Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Rogações de Eremita
Author: Lima, Jaime de Magalhães, 1859-1936
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Rogações de Eremita" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



                         JAIME DE MAGALHÃES LIMA


                           Rogações de Eremita


                              CASA EDITORA
                                   DE
                             A. FIGUEIRINHAS

                                  PORTO


                  Empresa Gráfica "A Universal".--Porto.



HOMENAGEM DO EDITOR

Rogações de Eremita


      Composição e impressão
      Empresa Gráfica «A UNIVERSAL»
      de Figueirinhas & Mota Ribeiro, Lda.
      --Rua Duque de Loulé, 111--Porto.--



Jaime de Magalhães Lima


Rogações de Eremita


      CASA EDITORA de A. FIGUEIRINHAS
      Deposito geral:
      Livraria Portuense de Lopes & C.ª--Suc.
      119, Rua do Almada, 123--Porto.



_No ermo que eu percorro neste mundo,--ermo de corações cativos dos meus
sonhos--ao suplicar dos céus a claridade na qual a alma habite e se
engrandeça, deixei na terra gotas do meu sangue, onde a dor o soltou do
peito ansiado por abundância de erros e de culpas e por amargura de
infinitas mágoas, e onde jorrou seus cantos de alegria em louvor e
contemplação da beleza eterna._

_E, como assim vulnerável tenha sido, misteriosa comunhão uniu-me
àqueles, solitários e crentes, que na cruz da aspiração também sofreram.
Muitas vezes me guiou o rasto estranho, se porventura o vi ensanguentado
de sangue igual ao meu pela paixão que o derramou em oferenda a altares
de amor. São rogações de todos esses passos as que neste livro traduzi e
confesso para quem no mesmo error se houver perdido ou se tiver remido
em iguais enlevos._



ROSAS DO MEU CAMINHO


I

Parei no meu caminho a colher rosas. No doce esplendor da sua gloria,
brotavam purpurinas entre o cômoro renovado no viço pelo outono. E o sol
brando que vinha do nascente, e a palidez do céu já esmorecido do seu
fulgor candente do Estio, e a atmosfera quieta e orvalhada, e o silencio
do campo onde desponta o prado que no inverno o cobre e é a sua
túnica,--cantavam com as rosas a doçura e em minha alma infundiam
subtilmente os salutares enlêvos dos seus sonhos.

Acordou-me de encantos a pobreza. Alguém, passando, me estendeu a mão,
mirrada e pálida de fadiga e fome. Ouvi um brando murmurar de suplica; e
o coração turvado de piedade transmudou em misericórdia o seu deleite.
Um resplendor mais alto escurecera a cintilação da terra em seu fulgor.

Levei comigo as rosas que colhi, para me alentarem de um sorrir ingénuo
meu peito ferido na jornada agreste em que dolorosamente se consome
sangrando magoado de perversidade, de ódios, de mentira, de quanto
avilta os homens desvairando-os nos seus cruéis infernos de cobiças. Mas
sempre que senti a rosa bafejar-me, senti perpassar também vozes
mendigas. Por singular magia, confundi em uma só aspiração e um só amor
as rosas e a pobreza.


II

Senhor! No meu caminho entretecei as rosas na pobreza, para que,
adorando em extasi vosso encanto, eu adore também as vossas dores e o
meu peito comungue da miséria! Que todo o meu coração se enleie e prenda
nas grinaldas, Senhor, com que coroais de espinhos e de rosas vossos
servos; e que, enquanto sentir deleite infindo na doçura que sobre a
terra semeastes, eu vos seja fiel inteiramente sentindo ao mesmo tempo e
em igual fervor toda a infinita agrura da desgraça.



AS TAÇAS DO BANQUETE


I

No banquete da vida em que o destino me deu lugar onde os prazeres
abundam e os regalos são o pão quotidiano, provei das suas taças mais
queridas e vi meus companheiros de igual sorte ora erguidos na sua
embriaguez ora prostrados pelos seus travores.

Riquezas, ambições, paixões, gloria, amor, as taças mais cobiçadas do
banquete, a todas eu senti o seu sabor, todas vi disputadas com ardor e
todas continham gotas de amargura, os traiçoeiros bens das alegrias cedo
mudadas em desengano e dor.

Vi a riqueza inútil perante a morte, assistindo impotente à corrupção do
corpo que no seu ser trazia os filtros de fatal caducidade inexorável.
Vi ambições gerando em seus triunfos ambições maiores ainda,
insaciáveis, de contínuo torturando suas vitimas, de degrau em degrau as
elevando até que do mais alto as precipitam no torvo abismo das
desilusões. Vi as paixões mirrando-se exauridas, em vergonha, em remorso
e inanidade, o orgulho aviltado nas fraquezas; vi a gloria a desfazer-se
em fumo e apedrejando hoje por infames os que ontem beijara por heróis e
em seus altares pusera como deuses. Vi transmudar-se amor numa mentira,
a sua fé perjura na traição; vi a ternura magoada em lágrimas. E até a
própria humildade, desprendida dos enganos do mundo, a mais pura das
taças que anjos bons dos céus trazem à terra para remir quantos na terra
penam suas penas, até a própria humildade eu vi chorar porque, salvando
os bem-aventurados em cujo coração habita e resplandece, não lhes pôde
poupar a compaixão de quantos desfalecem no martírio, pois,
desventurados, não partilham das bênçãos da alegria no Senhor, naquela
conformidade austera e santa que é a nossa redenção suprema e única.


II

Senhor! Sê piedoso! Socorram-me os teus anjos. Reanimem-me em cálices de
vida; humedeçam-me os lábios na tua paz; iluminem-me o mundo na tua luz.

Afasta dos meus passos esse espectro que me enegrece de terrores as
noites, essa sombra de gélidas vigílias que me murmura o desespero e
a dúvida, e, rindo dos meus sonhos piedosos, repete escarnecendo
cruelmente:

Doçura! louco, só na morte a encontras!



A DOR E A VIDA

    Na mão de Deus, na sua mão direita,
    Descançou afinal meu coração.

              ANTERO DE QUENTAL.


I

Turvou-se de amargura a alma do poeta quando, sentindo o vento do outono
anunciar tormenta e escuridão, viu as aves felizes, cautelosas,
abandonarem campos e florestas e partirem velozes à procura de terras
sorridentes, animadas pelos carinhos tépidos do sol.

Já não tardava a cerração das neves, mortalha e sepultura dessas vidas
que ao poeta exaltavam o espírito e o corpo, pelo rumor, verduras e
perfume, pela graça, pela força e pela opulência, pelo florir de
impulsos da sua seiva.

Vai a esconder-se tudo o que o inspira. A esperança do peregrino
desfalece à mingua do sustento e do conforto sorvido a jorros no calor
do Estio, incensado de aromas e reflectindo os delírios da cor
pulverizada. Onde irá saciar a sede ardente de intenso resplendor que
lhe alimente as cobiças profundas do seu ser? Porque foi acorrentado
à imobilidade, porque não foge, como a ave foge, àquilo que o oprime e o
ameaça? Porque não lhe foi dada a asa vibrante que percorresse espaços
infinitos, de céu em céu, sem nunca se afastar dum translucido puríssimo
azul? Que culpa lhe forjou essas cadeias que sujeitaram o mísero forçado
a rastejar exposto à contingência das estações altivas, sem piedade,
queimando sob o sol canicular, sufocando nos gelos a expansão,
inflexíveis, mudas, ignorando o desejo dos homens e as suas mágoas, para
prosseguirem no combate austero da suprema beleza que sonharam? Porque,
liberta, a ave se eximiu a padecer igual escravidão?!...

Sucumbido, cismando tristemente, ao escutar o sibilante agoiro da
tormenta, vendo o bando das aves em demanda de benignas terras generosas
que aos seus amores lhes dessem agasalho e em doçura fecunda fossem
pátria aos ninhos embalados pelo canto de pequeninos peitos ansiados, o
poeta chorou a sorte negra que o entregava às penas do inverno.


II

E dentre brumas frias, apressando precocemente a noite de Novembro, veio
beija-lo cândida e singela, na palidez etérea que é o seu manto, a
Dor, a companheira do poeta.

E disse:

--«Nunca ninguém te amou como eu te amei! Nunca ninguém te deu ao
coração inquieto mais alto arrojo e mais sagrado êxtase. Só por mim
alcançaste renascer naquele renascimento do Apostolo em que o sangue se
isenta de veneno e se converte em filtro do amor. Quantas rosas colheste
no caminho, quanto perfume te turvou os sentidos, visões do paraíso,
toda a atracção, toda a harmonia, todo o laço, felicidade, risos e
ternuras, tudo para ti foi breve e se afogou nos abismos mortais donde
surgira, abandonando-te errante, ao desamparo, no louco vaguear do
coração. Só por mim fez sacrário no teu seio, numa aurora perene, sem
poente, esse facho de ardor que te consome e é a suprema gloria, a
eternidade.

«E sabes, meu irmão e meu amigo, que o silêncio é o levita nosso eleito
cuja bênção nos liga e arrebata; e os altares em que oramos são
sombrios, duma sombra celeste, benfazeja, tal qual, no inverno, essa
outra sombra que por erro temeste e será sempre confessionário e templo
da minha alma.

«Nunca ninguém te amou como eu te amei!... Deixa que a ave siga no seu
rumo, em busca de ilusões da vida efémera. Une-te a mim e, desprendido
então de quanto foge e passa na incerteza, redimido em meu peito
hás-de subir à divina presença do Senhor!»

Libertado, o poeta ergueu-se ouvindo a Dor.

Por sua vez beijou a mensageira.

--«Bendita sejas!» disse.

E nesse instante passou na treva estranho clarão.


III

Segue a sua jornada paciente o poeta cuja fronte a Dor beijou. A
macerada face da visão jamais se apaga nos seus doces olhos,
humildemente isentos de desanimo, suavemente escravos dum poder que sem
cessar o fortalece e ampara nas provações mais ásperas do mundo.

Onde uma aspiração palpita e cresce, palpita e cresce a dor que a
atormenta e nega, ou seja um gérmen que gelou na terra, ingrata e fria,
surda ao seu anseio ou seja um coração crucificado do seu amor traído e
profanado.

Sentiu o poeta a Dor nas rosas que decaem; sentiu sofrer os astros que
desmaiam no frio alvor de brancas madrugadas. Na haste quebrada entre
iras das rajadas, na inquietação das águas despenhando-se, nos alcantis
rasgados pelas neves, na criança a que o soluço corta o riso, no peito
ferido por paixões humanas, onde quer que o destino cegamente
castigue, mortifique e desengane, onde quer que proíba ou estrangule um
arrojo, um impulso, uma vontade, ou desfaça os rochedos na mudez dos
seus combates loucos da montanha, ou escarneça a suplica do mísero,
redobrando de ardor em atormentá-lo--a Dor foi companheira do poeta, no
seu seio chorou divinas lágrimas, em seus braços buscou acolhimento.

Foi assim que o poeta amou a Dor. Foi assim que, curvado, ela o levou a
ungir de piedade as agonias de todo o ser que os olhos contemplassem
caído em desventura ou malfadado. Fielmente a adorou no seu mistério!
Fielmente a serviu nos seus mandados!


IV

Exangue do pungir da Dor que nunca o abandona, ou na solidão dos montes
o encontre ou, perdido, vagueie entre o tumulto das multidões humanas
desvairadas, o poeta parou no seu caminho e contemplando a serrania e o
prado que a seus pés se alargavam repousados em sereno esplendor, deixou
cerrar seus olhos deslumbrados e adormeceu, dormindo o torpor magoado
dos vencidos.

Cantava o sol o «cântico» do Santo, o ressurgir de toda a criação
resgatada para a terra e para os céus em um só Deus. Cantava os seus
louvores ao «altíssimo, omnipotente, bom Senhor», a quem «toda a honra e
bênção são devidas». Por todas as criaturas o louvava! Por sua própria
luz que o iluminava; pela «irmã lua» que no firmamento tão «preciosa e
bela» se formara; pelo «irmão vento e pelo ar e pela nuvem e todo o
tempo» no qual as criaturas têm sustento; pela «irmã água» que é
«humilde e casta», e também pelo «irmão fogo corajoso, e por nossa mãe a
terra e por seus frutos, e pela «irmã morte» que à sua paz nos arrebata.

Desusada carícia o seduziu; ignorada ternura o fascinou! Gloriosa visão
despertou o poeta e, beijando-o, o exalta naquela divina luz que em
torno ela espargia.

E disse-lhe a visão:

«Desterrado da ventura que com o sangue marcaste o teu caminho e em cada
passo feriste o teu coração! Onde um espinho te rasgar a carne, o
perfume das rosas a embalsama. Onde o vento derruba a floresta,
exultaram renovos na verdura. Onde o ódio, a mentira e o desespero te
entenebrecem de terror e dúvida, a bondade e a fé virão salvar-te em sua
luz bendita. Onde cai uma lágrima, a mão de Deus a enxuga. Ergue os teus
olhos! Beija a minha fronte! Aviventa teu ser mortificado na salutar
candura que me alenta!

