Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Apontamentos para a Biographia do Cidadão José da Silva Passos
Author: Pereira da Silva, Manuel Joaquim
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Apontamentos para a Biographia do Cidadão José da Silva Passos" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



of public domain material from Google Book Search)



                               APONTAMENTOS

                                  PARA  A

                                 BIOGRAPHIA

                                 DO CIDADÃO

                            JOSÉ DA SILVA PASSOS.

                                    POR

                      O SEU AMIGO PARTICULAR E POLITICO

                            _Alg. Sidney C. R. C._



                                   PORTO:

                      NA TYPOGHAPHIA DE S. J. PEREIRA,

                      _Praça de Santa Theresa n.º 28._

                                   1848.



APONTAMENTOS

PARA A

BIOGRAPHIA DO CIDADÃO

_José da Silva Passos._



CAPITULO I.


O Opusculo==_Os dois dias d'Outubro, ou a historia da prerogativa, por
D. João d'Azevedo_==contém tantas inexactidões ácerca da resistencia
nesta heroica cidade, começada no dia 9 d'Outubro de 1846, e da guerra
civil terminada pela convenção de Gramido de 29 de Junho de 1817, que
para restabelecer a verdade dos factos, e supprir as muitas lacunas, que
naquelle folheto ha, faz-se mister, que algum escriptor patriota se
apresse a escrever a historia circumstanciada e verdadeira daquella tão
notavel revolução.

Não vamos tão longe como muitos Portuenses de todas as côres politicas,
os quaes consideram o escripto do Snr. D. João como um romance. Alguma
cousa se poderá delle aproveitar para a historia, ainda que não seja
senão a maneira como elle viu e observou as cousas publicas.

Apesar de ter estudado a fundo o caracter de cada um dos membros que
formaram a Junta Provisoria do Governo Supremo do Reino em nome da Nação
e da Rainha, foi o habil escriptor tão infeliz, que, depois, da
inexactissima relação dos acontecimentos do dia e noite de 9 d'Outubro
de 1846, nada tem, pela parcialidade, dissemelhança, e exageração,
desagradado tanto, como o juizo contido no capitulo 2.º a respeito de
cada um dos seis cavalheiros que serviram a causa da liberdade do paiz
naquella melindrosa crise.

Resolvemos-nos por isso a colligir esclarecimentos biographicos dos
membros da Junta do Porto, para habilitar os que emprehenderem escrever
a historia della, a poder com conhecimento de causa distribuir a
responsabilidade dos acontecimentos e dos actos governativos. Começamos
a publicar os relativos ao Snr. José da Silva Passos, não só porque foi
elle o primeiro author do feito de 9 d'Outubro de 1846, mas porque é
aquelle a quem o Snr. D. João mostra melhor vontade.

Seria grande hypocrisia em nós, se não declarassemos que temos relações
d'amizade e fraternidade politica com o Snr. José Passos, e que
pertencemos áquella secção do partido progressista, que reconhece por
seu chefe o Snr. Passos Manoel, nosso Grão Mestre-politico. Nosso
intento é todavia narrar com sevéra imparcialidade, e verdade, os
acontecimentos que observamos,--e ao publico apresentarmos um juizo
recto do proceder e serviços dos homens que em Outubro de 1846 foram
encarregados da nobre missão de fazer triumphar a causa da liberdade
Portugueza, e promover a felicidade deste povo tão virtuoso.

Não somos litterato, nem escriptor publico. É a primeira vez que
atiramos á imprensa com o que escrevemos. Se contra a nossa expectação
houverem alguns, que julguem que os acontecimentos não são em nosso
escripto relatados com escrupulo, exactidão, e verdade; e se os retratos
não forem parecidos, não virá d'ahi grande mal; porque terão esses só
mais outro romance para encadernar com o discurso na camara dos pares,
proferido pelo Snr. Duque da Terceira, e com a historia dos dois dias do
Snr. D. João d'Azevedo.

A nossa amizade para com o Snr. Passos José, apesar de mui antiga, não é
tão extremosa como a do Snr. D. João d'Azevedo. Este abalisado escriptor
politico mostra tão grande interesse pelo Snr. José Passos, que para
attenuar a responsabilidade legal e moral, que lhe cabe como primario
motor da revolução de 9 d'Outubro de 1846, inventa, que o Snr. Passos
José ficára _surprezo_, mas que em breve se revestira da sua conhecida
energia, e que a uma voz que não sabemos dizer bem d'onde veio, o povo
agglomerou-se nas ruas! quando é sabido por adversarios, indifferentes,
e amigos da revolução, que o Snr. Passos José foi, depois de S. Exc.ª os
Snrs. Visconde de Beire, Governador Civil do Porto, e Visconde
d'Alcobaça, Commandante provisorio da terceira divisão militar, o
primeiro que soube dos acontecimentos que produziram a emboscada de 6
d'Outubro de 1846, e da commissão de que o Duque da Terceira vinha
encarregado na sua chegada ás aguas do Douro; e que terminada no
gabinete do Governo Civil do Porto a leitura d'um officio do Marechal
Saldanha ao Exc.^mo Visconde d'Alcobaça, remettido por Terceira de bordo
do vapor, e a informação do que a respeito da emboscada sabiam as duas
primeiras authoridades--o Snr. José Passos se declarou, in continenti e
sem a minima hesitação, em revolução, e começou com incrivel rapidez a
pôr em execução a sua lembrança, e a adoptar todas as providencias para
o bom resultado da empreza. Tão apressado andou o Snr. José Passos para
evitar que o Duque e seus camaradas chegassem aos corpos primeiro que
elle, que nem tempo teve para ficar _surprezo_; e muito menos para ouvir
essa voz de que só por via do folheto do Snr. D. João tivemos noticia.

Finge S. Exc.ª, que antes do pronunciamento do Snr. Passos José, e da
reunião dos tres corpos no quartel de Santo Ovidio haviam grupos pela
cidade a gritar uns pelo Snr. Passos, e outros pelos Snrs. Pintos
Bastos!! Andamos pelas principaes ruas da cidade, fomos para serviço do
paiz desde a Praça Nova até ao quartel do 6.º fallar com um benemerito
capitão, e não encontramos nenhum desses grupos, que não appareceram,
nem podiam apparecer senão ás Trindades.

A tropa não obedecendo ao Duque da Terceira, recolhendo-se aos quarteis
de Santo Ovidio, e deixando o campo livre ao Snr. Passos e ao povo para
fazer o que conviesse para segurança da liberdade, provou que a tropa
Portugueza é tão civilisada como a Franceza; e que os cabralistas nunca
terão força para a deshonrar, fazendo-a assassinar a seus páes, irmãos,
e amigos.

