse encontrado uma Heloisa, a terra para os dois amantes
teria sido um paraiso, mas encontrára uma _coquette_ que lh'a
converteu em pantanoso charco, que lhe envenenou o sangue ao aspirar os
maleficos miasmas que exhalava.

O seu mal era irremediavel. O amor tem muitas vezes a sua dose de veneno
que causa a morte.

Mas, apezar d'isso, o coração de Ernesto era tão grande, tão nobre, tão
generoso, que não odiava aquella que era seu tormento, antes pelo
contrario, amava-a cada vez mais.

Talvez que ainda lhe restasse um pouco de esperança, e d'essa esperança
emanava a doce compaixão que sentia por Amparo.

Por outro lado, o conde de Loreto era um homem digno de ser amado. Quão
doloroso teria sido para Ernesto vêr-se preferido por um homem indigno,
por um ser desprezivel, como acontece tantas vezes na vida!

Quantos exemplos se podem citar de levianas mulheres que espesinham a
honra de homens illustres nos braços de amantes despreziveis!

Ernesto reconhecia no conde grandes qualidades, e isto fazia-lhe menos
culposa a conducta de Amparo. Conhecia tambem que, se o conde não fosse
um homem superior e menos conhecedor do mundo, sabendo os antecedentes
de Roma e Florença e a parecença de Esther com a mulher, tomaria isso
por uma grave offensa e o assumpto não teria ficado assim. Talvez um
duello, e, por conseguinte, o escandalo que segue casos d'esta natureza,
teria augmentado as difficuldades a Ernesto para chegar até Amparo,
para ser talvez amado por ella com a vertiginosa paixão do adulterio.

Com a conducta prudente, digna e sabia do conde, evitou todos os perigos
que ameaçavam o marido, a mulher e o amante, cortando com um só golpe a
cabeça á repugnante maledicencia, que já comecava a levantar-se,
sorrindo-se de uma maneira satanica.

Por isso, Amparo e Ernesto admiravam o procedimento do conde de Loreto,
e este por seu lado, podia dormir tranquillo, com a segurança de que sua
mulher não o trahiria. E emquanto a Ernesto, sabia que de rival
intransigente se convertêra em amigo leal.

Amparo, comtudo, passou mal algumas noites. Amava com delirio o marido,
mas convencida de que ella era a causadora da doença de Ernesto, temia o
momento em que uma carta participasse a sua morte, isto é, que em seu
peito entrasse o remorso, que tira o somno, que entristece a alma, que
põe uma nuvem no coração.

..........................................................................

Mauricio chegou ao monte ao amanhecer do dia seguinte; Petra acabava de
se levantar, e ouvindo assobiar correu a abrir a porta.

O caçador não vinha só. Acompanhava-o um homem com tres burros
carregados com os objectos que o conde enviára a Ernesto.

--Tudo isto é para nos? perguntou Petra, depois de abraçar o marido.

--É para o senhor Ernesto, que lh'o manda um amigo de Madrid. Mas tambem
trago um presente para ti.

--Isso já eu esperava porque os bons maridos não se esquecem das
mulheres quando vão ás grandes cidades.

O homem começou a descarregar as caixas e o caixote, deixando tudo junto
da porta.

Mauricio entretanto metteu dois dedos da mão direita no bolso do collete
e tirou a _onza_ que o conde lhe dera, dizendo em voz baixa:

Pega: isto offereceu-me aquelle senhor a quem levei o javali e os
quadros como gorgeta. É para comprares o que quizeres.

--Uma _onza_! Fizeste bem em a não trocares, porque a mulher cuidadosa
pensa sempre no dia de ámanhã, e, quando apanha á mão uma moeda d'estas,
guarda-a como um remedio contra as necessidades da vida.

--E o senhor Ernesto? perguntou Mauricio.

--Ainda dorme.

--Hontem sahiu?

--Sim, um boccadito de manhã. Voltou muito cançado e comeu pouco.
Coitado! está cada vez mais triste. Esta noite entrei no quarto para vêr
se queria tomar alguma coisa, e encontrei-o com os olhos inchados,
enegrecidos, como se tivesse chorado. Muito grande deve ser o seu desgosto.

Mauricio guardou silencio; e como o homem já tinha descarregado todos os
objectos pagou-lhe, dizendo:

--Petra, dá a este homem alguma coisa de comer e de beber.

Mauricio entrou em casa, dirigindo-se ao quarto de Ernesto, e, como
reinava o mais profundo silencio, pensou que se não respondesse,
chamando baixinho, seria melhor deixal-o dormir.

Chamou, pois, á porta suavemente, mas a voz do hospede respondeu:

--Quem é?

--Sou, eu, senhor Ernesto.

--Ah! Mauricio! Espera que vou abrir.

Ernesto saltou da cama, abriu a porta e tornou a deitar-se.

--Bem vindo sejas, Mauricio. Não te esperava tão cedo. Abre a janella e
dá-me conta da tua missão.

--O conde de Loreto é um sujeito muito generoso, disse Mauricio. Depois
de me receber muito bem e de me dar de almoçar como a um principe,
deu-me uma _onza_ em ouro.

Mauricio continuou contando tudo quanto se passára em casa do conde e
terminou:

--Emquanto a senhora condessa entregou-me esta carta para si e
perguntando-me se era casado, disse-me: Pois dê este annel da minha
parte a sua mulher para que tratem com muito cuidado o senhor Ernesto.

O pintor sentiu-se commovido até ao fundo d'alma. Mauricio comprehendeu
o effeito das suas palavras, e, tirando a carta e o annel, entregou tudo
ao hospede.

--Mas este annel é para tua mulher, disse Ernesto, fixando-o com um
olhar penetrante.

Mauricio sorriu-se e disse:

--Isso é uma joia bôa de mais para quem está todo o dia a trabalhar.
Póde guardal-a. E de mais, Petra não sabe de nada, e olhos que não vêem
coração que não sente.

