Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Ensino intuitivo - livro destinado às mães e paes de familia e às professoras - e professores de instrucção primária
Author: Telles, João José de Sousa, 1826-1903
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Ensino intuitivo - livro destinado às mães e paes de familia e às professoras - e professores de instrucção primária" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



produced from images generously made available by National
Library of Portugal (Biblioteca Nacional de Portugal).)



    *Nota de editor:* Devido à existência de erros tipográficos neste
    texto, foram tomadas várias decisões quanto à versão final. Em caso
    de dúvida, a grafia foi mantida de acordo com o original. No final
    deste livro encontrará a lista de erros corrigidos.

                                           Rita Farinha (Setembro 2010)



ENSINO INTUITIVO

LIVRO DESTINADO ÁS MÃES

E

PAES DE FAMILIA

E ÁS

PROFESSORAS E PROFESSORES DE INSTRUCÇÃO PRIMARIA

POR

JOÃO JOSÉ DE SOUSA TELLES

Socio honorario
da Sociedade das Sciencias Medicas de Lisboa, Socio honorario da
Sociedade Pharmaceutica Lusitana

PROFESSOR DE PORTUGUEZ E INTRODUCÇÃO Á HISTORIA
NATURAL

LISBOA

FERREIRA, LISBOA & C.^a
132--Rua Aurea--134

1873



ENSINO INTUITIVO



ENSINO INTUITIVO

LIVRO DESTINADO ÁS MÃES

E

PAES DE FAMILIA

E ÁS

PROFESSORAS E PROFESSORES DE INSTRUCÇÃO PRIMARIA

POR

JOÃO JOSÉ DE SOUSA TELLES

Socio honorario
da Sociedade das Sciencias Medicas de Lisboa, Socio honorario da
Sociedade Pharmaceutica Lusitana

PROFESSOR DE PORTUGUEZ E INTRODUCÇÃO Á HISTORIA
NATURAL

LISBOA

FERREIRA, LISBOA & C.^a
132--Rua Aurea--134

1873



LISBOA

TYPOGRAPHIA UNIVERSAL DE THOMAZ QUINTINO ANTUNES
IMPRESSOR DA CASA REAL

110--Rua dos Calafates



Ill.^{mo} e Ex.^{mo} Sr. Conselheiro José Silvestre Ribeiro

Ha annos, ouvindo os louvores, que á intelligencia e probidade de V.
Ex.^a tecia um dos mais peregrinos talentos de Portugal, o grande poeta,
hoje Visconde de Castilho, senti irresistivel desejo de ler os escriptos
de V. Ex.^a e de o conhecer em pessoa. Dessedentei-me agradavelmente e
com muito proveito, nas numerosas paginas, que da penna de V. Ex.^a
haviam saido, umas reunidas em volumes, outras espalhadas pelos
periodicos, todas porém rescendendo suave e, digamos assim, castissimo
perfume de natural bondade e heroicas virtudes, qualidades que para mim
valem muito mais que toda a erudição, e que realçam sobremodo a que v.
ex.^a possue vastissima, colhida no incessante estudo de quantos
engenhos famosos tem opulentado as sciencias, as artes e a litteratura.

Já eu, havia muito, conversava com V. Ex.^a em espirito e me reputava
seu discipulo amicissimo, quando tive a boa fortuna de fallar a V. Ex.^a
e de ser por V. Ex.^a acolhido com a benevolencia, que lhe conquista a
sympathia de quantos o tratam.

Data d'esse dia a nossa amizade, confiado na qual ouso offerecer a V.
Ex.^a este livro modestissimo, que se alguma cousa vale é pela boa fé
com que foi escripto.

É sympathico o assumpto; creio que é mais um brado pedindo a tão
necessaria reforma do ensino infantil e primario na casa paterna e na
escola, que tão pouco tem ainda de paternal. Será perdido, como os que o
viajante extraviado soltaria no deserto, implorando o favor dos homens?
Talvez.

Incessantemente ha clamado o nosso probo amigo o Sr. Visconde de
Castilho, e nem aquella potentissima intelligencia, nem aquella phrase,
que nos faz acreditar a fabula de Orphêo, nem a auctoridade d'aquella
quasi intuição do bom e do bello ha conseguido, que amanheça para as
criancinhas o dia da sua regeneração intellectual.

Não serei eu mais feliz; mas dar-me-hei por bem pago do trabalho, que
puz em escrever estas paginas, se uma só mãe, que seja, ou um só mestre,
aproveitar os conselhos, que lhes dou, e se, quando mais não obtenha,
uma criancinha me dever algumas lagrimas de menos e algum bom
ensinamento a mais.

Associando o nome illustre e venerando de V. Ex.^a a esta obrinha, imito
o bom do Aimé Martin e posso dizer a V.^a Ex.^a o que elle disse ao
mavioso Lamartine.

En vous offrant ce livre, je n'ai qu'un but, c'est de rattacher mes
paroles aux vôtres, c'est d'étayer leur faiblesse de votre force, ma
raison de votre raison. Je veux qu'on dise un jour: Ceux-ci ont connu
les veritables biens, ils se rencontrèrent dans la même foi, ils
s'aimèrent devant le même Dieu.


                                                  De V. Ex.^a

                                             Admirador muito amigo

                                           João José de Sousa Telles.


Lisboa 7 de julho de 1873.



ENSINO INTUITIVO


O livro, que hoje publicâmos, é uma tentativa modesta de acclimação de
uma idéa excellente, que lá por fóra tem produzido optimos resultados.

Applaudem-na unanimes os mais insignes pedagogistas inglezes, allemães,
americanos, francezes, e belgas; e ainda que tantos homens
competentissimos em assumptos de ensino e educação nol-a não apregoassem
famosa, bastaria a simples enunciação d'ella, para que enthusiasticamente
a adoptassemos.

Antes, porém, de expôrmos minudenciosamente a idéa nova, e nova lhe
chamâmos attendendo ao pouco que se tem vulgarisado em Portugal, de
razão nos parece conversarmos amigavelmente com o leitor ácerca de
alguns pontos da educação e instrucção elementar.

É a educação da puericia e da juventude a mais gloriosa e ao mesmo tempo
a mais difficil obrigação, que Deus impoz ao homem e á mulher.

Á luz da philosophia e da moral, a paternidade e a maternidade consistem
menos em gerar o infante, do que em desenvolver-lhe e aperfeiçoar-lhe
incessantemente as faculdades da alma e do corpo, até que possa cumprir
os seus deveres e arrostar as contrariedades da vida na curta, mas
trabalhosa peregrinação, que principia no berço e acaba no tumulo.

Incumbe, pois, aos paes empregar todos os meios ao seu alcance, para que
os filhos, creaturinhas imbelles, que a Providencia confiou a seus
cuidados, cheguem no mais curto espaço de tempo, e pelo emprego de
processos razoaveis, amenos, e repassados de amor e ternura ao estado de
perfeição physica, intellectual e moral, que constitue o homem, tal qual
deve ser, tal qual Deus quer que elle seja, tal qual a sociedade bem
organisada o requer, para obreiro prestadio da civilisação.

Infelizmente, nem todos os paes conhecem os seus deveres; e dos que os
conhecem, muitissimos ha, que os não cumprem, ou por modo mui imperfeito
se desempenham d'elles.

D'esta ignorancia e negligencia funestissimas provem os maiores males,
que affligem a humanidade, males para os quaes a maior parte das vezes
não ha remedio.

Tratando de assumpto differente, disse um douto, que muitas descobertas
se poderiam fazer, se opportunamente perguntassemos: _Por que?_
Appliquemos o engenhoso e facil processo de Arago ao exame das causas
determinantes de alguns vicios sociaes, e convencer-nos-hemos de quão
exacta é a nossa asserção.

Estamos na via publica. De toda a parte se nos apresentam creanças
esfarrapadas, semi-nuas, esqualidas, famintas, petulantes; revolvem-se
umas na lama e no pó; dormem outras, tiritando, á chuva e ao vento;
estas divagam estendendo a mão asquerosa e pedindo uma esmola aos que
passam; aquellas soltam dos labios rosados palavras, que fazem enrubecer
os que as ouvem.

Chamae-as, e perguntae-lhes quem alli as deixou, flôres no
esterquilinio, passarinhos implumes entre abutres esfaimados, anjos
manchando as azas na sujidade das calçadas.

Responder-vos-hão: Nossas mães e nossos paes.

Ides vosso caminho, alegre, tranquillo, olhando em redor, vendo
prepassar trens sumptuosos, soberbos cavallos, mulheres elegantes,
homens felizes e descuidósos. Chega-vos aos ouvidos um echo, um gemido,
um choro infantil; olhaes...

Que vêdes?

Na soleira de um portal, vestida em uns andrajos, quasi morta de fome e
de frio uma criancinha, cujas faces, em vez de serem orvalhadas pelas
lagrimas da materna alegria, e aquecidas pelos beijos fervidos da que
lhe deu a existencia, se humedecem com as lagrimas da amargura infantil.

Levantae o pobresinho, apertae-o contra o peito, osculae aquella carinha
de jasmim e rosas, e perguntae-lhe:

Anjo meu, que barbaros te deixaram aqui abandonado?

E a innocencia vos responderá, não com palavras, que as não sabe ainda
articular, mas com ternissimos soluços:

Abandonou-me meu pae e minha mãe.

Além vae caminho do cemiterio, a tumba, que andou de porta em porta
recolhendo os miseros, cujas familias não poderam coalhar o bastante
para o modesto funeral dos seus parentes.

Fazei-a parar; mandae que a abram; olhae para dentro.

Horror! exclamareis vós ao ver por entre os adultos exanimes, em
sacrilego desarranjo, um bando de creanças quasi esqueletos, rachiticas,
chagadas, meio apodrecidas, com signaes evidentes de terem vindo ao
mundo com o estigma da morte profundamente gravado nas frontes
innocentes.

Martyres obscuros, podereis vós dizer-lhes, para quem o mundo não teve
nem uma corôa, nem uma palma; estrellas cadentes, que brilhastes um
momento e desapparecestes n'um eterno occaso; quem assim vos macerou os
corpinhos, e vos deu a beber o fel da morte ao alvorecer da vida?

E a mudez sombria d'aquellas florinhas envenenadas na hastea, e
emurchecidas antes de desabrocharem, responderá:

Nossos paes e nossas mães.

Vêdes aquelle peralvilho, aquelle afeminado, todo pomadas, todo
essencias, gesto insolente, olhar altivo e desdenhoso, que vae rindo e
galhofando com outros da sua ralé.

Parou, fazem-lhe roda, applaudem-n'o outros taes. Que bocadinhos de oiro
estará elle a dizer?

Escutae-o.

Mófa da religião, que desconhece; insulta os sacerdotes, que acertam de
passar junto d'elle; escandalisa as donzellas; zomba dos anciãos; aos
pobres, em vez de os esmolar, despede-os insolente.

Indagae como tão cedo se depravou aquelle moço, que deveria estar ainda
sentado no banco da escola.

Dir-vos-hão que á incuria paterna deve elle toda a sua ruina.

Entrae no templo a presencear as augustas ceremonias, que rememoram a
angustiosa paixão e morte do grande amigo da humanidade.

Que observaes?

A turba irreverente, descomposta, sacrilega, rindo, conversando,
ostentando galas, trocando gracejos, costas para os altares, olhares
distrahidos, attitudes grosseiras e vilans.

Quantas preces saem d'aquelles labios? Que pensamentos povoam aquellas
mentes? Que piedosos affectos existem em tantos corações?
Escandalisa-vos o desacato? Quereis saber porque na egreja estão, como
não poderiam estar na casa da opera?

Chamae de banda um dos levianos e perguntae-lhe o que lhe hão dito seus
paes da grandiosa tragedia do Calvario; do incruento sacrificio, que a
representa, da respeitabilidade do altar, do valor das preces humildes e
sinceras?

Responder-vos-ha, sorrindo:

Não vos comprehendo; meus paes nunca me fallaram d'essas coisas.

Que vozearia é aquella? Porque tantos gritos, tamanho borborinho?

Ergue-se um homem mal trajado, e arenga á turba.

Poucas palavras tem dito, e já uns o applaudem phreneticos, já outros o
vituperam enfurecidos.

É o povo soberano, que usa e abusa de seus direitos. A onda encapellada
das ruins paixões sobe, sobe, invade a improvisada tribuna e derruba o
Demosthenes improvisado.

Todos fallam, todos proclamam a idéa nova.

Ouçamol-os.

Abaixo os padres, não precisâmos d'elles; abaixo a religião, que para
nada presta; acabemos com a propriedade, os ricos só querem beber-nos o
sangue; viva o communismo, grita um; viva o socialismo, que é melhor,
responde outro; nada, nada d'isso, venha a republica.

Acabemos com os tributos e seremos felizes; e o exercito para que serve?
Elimine-se o exercito.

Pedi instrucção, pedi ensino facil, bom, universal, escolas primarias a
cada canto, bibliothecas populares, livros optimos ao alcance de todos
no preço e no estylo; pedi moralidade, diz com voz firme e sonora um
operario, fronte ampla, respeitaveis cans, rosto sereno, mão calejada
pelo trabalho.

Fóra com o visionario brada a turba.

Que quer dizer instrucção? Para que servem os livros? Para que prestam
as escolas? regouga um miseravel, em cujo rosto se retrata a ignorancia
e occiosidade; e bradando á turba, após si a leva cançada, mas não
saciada de disparatar.

Dirigi-vos ao operario honesto e prudente e informae-vos de quem sejam
aquelles doidos.

Uns infelizes, dirá elle, bons corações, más cabeças. Pobresinhos todos;
porém mais pobres de instrucção que de dinheiro, porque todos tem
aptidão para o trabalho, mas a todos faltou a educação. Não tiveram
paes, como eu felizmente tive, que os mandassem ensinar. A mór parte nem
ler sabem, nem fazer o seu nome. Se lhes fordes perguntar o que seja
republica, socialismo, communismo, salario, religião, exercito, á boa fé
vos affirmo que não poderão responder coisa que geito tenha.

Mas deixemos estes homens, nem todos maus; muitos bonissimos,
desvairados pela febre ardente de antigos e profundos padecimentos, que
buscam a verdade e o bem, como os alchimistas da idade media, por meios
absurdos e inconvenientes, mas que tem a coragem de affrontar os
perigos, de sacrificar a propria vida, e de soffrer com a resignação dos
martyres dos primeiros seculos do christianismo esses hediondos
supplicios, a que ainda hoje o mundo civilisado assiste com profunda
magoa e indignação.

Volvamos os olhos para aquell'outros.

D'onde vem?

Das enxovias.

Para onde vão?

Para o degredo.

Homens, mulheres, crianças! Deixam a patria, os amigos, as familias, os
formosos campos, onde nasceram, este céo tão puro, este sol tão
esplendido, este clima tão amoravel, este abençoado e feracissimo
torrão, para irem em paizes inhospitos luctar com a morte opprobriosa,
ralados de saudades, roidos de remorsos, despreziveis aos olhos de
todos, e condemnados pela voz implacavel da propria consciencia.

Vãm alli assassinos, sacrilegos, perjuros, fratercidas, patrecidas,
ladrões, incendiarios; todos os crimes, todas as torpezas, todas as
infamias, o lodo asqueroso de todas as humanas miserias, as trevas da
ignorancia preversa, a lepra do grande corpo social.

Ponde os olhos n'aquelle quadro, mães e paes.

Não interrogueis os que o crime despenhou; não insulteis a desgraça; não
amargureis mais aquelles corações devastados e corroidos pelo crime,
onde poderá haver ainda alguma fibra incorrupta e sensivel; mas
perguntae a vós mesmos que educação receberam aquelles miseros de seus
progenitores? que sorrisos e carinhos lhes cercaram os berços? que
palavras ouviram aquelles entes ao entrar na vida? que exemplos tiveram
para seguir? quaes as escolas, a que os mandaram? que affectos semeiaram
n'aquelles corações? quantas vezes lhes apontaram para o céo e lhes
fallaram de Deus? que noções lhes deram da verdade, da justiça, da
honra, do dever? que meios empregaram para lapidarem aquelles diamantes?
que processo adoptaram para desinvolver-lhes a intelligencia?

E se não acertardes com as respostas a estas e a muitas outras
perguntas, que o caso suscita, ide-vos por essas cidades, e villas, e
aldeias, e povoados e indagae a historia de cada um d'aquelles
infelizes. Raro achareis que se prevertesse o que dos paes houvesse
recebido desvelada educação.

Mas o que é educação desvelada?

Eis o ponto importantissimo, para o qual chamâmos a attenção de todos.
Não o desenvolveremos aqui. Assumpto é para um livro, e já larga e
proficientemente tratado por grandes mestres da sciencia de educar.

Diremos apenas, que muitos paes e mestres ha, por desgraça nossa e
d'elles, que não comprehendem nem a extensão, nem a intensidade da
palavra educar.

Para uns educar é crear, é nutrir o animal, é desenvolver-lhe o physico;
e nem sempre conforme os dictames da medicina e da hygiene.

Para outros educar é iniciar a criança nas regras mais elementares da
leitura, da escripta, da contabilidade e de uma arte ou officio.

Não falta quem se vanglorie de ter educado bem, excellentemente, seus
filhos, por que lhes deu mestres de linguas antigas e modernas, de
geographia, de historia, de philosophia e de muitas outras cousas mais.

Tal se orgulha de ver o herdeiro de seu nome sair laureado de uma escola
ou academia e entrar na sociedade precedido da fama de optimo estudante.
Tal outro se julga em paz com a sua consciencia e se tem por excellente
educador, porque o mancebo, cujos primeiros estudos dirigiu, das
columnas de um jornal assombra o mundo com seus artigos, ou deleita as
turbas com versos, que reputa mais correctos e melodiosos que os de
Camões, Garrett ou Castilho.

E consistirá em tão pouco a sciencia difficilima de educar?

Não, mil vezes não.

Que vale ao homem, a quem Deus concedeu uma certa porção de
intelligencia, susceptivel de indefinido desenvolvimento, crescer e
medrar no physico, permanecendo-lhe embryonaria a melhor das faculdades?
Que vale ao homem, que poderia elevar-se pelo estudo, pela leitura, pela
applicação das potencias da alma e vir a ser um poderoso auxiliar do
progresso da humanidade, qualquer que fosse a sua posição social, saber
apenas os primeiros rudimentos das artes de aprender, e tanto pela
superficie, que nem d'elles se possa servir, a não ser nos mais simples
usos da vida?

Quantos e quantos dos que cursaram as escolas e as academias, e n'ellas
se distinguiram, tiveram mais trabalho em debellar os erros da educação
elementar do que em arcar com as difficuldades, e segredos das sciencias
superiores?

E quantos não vem dos institutos scientificos imperfeitamente
instruidos, não por culpa dos mestres, nem d'elles mesmos, mas pela
incuria e ignorancia dos paes e dos primeiros educadores?

Todos os homens intelligentes, que tem consagrado a vida ao magisterio
superior, reconhecem e confessariam, se quizessem, que a falta de
cultivo intellectual nas edades tenras difficulta extremamente aos
estudantes a comprehensão das sciencias, e os inhabilita para tirarem
dos cursos mais bem delineados as vantagens, que d'elles poderiam obter.

D'ahi a meia sciencia, as ideas falsas, a confusão dos principios, a
impossibilidade das grandes concepções, a timidez na applicação pratica,
o desamor do estudo, que fecunda o que nas aulas se ouviu, e a propensão
para a preguiça, que se contenta com o pouco cabedal adquirido e não
busca grangear mais.

Se das escolas superiores passarmos ás secundarias, encontraremos as
mesmas causas produzindo os mesmos effeitos; e dir-nos-hão os
professores intelligentes e zelosos, que das mãos dos paes e dos
primarios educadores, receberam a mór parte dos alumnos com os olhos do
espirito tão cerrados ainda, que de todo desconheciam as verdades mais
elementares e intuitivas, os phenomenos mais simples e intelligiveis, as
relações mais claras.

Na escola primaria, o professor instruido, que comprehenda quanto tem de
nobre e grandioso o seu ministerio, em apparencia tão humilde, na
realidade tão augusto; que considere na criança o homem e no homem o
futuro todo inteiro da humanidade; que abranja com a vista o largo
horisonte das criaturinhas, que o rodeiam, e que deseje dissipar as
trevas d'aquelles entendimentos com luz tenue e suave, como convem a
edades infantis, tem ainda a luctar com os defeitos da educação
domestica, que devendo ser a primeira, a mais engenhosa, a mais
insistente, e mais efficaz, é muitas vezes nulla, muitas quasi nulla e
quasi sempre deficiente.

E se o que vamos dizendo se applica em cheio á educação das faculdades
intellectuaes da puericia, que são ainda assim, as que os paes de
ordinario mais appetecem ver desenvolvidas nos filhos, outro tanto se
póde asseverar da educação physica e moral.

Conhecida a doença, urge accudir-lhe com o remedio. Já o bom do
Jenuense, mestre de nossos paes, mestre de muitos de nós outros, que
hoje ensinamos e que suppômos ter alguma valia, e tão injustamente
esquecido e mettido para o canto, dizia:

_Principiis obsta, sero medecina paratur, cum mala per longas invaluére
moras._

«Acode ao doente apenas a molestia dê o primeiro rebate; que de nada lhe
prestará o remedio, tardio.»

E haverá remedios, que prestem para os males de que enferma a educação
elementar?

Ha, e muitos; o caso está em applicar-lh'os a tempo e judiciosamente.

