Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Sustos da Vida nos Perigos da Cura
Author: Morganti, Bento
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Sustos da Vida nos Perigos da Cura" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



                                  SUSTOS
                                 DA  VIDA
                           NOS PERIGOS DA CURA,
                                    OU
                                  CARTA,

           Que hum amigo escreveo a outro, estando convalescendo,
                       depois de huma enfermidade.



                                 LISBOA:
                  Na Offic. de ANTONIO VICENTE DA SILVA.
                           Anno de MDCCLVIII.
                   _Com todas as licenças necessarias._



Meu Amigo, e Senhor. Graças a Deos, que depois de huma enfermidade
dilatada me acho restituido a estado de poder escrever a V. m. e naõ foi
pequeno milagre escapar da cura, em que tive mayor perigo, do que
aquelle, que me causava a molestia; pois por muito pouco que a natureza
se descuidasse em me soccorrer, sem duvida entre a má applicaçaõ dos
remedios perderia irremediavelmente a vida. Agora que me acho livre do
susto nesta convalescença, ja que naõ posso fazer outra cousa, quero-me
divertir ao menos em dizer a V. m. o de que escapei pelos enganos da
Medicina, e pela ignorancia de alguns de seus professores, que
ordinariamente se reputa por hum grande bem, e excellente soccorro para
a conservaçaõ da vida; mas eu entendo que neste caso podemos exclamar
com Seneca: _Oh fallax bonum, quantum malorum fronte, quàm blanda
tegis._ E eu naõ sei se conseguiriamos huma melhor utilidade sem o
suffragio deste chamado bem, do que com a introducçaõ deste honesto, e
louvavel engano.

Todos sabemos a correspondencia, que o homem, mundo abbreviado, tem com
a grande extensaõ do mundo, porque assim como este subsiste pela uniaõ
dos quatro elementos, assim tambem o corpo se conserva pela mistura dos
seus quatro humores; e pervertido o bom equilibrio de algum delles, se
conhece logo aquella ruina, que fica debaixo da sua jurisdicçaõ. Como
naõ podemos conhecer estas causas occultas, recorremos ao soccorro dos
Medicos, relatando-lhes os effeitos, que sentimos, para que elles,
segundo os preceitos da sua arte, cheguem ao verdadeiro conhecimento das
causas, e applicando-nos o remedio, restituaõ a natureza ao seu
verdadeiro tom. Este he o fim da Medicina, e o para que buscamos os
seus professores. Mas _hoc opus, hic labor est_.

Ninguem póde duvidar ser a Medicina huma arte Divina, e para credito da
sua excellencia basta ser exercitada pelo mesmo Christo, de que o novo
Testamento, nos offerece repetidos exemplos; e Deos pela boca do
Espirito Santo nos manda honrar muito os bons, e verdadeiros professores
desta sciencia: como tal tem seus principios certos para dirigir os seus
professores, de sorte que a exercitem em utilidade dos homens, e em
bebeficio das Republicas; porém os que se naõ applicaõ como devem no
conhecimento desses principios, destroem sem duvida a excellencia da
arte, e invertem o fim, para que ella se introduzio, de sorte que a
enchem de imposturas, e defeitos; e enganando o mundo com a sua pessima
pratica, fazem conceber a huma arte taõ nobre, e taõ necessaria hum odio
entranhavel, hum susto continuo, e hum desprezo universal, de que se
segue conceberem todos, que sem duvida andaõ enganados, e nunca
desenganados destes falsos Medicos. Por este receyo entendo que naõ
deixará de ser mil vezes melhor na presença de alguma queixa viver antes
com ella, do que entregar-se nas mãos de qualquer Medico, pela
difficuldade, que temos em distinguir o máo do bom; porque será muito
melhor viver mais tempo, ainda que sujeito ao discommodo de huma saudade
arruinada, do que abbrevir a vida com o pretexto de recuperar a saude.

