Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Tractado da terra do Brasil - no qual se contem a informação das cousas que ha nestas - partes feito por P.º de Magalhaes
Author: Gandavo, Pero de Magalhães, -1576
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Tractado da terra do Brasil - no qual se contem a informação das cousas que ha nestas - partes feito por P.º de Magalhaes" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



by National Library of Portugal (Biblioteca Nacional de
Portugal).)



Notas de transcrição:

* a grafia do século XVI era totalmente livre; portanto, nenhum esforço
foi feito para harmonizar acentos, grafia etc.

* O caracter ^ é usado para denotar texto em superescrito (acima da
linha)



                             TRACTADO DATERRA
                        do Brasil no qual Se cõtem
                             a informaçaõ das
                           cousas que ha nestas
                             partes feito por
                             Pº de magalhaẽs.



Ao muy alto e Serenìssimo Principe dom Anrrique Cardeal Iffante de
portugal.


Posto que os dias passados apresentei outro sũmario da terra do brasil a
elRei nosso snõr, foi por comprir primeiro com esta obrigação de
vassallo que todos deuemos anosso Rei: e por esta razáo me pareçeo cousa
mui necessaria, (muýto Alto e serenissimo snõr) offereçer tambem este a
V. A. aquẽ se deuem Refirir os louuores e acreçentamento das terras ˜q
nestes Reinos floreçem: pois sempre deseiou tanto augmentallas e
conseruar seus subditos e vassallos ẽ perpetua paz.

Como eu isto entenda, e conheça quam aççeitos saõ os bõs seruiços a V.
A. que ao Reino se fazem imaginei comigo que podia trazer destas partes
com que desse testemunho de minha pura tençaõ: e acheý que naõ se podia
dũ fraco homẽ esperar maior seruiço (ainda que tal naõ pareça) que
lançar maõ desta informaçaõ da terra do Brasil (cousa ˜q ategora naõ
imprendeo pessoa algũa) pera ˜q nestes Reinos se deuulge sua
fertillidade e prouoque amuitas pessoas pobres que se vaõ viuer aesta
prouinçia, que nisso consiste a felliçidade e augmento della. E porque
V. A. sabe quanto seruiço de Deos e delRei nosso Snõr seýa esta
denunçiaçaõ determineý collegilla com deliberaçaõ de a offereçer a V. A.
aquẽ humilmente peço ma Reçeba, e com tamanha merçe ficarei satisfeito
Rogando a nosso Sñor lhe de prosperos e largissimos annos de vida e
deixe permaneçer Seu Real estado emperpetua filliçidade. amẽ.

Humilde vassallo de V. A. Pero de magalhães



Prollogo Ao lector.


Minha tençaõ naõ foi outra neste summario (discreto e corioso lector)
senaõ de nunçiar em breues pallauras a fertillidade e abundançia da
terra do brasil, pera que esta fama venha a notiçia de muitas pessoas
que nestes Reinos viuem com pobreza, e naõ duuidem escolhelha pera seu
Remedio: por˜q a mesma terra he tam natural e fauorauel aos estranhos
que a todos agazalha e conuida com Remedio por pobres e desemparados que
seiaõ. Eassy cada vez se vay fazendo mais prospera, e depois ˜q as
terras viçosas se forem pouoando (que agora estaõ desertas por falta de
gente) haõ se de fazer nellas grossas fazendas como ia estaõ feitas nas
˜q possuem os moradores da terra, etambem se espera desta prouinçia que
por tempo floreça tanto na Requeza como as Antilhas de Castella por que
he çerto ser en si aterra mui riqua e auer nella m^{tos} metais, osquais
ategora se naõ descobrẽ ou pornaõ auer gente na terra pera cometer esta
impreza, outambem por negligençia dos moradores que se naõ querem despor
aesse trabalho: qual seja a causa por que o deixaõ de fazer naõ sei. Mas
permittira nosso snõr que ainda em nossos dias se descubrã nella grãdes
thezouros, assy pera seruiço e augmẽto de S. A. como pera porueito de
seus vassallos que o deseião seruir.



Declaracão da costa.


Esta costa do brasil está pera a parte do occidente, corre se de norte e
sul. Da primeira pouoaçaõ a tederradeira ha trezẽtas e sincoenta legoas.
Saõ oito capitanias todas tem portos mui seguros onde podẽ entrar quais
quer naos por grandes que seiaõ. Naõ ha pella terra dentro pouoações de
portugeses por causa dos indios que naõ no consente, etambem pello
soccorro e tractos do Reino lhes he neçessario estarem iunto domar pera
terẽ comunicação de mercadorias. E por este Respeito viuẽ todos junto da
Costa.



Cap. 1.º da capitania de Tamaracá.


A pouoaçaõ da primeira capitania e mais antiga está nuã ilha que se
chama Tamaracá pegada com aterra firme, tem tres legoas de comprido e
duas de largo: tẽ trinta e sinco legoas de terra pella costa pera o
norte. He de dona Jeronima dalBuquerque molher que foi de Pero Lopez de
Sousa naqual tem posto Capitaõ de sua maõ. ha nella hũ engenho dassucre,
e agora se fazẽ dous nouamẽte, e muito pao do brasil e algodaõ. Pode ter
ate çẽ vezinhos. Ha nesta capitania muitas e boas terras pera se
pouoarem e fazerem nellas fazendas.



Cap. 2.º da capitania de Phernãbuco.


[Nota lateral: Noua Lusitania a chamã muytos pollas frequẽcia, é
policia]

[Nota lateral: agora som .60. anno de 1587.]

A capitania de Phernambuco está sinco legoas de Tamaracá pera o sul em
altura de oito graos, daqual he capitaõ e gouernador Duarte coelho
dalBuquerque. Tem duas pouoações, a prinçipal se chama Olinda, a outra
Guarassú que esta quatro legoas pella terra dentro. Auera nesta
capitania mil vezinhos. Tem =vinte etres= engenhos dassucre, posto que
tres ou quatro delles naõ saõ ainda acabados.

[Nota lateral: agora quatro mil ˜q sam todas as arrouas ˜q se librã
aqui, 240. M.]

Algũs moem com bois aestes chamã tripiches, fazem menos assucre que os
outros. mas amaior parte dos engenhos do brasil moẽ com agoa. Cada
engenho destes hũ poroutro, faz =trez= mil arrobas cadano. nesta
capitania se fazem mais assucres que nas outras, porque ouue anno que
passaraõ de sincoenta mil arrobas, ainda que o Rendimento delles naõ he
çerto, saõ segundo asnouidades e os tempos que se offereçẽ. Esta seacha
huã das Ricas terras do brasil, tem muitos escrauos indios ˜q he
aprinçipal fazenda daterra. Daqui os leuaõ e compram pera todellas
outras capitanias, porque ha nesta muitos, emais baratos que entoda
costa. ha muitos pao do brasil e algodaõ de que enrriqueçẽ os moradores
desta capitania.

[Nota lateral: a este porto se entra por un canal tam estreyto, ˜q
apenas cabe una náo por elle y sino entra cõ muyto tẽto, da en pedra
viua y perdesse ô qual acõtece muytas vezes aos exprimẽtados: por isso
se chama Paranambuc. ˜q quer dix Mar furado]

O porto onde os nauios entraõ está hũa legoa da pouoaçaõ Olinda seruense
pella praya e tambem por hũ Rio pequeno que vai dar junto da mesma
pouoaçaõ. Aesta capitania vaõ cadanno mais nauios do Reino que anenhuã
das outras. Hanella hũ mosteiro de padres da companhia de Jesus.


Rios.

Ha dous Rios caudais ate a Bahia de todollos sanctos. hũ se chama de saõ
francisco, está em dez graos e meyo, oqual entra nomar contanta furia ˜q
vinte legoas pello mesmo mar correm suas agoas outro Rio está em onze
graos e dous terços que se chama o Rio Real, tambem he muigrande e
correm muito suas agoas pello mar.



Cap. 3. da capitania da Bahya de Todollos Sanctos.