Não todos apontaremos aqui, porque não é este livrinho um tratado de
pedagogia, mas tão sómente um, que valerá por muitos.

É remedio barato, condicção esta que não é para desprezar; de facil
manipulação; composto de simples, que por toda a parte e a toda a hora
se acham; e por cima de tudo isto, tão agradavel, que em vez de lhe
fazerem caretas, os que o devem tomar, o appetecem e pedem sequiosos e
nunca fartos de saboreal-o.

É este remedio o _Ensino intuitivo_.

Para applical-o, diga-se já e bem alta e claramente, nem todos servem.
Em mãos de ignorantes converte-se em veneno, e em vez de beneficios, só
produz males.

É indispensavel, pois, que paes e mestres, que hajam de o empregar,
possuam profundo e variado cabedal de conhecimentos.

Antes, porém, de entrarmos a dizer o que este ensino seja, convem que
nos lembremos das condicções organicas, physiologicas e intellectuaes
das crianças.

É o infante um organismo em via de formação, incompleto, fransino, em
que a vida animal consiste quasi exclusivamente no movimento tumultuoso,
na expansão incessante, na assimilação continua.

Abriu os olhos ha pouco, e ainda não teve tempo de ver bem o grandioso
espectaculo da natureza, cujos protentos o deslumbram; descerraram-se-lhe
hontem os ouvidos, e por isso lhe echoam lá dentro, ainda confusas, as
harmonias, os ruidos, as palavras, que mal percebe; aspira sofrego os
aromas, que rescendem as flores, mas não os distingue; saborêa o nectar,
mas quererá tambem provar o fél e degustar o absintho; apalpa enlevado a
pelle assetinada e suavissima das faces maternas, mas queimar-se-ha
incauto na chama da véla, que admira, sem a comprehender.

No intimo, na cabeça, cujos óssos ainda se não consolidaram
completamente, no coração, que palpita violento, jorrando sangue para
todo o corpo, começam de germinar as idéas e os affectos, cuja
elaboração de hora para hora, de dia para dia, de mez para mez se
complica, e transmitte com incrivel velocidade.

São dois mundos luctando atravez do fragil envolucro, que chamâmos
corpo; o mundo externo, cujos variadissimos factos contempla attonito
sem suspeitar que os determinam infinitas leis, que os encadeam
reciprocamente innumeras relações, e que sobre elle actuam
incessantemente: o mundo interior, o mundo dos sentimentos, das ideas,
dos affectos, cuja admiravel genese começa, e que ha de irromper atravez
dos sentidos, e reagir violento sobre os modificadores de fóra.

A creança porque é um ente material, que tende a completar-se, carece de
muita alimentação, de muito sol, de muito e bom ar, de muito movimento,
de liberdade, e de sensações variadas, mas suaves, que a deleitem, e que
attraiam a sua attenção.

Se todas ou algumas d'estas condicções lhe faltarem vel-a-heis
extinguir-se subito, como a luz de uma véla á mingua de oxigenio; ou
estiolar-se e pender para o tumulo, onde não tardará a sumir-se, como a
planta, que germinou em solo arido e assombrado.

Como creatura intelligente e moral, necessita que lhe dirijam e
robusteçam as faculdades, á proporção que se forem desenvolvendo,
ministrando-lhes objectos apropriados ás forças das mesmas faculdades, e
em quantidade tal, que nem as cancem, nem as desgostem.

No desprezo d'estes principios está, a nosso ver, o primeiro e mais
funesto erro do actual systema da educação infantil.

Na maxima parte das escolas da puericia entram quotidianamente as
criancinhas faltas do indispensavel alimento, e alli se conservam largas
horas em casas estreitas sombrias e mal ventiladas, respirando ar
infecto, inhibidas de fazer os movimentos, que a sua edade
imperiosamente reclama, sem horisontes extensos e ridentes, que as
alegrem, sem nada que as encante e lhes deleite os sentidos.

O mestre, senão carrancudo e severo, é quasi sempre sufficientemente
serio e concentrado, para não lhes incutir a confiança e amôr, que são
os mais suaves e ao mesmo tempo os mais fortes laços, que prendem o
discipulo ao perceptor.

Começa a lição. Não ha canticos, nem musicas, nem exercicios
gymnasticos, nem historiasinhas, que alegrem aquelles corações e
instruam aquellas mentes nas coisas, que com maior facilidade poderiam
comprehender.

Para os mais pequeninos, para aquelles que mais se lembram ainda dos
beijos maternaes e das doçuras da casa paterna, o triste e monotono a,
b, c, as aridas columnas do syllabario, e a empyrica taboada. Para os
mais crescidinhos, a grammatica, a historia patria, a chorographia, a
doutrina christã.

Que percebem os pobres infantes de tudo aquillo, que involuntariamente
decoram, e machinalmente repetem?

Nada, ou quasi nada.

Tomae d'entre os alumnos de uma escola o mais adiantado, o mais
estudioso, o que mais talento revele, e interrogae-o. Ouvil-o-heis
repetir o compendio, máo ou bom, com certa facilidade e elegancia; mas
se lhe perguntardes o sentido de uma palavra, a razão de um facto,
vel-o-heis córar e emudecer, porque a elle, o estudante eximio, deixaram
sempre em pousío as mais nobres faculdades da alma, excitando-lhe
apenas, e ainda assim por um processo defeituoso, a faculdade auxiliar,
a memoria.

Olhar com seriedade para a educação e instrucção da infancia, e
reformal-a completamente, adequando-a ás edades dos estudantinhos, e
tornando-lh'a facilima, deleitavel, e todo o ponto util, é não só
necessidade urgente, senão dever impreterivel.

O primeiro passo para esta grande reformação, que o bom senso, a
sciencia, a caridade, e o interesse de todos nós estão ha muito a pedir
a grandes brados, dar-se-ha quando os governos, os municipios, as
associações e os particulares se resolverem a edificar casas para
escolas infantís, e primarias, espaçosas, alegres, agasalhadas, com o
seu jardim, meio descoberto, meio assombrado com arvoredo, tendo no
centro um pequeno lago ou tanque e aos lados alguns apparelhos e jogos
gymnasticos; quando a frequencia da escola infantil, preparo para a
primaria, fôr obrigatoria; quando o ensino da infancia fôr
esclusivamente confiado a mulheres intelligentes, instruidas, honestas e
amoraveis, que do coração se consagrem ao ministerio sacratissimo de
educadoras, e que a todos os discipulos, amem e acarinhem, como se
fossem todos elles seus filhos queridos; e quando finalmente o _Ensino
intuitivo_ se tornar obrigatorio e exclusivo nas escolas infantís; e
obrigatorio, como auxiliar de qualquer outro, nas escolas primarias e
secundarias.

Muitos annos hão de decorrer, infelizmente, primeiro que se realizem
estes nossos alvitres. Levantar-se-hão contra elles os ramerraneiros, os
enthusiastas do passado, os indifferentes, os que não crêem no
aperfeiçoamento humano começado a operar na escola infantil, os que só
vêem a prosperidade publica, no exercito, nas estradas, nos caminhos de
ferro, nos telegraphos electricos, nas escolas superiores, nas
academias, e nos museos, como se tudo isto não estivesse a pedir, para
ser verdadeiramente util, muita e sólida instrucção no povo, muita
moralidade, e muito amor ao trabalho, e como se estas indispensaveis
qualidades as podesse ter uma nação, onde não ha escolas infantís, onde
as escolas primarias são pouquissimas e defeituosas, onde os methodos de
ensino são ruins, e onde os professores, muitos d'elles dignissimos e
habeis, são tão vergonhosamente retribuidos, que para pobrissimamente
viverem, têm de se occupar em misteres totalmente alheios do ensino e
educação.

Muitos annos, repetimos, hão de decorrer primeiro que os exemplos da
America, generosissima com a instrucção primaria, sejam imitados na
extrema Europa.

Não o quer o _deficit_, exclamarão os financeiros, e applaudil-os-hão
todos os que mais ou menos manuseam o orçamento do estado.

Se a indole d'este escripto o permittisse, facil nos seria impugnar esta
nefasta e incessante invocação da pobreza publica, e mostrar que em
Portugal o que falta, e muito, é verdadeiro patriotismo, é sincera
vontade de progredir, é a iniciativa individual nos arrojados
commettimentos, caracteristicos dos povos, que comprehendem os seus
deveres de membros da grande familia social e que os não pospõe aos seus
interesses particulares.

Colhâmos, porém, as vélas ás considerações, que todos estes assumptos
nos suggeriram, e entremos já a dizer o que seja o _Ensino intuitivo_, e
as vantagens que d'elle resultam.

Todos os que lidam com crianças terão percebido que nas primeiras idades
é o homem dominado incessante e invencivelmente pela curiosidade, ou
desejo de saber; que para saciar esta inclinação empregam os infantes
não só os olhos, mas os outros sentidos; que ao verem um objecto,
mórmente se lhes agrada, ficam diante d'elle como que absortos, com os
olhos mui abertos, ás vezes quasi sem pestanejar; que se lh'o consentem,
tomam nas mãosinhas o que primeiro estiveram vendo, e o apalpam, a
principio com timidez, depois com afoiteza; que o levam ao nariz, e á
bocca, e que por fim começam de separar as partes de que se compõe, se
não é inteiriço.

Apoz tal exame, e ás vezes simultaneamente, chovem as perguntas:

O que é isto?

Quem fez?

De que é?

Para que serve?

Quem trouxe?

Terão tambem observado os educadores, que n'estes exercicios
instinctivos, as criancinhas, em geral, não comparam, nem por
consequencia raciocinam. Fazem como as abelhas, que andam de planta em
planta, de flôr em flôr, colligindo os materiaes com que mais tarde hão
de fabricar o seu mel. Com a differença que as abelhas nasceram aptas
para aquella industria e nunca em vez de mel nos dão outro produto; e as
criancinhas, artistas novéis, mas livres e dotadas de intelligencia
perfectivel, podem pela maneira imperfeita porque as suas faculdades
intellectuaes e moraes se começarem a desenvolver, e continuarem a
exercer-se, viciar de tal arte o espirito, que de futuro ou nada possam
conhecer bem, ou só com extrema difficuldade e grande dispendio de
tempo.

Em aproveitar as naturaes tendencias da infancia e juventude, em
amenisar-lhe o começo da extensa e espinhosa senda, que tem de percorrer
na vida, em desenvolver-lhes e aperfeiçoar-lhes gradual e
insensivelmente as faculdades; em enriquecer-lhes de copiosos e
variadissimos conhecimentos o espirito; em formar-lhes o coração,
desenvolvendo n'elle astuciosamente o gosto do bom, do bello e do
verdadeiro; em habilital-as o mais cedo possivel, sem a minima
violencia, para a vida pratica, deixando para tempo opportuno theorias e
systemas, para comprehender os quaes é mister intelligencia robusta, é
em que consiste o _Ensino intuitivo_.

É este ensino primeiro que tudo dos sentidos externos, os quaes á
maneira que se vão exercendo sobre os objectos, para lançarem no
espirito os germes de quantas sciencias e artes ha, se aperfeiçoam
insensivelmente, adquirindo cada dia mais vigor e aptidão.

É pois indispensavel que os educadores procurem especialmente que as
criancinhas empreguem os sentidos, ora simultanea, ora successivamente,
nas cousas que tenham de estudar, que as vejam de perto, que as tomem
nas mãos, que as cheirem, que as provem, quando não houver
inconveniente, que as dividam e recomponham, sem que se lembrem de que
estão a estudar.

Tudo servirá para estes exercicios intuitivos, se o educador tiver
instrucção variada e profunda. Tudo servirá, por que, como disse
Jacotot: _Tudo está em tudo_.

Um grão de areia, um alfinete, uma agulha, um botão, um palito, uma
moeda de prata ou cobre, a folha de uma arvore, um bago de uva, serão
compendios tão importantes como um cavallo, uma ave, um peixe, um
relogio, uma caixa de musica, ou uma machina de cozer.

Milhares de cousas baratissimas se poderão apresentar aos estudantinhos
para larguissimamente os instruir; muitissimas haverá em todas as casas,
taes como cadeiras, mezas, pennas, papeis de differentes qualidades,
flôres, fructos, relogios, thesouras, campainhas, etc. De um sem numero
de objectos se poderão obter modelos em ponto pequeno ou de madeira ou
de papelão, ou de qualquer outra substancia apropriada. Na falta
absoluta de exemplares naturaes, que são os melhores, ou de copias em
vulto, que servem perfeitamente, sendo bem feitas, empregar-se-hão com
muita vantagem estampas coloridas ou em negro. O que deve ser banido das
escolas infantís é o syllabario, a taboada, o cathecismo, a grammatica,
o compendio de chorographia e o de civilidade. Da exposição, exame e
comparação das coisas ou das estampas, segundo o processo que já vamos
indicar, é que as crianças hão de ir colhendo as idéas exactas e claras,
que depois saberão associar ás mil maravilhas, formando espontaneamente
optimos juizos e raciocinios.

Tratando das viagens de Homero e do estudo pratico das pessoas e cousas,
que habilitou o immortal filho de Climene a compôr os protentos
litterarios denominados _Iliada_ e _Odysséa_, diz Bitaubé o seguinte,
que é a expressão da verdade: «Os livros são uteis, mas favorecem certa
indolencia, que obsta a que o leitor observe por si mesmo; lendo, vemos
a maior parte das cousas pelos olhos dos outros, e representâmos ao
nosso espirito imagens de outras imagens; se observassemos directamente
os objectos graval-os-hiamos mais profunda e claramente no espirito.
Qual é o resultado da falta de observação directa? É perdermos a
perspicacia e sagacidade indispensaveis para observar com perfeição á
força de não as exercitarmos e de não contemplarmos a natureza,
excellente mestra, que jámais se deve despresar. Adquirem-se é verdade,
mais idéas, mas imperfeitas e superficiaes, de que resultam quadros
frios e incompletos.»

Todos os pedagogistas, que se teem occupado d'este systema de ensino,
encarecem o proveito que se tira da substituição dos livros de texto,
que os meninos decoram sem os entender, pelas estampas, que muito os
deleitam e que examinam attentos, colhendo das palavras do educador, a
proposito de cada uma, infinitos conhecimentos, que jámais esquecerão.

É mister, porém, que as estampas sejam mui perfeitas, para que não
viciem nas crianças o gosto do bello e da verdade, e que sejam graduaes,
como tudo deve ser na educação. A regra fundamental do ensino intuitivo,
a qual nunca deve esquecer é: _Caminhar do conhecido para o
desconhecido, do facil para o difficil, do commum e trivial para o menos
commum ou mais raro_.

Para realisar este preceito maximo, cujo despreso annularia o systema,
convirá que os educadores não entretenham seus discipulos com objectos
tomados ao acaso, mas que sigam um processo gradual, lento e invariavel,
nunca lhes chamando a attenção para cousas, cujos componentes elles
ainda não conheçam, nem lhes fazendo perguntas para responder ás quaes
não estejam habilitados. Dêmos alguns exemplos. Se praticarmos com
mocinhos a respeito de uma caixa de pinho, que estejam vendo, poderemos
convenientemente perguntar-lhes o feitio que tem, as partes de que se
compõe, para que serve a tampa, para que estão ali as argolas e a
fechadura; poderemos interrogal-os ácerca dos usos da caixa, fallar-lhes
do perigo de entalar os dedos quando a fecharmos, ou de nos ferimos se a
tampa cair sobre as nossas mãos ou cabeça; poderemos ainda indagar se
sabem o nome que se dá aos artistas, que trabalham em madeira; mas não
lhe fallaremos do pinho, sem que elles tenham visto um pinheiro natural
ou pintado, e a respeito d'esta arvore tenham adquirido os convenientes
conhecimentos.

Se conversarmos ácerca de uma moeda de prata, bom será perguntar-lhes
como se chama aquelle dinheiro, de que é feito, que feitio tem, por que
não é quadrado, nem triangular (aqui fará o professor com o giz no
quadro preto a figura do triangulo e do quadrado), o que tem n'uma e
outra face, que representa a effigie e as armas, para que serve o
dinheiro, etc., etc.; mas abster-nos-hemos de lhes dizer que a prata da
moeda é uma liga de prata e cobre, se por acaso ainda não souberem o que
é uma liga metallica, nem conhecerem o cobre.

Convém estar prevenido para um caso, que muitas vezes se deve realisar
na pratica d'este ensino. A natural prespicacia de alguns meninos e os
conhecimentos adquiridos na convivencia de seus paes e amigos ou na
leitura, se forem já ledores, habilital-os-hão a fazerem perguntas, a
que o educador não poderá ou não saberá responder. Quando isto aconteça,
nem se enfade ou envergonhe o educador, nem illuda a curiosidade
infantil, que de tanto serve n'este systema. Se a pergunta versar sobre
assumpto, que o mestre ignore completamente ou conheça pouco, isso mesmo
declare ao estudante com toda a franqueza; se fôr attinente a cousas,
para conhecer as quaes o mocinho não esteja preparado, ou que toquem em
pontos, que a decencia não permitta explanar, diga-lhe sem desabrimento,
que não é tempo ainda de saber o que pergunta.

E para que nem o credito scientifico do educador soffra detrimento, nem
os meninos se desgostem e abstenham de perguntar, bom será que o
educador a miudo lhes mostre em phrase accommodada ás suas
intelligencias, e por meio de exemplos, quão numerosos são os
conhecimentos humanos, que é impossivel que todos saibam tudo, e que,
para adquirir sciencia de bons quilates, é indispensavel ir a pouco e
pouco, e não investigar certas cousas, antes de ter adquirido noções
exactas de outras.

Para que o ensino intuitivo produsa todos os bons resultados que d'elle
se podem esperar, não basta progredir do conhecido para o desconhecido,
do simples para o composto; é indispensavel que os alumnos não conheçam
o plano adoptado pelo professor, e que não percebam que o que elle lhes
vae ensinando tende a um determinado fim e se ajusta para os iniciar nas
sciencias, cujas leis e applicações mais importantes só mais tarde terão
de estudar. Para a realisação d'este importante segredo do ensino
intuitivo, iremos nós offerecendo aos educadores em publicações
successivas, se esta nossa tentativa merecer o favor publico, as lições
graduaes, que deverão constituir um curso completo.

Recommendam os mestres d'esta especialidade, no intuito de não enfadar
os estudantes e de os conservar attentos, que cada lição não exceda
quinze ou vinte minutos. Diremos, porém, que a pratica nos tem mostrado
poder ás vezes a lição prolongar-se até duas horas e mais, sem que os
estudantes se enfastiem nem deixem de attender ao que se lhes mostra e
explica. Consegue-se este resultado amenisando a pratica com
historietas, de que os meninos muito gostam, com exemplos, que elles bem
comprehendam, com a citação de proverbios, anexins, e anecdotas
consoantes ao assumpto de que se trata, e mais que tudo com o dialogo
mui cortado entre elles e o professor.

Haja sempre n'estas lições a maxima variedade apparente, tanto no
objecto do estudo como na fórma, no dizer, nas conclusões e até na
collocação dos objectos e dos estudantes. A monotonia, a ordem, além de
certos limites, entristece a escola e cança os escolares. A par do
ensino das cousas andará sempre o ensino da moral, da hygiene, da
economia domestica, da religião, da organisação social, da historia, da
geographia, das bellas artes, de tudo; com preferencia do mais util; mas
sem estudos de cór, sem declamações, nem theorias transcendentes, nem
listas de nomes de pessoas, nem datas escusadas; tudo ao de leve,
saboroso, convidativo, e nem assim em grandes dozes, nem todos os dias.

Permitta-se-nos que ponhamos aqui dois exemplos de como se deverá
proceder n'estes pontos, e não os tenham na conta de ridiculos, que nada
é ridiculo, quando se trata de espedregar a estrada, que ha de precorrer
a puericia.

Estamos na escola, estudando um objecto qualquer. Ouve-se ganir um cão
na rua. Logo o professor interrompe o estudo, e pergunta a um dos
escolares, se algum vir distraido, a esse se dirigirá:

P.--Que é aquillo, alli, na rua?

E.--É um cão a ganir, responderá o estudante; e o dialogo proseguirá,
pouco mais ou menos, do seguinte modo:

P.--O cão está ganindo ou ladrando?

E.--Está a ganir.

P.--Quantas qualidades de sons ou vozes produzem os cães com a bocca?

E.--Não percebo a pergunta.

P.--Eu me explico. Os cães não estão sempre calados...

E.--Já percebo o que o senhor professor pergunta. Os cães _ladram_.

P.--E quando estão tristes, ou quando ouvem certos sons, que lhes não
agradam, ladram?

E.--Não, senhor, _uivam_.

P.--E quando estão a roer um ôsso, e outro cão ou qualquer pessoa lh'o
quer tirar, o que fazem?

E.--_Rosnam_.

P.--E se lhes batem, ou os apedrejam?

E.--Põem-se a _ganir_.

P.--Mui bem; os cães, pois, podem _ladrar_, ou _latir_, _rosnar_,
_uivar_, e _ganir_.

Aqui, se os meninos tiverem já conhecimentos de grammatica, dirá o
professor como de si para comsigo, mas em voz alta: aqui temos cinco
verbos, e repetirá, contando pelos dedos ou batendo com o lapis na mesa:
o verbo _ladrar_, o verbo _latir_, o verbo _rosnar_, o verbo _uivar_ e o
verbo _ganir_.

