Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: A Vista Alegre: apontamentos para a sua historia
Author: Gomes, João Augusto Marques, 1853-1931
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "A Vista Alegre: apontamentos para a sua historia" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



                             A VISTA ALEGRE

                     APONTAMENTOS PARA A SUA HISTORIA

                                   POR

                           J. A. MARQUES GOMES

                SOCIO CORRESPONDENTE DO INSTITUTO DE COIMBRA
                             E DAS SOCIEDADES
                     DE GEOGRAPHIA DE LISBOA E PORTO



                                  PORTO
                       TYP. COMMERCIO E INDUSTRIA
                     22, Rua do Corpo da Guarda, 22
                                  1883



                             A VISTA ALEGRE

                     APONTAMENTOS PARA A SUA HISTORIA

                                   POR

                           J. A. MARQUES GOMES

                SOCIO CORRESPONDENTE DO INSTITUTO DE COIMBRA
                             E DAS SOCIEDADES
                     DE GEOGRAPHIA DE LISBOA E PORTO



                                  PORTO
                       TYP. COMMERCIO E INDUSTRIA
                     22, Rua do Corpo da Guarda, 22
                                  1883



AO SENHOR

Duarte Ferreira Pinto Basto Junior



A menos de dois kilometros de Ilhavo e sobranceira ao braço da ria de
Aveiro, que liga a chamada Calle da Villa com o Bôcco, fica a Vista
Alegre. Quadra bem este titulo á risonha povoação em que um dos homens
mais prestimosos e emprehendedores que Portugal tem conhecido no
presente seculo, veio fundar a fabrica de porcelanas, que do local toma
o nome.

A Vista Alegre como povoação em si, tem tambem como o importante
estabelecimento que a tornou conhecida tanto no paiz como no
estrangeiro, uma historia sua de quem a lenda por mais d'uma vez se
apossou já, deturpando-a.

Não nos cançaremos em lhe procurar a etymologia pois é fóra de duvida
que o nome lhe proveio do formosissimo panorama, que a contorna,
moldurando-lhe o rosto gentil.

Anteriormente á fundação da fabrica, a Vista Alegre não tinha fóros de
povoação, era uma quinta apenas. Um templo formosissimo e uma casa
modesta que servia de habitação aos proprietarios da quinta, eram os
unicos edificios, que ali existiam, e isto ainda no primeiro quartel do
seculo XIX.

A fundação d'um tão bello templo, como é o de Nossa Senhora da Penha de
França, n'um sitio tão ermo, como era a Vista Alegre, fez com que muitos
principiassem a architectar romances mais ou menos verosimeis.
Imaginaram-se desterros e deportações, e bem assim fofo ninho de
criminosos amores d'um prelado illustre com uma dama de elevado
nascimento e freira professa n'um dos conventos de Lisboa.

Não longe da Vista Alegre, a um kilometro para o sul, fica o antigo
logar da Ermida, villa e concelho até 1834 a quem D. Manoel deu foral em
8 de junho de 1514. N'esta povoação houve um praso, cuja origem data de
seculos, tendo por cabeça uma grande quinta denominada o Paço da Ermida.
Este praso e quinta andava no senhorio dos Mouras Manoeis, familia muito
illustre, pois trazem a sua descendencia de D. Branca de Sousa, filha de
Lopo Dias de Sousa, grão-mestre da Ordem de Christo.

Alguns escriptores teem confundido a quinta da Ermida com a da Vista
Alegre, e affirmado que foi seu proprietario o bispo de Miranda, D.
Manoel de Moura Manoel.

Nem a quinta da Vista Alegre já foi conhecida por quinta da Ermida, nem
tão pouco aquelle prelado foi dono de qualquer d'ellas.

É fóra de duvida que D. Manoel de Moura Manoel vinha frequentes vezes
passar alguns dias e ás vezes, mezes até, á quinta da Ermida, que
conjunctamente com o praso do mesmo nome pertencia a seu irmão
primogenito Ruy de Moura Manoel. Durante a sua estada aqui, travou
relações com o proprietario da quinta da Vista Alegre, o Dr. Manoel
Furtado Botelho, relações que se foram tornando cada vez mais intimas de
sorte que passados annos edificou em terrenos dependentes da mesma
quinta a Capella de Nossa Senhora da Penha de França.

Por morte de Ruy de Moura Manoel, passou a quinta da Ermida para seu
filho Rodrigo de Moura Manoel, que tendo casado com D. Rosalia da Silva,
filha de Luiz Lobo da Silva, governador e capitão general de Angola
morreu sem successão, pelo que os seus bens passaram para suas irmãs. A
Ermida pertenceu a D. Maria Maximilianna, casada com Jeronimo de
Castilho. Por morte d'este, ficou sendo senhor d'ella seu filho Jeronimo
Antonio de Castilho que conjunctamente com sua mulher D. Joaquina Izabel
Freire de Castro, a vendeu por escriptura lavrada nas notas do tabellião
da então villa de Aveiro, Manoel de Sousa Bastos em 15 de janeiro de
1727, a Zeferino Rodrigues Caudello. Em 17 de março de 1812 fez venda da
mesma quinta ao snr. José Ferreira Pinto Basto, D. Bernarda Thereza
Umbelina Caudello de Maviz Sarmento, néta do referido Zeferino Rodrigues
Caudello.

O proprietario da quinta da Vista Alegre Dr. Manoel Furtado Botelho,
tendo fallecido em 9 de setembro de 1733, dispoz dos seus bens como se
vê da parte do seu testamento que passâmos a transcrever do livro dos
obitos da freguezia de Ilhavo, no anno de 1733: «que seria sepultado na
capella de Nossa Senhora da Penha de França, e deixava entre outras
missas, cincoenta pela alma do seu amigo o snr. Bispo que foi de
Miranda. Instituia por sua universal herdeira D. Theodora de Castro
Moura Manoel, de seus bens, e que esta poderia vender d'elles o que lhe
parecesse para dividas e ser freira sem constrangimento de pessoa alguma
nem justiça alguma lhe tomaria conta, nem lhe fariam inventario; e os
bens que ficassem por sua morte d'ella, iriam ao usufructo do seu
testamenteiro o padre licenciado Domingos Ferreira da Graça, cura de
Ilhavo, e por morte d'este a Nossa Senhora da Penha de França da Vista
Alegre, que entrando na posse seria obrigada a fabrica da capella a
fazer uma festa á dita Senhora em 8 de setembro de cada anno, da qual o
capellão daria contas ao Dr. Vizitador.»

Não foram, ao que parece, totalmente cumpridas as disposições do
testador, pois é certo que os seus bens tiveram um destino muito
differente do que o que lhe havia marcado.

D. Theodora de Castro Moura Manoel era como o proprio nome o indica
filha do bispo de Miranda, a quem pertencia tambem o appellido _Castro_
pois o houve de sua mãe, D. Maria de Castro. Aquella senhora, destinada
segundo parece para a vida claustral, não tomou o habito, nem tão pouco
chegou a casar, mas teve um filho, a quem deu o nome de seu pae, d'ella,
Manoel Pereira de Moura Manoel, que ordenando-se foi abbade da freguezia
de S. Romão de Guimarães.

O appellido _Pereira_, do mesmo modo que o de _Castro_ era tambem
pertença do bispo, pois era segundo neto de João Rodrigues da Costa e de
sua mulher D. Isabel _Pereira_.

O abbade Manoel Pereira de Moura Manoel morreu ainda em vida de sua mãe,
mas não sem deixar successão, pois teve uma filha de D. Clara Maria
de Barros, natural de Gondar, no concelho de Guimarães, D. Josepha
Caetana de Castro, que casou em 20 de novembro de 1748 com o capitão
Manoel Alvares Brandão, de Santa Marinha de Taboa, no bispado de
Coimbra. D'este consorcio nasceram duas filhas e um filho que todos
foram baptisados na egreja de S. Salvador de Ilhavo, a cuja parochia
pertence a Vista Alegre.