A Capitania da Bahia de todollos sanctos esta çem legoas de phernãbuco
emaltura de treze graos. terra del Rei nosso snõr onde Residem os
gouernadores e bispo e ouuidor geral de toda costa. esta he a terra mais
pouoada de portugueses que ha nobrasil. Tem tres pouoaçoẽs, a prinçipal
he a cidade do saluador. Aoutra se chama Villa Velha que esta junto da
barra, Esta pouoaçaõ foi aprimeira que ouue nesta capitania: de pois
Thome de Sousa Sendo gouernador edificou esta cidade do saluador mais
adiãte meýa legoa ao longo da Bahia por ser lugar mais comueniente e
porueitoso pera osmoradores da terra. Quatro legoas pella terra dentro
está outra˜q se chama Paripé. pode auer nesta capitania mil e çem
vezinhos. Tem dez oito engenhos, algũs sefazem nouamẽte: tambem se tira
delles muito assucre, ainda que osmoradores se lançã mais aoalgodaõ que
a canas dassucres porque se daa milhor naterra.

Dentro da çidade está hũ mosteiro de padres da companhia de Jesus,
noqual tem colegio onde ensinã latim e casos de consçiençia. Afora este
ha sinco igreias pella terra dentro antre os indios forros onde Residẽ
algũs padres pera fazerẽ christaõs e casarem osmesmos indios por naõ
estarẽ amãçebados.

Esta capitania tem huã bahya mui grande e fermosa, he tres legoas de
largo e nauegase quinze porella dentro. tẽ muitas ilhas de terras mui
viçosas quedaõ infinito algodaõ, diuidese em muitas partes esta bahia:
etem muitos braços e enseadas dentro. Os moradores da terra todos se
seruem porella cõ barcos pera suas fazendas.


Rios.

Doze legoas desta bahia de todollos sanctos esta hũ Rio que se chama
Tinharée onde se Recolhem muitas embarcações ˜q passã, pera as outras
capitanias. Tres legoas por elle dentro está hũ engenho dum Bastiã de
ponte, junto doqual estaõ muitas terras perdidas por falta de moradores,
dasquais se consegiria muito porueito se as pouoassem. Mais auante seis
legoas esta hũ Rio que se chama Camamù em treze graos e dous terços, no
qual podẽ entrar quais quer naos seguramente. quatro sinco legoas
porelle dentro. Ao longo deste Rio ha terras mui viçosas e muitas agoas
pera se poderẽ fazer engenhos dassucre, as quais tambem se perdem por
naõ auer gente que as va pouoar. Tem dentro alguãs ilhas de terras mui
grossas e acomodadas pera se fazerem nellas muita fazenda. Neste mesmo
Rio ha muito peixe em estremo, e junto delle muita infinita caça de
porcos e veados. Aqui se pode fazer huã pouoação onde os homẽs viuaõ mui
abastados e façaõ muitas fazendas. Ha outro que se chama o Rio das
contas, está em quatorze graos e meyo, mas naõ he tangrande, ainda ˜q
tambem entrão nelle alguãs embarcações. Entodos estes Rios ha muita
abundançia de peixes e de Caça.



Cap. 4.º da capitania dos Ilheos.


A Capitania dos Ilheos está trinta legoas da Bahia de todollas sanctos
em quatorze graos e dous terços. he de francisco giraldez na qual tem
posto capitaõ de sua maõ. Pode auer nella dozentos vezinhos. Tem hũ Rio
onde os nauios entraõ oqual está junto da pouoaçaõ. diuidesse emmuitas
partes pella terradentro, seruẽse os moradores porelhe pera suas
fazendas em almadias. ha nesta capitania oito engenhos dassucre. dentro
da pouoação está hũ mosteiro de Padres da companhia de Jesus ˜q agora se
faz nouamente.

Sete legoas da mesma pouoaçaõ pella terra dentro está huã lagoa dagoa
doçe ˜q tem tres legoas de comprido e tresde largo etem dez quinze
braças de fundo e dahi pera sima. Sae della hũ Rio pequeno pello qual
vaõ la ter barcos. tẽ esta lagoa hũ bocal neste Rio tam estreito, que
apenas cabe hũ barco por elle, e depois que anda dentro quasi naõ sabe
determinar por onde entrou. Ten, tanta abundançia dagoa que podem andar
nella quais quer naos por grãdes que seiaõ a vella: e assy quando vẽta
muito, alleuantam se alli ondas tam foriosas como se fosse no meyo do
mar comtormenta. Tem muita infinidade de peixes grandes e pequenos.
Criamse nella muitos Peixes bois os quais tem o foçinho como de boi e
dous cotos com que nadaõ amaneira de braços, naõ tem nenhuã escama nẽ
outra feiçaõ de peixe se naõ o Rabo. Matamnos com arpoẽs, saõ tam gordos
e tamanhos ˜q algũs pezaõ trinta corenta arrobas. he hũ peixe muito
sabroso e totalmente pareçe carne e assy tem o gosto della, assado
pareçe lombo de porco ou de veado, cozese com couves e guizase como
carne, nẽ pessoa alguã o come que o tenha por peixe saluo se o conheçer
primeiro. As femeas tem duas mamas pellas quais mamão os filhos e
criamse com leite (cousa ˜q se naõ acha noutro peixe algũ) tambem ha
destes emalguãs bahias e Rios desta costa, e posto que se criẽ no mar,
custumã beber agoa doçe porisso acodem muitos aesta lagoa, ou a parte
onde algũ Ribeiro se meta no mar. Tambem ha muitos tubaroẽs nesta lagoa,
e lagartos e muitas cobras, E achamse nella outros mõstros marinhos de
diuersas maneiras. Ha muitas terras e mui viçosas orredor della, e muita
caça, E neste rio que sae da lagoa muita fertilidade de peixe.
Finalmente que huã das abastadas terres de mantimentos ˜q que ha no
Brasil he esta capitania dos ilheos.



Cap. 5.º duã nascaõ de gentio ˜q se acha nesta Capitania.


Pellas terras desta capitania ate junto do Spiro sancto, se acha hũa
çerta nasçaõ de gentio que veo do çertaõ ha sinco ou seis annos, e dizem
˜q outros indios contrarios destes, vierão sobrelles a suas terras, e os
destruiraõ todos e os que fogiraõ saõ estes ˜q andaõ pella costa.
chamãse Aýmores, a lingoa delles he differente dos outros indios, ningẽ
os entende, saõ delles tam altos e taõ largos do corpo ˜q quasi pareçẽ
gigantes. Saõ mui aluos naõ tem pareçer dos outros indios da terra nẽ
tem casas nẽ pouoaçoẽs onde morẽ, viuẽ antre os matos como brutos
animais: saõ mui forçosos em estremo, trazem hũs arcos mui compridos e
grossos conforme a suas forças e as frechas da mesma maneira. Estes
indios tem feito muito dano aos moradores de pois que vieraõ aesta costa
e mortos algũs portugeses e escrauos por˜q saõ imigos de toda gente. Naõ
pelleyaõ em campo nẽ tem animo pera isso, poẽ se antre omato junto dalgũ
caminho e tanto ˜q passa algem attiraõlhe ao coraçaõ ou aparte onde o
matem e naõ despedem frecha que naõ na empregem. finalmente que naõ tem
Rosto direito aningẽ senaõ a treiçaõ fazem a sua. As molheres trazem hũs
paos tostados comque pelleiaõ. Estes indios naõ viuem senaõ pella
frecha, seu mantimẽto he caça bichos e carne humana fazem fogo de baixo
do chaõ pornaõ serẽ sentidos nẽ saberem onde andaõ. Muitas terras
viçosas estaõ perdidas junto desta capitania, as quais naõ saõ possuidas
dos Portugeses por causa destes indios. Naõ se pode achar Remedio pera
os destruirem por˜q naõ tem morada certa, nem saem nunca dantre o matto:
E assi quando cuidamos ˜q vaõ fogindo ante quẽ os persege entaõ ficam
atraz escondidos e atiraõ aos que passaõ descuidados, Desta maneira
mataõ alguã gente. todos quantos indios ha no brasil saõ seus imigos e
temẽnos muito porque he gente atreiçoada. E assy onde os ha nenhũ
morador vai a sua fazenda por terra ˜q naõ leue quinze vinte escrauos
consigo de arcos e frechas. Estes Aymores são mui feros e crueis, naõ se
pode cõ pallauras encareçer a dureza desta gẽte. Naõ andaõ todos juntos,
derramamse por muitas partes, equando sequerem ajuntar assubiã como
passaros ou como bogios demaneira que hũs aos outros se entendem e se
conheçẽ. Tambem os portugeses mataõ algũs delles, e tem muitos
destruidos, principalmente nesta capitania dos ilheos, eguardaõse muito
delles por que ja sabem suas manhas e conheçẽ muibem sua mallicia.



