Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: O Centenario de José Estevão - Homenagem da Maçonaria Portugueza
Author: Lima, Sebastião de Magalhães, 1850-1928
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O Centenario de José Estevão - Homenagem da Maçonaria Portugueza" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



disponibilizada pela bibRIA.



O Centenario de José Estevão

DISCURSO

PRONUNCIADO NO THEATRO DE AVEIRO

EM NOME DA

Maçonaria Portugueza



MAGALHÃES LIMA

O Centenario de José Estevão

HOMENAGEM

DA

Maçonaria Portugueza.

LISBOA

Composto e impresso na Typ. La Bécarre, de F. Carneiro & C.ª

47, Rua Nova do Almada, 49

1910



_Aos_

Maçons Portuguezes

_Meus companheiros e meus Irmãos_

Lisboa, 26 de Dezembro de 1909.

_Magalhães Lima_



SENHORAS E SENHORES:


A vossa manifestação toca profundamente o meu ser, faz vibrar a minha
alma, não porque me lisongeie o applauso do publico, o applauso da
galeria, que é tudo quanto ha de mais ephemero como ephemera é a espuma
do mar que o vento leva (os persas adoravam o sol, quando estava no seu
zenith e apedrejavam-no, quando desapparecia no horisonte; as folhas do
loureiro são narcoticas, entorpecem e provocam o somno, e os idolos só
são idolos, ai d'elles! emquanto se lhes não vêem os pés de barro!) mas
porque reconheço quanto ha de sincero, de espontaneo, de effusivo e de
tocante na vossa homenagem.



Aveiro, pátria de José Estevão


Bem se póde dizer, senhoras e senhores, que fômos criados e embalados no
mesmo berço; que respirámos, juntos, o mesmo ar sadio da liberdade que
nos trouxe a brisa do mar; que partilhámos das mesmas alegrias; que
pranteámos nos mesmos pesares e que bebemos pela taça da mesma amisade
effusiva. Em Aveiro, tenho a minha familia natural e a minha familia
espiritual--que sois todos vós! Perante a minha razão, ambas são
egualmente legitimas. Fomos companheiros e somos irmãos. Por isso podeis
bem imaginar, podeis bem aquilatar, com que intimo alvoroço, com que
profundo recolhimento, venho hoje aqui, n'este dia solemnissimo (_sursum
corda!_) em que o corpo se me curva, ao mesmo tempo pelos annos e pela
commoção, semelhantemente a uma arvore amada, tronco bemdito, tronco
sagrado! que afagámos em criança e que vimos crescer; sim, repito,
podeis bem imaginar e aquilatar com que entranhada devoção, venho hoje
aqui recordar antigos camaradas queridos que cairam na estacada, ao
sôpro de ventos inclementes, porventura impiedosos. E entre outros,
apraz-me citar Mendes Leite, Bento e Bernardo Magalhães, Agostinho
Pinheiro, Francisco Rezende, Manuel Firmino de Almeida e Maia, Almeida
Vilhena, Julio Pereira de Carvalho e Costa, Manuel de Mello Freitas,
Chrispiniano da Fonseca, Manuel Gonçalves de Figueiredo, e tantos outros
que alentaram a minha mocidade e foram para mim como que arco-iris
luminosos na primavera da vida.

Não procuro inquirir das suas ideias politicas, nem isso importa, n'um
momento em que todos os aveirenses, ousarei mesmo dizer, em que todos os
portuguezes estão ligados, unidos, estreitados e vinculados pelo mesmo
pensamento, pelo mesmo sentimento e pela mesma vontade. A hora é para a
conciliação: não é para a repulsão. A hora é para o amor e para a
concordia: não é para o odio e para a vindicta. É uma hora de jubileu
nacional que não comporta nem sectarismos nem exclusivismos.

Um mixto de melancholia pungente e de alegria intensa me domina e
avassala: de tristeza pelos que desappareceram, sombras queridas atraz
das quaes corremos em vão, numa ancia febril, quasi infantil; de
alegria, pelos que, escapados ao naufragio, eu vim hoje aqui celebrar,
glorificar e acclamar, com o desvanecimento com que os antigos romanos
exclamavam, orgulhosos: _civis romanus sum_, sou cidadão romano; com o
orgulho com que Miguel Angelo bradava nos ultimos annos da sua vida:
_Anch'io sono pittore_, ainda sou pintor. Com esse mesmo desvanecimento
poderei exclamar: _sou cidadão aveirense_. Com esse mesmo orgulho, o
orgulho de Pericles, depois da segunda derrota do Peleponeso, poderei
bradar: _eu de mim sou o que era e estou onde sempre estive!_

Como poderia occultar, com effeito, o enternecimento que me enche o
coração, n'uma onda de amor, n'uma emoção intraduzivel, ao encontrar-me
de novo n'esta pittoresca cidade de Aveiro, onde, através um delicioso
kaleidoscopio, entrevejo, em doce visão, o cysne do Vouga, na sua alvura
immaculada, como o cysne do _Lohengrin_; em Aveiro, a minha patria
adoptiva, _terra mater_, onde jazem os restos mortaes de uma mãe
adorada; onde deixei o exemplo sugestivo de um pae honrado e forte; onde
tenho um irmão, exemplar raro de elevação moral e intellectual; onde
recebi, pela primeira vez, a palavra de ordem, para os rudes combates da
existencia; onde, semelhantemente ao peregrino, ao romeiro que, depois
de ter percorrido longinquas paragens, regressa ao lar, não para topar
com a desillusão cruel, como o Frei Luiz de Sousa, mas como o Fausto da
lenda, para reviver na sua Margarida fiel, isto é, no coração
fiel--venho encontrar alguns d'aquelles que tanto amei, como eu,
pendidos para o crepusculo. Como poderia occultar-vos o immenso jubilo
de que estou possuido, ao vêr n'esta sala alguns dos legitimos
representantes dos que, pela liberdade viveram e por ella soffreram e se
sacrificaram, legando-nos o difficil mas grato encargo, não só de a
conservar e de a defender, de a mantêr integra, como a bandeira de um
regimento, senão tambem o de accrescentar novas victorias ás antigas
victorias, aos antigos triumphos novos triumphos. N'esta religião, toda
de piedade, de amor, de carinho, tenho educado o meu espirito e n'ella
espero morrer.