E dos lábios vermelhos transfundindo a alegria e a vida e a
exaltação em lábios pálidos de sofrer e mágoas, enlevado seu peito em
caridade e possuído de doçura infinda, a visão benfazeja do poeta
restituiu à terra e seus paraísos, à luz do sol e a quanto ele ilumina,
aquele que à Dor votara todo o ser e só a Dor servia sequestrado desse
supremo amor que na bondade se libertou de toda a contingência.


V

Tal qual o poeta que a Dor e a Vida, vossos mensageiros, encaminharam,
Senhor, à vossa presença, mandai-me, a mim também, os vossos sonhos,
visitem-me as visões do vosso reino, para que me guardem e guiem e me
conduzam, para na Vida me exaltar convosco e para na Dor sofrer as
vossas penas, «na mão de Deus, na sua mão direita, descansando afinal
meu coração!»



MAIS FORTE QUE O MAR


I

Sonhei que o peregrino ao apartar-se dos lugares em que amara e fora
amado no benigno lar onde abrigara o corpo enfermo e o coração sequioso
de carinho, afectos e de graças, passou ondas do mar escuro e turvo, e
ao passá-las deixou nas vagas fundas um sulco ténue, vermelho,
coruscante entre o negrume da cerração ambiente.

Longos anos, por séculos infindos, na esteira do peregrino o mar cavou
suas iradas vagas espumantes de espumas alvas, claras, diamantinas; e
iluminaram-nas pálidos luares; e a tempestade atroz escureceu-as; e
pairaram sobre elas sorridentes as primaveras brandas incitando toda a
terra a renascer em alegria.

Em vão, em vão! Bafejo algum dos astros, ou propício trouxesse a
exaltação da vida triunfante, ou inclemente derramasse a dor, jamais
pôde apagar esse sulco vermelho sobre o mar que ali deixara o
peregrino ferido. Mais forte que as ondas, a saudade traçou nas águas
lúgubre derrota. Em vão os poderes da terra as agitaram provocando-lhes
a fúria temerosa! Em vão as repousaram em cristalina calma suavíssima!
Em vão ali passaram combatendo seus raivosos combates os titãs! Em vão
tentaram afundar na voragem aquele sangue que do coração brotara por
saudade!

Em séculos infindos, para sempre, esse rasto de angústia ali ficou.


II

Senhor! Se misericórdia vos merece a fé de quem no amor espera a
salvação e lhe confia a vida miseranda, erguendo-a dos seus erros para a
remir na consagração ao ser que é a vossa própria essência, a essa
etérea bondade omnipotente que a Deus vos une e nele vos confunde,
concedei-me, Senhor, aquela bênção que ao peregrino ferido concedeste,
permitindo-lhe a graça de traçar nas ondas com o seu sangue a dor
pungente, esvaindo-se em puríssima saudade. Onde quer que o destino o
dilacere, onde quer que, infeliz ou louco, se atormente, que o meu
coração desmaie por saudade, que por saudade verta todo o sangue, que em
saudade amortalhe os seus anseios!...

Mais pura exaltação não conheceu! Mais próximo de ti jamais se sente!



HUMILHAÇÃO


I

Vi sair da prisão o criminoso e encaminhar-se ao lobrego covil onde
deixara a companheira e os filhos a estorcer-se de fome nos andrajos.
Macilento, esquálido, trémulo nos passos, espectro erguido duma
sepultura, atravessa a cidade entre inimigos. A aversão, o desprezo e o
desamparo são o seu cortejo e com horror o escoltam; tomando por pureza
a inanidade, arrogantes se afastam a tremer de macular o orgulho na
miséria dum corpo pestilento de seus erros.

Nem os filhos nem a companheira se atrevem a sair do seu tugúrio para
beijar o mísero e o proscrito que volta a consumir-se na desgraça, na
treva da embriaguez em que se afoita para a sinistra aventura dos seus
crimes.

De súbito, quebrou-se o trágico silencio. Um grito de alegria ecoa nas
choupanas. Saltando da morada um cão exulta em seu bradar duma
ferina ânsia; e louco de carinho afaga o homem que outros homens
maldizem, como se esse não fosse o filho infeliz da mesma podridão que a
todos gera e por igual corrompe.

Estranha aberração! Cruel estigma! Humilhação fatal dum ente eleito em
que Deus fez morada e se revela!... Coube a um cão parasita dos monturos
a ternura generosa, esse perdão que os homens atraiçoam negando a
piedade ao criminoso, não sabendo sorrir à sua face e tendo por
dignidade a cobardia que os privou de ver irmãos, os seus iguais, em
quantos seres a criação produz, para que o nosso coração todos confunda
numa só luz de amor e de bondade.


II

Senhor! Porque me roubas, a mim a quem mandaste o teu Espírito para eu
sentir claramente o teu império, a quem tu deste um coração ardente para
abrigar-te e a voz para louvar teu nome e o repetir,--porque me roubas
aquele ingénuo anseio de indulgencia, esse perdão tecido de caricias com
que dotaste inconscientes servos, obreiros mudos da tua vontade?!...
Porque, Senhor, me privas desse bem de esquecer toda a injuria, todo o
mal, e de cobrir de afectos todo o crime e em carinhos dissipar sua
lembrança?!...

Isenta-me, Senhor, desse tormento da consciência algoz que até perdoando
volta a julgar os homens e os condena! Pois que lhe deste entrada no meu
peito, salvai-a do martírio em que adorando-te te veja distinguindo nos
homens bem e mal em vez de os confundir no teu sagrado amor
omnisciente.



BÊNÇÃO DO POENTE


I

Foi calmo o dia. A rosa húmida, que desabrochando saudou no descerrar do
seio a madrugada, prateou ao sol as cetinosas pétalas sem que a brisa
lhe ferisse a formosura; e o vento adormecido nos seus antros, vencido
por estranha letargia, inerte e mudo não blasfemou suas ímpias cóleras
contra o ardor do sol. Os milheirais tardios e o medronheiro, tão lento
no crescer como moroso no arrastado fabricar da sua doçura, sazonaram
seus frutos generosos na paz dessa propícia quietação. Ao redor do
casal, ao cimo da encosta onde o horizonte é largo e os céus são amplos,
esvai-se na calmaria toda a forma, agora que o sol perdido ao poente se
escondeu para lá da cerração austera dos pinhais. Descoram as urzes
roxas na charneca, não mais lobrigo a ténue palidez da flor da estêva,
já não distingo no silvado o aderno: tudo o crepúsculo vem tingindo em
sombras.

Ao longe, os montes altos da serrania e o manto das florestas nas
quebradas e os campos verdes à beira dos regatos e os pomares e os
vinhedos e as aldeias e a inquietação da água nas jornadas, eterna
aventureira,--todos vão a dissolver-se nessa neblina, duma inundante
alvura caprichosa, caótica, erradia, absorvente e mansa na avidez, como
afagando o mundo e resumindo-o em um só sonho incerto, indefinível.

Olho, e nem um tremor diviso em todo o ambiente. Escuto, e nem um rumor
pressinto próximo ou distante. Por sua calmaria a atmosfera adormeceu a
vida em serenidade, e quantas divindades a interpretam e a regulam e a
movem em seu anseio, desde a arrogância da montanha austera até à
pequenez da célula mais ínfima, consagraram juntas numa paz divina a
trégua religiosa de seus feitos, talvez a consciência da inanidade final
de todo o esforço, porventura uma dúvida, uma céptica interrogação dos
seus destinos, senão o antegozo da morte experimentada em passageiro
cessar das energias.

Porque, não o sei nem jamais, pobre enfermo arrastado em vale de
lágrimas, o poderei saber; pois a fraqueza é o nosso eterno anátema, é
irrevogável maldição do orgulho. Mas na olímpica mansidão desse
crepúsculo em que a vastidão da terra adormeceu sorridente e benigna,
alguém, ser de bondade, um alado eco fugitivo, um murmúrio de
esperança, me segreda a confiança e a fé, robusta crença na libertação
final de toda a angústia, na fatal paralisia dos tumultos da nossa alma
e do mundo, tarde ou cedo remidos, confundidos em amorosa quietação de
penas, amortalhados em mortalha branca como esta que eu vi crepuscular,
vestindo em alva neblina a terra e os astros.


II

Então, comovido e grato, reconhecendo a esmola que me alegrava o
coração, quis dizer ao Senhor a minha prece, quis confessar-lhe a
exaltação da minha alma pela serena luz que ele acendia no meu peito
turvado de combates. Loucamente balbuciei palavras loucas, e todas se
perdiam apagadas! Tão alto e tão profundo o meu sentir, não souberam
dizê-lo esses murmúrios frouxos e mortais de lábios débeis que mortais
nasceram.

Cessou minha oração nesse momento. Pressenti sombras de orgulho,
desvairado, na tentação de ver e penetrar a omnipotência de harmonia e
ordem que é a razão de ser de quanto existe. E humildemente apenas repeti:

--Senhor! Senhor! Senhor!...



O SONO DO TRIGAL


I

Crepúsculo de Maio! O céu baixo e sombrio, revolvendo nuvens pesadas,
violáceas, lentas, promete dentro em breve as chuvas tépidas, pelas
quais a verdura espera e anseia, na cobiça de crescer e renovar-se.

As seivas abundantes, criadoras, na túrbida estação em que se elevam, a
modelar os lírios e os salgueiros, latejam silenciosas; não as tenta a
cantar o voo da brisa. Desde a cerração escura da floresta à humilde
melancolia da campina, as legiões das frechas dos pinhais, a coma
faustosa dos carvalhos, o arrelvado extenso em desafogo, livre de
manchas das plantas altas, e o que se alarga na espessura umbrosa, todos
repousam quietos e calados, pressentindo a visita salutar que dos céus
lhes trará toda a opulência, a abençoar a terra de humidade, alimento e
riqueza das ervagens, onde despontam frutos e sementes, e das
vergônteas frágeis, ainda tenras, em cuidados de robustecer-se, para
suportarem calmas estivais.

E o trigal, como os irmãos, dorme também, se em temor ou na prece é o
seu segredo!

Imóvel, na firmeza imperturbável dos fieis que crêem no Senhor e sem
lamentos todo o destino aceitam por ser justo, a toda a sorte querem
igualmente, em qualquer perfazendo obra de amor;--aquele que ao mais
leve passar do vento respondia, cedendo fácil ao bulício alado das ondas
repetidas sussurrantes, sempre agitado dum sonhar sem fim, em delírio
incessante rumoroso, recordando carinhos e promessas da abastança e
fortuna que concede aos casais bem providos do seu grão, esse mesmo
trigal se sujeitou à extática mudez de todo o ambiente.

Já parece esquecido do inverno! Parece atraiçoar a aspiração de gerar em
leite doce o pão dos míseros que por caridade santa ele sustenta.


II

Não te iludas, porém, oh Sonhador! tu que procuras ler, na contingência
de impulsos vagos e caducas formas, a perene oferta do mover dos mundos
à lei suprema do supremo amor. Não te engane o torpor em que o trigal se
abandonou à paz da atmosfera. Não cuides porque o vês assim submisso
que deixou de elaborar fartas sementes.

De contínuo escutará vozes divinas, e há-de segui-las, destilando os
sucos, que pela raiz beber na aspereza fria. Das entranhas do chão tira
e semeia, constantemente, ou se mova ou pare, a rescendente esmola das
doçuras com que suaviza a fome a quem trabalha e descerra em sorrisos de
alegria, flores sanguíneas! os lábios das crianças.

Também passaste um dia ao pé do leito em que a mãe aquecia o filho ao
seio. Não sentiste rumor que confessasse quanto afecto em silencio se
derrama, transfundindo a quentura do sangue em outro sangue. E
entretanto, fervorosa e muda, uma vida se consumia ali em outra vida.

Assim vi o trigal quando dormia, tal qual como em vigília, consagrando à
paixão do seu ser inquebrantável aquele amor que é nosso alento e
força.



TERRA LACRIMOSA


I

Conheci os cativos da vaidade, sorrindo, se por acaso conquistavam os
ouropéis e fama e o espanto de multidões atónitas, turvadas, ignorantes
cegas no caminho, que da desgraça nunca se libertam para banhar-se em
luz de eternidade. Na vertigem do orgulho e da soberba, julgando
erguer-se por entumecida inanidade, ao verem rastejantes a seus pés os
aviltados míseros do mundo, passaram sobranceiros, desdenhosos; e
porque, desvanecidos, contemplando-se, só da própria grandeza iam
sonhando, sem baixarem seus olhos aos humildes, desconheceram a alegria,
beleza e formosura que os pequeninos têm por seu quinhão.

Conheci o avaro entesourando, na obsessão de transformar em ouro a
opressão, a fome e o martírio de quantos por astúcia ou pela força
subjugasse. As riquezas cresciam, construindo a fortaleza em que,
confiado e firme, seria poderoso e invencível; e entretanto o seu
corpo definhava nas penas da velhice, desditoso, como se a ordem cósmica
dos astros castigasse, escarnecendo, as ambições.