Cap. 6. da Capitania de Porto seguro.


A capitania de Porto seguro está trinta legoas dos jlheos em dezaseis
graos e meýo. He do Duque daueiro, na qual tem posto capitaõ de sua maõ.
Tem tres pouoaçoẽs a prinçipal he porto seguro que está junto do porto
onde os nauios entraõ. outra está dahi huã legoa ˜q se chama sancto
amaro outra Sancta Cruz que está dahi quatro legoas pera o norte. pode
auer nesta capitania dozentos e vinte vezinhos. Tem sinco engenhos
dassucre. Ha nella hũ mosteiro de padres da companhia de Jesus. Tambem
chegaõ aesta capitania os Aymorés e fazem nella dano aos moradores como
nos ilheos. he terra mui abastada de caça, e de peixes que mataõ no Rio
que está junto da pouoacaõ.



Cap. 7.º da Capitania do spirito sancto.


A Capitania do spirito sancto está sincoẽta, legoasde Porto seguro em
vinte graos, da qual he capitaõ e gouernador Vasco fernandes coutinho.
Tem hũ engenho somente, tira se delle omilhor assucre ˜q ha entodo
Brasil. Ha nella muito algodaõ e pao do brasil. Pode ter ate cento e
oitenta vezinhos, Ha dentro da pouoaçaõ hũ mosteiro de padres da
Companhia de Jesus. Tem hũ Rio muj grande onde os nauios entraõ, noqual
se achaõ mais peixes bois que noutro nenhũ Rio desta Costa. No mar junto
desta Capitania mataõ grande copia de peixes grandes E de toda maneira,
e tambem nomesmo Rio ha muita abundançia delles. Nesta capitania ha
muitas terras e muj largas onde os moradores viuẽ mui abastados assi de
mantimẽtos da terra como de fazendas. E quando se tomou a fortalleza do
Rio de Janeiro desta mesma capitania do Spirito Sancto sostentaraõ toda
gente e proueraõ sempre de mãtimẽtos neçessarios enquanto esteueraõ na
terra os que a defendiaõ.


Rios.

Auante desta capitania em altura de vinte e hũ graos está o Rio de
paraiba este he mui grande e fermoso e tem infinito peixe. Junto do cabo
frio ẽ altura de vinte e dous graos está a Bahia fermosa naqual se pode
fazer hũa capitania de muitos vezinhos onde tambem se perdem muitas
terras por falta de gente. Outros muitos Rios ha nestas partes ˜q deixo
descreuer por serem pequenos e naõ se fazer tanto caso delles, nẽ minha
tençaõ foi outra senaõ tractar destes mais notaueis onde se podem fazer
alguãs pouoaçoẽs e cõsegir porueito das terras viçosas que poresta costa
estaõ desertas.



Cap. 8.º da Capitania do Rio de Janeiro.


A Capitania do Rio de Janeiro cidade de sam Sebastiaõ está sesenta
legoas do Spirito Sancto em vinte e tres graos e hũ terço, terra delRei
nosso snõr. Pode ter pouco mais ou menos cento e corenta vezinhos, agora
se começa de pouoar nouamente. Esta he amais fertil e viçosa terra que
ha no brasil. Tem terras mui singullares e muitas agoas pera engenhos
dassucre. Ha nella muito infinito pao do brasil de que os moradores da
terra fazẽ muito porueito. Esta capitania tem hũ Rio mui largo e fermoso
diuide se dentro emmuitas partes, e quantas terras estaõ ao longo delle
se podem aporueitar, assy pera Roças de mantimentos como pera canas
dassucres e algodoẽs, porque saõ muj viçosas e milhores de quantas ha
por toda esta costa. ha nesta çidade hũ mosteiro de padres da companhia
de Jesus, os quais tambem augmentaraõ muito esta terra e deseiaõ muito
vella pouoada de muitos moradores, por˜q saõ tomo digo as terras desta
capitania mui largas e sabem quam porueitosas saõ pera toda gente pobre
que as for possuir. E por tempo haõ se de fazer nellas grãdes fazendas:
eosque la forem viuer com esta esperança naõ se acharão enganados.



Cap. 9.º da Capitania de SanViçente.


A Capitania de sanviçente está sesenta legoas do Rio de Janeiro em Vinte
equatro graos, he de pero lopez de sousa, naqual tem posto capitaõ de
sua maõ: esta e o Rio de Janeiro saõ as mais frias terras que ha no
Brasil, gea nellas em tempo de inuerno quasi como neste Reino. Nesta
capitania se deu ja trigo, mas naõ no querẽ semear por auer na terra
outros mantimẽtos de menos custo. Tem tres pouoações, e huã fortalleza
˜q está nuã ilha junto da terra firme quatro legoas pera onorte que se
chama Britioga, daqui deffendem esta capitania dos indios e françeses
com artelharia que ha na mesma fortalleza. Aprinçipal pouoaçaõ se chama
sanctos onde está hũ mosteiro de padres da companhia de Jesus. Aoutra
mais avãte ao longo do Rio huã legoa he Sam Viçente, tambem ha nella
outro mostr.º de padres da companhia. Pella terra dẽtro dez legoas
edificarão os mesmos padres huã pouoação antre os indios que se chama o
Campo naqual Viuem muitos moradores, amayor parte delles são mamalucos
filhos de portugueses e de indias da terra. Aqui e nas mais Capitanias
tem feito estes padres da companhia grande fruito e fazem com que a
terra va em muito creçimẽto, trabalhaõ por fazer christaõs a muitos
indios, e metem muitas pazes antre os homẽs, tãbem fazẽ Restituir as
liberdades de muitos indios que algũs moradores da terra tem mal
Resgatados: assy que sempre acodem aos que se desuiaõ do seruiço de Deos
e de S. A.

Auera nesta capitania quinhentos vezinhos, tem quatro engenhos dassucre,
E muitas terras viçosas de que os moradores tiraõ muitos mantimẽtos e
fazenda e viuẽ todos mui abastados. Estahe a ultima Capitania ˜q ha
nestas partes do Brasil.



Tractado segundo das cousas que são gerais por toda Costa do Brasil



Cap. 1.º das fazendas da terra


Os moradores desta costa do Brasil todos tem terras de sesmaria dadas e
Repartidas pellos capitaẽs da terra, e a primeira cousa que pretendem
alcansar, saõ escrauos pera lhes fazerẽ e grangearẽ suas Roças e fazẽdas
por que sem elles não se podeẽ sustentar na terra: E huã das cousas
por˜q o Brasil naõ floreçe muito mais, he pellos escrauos que se
alleuantaraõ e fogiraõ pera suas terras, e fogem cada dia: E se estes
indios naõ foraõ tam fogitiuos e mudaueis, não teuera comparaçaõ a
Riqueza do Brasil. As fazendas donde se consige mais porueito saõ
assucres, algodoẽs e pao do brasil, cõ isto fazem pagamento aos
mercadores que deste Reino lhes leuão fazenda porque o dinheiro he pouco
na terra, e assy vendẽ e trocã hũa mercadoria por outra em seu justo
preço. Quantos moradores ha na terra tem Roças de mantimẽtos, e vẽdẽ
muitas farinhas de pao hũs aos outros, de que tambem tiraõ muito
porueito.