E continuará, como quem se está recordando do que aprendeu: palavras que
representam acções praticadas ou feitas pelo cão.

E logo, como quem se desviou do caminho direito e a elle volve, dirá ao
alumno:

P.--Tenho ouvido dizer a algumas pessoas, que o _uivo_ dos cães é de mau
agouro, isto é, que um cão a uivar annuncia desgraça. Será verdade?

E.--A minha avó diz que sim, que é signal de estar alguem para morrer.

P.--Essa resposta esperava eu.

Pois fiquem os meninos sabendo, que não ha agouros, e que _uivar_ um
cão, ou _cantar_ um canario, ou _relinchar_ um cavallo, ou _piar_ um
mocho, ou _cacarejar_ uma gallinha, ou _miar_ um gato não tem influencia
nenhuma nos acontecimentos humanos.

E.--Á minha casa vae uma velhinha, que, em ouvindo uivar um cão,
descalça o sapato e põe-n'o com a sola para cima, até o animal se calar.

P.--Se os cães uivarem muito em roda d'ella no inverno, andará sempre
com os pés frios.

E.--Então a minha avó mente?

P.--Mente, sem querer. Metteram-lhe uma peta na cabeça, e ella acredita
uma cousa, que não é verdadeira.

E.--Ora diga-me, senhor professor, se uma pessoa estiver para morrer e
um cão se puzer a _uivar_ na rua ou na escada?

P.--O doente morrerá, se Deus quizer que morra; e viverá, se fôr da
vontade divina, que continue a viver.

E.--Mas como se explica o que aconteceu o anno passado a um visinho de
meu papá?

P.--Conte-me lá essa historia tentim por tentim.

E.--Adoeceu um homem, que morava no primeiro andar do predio, em que eu
habito; veiu o medico, esteve a examinal-o, receitou, disse que a doença
não era de perigo, e saïu. Minutos depois metteu-se na escada um cão e
principiou a uivar.

A mulher do doente foi-se a elle, bateu-lhe com o cabo da vassoura e
pol-o na rua. Quando entrou em casa, estava o marido morto em cima da
cama.

P.--Sabe o menino o que isso foi?

E.--Eu não senhor.

P.--Pois tem pouco que saber. Foi o que se chama _uma coincidencia_. Se
á saïda do medico, entrasse pela casa dentro um passarinho, dir-se-ia,
que a avesinha viera annunciar aquella desgraça; se eu por acaso batesse
á porta do doente n'aquelle instante, era eu o agoureiro.

E.--Mas o medico tinha dito, que a doença não era de perigo.

P.--E a morte repentina pressente-se horas, ou minutos antes? E não
podem os proprios medicos morrer de repente, sem que suspeitassem o que
lhes ia acontecer?

E.--Mas o cão uivou!

P.--Diga-me ca o menino uma cousa. Em casa d'esse homem, que falleceu,
não tem estado mais ninguem doente?

E.--Estiveram doentes dois filhos.

P.--E a mãe mandou chamar medico para os tratar?

E.--Mandou, sim, senhor.

P.--E não mandou chamar um cão?

E.--Ora essa! Os cães não sabem curar doenças.

P.--Mas o cão, que uivou, quando o homem morreu, era mais entendido que
o medico, porque annunciou a morte, até sem vêr o doente.

E.--O senhor professor está brincando! Os cães são brutos, não sabem
d'aquellas cousas.

P.--Então como é isso? Não sabem d'aquellas cousas, são brutos, e
prophetisam?

E.--Tem razão, senhor professor. Agora vejo que a minha avósinha anda
enganada.

P.--E muito, e faz mal em dizer taes patranhas. O uivo dos cães é
desagradavel aos ouvidos, aborrecivel por isso, mas não tem a minima
significação.

Aqui poderá o educador dar fim ao incidente, ou continuar o dialogo,
fallando do mau costume de molestar os animaes, das qualidades do cão,
da raiva e dos meios de a prevenir e curar, etc, etc.

Ao terminar a lição poderá o educador convidar ou os meninos a imitarem
o relincho do cavallo, o carejo das gallinhas, o miar dos gatos, o
latido dos cães, etc.

Este exercicio que a algum fatuo parecerá ridiculo, ou desnecessario, ou
ambas as cousas, tem as seguintes vantagens: alegra e distrae as
creanças, que jámais fugirão do estudo, quando elle fôr recreativo,
desenvolve-lhes, e aperfeiçôa-lhes a natural tendencia para imitarem,
exercita-lhes e robustece-lhes os orgãos vocaes, e por cima de tudo não
faz mal nem á alma nem ao corpo.

Quem reparar bem no dialogo que deixâmos architectado, descobrirá quanto
ensinamento ha n'elle, e perceberá que se pretendeu principalmente
combater uma crença erronea, mas vulgarissima.

Dêmos o segundo exemplo.

Está sobre a mesa ou em cima de outro movel um ramalhete de flores, que
alli se puzéra mui calculadamente.

Chegada a occasião opportuna, o professor interrompe a lição e diz:

Meus meninos, descancemos um pouco. Aqui se faz uma pausa, e todos os
rapazinhos exultam e saltam dos seus logares.

P.--Já viram bem aquelle ramalhete?

E.--Ainda não, senhor.

P.--Pois vão buscal-o, para o examinarmos por miúdo.

E.--Eil-o aqui.

P.--De que flores se compõe?

E.--De rosas, cravos, camelias, junquilhos, violetas e cedro.

Se os meninos errarem o nome das flores, ou os não souberem, irá o
professor emendando e dizendo lhes como se chamam.

P.--Menino F... (ao que mais atrazado estiver em contar) conte pelos
dedos quantas qualidades de flôres ha n'este ramalhete.

E.--Rosas, _uma_; cravos, _duas_; camelias, _tres_; junquilhos,
_quatro_; violetas, _cinco_; cedro, _seis_... Ha seis qualidades de
flôres.

P.--Parece-me que se enganou. Veja bem.

E.--São seis, não me enganei.

P.--E se eu lhe disser que se enganou? E enganou-se, porque não attendeu
bem. Diga-me, o cedro é flôr?

E.--Tem razão; são cinco. O cedro não é flôr.

P.--Está-me parecendo, que nenhum dos meninos me sabe dizer para que
serve este cedro á roda das flôres.

E.--Eu não sei; eu tambem não; é, é....

P.--Eu lhes digo para que elle aqui está. É para realçar a belleza das
flôres, para fazer um contraste agradavel á vista. Se duvidam desatem o
junco, tirem o cedro, e verão que o ramalhete perde muito da sua
formosura. (Acto continuo, o educador faz o que aconselhou e mostra o
ramo desguarnecido de verdura).

P.--É ou não é verdade, o que lhes affirmei?

E.--É verdade.

P.--Ha entre estas flôres, umas que cheiram, e outras que não cheiram.

E.--As rosas, cheiram; os junquilhos, cheiram; as violetas, tambem; as
camelias é que não tem cheiro.

P.--Não me lembro se já lhes disse como se denominam as substancias, que
tem cheiro?

E.--Denominam-se _odoriferas_.

P.--E as que não teem cheiro?

E.--_Inodoras_.

P.--E todas as substancias, que tem cheiro, cheiram bem?

E.--Não, senhor.

P.--E todas as flôres cheirosas, possuem cheiro agradavel?

E.--Nem todas.

P.--Digam-me agora outra cousa. O cheiro das flôres é bom ou mau, para a
saude?

E.--Não sabemos.

P.--Pois vão saber uma verdade, que jámais devem esquecer. Attendam. Ha
pessoas a quem o arôma das flôres incommoda e faz adoecer; causa-lhes
dôres de cabeça, enjôos de estomago, tonturas, e outros padecimentos.
Muitas flôres, e ás vezes poucas, mas de cheiro forte, n'uma casa mal
ventilada, podem envenenar quem alli estiver. Dormir com flôres na
alcôva é muito perigoso, e sabe Deus quantas molestias este mau costume
terá originado. Por agora basta que saibam isto, para se acautelarem; em
outra occasião lhes explicarei como é que as plantas e flôres alteram a
pureza do ar e o tornam doentio.

É por este theor que nos animos infantis se podem inocular conhecimentos
praticos de quantas sciencias ha, de modo que as crianças, ao sairem das
escolas, levem copia immensa de noções utilissimas para todas as
circumstancias da vida.

       *       *       *       *       *

De grande proveito nos parece que os meninos mais desembaraçados na
escripta tenham um caderno onde todos os dias vão escrevendo mui
laconicamente o assumpto da lição, e o que da mesma lhes pareça mais
digno de se conservar na memoria.

Evite-se, porém, que n'estes summarios, ou indices menemonicos, se
empreguem palavras escusadas e se commettam erros de grammatica.

De principio convirá que o educador, ao findar a lição, ensine aos
meninos como o registro deve ser feito; depois ordenar-lhes-ha que o
redijam em suas casas, e que lh'o apresentem no dia seguinte, para ser
emendado.

E como a extrema concisão seja a melhor qualidade de taes escriptos,
aqui pômos um paradigma, para governo de educadores e educandos.

Referimo-nos ao primeiro dialogo, que atraz fica exarado.


*Registro*

_Assumpto._--Um cão a ganir.

_Sons, que os cães produzem com a bocca_: Latido, uivo, rosnadura,
ganido. São substantivos. Ladrar, ou latir, uivar, rosnar, ganir.--São
verbos.

_Agouros._--Não os ha.

_Vozes de differentes animaes._--Cão, _ladra_; canario, _canta_;
cavallo, _relincha_; mocho, _pia_; gallinha, _cacareja_; gato, _mia_.

O _uivo dos cães_ não indica, nem póde indicar a morte de ninguem, nem
desgraça nenhuma. Se um cão uiva, pouco antes de morrer alguem, este
facto é apenas uma coíncidencia, um accaso.

       *       *       *       *       *

O professor exigirá que os meninos, nas respostas que lhe derem,
empreguem sempre phrases completas, conformes ás leis grammaticaes,
simples e curtas quanto fôr possivel.

       *       *       *       *       *

Reputa-se de grande utilidade n'este ensino a repetição individual e
simultanea.

É um processo excellente, para conseguir que mais fundas se gravem
certas especies no espirito dos alumnos, e para corrigir defeitos de
expressão e pronuncia. No repetir em côro se deleitam as crianças muito,
mormente se o tom das vozes não é tristonho, mas alegre, musical,
variadissimo.

       *       *       *       *       *

Ao minimo erro de regencia, de concordancia, ou de pronuncia, acudirá
logo o professor com a indispensavel advertencia, e tanto mais clara e
fervorosa, quanto mais grave fôr o erro. Suppunhâmos que um menino diga
_somentes_ em vez de somente, _faz-le_ por faz-lhe, _traz_ por traze,
_Madanela_ por Magdalena, ou qualquer outra das infinitas corruptelas,
que deslustram a nossa lingua, e que a cada momento se nos deparam até
na conversação e escriptos dos doutos, e em documentos officiaes.

Acto continuo advertil-o-ha o professor de que tal palavra não foi bem
pronunciada, e o convidará a que a repita correctamente. Se o estudante
não atinar a emendal-a, repita-lh'a o professor cuidadosamente partida
em syllabas, acompanhando cada uma d'estas com uma pancada sobre a mesa
com o ponteiro ou com a mão. Ouvida que seja a palavra assim
pronunciada, repetil-a-ha o estudante tantas vezes, quantas seja
necessario, para que a não altere, e após este exercicio dil-a-ha tão
rapidamente como é de uso dizer-se. Se ao professor parecer conveniente,
ordenará que outros estudantes façam o mesmo exercicio individualmente,
e por fim mandará que a palavra ou phrase seja cantada pela classe
inteira, attendendo muito a que o erro, que se pretendeu emendar, se não
repita. O que fica dito ácêrca das palavras em especial applica-se em
cheio ás phrases compostas de muitas palavras.

       *       *       *       *       *

A falta de ordem e clareza no dizer é defeito grave, mas communissimo,
que tem raizes na escola primaria, e que por isso mesmo ou nunca se
perde ou só com muito trabalho se consegue extirpar. A fim de prevenil-o
e de combatel-o comece o educador dando exemplo de imperturbavel ordem
na exposição, de esmerada escolha dos termos, de grande sobriedade nos
incidentes, e de irreprehensivel rigor nas conclusões; tudo isto sem
apparato, nem maneiras artificiosas, que revelem os intentos; e
esmere-se em inspirar aos que o ouvirem o gosto de bem fallar, cortando
todas as imperfeições mal apontem nos labios infantís. Cabe n'este logar
uma recommendação, nunca assás repetida. Nas ruas, nas aulas, nos
theatros, nas conversações familiares, e, quando Deus é servido, até no
parlamento, e na imprensa proferem-se a miudo palavras e phrases, que,
com quanto não sejam deshonestas, são tão grosseiras e plebeas, que
nenhuma pessoa delicada as deveria empregar. Quasi sempre se ignora a
origem d'aquelles termos, muitos d'elles, diga-se a verdade, sobremodo
expressivos e por vezes engraçados, mas que nem por isso deixam de ser
baixos e vis. Em evital-os seja fervorosissimo todo o educador, sem
comtudo levar o zelo até ao ponto de banir da conversação escolar as
locuções pittorescas e folgazãs, que alegram a linguagem, sem mareal-a.

       *       *       *       *       *

Assim como as leituras e recitações soturnas, pesadas, substanciosas, e
extensas, aborrecem ás crianças e não lhes prendem a attenção, assim a
poesia ligeira, as historias singelas, as fabulas e apologos, as
anecdotas e proloquios lhes aprazem sobremodo e de tal arte se lhes
apegam á memoria, que não mais as esquecem.

Verdade é que Voltaire arguïu os fabulistas de quererem ensinar as
verdades moraes por um processo essencialmente mentiroso, pondo a fallar
animaes e plantas; e condemnou a leitura e recitação de taes composições
nas primeiras edades. Tem porem mostrado a experiencia que Esopo,
Phedro, La Fontaine e Lessing, com os seus artificios poeticos moralisam
mais, e muito mais que a _Introducção á vida devota_, que o _Flos
Sanctorum_, e que o _Thesouro de meninos_, e quantos outros escriptos,
ainda que sejam verdadeiros na essencia e correctos na fórma, se hão
publicado para edificação das almas, mormente em quanto n'estas se não
ha robustecido a faculdade de raciocinar. Aproveitem-se pois d'este meio
os educadores, lendo de vez em quando á escola uma fabula, que tenha
relação com os objectos, que se estudam, e fazendo-a decorar; contando a
proposito uma anecdota, ou repetindo algum dos muitos e verdadeirissimos
rifões, de que tão rica é a lingua portugueza. Dos bons poetas
nacionaes, tanto modernos como antigos, poderá o educador escolher
infinita copia de versos em todos os generos, com os quaes irá
perfumando as lições e desenvolvendo na puericia o gosto da poesia, que
alarga a imaginação, modifica e reprime as ruins paixões, consola o
espirito, e o dulcifica e embalsama. Fuja, porem, como de peste, de
versos máos ou mediocres, não esquecendo jamais que _a poesia_ é, no
dizer de um dos mais elegantes e profundos escriptores de Portugal, o
sr. Latino Coelho, _a grandeza e o nada; o mundo e o atomo; a gloria e a
humiliação; o triumpho e o martyrio; o genio e a loucura_.

No ensino intuitivo, a faculdade que mais cuidadosamente se deve
dirigir, desenvolver, e approximar da perfeição é a faculdade de
comparar, cujos defeitos inutilisam os esforços das faculdades, que a
antecedem, e obstam a que as superiores se exerçam como é mister. São
innumeraveis e quasi sempre facillimos os processos de comparação de que
o educador poderá fazer uso, desde a confrontação de dois feijões, ou de
dois alfinetes, etc., até ao estudo comparativo de duas poesias, de duas
obras de arte, do caracter de dois homens notaveis, de duas epocas
historicas. Não ha palavras para encarecer os resultados, que os estudos
d'esta ordem produzem e a influencia que exercem no desenvolvimento
intellectual e moral das crianças.

       *       *       *       *       *

A par com o estudo das cousas, podem e devem marchar os exercicios
attinentes ao aperfeiçoamento dos sentidos externos, e os preceitos
consoantes á sua hygiene. Todos terão observado que o exercicio de
certos orgãos concorre por muito para que os mesmos se apurem e tornem
cada vez mais delicados. Os homens do mar, acostumados a olhar muito ao
longe, e a buscarem a grandes distancias um objecto perceptivel, excedem
sempre em perspicacia os que teem vivido encerrados em horisontes menos
extensos.

Um musico, habituado a reger orchestras, percebe, ainda mesmo nos
cheios, se qualquer dos executantes deu uma nota errada, ou commetteo
outro erro. Cegos tem havido, que pelo apalpar distinguem nos corpos
qualidades, que pertencem ao dominio da visão, e executam trabalhos
manuaes difficeis e delicados, como aquelle cego de nascença, de que
falla o sr. dr. Centazzi na sua _Medicina_ e _Hygiene Popular_, que
existia na cidade de Faro, no Algarve, e que fazia peões, cubos, e
outras obras tão perfeitas, como as dos mais habeis mestres. Dos
provadores de vinho se sabe quão facilmente reconhecem pelo paladar o
merito, idade, pureza, e proveniencia do precioso liquor.

Não se deve esperar que a gymnastica dos sentidos, por mais bem dirigida
que seja na casa paterna e nas escolas infantís e primarias, venha a
produzir tão miraculosos resultados; mas é indubitavel, que lhes
corrigirá muitos defeitos, e que de dia para dia os hade ir tornando
mais apropriados aos importantissimos fins, para que a natureza os
destinou.

Os paes em suas casas, e os professores nas escolas poderão começar a
gymnastica dos sentidos pelo exame e comparação das côres. Mostrarão
primeiro aos educandos o vermelho, amarello, verde, azul, preto, branco;
depois differentes gradações de cada uma d'estas côres; em seguida as
côres de transição; apoz estas, todas as mais, que fôr possivel
apresentar-lhes. A pouco e pouco lh'as irão nomeando, e fazendo notar
tudo quanto convier que elles saibam a tal respeito. Ao conhecimento das
côres poder-se-hão seguir exercicios tendentes a apurar a vista, taes
como a inspecção de objectos collocados a distancia cada vez maior; a
leitura ao longe, e a pesquiza de algumas estrellas, planetas e
constellações, cuja posição no espaço previamente se lhes tenha mostrado
no mappa.

Por meio de processos analogos se podem educar os outros sentidos,
ensinando-se ao mesmo tempo milhares de cousas.

       *       *       *       *       *

Tambem os mestres do ensino intuitivo, recommendam, que se acostumem os
meninos a lerem e a exporem elegante, exacta, e correctamente. Em
algumas escolas temos notado quão pouco os professores attendem a esta
parte do ensino, consentindo que os estudantes exponham as lições e
respondam ás perguntas, que se lhes fazem, com extrema negligencia;
negligencia na pronunciação das palavras, cujos sons elementares
falseam; negligencia na declamação, que por muito precipitada, ou por
extremamente preguiçosa, se torna monotona e insuportavel; negligencia
na coordenação das idéas componentes dos raciocinios, e negligencia na
disposição d'estes.

Acudir com remedio a tantos defeitos é empreza ardua e enfadonha, mas de
que não ha de levantar mão o bom educador, sendo o seu primeiro e
persistente cuidado desarreigar os vicios da pronunciação, que
principalmente na côrte, trazem adulteradissimo o mais elegante e
donairoso de quantos idiomas se fallam no mundo, se exceptuarmos o
italiano, ao qual, não obstante a sua nativa belleza e abundancia, não é
somenos.

Daria um livro a só enumeração das transgressões das regras orthoepicas,
que a cada momento se ouvem até em boccas de ouro; tão irresistivel é a
força dos maus exemplos! De entre as mais vulgares citaremos, para
amostra, o accrescentamento, ou paragoge de um _e_ mudo ao infinito dos
verbos, dizendo-se: _amare_, _fazere_, _comere_, _partire_, _pore_,
etc., em vez de amar, fazer, comer, partir, pôr. O mesmo
accrescentamento ao final das palavras, que terminam em consoante,
proferindo-se: _sole_, _flore_, _mulhere_, _metale_, em logar de sol,
flor, mulher, metal; o emprego do _a_ grave, onde deveria soar _e_
fechado, pronunciando-se _espâlho_, _panha_, _tanha_, etc., por espelho,
penha, tenha. A substituição grosseirissima de _le_ a lhe, dizendo se
_dei-le_, _mostrei-le_, _quizera-le_, em vez de dei-lhe, mostrei-lhe,
quizera-lhe; bem como o emprego de _lhe_, quando este pronome se refere
a mais de uma pessoa ou cousa, e de _lhes_, quando a referencia é a uma
só cousa ou pessoa. O emprego de _i_ em logar de _e_ em muitas palavras
taes como dedal, dedeira, deante, empenho, emprestar, que a mór parte da
gente pronuncia: _didal_, _dideira_, _diante_, ou _diente_, _impenho_,
ou _impanho_, _imprestar_.

De tanto e tão damninho joio irá o educador arrancando diariamente
muitas mãos cheias, desafogando a linguagem de todos quantos senões
n'ella fôr descobrindo, afim de que mais tarde, quando os meninos
entrarem a estudar os segredos da elocução, nem elles, nem os
professores tenham de perder muito tempo e muita paciencia em os
debellar. E não sómente aos erros da pronunciação se ha de ir applicando
prompto e efficaz remedio, mas tambem aos gallicismos e plebeismos de
que está inçada a nossa lingua, mórmente aos que respeitarem á
composição das phrases, havendo o maximo cuidado em não atordoar as
cabeças dos estudantinhos com preceitos de grammatica e considerações
philologicas.

