Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Do que o fogo não queima
Author: Lima, Jaime de Magalhães, 1859-1936
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Do que o fogo não queima" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



disponibilizada pela bibRIA.



Jaime de Magalhães Lima


Do que o fogo não queima



Composição e Impressão
Emprêsa Gráfica A UNIVERSAL
111, Rua Duque de Loulé, 131
PORTO



DO QUE O FOGO NÃO QUEIMA



JAIME DE MAGALHÃES LIMA


Do que o fogo não queima

PORTO
Empresa Gráfica A UNIVERSAL
111, Rua Duque de Loulé, 131
1918



PROLOGO

_A guerra prossegue na sua impenitencia sinistra, junta os seus dias em
mêses e os seus mêses em anos, e as heresias que a aborrecem e lhe negam
a legitimidade e os beneficios, não se rendem e nem sequer esmorecem,
não obstante a insistencia do flagelo que lhe dá visos de necessidade e
condição natural. E eu, que dessas heresias fiz colheita e esperança[1]
no primeiro momento, suspeito a conveniencia, senão a obrigação, de as
repetir e corroborar quando o tempo e a perseverança entre vicissitudes
contrarias as fortificaram e disseminaram._

_Daí este opusculo._

_«Heresias» não será talvez o termo proprio; melhor diria se lhes
chamasse «crenças». «Heresia é uma palavra que as tiranias do fanatismo
fizeram aviltante e criminosa para justificar as atrocidades de um
dominio insaciavel e da intolerancia, sem aliás alcançarem discriminar,
e muito menos provar, onde residia a piedade e a injuria, se em quem
usava os poderes da terra para oprimir a consciencia, se em quem se
prevalecia da robustez de consciencia para afrontar os poderes do mundo.
No fim, ambos encontrarão porventura que fizeram acto de fé a seu
modo--indubitavelmente muito mais glorioso no que por acusação de
heresia sofreu o martirio. Este será, na realidade, o crente, quem mais
de perto tocou a divindade e mais inteira e fielmente lhe obedeceu._

_Aquilo que desse drama hoje vemos, e é objecto da vida politica e do
estado, não desmente o que de ontem sabemos e foi arrebatamento do
dogmatismo eclesiastico absolutista. Duas especies de patriotismo se
encontram em conflicto, e, nenhum conseguindo vencer ou convencer o
adversario, ambos e mutuamente se reputam herejes:--o patriotismo de
servir e o patriotismo de combater: o de espada e carabina, que tem por
acto bom afastar e eliminar o proximo, e o de martelo e charrua, que tem
por missão e dignidade fecundar a terra e agasalhar aquele mesmo proximo
que o outro abomina; o que ama o peregrino e o que detesta o estranho; o
que é um impulso de exclusão e aversão, uma avareza, e o que é uma
confissão de bem querer e um anseio de proteger, uma caridade. Ha duas
especies de patriotismo, como ha dois modos e duas aspirações de cultura
do homem, conduzindo a atitudes politicas divergentes, de que as
concepções do patriotismo correlativas são apenas uma das suas
multiplices manifestações:--ha uma cultura que consiste em nos aprestar
para calcar e escravisar os outros, e ha uma cultura que se esforça por
nos fortalecer para calcarmos as nossas proprias paixões e as ordenarmos
e disciplinarmos sob uma regra sobrehumana; ha a cultura que olha para o
chão e a que olha para os céus, a que é uma tarefa de sordidez, em que
se degrada, e a que se eleva no desprendimento, em que exulta. O que
nestes tempos de guerra se tem passado com os que por imposição da
consciencia se recusaram a combater, particularmente o procedimento dos
poderes constituidos da Inglaterra com as centenas dos seus_
conscientious objectors, _o patriotismo inquisitorial, cujas torturas e
penas vão desde o fusilamento puro e simples, tanto da feição
peremptoria do rigor continental, até á prisão, trabalhos forçados e
perda dos direitos politicos, que são as soluções predilectas, menos
severas mas por igual mortais, da tradicional liberdade insular,--isto
nos manifesta, dolorosamente, não só quanto são profundos os
antagonismos essenciais e latentes de que as sociedades modernas se
compõem, mas tambem quanto é morosa a jornada no caminho e na ambição
daquela liberdade e respeito mutuo, quando amor não seja, para os quais
não ha heresias._

_Embora! Essa escabrosa jornada não cessa. Ali mesmo onde sofre
terriveis assaltos inimigos, aí assinala triunfos e progressos. Um
momento de «brutalidade hunica e de baixeza desenrolando as suas ondas
sobre as nações que participaram na guerra, rebarbarisando toda a
civilização por alguns anos», na expressão violentamente exacta de
Carlos Liebknecht, que paga com desoito mêses de prisão a audacia
insubmissa das suas heresias, isso não bastou para aterrar ou desalentar
as consciencias certas dos seus direitos e imperio, e inabalaveis na
segurança de um eterno renascimento e vitoria final._

_Os sintomas são claros._

_Não conseguiu a Camara dos Comuns, por uma minguada maioria, um voto
favoravel á perda dos direitos politicos do_ conscientious objector,
_sem que não tivesse de lutar com uma oposição veemente, na qual se
juntaram homens de todos os partidos politicos, não excluindo os mais
acentuadamente conservadores. Foi então que, sem embargo do seu
declarado e esclarecido conservantismo, Lord Hugo Cecil, em uma oração
magistral, combateu «a idolatria do estado», que, tornando-o superior á
lei moral, perdeu a Alemanha na confiança das nações civilizadas; foi
então que, em palavras memoraveis, se ouviu a reivindicação da
preeminencia do dever perante a consciencia sobre a obrigação perante o
estado. «É na crença naquela região de obediencia superior que nos impõe
qualquer cousa mais do que aquilo que o estado nos póde pedir, e que nos
dá qualquer cousa mais do que o estado jámais nos poderá dar, que nós
temos de sustentar a grande causa em que nos empenhámos. Ás vezes
dizemos que combatemos pela civilização.» Mas aquele em quem o dever da
consciencia sobreleva á obrigação com o estado «dirá antes que
combatemos para que a civilização se mantenha uma civilização cristã, e,
por certo, em uma civilização cristã é mal violentar a consciencia dos
sinceros, é mal impôr-lhes uma obrigação que eles julgam corruptora e
contagiosa.»_

_Emquanto isto se proclama em voz alta, apaixonadamente e apaixonando as
legiões de crentes a que se comunica, uma outra ordem de factos se
apressa a dar-lhe uma confirmação eloquente. A falencia retumbante das
artes politicas dos estados que desencadearam a mais mortifera e ruinosa
das guerras, para ao fim confessarem que pela guerra não teem solução os
problemas que ela era chamada a resolver; a derrota do intelectualismo
politico, que, em boa logica com todo o intelectualismo e suas naturais
insuficiencias, se embriagou na vaidade das suas limitadas forças e,
desconhecendo as do caracter moral, considerou os homens meras
quantidades e energias mecanicas alheias a toda a influencia das forças
intimas espirituais; esta estreiteza que tinha de rematar na
incapacidade demonstrada das diplomacias profissionais ortodoxas para
assegurar, não direi já a felicidade dos homens mas a paz das nações,
induz a procurar em outros poderes a fortuna que estes muito
contingentes e mesquinhos não souberam dar-nos._

_É nesta angustia que mais uma vez se nos revela em seu intacto
resplendor aquela lei pela qual a consciencia soube que «nem só de pão
vive o homem», que a historia e a garantia unica da civilização é o
alargamento progressivo dos limites da espiritualidade á custa da
restrição dos limites das materialidades, e que os combates a que o
nosso tempo teve o triste privilegio de assistir, não são mais do que um
momento de conflicto e de violencia entre isso que não é pão e é vida e
se sente oprimido, e aquilo que, sendo pão, sendo repasto do corpo, seu
sustento ou seu prazer ou sua força, todavia e cada vez mais se mostra
alento insuficiente e mesquinho para aquele outro banquete etereo e
intangivel, que os sentidos não tocam, e se chama simpatia, amor,
humanidade ou caridade, e sempre e afinal essencia da vida._

_Preparemos para esse banquete o nosso animo._


_Eixo, 15-1-1918._



Do que o fogo não queima


Se da onda temerosa que começou a assolar a Europa e o mundo em 1914
consideramos apenas a espuma enxovalhada, não ha maior infamia, nem
maior crime e indignidade. É uma degradação de incomensuravel
profundeza, é a terra lavada em sangue pela ganancia abjecta das
tiranias da sordidez.

Um publicista de notavel merecimento e admiravel imparcialidade, G.
Lowes Dickinson, compreendendo a opinião de milhares de homens, o
desalento de muitos dos mais sinceros e cultos, a revolta de alguns e o
cinismo inalteravel de uma minoria poderosamente armada, resume neste
esboço a situação:

«A guerra veio da rivalidade entre os estados na disputa do poder e da
riqueza. Isto é universalmente aceite. Sejam quais forem as diversidades
de opinião que prevalecem nos diferentes paises interessados, ninguem
pretende que a guerra tivesse origem em qualquer necessidade da
civilização, em qualquer impulso generoso ou ambição nobre. Conforme o
conceito popular da Inglaterra, nasceu a guerra unica e exclusivamente
da ambição da Alemanha, vinda á conquista de territorio e poder; e,
conforme o conceito popular alemão, nasceu da ambição da Inglaterra,
correndo a atacar e destruir a riqueza crescente da Alemanha e a sua
força. Assim, para qualquer dos beligerantes, a guerra mostra-se como
imposta por uma pura perversidade, e sob nenhum aspecto tem justificação
moral de especie alguma. Estes conceitos, na verdade, são demasiado
simples quanto aos factos; mas... a guerra procedeu da rivalidade de
imperio entre as grandes potencias, em toda a parte do mundo. A contenda
entre a França e a Alemanha no governo de Marrocos; a contenda entre a
Russia e a Austria no governo dos Balkans; a contenda entre a Alemanha e
outras nações no governo da Turquia--foram estas as causas da guerra.

«É a cobiça de mercados, concessões e colocação de capitais que está por
detraz da politica colonial conduzindo ás guerras. Os estados concorrem
ao direito de explorar os fracos, e nesta concorrencia os governos são
movidos e tutelados pelos interesses financeiros. O inglês foi ao Egito
por causa dos prestamistas, o francês foi a Marrocos por causa do
minerio e da riqueza. Em todo o Oriente, no mais proximo como no mais
distante, são as concessões, o comercio e os emprestimos que levaram á
rivalidade das potencias, a guerra sobre a guerra, ás _expedições
punitivas_ e, ironia das ironias! ás _indemnisações_, extorquidas como
uma nova forma, e especial, de roubar os povos que se levantam
esforçando-se por se defenderem dos roubos. Por um momento, as potencias
combinam suprimir a vitima comum; no dia seguinte, lançam-se umas sobre
as outras a disputar o espolio. Estes são realmente na sua nudez os
factos sobre as questões entre os estados a respeito da politica
comercial e colonial. Emquanto a exploração dos paises menos
desenvolvidos fôr dirigida por companhias, não tendo outro fim senão os
dividendos, emquanto os financeiros determinarem a politica dos
governos, emquanto as expedições militares acabando em anexações forem
postas aos hombros do publico por motivos que não podem confessar-se,
hão-de acabar em guerra as nações que começaram pelo roubo, e milhares e
milhões de vidas inocentes e generosas, as melhores da Europa, hão-de
perder-se inutilmente, sem fim algum, porque interesses sinistros
jogaram na sombra a paz do mundo em proveito do dinheiro das suas
algibeiras.»[2]

Sordidez, miseria, crueldade, uma tirania de scelerados sacrificando a
ruins paixões de dominio, avareza e sensualidade as multidões inocentes,
o trabalho, a candura, a honestidade e o heroismo--cifra-se nisto a
historia militar do mundo. Estas seriam as causas da guerra, as da
ultima como as de quantas a precederam, esta a sua unica e eterna
maldição. Só o que se viu com as companhias de navegação, e é publico,
desilude os menos crentes nas infamias da guerra. Quando as familias dos
que combatiam e morriam nas trincheiras, para gloria e proveito dos que
os mandavam, sofriam fome e frio, havia emprezas de navegação, e tambem
dos que mandavam, que faziam dividendos de 65 por cento, á custa da
anciedade e atribulações daqueles que criaram os filhos imolados nas
batalhas. As monstruosidades economicas alimentam-se daquele mesmo
sangue que as monstruosidades da soberba derramam desapiedadamente no
chão esteril dos combates.

Não duvidemos, a guerra e a ignominia são filhas do mesmo ventre.

Mas não duvidemos tambem de que, onde a guerra se peleja e a ignominia
corre a fazer as suas presas; outras forças se erguem que as dominam e
confundem. E sobre os destroços da politica, de ordinario infame,
floresce de continuo a consciencia moral, tão pura na aspiração como
lenta mas inflexivel no crescer.

Estranha sujeição das potestades! Essa fortaleza satanica não é só por
si tão robusta que prescinda da protecção do bem dos povos, da isenção,
do patriotismo, da fortuna moral dos homens e das nações, e de outras e
infinitas sombras etereas que vivem, desarmadas e fracas, apenas em os
nossos sonhos. Para que as ambições da sordidez prevalecessem e
colhessem o seu quinhão na guerra em que nos crucificaram, foi-lhes
necessario invocar interesses urgentes da liberdade e da dignidade
humana. Pressentiram que só por esse compromisso levariam os exercitos
ás batalhas. Por uma singular escravidão, a sordidez sujeitou-se á
nobreza. Talvez mentindo astuciosamente, com uma astucia vulpina, toda
de impostura; mas sujeitou-se, não sem ignorar de que por força terá de
cumprir muito daquilo que por mentira assegurou. A sordidez tem em seu
poder as armas e o fogo, quanto é necessario para devastar a terra e a
embeber no sangue. E essa mesma sordidez armada, sentindo fugir-lhe o
poder perante qualquer cousa que o fogo não queima, aceitou a tutela e
imperio de forças imponderaveis e jurou-lhes fidelidade. A força fisica
na sua maior opulencia destrutiva não sabe combater, sente-se
insuficiente, se não tem em seu apoio um principio moral que a legitime.
Para que os soldados marchassem contra a Alemanha, tornou-se necessario
convencer os povos de que a Alemanha praticava um crime e meditava as
atrocidades de um despotismo avaro, absorvente, insaciavel.

Eis aí o facto capital de cuja compreensão depende a determinação do
caracter e mais profunda significação desta ultima fatalidade que pôs as
nações em guerra--não são os principios que dependem das armas, são as
armas que dependem dos principios. Pelo gráu em que as armas dependem
dos principios se afere a altura da civilização de uma comunidade e de
uma época, e pelo desrespeito ou pela corrupção dos principios se
julgará da profundeza da sua degradação. O progresso da humanidade é
puramente materia de desenvolvimento e natureza do espirito que a
penetrou e rege. Disso dependem as guerras; os seus incendios dependem
do que o fogo não queima. Se se ateiam, é porque aquela essencia eterea
lhes falece; se abrandam ou se apagam, foi porque ela os envolveu. «Por
muito que condenemos os chefes negligentes e as castas desapiedadas que
vivem pela guerra, a fonte real do mal é o sentimento popular em que se
apoiam. A lição que aí temos a aprender, é que as doutrinas e paixões
enraizadas, de que essas desgraças provêm, só podem ser removidas por um
lento e firme labor das forças espirituais. Aquilo de que principalmente
se carece é a eliminação dos sentimentos cujas instituições alimentam a
inveja e o odio, e preparam os homens para a desconfiança e para a
agressão.» (Lord Bryce).

Incapaz de queimar, ou sequer prejudicar ou interromper a vitalidade
essencial dos principios, o fogo das batalhas apenas reduz a cinzas as
sarças que os ocultam e que por os ocultarem nos transviam; é um arrojo
de sinceridade, é um processo terrivel e crudelissimo de pureza,
desprendendo os principios, a suprema razão de ser da humanidade, das
miserias infinitas que os contrariam e envolvem. Alguem disse, pondo
essa aparente contradicção em uma imagem feliz, que só de noite as
estrelas brilham.

Se «ha certas cousas eternamente belas que subsistirão quando a guerra
passar, tais quais eram antes da guerra começar e tais quais serão
sempre, e se o nosso dever é concorrer para as manter vivas,
compreendendo-as e amando-as» (Gilbert Murray), a guerra que nos
angustía seria talvez perante «essas cousas eternamente belas» uma
experiencia, um transe de morte precedendo uma ressurreição esplendida,
de esplendor mais alto que todo aquele que precedentemente as houvesse
coroado. Porventura a guerra veio a combater pela violencia uma
civilização turbada e enlouquecida pela sensualidade, uma civilização
que nem soube acautelar-se pela persuasão nem corrigir-se pela
experiencia pacifica; será a febre de uma infecção que a higiene não foi
capaz de prevenir, por debilidade de animo e cegueira de inteligencia,
que não por escassez de recursos.