O mais gado que ha nesta costa saõ bois e vacas, deste ha muita
abundançia ẽ todallas capitanias, porque saõ as heruas muitas e sempre a
terra esta cuberta de verdura, ainda que em porto seguro naõ sequerẽ dar
nenhũas vacas senão o primeiro anno, no qual engordaõ tanto que do muito
viço dizem que morrẽ todas. Cabras e ouelhas ha muito poucas ategora,
começaõ de multiplicar nouamente; as cabras se daõ melhor que as ouelhas
E parem dous tres filhos de cadauez. fazem os moradores da terra muito
por esta criação. Tambem ha egoas e cauallos, mas ainda saõ caros por
naõ auer muitos na terra, leuaõ nos do cabo verde pera la edaõ se muito
bem na terra.


Achase tambem por esta costa muito Amber que omar de sy lança fora as
mais das vezes quando faz tormenta e saõ agoas viuas, entaõ ha muitas
pessoas que mãdã seus escrauos pella praya buscallo nos lugares onde
custuma sair mais vezes, e muitas vezes aconteçe enriqueçerẽ algũs assy
do que achaõ seus escrauos como do que Resgataõ aos indios forros.
Segũdo a dita e ventura de cada hũ. Os panos que nesta terra se fazẽ são
dalgodaõ, todo mais vay deste Reino. E assy ha tambem muitos escrauos de
guine: estes saõ mais seguros ˜q os indios da terra por que nunca fogẽ
nẽ tem pera onde. Ha tambem muita criaçaõ de porcos e muitas galinhas
adens e patos da terra. Estas saõ as fazendas ˜q possuẽ os moradores do
brasil.



Cap. 2.º dos custumes da terra


As pessoas que no brasil querem viuer tanto que se fazem moradores da
terra por pobres que seiaõ se cada hũ alcançar dous pares ou meyaduzia
descrauos (˜q pode hũ por outro custar pouco mais ou menos ate dez
cruzados) logo tem Remedio pera sua sostentação por˜q hũs lhe pescam e
caçaõ outros lhe fazem mantimentos e fazenda e assy pouco a pouco
enRiqueçẽ os homẽs e viuem honrradamẽte na terra com mais descanso ˜q
neste Reino, por˜q os mesmos escrauos indios da terra buscam de comer
pera si e pera os senorẽs, e desta maneira naõ fazem os homẽs despeza
com seus escrauos em mãtimentos nẽ com suas pessoas.

A maior parte das camas do Brasil saõ Redes, as quais armaõ nuã casa com
duas cordas e lançaõse nellas a dormir. este custume tomaraõ dos indios
da terra.

Os moradores destas capitanias tratamse muito bem e saõ mais largos que
a gente deste Reino, assy no comer como no vestir de suas pessoas, e
folgam dajudar hũs aos outros com seus escrauos e fauorecẽ muito os
pobres que começãoviuer na terra. Isto se custuma nestas partes: e fazem
outras muitas obras pias por onde todos tem Remedio de vida e nenhũ
pobre anda pellas portas a pedir como neste Reino.



Cap. 3.º das callidades da terra.


Ha nestas partes do Brasil seis meses de verão e seis de inuerno: os de
verão são de setembro ate feuereiro, os de inuerno de março ate agosto.
Assy que quando nesta prouinçia do brasil he inuerno cá nestes Reinos he
verão, eos dias quasi sẽpre saõ tamanhos como as noites, huã ora somẽte
creçẽ emingoão. Cursaõ sempre ventos gerais, no inuerno seis meses sul é
sueste no verão nordeste. Sempre correm as agoas com o vento por costa,
E por isso senaõ pode nauegar de hũas capitanias pera outras se naõ
esperarẽ por mouções pera irem com as agoas e com o vento, porque cursaõ
como digo seis meses duã parte e seis doutra e portanto saõ muitas veses
as viagens vagarosas e quando vão contra tempo as embarcaçoẽs corrẽ
muito Risco e arribaõ as mais das vezes ao porto donde sairaõ. Mete se
no meyo e na força deste verão oito dias ante os Sanctos huã tormenta de
vento sul que dura huã sommana, este he mui çerto e geral, nũca se acha,
que naquelles dias faltasse. Muitas embarcações esperão por este vento e
fazem com elle suas viagens. Esta terra sempre he quente quasi tãto no
inuerno como no verão. A viraçaõ do vento geral entra ao meyo dia, pouco
mais oumenos, he tam fresco este vẽto e tam frio ˜q naõ se sente mais
calma, e ficam Recreados os corpos das pessoas. Dura este vento do mar a
te de madrugada, torna dalli acalmar outra vez por causa dos vapores da
terra ˜q o apagam e quãdo amanheçe está o ceo todo cuberto de nuuens e
as mais das manhãs choue nestas partes e a terra fica toda cuberta de
neuoa por que tem muitos aruoredos e chama a sy todos estes humores.
Etanto ˜q este geral acalma começa a ventar da terra hũ vento brando que
nella se gera, a te que o sol con sua quentura o torna apagar e alimpa
tudo outra vez e faz ficar odia claro e sereno, entrão logo ẽtra o vento
do mar acustumado. Este vento da terra he mui perigoso edoentio e se
açerta de permaneçer algũs dias morre muita gente assy portugeses como
indios da terra, mas quer nosso snõr que acõteça isto poucas vezes, e
tirado este mal he esta terra mui sallutifera e de bõs ares onde as
pessoas se achaõ bem despostas e viuem muitos annos prinçipalmente os
velhos tem milhor despossiçaõ e pareçẽ que tormã a Renouar e porisso
algũs se naõ querẽ tornar a suas patrias temendo que nellas se lhes
offereça amorte mais çedo. os ares de pella manhaã saõ mui frescos e
sadios: muitas pessoas se custumaõ alleuãotar çedo por que se aporueitem
delles enquanto tem esta vertude. A terra em si he lassa e deleixada
achãose nella os homẽs algũ tanto fracos e mingoados das forças que
possuem cá neste Reino por Respeito da quentura e dos mantimentos que
nella vsaõ, isto he enquanto as pessoas saõ nouas na terra, mas de pois
˜q por tempo se acustumão ficão tam Rijos e bem despostos como se
aquella terra fora sua mesma patria. Manda se dar nesta terra aos
infermos carne de porco, pera qual quer doença he porueitosa e naõ faz
mal a nenhuã pessoa: o peixe tãbem tem a mesma callidade e poem muita
sustançia aos doentes. Esta terra he mui fertil e viçosa, toda cuberta
de altissimos e frondosos aruoredos permaneçe sempre a verdura nella
inuerno e veraõ, isto causa chouerlhe muitas vezes e naõ auer frio que
offenda ao que produz a terra. Ha por baixo destes aruoredos grande mato
e muj basto e detalmaneira está escuro e serrado em partes que nunca
parteçipa o chaõ da quẽtura nẽ da claridade do sol, e assy está sempre
humido e manãdo agoa de sý. As agoas que na terra se bebem saõ mui
sadias e sabrosas, por muita ˜q se beba naõ prejudica a saude da pessoa,
a mais della se torna logo a suar e fica o corpo desaliuádo e saõ.
Finalmẽte que he esta terra tã delleitosa e temperada ˜q nũca nella se
sente frio nẽ quentura sobeja.



Cap. 4.º dos mantimentos da terra.


