Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: A Biblia da Humanidade
Author: Quental, Antero Tarquínio de, 1842-1891
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "A Biblia da Humanidade" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



of public domain material from Google Book Search)



                           ANTHERO DE QUENTAL



                           ANTHERO DE QUENTAL


                         A BIBLIA DA HUMANIDADE



                                BARCELLOS
                    Typographia da _Aurora do Cavado_
                              Editor--_R. V._
                                  1895



    Tiragem apenas de 100 exemplares:
    20 em papel de linho.
    80 em papel d'algodão.
    N.º___



Collaborou Anthero do Quental, assiduamente, em verso e prosa, com João
de Deus e outros vultos litterarios da geração de 1864, no _Seculo XIX_,
periodico que n'esse anno se publicou em Penafiel, sob o influxo e
direcção de Germano Vieira Meirelles, seu condiscipulo na Universidade,
como elle formado em Direito no anno de 1863, um dos mais pujantes e
promettedores talentos d'essa geração, com cedo roubado ao renome que
por certo conquistaria, se a vida lhe fôra mais longa, no mundo das
lettras e da politica.

Entre outros escriptos de Anthero ahi sahidos, lugar mui saliente occupa
_A Biblia da Humanidade_, trabalho philosophico de ancha envergadura e
largos horisontes, que pena é ter ficado incompleto.

Não obstante isto entendi que deveria elle entrar, por seu incontestado
valor, na collecção, em que tão piedosamente ponho empenho, de todas as
suas obras esparsas, e para o presente opusculo o traslado. Constitúe
elle já o duodecimo da mesma collecção, e no intento proseguirei eu de a
esta trazer tudo o que de Anthero se não ache publicado em volume sobre si.

Nenhum interesse material me açula n'este meu proposito, que nem um só
dos exemplares de qualquer dos opusculos, que vou fazendo sahir a lume,
é exposto á venda, mas apenas e só n'elle me anima o vehemente desejo de
reunir e facilitar materiaes para uma edição completa da obra de Anthero
do Quental, edição em que não ficarião, creio eu, na sombra e nem sequer
na penumbra, alguns dos seus trabalhos ainda não reunidos em volume, e
alguns até incompletos, tão radiosa a luz que d'elles resalta.

                                                           RODRIGO VELLOSO



A BIBLIA DA HUMANIDADE


I

Dentro do homem existe um Deus desconhecido, não sei qual, mas
existe--dizia Socrates soletrando com os olhos da razão, á luz serena do
ceu da Grecia, o problema do destino humano. E Christo com os olhos de
fé lia no horisonte annuveado das visões do propheta esta outra palavra
de consolação--dentro do homem está o reino dos ceus. Profundo,
altissimo, accordo de dois genios tão distantes pela patria, pela raça,
pela tradicção, por todos os abysmos que uma fatalidade mysteriosa cavou
entre os irmãos infelizes, violentamente separados, d'uma mesma familia!
Dos dois polos extremos da historia antiga atravez dos mares
insondaveis, atravez dos tempos tenebrosos, o genio luminoso e humano
das raças indicas e o genio sombrio, mas profundo, dos povos semiticos,
se enviam como primeiro mas firme penhor da futura unidade, esta
saudação fraternal, palavra de vida que o mundo esperava na angustia do
seu cahos--o homem é um Deus que se ignora.

Grande e soberana consolação a de ver essa luz de concordia raiar do
ponto do horisonte aonde menos se esperava, de ver uma vez unidos,
conciliados esses dois extremos inimigos, esses dois espiritos rivaes
cuja luta entristecia o mundo, echoava como um tremendo dobre funeral do
coração retalhado da humanidade antiga! Os combatentes no maior ardor da
peleja, fitam-se, encaram-se com pasmo, e sentem as mãos abrirem-se para
deixar cair o ferro fratricida. Estendem os braços... somos irmãos!

Primeiro encontro, santo e purissimo dos promettidos da historia! Manhã
suave dos primeiros sorrisos, dos olhares timidos mas leaes d'esses
noivos formosissimos, que o tempo aproximava assim para o casamento
mysterioso das raças!

Não ha no mundo palacio do rei digno de lhes escutar as primeiras e
sublimes confidencias! só um templo, alto como a cupola do ceu, largo
como o vôo do desejo puro, como a esperança do primeiro e innocente
ideal humano.