O que vimos á luz desse brazeiro e que não viamos claramente antes que
ele se acendesse, embora surdamente minasse a terra e a felicidade, é
como uma aurora de redenção e esperança, como uma certeza divina.

Agora vemos, como nunca vimos, que de que o mundo carece, não é de
inteligencia, é de caracter. De que o mundo carece não é de uma nova
ordem nas cousas e nas instituições e inventos que as regulam; a antiga
muito bem lhe satisfazia todas as necessidades. De que o mundo carece é
de melhor ordem nos corações; o passado lho revelou pela sua historia e
o presente lho confirmou pelas provações. De que o mundo carece, para
sua luz e ventura, é de mansidão, dessa eternidade que o fogo não
queima; não é de oficinas que as chamas arrazam e o fumo lança ao vento.

De facto, uma lei de identidade inviolavel faz que a guerra não possa
gerar senão a guerra, por mais subtil que seja o esforço para a
transmudar em benignidade. A paz, como obra politica, ou diplomatica, ou
militar, ficará por nascimento sujeita á concepção inseparavel do ventre
de soberba e avareza que a gera; sómente será efectiva e fecunda quando
derivar de um renascimento da politica, da diplomacia e dos exercitos no
espirito religioso que se lhes insinuar. Fóra disso será uma ficção e
uma ilusão, transitorias e mentirosas como todas as ficções e ilusões
que os cataclismos infernais das criações humanas se encarregam de
dissipar com a maior dureza. É inutil cogitar combinações, tribunais e
semelhantes subterfugios para protelar em esperanças vãs o que só ao
espirito pertence e só ele póde dar. As civilizações vulgarmente
chamadas decadentes e decaídas, porque minguaram em poder militar ou de
todo o perderam, são bastas vezes as que predominam, embora destituidas
de bens e forças temporais. Avassalaram pelo espirito aqueles e aquilo
que pelas armas as venceram. Nos individuos como nas raças são os mortos
que governam, como o filosofo pretende. A eternidade das ideias e das
aspirações, e das energias morais em que essa eternidade se revela,
sobrepõe-se ás vicissitudes efemeras do tempo e completamente as
subordina, ainda que essas vicissitudes importem a morte de milhares de
homens e a aniquilação de riquezas inumeraveis. A Grecia inspirando-nos
a liberdade, Roma disciplinando-nos na ordem ou Israel prostando-nos na
piedade foram superiores a toda a corrupção, ruina ou escravidão,
governam hoje mais ampla e firmemente do que na hora em que o poder
politico as servia; como, modernamente, a França no fulgor da sua
inteligencia, ou a Inglaterra na acuidade dos instintos morais, ou a
Russia na abdicação religiosa, ou a Alemanha na intuição das
temporalidades, são imperios fundados de uma vez para sempre,
insubmersiveis no dominio do nosso espirito e na pratica da nossa
existencia, sejam quais forem as vicissitudes politicas que o futuro
lhes tenha reservadas. A vida dos estados é nada, um instante
passageiro, comparada com a vida das civilizações que, se realmente o
são, se realmente significam o desenvolvimento e afirmação progressivos
de uma alma, de uma relação com o infinito na existencia sensivel, não
admitem perda nem retrocesso, e nem sequer quebra de expansão. A riqueza
do espirito, porque não é deste mundo, embora neste mundo habite, não
depende das contingencias politicas das nações; a todas é superior, e
porque é superior, por nenhuma foi ou será vencida. Só pela riqueza do
espirito os povos se engrandecem e vencem ou serão vencidos; o resto é
acidental.

O que o espirito ganhou nas batalhas sangrentas em que a politica
ultimamente precipitou os estados e as nações é qualquer cousa como um
terramoto. O abalo moral confunde pelos efeitos proximos e remotos as
ruinas de que os canhões cobriram a terra. Uma revolução social se
efectuou durante a guerra. O direito de propriedade foi de todo abolido
por instancia de interesses colectivos. E o que mezes antes parecia a
maior iniquidade e levantaria as pedras das calçadas, subitamente foi
admitido como o mais justo e natural dos acontecimentos. O estado
monopolisou o pão e o fogo, e os povos submeteram-se; todos os
interesses individuais e de classe foram indistintamente imolados a
obrigações sociais, demonstradas ou hipoteticas, e, embora no tumulto
proprio de semelhante radicalismo se insinuassem as torpezas
inseparaveis do remexer das riquezas, os povos consentiram pacientemente
na dolorosa e inaudita expoliação. Naufragaram na tormenta liberdades
que haviam custado o sacrificio de gerações inumeraveis e o martirio de
centenas e centenas de vidas, e as vitimas desta renovação de
despotismos curvaram-se sem lamentos á fatalidade que lhes vinha em nome
da salvação publica. Evidentemente, se não houve a criação instantanea
de novos deveres, houve, pelo menos, uma revisão pratica e efectiva da
escala e amplitude dos deveres e dos direitos, a qual não pode fundar-se
em outra cousa senão na transformação da consciencia moral das
sociedades.

Foi um progresso que nos abre reinos novos de grandeza economica e
moral, ou é uma ruina na qual vão sepultar-se os melhores sonhos que nos
alentavam a coragem para suportar as miserias do mundo?

O conde Hermann Keyserling, em um artigo publicado na _Atlantic Monthly_
de abril de 1916, e intitulado _Juizo de um Filosofo sobre a Guerra_,
responde a esta interrogação com uma precisão e profundeza devéras
notaveis. Quanto dessa lucida apreciação das duvidas angustiosas que a
guerra provocou veio ao meu conhecimento, pela transcrição feita na
_Public Opinion_[3] onde as fui buscar, aqui procurarei traduzir e
guardar, pois melhor condensação da suprema e decisiva influencia dos
problemas morais deste momento da nossa civilização não encontrei na
torrente de escritos que a preocupação dos aspectos morais da guerra
suscitou, interessando os mais altos e nobres espiritos do nosso tempo.

«A causa dos Alliados vencerá», diz o conde Hermann Keyserling, «de uma
forma ou de outra, mais tarde ou mais cedo, mediata ou imediatamente.»

«É inconcebivel que possa sobreviver o sistema de politica internacional
que provocou esta catastrofe; é inteiramente inverosimil que os novos
tratados que teem de se fazer, não sejam uma reflexão das aspirações e
esperanças de todo o mundo; o purgatorio desta guerra terá de consumar a
decadencia, transmudar em novas as velhas formas, acelerar o seu
desenvolvimento, aclarar o espirito-das nações.»

«Nem mesmo uma Alemanha vitoriosa, no seu antigo modo, ousaria ditar a
paz em termos reaccionarios; jámais seria aceite pela opinião publica, e
não duraria se a violentasse. Mas a Alemanha de amanhã será muito
diferente da Alemanha de ontem; a experiencia deste transe te-la-ha
mudado muito. Como a França, como a Inglaterra, como a Russia, ou terá
encontrado a sua nova alma ou, pelo menos, não estará longe de a
encontrar. E essa alma será a de uma nação intensamente democratica.

«Não ha pois razão para pessimismo, apesar do horror da situação
presente. A guerra não póde ser senão horrenda, quando pelejada nas
proporções gigantescas e com a intensidade de paixão que agora se
mostraram. Se os melhores entendimentos parecem cegos e os melhores
corações se deixaram turvar pelo odio, a condição da maioria deve ser
pavorosa.

«Mas os factos, por mais angustiosos que eles sejam, _significam_ muito
pouco, desde que os homens durante a febre não são o que são; e a maior
parte dos horrores serão logo esquecidos, tal qual como com as pessoas
mais sadias que, depois de terem escapado de uma doença mortal, pensam
pouco nos sofrimentos por que passaram.

«Não esqueçamos nunca que esta guerra significa uma crise
constituicional e que nesta conformidade temos de a julgar. Só então
seremos capazes de compreender as suas fases.

«Digo que a causa dos Aliados tem a vitoria certa. Isto não implica,
todavia, que seja consumado, qualquer dos fins concretos que ela se
propôs.

«Será impossivel assegurar uma paz de tal modo duradoura que de uma vez
para sempre impeça a violação dos tratados; uma nação sósinha não terá
possibilidade de decidir a sua propria sorte mais livremente do que um
individuo póde desprender-se dos laços sociais e de parentesco e seguir
exclusivamente a sua boa vontade; o principio nacionalista não tem
possibilidade de triunfar desde que a maior parte dos paises estão
habitados em comum por diferentes raças. Mas, em vez disto, teremos
melhoria em outras cousas.

«Muito provavelmente, a ideia tradicional de um estado que autorisava
uma nação a oprimir outras nações, será condenada, dando logar a uma
nova ideia, baseada exclusivamente sobre considerações economicas e
militares, e deixando plena independencia a todas as nações quanto aos
termos da sua cultura. Muito provavelmente, o equilibrio futuro da
Europa dependerá, mais do que dantes, da colaboração sobrepujando a
oposição, o que só por si tornará menos frequentes as guerras.

«Mas são inuteis as profecias sobre o que desconhecemos. A unica cousa
certa é que esta guerra do mundo, sendo uma crise constituicional, ha-de
acelerar na vida interna das nações e nas relações internacionais
aquelas transformações que cada ano se teem mostrado mais urgentes e
cujas formulas ninguem, por agora, póde encontrar.

«Ha uma intenção no labor cego da Historia.

«Não quero dizer que todos os resultados desta guerra hajam de ser bons;
muito longe disso. Os seus efeitos materiais imediatos não podem deixar
de ser desastrosos. A morte prematura de milhões dos mais robustos e
melhores não poderá beneficiar o remanescente. Os odios e ressentimentos
semeiados hão-de estorvar por algum tempo toda a convivencia
internacional.

«O que Romain-Rolland disse, mostrar-se-ha muito verdadeiro no primeiro
momento:--_Quelque soit le vainqueur, c'est l'Europe qui será la
vaincue._ A um tão longo e terrivel esforço ha-de seguir-se uma reacção,
uma depressão temporaria tanto mais acentuada quanto maior fôr o
levantamento. Podemos perder por algum tempo tudo aquilo que moralmente
ganhamos nas horas de perigo. No primeiro instante, todos os efeitos
imediatos desta guerra poderão ser francamente negativos.

«Todavia, não retirarei uma só das palavras de esperança que escrevi,
nem que eu soubesse que nos estão reservados acontecimentos peiores
ainda do que aqueles por que temos passado.

«Porque o progresso que realmente importa é o progresso no idealismo, e
este não póde ser suspenso por periodos de retrocesso material, por mais
longos que eles sejam.

«Em que sentido promoveu o bem o advento de Cristo ou o da Revolução
Francesa? Materialmente não, nem em principio nem depois. Ainda mais:
mesmo hoje se póde pôr em duvida se é consideravel o beneficio da
condição material do mundo derivado de qualquer daqueles acontecimentos.
Mas mudaram o espirito dos homens, mudaram a sua consciencia das cousas;
e isto é que é superiormente importante, porque só uma mudança de
consciencia das cousas é capaz de mudar intimamente as proprias cousas.

«O espirito afeiçoa a materia muito lentamente. É isso certo. Mas, por
isso tambem, nenhuma outra cousa a afeiçoa absolutamente.

«A lei só começou a ser o reflexo da rectidão no dia em que os homens
começaram a conceber o que a rectidão significava.

«As instituições, só por si, são nada. As mais perfeitas que se possam
imaginar, são meramente uma crosta prestes a cair ao mais pequeno
impulso da paixão, se não exprimem um grau correspondente de compreensão
espiritual.

«Assim, a civilização perfeita da antiga Roma não pôde subsistir porque
apenas exprimia uma compreensão limitada; e, pelo contrario, o germen de
uma penetração mais profunda lançado pelo Evangelho de Cristo nas almas
barbaras tornou-as aptas para um infinito progresso.

«Nunca como agora se encontraram em o mesmo nivel a penetração
espiritual e a exteriorisação. No principio da nossa era a penetração
era profunda, mas o estado de cultura externa era inferior; hoje, esta
parece infinitamente superior áquela. Isto explica o incomparavel horror
desta guerra. Isto revelou a disparidade monstruosa entre a nossa
civilização externa e o estado das nossas almas. Mas este horror
abre-nos os olhos do espirito.

«Nunca mais e em parte alguma a opinião publica suportará os processos
tradicionais e profundamente imorais das relações internacionais; nunca
mais admitirá conscientemente que o poder é o direito. A nossa
consciencia das cousas ha-de mudar, e esta é a unica especie de
progresso a tomar em conta. Não ha desastres materiais que anulem essa
conquista.

«Só o progresso no idealismo cria uma base segura de desenvolvimento
material. Demais, tarde ou cedo esse progresso se exprimirá, por si
mesmo, em sua face externa. Ora esse progresso ha-de inquestionavelmente
caber-nos depois da guerra, seja qual fôr o caminho que os
acontecimentos materiais tomem.

«Nós, os contemporaneos da guerra mais destruidora que o mundo viu,
julgamos muitas vezes injusto que fossemos nós os escolhidos para esta
terrivel experiencia.

«Console-nos a ideia da retribuição deste sacrificio.

«Não fossem os nossos sofrimentos, não fosse a desgraça que nós ao mesmo
tempo padecemos e causamos, e aqueles que hão-de vir depois de nós não
seriam capazes de conhecer nem de viver vida melhor do que a nossa. Se o
conhecimento ha-de incarnar um dia, inevitavelmente, em acção e vida,
não é menos verdade que só as acções consumadas dão origem, em regra, a
novas realizações.

«Um mundo novo nunca nasceu senão da agonia do que o precede.»

Nem porventura será necessario esperar o fim da guerra e das suas
calamidades, para que possamos sentir o alvorecer da transformação
salutar que a rapida mas profunda analise do conde Hermann de Reyserling
agoura em termos de evidencia. Alguma cousa ha mudada desde já; alguma
cousa dessa redenção se mostra já fundada e inabalavel.

Se o mundo se acha ainda entregue á violencia estupida e cruel da força
puramente fisica, se ainda abundam os que nela crêem com um fetichismo
barbaro, e a tomam pela prova ultima da civilização, entretanto a
propagação de um sentimento vigoroso de desprestigio da força a condena,
senão á miseria de um facto de abominação, pelo menos a um estado de
sujeição e escravidão sob o dominio de poderes mais altos. Não será
propriamente o desprestigio da força esse julgamento dos seus feitos e
crimes ao qual temos assistido, mas é desde já, e claramente, o
sentimento das responsabilidades da força. O imperialismo e as suas
armaduras de aço e as suas tiranias e magistraturas vão a retemperar-se
em um novo baptismo. Secretas leis da alma dos povos lhe exigem, por
titulo de admissão, que de apanagio e privilegio, instituido em proveito
da riqueza e do orgulho dos estados, das dinastias e das classes, se
converta em instrumento da paz e da prosperidade dos povos. Depositario
da força, e não o seu livre possuidor, o imperialismo moderno, para
legitimar e manter a sua existencia e o seu poder, cede a impulsos que
já de longe lhe vinham turvando a liberdade e o absolutismo, e tem de
cohonestar a ambição do dominio, e os interesses dos que dominam e
regem, com a consciencia zelosa e praticamente fecunda das
responsabilidades impreteriveis que ele importa para a alegria e fortuna
das nações e das gentes que compreender no seu ambito e tiver, mais sob
a sua protecção e guarda do que sob a sua autoridade retribuida. De um
simples instrumento de mandar e de usufruir riquezas, de um processo de
avareza terá de passar, por efeito do progresso moral e das obrigações
politicas correlativas, a um modo de servir isentamente. E essa
transformação que a evolução moral das sociedades vinha reclamando
lentamente, incitando e conquistando a custo, foi agora subita e
singularmente apressada pela violencia da guerra, pelas suas dores, pela
experiencia e desenganos de que ela se tornou portadora sinistra, todas
inclinando a crêr que o imperialismo, para ser um processo de ordem
politica e como tal escapar aos impetos de uma reacção anarquica, terá
de fundar-se em nobreza, probidade, desinteresse e inspiração de altos e
generosos deveres. Só por estes e pela fidelidade com que os observar,
só pela actividade e pela soma de bens concretos que importar para a
felicidade dos povos, será aceite e querido. Confiado apenas ao
prestigio das armas e á ostentação da soberba e da crueldade, da avidez
e da injustiça, erguidas estas em seus tronos de riqueza, jámais irá
além das criações gigantescas que a historia nos mostra dissolvendo-se
invariavelmente na corrupção do seu proprio sangue. A desilusão
tornou-se completa no meio da catastrofe.

