Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Leituras Populares
Author: Quental, Antero Tarquínio de, 1842-1891
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Leituras Populares" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



of public domain material from Google Book Search)



                           ANTHERO DE QUENTAL



                           ANTHERO DE QUENTAL


                           LEITURAS POPULARES



                                BARCELLOS
                    Typographia da _Aurora do Cavado_
                              Editor--_R. V._
                                  1896



    Tiragem apenas de 100 exemplares:
    20 em papel de linho.
    80 em papel d'algodão.
    N.º___



Um dos periodicos academicos em que Anthero de Quental mais collaborou
durante o seu curso universitario foi o quinzenario _Preludios
Litterarios_, publicado em Coimbra desde dezembro de 1858 a janeiro de
1861, tendo por fundador, director e redactor principal Vicente da
Silveira. Para elles escreveram os mais talentosos d'entre os academicos
d'então, contando-se n'este numero Augusto Filippe Simões, Adolpho
Ferreira Loureiro, Antonio da Silva Gayo, Eduardo José Coelho, Antonio
Lopes dos Santos Valente, Augusto Luciano Simões de Carvalho, Bernardino
Pinheiro, Francisco Beirão, Guimarães Fonseca, Joaquim Simões Ferreira,
o divino João de Deus, e ainda outros.

De Anthero de Quental, entre outros trabalhos que n'elles inseriu,
conta-se a serie de artigos que epigraphou _Leituras Populares_ e que
sahiu em seu volume II e nos. 2, pag. 9 e 10: n.º 3, pag. 17 a 19; n.º
4, pag. 25 e 26; n.º 6, pag. 41 e 42; n.º 8, pag. 57 e 58; n.º 15, pag.
116; e n.º 20, pag. 153.

Comprehendem-se n'esta serie a apreciação das _Bibliothecas Ruraes_, por
Cormenin, o eminente publicista francez, que tanto illustrou seu nome
como ainda o pseudonimo de _Timon_, com que firmou alguns de seus
trabalhos; a exposição e apreciação dos _Estudos sobre a reforma em
Portugal_ de J. F. Henriques Nogueira, incontestavelmente o primeiro de
nossos publicistas em este paiz, cujos trabalhos estão reclamando
instantemente uma edição completa e popular, que os torne conhecidos de
todos e evangelho da democracia, que bem o merecem elles pela elevação e
amplidão admiraveis de suas vistas e alcance; e a exposição e apreciação
da _Felicidade pela agricultura_, a obra peregrina de Antonio
Feliciano de Castilho, em que tudo é ouro de lei, desde sua linguagem, a
mais portugueza e formosa, até seus ensinamentos os mais santos e justos
e proveitosos.

Coube agora a vez de virem esses inestimaveis estudos de Anthero á nossa
modesta collecção de seus trabalhos dispersos, e não ficarão elles sendo
uma das menos brilhantes paginas d'ella.


                                                       _Rodrigo Velloso_



LEITURAS POPULARES

        Derramai a instrucção sobre a cabeça do povo,
        que bem lhe deveis esse baptismo.

                                    _Alm. de França_


I

Bibliothecas ruraes

Um dos grandes symptomas de regeneração e progresso moral do
seculo, em que vivemos, é, sem duvida, o desvelado carinho com que,
quasi por toda a parte, cuidam grandes e pequenos, com interesse ou
desinteresseiramente no melhoramento e instrucção do povo--esse grande,
inculto, e interessante engeitado--como d'elle diz um grande poeta. É
que a grande voz da democracia quando fala, inspirada pela boca dos
Kossuths e dos Mazzinis, falas de amor e de esperança, não sei de
coração generoso aonde não tope um echo.


II

Bem que a Europa jazia manietada mais ou menos pelos grilhões da
tyrannia, comtudo não se mostram os governos descuidosos em promover a
illustração pelo meio das massas: por toda a parte, nomeadamente na
França, na Italia, na Allemanha e até na inculta Russia, se veem a cada
passo escholas para o pobre, e não é raro topar o trabalhador, pela hora
da sésta, entretendo-se a folhear, lêr e entender livrinhos, que,
apesar de mui comesinhos e de popular expressão, nem por isso deixam de
o iniciar no saber.

É certo que os verdadeiros promotores d'este progresso intellectual não
são os oppressores, que mal têm elles tempo de se rodearem de lanças e
bayonetas: são os democratas, os verdadeiros amigos do povo, que por
elle velam, e cuja voz, que é a voz da verdade e da justiça, apezar de
proscripta e desterrada, brada tão alto, que a propria tyrannia, em que
lhe pese, se vê forçada a se sujeitar mais ou menos aos mandatos d'esses
representantes da opinião: parece que a providencia capricha em haver os
tyrannos por instrumento da propria ruina; pois só a illustração, que dá
ao homem a consciencia de seus direitos, póde derribar ruins governos e
oppressores. Assim a instrucção progride e gradualmente estende a
sua rede, anhelando abraçar todas as camadas da sociedade, ministrando á
terra virgem, mas productivel semente de muita ideia, que se há de
resolver em ainda muito mais obras de bem e só para o bem.


III

Remissa e vagarosa, porém, vae a instrucção por esta boa terra de
Portugal; e ai de nós se não se attende a este grave mal com promptos
remedios, ai de nós, por que um povo que possue a liberdade sem
instrucção, que só o póde n'ella iniciar e nos sagrados direitos em que
se resolve, a custo poderá conserval-a, e o que é mais, conserval-a sem
abusar.