A enfermidade presente me acabou de desenganar, porque por muitos
principios comprendi o pouco conhecimento, que alguns professores tem
dos principios das queixas, e o muito, que confundem os effeitos com as
causas; e o que he mais sensivel, o grande descuido, que tem em
exercitar o officio de coadjutores da natureza, porque principiando a
molestia por huma indigestaõ, quizeraõ tirar-me pelas veyas o mal, que
tinha no estomago; e concebendo a febre por causa, sendo na verdade
effeito, arrastràraõ para a massa do sangue o que estava nas primeiras
vias, e sem outra alguma evacuaçaõ me puzeraõ a morrer, quando com pouco
trabalho me podiaõ ter curado; mas por naõ passarem da tarifa, para cuja
observancia me parace que tem dado entre si juramento, sobre indigestaõ
vieraõ leites, vieraõ tizanas, vieraõ frangos, e o que veyo de mais
especial foraõ humas pitadas de nitro, e com a simples repetiçaõ destas
drogas pertendiaõ livrar-me das garras da morte.

Este facto proprio me fez lembrar huma especie, de que sem duvida naõ
passaõ as enfermidades de tres classes, ou saõ de sua natureza curaveis,
ou incuraveis, ou indifferentes. Nas curaveis póde a natureza supprir
todos os erros da arte: nas incuraveis nem toda a arte póde emendar a
ruina da natureza, e por força lhe hade ceder: nas indifferentes he que
he todo o trabalho, todo o susto, e todo o perigo.

Ora diga-me V. m. Quem com huma doença indifferente se ha de metter sem
susto nas maõs de hum Medico, que poderá naõ conhecer os principios da
sua queixa, e suppondo que he huma, curalla como outra, com o que póde
vir a ser maligna huma leve fermentaçaõ febril, com que a natureza se
pertende muitas vezes aliviar? Quem naõ terá susto de ver á sua
cabeceira hum homem, de quem, como de causa segunda, está dependente a
sua vida? Quem deixará finalmente de estar a cada hora esperando que lhe
cortem os fios da vida simplesmente com dous rasgos de huma penna, ou
com hum, ou dous leves borrões de tinta? O certo he, que tudo isto se
póde temer, vendo-se a pouca diligencia, que a mayor parte dos Medicos
fazem para curar bem, e a negligencia, que se pratica, para que sómente
curem os bons Medicos. Bem conheço que dos homens he o errar, e que
só as intelligencias estaõ izentas deste defeito; mas como a Medicina
tem preceitos certos, como he possivel que deixem de errar todos
aquelles, que ignoraõ os principios, ou se os sabem, naõ passaõ de huma
pura materialidade, sem que o discurso se adiante a fazer com que elles
tenhaõ todo aquelle bom exito, a que se terminaõ? Eu assento em que
deixada a certeza dos principios, e certas leis, a que está sujeita esta
sciencia, toda a Medicina se funda em hum bom discurso, e raciocinio; e
quem melhor o fizer, esse poderemos ter por melhor Medico: sendo certo
que em huma casa ás escuras tanto vê quem tem dous olhos, como quem naõ
tem nenhum, e que mais acertará quem melhor tino tiver. Mas como póde
atinar quem naõ tem bom tacto? E como acertará ás apalpadellas quem naõ
tiver hum bom discurso?