Insaciados de domínio efémero, porque, efémero, mal se criou e logo se
arruína, avaros, orgulhosos e soberbos morreram entre pompas clamorosas,
envolto o seu cadáver corrompido nas vestes recamadas que o cobriam,
quando ainda o sangue nele palpitava e cria deslumbrar túrbidas gentes,
ocultando em bordados fulgurantes a carne de contínuo apodrecida no
decair fatal do seu destino. E a terra de infinita misericórdia deixou
cerrar na campa esse cadáver, sem que de luto se vestisse um ramo, sem
que uma folha desmaiasse murcha, em lembrança ou saudade do amigo que a
alentava e, estremecido, dela recebia recompensa de fadigas carinhosas.

Na morte desses loucos condenados ao pó estéril de estéreis sepulturas,
entre a dureza fria dos bronzes e a rigidez do mármore impenetrável, as
palavras dos homens lamentavam a ruína da grandeza mentirosa, tão cedo
ali desfeita e aniquilada. Mas de tais lágrimas não partilha a terra.
Indiferente ao rumor do falso pranto, não cessou de brilhar e de cantar.
Nem um só veio de água emudeceu, perdido o murmurar da sua lida! Nem uma
só flor do prado se estiolou à míngua de cuidado e de sustento! Nem um
só átomo de fecundidade se atrofiou em toda a criação! Aos cativos
da vaidade e da avareza, perdoou-lhes a terra piedosa; mas não soube
chorar quem, transviado, ingratamente a desamou, traindo amor materno, o
leite gerador.


II

E conheci também o cavador, que para morada e leito de repouso, não
encontrando um tecto hospitaleiro nos vilares, foi levantar a mísera
cabana, de colmos de centeio e frágeis varas, no pousio comum inculto e
virgem, despido, tosquiado de contínuo por ovelhas bravias, únicos gados
que a gente pobre ali ia soltar, aproveitando esse pascigo escasso.

Rasgou a leiva dura, empedernida; lançou no pó sequioso a semente leve e
todo o manancial de vida que ela encerra; e fez brotar a água das
prisões em que a guardava o peso dos rochedos. A cavar, a regar e a
semear, banhando sempre a terra com o suor do rosto, despertando-lhe a
férvida energia com os arrancos heróicos do seu braço e o pulsar
gigantesco do seu peito, o cavador criou verde abundância onde fora a
infecunda e negra gândara, e tirou o pão e os frutos do chão áspero onde
nem os silvados já medravam.

Foram passados anos nessa faina. Ao fim, surgiu ali a mancha branca duma
casita estreita, ávida de sol. A cabana alargou-se. Transformada,
anunciou nos fumos da lareira o agasalho, o sustento e o tépido conforto
dum benigno casal, servido e amado pela esposa do servo da gleba; e o
embalar do berço acompanhou com o rumor alado duma esperança essa
vitoria que em torno se espraiava, dilatando-se na infatigável ânsia de
remir pela seara farta e latejante os longuíssimos tempos de indigência,
a que a ingratidão humana, criminosa, abandonara aquelas pequenas geiras
devastadas. Mais tarde, em horas negras, tenebrosas, as ambições e a
guerra assoladoras vieram separar o cavador dos filhos que criou para
companheiros, e um sinistro poder arremessara para longe, labutando
dispersados. Escravos uns do rei e seus ministros, por seu mandado e
força coagidos a ensanguentar o mundo, combatendo pelo ódio apaixonado e
latrocínios em malditas pelejas mentirosas, que na suprema infâmia ousam
sem pejo invocar o amor da pátria e atraiçoá-lo, foram-se a derramar a
morte sobre os campos, que o Senhor nos ofereceu para a vida, e a
prostrar atrozmente o nosso irmão, ao qual por lei divina só devemos
afecto, protecção e piedade, o auxílio compassivo na desgraça e o sorrir
de simpatia, quando a ventura ao passar o bafeja generosa. Outros, não
mais felizes, seduzidos pela visão da cidade e seu engano, enfermos
das demências do tumulto, perderam-se entre os fumos da oficina, pela
própria vontade escravizados dos lúgubres dragões que guardam o ouro e
de contínuo o movem e entesouram, fundindo num só cadinho incandescente
a fome e o ferro, minério bruto e corações humanos, lubrificando
maquinas com lágrimas e fundando o palácio em sepulturas, pondo a
brilhar em pedras preciosas, por alquimia da sua crueldade, as ossadas
dos que apodreceram, transitando da pobreza à vala comum, sem algum dia
terem experimentado a alegria, a abastança ou o desafogo.

Assim desamparado, entre ruínas do seu próprio sonho dissipado nas vagas
da agonia como uma aparição de luz que apenas rompe e subitamente se
esvai na tempestade, o cavador ficou-se a envelhecer, no silencio da
gândara, amando todavia o seu casal e querendo sempre à terra, com a fé
que à terra o consagrara submisso, quando pela primeira vez a fecundou e
renovou no repetir das estações a verdura e o pão e a sombra e o
refrigério, sem lamento ou desânimo, curvado a trabalhar, desde o romper
da aurora ao cair da noite.


III

A terra que ele amou, amou-o também!...

Quando morreu, calaram-se no ermo os seixos que cantavam, rolando
alegremente pela enxada; murchou endurecido o prado à míngua do
sustento que alimentava as ávidas raízes, entumecida a erva verdejante,
quando, pelas madrugadas calmas do Estio, o cavador se erguia a
socorrê-las, atento, diligente, cortando breve o sono, para que por sua
culpa não sofressem as miríades de seres sob sua guarda, mudos para os
demais mas eloquentes para quem lhes conhecia a aspiração. Não mais ao
despontar da aurora respondeu o jorro da água límpida tirada entre o
mover estrídulo das rodas pelo jugo robusto que a elevava da frescura
dos poços obscuros à claridade rútila dos céus.

Foram essas as lágrimas que a terra, lacrimosa e viúva, chorou pelo
criador humilde do seu viço,--aquela mesma terra desdenhosa que,
indiferente, sepulta os orgulhosos, degenerados do seu culto e crença.



CULTO DE QUIMERAS


I

Onde começam áridos incultos, que os gados, sem cessar, têm
devastado,--quase ao cimo da encosta--, voltei-me a olhar o vale e os
montes que o formavam, as aldeias perdidas nas ramagens, e os
campanários que as protegiam. Não sei se fatigado, se encantado, por
necessidade instante de repouso, cedendo a quebranto estranho, parei; e
ao prazer de esforçado caminhar preferi essa delícia calma de contemplar.

E, quando atentei bem no turbilhão de seres que ao redor e a meus pés
pulsavam o seu pulsar olímpico, indomável, infinito, eterno, achei-me
enleado e preso em multidões de divindades, todas poderosas, que dos
céus de claríssima gloria, e das profundezas infernais do orbe, e do
frescor das sombras da floresta corriam a arrebatar-me no tropel em que
cada qual se agita e é seu delírio.

Então, na turbação confusa de um neófito, converteu-se-me a caverna
em santuário, e, no lugar consagrado pelo raio ou sobre a pedra que caiu
dos astros, ouvi oráculos, e o sacerdote orava. Um deus protegia os
lares e sua fortuna; outro firmava os marcos que repartem os campos
entre o povo dos vilares; e os mortos e os heróis erguiam-se das cinzas
a ditar seu conselho e a impor os seus mandados, prolongando, em uma
vida só, vidas diversas. Na forma nobre como na mesquinha, em todas se
ocultava uma vontade, consciente e grande, e inflexível. Apolo e Juno,
Hércules e Ceres, Afrodite e Plutão, e Pã, deus dos pastores, e as
Amadriades que viviam nos rios e nas árvores, todos tinham na terra seu
quinhão, onde reinavam livres; e todos, nessa hora de visões, por mim
passaram, severos ou folgando, rindo ou chorando, tristes e majestosos
uns, outros alados, dizendo seus mistérios e incitando-me a que,
adorando-os, eu lhes tributasse o incenso devido ao seu poder.

Guerreiros incansáveis, triunfantes, povoaram os espaços de deidades e o
coração de graças e favores. Negaram a solidão em todo o universo,
confiado ao império sempiterno de demónios e anjos que encarnavam na
poeira, no vento, na folha e na neblina, em rochedos e águas e no
murmúrio da asa mais leve do menor insecto, sorrindo, consolando e
castigando, soltando com igual prodigalidade afagos e ameaças,
esperanças e terrores, a indulgencia, a ira e o escárnio, a abundância e
a fome, o mal e o bem, toda a infinda vibração das nossas almas.

Que mundo radiante de aparições, capricho e formosura, não tentou
derruir, aquele ímpio sectário do saber que pensando, e dissecando, e
inquirindo friamente, quis dissipar, num ímpeto de orgulho, esses entes
celestes, benfazejos, que andavam entre os homens e lhes vertiam no
sangue fraco e impuro a firmeza, a coragem, a gratidão, salutares
alegrias e a serenidade, a exaltação suprema, a mais sublime, a
consagração plena dos mortais em altares de religiosa poesia e de um
dever mais forte do que a mísera carne transitória!

Que demência julgou virtude haver privado de magnânimo amparo de seus
religiosos filhos a imaginação fecunda e inquieta que jamais sofrerá os
cativeiros da razão, altiva e austera, sem piedade?!...

Ah! não morreram! Esses filtros da nossa fantasia todos vivem ainda e
nos seguem, ocultamente, semeando de rosas os caminhos que os fados nos
traçaram.


II

No silêncio dessa tarde em que comovidamente os invoquei, ouvi-os; e a
sua voz, de mansidão dulcíssima, trouxe-me ao corpo como um refrigério,
sacudindo a letífera inércia e o torpor em que a venenosa sede de
saber desvaira e mata, inquirindo sem amor, só por orgulho--senão, pior
ainda!, por cobiça--, da aspiração ingénua dos fraguedos, das fontes e
das ervas, das nuvens e dos sóis, da natureza inteira no seu frémito.

Pedi-te então, Senhor, que me concedas a quimera, a ilusão, esse cismar
que a qualquer forma deu energia e vontade igual à nossa. Pedi-te então
que ampares os meus passos dos companheiros bons que uma ciência vã
afugentou.

Não me abandoneis, Senhor, nesse deserto em que espíritos cruéis nos
atormentam roubando aos nossos olhos a beleza! Dá-me, Senhor, os sonhos
criadores! Possa eu ver as ninfas das nascentes, os faunos das
florestas, e os tritões lançando à praia as ondas arrojadas. Se da vida
me tiras as quimeras, irisada espuma capitosa da taça que gota a gota
vou bebendo,--que lhe encontrarei no fundo senão o sal de abrasada e
mortífera amargura?!



ANSEIO DA MANHÃ


I

Sobre as negras montanhas do horizonte, indolente rebanho fabuloso, de
peregrinas formas em desordem, de prodígios, quimeras e abantesmas,
domados uns em dócil mansidão, outros soltando fúrias e ameaças; sobre
essa multidão tumultuosa que pela manhã tardia do outono alongara o
dormir a custo afugentado;--crescia o rubor da aurora iluminando-a, sem
que no céu, pouco a pouco embranquecido, uma só nuvem lhe lançasse um
véu, embargando o pregão da claridade.

Apenas no poente, sobre o mar, ocultando o limite das suas águas,
vagueavam em sonhos, arrastadas, nesse perpétuo e incerto devaneio, que
é seu destino e glória, as comas violáceas das neblinas. Mas, humildes,
deixavam conquistar-se pelos fachos da luz que além rompia.

Era a hora consagrada a esse culto, que ao Senhor os homens prestam no
trabalho, reconhecendo toda a sua fraqueza e sujeição. No bronze
solene que difunde os mandados austeros da oração, segredando-a, igual e
única, aos indigentes míseros e aos ricos, a sãos e enfermos, à fera e à
borboleta, aos orvalhos e rios, ao vale e à encosta, ao mais timorato
musgo e ao maior roble, à pulverizada argila solta ao vento e à firmeza
invencível dos penhascos, sem escolher nem distinguir no seu vibrar, em
mística insinuação de súplica indeclinável; no caminhar heróico desses
servos que, enxada ao ombro, deixam seu lar e vão servir a terra nossa
mãe, banhando-a com o suor do rosto, unção sagrada, para que a sua
bênção nos proteja e ampare; no palpitar do jugo aureolado pela própria
exalação do espesso hálito condensando-se em frescores de Novembro, que
a leiva bebe enquanto o ferro a rasga para os trigais:--em todo o
ambiente cantava uma só voz religiosa, como nenhuma outra tão pura e
casta e tão fecunda e pródiga, jamais poderá ouvir-se nos apertados
templos mesquinhos que somente por ilusões de orgulho foram grandes
perante o louco imaginar dos seus obreiros.

E o sol rubro da aurora ia-se erguendo, pausado e lento, seguro da sua
força e omnipotência, sorrindo ao esforço humano e afagando-o, latejante
de brilhos sanguíneos, porventura misteriosamente repassados do mesmo
filtro que repassa o coração e o inunda de amor quando o anima.