Esse templo tiveram-no. Naquella palavra de dois loucos se encerra tudo.
Nenhuma montanha tão alta, aonde a olho nú se aviste Deus, como o vôo
d'esta phrase, a maior revelação que jamais ouvirá o mundo--dentro do
homem está Deus.--


II

Este facto unico, aos olhos dos que lêem a historia nas lettras
impalpaveis mas luminosas das ideias, e não nos hieroglificos barbaros e
confusos dos acontecimentos fataes, basta a explicar o misterio que
segue tudo o que depois virá.

A adopção do ideal hebraico pelo genio grego: o christianismo,
misterioso hospede oriental recebido com amor sob o tecto cheio de luz
do Occidente; Jesus sentado entre os philosophos da Alexandria escutado
e applaudido no Agora de Athenas; Christo descendo da sua cruz da Judea
para, subindo ao Capitolio romano, estender os braços e tomar posse do
mundo--este drama da fortuna inexplicada d'um Deus desconhecido, esta
Odisseia das perigrinações da religião d'um mundo, acolhida, amada entre
os cultos d'outro mundo tão distante--que ha em tudo isto d'incrivel? No
dia em que Socrates exclamou «ha um Deus no homem» o primeiro arco da
ponte extraordinaria estava lançado: ficou firme, sustido no fundo do
oceano. Christo completou este caminho maravilhoso, lançou o segundo
arco! Desde essa hora os filhos da Sára oriental podem atravessar de
novo o Mar Roxo a pé enxuto: e a terra promettida, o occidente de doce e
humana luz, cá está para os receber em seu seio vastissimo.

O milagre, o milagre verdadeiro, começara ha seculos--o ideal commum--a
unidade na aspiração. A realisação devia para ambos ser igual. A mesma
prece deve subir ao mesmo céo. Egual desejo devia tarde ou cedo
affirmar-se na mesma realidade. Maria é a irmã das Sybilas... Jesus por
que não será então o irmão de Socrates? As differenças de genio, de
raça, nada são aqui: o ideal commum, isso é tudo. E esse que assentou
sobre a sua solida base a fé eterna da humanidade, a unidade dos
corações, a verdadeira cidade de Deus! O christianismo creou a
humanidade (no grande e verdadeiro sentido da palavra) mas foi a
humanidade toda que o creou a elle, não o genio estreito d'uma raça.

Fundando a unidade divina, construiu a unidade humana mas os elementos
da obra todos é que suscitarem o operario, é que o fizeram.

No dia em que Jesus se chamava a si Christo, n'esse dia deixou de ser
judeu para se naturalizar homem. E o filho do homem--o filho da
humanidade. Do desejo dos dois mundos brotou esse lyrio divino... mas o
perfume que lhe sae do calix não ha templo bastante para o conter! Todo
o ceu é essa cathedral: o templo de Jerusalem, o Parthenon e o Capitolio
são naves, apenas, d'essa egreja universal!


III

Eil-a fundada em fim, idealmente, ao menos essa unidade, esse sonho
milenario do mundo antigo! E quem dirá as dores, as lutas, as
esperanças, as angustias de mil gerações esquecidas, cujas lagrimas
regaram, e de cujo pó se alimenta ainda essa arvore d'immortal amor?

Innumeras raças extinctas passaram curvadas sobre a terra; crusaram no
perigrinar de cem odisseias misteriosas, todos os continentes, para que
seus passos apenas deixassem como derradeiro vestigio sobre a face do
globo as letras fatidicas d'esse epitafio de glorias, essa palavra
unica--unidade! Tudo o mais é o segredo do tempo. Os seculos
desconhecidos esconderam sob a dobra dos immoveis sudarios a memoria dos
obreiros com o risco e os instrumentos do trabalho--e vê-se a prodigiosa
obra anonima erguer-se recortando o perfil extranho no horisonte
desmaiado do passado, como o vulto da esphinge incomprehensivel no ceu
dos grandes desertos!

É a melancolia da historia! Por entre o canto das Epopeias antigas
escuta-se a espaço o gemido surdo d'esse desconhecido e infeliz mundo de
escravos sobre cujos hombros doridos os heroes assentavam as suas
cidades de luz...

E os palacios heroicos da humanidade, que são as horas solemnes da sua
inspiração, encobrem-nos tambem os peitos escuros mas fortes sobre que
se ergueram esmagando os talvez, esses torreões de brilho!

Mas que importam os sacrificios? O carro de triumpho não se lembra da
mina sombria d'onde sahiu o metal das rodas que o levam.