D. Theodora de Castro Moura Manoel falleceu em 1767, sendo sepultada na
capella de Nossa Senhora da Penha de França, quaes porém as suas
disposições testamentárias se as deixou, são desconhecidas.

O testamenteiro do dr. Manoel Furtado Botelho, o padre licenciado
Domingos Ferreira da Graça, para quem devia passar o usufructo da
herança que aquelle havia deixado a D. Theodora de Castro Moura Manoel,
sobreviveu ainda a esta, pois só falleceu em 7 de maio de 1772, mas se
elle usufruiu ou não a herança é que é ponto muito duvidoso, sendo certo
porém que tal herança por venda ficticia ou por outro qualquer meio,
nunca chegou a pertencer á fabrica da capella de Nossa Senhora da Penha
de França, pois passou para o capitão Manoel Alvares Brandão e d'este
para seus filhos, um dos quaes Alexandre de Castro Brandão, que foi
capitão-mór de Cantanhede, vendeu em 1815 a quinta e capella da Vista
Alegre ao snr. José Ferreira Pinto Basto.

Esboçamos a historia da Vista Alegre, agora resta-nos reunir aqui alguns
apontamentos biographicos do fundador da capella de Nossa Senhora da
Penha de França e fazer uma descripção ainda que rapida da mesma capella.

D. Manoel de Moura Manoel nasceu em Serpa, sendo seus paes, Lopo
Alvares de Moura e D. Maria de Castro. Filho segundo d'uma casa
vinculada como era a sua, e não querendo seguir a carreira das armas,
abraçou a que lhe restava, segundo o seu nascimento--a ecclesiastica.
Seguindo os estudos superiores na Universidade de Coimbra, doutorou-se
em Canones, e na qualidade de oppositor a uma das cadeiras d'esta
faculdade, foi eleito collegial do Real Collegio de Paulo em 28 de julho
de 1638, sendo reitor do mesmo o dr. Ambrosio Trigueiros Semmedo.

Em 17 de dezembro de 1660 foi nomeado conego doutoral da Sé de Lamego,
d'onde passou para a de Braga por promoção que obteve no 1.º de maio de
1666.

Nomeado deputado da Inquisição de Évora passou para Inquisidor da de
Coimbra em 13 de outubro de 1663, e a deputado do Conselho Geral do
Santo Officio em 13 de abril de 1674.

Eleito em lista triplice para reitor da Universidade, foi provido n'este
logar por el-rei D. Pedro II, em 23 de agosto de 1683, que o nomeou por
essa occasião sumilher da cortina. Havendo prestado juramento em 16 de
novembro daquelle anno, governou a Universidade até o 1.º de fevereiro
de 1690 em que foi eleito o seu successor D. Nuno da Silva Telles.

Durante o seu reitorado residiu por differentes vezes em Lisboa,
principalmente nos annos de 1688 e 1689.

Escolhido para bispo de Miranda em 28 de abril de 1689, foi sagrado em
outubro do mesmo anno na egreja parochial de Nossa Senhora dos Anjos de
Lisboa, pelo cardeal D. Verissimo de Lencastre, sendo assistentes D.
Fr. Luiz da Silva, bispo da Guarda, e D. Simão da Gama, bispo do Algarve.

Fazendo jornada para as Caldas de S. Pedro do Sul, adoeceu gravemente
nos Ferreiros, proximo a Vizeu, e ahi falleceu em 7 de setembro de 1699.
Durante a doença foi-lhe enfermeiro sollicito o bispo d'aquella diocese,
D. Jeronimo Soares, que assistiu tambem ao seu funeral e ordenou que
fosse sepultado na capella-mór da egreja d'aquella freguezia, d'onde as
suas cinzas foram trasladadas para a Vista Alegre em 1706.

Ignora-se o anno em que D. Manoel de Moura Manoel mandou edificar a
capella de Nossa Senhora da Penha de França, mas ainda assim parece não
haver duvida que foi já depois de estar bispo em Miranda.

É de bello aspecto a frontaria do templo, avistando-se a algumas leguas
de distancia os corucheus das suas duas torres. O interior não é menos
elegante. As paredes do corpo da capella são forradas d'alto a baixo de
bons azulejos, todos coevos da sua fundação--fins do seculo XVII,--é a
aboboda ornatada de boas pinturas a fresco. Tem dois altares lateraes de
boa talha dourada, dedicados ambos á Virgem, sob a invocação do Rosario
e da Conceição. O retabulo e altar da capella-mór são trabalhos
primorosos em fino marmore de Italia.

Embebido na parede da mesma capella e do lado da epistola, está o tumulo
do fundador, fabricado primorosamente de granito de Ançã.

A urna funerária é sustentada por tres leões de farta juba, que parecem
prestes a ser esmagados pelo seu peso.

No centro da urna, levantado em alto relevo, está um escudo oval
partido, com as armas dos Mouras Manoeis, tendo por timbre um chapeu
episcopal.

Sobre ella está a figura do bispo, de vestes prelaticias, meia deitada,
com a mão esquerda sobre o peito e a direita estendida com que a apontar
para o Tempo, que está ao fundo sobraçando o panno mortuario que deve
cobrir o sarcophago.

A execução é primorosa, conhecendo-se até nos mais pequenos lavores o
primor do cinzel que o trabalhou.

O povo rude das aldeias visinhas, acredita que tal obra não podia ser
executada por mãos de homens, e por isso attribue-a ao diabo, creando
uma lenda que o snr. Brito Aranha reproduziu já no seu bello livro
_Memorias historico-estatisticas de algumas villas e povoações de
Portugal_.

O nome do esculptor Claudio de Laplada cahiu com effeito no olvido, de
sorte que o forasteiro, que visitando a Vista Alegre perguntasse quem
havia feito o tumulo do bispo, recebia sempre em resposta aquella lenda.

Fronteiro a este tumulo, está um outro, muito mais modesto, sem duvida,
mas ainda assim digno de ser apreciado, como obra que é do mesmo
artista. Sobre uma urna funeraria, onde se vê tambem um escudo, com as
armas dos Castros, está sentada uma figura de mulher sustentando na mão
esquerda um baixo relevo, representando uma cabeça de freira, allusão
sem duvida á vida monachal que o bispo desejava que sua filha D.
Theodora de Castro Moura Manoel abraçasse, pois era, como as treze
arruellas dos Castros do escudo o indicam, para ella destinado o
moimento.

Por debaixo d'este tumulo e por tanto fronteiro ao do bispo está uma
grande lapide de marmore branco, tendo gravada a seguinte inscripção
latina:

    _Deo opt.º Max.º
    Deiparae virgini
    Diei ultimae_

    _Supremo Judicio      Supremus Judex:
    Rectrici universi      Rector universitatis:
    Episcopo animarum      Animosus episcopus._