Se um menino disser: Vi hoje na _montra_ de um livreiro uma linda
estampa; accudirá logo o educador: Não se diz _montra_; diz-se
mostrador; e fará que o mocinho repita a phrase, substituindo o termo
peregrino e escusado pela palavra portugueza. Diz outro: _Houveram_
hontem muitas festas de egreja; emendará sem demora o educador: Houve
hontem muitas festas de egreja; e convidal-o-ha a que emende o erro. Se
algum menino lhe perguntar a razão por que tal palavra ou phrase se não
deve dizer, a resposta será regulada pela idade, intelligencia e
adiantamento do interrogante, de modo que, se elle fôr pequenino e muito
noviço em materias grammaticaes, só lhe dirá: Essa palavra não se deve
empregar porque é estranha á nossa lingua e desnecessaria; essa phrase
não é admissivel, porque não é conforme ás leis da grammatica, que é a
sciencia de bem fallar. E ahi fica o educando insensivelmente sabedor de
que a phrase, que empregou, não é boa; de qual ou quaes a devem
substituir; de que o discurso está subjeito a leis; e de que a sciencia
de fallar correctamente se chama grammatica.

Quanto mais não valerá a advertencia despretenciosa, que valeria um
discurso mui chorudo de citações e palavras latinas e gregas! Se o
pequenito, que os ha amigos de discutir e aferrados á propria opinião,
não largar voluntario a palavra, que ouvira ou lêra, bom será
convencel-o, não com argumentos scientificos, salvo se a sua
intelligencia os poder comprehender sem custo, mas por meio de um
simile. Poder-se-lhe-ha ponderar que assim como ninguem rasoavelmente
vae pedir emprestadas aos visinhos cousas de que tenha abundancia de
portas a dentro, nem vae ao mercado comprar fructa ruim, tendo-a famosa
no quintal, a bater-lhe nas vidraças, assim os portuguezes de bom juizo
e sufficiente instrucção, não devem andar tomando palavras e maneiras de
dizer a estranhos, quando até para repartir com elles lhes sobram
muitas.

Para conseguir que as crianças leiam e fallem com elegancia, e n'isto
vae o segredo da perfeitissima declamação, a primeira cousa, que o
educador tem a fazer, é acostumal-as ao rhythmo, tão bem aproveitado
pelo sr. Visconde de Castilho no seu _Methodo de leitura repentina_.

Por pouco que se pense na organisação de todo o apparelho vocal
(pulmões, larynge, bocca e narinas) nas relações d'aquelles orgãos e no
mechanismo da voz, facilmente se perceberá, que a palavra, no que tem de
physico, é verdadeira musica, com seus sons naturaes e accidentaes, com
sua oitava, com escalas ora mais, ora menos extensas, com os seus
tempos, já breves, já longos, e até com a expressão e timbre
variadissimo, que ás vibrações sonoras e musicaes, imprimem os
instrumentos.

Ora, como não ha musica, que tal se possa chamar, sem rhythmo e
expressão, claro está que a voz humana, para satisfazer ás condições da
arte, e bem servir a intelligencia, de que é a melhor reveladora, e até
parte integrante, no dizer de Condillac, deve ser rhytmica e expressiva.

Para que estas duas essenciaes qualidades lhe não faltem é indispensavel
em primeiro logar, que o educador habitue os meninos a obdecerem
escrupulosamente ao compasso, na pronunciação dos sons elementares
(vozes e consonancias) na dos compostos (diphthongos e syllabas) e na
recitação das palavras, que só poderá ser perfeita, quando tiverem sido
previamente divididas em tantos tempos, quantos forem seus elementos
syllabicos. Depois de bem amestrados por meio d'estes exercicios na
leitura auricular das palavras, que o educador para tal fim lhes ditará
em voz bem intelligivel, palmeando as primeiro mui vagarosamente, depois
um poucochinho mais depressa e por ultimo com o natural andamento,
passarão os meninos a _ler por cima_, como é uso dizer-se nas escolas.

Chegado a este ponto terá o educador de desvelar-se muito em supprir a
extrema penuria da orthographia, não tanto no tocante á representação
dos sons constituitivos das palavras, no que muito falta, como no que se
refere á divisão logica das orações, ás variadissimas pausas, que ha de
fazer o bom ledor e recitador perfeito; ás infinitas intonações de que
carecem as palavras, as proposições, os periodos e até um mesmo vocabulo
conforme a idéa que revela[1].

Ler ou fallar sem intonações, sem pausas, sem as devidas quantidades,
sem dar ao que se lê ou falla o natural colorido, e o relevo
indispensavel, vale tanto como querer executar em um piano
miseravelmente desafinado os primores de Rossini, Donizetti, Bellini,
Meyerbeer ou Marcos Portugal.

E não obstante serem intuitivas todas estas verdades, muitissimas
pessoas ha, que as desconhecem, e muitas que, não as desconhecendo, como
que se aprazem de ler e fallar por modo tal, que provocam tedio e somno.

Daria optimo resultado, como tivemos opportunidade de mostrar
praticamente a um educador, sempre avido de se aperfeiçoar, e em extremo
benevolente para comnosco, a introducção nas escolas infantís e
primarias, para o ensino e aperfeiçoamento da leitura e recitação de um
processo analogo ao adoptado pelos regentes de orchestras e bandas
marciaes no estudo das peças concertantes. Consiste elle em se
collocarem os meninos em pé ou assentados, mas conservando direitos os
troncos e naturalmente levantadas as cabeças[2] em frente de estantes ou
mesas, onde estejam abertos os livros. Em logar elevado, de modo que
todos os escolares o vejam, está o educador em pé, batuta na mão, olhos
no livro e olhos na turba. Primeiro lê elle pausadamente em voz alta,
com todo o esmero, um periodo, marcando o compasso com a batuta,
repetindo duas ou mais vezes as palavras, que lhe parecerem mais
difficeis de pronunciar, e corrigindo sem o minimo acanhamento os
proprios descuidos. Feito este ensaio, manda ler o mesmo trecho ao
estudante mais adiantado, depois a outro e outro, reservando para o fim
os menos habeis, para que tenham tido tempo de se amestrar.

Findo que seja este segundo exercicio, e tomado algum descanço, dará o
signal de attenção e mandará ler em côro, indicando sempre com a batuta,
como se estivesse regendo uma orchestra, todas as modificações da voz,
que a leitura exigir.

A estes estudos, que bem se podem chamar de leitura coral, podem-se
accrescentar outros, excellentes para exercitar os meninos na
declamação, e mui bem acceitos do bando infantil, que consistem
primeiramente na leitura, e depois na recitação de cór, de pequenos
dialogos, fabulas, e entremezes, em que haja um côro e dois, tres, ou
mais interlocutores. Composições d'este genero facilmente se obtem, e
quando se não achem, sem muito custo as póde architectar o professor.

A par dos exercicios de leitura e recitação se póde ir cultivando a
intelligencia dos meninos, e acostumando-os a pensarem e a exprimirem-se
com certo rigor logico. Nada ha mais facil.

Umas vezes elles mesmos subministrarão ao educador assumpto de molde
para os seus conselhos e advertencias, outras vezes far-lhes-ha e
educador uma pergunta ou lhes proporá um problema, e nas respostas irá
notando as transgressões das leis da logica, que porventura commetterem,
nunca saindo do campo da pratica para o das theorias, nem usando da
terminologia scientifica, que nas idades tenras assusta, desgosta e não
instrue.

       *       *       *       *       *

Cerraremos estas considerações lembrando aos educadores a vantagem de
excitar nos estudantes o amor do estudo pelo emprego de premios e
distincções.

Se no dizer de Christo «Todo o que trabalha é digno de recompensa»
_Dignus est enim operarius mercede sua_, qual será a razão por que se
não hade galardoar o bom comportamento, a assiduidade no estudo, o
aceio, e o progresso dos meninos?

Se nas escolas superiores ha premios annuaes para os alumnos distinctos,
se as academias os offerecem aos sabios, que cabalmente satisfazem aos
seus programmas; se aos que triumpham nos certames das artes e da
industria se concede a menção honrosa, o _accessit_, a medalha de prata
ou a de ouro; se ha palmas e corôas, e ramalhetes, e brindes para o
actor eximio, e até para o que na praça lucta com o touro embravecido,
de melhormente se devem premiar as criancinhas, para as quaes o estudo,
por mais que lh'o procuremos amenisar, hade ser sempre tarefa improba e
tediosa.

Hade porém haver na concessão das distincções e premios escolares a
maxima parcimonia e inteira justiça, para que nem a prodigalidade lhes
diminua o valor, nem a parcialidade os torne, em vez de incentivo do
bem, facho de discordias, e origem de malquerenças.

E assim como a advertencia e a reprehensão se não devem fazer esperar,
commettida a falta, assim tambem se não deve demorar, nem regatear o
galardão aos que o merecerem.

Finda a semana, a cada um se dará com certa solemnidade ou o diploma, ou
a medalha, ou a estampa, ou o livro, ou o brinquedo, mas nunca gulodices
ou cousas, que os possam prejudicar.

Além d'estes estimulos, bom será que annualmente haja, como em muitos
collegios se usa, uma sessão publica consagrada á glorificação dos que
mais se houverem distinguido.

Ponhamos aqui ponto, não porque hajamos dito quanto se poderia
recommendar aos educadores relativamente á difficilima empresa de
iniciar as criancinhas nas sciencias e na virtude, mas porque exposto
fica o que mais lhes convem saber para o bom emprego do ensino
intuitivo, que nos proposemos vulgarisar, convencidos da sua muita
utilidade. Os exemplos que seguem, não entram no plano de ensino
intuitivo _gradual_, que, se Deus fôr servido, daremos á estampa; são
tão sómente uma amostra, pela qual se possa fazer idéa do systema.

Preferimos para estes exemplos os assumptos e objectos, que nas suas
primeiras lições trataram Braun e Mayo, insignes pedagogistas, que em
materia de educação tem prestado relevantes serviços á humanidade,
adquirindo incontestavel direito a esta humilde, porém sincera
homenagem[3].

E já que fallámos de pedagogistas de tamanha nomeada, honremos aqui
tambem outro escriptor e pedagogo notavel, o sr. J. Rambosson, cuja
ultima obra, publicada em fins do anno de 1872: «_A educação maternal
conforme as leis da natureza_,» não inferior á tão justamente
applaudida: «_Educação das mães de familia_,» de Aimé Martin, hade
forçosamente contribuir muito para a reforma do actual viciosissimo
systema de educar a infancia, do qual o sr. Rambosson diz estas tão
tristes, quão verdadeiras palavras: _Il n'existe rien sous ce rapport,
ni chez nous ni ailleurs; on ne peut appeler éducation ce que se
pratique pour cet âge_.



PRIMEIRA LIÇÃO


Ao entrarem a primeira vez na escola a maior parte dos meninos receiam;
muítos d'elles temem.

Que receiam e que temem?

Receiam e temem a ausencia e desamparo temporario de suas mães e paes; o
affastamento de seus irmãos e criados; o professor, que desconhecem; os
condiscipulos, que nunca viram; a casa da aula, que lhes é estranha; a
sciencia que ignoram.

Quanto mais pequeninos, mais desconfiados se apartam do ninho seu
paterno, mais desbotadas levam as faces, mais tremem e se angustiam ao
aproximarem-se do templosinho modesto e sereno, que se lhes afigura
medonho ergastulo.

Na repugnancia, que os meninos tem á escola, são quasi sempre culpados
os paes e as mães, porque, em vez de amoravelmente lhes fallarem d'ella,
de lhes mostrarem que está alli o alvorecer de todas as artes e
sciencias, de lhes dizerem que é aquella a unica porta por onde se entra
á vida publica, na qual terão, quando homens, de tomar parte, de lhes
explicarem a missão do professor e de lhes expenderem que n'elle
accrescem aos deveres de mestre os de amigo e patrono; nada d'isto
fazem, e só invocam o santo nome da escola, quando irritados pelas
travessuras das crianças, que não querem ou não sabem remediar com
brandura, bons conselhos, bons exemplos e moderadas correcções,
pretendem aterrorisal-os, apontando-lhes para aquella... penitenciaria.

Como ha de amar a escola e appetecel-a, e correr para ella voluntario e
risonho o menino, a quem se não fartaram de dizer: «Não te aquietas?
Irás para a escola, onde te farão estar quedo, quer queiras, quer não
queiras.» «Não aprendas agora, que o professor depois, com a palmatoria
te metterá no bom caminho.» «Por mais que te ralhe, não te emendas, tudo
rasgas, tudo quebras; deixa-te ir para a escola;... farei queixa ao
professor, elle te porá as uvas em pisa»[4]. A fim de remediar estes
deploraveis vicios da educação domestica, de tranquillisar o
estudantinho, de familiarisal-o com o professor e com os alumnos e de
infiltrar-lhe n'alma o amor da escola e do estudo, adopte-se o seguinte
modelo de recepção, ou outro melhor, mas pouco mais ou menos do mesmo
padrão.

Professor.[5]--Venha cá, meu menino; como se chama?

Estudante.--Viriato.

P.--Viriato é o seu primeiro nome; desejo tambem saber o seu sobrenome e
appellido.

E.--Chamo-me Viriato Henrique de Oliveira.

P.--Bonito nome. Para corresponder a elle terá o menino de ser valente,
destemido, muito amante da sua patria e muito bom. Sabe porque?

E.--Não, senhor.

P.--Eu lh'o explico. Viriato foi um pastor da Serra da Estrella, tão
amigo da patria e dos patricios, que para impedir que os romanos os
escravisassem, largou o cajado, abandonou os rebanhos, que apascentava,
tomou armas, aggregou a si outros valentes, e por muitos annos
desbaratou os exercitos estrangeiros, envergonhando generaes aguerridos,
e grangeando fama eterna. D. Henrique foi outro militar de grandes
dotes, e que tanto se distinguiu na guerra contra os mouros, que enchiam
a Hespanha e a nossa terra, que, em premio de seu valor veiu a casar com
D. Theresa, filha de um rei mui poderoso, da qual nasceu D. Affonso
Henriques, primeiro monarcha portuguez.

E para que todo o nome do menino seja de bom agouro, até lhe pozeram o
appellido de Oliveira, que é uma arvore muito util e agradavel, symbolo
da paz, de cujos fructos, as azeitonas, se tira o azeite, que é o melhor
e mais precioso oleo, que se conhece. Mas deixemos o azeite e a
oliveira, que ainda lhe quero fazer mais perguntas.

Como se chama o seu papá?

E.--Antonio Joaquim de Oliveira.

P.--Que emprego tem elle?

E.--É militar.

P.--E o menino quer tambem ser militar?

E.--Não, senhor; quero ser medico.

P.--Bom é que não sigam todos a mesma carreira; haja militares, para
defenderem a patria dos inimigos estranhos, e para manterem o socego e a
ordem, que são a primeira necessidade dos povos; e haja medicos para
curarem os doentes, e para nos ensinarem o que devemos fazer para não
enfermar. Que edade tem o menino?

E.--Nove annos.

P.--O seu papá tem mais filhos?

E.--Tem mais tres.

P.--Os filhos do seu papá e da sua mamã o que são ao menino?

E.--São meus irmãos.

P.--Como se chamam os seus manos?

E.--Thomaz, Clemente e Valeriano.

P.--Dos quatro qual é o mais velho?

E.--É o Thomaz.

P.--Porque é elle mais velho?

E.--Porque nasceu primeiro que os outros.

P.--Se Thomaz é o mais velho, porque nasceu primeiro que os outros, como
designará o ultimo nascido?

E.--Direi que é o mais pequeno.

P.--Melhor é dizer que é o mais novo. Onde mora o menino?

E.--Na rua da Alegria.

P.--Caspite! Quem mora na rua da Alegria não deve ser triste.

Após esta pratica com os recem-entrados poderá o professor ou professora
convidar os que souberem contar a contarem os estudantes, que estiverem
na escola, e a designar pelos nomes os que forem seus conhecidos.

P.--Menino Viriato[6] quantos condiscipulos tem aqui?

E.--Não sei.

P.--Não sabe, porque ainda os não contou; conte-os em voz alta.

E.--Um, dois, tres, etc.

P.--Agora, que sabemos quantos traquinas aqui estão, diga-me os nomes
dos seus conhecidos.

E.--Aquelle é Francisco; aquelle é Antonio; aquelle, que está ao pé da
janella, tambem se chama Francisco, etc.

P.--Ha n'esta aula tres Franciscos, como é que os havemos de distinguir
de modo que, ao chamar um d'elles, não acudam todos tres?

E.--Não sei.

P.--Nada mais facil; bastará accrescentar ao primeiro nome de cada um o
appellido da familia; teremos: Francisco de Mello; Francisco de Aguiar e
Francisco Loureiro. Quando differentes pessoas ou cousas tem o mesmo
nome, é indispensavel juntar ao nome que lhes é commum, outro, para que
as possâmos designar sem confusão. Os meninos tem nas suas casas cópos
de differentes tamanhos, para differentes usos; a uns chamam cópos
_d'agua_, a outros cópos _de vinho_, a outros cópos _de liquor_. O mesmo
fazemos com a fructa. Ha muitas qualidades de pêras; para distinguil-as
denominamol-as pêra _parda_, pêra _virgulosa_, pêra _bojarda_, pêra
_flamenga_, etc.

       *       *       *       *       *

Finda que seja a segunda phase d'este colloquio, tenue, mas conveniente
para desassombrar o espirito dos estudantinhos, passará o professor a
fazer-lhes outra ordem de perguntas.

P.--Como se chama, meus meninos, esta casa, onde estamos?

E.--Chama-se escola.

R.--Para que vem os meninos á escola?

E.--Para aprender.

R.--Que vem os meninos aprender?

E.--A ler, escrever e contar.

P.--Assim é; mas na escola além de ler, escrever e contar, ensinam-se
muitas outras cousas agradaveis e uteis, as quaes todas concorrem para
tornar os meninos instruidos e virtuosos. Querel-as-heis aprender
tambem?

E.--Queremos, sim, senhor; queremos.

P.--Ha um adagio, que diz:--_O que se ha de fazer, faça-se_; sigamos o
adagio e comecemos desde já o nosso estudo, examinando os objectos, que
estão n'esta aula. (Aqui mostrará o professor aos estudantes o _quadro
preto_[7] a que muitos impropriamente chamam pedra). Qual dos meninos
tem um objecto como este em sua casa?

E.--Eu não; eu tambem não.

P.--Sabem como se chama?

E.--Chama-se _pedra_.

P.--Assim o denominam alguns, mas impropriamente. Isto não é de pedra, é
de pau, é de madeira. Ha n'esta casa alguma cousa de pedra?

E.--As hombreiras da porta e das janellas.

P.--E nada mais?

E.--As ardosias, que trouxemos para fazer contas.

P.--O menino F. respondeu muito bem; essas laminas pretas, a que
chamâmos ardosias ou lousas, e as pennas com que escrevemos n'ellas, são
pedaços de pedra. Querem ver a differença, que vae da pedra á madeira?
Batam com os dedos nas ardosias; agora venham aqui, e batam n'isto, a
que deram o nome de pedra. Todos percebem a differença do som.

E.--É verdade.

P.--Como chamaremos, pois, a este objecto? Eu lh'o digo.
Chamar-lhe-hemos o _quadro_, ou a _taboa_; e como esta madeira está
pintada, poderemos acrescentar ao nome quadro outro nome, indicativo da
côr, que tem.

E.--Poderemos dizer: _Quadro preto_.

P.--Mui bem. Agora dir-me-hão para que serve o quadro preto.

E.--Serve para n'elle se escrever.

P.--(Mostrando um pedaço de giz). Sabeis o que é isto?

E.--É um bocado de _giz_.

P.--Para que o tenho eu aqui?

E.--Para escrever no quadro preto.

P.--De que côr é o giz?

E.--É _branco_.

P.--(Mostrando a esponja). Como se chama est'outro objecto?

E.--Chama-se--_esponja_.

P.--Para que temos aqui esta esponja?

E.--Para apagar as lettras e as figuras, que se fizeram no quadro preto.

P.--Não poderiamos apagar a escripta com o lenço de assoar?

E.--Poderiamos, sim, senhor; mas ficaria sujo, e sujar-nos-hia o fato.

P.--Respondeu muito bem. E porque razão não apagâmos as lettras com as
mãos?

E.--Porque ficariam sujas, e sujar-nos-hiam tambem o fato.

P.--Quando por qualquer motivo tivermos sujado as mãos, que deveremos
fazer?

E.--Limpal-as.

P.--De quantas maneiras se limpam as mãos?

E.--Esfregando-as n'um panno, ou lavando-as.

P.--Como ficam ellas mais desenxovalhadas, esfregando as n'um panno, ou
lavando-as?

E.--Lavando-as.

P.--Como se chamam as peças de roupa, de que nos servimos para enxugar
as mãos depois de as termos lavado?

E.--Chamam-se--_toalhas de mãos_.

P.--Trazer as mãos limpas é garridice, ou necessidade e dever?

E.--É necessidade e dever.

P.--Para que é necessario trazer as mãos aceiadas?

E.--Para não mancharmos aquillo em que mechermos, e para não enojar as
pessoas, que nos virem ou a quem prestarmos algum serviço.