O povo não esperava os acontecimentos de Lisboa, não conhecia todos os
tramas dos inimigos da revolução de Maio, as confidenciaes, os despachos
telegraphicos &c. Teve ao mesmo tempo a noticia dos acontecimentos da
capital, e a da resolução de resistir, adoptada pelo Snr. José Passos,
que mandou tocar os sinos a rebate, avisar muitos patriotas, chamar para
Santo Ovidio os Administradores dos Bairros (appareceram só dous), e
alguns outros empregados, e pôr em prática outras providencias, que
apesar de sabidas de muitos, talvez se publiquem só quando sahir á luz a
historia circumstanciada daquelle extremado feito de patriotismo
Portuense.

Á hora em que desembarcou o Duque da Terceira no Porto, achavam-se os
heroicos cidadãos Portuenses occupados nos seus mesteres; porque é
sabido que nesta cidade ha poucos ociosos, e que não ha povo nenhum tão
virtuoso e laborioso como o Portuense.

O que é para admirar é como em tão curto prazo de tempo se reuniu tão
grande numero de cidadãos respeitaveis, como á noite appareceram em
Villar.

Fazemos inteira justiça ao Snr. Passos José, que se tivesse sido infeliz
na sua tentativa, e levado diante d'um conselho de guerra, diria com a
franqueza, lealdade, e lizura, que tanto o distinguem, o que elle fez
naquelle dia e noite para sempre memoraveis, e não imitaria os
criminosos vulgares, negando--que a iniciativa da revolução de 9
d'Outubro de 1846 lhe pertencia.--Conhecemos perfeitamente o Snr. Passos
José--não costuma declinar a responsabilidade dos seus actos, nem faz em
segredo o que não possa dizer em publico.

A moda agora em toda a Europa é serem _anonymas_ as revoluções. Essa
moda é já antiga entre nós; porque a revolução de Setembro de 1836, e a
de Maio de 1846 _passam por anonymas_. As iniciativas dellas partiram de
todo o povo. Mas se o mui nacional movimento de 9 d'Outubro de 1846
carece para ter lugar entre as mais nobres e distinctas revoluções que
se sacrifique a verdade historica ás conveniencias politicas, escreva-se
então o romance de maneira que não possa ser desmentido por uma grande
cidade que presenciou os acontecimentos.

O governo provisorio, em consequencia da revolução de 9 d'Outubro de
1846, formado nesta heroica cidade, foi acclamado, reconhecido, e
obedecido pela quasi totalidade da Nação. Quereis maior prova da sua
popularidade? Houve por ventura já revolução mais santa e justa?....

O Snr. D. João d'Azevedo não se lembra que da boca de nenhum popular
sahisse em Maio de 1846 a voz de==viva o decreto de 10 de Fevereiro de
1842! nem==morram as eleições indirectas!==Comtudo essa resistencia
forte, compacta, e unisona, foi principalmente devida á inexecução
daquelle decreto: porque não houve ainda neste paiz providencia
legislativa, ou constitucional mais popular, e por que a Nação mostrasse
tantos desejos de que se cumprisse.

Cabe muito louvor á benemerita Junta de Santarem e ao seu dignissimo
Presidente o Snr. Manoel da Silva Passos, por haver exigido a
observancia daquelle decreto, que se tivesse sido fielmente cumprido,
haver-se-hiam evitado os differentes abalos por que desde a sua
publicação o paiz passou.

A Junta de Santarem bem-mereceu da Nação por haver comprehendido
cabalmente as necessidades e desejos do povo, e conseguido a promessa e
segurança de que seriam satisfeitos.

Não deve causar estranheza que houvesse quem não gostasse da reforma da
Carta pelo decreto de 10 de Fevereiro de 1812, e das eleições directas,
e se contentasse com a reconsideração ou suspensão das leis da
contribuição de repartição, e de saude, e com uma simples mudança de
pessoas. Esta politica é mui propria para especuladores d'empregos, para
quem os homens são tudo, e os principios nada.

Espanta a facilidade com que o distincto escriptor ousa asseverar, que o
Snr. Conde das Antas fôra repetidas vezes avisado, de que se ouvia fogo
na frente no dia da acção de Torres Vedras, e não julgára acertado hir
ao encontro do Duque de Saldanha, e que a Junta tinha sido avisada um
sem numero de vezes, por muitas pessoas, e por todos os modos, que a
esquadra hia ser aprisionada!! Quando a verdade é, que se o Snr. Conde
das Antas ouvisse o fogo, teria voado ao campo do combate, porque em
valor militar não houve no exercito de D. Pedro, general, official,
soldado, ou voluntario que excedesse o intrepido e habilissimo
Xavier:--e que a expedição sahiu porque não haviam desconfianças
razoaveis de que seria tomada. Os documentos publicados nos jornaes e
livro azul, mostram que a Junta não podia ter conhecimento _prévio_
desse acontecimento, que deshonrará para sempre o governo britannico.
Depois que elle se verificou, consta-nos que appareceram alguns
impostores mui conhecidos--que para se darem importancia, começaram a
dizer, que pelas suas relações diplomaticas _imaginarias_, tinham antes
sabido o que succedeu.

Não nos causou surpreza o não ter o Snr. D. João d'Azevedo alguma
expressão para stigmatisar a calumnia inventada por C. C. de que o Snr.
Manoel Passos partira para Roma, a fim de acompanhar D. Miguel; porque
estavamos preparados para tudo depois que fallando do Snr. Passos Manoel
elle escreveu a pag. 52... a final sempre cahiu em dizer que a
verdadeira causa era porque em Santarem o Conde das Antas o não
considerára como elle merecia!....

Afigura-se-nos que a supposta falta d'um commissionado em Inglaterra,
que dissesse ao João Bull, ou a Lord Palmerston, que a Junta do Porto
não queria fazer banca-rota, não pôde ser relevada no tribunal do Snr.
D. João! Custa a acreditar que se fizesse semelhante censura. Pois quem
ha ahi que ignore, que a Junta nomeou seu encarregado de Negocios na
Côrte de Londres o Exc.^mo Snr. Antonio Cabral de Sá Nogueira, e que
este distincto diplomatico prestou os mais valiosos serviços á causa
nacional--que teve uma conferencia com Lord Palmerston--que empregou os
meios convenientes para esclarecer o publico britannico ácerca da
questão Portugueza--e que fez muito mais do que lembra o Snr. D. João?

Como se havia de responder ao documento n.º 231 de Seymour para
Palmerston, se delle não podia haver conhecimento senão depois de
publicado o livro azul inglez? E qual deveria ser a resposta, ácerca da
banca-rota, que deveria dar um governo amigo da verdade e prosperidade
do paiz?

