Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Floresta de varios romances
Author: Various
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Floresta de varios romances" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



               CANCIONEIRO E ROMANCEIRO GERAL PORTUGUEZ


                               FLORESTA

                              DE  VARIOS

                               ROMANCES

                              COLLIGIDOS

                                 POR

                           THEOPHILO BRAGA



    _Transformações do romance popular do seculo XVI a XVIII--Romances com
    forma litteraria dos cultistas portuguezes--Romances da Historia de
    Portugal, tirados das Collecções hespanholas._



                                PORTO
                      Typ. da Livraria Nacional
                       2, Rua do Laranjal, 22
                                 --
                                1869



                    *      *      *      *      *

                        FLORESTA DE ROMANCES

                    *      *      *      *      *



FLORESTA

DE VARIOS

ROMANCES

POR

THEOPHILO BRAGA

    Vimos rir, vimos folgar,
    Vimos cousas de prazer,
    Vimos zombar e apodar,
    Motejar, vimos trovar
    Trovas que eram para lêr.

           GARCIA DE REZENDE.



PORTO
Typ. da Livraria Nacional
Rua do Laranjal, 2 a 22
--
1868



TRANSFORMAÇÕES

DO

ROMANCE POPULAR


SECULO XVI A XVIII

Os romances genuinos da tradição oral do povo foram pela primeira vez
recolhidos na _Silva de varios_, em 1550, tendo sido anteriormente
glosados pelos poetas cultos hespanhoes da corte de João II e Henrique
IV; no seculo XVI receberam uma fórma litteraria, dada por Lope de Vega,
Gongora, Fuentes, Lasso de la Vega, Juan de la Cueva e outros. O mesmo
facto se deu em Portugal: Gil Vicente, Bernardim Ribeiro, Jorge Ferreira
de Vasconcellos, Francisco Rodrigues Lobo, Dom Francisco Manoel de Mello
e Balthazar Dias, glosam e imitam os romances populares, já cantando os
feitos da nossa historia, já as façanhas da guerra de Troya e de Roma,
da Tavola-Redonda e de Carlos Magno. Convinha colligir estas flores
dispersas, por onde se mostra que o movimento litterario operado em
Portugal no seculo XVI e XVII era analogo ao de Hespanha; sem ellas o
_Cancioneiro e Romanceiro geral portuguez_ seriam uma obra truncada e
imperfeita.

Não se póde conhecer a litteratura portugueza ignorando as phases das
litteraturas da edade media da Europa. Como a formação das linguas, do
direito, da religião e das instituições sociaes, nenhum facto faz sentir
mais do que a litteratura a unidade de raça dos povos neo-latinos. Quasi
todas as transformações que experimentaram as litteraturas italiana,
franceza, hespanhola e provençal,--quer na forma das primeiras poesias,
nas novellas cavalheirescas, nas Chronicas ou nos contos decameronicos,
no romance popular ou no sentimento da natureza despertado pela
Renascença,--tudo, abertamente o sustentamos, se encontra, mais ou menos
rudimentarmente, na litteratura portugueza. Foi a poesia dos jograes que
soltou os dialectos neo-romanos da sua gaguez pelo canto; em Portugal
vemos tambem que os primeiros monumentos linguisticos são em verso,
essas canções dos seculos XII e XIII, que os criticos não tem sabido
avaliar.

Como conclusão dos estudos sobre a poesia popular portugueza, parecerá
que este povo não tem uma poesia privativamente sua, filha espontanea do
seu genio. As creações epicas que aí ficam nos romances colhidos da
bocca do povo acham-se, é verdade, com alterações accidentaes nos
Romanceiros hespanhoes. Devemo-nos desgostar com a falta de
originalidade? Deveriamos abandonar a missão de recolher essas
venerandas reliquias, por isso que não ha n'ellas uma feição propria? Os
romances pertencem ao povo hespanhol pela fatalidade da raça e pelo
estado social que os produziu. Não sômos nós do mesmo sangue, do mesmo
tronco celtibero? não soffremos nós as mesmas modificações no cadinho da
edade media da Europa? O facto de apparecerem os romances
cavalheirescos hoje em hespanhol é devido a uma circumstancia
material, á curiosidade dos livreiros de Sevilha, Saragoça e Anvers;
entre nós não se curou d'isso, mas nem por isso o povo portuguez deixou
de cantar e poetisar as suas tradições. A parte mais bella dos romances
hespanhoes constará, quando muito, de cem romances anonymos, os quaes se
não referem a factos particulares da historia; estes mesmos andaram na
tradição portugueza no seculo XVI, em tempo que a mente dos dois povos
os elaborava ainda. (_Leis de formação poetica_, III e XIII). Se em
politica Portugal e Hespanha são duas nacionalidades, nas tradições
poeticas são mais do que gemeos, são um mesmo povo. O velho Romanceiro
hespanhol da ultima ametade do seculo XV, o legitimamente popular, tanto
é hespanhol como portuguez; são os cantos d'esta epocha os que se
repetem ainda na sua pureza nativa na Beira-Baixa, Traz-os-Montes e
Açores. Que importa que não tenhamos os vultos poeticos de um Cid, de um
Bernardo del Carpio, se os romances que os celebraram são na maior parte
de origem litteraria, compostos por Lorenzo de Sepulveda, Juan de Leyva,
Lasso de la Vega, e agrupados por Juan de Escobar? O _Romanceiro
portuguez_ é pequeno; mas, ainda ha tão pouco tempo interrogada a
tradição, tem dado o que ha de mais bello e mais antigo na poesia
peninsular.

No tempo de Dom João I, quando o povo deu pela primeira vez signal da
sua existencia politica, foi ao mesmo tempo que revelou a poesia com que
se alentava. Os cavalleiros cortezãos, que discreteavam com damas,
pertenciam á _Ala dos Namorados_ e da _Madre-Silva_, e entretinham-se
com as novellas de Cavallaria do cyclo da Tavola-Redonda: «Porque nam se
nega aos Luzitanos, des ho tempo dos Romanos que fezeram memoria
dos feytos heroycos, hum abalisado e raro grao de cavalaria. E em tempo
del Rey dom João _de boa memoria_ sabemos que seus vassalos no cerco de
Guimarães se nomearam por _cavalleyros da tavola redonda_; e elle por el
rey Arthur. E de sua corte mandou treze cavalleyros Portuguezes a
Londres, que se desafiaram em campo çarrado com outros tantos Ingrezes
nobres e esforçados, por respeyto das damas do Duque Dalencastro. E de
Santarem sayram tres cavalleyros andantes a buscar aventuras, por toda a
Hespanha gaynhando muita honra: e em nossos tempos foram outros a
Italia, Inglaterra e França, em que se abalisaram como gentys soldados:
vindo dahi a capitães não menos que os antigos.»[1] Porem o
unico documento da existencia da poesia popular portugueza mais
evidente, são essas canções que os moradores de Restello e Sacavem
vinham cantar sobre a sepultura do Condestavel D. Nuno Alvares Pereira.
Que ingenuidade de sentir n'aquella strophe dos pobres á porta do
convento do Carmo, aonde estava Nunal'vres! Recolheram-se essas trovas
mais para provar a grandeza do Condestavel do que a santidade do povo.
No reinado de Dom João II os costumes cortezãos tinham banido a poetica
do vulgo; os cavalleiros, quasi todos heroes na conquista do Oriente,
entretinham-se nos serões do paço em fazer versos ás damas sobre casos
sentimentaes, imitações das coplas de Manrique, de Juan de Mena, de Juan
Rodrigues del Padron, do Marquez de Villena e do de Santillana. Garcia
de Resende, recolhendo todas essas coplas, seguira o exemplo do
_Cancioneiro de Baena_; a poesia de um é modello da poesia do outro.
Lendo a nossa vasta collecção de 1516, encontramos os filhos de Dom João
I, como Dom Pedro,[2] adoptando os versos de arte maior e
enlevado na admiração de Mena; seu filho, que foi Rei de Chypre, imita o
gosto prevençal nas tres canções ali conservadas.[3] Na
infinidade das outras composições não se descobre a minima allusão a
costumes, nem a tradições populares. Existem lá composições historicas,
cuja forma não lembra o romance.

Não é para admirar. Don Agustin Duran affirma que nenhum Codice anterior
á primeira metade do seculo XVI conserva vestigios da poesia popular;
apenas o _Cancionero general_ de Hernando del Castillo, publicado em
Valencia de Aragon em 1511, contêm alguns fragmentos de romances
glosados. Taes são os romances sacros: _Durmiendo yva el Señor_,[4]
_Terra y cielos se quexavan_,[5] e mais trinta romances
com glosas, como são o de _Conde Claros_, com glosa de Francisco de Leon
e uma imitação de Lope de Sosa; o romance de _Rosa fresca, rosa fresca_
com a glosa de Pinar; o de _Fonte frida, fonte frida_ com a glosa de
Tapia; o de _Yo m'era mora morayna_, e outros muitos feitos pelos poetas
cultos das cortes de Dom João II e Enrique IV, como Don Juan Manoel, o
Comendador de Avila, Juan de Leyva, Garci Sanchez de Badajoz, o Bacharel
Alonso Poza, Juan de la Ensina.[6] Estes poetas ou se serviam
de fragmentos de romances populares para as suas glosas, ou os
parodiavam. Quando, pela primeira vez, os romances populares foram
recolhidos da tradição oral, em 1550, por Estevan de Najera, na colleção
de Saragoça intitulada _Silva de varios romances_, muitos fragmentos do
_Cancionero_ de Hernando del Castillo appareceram mais completos. É
natural que, antes d'esta primeira collecionação, os cantos do povo
andassem em _pliegos sueltos_ ou folha volante, com que mais tarde os
livreiros tanto especularam. Pelo menos, os melhores romances da
collecção de Najera encontram-se em folha solta de duas columnas, em
typo gothico, sem logar de impressão, sem data e frontispicio: taes são
os romances de _Durandarte_, de _Grimaltos_, do _Marquez de Mantua_, dos
_Sete Infantes de Lara_, de _Gayfeiros_, do _Conde Claros de Montalvan_,
do _Conde Dirlos_, de _Calaynos_, e outros muitos que se podem vêr no
precioso trabalho do infatigavel Don Agustin Duran.[7] Os
commentadores de Ticknor são de opinião, que antes das collecções os
romances não andaram em _pliegos sueltos_, e fundam-se no prologo de
Najera: «Eu não nego que em muitos dos romances impressos hajam
casualmente erros; mas são devidos _ás copias d'onde os extraí_, copias
quasi sempre alteradas, e á fraqueza da memoria das pessoas que nol-os
dictavam e que se não podiam recordar perfeitamente.» D'onde concluem
que o povo se servia de _cadernos manuscriptos_.[8] Ao mesmo
tempo Martin Nucio imprimiu esta mesma collecção em Anvers, para uso
dos soldados e do povo que se achava fóra de Hespanha nos Paizes Baixos.
O gosto da época pelas trovas cultas fel-o adoptar o titulo de
_Cancionero_, com que então se nobilitavam todas as collecções. Emquanto
o gosto dos romances populares se vulgarisava em Hespanha, em Portugal
os poetas da corte de Affonso V e Dom João II não sonham a existencia
d'esse riquissimo veio de poesia, continuam nas suas trovas do _cuydar e
sospirar_. Apenas Garcia de Resende, chronista de Dom João II, e
collector das canções da sua corte, mostra ter conhecido esse
renascimento em uma glosa que fez a um romance velho, e em algumas
palavras da dedicatoria do _Cancioneiro geral_.