A amizade é um beneficio dos deuses, diziam os gregos. Emilio Castelar,
a quem eu devi uma das raras consagrações da minha vida, depois de umas
ligeiras escaramuças que tivemos na imprensa hespanhola, e que
arrefeceram um tanto as nossas relações pessoaes, aproveitando uma das
visitas da princeza Ratazzi a Lisboa, escreveu-me uma longa carta, na
qual, entre outras coisas, me dizia o seguinte: «As luctas da politica,
meu querido amigo, por mais gloriosas e brilhantes, não valem uma boa
affeição que inunda os nossos corações de uma luz radiosa, divina, a
unica capaz de espancar as trevas da discordia.»

Quando se chega á minha edade--já Lamartine o constatava--vive-se muito
de recordações. Recordar, n'este caso, é resuscitar; é evocar a ala dos
namorados que nos tempos heroicos de mosqueteiro se batiam, quando não
morriam, pela sua dama idolatrada. E a dama, para mim, foi sempre e é
ainda a Ideia, a boa, a grande, a generosa Ideia; a origem de todos os
commettimentos, de todas as audacias, de todos os heroismos; a Ideia,
doce noiva espiritual, que não atraiçôa como os homens, que consola e
faz viver; a Ideia, estrella, guia, pharol, que nos conduz á Terra da
Promissão; a Ideia, mais poderosa do que os grandes potentados da terra,
mais forte do que todos os exercitos do mundo, a Ideia em marcha não é
outra coisa senão a propria humanidade descrevendo, através a historia e
os seculos, a sua trajectoria luminosa, do mesmo modo que os astros nos
espaços obedecem á lei da gravitação universal.

Athenas, com os seus monumentos--exclamava Castelar--Roma com as suas
leis; Florença com as suas artes da Renascença; Veneza com a sua
bussola; Pisa com a sua lei do pendulo; Strasburgo com a imprensa; o
telephone,--acerescentarei--o telegrapho sem fios, o automobilismo, o
balão dirigivel, o aeroplano--que representa tudo isso senão a Ideia
illuminando o mundo, como a collossal estatua da Liberdade que se
encontra á entrada do porto de Nova-York?

Nada mais consolador e fortificante do que recordar nomes queridos e
saudosissimos e relembrar sitios, onde, na despreoccupação dos annos, na
suavidade bucolica de Virgilio, vivi as minhas primeiras illusões,
povoadas pelas abelhas do Himeto, como o philosopho que da sua torre de
marfim vê o mundo côr de rosa, através uma atmosphera diaphana e
transparente.



A supremacia moral


Felizes os que, longe do embate, do choque das paixões brutaes e
grosseiras, das ambições illegitimas e inconfessaveis, dos odios
implacaveis, podem manter uma juventude espiritual, a eterna juventude,
divinizada por Petrarcha, amando a Vida e o Universo, na triplice
manifestação de belleza, de verdade e de justiça.

É essa mocidade espiritual, ou, antes, essa força moral que caracterisa
o sabio, o philosopho, o poeta, o artista, emfim todos os privilegiados
do espirito e do coração.

E foi seguramente essa mocidade espiritual, essa grande e poderosa força
moral que, mais do que nenhuma outra, caracterisou esse homem raro,
unico, excepcional, que viemos hoje aqui celebrar n'um frémito unisono
dos nossos corações, na suprema vibração das nossas almas; a palavra
feita luz, o verbo feito marmore, mais poderoso do que os thronos dos
Cesares, do que as tiáras dos pontifices--José Estevão Coelho de
Magalhães--personalidade de granito; cidadão feito para a antiga Roma
que não para o Baixo Imperio de uma sociedade corrupta; o ideal da
liberdade, do amor, da justiça, da emancipação humana, na sua maior
elevação moral e civica, o ideal da patria, d'esse patriotismo que teve
o seu echo triumphal no hymno da _Maria da Fonte_, como os
revolucionarios de 89 o tiveram na sua immortal _Marselheza_.

Superior á força das bayonetas dos Hapsburgos, na Austria, de Eduardo
III, em Inglaterra, de Carlos V e Filippe II, em Hespanha, de Luiz XIV e
Napoleão I, em França, não cessarei de o repetir--está a acção moral do
individuo que foi, é e será sempre o segredo da civilisação. O homem não
foi feito para um eterno martyrio e para repellir eternos attentados. Ha
uma coisa superior a todas as luctas violentas: o dever reciproco. O
methodo da civilisação não se conquista, porém, com a mesma facilidade
com que se conquista uma praça forte.

As procellas, as trombas, os cyclones--dizia o inclito Ruy Barbosa, n'um
dos seus discursos gravados em bronze--devastam mas não duram. O que não
passa é o oceano de verdades eternas, indifferentes ao rugir das paixões
contemporaneas, e por sobre elle a immensidade siderea das almas, que és
tu, ó liberdade!