O manifesto da Junta, e todos os documentos importantes foram pela
repartição dos negocios estrangeiros dirigidos aos Consules das diversas
Nações, residentes no Porto, e appareceram impressos em alguns dos
principaes jornaes da Europa. Não houve abandono, nem descuido em
informar as Nações interventoras da questão Portugueza de 1846 e
1847.--As discussões dos parlamentos de Inglaterra e França são prova
incontestavel do que acabamos de escrever. Não seremos mais explicitos
neste ponto, nem revelaremos alguns meios, que para se conseguir esse
louvavel fim, foram com muita habilidade empregados pelo distincto
patriota que dirigia a repartição dos negocios estrangeiros; porque não
queremos nestes apontamentos dizer nada que não possamos provar com
milhares de testemunhas, e muitos documentos. A discussão ha-de produzir
o ser o publico informado de tudo.

Durante o governo da Junta, muitos dos que hoje censuram o não se ter
prestado mais attenção á diplomacia, diziam por essas ruas, praças, e
pasmatorios--que a verdadeira diplomacia consiste na artilheria,
cavallaria, e infanteria; e o dinheiro que hão-de gastar com ministros
plenipotenciarios e encarregados de negocios, empreguem-o na compra de
cavallos, armas, e petrechos de guerra.

Hiamos-nos desviando do nosso objecto, que não é analysar a obra do Snr.
D. João, mas escrever apontamentos para a biographia do nosso antigo e
illustre amigo o Snr. José Passos, que segundo a opinião quiçá singular
do author da historia da prerogativa, tem o _sestro_ de desdenhar de
todos e de tudo, e apraz-se muitas vezes em vêr correr o sangue ás
pinguinhas!!! Que tal está a poesia do nosso _Timão_?

Nos apontamentos biographicos de cada um dos membros da Junta não é
possivel deixar de apparecer rectificadas algumas das inexactidões do
folheto do Snr. D. João, mas fa-lo-hemos sempre com a deferencia que se
deve a tão habil escriptor.

Não vamos fazer o panegyrico do Snr. José Passos, mas sim dizer aquella
pequena parte dos serviços por elle prestados á causa do progresso, que
as circumstancias permittem publicar. Tempo virá em que se poderá
relatar o muito que reservamos para outra publicação.



CAPITULO II.


O Snr. José da Silva Passos é natural de S. Martinho de Guifões,
concelho de Bouças, districto do Porto, filho de Manoel da Silva Passos,
e de Antonia Maria da Silva Passos, honrados lavradores (que nós muito
bem conhecemos), casado com a Exc.^ma Snr.ª D. Anna Margarida Soares da
Silva Passos, Proprietario, Bacharel formado em Leis, Bacharel em
Canones, algumas vezes eleitor de provincia, Deputado ás Côrtes,
sub-Secretario d'Estado dos Negocios da Fazenda, sub-Inspector do
Thesouro Publico na época em que seu irmão mais novo o Exc.^mo Snr.
Manoel da Silva Passos foi Ministro e Secretario d'Estado dos Negocios
da Fazenda &c., Socio honorario da Academia de Bellas-Artes de
Lisboa--vogal, e vice-Presidente da Junta Provisoria do Governo Supremo
do Reino, eleita no Porto em 10 d'Outubro de 1846,--é encarregado das
repartições dos Negocios Estrangeiros, e da Fazenda, por decreto de 15
d'Outubro de 1846, até 30 de Junho de 1847.

O Snr. José Passos, com seu irmão o Snr. Passos Manoel, foram os
proprietarios e redactores do jornal liberal==_O Amigo do Povo_==que em
Coimbra se publicava em 1823. Perseguido durante o regimen absoluto
daquelle tempo, tornou a sê-lo em 1828 pelos partidistas do Snr. D.
Miguel. Retirado o exercito constitucional para Hespanha, emigrou o Snr.
Passos José com elle, e d'alli passou para Inglaterra e França.

Os Snrs. Passos Manoel, Barão da Ribeira de Sabrosa, Leonel, Saldanha,
Passos José, Liberato, e outros, fundaram na emigração a opposição
constitucional (a esquerda). Os dois Passos trabalharam todo o tempo da
emigração para destruir o governo tyrannico existente em Portugal. Ambos
escreveram diversos folhetos politicos, e alguns artigos nos jornaes
estrangeiros.

No memoravel cêrco do Porto serviu o Snr. José Passos de Tenente, e
Capitão do Batalhão Nacional Provisorio de Santo Ovidio.

Foi eleito Presidente da primeira Camara Municipal da cidade do Porto,
que se nomeou depois do seu glorioso cêrco. Nesta qualidade resistiu
nobre e corajosamente em 1834 á lei das indemnisações de 31 d'Agosto de
1833. As sympathias do partido realista para com os Snrs. Passos são
principalmente devidas a este acto de justiça e politica da camara do
Porto; e aos eloquentissimos discursos do Snr. Passos Manoel na questão
das indemnisações nas côrtes de 1835--e á segurança e liberdade de que
os realistas começaram a gozar depois de 10 de Setembro de 1836.

No anno de 1834 foi o Snr. José Passos eleito deputado pela provincia do
Douro. Tomou assento na extrema esquerda, e foi um dos seis deputados
que votou contra a Regencia do Snr. D. Pedro. Tornou a ser eleito
deputado nas côrtes de 1836 e 1838. Como membro da commissão da lei
eleitoral teve alguma parte nos trabalhos, e redacção da constituição de
20 de Março de 1838.

Foi nomeado Tenente Coronel Commandante do segundo Batalhão da Guarda
Nacional Portuense.

Convidado algumas vezes para ser Ministro, depois da demissão de seu
irmão o Snr. Passos Manoel, por alguns cavalheiros encarregados
d'organisar a Administração, e até por ordem da propria Rainha depois do
dia 13 de Março de 1838, nunca acceitou o Ministerio.

No parlamento pertenceu a muitas commissões, porque era conhecido como
um deputado mui laborioso, e de grande rectidão. É o principal author do
codigo administrativo de 31 de Dezembro de 1836.

Na administração de Novembro de 1836 mostrou o Snr. José Passos grande
talento pratico: e elle só, desempenhava com dignidade e acerto o
serviço que até alli era feito por seis ou oito conselheiros do
Thesouro.

Em 1837 foi pelo Ministerio pedido ás côrtes para ser empregado
juntamente com o nobre Visconde de Sá da Bandeira nas provincias do
Norte de Portugal contra os Marechaes Saldanha, e Terceira, que se
haviam revoltado contra a gloriosa revolução de Setembro de 1836.