A este respeito quero referir a V. m. hum successo moderno, para
confirmar que antes me hey de curar com hum Cirurgiaõ de experiencia, a
quem assista hum raciocinio claro, do que com hum Medico máo, que naõ
tenha outro discurso mais, que para entender muito ao pé da letra huma
infiada de afforismos de Hypocrates, e sentenças de outros membros
graves, restauradores da antiga Medicina, a quem como oraculos recorrem,
e de que tem feito na memoria hum bom deposito para comprarem a
credulidade do vulgo ignorante. Ainda naõ ha quinze dias, que achando-se
certo Cirurgiaõ dos de melhor credito na quinta de hum Fidalgo nas
vizinhanças de Lisboa, se ouvíraõ de repente humas vozes chamar por
Confissaõ. Acudíraõ a estes clamores varias pessoas, e logo hum
Sacerdote douto, levado do pio zelo, inseparavel do seu instituto,
acudio com o Sacramento da Penitencia a hum pobre homem, que por elle
estava suspirando. A este tempo acudio tambem o bom Cirurgiaõ, e
achando hum pulso alguma cousa opprimido, e a vista indicando huma
especie de frenezim, para cuja suspeita concorria tambem a incerteza das
palavras, se lembrou de que os preceitos da arte determinavaõ neste caso
a sangria, e outros remedios violentos, e quasi se vio convencido a
fazellos; mas discorrendo sobre os mesmos preceitos, lembrando-lhe
algumas das suas limitaçoens, suspendeo este meyo, e recorreo a outro,
formando juizo de que pelas informaçoens, que tomou do estado, em que
antecedentemente se achava o enfermo, naõ passava aquelle accidente de
poder ser huma mania accidental, que com pouco trabalho, e prejuizo do
enfermo teria facil cura. Assentando nisto, pedio huma palmatoria, e
convertendo as sangrias, e purgas em duas duzias de palmatoadas, com
promessa de lhe aggravar as penas, na manhãa seguinte o achou bom, e
livre de cuidado; e se naõ fora doerem-lhe as mãos, trabalharia logo no
seu officio, que era de alfayate. Seguro a V. m. que muitos dos que
vissem curar huma oppressaõ de pulso, acompanhada de hum icterismo á
cabeça, com o pouco custo de duas duzias de palmatoadas, teriaõ, que rir
por muito tempo, e fariaõ pessimo conceito do operante; mas quem
considerar que a força do raciocinio, e bom discurso o guiou para este
remedio, conhecerá que na Medicina mais, e melhor acerta quem melhor
discorre, porque neste caso julgou serem aquellas vozes effeito de huma
mania accidental, que muitas vezes com remedios exasperantes, e temores
propostos se dissipaõ as nevoas, que occasiona a força, e violencia de
huma hypocondria exaltada.

Finalmente, para que V. m. acabe de conhecer o perigoso estado, em que
se acha a nossa vida, pela difficuldade, que temos em saber quaes saõ os
Medicos bons, para recorrermos a elles em beneficio da conservaçaõ da
saude, e os máos para evitarmos cahir nas suas maõs, bastará contar
tambem a V. m. o que se passou naõ ha muito tempo com hum homem servente
de certa Communidade, o qual adoecendo gravemente, se lhe chamou hum
destes Medicos embandeirado na classe dos bons. Principiou logo a sua
cura na fórma do estylo, de cujos remedios naõ experimentou o enfermo
alivio algum. Aggravou-se a doença de sorte, que o mandou sacramentar
por Viatico. Lembrou-lhe por ultimo dar-lhe as sarjas, por naõ faltar ao
costume, que he applicar-se este remedio, como a Santa-Unçaõ no extremo
da vida, quando de ordinario naõ aproveita aos enfermos; mas o doente,
que ouvio quasi proferida a sentença de morte, appellou do Medico para o
mesmo Medico, dizendo que tinha que lhe communicar em segredo, antes que
nelle se executasse o ultimo supplicio. Ouvio com bom animo o Doutor o
segredo, e este consistio em lhe dizer o réo, que elle por occasiaõ do
Terremoto fugira para a sua terra, mas a tempo que ja estava prevenida a
reconduçaõ dos desertores; que sendo prezo por hum Ajudante, tivera
meyos de lhe escapar, e se recolhera ao sitio, em que se achava; e que
vindo casualmente a elle o mesmo Ajudante, o conhecêra, e o ameaçára com
a proxima monçaõ da India, e que elle para escapar deste desterro se
fingira doente, e mostrára aggravar-se-lhe a enfermidade, e assim que
estava com grande escrupulo na sua consciencia em se ter sacramentado
por Viatico, naõ tendo na verdade cousa alguma. Ficou suspenso o Medico,
e dando mais credito ás palavras do enfermo do que ao pulso, a huma
informaçaõ delirante, que ás vozes da natureza, entrou a contristar-se
de ter concorrido para aquelle escrupulo e escrupulizando muito mais de
ter curado hum homem de maligna, sem ter na realidade cousa alguma.
Vendo a enfermeira que lhe suspendia as sarjas, perguntou o motivo;
ao que o Medico respondeo, que o homem era hum embusteiro, e que naõ
tinha cousa alguma, referindo-lhe o successo, e que assim só cuidava em
lhe remediar o damno, que lhe tinha feito por conta do seu embuste. A
esta confissaõ da sua ignorancia, que cuido seria sincera, acudio a
enfermeira, dizendo, que se admirava muito de ver que depois de cahir na
primeira cahisse tambem na segunda; porque tanto se tinha enganado,
quando principiou a curar, visto dar tanto credito ás palavras do
enfermo, como agora, quando o doente o enganára no que lhe dissera, pois
elle nunca sahio daquelle sitio, nem fugira, nem tal Ajudante o
ameaçára, porque tudo eraõ effeitos de hum grande delirio, em que o
tinha posto a maligna, e que logo logo o sarjasse. Conveyo com a
instancia, applicou-se o remedio, e se acha inteiramente saõ como hum
pero. Agora veja V. m. a quem aquelle homem deveo a sua vida, se foi
mais ao conhecimento de huma mulher, que lhe assistia, do que a num
Medico, que lhe tomava o pulso? e o juizo, que este faria no principio,
no estado, e no progresso da enfermidade, quando julgando por erro os
primeiros acertos, lhe pezava de ter acertado, só porque o enfermo lhe
dizia, que naõ tinha cousa alguma; e se na verdade assim fosse,
achava-se o miseravel homem precisado a curar-se de huma enfermidade,
que lhe introduzio a impericia de hum Medico.