No _Cancioneiro geral_ sómente se depáram, com forma de romance, umas
trovas que fez Garcia de Resende á morte de Ignez de Castro, que
principiam:[9]

    Eu era moça menina
    per nome dona Ines
    de Castro, e de tal doutrina
    e vertudes, qu'era dina
    de meu mal ser ho rreues.
    Uivia, sem me lembrar
    que paixan podia dar,
    nem dal-a ninguem a mim;
    foy m'o principe olhar
    por seu nojo e mynha fim.

N'este tempo a fórma do romance popular estava despresada completamente;
Garcia de Resende, traz mais um romance fragmentado, conservado a a
pretexto da glosa:[10]

           RYMANÇE

    Tyempo bueno, tyempo bueno,
    quyen te llevo de my!
    Qu'en acordar-me de ti
    todo plazer m'es ajeno.
    Fue tyempo y oras ufanas,
    em que mys dias gozaron.
    Mas en elhas se sembrarom
    la symyente de mys canas.
    Quyen no lhora lo passado,
    vyendo qual va lo presente?
    Quyen busca mas açydente
    de lo qu'el tiempo l'a dado?
    Yo me vy ser byen amado,
    my deseo em alta çyma.
    Contemplar em tal estado
    la memorea me lastyma.
    Y pues todo m'es ausente,
    no ssé qual estremo escoja,
    Byen y mal, todo m'anoja:
    mesquyno, de quyen lo syente!

Este romance parece uma imitação dos dois celebres romances conservados
no _Cancionero general_ de Hernando del Castillo, _Fonte frida, Fonte
frida_, e _Rosa fresca, Rosa fresca_, muitas e muitas vezes glosados
pelos poetas palacianos. O romance de _Tyempo bueno_ é um trecho
conservado por causa da glosa. Então o renascimento das canções
provençaes distrahia os serões das principaes cortes da Europa.

O romance popular era antigo e invariavel nos seus moldes; muitas das
suas strophes tinham-se convertido em proverbio, como se vêem no _Don
Quijote_; não se prestando a perpetuar as anecdotas palacianas, a glosa
veiu mobilisal-o. O romance popular, simples de condição, franco, rude,
tocava a verdade na sua espontaneidade mais divina; era narrativo, não
sabia abstraír, dramatisava, accumulava as situações. Era preciso um
genio superior para comprehender a sua ingenuidade profunda. Lope de
Vega foi um dos primeiros que lhe deu importancia; começou por mostrar
que o metro octasyllabo servia para exprimir os mais altos pensamentos e
poz em forma de romance os dolorosissimos passos da Paixão. Rengifo, na
_Poetica española_, reconhece a superioridade do romance.[11]

Só Gil Vicente foi o unico escriptor portuguez do seculo XVI conhecedor
da vida do povo, das suas superstições e dos seus cantos. Na _Comedia de
Rubena_, representada em 1521, cita um grande numero de romances
populares, a que allude, como a cousa que por sabida não repete. É certo
que o nosso povo, apesar do despreso dos cultistas, continuou a acceitar
o romance, e doutra sorte se não explica a reimpressão do _Cancionero de
Anvers_ em Portugal por Manoel de Lyra em 1551; a apparição do pequeno
in-12, intitulado _Ramilhete de flores: cuarta, quinta e sexta partes de
romances nuevos hasta agora não impressos_, que Pedro de Flores,
collector do _Romancero generale_, imprimiu em Lisboa em casa de Antonio
Alvares em 1593; bem como o _Romancero del Cid_ de Juan de Escobar, em
Lisboa em 1605, 1613 e em 1615, e a _Primavera y Flor de los mejores
romances_ tambem em Lisboa, nos prelos de Matheus Pinheiro, em 1626.

O romance de _Dom Duardos_, composto por Gil Vicente, foi recolhido no
_Cancionero de Romances_ como anonymo, e assim a historia dos amores de
Bernardim Ribeiro. Na _Menina e Moça_ encontra-se o solao da _Ama_ e o
romance de _Avalor_, mas com a difficil alliança do artificio
provençalesco com a naturalidade da alma popular. Nas novellas
cavalheirescas usava-se intercalar varias composições poeticas; no
_Memorial dos cavalleiros da Tavola Redonda_ de Jorge Ferreira, se lêem
muitos romances do cyclo troyano, do cyclo de Arthur, da historia de
Roma, como então os fazia Gabriel Lasso de la Vega e Juan de la Cueva;
mas é para notar que alguns dos romances de Jorge Ferreira se parecem
muito com os romances da tradição, conservados no _Cancionero de
Anvers_, taes como os que tratam da morte de Policena. Quando a eschola
italiana se introduziu em Portugal procurou tambem banir das composições
poeticas o octosyllabo da redondilha.

A eschola italiana não foi introduzida sem lucta na Peninsula; em
Hespanha conhece-se bem qual foi a grandeza do combate. Em Portugal
quasi nada consta, a não serem umas allusões de Sá de Miranda, de
Ferreira e Bernardes. Boscan e Garcilasso davam-se por introductores em
Hespanha dos novos metros italianos, fazendo uma revolução na poetica,
pela qual o octasyllabo popular era expungido, substituido pelo
endecasyllabo heroico. Argote de Molina nega-lhes o invento, e Lope de
Vega decide-se abertamente pelo velho e despresado octasyllabo, como o
metro espontaneo da lingua hespanhola. Na edição do _Conde de Lucanor_
de 1575, Gonzalo Argote de Molina, publicou um _Discurso sobre a poesia
antiga castelhana_, em que diz: «Bolviendo al proposito, los Castellanos
y Catalanes guardaron en esta composicion (redondilla) cierto numero de
pies ligados, com cierta ley de consonantes, por la qual ligadura se
llamó COPLA, compostura cierto graciosa, dulce, y de agradable
facilidad, y capaz de todo el ornato que qualquer verso puede toner, _si
se les persuadiesse esto a los Poetas deste tiempo, que cada dia la van
olvidando, por la gravedad y artificio de las rimas Italianas_, à
pesar del bueno de Castillejo, que desto graciosamente se quexa en sus
coplas, el qual tiene en su favor, y de su parte el exemplo deste
Principe Don Juan Manoel, y de otros cavalleros muy principales
castellanos, que se pagaram mucho desta composicion, como fueron el Rey
Don Alonso el Sabio, el Rey Don Juan el Segundo, el Marquez de
Santillana, Don Henrique de Villena, y otros de los quales leemos coplas
y canciones de muy gracioso donaire.»[12]

Este documento revela-nos a reação contra a poetica estrangeira. Mas bem
vistas as cousas, a questão provinha de se não ter conhecido ainda a
unidade das linguas romanas. Argote de Molina, provando que os metros
endecasyllabos já existiam na velha poesia castelhana, afirmava
insensivelmente a unidade da poetica das linguas neo-latinas.
Transcrevemos aqui a sua opinião, para uso dos que ainda attribuem a
Boscan e Garcilasso essa reforma ou renascença poetica, que vulgarisou
os versos grandes ou endecasyllabos: «Es grave, lleno, capaz de todo
ornamento y figura, y finalmente entre todos generos de versos le
podemos llamar Heroico, el qual a cabo de algunos siglos que andava
desterrado de su naturaleza, ha buelto a España, donde ha sido bien
recebido, y tratado como natural, y aun se puede dezir, que en nuestra
lengua, por la elegancia e dulçura della, es mas liso y sonoro que en
alguna vez paresce en la Italiana.--No fueron los primeros que los
restituyeron a España el Boscan e Garcilasso (como algunos creen) porque
ya en tiempo del Rey Don Juan el Segundo era usado, como vemos en el
libro de los Sonetos y Canciones del Marquez de Santillana, que yo
tengo, aunque fueron los primeros que mejor le trataron, particularmente
el Garcilasso, que en la dulçura y lindeza de concetos, y en el arte y
elegancia no deve nada al Petrarca, ni à los demas excelentes Poetas de
Italia.»[13] A lucta contra a introducção dos versos italianos
foi renhida; os buccolistas chamavam ao verso octasyllabo _humilde_ e
_rasteiro_. Lope de Vega, com a auctoridade do seu grande nome,
decide-se pelo verso nacional, e escreve o poema de _Santo Isidro_ para
o fazer valer em um assumpto religioso: «y de ser en este genero que ya
los Españoles llaman _humilde_, no doy ninguna, porque no pienso que el
verso largo Italiano haga ventaja al nuestro: que si en España lo dizen,
es porque no sabiendo hazer el suo, se passan al estrangero, como mas
largo, y licencioso: y yo sè que algunos Italianos embidian la gracia,
difficultad y sonido de nuestras redondillas, y aun han querido
imitallas, como lo hizo Seraphino Aquilano... Llamando a nuestras coplas
castellanas Barzeletas, ò Fretolas, que mejor las pudiera llamar
sentencias, y concetos, desnudos de todo cansado y inutil artificio, que
cosa iguala á una redondilla de Garci Sanches, ò Don Diego de Mendoça:
perdone el divino Garcilasso, que tanta occasion dio para que se
lamentasse Castillejo, festivo e ingenioso poeta castellano, a quien
parecia mucho Luis Gualvez Montalvo, con cuya muerte subita se perdieron
muchas floridas coplas de este genero, particularmente la traducion de
la Jerusalem de Torcato Tasso, que parece que se avia ydo á Italia à
escrivirlas para meterles las higas en los ojos. Maravillosas son las
estancias del excelente portugues Camões: pero la mejor no yguala
a sus mismas _redondilhas_, etc.» [14]