As demagogias são cataclysmos passageiros. Quasi todas as revoluções de
vertigem popular naufragaram na dictadura. Só são definitivas as
revoluções do direito e pelo direito: a que descaptivou a Hollanda, no
seculo XVI; a que renovou a Inglaterra, no seculo XVII; a que organisou
as colonias anglo-americanas, no seculo XVIII, e a que fizeram, no
seculo XIX, a America latina, a Belgica, a Italia e a Grecia.

Ao contrario de Carlysle, que via na historia a obra pessoal e quasi
exclusiva de alguns que elle denominou heroes ou grandes homens,
Michelet, o seductor Michelet, via na historia a obra das multidões, a
obra do povo, o protogonista de todas as revoluções.

Qual das duas theorias, qual dos dois criterios philosophicos será o
verdadeiro?

Eu creio que ambos, porque, assim como a acção completa o pensamento,
assim tambem a Revolução completa a evolução.

Foi certamente Camillo Desmoulins, quem, no Palais Royal, n'uma noite,
ao mesmo tempo tragica e festiva, interpretando o sentimento francez, e,
mais do que o sentimento francez, o sentimento humano, soltou o grito
libertador--_Á Bastilha!_ Mas foi a população do bairro de Santo
Antonio, composta de esfarrapados, de famintos, de andrajosos, de _sans
culottes_, da canalha, na linguagem da Ordem, quem a assaltou e a
derrubou. Quero referir-me á Bastilha franceza, do seculo XVIII, porque,
depois d'isso, quantas Bastilhas se ergueram e quantas estão ainda de
pé, para vergonha da civilisação e da humanidade!

Foi, sem duvida, Emilio Zola quem, no processo Dreyfus, interpretando
ainda o sentimento humano, soltou aquell'outro não menos formidavel
brado: _Accuso!_ Mas foi a opinião mundial, foi a consciencia
collectiva, quem lhe deu a victoria, assim como foi a opinião mundial, a
consciencia collectiva, quem denunciou o assassinio judiciario de
Francisco Ferrer. Não foram os Pyrineus que separaram momentaneamente a
Hespanha da Europa; não foi o Oceano que a separou da America: foi o
carrasco, com as mãos retintas de sangue, quem a isolou do mundo
civilisado.

Foi Leão Tolstoi quem proclamou a recusa ao serviço militar, como meio
de acabar com as guerras que ensanguentam a humanidade. Mas foram as
massas populares, foram os intellectuaes, que julgam sempre em ultima
instancia, tribunal acima do qual não ha, não póde haver, outro
tribunal, quem lhe assegurou o triumpho moral.

Isto quer dizer, que a iniciativa individual só é fecunda, quando
coroada pelo esforço collectivo. Entregue e abandonada a si, raramente
consegue vencer.

Os homens só são grandes e só poderão chamar-se heroes, quando vivem
para os seus semelhantes, quando os seus corações pulsam e vibram com o
coração do povo, n'um mesmo ideal e n'uma mesma aspiração!



Os heroes


Serão, porém, admissiveis os heroes?

O proprio tribuno, no seu famoso discurso da _Charles et George_,
illuminado pelo mais ardente patriotismo, repudia-os com aversão.
_Detesto os heroes todos. Os heroes são excepções monstruosas da nossa
natureza_--dizia elle.

Aqui revela-se o precursor do pacifismo, isto é, da justiça integral e
da paz universal, que hoje preoccupa e absorve todos os grandes
pensadores do Universo. Porque José Estevão foi, principalmente, um
illuminado, um vidente, um precursor, como tentarei provar na sequencia
do meu discurso.

José Estevão repudiava certamente os heroes que se assignalam nos campos
da batalha, devastando como cyclones, matando como assassinos, roubando
como ladrões, os heroes, synonimos de guerra e de conquista.

A guerra! Ironia pungente, sarcasmo cruel da civilisação!

Uma pobre mulher do povo amamenta o filho com o sacrificio do proprio
sangue; instrue-o e educa-o com o sacrificio do proprio estomago; e,
quando a creança se torna um homem, um operario, um trabalhador, de modo
a poder amparal-a n'uma velhice repousada, vem a ordem soberana em nome
da lei, e manda-o para os campos de batalha, como se mandam as rezes
para o matadouro--para o matar...

Mas José Estevão não podia repudiar, com a mesma aversão, os heroes que
se assignalam no campo do pensamento, melhorando as condições da
existencia, tornando os homens mais felizes, porque elle foi a
encarnação mais pura, mais viva, mais authentica d'esse heroismo.

Que são, com effeito, os heroes da antiguidade, Annibal, Cesar,
Napoleão, comparados com os heroes do nosso tempo, com os Berthelot, com
os Pasteur, com os Victor Hugo, com os Curie, com os Edison, com os
Darwin, com os Herbert Spencer, com todos os bemfeitores da humanidade,
emfim?

Heroe, n'esta accepção, é synonimo de soberania moral e intellectual. E
foi esta soberania que José Estevão exerceu na sociedade portugueza e
que o fez entrar na immortalidade da historia.

«_A supremacia moral é o unico poder verdadeiro. Os caracteres
superiores e os superiores talentos são aquelles que têem tanta
perspicacia para conhecer a verdade, como força para propugnar por
ella._»



A psychologia de José Estevão


Não nos precipitemos, porém.

Para bem penetrar a psychologia de um homem celebre, torna-se mister
averiguar, inquirir, investigar o meio em que se desenvolveram as suas
faculdades, em que se expandiu a sua acção moral e social.

José Estevão nasceu em Aveiro.