O Snr. Visconde de Sá da Bandeira, na qualidade de Lugar Tenente da
Rainha, encarregou o Snr. José Passos da parte financeira nas provincias
do Norte; e nomeou para secretario deste o Snr. Manoel Joaquim Pereira
da Silva, Lente da Academia Polytechnica. O Snr. Passos José fez nessa
época importantes serviços á causa nacional, introduzindo a possivel
economia nas despezas da guerra, e zelando muito os interesses da
Fazenda Publica.

Não recebeu o Snr. Passos José vencimento algum como sub-Secretario
d'Estado dos Negocios da Fazenda, e sub-Inspector do Thesouro Publico,
nem da commissão que em 1837 desempenhou nas provincias do Norte.

Teve grande parte na redacção da lei das eleições directas de 9 d'Abril
de 1838.

Nas eleições de 1842 foi barbaramente espancado, e arrastado por alguma
das ruas do Porto pelos sicarios cabralinos, a quem (se diz) um dos
Snrs. Cabraes (J. B.) encommendára o assassinato do Snr. Passos José,
por ser o chefe mais decidido da opposição nas provincias do Norte.
(Galeria dos Contemporaneos pag. 21).

Governando os Snrs. Cabraes, foi durante a suspensão das garantias duas
vezes prêso sem o menor motivo, porque o Snr. José Passos não só se não
tinha envolvido em conspirações, mas reprovava as revoltas armadas, em
quanto os meios constitucionaes, e legaes eram efficazes. Assignou o
famoso requerimento redigido pelo Snr. Doutor Francisco Jeronymo da
Silva, que em 19 de Maio de 1846 os prêsos politicos no castello de S.
João da Foz dirigiram ao Governador Civil Conde de Terena José.

Depois da revolução de Maio de 1846 tornou a ser Presidente da
Commissão, e Camara Municipaes do Porto, aonde fez uma administração
honrada, desinteressada, e illustrada. Prestou então muitos serviços
administrativos e politicos á cidade do Porto, concorrendo poderosamente
para a pacificação e conciliação dos partidos.

Como membro do Conselho Filial de Beneficencia, ajudou muito o Exc.^mo
Snr. Visconde de Beire, Governador Civil deste Districto, na definitiva
organisação do Asylo Portuense de Mendicidade, decretado pelo Snr.
Passos Manoel em 15 d'Outubro de 1836. Foi nomeado Vogal e Presidente da
primeira Commissão Administrativa do Asylo. Esforçou-se muito em Junho
de 1846 para que se organisasse a Guarda Nacional Portuense.

O Snr. José da Silva Passos não é orador, mas homem pratico, laborioso,
de prestimo no parlamento, e na administração--d'um caracter suavissimo,
franco, de excessiva tolerancia, grande tenacidade politica, mui
propenso a elogiar amigos e inimigos--a louvar as acções dos outros, e a
reputar em mui pouco as suas--inimigo obstinado de perseguições
politicas de qualquer especie--e como seu irmão o Snr. Passos Manoel, o
modelo do desinteresse, da probidade, e da dedicação--e grande
partidista da economia.

Tem sido e é Lugar Tenente do Grão Mestre da Maçonaria do Norte, e
decidido sectario da politica de seu irmão o Snr. Passos Manoel--(Vide
Architectura mystica pag. 265).



CAPITULO III.


A firmeza de principios, a coragem moral, a aptidão para os negocios, a
admiravel probidade, desinteresse, e grande actividade do Snr. Passos
José, eram sobejamente conhecidas no Reino, mas todas estas qualidades
receberam um novo realce pelos seus importantes trabalhos na ultima
guerra civil.

O Snr. José Passos, author da resistencia ao golpe d'estado de 6
d'Outubro de 1846, começada nesta cidade, é na opinião geral dos homens
independentes considerado como aquelle que, por sua capacidade, firmeza,
e tino governativo, mais trabalhou para o triumpho da revolução, que
seria infallivel se não fosse a intervenção armada de tres poderosas
nações.

Havendo o Snr. José Passos estado, na manhã do dia 9 d'Outubro de 1846,
no Governo Civil deste Districto, e assistido á adopção de diversas
providencias que as authoridades competentes julgaram conveniente tomar,
e á resolução de se imprimir o post-scriptum á ultima hora que no
_Nacional_ n.º 114 appareceu, veio para os Paços do Concelho rubricar
como Presidente da Camara, os cadernos que haviam de servir nas eleições
de deputados no dia 11.

Pela volta das quatro horas da tarde, pouco mais ou menos, dirigiu-se
novamente ao Governo Civil para saber se havia algum despacho
telegraphico relativo á mudança ministerial, ou á contra-revolução da
capital, que tinha annunciado o Snr. Administrador de Villa Franca de
Xira.

A cidade não podia estar mais tranquilla; ninguem se podia lembrar que
dentro de poucos minutos hia começar a maior revolução que neste paiz
tem havido.

No momento em que o Snr. José Passos entrava no gabinete de S. Exc.ª o
Snr. Governador Civil, estava o Exc.^mo Visconde d'Alcobaça lendo um
officio do Marechal Saldanha, que parece de bordo do vapor lhe tinha
dirigido o Duque da Terceira.

Informado o Snr. José Passos por S. Exc.^as os Snrs. Visconde de Beire,
e Visconde d'Alcobaça, da chegada ás aguas do Douro, do Duque da
Terceira, na qualidade de Lugar Tenente de S. M. a Rainha, e do que
elles sabiam a respeito dos acontecimentos da capital; e conjecturando
que estes dois respeitaveis cavalheiros, apesar das suas excellentes
ideias, sincero amor da liberdade, e abalisado patriotismo não estariam,
por deferencia para com S. M. a Rainha, dispostos a resistir
convenientemente, considerou-se immediatamente, sem a menor hesitação, e
sem ouvir o voto de ninguem, em revolução, e assim começou com a maior
presteza a dar todas as providencias para resgatar a sua patria, que
tinha cahido novamente sob o dominio da facção cabralina.

Dirigindo-se logo ao quartel general da terceira divisão militar, e não
encontrando alli os officiaes que procurava, achou á porta do mesmo o
benemerito Governador Civil, com quem trocou algumas palavras.

Á esquina do theatro de S. João, na praça da Batalha, encontrou o bravo,
nobre, e patriotico Montenegro, Commandante em segundo da Guarda
Municipal Portuense; depois de fallarem, dirigiram-se ambos para o
quartel do Carmo, a fim de se pronunciar o distincto corpo da Guarda
Municipal, antes que o Duque alli fosse, ou mandasse algum seu
emissario.

Os Snrs. Passos José, e Montenegro, no seu caminho para o quartel do
Carmo, entraram n'uma casa na rua nova de Santo Antonio, mas não se
demoraram. Á sahida dessa casa disse o Snr. Passos algumas palavras ao
Snr. Fevereiro Junior.