O proprio Boscan, no prologo ao livro II das suas poesias, descreve os
ataques que soffreu a nova eschola, e nos revela a quem foi devida a
idêa para a revolução na poetica nacional. Um cavalleiro italiano, muito
conhecido em Hespanha pelo seu gosto e importancia individual, Navajero,
estando a conversar em cousas de letras, lembrou-lhe que experimentasse
as trovas usadas pelos bons autores de Italia. Boscan cedeu ás
instancias e experimentou; a final o verso endecasyllabo moldava-se á
nova forma, como se fosse creado com ella. Garcilasso veiu imprimir o
cunho da perfeição á nova tentativa. Aqui estão os dois modelos tão
imitados em Portugal pelos poetas quinhentistas. O metro octosyllabo
ficou desprezado; e as composições do povo que o preferiam, ficaram até
ao principio d'este seculo desconhecidas.

O metro espontaneo das linguas hespanhola e portugueza é a redondilha
octosyllabica; o verso da redondilha sae falado, natural, sem se pensar.
No _Discurso sobre la lengua castellana_ de Argote y de Molina, vem:
«Leemos algunas coplillas Italianas antiguas en este verso, pero el es
proprio e natural de España, en cuya lengua se halla mas antiguo que en
alguna otra de las vulgares, y assi en ella solamente tiene toda la
gracia, lindez e agudez que es mas propria del ingenio Español, que de
otro alguno.--En el qual genero de verso al principio se celebravan en
Castilla las hazañas y proezas antiguas de los Reys, y los trances y
successos assi de la paz, como de la guerra, y los hechos notables de
los Condes, Cavalleros, y Infançones, como son testimonio los
_Romances antiguos castellanos_, assi como el del Rey Ramiro cuyo
principio es: _Ya se assienta el Rey Ramiro._»[15]

Muitas vezes a historia era fundada sobre os romances da tradição oral;
Esteban de Garibay y Zamalloa traz na sua Historia varios romances
vasconços. D'elles, diz Argote: «en los quales romances hasta oy dia se
perpetua la memoria de los passados, y son una buena parte de las
antiguas historias castellanas de quien el Rey Don Alonso se aprovechó
en su historia, y en ella se conserva la antiguidad, y propriedad de
nuestra lengua.»[16] Só a contar do seculo XVI é que os
romances populares começaram a tomar uma natureza artificial; até aí as
chronicas procuravam o subsidio da tradicção oral; d'aí por diante os
poetas iam tirar d'ellas os motivos e factos para os seus romances.
Sepulveda poz em verso os principaes factos da Chronica de Affonso o Sabio.

O que se dava em Hespanha acontecia egualmente em Portugal; Gil Vicente
cantava em romances a morte de Dom Manoel, a acclamação de João III, o
casamento e partida da Infanta Dona Beatriz, o nascimento de Dom Filippe.
Era a moda do tempo, como confessa o proprio Sepulveda no prologo da sua
collecção: «va puesto en estyllo que vuestra merced lea. Digo en metro
Castellano y en tono de _Romances viejos, que és lo que agora se usa_.»[17]
Por este tempo entraram na tradição do povo muitos romances de formação
litteraria. O romance de _Don Duardos_, de Gil Vicente, foi recolhido nos
Romanceiros hespanhoes; o Cavalheiro de Oliveira o colligiu outra vez da
versão oral, e ha pouco nos veiu da Ilha de Sam Jorge, da freguezia dos
Rosaes, outra variante não menos veneranda, se não mais pura. Estes
romances eram intencionalmente compostos para serem cantados, em logar dos
_velhos_ e quasi perdidos da Tavola Redonda e do Cyclo carolino. Dil-o
Sepulveda no prologo da sua collecção: que a fizera «para aprovechar-se los
que cantarlos quisieren, en logar de otros muchos que yo he visto impressos
y de muy poco fructo.»[18] Estes romances, a que allude Sepulveda com
desprezo, são hoje a parte mais bella e divina dos Romanceiros da
Peninsula. Portanto, pode dizer-se, que a transformação erudita do romance
popular foi devida á falta de comprehensão dos cultistas litterarios. O
mesmo tinha já succedido no seculo XV, quando o Marquez de Santillana,
enlevado com os artificios da poetica provençal, considerava como _infimos_
e _despresiveis_ os que cultivavam a forma do romance. No seculo XVI, a
imitação do classicismo e dos metros italianos fez novamente desprezar o
metro octosyllabo pelo endecasyllabo heroico. Os que sustentam o combate
pelo metro popular, como Lope de Vega, Argote y de Molina e Sepulveda,
entregam-se ao romance como á forma mais do gosto do publico não
accostumado ás canções petrarchistas. Não deixa de ser curiosa a lucta
entre a eschola italiana e a nacional, em Hespanha suscitada por Boscan e
Garcilasso, e em Portugal pelo Doutor Francisco de Sá de Miranda. Na sua
viagem á Italia, Sá de Miranda tomou conhecimento da nova poesia; elle fala
dos Provençaes, de Dante, de Petrarcha, de Ariosto, de Bembo, e quiz
implantar cá esses modelos. Não foi bem acolhido o pensamento. Egual
arruido ao que se fez com Boscan, suscitou a tentativa de Sá de Miranda.
Ninguem fala n'essa lucta; mas nos poetas quinhentistas se acham a cada
pagina rastos de uma mal ferida pugna.

Sobre a introducção da eschola italiana, diz Sá de Miranda na Ecloga IV,
a Dom Manoel de Portugal, _lume do Paço_, das musas mimoso:

              que são dignos
    De perdão os começos já que fiz
    Aberta aos bons cantares peregrinos,
    Fiz o que pude....[19]

Riram-se dos novos metros; e Sá de Miranda quando esperava o bom
acolhimento da boa obra,

                ouve aos sisos
    Medo (que assi o confesso) e a uns pontosos
    De rostro carregados, e de uns risos
    Sardonios, ou mais claro, maliciosos.

Antonio Pereira de Marramaque, senhor de Basto, da familia dos Forjazes
e Pereiras, offereceu a Sá de Miranda um exemplar das obras de
Garcilasso, quando elle se retirára para a sua casa de campo.
Agradecendo-lhe a offerta que o distrahia na solidão, ainda Sá de
Miranda se lembra dos esforços que fez para implantar a nova eschola:

    Que el son que me aplazia
    Por mi hiziesse a plazer a nuestra gente.[20]

E na morte de Garcilasso canta:

    Al tan antiguo aprisco
    De Lassos de La Vega
    Tuyo, el nuestro de Sá viste augmentado.[21]

A eschola italiana, fundada por Sá de Miranda, teve por adeptos a Pero
de Andrade Caminha, a Ferreira e Bernardes, que se proclamaram
discipulos do poeta. Caminha envia-lhe os seus versos, para

            que os queiraes vêr
    E riscar, e emendar, porque emendados
    Por vós, possam andar mais confiados
    Do que por meus poderam merecer.[22]

Dom Manoel de Portugal tambem lhe envia poesias suas para serem revistas:

    Por isso ante vós vão tão confiadas,
    Rarissimo Francisco, e excellente,
    A rudeza do estylo differente,
    E as incultas estanças desornadas.

Diogo Bernardes como estreia do anno novo envia-lhe uma copia das suas
Flores do Lima, como se deprehende do soneto XXIV:

    Neste começo do anno, em tão bom dia
    Tão claro, porque não faleça nada,
    Me foi da vossa parte appresentada
    Vossa composição boa á porfia.

N'este mesmo soneto refere-se Sá de Miranda ás difficuldades que teve a
eschola italiana ao introduzir-se em Portugal:

    De espanto me enche quanto ali via,
    E mais em parte cá tão desviada
    Sempre até agora da direita estrada
    De Clio, de Caliope e Thalia.

Sá de Miranda tambem louva Jorge de Monte-Mayor, introductor da novella
pastoril italiana na Peninsula. A lucta entre os poetas _velhos_, como
chamavam aos partidarios da redondilha antiga, e os da eschola
italiana, conhece-se que foi renhida pelas frequentes allusões dos
quinhentistas; não ha porém documentos que esclareçam a historia d'essas
luctas tão vulgares no dominio da litteratura. A maledicencia não era
poupada de parte a parte:

    Em tal sasão, tempo tão avaro
    De louvores alheios, em tal dano
    Dos engenhos, que se acham sem amparo.[23]

Antonio Ferreira dá a entender estas mesmas guerras, em uma Carta a Sá
de Miranda:

    Já contra «a tyrannia do costume»
    Que té qui, como escravos em cadeias
    Os tinha, subir tentam ao alto cume
    Do teu sagrado monte, d'onde as veias
    Desse licor riquissimas assiste
    De que já correm mil ribeiras cheias.
    ...................................
    Mas oh tempos crueis! (sôe meu grito
    Por todo o mundo) mas, ah tempos duros,
    Em que não sôa bem o bom escripto.[24]

N'esta outra Carta de Ferreira a Antonio de Sá de Menezes, descobre a
malevolencia que havia contra a eschola italiana:

    Já esta nossa terra engenhos tem
    Das musas bem criados, «mas mal criados»
    Que sempre o mal anda abatendo o bem.[25]

A final triumphou a eschola italiana, e com ella começou a decadencia da
poesia nacional dos dois povos da Peninsula. Os romances populares
caíram em um immenso desprezo; nos escriptores de quinhentos encontrámos
bastantes allusoes a romances tradicionaes, mas citam-nos de
passagem, como quem se envergonha de uma cousa baixa.