A atrocidade dos combates imprimiu com uma profundeza desconhecida esta
feição de serviço do proximo, não só ao imperialismo politico, ao que
usa canhões, palmas e estandartes e aterra pela morte, mas tambem a
todos os demais imperialismos seus parceiros, parentes e aderentes, aos
imperialismos das oficinas como até aos simples imperialismos
domesticos. Por força da dolorosa eloquencia de um momento que revelou
na sua nudez a miseria de todo o isolamento orgulhoso dos homens e das
nações, sucede a urgencia da solidariedade e da cooperação áquele
apetite de dominio, exploração, sujeição e posse que tem sido a alma de
todas as escravidões e servidões. Nesta lugubre escola, o capitão de
armas aprendeu a respeitar o soldado, como o patrão o operario, e o amo
o seu servo. A ideia de propriedade, dos homens como das cousas, a razão
do dominio pulverizou-se para ser refeita em nova liga. Isentou-se de
estranheza o clamor de Tiberio Graco, quando clamava ás multidões que o
cercavam: «Os animais bravios que estão espalhados pela Italia teem suas
tocas e cavernas onde podem abrigar-se, e os que combatem, que derramam
o seu sangue em defesa da Italia, não teem outra propriedade senão a luz
e o ar que respiram; sem casa, sem morada certa, vagueiam por todos os
lados com as mulheres e com os filhos. Os generais enganam-se quando os
exortam a combater pelos seus tumulos e pelos seus templos. Em tão
grande numero de romanos haverá um só que tenha um altar domestico e um
tumulo em que os seus antepassados repousem? Não combatem e não morrem
senão para manter o luxo e a opulencia dos outros; chamam-lhes os
senhores do universo, e não teem de seu um palmo de terra.»

Vinte séculos passaram desde que o mundo jazendo na servidão desmentiu
na ironia e na crueldade dos factos a violenta aspiração do tribuno;
mas, feita daquelas cousas que o fogo não queima, prevalecia e durava
atravez de toda a derrota, e hoje vemos o que a justiça das gerações lhe
guardava. Porque as plebes do nosso tempo, caminhando para a guerra, já
aprenderam a preguntar porque e para que é que lá vão, e os que as
mandam já não sentem em seu poder arte de engano ou energia de captação
que lhes dê segurança bastante para negar e roubar aos que combatem o
seu quinhão na patria. Com pasmo vimos a Inglaterra estabelecer o
serviço militar obrigatorio, mas talvez na surpreza muitos se
esquecessem de considerar que essa violencia feita ás liberdades
tradicionais daquele país era a democracia continental com o seu cortejo
de igualdades passando o Estreito, e, se não derrubava de um golpe o
remanescente do feudalismo insular, o que o futuro dirá, suspendia-lhe,
pelo menos, todas as garantias de estabilidade. O exercito deixou de ser
o servidor assoldadado dos governos e das aristocracias, obediente á sua
voz; tornou-se em obrigação de defesa, comum a todas as classes e para
cumprir a qual se confundiram nas fileiras os plebeus e os nobres, e
imediatamente, de burgo em burgo, alguma voz misteriosa apregoou a nova
lei:--«Cada homem, cada voto». É a igualdade do poder politico, preludio
certo e sabido das reivindicações igualitarias continentais, ameaçando
as desigualdades monstruosas da fortuna economica, que na Inglaterra,
com a liberdade de testar e a liberdade mercantil, mantinham o poder das
velhas aristocracias e criavam aristocracias novas, diferentes pela
origem das antigas mas com elas emparceirando no dominio politico. Meses
depois de estabelecido o serviço militar obrigatorio, aparecia na camara
dos comuns uma proposta abolindo todos os privilegios hereditarios, e o
_Times_ dava fóros de cidade á discussão da conveniencia da constituição
de um partido republicano na Inglaterra, que esse jornal aliás combatia
mas discutia, o que só por si é sinal dos tempos.

Por outro lado, a pressão dos confrontos proprios de toda a angustia em
que as provações nos incitam a considerar a sorte dos que de semelhantes
desgraças teem sido menos atormentados, levava-nos a verificar, em
sentimentos menos platonicos dos que aqueles que até agora prevaleciam
nas academias, que emquanto a Europa se enleiava em tradições e
prejuizos, com um passado tanto mais pesado para a liberdade do seu
espirito quanto mais longo e acidentado nos anos e nas vicissitudes
insinuando-lhe o tumulto e turvação do conflicto de diversissimas
aspirações, algures a situação era diferente. Emquanto a Europa
arrastava entre fadigas e penas infinitas esse fardo que é a sua gloria
e a sua grandeza, e tambem, bastas vezes, o residuo morto da sua vida e
o estorvo fatal da sua vitalidade, além do Atlantico filhos seus, que
ela criou e amamentou com o melhor do seu sangue, tinham fundado nações
opulentas de riqueza e felicidade, e regendo-se por principios assáz
diferentes dos que nos preocupam e governam, e emancipadas em larga
escala do que a nós nos causa dano.

Nós, europeus aferrados a todas as aristocracias, de espirito como de
bens, destituidos de elasticidade moral e economica, facilmente nos
envergonhando da pobreza, tardos em sentir como sem prejuizo da
dignidade e até da alegria um homem passa de magistrado a caixeiro e de
caixeiro a magistrado, não raro inclinados a tomar por honra a
hierarquia social e a profissão, rebeldes a perceber que a honra é um
facto de consciencia e não depende da condição economica e da
classe,--com qualquer coincide e a todas póde ser alheia,--temos visto
com frequente desconfiança o desenvolvimento da grande Republica
Norte-Americana, suspeitando da sua nobreza e temendo, senão mesmo
aborrecendo, a rudeza das suas energias violentas, desprendidas de todos
os moderadores que entre nós lhes minguariam a expansão e os impetos. O
governo da multidão e a paixão mercantil afiguram-se-nos por vezes uma
degradação, quando os referimos ás hierarquias tradicionais e
hereditarias que nos andam no sangue, e a velhas e equivocas fidalguias
de desprendimento dos bens da terra que essas fidalguias desprezam por
ignominiosos, sem embargo de consentirem que o seu desprezo sirva tanto
á elevação da alma e á generosidade como á ociosidade indigente e ao
desamor do trabalho.

Mas, chegados a um momento de calamidade, como o presente, e atentando
mais uma vez na condição dos que nos aparecem melhor armados de espirito
e corpo para afrontarem as horas de desvairamento e ansiedade, não
podemos furtar-nos a duvidas, e preguntamos se de facto não haverá
constituição social mais simples e feliz do que esta, muito confusa, das
velhas civilizações europeias, e se aqueles nivelamentos e liberdades
democraticas que desde Platão tivemos por portadores de depressão, não
redundam afinal na supressão de todas as superioridades e excepções,
compensando-a amplamente pela elevação economica e mental da mediania e
do comum. Sem embargo dos muitos descontos que necessariamente ha a
fazer em todas as prosperidades, o certo é, e evidente, que os
Estados-Unidos da America, dentro das suas formulas democraticas e seja
qual fôr o muito mal que das democracias possa dizer-se e verificar-se,
alcançaram uma situação politica admiravel, emquanto os Estados-Unidos
da Europa, tão orgulhosos de saber, experiencia, ordem, categorias e
tradições, são ainda do reino da utopia, para o maior numero, e uma vaga
esperança, para um reduzido optimismo que teima em não descrêr do
progresso moral da humanidade. Não sem boas razões, a democracia
europeia pregunta-nos se o imperialismo capitalista transatlantico,
precario, a praso, sujeito á sorte da inteligencia e dos bons negocios,
será mais funesto e menos cruel do que o imperialismo militar dinastico,
nascido e mantido por ordem do acaso hereditario, sem obrigação de
capacidade mental nem dependencia das contingencias mercantis. Alguem
mesmo quereria saber dos mestres da sciencia social e politica das
nossas terras se os Estados-Unidos da America viveriam entre si na paz
em que vivem se, em logar de se organisarem democraticamente, tivessem
fundado monarquias com as respectivas dinastias. E os factos recentes,
particularmente o que se tem passado nos Balkans, e estes opressivos e
indeclinaveis confrontos semeiam perplexidades, demasiado bastas para
nos deixarem caminho aberto e plano pelo qual possamos sair afoitamente
de semelhante labirinto.

Nem mesmo será de prevalecer o argumento usual contra a legitimidade da
comparação da Europa e da America, alegando que as tradições da Europa e
a juventude da America não autorisam aproximações. Não, as tradições da
Europa são as tradições da America, e a idade da consciencia e da razão
de um e outro continente é a mesma; quem fundou as nações de além do
Atlantico foram europeus repassados do que as civilizações europeias
tinham de mais profundo. A diferença, onde a haja, depende apenas de
descriminarmos em que ramos da tradição, que muitos eram, se fundou a
civilização americana, e em que ramos da tradição se manteve a
civilização da Europa. E, feito isto, teriamos ainda, para tirar as
ilações praticas do confronto, de saber se foi a Europa ou a America que
se desenvolveu nos ramos sadios, qual dos dois continentes teve a
infeliz sorte de se aferrar aos ramos decrepitos, invadidos de toda a
casta de musgos e liquenes, continuamente sujeitos a inumeraveis doenças
parasitarias.

Em todo o caso, para os de mais desdenhosa ufania da civilização
europeia, imaginando a America demasiado moça ainda para muito poder
sentir e pensar, para quem apenas tenha observado na America a torrente
do seu mercantilismo e a julgue destituida da alta espiritualidade que é
o nosso brazão, convém notar que os livros de Tolstoi se vendem aos
milhões nos Estados-Unidos da America, e os de Ruskin «são lidos mais
largamente na America do que na Inglaterra.»[4] A mais alta elevação da
alma de que a Europa foi capaz no século XIX e que esta personificou
esplendidamente em seus profetas, é comum na sua disseminação e
influencia ás praias de aquem e de além-mar, porventura mais querida na
terra virgem do que no chão exausto. E quem hoje reler _A Americanisação
do Mundo_, do extraordinario jornalista que foi W. T. Stead, irá
encontrar ensejos de aplauso e de admiração de uma larga previdencia,
nas mesmas paginas por onde ha alguns anos passou os olhos estimulado
apenas pela curiosidade de conhecer os sonhos e devaneios dos
publicistas. Na bagagem militar dos Estados-Unidos da America que os
seus navios desembarcam na Europa, vem envolvida uma outra e muito
volumosa bagagem politica e moral. Tenhamos isso como inevitavel e feito
em grande parte. Não se amiudaram os momentos em que as palavras do
presidente Wilson teem sido o texto da politica dos Aliados e nelas
juraram os estadistas encanecidos do velho mundo?!...

Destas divagações do espirito em busca de melhores dias, uma cousa se
salva, porém, intacta--a condenação da violencia como processo politico.
Em toda a hipotese chegamos á certeza--e essa certeza constituirá um
poder politico de suprema importancia--de que para a prosperidade dos
estados e das nações valerá sempre mais organisar do que armar; mais se
fortalecem as nações pelo desenvolvimento e coordenação das suas
relações internas e externas do que pela invulnerabilidade
restrictamente militar. Nas nações como nos individuos, a saude
politica, como a saude fisiologica, será mais um facto de equilibrio e
ponderação das suas energias do que o desenvolvimento sumo de qualquer
delas, seja qual fôr, força militar ou capacidade muscular. Se os
Estados Unidos da America não nos facultassem elementos decisivos nessa
demonstração, bastaria para nos induzir em semelhantes conclusões o
confronto da soberba e prolongada expansão pacifica da Alemanha antes da
guerra com os destroços de varia especie, economica e moral, acumulados
pela cegueira da sua febre guerreira, desde o dia em que se julgou capaz
de manter e acrescentar a grandeza por efeito e graça da violencia
militar. O seu imperio e prestigio, cujo alargamento participava da
natureza dos prodigios do engenho humano, dissipou-se em uma extensão
incalculavel na hora em que, desprendendo-se de toda a simpatia pelos
povos que a acolhiam em termos de fraternidade, preferiu a arrogancia da
força á insinuação do amor, ou mesmo ao simples comercio das comodidades
mutuas. Na hora em que a Alemanha ateiou o incendio infernal que
prostrou a terra e os nossos corações na desolação, nessa hora brilhou
com um novo e imperecivel esplendor e que o fogo não queima; nessa hora
nos convencemos, subjugados pela dôr e esclarecidos pela experiencia,
que a essencia da vida das nações, o que torna os seus povos eleitos ou
condenados, dignos ou infames, felizes ou desgraçados, ou até mesmo
ricos ou pobres, é a sua alma, a sua aspiração, a sua fé e a sua crença,
o seu caracter moral e religioso, perante o qual o saber e a força são
unicamente uma ilusão e uma insidia, uma traição tarde ou cedo destinada
a conduzi-los á vergonha e á miseria, se um instinto salvador não lhes
ensinou a disciplinar e conter esse saber e essa força na obediencia a
uma aspiração superior.

A fortuna dos povos é em ultima analise questão moral, questão de
psicologia, traducção do idealismo de cada um e de cada epoca, acidente
positivo de uma alma.

Um publicista eminente da Inglaterra, professor da Universidade de
Londres, o sr. L. T. Hobhouse, examinando as causas da guerra e as suas
consequencias, assim como as possibilidades e probabilidades de uma paz
imediata e duradoura, acentuou este aspecto essencial de derivação
psicologica da fortuna das nações em dois livros[5], que, a meu vêr, são
das lições mais lucidas e serenas que o tremendo conflicto provocou.

Segundo o seu pensar e dizer, a culpa da calamidade que pagamos caro,
com rios de sangue, e da qual as gerações futuras terão de resgatar por
meio de incalculaveis e prolongados sacrificios as nações modificadas e
de todo empobrecidas, não foi o Kaiser nem a diplomacia, modestos
colaboradores e interpretes de sinistros desvairamentos. A guerra
proveio das tendencias e desordens da psicologia dos povos; as
cogitações da filosofia e as inquietações morais e politicas
correlativas que precederam a catastrofe e se amiudaram durante largo
tempo antes da guerra, traziam claramente no ventre as convulsões em que
haviam de rematar. Durante estes ultimos doze anos, imediatamente antes
de 1914, juntaram-se e cresceram na Europa os elementos de desgraça--«um
grupo de estados inflamados pela consciencia da sua nacionalidade,
avidos de grandes presas, descontentes com cada distribuição,
emancipados de todo o senso do direito pelos seus novos guias
espirituais, endoutrinados em todos os sistemas eticos da violencia,
prontos a sujeitar-se á disciplina e ás fadigas por amor de esmagar os
outros, e, se a confiança agressiva abrandava, sustentados na sua
propensão pelo medo dos rivais que eles despresavam e todavia
provocavam. Esta foi a dilatada condição de combate moral que vimos
tomar corpo em sua traducção fisica, nos factos.»

Aqueles que ha trinta anos saíram das escolas impregnados de
naturalismos, lutas pela vida e ambições e processos politicos
consequentes, sabem perfeitamente a que especie de direitos e deveres
essa sciencia e essa moral conduziam, e o que logicamente preparavam á
Europa, quando das bibliotecas e dos compendios universitarios, todos
revestidos da dignidade do amor á verdade, passassem a ser trocadas em
moeda corrente na pratica da vida publica e do comportamento individual,
em toda a escala das relações com o proximo, ou o proximo fosse uma
nação de alguns milhões de habitantes, ou um simples mendigo que se nos
atravessasse na estrada e despedissemos por _vencido_ e _inferior_, ou
um mercador que nos acotovelasse no caes da alfandega e atropelassemos
para dar a precedencia ao nosso fardo. A sciencia e a filosofia,
legitimando toda a casta de soberba e avareza, acharam _natural_ a
brutalidade. Era o colapso absoluto da simpatia, do respeito, da
caridade e da justiça, de todos os velhos bordões, apoiados nos quais
tinhamos feito uma jornada honesta de mais de vinte e cinco séculos,
para fundarmos as criações singulares a que chamamos a familia, a nação
e a religião do amor dos homens.

Simplesmente, a sciencia e a filosofia, na rajada da invasão
materialista, esqueceram, porêm, que a arvore tinha raizes e que, por
muitos ramos que lhe partissem e queimassem, as raizes ficavam na terra,
e ao primeiro alento da primavera novos ramos iam crescer do tronco e
florir, em tudo semelhantes aos antigos. Esqueceram que as nações, como
a nossa alma, teem uma historia e instintos alimentados e avigorados no
correr dos tempos, e não haverá forças de raciocinio nem impetos de
destruição que os arranquem do seu temperamento; esqueceram que a nossa
civilização tem um caracter e esse caracter, residuo da fermentação de
uma longa vida, constante em sua essencia, é que afinal ha-de marcar-lhe
a linha de progresso atravez de todas as contingencias.