P.--A sugidade das mãos prejudica a saude?

E.--Não sei.

P.--Prejudica, e muito; em primeiro logar porque obsta á transpiração,
isto é, á saïda da agua e suor, que continuamente estão atravessando a
pelle; em segundo logar porque, indo com as mão sujas aos olhos,
poderemos inflamal-os e originar doenças, que ou nos enfraqueçam a vista
ou nos acarretem a cegueira. Quantas vezes ao dia deveremos lavar as
mãos?

E.--Quantas fôr necessario.

P.--Acertadamente responderam; mas não será escusado dizer-lhes que
invariavelmente as devem lavar pela manhã, ao erguerem-se da cama; antes
e depois do almoço, jantar e ceia, ou de qualquer outra refeição; ao
sair e entrar em casa; afóra as outras vezes, que o aceio o exigir.
Passemos a outro assumpto. (Apontando para o cavallete.) Qual dos
meninos me saberá dizer o nome d'aquelle objecto?

Silencio.

P.--Menino Carlos, não sabe como se chama aquillo?

E.--Não, senhor.

P.--Pedrinho, tambem não sabe como se chama aquella geringonça?[8]

E.--Chama-se _cavallete_.

P.--Acertou. Agora digam todos commigo: Ca-va-lle-te[9].

E.--Ca-va-lle-te.

P.--Agora hão de dizer esse nome, sem separarem as syllabas.

E.--Cavallete.

P.--Para que serve aquelle cavallete?

E.--Serve para sustentar o quadro preto.


Resumo

A casa, onde estamos, chama-se «escola». Na escola aprende-se a ler,
escrever, contar, a doutrina christã, desenho, canto, e mil outras
cousas uteis e agradaveis, que o professor nos vae ensinando pouco e
pouco, as quaes todas concorrem para que sejamos bons e instruidos,
qualidades estas indispensaveis a qualquer homem. Ha na escola diversos
objectos, e entre elles o _quadro preto_, a _esponja_, o _giz_ e o
_cavallete_. No quadro preto escreve-se com giz. Serve a esponja para se
apagar o que se escreveu no quadro, e o cavallete para sustentar o mesmo
quadro.


Reflexões

Meus meninos, attendei bem ao que vou dizer-vos, e não o esqueçaes. Pode
a casa da escola ser convidativa, a mobilia e utensilios bons, os
compendios famosos, o professor sabio, zeloso e habil, e o methodo de
ensino excellente, e não obstante todas estas invejaveis condições, os
estudantes não utilisarem nada, com detrimento proprio e de seus paes,
por falta de assidua frequencia e de estudo.

São incalculaveis os prejuizos, que resultam das repetidas faltas á
escola. Os meninos, que faltam, não só não se adiantam, mas perdem o que
aprenderam, desgostam e entibiam o professor, introduzem a desordem na
aula, e incitam os collegas com o exemplo, a que procedam do mesmo modo.

Evitae, pois, todos estes males, não faltando á escola sem causa
justificavel, e estudando aqui e em vossas casas, isto é, attendendo ao
que o professor vos disser, meditando nas suas palavras, e lendo ou
decorando o que vos mandarem que leiaes ou decoreis. Não se pode ser
instruido, sem estudar. Os meninos estudiosos grangeiam a estima das
pessoas de bem, e tornam-se dignos da protecção divina.



SEGUNDA LIÇÃO

A ESCOLA


P.--Meus meninos, fallámos outro dia do quadro preto, das ardozias, do
giz, da esponja, da toalha de mãos, e do cavallete; desejo que me
nomeeis agora mais alguns utensilios da escola... Como se chama isto?
(Indicando a mesa).

E.--Chama-se _mesa_.

P.--De que é feita esta mesa?

E.--De madeira.

P.--Todas as mesas são de madeira?

E.--Não, senhor; algumas são de pedra.

P.--E não as ha feitas de outras materias?

E.--Não sei.

P.--Nunca viram mesas de metal?

E.--Lembro-me agora de tel-as visto de ferro.

P.--E não só de madeira, de pedra e de ferro se podem fazer; todas as
materias solidas e duras se prestam á construcção d'este movel. Como se
chama esta parte da mesa? (Indicando a parte superior).

E.--_Taboa_ da mesa.

P.--Como se chama est'outra? (Indicando a parte sobre que assenta a
taboa).

E.--Chama-se _aro_.

P.--Vinde aqui e dizei-me, que nome tem estas especies de caixas
(Mostrando as gavetas) que estão sobre a taboa da mesa, e que eu puxo
para fóra e torno a esconder (abrindo e fechando as gavetas).

E.--Essas especies de caixas chamam-se _gavetas_.

P.--Para que servem as gavetas?

E.--Para guardar diversos objectos?

P.--Estas peças de metal, que as gavetas aqui tem embebidas na madeira,
como se denominam?

E.--_Fechaduras._

P.--Para que servem estas fechaduras?

E.--Para fechar as gavetas?

P.--Porque razão fecho eu as gavetas d'esta mesa, quando saio da aula?

E.--Não sei.

P.--Porque ha meninos, que commettem a indiscripção de as abrir e de
mecher no que n'ellas está, praticando uma acção feia ...

E.--É máu abrir uma gaveta?

P.--Se a gaveta é de nosso uso, ou se nos é permittido abril-a e tocar
no que lá está, não commettemos falta nenhuma em a abrir; mas se é de
outrem, ou se nos prohibiram abril-a, é acção muito feia e má o
descerral-a, sem licença, excepto em caso de necessidade. E já que
estamos a fallar de gavetas, dizei-me, que deve fazer um menino bem
educado, quando na sua presença se abre uma gaveta?

E.--Não sei.

P.--Deve abster-se de olhar para lá e de estar a observar o que ella
contem. Dizei-me, com que se abrem as fechaduras?

E.--Com as _chaves_.

P.--Olhae para aqui... Metto a chave n'esta fechadura dou-lhe volta e
vejo sair uma peça de ferro, chata e larga.

E.--É verdade.

P.--Como se chama essa peça?

E.--_Lingueta._

P.--Sabeis porque lhe pozeram o nome de lingueta?

E.--Não sabemos.

P.--Soletrae a palavra lingueta, e talvez deis no vinte.

E.--Lin-gue-ta.

P.--As duas primeiras syllabas d'essa palavra não vos trazem á memoria
outra palavra muito conhecida?

E.--Trazem, sim, senhor; a palavra lingua.

P.--Reparae agora se ha alguma similhança entre a lingua do homem e dos
outros animaes e a parte da fechadura, que estamos observando.

E.--Ha, sim, senhor.

P.--Em que?

E.--A lingua é chata e a lingueta tambem; a lingua é comprida, como a
lingueta; a lingua está preza na bocca d'onde sae ás vezes, e a lingueta
está egualmente presa no interior de uma caixa da qual a chave a faz
sair.

P.--Difficilmente se poderia responder melhor á minha pergunta. Tomem
d'aqui exemplo os outros meninos. A explicação que o menino F. me deu
prova-me que elle observa as cousas com attenção e compára umas com as
outras, o que muito concorre para que se nos desenvolva a intelligencia;
ou que, se alguem lhe tinha ensinado isto, se não esqueceu do que lhe
haviam dito, o que tambem é muito para louvar[10].

E.--A mim ninguem me tinha ensinado a resposta.

P.--Tanto melhor, porque deu prova de que medita no que vê; que vêr as
cousas superficialmente é quasi o mesmo que não as vêr: Continuemos a
estudar a mesa. Reparem n'estas quatro columnas (mostrando os pés da
meza) sobre as quaes assenta a taboa, o aro e as gavetas.

E.--São os _pés_ da meza.

P.--Porque se lhes chama pés?

E.--Porque sustentam o resto da mesa, á maneira dos pés do homem e dos
animaes, que sustentam o resto do corpo.

P.--Todas as mesas tem quatro pés?

E.--Nem todas; umas tem um só pé, outras quatro, outras seis, e podem
ter mais.

P.--Quaes são as mais firmes, isto é, menos subjeitas a cairem, as de
um, ou as de quatro pés?

E.--As de quatro pés.

P.--Para que servem os bancos?

E.--Para nos assentarmos.

P.--De que são feitos esses bancos?

E.--De madeira.

P.--Não poderiam ser feitos de outra materia?

E.--Poderiam ser de ferro, ou de pedra.

P.--Porque não poriam aqui bancos de pedra?

E.--Porque são mais caros, que os de pau.

P.--E só por isso é que os não pozeram aqui?

E.--É porque são muito pezados; não poderiamos mudal-os de um logar para
outro.

P.--Não haverá outro motivo para preferir os bancos de pau aos de pedra?

E.--Não sei.

P.--Menino F... queira responder á minha pergunta?

E.--Não sei.

P.--Aquelle estudantinho, que além está a gesticular, é que nos vae
satisfazer a curiosidade; vamos, menino G... deite a barra adiante aos
seus collegas, revelando-nos o motivo porque os bancos de pedra, á parte
o serem pesados e caros, não são adoptados nas nossas casas e nas aulas?

E.--Parece-me que é por serem muito frios.

P.--Por causa da frialdade da pedra são os bancos d'aquella materia não
só incommodos, senão muito prejudiciaes á saude. Passemos a outro
assumpto. Já vos ponderei que é muito mau faltar á aula, não estar
attento ao que diz o professor, e não estudar. Desejo que me digaes
agora o que acontece aos estudantes, que não vem ao principio da aula, e
que entram aqui uma hora, ou hora e meia, depois de terem começado os
nossos trabalhos?

E.--Não podem seguir bem as lições.

P.--Que deverá, pois, fazer, relativamente a este ponto, um estudante
applicado, e que deseje adiantar-se?

E.--Deverá entrar na aula á hora marcada para o começo do estudo.

P.--Diga-me menino L... que cousas deve o estudante trazer sempre para a
escola?

E.--Uma ardozia, uma penna de pedra, um lapiz, uma penna de aço, e os
livros.

P.--E que lhe acontecerá, se lhe esquecer alguma ou algumas d'estas
cousas?

E.--Não poderá tirar da lição o fructo, que deve tirar.

P.--Qual será a razão porque alguns meninos chegam muitas vezes á aula
sem os objectos, que lhes são indispensaveis?

E.--A razão d'essa falta é ou por que se esquecem de os tomar ao sair de
casa, ou por que, saindo com pressa, os não acham, e lhes falta o tempo
para procural-os.

P.--Ha meio de evitar aquelle esquecimento, e de fazer com que os
objectos, que devem trazer para a aula, se lhes deparem facilmente?

E.--Ha, sim, senhor. Bastará que os meninos ponham a ardozia, o lapis, e
os livros em um logar certo.

P.--Que nome daremos a um menino, que põe uma cousa aqui, outra alli,
outra acolá, e que depois se não lembra dos logares onde as poz?

E.--_Desarranjado._

P.--E ao que suja e rasga os livros, e deita borrões na escripta, e por
cima das mesas, e se apresenta com a cara e os dedos enxovalhados?

E.--_Porco ou enxovalhado._

P.--Deve o professor consentir que os meninos rasguem os livros, que
salpiquem de tinta as paredes e as mesas, que tragam sujas as mãos e
cara, e o fato cheios de nodoas?

E.--Não, senhor.

P.--Porque?

E.--Porque estragar os livros, ou as paredes, ou qualquer cousa, sem
necessidade, é acção muito feia, assim como não andar limpo.

P.--E será apenas acção muito feia? Não será uma especie de roubo feito
aos paes e aos mestres, aos quaes muitas vezes é em extremo penoso
custear as despezas, a que os filhos e discipulos os obrigam?

E.--É de certo.

P.--Que devem, pois, fazer os meninos a quem se recommenda, que sejam
arranjados e aceiados?

E.--Devem obedecer.

P.--E que merecem os que não fazem caso das advertencias de seus paes e
mestres?

E.--Merecem castigo.

P.--E de que são dignos os que estudam bem, e obedecem aos seus
superiores, procurando em tudo conformar-se com os seus conselhos e
preceitos?

E.--São dignos de estima e de premio.

P.--Respondeu com muito acerto. Por hoje basta de conversação. Antes,
porém de nos separarmos quero repetir-lhes um conselho muito prudente de
um grande mestre. Decorem-n'o e sigam-n'o, se querem ser methodicos e
arranjados. Eil-o:

_Logar certo para cada cousa, e cada cousa no seu logar_.



TERCEIRA LIÇÃO

OS CONDISCIPULOS


P.--Recommendei-lhes outro dia, meus meninos, que não faltassem á aula,
que viessem á hora marcada no regulamento, que se não esquecessem de
trazer os livros, e mais objectos necessarios para as suas lições, que
se acostumassem a ser arranjados, methodicos, e desenxovalhados, e que
tivessem o maior cuidado em não estragar os objectos de seu uso. Não são
tão poucos os deveres dos meninos; e como para bem os cumprirem é
indispensavel conhecel-os, vamos hoje conversar em outro assumpto, que
muito lhes interessa. Começarei perguntando-lhes como se denominam, em
geral, os meninos, que frequentam ao mesmo tempo uma aula?

E.--Denominam-se _condiscipulos_.

P.--O encontrarem-se quasi todos os dias, estarem muito tempo juntos,
lerem pelos mesmos livros, aprenderem com o mesmo professor, terem com
pequenas differenças, a mesma idade, e trabalharem para conseguir o
mesmo resultado, concorrerá para que os condiscipulos formem uma especie
de familia ou irmandade, cujo pae espiritual é o professor?

E.--Certamente.

P.--Se os condiscipulos, como affirmaes, são quasi irmãos, parece-me que
devem tratar-se de maneira differente do que se tratam os meninos, que
nem são parentes, nem condiscipulos.

E.--Sem duvida.

P.--Já que tão expeditamente confirmaes a minha opinião, fazei mercê de
me dizer como se devem tratar os condiscipulos.

E.--Devem tratar-se com delicadeza, bondade e amisade.

P.--Optimamente, sr. estudantinho; mas como eu não quero deixar por
mentiroso o rifão, que diz: «As palavras são como as cerejas», peço-lhe
me indique quaes actos de delicadeza hão de praticar os condiscipulos;
de certo não quereis que elles deem excellencia uns aos outros, ou se
saüdem com salamaleks, á maneira dos turcos.

E.--Hão de cumprimentar-se quando se encontrarem em qualquer parte, e á
entrada e saïda da aula; não hão de bater uns nos outros, nem rasgar ou
sujar os vestidos; não hão de usar nas suas conversas de palavras feias;
se a qualquer tiver esquecido o livro, a lousa, a penna, ou qualquer
outro objecto deve-se-lhe emprestar aquillo de que carecer.

P.--Muito bem. E será delicado o menino que despresar o collega, por
elle ser feio, ou aleijado, ou tartamudo, ou vesgo, ou coixo?

E.--Não, senhor.

P.--Será delicado o menino, que pozer alcunhas a seus condiscipulos, ou
que lhes lançar em rosto o serem filhos de pessoas pobres, ou não
trajarem á moda, com elegancia, e esmero?

E.--Não, senhor.

P.--Se ao mesmo tempo chegarem ao pote, para beber, dois meninos
grosseiros, que acontecerá?

E.--Por-se-hão a ralhar, querendo cada qual ser o primeiro que beba.

P.--Se um dos meninos fôr delicado e o outro grosseiro?

E.--O delicado ou se affastará, para que o outro mate a sede em primeiro
logar, ou encherá o copo e lh'o offerecerá.

P.--E se ambos forem delicados?

E.--Não sei o que devam fazer.

P.--Menino F., responda á minha pergunta.

E.--Se ambos forem bem criados, deverá o mais pequeno encher o copo e
offerecel-o ao mais velho.

P.--Mas pode acontecer que ambos tenham a mesma idade, ou que um não
saiba a do outro.

E.--Nesse caso o mais delicado antecipar-se-ha a obsequiar o outro.

P.--Respondeu com muito juizo. Que deverá fazer um menino delicado, se
ao lanche, um condiscipulo lhe pedir um damasco, uma pêra, ou qualquer
outra cousa, que lhe não faça falta?

E.--Deve dar-lh'a.

P.--E pedir-lhe outra cousa em paga?

E.--Não, senhor.

P.--Do que temos estado a dizer conclue-se, que a delicadeza consiste
não só em evitar tudo quanto possa desgostar os outros, mas tambem na
pratica de quanto honestamente lhes possa ser agradavel.--Desejo, porém,
que me digaes se delicadeza e bondade são o mesmo.

E.--Não, senhor.

P.--Como assim?

E.--Pode uma pessoa ser delicada e não ser boa; pode tratar os outros
muito bem, mas não proceder assim por virtude, e tão somente por genio,
elegancia, ou astucia.

P.--Para que possâmos ter um menino em conta de bom o que é necessario?

E.--É necessario que elle não faça nenhuma acção má.

P.--Quando é que as nossas acções são más?

E.--Quando offendem a Deus, ou ao proximo.

P.--Dizeis muito bem; mas para que este ponto se aclare bastante, fazei
favor de me indicar algumas acções que reputeis más.

E.--São más acções não crer em Deus, não o amar, e não o temer; não
cumprir as ordens dos nossos superiores; mentir, levantar falsos
testemunhos; desprezar os pobres, e não os soccorrer; indagar das vidas
alheias; furtar; comer e beber mais do que é preciso.

P.--E ser mandrião, não estudar bem as lições é acção bôa, ou má?

E.--É má.

P.--Porque?

E.--Porque, não estudando, desobedecemos a nossos paes e mestres.

P.--Como se chama a acção torpissima de tirar a alguem uma cousa ás
escondidas.

E.--Chama-se furto.

P.--E como se denomina o desgraçado, que furta?

E.--Denomina-se ladrão.

P.--Que merecem os ladrões, estima ou desprezo?

E.--Desprezo e castigo.

P.--E não será quasi ladrão um menino, que, mandriando, obriga seus paes
a fazerem despeza excessiva para o educarem, e que prejudica a familia,
em beneficio da qual deveriam reverter as quantias, que os paes consomem
inutilmente com o preguiçoso?

E.--É, sim, senhor.

P.--Por consequencia merece desprezo e castigo o máu estudante.

E.--Certamente.

P.--Se na escola houver estudantes pobresinhos e estudantes abastados,
que devem estes fazer relativamente áquelles?

E.--Tratal-os muito bem.

P.--O bom tratamento de que fallaes consistirá somente em os admittirem
á sua companhia na aula e na rua, e em praticarem com elles
delicadamente, ainda que não andem bem trajados; ou consistirá tambem em
auxilial-os, obtida licença dos paes e mestres, para que lhes não faltem
cousas indispensaveis, taes como o lapis, papel, compendios, etc., para
comprar as quaes lhes não chegar o dinheiro.

E.--Parece-me que é dever dos estudantes endinheirados proteger em tudo
os que o não são, e até repartir com elles o _lunch_, e a merenda, por
isso que os collegas se devem amar como irmãos.

P.--Muito bem. E o amor fraternal dos collegas permittirá que andem a
fazer queixas uns dos outros?

E.--Não, senhor.

P.--Que deverá fazer um bom collega quando outro commetter uma pequena
falta.

E.--Deve advertil-o de que não fez bem, e aconselhal-o a que se emende.

P.--E se um estudante quizer commetter um crime, ou praticar uma acção
má, ou se tiver delinquido, e se mostrar obstinado em não se emendar, o
que deverá fazer o collega?

E.--Se não poder evitar o mal, nem conseguir que o menino, que o
praticou, trate de se corrigir, cumpre-lhe avisar o professor.

P.--Em voz alta, diante de todos, com acrimonia, e maneiras hostis, ou
em particular, e por modo, que não aggrave o delinquente?

E.--Em particular e sem azedume.

P.--Se o professor perguntar a um estudante quem commetteu certa falta
ou maldade, e o estudante interrogado souber quem foi, que deverá fazer?

E.--Dizer a verdade.

P.--Quando tal aconteça, ficará mal ao estudante implorar a clemencia do
professor para o collega?

E.--Não, senhor; antes lhe ficará muito bem.

P.--Disse ainda agora um dos meninos que deviam os collegas ser amigos.
A amisade é um sentimento mui delicado e nobre, e por isso mesmo mui
raro. Umas vezes nasce do parentesco e convivencia intima, tal é a que
aos filhos consagram os paes, e a estes os filhos, tal a dos avós e
netos, e a dos tios e sobrinhos; outras vezes provém da sympathia,
augmenta com a camaradagem, principalmente entre pessoas de indoles
similhantes, e fortifica-se pela troca reciproca de serviços
desinteressados e honestos. Mas, assim como «nem tudo o que luz é ouro»,
assim nem toda a convivencia, posto que deleitavel, extremosa, e até
util, se póde considerar amizade verdadeira.

E.--Em que consiste, pois, a verdadeira amizade?

P.--Em duas ou mais pessoas se estimarem reciproca e honestamente, como
cada uma a si propria se estima.

E.--Em vista do que dizeis, devem ser mui poucos os verdadeiros amigos;
porque eu, não obstante ser ainda muito creança, tenho notado que quasi
todas as pessoas gostam mais de si, que dos outros.

P.--Rarissimos são, é verdade, e por isso mesmo quem teve a felicidade
de encontrar um, deve cuidar muito de o não perder.

E.--E o que nos acontecerá, se nunca tivermos um amigo verdadeiro?

P.--Seremos menos felizes do que seriamos, se o tivessemos.

E.--Vós, sr. professor, sois muito feliz.