Saidos apenas d'um baptismo de sangue, em que nos foi mister mergulhar
para grangear uma alma nova, para reconquistar a austera mãe dos
povos, a liberdade, conservamos ainda vestigios cruentos, reminiscencias
odiosas d'essa lucta fratricida, bem que em prol da patria; e é só a
instrução que nos póde lavar da fronte as manchas do sangue de nossos
irmãos, e conduzir-nos a bom fim.

Qual é pois a causa da ignorancia--indigna do seculo--em que vegeta todo
o nosso povo e grande parte da burguezia? Porque não é só o proletario,
é tambem a classe media em grande escala, que não cura de seus direitos
e liberdades, considerando-os, indifferente, como uma invenção do
seculo, e desconhecendo que só elles são as garantias unicas e
segurissimas da sua individualidade e progresso.

A causa não está na escassez de livros populares, que alguns temos nós e
de elevado merito; nem mesmo na indifferença do povo portuguez, que
sabido tem elle mostrar o como zela seus direitos, uma vez compenetrado
por elles. A resposta já de ha muito a deu um grande homem e um grande
Portuguez, quando se lastimava de que possuindo nós ainda todos os
elementos d'uma grande ventura, só nos faltasse um _a vontade dos que
podem_.


IV

A carencia d'uma boa organisação de escholas, d'um bom regulamento
litterario, e um ministerio--proprio de instrucção--o campo que se
acanha a quem sabe, e só se alarga a quem tem e póde; eis as causas do
menospreso e quasi aversão, que entre nós soffrem lettras e sciencias.
Esta é a causa, e só causa de tantos males.

Sei que é dura e fere o ouvido, e mais ainda o coração, esta
verdade, comtudo é uma e tão amarga, que custa a confessar, parecendo
melhor desculpa, a mingoa de livros bons e baratos.

É fado que entre todos os povos cultos, sendo que as nossas bibliothecas
gemem debaixo do peso de boas obras nacionaes, somos porém um dos que
menos livros possuimos maneiros e de facil comprehensão. Abundam as
nossas livrarias em pesados volumes, de ainda mais pesada erudição e
elevado estylo: mas ao alcance do obreiro, do agricultor, do proprio
camponez, volumes, que por seu tamanho, preço e clareza a elles se
amoldem, que lhes mitiguem, por sua amenidade e instrucção, o rustico e
affanoso lidar, a custo se depara com um ou outro.

N'isso differimos da França, da Italia, da Allemanha, que os tem aos
cardumes, emquanto que os nossos escriptores parece falarem-se mais
entre si do que com o povo.


V

Com tudo, para quem tiver sêde de instrucção, para quem bem os procurar,
ainda ha que se achem e que sirvam.

As grandes, ideias, se vieram encontrar Portugal adormecido nos braços
da ignorancia, ainda houveram almas nobres e intelligencias elevadas
aonde fisessem echo; e a geração nova tem continuado, de testemunhar á
Europa, que os elevados pensamentos da fraternidade não deram com
corações esquivos em peitos portuguezes. Ainda ha quem trate com afan do
que convem ao seu paiz e quem se não peje de dar testemunho, com
palavras ou com escriptos, do seu pensar, crêr ou esperar.

Nem temor deve haver de que esta, que em tão boa senda; porque a era é
nova e a ideia virgem e longe o dia vem, em que tem de ceder o passo a
outra maior e mais elevada.

O dever de todos, quantos sômos, que pugnamos pelas liberdades e bem do
povo, é seguir sempre a grande ideia, atravez de todos estorvos e
revezes, com o peito ao vento, o rosto alto, os olhos só fitos no
futuro. Abrir bem o coração a voz que vem de cima, e cerral-o á das
paixões da terra.


VI

Dissera eu não serem elementos de felicidade que nos faltavam; mas
só o querer dos que podem tirar d'elles materia de muito bem. Temos a
ideia e temos os meios; tenhamos tambem a vontade, e para todo o mal se
deparará remedio.

Um pequeno alvitre quero eu lembrar que, com ser pequeno e de pouco
custo, talvez não deixe de gerar bom fructo.

Ideia d'um grande francez e grande amigo do povo, Mr. Cormenin, soube
ella insinuar-se em o animo d'um governo illustrado, que a soube
aproveitar, e d'ella já hoje em França vão brotando fructos de muito bem.

Se o exemplo d'um povo tem algum peso no obrar dos outros, por que não
applicaremos e experimentaremos entre nós a ideia do grande homem
sendo que ella produz, como tem produzido, resultados tão elevadamente
civilisadores?

Tal experiencia quizera eu se realisasse em nossa terra, que certo estou
de nos não deixar illudidos.


VII

A ideia refere-se maximamente aos habitadores dos campos, esses, mais
que todos, engeitados da civilisação moderna.

E comtudo é á sua illustração que de mais vontade nos deveremos
applicar. A agricultura é a melhor e mais verdadeira mãe dos povos, e,
como diz Castilho,--só um povo que lhe quer, e a quer, e a serve com
desenganada preferencia, só esse é rico, rico sem fausto, mas sem
receio de empobrecer--o trabalho da terra é a fonte de todos os outros
trabalhos, e assim, não é justo que nós, que em ocio desfructamos o
trabalho do camponez, lh'o suavisemos em troca--com algumas gottas do
balsamo da instrucção?

Além d'isso, se trabalhamos em proveito da sua illustração, é em
proveito nosso que trabalhamos.

O cultivador, que ler, conhecerá melhor o tempo, as estações, a
qualidade do torrão, da semente, o que mais convém a este ou est'outro
terreno, e que especie de grão deve lançar á terra. Com este progresso
na agricultura o lavrador produzirá melhor, mais, e mais barato.

Não será, pois, tambem em o nosso proveito?