    _In
    Mortis asylum, voti titulum, gratitudinis
    tropheum,
    Hoc templum, hanc aram, hunc tumulum
    dedicat sacrat signat
    Ill.mus et R.mus Dõnus
    D. Emmanuel de Moura Manuel
    Qui
    A B. Ferdinando Castellae Rege progenitus,
    sanctorum soboles, electum genus est:
    Armis et literis, ordine, et cursu manens,
    stella micans, et dimicans fuit:
    Aulae supernae cum Pontificibus ascriptus
    simili gloria sacerdos Christi erit.
    Favente natura, comite, virtute, auxiliante
    gratia.
    Cui
    Ortum dedere Serpae ter maxime conjuges
    Lupus Alvares de Moura,
    commendator de Trancoso,
    Trium Ecclesiarum Patronus, Trium
    maioratuum Dõnus
    Et D. Maria de Castro
    Ex Imperiali Emmanuelium stirpe pari
    nobilitate decorata.
    Quem
    Serenissimi Portugaliae Reges
    Destinarunt caducco, Selegerunt consilio:
    Sancti Officii Tribunal
    Judicem habuit Deputatum Inquisitorum
    dignissimum:
    Academia Conimbricensis
    Collegam educavit, Rectorem coluit.
    Ecclesiae Luzitanae
    Canonicum nutrierunt alumnum, et sponsum
    receperunt Episcopum.
    Tot gradus Providentia Supponente,
    Ut meritis augeretur, quod sanguini
    debebatur.
    Cujus
    Magnutudinem Integritatem Sapientiam
    Multiplex fama loquitur,
    Ipsa Juvidia fatetur,
    Hoc opus salamonicum testatur.
    Quo
    Arca coronata, suffulciens, Propitiatorium,
    Custodit miraculosum simulachrum
    Virgae Virginis quae rupit rupem.
    De cujus nativitate, quam celebrat, gaudens,
    Sub cujus umbra, quam desiderat, sedens,
    Zoculo fecit locum;
    Munimentum construxit monumento.
    Herculeas columnas, vel potius Machabaicas,
    Saxeas fixit, non terreas finxil,
    Ut viderentur ab omnibus navigantibus mare:
    Non plus ultra.
    Hujus tanti viri si effigiem quaeris,
    Inspict utrumque antrum:
    Franci--hispanicum scilicet, et
    Bethlemiticum.
    Quibus
    Ut simon dormit; ut Pastor vigilat;
    Immo etiam vigilat, cum dormit;
    Nam illic spiritus inter vigiles associatur
    Caelesti militiae,
    Dum hoc corpus, virginis protectione securum
    Requiescit in pace.
    Hoc Epitaphium insculptum Fuit anno
    Domini 1697._

      *      *      *      *      *

    TRADUCÇÃO

    Ao Deus Omnipotente
    Á Virgem Mãe de Deus
    para o ultimo dia.

    Juizo supremo
    Moderador do Universo
    Bispo das almas.


    Supremo Juiz
    Reitor da Universidade
    Bispo animoso
    Para
    Asylo na morte, satisfação d'um voto
    monumento de sua gratidão
    dedica este templo, consagra este altar;
    erige este tumulo
    o Ill.mo e Rev.mo Snr.
    D. Manoel de Moura Manoel,
    a quem
    O sangue do bemaventurado D. Fernando
    Rei de Castella
    Communicou as virtudes d'uma raça d'eleições
    nunca desmentidas:
    --nas armas, nas letras, na gerarchia;--
    no progredir
    Astro de brilho constante,
    Inscripto entre os Pontifices na superna
    Curia partilhara similhante
    gloria no sacerdocio de Christo:
    Não lh'o nega a natureza; acompanha-o
    a virtude, auxilia-o a graça.
    Viu a luz em Serpa
    gerado dos preclarissimos esposos
    --Lopo Alvares de Moura--
    Commendador de Trancoso,
    Padroeiro de tres Egrejas e Senhor
    de tres morgados,
    e--D. Maria de Castro--
    descendencia não menos illustre:
    da familia imperial dos Manoeis.
    Os Serenissimos Reis de Portugal
    destinaram-o para o Caducco, e elegeram-o
    para o seu Conselho;
    O Tribunal do Santo Officio
    no cargo de Juiz deputado o possuiu como
    lustre de inquisidores.
    A Academia Conimbricense
    houve-o por collega, e o recebeu
    por seu Reitor.
    As Egrejas de Portugal
    o occuparam no tirocinio de Conego,
    venerando-o depois como Bispo.
    Permittiu a Providencia quando passasse por
    estas provas, para que adquirisse
    pelos meritos o que ao sangue era devido.
    A fama sem descanço apregoou
    a sua magnanimidade, inteireza, sabedoria, e
    mesmo a inveja isto confessa;
    e testemunha-o esta obra Salomniaca
    em que
    qual arca curvada, para abrigo, Propiciatorio,
    se venera a miraculosa imagem
    da vara da Virgem, que fende a rocha,
    Em honra da sua natividade, que celebra
    jubiloso levantou grande monumento
    em pequeno recinto, esperando
    repousar á sua sombra, porque aspira.
    N'elle
    Construiu para defesa do monumento
    Columnas d'Hercules ou antes Machabaicas
    fortes, e não frageis;[1]
    para que todos quantos correm o mar
    saibam
    que se não pode passar além.
    Se desejas conhecer o retrato de tão
    illustre varão, busca-o nas duas grutas,
    na franca hispanica e na bethelemica.
    Se
    n'ellas como Pedro dorme, está vigilante
    como pastor;
    ou antes seu somno é a vigilia;
    pois além se associa á celeste milicia entre
    os vigilantes espiritos,
    aqui o seu corpo está sob a guarda da Virgem,
    Repousa em paz.
    Este epitaphio foi feito no anno
    de Christo de 1697.

        [1] Refere-se ás torres da capella.

Um outro monumento antigo da Vista Alegre, é a fonte do Carapichel, hoje
quasi soterrada, mandada construir em 1696 pelo bispo D. Manoel de Moura
Manoel, e notavel pela sua fórma e excellente agua, e muito
principalmente por uma inscripção em caracteres gothicos e que é a que
passamos a transcrever:

      «Esta fonte, ó navegante,
    cuja liquida corrente
    cristaes prodiga desata
    attenções vistosa prende.
      Esta nympha que ao Vouga
    só em leguas mais de sete
    adoça as aguas salgadas,
    feita Nayade ou Nereide.
      Esta agua que o bem commum
    á vara liberal deve
    de um sabio pastor sacro
    militar, juiz, regente.
      Esta veia cuja origem
    a do Paraiso excede;
    pois da casa da Senhora
    mais bem nascida descende.
      Contém todas as virtudes
    das fontes mais excellentes
    e dá remedios á vida
    depois de dar morte á sede
    se a frequentas por agrado.


      *      *      *      *      *

      «Sendo aos narcisos enfeite
    é das graças Natalis
    e das musas Hippocrene
    e Aratuhsa de Alpheo
    mas por modo differente:
    pois de um rio a outro rio
    aquella foge, esta segue.
      Egeria de melhor Numa
    que magnifico e prudente
    na arca o numero invoca
    no tanque a prata dispende.
      Biblis que, sem culpa, ao rio
    irmão por parte de Thetis
    murmurando a esquivança
    vae abraçar docemente.
      Fonte emfim do sol contigua
    ao templo de Deus dos Deuses
    contra a calma a fonte fria
    para o frio fonte quente.
      Se a buscas por medicina
    é qual a de Circe ou Séthys.


      *      *      *      *      *

      «Fonte que as doenças cura
    cristal que a vista esclarece
    iguala a fonte de Marsyas
      com benéfica antitheses:
    pois se aquella pedras cria
    est'outra pedras derrete.
      Não se turba com as vozes,
    antes para que a celebrem,
    sarando-as como a de Samos
    as louva como a de Eleasis.
      Ao que estuda suas margens
    activa a memoria sempre
    como a fonte de Beocia,
    opposta ao curso de Lethes.
      A quem da fonte Salmacis
    bebeu as aguas ardentes
    esta agua banhando as fontes
    livra do amor, qual Seleno,
    e quando perdido abrindes
    achas no Vouga ou heyncestes
    esta qual fonte de Erigon


      *      *      *      *      *

    «faz com que o vinho aborreces.
      Se por devoção visitas
    sua affluencia perenne
    é choro com que olhos pios
    na capella á Virgem servem.
      É fonte de Jerichó
    que as plantas da rosa vestem
    e que outro Eliseu com Moura
    fez suave, lenta e fertil.
      É fonte prophetisada se tanto póde dizer-se
    pois sae do templo santo
    e vae regando a torrente.
      Do mar de graças Maria
    o rio e fonte procedem
    mas lá junto á lapa mana
    cá da mesma penha desce.
      Bebe, pois, bebe á vontade
    acharás que é (muitas vezes)
    tão util para a saude
    quão para a vista alegre.»

      *      *      *      *      *

Historiamos ainda que a largos traços a historia da Vista Alegre e
fizemos a descripção dos seus monumentos antigos, agora é mister que nos
occupemos da sua historia moderna e do importante estabelecimento que a
fez florescer e tornou conhecida no mundo da Arte.