Mas não o esqueceu quem, desconfiando das indicações dos tubos de
laboratorio e de todas as estreitezas que muito vaidosamente chamamos
sciencia, procurou uma mais larga e exacta concepção da vida no exame da
consciencia e nos livros do passado, aí descobrindo as razões do
presente e as possibilidades e probabilidades do futuro. Para esse, o
passado assegura-lhe que «as civilizações não morrem por calamidades
externas, mas quando no intimo se lhes finou a alma. A civilização
romana caíu, não porque os invasores eram mais fortes, mas porque no seu
coração estava fraca.» «Antes disso, o genio do helenismo morrêra nas
longas guerras intestinas que paralisaram as cidades livres e lhes
arrancaram o coração daquela vida civica que era simultaneamente a fonte
de inspiração do poeta, do artista e do filosofo.» O que criou o
conflicto da Alemanha com as nações do Ocidente e com a Russia, foi uma
divergencia de alma, porventura um atrazo. «Na realidade, a Alemanha
pouco participou daquele novo impulso democratico, humanisante, que se
ergueu na Inglaterra do século XVII e ainda mais vivamente na França do
século XVIII. «Por differentes vezes e por diversos lados, desde a
Holanda do século XVI até á Bélgica de 1914, as nações da Europa
ocidental e os povos que delas vieram, contribuiram para este espirito
de liberdade, democracia e humanidade. Povos pequenos e grandes deles
tiveram a sua parte; pensadores, homens publicos e filantropistas para
aí deram o seu quinhão. Mas este espirito é a criação do Ocidente, e
foram elementos da sua escola que em maior ou menor gráu levedaram a
estrutura politica e social da Europa central e oriental.» «Tocam tambem
a estrutura da sociedade alemã, mas não se tem ponderado suficientemente
que o corpo principal do pensamento alemão se conservou alheio a este
movimento desde o começo do século XIX. Não foi assim ao principio:
Kant, o maior dos pensadores alemães, manteve uma inteira simpatia com o
humanitarismo do século XVII, e Fichte foi um idealista cujas lições
representavam uma força de peso a favor da liberdade na luta com
Napoleão. Mas, com o advento da filosofia hegeliana, o pensamento
academico na Alemanha associou-se, e cada vez mais, com os poderes
estabelecidos.» «O liberalismo que havia na Alemanha morreu em 1848. A
Alemanha fundou então uma cultura propriamente sua, baseada em uma noção
do estado e das suas exigencias, do individuo e dos seus direitos sobre
o resto do mundo, que a civilização ocidental repudiava.»

«Ora, olhando pelas nações do mundo, com excepção da Alemanha, não vemos
sinais alguns de quebra de fé naqueles principios. Pelo contrario, vemos
que as nações, uma a uma, atentam no facto de que são aqueles principios
que estão em risco. E, se assim é, não se trata de uma civilização
mortalmente enferma por falta de crença nos seus principios, por falta
de confiança em si, pelo pecado mortal de se atraiçoar.»[6]

De facto, nas trevas da catastrofe sentiu-se desde o começo o poder de
uma aspiração que vem de longe e não se engana no rumo; sentiu-se a
obediencia a um evangelho espiritual e moral, de que a politica com o
seu cortejo de ambições e degradações será apenas um turvado espelho, um
acidentado esforço de realisação, sujeito aos vaevens de toda a
traducção concreta dos sonhos de nossa alma, da de cada homem como da de
cada raça e da de cada momento da civilização, ora deformada e oprimida
por virtude dos seus combates, ora vitoriosa e prospera, mas afinal, em
derradeira sumula, invariavelmente progredindo e progressiva. Um alto e
profundo idealismo determina muito daquilo que, no primeiro movimento de
repulsão e de horror perante a guerra, nos poderá parecer sómente a
assolação de uma torrente de abjecções e vilanias.

Clutton Brock, cuja autoridade de pensador cresceu com as considerações
de elevado caracter moral que publicou sobre a guerra, incita o seu país
a fortalecer-se na disciplina de uma filosofia, de que o acha
desprovido.

Por esse motivo e com o fim de traçar os fundamentos essenciais dessa
renovação espiritual escreveu um opusculo[7], onde pretende que uma das
grandes vantagens da Alemanha na guerra foi encontrar-se robustecida
pela insinuação organica de uma filosofia que inteiramente lhe repassou
todas as actividades--uma filosofia má, pervertida, conduzindo ao crime
em vez de conduzir ao bem, mas, sem embargo, uma filosofia, a concepção
de um sistema das relações do mundo e dos homens, crente na sua justiça
e nobreza, e só por isso uma fonte incomparavel de energia, uma arma
formidavel de combate, senão a mais eficaz das armas de combate, aquela
sem a qual todas as demais são frouxas. E isso teria faltado aos
Aliados.

Os alemães «fizeram um estado que é um perigo para o mundo, porque o fim
desse estado é ruim; mas o estado da Inglaterra não tem um fim. Usaram
todas as suas virtudes com um fim material, e não viram que ele era
material; mas nós (os inglêses) deixamos as nossas virtudes ao acaso. Se
os alemães veem no seu país um absoluto falso, nós não temos absoluto
algum, nem verdadeiro nem falso. Ha gente, e não é só alemã, que crê que
a cultura alemã póde salvar o mundo e que por isso anseia por uma
vitoria alemã. Para ela, a cultura alemã é qualquer cousa positiva,
qualquer cousa na qual os homens se esqueceram de si por amor do estado,
e, procedendo assim, se erguem acima das suas forças naturais; e crêem
que os alemães podem ensinar-nos todo este segredo de abandono do
interesse meramente individual, de modo que todos nós faremos a nossa
obra tão sistematica e completamente como os alemães. Mas em nós não
encontram inteiramente nada de positivo, e parecemos-lhes combater
meramente pelos metodos do passado, da mão á boca, e com esses metodos.
Não teem razão, sem duvida; combatemos, pelo menos, contra um egotismo
que o mundo nunca suportará, seja qual fôr a limpeza que ele possa
trazer; porque com essa limpeza impõe a escravidão. Mas carecemos de
tornar bem claro ao nosso entendimento que combatemos por um abandono do
interesse puramente individual muito mais alto e completo do que o que
prepondera no espirito alemão. Os alemães põem o valor da Alemanha acima
de todas as cousas; mas nós, o que é que nós aprendemos a apreciar acima
de todas as cousas? Toda a nossa sociedade sofre da falta de valores, de
uma desvairada mundaneidade que nem sempre está contente comsigo. Este
descontentamento e este desvairamento envolve esperanças, mais
esperanças do que a intencional perversidade da Alemanha; mas nem o
descontamento nem o desvairamento são bons só por si, e não conduzirão
ao quer que seja, se nós não formos capazes de encontrar valores, e os
justos valores.»[8]

Na verdade, embora a afirmação categorica de que carecemos de uma
filosofia da vida se ache singularmente moderada onde o exame do
moralista reconheceu que «carecemos de tornar bem claro ao nosso
entendimento que combatemos por um abandono do interesse puramente
individual muito mais alto e completo do que o que prepondera no
espirito alemão», a acusação não será de admitir-se em toda a extensão.
As suas proprias palavras a combatem, confessando que a questão é de
clareza de entendimento e de consciencia, e não de escassez de causa
intima ou ausencia de uma filosofia fundamental.

Essa filosofia, que o critico quereria sentir na gente da sua patria, de
facto subsiste desde já e activamente. Trazemo-la no sangue, neste
sangue que é o legado de muitas gerações, e no qual se fundiram e
consubstanciaram, em uma tenacissisima aspiração, aquela liberdade que a
Grecia sonhou, a ordem que Roma fundou, e, coroação maravilhosa do
pensamento politico constituido pela antiguidade greco-romana, o
nacionalismo acalentado pela Renascença, movendo-se e medrando dentro
daquela catolicidade que uma vez nascida do poder e governo do imperio
romano viveu na igreja catolica, prevalecendo-se de um momento de
unidade religiosa, e hoje se prolonga nas aspirações do
internacionalismo, fundando na comunidade humanitaria o que algum tempo
foi resultado da unidade religiosa--sem muito querer persuadir-se,
diga-se de passagem, que, ou se fale em nome de Deus, ou em nome da
Humanidade, ou se invoque a Razão, ou nos inflamemos na Fé, a conclusão
moral é em toda a hipotese una e invariavel, e o racionalismo e o
cristianismo juntam-se na mesma concepção da ordem humana, nas mesmas
liberdades e responsabilidades, nas mesmas aspirações e deveres de
igualdade e amor.

De filosofia não carecemos, realmente. Temos enraizada no peito toda
aquela, e profundissima, que a tradição e a experiencia de muitos
séculos nos legaram. O que nos afasta da Alemanha não é a mingua de uma
razão intima, da mesma natureza daquela que a alenta e move; o que nos
afasta é apenas o grau de consciencia e a forma pratica correlativa em
que o mundo latino e o mundo germanico sentem essa razão e os termos em
que lhe obedecem. A Alemanha cultivou e definiu a sua filosofia,
aparentemente oposta de todo á nossa, em circunstancias apontadas por
Hobhouse nas passagens que acima traduzi, mas entretanto nós,
descuidadamente, sem nos esforçarmos por definir e sistematisar os
motivos do nosso esforço, fomos vivendo a nossa vida e seguimos por
instinto o nosso caminho, sem o errarmos, não obstante não preguntarmos
para onde iamos e porque. Ao fim, quando o conflicto nos iluminou
tragicamente a jornada, é que vimos onde estávamos e que especie de
filosofia nos tinha conduzido até ali. Claro está que mais seguros se
encontravam em seus baluartes os que com mais paciencia e metodo os
haviam edificado; mas nem por isso os nossos reductos deixaram de se
mostrar inexpugnaveis. Se o não fossem, se uma filosofia muito diversa
da que animou a Alemanha e lhe deu força e coesão não nos inspirasse, se
aspirações muito diferentes não nos arrebatassem, a guerra ter-se-hia
reduzido a uma marcha triunfal dos exercitos teutonicos, portadores de
um genero de civilização pelo qual todos os povos da terra estavam
suspirando, ansiosos por abdicarem das suas aspirações ingenitas no seio
do povo eleito. A invasão alemã teria sido uma benção recebida de
joelhos e com hinos de louvor; não significaria a violencia, para nos
libertarmos da qual sacrificamos vidas e bens, o melhor da nossa riqueza
e da nossa alegria, e comprometemos por largos anos a sorte dos que nos
vão suceder e nos hão-de herdar encargos tremendos.

Ainda mais. Não só traziamos no peito uma filosofia e lhe obedeciamos,
embora o prolongado habito de a seguir nos tivesse em grande parte
dispensado de lhe reconhecer e cultivar intencionalmente o poder, mas o
desenvolvimento dessa filosofia não deixou de se operar de continuo e
nos termos da sua essencia. E chegados ao momento de dar contas do
passado no presente, de revelar as ideias e paixões em que nos criamos e
mostrar pelos resultados ultimos a sua legitimidade, verifica-se que
temos sido fidelissimos servos dos principios da nossa civilização,
bastas vezes contrariados e oprimidos pela adversidade do destino mas
sempre renovados, e ressurgidos e maiores, pela constancia da nossa
crença.

Para compreendermos como atravez de todas as obscuridades e reacções de
uma fermentação mental e material prodigiosa houve um progresso, uma
logica, uma direcção e um adiantamento em uma linha invariavel, bastará
considerarmos esta lenta renovação psicologica que graduou em diferente
altura o valor militar e o valor do trabalho, por virtude da expansão
dos germens inoculados em a nossa organisação pelo pensamento
democratico tradicional. «Já aprendemos», disse W. J. Bryan, antigo
secretario de estado nos Estados-Unidos da America, «que é mais
vantajoso alargar a terra que possuimos, duplicando-lhe a producção, do
que acrescentar-lhe por conquista uma nova área. ... Ha mais inspiração
em uma vida nobre do que na morte heroica.» Entre tantas cousas que as
convulsões politicas e militares destruiram e arruinaram no correr dos
séculos, sempre cresceram aquelas que o fogo não queima, certa essencia
espiritual, a razão de ser e proceder das sociedades, que
inflexivelmente as encaminha, quer na paz, quer na guerra, ainda mesmo
quando a sua acção se ignora ou parece aniquilada para sempre.

Heroismos de hoje, todos constituidos pela força de servir e criar,
expressão ultima de uma actividade de amor e de uma compreensão da
virtude dos homens, lentamente elaborada dos germens da nossa
civilização, vão a eclipsar as glorias de ontem, inflamadas no impeto de
conquistar e no arrebatamento de esmagar e vencer, paixões do odio, por
vezes fecundas e grandes pela coragem e até pela isenção que
significaram, mas invariavelmente barbaras pela crueldade dos impulsos,
inseparavel da sua força intima. O trabalho que algum dia foi vileza e
escravidão e arrastou o carro dos capitães de armas em seus triunfos,
converteu-se agora em uma religião, e é ele que pouco a pouco vae
subjugando os capitães de armas ao serviço da sua defesa e culto.
Emquanto as balas cobriam de cadaveres as trincheiras de Verdun,
fumegavam as fabricas no seu labor sob a metralha, os arados sulcavam o
chão sem temor da morte que pairava sobre as leivas, e a consciencia
duvidava, sem saber a quem mais glorificar e engrandecer, se aos que
sucumbiam heroicamente nas batalhas da morte, se aos que, não menos
sagradamente, ofereciam o peito e o sangue nas batalhas da vida. Alguma
cousa sentimos, senão mudada, pelo menos crescida, por certo apenas
crescida, visto que nasceu comnosco, com a nossa civilização, em todos
os seus modos a encontramos vivaz e alargando-se, a dizer-nos que, «é
tão digno ser ferido ou morto trabalhando pela saude e bem-estar de uma
nação como combatendo por ela.»[9]

«A gloria militar só pode ser iniqua. Por cada heroi que ela regista,
quantos morrem desconhecidos, e todavia tão grandes que nem sequer
tiveram a ideia da gloria... O heroi maior é o que não conhece o seu
valor. Morre sem a si mesmo se conhecer, desconhecido dos homens, e a
terra absorve o seu corpo anonimo. Mas quanto é grande a grandeza de ser
humilde! O soldado mais humilde é o maior, aquele que se submeteu á
regra até á morte, sem imaginar que é notavel o que ele fez. Faz o que
tem de ser feito. Faz o seu oficio de soldado. A pura grandeza do homem
reduz-se sempre a bem fazer o seu oficio. O que é necessario, não é o
entusiasmo; é a consciencia profissional. O entusiasmo é apenas uma
desigualdade de temperamento.»

Os combates que o trabalho combateu em França durante a guerra, igualam,
onde não sobrepujam, toda a sua estupenda gloria militar. «Através da
morte, através do fogo, os trabalhadores consumam tenazmente a sua
tarefa. Este heroismo do trabalhador encerra uma grande esperança porque
a força eterna da nação reside no trabalho. A guerra não é mais do que
uma desordem momentanea. Sempre ha-de acabar pelo regresso ao trabalho.»
«O campo, o trigo, o moinho conteem uma invencibilidade que a guerra não
subjugará. Nem as ceifeiras tiveram medo dos obuses, nem o moleiro teve
medo de servir de alvo. Sob a violencia passageira, a terra prossegue na
sua eternidade, e vemos as mãos das ceifeiras ligarem as paveias com um
gesto que é sempre o mesmo desde o começo do mundo. Ha na humanidade
forças que a colera do homem nunca será capaz de prostrar, e é delas que
se alimenta. Que poder domina tudo aquilo? O soldado sabe vencer o
soldado. O trabalhador sabe vencer a morte.» «Ha um patriotismo
guerreiro que é sublime, porque afronta a morte. Todos devemos
inclinar-nos perante ele. Ha um patriotismo trabalhador que é ir para o
trabalho.»[10]

Esse patriotismo que combate imperturbavel os combates do trabalho e que
o critico comovido contemplou com orgulho na sua patria, esse foi e é
invulneravel a toda a injuria do fogo, e, sentindo-o crescer na nossa
alma e através da historia, sentindo-o avassalar-nos a consciencia,
ilumina-nos e alenta-nos a esperança de que, sendo a maior força e o
supremo padrão da gloria humana, só a esse está reservado todo o imperio
em que as nações e as raças viverão para melhores destinos. Isso que
permanece sob as cinzas, e não as cinzas que o vento leva, isso será o
sustento e a razão de ser da humanidade. É mais do que uma esperança; é
uma certeza e a mais vivificante das muitas que a guerra deixa erguidas
entre os seus destroços.

O scepticismo desdenhoso, mais propenso a lidar com a miseria, de que
faz seu lucro, do que a exaltar-se em visões que não lhe matam a sua
fome de prazeres caracteristicos, está pronto a advertir-nos de que
pouco importa que nos homens haja impulsos eternos de robustez, paz e
nobreza. Outros, e de baixeza, os combatem; nestes temos de confiar, e
destes havemos de nos socorrer, porque sempre os encontramos arrogantes
e muitas vezes os vimos dominar, e sempre lhes sentimos a crueldade
atroz. Esse scepticismo não desistirá de procurar convencer-nos de que
toda a aurora de justiça e amor conhecida dos homens, e muitas teem
sido, é invariavelmente entenebrecida por uma ruindade ingenita
indomavel que logo a confunde em uma noite cerrada. Não ha que esperar
paraisos da bondade humana; sempre existiu e nunca governou o mundo. É
isso o que o scepticismo nos assegura, tal qual como se nos dissesse que
não vale a pena semeiar a floresta nem crêr no seu crescer, porque
sempre houve tempestades e as tempestades derrubaram muitas arvores, e
sempre houve vermes e os vermes muitas outras corromperam, ás vezes das
mais frondosas e melhores.