Ernesto não poude conter a sua alegria e lançou-se nos braços de
Mauricio, cujo procedimento delicado lhe causou profunda admiração.

--Ah! já me esquecia, disse Mauricio. Tambem os seus amigos da rua do
Prado me deram esta carta para si.

E, entregando a carta, sahiu do quarto afim de deixar só o seu hospede,
de quem começava a descobrir o segredo.

Ernesto, ao vêr-se só, beijou repetidas vezes o annel, apertando-o
depois com delirio de encontro ao peito.

Leu a carta do conde e o post-scriptum da condessa, guardou-a juntamente
com o annel n'uma gaveta da commoda, e, procurando serenar, disse:

--Ella não me esqueceu; isto sempre serve de consolação para o meu
peito. Vejamos o que me dizem Marcial e André, os meus bons amigos.

Ernesto então leu:


«Illustre Robinson dos montes de Toledo

    «Recebemos a _tua cabeça_ e o _teu lombo_. e ámanhã brindaremos á
    tua saude no restaurant do _Armiño_.

    «Não deves admirar-te de que te tenhamos na conta de um animal
    feroz, pois que outro nome não merece o homem que deixa as delicias
    de Madrid pelos selvagens barrancos dos montes de Toledo.

    «Agora outro assumpto. Tens todas as probabilidades que te concedam
    o primeiro premio ao teu celebre quadro de Esther. Se assim fôr,
    iremos entregar-te a medalha de ouro, e beber comtigo uma duzia de
    garrafas de Champagne.

    «Procura, comtudo, restabelecer-te rapidamente e voltares, porque
    nós preferimos comer sentados em volta de uma mesa, pisando
    alcatifas, recebendo o calor de fogões e a luz do gaz, do que comer
    no campo sobre o duro chão, acariciado pelas formigas e outros
    animaes importunos.

    «Estimando-te sempre e admirando como nunca.

                                                    «Somos teus amigos

                                                    «_Marcial e André._»


Ernesto sorriu-se tristemente quando acabou a leitura da carta.

--Ah! exclamou. Que feliz que é o mortal que encontra uma mulher que o
ama e dois amigos leaes e carinhosos! Mas a felicidade nunca é completa
para o homem. Só encontrei os amigos. Onde acharei a mulher?

E deixando cahir a cabeça sobre o peito melancholicamente, ficou immovel
como uma estatua.



CAPITULO XXVI

Uma caçada ás raposas


Se nos entretivessemos detalhando dia a dia a vida de Ernesto desde que
chegou a casa de Mauricio até ao dia em que deixou de existir, fariamos
um livro interminavel. Procuraremos, pois, tocar sómente nos pontos que
julgamos mais importantes.

Ernesto, como dissémos, cançava-se muito a subir as encostas, e o ponto
que escolhera para caçar não era dos mais commodos.

Um doente de peito pode caçar sem perigo, mas em terrenos planos que não
cancem os pulmões; porêm os montes de Toledo, os de Almenara e outros
não têem nada de hygienicos para um caçador de pouca saude.

Poder-se-ha matar muita caça, respirar-se ar puro mas são fatigantes em
demasia! Ernesto, pois, escolhêra mau sitio para se restabelecer, mas,
como a vida lhe importava pouco, era o mais apropriado para lhe dar cabo
dos seus arruinados pulmões.

Ernesto tratava-se pouco. Quando sentia a mente cheia de ideias tristes,
pegava na espingarda, chamava os cães e sahia. Se tropeçava com um bando
de perdizes, segui-as até que, cançado, se deixava cahir no chão,
permanecendo ás vezes mais de uma hora soffrendo angustias de morte.

Muitas vezes a noite surprehendeu-o nos barrancos, e Mauricio,
sobresaltado, sahia em sua procura; e então o honrado caçador trazia-o
ás costas até casa. Petra e Mauricio lamentavam em voz baixa a teimosia
de Ernesto em não querer que se chamasse o medico do povoado proximo.

--Está claro, dizia Mauricio. A dôr que o afflige é tal que deseja
acabar depressa com a vida, e quando menos pensarmos encontramol-o morto
no monte.

Demais Ernesto, cuja fraqueza era em extremo, ia perdendo as forças e o
appetite, e tinha caprichos extraordinarios que faziam estremecer Mauricio.

Certa manhã do mez de março (nevára muito durante a noite anterior e o
sol que começava a elevar-se no horisonte convertia o gelo em brando
rócio que tornava difficil o transito pelas ladeiras dos barrancos).
Mauricio e Ernesto estavam no cume de um monte, quando se aperceberam de
que andava uma raposa n'um monte proximo. Ernesto disparou, e o arisco
animal soltou um grunhido.

O tiro ferira a raposa nas patas trazeiras; mas com o instincto da
conservação arrastou-se até a borda de um barranco, deixando-se cair
para a frente.

Ernesto correu até chegar á mesma borda do precipicio.

Mauricio gritou-lhe:

--Cuidado, cuidado, senhor Ernesto. Por ahi não ha passagem.

Ernesto dirigiu um olhar para o abysmo, viu a raposa que fazia esforços
desesperados para chegar a uma toca, onde por fim se metteu.

--Indubitavelmente tem alli a femea e os filhos. Se pudessemos descer...
disse Mauricio.

--E porque não? respondeu Ernesto, avançando intrepidamente até a
abertura do abysmo.

--O terreno está escorregadio; é uma temeridade descer por este
despenhadeiro. Um pé em falso, uma tontura, precipital-o-hia a
quinhentas varas de profundidade, sobre um leito de pedras.

Ernesto inclinou-se, e, agarrando-se a uma matta que vegetava na borda
do abysmo, começara descendo, procurando appoio para os pés nas
saliencias da rocha e nos arbustos que cresciam entre as fendas.