Nestas partes do Brasil não semeão trigo nem se da outro mantimento algũ
deste Reino. o que la se come em lugar de paõ he farinha de pao: Esta se
faz da Raiz duã pranta que se chama mandioca, aqual he como jnhame. E
tanto que se tira de baixo da terra, está cortindo se em agoa tres
quatro dias E depois de cortida pizaõ na ou Rellaõ na muito bem e
espremem na da quelle sumo de talmaneira que fique bem escorrida por˜q
he aquella agoa que sae della tam pessonhenta que qualquer pessoa ou
animal que a beber logo naquelle instante morre: assy que de pois de a
terem deste modo curada, poem hũ alguidar grande sobre o fogo e como se
aquenta, botaõ aquella mandioca nelle E por espaço de meya ora está
naquella quentura cozendose, dally atiraõ E fica temperada pera se
comer. ha todauia farinha de duas maneiras huã se chama de gerra, E
outra fresca, a de gerra he muito seca, fazemna desta maneira peradurar
muito e naõ sedanar: afresca he mais branda e tẽ mais sustançia,
finalmente que naõ he taõ aspera como a outra, mas naõ dura mais que
dous tres dias como passada qui logo se dana. Desta mesma mandioca fazem
outra maneira de mantimentos que se chamaõ beijuús, saõ mui aluos e mais
grossos ˜q obreas: destes vsaõ muito os moradores da terra porque saõ
mais sabrosos e demilhor desistaõ que a farinha. Outra Raiz ha duã
pranta que se chama Aýpim daqual fazem hũs bollos que pareçem paõ fresco
deste Reino e tambem se come assada como batata, de toda maneira se
acha. nella m^{to} gosto. Tambem ha naterra muito milho zaburro, este se
daa em todallas capitanias E faz hũ paõ muito aluo. ha nesta terra muita
copia de leite de vacas, muito arroz, faua feigoẽs muitos inhames e
batatas, E outros legumes ˜q fartaõ muito a terra. Ha muita abundançia
de marisco e de peixe portoda esta costa. Com estes mantimentos se
sustentaõ os moradores do Brasil sem fazerem gastos nem deminuirẽ nada
em suas fazẽdas.



Cap. 5.º da caça da terra.


Huã das cousas que sostenta e abasta m^{to} os moradores desta terra do
Brasil, he amuita caça que ha nestes matos de muitos generos e de
diversas maneiras, aqual os mesmos indios da terra mataõ assy com
frechas como por industriade seus lassos e fojos onde custumão tomar
amaior parte della.

Ha muitos veados e muita somma de porcos montezes de muitas castas. Hũs
pequenos ha naterra que tem as çedas mui grossas, asperas e crespas,
estes tem o embigo nas costas, matam se muitos delles, e doutros grandes
que naõ saõ desta callidade. Ha muitas antas que quasi saõ tamanhas como
vacas e pasçem heruas como outro gado qualquer, sua carne tẽ o sabor
como de vaca: a pelle deste animal he mui grossa e Rija. Ha tambem
coelhos mas tem as orelhas doutra maneira mais pequenas e Redondas. Ha
outros animais maiores que lebres que se chamaõ pacas, tambem tem carne
m^{to} sabrosa. Hũs bichos ha nesta terra ˜q tambem se comẽ e se tem
pella milhor caça que ha nomatto. chamãolhes Tatús saõ tamanhos como
coelhos E tem hũ casco amaneira de lagosta como de cagado, mas he
Repartido em muitas juntas como laminas, pareçe totalmente hũ caualo
armado, tem hũ Rabo do mesmo casco comprido, o foçinho he como de
leitaõ, e naõ bota mais fora do casco ˜q a cabeça, tem as pernas baixas
E criaõ se em couas a carne delles tem o sabor quasi como de gallinha.
Esta caça he muito estimada na terra. ha tambem muitas gallinhas de mato
que os indios mataõ cõ frechas, e outras muitas aues mui gordas e
sabrosas milhores ˜q pordizes. Desta E doutra muita caça ha no brasil
m^{ta} abũdançia.



Cap. 6.º das fruitas da terra.


Huã fruita se da nesta terra do Brasil muito sabrosa e mais prezada de
qũatas ha. Cria nuã pranta, humilde iunto do chaõ, a qual tem huãs
pencas como cardo, a fruita della nasçe como alcachofres e pareçem
naturalmente pinhas e saõ do mesmo tamanho, chamaõ lhes Ananaszes. Ede
pois de maduros tem hũ cheiro muito exçellente, colhemnos como saõ de
vez, e cõ huã faca tiraõ lhes aquella casca grossa e fazem nos en
talhadas e desta maneira, se comẽ. exçedem no gosto aquantas fruitas ha
neste Reino, e fazem todos tanto por esta fruita, ˜q mandaõ prantar
Roças delles como de cardaes; aeste nosso Reino trazem m^{tos} destes
ananazes em conserua. Outra fruyta se cria nũas aruores grandes, estas
senaõ prantaõ, nasçem pello mato muitas, esta fruita depois de madura he
muito amarella, saõ como péros Repinaldos compridos, chamão lhe cajuus,
tem muito sumo, e cria se na ponta desta fruita de fora hũ caroço como
castanha, e nasçe diante da mesma fruita, oqual tem a casca mais
amargosa que fel, e se tocarẽ com ella nos beiços dura muito aquelle
amargor e faz empollar toda boca, pello contrario este caroço assado, he
muito mais gostoso ˜q amẽdoa saõ de sua natureza mui quentes em estremo.
ha naterra tantos destes caroços que os medem aos alqueires. Tambem ha
huã fruita que lhe chamaõ bananas, e pella lingoa dos indios pacouas, ha
na terra muita abundançia dellas: pareçẽ se na feiçaõ com pepinos, nasçẽ
nuãs aruores mui tenrras enaõ saõ muito altas, nẽ tem Ramos senaõ folhas
mui comprimidas e largas. Estas bananas criamse em cachos algũ se acha
˜q tem de cento e sincoenta pera cima, e muitas vezes he tam grande o
pezo dellas que faz quebrar a aruore pello meyo. Como saõ de vez colhem
estes cachos, e depois de colhidos amadureçẽ, etanto ˜q que estas
aruores daõ huã fruita, logo as cortaõ por que naõ frutifiçaõ mais que a
primeira vez, E tornaõ arrebentar pellos pees outras nouas. Esta he huã
fruita mui sabrosa e das boãs que ha na terra, tem huã pelle como de
figo aqual lhes lançaõ fora quando as querẽ comer E se comẽ muitas
dellas fazem damno a saude E causaõ febre aquẽ se desmãda nellas. E
assadas maduras saõ muito sadias E mandaõ se dar aos infermos. Cõ esta
fruita se mantem amaior parte dos escrauos desta terra, por˜q assadas
verdes passaõ por mantimẽto Equasi tem sustançia de paõ. Ha duas
callidades desta fruita, huãs saõ pequenas como figos brojassotes as
outras saõ maiores e mais compridas. Estas pequenas tem dentro em si huã
cousa estranha aqual he que quando as cortaõ pello meyo com huã faca ou
porqualquer parte que seja acha se nellas hũ signal amaneira de
cruçifixo, E assy totalmente o pareçe. Tambem ha huã fruita ˜q se chama
Aracases, saõ como nespras postoque comaõ muita naõ fazẽ mal a saude. Ha
muita pimenta da terra come se verde, queima muito em grande maneira.
Outras muitas fruitas ha pello mato dẽtro de diuersas callidades, E saõ
tantas que ja se acharaõ pella terra dentro alguãs pessoas e sostentaraõ
se cõ ellas muitos dias sem outro mantimento algũ. Estas que aqui
escreuo saõ asque os portugeses tem antre sy em mais estima E asmelhores
da terra. Alguãs fruitas deste Reino se daõ nestas partes-s-muitos
melloẽs, pepinos e figos de muitas castas, Romãs m^{tas} parreiras
quedaõ huuas duas tres vezes no anno E tanto que huãs se acabaõ, começaõ
logo outras nouamẽte, E desta maneira nũca esta o brasil sem fruitas. De
limoẽs e laranjas ha muita infinidade: daõ se muito na terra estas
aruores de espinho e multiplicaõ mais que as outras.



Cap. 7.º da Condiçaõ E Custumes dos indios da terra.