Durante o transito pelas ruas de Santo Antonio, Praça Nova, Clerigos,
Correio, Praça dos Voluntarios até o quartel do Carmo--foi o Snr. José
Passos declarando a quem encontrava, que se resistia á contra-revolução
de Lisboa, que se havia de impedir que o Duque exercesse as funcções de
Lugar Tenente, e pedindo a todos que se fossem armar, e communicassem
aos outros patriotas esta briosa resolução.

Pronunciada a Guarda Municipal, pelo que são dignos d'encomios os
commandantes, officiaes, e soldados, mandou o Snr. José Passos tocar os
sinos a rebate, avisar os Commandantes dos Batalhões da Guarda Nacional
para que fizessem reunir os seus corpos, e bem assim os Administradores
dos Bairros, e outros empregados, para o encontrarem no quartel de Santo
Ovidio.

Na sahida do quartel da Municipal fallou o Snr. Passos, junto á porta da
igreja do Carmo, com o benemerito Tenente Coronel Gromicho Couceiro.
Achavam-se alli os Snrs. Abreu Couceiro, Fevereiro, Nicolau, e mais
quatro patriotas.

Dirigiu-se ao Bomjardim, e tendo ahi montado a cavallo, veio reunir-se,
na rua dos Ferradores, á Guarda Municipal, que na conformidade da
resolução previamente adoptada, marchava para o quartel de Santo Ovidio,
aonde se achava o Regimento d'Artilheria n.º 3, do commando do distincto
militar o Snr. Antonio Rogerio Gromicho Couceiro.

Depois de ter alli fallado com dois Administradores de Bairro, alguns
empregados, distinctos militares, e outros patriotas &c. marchou com o
Capitão N., dez soldados da municipal de cavallaria, e um patriota
paizano, pela rua nova do Almada, calçada dos Clerigos, praça dos
Voluntarios da Rainha, Carregal, Torre da Marca em direcção ao quartel
do 6.º regimento, com o fim de promover a revolução na povoação, e
assegurar-se por si da fidelidade do benemerito corpo de infanteria n.º
6.

No meio do campo de Santo Ovidio reuniu-se-lhe o Dr. Francisco Antonio
de Rezende, que acompanhou o Snr. José Passos na primeira vez que foi ao
Duque, e depois continuou a trabalhar no que foi necessario para o
triumpho da causa nacional. O Snr. Rezende é tambem um dos diversos
cidadãos que foi, por recommendação dos Snrs. José Passos, e Visconde de
Beire, procurar barco para conduzir a bordo do vapor os illustres
generaes, vindos de Lisboa.

O Snr. José Passos, no transito para Villar, mandou prender defronte do
palacio do Barão de Nevogilde, um official da comitiva do Duque, que hia
encarregado de levar despachos de S. Exc.ª

Depois de haver fallado com o distincto Commandante d'infanteria n.º 6,
que informou o Snr. Passos do que havia passado com um filho do Exc.^mo
Conde de Terena José, continuou a sua marcha para Villar.

Chegado ao palacio do Conde de Terena Sebastião, e feitos os devidos
comprimentos, teve o Snr. José Passos occasião de declarar que a
guarnição estava na resolução de não cooperar para no Porto se imitar o
que se tinha feito na capital, e que contava que a cidade tambem não
obedeceria ás ordens de que S. Exc.ª era portador.--O Duque, como
militar valente que é, dizia com toda a urbanidade e cortezania, que
havia de cumprir a sua missão e as determinações do governo de S. M. a
Rainha; ao que o Snr. José Passos respondeu com a sua notoria
amabilidade--que desta vez não seriam cumpridas.--Depois d'andarem
conversando na sala os Snrs. Duque, e Passos José, aproximou-se o
General Visconde de Campanhãa, o qual perguntou seccamente ao Snr.
Passos==V... reconhece o ministerio ultimamente nomeado por S. M. a
Rainha?==Para mim, respondeu o Snr. José Passos, só é legitimo o que for
filho da insurreição.==Entendo bem, disse o Snr. Campanhãa.

Entrou o nobre Visconde d'Alcobaça, e o Snr. José Passos sahiu com o
Snr. Dr. Rezende para, depois de dadas as providencias para que d'alli
se não evadissem os generaes vindos da capital, fazer marchar para Santo
Ovidio o regimento d'infanteria n.º 6; porque não convinha que
continuasse a permanecer na proximidade do quartel do Duque.

Para guarda do Duque e seus companheiros deixou o Snr. José Passos o
Snr. Capitão N., oito soldados de cavallaria, seis ou sete paizanos,
sendo um delles o Snr. O. C. que teve de hir immediatamente ao quartel
de Santo Ovidio, encarregando-os de não deixar escapar os cavalheiros
que se achavam na casa do Snr. Conde de Terena Sebastião, tanto pela
porta como pelos quintaes, promettendo-lhes que para alli marchariam os
patriotas que estivessem reunidos na cidade, assim como todos os que
encontrasse no seu caminho para Santo Ovidio, para onde acompanhou o
regimento n.º 6.

A estas providencias dadas pelo Snr. Passos devem o não ter sido presos
o Snr. Antonio Pereira dos Reis, e outros.

Entrando o Snr. José Passos com o regimento 6.º no quartel de Santo
Ovidio, ahi na presença dos Snrs. Barão de Fornos d'Algodres, Rogerio
Gromicho Couceiro, Montenegro, Damazio, Almeida e Brito, Rezende, O. C.,
e outros officiaes--escreveu o Snr. José Passos ao Commandante da
terceira divisão militar, Conde das Antas, uma carta que mandou expedir
por um postilhão.

Os Snrs. José Passos, Barão de Fornos, Antonio Rogerio Gromicho
Couceiro, João Pinto de Sousa Montenegro, são todos constitucionaes,
emigrados, e soldados de D. Pedro.

O Snr. Barão de Fornos d'Algodres é um fidalgo, antigo liberal, e
official distincto e disciplinario.--O Snr. Gromicho Couceiro é um dos
mais distinctos officiaes d'artilheria, patriota muito illustrado; e fez
tambem bons serviços, juntamente com o Snr. José Passos, nos dias 12 e
13 de Junho de 1846, e desempenhou com muita dignidade o lugar de Lente
na Academia Polytechnica Portuense.--O Snr. Montenegro é um cavalheiro,
valentissimo official, e distinguiu-se na revolução de Maio de 1846, e
na acção de Valpassos.

Do quartel de Santo Ovidio passou o Snr. Passos para o palacio do Snr.
Visconde de Beire, e d'alli para a praça de D. Pedro, a fim de apressar
a marcha, para Villar, dos populares que se tivessem reunido.

A tropa de linha conservou-se firme e na mais completa obediencia aos
seus commandantes, no quartel de Santo Ovidio.

