Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Folhas Soltas
Author: Guimarães, Alberto Dias
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Folhas Soltas" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



of public domain material from Google Book Search)



                        ALBERTO DIAS GUIMARÃES

                             FOLHAS SOLTAS



                        Sorrir é bom quando se tem ventura
                        ou quando, ao menos, feiticeira esp'rança;
                        arfa a existencia em mares de bonança,
                        rompe a alvorada sempre amena e pura.

                                               THOMAS RIBEIRO



                                  LISBOA
                TYPOGRAPHIA DA EMPREZA EDITORA O «RECREIO»
                     Rua do Marechal Saldanha, 59 e 61
                                   1894



                       ARGINE:

            Meiga rolinha de encantadas selvas
            Como me encanta o teu gentil cantar!
            Por ti perdera a mocidade, a vida...
            _--Mas eu não posso, não te devo amar.--_



A

E. A. N.


        A ti, virgem pura e casta;
        Offereço os cantos meus;
        Se queres pagar-m'os, basta...
        Um só olhar d'esses teus.

A palpitar de amor, dedico-te estas paginas delineadas nos curtos ocios
das minhas lides escolares...

Com ellas entrego-te as impressões dos meus vinte annos.

É bem triste este mimo, acceita-o... Estas flôres sem cultura... serão,
nas tuas mãos carinhosas... tão bellas e perfumadas como se a brisa
olente as bafejára.


Lisboa, 23-10-94

                                                            O AUCTOR...

      *      *      *      *      *



        Le travail, c'est le pére du plaisir.
                                VOLTAIRE.


O trabalho é companheiro afavel, dôce, puro... voto-lhe o pensamento, os
risos, a ternura, as vozes da amizade, os canticos do amor. Por isso,
quando a mão cruel do soffrimento me afflige sem ter dó, não deixo,
quebrantado, o trabalho... porque para mim tem condão.

É o meu consolo, o meu refugio, o bordão florido, regado com as lagrimas
ardentes do desespero.

      *      *      *      *      *



        Loucura ou sonho? mas eu creio e sinto,
        Soffro, resisto, sem allivio ter;
        Sou como o lyrio sem orvalho, extincto,
        --Se o amor é morte, quererei morrer--


Se eu fosse inspirado por Apollo, só assim cantaria meus desgostos; se
podesse banhar-me na fonte de Aganipe, mui feliz seria... pois, escripto
deixava quanto minha alma é triste como o pobre naufrago; como a voz do
sino, carpindo o funeral de um morto; triste como é a rosa quando com o
zephyro se vae desfolhando; triste como a chorosa mãe ao dizer adeus ao
estremecido filho... Minha alma é triste, como a ave que do ninho vae
arrebatada; triste, como a saudade, que sendo bella, é a mais triste flôr!

Replecto de prazer, sentia a alma expandir-se fremente, jubilosa; dentro
do meu craneo, agitava-se bem risonha a esperança formosa; tudo... para
mim... era canto, amor e poesia; tudo era bello e gentil! Sentia uns
fulgidos clarões e antevia deslumbradora aurora. Chimera vã!

Agora... punge-me o coração um presentimento cruel; vem-me enluctar o
pensamento... uma recordação do passado e, nos braços de atroz angustia,
fico mergulhado em ardentes lagrimas.

A juventude foge-nos tão veloz qual pluma ao vento... A illusão vem com
risos, mas não apaga as verdades amargas. Tudo passa! Tudo morre!

Felizes? Jámais! Do homem é unico e vario o fado; na terra só temos por
descanço a sepultura.

      *      *      *      *      *



        Porque hei-de preferir o riso ao pranto?
        Porque choro? porque scismo? Dôr sem fim!
        Hei-de deixar succumbir a esperança?


A phantasia, borboleta errante, em torno á chamma... sem cessar esvoaça.
A illusão passa e ella... ferida!... despenha-se na voragem. Ah! loucos
sonhos que a razão desmente! Pairar nos céos... para, no fundo abysmo,
baqueiar apoz! Immensa irrisão! Via o mundo qual vergel de luz, encanto
e fraternaes carinhos... Sonhei venturas, porém, a sorte quiz partir o
prisma que em falso brilho me occultava agrôres. Já não me alenta a
esperança da suspirada calmaria que a paz me deixe entrever. Minha alma
gélida e o meu ser, habitam n'um tantalo tormentoso de dôres! Sem
esperança, sem conforto! O idylio foi-se... Vejo a dôr surgir sempre
crescente.