Ainda que não fossem elles homens, e, como taes, com igual direito a se
illustrarem, bastaria a perspectiva do proprio lucro para nos fazer
cuidar d'elles com affinco, pois que, curando d'elles, de nós curamos em
realidade.


VIII

Entendera Cormenin que o rustico, por ser rustico, nem por isso devia
ficar privado d'esse pão do espirito, que é a leitura.

Partindo d'esta verdade, imaginou elle uma bibliotheca de 200 ou 300
volumes de materia comezinha e de facil digestão para o povo: cada
concelho possue uma d'estas bibliothecas dividida em tantas menores,
quantas as aldeias e logares que em si conta, e em relação a ellas
numeradas. Cada uma d'estas livrariasinhas é enviada pelo
administrador do concelho ao parocho de cada aldeia, a fim d'elle
distribuir gratuitamente os volumes a quem d'elles precisar e os pedir,
assentando o nome de cada leitor n'um rol, e riscando-o á maneira, que
se vier fazendo entrega dos volumes.

Depois de seis mezes passados, todas as obras que compõem a
livrariasinha se devem achar em casa do parocho, que a remette á aldeia
que tem a Bibliotheca de numero immediato, recebendo em troca a que lá
estava para o mesmo fim.

Passado tempo, quando cada aldeia tenha tido por espaço de seis mezes
cada uma das bibliothecas parciaes, isto é, todos os livros do concelho
por partes e por varias vezes, far-se-há troca da bibliotheca toda com a
do concelho seguinte, continuando sempre assim com o mesmo systema
de leitura, de sorte que em poucos annos poucos livros terão, passando
por milhares de mãos e através de milhares de intelligencias, feito o
gyro do paiz, e levado a instrucção aos mais necessitados, sem que para
isso se exijam grandes despezas.

A este alvitre, tão simples como economico e proficuo, chamou
Cormenin.--Systema das Bibliothecas Ruraes Ambulantes.


IX

A bondade de tal alvitre por si e claramente se deixa vêr. Realisar o
desideratum da civilisação moderna--a instrucção do povo--em tão grande
escala, tão bem, e por tal preço, cuido que outro algum o poderá fazer
melhor.

Nos primeiros annos poucos resultados bons se tirarão, porque ainda
os habitadores dos nossos campos desconhecem as vantagens da
leitura, mas, acostumados pelo uso, por assim dizer, aclimatados com o
systema, e maximamente, vendo os fructos que hão-de colher os que leram,
dentro em breve toda a população dos campos correrá em busca de livros e
será com injustiça, que o soberbo habitante da cidade lhes poderá
chamar--boçaes.


X

Na escolha dos livros é que se deve requerer toda a cautella, para que a
instrucção não degenere em leituras prejudiciaes ou sem proveito.

Deverá constar cada bibliothecasinha de pequenos volumes sobre sciencias
naturaes, medecina domestica, livros de religião, de agricultura, de
politica geral, de administração, historia, geographia e viagens;
tudo isto escolhido por pessoa versada e idonea.

Na nossa terra, nomeadamente, deve-se curar principalmente de os
procurar ou traduzir em chã linguagem das estrangeiras, escolhendo entre
todos os melhores e os mais uteis.

Comtudo é não acobardar, que ainda se adiam livros bons e uteis, e os
que não houverem podem bem supprir-se com versões dos melhores dos
outros paizes mais adiantados que nós, n'este genero de litteratura
popular.


XI

Alguns livros ha, assentei eu, que estão no caso de percorrerem a
estrada de tal missão: originaes portuguezes uns; outros vertidos na
nossa lingua das estrangeiras. E que muito importa essa differença? já
disse alguem que o genio não tinha patria: um bom livro, que
appareça hoje, já amanhã falará todas as linguas, e será lido com ardor
por todos, quantos elles são, os povos cultos do globo.

D'alguns livros sei eu, que satisfazem as exigencias: poucos em verdade
são elles, mas bons, mas bonissimos: quasi todos conhecidos e animados
do publico; alguns não tanto; a todos o nome do auctor lhes é caução.
Folgo de ter falado n'elles um pouco de longo, porque tão bons são, que
lhes desejára ainda mais carinhos, mais diffusão por entre o povo. Com
elles quizera eu se começasse a obra civilisadora das--Bibliothecas Ruraes.


XII

Aquelle, que primeiro convém que o povo leia e releia, e por elle seja
mui manuseado, mui meditado, tem em si a propria recommendação: vem
assignado por nome portuguez e dos maiores. D'elle disse
Castilho--aquelle que em alguns paragraphos pretender julgar uma obra
tão cheia, tão variada, tão germinal toda ella, como é este livro,
provaria, ou que não a lera, ou que não era digno de a ler. Nós a lemos,
a relemos, temol-a ainda aberta, e aberta a deixaremos sobre a meza para
nossas meditações.

Seu titulo é:



Estudos sobre a reforma em Portugal

POR

_J. F. Henriques Nogueira_

        Não é um livro; é uma obra.
                        G. Planche.


I

O livro cujo valor apregoamos, e ao qual outorgamos um primeiro
e eminente logar na nossa ora ideal--mas tão realisavel
bibliothecasinha popular,--é digno de tal occupar, sendo que entre todos
é elle o mais util e accommodado á intelligencia do nosso povo--ainda
mal--tão inculto, tão por mondar de cardos e ruins ervas, e, o que peor
é, com tão pouca esperança de proximo e util cultivo.