P.--Por que me consideraes muito feliz?

E.--Porque tendes muitos amigos.

P.--Quem vos disse que tenho muitos amigos?

E.--Ninguem; mas tenho visto que pelas ruas uns vos cortejam,
tirando-vos o chapéu, outros vos dizem adeus com a mão, outros vos
tratam por tu, muitos vos abraçam e param a fallar comvosco.

P.--Como estaes enganado! Esses todos, com pouquissimas excepções,
sabeis o nome que merecem? Eu vol-o digo--_conhecidos_.--Se eu caísse de
cama, quantos viriam acompanhar-me? se eu estivesse preso, quantos iriam
suavisar-me a solidão do carcere? se eu tivesse fome, quantos
repartiriam commigo as suas sôpas? se eu tivesse a desgraça de commetter
um crime, quantos no dia seguinte se desbarretariam ao passar por
mim?... Conhecidos, indifferentes, amigos do theatro, do baile, do
passeio, que desapparecem, quando o verdadeiro amigo mais se approxima
de nós, nos dias sombrios e luctuosos da desgraça, e das tribulações.

E.--Como é então que fallaes e mostraes tão bonito modo a homens, que de
nada vos prestam? Não seria melhor desprezal-os?

P.--Não se deve desprezar ninguem. Quem não póde beber por uma taça de
ouro, ou de crystal, ha de quebrar o copo de vidro ou o pucaro humilde
de barro? Para os conhecidos, caridade e delicadeza; para os amigos, os
affectos todos do coração.

E.--Se vos não enfado, far-vos-hei ainda uma pergunta.

P.--Quantas quizerdes.

E.--De que traça nos havemos de servir para grangear amigos verdadeiros?

P.--Um sabio, a quem fizeram igual pergunta, respondeu: _Se quizeres ser
amado, ama_. A semente da amisade é a sympathia, ou reciproca
inclinação, gerada, ou da analogia das indoles e estados, ou de certas
qualidades, que mal se póde dizer quaes sejam, mas que parecem attrair
umas para as outras as pessoas, que as tem.

E.--De maneira que, se eu entrar n'uma casa e me agradar de uma pessoa,
que não conheça, ainda que não seja da minha idade, nem bonita, e sentir
para ella inclinação, poderei dizer que _sympathizei_ com ella.

P.--De certo.

E.--Mas ás vezes tambem succede o contrario; olha a gente para um homem
ou para uma senhora, e posto que nem sejam feios, nem desastrados,
experimenta certa repugnancia em tratal-os.

P.--A essa repugnancia se dá o nome de _antipathia_.

E.--Quando pois, sympathisarmos com alguem, poderemos contar com um
verdadeiro amigo?

P.--Nem sempre. Á vossa pergunta respondeu ha muito tempo um escriptor
portuguez dos mais eruditos, chamado Antonio de Sousa de Macedo, cujas
obras vos recommendo desde já para quando fordes maiorzinhos. Ouvi o que
elle a tal respeito escreveu. «D'entre os mesmos em que se acham
sympathias, se deve fazer distincção, antes de trabalhar pelos fazer
amigos, por que nem todos serão convenientes.

Suetonio diz de Augusto, que os _escolhia_ com vagar, e os conservava
constantemente. Devem-se preferir os de _melhor juizo_, _bons costumes_,
_valor_, _sinceridade_, e _bôa fama_. Nem com o _nescio_, diz o
ecclesiastico, nem com o _mau_, diz santo Agostinho, nem com o _pouco
verdadeiro_, diz Aristoteles, póde haver amizade.»

E.--São essas as qualidades que devem ter os amigos, e muito folgo de
que tão claramente nol-as expozesse esse auctor portuguez, cujo nome
citastes; mas quando se nos depare alguem com todos esses requisitos,
que deveremos fazer para lhe captivarmos a amizade?

P.--Seja tambem Macedo quem vos responda. Diz elle: «Feita a eleição, a
communicação e conversação faz os amigos, concordando nos ditos, e nas
acções (suppondo que tudo ha de ser honesto e judicioso) e para a facil,
sincera, e agradavel concordia, contribue especialmente a sympathia, a
qual, accrescentou um sabio, se deve ajudar com algum beneficio, feito
graciosamente, sem ser rogado, nem depois publicado.»

E.--Algum beneficio?

P.--Não fiqueis ahi pensando que os beneficios, que penhoram a amizade,
sejam tão sómente mimos e presentes de cousas, que se merquem nas lojas,
ou de fructas e manjares; boas são essas provas de amizade, mas não são
as unicas, nem as mais apreciaveis. Por beneficios deveis entender
tambem, os conselhos prudentes, os exemplos dignos de imitação, a
companhia na doença, e nas tribulações, o ensino fraternal e até a
reprehensão suave das faltas e defeitos.


Resumo

Os condiscipulos são quasi irmãos, filhos espirituaes do professor.
Devem ser delicados, bons, e amigos. Devem cumprimentar-se á entrada e
saïda da aula e sempre que se encontrarem. Devem prestar uns aos outros
todos os serviços, que puderem. Os estudantes pobres, defeituosos, mal
vestidos merecem, sendo bons, tanta estima e consideração, como os
abastados, sãos, e tafues. Nem sombra de alcunhas, principalmente
allusivas a quaesquer deformidades, ou imperfeições do corpo ou do
espirito. Se nos pedirem cousa, que possamos emprestar ou ceder,
emprestemol-a, ou cedamol-a, sem exigir paga, nem agradecimento.
Delicadeza não é bondade. Toda a acção contraria á lei de Deus, ou ás
leis humanas, quando estas não offendem aquella, é má.

O mandrião merece castigo e desprezo. Desde a aula deve o rico ajudar o
pobre.--Se algum estudante fizer maldades advirtam-n'o os que as
presenciarem; mas não as divulguem. Quando um estudante praticar acções
indignas, e admoestado pelos condiscipulos, se não emendar, recorra-se
ao professor, dizendo-lhe em particular, e sem aggravar o mal, quanto
baste para que elle proceda como fôr de justiça. É prova de delicadeza e
bondade de coração implorar misericordia para os que estiverem em risco
de ser castigados. Nunca se deve mentir; a mentira é a torpeza das
torpezas.

São amigas duas pessoas que reciproca e honestamente se estimam como
cada uma d'ellas se estima a si propria. Ha amizade verdadeira, e
falsa.--Nem todos os que parecem amigos, o são; não se deve confundir o
amigo com o conhecido. Amar é o meio de grangear amigos. A amizade nasce
da sympathia; mas nem todos com quem sympathisâmos podem ser nossos
amigos. As qualidades que deverá ter um amigo, são: bom juizo, bons
costumes, valor, sinceridade, bôa fama. Não deve ser nescio, nem mau,
nem mentiroso. Para o grangear bastará a communicação e conversação,
auxiliadas por obsequios desinteressados.


Reflexões

É finda a nossa palestra de hoje. Temos dito muitas cousas, mas não
basta fallar; é indispensavel fugir do mal e praticar o bem. Muito falla
o papagaio, mas que faz tamanho palrador? Come o que lhe deitam no
comedouro, e nas horas vagas vae roendo a gaiola. Ninguem dirá com
verdade, que seja muito para se imitar a tal ave palreira. Palavras,
leva-as o vento, dil-o o rifão, e não mente. Para vos não parecerdes com
aquelle animalzinho inutil, amae-vos muito uns aos outros; auxiliae-vos
fraternalmente, cumprí á risca todas as vossas obrigações, e lembrae-vos
a cada momento de que os homens do futuro, os paes de familia, os
mestres, os escriptores, os ministros, os deputados, os juizes, os
sacerdotes, os militares, os medicos, os pharmaceuticos, os advogados,
os artistas, os negociantes, os industriaes, os lavradores haveis de ser
vós, e de que para profissões tão variadas, tão nobres, tão difficeis e
de tantissima responsabilidade, vos deveis desde já preparar, estudando
e praticando todas as virtudes, para que, chegada que seja a hora de
entrardes na vida activa e de servirdes a civilisação, que exige
obreiros intelligentes e honrados, possaes cabalmente desempenhar os
vossos deveres.



QUARTA LIÇÃO

VIDRO[11]


Escolheu o professor Mayo o vidro para assumpto da primeira lição do
ensino intuitivo, ou de objectos, por lhe parecerem as qualidades d'este
corpo mais perceptiveis aos nossos sentidos, que as de qualquer outro.
Aconselha o mesmo professor que fiquem os meninos defronte do quadro
preto, onde se hão de ir escrevendo os resultados de suas observações; e
que o pedaço de vidro vá passando de mão para mão, para que cada um dos
estudantes individualmente o examine. O tomar cada menino o fragmento de
vidro em suas mãos e o il-o observando com attenção é, como atraz
observámos, ponto de grande importancia para o bom resultado do ensino.
Diz a este proposito o excellente pedagogista Mayo o seguinte: «D'este
modo cada individuo, dos que compõem a aula, se vê obrigado a exercitar
as suas faculdades sobre o objecto, que se lhe apresenta; servindo as
perguntas, que depois lhes faz o professor, para que elles revelem suas
idéas, e para a emenda d'estas, se forem erroneas.

P. (Mostrando um bocado de vidro)--Que é isto, que eu tenho na mão?

E.--É um bocado de vidro.

P.--Vamos soletrar a palavra _vidro_.

(_Feita esta advertencia, escreve o professor no quadro preto a palavra
vidro, dividida em duas syllabas_; pronuncía alto e bom som, em primeiro
logar as lettras _v-i-d-r-o, acompanhando a pronunciação de cada uma
d'ellas de uma pancada com o ponteiro no quadro, ou de uma palmada; e
pronuncía depois as duas syllabas mui distinctamente. Em seguida repetem
os estudantes primeiro individualmente, e depois em côro, aquella
soletração, até que a saibam correctamente fazer_.)

P.--Todos vós examinastes este vidro; e que notastes n'elle? Que podeis
dizer que é?

(Põe-se esta pergunta em logar de: Quaes são as suas propriedade? porque
é muito provavel que a principio não entendam os meninos o sentido da
palavra «propriedade»; mas applicando-a repetidas vezes o professor ás
respostas que os estudantes derem, em pouco tempo se acostumarão a ella
e lhe perceberão o sentido).

E.--É brilhante.

P. (Depois de ter escripto no quadro a palavra «propriedade», escreve
por baixo: «É brilhante»).--Pegae-lhe; apalpae-o. (Deverá o professor
dirigir aos estudantes perguntas conducentes a pôr-lhes successivamente
em acção os differentes sentidos).

E.--É frio. (Escreve-se esta resposta no quadro por baixo da outra
qualidade).

P.--Tornae a pegar no vidro, e comparae-o com este fragmento de esponja,
com que limpâmos o quadro, e dizei-me o que notastes no vidro. (O
intento do professor ao fazer esta pergunta, deve ser conseguir que os
estudantes observem a «lisura», contrapondo esta propriedade á sua
opposta, a «aspereza» de outra substancia; meio de demonstração que
muitas vezes se poderá empregar).

E.--É lizo; é duro.

p.--Ha na aula outro objecto de vidro?

E.--Ha sim senhor; os vidros das vidraças.

P.--Olhae pelas vidraças, e dizei-me o que vêdes.

E.--Vemos o jardim.

P. (Fechando as portas da janella)--Olhae agora e dizei-me o que vêdes.

E.--Agora não podemos vêr nada.

P.--Porque é que não vêdes nada?

E.--Porque atravez das portas não se póde vêr nada.

P.--Que differença notaes entre as portas e o vidro?

E.--Notâmos que atravez das portas nada podemos vêr, e que atravez do
vidro vêmos o jardim.

P.--Podeis dizer-me alguma palavra, que indique essa qualidade, que tem
o vidro?

E.--Não, senhor.

P.--Eu vol-a digo. Tomae sentido, para que vos não esqueça. É
_transparente_. D'aqui por diante que idéa fareis d'um corpo, se vos
disserem que é transparente?

E.--Que se pode vêr atravez d'elle.

P.--Respondestes muito bem. Lembraes-vos de alguma cousa que seja
transparente?

E.--A agua.

P.--Que aconteceria se eu deixasse cair no chão este pedaço de vidro?

E.--Quebrar-se-ia.

P.--E se da rua atirassem pedras á janella?

E.--Quebrar-se-iam os vidros.

P.--Sabeis como se chamam os corpos, que tem esta qualidade, ou
propriedade de se partirem, quando caem n'um corpo duro, ou quando se
lhes bate?

E.--Não, senhor.

P.--Chamam-se _quebradiços_, ou _frageis_,--Dizei-me, se deixassemos
cair a porta da janella ou se contra ella atirassemos uma pedra, que
succederia?

E.--Ficaria inteira.

P.--E se eu lhe batesse muito de rijo com outro corpo durissimo?

E.--Quebrar-se-ia.

P.--A madeira é quebradiça, ou fragil?

E.--Não, senhor.

P.--Deveremos chamar frageis a todas as substancias, que podermos
quebrar?

E.---Não, senhor; _frageis_ diremos só aquellas, que se quebrarem com
facilidade.

P.--Para que serve o vidro? que prestimo tem?

E.--Serve para as janellas.

P.--Que vantagem ha em pôr vidraça nas janellas?

E.--Ter as casas abrigadas do vento, da chuva, da poeira, e das moscas.

P.--Parece-me que, fechando-se as portas das janellas, não entrariam
pelas casas dentro, nem moscas, nem poeira, nem chuva, nem vento.

E.--Mas cerradas as portas das janellas, ficariam as casas ás escuras, e
não poderiamos vêr para fóra.

P.--Muito bem. Dizei-me porque razão não tira o vidro a claridade ás
casas, nem obsta a que se vejam os objectos que estão fóra?

E.--Porque é _transparente_.

P.--Não ha outros objectos de vidro?

E.--Ha cópos, garrafas, castiçaes, espelhos, tinteiros, etc.

É provavel, diz o professor Mayo, que na primeira lição não occorram aos
meninos outras qualidades; mas estas sós, escriptas no quadro preto,
constituirão um bom exercicio de soletração. Devem-se depois apagar; e
se os estudantes já souberem escrever, poderão exercitar a memoria e
repetir a lição, escrevendo-as de novo nas ardosias.



QUINTA LIÇÃO

CAOUTCHOUC--GOMMA ELASTICA--BORRACHA[12]


Escolheu o professor Mayo esta substancia para objecto da segunda lição,
para que os meninos observem as qualidades, ou propriedades, que os
physicos denominam _opacidade_, _elasticidade_, e _inflammabilidade_.

P.[13]--Que é isto? (Mostrando um bocado de caoutchouc).

E.--É um bocado de _borracha_.

P.--Parece-se com o vidro?

E.--Em nada.

P.--Ponde esse pedacinho de _borracha_ diante dos olhos e olhae para
mim... Vêdes-me?

E.--Não, senhor.

P.--Se nas janellas, em vez de vidros, estivessem laminas de borracha,
que aconteceria?

E.--Ficariam as casas ás escuras, e não poderiamos vêr para fóra.

P.--Sabeis como se chama a qualidade, que tem a _borracha_ de não deixar
vêr atravez de si, como o vidro?

E.--Não, senhor.

P.--Chama-se _o-pa-ci-da-de_. Repetí commigo esta palavra.

E.--_O-pa-ci-da-de._

P.--Vou escrevel-a; olhae attentamente. (O professor escreve no quadro
preto: _Propriedades ou qualidades da borracha_--_O-pa-ci-da-de_).
Menino F., como chamareis aos corpos, que tem opacidade?

E.--_Opacos._

P.--Ponde diante dos olhos a lousa, que ahi tendes, e olhae para mim.
Vêdes-me?

E.--Não, senhor.

P.--Porque me não vêdes, quando entre mim e vós está um bocado de lousa?

E.--Porque a lousa é _opaca_.

P.--Menino G., dizei-me se está alguem ali n'aquelle quarto.

E.--Eu vou vêr. (Levantando-se).

P.--Não vos levanteis; olhae d'ahi, do vosso logar.

E.--D'aqui não posso vêr.

P.--Porque não podeis vêr d'ahi o que se passa n'aquelle quarto?

E.--Porque se mette de permeio a parede.

P.--E se a parede fosse de vidro, poderieis ver para dentro d'aquella
casa?

E.--Veria de certo, porque o vidro é transparente; mas a parede não é.

P.--Como diremos que é a parede, attendendo a que nos tira a vista das
cousas, que estão para além d'ella?

E.--Diremos que é opaca.

P.--A borracha póde facilmente cortar-se com a thesoura. Vou cortar umas
tiras, para os meninos fazerem uma brincadeira. Eil-as: Tomem estas
tirinhas de borracha, segurem-n'as pelas extremidades e puxem-n'as, como
quem quizesse esticar uma linha... Basta, basta; agora larguem-n'as de
um lado... Que vistes?

E.--A borracha deu de si, estendeu, estendeu; e, logo que a largámos,
voltou ao primitivo comprimento.

P.--Tomem agora este bocado de vidro, e puxem-n'o bem.

E.--Não dá de si; não estende.

P.--Temos, pois, que a borracha, sendo puxada, estende, e logo que a
soltam volta á primeira; e que o vidro, por mais que o puxem, não dá de
si. Porque será isso?

E.--Provavelmente é por que a borracha tem alguma qualidade, que nós
ignorâmos.

P.--Como é que a ignoram, se acabam de a observar?! O que os meninos
ignoram é o nome que essa propriedade tem.

E.--Podeis-nos dizer como se chama?

P.--Chama-se _e-las-ti-ci-da-de_. Repeti commigo este nome:

E.--_E-las-ti-ci-da-de._

P.--Reparae; vou escrevel-o no quadro preto, por baixo do nome da outra
qualidade da borracha, por baixo da palavra... (Tapando com a mão a
palavra no quadro).

E.--_Opacidade._

P.--Muito bem; não se esqueceram.

(Escreve) Aqui está: _Elasticidade_. Tomae outra vez as tirinhas de
borracha; e em vez de puxal-as, torcei-as entre os dedos, que se chamam
_pollegar_ (Mostra o dedo pollegar) e est'outro (Mostra o indicador),
que se chama _indicador_... Agora largae-as. Que observaes?

E.--Destorcem-se por si.

P.--Menino A... por que é que se destorcem por si essas tirinhas de
borracha?

E.--Provavelmente, pela mesma qualidade, pela qual ainda agora
estenderam e encolheram, ficando do comprimento, que tinham, antes de as
estarmos a puxar.

P.--Assim é. Dizei-me agora o que é isto? (Mostrando uma péla)

E.--Isso é uma péla de brincar.

P.--Porque será que todos os meninos gostam de jogar a péla?

E.--É porque as pélas saltam muito, e nós temos de correr atraz d'ellas,
caio aqui, acolá me levanto.

P.--Sabeis de que são feitas as pélas?

E.--São feitas de borracha[14].

P.--Porque não fazem as pélas de barro, ou de folha de Flandres, ou de
pau, ou de cortiça?

E.--Porque se fossem feitas d'essas materias não saltariam.

P.--Que ha, pois, nas pélas de borracha, que as faz andar aos pulos?

E.--Não sabemos.

P.--E se eu lhes disser, que sabem? Pensem, meditem. Atiro esta péla ao
chão, ella bate no sobrado, achata-se, immediatamente toma a primitiva
fórma, a fórma de bola, ou de esphera, como dizem os sabios, e eil-a a
pular.

E.--Já sabemos porque as pélas de borracha saltam, e as outras não. É
por causa da _elasticidade_.

P.--Acertastes. N'aquelle retomar a fórma de esphera ou bola
immediatamente depois de se ter achatado ao bater no chão, é que está a
elasticidade. Outra pergunta ácerca d'esta qualidade. Dizei-me, se vos
occorre, o nome com que podemos designar os corpos, que tem
elasticidade.

E.--Podem chamar-se _elasticos_.

P.--Assim é. Reparae agora no que vou mostrar-vos. (O professor acende
uma véla). Temos aqui um rolosinho de ferro (Mostra-o), um rolosinho de
barro (Mostra-o), este pedaço de pederneira (Mostra-o), e um fragmento
de borracha. Pego no rolo de ferro pelo cabo de madeira, para me não
queimar, chego-o à luz, como vedes, mas elle fica no mesmo estado. Pego
no rolo de barro, que não tem cabo de madeira, por que não aquece tão
depressa como o ferro, chego-o á luz e nada de novo; com a pederneira
acontece o mesmo. Ide agora ver o que succede ao approximar da luz um
fragmento de borracha. Tomae sentido, porque me haveis de dizer o que
virdes. Por cautela, em vez de tomar a borracha com os dedos, pego-lhe
com a thesoura. Attenção. (O professor chega a borracha á luz, e apenas
ella se inflammar, affasta-a da véla, e a colloca por cima de um vaso,
que tenha agua, evitando que lhe caia derretida nas mãos). Que vistes?

E.--Vimos a borracha incendiar-se e arder com chamma mui intensa e
clara.

P.--Só isso observastes?

E.--E derreter-se.

P.--Nada mais?

E.--Mais nada.

P.--Não prestastes bastante attenção. Vou repetir a experiencia.
(Repete-a). Dizei-me se vistes mais alguma cousa?

E.--A borracha derretida cair em pingos sobre a agua, que está n'esse
vaso.

P.--Exactamente. Esta qualidade da borracha é mui differente das outras
duas: _elasticidade_ e _opacidade_.

E.--Certamente.

P.--Sabeis como se chama?