Em socorro dos scepticos e da sua filosofia comoda, isentando de muita
obrigação, esforço e dever, viriam os homens praticos, esses de que
Cristo foi a negação, quando julgou pratico morrer na cruz para
ressurgir em espirito, no mais activo e criador espirito da humanidade.

Os homens praticos não se convencem com semelhante loucura, e esses
pretendem que o unico modo eficaz de salvar a humanidade é organisar a
sua vileza em vez de invocar a sua nobreza. Fazendo o inventario
comparado das guerras e das aspirações de paz, acharão que as guerras
teem prevalecido sobre as aspirações de paz e, porque assim aconteceu,
não poderá acontecer diferentemente. No seu obstinado entender, a guerra
para ser fecunda terá de preparar novas guerras, cogitando de continuo
na força futura dos exercitos e no seu poder. Tudo o mais é utopia.
_Homo hominis lupus._ A unica esperança de sustentação dos homens é
avigorar-lhes as queixadas, afiar-lhes os dentes e banir-lhes do peito a
piedade. Devorar e ser devorado será o ciclo infernal em que a politica
tem de penar. Amar e ser amado é ilusão contraria á natureza e, mais do
que perigosa, mortal.

Nem lhes abalará a firmeza o proprio testemunho da Historia que eles
invocam e que aliás demonstra o progressivo desenvolvimento da boa
vontade entre os povos e as nações, um declinar constante de aversões e
incompatibilidades, até mesmo entre aqueles que ainda ha pouco eram
inimigos e cruzavam armas. No fundo do desenvolvimento politico das
sociedades humanas ha um alargamento e fortalecimento constante das suas
faculdades de afeição, mas, como esse desenvolvimento é um facto de
evolução e conquista gradual e não uma revolução ou um fenomeno de
cataclismo, nunca poderá isentar-se totalmente de um remanescente de
barbaria e crueldade que só progressiva e lentamente decáe. E porque
esse remanescente persiste, o scepticismo, e a avareza, ambições, e até
mesmo certo heroismo, que todos são os seus acolitos, exaltam-se na
ilusão de que os homens não mudam; e por isso fazem da má vontade
reciproca entre os povos uma lei e um sistema politico e uma moral
publica. Mas, sem embargo, os factos frequentemente desrespeitam as suas
profecias tenebrosas. Quando terminaram as guerras napoleonicas, todo o
mundo imaginou que a paz era apenas uma tregua entre a Inglaterra e a
França; não tardaria a renovação dos combates entre estas duas nações.
Um dia, um homem publico eminente da Inglaterra repetia esses temores
diante do duque de Wellington, e o duque, respondendo-lhe, aconselhou
que «se mais tarde ou mais cedo tinham de entrar outra vez em combate,
fizessem por todos os meios que fosse o mais tarde possivel.» O proprio
guerreiro desejava a paz e suscitava uma politica conforme os seus
desejos; e o futuro deu-lhe razão. Guerra não tornou a haver entre a
França e a Inglaterra. Passados cem anos, encontramo-las aliadas. A
solução pacifica mostrou-se mais pratica do que a solução belicosa.

Entre a maior violencia das batalhas ouvirão agouros de paz aqueles que
os quizerem ouvir. Ao fim de dois anos de guerra entre a Inglaterra e a
Alemanha, na hora de suma inimizade, o professor Munsterberg, alemão de
uma alta autoridade, lembrava que a liberdade dos mares poderia ser
eficazmente assegurada por uma aliança da Inglaterra, da Alemanha e dos
Estados-Unidos da America. E a imprensa inglêsa, respondendo-lhe,
abstinha-se de dar opinião sobre a justiça e praticabilidade de
semelhante insinuação, advertindo apenas que as incompatibilidades
suscitadas pela guerra eram um obstaculo formal a essa solução--o que
equivale a dizer que, apagadas essas incompatibilidades, não será talvez
uma utopia o alvitre. Pelo visto, o obstaculo é apenas de natureza
moral, outro não ha de natureza politica ou economica. Não será de todo
ilegitimo pôr esperanças em hipotese tão ousada, sobretudo se nos
lembrarmos de quanto foi breve a inimizade entre a França e a
Inglaterra, e se cremos, com muita boa gente, que, se não houvesse esse
espinho da questão da Alsacia, talvez a Alemanha e a França fossem hoje
aliadas em vez de inimigas, apesar da guerra de 1870.

Depois, a fatalidade da propensão logica insistentemente pregunta porque
é que o internacionalismo, sendo um facto culminante do nosso tempo, não
ha-de estender-se á politica, ou melhor, como é que a politica ha-de
conservar-se alheia ao seu espirito e acção. Internacionalisou-se a
sciencia, a arte, a religião, o capital e o proprio comercio, apesar das
suas infinitas rivalidades; não se concebe que este impulso exclua a
politica. Pelo contrario, é sabido até que ponto o internacionalismo
penetrou nas oficinas, não são segredo nem pouca cousa as tendencias de
solidariedade que por lá se insinuaram e medram. Admitamos que da
oficina trasbordem e se espalhem nos campos, onde a sua disseminação tem
de ser lenta por virtude da inercia caracteristica do espirito rural,
sempre moroso em seus movimentos, cautelosamente conservador, mas nem
por isso menos tenaz nas inclinações. E mais não carecemos para sinal de
tempos novos, mais ou menos proximos, talvez mais proximos do que
remotos, se considerarmos a intensidade da actividade mental dos nossos
dias, a renovação da consciencia que ela importa, e a ordem social a que
essa nova consciencia conduz inevitavelmente.

O progresso, sendo como é unicamente fundado na fortaleza do espirito e
no seu desenvolvimento incessante, é indestructivel em sua constituição
e nos seus orgãos, em toda a amplitude da sua expressão e expansão. O
que nos dá a ilusão de retrocesso ou de irreductibilidade da barbaria,
são as desordens de funcção, não é uma lesão essencial organica, que não
existe; são as enfermidades acidentais, passadas as quais as sociedades
voltam a ser o que eram anteriormente ao acidente morbido--tal qual o
homem doente recuperando o equilibrio normal quando findou o delirio da
febre, reatando a vida no ponto em que a tinha no momento de ser
perturbada, naquela edade, estatura fisica e capacidade mental que lhe
eram proprias e caracteristicas. Nem porque adoeceu e se curou voltará o
velho a ser moço e o adolescente ressurgirá criança. Uma identidade
especifica se mantem com seus momentos de eclipse, ao fim vitoriosa de
qualquer opressão passageira que por acaso sofreu. E assim o entendeu um
esclarecido internacionalismo, pela voz dos seus chefes mais autorisados
insistindo em nos assegurar que não renunciou, nem tem razão para
renunciar, ás suas aspirações e esforços. Negando que a guerra o
houvesse enfraquecido, tira das responsabilidades que lhe exigem e dos
feitos que lhe atribuem a demonstração da sua força e vitalidade. As
acusações de falencia com que a diplomacia dos politicos de profissão
procura estigmatisa-lo e afasta-lo do caminho, no qual essa diplomacia
serve as cobiças dinasticas e capitalistas, seriam em ultima analise um
tributo á importancia que lhe assiste nas relações entre os povos e ao
alargamento e amplitude progressiva do seu poder. Confessando que o
nacionalismo agressivo teve um impeto de tresloucada ambição envolvendo
nas suas paixões o mundo inteiro, crê cada vez mais profundamente na
missão de paz que o zelo profetico dos seus mestres e o trabalho
paciente dos discipulos tem exercido nestes ultimos cincoenta anos com
tão religioso ardor como manifesta eficacia. As dificuldades que o
assaltavam e os transes por que passou no desvairamento momentaneo dos
seus apostolos e soldados, iludidos pela astucia dos que governam, não
lhe abalou o fundamental optimismo, proprio da fé com que prosegue nos
seus combates e vitorias.

Depois ainda, esta ultima guerra veio demonstrar com uma clareza
terminante que já não ha neutrais possiveis nos conflictos das
civilizações. Não se arrasaram fronteiras nem será possivel, e muito
menos necessario, arrasá-las, porque a natureza e a historia as ergueram
por longos séculos, senão para sempre; mas cresceu a intensidade de
transito através dessas fronteiras, e com ela cresceu a simpatia mutua e
a comunhão politica dos que nelas transitam. As relações dos povos
estreitaram-se de tal modo que, se uma calamidade flagelou uma nação,
todas as demais sofrem nos seus interesses e afeições. Ora por Deus, ora
por Satanaz, ora por amor do espirito, ora por ambição mundana, a terra
vai a converter-se em propriedade de um possuidor unico--o homem, um só
e não muitos, como no passado encontravamos e distinguiamos, sobretudo
quando os viamos em combate. E, se o possuidor é um só e a propriedade
se acha portanto indivisa, o conflicto é impossivel onde a unidade
organica se tornou essencial.

A propria insolvencia da guerra pelos feitos militares, que em mais de
trez anos de combates através de mil esforços, vitorias e derrotas não
foram capazes de dar solução ao conflicto e, pelo contrario,
demonstraram a sua inanidade como processo de solução dos antagonismos
em oposição violenta, isso que fez que se chegasse á conclusão de que as
nações teem força para fazer a guerra, mas não teem força para fazer a
paz, isso significa um golpe profundo na doutrina da confiança
militarista. Sobretudo a vitalidade dos interesses economicos mostrou-se
superior a toda a ruina por mera violencia. Por seu poder e relações não
tiveram força bastante para evitar a guerra, mas ficou de uma vez para
sempre certo que a economia das nações, fruto da paz, e da inteligencia
e dos afectos, não póde ser arrasada pela guerra. Essa economia subsiste
apesar da guerra e durante a sua propria acção; não ha exercitos que
possam com ela, e nem a dos aliados nem a dos imperios centrais
fraquejaram e deram sinais de se submergir nesta pavorosa catastrofe,
constituindo por essa maravilhosa resistencia uma prova formidavel do
caracter de ociosidade cruel de todas as guerras na fortuna dos povos,
que vivem de pão, não vivem de polvora. A arte de ser util emancipou-se
das supostas necessidades de violencia, que algum tempo a fascinaram. «A
violencia seduz porque nos dispensa de um esforço de reflexão, de um
trabalho de razão. Porque é necessario um esforço para desfazer um nó. É
mais facil cortá-lo.»[11] Mas desde que os homens e as sociedades
chegaram á idade da razão, não só a sua honra mas tambem os seus
interesses temporais os induzem a esperar da razão o que erradamente
pediam á violencia.

Debalde essa tendencia, de que resulta a unidade de aspiração dos povos
e o consequente declinar das guerras, tem até hoje procurado orgãos
adequados que lhe sirvam eficazmente as funcções. É certo. Preponderante
apenas em um mundo moral limitado, carece ainda da largueza de
disseminação que lhe ha-de assegurar a consistencia, embora essa
disseminação progressiva se mantenha na historia das sociedades cultas
com uma constancia manifesta. Muitos tratados e tribunais de arbitragem,
muitos compromissos de paz se reduziram a _pedacinhos de papel_, e logo
se inflamaram e arderam mal se ouviram clarins de guerra. Outros, porém,
se mostraram consistentes e rebeldes ao fogo em iguais circunstancias.
Tambem é certo.

Aqueles que se rasgaram ou arderam, foi porque, significando unicamente
uma esperança e uma tendencia, uma ambição e um fim, ainda não eram de
facto uma lei, embora escritos fossem. Uma lei, para o ser com força
executiva e real, carece de um estado de espirito em que se haja fundado
e estabelecido antes de se estampar e consignar na definição verbal e
nos contractos selados. Essa é a razão pela qual não se cumprem muitas
leis que já foram cumpridas, e ainda não se cumprem outras que já foram
apregoadas, e vigoram algumas que jámais foram traduzidas para o papel.
É que as leis, antes de o serem e para o serem, hão-de viver no mero
estado de aspiração do espirito; sómente são leis e prevalecem emquanto
as aspirações dos povos as querem e confirmam. Como poder de criar o
quer que seja nas sociedades e na consciencia dos homens, a lei escrita,
nacional ou internacional, é de um valor nimiamente hipotetico; a lei
será, muito mais do que isso ou muito diferentemente disso, uma
verificação e explicação daquilo que natural e expontaneamente se criou.
Quando vem antes da criação que pretendem representar, ou quando lhe
sobrevivem, as leis vergam, cedem e anulam-se ao mais leve movimento
contrario.

Ora, em materia de guerra entre os povos, as propensões pacificas, que
são aliás uma força manifesta e crescente, não vão tão adiantadas que
possam constituir-se em tribunais e sancionar-se em sentenças. Foi esta
antecipação do desenvolvimento de um principio e de uma alta realidade
que, mostrando-se o que na realidade era, revelando a fragilidade
propria de uma constituição incipiente, deu a muitos a ilusão de que
esse principio e essa realidade não existiam em absoluto e não eram uma
força em acção, e, porque acontecera que se mostraram incapazes de
afrontar as injurias de um momento adverso, jámais poderiam subsistir.

Quizemos talvez começar a casa pelos telhados, em vez de lhe dar
principio pelos alicerces. E, muito provavelmente, o radicalismo
socialista acerta quando, reconhecendo que o internacionalismo
organisado anteriormente á guerra foi impotente para a conter, explica o
desastre e confia no futuro, dizendo que, «emquanto os governos andarem
divorciados dos povos, emquanto eles forem autocracias e plutocracias,
emquanto os homens forem governados pela corrupção, pela violencia e
pelo engano, não haverá garantia real de que a paz, mesmo quando
nominalmente observada entre as nações, produza os frutos ou assegure as
liberdades da paz de Deus. Emquanto os povos não dirigirem a politica
dos governos, emquanto a democracia não for uma realidade, não haverá
paz permanente, externa ou domestica; e, quando esse dia chegar, pouca
necessidade haverá de uma força de policia internacional.»[12]

Se assim é, e a observação dos factos decorridos nestes ultimos anos de
profundissimas convulsões sociais e progressiva consciencia das suas
origens e remedios de todo confirma a esperança dos apostolos da
renovação politica do mundo, se assim é, não podem vir longe os tempos
de paz.

Porque a vitoria da democracia, ainda que na revolução da Russia não se
houvesse mostrado triunfante ou não fosse carregação inevitavel dos
navios vindos dos Estados-Unidos da America, republicanos e livres
pensadores, afeitos incorrigivelmente á liberdade politica e religiosa,
e naturalmente propensos a comunica-la aos povos aos quais se unirem por
amizade, a vitoria da democracia tornou-se a sumula deste terramoto que
foi a guerra de 1914. Obedecendo a impulsos politicos originarios da
civilisação, mantidos e medrados em uma evolução muitas vezes secular,
grande legado das cogitações filosoficas do século XVIII e da
abundantissima experiencia do século XIX, a democracia é da essencia
constituicional do latinismo e de quanto ele de perto ou de longe criou
ou tocou, sem distincção de gentes ou de latitude para onde se
transportasse. Diferentemente se organisará conforme as necessidades e
tradições e acidentes da existencia dos povos sobre os quais impera;
poderá ser aqui um sistema de fragmentação comunista, acolá a
constituição de centralisações colossais, e além o livre jogo do
individualismo; poderá ser na estrutura e na hierarquia das funcções uma
monarquia, ou uma republica, ou um imperio, uma arregimentação despotica
das plebes ou a associação livre das actividades sociaes. Mas em todo o
mundo se tornou a tendencia irrefragavel e invencivel da constituição
dos governos para servir os povos e a recusa indomavel da subjugação dos
povos para servir os governos. No espirito das comunidades decaiu a
ideia de serem possuidas e a obediencia correlativa, e a essa ideia
sobrepoz-se, vencendo-a e condemnando-a, o pensamento de possuirmos a
terra em comum e em comum obedecermos, não áqueles a quem a fortuna ou a
audacia deu a força de mandar, mas sómente áqueles a quem a consciencia
deu o talento e a obrigação de ser util e de proceder isentos de
interesse proprio, em beneficio do proximo. Uma democracia, aquela
democracia que persiste, cresce e ha mais de vinte séculos ressurge de
cada revez mais poderosa do que era antecedentemente, «não é uma mera
forma de governo. Não depende de urnas ou de leis de sufragio popular ou
de qualquer maquinismo. Isso é apenas o seu adorno. A democracia é um
espirito e uma atmosfera, e a sua essencia é a confiança nos instintos
morais do povo. Um tirano não é um democrata, porque crê no governo pela
força; como não é democrata o demagogo porque crê no governo pela
lisonja. Um país democratico é um país onde o governo tem confiança no
povo e o povo tem confiança no governo e em si, e onde todos se unem na
fé de que a causa do seu país não é materia apenas de interesse
individual ou nacional, mas está de harmonia com as grandes forças
morais que governam os destinos do genero humano.»[13]

Essas forças morais que governam a humanidade, não as queima o fogo. E
essas são as que hão-de fazer a paz, a presente como a futura, e a
futura mais robusta do que a presente.