Mauricio advertiu segunda vez do perigo imminente que o seu hospede
corria, mas Ernesto, detendo-se na sua descida e levantando a
cabeça, disse sorrindo-se:

--Não receies, meu bom Mauricio, ninguem morre sem que Deus queira; e se
succeder faltar-me o appoio que procuro tranquillamente, e precipitar-me
no abysmo, previno-te de que na minha carteira acharás um testamento que
te livra de toda a responsabilidade.

E continuou descendo.

Mauricio sustinha com trabalho os cães, olhando com admiração para Ernesto.

Não faltava valor ao caçador para descer por aquelle difficil e perigoso
caminho; mas isto teria sido uma imprudencia, pois, descendo atraz,
augmentava muito o perigo do pintor.

Mauricio era um bom christão, acreditava nos destinos da Providencia, e,
calculando que d'aquelle perigo só Deus podia salvar Ernesto,
encommendou-o com fervor ao Altissimo.

A descida de Ernesto até chegar ao penedo onde se havia refugiado a
raposa ferida, durou quatro minutos.

O pintor dirigiu um olhar sereno para o abysmo, murmurando em voz baixa:

--Mais profunda é a soledade da minha alma.

Mauricio fechou os olhos muitas vezes, julgando que o seu amigo ia
despenhar-se, quando ao pôr o pé ou a mão em algum appoio este cedia.

Por fim Ernesto chegou a uma especie de plataforma. Alli estava seguro,
mas era extremamente difficil subir, visto necessitar para isso de muita
força nos pulsos.

De repente Mauricio, que se dispunha a descer, viu que as pernas de
Ernesto se dobravam e que caia desamparado sobre as rochas que o
sustentavam, dando com a cabeça n'um sovereiro, que providencialmente o
salvou de uma queda fatal.

Mauricio soltou um grito. Ao principio julgou que o seu hospede rolasse
para o abysmo, e então era indubitavel que o seu corpo, feito em mil
pedaços, não pararia senão quando chegasse ao fundo. Com grande
surpresa sua, viu que o mesmo sovereiro que crescia na fenda da rocha
deteve o corpo da queda mortal, mas observou tambem que o corpo estava
immovel e como morto e que da bôcca sahia algum sangue.

Mauricio, deixando-se levar pelo seu generoso coração, confiado nas suas
herculeas forças desceu rapidamente até onde estava Ernesto,
completamente desmaiado.

Durante dez minutos fez todos os esforços imaginaveis para o tornar a
si; ora lhe chegava a garrafa do rhum ao nariz, ora lhe banhava as
fontes com agua fria. Nada: Ernesto parecia um cadaver.

Então, desprezando o perigo que o cercava, tirou a cinta, atou Ernesto a
ella, prendendo-o pela cintura, e, com o desespero do naufrago, começou
a trepar pela ladeira levando suspenso á cintura o inanimado corpo do
seu hospede, que oscillava sobre o abysmo como a pendula de um relogio.

Se a bôa Petra tivesse chegado n'aquella occasião e visto o perigo que o
marido corria, certamente morreria de susto. Deus, evidentemente, que vê
e premeia as bôas-acções, deu n'aquelle momento forças a Mauricio para
chegar ao cume, salvando o hospede e salvando-se elle proprio.

Quando se viu fóra do abysmo, soltou um d'esses suspiros que dilatam o
peito e, ajoelhando-se junto ao corpo inanimado do seu companheiro, deu
graças á Providencia, que os salvara de tão imminente perigo.

O pintor continuava sem voltar a si.

Mauricio pôz depois as duas espingardas ao hombro, levantou com os seus
robustos braços Ernesto e encaminhou-se precipitadamente para casa, que
não ficava muito longe.

Petra ao vêl-o entrar pallido, coberto de suor, a respiração offegante e
com Ernesto desmaiado nos braços, cujo rosto estava manchado de sangue,
soltou um grito de espanto e disse:

--Que foi, Mauricio? Que succedeu? Morreu o senhor Ernesto?

--Não, não morreu, respondeu Mauricio, está apenas desmaiado. Não te
assustes e ajuda-me a mettêl-o na cama.

Um quarto de hora depois Ernesto abriu os olhos, dirigiu um olhar vago
em redor, e vendo Mauricio e Petra juntos de si, extendeu-lhes as mãos e
disse com difficuldade:

--Obrigado, meus amigos, devo-lhes a vida e agradeço-lhes de toda a
minha alma, porque não quero morrer emquanto não concluir os tres
retratos que prometti ao conde de Loreto.

--Mau! mau! disse o caçador. É verdade que o perigo foi grande, mas já
lá vae. Que maldita raposa.

Ernesto não respondeu, mas, pegando na mão de Mauricio, apertou-a de
encontro ao peito com fraternal carinho.



CAPITULO XXVII

O anjo da morte


Durante quinze dias, Ernesto não sahiu de casa; pintava de manhã e de
tarde. Só alguns curtos momentos deixava a sua tarefa, para dar um
passeio em frente de casa.

Vendo pintar aquelle joven febril com os olhos encovados e a respiração
fatigante, dir-se-hia que tinha esse afan do homem de genio que presente
a morte e que quer concluir a obra que o deve immortalizar.

Estavam concluidos os retratos do conde, e de D. Ventura e tinha entre
mãos o de Amparo.

Ás vezes chamava Mauricio e perguntava-lhe:

--Conhécel-os? Parecem-se?

--Oh! Muito! São elles por uma penna.

Depois dava um charuto a Mauricio, accendia outro, apezar da tosse que o
fumo lhe causava, e continuava pintando.

No quarto do pintor, graças ás offertas do conde de Loreto,
encontravam-se todas as commodidades apetecidas. Quatro pelles de leão
almofadavam o sobrado; duas commodas cadeiras de braços forradas de
marroquim recebiam o pintor quando se sentia fatigado.