Naõ se pode numerar nem comprẽder a multidaõ do barbaro gentio que
semeou a natureza por toda esta terra do brasil por que ningem pode
pello sertaõ dentro caminhar seguro, nẽ passar por terra onde naõ ache
pouoações de indios armados contra todas as naçoẽs humanas, Eassi como
saõ muitos permittio Deos que fossem contrarios hũs dos outros, E que
ouuesse antrelles grandes odios E discordias porque se assy naõ fosse os
portugeses naõ poderĩa viuer na terra nem seria possiuel, conquistar
tamanho poder de gente, Auia muitos destes indios pella costa Junto das
capitanias, tudo enfim estaua cheo delles quando começarão os Portugeses
apouoalla terra, mas por˜q os mesmos indios se alleuãotauaõ contra elles
E faziaõ lhes muitas treiçoẽs, os gouernadores E capitaẽs da terra
destruiraõ nos pouco apouco e mataraõ muitos delles, outros fogiraõ pera
o sertaõ, E assy ficou a costa despouoada de gentio aolongo das
capitanias. Junto dellas ficaraõ algũas aldeas destes indios que saõde
paz e amigos dos portugeses.

Alingoa deste gentio toda pella costa he huã: careçe de tres
letras-s-naõ se acha nella f, nem L, nẽ R, cousa digna despanto, por˜q
assy naõtem se nẽ lei, nẽ Rei e desta maneira viuẽ sem Justiça e
desordenadam^{te}. Estes indios andaõ nũs sem cobertura alguã assi
machos como femeas naõ cobrẽ parte nenhũ de seu corpo e trazem
descuberto quanto a natureza lhes deu. Viuẽ todos em aldeas, pode auer
em cada huã sete oito casas, asquais saõ compridas. feitas amaneira de
cordoarias e cadahuã dellas está chea de gente duã parte e doutra, e
cada hũ por sy tem sua estançia e sua Rede armada emque dorme e assy
estaõ todos hũs junto dos outros por ordem, e pello meyo da casa fica hũ
caminho aberto pera se seruirẽ. Naõ ha comodigo antreelles nenhũ Rei nẽ
justiça somẽte em cada aldea tem hũ prinçipal ˜q he como capitaõ aoqual
obedeçẽ por vontade e naõ por força, morrendo este prinçipal fica seu
filho no mesmo lugar naõ serue doutra cousa se naõ dir cõ elles a gerra
e conselhallos como sehaõ dauer na pelleja, mas naõ castiga seus erros
nẽ manda sobrelles cousa alguã contra sua vontade. Este prinçipal tem
tres quatro molheres, a primeiratẽ em mais conta, e faz della mais caso
que das outras, Isto tem por estado e por honrra. Naõ adoraõ em cousa
alguã nẽ tem pera sy que ha na outra vida gloria pera os bõs, e pena
pera os maos, tudo cuidaõ que se acaba nesta e que as almas feneçem com
os corpos, e assi viuem bestialmẽte sem ter conta nẽ pezo, nẽ medida.


Estes indios saõ mui bellicosos e tem sempre grandes gerras hũs contra
os outros nunca se acha nelles paz nẽ he possiuel auer antrelles amizade
porque huãs nasçoẽs pellejaõ contra outras e mataõse muitos delles, e
assy vai creçendo o odio cada vez mais e ficaõ imigos verdadeiros
perpetuamente. As armas com que pellejaõ saõ arcos e frechas a cousa que
apontarẽ naõ na erraõ, saõ mui çertos com esta arma e mui temidos
nagerra, andaõ sempre nella exerçitados. e saõ mui inclinados apellejar
e muy vallentes e esforçados contra seus aduersarios, e assy pareçe
cousa estranha ver dous tres mil homẽs nus dũa parte e doutra cõ grandes
assubios e gritta frechando hũs aos outros, e enquanto dura esta pelleja
nũca estaõ com os corpos quedos meneãdose duã parte pera outra com muita
ligeireza pera que naõ possaõ apontar nẽ fazer tiro em pessoa certa
alguãs velhas custumaõ apanharlhes as frechas pello chaõ e seruillos
emquanto pellejaõ. Gente he esta mui atreuida e que teme muito pouco
amorte, e quando vaõ agerra sempre lhes pareçe que tem çerta a Victoria
e que nenhũ de sua companhia ha de morrer, e quãdo partem dizem vamos
matar sem mais consideraçaõ e naõ cuidaõ que taõbem podem ser vençidos.
Naõ daõ vida anenhũ catiuo todos mataõ e comẽ, emfim que suas gerras saõ
mui perigosas, e deuẽ se ter em muita conta por que huã das cousas que
desbaratou muitos portugeses foi a pouca estima em ˜q tinhaõ agerra dos
indios e o pouco caso que faziaõ delles e assy morreraõ m^{tos}
miserauelmente por naõ se aperçeberẽ como comuinha, destes ouue muitas
mortes desestradas: E isto aconteçe cada paço nestas partes.

Quando estes indios tomaõ algũs contrarios sellogo comaquelle impito os
naõ mataõ leuaõ nos viuos pera suas aldeas (ou seiaõ portugeses ou
quaisquer outros indios seus imigos) E tanto que chegaõ a suas casas
lançaõ hũa corda muj grossa ao pescoço do catiuo pera que naõ possa
fogir, e armaõ lhe huã Rede em que durma e daõ lhe hũa india moça a mais
fermosa e honrrada que ha naldea pera ˜q durma com elle, e tambem tenha
cuidado de o guardar, e naõ vay pera parte que naõ no acompanhe. Esta
india tem cargo de lhe dar muito bem de comer e beber, e de pois de
oterẽ desta maneira sinco ou seis meses ou o tempo que querẽ determinaõ
de o matar, e fazem grandes serimonias e festas aquelles dias e
aparelhaõ muitos vinhos pera se embebedarem e fazemnos da Raiz duã herua
˜q se chama aipim, aqual feruẽ primeiro e depois de cozida mastigaõ na
hũas moças virgens, e esprememna nũs potes grãdes e dalli atres ou
quatro dias o bebem. E o dia que haõ matar este catiuo pella manhaã se
alguã Ribeira está junto daldea leuaõ no abanhar nella comgrãdes
cantares e follias, etanto ˜q chegam com elle a aldea, attam no pella
cinta com quatro cordas cada hũa pera sua parte e tres quatro indios
pegados em cada ponta destas e assi o leuaõ ao meyo dũ terreiro e tiraõ
tanto por estas cordas que naõ se possa bollir pera hũa parte nẽ pera
outra, as maõs lhe deixaõ soltas porque folgam de o ver deffender com
ellas. Aquelle que o ha de matar empena se primeiro com penas de
papagayo de muitas coores portodo corpo: ha de ser este matador o mais
vallente da terra e o mais honrado. Traz na maõ huã espada dũ pao mui
duro e pezado com que custumaõ de matar, e chegase ao padeçẽte dizẽdo
lhe muitas cousas e ameaçandolhe sua geraçaõ que o mesmo ha de fazer a
seus parentes, e de pois de oter afrontado com muitas pallauras
injuriosas dalhe huã grãm pancada na cabeça e logo da primeira o mata e
lha fazẽ pedaços. Está huã india velha cõ hũ cabaço na maõ. E assi como
elle cae a code muito de pressa com elle a meterlho na cabeça pera tomar
os meollos eo sange: tudo emfim cozem eassaõ e naõ fica delle cousaque
naõ comaõ. Isto he mais por vingança e por odio que por se fartarẽ. De
poisque comẽ a carne destes contrarios ficam nos odios confirmados, e
sentem muito esta injuria, e por isso andaõ sempre a vingarse hũs contra
os outros. E se amoça que dormia com o catiuo fica prenhe aquella
criança que parẽ de pois de criada, mataõ na e comẽ na e dizem que
aquella menina ou menino era seu contrario verdadeiro, e porisso estimaõ
muito comerlhe a carne e vingar se delle. E porque a maỹ sabe o fim que
haõ de dar aesta criança, muitas vezes quando se sente prenhe mataa
dentro da barriga, e faz conque moua. E aconteçe alguãs vezes affeiçoar
se tanto aeste catiuo e tomar lhe tanto amor que foge com elle pera sua
terra pello liurar da morte. E assy algũs portugeses ha que desta
maneira escaparaõ e estaõ oje ẽ dia viuos, e muitos indios que do mesmo
modo se saluaraõ, ainda que saõ algũs taõ brutos que naõ querem fogir
depois de os terem presos: porque ouue algũ que estaua ja no terrejro
atado pera padeçer e dauaõ lhe a vida e naõ quis senaõ que o matassem,
dizendo que seus parentes o naõ teriaõ por Vallente e que todos
correriaõ com elle e daqui vem naõ estimarẽ a morte, e quando chega a
quella ora naõ na terem em conta nẽ mostrarẽ nenhuã tristeza naquelle
passo. Finalmente ˜q saõ estes indios mui deshumanos e crueis, naõ se
mouẽ a nenhuã piedade: viuem como brutos animais sẽ ordem nẽ conçerto de
homẽs saõ muidesonestos e dados a sensuallidade e entregãse aos viços
como se nelles naõ ouuera Rezaõ de humanos, ainda que todauia sempre tem
Resquardo os machos eas femeas em seu ajuntamento e mostrã ter nisto
algũa vergonha. Todos comẽ carne humana e tem na pella milhor iguoaria
de quantas pode auer: naõ de seus amigos com quem elles tem paz se naõ
dos contrarios. Tem esta callidade estes indios que de qualquer cousa
que comaõ por pequena que seja haõ de conuidar com ella quanta esteuerẽ
presentes, só esta proximidade se acha antrelles. Comẽ dequantos bichos
secriaõ na terra, outro nenhũ engeitaõ por pessonhento que seja somente
aranha.