Jorge Ferreira de Vasconcellos, no _Memorial dos Cavalleiros da Tavola
Redonda_, (p. 348) descrevendo umas festas do tempo de Dom João III,
diz: «dentro vinha assentada a Deosa Diana em meio de duas ninfas, uma
que tangia uma harpa, e outra um arrabilete, e a deosa cantando uma
estancia da primeira ecloga de Garcilasso que diz:

    Por ti el silencio de la selva umbrosa.»

O gosto da Renascença classica, em quanto entre nós não baniu o romance
popular, serviu-se d'essa forma para popularisar as tradições da
antiguidade grega e romana. Jorge Ferreira é o unico que nos appresenta
alguns romances da historia de Troya; são elles tão parecidos com os do
_Cancionero de Anvers_, que suppômos até serem as suas versões em parte
aproveitadas da tradição oral, como foram os colligidos por Esteban de
Najera. O romance ao casto Scipião sobre a morte de Sophonisba tambem
foi romanceado por Juan de la Cueva no _Coro Febeo_; porém a lição de
Jorge Ferreira é mais resumida, mais filha da tradição; o mesmo se póde
dizer do romance da _Batalha de Pharsalia_ do mesmo, comparado com os de
Lobo Lasso de la Vega, no seu _Romancero y Tragedias_.

Como poderia um poeta classico considerar a poesia popular senão com
desprezo? Soropita, no seu _Prognostico do anno de 1595_, descreve as
festas das _Janeiras e Reis_ de um modo grotesco: «na noute da vespera
de janeiro e dos Reis, andarão cantando e tangendo pelas ruas, sem se
temerem da justiça, por serem noites privilegiadas em que não
correm o sino.»--Segundo elle os cantores nocturnos são «villões ruins
que essas noites vos perseguem; porque, quando vos não percataes,
achael-os á porta com seu pandeirinho eivado já do serão, e com mais
sarro na garganta do que as cubas dos frades loios; e com tudo isso, vos
põem em estado que forçosamente lhe haveis de louvar aquella musica de
agua pé com chocalhada, que toda a noute vos zune nos ouvidos como
bizouro, e sobre tudo isto haveis de lhe offertar os vossos quatro
vintens; e quando lh'os entregues, a candeia vos descobre o feitio dos
ditos musicos: um mocho com sombreiro, com mais chocas que um corredor
de folha, e lança-vos baforada de dentro d'aquellas fornalhas, que
parece que toda a vida estiveram de vinho e alhos, como entrecosto de
marrã.» (p. 79) Este trecho lança abundante luz sobre essas festas
domesticas dos nossos maiores.

A reacção catholica contra o movimento da Reforma atacou barbaramente os
cantos populares. Em Portugal não só as _Constituições dos Bispados_ o
provam, senão até o popular Gil Vicente, que se queixa da grande
tristeza em que caíra a alma do pobre povo:

    Em Portugal vi eu já
    Em cada casa pandeiro,
    E gaita em cada palheiro;
    E de vinte annos a cá
    Não vi gaita, nem gaiteiro.
    A cada porta um terreiro,
    Cada aldeia dez folias.
    Cada casa atabaqueiro;
    E agora Jeremias
    He nosso tamborileiro.

Isto descobre Gil Vicente na tragi-comedia do _Triumpho do Inverno_,
representada em Lisboa no parto da rainha Dona Catherina. Gil
Vicente foi o primeiro que sentiu o tremendo cataclysmo que ameaçava
este povo; elle não se cansou de clamar em todos os seus Autos, de
desmascarar o inimigo. Mas os presentimentos d'aquella grande alma não
tiveram mais valor do que as facecias de um jogral.

A influencia jesuitica fez-se notar pela proscripção da poesia popular
no Brazil. O padre José Anchieta compoz o _Auto da Pregação Universal_,
para expungir do templo os Autos populares.[26]

Na vida do padre Simão de Vasconcellos, diz o padre Anchieta, falando
das crianças selvagens que educavam: «Espalhavam-se á noite pelas casas
de seus parentes a cantar as cantigas pias de José (Anchieta) em propria
lingua, contrapostas ás que elles _costumavam_ cantar vãs e
gentilicas.»[27]

Da poesia popular do Brazil nos seculos XVI e XVII, diz Varnhagem: «Das
_modinhas_ poucas conhecemos; e essas insignificantes e de epoca
incerta, a não ser a bahiana:

    Bangué, que será de ti?

glosada por Gregorio de Matos: essa mesma sabemos ser antiga, mas não
nos foi possivel alcançal-a completa. Não deixaremos de commemorar a do
_Vitú_, que crêmos ter o sabor do primeiro seculo da colonisação, o que
parece comprovar-se com ser em todas as provincias do Brazil tão
conhecida. Diz assim:

    «Vem cá, Vitú! Vem cá, Vitú!
    --Não vou lá, não vou lá, não vou lá--:
    «Que é d'elle o teu camarada?
    --Agua do monte o levou.
    «Não foi agua, não foi nada,
    Foi cachaça que o matou.

Igualmente antiga nos parece esta modinha paulista:

    Mandei fazer um balaio
    Para botar algodão.[28]

Os livros populares da Allemanha foram publicados no bello trabalho de
Göerres (_Volksbucher._) Entre nós nunca se recolheram as formulas
symbolicas das jurandas, mas é certo que existiam, como se descobre pelo
regimento dos officios na procissão de _Corpus_. (Extrahil-o de J. P.
Ribeiro.) Os livros populares portuguezes são quasi todos de origem
estrangeira; o _Bertholdo e Bertholdino_, de origem italiana, são para o
Meio Dia o mesmo que o _Eulenspiegel_ para os camponios allemães. A
Reforma restringiu a litteratura popular da Allemanha; no Meio Dia baniu
a poesia, amaldiçoôu a cantiga do pobre. Basta abrirmos as
_Constituições dos Bispados_, o _Index do Santo Officio_, para vêrmos
como o catholicismo se debateu em tudo contra o receio da emancipação
canonica. A novella de _Roberto do Diabo_ acha-se condemnada no _Index
Expurgatorio_ de 1580, bem como a maior parte das comedias dos auctores
mais populares, como Gil Vicente e Balthazar Dias, e assim os romances
que andavam na tradição da Peninsula, como o do _Mouro Calaynos e todos
os tirados da letra da Escriptura_. O odio do catholicismo ao movimento
espontaneo da Reforma creou a perseguição dos _Lollards_, e tornou estes
povos da Peninsula sombrios, melancholicos, desconfiados;
matou-lhes a poesia, embruteceu-os. Os cantos populares da Peninsula,
que o povo repete hoje fragmentados, são todos dos fins do seculo XV.
Que seiva de genio n'esse tempo! que differença de sentimento!
Comparem-se os romances de _Fonte frida_ e _Rosa fresca_, de _Mora
Moraina_ com as contrafações do gosto popular das eclogas e mesmo dos
romances do seculo XVII!

A arte é como a consciencia pura; uma leve falsidade a perturba, e a
obriga a trahir-se. O Concilio de Trento imprimiu unidade á Egreja, mas
tirou-lhe a espontaneidade do sentimento, que a tinha tornado universal.
Christo ficou desthronado pelo Papa.

Os livros populares portuguezes de _folha volante_, que se vendiam pelas
feiras, na arqueta do belfurinheiro, ou no barbante do cego, foram
tambem condemnados pelos meticulosos da censura inquisitorial: «Os
vendedores de _Autos_ e _Cartilhas_, não vendam, nem comprem para
vender, outros livros sem primeiro os mostrarem ao Revedor: porque
algumas pessoas escondidamente tem alguns livros, que elles compram e
vendem, sem saber o que ha nos taes livros, e se seguem d'isso
inconvenientes: e ha enformação, que nas taes tendas, se acham livros
suspectos e perjudiciaes. E os sollicitadores do Santo Officio visitarão
algumas vezes os ditos logares e farão saber ao Revedor, os livros que
ali se vendem. O mesmo se fará dos _livros que se vendem nas
feiras_.»[29]

Quando Garcia de Resende, na _Miscellanea_, fala das varias dansas que
se usaram nas cortes de D. Affonso V e D. João II, é já como de
uma cousa que passára de moda, como reprovada:

    Vimos grandes judarias,
    Judeos, guinolas e touras,
    tambem mouras, mourarias,
    seus bailes, galantarias
    de muitas fermozas mouras
    sempre nas festas reaes
    s'eram os dias principaes
    festa de mouros avia;
    tambem festa se fazia
    que non podia ser mais.

    Vimos costume bem cham
    nos reys ter esta maneira
    corpo de Deos, Sam Joam
    aver canas, procissam,
    aos domingos carreira,
    cavalgar pela cidade
    com muyta solennidade,
    ver correr, saltar, luctar,
    dançar, caçar, montear
    em seus tempos e hidade.

Como não seriam engraçadas essas danças judengas e mouriscas, das quaes
diz um poeta do _Cancioneiro geral_ de 1516:

    Doçe baylo da Mourisca
    mil sentidos faz perder,
    e la mete huma lal trisca
    que é muy má de guarecer.[30]

Esses jogos que se usavam na corte de Affonso V e Dom João II, que o
Coudel Mór tanto recommendava a seu sobrinho Garcia de Mello de Serpa
para saber tratar no paço, foram banidos mais tarde pela influencia
monastica, ficando os serões da corte uma cousa sorumbatica, como d'isso
se queixa o bom Sá de Miranda. Eis os jogos e passatempos que Fernão da
Silveira ennumera:

    Item manha de louvar
    he jugar bem o «malham,»
    e o «jogo do piam»
    favor se lhe deve dar.
    Nem sey porque mays vos gabe
    ser gram pescador de «vasa;»
    mas «jogar a abadalassa»
    em qualquer galante cabe.