Os portuguezes que haviam sido os primeiros povos da Europa, que
introduziram a porcelana oriental no commercio do Occidente, foram quasi
que os ultimos a ensaiarem o seu fabrico. Datam apenas do ultimo quartel
do seculo XVIII estes ensaios, realisados em Lisboa pelo brigadeiro
Bartholomeu da Costa e no Rio de Janeiro, pelo professor regio, João
Manso Pereira.

Parece que as experiencias de Bartholomeu da Costa para obter a
porcelana dura, foram feitas na antiga fabrica do Rato, empregando como
materia prima, differentes barros explorados nas visinhanças de
Aveiro.

Ignora-se hoje quaes seriam estes barros, não obstante o affirmar-se,
não sabemos com que fundamento, que foi o de Talhadella, concelho de
Albergaria. O que é certo porém é que no arsenal do Exercito em Lisboa,
quando se estudava o melhor systema de fundir a estatua de El-Rei D.
José I, se reuniu uma importante collecção de barros de differentes
pontos do paiz, contando-se n'este numero o de Talhadella, que foi o
preferido para a edificação do forno onde se deluiu o metal.

As qualidades refractarias d'este barro eram conhecidas já então, pois
havia annos antes que um chimico francez,--Drout, o havia descoberto,
fazendo até com elle magnificos tijolos refractarios, para o que
estabeleceu um forno nas proximidades d'Aveiro, segundo affirma Raton.

Dos resultados obtidos por Bartholomeu da Costa para o fabrico da
porcelana, são hoje apenas conhecidas uma medalha representando em
relevo a estatua equestre do Terreiro do Paço, e uns camafeus com o
busto de D. Maria I. Tanto aquella, como estes, são copias de medalhas
abertas em 1775, por um dos nossos mais notaveis gravadores e illustre
filho d'Aveiro--João de Figueiredo.

Depois d'estas tentativas para obter uma verdadeira porcelana outras se
fizeram em Coimbra, mas sem melhor, ou nem mesmo igual, resultado, até
que o snr. José Ferreira Pinto Basto, estabeleceu um pequeno laboratorio
chimico no jardim do seu palacio do largo das Duas Egrejas em Lisboa,
isto em 1820 ou 1822, afim de descobrir barros com os requisitos
necessarios para fabricar porcelana.

Parece que quem incutiu no animo esclarecido d'aquelle benemerito
patriota esta ideia foi o general José Pedro Celestino Soares, que
possuia alguns dos produtos obtidos por Bartholomeu da Costa.

Foram, segundo consta, pouco animadores os resultados agora obtidos pelo
snr. José Ferreira Pinto Basto, mas como o seu animo emprehendedor não
tolerava peias nem tão pouco afrouxava perante qualquer contrariedade
fosse ella qual fosse, resolveu proseguir as experiencias iniciadas,
fundando desde logo uma grande fabrica.

O local aprazado foi Aveiro, e isto por a tradicção indicar como sendo
d'aqui o barro de que Bartholomeu da Costa obteve a sua chamada porcelana.

Apesar de possuir as duas magnificas propriedades da Ermida e da Vista
Alegre, o snr. José Ferreira Pinto Basto, quiz estabelecer a nova
fabrica na propria cidade, e para isso entabolou negociações com o
proprietario da Quinta dos Santos Martyres, para a adquirir, o que não
poude conseguir por esta propriedade fazer parte de um antigo vinculo.
Attenta esta difficuldade, resolveu então estabelecer a fabrica na Vista
Alegre, para o que se principiaram a fazer ali differentes edificações.

Foi em janeiro de 1824, que principiaram os trabalhos para a fabrica, a
que veio presidir um dos filhos do fundador, o snr. Augusto Ferreira
Pinto Basto.

Uma das obras que primeiro se concluiu foi um pequeno forno para cozer
louça, feito segundo as indicações e immediata direcção de Domingos
Raimão, oleiro d'uma fabrica de Coimbra.

Em abril fizeram-se as primeiras experiencias para obter a porcelana.
Realisou-as Bento Fernandes, mestre de olaria na fabrica de Rato, com o
barro de Util, concelho de Cantanhede,--e o de Talhadella, do
concelho de Albergaria a Velha. Foi pouco satisfatorio o resultado
obtido, mas ainda assim a ideia da fundação da fabrica não soffreu
quebra de sorte que o snr. José Ferreira Pinto Basto pediu a El-Rei D.
João VI para que lhe fossem concedidos os privilegios de que gosava a
fabrica de vidros da Marinha Grande, o que obteve como consta dos
documentos que segue:

«D. João, por graça de Deus, rei do reino unido de Portugal, Brazil e
Algarves, d'aquem e d'além mar em Africa, Senhor de Guiné, etc., etc.

Faço saber que José Ferreira Pinto Basto me representou por sua petição,
que elle pretendia erigir para estabelecimento de todos os seus filhos
com egual interesse, ainda mesmo os menores logo que cheguem á idade
competente, uma grande fabrica de louça, porcelana, vidraria e processos
chimicos, na sua quinta chamada da Vista Alegre da Ermida, freguezia de
Ilhavo, comarca de Aveiro, visinha á barra, pedindo-me que eu houvesse
por bem de auctorisar este estabelecimento na fórma proposta e
conceder-lhe a isenção de direitos de todos os materiaes que necessarios
lhe forem para a sua laboração; assim como tambem das manufacturas que
exportar para o Brazil ou para qualquer parte deste reino e dos paizes
estrangeiros, e todas as mais graças, privilegios e isenções de que
gosam, ou gosarem de futuro as fabricas nacionaes, e particularmente a
dos vidros da Marinha Grande, no que lhe forem applicaveis; e tendo em
consideração, ao dito requerimento, e constando-me por informação do
corregedor da comarca, a que mandei proceder, que o projectado
estabelecimento deve ser de grande utilidade para os povos pela vastidão
dos seus differentes ramos; que é construido em edificio proprio, em
que já se teem feito avultadissimas despezas; que o seu local é o mais
vantajoso por ficar nas margens de um rio navegavel, rodeado de
pinheiros e outras materias combustiveis, assim como de excellentes
barros, areias finas e brancas, e seixo crystallisado, tudo proprio para
as vidrarias e porcelanas, como se tem verificado por felizes ensaios; e
finalmente que o supplicante é um dos negociantes mais ricos e grande
proprietario de muitos predios, tanto n'aquella comarca, como nas do
Porto e Penafiel, sendo além d'isso dotado de um genio emprehendedor, a
quem as difficuldades não embaraçam, nem desanimam as despezas; por
todos estes motivos: hei por bem de approvar o mesmo estabelecimento na
fórma pedida, concedendo-lhe todas as graças, privilegios, e isenções de
que gosam ou vierem a gosar as outras fabricas de identica natureza: e
mando a todas as justiças e mais pessoas a quem o conhecimento d'esta
pertencer, que assim o cumpram e façam cumprir como n'ella se contêm,
sem duvida ou embaraço algum.

El-Rei nosso senhor o mandou pelos ministros abaixo assignados,
deputados da real junta do commercio, agricultura, fabricas e navegação.
_Anselmo de Souza Machado Corrêa de Mello_ a fez. Lisboa, em 1 de julho
de 1824.--D'esta 800 reis.--No impedimento do deputado secretario, _José
Antonio Gonçalves_ a fez escrever.--(Assignados) _José Manoel Placido de
Moraes e José Antonio Gonçalves_».

«Seguem-se os registos da real junta do commercio de 22 de fevereiro de
1826; da alfandega de Lisboa de 23 de fevereiro de 1826: da alfandega do
Porto de 1 de maio de 1826; da alfandega de Aveiro de 19 de maio de
1826; da alfandega de Villa do Conde de 9 de junho de 1825».

      *      *      *      *      *

«D. João, por graça de Deus, imperador do Brazil, e rei de Portugal e
dos Algarves, d'aquem e d'além mar em Africa, Senhor de Guiné, etc., etc.