É tão triste esta existencia sem uma luz que a conforte... Vida! vida!
Miseravel grão de poeira immunda... tantos dissabores me has dado!... O
prazer, o jubilo, os risos, a aurora... tudo pura ficção! O sol da
madrugada não dura todo o dia.

Para soffrer nasci; abraço a minha cruz; busco o tormento... Não devo
extranhar os espinhos da desdita. Quem foge á sua sorte? Oh! Deus...
concedei-me um raio de esperança e talvez volte a ser feliz.

      *      *      *      *      *



        A minha voz não canta, hoje só suspira e geme.

        Os desenganos só deixaram florir humildes violetas, no meu pobre
        jardim; offereço-t'as, donzella... São nascidas no canteiro,
        regado de lagrimas... no meu coração.


Que importa que o dever, o preconceito impiedoso prohiba de adorar-te?
Oh! sim... sim... na mente sempre hei-de guardar tua imagem ridente e
bella. És mais formosa que as estrellas, os lyrios, as alvas açucenas e
a singela violeta. Estrella da manhã, mystica rosa, teu candido sorriso
tem suave expressão... Oh!... dá-me um raio de luz, visão fagueira. A
tua voz tem da sereia o fementido encanto; d'uma harpa éolea faz lembrar
o som; quem póde ouvir-te e não sentir a dôce calma dos lêdos dias,
desapparecer, fugir? Tens um atractivo infindo, uma fragancia que só
pertence á rosa. Meiga, ideal, bemdita... guarda-me no peito.
Encantadora, angelica, sublime... ao vêr-te sinto o meu espirito
enlevar-se ás ethereas regiões, transpor o firmamento... Collo
formosissimo! arquejante... Olhos pretos, scintillando como o fulgor da
estrella vespertina; n'elles descubro a doçura dos typos ideaes da
Andaluzia... Olhos de um olhar tão fundo! olhos que fixam, fallam e
impõem! Sempre viva, irrequieta, graciosa... Elegante e esbelta! Quem me
dera repousar no quente arfar do teu querido seio...

Feição de cherubim, coração de pomba! És toda primor e esmero; és qual
fulgente estrella. A luz do teu olhar... deslumbra offusca, enlouquece.
Brilhante e seductora, mixto de sombra e luz, de lava e gelo, de eden
occulto e precipicio aberto... prendes, fascinas, attrahes, arrebatas.
Vêr-te e não sentir abrazar o peito, é só proprio de quem do amor é
renegado.

      *      *      *      *      *



        Não te mereço. O meu amor enlucta. Não sejas vencida pela illusão.

        Mas... se o teu olhar me reanima, se és a minha esperança
        querida... hei-de perder-te?

        Oh! não, não... mil vezes não.


Quizera ser poeta, um eximio trovador, para cantar-te em endeixas das
mais bellas; minha estrella, candida flôr de neve, quizera ter de Rubens
o pincel immorredouro para pintar a tua immagem bella; quizera ter de
Tasso a lyra que o inspirou para cantar tua formosura... Mas do tudo
careço; em vez da inspiração, apenas pobres phrases voam ao tom das
rajadas da indifferença. Quem me dera engenho e arte com que cantar: o
teu olhar divino; o teu collo moldado em candido alabastro; cantar: teu
corpo e a sua esplendida esculptura; teus labios, abençoado porto, onde
viriam soluçar as vagas de meus beijos... Acceita ao menos, meus pobres
queixumes; lyrios dispersos... sem valor algum!

.........................................................................

Era a vida, miragem seductora em quadros divinaes; era um sonho, um
encanto, um rir... Agora sinto n'alma o desalento... tudo fugiu
sorrindo... meus amores fenecem. Ephemera, bem ephemera foi minha
felicidade; onde borboleteavam as mais douradas chimeras, ha sinceras
desillusões; onde vicejava a flôr azul da esperança, medra o cardo do
desengano; onde conheci sonhos de felicidade, vejo phantasias desfeitas.
Sinto apenas a lethal serpente, a duvida, enroscar-se na minha alma.
Hei-de orar? Hei-de crêr?

      *      *      *      *      *



        Sou como a barca que ao largo perdeu o rumo. Existirei? Se
        existisse havia de quebrar a atroz melancholia que sinto
        aniquilar meu pobre coração.


To be or not to be! Ser ou não ser! O que me esconde esse dilema cruel!
Ter constantemente espinhos a cravarem-se n'alma embrutecida e presa!
Ser ou não ser feliz! Fatal problema! Debalde tento cantar gloria, vida,
sorrisos de amor... Uma angustia profunda me prime o peito; vejo
passarem os dias sem ter lenitivo, sem gosar calma! Cruel martyrio!