Uma noite, em uma igreja, ficaram alguns soldados de sentinela a guardar
a urna de uma eleição politica.

Havia no altar mór dois anjos magnificos, empunhando tocheiros, e a sua
grandeza e resplendor dominavam o templo.

Para encurtar o enfado da vigilia, os soldados vestiram de guerreiros os
anjos. Poseram-lhes aos hombros o capote e a mochila, cingiram-lhes as
correias, ocultaram-lhes os cabelos no capacete e trocaram os tocheiros
por carabinas. Ao fim, alguem deu a voz de «sentido», militarmente, e a
companhia perfilou-se em continencia.

Havia alguma cousa de escarneo sinisiro no gracejo. Era um templo
transmudado em caserna, a dureza expulsando a graça e a crueldade
banindo a piedade.

Mas, quando amanheceu, o sonho de Satanaz havia passado, e os anjos,
recuperando a liberdade das suas azas, de novo se ergueram áquela gloria
que o menospreso desconhecera e ocultára sem poder destrui-la, porque
era de sua condição indestructivel. Até sob o manto da injuria
persistira.

Não é diferente desta a historia da humanidade--desta humanidade á qual
todas as nações pertencem e que os tempos mostraram susceptivel de
nobreza, de fé e de amor, de quanto constitue a gloria dos anjos. Póde
um impulso impio perverte-la e tranfigura-la por um momento. Muitas
vezes o tem feito e não poucas terá ainda, por certo, de o repetir. Mas
a manhã sempre volta, porque o mover dos astros não cessou e, quando
volta, logo fulge a gloria dos anjos. Nunca o fogo a queimou.



Valores restaurados



Renascimento da educação classica


I

«Em breves anos, veremos renascidos e florescentes a educação e o ensino
classicos. Não tenhamos duvidas. Os sinais de resurreição são
manifestos, a germinação da nova ideia vigorosa; e nestes tempos em que
toda a transformação é rapida e a circulação do pensamento tão activa
como a propagação da electricidade, manda a experiencia e a lógica
contar em curto prazo com uma profunda reforma dos programas escolares,
subordinada á nova aspiração, orientando-se em rumo diverso daquele
estreitamente positivo e scientifico em que com tanta incerteza e
naufragio navegamos ha uns bons vinte e cinco anos. As humanidades e a
cultura classica retomam seu logar e imperio. O clamor é geral. Será
ouvido dos que o podem converter em uma força activa eficaz.

«Tem todos os modos de reclamação de verdade, justiça e necessidade
pratica. Não pode encontrar resistencia que prevaleça sobre elementos de
tamanha força e duma tal natureza.

«As sociedades teem destas crises que, uma vez lançadas, logo se lhes
presente a solução e os triunfos.

«E a crise presente do ensino é dêsse género.

«Não é uma novidade, realmente. Não é uma aventura de ensaios e
tentativas para inventar homens novos, de novas aptidões e estranhas
tendencias psicológicas.

«É no fundo o desengano de uma aventura, empreendida com muito boas
esperanças e rematada com muita desilusão, é a reposição das coisas do
espirito e da ordem da vida concreta naquelas condições em que durante
séculos se haviam mantido e prosperado.

«Ha cerca de vinte e cinco anos disseminou-se na Europa, na America, e
por todo o mundo culto uma verdadeira mania de _realidades_, coisas
_praticas_, _utilidades_, vaga e implicita negação de outras coisas,
aéreas em semelhantes conceitos, com que os homens se haviam preocupado
até então. E essas coisas não praticas, isso que se chamava beleza,
ordem, justiça, aspirações do puro espirito, passou então á categoria de
inutilidades, toleradas apenas como enfado e desfastio, adorno e deleite
de curiosos e ociosos diletantismos.

«O ensino amoldou-se a essa preocupação. Pôr uma engrenagem onde estava
uma ideia, uma ideia aritmetica onde havia um silogismo, uma fabrica
onde estava uma estátua, e um apito de vapor onde se ouvia um canto de
poeta, tornou-se imediatamente a quinta essencia da sabedoria das nações
e dos seus estadistas, e o sonho de perfeição e grandeza dos pedagogos
progressistas e progressivos, dos que iam na frente e se propunham ir
muitissimo mais longe.

«O ensino classico pareceu então uma abominavel e esteril velharia;
dessorava o cérebro, atrofiava os musculos, tinha por vezes um cheiro
detestavel a côrte e sacristia. As famosas humanidades trocaram-se de
bom grado por abundantes animalidades. No homem considerou-se quasi
unicamente o animal e no mundo viu-se muito restritamente um processo de
multiplicação de comodidades.

«Para isso se teriam criado a terra e as sociedades. Tudo o mais seria,
na classificação mais benigna, pelo menos antiquado.

«Que olhassemos para a Alemanha, prégava-se. Lá é que se sabia. As suas
vitórias e prosperidades eram uma questão de escola, e de sciencia,
dessas muito faladas e desejadas e louvadas coisas práticas. Era o
mestre escola que tinha vencido em Sadowa. O germanismo e as suas
glórias teriam sido apenas questão de laboratorios, retortas, lentes,
microscopios, raizes quadradas e taboas de logaritmos.

«Sciencia, muita sciencia, sempre sciencia. Estava aí o elixir da vida,
a fortuna das nações e a felicidade dos homens. Latim, grego,
Aristofanes e Cicero e Tito Livio respeitaveis massadores que tomavam o
tempo á rapaziada e não lhes deixavam lucro que valesse um real. Abaixo
as inutilidades. Passassem aos museus respectivos.

«Lá encontrariam conservadores habilitados que as guardassem no logar
que lhes competia, para recreio de eruditos. Para o comum dos mortais
não tinham nada de aproveitavel.

«Assim fomos andando, nesta fé, de reforma em reforma, a dar ar e luz
aos nossos institutos e liceus, sempre á espera de vermos sair de lá os
atletas que haviam de renovar as nações. Mas os atletas tardavam. Em seu
logar, apareciam mesmo muitos enfermos. Começamos a desconfiar de que a
sciencia não dava o que prometia, e a suspeitar de que tinhamos errado
na escolha, passando ao deposito das inutilidades um arsenal de belas
armas.

«Coisa curiosa! A primeira vez que ha dois ou tres anos encontrei um
escrito moderno atacando abertamente os abusos do ensino chamado
scientifico e o abandono das letras classicas e das antigas humanidades,
foi em um jornal socialista radical. Os que vão na frente do movimento
politico, os que reclamam e exigem mais profundas reformas, as pedem em
nome da justiça, e pelo seu radicalismo bota-abaixo pareceriam os mais
propensos a banir todas as velharias das sociedades contemporaneas e
futuras, seriam esses os primeiros a advogar a restauração de processos
e intuitos da educação e ensino, postos de parte e condenados por
empecilhos do progresso.

«A educação classica refugiando-se nas fortalezas do socialismo radical,
que se poderia muito logicamente supôr todo impregnado de radicalismos
scientificos, era fenómeno para estranhar; e, na minha ignorancia e
despreocupação, de facto estranhei, no primeiro momento.

«Mas em poucas linhas me desvanecia a confusão aquele artigo que acabava
de lêr.

«O quê?! dizia. As humanidades eram más? Onde se formaram os homens da
Revolução Francêsa? Onde aprenderam os principios de liberdade,
igualdade e justiça que proclamaram e por que se sacrificaram até ao
martirio, para nolos transmitir triunfantes e para nos remir de aviltada
condição?

«Donde brotou e onde firmava as suas raizes essa seara unica da
literatura romantica?

«Não, as humanidades não eram más. Eram excelentes e suficientes. Os
homens que nos deram foram bons, entre os melhores de que fala a
historia, e nem outros de superior grandeza podemos desejar e sonhar.

«O discurso convencia-me. Desde o momento em que os homens se criam para
os homens, os conhecimentos essenciais do seu espirito e os modos mais
nobres do seu caracter hão-de ser humanidades. Preferir-lhes
animalidades, reduzir o homem a um vulgar organismo sem diferença
fundamental dos seus semelhantes nas espécies animais, ou mais
simplesmente ainda passa-lo á categoria mecanica de motor e alavancas
conjugadas, destinado a diversas operações de produção e consumo, era
uma degradação. Evidentemente, tornava-se necessario ser homem antes de
ser bicho ou maquina. Dependia disso a dignidade. Sempre assim se havia
entendido.

«Depois, o ensino classico, se era classico, de sua natureza era
essencial, partindo do principio que por classico se entende aquilo que
em sucessivos séculos e sucessivas gerações se reputou invariavelmente
bom ou belo. Abandonar o que de certeza assim era, para o trocar por
vantagens incertas, teria sido insensatez.

«A mais passageira reflexão não poderia deixar de concluir pelo
predominio do ensino classico. Admitiria que se acrescentasse. Que se
eliminasse ou reduzisse, nunca.

«De que todavia agora se trata e o que provoca a campanha incipiente,
não é de apreciações abstractas, é dos desenganos da experiencia.

«Não sou tão moço que não tivesse conhecido os homens educados puramente
nas escolas classicas da primeira metade do século XIX. Conheci até
alguns desses professores de latim espalhados a capricho pelo país,
regendo cadeiras singulares dessa disciplina, ás quais as vilas, que as
possuiam, atribuiam orgulhosamente o valor duma universidade. Ali se
aprendia tudo, imaginavam; e quem de lá saia com louvor do mestre,
tinha-se na conta de homem instruido e culto.

«Entre os meus proximos parentes os encontrei. Meu pai não teve outra
escola nem outra educação literaria. Aprendeu o latim com o professor da
vila em que nasceu, e com essa reduzida bagagem escolar foi para o
Brazil, aos dezoito anos. Se mais tarde estudou a lingua francêsa e
modernismos correlativos, de que careceu para se pôr a par do seu tempo,
nunca lhes criou tanto amor que, quando entrou em maré de comprar
livros, deixasse de se fazer forte em classicos portugueses, e dos
modernos apreciasse sobretudo aqueles que de classicos tinham carregadas
tintas.

«Conheci muitos dos seus amigos e companheiros, camaradas da escola e
outros de educação identica, que todos conservavam vivas as tendencias
que na mocidade haviam tomado.

«Possuo mesmo muitas cartas de discipulos dessas escolas, e
incidentemente tenho tido ensejo de apreciar as ideias que revelam e os
caracteres que traduzem.

«Sem matematicas e sem quimicas e fisicas e mais ferramenta dos apuros
scientificos modernos, não descubro em que pontos e por que lados os
antigos eram inferiores aos modernos como homens praticos, como
conhecedores das coisas da terra e seus administradores, como capacidade
de reger os homens e lhes tratar os bens.

«Foram esses, os classicos, os discipulos das humanidades tão
desprezadas pelos seus filhos, que iniciaram a renovação economica da
Europa (e por sinal que com muita coisa excelente iniciaram muita coisa
tragica); foram eles que organizaram a fábrica e traçaram a via férrea,
que deificaram a maquina a vapor e os teares mecanicos, e tudo isso
fizeram não só com uma percepção clarissima dos fins e meios e
consequencias, mas com uma fé e um entusiasmo que a prodigalidade de
invenções e as maravilhas da industria da nossa era jámais encontraram
em igual grau entre os contemporaneos. Não tiveram nem sombra de
educação scientifica; nas suas escolas, as declinações dos verbos e
nomes tinham uma importancia suprema sobre as quatro operações
aritmeticas. Não foi isso, porêm, impedimento a que calculassem com
precisão e justeza, quando isso se lhes tornou necessario. Meu pai,
latinista apaixonado e aferindo todos os valores literarios pelo
classicismo, não deixou por essa qualidade de ser um comerciante
previdente, habil e seguro e um belo administrador das instituições
economicas em que serviu. Deu boas provas disso. Pois em matéria de
literatura dessa especialidade não cansou a vista, quando aliás muito
costumava lêr. No seu espolio, entre algumas centenas de volumes,
sómente um peregrino «codigo comercial», ali perdido, lembrava o
comerciante.

«É que a gente do seu tempo tinha uma concepção muito diferente das
necessidades da vida pratica. Julgava-a muito mais acessivel do que hoje
a julgamos; parecia-lhe que era questão de simples bom senso, a que todo
o homem medianamente educado póde chegar, e muita ferramenta e metralha
que nós supomos apuradissima sciencia, deixava-a puramente a cargo da
oficina. Guardava-se para aproveitar ou desprezar os inventos que as
oficinas lhe ofereciam, segundo as relações de conveniencia ou
inconveniencia que lhes encontrasse com os muitos e variadissimos
elementos sociais que iam tocar.

«Para êste ultimo papel se destinava. E, como êle era uma coisa
essencialmente humana, como a humanidade era o ponto ultimo de
referencia de todos os progressos e invenções, o ensino das humanidades
lhe bastava, o conhecimento do passado dos homens a inspirava, sempre
confiando em que o melhor mestre da vida era a experiencia e da
experiencia rezavam abundantissimamente os alfarrabios gregos e latinos.

«Não direi que a gente saída das escolas classicas pensasse isto tão
nitidamente, como hoje se nos apresenta. Mas sentia-o e punha-o em
pratica, o que foi sem dúvida muito melhor e mais útil. Da sua utilidade
colhemos nós os frutos, nós que, cheios de prosapia, emendamos,
corrigimos e em grande parte abandonamos por supérfluo o ensino dos
nossos pais--esse mesmo ensino que foi tanto ou tão pouco mesquinho,
estreito e infecundo que deu de si uma transformação politica como a
Revolução Francêsa, uma revolução literaria como o romantismo, e uma
revolução industrial como a fábrica moderna.

«O que todos nós poderemos verificar passando os olhos pela
correspondencia vulgar dos homens daqueles tempos e daquelas escolas, é
o primor de linguagem. Qualquer morgado das selvas mandava um recado ao
feitor em termos mais concisos, mais claros e mais belos do que aqueles
que hoje usa muitas vezes um professor dirigindo-se ao reitor da sua
universidade. Os documentos oficiais, a correspondencia entre as
autoridades e a exposição de suas narrações e reflexões são pedra
talhada e polida, duma finura de arestas em que não ha linha tremida ou
apagada; as ambiguidades, as confusões, os pleonasmos, a arrastada
negligencia de quem não sabe ao certo o que diz, eram provavelmente
pecados tão graves que um fino instinto adquirido no correr dos séculos
os evitara sem mais esforço. Escrevia-se bem; escrevia-se com clareza.

«Adivinha-se a resposta da «sciencia». Virá clamar que o importante é
saber, não é dizer. Cheira-lhe a rapé, a alfazema, a côrte e a convento
esse cuidado na expressão. Aborrece-o por artificial, pretencioso e vão.
Mas outros pretenderão que, se o bem pensar deve preceder o bem dizer,
nem por isso deixa de ser certo que para bem dizer é necessario pensar
bem, e emquanto apuramos a linguagem e procuramos os melhores termos e a
melhor ordem, submetemos o pensamento a um minucioso exame, de caminho o
corrigimos, acabando bastas vezes por lhe descobrir erros e faltas de
logica que afinal o alteram profundamente e subvertem.

«Por mais que o modernismo scientifico me pregue e fale das suas
glórias, eu sempre me sentirei envergonhado das minhas desordenadas
prosas perante o falar correntio e limpido dêsses velhotes fradêscos que
em duas linhas sabiam dizer o que queriam dizer e por nenhuma outra
forma se podia traduzir mais lucidamente. E verificado o milagre e
desejando repeti-lo, e convencido dos seus beneficios, não sei que haja
modo de o reproduzir sem beber das mesmas aguas que o criaram.

«Sómente me palpita que, por muito que nos apressemos na jornada, quando
chegarmos á fonte já lá encontramos uma multidão. Tudo o anuncia.
Felizes os que forem na frente.»


II

Isto escrevi ha seis anos[14], e, se agora tenho a indiscrição de o
desenterrar, não é para fazer registo, em meu beneficio, de
antecipações, mas sómente para lembrar como vinha de longe aquela
corrente de reacção contra o desvario do ensino meramente scientifico,
da qual nas minhas breves tarefas de jornalista fui um passageiro e
modestissimo interprete. Quanto então dizia não era meu; era do tempo.
Hoje o encontramos no seu natural desenvolvimento, esclarecido e animado
por uma experiencia terrivel, envolvido e singularmente revelado no
conflicto das nações armadas e em guerra sangrenta, representando a
Alemanha, pelos acasos da sua sorte, um gráu maravilhoso de cultura e
organisação scientifica, significando a França, com os povos que lhe
estão aliados, aquela velha cultura classica que foi tida por
insuficiente e ineficaz para realisar as aspirações modernas da
civilização, e resultando da oposição destas duas correntes a
necessidade de escolha e reforma dos principios fundamentais da
educação.