Tem estes indios machos por custume arrãcarem toda barba e naõ consentẽ
nenhũ cabello em parte alguã de seu corpo, saluo na cabeça ainda que
orredor della por baixo tudo arrancaõ. As femeas prezaõ se muito de seus
cabellos e trazem nos muito compridos e penteados e as mais dellas
emnastrados. Os machos custumaõ trazerẽ o beiço furado e huã pedra no
buraco metida por gallantaria outros ha que trazem o Rosto todo cheo de
buracos e assy pareçẽ mui feos e disformes: isto lhes fazem quando saõ
meninos. Tambem algũs indios andaõ pintados portodo corpo, pello qual
fazẽ hũs Riscos de muitas maneiras e poẽlhes huã çerta tinta e ficam
sempre os mesmos Riscos escritos na carne: isto naõ traz se naõ quẽ tem
feito alguã valentia. E assi tambem machos como femeas custumaõ
atingirse cõ o sumo duã fruita que se chama genipapo que he verde quando
se piza e depois que opoẽ no corpo e se inxuga fica mui negro e por
muito que se laue não se tira se naõ aos noue dias, isto tudo fazẽ por
gallantaria.

Estas indias guardaõ castidade a seus maridos e saõ muito suas amigas
porque tambem elles sofrem mal adulterios. Casaõ os mais delles com suas
sobrinhas filhas de seus irmãos ou irmãas, estas saõ suas molheres
verdadeiras e naõ lhas podem negar seus pais.

Algũas indias se achã nestas partes ˜q jurão e prometem castidade, e
assy naõ casaõ nẽ conheçẽ homẽ algum de nenhuã callidade, nẽ no
consentiraõ ainda que por isso as matem. Estas deixaõ todo o exerçiçio
de molheres e immittaõ os homẽs e segem seus offiçios como senaõ fossem
molheres, e cortaõ seus cabellos da mesma maneira que os machos trazem e
vaõ agerra com seu arco e frechas, e acaça: enfim que andaõ sempre na
companhia dos homẽs, e cada hũa tem molher que a serue e que lhe faz de
comer como se fossẽ casados.

Estes indios viuem mui descansados, naõ tem cuidado de cousa alguã se
naõ de comer e beber e matar gente e porisso saõ mui gordos em estremo.
E assy tambem com quer desgosto amagreçẽ muito, e como se agastaõ de
qualquer cousa comẽ terra e desta maneira morrẽ muitos delles
bestialmente. Todos segẽ muito o conselho das velhas tudo a que ellas
lhe dizem fazem e tẽ no por mui çerto, da qui vem a muitos moradores naõ
comprarẽ nenhũas por lhes naõ fazerẽ fogir seus escrauos.

Quando estas indias parem a primeira cousa que fazem de pois do parto
lauaõ se todas nũ Ribeiro e ficam tambem despostas como senaõ pariraõ,
em lugar dellas se deitaõ seus maridos nas Redes e assy os vesitaõ e
curaõ como se elles fossem as paridas.

Quando algũ destes indios morre custumaõ enterrallo nũa coua assentado
sobre os pees com sua Rede as costas em que elle dormia, e logo pellos
primeiros dias poem lhe de comer em cima da coua. Outras muitas
bestiallidades vsaõ estes indios que aqui naõ escreuo porque minha
tençaõ foi naõ ser comprido, e passar por tudo isto com breuidade.


Dos Resgates.

Estes indios naõ possuẽ nenhuã fazenda, nẽ procuraõ acquerilla como os
outros homẽs, somente cobiçaõ muito alguãs cousas que vaõ deste
Reino-s-camisas, pellotes, ferramẽtas e outras cousas que elles tem em
muita estima e desejaõ muito alcãçar dos portugeses. Atroco disto se
vẽdiaõ hũs aos outros, eos portugeses Resgatauaõ m^{tos} delles e
salteauaõ quantos queriaõ sem ningem lhes ir amaõ, mas ja gora naõ ha
isto na terra nẽ Resgates como soya, porque de pois que os padres da
companhia vieraõ aestas partes proueraõ neste negoçio e vedaraõ muitos
saltos que faziaõ os portugeses por esta costa os quais emcarregauaõ
muito suas consçiençias com catiuarẽ muitos indios cõtra direito e
mouerẽ lhes gerras injustas. E porisso ordenaraõ os padres e fezerã com
os capitaẽs daterra que naõ ouuesse mais resgates nẽ consentissẽ que
fosse nenhũ portuges a suas aldeas sem liçença do mesmo capitaõ. E
quantos escrauos agora vem nouamente do sertaõ oudas outras capitanias
todos leuão primeiro a Alfandega e alli os examinaõ e lhes fazem
preguntas quẽ os vendeo, ou como forão Resgatados, porque ningem os pode
vender se não seus pais ou aquelles que em justa gerra os catiuão. E os
que achaõ mal acqueridos poem nos em sua liberdade, e desta maneira
quantos indios se compraõ saõ bem Resgatados e os moradores da terra naõ
deixaõ porisso dir m^{to} auante com suas fazendas.



Cap. 8.º dos bichos da terra.


Naõ me pareçeo cousa fora de preposito tratar tambem neste summario
dalgũs bichos que nestas partes se criaõ pois tudo ha na mesma terra,
dado que daqui se não comprehenda mais que a differença e a variadade
das criaturas que ha duãs terras pera outras.


Ha nestas partes muitos bichos mui feros e pessonhentos, prinçipalmente
cobras de muitas castas e de nomes diuersos. Huãs ha tamgrandes e tam
disformes que engolem hũ veado todo inteiro, e affirmão que tem esta
cobra tal callidade que de pois de oter comido arrebenta pella barriga e
apodreçe quanta carne tem pello corpo e fica somẽte no espinhaço com a
cabeça e a ponta do Rabo saã, e tanto que desta maneira fica torna pouco
a pouco a criar carne noua ate que se cobre outra vez da mesma carne taõ
perfectamente como dantes, Isto viraõ e expremẽtaraõ m^{tos} indios e
moradores da terra. aesta chamão pella lingoa dos indios Giboiossú.
Outras ha muito maiores e mais possonhentas doutra casta differente. Saõ
tamgrandes en tanto estremo que apenas desaseis indios podiaõ leuar huã
que matarão junto da costa antre os Portugeses aesta cobra chamaõ
Surucucù. Outra geração ha dellas que lhe chamaõ boiteninga, tem na
ponta do Rabo huã cousa que soa propriamenta, como cascauel e por onde
esta cobra vai sempre anda Rogindo. he huã das feras bichas que ha na
terra. Outras ha que lhe chamão hebijaras. tem duas bocas huã na cabeça
outra no rabo mordem com ambas, esta cobra he branca e mui curta, o mais
do tempo esta debaixo da terra, he pessonhentissima sobre todas, quem
desta formordido não tera vida muitas oras, e assy qualquer destas
outras que morder alguã pessoa o mais quedura saõ vinte equatro oras. Ha
outra callidade dellas que naõ tem dentes nẽ mordem. Estas naõ saõ
pessonhentas nẽ tam pouco muito grandes chamão lhe Japaranas. Tambẽ
affirmão algũs homẽs que virão serpẽtes nesta terra com azas mui grandes
E espantosas, mas achaõ se Raramẽte. Ha muitos lagartos e grandes pellos
Rios dagoa doçe e pellos matos cuios testicollos cheiraõ milhor que
almisere, E aqualquer Roupa que os chegão fica ocheiro pegado por muitos
dias.