Muitas vezes dizia o pintor, sentado junto do fogão e tomando uma
chavena de café:

--Isto não é viver n'um monte: é ter um oasis no meio d'um deserto.

Certa manhã recebeu uma carta dos seus amigos Marcial e André,
dizendo-lhe que lhe haviam conferido o primeiro premio e que lhe iam
levar a medalha: que mandasse um homem á estação de Toledo para os
acompanhar ao monte.

Ernesto chamou Mauricio e disse-lhe:

--Ámanhã devem chegar a Toledo uns amigos de Madrid que veem passar
alguns dias commigo. É preciso que os vás esperar á estação, que
arranjes cavallos para o que fôr preciso e que os tragas para aqui.
Tambem seria bom que trouxesses da cidade o que tua mulher precisar.

Ernesto guardou os retratos para que os seus amigos não vissem. Era
avaro do seu thesouro, não queria que o profanasse a publicidade.

Marcial e André não eram caçadores; mas a caça é agradavel a todos os
homens, sem duvida porque os coelhos não usam revólver para se
defenderem, nem as perdizes disparam dardos contra os seus perseguidores.

Dizem que a caça é a imagem da guerra, sem duvida porque se queima
polvora e se derrama sangue; mas a mim parece-me que da guerra á caça
vae muita differença e bem crente estou de que o governo não passaria
todos os annos trinta e seis mil licenças de caça se o caçador corresse
tanto perigo como o soldado deante do inimigo.

Mas se todos gostam de disparar contra os inoffensivos coelhos, as
ladinas perdizes e as ligeiras lebres, não é para admirar que qualquer
habitante da cidade, ao encontrar-se n'um monte, povoado de caça e tendo
á sua disposição uma espingarda, não tente derramar sangue, ainda que
não seja senão para se baptisar com a cruz de Santo Eustachio.

Chegaram os amigos de Ernesto e depois dos abraços e das exclamações
ante o selvagem panorama, falou-se do quadro de Esther; almoçaram,
tomaram café, beberam tres garrafas de Champagne e pensaram em caçar
visto haver espingardas e caça.

Mauricio propoz uma batida e se bem que os caçadores não fossem muito
felizes, em compensação viram correr e voar muita caça.

Á noite, Petra serviu uma ceia, senão muito variada, pelo menos muito
abundante.

A mocidade tem bom estomago. Comeram bem e beberam muito melhor.
Falou-se de Ernesto chegar a Madrid e este disse:

--Não penso por emquanto em abandonar estes montes, porque estou aqui
perfeitamente. Convenci-me de que a solidão do campo e o ar saudavel
d'estas serras me são muito mais proveitosas do que a vida agitada da
cidade.

Todas as reflexões de Marcial, todos os conselhos de André não
conseguiram demover Ernesto. Os amigos convenceram-se de que seria
inutil falar em similhante assumpto.

Os amigos do pintor ficaram com elle mais tres dias. Chegou a hora da
partida. Marcial tinha em ensaios uma comedia e não podia retardar o seu
regresso a Madrid. Despediram-se promettendo fazer outra visita no mez
de maio, se Ernesto até então não tivesse abandonado os montes.

Ernesto, n'um ponto elevado, viu-os afastarem-se montados nos cavallos e
cantando o côro das bruxas de Macbeth.

--Aquelles são felizes, disse com tristeza, porque em seus corações vive
a alegria da juventude, a esperança da gloria. Ide em paz, meus
amigos, a quem nunca mais verei, a não ser que exista alguma cousa da
vida occulta ao olhar do homem para lá d'esse céu azul que se extende
sobre a minha cabeça.

Ernesto sentou-se. Uma volta do caminho tinha occultado os amigos, a
quem, como acabava de dizer, não tornaria a vêr.

Durante uma hora ficou immovel como o penedo que lhe servia de appoio.

Depois levantou-se, vagarosa e tristemente, dirigiu-se para casa, tirou
o retrato de Amparo, collocou-o no cavallete e pôz-se a pintar.

..........................................................................
..........................................................................

Quando algum conhecido de Mauricio ia caçar aos montes, Ernesto
fechava-se no seu quarto e poucas vezes sahia. Pintava, lia, e bebia rhum.

Estava muito doente, mas continuava regeitando os conselhos dos amigos e
os auxilios da sciencia.

Durante os mezes da primavera, pareceu fortalecer-se alguma cousa.
Passou o verão um tanto alliviado, trabalhava pouco, e ainda por duas
vezes mandára Mauricio a Madrid levar quadros de caça ao conde, ficando
em seu poder os retratos completamente concluidos, dizendo:

--Isto será a minha despedida, o meu testamento. Chegou o mez de
outubro, e Ernesto com os primeiros frios, apanhou uma recahida e perdeu
por completo o appettite; apenas se levantava para se sentar na cadeira
e d'esta para se metter na cama. Mauricio e Petra insistiram varias
vezes com elle para o convencer a que chamasse o medico.

--É inutil, meus amigos, dizia-lhes, talvez que em breve me faça mais
falta um sacerdote.

Uma noite, Ernesto peorou a tal ponto, que Mauricio, sem o consultar,
montou a cavallo, foi ao povoado de Orgaz e trouxe um medico.

Ernesto, ao vêl-o entrar, ao perceber a que vinha, encolheu os hombros,
dirigiu um olhar de gratidão a Mauricio, e disse:

--Tudo isso é inutil. O que preciso ámanhã é de um sacerdote.

O medico viu effectivamente que a doença de Ernesto era incuravel,
receitou por simples formalidade e disse que o chamassem se houvesse
mais alguma novidade.

Ao sahir, disse a Petra:

--Chamem o padre com urgencia, porque este homem apenas tem tres dias de
vida.

Petra chorou, e contou ao marido o que o medico lhe dissera.