Um artigo magnifico, publicado no _Times_ em fevereiro de 1917 e
assinado por _Um oficial ferido_, põe em termos de perfeita clareza, que
convém registar, esta dualidade em conflicto.

São desse artigo estes periodos que vou transcrever:

«A guerra pôs em evidencia certas alternativas espirituais; tornou-as
inteligiveis encorporando-as em personalidade. Fez que muitos mil
homens, inteiramente isentos de odio contra a Alemanha, preguntem:--O
que é que na atitude alemã perante a vida ha que no-la torna
intoleravel? Porque é que nós sentimos que a causa da França e da
Inglaterra é a causa da humanidade?

«Isto preguntam, e, se são francêses ou inglêses, (latinos ou
latinisados, diremos nós), respondem que o que é intoleravel na
Alemanha, o que pretere as multiplices excelencias do seu saber e
espirito publico, é que ha nela qualquer cousa que grava sinais de morte
naquilo que ela toca; qualquer cousa que é a antitese da
individualidade, das aspirações pessoais e esforço e sacrificio
espontaneo; um espirito que organisa os homens mas não os inspira, que
os cultiva mas não os ama, que faz um estado poderoso mas não faz uma
democracia nem uma igreja, e que, emquanto os pecados caracteristicos da
França e da Inglaterra são os dos homens, fraqueza, paixão e leviandade,
os pecados caracteristicos da Prussia, como ela é hoje, são os do
demonio, a arrogancia intelectual, a frieza do coração, e o desprezo
pelo que é digno de piedade e amor, e ridiculo em a natureza humana...
Temos de reconhecer que a luta real, de que esta guerra é apenas um
episodio, não é meramente entre o nosso país (a Inglaterra) e qualquer
cousa tão instavel e transitoria como a Alemanha moderna, mas entre as
exigencias permanentes e irreconciliaveis da alma dos homens, e que o
que tornou perigoso o espirito germanico é que ele não é alheio mas
horrivelmente identico ao de quase todo o mundo moderno. Porque o
espirito do imperialismo germanico é com demasiada frequencia o espirito
do industrialismo inglês e americano, com todo o seu culto do poder como
um fim só por si, com os seus padrões materiais grosseiros, a sua
subordinação da personalidade ao maquinismo, o seu culto de uma
organisação complicada e mortal para a alma; e o materialismo, que na
Prussia se revela na adoração do poder do estado, revela-se na
Inglaterra na adoração do poder do dinheiro.

«Não é mais nobre este ultimo, é mais ignobil, porque é menos
desinteressado que o primeiro. Não é tão violento, é mais maliciosamente
corrupto, e, pelo que respeita á massa do genero humano, quase
igualmente tiranico. Mas, ou tome a forma de violencia militar ou a de
cobiça mercantil, o espirito do materialismo é um só, e é um só tambem o
espirito que lhe resiste.»

«E, se nós sentimos que os direitos absolutos da personalidade, a
conservação e desenvolvimento da liberdade espiritual, são dignos de
sacrificio em tempo de guerra, igualmente sentiremos que são dignos de
sacrificio em tempo de paz. Ora a esfera em que os direitos da
personalidade mais claramente estão envolvidos, e onde o que os ameaça é
mais evidentemente obra de motivos materialistas, é a esfera da
educação.

«A educação oferece, todavia, uma especie de _experimentum crucis_, uma
conjuntura na qual se podem pôr em prova as causas pelas quais afirmamos
ter pegado em armas. Pois, por fim, os meritos de uma guerra teem de ser
julgados, não pela correspondencia diplomatica que a precedeu, não pelos
esforços que se empregam para a ganhar, mas pela especie de civilização
que dela deriva, pela habilidade do vencedor em estabelecer, não só
sobre o inimigo mas sobre si mesmo, a autoridade dos principios pelos
quais alega ter combatido.

«Se, como nós pretendemos, a causa da Inglaterra é a causa de todas as
mais altas possibilidades do espirito humano, então teremos de perpetuar
essa mesma causa em as nossas instituições sociais, cujo caracter
depende do caracter da educação que dermos aos nossos filhos e filhas.»

Uma calamidade sem nome obrigou-nos a preguntar á nossa consciencia para
que é que criamos os filhos. Da resposta que ela nos dér, esclarecida
pela mais cruel das experiencias, dependerão os fins e processos dessa
criação.

O que a experiencia nos diz, ao fim de quase meio seculo de educação
impetuosamente scientifica, é que a vida imporia mais pelo que pensamos
e sentimos, pelo repouso ou pela inquietação do nosso espirito, do que
pelo que dominamos, compreendemos e possuimos, pelo que a nossa acção
apreende e pelo que a nossa inteligencia alcança. É isto o que de todo
temos trazido esquecido, naquela sujeição dos homens ás cousas que foi a
paixão cega da educação scientifica moderna e da especie de cultura que
ela produziu; e foi por muito evidente se haver tornado esta
subalternisação dos valores morais perante as conquistas materiais que
M.me Montessori, com uma penetração profetica, muito antes que a guerra
o manifestasse pelas suas angustias, julgou que «o homem que tão
maravilhosamente transforma o seu ambiente e curva o universo á sua
vontade, não conseguiu transformar-se a si mesmo.»

Nem se imagine que este modo de vêr é o preconceito tradicional do
latino e seus derivados e afins, todos impregnados de aspirações de
nobreza e heroismo, facilmente trocando o dinheiro e toda a riqueza e a
propria existencia fisica pela dignidade do caracter e pela gloria. Além
do Reno, onde a força criou o seu imperio e o administrou e acrescentou
em menoscabo de qualquer cousa eterea que teve por sentimentalismo e
enfermidade, tambem o desengano encontrou os seus arautos. E Eucken, o
filosofo cuja elevação de espirito e profundeza de inteligencia são de
apreciar e respeitar em todo o mundo culto, sem embargo das paixões de
patriotismo que o possam perturbar, não nega a falencia da utopia
materialista. Discorrendo sobre _as experiencias da guerra e as
exigencias do futuro_, confessou que a guerra revelou um predominio
geral de egoismo, falsidade e cobiça entre todas as nações nela
interessadas, mais largamente disseminado do que até aqui se suspeitára.
Em seu conceito, a crença na bondade fundamental da humanidade recebeu
golpes profundos. A Alemanha orgulhava-se do seu trabalho, mas este
orgulho do trabalho, organisação e educação carecia talvez de cousas
fundamentais da vida que ele preteriu; em vez de cultivar essas cousas
mais profundas e imponderaveis, o alemão acrescentou ás ambições do
trabalho as cobiças do prazer. Os desejos do corpo tomaram o logar dos
desejos do espirito, e é essencial para uma nação a cultura do senso
responsavel dos valores morais, o desenvolvimento de um sentimento que a
habilite a distinguir entre o bem e o mal, entre o real e o ilusorio,
entre a verdade e a falsidade, entre a grandeza e a mesquinhez. «Não
hesitava em dizer que quanto mais cresceu a perfeição do trabalho, mais
pequena se tornou a alma... Um homem tem de ser julgado unicamente pelo
que de humanidade nele houver.» Quereria vêr a nação mais ardente no
apreço daqueles altos e grandes valores da alma, sem os quais nação
alguma póde ser verdadeiramente grande, sem os quais nação alguma pode
cumprir a sua missão no mundo.

O desprezo a que chegaram esses «altos e grandes valores da alma», que
são a medida da dignidade do homem, todos o sabemos e magoadamente o
sentimos nas relações quotidianas ordinarias. De facto, a experiencia da
guerra, embora de uma eloquencia suprema, era desnecessaria para
reconhecer a miseria moral a que haviamos baixado; no comercio moral das
sociedades ha muito se acumulavam os sinais de depressão. Visitassemos
nós um liceu ou uma universidade, preguntassemos pelas suas aspirações
aos rapazes que lá andassem, e este queria ser engenheiro, aquele queria
ser medico, aqueloutro advogado, e ainda alguem preferiria ser
comerciante, mas todos sonhavam proventos de muitos contos de reis e a
isso referiam o valor da carreira. Nem um só nos responderia que a sua
ambição era viver de pouco, honestamente, engrandecendo o espirito e
servindo o proximo. Nenhum se dedicaria a professar naquela «classe de
homens», de que Platão falou, onde disse que «é pequena, rara por sua
natureza e o produto de uma educação ideal aquela classe de homens que
voltam a face firmemente para a moderação, quando sentem uma necessidade
ou um desejo, que são sobrios quando teem ensejo de fazer uma larga
fortuna, que preferem os lucros moderados aos grandes.» Mais uma vez
podiamos dizer com o filosofo grego que «a massa do genero humano é
exactamente o contrario, desmedida nas suas necessidades e insaciavel no
desejo de arranjar dinheiro, quando tem ao seu alcance um proveito
moderado.» Muito poucos encontrariamos nas escolas, se alguns tinhamos
de achar, que estivessem inclinados a adoptar o preceito antigo que,
«para sermos ricos, queria não que acrescentassemos as riquezas mas que
diminuissemos as necessidades»; e muito menos tinhamos possibilidades de
descobrir quem estivesse disposto a considerar o desengano do Evangelho
e a preguntar «que utilidade ha para um ser humano em possuir o mundo
inteiro se perdeu a alma.» (S. Mateus, c. 16, v. 26). As riquezas da
terra constituiram-se em finalidade humana; não distinguindo mais o que
se deve aos bens do mundo e o que devemos ás pessoas, as pessoas
mudaram-se em instrumento da conquista dos bens do mundo, em vez de
serem morada da beleza divina e do seu culto. A educação toda se
enlevava no poder de servir a bolsa ou a vaidade, na arte eficaz de
captar as cousas ou de possuir as almas.

Não, não era a moderação platonica, nem a nobreza romana, nem o
desprendimento, o que iamos buscar ás escolas. As vitorias alemãs de
1870, corroborando impulsos de uma filosofia materialista florescente,
lançaram o mundo, a exemplo da Alemanha, na superstição ignominiosa e
aviltante da riqueza, da força e da cobiça.

Assistimos agora á demonstração tremenda da inanidade dessa ambição.
Vinha, porêm, de longe a desconfiança, e até a aversão, da cegueira da
brutalidade divinisada, metodica e intencionalmente aprendida e
cultivada. Desde o seu inicio, ainda quando ela imperava e crescia, de
tal modo agravava, não direi já a tradição humanitaria, mas sobretudo o
nosso modo de ser psicologico que, revendo a historia do seu nascimento
e progressos, enxameiam as lembranças da primeira hora, quando Mathew
Arnold--e basta para testemunho este agouro de um alto e sereno
espirito--escrevia, em 1871, que «o imperio alemão seria apenas um
despotismo doirado, politicamente fraco apesar do seu poder militar,
barbaro apesar das suas escolas e universidades.»

E vinha de longe a ameaça da preterição da civilização de qualidade pela
civilização de quantidade. Com que clareza pressentiu a calamidade esse
extraordinario espirito, que tanto engrandeceu o genio da França e que
teve neste mundo o nome de J. Joubert!

Em 1809, apreciando uma _Memoria sobre a Instrução Publica na Holanda_,
já ele afoitamente exprimia apreensões que hoje se tornaram caso julgado
por uma experiencia rematada em demonstrações dolorosissimamente
irrefragaveis. «Aquela boa gente» que havia escrito a _Memoria_, dizia
então esse notabilissimo pensador francês, «pensava que o fim da
educação literaria é e deve ser, não tornar o espirito mais belo, o
gosto mais puro, a percepção mais justa, a lingua mais adornada, a alma
mais delicada e a memoria mais feliz, mas sómente dar ao espirito «um
maior numero de aptidões para toda a especie de conhecimentos.» Choravam
o estado do seu país a este respeito: «Os estudos das matematicas, da
fisica, da historia natural andavam ali muito desprezados. Os
_auditorios_ em que estas sciencias se ensinavam, eram pouco
frequentados, mesmo quase desertos, em alguns logares. Disso coravam, e
«não é isso, diziam, «o que o estado actual das luzes e da sociedade
exige.» Para se porem pois de nivel com o estado actual das luzes e da
sociedade, grande cavalo de batalha daqueles que, não encontrando nunca
as suas razões no interior das cousas, porque têm o espirito pouco
penetrante, procuram-nas sempre externamente, porque emfim têm olhos,
desejariam eles que se ensinasse tudo á mocidade, mesmo á infancia, para
a tornar capaz de saber tudo.»[15]

O conflicto das diversas aspirações da educação, sentiam-no aproximar-se
os homens superiores de ha cem anos. O que seria esse desapego da beleza
do espirito e da delicadeza da alma, trocadas pela multiplicidade de
aptidões tecnicas e pela abundancia do conhecimento da exterioridade das
cousas, sabemo-lo nós agora. Despejadamente no-lo disse o prussianismo
cultivado com esmero e consciencia durante cincoenta anos e terminando
por dar ao mundo o espectaculo de todas as desolações de uma
brutalidade, no fundo da qual se distingue uma apostasia clamorosa e
contente na sua soberba, a negação altiva do helenismo e do cristianismo
que fundaram a civilização, foram o seu leite e são o seu sustento, a
sua substancia.

Em todo o acanhamento das minhas faculdades, mas em pleno vigor da
sensibilidade, eu, que não posso gabar-me de haver sido _educado_ no
latinismo, porque não é educação que se tome em conta a arrastada e
desordenada negligencia com que usamos passar pelas escolas, mas que fui
_nascido_ no latinismo, o que para a constituição psicologica sobrepuja
a educação, não escapei ás apreensões de M. Arnold relativamente ao
germanismo tumido de sciencia e tão minguado de humanidade. Em 1888,
algum demonio me seduzia quando, passando por Berlim, escrevi nas minhas
notas: «Sobre a cidade pesa um braço de ferro, a multidão abdicou nas
mãos de uma vontade; só ela a move. A graça e a elegancia, a vivacidade
e o riso foram banidos; o povo vai taciturno e lento.» «A Alemanha, que
Berlim nos mostra, afigura-se-me um elefante, a inteligencia e a força
em um corpo informe. Toda a sua alma cristalisou nesta aspiração--ser
forte, invencivel.» «Conseguiu ser forte. As doutrinas dos filosofos, de
mãos dadas com o genio militar, alcançaram emfim dar-lhe uma rara força.
Póde viver-se assim? É esta a ultima palavra da civilização, ou
simplesmente uma gloria efemera, saida da coincidencia das aptidões de
um povo com as necessidades do momento historico? A Revolução Francesa,
iniciando-nos no conhecimento dos direitos individuais, simultaneamente
deu aos estados constituições que conduzem á fraqueza e impotencia
politicas; a Alemanha mostrou-nos novas vias conduzindo ao pólo oposto.
Assim como só nós pudemos vêr os povos educados nas instituições
derivadas da Revolução, só os nossos filhos poderão saber o que é um
país educado na admiração da força. Todas as profecias serão prematuras,
embora vagamente pressintamos que a civilização é mais alguma cousa do
que a força.»

Isto preguntei e era de preguntar ha vinte e nove anos. Hoje, porêm,
toda a duvida cessou. Convencemos-nos de que a civilização tem de ser
mais alguma cousa do que a força, e de que, por maior força de remexer a
terra e dominar os seus elementos que ela atinja, negou a sua aspiração
e atraiçoou-a, se com a força não coincidiu o desenvolvimento moral do
homem e das sociedades, naquelas bases de amor, respeito, liberdade,
desprendimento e generosidade que o genio greco-latino concebeu e fundou
de uma vez para sempre. Guiados pelo passado e alvoroçados pelo
presente, logo sabemos, sem a menor duvida ou hesitação, onde e como
aquela aspiração de outrora rediviva ha-de realisar-se, por que meios
hão-de criar-se e educar-se os homens que a hão-de servir e manter em
corpo e acção.

Entre a educação classica e a aspiração da dignidade sobrelevando a pura
aspiração da força, ha uma relação intima e imediata. Aquele mesmo
Mathew Arnold que cedo nos acautelava contra a barbaria da Alemanha,
prevalecendo «apesar das suas escolas e universidades», esse,
distinguindo entre o estudo das letras, que «é o estudo da acção da
força humana, da actividade e da liberdade humana», e o estudo da
natureza, «que é o estudo das forças não-humanas, da restricção e da
passividade humana», julgou que «o fim e cargo da instrucção... é
habilitar o homem a _conhecer-se a si e ao mundo_.»