Isto he impossivel deixar de succeder todos os dias, porque a respeito
dos Medicos, assim como a respeito do mais, suppre de ordinario o favor,
e o patrocinio á falta de sufficiencia, pois em havendo qualquer empenho
todos curaõ. E se naõ, lembre-se V. m. daquelle nosso amigo, e
companheiro, que depois de naõ poder capacitar-se de hum unico ponto da
postilla do nosso Mestre o Senhor Manoel Tavares Coutinho, Lente de
Vespera de Canones, foi para o Brazil, onde sem mais estudos quiz
exercitar o officio de Advogado; e adquirindo muito má fama por esta
occupaçaõ, voltou para a Corte, sem mais cabedal que aquelle, com que
foi. Passados alguns annos, nos disse no adro da Trindade, que tornava a
ir para o mesmo Estado, ainda que com diverso emprego, em que esperava
adquirir melhor fortuna, pois teve quem o patrocinou para levar o cargo
de Fysico Mór das Minas Geraes; e perguntando-lhe V. m. que tinha mais
confiança com elle, como havia de ser isso de curar? elle lhe respondeo,
que levava bom provimento de receitas para malignas, para cezoens, para
hydropezias, e para todo o genero de enfermidades, que lhe adquiriraõ
varios amigos, e que na occurrencia de alguma enfermidade pegava na
primeira, e se esta falhasse, applicava a segunda, assim a terceira, até
acertar com alguma. Elle foi, e alguns annos depois, que ainda naõ ha
quatro, ou cinco, o encontrei em certo sitio curando, supponho como nas
minas, com o partido de Medico de certa Communidade Religiosa, e do
mesmo lugar, em que se achava. Quando vi semelhante caso, me lembrou
logo o que succedeo entre hum Fidalgo, e o seu cozinheiro. Era o Fidalgo
Védor da Fasenda, a quem tocava a repartiçaõ da Casa da India. Chegou-se
a monçaõ, e o cozinheiro em premio do bom serviço, que tinha feito ao
Fidalgo no decurso de muitos annos, lhe pedio a praça de Piloto da náo
de viagem. Admirou-se o Fidalgo da petiçaõ, e lhe disse como era
possivel que elle soubesse marcar huma náo em huma viagem taõ dilatada,
quando nunca tinha sahido de sua cozinha? Ao que constantemente
respondeo o cozinheiro: _Senhor, isso he historia, nomee-me V. Senhoria
para piloto, que o mais fica por conta da fortuna, porque as náos, que
vaõ para a India, Deos as leva, e Deos as traz, que o mais de pouco
importa._ Com que, meu amigo, applico el cuento, com semelhantes
Medicos tudo fica por conta de Deos, e se escapamos das suas maõs, he
grande milagre, e se algum sabe mais alguma cousa, he pelo estudo, que
faz nos vivos, a quem tira a vida, e nenhum pelos mortos, que he onde
poderiaõ achar methodo, e doutrinas para curar com menos detrimento dos
miseraveis enfermos.