    Saber bem a «pega-chuna,»
    e o «cubre bem jugar,»
    sam duas para medrar
    galante contra fortuna.
    Nem saberia a hum fylho
    escolher mylhor conselho,
    se nam que jogo-o «fytelho,»
    «jaldeta, cunca, sarilho.»[31]

Estes jogos passaram da corte para o povo; o mesmo succedeu com as
antigas festas do Espirito-Santo. Costa e Silva diz dos jogos que
apontámos: «sam propriedade exclusiva dos garotos, dos rapazes e dos
frequentadores das tabernas e das hortas de Chelas e de Arroios.»

Camões na comedia de _Philodemo_, em uma rubrica, cita varios
instrumentos musicos das serenadas: «N'este passo se dá a musica com
todos quatro, um tange _guitarra_, outro _pentem_, outro _telhinha_,
outro _canta cantigas muito velhas_...»[32]

Dos instrumentos musicos usados no seculo XVII, fala D. Francisco Manoel
de Mello, no _Fidalgo Aprendiz_:

    MESTRE.  Ha em casa algum «laúde?»
    AFFONSO. Não ha mais que um «birimbao.»
    MESTRE.  «Violas?»
    AFFONSO.          Sim, achareis
             Na botica.
    MESTRE.            «Arpa?»
    AFFONSO.                  De couro.
    MESTRE.  Nem um «sestro?»
    AFFONSO.                 Um sestro agouro.
    MESTRE.  Nem sequer dois «cascaveis?»

N'esta comedia allude tambem ás danças então usadas:

    GIL.    Pois Mestre, que mais sabeis?
    MESTRE. Uma «Alta,» um «Pé de xibao,»
            «Galharda, Pavana rica,»
            E nestas novas mudanças;
    GIL.    Tende que isso não são dansas
            Se não cousas de botica.
            Sabeís o «Sapateado?»
            O «Terollero?» o «Villão?»
            O «Mochachim?»
    MESTRE.                Senhor, não.
    GIL.    Pois sois Mestre mui minguado.[33]

Além da eschola italiana e do Santo Officio, as influencias da corte
tambem combateram a poesia popular portugueza. No tempo de Dom Manoel os
romances hespanhoes eram de preferencia estimados em Portugal; Damião de
Goes queixa-se da importancia que os _chocarreiros_ castelhanos gosavam
na corte portugueza. El-rei queria aliviar as saudades da filha de
Fernando e Isabel com os cantares da sua patria. A _letra castelhana_
era só ouvida, como diz D. Francisco Manoel; os ouvidos portuguezes
estavam aforados por essas trovas, como os accusa Jorge Ferreira. Os
belfurinheiros portuguezes, que iam ás cidades de Hespanha vender os
productos do Oriente, tambem traziam de lá boa copia d'esses romances.
Assim, ao cultismo da eschola italiana, á pressão do Santo Officio
depois da Reforma, accresceu mais esta causa que não deixou florir o
romance popular portuguez, e lhe imprimiu feições que lhe não eram
naturaes.

No _Romancero Generale_, vem um romance cujo heroe é um apaixonado
portuguez victima de uma intriga amorosa; por elle se descobrem os
nossos costumes antigos. No seculo XVI, os feirantes portuguezes
iam levar pelas cidades de Hespanha os productos orientaes. Um d'esses,
em um logar da Mancha, namorou uma mulher casada:

    Alabábale su tiera,
    Su nacion, su fidalguia,
    Su musica, sus regalos,
    Su espada en Africa limpia,
    Prometiendole en efecto
    Las especies de las Indias,
    Los olores de Lisboa,
    Y los barros de la China.

De uma vez foi tocar-lhe uma serenada, cantando-lhe _em portuguez_ este
romance do Cid:

    --Afora, afora Rodrigo,
    El soberbo castejano,
    Acordar-se-te deveras
    D'aquelle tempo já passado.
    Quando te armei cavalleiro
    No altar de Santiago:
    Minha mãe te deu las armas,
    Miño pae te deu el cabalo, etc.

Este romance tambem se encontra citado por Camões. Continuando a
historia, o vendilhão entrou em casa da dama; dentro estava escondido o
marido e alguns amigos que correram a pau o aventureiro galanteador.
Esta classe de feirantes desappareceu quando perdemos as nossas
conquistas. N'este mesmo romance se encontra um _cantarcillo_ em
portuguez, que desappareceu da tradição oral, e que talvez se refira ao
tempo de D. João I:

    Pois que Madanella
    Remediou meu mal,
    Viva Portugal
    E morra Castella.
    Seja amor testigo
    De tamanho bem;
    Não chegue ninguem
    A zombar commigo.
    Que a espada é rodela,
    A forneira sal:
    «Viva Portugal
    «E morra Castella.

Se o _Romanceiro hespanhol_ é mais extenso e antigo do que o portuguez
deve-se isso á curiosidade dos livreiros de Saragoça, de Anvers, e de
Sevilha, e não á esterilidade do genio do nosso povo. Se agrupassemos as
innumeras allusões aos romances populares que se encontram nos
quinhentistas, recomporíamos o Romanceiro portuguez e veriamos que não
sômos menos ricos do que os nossos visinhos. Eis algumas citações
passageiras, deixando de apontar muitas que ficaram já na _Historia da
poesia popular portugueza_:

Quando o Conde de Marialva se queixou a Dom João III da affronta do
Marquez de Torres Novas, que se declarou marido da filha Dona Guiomar,
Frei Luiz de Sousa põe-lhe na bocca as seguintes palavras: «Não fizeram
verdadeiramente mais affronta que esta os _Infantes de Carrion_ ás
filhas do Cid Ruy Dias, com quem eram casados. Porque se as deixaram no
campo desamparadas, eram seus maridos; tomavam vingança de sy, e de sua
honra propria, da qual podiam usar bem ou mal, como cada um faz do
seu.»[34]

O poema de _Alexandre_, tão popular na Europa da edade media, tem
origens orientaes; conheceram-nas em Portugal por influencia das nossas
relações maritimas com o Oriente. Em uma carta que Luiz Falcão escreveu
de Ormuz a D. João de Castro, em 1546, vem citada uma _estorya de
Allyxamdre_: «Alleyxes de carualho me dixe da parte de vosa s. que lhe
mãodase _allyxamdre_ hem persyo: lla lho mãodo, haindaque has escreturas
destes mouros, tenho-as por menos autemtes que has nosas. Nese llyvro
vam houtras _estoryas_ hafóra has _d'allyxamdre_, has quays me
parese que follguará mays com ellas etc.» A esta mesma historia allude
uma carta de Garcia de la Penha: «Aleyxes carvalho pedio qua a el-rey e
goazil hemires hum livro da _ystoria dalyxamdre_. Com muyto trabalho
acharão hum, que lhe mandão.» Este livro, por outra allusão d'esta
carta, se conhece que era novella ou tradição cavalheiresca: «Peço a
vosa s. que ho livro, e a mim com ele, queyra aver por seus com aquela
vomtade e desejo, que noso senhor sabe que lho eu ofreço, _cujo estado
he castidade, acompanhada de tantas virtudes, como dizem que
está_.»[35] A virtude da castidade era caracteristica dos
heroes cavalheirescos, como se vê no _Galaaz_; os heroes eram quasi
sempre _parthenios_ ou filhos de virgens.

Camões nas suas obras allude a muitos romances cavalheirescos. Na Carta
II,[36] vem o verso _Afuera, afuera Rodrigo_, que é o principio do
romance XXVI do _Romancero do Cid_, da edição de Lisboa de 1605, (p. 42)
que se intitula: _De como se quexa Doña Urraca al Cid por la embaxada
que trae del Rey Don Sancho._ O verso:

    Afuera, afuera Rodrigo

encontra-se em outros romances, como no XXV; e o verso:

    El sobervio castellano,

que forma com o antecedente o estribilho popular, tambem se lê no V
romance.

Camões allude a outro romance do Cid na primeira Carta escripta da
India, citando os dois versos:

    Riberas de Duero arriba
    Cavalgaran Çamoranos;[37]

Na Comedia de _El rei Seleuco_, cita o romance do _Mouro Calaynos_,
prohibido pelo _Index Expurgatorio_ de 1624, nos versos:

    Ya cavalga Calaynos
    A la sombra de una oliva.[38]

Nos _Disparates da india_ cita os primeiros dois versos do romance do
Cativo, tal como principia no _Cancionero de Romances_, de Anvers:

    Mi padre era de Ronda,
    Mi madre de l'Antequera, etc.[39]

Na Comedia de _Philodemo_, allude Camões ao romance de _Bernardo del
Carpio_, nos versos:

    Mi cama son duras peñas,
    Mi dormir siempre es velar.
    ...........................
    Su comer las carnes crudas,
    Su bever la viva sangre.[40]

A romances e cantigas desconhecidas allude nos versos da comedia
d'_El-rei Seleuco_:

    Ouviste vós cantar já:
    Velho malo em minha cama?

e n'esta passagem:

    Dizei, porque não dissestes:
    La que yo vi por mi mal.

No prologo d'esta mesma comedia Camões lembra uma cantiga desconhecida:
«e tras ellas vem logo outo mundanos metidos em um covão, cantando:

    Quem os amores tem em Cintra.»[41]

Bem como esta cantiga popular, de que se recorda:

    Meu bem e meu mal
    Lutaram um dia;
    Meu bem era tal
    Que o mal o vencia.

Camões glosou uma velha cantiga que começa:

    De pequena tomei amor,[42]

talvez a mesma a que allude Gil Vicente na Comedia de _Rubena_, que
principia:

    De pequena matais (tomais?) amor.

Todos estes factos revelam o profundo sentimento da alma popular que
possuia Camões.