Mas, de súbito, a luz esmoreceu no seu triunfo. Apressadas, correram-lhe
ao encontro as névoas que dormiam sobre o mar. Cercam-na, ocultam-na, e,
mal a têm vencida, logo a soltam e fogem dispersadas, por momentos
vestidas de ouropéis que imediatamente deixam, por preferirem a doçura
do manto lutuoso que em sorte coube à sua condição. Sem tardar, ei-las
que voltam, prosseguindo na indecisa jornada flutuante; e--suave castigo
dum orgulho ingénuo, bem de perto seguido de indulgência ou talvez de
remorso ou contrição! as névoas renovavam seus combates, turvando a cada
instante a opalina transparência da manhã.

Ao fim, o sol venceu. Quando ia alto, a luz avassalara o espaço inteiro,
isenta de todo o anseio e hesitação. E assim soberana se manteve sempre,
até que o véu da noite a submergiu na limpidez das ondas diamantinas,
depois de haver semeado sobre a terra a alegria e o pão, suprema esmola.


II

Senhor! Fazei que a minha vida seja espelho do anseio divino da manhã,
tal qual o vi nesse romper da aurora! Possa eu dissipar sombras funestas
que me escureçam o céu fundo e claro, onde a alma se expande e voa,
resgatada, a eternos reinos de bem-aventurança! Que a ténue
irradiação do meu sonhar fortalecesse os homens no trabalho e lhes
abrandasse as dores e as fadigas, assim como o calor do dia os aviventa!
E que ao fim em mortalha de pureza eu dormisse também, à semelhança de
luz perdida em águas cristalinas!



A ASA DO REMORSO


I

Em êxtase de luz rompe a manhã. Seus clarins sonoros de alvorada
despertam o povoado, a serra e as águas. Dos salgueirais curvados sobre
o rio erguem-se mansas neblinas, castas, sacrificando ao sol toda a
pureza. Os píncaros severos da montanha desprendem da escuridão da noite
a fortaleza. E na oficina e nos lares acordam fumos de carinhos e penas
e trabalho.

E acordando também desse torpor em que, cansada, dorme a consciência
exausta de torturas e de dúvidas, pensei, mísero e fraco, nas fadigas a
que a luz da manhã me convidava. Por tenebrosa perversão da alma
senti-me o escravo do ardor mundano, das cobiças, dos ódios, das
vaidades, da cegueira que me oculta um irmão em cada homem e que me
arroja a disputar-lhe o pão e que me afoita a exprobrar-lhe os erros, a
mim que ouvi no peito voz divina de amor, de caridade e de perdão e
que ouvindo-a a deixei esmorecer, de culpa em culpa, traindo-lhe os
mandados.

Enquanto à maldição desses infernos descia meu turvado pensamento,
cantou a toutinegra na oliveira e ergueu seu doce canto à madrugada.
Comungava na taça da alegria que na luz o Senhor oferece à terra. Isenta
das cobiças e dos ódios, sem conhecer espinhos da ambição, confiando na
suprema misericórdia que lhe alimente o sangue e o ninho e lhe module o
inspirado enlevo dos seus hinos e a cada mágoa traga seu consolo,
imaculada voz dum peito inocente, turíbulo sagrado, a toutinegra depunha
no altar de Deus a sua oferenda, antes de partir em busca de sustento.

Então uma asa negra de remorso me fustigou o orgulho; e tremendo da
própria impiedade, compungido de dor, eu perguntei que destino fatal e
tão cruel me induzia em perjúrio à minha fé, sufocando em meus lábios,
cerrados para o louvor da madrugada, essas canções benditas que a ave
cantava e eram uma oração, que eu esquecera e eram redenção.


II

Minha mãe que do seu sangue me gerou, deu-me com o leite haustos de amor
por ti, Senhor. Enquanto me criava o corpo e a forma, toda esta
ilusão da vida efémera, em seu último termo inexorável predestinada à
consumpção dos vermes, ardentemente me ensinou a ver-te, ensinou-me a
invocar-te, e em teu puro espírito renascer, liberto de corrupção, para
a vida eterna. Ensinou-me a adorar-te em teu poder, a implorar humilde a
tua graça, e prostrado sofrer tua vontade, contente por servir-te e em
ti buscando a suprema alegria. E queria em sua fé, que dela recebi e é
também minha, queria que ao despertar da minha consciência após suas
horas de repouso e inércia, fosse teu nome o primeiro proferido por meus
lábios; que para me sentir erguido à tua presença esquecesse eu o mundo
e o seu tumulto e assim purificado, assim armado desse escudo
inviolável, fortalecido contra todas as tentações de desvario,
atravessasse a via dolorosa e de toda a fraqueza me isentasse.

Nessa manhã clara, entenebrecida em um momento fugaz e aflitivo pelo
perpassar da asa do remorso, pequei, Senhor, porque transviado, perdido
o meu espírito no tropel das cobiças orgulhosas, assaltou-me a miséria o
pensamento e outro nome proferi que não o teu, antes que a ave me
lembrasse a culpa cantando os teus louvores e a tua grandeza.

Perdoa-me, Senhor, se então traí essa fé que é o melhor dos meus
tesoiros e me incendeia o peito em teu amor! Amparem-me as tuas
aves, teus arautos, mensageiros fieis da tua glória! Em cada aurora
que os meus olhos vejam despontar nos céus, fazei, Senhor, que a
toutinegra volte e me venha ensinar a repetir essas divinas orações de
infância que à minha mãe ouvi no seu regaço!



SERVAS DA LUZ


I

Logo após a cerração da noite, voltam-se para o oriente aquelas flores,
servas da luz, cujo rosto olha o sol constantemente e por condição
estranha o segue sempre no resplendente percurso da sua órbita. Ainda a
escuridão é densa e vem distante o mais tímido alvor da madrugada, mal o
poente se toldou de sombras, começam essas flores a volver sua face para
os lugares onde o sol há-de romper. Por um segredo seu que nos perturba,
subtil inspiração as ensinou a serem fieis à luz tão firmemente que nem
a treva nem a tempestade nem a alvura do luar e a imensidade de astros
brilhantes povoando o espaço puderam transviá-las e perdê-las naquela
adoração do sol que é sua crença. Enquanto o sol se afasta divagando por
ignotos mares, aprestam-se a servi-lo. O seu primeiro alento, o raiar da
aurora, há-de aquecer-lhes o seio ávido de receber seus fogos.


II

Porque, Senhor, assim inspiraste mudas flores, singelas e felizes, e
deixas que os homens vão de treva em treva, rasgando o coração até à
morte, ignorando donde a luz se ergue--aqueles mesmos homens aos quais
deste a consciência do amor da luz?!...

Nas trevas da ruindade que escurecem a alegria e o riso e a bondade,
divina aspiração da luz da nossa alma, possa eu, Senhor, como a flor em
tua graça, pressentir constantemente a tua presença e só para a tua luz
voltar a minha face, mortificada, ensanguentada, enferma dos tormentos
fatais da escuridão!



TROFÉUS DO ESTIO


I

Como gotas candentes destiladas de cristalinas urnas de safira que
vertessem sobre a terra o azul dos céus para converter em luz a inércia
e a treva, o Estio derrama sobre os campos queimaduras adustas dos seus
fogos incendiando-lhes a fecundidade.

Mirrou-se a leiva. A fonte emudeceu. Endureceu-se o pâmpano na vide. O
viço converteu-se em austeridade, denegrindo a espessura da floresta.
Murcharam os prados e ali, onde exalaram suave embriaguez do seu
frescor, levanta agora o vento nuvens ásperas de calcinado pó da terra
nua. Rolam no chão as palhas trituradas como restos de vidas insepultas.

São troféus do Estio em sua glória. São os despojos que arrasta na
vitória, na ufania cruel do seu triunfo. São mistérios duma maternidade
santa e dolorosa.

Para fecundar a terra e nos deixar o seu sagrado leite, o nosso pão,
para lhe enriquecer os filhos de sustento, de calor, de abrigo e de
doçura, para madurar os pomos e as searas e para criar o lenho que nos
salve dos golpes traiçoeiros do inverno, abrasou o Estio em seus ardores
aquela mesma terra que por amor beijou, vestindo-a de opulência, ao
despertar-lhe sua paixão constante de abundância, o seu fascinante arfar
de formosura e a pródiga caridade do seu seio.


II

Abrase-me, Senhor, o teu ardor! Que se me converta em pó o mísero
invólucro deste ser que nasceu para servir-te, e desfeito em teus
férvidos alentos crie uma gota desse imenso amor que é o teu eterno
cálice de vida!--Tal qual o Estio abrasa e queima a terra para
transmudar em pão a rocha árida e fria, incendeia de amor meu coração
para em tua fé remir os infiéis!



LOUCOS DE HUMILDADE


I

Á beira do paul, onde ele se estreita e recebe do vale o seu ribeiro,
sobre a arcada da ponte que o transpõe, unindo e prolongando caminhos
ensombrados das suas margens, quedei-me a ouvir o marulhar das águas,
batidas pelas lufadas de Dezembro e, sombrias, reflectindo o céu sombrio.

Vindo do mar o rouco sudoeste, gerado na violência das tormentas,
turvava a atmosfera escurecendo-a. Baniu do céu o azul, de todo oculto
sob bandos de nuvens violáceas, fugidias, mudáveis como fumos, almas
errantes, cinzas dispersas de apagados lares.

Crescidas pelo despenhar das águas da montanha que verteram nos rios as
suas neves, as lagunas cavavam funda a vaga, nessa agonia que a inquieta
e é seu destino. E incessantemente a repetiam--assim como no coração
volta a saudade, sem fim, a repetir-se e sem desanimo, renovando
dorida a aspiração que uma estrela sinistra lhe converte no repetir da
mágoa, no infortúnio de se sentir privado dos seus bens.

Inconsistentes algas sonhadoras, dos sonhos dessas ninfas que as
protegem e gentilmente as levam no toucado, frouxamente flutuavam
enleadas nas hastes de robustos nenúfares, em cuja espessura habitam
mais isentas da mortal violência das correntes.

Também elas, imagem da nossa alma, naquela tão minguada vida que as
anima, chorariam ilusões de liberdade e em desengano igual aos que
sofremos, pensando haver nascido para expandir-se e seguirem erradias
seus caprichos na luz de mansas águas transparentes, também elas
sentiriam afinal um cativeiro na dureza das hastes que as amparam e
enquanto lhes são arrimo as sujeitaram à própria imobilidade e à própria
sorte?!...

Além, vai inundado o salgueiral. Parece naufragado, entregue às ondas,
arrancado da terra em que medrou. Até despido e nu, de todo despojado da
graça que no Estio lhe agitava sua abundante coma viridente, paira sobre
ele um sonho, um palpitar de afago e de brandura. Ainda no mais áspero
rigor, sob o queimar das neves, nos seus cinéreos gomos veludosos e nos
ramos banhados em alvuras vagueia uma carícia que consola, uma tímida
promessa de doçura, alentos da primavera que suspeita e de cujas
primícias de alegria será para nós o portador bem-vindo.

Para que na terra sempre permaneça uma esperança, um refúgio de toda a
ira e toda a tempestade, a redenção de todo o desalento e toda a treva,
sorri na encosta o prado. Serenamente, ignora a tormenta e os seus
combates. Rebelde ao vento, unido ao chão e a salvo do transbordar das
águas mais subido, repousa os nossos olhos, já fatigados desse tropel de
lutas de extermínio, essa mancha de deleitosa cor e de brandura.
Tranquila, em sua mansidão firme e piedosa, afronta e vence a túrbida
violência em que astros funestos dilaceram, fúnebremente, a terra desolada.


II

Em andrajos, curvada, carregando o parco e mesquinho feixe de caruma,
vem recolhendo ao lar da sua choupana, uma pobre velhinha. No rosto
emaciado estão marcadas por fundas rugas, restos de agonias, as
canseiras, velhice e privações. Nem uma só faúlha já lhe resta do fogo
que algum dia entumeceu as veias duma face enamorada de ventura e
prazer, e em ventura enlevando os que a buscavam. Aqueles sadios braços
que acudiam a recolher o pão no sol do eirado, são mal definidas sombras
esqueléticas de formosuras que passaram breves. E os olhos que brilharam
amorosos, em zelos inflamando e fascinando os turbulentos moços do
arraial, esmoreceram todo o seu calor, amortecidos em descorados véus,
quase sem luz.

Mansamente, quando eu cismava no turbilhão de vidas tão diversas que ali
contemplava, no mistério sem fim dos seus combates para expandirem na
luz os seus anseios, a velhinha, arrastando seus passos no caminho em
que resignada arrasta a sua pobreza, saudou-me e disse, interrompendo o
sonho e outros sonhos trazendo em sua voz:

--«Boa tarde, meu senhor, salve-o Deus!»