O auctor do livro, como bom philosopho, cura menos do que é, ou póde
ser, do que indaga o que em sã razão devera existir: e ao tempo que, em
succinto mas substancial quadro, alevanta o rude trabalhador ao nivel de
seus direitos, não se mostra remisso no estudo dos deveres que se lhe
oppõem; accrescendo ainda um catechismo acabado dos meios de realisação
d'uns e de satisfação dos outros. Ajuntai ainda uma expressão clara, por
correcta; uma viveza toda meridional de imagens; um finissimo tacto ou,
por assim dizer, um como faro mui mimoso no descobrimento dos males
sob que geme a sociedade, e a mão segura em alvitrar meios de prompto
remedio; e em limitadas phrases havereis o livro.


II

Diz modestissimamente o auctor, que o livro não é mais do que a selecção
de pequeninos estudos ácerca d'esta ou d'est'outra reforma. Sobremodo
maior é o seu merecimento, e em conta de maior obra o tenho eu. É um
systema de organisação social completo e cheio; resumo, conciso sim, mas
germinal das reformas, que ha mister um povo e uma sociedade já gastos.
Dai-me população e territorio, que meios de organisar um governo no
livro os acho eu todos; mas governo racional, philosophico sem que seja
irreligioso (e é este o dizer verdadeiro da palavra); governo,
finalmente como o deve ser um no seculo dezenove.

Se desejaes um testemunho do seu bem querer, lêde com que tocante
singeleza resume elle, em poucas palavras, o seu credo politico e
social, onde, a par do grande reformador, deparareis com o poeta e com o
cidadão honesto, e amante da sua patria.


III

Eis os termos em que se expressa:

--Quizera que, n'um paiz como o nosso emancipado por cruentos esforços
da tutela humiliante, egoista e sanguinaria da monarchia absoluta,
cansado do regimen espoliador, traiçoeiro e faccioso da monarchia
constitucional, necessitado de restaurar as forças perdidas em luctas
estereis e de cicatrizar feridas, que ainda gotejam, ávido, emfim, de
gozar as doçuras da liberdade, por que tanto ha soffrido; quizera
que o governo do estado fosse feito pelo povo e para o povo, sob a forma
nobre, philosophica e prestigiosa de--Republica.

--Quizera que o poder supremo, emanado do voto universal, residisse na
assembleia dos representantes do povo e que o poder executivo fosse
confiado a um ministerio de tres membros, nomeados pela assembleia.

--Quizera que a administração da justiça corresse imparcial, rapida e
gratuita; que os serviços feitos ao paiz tivessem uma recompensa
condigna; que os crimes achassem correcção em vez de vingança, e que a
pena de morte, vestigio maximo da barbaridade, fosse abolida.

--Quizera que a guarda nacional, milicia gratuita, que não obriga o
cidadão a abandonar as suas ocupações, constituisse o grosso da
força armada; e que o exercito subsidiario se reduzisse unicamente aos
corpos scientificos.

--Quizera que a despeza publica fosse inferior á receita; que se
proscrevesse o ruinoso systema das dividas; e que a applicação dos
rendimentos do Estado fosse inteiramente productiva, illustrada e
philantropica.

--Quizera que a rede tributaria, que ameaça de estancar o paiz, ficasse
reduzida a um só imposto progressivo sobre a renda, cobrado sem despeza
e realisado sem agio.

--Quizera que os capitaes, pela barateza do juro, auxiliassem a
producção, em logar de absorverem a maior e melhor parte de seus lucros.

--Quizera que o direito á subsistencia pelo trabalho tivesse nas
officinas, colonias e obras publicas, uma util garantia; que o trabalho
das mulheres ganhasse uma area mais vasta, e que fosse melhor
retribuido.

--Quizera que a Agricultura, a Industria fabril e o Commercio recebessem
do estado uma desvelada protecção, como fontes principaes da riqueza.

--Quizera que as estradas, os canaes, as barras, e em geral, todos os
meios de viação merecessem a preferencia no extenso capitulo das nossas
necessidades.

--Quizera que a communicação do pensamento não achasse obstaculos; e que
o correio fosse inteiramente gratuito, tanto para as cartas como para os
escriptos periodicos.

--Quizera que os orphãos, os doentes e os invalidos, que dependem da
caridade publica, encontrassem nas casas de mesericordia lenitivo para
os seus males; e que se franqueassem a todos os operarios as
instituições economicas e preventivas da miseria.

--Quizera que os cuidados exercidos sobre a saude publica conseguissem
minorar e extinguir, se tanto fosse possivel, as causas de infecção, que
vão minando gradualmente a robustez das gerações.

--Quizera que o derramamento da instrucção chegasse ás ultimas camadas
sociaes; que a imprensa publica se tornasse um instrumento de progresso;
e que o estado protegesse o talento abandonado, que a falta de cultura
não deixa medrar.

--Quizera que a religião de nossos paes não servisse de escudo a
interesses egoistas e mundanos, mas que acompanhasse o progresso da
humanidade; que os bispos fossem, como n'outros tempos, eleitos pelo
povo; e que os parochos se elevassem á altura de mestres e de
moralisadores.

--Quizera que os interesses da localidade fossem attendidos primeiro
do que tudo; que o territorio se dividisse para todos os effeitos em
grandes e bem regidos municipios; e que as aldeias tivessem os
melhoramentos indispensaveis ao bem commum dos moradores.

--Quizera que a associação, origem de maravilhas, se estendesse a todas
as classes da sociedade e principalmente áquellas que vivem do seu salario.

--Quizera que a familia, instituição primitiva e santa, não apresentasse
o quadro odioso dos direitos de primogenitura, que dão a uns filhos a
regalia de senhores, em quanto conservam outros na humiliação de servos.

--Quizera que a propriedade, direito natural e civilisador, se
estendesse ao maior numero de individuos; e que para completar a
liberdade da terra se permitisse a remissão de todos os encargos que a
oneram.