A obra do misterio, a cupula esplendida da historia antiga ergue-se e
ninguem, sabe ahi por que mãos se ergue. Mas solida é a sua base, que
nenhuma convulsão lançará por terra como o canto de granito nos
alicerces do circo romano.

A estatua ideal da Fé humana achou emfim o pedestal de marmore
immaculado, onde se firmem seus pés divinos--a consciencia da nobresa do
destino do homem, a revelação da sua mesma divindade.


IV

Mas, esse Deus misterioso, que ceu o esconde nos paramos do ceu azul
immensuravel? Que Sinai enubla a sua gloria? O seu altar em que monte o
ergueram os profetas desconhecidos? Que rito é o seu--e em que taboas de
marmore escreveu o fogo de cima a legenda prodigiosa de sua lei? No meio
de nós por entre o tumultuar das gerações passa como o Deus antigo, por
entre os combates da Iliada, e ao longe retumba o echo de suas passadas.
E, emtanto, ninguem o vê. Só de longe a longe, algum profeta desce das
solidões a mostrar ao mundo a palidez de suas faces emagrecidas, seus
olhos cavos e fixos, da fixidez assustadora das visões, como testemunho
de ter entrevisto na sua noite um raio d'essa gloria que o deslumbrou e
consumiu.

É o absoluto que deixa nas mãos do homem, que o tentou prender na sua
fuga eterna, um fio apenas da sua tunica de brilho. Mas esse fio é um
raio de tal luz, que basta a alumiar o trabalho de muitos seculos!

Toma-o nas mãos Moisés, mostra-o ao mundo, e chama-se Jehová. Ergue-o
Mahomet entre os povos e chama-se Alláh. Deixa-o Christo cair do alto da
sua cruz, e chama-se amor. De cima d'uma guilhotina o atira Robespierre
para o meio das multidões e chamam-lhe Direitos do homem e Revolução. E
Hegel, levantando a cabeça de sob as ondas immoveis e tristes da
abstração, lança nos ventos, que a levam ao mundo, esta palavra--Ideia!

O que revela cada profeta não é o Deus eterno, o Absoluto dominador,
entre cujos braços se contém o universo, não confuso e multiforme nas
mil apparencias do relativo, mas na verdade ideal da sua essencia--o ser
puro.--Esse poderia por ventura, afirmal-o a creação toda, os soes e os
insectos, o espirito e a materia; o visivel e o invisivel, o certo e o
possivel, se um dia, esquecendo ao movimento lançar o metal ardente de
suas creações nos moldes da variedade, se precipitasse todo sobre o seu
centro ideal assumindo emfim a consciencia plena da sua universalidade.

Mas o homem não afirma nada mais além da sua mesma alma? E esse vulto
immenso a que ainda chamam Deus, é apenas a sombra do ideal humano, que
acha o mundo estreito e se alarga pelo espaço. Concebe o absoluto nos
limites da sua relatividade.

Por seus mesmos passos mede o caminho do infinito. E, nos ultimos
limites aonde alcança o seu pensamento, ergue elle as ballizas extremas
do possivel. As religiões são os marcos successivos das mais longas
corridas do seu desejo no caminho do infinito: mas não são o termo
d'essa estrada que se perde nas nevoas do inatingivel e cujos desvios
ultimos pé algum pôde ainda pisar.

É por isso que os Deuses morrem, se succedem e transformam. Vê-se o fim
d'essas eternidades--e o homem que as creára para perder cá a incerteza
do seu transitorio destino, o homem, o seu coração, o seu ideal,
sobrevive-lhes, é elle quem parece eterno ao pé d'esses absolutos
passageiros!

Mas que importa esse Deus que nenhum olhar pôde ainda descobrir no
deserto dos ceus, se d'um ceu interior, tão puro e tão bello, sae para
cada ouvido attento uma voz divina, e uma sybilla misteriosa deixa cair
dos labios palavra a palavra, o oraculo successivo do destino dos homens?

Se a alma cria deuses e, respirando, espalha o infinito em volta de
si--é que lá dentro alguma cousa infinita se concentra e o divino se
esconde para se manifestar dia a dia na revelação constante chamada
Vida. É que o mais humilde d'entre nós dá em seu peito morada a um
grande desconhecido que ali existe, cuja voz grave se ouve a espaços e
nos alumia a face com os relampagos da sua gloria.