Estavam verdadeiramente impressionados.

Quando Mauricio á noite entrou com a luz no quarto de Ernesto este
estava sentado n'uma cadeira proximo da mesa.

Ardia um bom fogo no fogão e, apezar do frio não ser muito, Ernesto
queixava-se de que se sentia gelado; era a morte, que avançava a passos
gigantescos para se apoderar do coração, para extinguir a vida n'aquelle
corpo, para separar a alma da materia.

--Mauricio, poe ahi a luz, approxima uma cadeira, senta-te aqui a meu
lado, disse o pintor, porque temos muito que conversar e não temos tempo
a perder.

Mauricio obedeceu sem dizer uma palavra. Só de quando em quando olhava
para o cadaverico semblante do seu hospede, pensando que já tinha visto
defuntos com muito melhor parecer.

--Tudo n'este mundo tem o seu fim, meu amigo, ajuntou Ernesto com voz
fraca e pausadamente. O dia nasce e morre como a planta e o homem. A
vida, como o canto do passaro, como as folhas das arvores, está sujeita
á vontade do Creador. Rebellarmo-nos contra tal, é uma loucura, uma
temeridade ou uma cobardia. Ninguem se salva da morte, ainda que diga
com toda a força do seu desespero: «Não quero morrer.» Assim, pois, é
preciso resignarmo-nos. Toda a sabedoria, toda a sciencia, toda a
grandeza do homem não é sufficiente para prolongar um segundo sequer a
sua vida. Alexandre como Cesar, Aristoteles como Cicero, morreram
quando soaram as suas horas, apezar de serem quem foram. A minha
approxima-se e é preciso preparar tudo para a minha ultima viagem.

Ernesto deteve-se, respirou, levou a mão ao peito e fixou os olhos em
Mauricio, cujo semblante compungido, manifestava a profunda magua da sua
alma, porque as palavras sentenciosas e tristes do seu hospede, a quem
estimava como a um pae, o affligiam.

--Quero, pois, meu bom Mauricio, inteirar-te do que tens a fazer no dia
seguinte ao da minha morte, que não está longe. Por isso, te pedi para
te sentares e que me prestasses attenção. Dei grandes incommodos tanto a
ti como a tua mulher; têem sido bons amigos para mim, devo-lhes muitos
favores, e é por conseguinte meu dever não os esquecer na hora da minha
morte. Quizera ser rico como um nababo para lhes deixar toda a minha
fortuna, pois bem sabes que não tenho herdeiros forçados; mas, apezar de
ser muito pobre, farei tudo quanto possa para os recompensar em parte de
todos os beneficios que recebi.

--Mas, senhor Ernesto, nós é que devemos estar agradecidos ao senhor,
disse Mauricio, porque desde que tivemos a fortuna de o vêr entrar para
nossa casa, têem sido muito maiores as recompensas que temos recebido do
que os insignificantes serviços que lhe temos prestado. Por isso não
temos que falar sobre esse assumpto.

--O interesse e o carinho que têem dispensado a este pobre doente, nunca
o pagarei sufficientemente. Mas deixemos esse assumpto, e ouve.

Ernesto fez uma pausa, pegou n'um rolo de papeis e n'uma carta, e disse:

--Quando eu morrer, e depois do meu enterro, vaes a Madrid onde tens
duas commissões a desempenhar da maior importancia. Esta carta para os
meus amigos da rua do Prado, e os tres retratos e esta outra carta para
o senhor conde de Loreto. Indubitavelmente todos, ao saberem que
deixei de existir, querem saber pormenores da minha morte. Dize-lhes o
que vires, a verdade. E agora só me falta dizer-te que encontrarás
escripto e assignado n'esta folha de papel, que te deixo como herança,
como livre senhor que sou de tudo, que me pertence; isto é, tudo isto
que nos rodeia, inclusivamente o pouco dinheiro que eu tiver na gaveta
da commoda, é teu e de tua mulher.

Mauricio que havia já um boccado luctava para suster as lagrimas, levou
as mãos aos olhos.

--Vamos, não te afflijas; da-me um abraço e vae-te deitar. Só tenho
ainda a pedir-te para que ámanhã cedo me tragas um padre, porque é bom
pensar em Deus alguns minutos antes de morrer, quem esteve tantos annos
occupando-se sómente dos pygmeus da terra.

Mauricio precisava sahir d'aquelle quarto para chorar desafogadamente;
entrou na cosinha, contou a Petra tudo quanto se passára e acabaram por
desatar em amargo pranto.

N'aquella noite nem Petra nem Mauricio puderam dormir.

De quando em quando vinham em bicos de pés até a porta do quarto de
Ernesto, e espreitavam pelo buraco da fechadura.

Ernesto continuava sentado na cadeira, ora escrevendo, ora com os
cotovellos encostados na borda da meza, e a cabeça appoiada nas mãos.

Pouco antes de amanhecer, Mauricio montou a cavallo e foi chamar o padre.

Ás sete da manhã, Ernesto viu entrar um velho de rosto bondoso e
cabellos brancos. A batina preta, a sobrepeliz, e sobretudo a doce
expressão d'aquelle rosto, fel-o comprehender que tinha na sua presença
o pastor das almas d'algum povoado proximo.

O sacerdote e o pintor estiveram fechados tres horas. O que disseram
pertence ao segredo inviolavel da confissão.

Quando o padre sahiu, entrou Mauricio.

Ernesto disse-lhe:

--Faze favor de pôr uma tela no cavallete e de o levares bem como esta
cadeira para proximo da janella. Vou fazer o meu ultimo trabalho.

Ernesto pegou na paleta, nos pinceis e sentou-se porque não podia
trabalhar de pé, principiando a esboçar uma Nossa Senhora das Dôres.

Apezar do seu estado, pintava com incrivel ligeireza.

A febre da morte guiava-lhe a mão.