Mas que ha de ser, se alguns, a quem assiste mais huma pouca de
curiosidade, quizessem fazer mayor estudo, nem para isso tem tempo, e
apenas pódem, como os Siganos, tomar de cór aquella certa giria para
fazerem as suas curas, segundo o systema presente, para o que pouco
trabalho basta, e sobeja. He taõ precioso o tempo, que para os
professores desta arte todo se converte em dinheiro, e assim mais
encarregados do que carregados de visitas, passaõ o dia inteiro em
correr as ruas, subir, e descer escadas, praticar com os Cirurgioens, e
Boticarios, que saõ as adelas do seu conceito; e chegando a casa, ou ao
meyo dia, ou á noite, como vem fatigados, naõ olhaõ para livro, nem lhes
lembraõ os doentes; porque, como saõ muitos, por huns esquecem os
outros; e como as visitas estaõ feitas em numero, está vencida a paga,
pois tirando o tempo para estudar, do numero dos enfermos vem a perder o
que com elle poderiaõ adquirir, e já hoje naõ está o tempo para ninguem
se perder. Bem reconheceo esta falta de tempo certa pessoa grave, quando
encontrando-se na rua dos Douradores, que antigamente era muito
estreita, com tres Medicos, que estavaõ conversando, gritou aos criados,
que parassem, porque naõ era justo pertubar os Senhores Doutores
naquelle pouco tempo de estudo, que talvez estivessem conferindo sobre
alguma enfermidade. Meu amigo, sem estudo ninguem sabe, e saber sem
estudar só o conseguio Salomaõ; mas a sua incomprehensivel sabedoria
se lhe communicou dormindo, e foy o unico, a quem Deos fez essa mercê,
para que se conhecesse que dormindo, ou sem diligencia só por milagre se
póde ser sabio. Quem estuda, muitas vezes sabe pouco, e ordinariamente
confessaõ os doutos, que a utilidade, que tiraõ dos seus estudos, he
conhecerem o pouco que sabem, e o muito que lhes falta por saber. E que
fará quem naõ estuda cousa alguma? O certo he que o estudo ordinario
destes professores se termina ao methodo, que hum Medico, reputado por
grande, deo a outro, que o consultou, estando elle huma manhãa passeando
nos claustros do Convento de S. Francisco da Cidade. Pedio o Medico
moderno ao antigo, que lhe désse huma norma, e direcçaõ para estudar, e
saber o que fosse necessario para adquirir tambem o conceito de bom
Medico, como elle tinha na Corte. Respondeo-lhe o antigo: Senhor Doutor,
assente em que para ser tal, qual V. m. deseja, basta que chegue a
enterrar nestes claustros tantos miseraveis enfermos, quantos eu tenho
mandado para elles, e para outros desta Cidade, e naõ se canse com mais
estudo, porque o vulgo ignorante crê como no Evangelho a maxima de que
Medicos velhos, e Cirurgioes moços saõ os melhores.