Existe com effeito. Que somos nós todos senão uma forma visivel da
essencia infinita--um momento determinado da existencia sem termo--uma
vibração do movimento eterno--uma fase da Lei do todo, chamada aqui lei
humana mas a mesma no ser, com igual fim, igual origem, que nos
determina e de que vivemos? A lei! Protheu prodigioso de mil formas
d'innumeros vultos inesperados em toda a parte diversos, e em toda a
parte o mesmo sempre todavia! Mil faces, e uma só alma! mil braços, e
uma vontade só! por mil caminhos, e um unico o termo da viagem!

Uma d'essas do Protheu é o homem, a lei humana. A parte d'acção que
exercemos no movimento eterno: a hora que nos é dado preencher na
duração sem termo--é isso o que somos, por isso que nós agitamos, o
nosso ser, o nosso misterio. É o Deus, que o universo esconde
revelando-se pela consciencia. E o absoluto que fóra nem podemos
entrever, eil-o vivo e palpitante em nosso coração e debaixo de nossas
mãos, a ponto de o podermos palpar!--A alma da humanidade em cada homem;
e, na humanidade a alma inteira do mundo--.

No mais estreito, no mais tremulo e humilde raio de luz, coado a custo
por entre duas nuvens, se estuda e está o segredo do brilho immenso e
inefavel que innunda as alturas, se vê patente o misterio da maior
gloria dos esplendores celestes. No gemer da onda indolente, que se
espreguiça no areal, e nem assusta o folgar descuidoso d'uma creança,
está a voz do oceano, a sua ancia, o porque de suas luctas, o motivo de
tantas tempestades, tantos brados, tamanhas convulsões--. No que agita o
peito do mais humilde e desconhecido dos homens está o segredo de
anciedade, do desejo infinito, que commove os universos, o verbo do
movimento que arrasta os imperios como os mendigos, as folhas do outomno
como os astros do espaço--está a palavra do ser, a origem e o fim, Deus!

Sim. Esse Deus buscado em vão na vastidão dos ceus desertos, que não
revela a immensidade desoladora e fria, eil-o em fim que o vemos
concentrado no fundo da consciencia, dormitando, mas em movimento, mudo,
ao parecer, mas murmurando sempre, como um canto de lendas misteriosas,
o oraculo successivo dos Destinos! É o Deus da humanidade; a parte do
ser eterno, que se move n'ella, que a firma, que é ella mesma. Jehová,
Brama, Sabaoth, Allá, Christo, por grandes, por luminosos que pareçam,
não são mais que as sombras projectadas sobre a terra pelo vulto d'esse
grande desconhecido--degraus da escada do desejo que essa alma sobe no
caminho do seu Fim. É a luz, que nos sae de dentro, e diante dos nossos
olhos se agita, convidando-nos a seguil-a em seu correr. É a columna de
fogo do deserto--não aquella trazida de longe e sem se ver a mão que a
trouxe, mas saida do mesmo seio do povo, como que a sua propria alma,
adiante d'elle caminhando. Movemo-nos porque a seguimos; não pelo
capricho de nossos passos. O nosso trabalho o seu brilho nol'o indica,
não é só o lavor escuro de nossas mãos.

Toda a esphera de nossas acções, as maiores, as melhores, fecha-a o
circulo d'aquella lei--que é a nossa mesma.

Nem d'outra lei precisamos. Cumprir a tarefa d'este momento é cumpril-a
na sua fórma rigorosa, correspondendo ao destino d'elle entre todos os
movimentos de que se compõe a duração eterna.--O fim do Homem é ser
homem. E, para o ser, viver segundo a nós, ao nosso fim, que mais se
precisa que seguir a lei humana? É a nossa affirmação. A força que a
determina não lhe vem de fóra, d'alguma mão escondida entre as nuvens
gloriosas d'algum ceu inatingivel. De dentro vem, como as folhas do
lyrio, que se abre, vem todas do botão que as continha em suas dobras,
como todos os suspiros vem do coração que deseja, e não do objecto que
os accorda.

É o seu trabalho quem cria os absolutos que depois a esmagam. Mas a
força primitiva reage; e os espectros caem por terra estalados os braços
com que tentavam suffocal-a.

As revoluções, os cultos, os systemas, as philosophias, as revelações
não são principios exteriores que dominem a historia, de cima, da altura
de suas verdades determinando os sentimentos, os desejos, as crenças, a
vida emfim. Pelo contrario.--São apenas evoluções d'um interior, que os
cria e destroe, e faz o novo templo com as minas do templo antigo, e se
chama Natureza.

O Deus da Humanidade é o mesmo homem: e o seu Ideal, a religião da Vida.


V

É a negação do absoluto e, como tal a affirmação do homem.