E.--Não sabemos. Fazei mercê de nol-o dizer.

P.--Chama-se _in-flam-ma-bi-li-da-de_, ou propriedade de arder com
chamma. Bom será que repitaes commigo o nome d'esta qualidade, ou
propriedade da borracha, para que vos não esqueça.

E.--_In-flam-ma-bi-li-da-de._

P.--Vou escrever este nome, que nada tem de pequeno, sob o das outras
qualidades. Qual de vós é capaz de me dizer como chamaremos aos corpos,
que chegados a uma luz, arderem com chamma?

E.--Sou eu.

P.--Dizei pois.

E.--Os corpos, que ardem com chamma, denominam-se _inflammaveis_.

P.--O ferro, o barro, a pederneira, são inflammaveis?

E.--Não, senhor; mas a borracha é, e muito.

P.--Podeis dizer-me a côr da borracha?

E.--_Negra._

P.--Vou escrever o nome d'essa qualidade no quadro preto (Escreve).
Dizei-me, meus meninos, se vos lembra alguma cousa, bastante vulgar, á
qual a borracha se assemelhe não só na côr, mas principalmente na
grossura, na consistencia, na impressão que nos faz, quando a apertâmos
e revolvemos entre os dedos.

E.--Assemelha-se ao couro.

P.--Muito bem. O que provavelmente não sabeis é como se nomeiam as
substancias analogas ao couro.

E.--Não sabemos.

P.--Dizem se _co-ri-a-ce-as_. Repetí pausadamente esta palavra.

E.--_Co-ri-a-ce-as_.

P.--Menino B...; vejo que estaes passando as cabeças dos dedos por cima
d'esse bocado de borracha, e esse acto tão simples accordou-me o desejo
de vos fazer uma pergunta. Quando passâmos a mão, ou sómente as cabeças
dos dedos por cima de diversos corpos, sentimos a mesma impressão?

E.--Não, senhor; umas vezes é agradavel a impressão, que sentimos;
outras vezes, desagradavel.

P.--Podereis dar-me exemplo de uma e outra?

E.--Correndo a mão por cima de um panno de lã grosseiro, ou por uma
taboa, que não esteja aplanada, sinto impressão desagradavel; correndo-a
por sobre uma folha de papel de peso, ou por um vidro bem polido, tenho
uma impressão agradavel.

P.--Sabeis que nome se dá aos corpos, quando a sua superficie é como a
do panno de lã grosseiro, e da taboa não aplanada?

E.--Diz-se que são _asperos_.

P.--E quando a superficie dos corpos é como a do papel fino, ou de peso,
e a do vidro?

E.--Diz-se que são _lisos_, ou _macios_.

P.--A borracha é aspera, ou macia?

E.--É _macia_.

P.--Ficâmos pois, sabendo, que a borracha é _opaca_, _elastica_,
_inflammavel_, _negra_, _coriacea_, e _macia_. Mais uma pergunta, e
dâmos por terminada a nossa palestra.

Tem a borracha algum prestimo?

E.--Serve para apagar os traços, que o lapis deixou no papel, para fazer
pélas e outros objectos.



SEXTA LIÇÃO

COURO


Nesta lição pretende o professor Mayo dar aos meninos idéa das seguintes
propriedades, ainda por elles não estudadas: _flexibilidade_, _cheiro_,
_impermeabilidade á agua_; e recordar-lhes algumas, já estudadas a
proposito da borracha.

P.--Tomae, meus meninos, este corpo (Dando-lhes ás mãos um bocado de
couro), examinae-o, e dizei-me se sabeis o que é?[15]

E.--É um pedaço de couro.

P.--Recordae-vos do que dissemos hontem a respeito da borracha, e
dizei-me se o couro tem com ella alguma parecença.

E.--Tem, sim, senhor; e bastante.

P.--Muito prazer me darieis se fizesseis favor[16] de me dizer porque se
parecem esses dois corpos, que em realidade são mui differentes.

E.--Dissemos que se parecem, porque ambos são _opacos_, _coriaceos_ e
_macios_.

P.--E não vos enganastes; mas o couro tem outras qualidades, que
podereis descobrir, se o observardes com attenção.

E.--(Hesitam, e ficam-se a olhar para o professor).

P.--Se os olhos me não illudem, todos vós tendes nariz; ora, pois,
servi-vos d'elle, consultae-o.

E.--(Cheirando o couro). Tem _cheiro_.

P.--Assim é. Menino C..., dizei-me se todos os corpos tem cheiro?

E.--Não, senhor; o vidro, e a louça, não tem cheiro.

P.--Lembra-vos alguma substancia, que tenha cheiro?

E.--Lembram-nos muitas: o chá, o café, a manteiga, o vinagre.

P.--Quando uma substancia exhala cheiro proprio, como diremos que é?

E.--_Cheirosa._

P.--_Cheirosas_ dizemos as que tem cheiro proprio ou alheio. Por
exemplo: se deitarmos no lenço de assoar algum arôma, tal como agua de
Colonia, ou almiscar, ficará o lenço _cheiroso_; não obstante não ter
cheiro seu, proprio. Se porém uma substancia é dotada de cheiro, bom ou
mau, como o chá ou o petroleo, melhor lhe chamaremos: _odorifera_.

E.--Pelo que dizeis, o couro é _odorifero_.

P.--De certo. Digam todos em côro esse nome.

E.--_O-do-ri-fe-ro._

P.--Continuemos a examinar o couro. Além, está o menino F... a dobrar
aquelle pedaço, provavelmente para vêr se o póde partir em dois. Vejamos
o que elle nos diz da sua experiencia.

E.--Dobra-se, mas não se parte.

P.--E acontece o mesmo a todos os corpos?

E.--Não, senhor; ha bem pouco tempo parti eu uma regoa de madeira, por
querer dobral-a.

P.--Qual será a palavra com que possâmos representar a qualidade, que
tem o couro, de se dobrar sem se partir?

E.--(Silencio.)

P.--Pensae no caso, e lembrae-vos de que ha palavras parecidas umas com
as outras, ou parentas. Por exemplo: bondade e bom; maldade e mau;
aquentar e quente; rasgar e rasgado.

E.--Já sabemos, como deveremos chamar aos corpos, que se dobram
facilmente, sem se quebrarem ou partirem.

P.--Que esperaes, para nos dar esse alegrão.

E.--Chamar-lhes-hemos _dobradiços_.

P.---Deram no vinte; mas eu sei outro nome, que quer dizer o mesmo, mas
que é mais afidalgado, e por isso menos vulgar. Vou escrevel-o no
quadro, e soletral-o-hão os que sabem ler. (Escreve no quadro preto, na
columna onde estão indicadas as outras qualidades).

E.--(Em alta voz) _Fle-xi-vel_.

P.--Qual dos meninos é capaz de me dizer o nome da qualidade, ou
propriedade em virtude da qual são _flexiveis_ alguns corpos?

E.--Deve chamar-se _flexibilidade_.

P.--Muito bem respondeu o menino G... Não se esqueçam os outros do que
lhe ouviram, e fiquem sabendo que, quando qualquer corpo se dobra, como
o couro, e como elle se não quebra ou rasga, é porque tem
_flexibilidade_. Se não temesse cançal-os, ainda lhes havia de fazer
mais perguntas a respeito d'este corpo, que pelos serviços, que nos
presta, bem merece, que nos entretenhâmos com elle.[17]

E.--Podeis continuar, senhor professor, que não estâmos cançados.

P.--Já que assim o quereis, façâmos uma experiencia. Tomem quatro
meninos este lenço pelas quatro pontas e estendam-n'o, mas não muito.
Outro menino deite-lhe em cima uma pouca d'agua. (Os meninos executam o
que o professor lhes manda). Que observaes?

E.--O lenço molha-se.

P.--E que mais acontece?

E.--A agua atravessa o lenço e cae no sobrado.

P.--Ponde agora este bocado de papel mata-borrão sobre o lenço,
deitae-lhe por cima mais agua, e vêde o que succede.

E.--Molha-se tambem o papel e deixa passar a agua.

P.--Espremei o lenço, e dizei-me o que observaes.

E. (Espremendo o lenço)--Escorre a agua, que o lenço tinha em si, e este
fica menos molhado.

P.--Fazei com este bocado de couro o que fizestes com o lenço; isto é,
estendei-o horisontalmente, e deitae-lhe agua por cima.

E.--A agua não pode atravessar o couro; não cae no chão.

P.--Entornae a agua, e vêde se o couro ficou ensopado.

E.--Não ficou, não, senhor.

P.--Sabeis porque assim acontece?

E.--Não sabemos.

P.--Não se ensopa na agua, porque essa é uma das suas qualidades, ou
propriedades. De um corpo, que a agua não atravessa, diremos que é
_impermeavel_ á agua.

E.--Fazeis mercê de repetir esse nome, que não percebemos bem.

P.--Vou escrevel-o no quadro preto, para que o leiam, e repetil-o-hemos
depois com muito vagar. (Escreve).

E.---_Im-per-me-a-vel._

P.--Relanceae os olhos pelos objectos, que estão n'esta aula, e dizei-me
se haverá entre elles algum, que seja _impermeavel_ á agua.

E.--O vidro.

P.--Porque dizeis que é impermeavel á agua o vidro?

E.--Porque a agua não o atravessa.

P.--Podereis convencer-me com algum exemplo de que a agua não atravessa
o vidro?

E.--Bastará olhar para esse cópo, que está cheio de agua, e que não a
deixa sair atravez das suas paredes.

P.--Gostei muito da vossa resposta, que revela muito siso, e me prova
que vos ides acostumando a comparar. E porque sois espertos e amigos de
saber, vos perguntarei mais, se o barro de que é feita aquella bilha,
que alem tenho, para me arrefecer a agua, tambem é impermeavel?

E.--Não sabemos.

P.--Se a examinarem attentamente, sabel-o-hão logo. Ora ide buscal-a
para aqui.

E.--Esta bilha não é, como o couro e vidro, impermeavel.

P.--Dizei antes, o barro d'esta bilha, ou o barro, de que esta bilha é
feita, não é _impermeavel_. Reparae, que uma cousa é o objecto, o movel,
o corpo, que vemos, e outra cousa a materia, de que o objecto, o movel,
ou o corpo é formado. Que é isto? (O professor mostra uma bola de cêra).

E.--É uma bola.

P.--Bola ou esphera; mas de que?

E.--De cêra.

P.--(Transformando a bola de cêra em um cilindro)--E isto, que é?

E.--Um rolo.

P.--Certamente; é um rolo ou cilindro; mas de que?

P.--De cêra.

P.--(Dando â cêra a forma cubica)--O rolo foi-se; isto, que é?

E.--Um dado de jogar.

P.--Vistes, que com a mesma materia, a _cêra,_ formei tres corpos: uma
bola ou sphera; um rolo ou cilindro; e um dado de jogar ou cubo, os
quaes eu poderia ter feito de tres materias differentes, por exemplo: de
cêra, de barro e de madeira. Acostumae-vos pois, desde agora, a
distinguir nos corpos a materia de que são feitos, da maneira porque
ella está limitada, ou, o que vem a ser o mesmo, da sua configuração.
Mas, tornando à _permeabilidade_ do barro d'esta bilha, desejo que me
esclareçaes, dizendo-me o fundamento, que tendes, para asseverar, que é
permeavel.

E.--Dissemos que não era impermeavel, porque, estando vazia, se conserva
secca, e pouco depois de se lhe deitar agua humedece por fóra,
provavelmente, porque a agua passa atravez de suas paredes.

P.--Assim é. Tende paciencia, meus meninos, de escutar mais uma pergunta
com a qual porei termo á nossa palestra. Quizera me dissesseis se o
couro serve para alguma cousa.

E.--Serve para capas de livros; para forrar bahus e malas; para fazer
botas, sapatos, corrêas, luvas, sellins, e arreios para cavallos.

P.--Bravo! Quem respondeu com tanto acerto, tem direito a ir brincar.



SETIMA LIÇÃO

UM LIVRO


Examinando miudamente um livro, ficarão os estudantes conhecendo as
differentes partes de que elle se compõe, seus nomes e usos; e
adquirirão as primeiras e elementarissimas noções ácerca do papel, da
typographia, e dos algarismos romanos e arabes.

       *       *       *       *       *

P.--Meninos, como se chama isto? (O professor mostra aos estudantes um
livro encadernado.)

E.--Chama-se _livro_.

P.--Todos vós tendes um livro?

E.--Temos, sim, senhor.

P.--Pegae, pois, nos vossos livros, e preparae-vos para uma palestra,
que vos ha de ser muito agradavel.

E.--Vamos ler?

P.--Não, senhores; vamos conversar a respeito do livro, como conversámos
ácerca do vidro, da borracha e do couro.

E.--Quereis que escrevâmos a palavra livro?

P.--Vá escrevel-a no quadro preto o menino H.

E.--(Escreve), _Li-vro_.

P.--Talvez não tenhaes notado, que assim como ha grupos de pessoas
aparentadas, que constituem familias, e que mais ou menos se parecem
umas com as outras; assim ha grupos de palavras tão similhantes, que se
não póde desconhecer, que são muito chegadas entre si, e como que
parentas.

E.--Ainda não tinhamos reparado em tal.

P.--Prestae attenção ao que eu vou escrever no quadro preto (O professor
escreve umas por baixo das outras as palavras do exemplo, separando com
o hyphen o radical de cada uma) _Pomb-o_, _pomb-a_, _pomb-inho_,
_pomb-inha_, _pomb-al_, _pomb-alinho_.

Todas estas palavras formam uma familia[18].

_Cas-a_, _cas-inha_, _cas-ão_, _cas-arão_, _cas-eiro_, _ca-sal_,
_cas-alinho_, _cas-aleiro_, _cas-aría_, _cas-ebre_ (Todos estes nomes
sejam escriptos uns por baixo dos outros, ao lado dos nomes do primeiro
exemplo, e mui claramente pronunciados á proporção que se forem
escrevendo). Aqui tendes outra familia.

_Carr-o_, _carr-inho_, _carr-ete_, _carr-eta_, _carr-etilha_,
_carr-ocim_, _carr-uagem_, _carr-oça_, _carr-oçada_, _carr-etão_,
_carr-etada_, _carr-eteiro_, _carr-eto_, _carr-iagem_, _carr-icoche_,
_carr-oceiro_, _carr-oçar_, _carr-il_, _carr-omato_. Outra familia e não
pequena.

Se bem attenderdes, percebereis, que as palavras do primeiro grupo
começam todas pelas lettras _pomb_; as do segundo pelas lettras _cas_; e
as do terceiro pelas lettras _carr_.

As primeiras--_pomb_--representam a idéa--pombo; as
segundas--_cas_--representam a idéa--casa; as terceiras--_carr_--a
idéa--_carro_.

Agora que estaes iniciados n'este segredo, podereis dizer-me se a
palavra--_livro_--tem algumas parentas?

E.--Tem uma parenta.

P.--Fazei favor de me dizer qual é.

E.--A palavra _livrinho_.

P.--Só essa?

E.--Tem outra parenta, que é _livrete_.

P.--Procurae bem, que achareis mais.

E.--_Livraria_.

P.--Não sabeis o nome, que se dá, por desprezo, a um livro pequeno e
mau?

E.--Chama-se-lhe _livreco_.

P.--Como denominaes os homens, que negoceiam em livros?

E.--_Livreiros_.

P.--Fazei favor de me repetir os nomes de que se compõe a familia, cujo
pae é a palavra livro.

E.--_Livro_, _livrinho_, _livrete_, _livraria_, _livreco_, _livreiro_.

P.--Muito bem. Agora se vos não custar muito, dizei-me qual é a parte,
que em todas essas seis palavras sôa, quando as pronunciâmos, e se vê,
quando as escrevemos, constante e inalteravel.

E.--É o principio. É _livr_.

P.--Menino B, escrevei essas lettras no quadro preto.

E.--_Livr._

P.--Olhando para aquellas lettras, que vos lembra?

E.--Lembra-me um livro.

P.--Fique-vos pois de memoria, que ha muitas palavras, que se podem
dividir em duas partes; e que a primeira d'ellas, que figura em todos os
membros da familia, lembra a idéa da cousa, claramente representada no
termo, de que a familia toda procede.

Que figura tem este livro? (O professor mostra um livro.)

E.--É quadrado.

P.--Quadrado não é elle; é _quadrilatero_.

Repeti, partida em syllabas, esta palavra.

E.--_Qua-dri-la-te-ro_.

P.--Agora de uma só vez.

E.--Quadrilatero.

P.--Sabeis o que quer dizer a palavra quadrilatero?

E.--Não, senhor.

P---Quer dizer: Figura de quatro lados, ou superficie fechada por quatro
linhas.

Reparae para a figura que vou desenhar no quadro preto. (O professor
traça um parallelogrammo, retangulo, um quadrado e um losango) Todas
estas figuras são quadrilateros; mas apenas esta (Aponta o quadrado) se
póde chamar quadrado[19]. Tenho aqui sobre a mesa uns poucos de pedaços
de papel, vinde cá, e escolhei um que seja quadrado.

E.--Eil-o.

P.--Muito bem. Agora desenhe o menino A. no quadro preto um quadrado.

E.--(Desenhando). Aqui está desenhado.

P.--Como chamareis a esses riscos, que formam o quadrado?

E.--_Linhas._

P.--Sabeis que outro nome se dá ás linhas, quando são direitas como
essas, que ahi desenhastes?

E.--Não, senhor.

P.--Dá-se-lhes o nome de _linhas rectas_. Todos esses quadrilateros são
formados de linhas rectas.

Olhae agora para os vossos livros, e dizei-me como se chama a sua parte
externa, a parte de fóra.

E.--Chama-se _capa_.

P.--Por que lhe dariam esse nome?

E.--Talvez pela analogia, que tem com a capa ou capote, que usam homens
e mulheres.

P.--Mas a capa dos livros não tem góla, nem cabeção, nem roda, como é
uso terem os nossos capotes.

E.--Certo é que nada d'isso tem; mas reveste o livro, e o resguarda,
como o capote resguarda o fato; que lhe fica por baixo.

P.--Respondestes optimamente. Dizei-me se as capas dos livros tem todas
a mesma consistencia.

E.--Não, senhor; umas são duras e grossas; outras, delgadinhas e molles.

P.--Assim é. De que materia fazem as capas dos livros, quando duras e
grossas?

E.--De _papelão_.

P.--É verdade; mas noto, que sendo o papelão aspero e feio, as capas dos
livros são macias e bonitas. Sabereis explicar-me a razão d'isto?

E.--É porque revestem o papelão de papel de côres, de panno, ou de couro
pintado.

P.--Bravo! muito bem. Como se denominam os artistas, que fazem as capas
dos livros e lh'as põem?

E.--_Encadernadores_.

P.--Como se diz que está um livro, a que o encadernador poz uma capa
consistente, como a d'estes, que temos nas mãos?

E.--Diz-se que está _encadernado_.

P--E quando um livro está apenas coberto com uma capa de papel, como
este, que vos mostro?

E.--Diz-se que está _brochado_.

P.--Se um artista se empregar exclusivamente em brochar livros, como lhe
chamaremos?

E.--Não sei.

P.--Chamar-lhe-hemos _brochador_.

E.--Os encadernadores não são tambem livreiros?

P.--_Livreiro_ é a pessoa, que negoceia em livros, que os compra e
vende. Ha, porém, individuos, que exercem ambas as industrias, isto é,
que compram e vendem lívros, e que os encadernam.

Continuemos a examinar o nosso livro, e em primeiro logar fazei obsequio
de me indicar o nome d'esta parte (O professor indica a lombada).

E.--Não sei como se chama.

P.--Chama-se _lombo_, ou _lombada_.

E.--Porque dariam a esta parte tão estrambotica denominação?

P.--Provavelmente em consequencia de ter certa analogia de fórma e
posição com as costas ou lombo do homem.

E.--Tenho notado, que é a lombada a parte, que os encadernadores mais
esmeradamente aformoseam. Porque será?

P.--Admira-me não vos occorrer a razão d'isso! Porque será, menino B.?

E.--Eu não sei.

P.--Dizei antes: Não sei. É preciso não abusar do _eu_ e do _tu_. Muito
mais elegante, conciso e energico é dizer: Não sei, não quero, não
posso, do que: Eu não sei, eu não quero, eu não posso.

Menino C, porque motivo adornam os encadernadores as lombadas dos livros
mais do que o resto da capa?

E.--Não sei.

P.--Respondei, menino M.

E.--Enfeitam mais as lombadas, se me não engano, por ser a parte, que
mais se vê, quando os livros estão na estante.

P.--Assim é. Examinae o lombo do vosso livro e dizei-me o que notaes?

E.--Traços e adornos dourados.

P.--Mais nada?

E.--Lettras, tambem douradas.

P.--Que dizem essas lettras?

E.--«Motta»--«Quadros de historia».

P.--Aos dizeres, que os livros tem na parte superior do lombo, que nome
se dá?

E.--_Titulo_.

P.--A palavra «Motta», que está ahi a dizer?

E.--O nome do auctor.

P.--E as outras?

E.--O assumpto.

P.--Vede a lombada d'est'outro livro. Tem tão poucos dizeres, como a
d'esse, por onde habitualmente ledes?

E.--Não, senhor; tem mais.

P.--Que mais tem?

E.--Uma lettra de conta.

P.--De que palavra nos deveremos servir, para designar o que chamaes
lettra de conta?

E.--Não sei.