Faço saber aos que esta provisão virem, que subindo á minha imperial e
real presença, pela real junta do commercio, a consulta a que mandei
proceder sobre o requerimento de José Ferreira Pinto Basto, em que pedia
privilegio exclusivo por vinte annos, para o fabrico de porcelana,
vidraria, e processos chimicos da sua fabrica, estabelecida e approvada
por provisão de 1 de julho de 1824, na sua quinta da Vista Alegre, sita
no termo e freguezia de Ilhavo, comarca de Aveiro, supplicando
igualmente a prohibição absoluta de se exportarem as materias primas da
mesma porcelana, para que outros emprehendedores não usem tirar commodo
dos assiduos trabalhos, fadigas e grandes despezas, que empregou na
descoberta das referidas materias nas visinhanças do Porto e Aveiro,
sendo elle o primeiro descobridor. E constando pela mencionada consulta
e averiguações que lhe precederam, estar o supplicante nas
circumstancias de obter as graças que implora: fui servido conformar-me
com o parecer d'ella, por minha immediata resolução de 5 de dezembro do
dito anno: e hei por bem conceder ao supplicante o exclusivo que pede
por tempo de vinte annos, ampliando o de quatorze, que a lei em geral
permitte; em attenção á utilidade e circumstancias particulares d'este
estabelecimento; ficando-lhe outrosim concedida a absoluta
prohibição de se exportarem as materias primas para a porcelana,
descobertas pelo supplicante, e confirmados os mesmos privilegios e
prorogativas de que gosam as mais fabricas do reino como se expressa, na
primeira provisão. E mando ás justiças e mais pessoas a quem o
conhecimento d'esta pertencer, que a cumpram e guardem conforme n'ella
se contém, fazendo tranzito pela chancellaria mór do reino».

Pagou de novos direitos 540 reis, que se carregaram ao thesoureiro
d'elles a fl. 165 v. do livro 40.º e se registou o conhecimento a fl.
119 v. do livro 96.º

O imperador e rei nosso senhor o mandou pelos ministros abaixo
assignados deputados da real junta do commercio, agricultura, fabricas e
navegação.--_José Antonio Ribeiro Soares_ a fez em Lisboa, a 3 de março
de 1826.--D'esta 800 reis.--Na ausencia do deputado secretario, a fez
escrever e assignou _Luiz Antonio Rebello e José Antonio Gonçalves_».

Seguem-se os mesmos registos copiados na provisão anterior.

Estava portanto fundada a fabrica de porcelana, mas restava descobrir o
kaulin de que ella se obtem. Fabricava-se louça é verdade, mas esta
louça era má faiança em vez de boa porcelana. Procuraram-se barros em
differentes pontos do paiz, e construiram-se novos fornos, conforme
plantas vindas de Sevres, mas nada disto deu o resultado que se
desejava, de sorte que em 1826 o fundador contractou na Saxonia tres
artistas para virem dirigir o fabrico da porcelana e ensinal-o aos
operarios portuguezes.

Dos tres só vieram dois, sendo apenas verdadeiro artista um, José
Scórder, pois o outro não passava de um charlatão. Scórder, que era um
modelador de merito, prestou importantes serviços á fabrica, creando
bons discipulos que lhe perpetuaram o nome.

Como o artista contractado na Allemanha, que não chegou a partir, apesar
de haver recebido já um importante subsidio para as despezas da viagem,
era quem devia tomar a direcção da officina de pintura, contractou o
snr. José Ferreira Pinto Basto, n'aquelle mesmo anno, dois pintores de
louça, João Maria Fabri e Manoel de Moraes, discipulos da Casa-pia de
Lisboa. Aquelle morreu um anno depois de ter vindo para a Vista Alegre;
este conservou-se ali até 1833, não como pintor, mas sim como esculptor,
produzindo n'este genero bons trabalhos.

Tudo parecia agourar um feliz resultado, mas tal resultado cada vez se
ia tornando mais demorado e incerto, de sorte que a empresa teria
succumbido ás innumeras difficuldades que surgiram de todos os lados, se
á testa d'ella e dominando tudo não estivesse a incansavel actividade, a
poderosa energia, e invencivel perseverança do snr. José Ferreira Pinto
Basto.

Os operarios estrangeiros conheciam o trabalho dos materiaes a que nos
seus paizes estavam habituados, e não podiam fazer obra por aquelles que
na Vista Alegre se lhes offereciam; a sua aptidão sendo como era
puramente pratica não podia por si só crear ou modificar processos;
necessitava que o genio inventivo e a sciencia viessem em seu auxilio. O
snr. Ferreira Pinto reconheceu esta verdade, de sorte que em 1830 mandou
seu filho o snr. Augusto Ferreira Pinto Basto, a França, a fim de
estudar na fabrica de Sevres, verdadeira escola das artes ceramicas, os
melhores processos e meios de investigação.

Ali recebeu aquelle cavalheiro sabios conselhos e preciosas
indicações do director d'aquella importante manufactura, o illustre
Brogniart, que lhe fez ver a completa impossibilidade de se fabricar
porcelana, sem o kaulin, que era o que faltava na Vista Alegre.

O snr. Augusto Ferreira Pinto regressou a Portugal trazendo amostras do
kaulin empregado em Sevres, e depois da sua chegada os ensaios e
experiencias continuaram incessantemente na Vista Alegre, mas sempre sem
melhor resultado, até que em 1834 se descobriu o verdadeiro kaulin.

O snr. Ferreira Pinto tinha mandado vir de differentes pontos do paiz,
por intermedio dos administradores do contracto do tabaco, de que elle
era arrematante, amostras de quantos barros havia mais ou menos
conhecidos, a fim de se ver se entre elles se encontrava o desejado
kaulin. Estes barros eram todos submettidos a um exame chimico, mas com
resultado sempre negativo para o fim que se tinha em vista.

Ao mesmo tempo que se procedia a estes exames um aprendiz de oleiro,
fazia por conta propria algumas experiencias não só com aquelles barros,
mas com outros que a pedido seu lhe eram trasidos por operarios que dos
concelhos de Ovar e Feira vinham trabalhar nas construcções que na Vista
Alegre se estavam fazendo. Entre estes barros veio o kaulin de Val Rico,
d'aquelle ultimo concelho; trouxe-o um trolha e foi reconhecido pelo
aprendiz oleiro que, no meio da sua humilde obscuridade, prestou o
grandiosissimo serviço á fabrica de lhe descobrir a materia prima para o
fabrico da porcelana, serviço este que não tinha podido ser prestado por
os administradores do contracto do tabaco, do paiz inteiro, que d'isso
haviam sido encarregados.

O descobridor pois do kaulin empregado hoje na Vista Alegre foi Luiz
Pereira Capote, natural de Ilhavo, que falleceu em 1870.

Descoberto o kaulin, principiou desde então a fabrica a produzir
porcelana dura, datando portanto de 1834 o seu fabrico, que se foi
aperfeiçoando gradualmente, de fórma que em 1840 principiou a Vista
Alegre, a poder competir em qualidade com fabricas estrangeiras, o que
não succedeu com os preços, pois produzia só caro.

O elevado dos preços difficultou durante alguns annos a extracção de
louça, tornando-a pouco conhecida. Os armazens da fabrica estavam
atulhados de louça, quando em maio de 1846 rebentou no Minho a revolução
popular. Os proprietarios da fabrica receiosos de que ella fosse victima
da furia popular annunciaram a venda por lotes de toda a louça em
deposito, venda que se realisou por preços bastante convidativos, que
fez com que os productos da Vista Alegre se espalhassem, divulgando o
seu bem acabado e a sua barateza. Estava aberto um novo periodo de
prosperidade para a fabrica, mas este periodo só principiou a sentir-se
de 1848 em diante, pois o resto do anno de 1846 e maior parte do de
1847, a fabrica nada produziu, pois estava fechada em resultado dos
acontecimentos politicos d'essa epocha.