Naõ deixo de reconhecer alguma razaõ, em que se funde esta maxima, mas
quando ella se estabeleceo foy naquelle tempo, em que se observava huma
experiencia continua unida a hum estudo continuado, e huma especulaçaõ
exacta a huma pratica cheya de observações; e como esta se naõ adquire,
senaõ com o curso dos annos, he certo que o bom Medico, que for velho,
sendo deste genero, será o mais excellente. Mas que importará o numero
de annos, se faltar o estudo, e a exacçaõ nas observações da pratica?
Serve de tanto, como se vio praticado neste nosso Hospital de Lisboa com
hum dos seus primeiros Medicos, o qual eu ainda conheci muito bem.
Foi este acompanhado dos seus praticantes, e enfermeiro fazer a visita
de manhãa aos enfermos, e discorrendo pelas camas, foy ordenando o que
lhe pareceo. Chegou a huma, tomou o pulso ao vulto, que estava nella, e
voltou para o enfermeiro, dizendo: _A este mais duas sangrias._
Replicou-lhe o enfermeiro: _Senhor Doutor, este morreo esta noite._ Fez
taõ pouca impressaõ no senhor Medico esta modesta reprehensaõ, que com o
mesmo socego de animo, com que determinou as sangrias a hum cadaver, com
o mesmo respondeo: _Pois enterrem-no, que he o que se segue. Vamos
adiante._ Deos me livre de que hum destes me tome o pulso; porque ainda
estando eu com boa saude, vendo que as arterias tem pulsaçaõ, logo me
manda sarjar, quando elle achou a hum defunto pulso para lhe mandar
continuar com as sangrias. De que se manifesta, que os annos sem estudo
sim fazem hum homem velho, mas naõ faraõ hum homem sabio. Naõ faltou
quem discretamente atribuisse a morte repentina de hum amigo seu a ter
visto em sonhos certo Medico máo, que havia no seu tempo, e bastou ver
em sonhos aquelle objecto para perder a vida. Se só a imagem na fantezia
produzio hum tal effeito, como podemos esperar melhores successos,
andando a nossa vida manipulada pela realidade do figurado? Se hum
destes só visto em sonhos matou hum homem, como naõ faraõ peyor estrago
tantos daquelle mesmo lote, que vivem realmente entre nós, e de que nos
vemos cercados, como de inimigos da nossa saude? O certo he, que devemos
dar muitas graças a Deos de estar vivos, achando-nos no meyo de tantos
coadjutores da morte, que para serem mais expeditos, quasi todos andaõ a
cavallo, conhecendo muito bem que sempre a Cavallaria fez mayor estrago,
do que a Infantaria, e tambem para imitarem em tudo a figura, que
substituem, porque assim a vio S. Joaõ: _Et in quarto equo palidi ibat
mors._ Com o que me parece que naõ podemos achar seguro lugar, onde nos
naõ alcance a influencia deste contagio, e ainda nos lugares mais sadios
podemos experimentar este damno.