III

Delira de humildade esta velhinha que em seu santo delírio desvairada,
aureolada de fulgores angélicos, me dá teu nome, Senhor, só porque a
sorte cega em seu capricho me envaideceu com os falsos bens do mundo,
enquanto a enriquecia de pobreza e me induzia, a mim, a ser soberbo, e a
me esquecer de ti no meu orgulho? Foi por isso, por ser a mais humilde,
por ser abençoada desse delírio santo de humildade que a enlouquece,
mostrando-lhe os seus senhores nos desgarrados da tua larga senda de
bondade, perdidos nos infernos das cobiças, foi por isso, Senhor, que a
escolheste para a enviar dizer-me que além desse outro mundo que ali
contemplava em confusão de esperanças, formosuras e terrores, mortal,
incerto, atormentado e turvo, além desse outro mundo um outro existe
onde Deus tem seu reino e onde nos salva?!...

Possa eu sempre ouvir a sua voz! Resgate-me essa fé, essa humildade que
no mais pervertido vê um senhor e o saúda e o serve obediente, e
suplicante, por ele erguendo aos céus a sua súplica, fraternamente para
ele implora a graça de salvação em Deus!...



ORAÇÃO DOS LARES

    _Et jam summa procul villarum culmina fumant,_
    _Majores-que cadunt altis de montibus umbrae._


I

«Começam a fumegar ao longe os tectos dos vilares e lá dos montes altos
vem crescendo as sombras que se alastram sobre a terra». Tingiu-se de
ametistas o poente. O campo adormeceu. Calaram-se as enxadas na deveza.
Entre rumores dos gados que recolhem, caminha para a morada o cavador.
Erguem-se aos céus os fumos dos casais e, desprendidos da pureza do fogo
em que se geram, em vespertinos cantos abençoam o repouso da noite a
aproximar-se.

São sacramento que une os lares da vida humana à luz infinita. São
oração, anelo, um palpitar, um voo, anseio de brandura transportando ao
espaço sem fim aspirações que os nossos corações mal balbuciam, que
palavras algumas traduziram. Confundem seu mistério de beleza, um tímido
mistério que se abriga sob a pobre nudeza das choupanas, em um outro
mistério ainda mais alto que tem por templo a abobada celeste, por voz a
voz de Deus e por fieis miríades de seres que se dispersam na vastidão
do cosmos insondável.


II

Assim seja, Senhor, minha oração! Tão alto ela se erga e tão suave se
eleve em vosso amor e o sinta e adore, como o fumo dos casais quando
anoitece levando aos céus as orações dos lares.



CANTARES DAS SEBES


I

Ao longo do caminho da jornada na qual, dorido, vou calcando a terra,
ouvi o cantar das sebes nas vigílias em que constantemente nos defendem
e nos guardam os pomos, as searas e os lírios, todo o bendito pão que
nos anima de vigor o sangue e nos enleva em alegria a alma.

Valos fundos em volta do pinhal, tosco acervo de pedras que circunda o
campo onde o trigal vem a brotar, viridentes cômoros abrigando os ninhos
sob grinaldas de rosais floridos, ramos espinhosos protegendo o alfobre
para que as sementes desabrochem e vinguem, os silvados que escondem os
vinhedos,--se uma vida despontando teme a avidez ingénua dos rebanhos e
de aves diligentes em buscar sustento tenro para mimosos filhos; ou se a
cegueira humana pervertida pode quebrar a árvore que nasce ou
desrespeitar ruimmente o suor alheio, ergue-se a sebe e entoa os seus
mandados, e cobre de fortalezas todo o chão traçando os seus limites
à cobiça, à imprevidência, à malvadez e ao próprio dano da inocência
instigada por amor--como um gládio de justiça austera repartindo toda a
terra entre os seus filhos. Ora severa e rude na mudez, ora coroada de
verdura errante, murmurando o agreste murmúrio desprendido pelo beijar
de brisas fugidias, pacientemente a sebe nos protege a selva, o prado, o
pão e as açucenas, quanto pode amparar os nossos braços e encantar
nossos olhos em beleza.


II

Se para nos guardar na terra a formosura e alimentar nas veias o calor
elegeste na sebe um missionário, servidor desvelado da tua graça, se nem
esses teus bens mais preciosos viveram sem o abrigo e a caridade dos
companheiros que lhes destinaste, como poderei eu, Senhor, criar no
peito, neste peito gerado da fraqueza, o amor fecundo em que ele se
arrebate, florindo em bondade e mansidão, se em tua misericórdia não
mandares anjos bons que me guardem e dos teus inimigos me defendam?!...

Sinta eu sempre a meu lado, protegendo-me, o doce abrigo de filhos teus,
Senhor, daqueles teus eleitos e inspirados que na tua bondade e em
teu amor souberam redimir-se! Que por sua voz e sua fortaleza
arranquem meu coração ao sinistro abutre da descrença, do ódio e da
avareza a que lugubremente se entregaram os que em solitário orgulho te
ignoram!



COMPANHEIRO E GUARDA


Do vale aos cerros onde me encontrei, vai minguando a vida. Lentamente,
a solidão alarga o seu domínio até que ao cimo, pela planura extensa que
remata o encastelar de montes sobre montes, de todo impera na aridez
ingrata que despiu de verdura a terra rasa e a adormeceu, estéril,
semi-morta de avareza e silêncio.

No deserto severo a que subi, apagou-se distante e emudeceu quanto na
veiga fértil me fascina, esse fremente rebrilhar de vidas irrompendo da
terra alegremente que por seus anseios vinham demandando seu lugar e
glória à luz do sol--a carícia agitada das ramagens, mugidos da manada
no pascigo, o argentino rebater da forja, a espessura ondeante das
searas, a viveza das rosas nos jardins, a murmurante faina dos casais,
toda a abundância, toda a flor e toda a lida que no vale se expandiram
opulentas, na abrigada largueza dos seus campos e nos bastos vilares que
ela alimenta.

Eis que, porém, no árido silêncio dessa terra sem viço, devastada, se
ergueu um casebre humilde, o mais humilde, e dali se elevou um ténue
fumo! E logo se povoou e foi amena a solidão austera desse chão que o
desamor dos homens e dos astros asperamente votara ao abandono. Foi como
se uma afeição dali emanasse e banisse, amorável, por encanto, todo o
ermo da gândara desolada.

É a morada singela dum pastor. Recolhe agora ao aprisco o seu rebanho, o
seu pobre rebanho, filho e imagem da pobreza da urze endurecida na terra
recalcada dos invernos que nunca conheceu o arado e o jugo. E protegidas
do rigor da noite as ovelhas, seu único tesoiro, por sua vez procura
acautelar-se da aragem fria que lhe tolhe os membros, acendendo a
fogueira mal nutrida das escassas giestas que juntou.

Outro alento de vida não pressinto em redor do bravio solitário. Mas só
por magia desse ténue fumo, companheiro e conforto do pastor no ríspido
exílio em que perfaz sua missão de amor servindo a terra, senti que até
ali mesmo me guardava das sombrias visões do desamparo não sei que voz
estranha e poderosa.

E pedi ao Senhor que recebesse em sua bondade eterna e eterna glória
este infinito anseio da minha alma que sem cessar o vê e ao seu amor, na
opulência da terra e na aridez, na maior chama como em débil fumo.



REINO INFINITO

    _Dico vobis quod quemcumque locum calcaverit pes vester, vester erit._

         (SACRUM COMMERCIUM, cap. III)


I

«Eu digo-te que é teu todo e qualquer lugar que os teus calquem»--assim o
ensinava o Santo aos seus irmãos, voltando em puro espírito a
ilumina-los, daquela eternidade em que resplendia o seu amor ardente, o
mais sublime que ao mundo trouxe a vida e a salvação, depois que alguém
morrendo no Calvário derramou por amor todo o seu sangue.

É nossa toda a terra que pisamos, toda aquela vastidão que nós sentimos,
em seu alento respirando a fortaleza e em sua formosura extasiando os
olhos e a nossa alma. E só é nossa aquela que sentirmos e enquanto o
nosso coração a adora e louva; e é alheia, muda, estéril toda a terra
que o nosso amor em tudo desconhece, ou distante dos olhos a não veja
ou, estando a nossos pés, a não sintamos enchendo o nosso peito de
bênçãos e alegrias. As boninas, os lírios e os rosais não são dessa
avareza pervertida que lhes pôs em redor um muro alto, para privar os
homens de os tocarem, e só por isso julga possui-los como escravos do
orgulho e da vaidade; são desse peregrino pobre e semi-nu que na estrada
os sentiu e, cantando e bem-dizendo o seu enlevo, prosseguiu na jornada,
iluminada a vida e exaltada na fragrância e frescor de formosura e na
divina crença que ela inspira em tua fé, Senhor, em teu poder de eterna
graça e beleza. Esse foi rico e, na verdade, teve na terra que os seus
pés calcaram um reino infinito--tão rico quanto foi miserável,
indigente, esse outro que quis contar os bens pela demência cega e
malfazeja com que privara da terra quem a ama e nessa sinistra força
resumiu seu ser e aspiração. Este foi pobre, tudo perdeu do salutar
alento que lhe mostrou um Deus em cada flor, o resplendor duma essência
divina imperscrutável; por mais terra que seus pés possam calcar, jamais
possui um só e estreito palmo do chão bendito que as flores orvalhadas
consagraram. Possuir é admirar e comungar, e só é nossa a terra e tudo
aquilo em cujo amor sentimos consumir-nos.


II

Bens da terra, Senhor, também os quero! Também instantemente vo-los
peço! Também avidamente os apeteço! E reconheço os muitos,
gloriosos, com que prodigamente enriqueceste os que têm como sua toda a
terra que os seus pés vão calcando e os olhos vêem, enquanto a sua alma
se extasia na beleza da vossa criação.

Riqueza é o coração que vós tocaste na perene harmonia incorruptível que
é o vosso ser e vibra em todo o espaço e se espelha em luares e na açucena.

Dai-me, Senhor, a graça de a sentir, e nessa graça os reinos infinitos a
que ela e só ela nos conduz! Para que então eu possua toda a terra e
seja meu todo e qualquer lugar que os meus pés calquem.



PODERES DA TERRA


I

Rolam fundas as águas nos caudais. Fundiu-se em torrente a neve que
cobria de doce alvura a aspereza da montanha. Nuvens negras do sul que o
vento apressa, jorraram o seu dilúvio sobre os campos. A inundação
cobriu sebes e vales, e a seara, o prado e o burgo que agasalha o
cavador, os jugos e as enxadas. De outeiro a outeiro, onde ontem
perpassava o suave esplendor de mansas vidas,--em tímidas boninas, em
rebanhos, pascendo repousados a abundância, e nesse fecundo arranco
heróico e hercúleo dos servos da gleba generosa--a devastação das águas
desapiedadas estende turvamente uma mortalha. E onde se ouvia murmurar a
paz, o embalar dos berços carinhosos e estrídulos descantes de
ceifeiras, felizes e esforçadas na sua faina, lançou a inundação roucos
pregões de ameaça e terror, tumultuosa e lúgubre no ímpeto. Dia e noite,
ou brilhe o sol vencendo a tempestade ou a escuridão se cerre
impenetrável, rugem no vale horrendos clamores de morte, de ruína e de
crueza.

Ouviram-nos ao longe os povoados; os montes e as quebradas
repetiram-nos. E, sentindo como um grito de aves fúnebres que dos céus
nos mandassem seus agoiros, um sombrio pavor me subjuga. Seus lívidos
espectros de desgraça escurecem-me em mágoa o pensamento, mostrando-me
os infernos neste mundo entregue sem resgate às suas penas.


II

Não me culpes, Senhor, se eu esquecendo, em momentos mortais de
desalento, a sabedoria infinda do teu ser que o orbe rege e funde em
harmonia, sucumbi de fraqueza e de descrença perante os poderes da terra
no seu auge! Não me culpes, Senhor, se assim vencido, atónito de espanto
e de terror, senti passar a cólera das águas e tremi de sofrer sua
inclemência! Não me culpes, Senhor, se um instante de assombro me
oprimiu perante as iras da vossa criação e nelas vi tiranias indómitas
cruéis! Logo me emenda o erro, crê, e me resgata de vãos temores e de
fraquezas ímpias a inteira fé na suprema perfeição de quanto é teu. Mais
alta que os clamores da inundação, uma outra voz me ergue no desejo de
que a «tua vontade seja feita, quer nos céus, quer na terra»,
eternamente.



PERPETUAS DO ROMEIRO


I

Entardecer de outono tépido e quieto!.... O sol baixa ao poente,
brandamente, em seu rubor velado de neblinas. A soberba do Estio
esmoreceu. Há manchas desbotadas sobre os campos; empalidecem vinhas e
pomares. A ceifeira já ergueu da terra a seara e deixou cor de cinza
todo o chão. Os frutos coram derradeiras cores nas hastes semi-nuas e
vergadas, e os mostos, refervendo capitosos seus túrbidos perfumes
traiçoeiros, semeiam nos vilares visões pagãs de bacantes e faunos em
delírio.

Descem do monte os bandos dos romeiros. A essa orgia da terra generosa,
embalsamando a aldeia em seu deleite e remindo-a da fome com o seu pão,
responderam na ermida da montanha descantes amorosos, plangentes,
orvalhados da noite e abençoados do sereno fulgor de astros propícios.