Quantas vezes, na sua predilecta Costa Nova do Prado, o mar, na sua
immensidade, na sua grandeza, na sua magestade, o mar gigante e
indomavel, provocando a nostalgia de mundos infinitos, lhe não teria
suggestionado alguns dos mais bellos pensamentos dos seus discursos
emocionantes? Quantas vezes não teria comparado o oceano com as grandes
revoluções da historia, pelo seu correr impetuoso, pelo seu rugir
leonino? E, quantas vezes, o não teria cotejado com a humanidade, quer
nas horas de bonança, quer nas horas terriveis em que a onda galga o
rochedo e invade, alterosa, a praia, como protesto contra a intrusão dos
homens, e que é a perfeita imagem das horas tragicas da insurreição, que
para os povos calcados, pisados e escravisados representa um direito,
muitas vezes um dever, e, algumas vezes tambem, uma necessidade.

José Estevão nasceu em Aveiro.

E, assim como a população dos centros industriaes é naturalmente
propensa ás ideias socialistas, a população das terras maritimas é
naturalmente propensa ás ideias republicanas, talvez pela independencia
que só a natureza póde dar.

Sempre me hei de lembrar que encontrei nos pescadores de Aveiro os meus
primeiros adeptos e nunca esquecerei a galhardia, o garbo, a intrepidez
com que os vi marchar, através as ruas de Lisboa, no cortejo civico do
tri-centenario de Camões, ladeando o carro do _Commercio e Industria_.

Foi um passeio triumphal que lhes preparei que redundou n'uma immensa
apotheose, apotheose romana, a Aveiro e aos aveirenses.

O pescador e o mineiro são para mim as duas entidades mais sympathicas e
que mais me enternecem.

É preciso ter descido a uma mina, como eu desci, na Belgica, para se
avaliar o que representa em esforço, em sacrificio, em abnegação, em
heroismo, a vida do mineiro.

N'uma especie de ascensor, improvisado com taboas e cordas, desci
trezentos metros abaixo do solo--a altura da Torre Eiffel, de Paris. As
galerias são percorridas pelos wagonetes que assentam em _rails_ n'uma
extensão de muitos kilometros. O mineiro, mascando o carvão para illudir
a propria fome, está ordinariamente de costas, com a lanterna cingida á
testa ou ao ventre, de picareta em punho, para melhor poder extrahir o
minerio. Os trabalhadores formam dois turnos: um que desce ás 6 da manhã
e sóbe ás 6 da tarde, e outro que desce ás 6 da tarde e sóbe ás 6 da
manhã.

E tal é o terror que os domina, ao descerem aos poços, que a muitos vi
eu, com espanto, persignarem-se e benzerem-se, como quem se despede da
luz e não tenciona mais regressar.

São escolhidos de preferencia os celibatarios. Até as alegrias da
familia lhes são defesas! E quantos não vão encontrar a cegueira, e
quantos não vão encontrar a mais affrontosa das mortes n'aquellas
catacumbas immensas!

E, ao passo que as companhias mineiras dão aos seus accionistas 20, 30,
40 e 50 por cento de dividendo, o mineiro ganha o indispensavel para não
morrer de fome. Alli, constatei, como tinha egualmente constatado na
Bolsa de Berlim, vasta _menagerie_ de feras ambiciosas, quanto o
socialismo tem uma razão logica de ser. Permitti, senhores, que exclame,
com Paulo Luiz Courier: _Ó grandes da terra, olhae para o que se passa e
tende juizo se podeis!_

Do pescador, nada vos direi, porque todos vós conheceis a sua temeridade
e o seu arrojo, expondo a vida com a serenidade dos grandes heroes, para
alimentarem os seus semelhantes.

Ainda por occasião do cortejo civico do tri-centenario de Camões,
Ramalho Ortigão, na occasião em que se organisava a procissão, no
Terreiro do Paço, tomando-me do braço, levou-me a vêr o que elle chamava
os seus pescadores, os povoeiros, os pescadores da Povoa de Varzim, e
indicando-me um, disse-me: este salvou seis vidas. Tinha o peito coberto
de medalhas, como os generaes famosos. Por meu turno, tomando-o tambem
pelo braço, fui mostrar-lhe aquelles a que eu chamava os meus
pescadores, os pescadores de Aveiro, e indicando-lhe um, accrescentei:
este salvou 12 vidas. Não tinha uma unica medalha ao peito. Bem se via
que era da patria de José Estevão!

José Estevão bebeu no berço o leite da liberdade, se assim me posso
exprimir; e, chegado á edade da razão, acompanhou em espirito a mais
cosmopolita de todas as revoluções--a revolução de 1848.

Um seu e meu dilecto amigo, José Elias Garcia, alludindo ao facto,
disse-me um dia: «Quando esse movimento, que tantas esperanças havia
alimentado, fracassou em França, houve alguem que chorou em Portugal.
Esse alguem fui eu.»

Nenhuma revolução logrou, com effeito, como esta, apaixonar e commover
os espiritos, pelo seu sentimentalismo idealista e humanitario.



O socialista


O sentimento de então transformou-se, porém, n'uma realidade positiva,
moral e humana que hoje assoberba o mundo e ameaça abalar a sociedade
pelos alicerces, tendo invadido até as espheras governamentaes.