O Deus sae da immobilidade do symbolo inalteravel: faz-se vida,
move-se--é um Deus progressivo.

O seu dogma (semelhante á fonte nascida da terra e de continuo
acrescentada) dia a dia o vai o tempo completando com tudo o que lhe sai
do seio vasto e fecundissimo. É o culto de um misterio que
descobrindo-se sempre, jamais se poderá ver todo. E a Biblia tem brancas
as ultimas paginas, para que lhe possa cada geração nova escrever lá o
verso d'oiro de cada novo Evangelho que se revelle.

Religião doce e humana, que não despreza uma palavra de creança, o sonho
d'um coração de mulher, o presentimento da mais humilde consciencia! É
como o olho do sabio que se esquece horas sem conto na contemplação do
mais estreito calice d'uma flor sem nome d'esses campos! No calix da
flor, diz o poeta, se encerra a belleza toda do universo--e que
profundos e desconhecidos thesouros de belleza e verdade não guarda o
coração d'um simples?!...

É por isso que esta religião abraça no seu circulo maravilhoso a alma
toda e toda a vida como o sol do meio dia vê quanto rasteja na terra e
quanto paira nas alturas--porque não despreza ninguem. Como Jesus entre
as crianças aprende tanto quanto ensina. Missiona, e recebe todavia
lições do mais humilde catechumeno. O seu decalogo tem uma margem larga
bastante para que o povo o commente, quando não acrescente um artigo á
lei. É a religião do movimento--o Colombo dos mundos encobertos do
espirito erecto na proa do galeão, sondando o horisonte com os olhos,
incitando, animando todos para a conquista do desconhecido. Sentado na
tripode santa da sua inspiração, sente correr-lhe n'alma o espirito do
Deus vivo: profetisa, improvisa de continuo e, como a chuva de perolas
da bocca da fada legendaria, lhe caem dos labios as palavras nunca
interrompidas da sua revellação--a lei, o ideal humano.


VI

A Edade Media não comprehendeu isto. Seu grande genio, sublime como
Poesia, achamol-o aqui estreito e acanhado como Rasão. Porque do chão
saío um dia essa flor maravilhosa, a mais bella entre todas no jardim do
espirito, chamada unidade, pareceu-lhe ter morrido a força geradora da
terra e tornar-se impossivel outra florescencia, outra primavera, outro
perfume.

Deu por concluido o trabalho das criações humanas, e fechado o cyclo dos
poemas divinos chamados religiões. Declarou o coração incapaz de novos
sonhos, a alma inerte para mais desejos, a intelligencia morta para
outras concepções e outras fórmas que não fossem as suas--porque no
ardor de sua fé, uma nobre illusão lhe fez ver o vacuo e o nada além do
espaço que abrangia a sua vista halucinada. Grande e solemne dentro do
templo santo da sua crença por isso mesmo desprezou o resto da terra
aonde já se não avistava esse prodigioso edificio, e o resto da alma que
o calor d'esse raio d'amor não aquecia. As tristes flores d'esse deserto
não eram para adornar o seu altar--não era digno do seu Deus o perfume
saído d'um coraçao não alumiado pelo brilho de sua gloria... Fez o Dogma
e fechou-se n'elle como n'um sepulcro. Largo sepulcro, em verdade, como
para um Deus e todo marmores e oiro... mas ainda no tumulo de Christo, o
frio que se sente é sempre o frio da morte!

A antiguidade pagã dava ás suas religiões um cinto elastico, para que a
Virgem podesse crescer e engrossar, fazer-se mulher e mãe, conceber e
criar o filho que lhe havia de succeder. Como as não revellava nenhuma
voz encoberta, saíndo do meio das nuvens de fogo d'uma gloria
sobrehumana--revellavam-se ellas por si, em toda a parte, em cada hora,
e não já no cimo deserto do Sinai, mas em baixo, no valle, onde se
assentam as tendas do povo, no ajuntamento dos homens. Por isso não
havia palavra murmurada no meio da multidão, que se sumisse esquecida,
que um deus amigo não ouvisse e decorasse, como ensino d'uma bocca
humilde, mas nem por isso despresivel. A onda mais imperceptivel,
nascida nos ultimos confins da sociedade trazida com o sopro do vento,
achava sempre uma doce praia aonde depositar o seu pequeno tributo, um
canto, uma espuma branca, uma rara flor muitas vezes.