Em consequencia do toque de sino--da noticia da chegada do Duque--e da
resistencia começada pelo Snr. Passos, e da louvavel posição que tinha
tomado a tropa, um numero consideravel de cidadãos respeitaveis se tinha
no principio da noite começado a reunir em alguns pontos da cidade.

A patuléa depois d'armada começou a marchar para Villar, e a operar. O
Snr. Passos José na praça de D. Pedro conversou com o Snr. Justino
Ferreira Pinto Basto, e recommendou a alguns patriotas que fossem aos
outros pontos de reuniões populares avisar os cidadãos para marchar para
o quartel do Duque.

Vimo-lo depois no páteo da igreja do Carmo conversando com o Snr.
Almeida e Brito, Alvo Brandão, alguns officiaes, e outro cavalheiro, em
quanto pela frente hiam marchando as forças populares. Mandou d'alli
alguem vigiar a cadêa e a ponte, e pediu que lhe mandassem um
destacamento de soldados de infanteria municipal para Villar--e
dirigiu-se pela segunda vez para a casa onde se achava o Duque.

Encontrou na casa do Conde de Terena Sebastião os Snrs. Visconde de
Beire, e d'Alcobaça, com quem esteve fallando, e talvez combinando o que
naquelle momento convinha fazer a respeito dos illustres generaes.

Poucos minutos antes da segunda visita do Snr. Passos José a casa do
Snr. Conde de Terena Sebastião, tinha o patriota o Snr. Antonio Navarro
entrado na sala e declarado ao Duque, que o povo exigia que elle fosse
prêso para os paços do concelho.

O Snr. Passos entreteve-se a conversar com o Duque, Visconde de Fonte
Nova, Conde de Terena José, Conde de Santa Maria, em quanto todos os
vindos de Lisboa, e alguns que se dispunham acompanhá-los, se preparavam
para marchar para o lugar do embarque. Um fidalgo mancebo aproximou-se
do Snr. Passos José, e disse-se que appellando para os sentimentos
nobres e cavalheiros deste benemerito cidadão, e para a sua proverbial
generosidade, lhe recommendou que tivesse o maior cuidado na conservação
do Duque--ao que o Snr. Passos respondeu--que a recommendação era
desnecessaria; porque a salvação da vida do Duque era o seu principal
dever, e que podia assegurar a S. Exc.ª que o seu corpo serviria de
trincheira ao Duque, e que só por um acaso inesperadissimo poderia o
Marechal ser ferido ou maltratado, sem que primeiro o fosse elle José
Passos.--Declaração de cavalheiro, que o Snr. José Passos cumpriu
primorosamente, não se separando do lado do Duque senão momentaneamente,
duas vezes, porque o bem do Marechal assim o exigia. Facto este
presenciado por amigos e adversarios, e que não póde ser contestado.

O Duque, antes do triste papel que lhe distribuiram para tirar a S.
Exc.ª o que tinham de glorioso os seus padecimentos, dizia com muito
chiste==O José Passos é uma formidavel trincheira.==O risco foi mui
grande naquella noite, mas era difficil que eu fosse ferido ou morto
antes que o fosse o José Passos.==Estão ainda bem presentes na memoria
d'alguem que, na lingoeta, disse o Duque para o Snr. José Passos==V....
fez agora o diabo;.... tive bastante receio....

A opinião mais geral era que convinha re-enviar para Lisboa os generaes.
Os Snrs. Passos José, Visconde de Beire, e Visconde d'Alcobaça, tinham
os mais sinceros desejos de que elles re-embarcassem, e lhes não
succedesse incommodo algum. As ordens mais terminantes foram dadas para
se apromptar um barco que os conduzisse ao vapor.

O não apparecimento do barco, e a muita demora que houve na lingoeta a
vêr se dos vapores, ou de algum navio, vinha escaler, suscitou a alguns
populares a lembrança de serem conduzidos ao castello de S. João da Foz
do Douro os illustres generaes. Então o proprio Duque vendo que a
exaltação dos bons cidadãos hia subindo de ponto, conveio em que nada se
podia fazer mais acertado do que seguir o brado popular. Patriotas
distinctos, e chefes de fabricas continuaram a fazer esforços para que o
Duque re-embarcasse, e não fosse para o castello. Baldados esforços!
porque não appareceu barco ou escaler. Se alguem tivesse declarado aos
Snrs. Passos José, Visconde de Beire, e Visconde d'Alcobaça, que
apromptava o barco, ou que o havia na proximidade, teriam estes
cavalheiros feito todas as diligencias para que elles embarcassem,
embora perdessem a vida; porque nessa noite não só esses tres illustres
cidadãos, mas muitos outros patriotas Portuenses deram a prova mais
cabal, de que sabiam affrontar a morte, quando tratam de cumprir os seus
deveres...

Durante todo o transito, o Snr. José Passos desenvolveu a sua costumada
coragem, mostrou-se digno irmão do corajoso e intrepido Passos Manoel; e
patenteou o mais decidido interesse pelo Duque. O Snr. Passos José já
tinha visto em época não mui remota, armas levantadas, bayonnetas
apontadas contra o peito, e não deixou por isso de cumprir o seu dever
na praia de Gaya, e praça de D. Pedro.

Os prêsos foram conduzidos sem o maior incommodo até o castello da Foz.
Louvor aos patriotas Portuenses que mostraram que, em generosidade e
tolerancia, não são inferiores aos Parisienses. No nosso paiz ha muito
que a pena de morte por delictos politicos se reputa extincta.
Costumamos marchar sempre na vanguarda do Exercito da liberdade e
civilisação.

A indisposição contra o Duque provinha principalmente de haver sido
ministro com os Cabraes.

Os patriotas deixaram evadir os Snrs. D. Manoel Alva, Antonio de
Lacerda, Barros, e outros.

No dia seguinte (10) o Governador Civil interino Corte Real, propunha á
Camara Municipal, reunida em vereação extraordinaria, a nomeação d'uma
Junta Provisoria do Governo Supremo do Reino, como se fizera em 24
d'Agosto de 1820.

Foram eleitos para a Junta:--Presidente, Conde das Antas
Vice-Presidente, José da Silva Passos--Vogaes, Antonio Dias
d'Oliveira--Sebastião d'Almeida e Brito--Justino Ferreira Pinto
Basto--Conde de Rezende--Barão de Lordello--Antonio Luiz de Seabra,
vogal encarregado das repartições civis--Francisco de Paula Lobo
d'Avila, vogal encarregado das repartições de guerra e marinha.

Os Snrs. Dias d'Oliveira, Barão de Lordello, e Conde de Rezende, não
acceitaram a nomeação, apesar de sympathisarem com a causa popular.

O Snr. Conde de Rezende, como official do Exercito, prestou mui valiosos
serviços.