He muito para ver, e muito mais para recear o modo como hum destes
sentencea camerariamente a nossa vida, sem haver outro delicto mais, que
entregarmo-nos sem reflexao nas suas maõs. Para hum réo, que commetteo
talvez hum delicto grave, naõ basta a sentença de hum Juiz inferior,
porque nem elle tem authoridade para condemnar, e só remette as culpas
ao Tribunal superior. Nomeaõ-se Ministros, faz o Relator o extracto do
processo, votaõ cinco, sette, ou mais Ministros, segundo pede a
gravidade da causa, ou a igualdade dos votos, e quando se profere a
sentença de morte he depois de se vencer pelo mayor numero. E sendo para
hum delinquente necessaria tanta circumspecçaõ, para se tirar a vida a
hum homem, que está innocente, basta o juizo inferior de hum destes
Medicos, que sentenceando de morte com effusaõ de sangue, acha logo
Ministro de justiça prompto com o ferro, e com o fogo para summariamente
remetter o enfermo para o outro mundo; e muitas vezes nem tanto he
necessario, porque basta o Medico só com accrescentar na receita hum
ponto com a penna, assinando quatro em lugar de tres, e com isto fica
tudo concluido. Eu bem sei que aquelle, que quer parecer mais
circumspecto, tambem convoca a sua especie de relaçaõ, a que chamaõ
junta, para que no caso de algum máo successo, ter escudo para conservar
o seu conceito; porém isto para mim he cousa de rizo, pois o que eu
tenho muitas vezes observado he conversar nestas juntas sobre a bondade
das suas mulas, do bom serviço de seus criados, e com isto misturaõ
algumas leves reflexoens do estado da doença, e no fim remataõ a
Conferencia com approvarem tudo o que o senhor Doutor assistente tem
determinado, e quando muito, para mostrar que de alguma Cousa servio
esta despeza, mandaõ ajuntar dous grãos de sevada da terra, ou na agoa
de escorcioneira, ou em alguma tizana, e vaõ saffando com a esmóla, e
fazendo rancho, constituem entre si huma especie de sociedade, ajustando
chamarem para as juntas huns aos outros, e assim vaõ vivendo muito bem,
ainda que os enfermos vaõ passando muito mal. O certo he, meu amigo, que
pelo muito que tenho visto a este respeito, assento que se as potencias
beligerantes pudessem introduzir nos exercitos oppostos hum pequeno
pelotaõ de Medicos deste genero, (salvando sempre o bom conceito, que se
deve fazer dos bons) conseguiriaõ as suas batalhas sem despeza de
polvora, e bala, poupando os soldos excessivos dos Generaes, e mais
despezas, que traz comsigo a guerra, porque elles sem mais armas que hum
tinteiro, e hum pouco de papel para fazerem os seus recipes,
acompanhados dos seus subalternos, que saõ os Cirirgiões, armados com os
seus estojos, e patronas com quatro lancetas, e huns poucos de ferros
ferrugentos, e os Boticarios com o seu livro do _quid pro quo_ em
bandoleira, fariaõ sem duvida em oito dias mais destroço, do que o
exercito poderia experimentar em seis mezes de campanha.

Finalmente, por nao cansar mais a V. m. e eu estar tambem já cansado de
escrever, naõ digo o muito, que me occorre a este respeito, e só peço a
V. m. que tenha muito cuidado em conservar sem desordens a vida, para
lograr hum estado de perfeita saude, e naõ chegar a ter necessidade de
cahir no erro commum de chamar Medico, que naõ seja Medico, que lha
destrua de todo; e esta diligencia de chamar Medico bastará que V. m. a
reserve para a ultima enfermidade, para mostrar que naõ deixa de morrer
à moda; ou tambem, quando por muito velho, e achacado se enfastiar de
viver, quizer livrar-se desse embaraço por meyos competentes, que fique
salva a sua consciencia, porque elles teraõ todo o cuidado de lhe dar a
morte embrulhada em alguma emulsaõ, ou dentro de hum frango,
lembrando-se que obraõ nisto huma especie de caridade, verificando que a
respeito de huma vida cheya de padecimentos naõ he pena a morte, mas sim
o fim, e complemento de todas as penas, como escreveo hum discreto:
_Mors non poena, sed ultima poenarum est._ Mas se por acaso, ou
fatalidade lhe succeder o contrario, que antes disto lhe seja preciso
recorrer a elles pelo costume, encolha os hombros, e console-se com
Ouvidio, dizendo: _Me quoque fata ligant._ Ainda que lhe recommendo
muito, e me cuide em fugir, quanto lhe for possivel, destes tres
inimigos do corpo, assim como Christaõ deve fugir dos da alma, pois se
os da alma, que saõ mundo, diabo, e carne, a arruinaõ por natureza,
assim o Medico, Cirurgiaõ, e Boticario tem por officio destruir a saude,
e arruinar o corpo. Eu terei grande gosto de saber que V. m. passa livre
de necessitar valer-se de semelhantes inimigos, que eu, graças a Deos,
por agora escapei por occulta providencia dos ordinarios effeitos das
suas obras, e fico muito prompto para me empregar no serviço de V. m.
que Deos guarde muitos annos. Lisboa, 20. de Abril de 1756.

                                                    De V. m.

                                             Muito amigo, e criado

                                          _Jozé Acursio de Tavares._





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Sustos da Vida nos Perigos da Cura" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home