Lloyd George, um digno continuador de Lincoln, o rachador de lenha, que,
pelos proprios meritos, chegou á presidencia da Republica dos Estados
Unidos da America, ao apresentar o seu orçamento á Camara dos Communs,
exclamou: «Que ninguem se illuda! O meu orçamento é um orçamento de
guerra, de guerra contra o pauperismo que todo o governo tem obrigação
de attenuar, senão de extinguir.» N'um _meeting_, em Londres, onde me
foi dado ouvil-o, confirmou esta phrase e accrescentou: «É uma guerra
entre os que possuem e os que não possuem, entre o rico e o pobre, uma
guerra entre a democracia socialista e a oligarchia financeira, entre o
pacifismo e o imperialismo, entre o proteccionismo e o livre cambismo,
entre a Inglaterra do passado, com todos os seus vicios, e a revolução
no sentido governamental da palavra. É preciso fazer desapparecer, em
nome da civilisação, os contrastes que envergonham uma cidade como
Londres. Ao passo que, no primeiro hotel da cidade, no _Cecil Hotel_, se
banqueteiam todas as noites, em festins romanos, os _lords_, os
fidalgos, os burguezes, fazendo espumar o _Champagne_ como as aguas da
cataracta do Niagara, na trazeira do mesmo edificio que confina com o
Tamisa centenares de vagabundos, de miseraveis, sem pão e sem trabalho,
o que equivale a dizer sem patria, achegados uns aos outros, para
receberem dos seus semelhantes o calor que o proprio sangue lhes não dá,
cobrem o corpo com folhas de jornaes, para não morrerem inteiramente
gelados. Qualquer _lord_, que é a expressão da ociosidade e do
parasitarismo, não vale uma unica das minhas medidas!»

Quando cheguei a Londres, Kropotkine disse-me: «A Inglaterra é o paiz
mais supersticioso do mundo. Estando em Brighton, e chovendo
ligeiramente, abri o meu chapeu de chuva. Das janellas de uma casa para
a qual eu me dirigia, duas meninas gritaram angustiosamente: Feche o
chapeu, sr. Kropotkine! Obedeci automaticamente. Mas, perguntando depois
o motivo de tal afflicção, ellas responderam-me: Ora essa! Pois não
sabe? Entrar n'uma casa com o guarda-chuva aberto é morte certa.»

No fundo de cada inglez ha um pastor protestante, como no fundo de cada
francez ha um pequeno Napoleão, como no fundo de cada hespanhol ha um D.
Quixote, como no fundo de cada portuguez ha um frade. A Inglaterra é um
mixto de tradicção medieval e de progresso moderno. O socialismo quer e
procura emancipal-a dos vicios do passado. E são o partido do trabalho,
o syndicalismo operario, as sociedades eticas, por sobre as quaes paira
o espirito de Herbert Spencer, que se impõem pela sua grandeza moral. É
o quarto estado que surge com as suas legiões de trabalhadores, para, á
semelhança do Mazzanielo napolitano, reclamar os seus direitos, isto é,
o logar que lhe compete n'uma sociedade organisada. É um velho mundo que
desaba e uma aurora que se ergue, radiosa, sobre as ruinas do passado!

«_Não ha nações morgadas nem familias morgadas_--disse José Estevão.--_A
humanidade não cabe no mundo com o seu numero e com as suas aspirações.
E esta verdade, que se tornou experimental, tornou impossivel a
existencia da propriedade territorial, inculta e abandonada, quer pelas
mãos dos individuos, quer pelas mãos dos povos. O trabalho é o principio
e o complemento de todo o direito de possuir._»

E era de vêr o ardor com que elle combatia os impostos indirectos:
«_Detesto, acho repugnante, altamente injusto, radicalmente
antidemocratico e desigual, o imposto indirecto._»

Com respeito ás leis da usura: «_Se ellas estão revogadas pelos poderes
da terra, ainda estão vigentes para as almas nobres, e eu hei de ser
sempre anachronico nos sentimentos de indignação que voto á classe que
trafica com a miseria e o suor dos seus semelhantes._»

O socialismo era para José Estevão _um progresso_. O seu
apparecimento tornava-se _urgente_. _Utopia_ só podia ser o
_estacionamento_!--exclamou.



O democrata


José Estevão, estimulado pelas ideias humanitarias do seu tempo, fez
parte do primeiro triumvirato republicano. As suas tendencias
reflectiram-se na admiração que professava por Lamartine.

É mr. de Lamartine--dizia--_um poeta que carpiu as miserias da
humanidade; que cantou as suas glorias; que excitou os seus melhores
instinctos; que levantou a coragem dos povos; que acalmou as suas
demasias; que, com a sua palavra, suspendeu as paixões revolucionarias
da França; é n'esta composição moral e intellectual que, no meu
presentimento, está o simulacro da fortuna politica e de todos os
governos do mundo_.»

O retrato foi feito por mão de mestre. Um episodio o demonstra. Um dia,
o povo de Paris, como fera escapada da jaula do domador, pedia, defronte
do palacio de Bourbon, a cabeça de Lamartine, o idolo da vespera.

--A cabeça de Lamartine! ella aqui está--exclamou o tribuno, assomando a
uma das janellas, na sua figura erecta e principesca, com a sua
sobrecasaca abotoada.

E aquella multidão, terrivel, colerica, ameaçadora, ante aquelle
heroismo, bem superior ao heroismo dos campos de batalha, o heroismo que
dá a serenidade, recuou, como vaga encapellada que se desfaz em espuma.

É da historia e da logica que todos os que marcham na vanguarda de um
movimento politico ou social paguem com a vida o serviço prestado aos
seus semelhantes. Todo o apostolado tem o seu calvario. E o martyrio que
tem o seu baptismo de sangue é sempre o mais fecundo.

Em 1848 assignou com Oliveira Marreca--um santo que conheci e adorei--e
Rodrigues Sampaio, um manifesto revolucionario que se destinava a fazer
triumphar «_os principios democraticos, a causa das liberdades publicas
e da emancipação dos povos_.»