Rebeldes à fadiga, alegremente, voltam à paz da aldeia e ao seu
trabalho os romeiros que foram à capela a confessar as penas e paixões,
implorando do bem-aventurado santo que lá mora, nessa agreste pureza do
seu ermo, que às suas penas lhes mandasse alívio e que às paixões lhes
desse horas fagueiras. E para que dilatadamente se prolonguem confissões
e promessas murmuradas candidamente em estos de ternura, para que jamais
se apague a sua lembrança nos lares em que se abriga o coração cativo do
juramento bafejado pelo resplendor do santo do altar que entre lírios e
rosas lhe sorriu, trazem no peito um ramo de perpetuas os romeiros
saudosos da vigília em que sonharam o céu e o paraíso. Querem que um tão
breve instante de ventura, por magia de amor, se torne eterno e que
perpétuamente o guarde a flor em que sempre o verão como em sacrário.


II

O mais rude como o mais experimentado adorou neste mundo a eternidade.
Na hora mais breve que se esvai e passa, no sorrir e nos olhos dos que
amou, quis ver e quis sentir luz que não morre; e fielmente, talvez para
não cair em tentação de perjúrio ou fraqueza, quis encarnar a crença na
flor, dar um cálice à fé e o seu quinhão da formosura que na terra a
louva.

A vida só é vida enquanto ama e traduz e adora a eternidade na beleza do
mundo e da nossa alma. É a tua lei, Senhor!

Possa eu servi-la e fosse este meu peito perpetua do romeiro onde
abrigasse um infinito amor e eterna graça!



PODER DO VERBO


I

No apolíneo sonho do poeta, à beira da torrente, sobre os montes, o
pastor que além viu a moça linda e ingénua, revestida de viço e de
frescura tão perfeitos como os da primavera em torno que o afagava,
cativo o coração e confundindo no mesmo vago enlevo a graça e a
formosura, cantou assim ternuras do seu peito:

«A erva cresce agora livremente. Há lírios sobre os prados. A maré verde
de Abril transborda no seu crescer. E para traz, muito longe, perdeu-se
cego o inverno.

«Assim como a primavera surge da tormenta, assim da morada escura surges
tu.

«Em ti reside a luz, e qual espraiada no contorno dos lírios a primavera
brilha, assim do teu coração, pelos lábios vermelhos entreabertos, vem
palavras e amor aos feixes erguidos do acónito. E aquele que o movimento
agita lança à terra a bênção, pelo suspirar ardente e pelo amor,
pelo desejo bom e pela alegria.»

«Quando tu partires, no inverno incerto, entre os fumos da morada e no
rumor dos homens, então verei sempre os teus cabelos de oiro e os teus
pés brancos ágeis no volteio. E do limiar da porta até ao lar, canções
vindas do sul, as palavras da tua boca hão-de esvoaçar, aqui e além, a
repetir-se em todo o espaço.»[1]

    [1] William Morris. _The Sundering Flood._


II

Oh, magia do verbo que converte passageiro murmúrio em eternidade!...

Por que subtil poder e invencível palavras dum instante, etéreamente
aladas e fugazes, voltam do infinito espaço em que as lançou a vibração
dum peito comovido, para de novo as ouvirmos tão altas e claras e
tocantes como da vez primeira que as sentimos?!... Por que energia
oculta se renovam, e nos povoam de visões os sonhos, e nos amparam os
passos com o conselho, e nos fazem sangrar o coração, e nos desprendem o
sorriso e o canto, e nos elevam na oração divina, as palavras que
alguém, um pequenino ser mortal e fraco, mínimo átomo no volver dos
mundos, um dia segredou timidamente na mansidão dos seus lábios
mortais?!...

São anjos teus, Senhor, são anjos teus! Pastores do teu rebanho louco e
débil, os enviados bons do teu amor que vem a encaminhar nossa fraqueza
no caminho da tua salvação!

Antes, Senhor, a inconsciência, a morte, o infindo dormir da própria
alma, do que o errar no mundo ao desamparo, sem a bendita voz dessas
palavras que de contínuo ouvimos repetir-se, «aqui e além,
perpétuamente, em todo o espaço», e nos renovam quantas visões de amor
nos enlevaram, quanta beleza e graça nos mostraram para além deste mundo
os céus e os anjos!



UNÇÃO DE GLORIA


I

Nasce para vida curta e breve passa seu sonho de candura e de beleza a
flor que a primavera descerrou. Brisas ligeiras que lhe baloiçaram ao
sol do meio dia o seu turíbulo de dulcíssima seiva perfumada, essas
mesmas virão rasgar-lhe as pétalas antes que o vento abrande no crepúsculo.

Foi um celeste instante de brancura aquela que poisou sobre o espinheiro
florido entre a pálida verdura. Os oiros reluzentes do ranúnculo
brilharam curtos dias entre os prados; e a desmaiada púrpura da olaia,
no suave rubor que nos fascina, parece ter nascido para uma hora, tão
cedo ela decai e junca o chão e se dissolve e perde emurchecida. E as
rosas--é seu fatal destino, bem o sabem! «nasceram para viver uma
manhã». O seu frescor é o beijo duma aurora e uma só vez na vida hão-de
senti-lo.

Entretanto, na sombra, humildemente, a hera sempre verde, persistente,
de contínuo cresceu sobre a ruína, e ou a neve embranqueça no trigal
a verdura da terra requeimando-a, ou o sol alente as seivas dos
vinhedos, ou o inverno a castigue rudemente, ou o Estio sequioso a
abrase, vai urdindo, incansável, esse manto de viço túmido e quente com
que protege feridas da ruína e, remoçando-a, a veste de grinaldas. E
caem desfeitas sobre as heras as flores que a primavera desfolhou, na
vida curta e breve em que viveram seu sonho de candura e de beleza.


II

Ah! Bem feliz, Senhor, seria o filho teu cuja sorte escutando o seu
desejo lhe deixasse escolher para seu quinhão a frescura das rosas
passageira vivendo longa vida prolongada na robustez das heras
caridosas; porque esse seria a tua imagem, bebendo sobre a terra dum só
cálice a suprema beleza e o teu poder. Mas, pois que à imperfeição eu
fui votado e nela hei-de cumprir o teu querer, vivesse eu como as rosas
um momento de candura e de graça e de perfume, e morresse incensando
heras robustas de caridade e viço imarcescível!... Passasse assim na
terra, como passa, numa tarde de Abril embalsamada, a unção de gloria
que os rosais verteram sobre o vigor das eras persistente!... E seria
feliz, abençoado, tendo sonhado a tua eternidade envolta num alento de
doçura.



SACRO HOLOCAUSTO


I

O outono palpita nos orvalhos. Já a manhã é tardia em despontar e o
cavador trabalha em bem prover seu refúgio para a aspereza do inverno.
Antes que rasgue a terra para o trigal, há-de juntar em torno do seu lar
a provisão de lenhas que alimentem calor e vida em noites de Dezembro, a
alegre e rubra chama da fogueira.

No pinheiral da gândara, que dormiu prolongados silêncios abrasados
quando o sol ia alto, fulminando verdes searas a beber seu leite da
terra criadora, entre cantares dos filhos do seu seio e seus escravos
que em suor a banhavam fecundando-a--no pinheiral da gândara, a árvore
ferida, decepada do chão pelo aço luzente que o lenheiro vibrou em
hercúleo arranco, solta tombando clamores tremendos; e a paz da floresta
repetiu-os em ecos de saudade compassiva.


II

Oh, sagrado holocausto duma vida austera e solitária, corajosa, vivida a
todo o tempo, paciente labor de muitos sóis, de rudes provações que
experimentaram a tempestade, a calma, a noite e o dia, águas violentas
que flagelavam e águas de brandura, salutar afago, luares calados, doces
sonhadores, e o desalento do ardor do Estio e a branca inércia das
manhãs do inverno, toda a luz, todo o tumulto e toda a paz, todo o
infinito ser de infinitos mundos!... Tu morreste bendita dando aos
homens todo o calor que guardas nas entranhas, para agasalhares os
berços e o trabalho, para retemperares os seios que amamentam e para
aquecer os braços que se tisnam na escravidão da terra redentora!

Eu não sei se é de dor, se de gloria, se é louvor ou lamento que te
envia, a ti, Senhor, que lhe traçaste a sorte, esse grito que ouvi no
pinheiral quando ao cair da árvore bradou seu ansiado brado a sonorosa
haste que cantara a mansidão das brisas que a tangiam. Mas ouvindo-o,
Senhor, ouvi tua voz; e, turvado da abundância da tua caridade,
implorei-a--não me abandonasse, como não me abandona a fé que eu tenho
em teu mistério de bondade e amor.



SAGRAÇÃO DO ESCRAVO


I

No alto da montanha, ao romper de alva, já moureja no campo o cavador a
alentar essa terra de que é escravo, seu sonho e seu tirano, e sempre
amada, fidelíssimamente obedecida, ou a sonhe feliz dando-lhe frutos
entre rosais corados olorosos, ou a sinta opressiva, insaciável,
bebendo-lhe no suor do rosto todo o sangue. O tépido conforto do seu
lar, o dormir sorridente dos seus filhos, o desvelado afã da companheira
no seu mudo lidar e em seus carinhos, quanto lhe afaga o coração e o
tenta a esquecer na ternura a escravidão, tudo deixou por essa tirania,
para fecundar a terra à qual o prende o rigor de apaixonada sujeição.
Mal ao nascente a luz embranqueceu, ei-lo que parte, erguido e corajoso,
a pelejar a peleja bendita de criar!

Dorme além a cidade ainda prostrada da tenebrosa orgia que a desvaira.
No dissipar de pálidas neblinas, que a madrugada rasga pouco a
pouco, irrompem, lentamente, as sombras orgulhosas dos palácios em que o
luxo entorpece seus filhos corrompidos e enfermos, de alma e do corpo,
por suas vãs loucuras tão cruéis.

Surgem a par as torres das igrejas, onde a fé, a mentira e a hipocrisia
lançaram de tropel em um só templo a cruz de Cristo, a mais santa das
crenças, e a mais torpe traição, essa que oculta sob véus da pureza e na
oração toda a cobiça sórdida de mundos que em podridões sustentam o seu
deleite.

É frouxo ainda o fumo da oficina. Nos seus leitos de ferro e de granito
mal despertaram os monstros que, rugindo pelos lúgubres antros
denegridos, convertem todo o sangue em alavanca ou em um numero, como se
fora a haste fria e rígida do mais frio aço endurecido. Toda a emanação
de Deus que anime um ser em Deus criado e nele engrandecido, coração,
formosura, o próprio seio que amamenta um filho, supremo alento dum
supremo amor, qualquer impulso duma consciência iluminado por visões dos
céus, o mais leve passar duma alegria,--morrem, são nada à porta da
oficina, escoria inútil que os dragões arrastam àquelas profundezas
tenebrosas em que ter alma é um crime, e o pensar e o sentir são uma
traição, um erro, um prejuízo dos argênteos tesouros mercantis.

No declive estreito dos outeiros e na sombra mais húmida das suas
pregas, ao redor dos palácios e dos templos, como varridos em monturo
abjecto para longe das grandezas que afrontavam, confundem-se e
amontoam-se os casebres onde a fome e a sua negra corte de vícios, de
loucura, de enfermidade e morte e blasfémia têm seus covís e dilaceram
os mártires que a crueza dos ricos lhes votou.

O próprio rio que regara os prados e os tingira em verdura e macieza,
que adoçara vinhedos das encostas e orvalhara os vergéis alcandorados na
ribanceira que a pervenca esmalta, o próprio rio onde foi espelhar-se o
rosto lindo da donzela ingénua cativada dos olhos que respondem
comungando nos seus o seu anseio, o rio que serviu a obra de Deus, sua
pura beleza salutar,--tristemente se roja na cidade, turvado por as suas
maldições e servindo a avareza despiedosa que roubou o pão de míseros
humildes para em opulências cobrir de oiro a soberba.

E perante a cidade em seu letargo, atormentada e pálida de dores,
sucumbida nas suas maldições, o sol rompendo ao longe sobre os montes,
na resplendente luz do seu nascer, aureolou de gloria o cavador,
sagrando-lhe a sua crença e o seu vigor, a robustez hercúlea do seu
peito e a consagração bendita de sua alma a esse tributo infindo,
heróico e santo, de em suor pagar à terra o nosso pão.


II

Senhor! Em vossa caridade reparti vossos bens por quantos, infelizes, a
fraqueza condena a mendigar dos fortes o seu pão, embora o orgulho os
traga confiados em pérfidas grandezas traiçoeiras! Por esses que o
destino arrasta na tristeza, no cansaço e desgosto de viver, porque em
hora sinistra se apartaram do caminho da vossa salvação!... Deixai que
chorem sua desventura, e em seu queixume ouvi a minha voz!... Deixai que
chorem em doloroso exílio esses proscritos que jamais comungam com o
cavador na bênção de criar na terra o nosso pão com o suor do rosto! À
luz da aurora que o beijou no monte, juntai as lágrimas dos que vão
chorando sua desgraça, sua perversão!... Fossem elas incenso e ouro e
mirra que os débeis reis do mundo tributassem à sagração divina do
escravo!... Resgatassem humildes todo o erro que os desprendeu da
escravidão da terra!...