--Quizera, por ultimo, que Portugal, como povo pequeno e opprimido, mas
conscio e zeloso da sua dignidade, procurasse na--Federação--com os
outros povos peninsulares a força, a importancia, e a verdadeira
independencia que lhe faltam na sua tão escarnecida nacionalidade...

.........................................................................

Não há querer mais nobre, aspirações mais santas; a par do grande
philosopho, haverá ahi quem desconheça o poeta e o humanitario?


IV

Economista profundo, é um poeta e pensador; o illustre democrata, á
maneira que nos apresenta uma das suas muitas, mas bonissimas reformas,
não póde, precipitando o tempo pela imaginação, deixar de nos entoar um
de seus hymnos tão enthusiastas, tão intimamente consoladores de
esperança no futuro para o pobre, o desvalido proletario.

A inspiração é tanta, a crença é tão forte, a fé é tão viva, que bastas
vezes o tomarieis por um d'esses prophetas que nos pinta a antiguidade,
a anathematisar os maus, de sobre esboroadas minas, a aviventar no
coração dos bons a emmurchecida esperança em melhores tempos e mais
christãos.

Ao ver tantas promessas de ventura, muitos, de incredulos, se negarão a
dar-lhes fé; muitos lhe chamarão sonhos febris d'um sentido scismar de
poeta; mas nenhum se atreverá a apodal-os de veneno ou de maldade.
Muitos dirão com o poeta:

    Vãos desejos, talvez: mas bons de certo.

Mas nenhum terá força de lhes lançar o anathema terrivel, com que,
verdade é, o seculo sóe pagar as ideias boas e nobres.

Quiçá cedo é, para diffundir a vontade de reformas: seja; que o não é:
quem acampa nos arraiaes longinquos e desertos do futuro, e o aguarda
sereno e firme na sua fé, tem uma nobre missão:--a de abrir e
esclarecer, sentinella do porvir, a estrada da nova era; que outros,
vagarosos, de prudentes, só mais tarde pisarão.

Não é tarde; que o mundo foge no infinito do espaço e caminha direito ás
regiões encobertas do futuro; e, quando o seculo aperta o passo, não ha
face de verdadeiro democrata, que deva pejar-se de o acompanhar n'este
caminhar providencial.

Se é sonho, a sonhar por sonhar mais val, como diz Pelletan, o sonho
que diz a tudo quanto soffre cá na terra:

--Levanta-te, e espera! do que o que lhe repete:--Soffre, que para o teu
mal não ha salvação nem lenitivo!



FELICIDADE PELA AGRICULTURA

POR

Antonio Feliciano de Castillo

        Da terra saímos; á terra volvemos:
        A terra nos veste, nos traz, nos mantem.
        Quem mais do que a terra merece os extremos,
        Que obtem dos bons filhos a próvida mãe?

                                  A. F. de Castilho


I

Eis agora aqui um livro, que, em meio da geral fermentação de
tumultuosas paixões e ambições immoderadas que agitam as nossas
modernas sociedades; em meio d'este lamentavel estado de geral
descontentamento e desgosto de que todos mais ou menos somos victimas;
quando, segundo judiciosamente observa Aimé Martin, o artista descrê da
arte, o padre de Deus, o mancebo do futuro, e até a mulher do amor, e
nem um só tem o menor vislumbre de esperança na felicidade com que ainda
póde topar no estado que lhe deparou a providencia; eis agora--digo
eu--um livro que, em meio de tudo isto, nos promette essa almejada
felicidade, que nos aponta o como a poderemos alcançar, que o prova--e o
que mais é--não fala em referencia aos grandes, aos poderosos, aos que
por si tem todos os dons da fortuna, mas ao pobre, ao desvalido, ao que
chora e soffre em meio das trevas da ignorancia, da miseria, quasi,
direi, da servidão.

É mister ser-se um grande poeta--poeta de muito crêr e muito
esperar,--para poder lançar um olhar seguro por sobre todas essas
populações miseraveis dos nossos campos--orphãs da moderna
civilisação--palpar-lhes todas as feridas, ouvir-lhes todos os
queixumes, conhecer todo o fundo de seus males, e vir depois ainda
crente, mais crente talvez do que nunca, entoar um hymno de esperança e
felicidade para esses que por cruel ironia só lhes respondem com
lagrimas e gemidos.


II

É que o poeta recebeu de Deus o condão mago de ler na noite de arredado
futuro; de vêr luz e muita luz aonde outros só vêem trevas; flores de
amor e de vida, aonde para muitos só brotam os goivos do sepulchro.

Esse lê bem, que assim lê em lettras de ouro paginas de esperança e
felicidade no grande livro dos destinos da humanidade.

Crê e espera--mas não lhe vem só do coração--de seu condão de
poeta--essa crença e essa esperança.--Estudou, pensou, viu muito pelos
olhos de sua intelligencia, e n'este estudo firmou elle em grande parte
essa crença, que lhe dá a força de prometter ainda felicidade e muita
felicidade para os campos, para os habitadores dos campos e para todos
por via d'elles.

«Aconselhar a agricultura ao povo, diz o auctor, é aconselhar-lhe a
propria felicidade».

Veremos se o alvitre é tão bom como se apregoa, se não cegou o poeta a
propria inspiração.


III

Retemperados pelas aguas lustraes d'um novo Jordão, por esse baptismo de
fogo e sangue, pelo qual á Providencia aprouve fazer-nos passar, como
iniciação nos umbraes do templo da liberdade, que a custo iamos
conquistando, de tal arte nos cegou a novidade da conquista, tão
afanosos nos mostramos no empenho de a bem guardar, que de todo nos
esquecemos de que não é ella o fim unico (como se já suppoz) dos humanos
destinos, mas antes um como meio de alcançarmos outros progressos; um
primeiro passo, d'entre os muitos que ainda temos a dar: uma mera
iniciação para aquelles que assentam o seu campo nos ainda mui desertos
arraiaes do futuro.