Cada modesto veio d'agua lá ia dar sempre ao lago d'essas religiões tão
humanas, que não se pejavam de os receber, com elles crescer e alargar,
ser por elles formado--fazendo assim a divindade com o melhor e o mais
puro da humanidade. Essas religiões formavam-nas em collaboração as
almas das gerações successivas, cada uma como que tinha de mais intimo
em si, do mais elevado ao mais innocente. O sabio dava o forte
pensamento, o simples a intuição profunda. Emprestava-lhes um facto o
heroe, e a virgem lançava-lhes no regaço uma lagrima de piedade. A praça
publica lhes enviava um echo de seus rumores, e a familia um reflexo
amoravel do seu lar. Cada qual tirava do coração a perola que lá tem
todos escondida; e com essas gemmas, preciosas, quentes ainda e quasi
vivas, se adornava a divindade. As paixões, os amores, os cuidados, as
lutas dos homens, tudo isto idealisado e puro se via brilhar sobre o
peito dos deuses, como penhor da fraternidade entre terra e ceu, e
modelos de perfeição que buscava cada qual realisar. Ser bom e forte e
grande para ser semelhante a um Deus--porque este era a ultima expressão
da humanidade.

Era ella o que a criava. Ao lado da inspiração do augur caminhava a
espontaniedade do Povo.

Ella transformava a legenda; desenvolvia a moral; compunha o rito:
adoptava cultos; erguia outros deuses ao lado senão sobre o pedestal dos
antigos; vereficava a lei velha com o espirito novo: tinha autoridade em
fim, autoridade, voto e força para obrigar um Deus progressivo a medir
seus passos pelos d'uma sociedade sempre em movimento. Por detraz do
Olympo havia muito ceu ainda e muito espaço. Alem da morada das
divindades via-se o infinito sem termos--e Prometheu prophetisando a
queda de Jupiter não era um impio; era um semi-deus. As religiões
antigas não faziam da alma humana (e, com a alma as sociedades e o
mundo) prisioneira d'um dogma immutavel. Sentiam ser ella mesma o
verdadeiro dogma. Abriam o seio a cada palavra inspirada e
transformavam-na em sangue do coração...

Religiões humanas! uma intuição profunda da mesma lei da vida--a
diversidade, o movimento, a successão--dava-lhes a largura, a
flexibilidade e o vago necessarios para que correspondessem a todas ás
formas innumeras e inesperadas do espirito, ás infinitas transformações
das sociedades, ás mil apparencias da realidade. Dava-lhes a virtude
d'esses cordeaes proprios para todas as idades e todas as compleições:
para os fortes calmante; e para os fracos, balsamo e conforto. Eram como
o vestido natural do corpo do homem acompanhando todos os movimentos,
feito para todas as altitudes: simples ao pé do lar, nobre na praça,
grave no repouso, e na luta ou na corrida ligeiro e facil.

Esta verdade humana que as fez tão animadas, por isso mesmo as impedio
d'avistarem o outro termo correlativo, o extra-humano, o absoluto.

No coração d'essas raças como parte que é da alma, estava esse
sentimento, por certo. Mas não vinha fóra em fórma de luz, não inundava
d'ali o mundo, não doirava a fronte dos deuses nem a cabeça dos homens.
Viram-na, a essa luz, passar como relampago nos olhos d'alguns
inspirados; mas o povo não a soube comprehender, deixou-a morrer, quando
a não matou elle mesmo. No meio da diversidade, que o absorvia, o
politheismo não pôde conceber a unidade existente com ella e n'ella
mesma porventura. Ao sol da Grecia e do Oriente, a rosa viva, a flor
intima da humanidade, a alma, abrira todas as suas petalas extranhas mas
formosissimas! uma só ficou fechada; mas essa era a mais larga e a mais
forte, que devia conter todas as outras--o sentimento da unidade.

Unidade de Deus! Unidade do Homem! n'esta onda mystica mergulhou o
Christianismo a cabeça--com este Jordão baptisou o mundo! Esta
contemplação do absoluto fez a sua força: foi ella tambem quem o matou.
Em vista d'este principio resolveu corajosamente o destino humano; mas
vinculando-a a essa resolução, desconheceu a sua lei essencial--o
movimento.--Não. A contemplação inerte não pode ser o ar que o espirito
do homem pede para respirar! O ar da vida é outro... A vida! no seu vôo
para o ceu, na sua sublime ambição ideal, foi isso que esqueceu ao
Christianismo--a terra, a vida.--

.........................................................................

FIM





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "A Biblia da Humanidade" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home