A Junta teria sido melhor organisada, se os Snrs. Visconde de Beire, e
Visconde d'Alcobaça, não tivessem depois da noite de 9 d'Outubro de 1846
voltado á vida privada.

Se o Snr. José Passos teve alguma parte na escolha dos individuos que
formaram a Junta, faz-lhe muita honra o ter escolhido para membros della
alguns cavalheiros que antes estavam em divergencia com elle na questão
eleitoral.

O Snr. José Passos, como encarregado dos negocios da Fazenda, e em
cumprimento das ordens da Junta, procurou muitos recursos para a
sustentação da causa nacional--aboliu alguns tributos, como foi o do
pescado--reduziu as sizas a cinco por cento--permittiu durante a guerra
civil o livre fabrico do sabão, e a admissão do estrangeiro com modicos
direitos--alliviou os jornaes, e impressos dos portes do
correio.--promoveu com grande actividade a cobrança dos rendimentos
publicos--introduziu a mais sevéra fiscalisação, economia, e
regularidade nas repartições a seu cargo--mostrou severidade contra os
prevaricadores, e maus funccionarios--empregou muitos esforços para
adiantar a contabilidade das repartições publicas, e para evitar roubos
e desperdicios que tão vulgares costumam ser em épocas de commoções
n'outras nações.--Fundou a casa da moeda em Monchique.--A conta da
receita e despeza effectuada no cofre central do Porto, achava-se
lançada no livro respectivo, indicado nas instrucções de 8 de Fevereiro
de 1843, que existe em poder das authoridades da situação desde 30 de
Junho de 1847. É de presumir que o governo actual a mande imprimir e
distribuir pelas camaras legislativas; visto que a Junta se acha
dissolvida, e os seus membros não tem caracter algum governativo.

Os governadores civis, os thesoureiros pagadores, os delegados do
thesouro, os empregados das secretarias, directores d'Alfandegas,
administradores e recebedores de concelho, e todos os mais empregados
fiscaes desempenharam as suas funcções com zelo, actividade, e
intelligencia. Os commissarios do governo, junto aos bancos, companhias,
emprezas, e contractos, tambem cumpriram os seus deveres com moderação,
fidelidade, e dignidade.

Com mil quarenta e dois contos trezentos sessenta mil trezentos e
cincoenta e dois reis, sustentou, por espaço de nove mezes, um exercito
maior do que actualmente temos--forneceu dinheiro para a compra d'armas,
petrechos de guerra, seiscentos cavallos e arreios--para fardar milhares
de soldados, e voluntarios--para sustentar a marinha, fazer duas
expedições, fortificar a cidade muito melhor do que o estava no tempo do
famoso cêrco--e para muitas outras despezas extraordinarias conducentes
ao triumpho da revolução. A responsabilidade moral da Junta e dos que
geriram os dinheiros publicos ou particulares, consiste principalmente
em provar que o não applicaram para seu particular proveito, mas sim
para o bem da causa de que o povo os encarregou.

Mas o que sobremaneira honra a Junta, é as poucas medidas violentas de
que, no meio de tão extraordinarias circumstancias, lançou mão, quando
parece tinha um perfeito conhecimento de quem eram os conspiradores que
ajudavam o governo de Lisboa, e dos seus planos! Os emprestimos forçados
de dinheiro foram insignificantes. Os de generos, pipas, vinhos, palhas,
madeiras &c., foram insignificantissimos--porque havia uma grande porção
de donativos voluntarios.--Os mappas que por ordem da Junta se estavam
formando nos governos civis para juntar aos relatorios dos encarregados
das diversas repartições, continham preciosissimos dados estadisticos
para se avaliar não só a economia e regularidade das authoridades da
Junta--mas os sacrificios do povo para a conservação da sua
liberdade.--As intenções da Junta eram que se pagassem todas as despezas
feitas para o triumpho da causa popular, logo que a capital adherisse á
vontade nacional.

Um governo justo e amigo da prosperidade nacional, não póde deixar de
mandar liquidar essas quantias que se ficaram devendo, e pagá-las da
maneira mais suave tanto para o Estado, como para os mutuantes forçados.
As despezas das guerras civis quando os partidos belligerantes se
equilibram, devem ser pagas pelo thesouro publico. A Junta merece a
gratidão dos mutuantes pelos esforços que fez para obter para estes, das
potencias interventoras, ou do governo de Lisboa o prompto pagamento.
Vejam-se as instrucções dadas aos plenipotenciarios ou agentes da Junta
encarregados das negociações.

A administração financeira da Junta foi das mais economicas e regulares
que neste paiz tem havido.

Como vice-Presidente, mandou o Snr. Passos José expedir muitos officios
e ordens para se activar o recrutamento--para se promoverem donativos de
milhos, palhas, salitres, polvora, armas, petrechos de guerra, e
cavallos; e para se enviar o mais que se necessitava para que nos
depositos houvesse sufficiente porção de tudo o que fosse indispensavel
para se prolongar a resistencia nacional. Não se póde escrever, como o
deve ser, a historia da revolução, e da administração da Junta, sem se
lêr e examinar os copiadores das diversas repartições, e do commando em
chefe, e muitos outros documentos importantes que nos foram confiados.

O Snr. Passos José, como encarregado dos negocios estrangeiros, procurou
manter as relações d'amizade com as nações alliadas, e sustentar a todo
o custo a honra, dignidade, e independencia nacional--e não dar
pretextos para que os gabinetes estrangeiros se intromettessem em nossos
negocios.

No desempenho desta repartição, especialmente depois do aprisionamento
da esquadra, foi o Snr. José Passos poderosamente coadjuvado pelos seus
illustres collegas, e pelos distinctissimos patriotas os Snrs. Manoel da
Silva Passos, Joaquim Antonio d'Aguiar, Marquez de Loulé, Manoel de
Castro Pereira, Antonio Augusto Teixeira de Vasconcellos, Alvaro das
Povoas, José da Costa Sousa Pinto Basto, Augusto Ferreira Pinto Basto,
José Pedro de Barros Lima, Dr. Rezende, Damazio, Cunha Vasconcellos,
Bernardino Coelho Soares de Moura, General Guedes, Barão do Almargem,
Alheira, Rebocho, José de Vasconcellos, Antonio Cesar, Abreu Castello
Branco, Fevereiro, Parada, e alguns outros que a Junta julgou
conveniente chamar aos seus conselhos e conferencias, ou encarregar
d'alguma commissão, ou da redacção d'alguns papeis; porque os desejos de
todos os membros da Junta nunca foram outros senão desempenhar com
acerto, e á satisfação de todos, a missão de que fôra incumbida, e fazer
a felicidade da nação.