Argos vigilantes, perdemo-nos enlevados na contemplação do thesouro, que
assim nos traz presa a vista e a alma, sem nos lembrarmos, que em
volta a esse pomo d'ouro, que com tanto amor guardamos, outras e muito
formosissimas flores se definham e morrem, sem que produzam fructo, á
mingua talvez d'uma gotta d'agua, com que--a haver boa vontade--se lhes
poderia dar vida ás raizes sequiosas.

A agricultura, com ser a mais esperançosa para bom fructo, de todas
essas flôres, que vão murchando no pó ao minguar-lhes o alimento, é por
ventura de todas ellas a que mais soffre, e a quem mais se recusa esse
alento e essa protecção, de que por tantos titulos nos é credora.


IV

Mal de nós, que já nos ficam bem atraz esses tempos em que os grandes
homens da maior nação se não envergonhavam de serem encontrados, em
meio do rude trabalho das lides agricolas, por um povo inteiro, que
tambem se não pejava de os ali vir procurar, para os exaltar aos mais
altos cargos da republica; e em que esses heroes, lavradores, depondo a
toga da dictadura, depois da patria salva, se sentiam orgulhosos e
felizes em voltarem cobertos de louros para o trabalho de seus campos,
que em meio haviam deixado!

Já vão longe esses tempos; e todavia a terra, a «Alma mater» dos antigos
não cessa de nos abrir o seu seio carinhoso, de nos chamar, de nos
sorrir, de nos convidar com todos os seus perfumes, com todas as suas
verduras, com todos os seus matizes de mil flores.

Mãe extremosa não conhece filhos ingratos e inconstantes; a todos gerou
e a todos há de involver. Se chora, encobre-nos os prantos; e, em dias
de tribulação, lá a temos sempre, que nos estende os braços com
affecto indizivel, que nos consola, nos acaricia e nos melhora, até que
por fim, orgulhosos da propria grandeza, renegamos a mãe que nos deu o
ser, e nos afastamos d'ella, com desprezo, como se não fosse a ella e só
a ella, que toda essa grandeza se deve attribuir!...


V

Com effeito, só por ignorancia ou por desmedido ou mal fundado orgulho,
se póde conceber tal desprezo e tal ingratidão.

A arte de domar a terra, para d'ella extrairmos aquillo de que mais
carecemos na vida, não pode de certo ser apodada de rude, nem menos de
desprezivel.

Tão velha como o homem, como as suas primeiras necessidades, é-lhe a
sua antiguidade segura garantia de excellencia e de nobreza; desprezivel
ninguem de boa fé lhe poderia chamar, sendo que todas as sciencias a
veneram e cortejam, entre si disputando qual d'ellas lhe prestará
maiores serviços.

As cidades, que assombram os campos com seus templos, columnas, praças,
grandeza e luxo; os exercitos, que os assolam, impellidos pelo genio
destruidor das batalhas; essas cidades ambulantes, que levam d'um mundo
ao outro os productos de todos os climas: todas essas maravilhas de
grandeza e intelligencia humana, tudo isto saiu dos campos, tudo isto
por lá se creou; tudo isto ha de muitas veses, nas longas horas de
atribulação e de angustia, lembrar-se com saudade da humilde mas
pacifica choça, d'onde primeiro desabrochara á luz do sol; tudo isto ha
de deixar de existir, de mover-se, de tumultuar, ha de esquecer por
fim, que elles hão de continuar ainda, por muito tempo, depois do homem
talvez, a vecejar, a florir, a fructificar, sempre bellos e sempre
risonhos, agora e depois, como no primeiro dia da creação!


VI

A industria e o commercio, os dois mais poderosos e mais incansaveis
agentes e creadores da riqueza das nações, lá tem nos campos alicerce,
lá foram buscar á agricultura todas as forças com que operam, todas as
galas de que se revestem.

O ferro, com que o homem fabricou novos orgãos, para ajudar os que a
natureza lhe déra; o carvão, com o auxilio do qual centuplica as suas
forças; lá lh'os tinha a terra guardados no seu seio, como mãe
carinhosa: o linho, de que fabrica os vestidos que o revestem, tambem já
lourejou pela encosta de suas collinas: o madeiro, que recurvado sulca
as ondas em busca de novos mundos, tambem orgulhoso e gigante se ergueu
outr'ora no meio de suas florestas: o grão, que o nutre; o fructo, que o
delicia; o vinho, que lhe dá mais vida e alegria; tudo isto tambem por
lá cresceu e medrou, tudo isto de lá saiu.

A sciencia, a mais nobre de todas as sciencias de Deus, porque é a
sciencia do infinito--a astronomia--tambem lá vae nos campos buscar a
sua origem: lá nasceu entre humildes pastores, lá se desenvolveu, até
que o homem das cidades, orgulhoso já de sua grandeza, a veio usurpar
aos que primeiro a descobriram, para, no remanso do gabinete, ou no
terraço do observatorio lhe dar ainda maior desenvolvimento.

A geometria--por ventura mãe da astronomia, tambem nos campos tem seu
berço.

Todas as artes lá vão buscar as materias com que operam, muitas tambem
as suas melhores inspirações.


VII

Como essas cidras maravilhosas da fabula, que, rudes na fórma e ingratas
ao paladar, em si continham porém tanta formusura, tanta materia de bem
para o mortal feliz a quem dado fosse o abril-as, como ellas é tambem
rude e aspera a agricultura na fórma e pouco promettedora de prodigios.