Ainda aqui se nos revela José Estevão o precursor do movimento
democratico, como se nos revelou precursor, nos seus monumentaes
discursos do _Porto Pireu_ e das _Irmãs da caridade_.

Na primeira d'estas orações, quando passa á historia da _ordem_--a ordem
que forjou a espada organisadora de Nemrod; a ordem que fez de um
almocreve arabe o chefe de uma religião; a ordem que compôz o balsamo de
Ferrabraz; a ordem que fez as botas de Carlos XII, o chapeu de Henrique
IV e o casaco de Napoleão--é simplesmente admiravel.

É um trecho eloquentissimo, unico no seu genero, pela elevação do
conceito e energia da phrase, de uma rebeldia intensa, que Kropotkine
assignaria com orgulho, pela ironia desdenhosa que revela e por todo um
mundo de revolta que encerra.



O anti-clerical


José Estevão não queria as irmãs da caridade, porque as considerava uma
violação das leis do reino, d'aquellas que tinham levado ao throno a
sr.ª D. Maria II, que nunca capitulou, dentro da esphera do poder e das
sympathias, com aquellas invasões surrateiras do poder ecclesiastico,
que para ella eram suspeitas de serem contrarias ao poder
representativo.

«Respeitemos essas leis,--dizia elle--porque vivemos por ellas. São as
nossas leis, são o nosso coração, são a nossa vida, são a nossa
historia.

Com essas leis no pensamento, entrámos sete mil perseguidos, sete mil
expatriados, que tinham mais do que nós essas leis no pensamento, porque
tinham visto n'essas congregações religiosas os instigadores e os
conselheiros de uma tyrannia nefanda; porque tinham visto sahir d'essas
casas ou corporações religiosas cohortes de testemunhas falsas que
tinham ido aos tribunaes, para levantar com os processos judiciaes os
patibulos d'onde deviam cahir as cabeças d'aquelles que ellas tinham
marcado como nefastos ao seu predominio...

É preciso que nos convençamos de que não podemos salvar os objectos que
veneramos, se não reunirmos todas as nossas forças constitucionaes e
moraes, para desfazermos e contrariarmos as intrigas e os embustes,
pelos quaes se quer repor outra vez no seu throno e predominio estas
instituições que nós combatemos, destruimos e desfizemos.

Taes instituições, pelas riquezas e influencias de familia, tornam-se
nefastas aos poderes do Estado e ao exercicio das liberdades publicas.


«Sou inimigo das irmãs da caridade,--dizia--porque as considero como um
ataque ao principio de familia; e a caridade attribuida a uma certa
instituição, com o piedoso fim de educar as creanças e tratar dos
enfermos nos differentes paizes da terra, é uma malicia ostentosa feita
em nome de Deus.

........................................................................

«Não se queima só, queimando as carnes, carbonisando os ossos; queima-se
apartando do coração, desfazendo e levando para longinquas paragens o
que elle tem de mais caro.

........................................................................

«Sr. presidente, isto não é questão de irmãs da caridade, estão
enganados; é mais alguma coisa, é a questão das ordens religiosas; é a
sua elevação ao estado primitivo.»


O espirito catholico congreganista é adverso aos principios liberaes e
por isso carece de ser vigiado de perto. As irmãs da caridade são uma
emanação do espirito jesuitico e em volta d'essa congregação juntaram-se
todas essas ideias que ficaram desbaratadas e destruidas pela
perseguição que se fez a essa instituição. A religiosidade, no sentido
que lhe dão os theologos, não dispensa o culto externo; e o culto
externo das irmãs da caridade é pouco consentaneo com as formas, com os
costumes e com as prevenções da auctoridade civil.

Foi justamente para provar que a mulher portugueza era tão boa ou melhor
educadora que as irmãs de caridade francezas, expulsas do nosso paiz,
graças ao seu formidavel libello, que José Estevão fundou o Asylo de S.
João, com sede em Lisboa e Porto e que com muito prazer nos é dado
representar n'este logar.

O que pedem os liberaes?

O rigoroso cumprimento dos decretos que não foram revogados: de Pombal
que expulsou os jesuitas; de Joaquim Antonio de Aguiar que dissolveu as
congregações religiosas e de Loulé e Braancamp relativo ás irmãs da
caridade.

Pedem a revogação do decreto de abril de 1901 (Hintze Ribeiro) que,
prohibindo o noviciado e a clausura, dá, todavia, existencia legal ás
congregações religiosas, desde que se trate de ensino e beneficencia que
são precisamente as duas armas mais perigosas de que o clericalismo usa
e abusa a seu talante e por causa das quaes foi expulso de França.

A natureza offerece-nos universalmente um espectaculo desolador: a força
triumphante. Mas o homem, sahido da longa evolução dos seres
organisados, concebeu a noção da justiça e experimentou os transportes
do amor, não do amor que se manifesta no calor do sol, no perfume das
flôres, no brilho das estrellas, no murmurio das aguas, no crescimento
das arvores, mas do amor que se revela nos individuos, nas classes e nos
povos solidarios.

Brada-se a cada passo, clamei eu ha dias n'uma reunião, contra os bandos
de mendigos, de vadios, de miseraveis, de analphabetos, que enxameiam,
pelas ruas das grandes cidades, como se a culpa fosse d'elles, filhos
espurios de uma sociedade madrasta. A culpa é toda nossa; a culpa é do
egoismo collectivo. A vagabundagem, a mendicidade não se evita com a
repressão, com as casas de correcção, com a esquadra policial. Evita-se
e corrige-se com as casas de trabalho, com as colonias agricolas, com as
créches, com escolas, como as nossas escolas liberaes e com asylos, como
o Asylo de S. João.