A vida é sonho dourado de illusões! sempre sonhar... do berço á campa, é
tudo um sonho. Que fadiga atormentadora! Espinhos acerados em toda a
rosa, fel em todos os amores. Na minha alma só vejo a bruma da tristeza;
nem sei a causa do pallido desgosto que sinto sem cessar! Quaes ruinas
de castello ogival, assim jazem na minha mente as dôces alegrias do meu
primeiro amor. Amor! amor! Inferno para uns... para outros um céo
aberto. Enygma eterno, eterna sphinge. Florida estrada, que uns leva á
gloria... ou senda de medonho precipio. És tudo e não és nada. És vã
chimera e realidade. Ou perdes ou salvas; és vida, senão morte.

      *      *      *      *      *



        Minha alma que um teu sorrir seduz, que um teu olhar inflamma...
        enleva-se, cae e perde-se no disco d'esse brilho, no lume
        d'esse fogo.


Anjo formoso, flôr celeste, candido jasmim... Como poderias encher de
luz e esperança a minha vida! perfumar os dias da minha mocidade! Debil
como o lyrio cujas folhas transparentes tremem ao mais leve sopro da
viração; teus olhos brilhantes dizem mil promessas, teem celestiaes
encantos.... Como encherias a minha vida de supremas alegrias e dôces
sorrisos! Sorrisos! Os teus são mais dôces que a luz da manhã, seguem-me
sempre, derramam em minha alma... mil bençãos do céo. Nas longas noites
de febre, quando a mente enfraquece... é a ti, anjo bemdito, é a ti que
eu peço sorrisos e olhares.

Nos sonhos ridentes, que a mente povoa de ideias de amor, vejo-te,
linda, nas... ondas do mar, nas petalas da rosa. Vejo-te e no meu peito
palpita, em ancias; pullula o coração. Figura celeste, por ti eu deliro;
meu peito anceia de dôr... vem acalmal-o n'um sonho amoroso... então...
cercar-me-ha ignota harmonia e o maior encanto.

És qual flôr que n'um vergel divino, com garbo ostenta purpurina côr; és
um anjo que baixou á terra; és qual estrella, que, na noite escura,
raiou formosa de brilhante luz; és como um astro que nos céos reside...
Fanal de esperanças, no qual contemplo... visão, miragem... ideal sem
par!

      *      *      *      *      *



        O que ouço, mudo e triste, n'esse languido olhar... revelará,
        pelo menos, amizade?


Bella como a flôr da serrania, radiosa como a estrella matutina. Teu
riso alenta meu cançado engenho. Não sei se é pasmo ou loucura o que
sinto ao divisar-te; tão grande é a expressão que tens na voz, no olhar,
no gesto e no sorrir! Ao vêr, de teus olhos, os raios tão ardentes...
nascem-me, no peito, frementes anhelos. Um breve sorriso de teus
labios... faz-me delirante de amor. Não sei o que sinta n'alma ao vêr
tuas faces bellas... é ancia, é febre. Sinto-me preso d'um terno
delirio, ouvindo teu fallar sonoro e fagueiro... Era ao sol posto,
quando me deste um riso; n'elle colhi um perennal sentir... Quiz
fugir-te... senti-me preso a ti. Em troca... offereci-te rosas. Dar uma
rosa parece nada ser... porém... com as que te dei... foi juncto o meu
pensamento!

Tudo em ti diz poesia e as auras beijam-te a fronte assetinada, pura
como a innocencia, pura como os beijos de minha santa mãe.

Nos momentos de angustia, quando no espaço olympico, fluctua a rainha da
noite... parece-me vêr n'ella a tua imagem seductora e sóbe-me á cabeça
a idéa de apertar-te fervorosamente em meus braços... porém... de
repente desfaz-se o encanto e volta de novo o pranto a deslisar pelas
minhas faces.

Ah! se o que sentimos n'alma só nos pertence; se a doirada calma dos
mesmos risos ambos nós sonhar-mos; se é a mesma a nossa estrella, o
nosso norte... então... aberto é o céu... amemo-nos!

      *      *      *      *      *



        Foste a palmeira frondosa a cuja sombra cahi; foste a fonte
        serena onde minha alma exhaurida cobrou alguma esperança.