Mas para quem bem a essencia lhe fôr especular, para quem, com
entranhavel amor, a cultivar, para quem, com mãos prodigas, lhe souber
dar afagos e carinhos, para esse, similhante á cidra fabulosa, tem
ella um seio rico de muito affecto, de muita materia de felicidade e
belleza, para esse, será ella sempre a amante extremosa, a mãe
procreadora de prodigios sem conta.

Qual há, porem, vara magica de fada, que--trocando-a--a chame á vida, a
faça abrir ao sorriso e ao amor, lhe dê que do seio amigo brotem todas
essas flôres de ventura, que lhe sabemos e ella nos promette, mas que
sem estranho auxilio não podem desabrochar nem medrar?

Eis ahi o problema: mas eis tambem no livro a resolução, a vara de mago
condão, a panacêa universal para os males, sob que geme esta boa terra
de Portugal.


VIII

É a associação mãe de taes prodigios, de tantos beneficios, fonte
perenne e inesgotavel, que apregoar-lhe valor e necessidade, além de
desnecessario, fôra loucura quasi rematada.

Com effeito, hoje, á luz do seculo XIX, quando é orgulho e timbre de
toda a sciencia o prescrutar bem fundo a alma, a intelligencia e o corpo
humano, procurando ahi todas as leis da sua natureza, para n'ellas--e só
n'ellas--se estribarem theorias e instituições, hoje desatino seria
buscar ainda provas para aquillo, que d'ellas menos carece, sendo que a
sociabilidade é, de todas as leis naturaes, aquella que mais
exuberantemente demonstram as theorias da sciencia, e a mais que todas
inexoravel e severa logica dos factos.

A muitas d'estas leis póde desobedecer o homem, contra outras se póde
totalmente revoltar, mas contra esta, por sem duvida o tenho, seria tal
attentado, que assento jámais poderá realisar-se.

Subtrahi os homens--um só momento que seja--ao seu influxo benefico, e
para logo os vereis amesquinhar-se, quando não desapparecer da face da
terra.

Condição primaria de sua existencia e progresso, ha de com elle mais e
mais desenvolver-se, que não há ahi decreto de rei da terra--fôra elle
Cesar ou Napoleão--que ouse derogar o decreto do Eterno!...


IX

É pois a associação o cumprimento d'uma lei natural.

Na progressiva evolução d'essa lei e a par d'ella, vejo eu caminhar a
humanidade; desinvolver-se, se se ella cumpre; estacar, se pára;
definhar, se esmorece; seguindo-a sempre e resentindo-se de suas
menores alterações.

E é de razão, porque, a ser o fim do homem na terra o desenvolvimento de
suas faculdades, que outra há mais nobre e importante; que mais influa
nos seus destinos que esta lei da sociabilidade?

Por ella se póde aferir o grau de civilisação d'este ou d'est'outro povo
porque ahi onde mais o homem se estreitar com o homem, aonde mais de um
irmão ajudar o outro irmão, ahi tambem mais o espirito tenderá a
elevar-se--e de feito se há-de elevar--elevação que toda se desata em
muita sciencia, muito bem e muita ventura.

Reconhecidos estes principios, reconhecidos--quasi
direi--demasiadamente, houve quem d'elles se possuisse a ponto de
n'elles querer buscar todo um systema de organisacão social.

Desvairou-os o amor d'um principio, o conhecimento d'uma lei natural,
por ventura a ignorancia de muitas outras; e, encarando o homem por lado
restricto, quizeram o desenvolvimento d'uma faculdade á custa das outras
todas.

Não quer isto porém a harmonia, essa outra lei de Deus, que tem de
presidir--como revelando-a--a toda a creação.

É mister que a todas as faculdades seja dado um maximo desenvolvimento;
mas é mister tambem que cada uma, ao alargar a sua esphera, não vá
calcar outras, a quem egual direito assiste...


X

Por que é lei da natureza humana a liberdade, porque deve o homem
responder por suas acções, não quer a boa justiça, não quer a boa rasão,
que á força--que não com a arma da persuação--se lhe imponha o
cumprimento d'uma obrigação qualquer, fôra ella tão santa, tão
prescripta por Deus, tão filha da natureza do mesmo homem como esta da
sociabilidade.

Assim, é com a liberdade e só pela liberdade, que tem de effectuar-se
este grande pensamento da associação, este grande abraço que obedecendo
ás leis do proprio ser, tem de--no futuro--dar homens e povos,
estreitando cada vez mais os laços que os unem, e centuplicando forças,
sympathias e vida.

Problema longo tempo agitado, dá-lhe hoje a sciencia cabal resolução.
Desde que esta, despresando theorias incertas e imaginosas, foi buscar
como base de seu estudo, para ahi fazer alicerce seguro, aos principios
que tinha de formular, a natureza do ser, a quem todos tinham de ser
applicados; desde essa occasião ganha estava a causa da liberdade.

Podem offerecer-se-lhe mil estorvos, levantar-se contra ella as maiores
tormentas, que ella, atravez de tudo, lá ha-de ir sempre seguindo seu
caminho, ganhando o terreno palmo a palmo sobre os seus adversarios, e
libertando o homem cada vez mais do jugo da miseria, da escravidão e do
embrutecimento.


XI

Associação e Liberdade: são estas as duas ideias salvadoras--e só
ellas--que, uma pela outra completando-se, podem levar a bom fim as
nossas modernas sociedades.

Associação livre--eis o que em nome da sciencia podemos affoutos
responder a esses nobres, mas desvairados, sonhadores de utopias,
que na fé de uma imaginosa organisação social, toda artificio humano,
que não segundo as leis do natural organismo, e em nome das santas
esperanças e fraternaes aspirações, que em abundancia lhes enchem as
almas generosas, nos promettem, há meio seculo, o progresso da perfeita
felicidade--porventura mais do que ao homem é dado esperar na terra.