No tempo em que os romances da tradição oral foram glosados pelos poetas
cultos, como o declara a _Poetica_ de Rengifo,[43] em Portugal
soffreram tambem egual modificação. Bernardim Ribeiro glosou o celebre
romance de _Durandarte_, desde o verso:

    Oh Belerma, oh Belerma.[44]

Na _Chronica de Dom Sebastião_, de Frei Bernardo da Cruz, vem citado o
romance de _Don Rodrigo_:

    Ayer fuiste rey de España;
    Hoy no tienes um castillo.[45]

Os romances dos _Sete Infantes de Lara_ acham-se citados por Gil Vicente
nos versos iniciaes:

    Em Paris está Dona Alda, etc.
    Los hijos de Dona Sancha, etc,
    Mal me quieren en Castilla, etc.

bem como o celebre romance da _Bella mal maridada_, que no _Cancioneiro
geral_ de 1516 vem referido em uma trova de Nuno Pereira contra D.
Leonor da Sylva. Assim como os romances hespanhoes eram conhecidos em
Portugal, tambem muitos successos da historia portugueza foram
romanceados pelos autores hespanhoes; ha porém cantigas populares
castelhanas a successos particulares, como aquella canção que se refere
aos amores de Dom Fernando I: «el rey Don Fernando de Portugal e la
muger de Juan Lorenzo de Acuña, que este rey Don Fernando le tomó por
amores que della ovo; é por esta se levantó la cancion que dice:

    Ay, donas! porque tristura?

y por esta causa el dicho Juan Lorenzo traia unos cuernos de oro en la
cabeça por estes reynos de Castilla; y el rey Don Fernando de Portugal
casó con ella, fué llamada la reyna doña Isabel, que la deçian _la flor
de altura_.»[46]

Dom Francisco Manoel de Mello, além de ter escripto varios romances
mouriscos, cita os mais celebres, como o de Dragut:

    Se ha dez annos que amarrado
    Qual forçado de Dragut.[47]

No romance XXII da _Citara de Erato_, allude ao romance de _Gaifeyros_
nos versos:

    Perguntad allà en la Corte
    Por la virtud, y os diran:
    «Si is a Francia el cavallero
    Por Gayfeiros perguntad.»[48]

e ao romance do Mouro Zaide:

    Trago a rojo lá do Minho
    Mais prisões que um mouro Zaide.[49]

    Mais loução que Don Reynaldos.[50]

Na _Avena de Tersicore_, traz uma parodia da _Bella mal maridada_:

    Biudilha mal maridada, etc.[51]

Dom Francisco Manoel de Mello cultivou com predilecção a forma do
romance tal como se usava no seculo XVII; no primeiro côro das suas
_Tres Musas de Melodino_, imita os romances mourisco, usados pelos
cultistas castelhanos. O romance de Aben-Humea começa:

    Ya por la puerta de Elvira
    Saliendo vá de Granada
    Aben-Humea, el quexoso
    De su rey, e de su dama.

Canta tambem o romance de Celidaja:

    Texiendo está Celidaya,
    La hermosa hija del Rey,
    Zambras de sus bellas Moras
    Una tarde en su vergel.

Traz tambem o romance de Ali-Aben, e de Xacen y Belaja. Não os
transcrevemos na _Floresta_ por serem todos em hespanhol. Na segunda
jornada do _Fidalgo Aprendiz_, Dom Francisco Manoel de Mello faz-nos a
historia do romance no seculo XVII, nas allusões da seguinte scena:

    BRITES.   Entoay por meu prazer
              qualquer cousa.
    GIL.                     Sem guitarra?
    BRITES.   Eylla tomay.
                (Dá-lhe uma viola, tange como quem quer cantar.)
    GIL.      (Pois que não posso al fazer.
    BRITES.   Ay que canta, e não escarra!)
    GIL.                   Ora eylo vay:
                (Canta Dom Gil o melhor que pode o que se segue:)
              «Passeava-se Silvana
              por um corredor um dia...»
    BRITES.   Ay Senhor? eu não queria
              Senão letra castelhana.
    GIL.      Cantarey algaravia
              se mandais, pois que quereis?
    BRITES.   Huma letra nova quero.
    GIL.        (Canta:)
              «A cazar vá Cavallero...»
    BRITES.   Ay mãy! assinte o fazeis?
              por isso eu me desespero.
    GIL.      Ora estay, que já entendo
              quereis Romances trovados:
              «Mis amorosos cuidados,
              Como se estaran durmendo.»
    BRITES.   Isto foram meus peccados!
              Vos cuido que estaes zombando.
              Ora dizei.
    GIL.                Já me estanco:
              «Gavião, gavião branco
              Vae ferido e vae voando.»
    BRITES.   Huy pelo passar o manco
              Sabeis alguma ao Divino?
    GIL.      Sey.
    BRITES.       Dizei.
    GIL.                Pois é formosa:
              «Andorinha gloriosa.»
    BRITES.   Tendes cousas de menino.
    GIL.      Sou todo Amor, minha rosa.[52]

Bem se queixava Pedro de Flores, um dos editores do _Romancero generale_
de 1594, e a perros se déra se visse como este malvado de Dom Gil
Alcoforado estropiava os romances populares e os deixava incompletos:

    «Y hize que de un discurso
    Se visse principio y cabo,
    Lo que el musico no haze,
    Pues medio desbarado
    Dexa un romance perdido
    Deciendo que le da enfado:
    Los quales conforme à la ley
    Merecen ser desterrados
    A las islas de Corfú
    A cantar versos mosaycos
    Y de tan alto auditorio
    Uvieran de ser echados
    Por quebrantadores de honras
    De aquellos siglos dorados.»

Na citação de Dom Francisco Manoel de Mello está resumida a historia do
romance; confirma-o Pedro de Flores. _O Fidalgo Aprendiz_ é uma formosa
comedia de costumes, pelo gosto da velha eschola de Gil Vicente; é uma
satyra aos _parvenus_ do seculo XVII. Eis o caso: Dom Gil Cogominho é o
nome de

              um escudeiro
    Enfronhado em Cavalleiro
    Morto por ser namorado,
    Contrabaxo e trovador
    Cavalleiro, dançador:
    Emfim Fidalgo acabado,
    Valentão e caçador.[53]

Affonso Mendes, seu ayo, vestido _á portugueza antiga_, tem uma comadre:

    Mulher para muita aquella,
    Anda armando-lhe esparrella
    Com uma filha bonitinha,
    Que eu fico que caia nella.

É pois n'uma d'estas situações, quando Dom Gil Cogominho vae conversar
de noite com Brites, filha da tal comadre Isabel, que se passa a scena
que transcrevêmos. Brites pergunta-lhe se elle é poeta, se canta, que
voz tem? Depois pede-lhe que cante qualquer cousa. O Fidalgo
escusa-se por não ter guitarra. N'este tempo os romances, que iam
tomando forma culta, eram sempre cantados a instrumento. Muitos dos
romances populares do seculo XVI, já então considerados _velhos_, foram
postos em musica e publicados por Milan, Pisador, Valderrabano,
Fuenllana, Mudarra e Salinas. A Dom João III, em 1535, offereceu Luiz de
Milan um _Libro de Musica_, em que vinham notados em musica: _Mis arreos
son las armas_ etc., _Sospiraste_ etc. e _Baldovinos_.

Jorge Ferreira, nos romances que traz no _Memorial das Proezas dos
Cavalleiros da Tavola Redonda_, accrescenta sempre a rubrica: «Cantavam
a violas de arco e doçayna mui concertadamente o romance, _que eram os
cantos que então mais se usavam_.»[54] Isto era assim ainda no
tempo de Dom Sebastião, porque o Fidalgo dá-se como contemporaneo do
monarcha:

    Sey o açougue no Rocio,
    Os Estaus na Inquisição,
    Vi el-Rey Dom Sebastião.

Dom Gil Cogominho a final, a instancias de Brites, venceu a repugnancia
e começa a cantar o velho e popularissimo romance da _Dona Silvana_, que
a rapariga já não quer ouvir, talvez para mostrar que não é de baixa
extração. Pede-lhe porém que cante _letra castelhana_. De facto, depois
do casamento de el-rei Dom Manoel com a filha de Fernando e Isabel, o
romance popular começou a cantar-se em hespanhol. Gil Vicente compoz os
seus mais bellos n'essa lingua. Damião de Goes queixa-se da importancia
que tinham na corte os chocarreiros de Castella;[55] e Jorge Ferreira
diz que as trovas castelhanas se tem aforado comnosco e tomado posse do
nosso ouvido.[56] O gosto dos romances na corte era uma imitação dos
usos hespanhoes, do que diz o citado Jorge Ferreira, fallando dos
romances: « o que em Hespanha se usou muito, _e usar-se agora para
estimulo de imitação não fora máo_.»[57] Continuemos na exposição da
comedia: Brites era quesilenta e recusa-se a ouvir o romance de
_Sylvana_, a que o Fidalgo chama _cantar algaravia_. Pede _letra
castellana_, e Cogominho começa-lhe a cantar o vetustissimo romance da
_Infantina_, que começa:

    A caçar vá el cavallero.[58]

A travessa rapariga continua a enfrenesiar-se; o Fidalgo procura
agradar-lhe, dá-se a tratos para adivinhar-lhe o desejo. Pergunta se
ella quer _romances trovados_? Que seriam estes romances trovados?
Rengifo, na _Poetica española_, diz que não havia muito tempo que os
poetas tinham começado a glosar romances velhos, metendo cada dois
versos na segunda das redondilhas. Esta transformação foi recebida
agradavelmente pela sociedade elegante do seculo XVII.[59]

Nos poetas portuguezes de quinhentos encontramos signaes d'estas
transformações. Sá de Miranda allude á _Bella mal maridada_,[60]
em duas voltas ou glosas; Gil Vicente cita muitas vezes
este romance celebre da tradição oral:

    Cantarle han por alvorada
    «La bella mal maridada
    Mal goso viste de ti.[61]

D'este romance centenas de vezes glosado, e parodiado por D. Francisco
Manoel de Mello na _Avena de Tersicore_[62], canta Gregorio
Silvestre a sorte desditosa nas mãos dos poetas:

    O Bella mal maridada,
    A que manos has venido!
    Mal casada e mal «glosada»
    De los poetas tratada
    Peor que de tu marido:
    Si ello va por mas errar
    Y a vós os agrada assi,
    Ventaja hago yo aqui:
    Assi que por mal glosar.
    Vida no dejeis a mi.[63]

Gregorio Silvestre falava contra os poetas cultos, que procuravam
introduzir na Peninsula a eschola italiana. A forma poetica que
apontamos era o que Dom Francisco Manoel chamava o _romance trovado_.
Quando Brites pediu um d'este genero a Dom Gil, elle não atinou e
deu-lhe umas coplas no gosto poetico da corte de Dom João II; depois
canta a seguidilha do _Gavião branco_; afinal Brites pergunta-lhe se
elle sabe alguma _trova ao divino_. Esta é tambem uma transformação do
romance anonymo. Quando Lope de Vega começou a introduzir uma fórma
litteraria no romance, poz em verso quasi todos os passos da Paixão.
Este genero pertence aos romances sacros. Sepulveda, nos _Romances
sacados de varias historias_, tambem descreve a Paixão; com esta
tendencia se iam romanceando quasi todas as scenas da Escriptura. O
grande uso e predilecção do genero sacro se nota pela prohibição
expressa que d'elle faz o _Index expurgatorio_ de 1624: prohibe o
romance que começa:

    Com rabia está el Rey David.