A estas manifestações de amor, chama-se solidariedade, que póde
resumir-se n'esta palavra de ordem: viver para os seus semelhantes.



A Maçonaria Portugueza


E, aqui, permitta-nos a assembleia que o Grão-Mestre da Maçonaria
Portugueza preste uma homenagem calorosa, ardente e enternecida a quem
tão alevantadamente a representou, a quem tão alevantadamente manteve o
seu prestigio e o seu renome. E que ninguem se assuste! Muitas vezes vos
terão dito, Senhoras, que a Maçonaria é uma sociedade de malfeitores.

Se ser malfeitor é amar a humanidade, ouvir a voz da natureza que nos
brada: Todos os homens são irmãos, todos constituem uma unica familia;
se ser malfeitor é fazer o bem pelo amor do proprio bem e escutar a voz
da consciencia; se ser malfeitor é amar a verdade, praticar a justiça, e
proceder com rectidão; se ser malfeitor é obedecer á razão, esclarecida
pela sciencia; se ser malfeitor é amar os bons, fugir dos maus, mas não
odiar ninguem; se ser malfeitor é ser progressivo; se ser malfeitor é
ser tolerante, regosijarmo-nos com a justiça e insurgirmo-nos contra a
violencia e a iniquidade; se ser malfeitor é accender essa immensa
fogueira a que se chama a escola; se ser malfeitor é arrancar uma faisca
de cada syllaba soletrada; se ser malfeitor é desenvolver o cerebro da
creança pela instrucção; se ser malfeitor é formar o caracter pela
educação; se ser malfeitor é combater o prejuizo, o preconceito, o
fanatismo, a superstição, o erro e a mentira; se ser malfeitor é viver
para os nossos semelhantes; se ser malfeitor é moralisar pelo exemplo;
nós, os maçons, reivindicamos, com orgulho, esse titulo de honra.

José Estevão que, na _Flecha dos mortos_, como Baudin na barricada de
Paris, affrontou as balas inimigas com bravura epica, José Estevão,
soldado e tribuno, foi Grão-Mestre da Maçonaria portugueza, como o foi o
general Gomes Freire de Andrade, enforcado na explanada da Torre de S.
Julião da Barra, por ter commettido o enorme crime de ser portuguez n'um
momento em que muitos eram inglezes. Umas modestas flores solitarias,
cultivadas por mão amiga, á maneira das cruzes de madeira que o
viandante encontra nas estradas desertas, attestam que n'aquelle logar
se matou um homem. José Estevão foi Grão-Mestre, como o foi o duque de
Loulé, como o foi José da Silva Mendes Leal, como o foram o conde de
Paraty, o conde Valbom, o visconde de Ouguella, Bernardino Machado, o
coronel Ferreira de Castro e o Conde das Antas; como o foi o illustre
professor Antonio Augusto de Aguiar; como o foi o mallogrado chefe
republicano José Elias Garcia, cujo enterro representou a apotheose de
todos os que aspiram a uma patria livre; como foi Grão Mestre o rei
Eduardo, de Inglaterra, e, como o é actualmente, o duque de Connaught,
seu irmão; como foi Grão-Mestre o rei Oscar, da Suecia; como o foram
José da Silva Carvalho e Passos Manuel; como o foram os imperadores
Guilherme I e Frederico, da Allemanha, e, como o é ainda hoje, por
intermedio do seu representante, o imperador Guilherme II; como foram
maçons os patriotas de 1820.

Um professor da Universidade Livre de Bruxellas, n'um livro recente
sobre _Politica internacional_, affirma que a grande revolução de 89 não
teria tido logar se não fosse a Maçonaria. Mirabeau, S.^t Just, Sieyès,
Camillo Desmoulins, Lafayette, Danton, Boissy d'Anglas foram maçons.
Diderot pertenceu á Loja dos _Nove Irmãos_, de onde sahiu a _Declaração
dos direitos do homem_. Foi maçon o sabio Littré, que, sendo iniciado na
loja da _Clemente Amité_, tomou como divisa: «O principal dever do homem
para comsigo mesmo é instruir-se; o principal dever do homem para com os
seus semelhantes é instruil-os.»

Por toda a parte se accentua uma tendencia para um fim determinado: a
unidade espiritual da humanidade. Apparentemente separados, os espiritos
criam e desenvolvem a consciencia da sua unidade. Apesar de não
dependerem uns dos outros, encontram-se todavia, ligados por afinidades
espirituaes, descendentes de uma mesma raça ou cidadãos de um mesmo
Estado.

Para os que conhecem os signaes do tempo, não são os Estados nacionaes
que representam as unidades economicas predominantes, nem são tambem os
systemas religiosos que levam os homens a fraternisar uns com os outros:
é a vida mundial á qual está cada vez mais subordinado o trabalho de
cada individuo e de cada Estado; é a ideia de uma humanidade harmonica;
é o internacionalismo que se revela como o culto do futuro. E a unica
instituição que, através todas as perseguições e todas as vicissitudes,
se tem mantido com caracter universal, é a Maçonaria.

A mensagem de José Estevão, dirigida em 1862 ao povo maçonico, é de uma
actualidade palpitante e dir-se-hia escripta ha poucos dias e ha poucas
horas--tal era a sua previsão!

«O que é a reacção que invadiu o nosso paiz senão um d'esses trabalhos
insidiosos e solapados contra todos os grandes principios, porque a
Maçonaria tem sempre combatido com tanta coragem e perseverança?