Em dia e meio pintou uma formosa mãe do Nazareno, de corpo inteiro; mas
aquella virgem, apezar da doce melancholia do seu semblante, era um
perfeito retrato da condessa de Loreto.

Evidentemente aquella obra feita de momento, aquelle trabalho feito ás
portas da morte, era uma das melhoras obras de Ernesto.

Mauricio e Petra ficaram assombrados ao verem-no concluido.

--Ah! Que pena um homem assim morrer tão novo! exclamou o rude caçador
n'um arranco de sublime enthusiasmo.

--Mauricio, disse Ernesto, quando eu morrer entregarás este quadro ao
sacerdote que me ouviu em confissão, e diras que, já que os francezes
roubaram de uma capella da sua modesta egreja uma formosa Senhora das
Dôres, eu offereço-lhe esta para que a ponha no seu logar, apezar de não
valer, estou certo, nem a quinta parte do que valia a outra.

No dia seguinte, Ernesto conheceu que lhe restava poucos minutos de vida.

O sol entrava pela janella.

O enfermo permaneceu cêrca de meia hora com o olhar fito no céu e as
mãos postas em religioso recolhimento.

Petra e Mauricio, que estavam a seu lado, não se atreviam a
interrompel-o d'aquelle doce extasis.

--Meus amigos, disse Ernesto, extendendo os braços e, pegando nas mãos
de Petra e de Mauricio, vêem aquella nuvemsinha branca que está suspensa
no espaço?

Os dois olharam para o céu, mas não viram nuvem nenhuma, contudo Petra
respondeu com voz fraca:

--Sim.

--Pois bem, no meio d'essa nuvem vem o anjo da morte buscar-me. Oh! É
mais bello do que eu o suppunha. Os seus trajes são brancos como o disco
da lua, brilhante como a prata polida. Os seus olhos são negros e de um
brilho raro. O seu rosto, pallido e cheio de bondade, sorri-se com um
sorriso frio que penetra até a medulla dos ossos. Sobre a fronte lê-se a
palavra _Perdão_, e os seus braços extendem-se até mim como para me
receber. Ah! Se eu pudesse retratal-o!... Mas experimentemos. Dá-me a
paleta e os pinceis! Põe uma tela no cavallete!

Ernesto apertava as mãos de Petra e Mauricio; mas subitamente soltou-os
e dando um debil gemido, levou-as aos olhos e disse:

--Não posso!... Não posso!... Perdi a luz dos olhos!... Estou cego!...
Amparo!... Amparo!... Amo-te como sempre!... Meu Deus!... Recebei-me!...

Os braços do pintor cairam sem forças, estremeceu todo o corpo,
abriram-se-lhe e fecharam-se-lhe tres vezes as palpebras, e um debil
suspiro se lhe escapou do peito.

Depois ficou immovel na cadeira e reinou o silencio frio da morte.

A alma do pintor abandonára a materia.

Ernesto já não existia.

Pobre filho do genio! Pobre sonhador que trocou a sua gloria, o seu
futuro, por um beijo.

Mauricio e Petra ajoelharam junto da cadeira onde jazia o seu hospede, e
com os olhos cheios de lagrimas, resaram pelo eterno descanço d'aquelle
desventurado moço que tinha deixado de existir, e em cujos pallidos e
entreabertos labios julgavam ver um sorriso triste, lamentoso, como a
morte que lh'o produzira.



CAPITULO XXVIII

Conclusão


O sacerdote, que ouvira o pintor em confissão, em signal de
agradecimento pela bellissima Senhora das Dôres que elle offerecera á
sua egreja, resou uma missa cantada pelo descanço da alma do artista.

Mauricio deu sepultura ao corpo de Ernesto no cemiterio da villa de Orgaz.

Depois de cumpridos estes tristes deveres, Mauricio dispôz-se a cumprir
as ultimas vontades do seu hospede.

Preparou tudo para a viagem e disse á mulher:

--Ámanhã vou a Madrid desempenhar-me das commissões de que me encarregou
o senhor Ernesto. Durante a minha ausencia se não queres ficar só
levar-te-hei até Toledo. Calculo não me demorar mais de tres dias.

--Vae socegado e sem pressa; eu não deixo a casa onde estão os nossos
haveres. Demais, os pastores têem as choças aqui perto, e se tivesse
necessidade, bem sabes que me prestariam qualquer auxilio.

Mauricio partiu.

A carta que Ernesto escrevêra aos seus amigos da rua do Prado,
resumia-se a uma terna despedida.

Sigamos, pois, Mauricio, a casa do conde de Loreto.

Fernando del Villar, por quem uma carruagem esperava á porta, descia a
escada do seu palacio quando viu entrar Mauricio com os tres quadros
perfeitamente empacotados.

O conde parou ao reconhecer o caçador dos montes de Toledo.

--Ah! É o senhor? lhe disse. Como está Ernesto?

--Morreu! respondeu Mauricio.

--Como? Morreu?

--Ha quatro dias, senhor conde.

--Pobre rapaz! Mas suba, suba.

O conde começou a subir precipitadamente, seguido de Mauricio,
atravessou varias casas e por fim entrou n'um elegante e luxuoso
escriptorio.

--Morreu!... repetiu o conde deixando-se cair n'uma cadeira. Pobre
Ernesto! Não esperava similhante noticia. Sente-se, sente-se, meu amigo,
e diga-me qual o fim da sua vinda, porque creio que ha mais alguma cousa
do que annunciar-me tão irreparavel desgraça.

--O senhor Ernesto encarregou-me na vespera da sua morte de trazer ao
senhor conde estes tres retratos e esta carta.

O conde levantou-se, desatou o cordão que prendia os quadros, e,
collocando cada um em sua cadeira, levantou o estore da janella para que
entrasse mais luz.

Quando os olhos se fixaram nos retratos, e em especial no da condessa,
não poude conter uma exclamação, um grito de assombro.