As respostas ás notas dos agentes dos governos estrangeiros eram
examinadas, discutidas, e approvadas pela Junta, e por os cavalheiros
que ella julgava necessario ouvir.

É publico que o manifesto de 8 de Dezembro de 1846, e o protesto de 1 de
Junho de 1847, foram redigidos pelo Snr. Manoel da Silva Passos, mas
discutidos, emendados, e approvados pela Junta, por o seu author, e mais
cavalheiros que assistiram ás respectivas sessões.

O Snr. José Passos votou contra a concessão do armisticio--pela sahida
da expedição, commandada pelo General em Chefe Conde das Antas; e pela
não acceitação dos quatro artigos do protocolo na sessão de 5 de Junho
de 1847. Erro ou acerto, todos os homens de bem lhe fazem a justiça de
que votou assim, porque a sua convicção era que nisso servia a revolução
e o seu paiz.

Averiguamos que pelas repartições a cargo do Snr. José Passos não se
expediram portarias sobre objectos da competencia da Junta, sem serem
ordenadas por ella, e assignadas pela totalidade ou maioria dos membros
que faziam vencimento para se ellas passarem. As portarias de
expediente, e as que versavam sobre objectos pouco importantes, eram
assignadas só pelo encarregado da repartição competente. O mesmo se
poderá affirmar a respeito das outras repartições.

Todas as vezes que o Casal, Saldanha, e Hespanhoes se aproximavam das
linhas, vimos os Snrs. Passos Manoel, e Passos José, apparecerem entre
os primeiros nas trincheiras e lugares do fogo, como tambem o faziam os
outros membros da Junta, e o povo Portuense, para quem um dia de fogo,
ou aproximação d'inimigo, era um dia de festa.--Tambem os encontramos a
rondar muitas vezes a cidade.

Entre os actos da Junta, dignos dos mais subidos louvores, merece
mencionar-se a submissão dos realistas á bandeira nacional arvorada no
Porto no famoso dia 9 d'Outubro de 1846. Para se elle conseguir
prestaram valiosos serviços os Snrs. Povoas, Cesar de Vasconcellos,
Bernardino, Marquez de Loulé, Guedes, Passos Manoel, Sá da Bandeira,
Alvo Brandão, Abreu Castello Branco, Antonio Augusto, Visconde d'Azenha,
Sebastião de Carapéços, Manoel Vaz Pinto Guedes Bacellar, Dr. João Alves
de Moura, Lemos de Condeixa, Faria Pinto, Chichorro, Garrido, Rebocho,
Pato, Teixeira, Coelho de Mello e Mesquita, Pinto da Cunha, e tantos
outros cavalheiros patriotas, e officiaes, cujos nomes muito sentimos
aqui não publicar.

Não houve nada de transaccional da parte da Junta com os realistas além
da portaria assignada pelo Snr. Seabra, impressa nos jornaes da época, e
no opusculo do Snr. Antonio Augusto Teixeira de Vasconcellos==Succinta
narração das circumstancias que precederam e seguiram a união dos
realistas insurgentes com a Junta do Porto.==

Abstemos-nos de fallar das operações militares, e dos valiosos serviços
dos generaes, officiaes, soldados, voluntarios, e guardas
nacionaes--porque esse objecto terá o seu lugar nos apontamentos
biographicos do benemerito General em Chefe do Exercito Nacional, e mui
desinteressado patriota o Snr. Conde das Antas, cuja dedicação,
lealdade, e serviços á causa popular, não podem esquecer aos bons
patriotas.

A Junta merece muitos elogios pelas acertadas medidas que adoptou para
se fazer o desarmamento do exercito nacional. Diz-se que ella insistira
em que o exercito passasse todo armado para a obediencia das
authoridades da Rainha. Se assim se tivesse feito, muito lucraria o
Estado. O desarmamento depois da convenção de Gramido, é um dos actos
que mais honra o partido progressista, o exercito, e o povo do Porto.

Mereceriamos grande censura se não mencionassemos aqui, que os
brilhantes e eloquentissimos discursos do Snr. Passos Manoel, e os mui
bem pensados do Exc.^mo Snr. Alvaro Xavier da Fonseca Coutinho e Povoas,
e do Snr. Horta &c., proferidos nos conselhos militares que tiveram
lugar na Casa Pia, muito contribuiram para esta brilhantissima pagina da
historia do partido nacional.

A Junta fez os maiores esforços, para que os alliados, ou o governo de
Lisboa provissem ás despezas indispensaveis para se recolherem a suas
casas os heroicos defensores da mais nobre causa, mas nada pôde
alcançar. A sua sollicitude foi ainda mais longe--nomeou uma commissão
de pessoas respeitabilissimas para promover uma subscripção para
subministrar alguma quantia para as despezas da jornada dos mesmos
patriotas; mas pela entrada das tropas hespanholas, e posse das
authoridades do governo de Lisboa, não se levaram ao cabo as beneficas
intenções da Junta.

A Junta em quanto tivesse dinheiro, polvora, e viveres, devia prolongar
a resistencia, e nunca deixar reserva de dinheiro para o desfecho. Ella
cedeu; porque em identicas circumstancias o faria qualquer guarnição
n'uma praça de guerra.

Mas de que valia ter procurado soccorros para a viagem dos patriotas, se
os nobres defensores da liberdade ainda tinham de passar pelo que
soffreram na Raza, e outros pontos!!!!....

O Snr. José Passos tem, como todos os humanos, alguns defeitos, que são
compensados por muitas virtudes, por o mais desinteressado, puro, e
illustrado patriotismo--por uma sincera adhesão ás instituições
democraticas--por uma generosidade, tolerancia, e humanidade, superiores
a todo o elogio.

O empenho que hão mostrado os cabralistas para se desfazerem do Snr.
Passos José, deshonra sobremaneira esse partido, que nunca encontrou no
Snr. Passos senão tolerancia, generosidade, e justiça.

Escrevemos a verdade--nenhum outro motivo nos levou a publicar estes
apontamentos biographicos senão o desejo de fazermos a justiça devida a
um cidadão de incontestavel merecimento, e de relevantissimos serviços á
causa do progresso. Pagamos assim o nosso fraco tributo á mais antiga,
mais sincera, e mais desinteressada amizade.

Se publicarmos os apontamentos relativos aos outros membros da Junta,
teremos occasião de fallar tambem de muitos outros benemeritos que se
distinguiram durante a ultima guerra civil; e quando triumphar a causa
do partido nacional, nem por isso hiremos incommodar as notabilidades
progressistas a quem tambem tributamos a maior consideração e estima.
Contentamos-nos com a nossa sorte==em ser o que somos==

                                                           _A. Sydney._





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Apontamentos para a Biographia do Cidadão José da Silva Passos" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home