P.--O menino, que souber responder á minha pergunta, responda.

E.--Não se deve dizer lettras de conta, mas _algarismos_.

P.--Muito bem. Se temos palavra apropriada para indicar os signaes
representativos dos numeros, evitemos um rodeio.

Que algarismo tem esse livro na lombada?

E.--O algarismo 2.

P.--Para que pozeram ahi o algarismo 2?

E.--Para indicar que este livro é o segundo volume da obra.

P.--Exactamente.

E.--Todas as obras constam de dois volumes?[20]

P.--Não se riam da pergunta do menino S.; ninguem nasce ensinado, e quem
não pergunta fica ignorando muitas cousas. Agora conversemos nós, menino
S. Ha obras completas em um volume, e d'essas tendes exemplo nos
«Quadros de historia portugueza»; tambem as ha em dois, tres, quatro e
até em dez, vinte e mais volumes. Quando uma obra principia e acaba no
mesmo volume não é necessario pôr-lhe nem externa nem internamente
nenhum algarismo; se principia n'um volume e continúa e acaba n'outro,
marca-se externamente o primeiro com o algarismo 1 e o segundo com o
algarismo 2; se a obra se estende por tres ou quatro volumes, põe-se na
lombada do primeiro o algarismo 1, na do segundo o algarismo 2, na do
terceiro 3, na do quarto 4, etc.

Menino H., para que serve o titulo do livro escripto na lombada?

E.--Para facilmente darmos com elle sem ser necessario abril-o.

P.--Como se nomeiam estas partes da capa dos livros? (Pondo o dedo nos
cantos.)

E.--_Cantos da capa_.

P.--Abri os vossos livros e dizei-me como se chamam essas laminas de
papel, que a capa envolve e resguarda?

E.--Chamam-se _folhas_.

P.--Esse nome applica-se a muitas cousas: folhas de arvores, folhas de
espadas, folhas de papel, folhas de serra, folhas de madeira, folhas das
mangas do jaleco, etc.

Explicae-vos, pois, de modo, que todos fiquem sabendo a quaes folhas
alludis.

E.--A nenhuma das que citastes. As folhas, que estamos vendo, são folhas
do livro.

P.--Cada uma folha de livro tem duas faces; sabeis que nome se lhes
costuma dar?

E.--É costume chamar-lhes _paginas_.

P.--A primeira e ultima folha dos livros, nas quaes nada ha escripto, e
que ás vezes são de papel pintado, como se chamam?

E.--Não sei.

P.--Qual de vós outros me póde responder?

(Silencio).

P.--Chamam-se _guardas_, porque estão ali, como que para defenderem as
folhas impressas da acção da poeira, dos insectos e das impurezas dos
ledores menos aceiados.

Ha tambem nos livros _ante-rôsto_ e _rôsto_. Fazei mercê de m'os
indicar.

E.--O _ante-rosto_ deve de ser esta folha escripta só de um lado, e que
diz apenas: «Quadros de historia portugueza» o _rosto_ deve de ser a
folha, que se segue immediatamente ao ante-rosto, tambem só de um lado
escripta.

P.--Que significam essas duas palavras: _ante-rôsto_?

E.--Parece-me que querem dizer: folha, que antecede a do rôsto.

P.--Exactamente. Sabeis que outro nome se dá á folha do rôsto?

E.--_Frontispicio_.

P.--Desejava saber por que ao frontispicio chamam tambem, rôsto. Se
algum de vós me poder esclarecer, far-me-ha muito obsequio, satisfazendo
o meu desejo.

E.--Eu não sei; não sei; eu tambem não.

P.--Parece-me que não ha de ser necessario irmos a Coimbra, para
explicar similhante bagatella.

E.--Bagatella!?

P.--Ides ver se o é, ou não. Como se chama esta parte do nosso corpo?
(Apontando o rôsto).

E.--_Cara_.

P.--Não tem outro nome?

E.--_Semblante_.

P.--Não tem outro nome?

E.--_Face_.

P.--Não tem ainda outro nome?

E.--Ah! Chama-se _rosto_.

P.--Que quiz dizer esse ah!?

E.--Já sabemos porque ao frontispicio dos livros se chama tambem rôsto.

P.--Se sabeis, dizei-m'o.

E.--Chamam-lhe rôsto, por que em a gente olhando para aquella folha,
logo conhece o livro, como conhece uma pessoa, em lhe vendo a cara.

P.--Para conhecer um livro, isto é, para saber de que trata, parece-me
que não é indispensavel examinar-lhe o rôsto; bastará ler o titulo, ou
ante-rôsto.

E.--Não é exactamente o mesmo, para tomar conhecimento de um livro, ler
o titulo ou o ante-rôsto, ou o rôsto, porque este indica muitas mais
cousas, que aquelles.

P.--Dizei quaes são.

E.--O titulo da obra por extenso, o nome todo do auctor, a typographia,
a terra onde foi impresso e até o anno.

P.--Bravo! bravo! sr. estudante, muito bem. As vossas respostas
animam-me. Dizei-me se o papel, de que são feitos os livros, é uma
substancia natural, isto é, que se encontre feita, como se encontra a
pedra, a agua, a madeira, o barro, a areia, ou se é um producto da arte,
quero dizer, feito pelo homem.

E.--É producto da arte.

P.--Já alguem vos disse de que é fabricado o papel.

E.--Não, senhor.

P.--Quereis saber?

E.--Se queremos....

P.--Fabrica-se de trapos de linho, canamo, e algodão.

E.--De trapos?!

P.--Sim, de trapos.

E.--Eu pensava que os trapos não prestavam para nada!

P.--Qual é a cousa, que não tem algum prestimo? Os trapos, que vós
despresaveis, e tinheis em conta de nada, são uma riqueza, e prestam
grandissimo serviço á industria, ás artes, ás sciencias e á moral. São
um instrumento indirecto do progresso da humanidade.

E.--Como se faz o papel?

P.--Não posso agora satisfazer a vossa louvavel curiosidade. É muito
complexo o seu fabríco para que vol-o possa expor de modo, que d'elle
fiqueis fazendo perfeita ideia; em vós tendo mais alguns conhecimentos
eu vol-o indicarei por miudo.

E.--O papel é todo da mesma qualidade?

P.--Não é; e aqui tendes a prova (O professor mostra á escola papel de
imprimir, papel de escrever, de filtrar, de embrulho, de seda, pintado,
etc. e vae indicando os nomes de cada um). São de differentes tamanhos
estas folhas. A grandeza de cada uma indica-se pela palavra _formato_, a
qual tambem se emprega para representar a grandeza dos livros e jornaes.

E.--Para que tem este livro na parte inferior da pagina do rôsto a
palavra «_Lisboa_»?

P.--Já se disse que é para mostrar a terra em que foi impresso.

E.--Os livros são impressos?

P.--Não se riam os meninos, que sabem uma cousa, quando outro, que a
ignora, se quer illustrar, e pede que lh'a ensinem.

Ha livros escriptos de mão, como este (Mostra um livro, ou caderno
manuscripto) e muitos existem nas bibliothecas; dizem-se _manuscriptos_.
Actualmente, porém, a maioria, a quasi totalidade dos livros são
_impressos_ isto é, são feitos com estas lettras de metal, a que
chamâmos _typos_. Eil-os. (O professor toma um componedor, poderá ser
dos que usam os compositores de bilhetes de visita e compôe algumas
palavras). Vou compor uma linha, para que vejaes, como se compoem os
livros.

E.--E isto (Apontando o componedor) como se chama?

P.--_Com-po-ne-dor_.

E.--Ha de ser necessario molhar essas lettrinhas em tinta; quereis que
vamos buscar o tinteiro?

P.--A tinta, de que se servem para imprimir, não é a de que usâmos para
escrever. É feita com outras materias muito differentes, e chama-se
_tinta de impressão_. Aqui tenho um bocadinho n'esta caixa. Com esta
_bala_ mólho os typos; ides vêr como as palavras ficam impressas no
papel (O professor executa o que vae dizendo). Estou fazendo de
typographo.

E.--_Typographo_? O que quer isso dizer?

P.--Typographo é o artista, que se occupa em juntar os typos uns aos
outros, para formar as palavras, e estas entre si, para fazer as linhas,
e as linhas para completar as paginas, e as paginas para concluir uma
_folha de impressão_.

E.--_Folha de impressão_ não é o mesmo que a folha de um livro?

P.--_Folha de impressão_ é isto. (Mostra uma folha de impressão).

E.--Os livros são impressos como vós agora imprimistes essa linha?

P.--Não, meu menino; nas _typographias_ ha apparelhos para imprimir, aos
quaes chamamos _prélos_.

E.--Fallastes em _typographias_; o que é typographia?

P.--É a officina onde se compõem e imprimem livros, jornaes, e outros
papeis. Tambem se chama _imprensa_?

E.--Estou vendo sr. professor, que não é só na lombada que os livros tem
algarismos, tambem os tem no alto das paginas.

P.--Resta saber para que elles ahi foram postos.

E.--Foram aqui postos para com facilidade se poder achar e indicar
qualquer passagem do livro.

P.--Para concluirmos este intertenimento, far-lhes-hei mais uma
pergunta. Como todas as cousas tem nome é provavel que tambem o tenham
essas porções em branco, que cercam, em cada pagina, a parte central
impressa; qual será elle?

E.--Estas porções das paginas chamam-se _margens_.

P.--Optimamente.

       *       *       *       *       *

Dos poucos exemplos, que ahi ficam expostos, poderão inferir a utilidade
e attractivos do ensino intuitivo as pessoas, que d'elle não tenham
ainda conhecimento. Cerrando este livro, que escrevemos com sincero
desejo de servir a educação e instrucção, devemos declarar, porque é de
justiça que assim o façâmos, que na Escola normal do sexo masculino, em
Marvilla, de que foi director e professor o intelligente e laborioso sr.
Luiz Filippe Leite, com cuja amizade nos honrâmos, se ensinou muito e
bem pelo methodo intuitivo, que em mãos tão habeis como as do sr. Leite
e seu irmão o sr. Pedro Leite, de certo produziu optimos resultados, de
que sentimos não poder dar aqui minuciosa noticia.



INDICE



                                                                      Pag.

Carta do auctor ao Ex.^{mo} Sr. Conselheiro José Silvestre Ribeiro       5
O Ensino intuitivo                                                       9
Primeira lição                                                          60
Segunda lição                                                           72
Terceira lição                                                          79
Quarta lição                                                            92
Quinta lição                                                            97
Sexta lição                                                            106
Setima lição                                                           113



Obras á venda na loja de livros de Ferreira, Lisboa & C.^a, 132, rua do
Ouro, 134, Lisboa


    O PAE NOVO, commentario ou interpretação das dez _Eclogas_ ou
    _Bucolicas_ de Publio Virgilio Maro, 1 vol. br.      1$000

    NATIVIDADE (J. A. C. da)--Fundamento de analyse grammatical e de
    estylo, e de composição de themas, 1 vol. br.      650

    SYNOPSES e apontamentos grammaticaes para facilitar a analyse das
    orações aos alumnos de instrucção primaria e aos do 1.^o anno de
    portuguez, 1 vol. cart.      200

    TAVARES (H.)--Principios geraes de arithmetica, e systema metrico, 1
    vol. br.      60

    DIAS (J. A.)--Synopse das religiões e seitas etc., 1 vol. br.      500

         »      --Nova Grammatica franceza, 2.^a edição br.      300

         »      --Novissima Grammatica ingleza, 1 vol. br.      480

    BALMES (D. Jayme)--Elementos de Logica, 1 vol. br.      300

    METHODO ZABA para o estudo da Historia Universal, com mappa
    chronologico, chave e taboa de exercicio, 1 vol. br.      200

    MARÇAL A. DE CARVALHO--Problemas de Algebra, 1 vol. br.      500

    CHAGAS (M. P.)--Portuguezes illustres, 2.^a edição, 1 vol. br.      200

    FRADESSO DA SILVEIRA (J. H.)--Estudos, 1 vol. br.      500

    Neste volume agrupou o auctor, oito interessantes artigos em que se
    expõem as questões mais momentosas da estadistica; como instrucção
    primaria e professional, associações de soccorros, exposições,
    fazenda, etc. etc.

    M. M.--Exercicios de cacographia portugueza, br.      100

    MACEDO (J. Tavares de)--Elementos de Orthographia portugueza,
    br.      80

    BAPTISTA (A. M.)--Algumas considerações sobre as diversas fórmas
    comparativas e superlativas da lingua portugueza, br.      80



Á VENDA
NA MESMA LIVRARIA


132--RUA AUREA--134


    Telles (J. J. de Sousa)--Annuario portuguez scientifico, litterario
    e artistico---1863, broch.      1$000

    Simões (Dr. Augusto Filippe)--Erros e preconceitos da educação
    physica, 1 vol. _charp._ broch.      400

    Noirlieu (Abbade Martinho)--Biblia da mocidade, historia do antigo e
    novo testamento. Approvada pelo conselho geral de instrucção
    publica, para uso das escolas, 1 vol. _cart._      240

    Barata (Antonio Francisco)--Estudos da lingua portugueza, 2.^a
    edição accrescentada e conforme ao programma official de portuguez,
    br.      350

    Fradesso da Silveira--(J. H.) Compendio do novo systema legal de
    pesos e medidas, 4.^a edição, broch.      240

    Guedes (J. R.)--Curso de physica elementar. Nova edição, 3 vol., com
    gravuras, broch.      2$400

    Guedes (J. R.)--Curso de historia natural elementar, 1 vol., com
    gravuras, broch.      1$500

    Lopes (J. J.)--Taboada methodica dos rudimentos de arithmetica,
    broch.      200

    Rodrigues (J. Julio)--Mineralogia, 1. vol. broch.      200

    Vidal (A. A. de Pina)--Curso de meteorologia, 1 vol. broch.      600

    Viale (A. J.)--Novo epitome de historia de portugal, adoptado pelo
    conselho geral de instrucção publica, 1 vol. broch.      200


Lisboa--Typ. Universal--1873



Notas:


[1] Ácerca d'este assumpto, bem como de muitos outros pontos da
linguagem portugueza consulte-se a _Orthographia portugueza e missão dos
livros elementares_, correspondencia official relativa ao «Iris
Classico» pelo sr. Conselheiro José Feliciano de Castilho Barreto e
Noronha. Edição do Rio de Janeiro. N'este livro, que é um verdadeiro
thesouro de bôa doutrina, esplende a intelligencia e erudição de um dos
escriptores nacionaes, que mais honram as nossas lettras. Pena é que
poucos em Portugal conheçam obra de tanto merito.

[2] Temos visto muitas vezes nas escolas estarem as crianças a ler com
os livros nos joelhos, o tronco recurvado e a bocca quasi perpendicular
ao horisonte. Aquella postura prejudica a saude, difficulta a emissão da
voz, cança em pouco tempo o ledor, e não o deixa vêr os acenos do
mestre, tendentes a dirigil-o no andamento, pausas, intonações, etc.

[3] Braun Exercices par intuition, ou Questionaire a l'usage des ecoles
gardiennas, etc. Bruxelles--1865.

C. Mayo--Lecciones sobre objetos destinados para niños de cinco a ocho
años, traducidas del orijinal inglés. Madrid--1849.

Foi nosso primeiro intento trasladar para este livro _ipsis verbis_ as
primeiras lições dos dois afamados professores; por motivos, porém, que
escusado é expor, resolvemos tomar d'ellas apenas os liniamentos,
redigindo-as a nosso modo.

[4] Expressão popular e grosseira, que vale tanto como: Elle te
castigará severamente.

[5] N'estes primeiros exercicios vão as respostas, que provavelmente os
estudantinhos darão aos professores; nos outros, as respostas
poder-se-hão deduzir das _Exposições_, que anteporemos a cada exercicio.
Como estes livrinhos não são exclusivamente para os professores, os
quaes de certo possuem sufficiente cabedal de conhecimentos, mas para
mães, paes, e outros educadores menos preparados para o ensino,
pareceu-nos de muita conveniencia subministrar-lhes os indispensaveis
subsidios nas _Exposições_, as quaes dispensarão, até certo ponto o
estudo nos livros dos assumptos dos exercicios.

[6] O dialogo aqui traçado para um, deverá ser ampliado e sustentado com
todos os estudantes, que tiverem entrado ao mesmo tempo, havendo o maior
disvelo em tornal-o quanto possivel deleitavel e variado.

[7] Parece á primeira vista mui pequeno o prestimo do _quadro preto_
n'uma aula, e na realidade é muito util. Convem que todas as aulas de
meninos e meninas o tenham; e que d'elle se sirvam amiudadas vezes
professores e discipulos para os exercicios de soletração, orthographia,
analyse, arithmetica, desenho, etc.

[8] Não se estranhe o emprego da palavra geringonça. As creancinhas são
faceis de contentar; alegram-se e riem com o simples emprego de palavras
menos triviaes, e proseguem mais contentes no estudo. Se ao
explicar-lhes as regras elementares da syntaxe o professor lhes der o
seguinte exemplo: O sol é brilhante, escrevem-n'o e analysam-n'o sem
enthusiasmo; se o professor lhes disser: O gato é manhoso, riem,
alegram-se e atiram-se á analyse da oração de muito boa vontade. Ainda
que estas e outras particularidades do ensino infantil pareçam aos
sabios puras insignificancias, não as desprese o mestre, que tiver a
peito o progresso dos pequeninos.

[9] Dividimos a palavra «cavallete» sem attender á regra orthographica,
que manda repartir as consoantes dobradas pelas duas syllabas, para não
falsearmos a pronunciação; se assim não fizessemos, teriamos:
Ca-val-le-te, que se não diz, nem poderia razoavelmente dizer-se.

[10] Desculpe-se-nos que insistamos em aconselhar aos mestres, que não
sejam avaros de louvores, quando os estudantes os merecerem. É um grande
incitamento o applauso para o que o recebe e para os que o presenceiam.

[11] Novamente declarâmos que estas lições não são traduzidas, mas quasi
exclusivamente nossas.

[12] Todos estes nomes se dão á substancia, de que nas aulas se servem
para apagar os traços, que o lapis deixa no papel. Aos meninos será
conveniente indical-a pelo nome de _borracha_, porque é o mais
commummente usado. Mais tarde se lhes dirá que nem este, nem o de _gomma
elastica_ se deveriam empregar. Como hoje se usa muito do caoutchouc
vulcanisado, tenham os professores a cautela de apresentarem para a
lição, o escuro, isto é, o que não está combinado com enxofre.

[13] Esta lição vem apenas apontada no livro do professor Mayo.

[14] Quasi todos os objectos, que eram feitos de caoutchouc simples, são
agora fabricados com a mesma substancia _vulcanisada_, isto é combinada
com certa quantidade de enxofre, e por tanto differente na côr, no
cheiro, e em outras propriedades do caoutchouc extreme. Se algum menino
reparar na differença e fizer pergunta a tal respeito, dir-lhe-ha o
professor o bastante para esclarecel-o, attendendo ao que atraz
recommendámos, que não se trate a fundo de cousas para entender as quaes
as crianças não estejam preparadas.

[15] Esta lição vem apenas indicada no livro do professor Mayo.

[16] Recommendam Madame Marie Pape Carpentier e outros pedagogistas, que
se tratem as criancinhas com toda a delicadeza, que em vez de se lhes
ordenar que façam uma cousa, se lhes peça por favor que a executem, e
que, se lhes agradeça com urbanidade o terem satisfeito os nossos
pedidos. Este modo de proceder com os pequeninos tem tres grandes
vantagens: desenvolve nos meninos o sentimento da propria dignidade,
captiva a sua benevolencia, e acostuma-os a serem delicados.

[17] Não é para desprezar, no ensino das crianças, este innocente meio
de lhes excitar a curiosidade, tenteando ao mesmo tempo o prazer, ou
enfado, de que estejam tomadas.

[18] O fim d'este exemplo não é ensinar philologia ás criancinhas, mas
il-as habituando a distinguir nas palavras as «radicaes», cujo valor
mais tarde perceberão. O termo «familia» tome-se como synonimo de
aggregado de palavras em que a idéa representada pela radical é a mesma.

[19] Não se define o quadrado, porque os estudantes não sabem ainda o
que seja angulo, e menos o que seja angulo recto.

[20] A lettra E, inicial de estudante, não está n'estas lições indicando
um só e sempre o mesmo estudante; mas o estudante, a que o professor
julga conveniente dirigir-se.



Lista de erros corrigidos


Aqui encontram-se listados todos os erros encontrados e corrigidos:


  +----------+-----------------------+-------------------------------+
  |          |      Original         |      Correcção                |
  +----------+-----------------------+-------------------------------+
  |#pág.   20| Jenuense              | Genuense*                     |
  |#pág.   20| dizia                 | relembrava a regra de Ovidio* |
  |#pág.   31| cujos componente      | cujos componentes             |
  |#pág.   45| lahios                | labios                        |
  |#pág.   51| _impanho imprestar_   | _impanho_, _imprestar_        |
  |#pág.   52| o que emende          | a que emende                  |
  |#pág.   58| comportamente         | comportamento                 |
  |#pág.   85| praticular            | particular                    |
  |#pág.  112| cubica                | cubica)                       |
  |          |                       |                               |
  |#nota   14| ontras                | outras                        |
  +----------+-----------------------+-------------------------------+

* corrigido de acordo com notas/erratas fornecidas no livro.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Ensino intuitivo - livro destinado às mães e paes de familia e às professoras - e professores de instrucção primária" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home