Prosperando sempre d'anno para anno, a fabrica chegou ao apuro em que
hoje está, apresentando largas tendencias para progredir, tal é a activa
e intelligente direcção que hoje tem. Para se avaliar dos progressos da
fabrica basta dizer-se que os seus productos tem sido premiados em todas
as exposições de Londres, Paris, Philadelphia, Vienna d'Austria, Rio
de Janeiro e Porto; do consumo que tem obtido os mesmos productos
são prova irrefutavel os seguintes algarismos:

Em 1860 . . . . . 21:949$000

Em 1870 . . . . . 26:994$000

Em 1880 . . . . . 49:750$000

      *      *      *      *      *

Conjunctamente com a fabrica de porcelana, fundou o snr. José Ferreira
Pinto, na Vista Alegre no mesmo anno de 1824 uma outra de vidro e
cristal, que lhe ficou annexa. Os primeiros trabalhos foram dirigidos
por um allemão, Francisco Miller, que havia annos já estava dirigindo a
do Côvo, no concelho de Oliveira d'Azemeis, o qual foi substituido em
1826 por João da Cruz e Costa, de Lisboa, que esteve a dirigir o fabrico
do vidro até 1834.

Foram desde logo bastante satisfatorios os resultados obtidos, de sorte
que o fundador procurou pol-a logo a par das melhores do estrangeiro,
mandando vir mestres experimentados para as differentes officinas de
lapidação e floristagem.

Para aquella contractou em 1820 na Inglaterra Samuel Hunles, que veio
para a Vista Alegre ganhar 2$400 reis diarios, e ali esteve até 1828,
deixando bons discipulos.

O mestre de florista era italiano, e não passou de Lisboa, onde chegou
em 1827, por alguem lhe affirmar que era muito miasmatico o clima da
Vista Alegre. Para ali foram os aprendizes d'esta officina, que ao fim
de tres annos de pratica foram dados por promptos, affirmando o
mestre que um d'elles João Ferreira Ribeiro, de Vagos, estava já mais
mestre do que elle, o que não era sem fundamento, pois veio para a Vista
Alegre dirigir a officina de florista o que fez com talento.

No periodo decorrido de 1836 a 1840, foi enorme a producção do vidro, e
todo da melhor qualidade, pois alguns dos productos fabricados n'esta
epocha são de uma perfeição inexcedivel.

Quando n'aquelle anno o fabrico da porcelana entrou na phase de
aperfeiçoamento e progresso a que já nos referimos, o do vidro
principiou a decahir consideravelmente até que cessou de todo em maio de
1846.

Em meados de 1848 continuou a fabricar-se mas em muito menor quantidade
e esta mesma só de liso, pois os lapidarios e floristas, durante aquelle
interregno, uns tinham ido para a fabrica da Marinha Grande, outros
applicaram-se a outros misteres, de fórma que os tempos aureos da
fabricação do vidro na Vista Alegre, passaram para nunca mais voltarem.

Em 1880 acabou de todo a fabrica de vidro, demolindo-se o respectivo
forno, mas mesmo já até a esta epocha eram grandes as interrupções que
se davam com o seu fabrico, estando por vezes muitos mezes sem trabalhar.

      *      *      *      *      *

Annexo á fabrica de porcelana e vidro, houve tambem um laboratorio
chimico, e a elle se referem os reaes Alvarás de 1 de julho de 1824 e 3
de março de 1826. Foi fundado como aquellas fabricas em 1824. De
1827 a 1832 teve por director D. Euzebio Roiz, official de cavallaria do
exercito hespanhol e chimico muito distincto, que veio para Portugal
como emigrado em 1820. Depois da sua sahida acabou o laboratorio, do
qual não podemos obter mais noticias.

      *      *      *      *      *

De 1827 a 1835 foram os productos da fabrica marcados com um V. A. entre
duas palmas rematadas por uma corôa. Esta marca era gravada, sendo o
carimbo aberto por Manoel de Moraes, de quem já fizemos menção. De 1838
a 1861 não foi geralmente marcada a louça, pois só em alguns serviços
d'almaço de maior preço apparece um V. A. dourado. De 1861 em diante é
marcada toda a louça, tanto branca como pintada, com um V. A. em azul.

      *      *      *      *      *

Com o fim de crear artistas habeis para as duas fabricas de porcelana e
vidro, fundou em 1826 o snr. José Ferreira Pinto Basto, na Vista Alegre
um collegio com o internato, onde se ensinava, além d'um dos misteres da
fabrica, instrucção primaria e musica.

A inauguração foi feita com grande solemnidade, vindo assistir a ella o
fundador.

Os primeiros alumnos admittidos foram treze, e o director José Vicente
Soares, de Penafiel. Esta instituição acabou em 1842, chegando a ter
nos ultimos annos quarenta alumnos.

      *      *      *      *      *

Como dependencia da fabrica, ha tambem na Vista Alegre, um pequeno mas
elegante theatro, que além da galeria ou camarote destinado aos
proprietarios da fabrica, tem platea com capacidade para cento e oitenta
logares. Foi fundado em 1851, realisando-se a inauguração com as
comedias _Um duello em Campolide_, _O quarto de duas camas_, _Util e
agradavel_.

O panno de bocca e bem assim o tecto foi pintado pelo director da
officina de pintura Chartier Rousseau. Aquelle representa a Vista da
Praia Grande de Macau, e este Apollo e as nove musas.

Anteriormente á fundação do actual theatro houveram dois, datando a
fundação do mais antigo de 1825 ou 1827, e que foi inaugurado com a
representação da comedia _O gallego lorpa_.

      *      *      *      *      *

Como dependencia do collegio organisou-se tambem em 1826 uma
phylarmonica privativa da fabrica, e composta unica e exclusivamente de
operarios d'ella.

Esta phylarmonica ainda continua a existir e tem tido desde o seu
principio até hoje os seguintes regentes:--José Vicente Soares, de 1820
a 1828: Prudencio Apolinario, de 1830 a 1834; Filippe Marcelino Classe,
de 1834 a 1838; Antonio Dias, de 1838 a 1845: João Antonio Ferreira,
de 1847 a 1851; Antonio Dias, de 1852 a 1866; e Joaquim Martins Rosa, de
1867, em diante.

      *      *      *      *      *

Os pruductos da fabrica da Vista Alegre tem sido premiados com medalhas
de cobre e prata em todas as exposições do Londres, Paris, Philadelphia,
Vienna d'Austria, Rio de Janeiro e Internacional do Porto.

      *      *      *      *      *

A fabrica da Vista Alegre tambem tomou parte muito activa nos
acontecimentos politicos de 1846 e 1847. Quando em 14 de maio d'aquelle
anno a cidade de Aveiro adheriu ao pronunciamento popular iniciado no
Minho, a população operaria da Vista Alegre pronunciou-se tambem e
fraternisando com os que n'aquella cidade se haviam revolucionado,
marchou com elles para Cantanhede e d'aqui para Coimbra, a fim de
receber ordens e instrucções da junta governativa, que ali se havia
installado. De Coimbra marcharam os operarios da Vista Alegre e os
populares d'Aveiro para Villa Nova de Gaya, onde se conservaram até que
o Porto adheriu tambem á causa que elles defendiam.

Feita a revolução no Porto em 9 d'outubro contra o _golpe de Estado_ de
6 do mesmo mez, os operarios da Vista Alegre abraçaram logo com
enthusiasmo a causa da junta, procedendo immediatamente á organisação
d'um corpo de voluntarios, com o nome de Batalhão Nacional do
Concelho d'Ilhavo. No dia 23 de outubro marchou o batalhão para o Porto,
levando por commandante um dos proprietarios e administrador da fabrica,
o snr. Alberto Ferreira Pinto Basto, e por major o director da mesma
fabrica, João Maria Rissoto.

No dia 28 de outubro fez o batalhão da Vista Alegre, pois era assim que
era conhecido, a sua entrada no Porto, indo á sua frente o Visconde de
Sá da Bandeira, que chegando n'esse mesmo dia de Lisboa, quiz honrar os
valentes operarios, commandando-os n'aquelle dia.