«_E todos os mais Romances ou contos tirados do Testamento Velho, ou
Novo ao pé da letra._»--Prohibe mais: «_Romances sacados da letra del
Evangelio._ El primeiro _La ressurreiçon de Lazaro_.--El segundo _El
juizio de Salomão_.»[64] A celebre xacara de Quevedo, conhecida com o
titulo de _Escarraman_, tambem andava convertida ao divino.

Eis até aqui os factos que se deduzem da scena extractada do _Fidalgo
Aprendiz_. Dom Francisco Manoel de Mello não allude ao exagerado gosto
dos _romances mouriscos_, que prevaleceu no seculo XVII, se é que não
significa isso a phrase--_cantar algaravia_. Outra transformação do
romance popular foi a nova forma poetica, a que se chamou _Xacara_,
antiga composição popular que Don Francisco de Quevedo tanto vulgarisou,
e que o nosso Dom Francisco Manoel imitou tambem.

O gosto popular no seculo XVII soffreu uma grande transformação; os
romances iam passando de moda. Diz Quevedo:

    Ya passó Dona Ximena,
    Y fallecio Lain Calvo.[65]

E do velho romance do _Conde Claros_ diz:

    El Conde Claros, que fue
    Titulo de las guitarras
    Se quedó en las barberias
    Com chaconas de la galla.[66]

O velho romance do _Conde Claros_, recolhido da tradição para o
_Cancionero de Anvers_, estava já banido; uma transformação profunda se
operava no gosto publico. Os romances mouriscos occupavam a attenção e o
enthuziasmo. «O espirito da moda influiu muito na voga que tiveram, e na
cansada monotonia que impoz a muitos a necessidade de os repetir para
accomodar-se ao gosto publico e fastio da epoca.»[67] Fernando
Wolf é de opinião que estes romances não têm o caracter arabe, e o
proprio assumpto que celebram revela a sua origem moderna. Mas é
impossivel desconhecer a existencia de uma poesia da raça _mosarabe_,
producto da fusão do baixo povo godo com os arabes invasores. Assim como
hoje se vê que d'esta transformação social saíu um direito novo, os
Foraes,[68] longo tempo atribuidos a origem romana, qual seria
a poesia d'essas relações intimas, cantada na lingua, que o baixo povo
chamava de _Aravias_? Sobre esta poesia pesou o mesmo desprezo, que o
Marquez de Santillana descarregou sobre os velhos romances vulgares; mas
no _Cancionero generale_ de Hernando de Castillo se descobre um apagado
vestigio do romance _mosarabe_, em que se vê o retrato da coexistencia
dos dois povos: é o romance da _Mora Moraina_, a cuja porta vêm um
christão falar-lhe _algaravias_, para a enganar. Este romance ainda se
encontra na tradição oral dos Açores e Beira, transformado segundo os
usos da sociedade moderna.[69] O povo arabe teve uma poesia
vulgar, sem o tom lyrico e artificial dos poetas cultos. O Arcipreste de
Hita fala dos «_instrumentos en que convienen los cantares de arabico_,
e cita um velho cantar que principia: _Caguil hallaco_. Diz mais:
_arabigo no quiere biuela d'arco._[70] Argote y de Molina, o
mais atilado critico dos velhos escriptores hespanhoes, como o qualifica
Ticknor, fala das _zambras_ arabes, com que se celebravam os feitos
publicos.[71] N'este periodo o romance mosarabe é commum a
Portugal e Hespanha; a sua vulgarisação, segundo Duran, data do seculo XIV.

Porém quando os arabes começam a abandonar o territorio da
Peninsula, as saudades d'este paiz encantador e a vergonha da derrota
inspira-lhes os cantares da despedida. N'este momento os chamados
_romances mouriscos_, tem um nascimento espontaneo, sem artificio. Em
1575, Argote y de Molina fala d'esses «cantares lastimeros, que oimos
cantar a los Moriscos del Reyno de Granada, sobre la perdida de su
tierra a manera de endexas...» E cita o cantar:

    Alhambra amorosa, lloran tus castillos
    o Muley Vuabdeli, que se ven perdidos
    dadme mi cavallo, y my blanca adarga
    para pelear, y ganar la Alhambra.
    Dadme mi cavallo, y mi adarga açul
    para pelear, y librar mis hijos:
    Guadix tiene mis hijos, Gibraltar mi muger
    senora Mafalta, hezisteme perder
    en Guadix mis hijos, y yo en Gibraltar
    senora Mafalta, hezisteme errar.[72]

Além de muitos outros documentos que provam a existencia de uma poesia
popular, entre os arabes da Hespanha, ainda modernamente se ouvem
cantares allusivos a Cordova e Granada, repetidos pelo povo em Tanger,
Tetuão, Arzilla e em outros pontos do norte da Africa.[73]

É da imitação d'estes cantares, que datam os romances granadinos dos
poetas cultos. Depois da conquista de Granada, os arabes que acceitaram
o jugo de Fernando e Isabel, continuaram os seus queixumes; aquelles
cantos tinham um accento novo, um colorido exagerado, uma paixão de
arrebatamento. Assim seduziram a imaginação dos poetas; alguns desses
cantos chegaram a entrar na corrente da tradição oral, como este
recolhido na Serrania de Ronda:

    Por las puertas de Celinda
    Galan se passea Zaide,
    Aguardando que sáliera
    Celindo para hablalle.[74]

O fervor dos romances _mouriscos_ cultos data do fim seculo XVI a XVII;
são como uma recordação gloriosa dos triumphos dos filhos de Hespanha;
já não tem a quem combater, criam phantasmas na imaginação, com que se
distraem. É esta a opinião do sabio Duran, quando diz: «Logo que os
nossos cavalleiros e poetas viram o paiz livre de seus contrarios para
de logo se apoderaram das recordações que tinham deixado, de modo que ao
ler os cantos d'aquelle tempo todos creriam que os mouros ainda
occupavam a Hespanha.»--«De facto antes da conquista de Granada, e
talvez alguns annos depois, se acham poucos romances mouriscos
novellescos, que tenham vestigios sensiveis da poesia arabe.»[75]
Os romances mouriscos tem poucas referencias a personagens
historicos; umas vezes é um mouro, _Galvan_, que tem uma cativa
christan, _Mariana_, com quem está jogando no seu jardim, e a cada jogo
que perde, perde um castello ou cidade; o mouro _Bucar_ resolve questões
de amor; as aventuras e odios dos _Zegries_ e _Abencerrages_, dos
_Gomeles_ e dos _Aliatares_, são o thema constante, bordado pela
imaginação hespanhola. Cada personagem ideal forma um cyclo de
aventuras, como _Zaide_, _Abenumeya_, _Tarfe_, _Abindarraez_, _Zegri_,
_Zulema_, _Azargue_, _Arbolan_, e isto milhões de vezes romanceado até
ao fastio e em formas já convencionaes, como a do verso:

    Mira Zaide que te aviso.

Por seu turno veiu a reacção contra o gosto dos _romances mouriscos_;
começou-se por parodias burlescas. No _Romancero general_ de Flores, já
apparecem algumas amargas censuras contra a mania dos nomes mouriscos:

    Tanta Zaida y Adalifa,
    Tanta Draguta e Daraja,
    Tanto Azarque e tanto Adulce,
    Tanto Gazul e Abenámar.
    ......................
    Renegaron de su ley
    Los romancistas de España
    Y offerecieron a Mahoma
    Las primicias de sus gracias.
    Dejaron los graves hechos
    De su vencedora patria,
    Y mendigan de la agena
    Invenciones e patrañas.
    Los Ordoños, los Bermudos
    Las Rasuras y Mudarras,
    Los Alfonsos, los Euricos,
    Los Sanchos y los de Lara,
    Que es de ellos? y que es del Cid?
    Tanto olvido á gloria tanta.