«Esta fórma de combater não é a que elles preferem. Adoptam-n'a por
necessidade. Se lhe fôra possivel n'um momento derrubar a obra da razão
e da philosophia, não demoravam esta almejada catastrophe. Mas transigem
com as circumstancias e adoptam o arbitrio de temporisar.

«Os inimigos, porém, são os mesmos. Os gritos de peleja são os que eram
bradados em tempo de mais poder. Agora segredam-nos, mas exprimem as
mesmas paixões, os mesmos intuitos. Ao som d'elles, foram ganhas
execraveis batalhas contra os fóros da humanidade. Agora, com as mesmas
evocações, são praguejados os seus progressos e embaraçada a sua marcha
no caminho da perfeição.

«A Maçonaria deve acordar do seu lethargo, levantar a sua bandeira,
inspirar-se das suas recordações, tomar o seu posto tradicional. Se
assim não fizermos, trahimos o juramento que prestámos, injuriamos a
memoria dos irmãos, nossos passados, e usurpamos o titulo de maçons,
porque o não é, porque não merece tal nome aquelle que é tardo em acudir
pela defeza dos principios da sua ordem, aquelle que se cança na lucta e
deixa as armas no campo.

«Cumpre á Maçonaria vigiar as praias da civilisação e ter bem policiados
todos os signaes e precauções, para evitar aquelles enganos, desassustar
a navegação, e tornar a viagem dos homens e das nações n'este mundo,
mais certa, mais livre, mais virtuosa e mais honestamente aprazivel.»

Meus senhores: Escreveu Maximo Gorki que ha duas maneiras de viver: a
putrefacção que é propria das almas egoistas e vis e a combustão que
representa o calor, a vida e o movimento.

José Estevão viveu em plena combustão, e foi, em Portugal, não só o
precursor do pacifismo, do socialismo, do movimento democratico, do
anarchismo scientifico e philosophico, do anti-clericalismo, senão
tambem a mais alta encarnação do genio latino, ao qual a humanidade deve
o nascimento e o renascimento da civilisação; d'esse genio que irradia
sobre o mundo e que todos os dias, no dizer de Anatole France, nos dá
mais sciencia, mais liberdade, mais belleza, uma justiça mais justa e
leis melhores; d'esse genio que não morreu ainda, nem morrerá nunca,
como alguns erradamente suppõem, porque tem na America a sua continuação
e a sua immortalidade pela sua raça, pela sua historia, pela sua
tradicção, pela sua lingua, a verdadeira patria espiritual.

«Para o futuro--dizia--pertencerei decerto ao partido que começa a
formar-se, que já está crescido, que vive entre nós sem termos dado por
tal, que nos inspira sem nós o sentirmos e que mesmo do berço dirige as
coisas publicas e domina até os homens de mais forte vontade... Se este
partido fosse obra dos homens ou a sua creação pudesse ser contrariada
por elles, talvez se não fizesse; mas esta ordem de coisas surge,
rebenta da situação.»

Muitos lhe chamaram Demosthenes, outros Cicero, outros Mirabeau. Nada
mais absurdo do que estas comparações que attestam uma mentalidade
inferior. Cada orador obedece ao seu temperamento e é filho das
circumstancias em que a sua palavra tem de actuar. José Estevão foi,
principalmente, um grande tribuno, porque sentia estuar-lhe nas veias o
sangue quente do revoltado, sem o que não ha sabios, nem philosophos,
nem poetas, nem artistas. É com esta materia prima que se fabricam os
heroes do nosso tempo. _In hoc signo vinces_...

Se os paizes se caracterisam, em geral, pelos nomes dos seus homens
celebres, dos seus immortaes:--a França, por Racine, por Corneille, por
Moliére, por Lamartine, por Gambetta; a Inglaterra, por Byron,
Shakespeare e Gladstone; a Allemanha, por Schiller, Goethe, Mozart,
Beethoven; a Italia, por Dante, Petrarcha, Mazzini, Garibaldi; a Grecia,
por Homero e Demosthenes; Roma, por Virgilio e Cicero; a Hungria, por
Kossuth; a Hespanha, por Velasquez, Cervantes e Castelar, nós,
proclamando Portugal, como a patria de José Estevão, teremos prestado á
sua memoria a maior das consagrações, tornando-o um symbolo--um symbolo
da patria livre e redimida, da liberdade victoriosa e da emancipação da
consciencia portugueza.

E é, solidario n'esta aspiração, que eu, em nome do Grande Oriente
Lusitano Unido, não só felicito e louvo os promotores d'este centenario,
como tambem convido a assistencia a não esquecer esta data que se
tornará uma data historica nos annaes das celebrações nacionaes.



Do mesmo auctor:


Miniaturas Romanticas

A Senhora Viscondessa (_romance_)

Costumes Madrilenos

A Questão do Banco Nacional Ultramarino

A Actualidade (_estudo economico social_)

Padres e Reis

O Papa perante o Seculo

Os Estados Unidos da Europa (_trad._)

Revolta (_1.ª parte_)

Revolta (_2.ª parte_)

Pela Patria e pela Republica

O Socialismo na Europa

O Livro da Paz

O Primeiro de Maio

A Federação Iberica (_edição franceza_)

Paz e Arbitragem

O Federalismo

O Centenario no Estrangeiro (_conferencia_)

A Guerra e a Paz (_conferencia_)

A Obra Internacional (_edição portug. e franc._)

O Congresso de Roma (_conferencia_)





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "O Centenario de José Estevão - Homenagem da Maçonaria Portugueza" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home