Imagino mesmo que só isto a que vagamente chamamos letras, e que afinal
compreende toda a filosofia e toda a moral e estetica, imagino que só
isto demandará cultura e é rigorosamente objecto de educação. A outra
educação, a que na essencia é aprendizagem scientifica, essa, como a
sciencia importa de ordinario alteração da condição material das cousas,
depressa entra na categoria do facto quotidiano, e desse modo, por
efeito de contacto e presença fisica, se torna de conhecimento
inevitavel. As leis e progressos da fisica, da quimica e de toda a
mecanica correlativa são faceis de conhecer desde que têm como resultado
imediato e patente o para-raios, a maquina a vapor e o telegrafo e o
telefone e os submarinos e os aeroplanos e toda a infinita mudança
correlativa ou afim. São cousas que se vêem e não podem deixar de ser
vistas e consideradas pelo seu volume e pressão continua. Os estados da
alma é que não são assim palpaveis; a mais pequena obra de arte demanda,
para ser compreendida e sentida, uma susceptibilidade fisica e mental
que, a não ser em aptidões de excepção, só por educação, só por uma
insinuação persistente e adequada se alcança. E daí a diversissima
natureza do ensino scientifico e da educação classica, senão o facto
capital que faz que a educação seja propriamente aquela cultura
literaria, moral e estetica que constitue a aspiração classica. O resto,
com o rotulo espaventoso de sciencia, será porventura questão de
conhecimento e ensino a acrescentar á educação, que é uma só, onde as
exigencias profissionais o exigirem.

Ora nós por demais estudamos a natureza e os modos e termos de a
sujeitar e aproveitar em beneficio da força, e simultaneamente, e por
demais tambem, desaprendemos as letras e os modos e termos de as
converter em instrumento do conhecimento e disciplina da nossa alma.
Entre agonias o verificamos. O desengano é profundo. E, ao senti-lo e na
ansia de rehaver o perdido, de pronto a logica nas sugere os meios de
resgate e nos manda voltar aquela antiga e segura estrada pela qual a
Renascença caminhou, confundindo com boas razões em um só estudo o
Humanismo, a cultura do homem, e a antiguidade classica, na qual essa
cultura atingira uma beleza sem precedentes.

Por certo, «não podemos reviver aquele mundo grêgo em que os poetas eram
soldados, os politicos generais e cada homem um membro do parlamento.
Nem o deveremos desejar. Mas podemos experimentar a apreensão de uma
parte do seu espirito. Essa existencia, fossem quais fossem as suas
faltas, não tinha a especialisação dissolvente do mundo moderno. Ali
ninguem era absorvido pelo seu comercio e pelo seu ganha-pão; um homem
conservava-se em primeiro logar um ser humano e exercia as faculdades e
experimentava os prazeres proprios da natureza humana. O artifice não se
tornava uma maquina, nem o lavrador um vilão. O soldado, o mercador, o
homem de letras não resvalavam no profissionalismo estreito. O
historiador derivava das horas passadas nas assembleias e no campo o seu
conhecimento da politica e da guerra. O poeta e o filosofo haviam estado
em contacto com aquela natureza humana sobre a qual moralisavam e
escreviam.»[16] Evidentemente, uma nova constituição economica das
sociedades e o seu proprio desenvolvimento mental determinaram
adaptações e sujeições que nos forçam a ser diferentes do que fomos no
mundo grego. Mas dentro dessa nova constituição subsiste qualquer cousa
essencial que só a Grecia e Roma souberam penetrar, definir e fundar;
subsiste aquela aspiração de perfazermos um tipo humano que atravez de
todos os cataclismos humanos e cosmicos se mostrou eterno, intangivel,
não susceptivel de melhoria ou correcção. Percorreu a Grecia toda a
extensão do pensamento humano que até hoje nos tem sido acessivel,
enquanto Roma experimentou--e essa foi a sua inexcedivel fortaleza--toda
a extensão da disciplina moral até hoje concebivel e realisada; e essas
duas civilizações, conjugadas e ungidas pelo idealismo judaico,
fundiram-se e completaram toda a forma superior da actividade humana em
espirito e acção, deram o homem na sua integridade, e assim se tornaram
a aspiração daquilo que chamamos civilização, ou melhor, a medida da
civilização. O que se seguiu é apenas o processo do seu desenvolvimento,
ora tumultuoso, ora coerente, regrado e continuo, ora crescendo, ora
quebrando-se em depressões passageiras, mas jamais se desligando do seu
impulso inicial e razão de ser, isto é, conservando em toda a
contingencia, propicia ou adversa, a imutabilidade do seu fim e vontade.
Nem mesmo cessa quando nos aterra um conflicto como esse que pôs o mundo
todo em guerra. Pelo contrario, se temos serenidade de animo bastante
para em meio da angustia apreciarmos os erros que a suscitaram,
acharemos, como Eucken achou julgando o seu país e não obstante o fervor
com que o ama, que todo o mal proveio de uma exagerada adoração da força
fisica e de uma inadmissivel preponderancia das cobiças de uma
animalidade insaciavel, ofendendo aquela integridade do homem na sua
ponderação fisico-moral de que a Grecia e Roma nos legaram os exemplos
sublimados.

Por esta lição crudelissima voltaremos á educação classica, por ela
seremos levados mais uma vez áquelas fontes de pureza de espirito de
cujas aguas uma obcecada dissipação nos tornou tão indigentes como
sequiosos. Seja qual fôr a sorte das armas e o ajuste maquiavelico das
chancelarias, ao fim encontraremos que a vitoria foi unicamente da
civilização, dessa força constante que nos anima e é superior a todas as
raças e a todas as nações, quer lhes julgue a prosperidade transitoria,
quer as alente entre a decadencia a mais profunda. Porque os estados,
seja qual fôr a sua capacidade politica, poderão disciplinar os povos,
arregimenta-los para qualquer empreza de construcção ou demolição, mas
não criam a civilização, que é uma aspiração psicologica etnica,
prevalecendo sobre toda a contingencia e ressurgindo de todo o
abatimento. Os povos servem a civilização conforme as suas aptidões, não
a inventam; e serão nobres ou vís, vencedores ou vencidos, conforme a
serviram bem ou mal, fiel ou deslealmente.

Baptizar-nos nas fontes da vida que a antiguidade classica descobriu e
onde miraculosamente se fortaleceu e engrandeceu--eis o verdadeiro
inicio da civilização. E essa iniciação tornou-se tanto mais urgente
quanto é certo que, chegados a um momento de vitorias esplendidas da
democracia, o futuro das sociedades mais do que nunca deixou de depender
da vontade e do caracter dos que governam, mais do que nunca se acha
confiado á liberdade dos homens, e, por conseguinte, mais do que nunca
tambem fica absolutamente dependente da capacidade moral desses mesmos
homens. Esse futuro será ou uma orgia mansa, quando fôr regrado, em que
o zelo da boa distribuição e nivelamento das meras comodidades,
tornando-se absorvente, só por essa absorpção avilta a nossa alma e a
expõe ás degradações proprias da animalidade estreme, para as quais o
alcoolismo é o sumo pontifice e o mais activo carrasco; ou um culto da
beleza e da dignidade humana na sua integridade e gloria, para o qual a
unica habitação conveniente são o templo em que Platão orou, e os
logares em que o estoicismo se ouviu, e aqueles outros, altissimos, que
a graça cristã ilumina. Fóra disto, o futuro das sociedades, por mais
abundante e generoso que ele seja das diversas fortunas materiais que as
constituições democraticas possam outorgar-lhes, não passará na essencia
de uma brutalidade, mais ou menos feliz e duradoura, mas a breve trecho
condenada a afundar-se na decrepitude, apodrecimento, vergonha e ruina
que são o termo inevitavel de todas as brutalidades.

Não são outras em materia de educação as conclusões da guerra. Nem a
Alemanha escapa á sua evidencia e acção, embora por um instante se
tivesse arvorado em apostolo da força. Não só os sinais de renovação são
ali tão claros como em qualquer outra parte do mundo, mas o seu passado
é garantia, aliás magnifica, da robustez do seu idealismo. «Um vento de
loucura fez perder a cabeça a um povo forte, e julgou-se deus... não
imaginando, posto que muito sabio seja, que esta infatuação da sua
pessoa é precisamente o sinal de uma moralidade inferior, de uma
mentalidade de primitivos.» (A. Loisy). A Alemanha, que foi um lar
sagrado da espiritualidade no seculo XVIII e ainda em grande parte do
seculo XIX, tornou-se por uma fatalidade armazem de meras ideias,
invenções e munições; os seus valores de alma, os que se davam e
recebiam por amor, foram trocados por valores mundanos comerciaveis,
pelos que se transmudam por dinheiro, ou se negoceiam por astucia e
odio, ou se arrebatam por conquista. Mas cousa alguma induz a crêr no
caracter incuravel da doença, nenhum sintoma póde em boa fé apontar-se
que demonstre a corrupção insanavel daquela excelente materia prima, da
qual foi feita, em tempos não remotos, a gloria espiritual da sua gente,
e da qual tambem vieram á humanidade bens preciosos e inolvidaveis.

Para as gerações que nos sucederem, nem sequer poderá ser surpreza uma
reconciliação da Alemanha com uma parte daqueles que impetuosamente ela
tem combatido, e uma reconciliação tão completa que lhe dê ingresso na
união latina. As afinidades espirituais e historicas da Alemanha são
muito mais proximas do mundo latino do que de qualquer outra especie de
mentalidade, particularmente daquela que domina nas civilizações
orientais e nas que com elas têm parentesco; a sua paixão presente da
força, onde conciliação possa ter e não seja puramente uma rebeldia cega
contra toda a insinuação de idealismo, mais de pronto encontrará termos
de identidade na simpatia humanitaria activa, propria do latinismo
ocidental, do que no quietismo mistico e no desprendimento passivo que o
Oriente infundiu e alimenta no slavo. De facto, mais de vinte e cinco
seculos de historia demonstraram que não ha senão duas civilizações--a
que cristalisou na sobriedade atica, na austeridade moral romana e na
graça cristã, fundidas e disciplinadas, e a que vagueia nos
arrebatamentos do Oriente, tão de pronto erguidos em extasis de
desprendimento como inflamados na opulencia insondavel da sensualidade.
É mesmo esta oposição de temperamentos e a diuturnidade dos conflitos
que ela causa na ansia mutua de absorpção, na paixão violenta de
transmudar o antagonismo em uma unidade politica e mental estavel, que
de continuo esperamos e nunca chega, é esta atracção reciproca do
Ocidente europeu e do Oriente, protelando-se em guerras infinitas e
conquistas efemeras sem jámais lograrem unir e fundir suas aspirações
originarias, é esta incompatibilidade até agora irredutivel, quer seja
por amor, quer seja por despotismo, tudo o que tem experimentado e por
muitos modos, é este confronto, de ordinario penoso e raro contente,
que, mais do que as vicissitudes do desenvolvimento interno proprio
dessas duas civilizações, constitue o drama supremo da historia da
humanidade e suas epopêas. Até mesmo perante esse dualismo tragico, o
que nestes ultimos quatro anos se tem passado no mundo e que nos seus
males nos parece tamanho, não passará talvez de um acidente do
desenvolvimento interno da civilização ocidental, porventura uma simples
desproporção entre a civilização de quantidade, por demais avolumada, e
a civilização de qualidade, a necessidade de reduzir essa desproporção a
termos de equilibrio consentaneo com os nossos fins, tradições e
vontade.

Não havendo idealismo de consequencias praticas fóra destas duas almas e
não se concebendo a vida fóra de qualquer idealismo imanente, a Alemanha
terá por fatalidade logica de se consubstanciar com uma dessas duas
almas, e adivinha-se sem maior esforço para onde se inclinará, tanto
mais que se sabe donde veio, onde foi buscar a trama da sua civilização.

A experiencia da vida é, em uma larguissima extensão, a reducção ao
absurdo de uma grande parte da propria vida; é um fabrico incessante de
rebutalho de aspirações. O que na infancia se nos afigurou grande, não
raro se mostra mesquinho na virilidade e detestavel na velhice; o que a
creança cobiçou e achou belo, achou-o indiferente a adolescencia e
despresou-o a idade da razão. Esta constante e progressiva revisão e
eliminação de valores, que praticamente conduz á simplicidade e
psicologicamente acrescenta e engrandece a espiritualidade,--isto
constitue a civilização, se o consideramos na historia dos povos, e é
por igual uma parte, e muito grande, da educação, se o observamos no
desenvolvimento individual. A cultura e a educação do homem e das
sociedades não são outra cousa senão o processo e a acção dessa revisão
de valores iniciais, que teve o seu primeiro padrão em Esparta e a sua
ultima medida, e a mais alta, em Jerusalem, no Calvario.

Perante esta lei de sucessão de valores, verificada na historia e de
continuo renovada em nossa consciencia, aquilo que se passou no mundo
nestes ultimos cincoenta anos, e de que a Alemanha foi o mais perfeito
exemplo e o mais retumbante porta-voz, esta paixão de materialidades e a
crença em suas virtudes, que para suprema eficacia deu a escravidão do
homem perante o estado, a abdicação na abstracção perigosa e despotica
que se chama o governo; essa ambição de força fisica, em cujos
fundamentos alguem entreviu uma supersticiosa mitologia, não teria sido
mais do que a expressão de um momento infantil do desenvolvimento dos
povos civilizados, que o tempo ha-de corrigir pelos proprios impulsos do
crescimento, tal qual está demonstrado na historia das nações latinas.
Direi mesmo que quem observar com simpatia e serenidade o conflito de
opiniões que a guerra inflamou, terá repetidas vezes encontrado entre os
homens mais exaltados na admiração da Alemanha e dos seus feitos, até a
defesa das crueldades da sua «cultura», caracteres da mais profunda
pureza e da mais cativante ingenuidade. São crianças grandes, crianças
excelentes, preciosa materia prima da bondade e da justiça, apenas e
passageiramente dominadas pelo que melhor corresponde á pujança da sua
juventude, naturalmente turbulenta, ainda avida de dominio, como é
proprio da sua força, aprestando-se entretanto para aquelas eliminações
que lhe hão de transformar os impetos em anseios de liberdade e de
desprendimento, visto que esta é a qualidade humana por excelencia.

Demos pois ao tempo o que é do tempo, e, enquanto esperamos por dias
menos agrestes, invoquemo-los pelo nosso esforço, por essa arte divina
que as gerações glorificaram sob o titulo de educação classica.


FIM


    [1] _A Guerra. Depoimentos de Herejes._ (F. França Amado; Coimbra,
    1915).

    [2] _The European Anarcky_, (Allen & Unwin).

    [3] N.º 2843, de 16 de abril de 1916.

    [4] J. Bryce. _The American Commonwealth_, 3.ª edição, vol. II, pag
    788.

    [5] _The World in Conflict_ e _Questions of War and Peace_. (T.
    Fisher Unwin; Londres, 1915 e 1916).

    [6] L. F. Hobhouse, _The World in Conflict_. Pag. 98.

    [7] _The Ultimate Belief._ (Constable & Company; Londres, 1916).

    [8] Clutton Brock. _L. c._ Pag. 105 e 106.

    [9] G. Lansbury. _Your Part in Poverty._ (G. Allen & Unwin;
    Londres). Pag. 48.

    [10] Pierre Hamp. _Le Travail invencible._ (Edition de _La Nouvelle
    Revue Française_; Paris, 1916).

    [11] L. Tolstoi. _Journal intime, 1895-1910._ (Paris: E. Flammarion,
    1917), Pag. 17.

    [12] _The Herald_, 28 outubro de 1816.

    [13] _The War and Democracy._ (Macmillan & C.ª; Londres, 1915). Pag.
    1 e 2 da _Introducção_, por A. Zimmern.

    [14] Na _Educação Nacional_, 2.ª serie, n.os 49 e 57, de 15 e 24 de
    junho de 1911.

    [15] J. Joubert. _Correspondance._ (Perrin & C.e; Paris, 1914.)
    Pag. 190 e 191.

    [16] R. W. Livingstone. _A Defence of classical Education._
    (Macmillan; Londres, 1916.) Pag. 77.



INDICE


                                                              Pag.
  Prologo                                                     V
  Do que o fogo não queima                                    1
  Valores restaurados--Renascimento da educação classica      57



DO MESMO AUTOR

    * Sonho de Perfeição, 1901, romance.
    * Vozes do meu Lar, 1902.
    * Na Paz do Senhor, 1903, romance.
    * Reino da Saudade, 1904, romance.
    * Via Redemptora, 1905.
    * Apostolos da Terra, 1906.
    * S. Francisco d'Assis, 1908.
    * José Estevão, 1909.
    * Alexandre Herculano, 1910.
    * Rogações de Eremita.
    * Salmos do Prisioneiro, 1915.
    * A Guerra, Depoimentos de Herejes, 1915.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Do que o fogo não queima" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home