Os bichos mais feros e mais danosos ˜q ha na terra saõ tigres, estes
animais saõ delles tamanhos como bezerros, vaõ se aos currais do gado
dos moradores e mataõ muito delle e saõ taõ feros e forçosos que huã mão
que lançaõ a huã vitella ou nouilho lhe fazem botar osmeollos fora e
leuão no arrasto pera omato. Tambem pella terra dentro mataõ e comẽ
algũs indios quãdo se achaõ famintos. Sobem pellas aruores como gatos, e
dalli espreitaõ acaça que por baixo passa e Remetem de salto aella e
destamaneira naõ lhes escapa nada algũs destes animais mataõ enfojos os
moradores da terra.

Toda esta terra do Brasil he cuberta de formigas pequenas e grandes,
estas fazẽ algũ dano as parreiras dos moradores e as larangeiras que tem
nos quintaes, e se naõ foraõ estas formigas ouuera poruentura muitas
vinhas no brasil ainda que la saõ pouco neçessarias por˜q deste Reino
vai tanto vinho que sempre aterra delle está prouida.

Tambem ha muita infinidade de mosquitos prinçipalmente ao longo dalgũ
Rio antre huãs aruores que se chamaõ manges naõ pode nenhuã pessoa
esperallos, e pello mato quando naõ ha viraçaõ saõ mui sobejos e persegẽ
muito a gente.

Tambem ha huã geraçaõ de Ratos que trazẽ os filhinhos pendurados na
barriga e alli se criaõ e andaõ assy pegados ate serẽ grãdes. Bogios ha
muitos e de muitas castas como ja se sabe: tanto que as femeas parem
pegaõ se os filhos nas suas costas e sempre andaõ caualgados nas mãis
ate serẽ bem criados e posto que as persigaõ e as matem naõ sequerẽ
desapegar dellas. Ha tambem muitos lobos marinhos e porcos marinhos que
se criaõ no mar e na terra. Outros muitos bichos ha nestas partes pella
terra dentro que sera impossiuel poderẽ se conheçer nẽ escreuer tanta
multidaõ por˜q assy como a terra he grandissima, assy saõ muitas as
callidades e efeições das criaturas que Deos nella criou.



Cap. 9.º da terra ˜q certos homẽs da Capitania de porto seguro forão a
descobrir, e do ˜q acharão nella.


Posto que minha tençaõ naõ era tratar neste summario senaõ das cousas
que saõ gerais portoda costa do Brasil, de que os moradores da terra
parteçipaõ, pareçeo me tambem neçessario e conueniente aos louuores da
terra denunçiar neste Capitullo a Riqueza dos metais ˜q affirmaõ auer
por ella dentro prouãdo tudo isto com pessoas ˜q o acharão, virão, e
experemẽtarão: e amaneira como se descobrio foi esta ˜q se sege.


A esta Capitania de porto seguro chegarão certos indios do sertão a dar
nouas dũas pedras verdes que auia nũa serra muitas legoas pella terra
dentro, e traziaõ alguãs dellas por amostra, as quais erão esmeraldas
mas não de muito preço. E os mesmos indios dezião ˜q daquellas auia
muitas, e que esta serra era muj fermosa e Resplandeçente. Tanto ˜q os
moradores desta Capitania disto forão certificados fezeraõ se prestes
sincoẽta ou sesenta portugeses com algũs indios da terra e partirão
pello sertão dentro com determinção de chegar aesta serra onde estas
pedras estauaõ. Hia por capitão desta gente hũ martim carualho que agora
he morador da Bahia de todollos sanctos, Entrarão pella terra alguãs
dozentas e vinte legoas, onde as mais das serras ˜q acharão e virão erão
de mui fino christal e toda terra ẽ si mui fragosa, E outras muitas
serras de hũa tarra azullada, nas quais affirmão auer muito ouro porque
indo elles por antre duas serras destamaneira forão dar nũ Ribeiro que
pello pee dũa dellas deçia noqual acharão antre area hũs grãos meudos
amarellos, osquais algũs homẽs apalparaõ com os dentes e acharão nos
brãdos mas naõ se desfazião, finalmente que todos assentaraõ ser aquillo
ouro nẽ podia ser outro metal pois omesmo ouro desta maneira nasçe nas
partes onde o ha. Apanharão destes graõs antre area do Ribeiro
quantidade dum punhodo os quais acharaõ muito pezados que tambem era
proua de ser ouro; disto naõ fezerão mais experiençia por ser aquillo no
deserto e auer muitos dias ˜q padeçiaõ grãde fome nem comião outra cousa
senaõ semente deruas e algũa cobra que matauão. passarão adiante
determinando avinda tornar por alli a perçebidos de mantim^{tos} pera
buscarẽ a serra mais devagar donde aquelle ouro deçia ao Ribeiro.
acharaõ pellos matos muita canafistola, e por este caminho acharão
outros m^{tos} metais que naõ conheceraõ, nẽ podiam esperar pellas
gerras dos indios que se alleuantauaõ contraelles. Algũs indios lhes
deraõ noticia segundo a mençaõ que fazião ˜q podiam estar cem legoas da
serra das pedras verdes que hiaõ buscar e que não auia muito dalli ao
peruú finalmẽte ˜q cõ os imigos que Recreçião e pella gente ˜q adoeçia
tornaraõ se outra vez em almadias por hũ Rio que se chama Cricaré, onde
se perdeo nũa cachoeira a canoa emque vinhaõ os grãos douro ˜q traziaõ
pera mostra. Nesta viagẽ gastarão oito mezes e assi desbaratados
chegarão aesta Capitania de porto seguro. Os que deste perigo escaparaõ
affirmão auer naquellas partes muito ouro segũdo asmostras e os Signais
que acharão: e se la tornar gente aperçebida como cõuem contoda prouisaõ
neçessaria, e leuarem pessoas que disto conheçaõ dizẽ que se descobrirão
nesta terra grandes minas.

Quisera esereuer mais meudamente das particullaridades desta prouinçia
do brasil, mas porque satisfezesse atodos com breuidade guardeime de ser
comprido posto ˜q os louuores da terra pedissem outro liuro mais copioso
E de maior vollume onde se comprehendessẽ por extenço as exçellencias e
diuersidades das cousas ˜q ha nella pera Remedio e porueito dos homẽs
que la forẽ viuer. E por que a felliçidade e augmẽto desta prouinçia
consiste em ser pouoada de muita gẽte, naõ auia dauer pessoa pobre
nestes Reinos ˜q naõ fossem viuer aestas partes com fauor de .S.A. onde
os homẽs viuẽ todos abastados e fora das neçessidades que cá padeçem. E
desta maneira permittira Deos que floreça tanto a terra desta noua
lusitania que com ella se augmente muito a coroa destes Reinos e seia
dos outros enuejada pera que não desejemos terras estranhas prometendo
esta nossa tanta Riqueza e prosperidade aos ˜q aforẽ buscar pera seu
Remedio.

                                Fin.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Tractado da terra do Brasil - no qual se contem a informação das cousas que ha nestas - partes feito por P.º de Magalhaes" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home