--Isto é admiravel! Isto é admiravel! Que pena que homens assim vivam
tão pouco!

E ficou immovel como que extasiado deante do retrato da mulher.

O conde era um conhecedor de pintura. Viajára muito e vira muitissimo;
conhecia toda essa collecção de retratos celebres, que honram os seus
auctores, pendurados em exposição nas paredes dos museus; mas nenhum
ainda lhe produzira tanta admiração como a tela que tinha ante si.

O retrato de Amparo era uma obra-prima, pelo desenho, pelo colorido e
sobretudo pela parecença.

Demais a bôcca d'aquella mulher, perfeitamente modelada, tinha uma
expressão tal que parecia ter vida. Dir-se-hia que aquelles labios
humidos, de uma côr bella, um pouco entreabertos, palpitantes de amor e
de ternura, iam dar um d'esses beijos que inflammam para sempre a
alma do homem que o recebe.

Os olhos, de belleza irresistivel, meio velados pelas compridas pestanas
exprimiam tambem amor e melancholia.

Ao conde de Loreto nunca parecêra tão formosa a mulher como n'aquelle
momento em que comparava o original com o retrato; mas aquelle retrato,
onde a mão do pintor, sem se servir da adulação, possuia alguma cousa
mais do que a frialdade immovel da pintura, tinha por assim dizer a alma
do artista occulta atraz dos olhos e atravez aquella bôcca encantadora.

Ninguem, ao vêr o retrato, duvidaria de que estava um beijo suspenso dos
divinos labios d'aquella mulher, e, comtudo, o pintor não violára nem
uma só linha, nem na mais delicada sombra, a posição natural d'aquella
incomparavel bôcca.

O conde, que assim o comprehendeu, teve o retrato por uma obra-prima, e,
amante da arte que immortalizou Raphael, não podia desviar os olhos do
quadro.

Durante um quarto de hora Fernando permaneceu como um extasiado.
Mauricio estava triste e silencioso a seu lado.

Quando se cançou de contemplal-o, viu que tinha uma carta na mão. Era a
que pouco antes lhe entregára o honrado Mauricio.

Rasgou o envellope e leu:


«Senhor conde de Loreto.

    «Prestes a entregar a alma a Deus e o corpo á terra, pego na penna
    com mão fraca para lhe enviar as minhas despedidas.

    «Quando receber a minha carta já terei deixado de existir. Um sêr a
    menos na terra, uma particula de pó a mais em algum ignorado
    cemiterio d'estas regiões; mas em compensação, outros seres nascem,
    emquanto o vento levanta o pó dos que morrem. O mundo segue o
    seu caminho: esta é a cadeia da humanidade.

    «Remetto-lhe os tres retratos offerecidos. São as minhas ultimas
    obras; depois d'ellas os meus pobres pinceis não offenderão mais a
    arte inutilisando telas, estragando tintas. O unico merito que se
    lhe poderá attribuir será a parecença, e isso, sem duvida por que
    eu, durante o meu voluntario e penoso desterro, me não esqueci nem
    um só instante dos meus amigos.

    «Vou concluir pedindo-lhe, senhor conde, um favor. Mauricio e Petra,
    isto é, o portador d'esta e sua mulher, foram durante a minha doença
    dois irmãos carinhosos. Se eu fosse tão rico como Salomão,
    deixar-lhes-hia toda a minha fortuna e creio que assim mesmo não
    lhes pagaria quanto lhes devo; mas sou pobre, e só posso pagar-lhes
    com amor e agradecimento os beneficios recebidos.

    «Assim, pois, senhor conde, peço-lhe que entregue a Mauricio o valor
    que der aos tres retratos para que tenham com essa importancia uma
    recompensa do muito que lhes devo.

    «Mauricio é um honrado caçador de profissão que me serviu com
    desinteresse e sem esperança de recompensa: não sabe portanto que me
    occupo d'elle n'esta carta.

    «Desculpe-me, senhor conde, a liberdade que tomo, e não se esqueça
    de que ao soltar o meu ultimo suspiro bemdirei os meus amigos.

    «Apresente os meus respeitos á senhora condessa e dê um abraço de
    eterna despedida ao meu bom amigo D. Ventura.

                                                            _Ernesto._»


O conde acabou a leitura da carta commovido, dobrou-a e guardou-a na
algibeira.

Nos olhos havia uma certa humidade, devida ás lagrimas.

Mauricio, vendo que o conde guardava silencio, e desejando acabar com
aquella visita, disse:

--Se o senhor conde m'o permitte, retiro-me, pois preciso ainda esta
noite regressar a Toledo.

O conde dirigiu-se para o cofre, abriu-o, e, depois de pensar um
momento, começou a contar notas de banco.

--Mauricio, disse Fernando, ignora sem duvida qual a missão de que o meu
amigo Ernesto me encarrega n'esta carta.

--Só me disse para a entregar ao senhor conde juntamente com os retratos.

--Pois bem; Ernesto encarrega-me de lhe entregar seis mil duros que lhe
devo.

--A mim? disse admirado o caçador.

--Sim, a si.

--Mas que devo fazer a esse dinheiro? Porque elle nada me disse ao morrer.

--Guardál-os para si.

--É impossivel! Seis mil duros é uma fortuna para um pobre como eu.

O conde, admirado da honradez d'aquelle homem, teve um nobre pensamento,
e ajuntou:

--Desculpe-me; enganei-me.

--Eu logo vi que não podia ser, disse Mauricio quasi contente.

--Enganei-me na importancia, continuou o conde: em logar de seis mil
duros são dez mil.

Mauricio empallideceu. Era uma fortuna.