Organisando-se a divisão com que o Visconde de Sá da Bandeira, devia
operar em Traz-os-montes contra as forças do Barão do Casal, o batalhão
da Vista Alegre foi um dos escolhidos para d'ella fazerem parte, e como
tal entrou na acção de Valle Passos, que teve logar em 10 de novembro.
São bem conhecidos os resultados d'esta acção, para que os relatemos
aqui. Como o nosso proposito é só fallarmos da Vista Alegre, diremos que
o batalhão d'este nome, entrou com galhardia em fogo sustentando-o com
vigor até mesmo depois da deserção dos regimentos 3 e 15 de infanteria.
Não podendo, porém, resistir ao choque da cavallaria e ao d'um
d'aquelles regimentos, que o carregára á bayoneta, o batalhão retirou
com alguma confusão para a rectaguarda, unindo-se depois ao resto das
forças com que Sá da Bandeira voltou para o Porto.

Durante o resto da lucta não tomou parte em qualquer outro combate, mas
guarneceu por vezes differentes pontos das linhas e alguns d'elles muito
importantes, até que teve de depôr as armas como as demais forças
populares, em virtude da convenção assignada em Gramido em 21 de junho
de 1847.

      *      *      *      *      *

No dia 13 de cada mez ha na Vista Alegre, um mercado muito importante,
conhecido pela triplice denominação da _Feira dos treze, da Ermida, e do
Bispo_. Este mercado foi estabelecido a requerimento do juiz, vereadores
e mais povo das villas da Ermida e Ilhavo, por alvará de 15 de junho de
1693, que ordenou que o mercado mensal se tornasse em annual no dia 13
de setembro, dia da invocação da padroeira da capella da Vista
Alegre--Nossa Senhora da Penha de França.

      *      *      *      *      *

Fizemos já a historia da fabrica, é justo que agora d'ella façamos
descripção ainda que rapida, e que digamos tambem alguma cousa do
systema de fabrico n'ella empregado.


DESCRIPÇÃO DA FABRICA

É modestissima a apparencia exterior da fabrica, de fórma que a
impressão por ella produzida ao forasteiro que pela vez primeira a
visita, nem por sombras lhe dará a conhecer que elle se acha frente a
frente com um dos mais importantes estabelecimentos industriaes não só
do paiz, mas até da Peninsula.

Correndo parallelos com um grande parque, pelo lado do norte, estão os
armazens da louça branca e pintada, loja de vendas e escriptorio.

Entre estas duas dependencias da fabrica é que fica a entrada que dá
accesso a um pateo arborisado, á volta do qual estão os armazens já
referidos, a casa do deposito, e officina de fórmas e moldes, e bem
assim a das _gazetas_, deposito de material de incendios, casa onde se
guardam os restos do antigo museu da fabrica, officina de carpentaria, e
entrada para a estancia das lenhas.

São vastos os armazens de deposito de louça pintada e branca,
especialmente o d'esta ultima, que era onde antigamente estavam os
fornos de estender vidraça.

A officina de moldes e _gazetas_ está bem montada como todas as
restantes da fabrica; no deposito do material de incendios, ha duas
bombas, machados, e canecos de pau para agua, em profusão, e outros
objectos proprios, tudo preparado e prompto para acudir a qualquer
sinistro.

É provisoria a casa onde estão os productos que compõem o chamado muzeu
da fabrica, o que é deveras para lamentar, pois tornam-se dignos d'uma
boa collocação, a fim de poderem ser examinados e apreciados, como merecem.

A estancia das lenhas fica ao norte do edificio e está completamente
isolada d'elle. Mede 67,m60 de comprimento e 52,m de largura. A sua
superficie é rectangular, tendo á volta, os telheiros que abrigam a
lenha das chuvas.

D'aquelle pateo passa-se para as officinas da olaria. São duas salas
bastante espaçosas, onde ha 38 rodas d'oleiro; junta a estas está uma
outra mais pequena, que é a officina de aprendisagem e deposito de
modelos. Junto d'aquellas ha um terreno ajardinado onde estão os
telheiros para seccar a louça.

Da officina de olaria passa-se a um longo corredor ao fim do qual
estão as officinas de pintura. São duas as salas destinadas para a
pintura, cheias de luz e bem ventiladas. Ornam-lhe as paredes esboços de
V. Rosseau, e placas de porcelana com o retrato do fundador da fabrica,
brasões d'armas, quadros de costumes, fructos, etc.

Á direita d'aquelle corredor fica a lithographia. Montada, segundo todas
as exigencias do fim a que é destinada, funcciona apenas de 1880 em
diante. São bastante satisfatorios os resultados obtidos pelo processo
lithographico, que tem a grande vantagem de ficar muito mais barato do
que o geralmente seguido na pintura da porcelana, e aqui desde principio
adoptado.

Em seguida á lithographia fica o deposito da louça que hade ser pintada
e do lado fronteiro a casa das _muflas_ onde ha tambem duas estufas para
seccar a louça pintada.

Da sala da pintura desce-se para o deposito do barro preparado e casa da
amassadura, e d'aqui para a officina de trituração, onde se acham
montados as galgas e pisões a que dá movimento uma machina a vapor.

Para além da machina estão as estufas para seccar areia, alimentadas com
o calor perdido das caldeiras, um torno a que ella dá movimento, e as
officinas de serralheria. Parallela com esta parte do edificio, que é a
mais vasta de todo elle, fica a estancia do carvão e differentes
telheiros para a secca do barro. Proximo, está a officina de lavagem e
escolha de materiaes empregados no fabrico da porcelana.

Os fornos, esses, tres ficam pouco acima d'estas ultimas officinas, e o
outro que é o maior, junto ao deposito da louça branca, ao pé do
qual fica tambem a officina de vidrar.

Ao norte da casa dos tres fornos e do lado fronteiro do caminho do
serviço da fabrica fica a officina de esculptura, o laboratorio em que
se opera a solução do oiro e preparação de algumas tintas. Está tambem
ahi junto a caldeira para a calcinação do gesso.

As materias primas empregadas no fabrico da porcelana são em toda a
parte, em que ella se fabrica, as argilas kaulinicas, o quartzo e o
feldspatho. Aquellas, vêem para a Vista Alegre, de Valle Rico, concelho
da Feira e este de Villa Meã, Mangualde e Porto.

As argilas kaulinicas são aqui lavadas e passadas por peneiras a fim de
se separarem os corpos em diversos estados de aggregação. As areias
grossas que dellas ficam são depois empregadas como quartzo.

O quartzo e o feldspatho são escolhidos primeiramente tambem afim de
evitar que levem grandes porções d'oxido de ferro, que ordinariamente
lhe anda unido, depois calcinam-se e levam-se para as galgas.

Os differentes materiaes que hão de compôr a porcelana, depois de
devidamente moidos e lavados são compostos e em seguida levados ás mós
horisontaes para os moer e misturar, e em seguida guardados em depositos
até adquirirem um certo grau de consistencia.

D'estes depositos vae a massa para a casa da amassadura onde é lançada
em vasos de barro poroso, de fórma de pyramides conicas troncadas, a que
se dá o nome de _coques_.

D'estes _coques_ é a massa levada para uma larga banca de pedra, a fim
de ser amassada a pés. São dois ou mais homens que amassam a porcelana
na banca referida; amassada ella dividem-a em muitas fracções, com a
fórma de cones, e que denominam _pélas_.

Estas _pélas_ são em seguida levadas para a officina das rodas de
oleiro, onde são separadamente amassadas á mão sobre uma pequena banca
de marmore, a fim da massa ficar mais unida e homogenea, e bem assim
desapparecerem alguns veios escuros que ás vezes adquire, ficando assim
apta para ser obrada.

O methodo empregado na Vista Alegre na execução das differentes peças de
porcelana, é o de _encher_ e o de _moldar_.

As caixas refractarias--_gazetas_--onde se mettem as peças para serem
levadas aos fornos são fabricadas por meio de moldes de gesso, variando
as suas dimensões conforme as peças que devem conter.