XII

A sciencia toma o facto, especula-lhe a essencia e natureza, observa-lhe
as relações, e de tudo deduz as leis que lhe presidem. Póde
desempedidamente apresental-as á luz do dia, e para o futuro concluir
affoutamente do passado; póde e deve-o, que outra não é sua missão.

Mas o que muita vez o frio calculo e analyse reflectida deixam por
mesquinho ou vulgar, sem d'ahi tirarem materia para considerações,
toma-o para si o coração sensivel do poeta; pela imaginação o nobilita e
engrandece, na mente lhe fórma a robusta estatura; até que apparece em
fim gigante de crescidas forças, esse que ainda há pouco, de mesquinho e
pigmeu, nem sequer attrahia as vistas do investigador curioso.

É assim que a imaginação e a analyse, a sciencia e a inspiração, uma
pela outra se completam, trabalhando cada qual na esphera que por
natureza lhe compete, e para fim commum--a _Verdade_, concorrendo uma e
outra na medida de suas forças e aptidões.

São (ou antes deverem ser) duas irmãs queridas e extremosas, em obra
commum, empregando desvellos e cuidados; nunca, como até hoje, rivaes,
que por um mesmo amor, e em nome da mesma causa, se detestam e
guerreiam.


XIII

É d'estes dous elementos--sciencia e inspiração--que brotam as nobres
ideias e grandes verdades, que por vezes têm mudado a face de uma
civilisação, quando, em vez de uma á outra se mostrarem hostis para fim
commum se têm dado mãos amigas.

Nas porfiosas luctas politicas do seculo, em que--mais ou menos--todos
temos sido actores ou espectadores, se encontra clara prova e exemplo
manifesto da proposição que aventamos.

Por longo tempo trabalharam em bandos oppostos e á sombra de vario
pendão os modernos representantes d'esses bons principios, uns e outros
promettendo-nos felicidade, mas cada qual em nome de mui diferente
divindade; até que, passados que foram os tempos de mais escandecida
lucta e acalorada discussão, a mesma força da verdade os trouxe a si; e
a commum e amigavel união lhes soube chamar os animos discordes.

Ambos em parte transviados, a ambos comtudo assistiam tambem em parte
principios de verdade. Inimigos, seriam sempre viajantes perdidos em
densas trevas, cada vez a se affastarem mais das veredas trilhadas;
reconciliados, um ao outro se guiam e ajudam, com as luzes e forças
proprias, em nome d'uma longa amizade no futuro, postas em commum.

E de feito, não é hoje que, no meio d'essa pleiade illustre de generosos
espiritos, que anhelando anciosos por um melhor futuro, trabalham
afanosos para alivio e engrandecimento dos que choram; não é hoje
que entre elles se encontrarão rivalidades d'eschola, mas indignas
d'homens, ao bem dos homens votados.

São hoje irmãos. Os erros de cada qual, ao despirem-se dos velhos
rancores, sacrificaram-nos no altar da nova alliança; e d'entre as
cinzas impuras, que o vento dispersa ao longe, sahiu--nova Phenix--a
flôr immarcessivel da verdade eterna.


XIV

Associação e Liberdade dissera eu serem essas duas ideias aonde se
depara mais verdade e que, ambas fundidas em factos, podem dar fructo
mais sasonado e proveitoso; o leito por onde placida póde correr,
demandando seu termo, a torrente--ora revolta e turbada por mil
encontrados elementos que ahi se revolvem e guerreiam--da vida das
modernas sociedades.

E como não seria assim, se ramos frondosos de arvore, que no coração do
homem tem fundas as raizes--a propria natureza, têm por fim,
entrelaçando-se estreitamente e em mutuo amplexo apertando-se,
ampararem-se e defenderem-se uns a outos, porque assim reciprocamente se
protejam no crescer e no fructificar? Se são ara sacro-santa aonde os
animos discordes em busca da verdade--mas que d'alma a buscam, tem de
vir pactuar a alliança, queimando ahi, em holocausto incruento, o fel de
paixões ruins e desamoraveis ¿como poderão ellas, por estranho desapego
e ingratidão mentir ao que, em nome de futuro melhor, nos promettem, e a
que, na fé d'esse almejado futuro prestamos crença e esperança
illimitadas?

Não podem. Quanto á intelligencia e coração do homem se revela uma
verdade, tam rica de evidencia, tam promettedora de consolações, não
póde «_Aquelle_» que ao espirito a revelara deixal-a sem que pela
revelação dos factos receba confirmação e com ella foros de inconfutavel.

Uma ideia assim nunca mente.


XV

Descendo das subidas regiões da abstracção ao campo mais arido e
abrolhoso--mas porventura mais util, das realidades, da theoria aos
factos; o livro, cujo bom espirito por todos quiseramos diffundido, como
vaso de balsamo suave, que a todos vae ungindo e perfumando, apontando
alvitres, que d'estes bons principios descendem testemunhando não
escasso cabedal de saber,--testifica tambem aquilatado amor pela
sciencia e pelos homens; que em muito conta o amor e o enthusiasmo
para o descobrimento da verdade.

De tantos e tão bons alvidramentos, quantos o livro encerra, um há que,
como base de systema, os resume em si, d'onde todos descendem, ponto
culminante, centro em volta do qual, satelites a lhe reflectirem o
brilho, volteiam todos os outros, compartilhando com elle a verdade e
prestimo com que é dotado.

É este o projecto das «Associações Agricolas».


Fim





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Leituras Populares" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home