O conde entretanto contou dez mil duros em notas do banco de quatro mil
_reales_, e, collocando-os depois n'uma bandeja, approximou-se de
Mauricio, dizendo:

--Isto é o que Ernesto Alvarez deixa como herança a Mauricio e Petra
pelo seu generoso comportamento, pelos seus bellos sentimentos. Agora
eu, o conde de Loreto, offereço a Mauricio, quando se fartar de ser
caçador, o logar de administrador em um monte nas Asturias, com
vinte e cinco reales por dia, casa, lenha e mais vantagens que me não
recordam agora.

E o conde, apertando a mão ao honrado montanhez, ajuntou:

--Vá a Toledo, diga a sua mulher o que o senhor Ernesto dispôz na sua
ultima carta, pense socegadamente o que mais lhe convêm, que aqui me
encontrará sempre disposto a cumprir a minha palavra.

Mauricio pegou com a mão trémula nos dez mil reales, apertou depois de
encontro ao peito a mão do conde e, com olhos marejados de lagrimas e o
parecer bastante commovido, disse:

--Mas que fiz eu para merecer tantos favores?

--Foi um homem de bem, um homem justo, respondeu o conde.

--Ah! a minha pobre Petra vae enlouquecer de alegria. Ella que dentro em
pouco vae ser mãe! Ella, que nunca viu cem mil reales! Ella que é tão
boa! Todos os nossos filhos aprenderão a bem dizerem os nomes do senhor
Ernesto e do senhor conde de Loreto.

Fernando acompanhou Mauricio até á porta, depois voltou para o
escriptorio e, sentando-se em frente do retrato da mulher, disse:

--Ernesto não existe, mas nos labios d'este retrato, n'aquella bôcca
doce, apaixonada, amorosa como um beijo, deixou escripta a historia da
sua morte.



FIM



    [1] Um duro corresponde a 900 réis e um real a 50 réis,
    approximadamente.

    [2] Moeda de ouro, que vale approximadamente 14$500 réis.

                                                _N. do T._



    Indice

    CAPITULO I--Uma chavena de café
    CAPITULO II--Uma noite no Colyseu
    CAPITULO III--Sonhos côr-de-rosa
    CAPITULO IV--O pintor e o judeu
    CAPITULO V--O grupo de Niobe
    CAPITULO VI--Um beijo
    CAPITULO VII--Separação
    CAPITULO VIII--Caminho de Hespanha
    CAPITULO IX--De Florença a Paris
    CAPITULO X--A rosa de brilhantes
    CAPITULO XI--Mais um
    CAPITULO XII--Como se pede
    CAPITULO XIII--Os tres amigos
    CAPITULO XIV--Curiosidade não satisfeita
    CAPITULO XV--Carta interrompida
    CAPITULO XVI--Propostas
    CAPITULO XVII--Confiança
    CAPITULO XVIII--A golfada de sangue
    CAPITULO XIX--Pagar a hospitalidade
    CAPITULO XX--Abnegação
    CAPITULO XXI--Abandonando Madrid
    CAPITULO XXII--Vida de recordações
    CAPITULO XXIII--Uma caçada
    CAPITULO XXIV--Uma carta e um annel
    CAPITULO XXV--O regresso de Mauricio
    CAPITULO XXVI--Uma caçada ás raposas
    CAPITULO XXVII--O anjo da morte
    CAPITULO XXVIII--Conclusão



Livraria Editora Guimarães & C.ª

68--RUA DO MUNDO--70

LISBOA

CONDESSA DE GENCÉ

*Guia mundano das meninas casadoiras*, 1 vol. br. 500, enc. 700

D. JOÃO DA CAMARA

*Meia noite*, drama. 500

*Contos*, 1 vol. 600

*A cidade*, versos, 1 vol. 300

DELFIM GUIMARÃES

*Outonaes*, 1 vol. 500

*Aldeia na Corte*, 1 vol. 500

*O Rosquedo*, 1 vol. 200

*Juramento Sagrado*, 1 vol. 200

*Ares do Minho*, 1 vol. 200

*Flores do mal*, interpretação em versos portugueses, de poesias de
Baudelaire, 1 vol. 700

*Bernardim Ribeiro*, (o poeta Crisfal), 1 vol. 800

*Theofilo Braga e a lenda do Crisfal*, 1 vol. 500

DR. A. DA SILVA GAYO

*Mario*, romance historico, 1 vol. ill. br. 1$700, enc. 2$200

CARLOS BENTO DA MAIA

*Tratado completo de cosinha e de copa*. 1 vol., br. 2$000, enc. 2$500

*Tratado de risco e côrte de roupa*, 1 vol. 600

JOSÉ VALDEZ

*O cão*, raças, hygiene, ensino, e tratamento, 1 vol. 500

ANDRÉ ANGIULI

*A pedagogia, o estado e a familia*, 1 vol. 300

JULIO PAYOT

*A moral na escola*, 1 vol. 400

*A educação da vontade*, 1 vol. 500

DR. MAURICIO DE FLEURI

*Para prolongar a vida*, 1 vol. 400

MIGUEL CERVANTES

*D. Quixote de la Mancha*, ed. ill. com 200 grav. 2 vol. br. 2$400, enc.
3$200

FRANCISCO D'ALMEIDA

*Thesouro domestico*, receitas e processos uteis, 1 vol. 800

JOÃO CHAGAS

*O Crime da Sociedade*, 2 vol. in-4.º, ill. 1 vol. 3$600

LEÃO TOLSTOI

*A escravidão moderna*, 1 vol. 200

*A Sonata de Kreutzer*, 1 vol. 200

*O canto do cysne*, 1 vol. 200

*Ana Karenine*, 3 vol. 600

CAROLUS E LADOUCETE

*Os amores de Napoleão*, romance historico. 1 vol. de 1000 pag.
profusamente ill. br. 2$000, enc. 2$600

OCTAVIO MIRBEAU

*Memorias de uma criada de quarto*, 1 vol. 600





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Historia de um beijo" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home