Bem seccas as peças que sahiram da roda do oleiro, ou dos moldes,
procede-se ao seu enfornamento, collocando-se primeiramente dentro das
gazetas ou sem ellas.

Levadas ao forno são collocadas no segundo pavimento, pois agora só
recebem o calor brando, a que chamam--_chacote_.

Recebida esta primeira cosedura, vão para a officina de vidrar. O
vidrado é dado por immersão das peças dentro d'uma grande tina em que se
acham diluidos em agua os corpos que compõem o esmalte.

As peças mettem-se e tiram-se rapidamente ficando tambem logo seccas
como se não houvessem recebido banho algum.

O vidrado é tirado dos pontos de contacto e dado nos pontos em que a
peça não o poude receber na parte coberta pela mão. Os retoques são
feitos com pincel.

Mettidas novamente dentro das _gazetas_, sobre cujo fundo, se lança
alguma areia, afim de que a elle ellas se não peguem, são outra vez
enfornadas mas agora no outro pavimento do forno, a fim de receberem o
grande calor que termina a cosedura.

As _gazetas_ são collocadas umas sobre outras, formando pilhas em toda a
altura do forno, a que se dá o nome de _fios_.

Feito o enfornamento, em que trabalham oito forneiros e um trabalhador,
accendem-se as quatro fornalhas que tem o forno, fazendo para que a
intensidade do lume, seja a mesma, e ao mesmo tempo em todas as
fornalhas, a fim de estabelecer a uniformidade da temperatura.

Passadas 10 horas de lume brando, a que chamam _lume de esquenta_,
tapam-se as boccas dos fornos com tijolos refractarios, afim de
concentrar a força do calor interiormente, começando então o grande
calor, a que dão o nome de _lume de calda_, renovando successivamente a
lenha nas fornalhas em maior quantidade que para lume brando,
conservando-se assim o fogo bem activo e uniforme ordinariamente por
espaço de vinte e quatro horas, chegando algumas vezes a trinta e seis.

Conhecendo-se que está completa a cosedura, tira-se a lenha das
fornalhas, diminuindo gradualmente d'este modo o calor dentro do forno,
e conservando a louça dentro d'elle até que esteja completamente fria,
para então se começar a desenfornar.

De entre as peças vidradas separam-se então as que tem de ser pintadas,
para o que são conduzidas para um armazem junto ás salas da pintura.

São muitas as côres usadas na pintura da porcelana, quasi todas
vitreficaveis e obtidas por meio de combinações de oxidos, saes
metallicos e fundentes.

Os oxidos empregados de preferencia são o oxido de choromio, o de ferro,
o de uranio, de manganez, de zinco, de cobalto, de antimonio, de cobre,
de estanho e de iridium.

Os principaes saes empregados são o chromato de ferro, de barita, de
chumbo e algumas vezes o chloreto de prata.

Depois de pintada a louça vae á estufa para seccar as tintas e em
seguida para dentro das _muflas_ a fim de fixar em si as tintas,
ganhando as respectivas côres, as quaes se vetrificam com os fundentes.


MACHINAS E FORNOS

A machina a vapor, collocada na officina de trituração, a que já nos
referimos, foi feita em Lisboa por Bachelay. Tem duas caldeiras de fogo
central e força de 14 cavallos. Foi assente em 1855 por Daniel Werlong,
artista de raro merito com o curso de artes e officios em Paris, que
durante alguns annos dirigiu a officina de serralheria da fabrica.

A chaminé que dá vasão ao fumo das caldeiras tem 14,m de altura e foi
construida em 1879, por operarios do estabelecimento.

A machina communica movimento por meio d'uma correia sem fim, a um
tambor fixo no veio principal o qual o transmitte por meio de
engrenagens aos differentes engenhos destinados a moer e misturar os
materiaes, empregados no fabrico da porcelana.

Ha quatro fornos destinados para coser a porcelana, todos com a fórma
cylindrica, construidos com tijolos refractarios fabricados no
estabelecimento. Cada um d'elles tem quatro fornalhas e dois andares; o
maior tem cinco.

No inferior colloca-se a louça que tem de ser esmaltada, elevando-se a
temperatura ao rubro branco, e no superior a que tem apenas a receber o
calor brando ou pequeno fogo que lhe dá o poder absorvente para ser
vidrada.

No _chacote_ a cosedura adquire o rubro cereja proximamente a
temperatura da fusão de ferro. O _chacote_ é aquecido pela chamma
perdida do primeiro compartimento.

Sobre as fornalhas dos fornos ha aberturas rectangulares, chamadas
_vigias_ por onde se _observa_ o grau de calor e se tiram as amostras,
sobre as quaes se verifica directamente o estado da cosedura.

Além dos quatro grandes fornos ha outros mais pequenos destinados a
fixar as tintas, que são as _muflas_. Estes fornos, se tal nome se lhe
pode applicar, são caixas feitas de argila refractaria, separadas umas
das outras por paredes de igual natureza.

Contém varios compartimentos formados por folhas de ferro, a que servem
d'apoio calços tambem d'argila refractaria.

São oito as _muflas_, tendo cada uma d'ellas fornalha independente.

      *      *      *      *      *

Escripta a historia da fabrica e feita a descripção d'ella, nada mais
nos resta do que apresentar uma resenha dos seus administradores,
directores, mestres de pintura e manufactura de porcelana, que é o
que vamos fazer. Eil-a:


Administradores:--Os snrs. Augusto Ferreira Pinto Basto, de 1824 a 1828;
Alberto Ferreira Pinto Basto, de 1828 a 1856; Duarte Ferreira Pinto
Basto, de 1856 a 1861; Domingos Ferreira Pinto Basto, de 1861 a 1882;
Duarte Ferreira Pinto Basto Junior, de 15 de maio de 1882 em diante.

Directores:--Os snrs. Antonio d'Almeida Ferreira Duque, de 1836 a 1840;
João Maria Rissoto, de 1840 a 1878: Duarte Ferreira Pinto Basto Junior,
de 1878 a 1882; João Antonio Ferreira, de 15 de maio de 1882 em diante.

Mestres de pintura:--Os snrs. Victor Francisco Chartier Rousseau, de
1836 a 1852; Gustavo Fortier, de 1853 a 1856; Filippe Fortier, de 1857 a
1860; Gustavo Fortier, de 1861 a 1865; Joaquim José d'Oliveira, de 1866
a 1881; Francisco da Rocha Freire, de 1881 em diante.

Mestres de porcellana:--Os snrs. João da Silva Monteiro, de 1826 a 1833;
João da Silva Monteiro Junior, de 1833 a 1838; João Antonio Ferreira, de
1838 a maio de 1882. Presentemente não ha mestre de porcelana, mas sim
dois contra-mestres, os snrs. Antonio Augusto Affonso, que tem a seu
cargo a preparação das materias primas, fórmas e modelos, e Manoel da
Silva Marianno, que dirige a manufactura.


Fim.



PREÇO 200 REIS

      *      *      *      *      *

OBRAS DO MESMO AUCTOR

Memorias de Aveiro.

D. Duarte de Menezes--esboço biographico.

O Districto de Aveiro; noticia geographica, estatistica, seraldica,
archeologica e biographica da cidade de Aveiro e todas as villas e
freguezias do seu districto.

A mulher atravez dos seculos; estudo historico sobre a condição
politica, civil, moral e religiosa da mulher: 1.ª parte--sociedades
primitivas, China, India, Persia, Assyria, Egypto e Israel.

D. Joanna de Portugal (a princeza santa) esboço biographico.

      *      *      *      *      *

EM VIA DE PUBLICAÇÃO

Luctas caseiras--Portugal de 1836 a 1851.

Aveiro e o seu concelho.

JOAQUIM DE VASCONCELLOS E MARQUES GOMES

Exposição districtal de Aveiro em 1882--Reliquias da arte nacional.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "A Vista Alegre: apontamentos para a sua historia" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home