MALDIÇÃO


I

Entenebrecidas noites de tristeza afastaram-me da via iluminada para
lugares distantes, desprezados dos escravos das seduções mundanas,
prisioneiros fieis dos seus regalos.

Passei pelas vielas lobregas, estreitas, onde se acoitam multidões
abjectas, que os ricos aviltaram condenando-as à ignorância, à fome, aos
vícios do infortúnio, à loucura e ao crime, a epilépticas convulsões da
embriaguez, à indigência, ora prostrada ou insolente, ora mendiga
lacrimosa e tímida, ora cuspindo pragas e blasfémias em sua altivez
irada, revoltada. Vi os negros covís dos desgraçados que a opulência
arrojou longe dos olhos para os monturos humanos da cidade,--não fossem
os andrajos e os vermes confundir-se entre vestes de purpura manchando-as!

Dos gemidos que vinham desses antros, tantas vezes castigando as nossas
faces como um viperino jacto de veneno, a procurar vingança; do
rugido da miséria nos seus transes nenhum me tocou mais o coração do que
o grito das crianças açoitadas, entre imprecações raivosas de possessos,
flageladas com desprezo e ódio vermelho, somente por chorarem doloridas
de fome e frio e ínfima indigência, sem carinho e sem pão, sem um leve
consolo, que conforte e que alegre e vivifique dum reflexo de divina
essência o corpo enfermo e a empedernida e bruta animalidade.

Longas horas depois de ter deixado os coitos dessa escoria penitente que
sofre e geme em vão nos seus infernos, sem alcançar mover à misericórdia
os soberbos e grandes que em seu fausto, emudecida e cega a consciência,
lhe negaram justiça, ainda ouvia insistente o clamor desse tormento
louco das crianças.

E nenhum mais cruel tenho encontrado!

Em nenhum--e são muitos entre os homens! encontrei maior dor e perversão.


II

Se o Estio esgotou fontes e rios e secou a campina, a ave infeliz, que
tem filhos no ninho a sustentar, e em vão moureja, diligente e muda, por
todo o abrasado e ingrato espaço, tem de voltar ao poiso desprovida.
Mas não castiga essas famintas bocas que a esperam, gritando e
atribuladas, a pedir-lhe o alimento que não pode dar-lhes, pois lho
recusam os calcinados campos adversos. Sofreu resignada o suplício, a
fome, a sede, e a amarga invocação dos que um mau sestro confiou ao seu
amparo.

Se o leite seca ao animal bravio, por qualquer contingência da sua
sorte, oferece o peito exausto ao filho débil, todo o seu sangue
quereria dar-lhe; e sentindo-o a morrer de inanição, responde com os
carinhos ao queixume da vergontea que vai a definhar, aquece-a junto ao
corpo, mas jamais se abandona a ímpetos de cólera, só porque um ser
amado lhe suplicou, inquieto, angustiado e lacrimoso, o mantimento que
carece para viver.


III

Que estranha aberração induziu o homem a negar a robusta caridade,
comum, vulgar, no peito inconsciente?!... Que estranha perversão o fez
acrescentar à indigência a crueldade, torturando, somente por lhes
sentir as agonias, aquelas mesmas vidas que criou, carne da sua carne,
almas da sua alma?!...

Discípulo de Cristo a quem adoras, por comunhão na sua vontade e
anseio erguido à plena luz do entendimento que te mostrou irmãos nas
ínfimas partículas, na argila e na poeira, como no coração, na rosa e em
tudo quanto existe! Senhor soberano dessas forças terrenas formidáveis
que dominaste e trazes por escravas em proveito do teu gozo e teu
triunfo, convertendo-as do terror à mansidão, dócilmente vergadas ao
capricho!... Por maldição de trágico império, em tenebrosa queda
degradado, foste sujeito, louco, em teu orgulho de virtude e de crença e
de isenção, a repassar de fel a dor dos próprios filhos!



PROFISSÃO DE FÉ


I

Não ajoelhei no adito do templo e, como o filho querido do poeta, fiquei
também de pé, rebelde e incrédulo, «quando um povo fiel na sombra das
abobadas se curvava ao passar de cânticos celestes, tal qual se verga a
multidão das canas quando sobre elas sopra o vento norte.»

Irreverente e altivo, passei coberta a fronte por monumentos altos,
insensatos, em que orgulhosa demência de grandezas, poluindo com o
fausto a divindade, num estranho tumulto de blasfémia e súplica, de
mentira e verdade, de confissão ingénua e de impostura, pôs o sinal da
cruz e da oração ao sagrado retiro em que confunde religião, vaidade,
amor e ódio, fanatismo e doçura, mansidão, crueldade, perdão, vingança,
cobardia e coragem, o nobre e o mísero, o sacripanta e o santo.

Muita vez me afastei desse desvairo, satânica traição, em que o
resplendor de Deus no cálice e na hóstia se empana esmorecendo em
nuvens de vileza que derramam em torno a escuridão da impiedade e das
paixões mundanas.


II

Mas não te desamei, Senhor, porque assim fiz!...

Sempre que o coração tentou seus voos de candura, sempre que se sentiu
sujeito a forças sobre-humanas para as servir guardando os seus
mandados, no remorso e na dúvida, em todo o penar de angustia e em toda
a esperança, em afecto e ternura, em sonhos de pureza, aspirando ao
enlevo no Eterno, cansado deste mundo de fraqueza, ergui olhos chorosos
ao azul, onde cintilam astros diamantinos, e invoquei-te, Senhor, meu
Deus e Pai, a ti «que estás nos céus, nome santíssimo, para que tu me
acolhas no teu reino e eu fielmente cumpra a tua vontade; para que me
dês o pão de cada dia e me perdões quanto te dever, assim como aos meus
devedores também perdoo; para que afastes de mim a tentação e de todo o
mal me livres para sempre.»

E fui humilde então!... Nesses altares me despi totalmente da soberba e
ajoelhei prostrado, submisso, a escutar tua voz e a adorá-la, religioso,
confiado e crente, curvado como o canavial vergado ao vento.



DRÍADE ENFERMA


I

Pelo musgoso atalho da floresta, entre o tojo bravio e urzes austeras,
fui saciar meus olhos na beleza e reanimar o corpo na carícia que o sol
esquivo e brando de Dezembro frouxamente derrama através da espessura do
pinhal.

A custo ia abrandando o frio da manhã. São curtas nesse tempo as horas
tépidas. Mal se fundiram os gelos da derradeira noite, logo vem
renová-los mais profundos a palidez de frígidos crepúsculos.

Experiente, já certo dessa lei que dos astros nos vem e é impreterível,
sorvia com avidez a delícia breve que eu sentia fugaz, quase uma ilusão
de transitórios sonhos luminosos.

E lembrava o Estio e a primavera!... Ali, naquela mesma floresta, ali
busquei abrigo da violência dos abrasados dias inflamados pela calma do
mês de Santiago. Ali me defenderam dos seus fogos as vastidões
umbrosas impenetráveis. Ali ouvi passar no vale vizinho o sussurrar das
águas que corriam a reanimar o prado emurchecido por aturadas horas
refulgentes. Ali senti esse leve sorrir vindo da terra, desprendido dos
borbotões das fontes do seu seio para redimir a vida extenuada,
desfalecida à míngua de frescor.

Ali encontrei passando ao entardecer, em sua plena graça juvenil, como
se alada rosa eu entrevisse, a moça que subia das lenturas fecundas do
juncal a regalar seus gados com o pascigo, entre cantares ceifado
alegremente, vibrando firme a foice, despiedosa, a traçar nos seus
dentes a bonina mais branca, e o malmequer, e a mais esbelta haste do
azevém onde já despontavam as palmas rígidas em que guarda a semente.

E eis que de novo a encontro agora na floresta, a essa mesma dríade que
outrora, em perfumadas horas estivais, passou por mim turvando-me os
sentidos de súbito embebidos, cativados, na gentil maravilha de seus
gestos.

Mas quanto vem diferente e vem mudada!...

Que é da graça subtil que a envolvia, envolvendo na sua formosura os
olhos confundidos, fascinados do latejar sadio que igualava o florir
ingénuo da açucena?!...

Filha da terra e sua humilde serva, também ela conhece o outono e o
inverno; também arrasta penas e fraquezas; também se empobreceu de
seus enleios. Não fugiu ao rigor da lei comum. Enferma, traz
enfermo o seu encanto; vai quebrada a magia do seu poder divino. Curvada
sob o feixe de duros ramos secos que para seu conforto esforçada colheu
de orgulhosos robles, castigada a frescura rosada dos seus braços pelos
espinhos ímpios dos silvados, tisnada a face pela aspereza cortante das
manhãs, é agora a lenheira paciente, mortificada e débil, imagem do
trabalho e do sofrer, aquela ceifeira airosa que ainda há pouco foi para
mim missionário feliz da alegria sagrada de viver, afortunada voz e alto
pregão das seduções da terra, claro espelho de todo o seu amor.


II

Se em toda a vida passa a enfermidade, se a formosura é incerta, e se o
lírio e a estrela e a nuvem e o mármore mais duro, e a alegria e o riso
e a doçura infinita da bondade e a própria luz do sol são perecíveis; se
a criação inteira que os olhos vêem e que a nossa alma sente, toda a
beleza íntima e a do mundo, decai e desfalece, sofre e se apaga: se só
tu és eterno, Senhor! em tua caridade e teu saber, e se a suprema
harmonia, que é o teu sonho, não distingue o prazer e a dor, a caricia,
o flagelo, a rosa e o cardo, por igual divinos em teu divino
ser--se é esse o teu querer, bendita seja a hora em que encontrei a
dríade enferma do inverno que em seu dissipado encanto e em sua mágoa
correu a ensinar-me a crer em teus desígnios e me segredou louvor e
obediência, a inteira abdicação em teu mistério!



MONJAS DO OUTONO


I

Ouvi cantar no monte as urzes roxas.

Cantavam ao romper de alva, ainda banhadas do cintilante orvalho da
manhã que pela noite calada e arrefecida as estrelas pousaram nos seus
braços, trigueiros como a terra onde se criam.

Cantaram ao cair da tarde, iluminadas por brazeiros corados do poente
que o tumultuar das nuvens inflamou, ao longe, sobre o mar, no extremo
horizonte.

E enquanto assim cantavam nos seus bandos, vagabundos das fragas e dos
seixos, cobriam toda a terra da sua purpura, esmorecida e branda, tímido
murmúrio da vermelhidão que hesita em seu clamor e teme ferir quando só
quer dar vida.

Cantavam livres percorrendo a gândara rasa onde nem um desgarrado
arbusto se afoitou a erguer mais alto o ramo castigado, sem remissão
votado a rastejar porque o pascer contínuo dos rebanhos mais não
consente. Pelos recessos húmidos das grutas, sob a curvada abobada do
roble, entre ogivas audazes dos pinheiros, na alumiada encosta que
conduz à azenha encastelada sobre o rio, ou adornando frígidos penhascos
que só conhecem os rigores do norte--cantaram sempre e com a mesma voz
as urzes roxas, monjas do outono.

Conformada doçura bem casada com o declinar das pompas do Estio,
renuncia da opulência, resignação entre a pobreza árdua do inverno que o
encurtar do dia já promete, um sereno caminhar para a austeridade,
aquele desprendimento sobre-humano que descreu das grandezas deste
mundo, da ansiosa tormenta da ambição, e procura o resgate em
singeleza--tudo eu ouvi cantar às urzes roxas, monjas do outono
bem-aventuradas, que aos olhos me trouxeram suavidade entre ameaças
ríspidas da aspereza e a minha alma engrandecem conduzindo-a aos reinos
religiosos da sua paz.


II

Senhor! Tu que me consentiste a graça de escutar a voz bendita com que
no outono as urzes roxas vem a libertar-nos das dores de embriaguez
obcecada que pôs sua ambição em querer muito, em vez de a consagrar
à fortaleza de se sujeitar à lei que em teu mistério deste ao universo,
não permitas, Senhor, que eu desfaleça! Enquanto a minha jornada não
findar, que eu não deixe jamais de te escutar no canto benfazejo das
urzes roxas, monjas do outono!

Possa eu beber com elas no seu cálice a suave resignação da sua pobreza,
seu valoroso animo que afronta, cantando e derramando suavidade,
pressentimentos que aos demais oprimem, esse cair da noite do inverno,
seus flagelos, suas privações, o gelo, a morte, todo o seu cortejo de
crueldades sem fim, inexoráveis!



A TERRA ESCRAVA


I

Esta terra que no homem tem o escravo e, toda poderosa, o traz curvado a
amá-la, essa mesma por sua vez foi também escrava quando, obediente e
humilde, serve o esposo ao qual sorri ansiosa e abre o seu seio.