Ah! porque tarde me brilhaste, estrella mimosa e bella, que ante mim
surgiste? Teu senhoril futuro, o teu porvir é de gloria e risos; os meus
sorrisos são gemidos! Soffro martyrios sem que jámais ouse testemunhar a
alguem... o meu pezar. Um desalento horrivel me aniquilla a vida; busco
suffocar os meus ais no peito... oh!... bem forçado é o meu rir d'agora.
Cedo me luziu, no raiar da vida, a luz do meu céu d'amores... Lamento
agora a illusão! Oh! sonho meu desfeito! Oh! mocidade.... Ha quem te
exalte as doçuras e te compare á madrugada! Tens encantos que seduzem,
bellos sonhos, graça, amor... mas tudo passa tão breve!... é, quando
nasce o sol e vens enfeitada como abril, é... então que os sorrisos mais
nos fogem... És uma cadeia de dôres!

Minha alma é triste! Amo a noite e a pallidez da lua, amo os queixumes
da fonte, os perfumes das flôres, o triste lamento da agoureira ave.
Sinto a dôce calma na paz da sollidão e vivo do sonhar dos sonhos
d'alma; é bom rever o céu d'amor; é bom sorrir ao som de uma harmonia!
Librei-me sobre a aza da ave da illusão... mas tombei da esphera ideal e
bemdicta, para... debalde, buscar a paz na solitude. Perdeu-se o
prenuncio da aurora! Já em meu peito não sinto o iris de bonança!

      *      *      *      *      *



        O amor nasce no peito e acaba no infinito.


Quando contemplo o brilho ethereo da lua... a minha alma dilatada,
volita pelos espaços... como ave partindo os nós a que estava
agrilhoada! Livre, na sua expansão, aspira a opalina luz e interroga a
si propria porque vigor mysterioso e porque occulto poder, vem tão dôce
effluvio avivar o teu olhar? Como póde em tom queixoso, tua voz dôce...
gemer e ter vibrações taes que me causam alegria? Como, no olhar
resumes... delirio, ardencia, paixão? Se é bello vêr-se a nympha
crystallina, entre as flôres, de manso sussurando; e as aves, a gorgear,
embaladas pela brisa da manhã; se é bello vêr os raios da lucina; se é
bello vêr-se o mar... dôce, queixoso... beijar a fulva praia com
brandura... ainda mais bello é vêr-se o sorriso em teus labios...
gracioso, qual a voz d'uma meiga lyra!

........................................................................

És toda a minha idéa... meus suspiros, meus tristes ais... a ti mando a
cada instante.

Se no desabrochar dos vinte annos, ha muita esperança formosa, muita
aspiração elevada... ha tambem muita tristeza, muita dôr amarga, muito
desgosto profundo. Até hoje, vi o raiar luminoso da manhã da vida, a
aurora rosea de uma existencia que desponta... pelas douradas côres do
prisma da illusão;... para mim, o bosque, o marulhar das vagas... tinham
sempre harmonias; o canto das aves era replecto de amor; o cardo, o
espinho, os goivos e os martyrios... eram rosas e jasmins... tinham mais
perfume que o nardo. Ora tudo é escuro, soturno e triste; na minha vida
houve luz, mas foi fugaz... como um meteoro... brilhou para bem prestes
se apagar!

      *      *      *      *      *



        O tempo não consome o que, pelo amor, é inscripto no peito!


Falla! quero escutar a musica sonora d'essas fallas gentis, trementes,
captivantes, que desprendem teus labios, a rir... esses labios mais
frescos e mais limpidos que o luar. Sorri! quero ouvir teus risos
festivaes, travessos... em ondinas febris de beijos incessantes...
soarem em tua bocca alegre. Fita-me! quero vêr, n'esse ideal encanto...
essa luz expludir suave... n'um sorriso do céu. Deixa-me banhar a alma
na essencia que evaporas; deixa-me ouvir tua voz melodiosa; quero a flôr
do teu riso, quero a luz do teu olhar.

A alma vae-me, em delirio, pelos plainos celestes... desfolhando-te
psalmos, seguindo entre o bando das chimeras... Apoz o devaneio, pousa
entre arminhos... na paz do teu peito.

Se me repudias!... oh! então... não mais te fixarei amorosamente; não
mais, oh! brilhantissimo astro, eu procurarei vêr-te; não mais fitarei
teu rosto, que encantos mil encerra.

Resta-me a esperança de ser indigno do teu despreso! Rogo-te, soluçando,
não olvides o teu humilde cantor.

        La vie par elle-même est courte, mais
        Le malheur l'allonge.
                                   (P. SIRUS.)

      *      *      *      *      *



        Tout un ciel est dans une goutte de rosée.
        Toute une äme est dans une larme.
                                           (ROUX.)





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Folhas Soltas" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home