Há-de rasgá-la o aço da charrua para que a seara acorde nos seus sulcos;
e há-de a foice resplender, ceifando o pão, para que ela aos servos dê o
seu sustento. Se esse beijo de amor a não alenta, jaz infecunda,
endurecida e nua, como triste proscrita da alegria, desamparada à beira
do caminho, em vão sonhando caridade e gloria.


II

A escravidão é a tua lei, Senhor! A ninguém que tu ames a ocultaste. É o
mantimento e guia da jornada que à tua fé nos leva. Nem a estrela
mais rútila dos céus deixou de ser escrava de outra estrela. Sintam os
meus pulsos todas as algemas que me acorrentem a esse teu querer de
fecunda bondade, sujeitando o meu ser a outro ser e perfazendo assim a
vida eterna do amor e da humildade! Sirva-as o sangue, dê-lhes o
calor!... Adore-as meu coração!... Por elas se resgate da treva das
tristezas e das dores em que o solitário orgulho pena a culpa!



MISTÉRIOS DE CERES


I

O nocturno ulular do negro inverno solta no pinheiral espectros
clamorosos. Abrigam-se refugiados nos casais, em volta da viva chama que
os aquece, os tímidos foragidos da tormenta e os colos que acalentam
criancinhas.

E, heroicamente, afrontando a rudeza da inclemência, despontam nas
campinas os trigais. E, alegremente, esvoaçam na levada alvas farinhas,
bailando o seu delírio sob os colmos que protegem a azenha sonorosa. E,
ardentemente, o brazido dos fornos vigilantes fabrica no seu fogo o doce
pão que, quando alvorecer, nos reanime para seguirmos na terra essa
jornada da via dolorosa, via ingrata.

São os mistérios de Ceres que do seu seio destila o abençoado leite que
amamenta os infinitos bandos dos seus filhos.

A terra, o fogo, a água e o nosso braço, quanto a criação sonhou de
grande e belo e santo e generoso, desde a fecundidade casta duma leiva
até ao nosso alento, consumido pela consciência do dever
cumprido,--todos Ceres arrastou em seu mistério, todos são seus
escravos, obreiros dóceis, servos diligentes da sua caridade. E a sua
esmola, o pão, que por igual aviventa nos berços a inocência, renova a
energia ao cavador, e piedosamente desce às geenas túrbidas dos míseros
proscritos que em desgraça e no crime resvalaram--o pão gerado para
criar o sangue é também sacramento que une a alma a todas as divinas
forças que o geraram, partícula de insondáveis mundos e infinitos de
poder e de amor.

O inspirado rude plebeu que, se o pão caiu no chão, o ergue e o beija,
consagrou na candura religiosa esse mistério que une a nossa alma à
terra e aos céus e só a religião suspeita e adora.


II

Conduzi-me, Senhor, ao altar de Ceres! Ensinai-me sua graça e os seus
mistérios! Assim como o pão renova no meu sangue o calor que o agita e o
move e o fortalece, fazei, Senhor, que ele nutra também meu coração para
sentir, prostrado em gratidão, tua eterna bondade generosa! Que por
meu braço o louve e engrandeça!... Que, curvado, lhe tribute o suor do
rosto!...

É o teu mensageiro o mais fiel. Seja eu o seu servo o mais humilde! Pois
que, servindo-o, Senhor, te glorifico e em ti resgato a miseranda
vida.



HORAS DO MEU PEITO


I

Fica à beira do rio o campanário que do alto da sua fortaleza conta as
horas da vida passageira em que ao redor se agitam ou repousam os campos
remansosos e os vilares, afadigados na fadiga humana. E quantas horas
caem do bronze, lento e sonoro, que as solta ao vento, ou tormentosas
sejam ou benignas, leva-as o rio para o mar profundo, na sua imensidade
vão perder-se.


II

Assim caudais de amor, e esses somente, me recebessem horas do meu
peito, quantas meu coração puder contar, ou na mágoa e na dor ou na
alegria, e todas elas as levassem celeres, na candidez das águas
baptizando-as, a perder-se, Senhor, na imensidade da bondade infinita do
teu seio!



ÁGUAS VIÚVAS


I

Não distantes do mar, entre rochedos, brotam as águas que, em seu breve
curso, desoladas se internam na aridez, até que de todo as bebe o areal
adusto e as confunde perdidas na amargura de ondas salgadas que destroem
e queimam.

Foi-lhes árduo o caminho. Apenas surgem da terra e viram o dia,
encontraram a fragura impenetrável, madrasta avara de mirrados líquenes.
Depois, como cativos escoltados por alcantis que os cingem ao caminho
apertado no sombrio vale estreito, nem sequer por momentos gloriosos
sentiram a liberdade das campinas que amorosas quisessem e se exaltassem
em seu fecundante afago. Por fim, engolfando-se em mares insaciáveis,
estéril se dissipa para sempre esse anseio de amor que prometia a rosa e
o trigal e a sombra viridente e que, infeliz, nasceu só para sofrer, por
negra sorte cedo condenado a jamais se expandir em formosura e
nunca amassar o pão que mata a fome. Malfadadas, essas águas das fontes
junto ao mar beijaram o pequenino campo minguado entre rochas rebeldes e
soberbas, e eis que o mar as vem beber e logo as lança nas suas
profundezas insondáveis.

Foi seu destino serem infecundas!


II

«Águas viúvas!» disse o cavador. «Na vida não tiveram quem as ame. São
viúvas do chão que as recebesse no seu seio profundo e generoso para as
restituir á luz em flores e em frutos, para vestirem de doçura a terra,
para salvarem da fome os que a padecem, para se alargarem em lagos dos
açudes e para cantarem na levada alegre seu louco impulso, todo o seu
folgar».

E o cavador cismava na sua leiva, naquela que rasgara no bravio, e era
regada só do suor do rosto e pelos orvalhos breves da manhã, e em dias
tormentosos dilacerada pela rispidez de invernos inclementes, severos,
tanto ou mais que o sol de Julho. Por que erro ou mistério chorava ali a
água a viuvez dum benigno chão que a desposasse, e lá no cimo do monte o
campo pobre desfalecia à mingua da lentura que lhe acordasse os
germes e os trouxesse a viverem a gloria de crescer?!...

E o poeta, ao ouvir o cavador, pensou na viuvez das almas que no mundo,
nascidas para a bondade e para o amor, voam seus voos na ruindade
agreste dos egoísmos míseros dos homens e, à mingua de almas irmãs que
lhes recebam seus anseios fecundos de carinhos, mirram-se estéreis entre
desenganos, e do mundo se apartam dissolvido o seu desditoso anseio
benfazejo nas profundezas da desilusão.

Por sua vez incerto e compungido, tremendo da desgraça dos infernos onde
penam os corações desamparados que em desventura nunca sentem irmãos
pulsando a par do seu pulsar de amor, o poeta responde ao cavador:

«Por que erro ou mistério do destino, andam perdidos e, chorando, sofrem
a viuvez duma ternura irmã da que os alenta e ampara e os ergue a Deus,
os corações que amam sem encontrarem amor que o seu fecunde e alimente
para o florir em bênçãos e consolo dos que em desdita esmolam esses
bens?!...»


III

Isentai-me, Senhor, do atroz martírio que o coração sedento de bondade
padece nesta vida quando à sua voz só responde a dureza das paixões
e uma cobiça ardente, insaciável! Roubai-o a essa cruz, toda de
espinhos, em que rasgado se desfaz e muda um infinito amor em amarguras!
Ensinai-lhe, Senhor, a fortaleza e que, entre o desamor que o perseguir,
saiba ao menos amar a desventura!



PUREZA AMARGA


I

A pureza que a neve da montanha desprendeu gota a gota em claro fio, era
doce nas pedras do regato onde o pastor bebia o refrigério das canseiras
do monte e do rebanho.

E correu, correu sempre clara e doce, enquanto se despenhou de fraga em
fraga, apressada, descendo ao horizonte que distante a chamava e a seduzia.

E foi doce ainda quando se juntou ao largo rio em que os cinceirais
encaminhavam brandamente ao mar, entre verduras tenras rumorosas, as
diamantinas, fúlgidas, correntes de peregrinas águas caudalosas.

Até que ao fim entregue à imensidade, porque ansiava louca de paixão, e
a que corria desde o seu nascer, na pureza de neve assim lançada às
convulsões das vagas sem repouso, transmudou-se em travoso amargor de
ondas salgadas quanta doçura tinha no seu cálice--como se por
vontade e obra divina essa pureza que nos foi doçura, irmãmente nos dê
sua amargura.


II

Senhor! Fosse a amargura o preço da pureza!... E eu quereria que quanta
amargura em todo o mar se encerra, toda ela coubesse no meu peito, se
por ela pudesse converter meu coração, turvado de paixões, na virgínia
pureza que se gera da neve cristalina da montanha.



TIRANIA DO FOGO


I

Após um breve e pálido crescente perdido além, ao longe, sobre o mar, na
cerrada treva que se lhe seguiu, fulguram tragicamente as labaredas do
incêndio que se ateia na montanha e enegrece o pousio, raso e nu, em
toda a vastidão onde implacável o fogo apascentou os mortíferos rebanhos
das suas chamas. É cinza a urze que tingiu de púrpura a aspereza mais
ingrata dos fraguedos. É cinza o tojo que arrojadamente floriu doirando,
de oiro precioso, o chão ainda gelado de Dezembro. E os renovos do sobro
e o pinheiral, que entre os seixos avaros despontavam, em cinzas
converteram a curta e tenra vida das suas hastes.

A tirania do fogo em sua gloria toda a beleza esquece e todo o bem. Em
sua austeridade e em seu mistério, enquanto nos fascina e nos subjuga,
ou nos avivente e exalte em manso alento ou em delírio lavre devastando,
tem por escrava toda a formosura, dissipa-a sem piedade em seus
altares. A flor que canta a aurora e é o seu sacrário, a árvore que ao
peregrino deu sombras e pomos, sumas riquezas, sumas alegrias desta vida
mortal dos nossos olhos--são pó e em pó se volvem, se a pureza do fogo
as inflamou.


II

Ser escravo, Senhor, é o meu anseio! Libertai-me o meu peito da miséria
dos mundos vãos de vãs aspirações da vaidosa existência corruptível, e
convertei-me em cinza o coração, na tirania de um amor ardente, por ele
purificado e consumido--assim como o fogo abrasa o cedro e o roble, em
chamas gloriosas redimindo na luz, que é vida eterna, do transitório
orgulho da opulência que se nutriu das seivas da floresta!


FIM



ÍNDICE

     ROSAS DO MEU CAMINHO
     AS TAÇAS DO BANQUETE
     A DOR E A VIDA
     MAIS FORTE QUE O MAR
     HUMILHAÇÃO
     BÊNÇÃO DO POENTE
     O SONO DO TRIGAL
     TERRA LACRIMOSA
     CULTO DE QUIMERAS
     ANSEIO DA MANHÃ
     A ASA DO REMORSO
     SERVAS DA LUZ
     TROFÉUS DO ESTIO
     LOUCOS DE HUMILDADE
     ORAÇÃO DOS LARES
     CANTARES DAS SEBES
     COMPANHEIRO E GUARDA
     REINO INFINITO
     PODERES DA TERRA
     PERPETUAS DO ROMEIRO
     PODER DO VERBO
     UNÇÃO DE GLORIA
     SACRO HOLOCAUSTO
     SAGRAÇÃO DO ESCRAVO
     MALDIÇÃO
     PROFISSÃO DE FÉ
     DRÍADE ENFERMA
     MONJAS DO OUTONO
     A TERRA ESCRAVA
     MISTÉRIOS DE CERES
     HORAS DO MEU PEITO
     ÁGUAS VIÚVAS
     PUREZA AMARGA
     TIRANIA DO FOGO



Casa Editora de A. Figueirinhas

PORTO


Paulo Combes

O Livro da Esposa, br. 500, enc. 700

O Livro da Dona-de-Casa, br. 500, enc. 700

O Livro da Mãe, br. 500, enc. 700

O Livro da Educadora, br. 500, enc. 700


Jaime de Magalhães Lima

Rogações de Eremita, br. 300


José Agostinho

A Mulher em Portugal, br. 500, enc. 700

O Caminho das Lágrimas, br. 600, enc. 800

Cristo (Poema), 1.º vol. br. 500

A Religião e a Arte, br. 100


Frederico Mistral

Mireia--Tradução de João Aires de Azevedo e Manuel Teles--br. 500, enc. 700


Bossuet

Sermões, vol. I, br. 500, enc. 700

Sermões, vol. II, br. 500, enc. 700


Maria Pinto Figueirinhas

Contos das Crianças, br. 300, enc. 500

O Livro das Maravilhas, br. 300, enc. 500

Os Serões das Crianças, br. 100


Pedir Catálogos da Casa Editora de A. Figueirinhas--Porto

DEPOSITÁRIO GERAL:

Livraria Portuense LOPES & C.ª--Sucessor





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Rogações de Eremita" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home