Gongora tambem fez _romances mouriscos_, principalmente do cyclo
turquesco, mas de um gosto bello e admiravel; cedo veiu a conhecer o
enfado que já causavam os poetas granadinos, e elle proprio os
ridicularisou em um romance. Os romances d'este genero, compostos por
Dom Francisco Manoel de Mello e por Francisco Rodrigues Lobo, não
appresentam o minimo merecimento; são em hespanhol, em um estylo
cansado, e sem o esplendor da paixão oriental que os poetas hespanhoes
imprimiram ás suas contrafações. Não vale apresentar especimen de
composições taes; apenas servem para mostrar que o contagio litterario
tambem chegou até Portugal. Do meado do seculo XVII por diante, os
romances _mouriscos_ perderam-se em um subjectivismo e requinte que lhes
tirou o caracter. Foi então quando os romances se tornaram
_pastorís_, sendo os heroes arabes substituidos pelos Belardos, Filis, e
pelas aventuras dos rufiões dos beccos, ou _xaques_. A _xacara_ era o
nome dado aos romances que celebravam esses feitos dos meliantes; os
nossos _Fados_ populares podem-se considerar como restos das
_xacarandinas_ do seculo XVII, a que D. Francisco de Quevedo imprimiu
uma forma litteraria.[76]

Do que fosse este genero de poesia, procura o commentador na propria
palavra _xacara_: «Y si bien à la primera noticia, que de si prometen
con el nombre, parece peligra la estimacion.» Da linguagem formada pela
gentalha, vadios, rufiões, goliardos e maninellos, que se chama _giria_,
e em hespanhol _geringonça_ ou linguagem particular dos Ciganos, e
_jargon_ no francez, e tambem _germania_, se formou esta especie de
poesia. Os mesmos vadios se chamam entre si _xaques_: «Pero como quiera
que elo fuese, denominacion dieron infallible à las _xacaras_ ò
_xacarandinas_ aquellos _xaques_ mismos? y con legitima razon, pues de
sus acontecimientos y penalidades continuas son annales las relaciones
que ali se repiten: y nuestro Poeta (Quevedo) historiador suyo, ò
verdadero, ò fingido, singularmente de adequado spiritu.»[77]
Á vista d'esta simples noticia e da leitura de Quevedo, é facil de ver
em que a _xacara_ consistia: eram as aventuras dos goliardos, a forma
antiga do _Fado_, uma historia longa das suas falcatruas. Na _xacara_ de
Escarraman, ha cartas entre Escarraman e Mendez, cartas entre Peralta e
Lampuga. D'onde veiu D. Francisco Manoel dizer: «Começaram um
dialogo á maneira de _xacara_,» isto é, na linguagem _girianta_ em
que os _xaques_ faziam as relações de seus desastres e aventuras
divertidas, que era na _xacarandina_. A _xacara_, como quasi toda a
poesia popular, era acompanhada de musica.

Do meiado do seculo XVI por diante começaram os romances populares a
receber uma forma artistica, a tornarem-se descriptivos e lyricos.
Fuentes, Timoneda, Sepulveda, Lasso de la Vega os foram tornando
subjectivos. As _xacaras_ populares receberam tambem de Quevedo esta
mesma influencia artistica, que se resentiu em Portugal, por isso que o
_Index Expurgatorio_ de 1624 prohibe a leitura do _romance de
Escarraman_, e de todos os que sobre elle se fizeram. Dom Francisco
Manuel de Mello imitou o gosto das _xacaras_ nos seus _romances
entretenidos_. Alguem teve a ridicula lembrança de dar á _xacara_ uma
origem mourisca. Em que se fundariam para tal? Talvez no radical
_xaque_, que quer dizer traidor. A _xacara_ á força de exagerar o
natural tornava-se grosseira; o metro seguia uma tendencia artificiosa
que lhe tirava a vulgarisação popular.

Nos fins do seculo XVII a mania dos romances continuava; os frades
escreviam-nos pelos mosteiros sobre assumptos pastorís; outros de longe
em longe se lembravam do _Cid_ e de _Durandarte_. Assim o diz um poeta
coevo, Antonio Peixoto de Magalhães:

    Algum sem que descanse
    Faz ás barbas do «Cid» logo um romance,
    Outro grave e queto
    Compõe a «Durandate» algum soneto.

Em Hespanha o romance tinha perdido o caracter _narrativo_,
absolutamente popular, tornando-se _descriptivo_ ou litterario, até se
fundir em um subjectivismo que o desnaturava. Em Portugal o povo
continuou na sua obscuridade, como dantes, mas o romance seguiu
exactamente as mesmas transformações que em Hespanha. Por este tempo
Francisco Lopes, livreiro de Lisboa, romanceava, á imitação do _Santo
Isidro_ de Lope de Vega, a vida do popular Santo Antonio e dos Cinco
Martyres de Marrocos; servia a causa da liberdade na revolução de 1640
com as suas _folhas volantes_ em verso, popularisando as victorias
contra as armas de Castella. Propriamente a designação de _romance_
servia para qualquer composição fastienta feita a proposito de
circumstancias ridiculas, em metro octosyllabo, em assonancias. O uso da
lingua hespanhola era immoderado. Como composição d'este genero podem-se
vêr os romances de Frei Antonio das Chagas, quando tinha no seculo o
nome de Antonio da Fonseca Soares. Na vida ociosa dos claustros, os
frades enchiam as suas horas com estas composições, mais insipidas do
que as allegorias do paiz de _Tendre_. O Bispo do Grão Pará, nas suas
_Memorias_ verbera este costume. As glosas, que se haviam apoderado dos
romances, começaram a applicar-se aos Outeiros freiraticos; nos
palratorios se fazia o maior consummo dos romances. Quando Frei Antonio
das Chagas entrou para os Bentos, aonde estava o seu amigo e confrade em
Apollo Frei Antonio Vahia, foi achar lá dentro numerosas copias dos seus
romances de galanterias; quando no enthuziasmo religioso as quiz rasgar,
«gracejaram com elle e meteram-no á bulha.» O melhor do tempo passava-se
em palestras com freiras, do que diz o severo Bispo do Grão Pará: «Eram
moços, e muita a liberdade das grades d'aquelle miseravel tempo.» As
subtilesas amorosas descambavam por vezes na obscenidade; o gosto
do tempo não sabia discriminar os assumptos, e adequava a mesma
linguagem aos usos divinos e humanos. Quando Frei João de Sam José fez a
visita ao seu bispado, entrando pelo Aracá, em uma capella ouviu uma
missa no fim da qual quatro indios e mamelucos com suas vozes bem
ajustadas cantaram «varias _cantatas devotas_ e de edificação, sobre o
que lhe fizemos uma pequena pratica em louvor do canto honesto _e ao
mesmo tempo invectiva contra o lascivo das sarabandas e modas do
tempo_.» O Bispo do Grão Pará é uma especie de Saint-Simon do nosso
seculo XVIII.

A poesia popular á medida que ía caíndo no gosto dos cultistas,
emancipava-se de novo, pela falta de espontaneidade dos que a queriam
imitar. Podemos dizer que a poesia popular portugueza ficou
absolutamente desconhecida até á incompleta, mas brilhante tentativa de
Garrett; em Hespanha os vendedores das _folhas volantes_, romanceando os
successos do tempo, continuavam obscuramente o trabalho dos Najeras, dos
Nucios, dos Flores, dos Tortejadas; entre nós o povo parecia mudo, sem
canto. Que symptoma mais franco de decadencia! Quando os nossos poetas
quizeram imitar o que na Allemanha faziam Uhland e Bürger, trovavando os
seus poemas sobre as tradições nacionaes, mostraram-se a nú, mediocres e
sem alma. É vêr essa infinidade de _solaos_, xacaras de accalentar
netos, balladas, e outros prenuncios do ultra-romantismo em Portugal,
que se cansou de andar a tombos com uma edade media de papelão. Para que
ennumerar aqui nomes odiosos, de falsos sacerdotes da arte? A poesia do
povo precisa de uma extraordinaria boa-fé para ser entendida.



ROMANCES

COM FORMA LITTERARIA

DO

SECULO XVI A XVIII

      *      *      *      *      *


ALVARO DE BRITO


Trouas á morte do principe D. Affonso filho de D. João 2.º

    Morto he o bem d'Espanha,
    nosso principe rreal,
    chora, chora Portugal,
    choremos perda tamanha!
    E carpindo lamentemos
    dous em huum triste responso,
    rrey & prinçepe choremos
    dom Affonso, dom Affonso!
    Ho que morte tam estranha,
    ho que nojo, ho que mal!
    chore, chore Portuguall,
    choremos perda tamanha!
    Ho que queeda tam sanhosa
    pera chorar & carpir,
    ho que queeda tam danosa
    que nos fez todos cayr!
    Ho quanta nobre companha
    Sente tristeza mortall!
    chora, chora Portugall
    choremos perda tamanha!
    Choremos, que tal cayda
    por nossos grandes pecados
    nos leyxa desemparados,
    mata toda nossa vyda.
    Que pesar nos acompanha,
    que nunca foi visto tall;
    he perdido Portugual,
    choremos perda tamanha!
    Choremos huum jnoçente,
    huma santa creatura,
    que por nossa desventura
    morreo tam supitamente.
    Ho que mall, que nojo, sanha,
    que desemparo mortall
    nota todo Portugual,
    choremos perda tamanha!
    Morreo nossa defensam,
    & morreo nossa liança,
    morreo nossa esperança
    de nom vyr a ssogeyçam.
    Asy nos desacompanha
    nosso senhor natural;
    o senhor çelestrial
    o rreçeba em sa companha!

Cancioneiro Geral de 1516, t. I, p. 221.
Edição de Stuttgart.

      *      *      *      *      *


GARCIA DE RESENDE


Trovas á maneira de romance feitas á morte de Dona Inez de Castro.

    Eu era moça menina,
    per nome dona Ynes
    de Crasto, & de tal doutrina
    & vertudes, qu'era dina
    de meu mal ser ho rreves.
    Uiuia, sem me lembrar
    que paixam podia dar,
    nem da-la ninguem a mym,
    foy m'o prinçepe olhar
    por seu nojo & minha fym.
    Começou m'a desejar,
    trabalhou por me seruir,
    fortuna foy ordenar,
    dous corações conformar
    a huma vontade vyr.
    Conheçeo-me, conheçi-o,
    quys-me bem & eu a ele,
    perdeo-me, tambem perdi-o,
    nunca tee morte foy frio
    o bem que triste pus nele.
    Dey-lhe minha liberdade,
    nam senty perda de fama,
    pus nele minha verdade,
    quys fazer sua vontade
    sendo muy fremosa dama.
    Por m'estas obras paguar
    nunca ja mais quys casar,
    polo qual aconsselhado
    foy el rrey, qu'era forçado
    polo seu de me matar.
    Estaua muy acatada,
    como princesa seruida,
    em meus paços muy honrrada,
    de tudo muy abastada,
    de meu senhor muy querida.
    Estando muy de vaguar,
    bem fora de tal cuidar,
    em Coymbra d'aseseguo,
    polos campos de Mondeguo
    caualeyros vy somar.
    Como as cousas qu'am de ser,
    loguo dam no coraçam,
    começey entrestiçer
    & comiguo soo dizer:
    estes omẽes d'onde yram?
    E tanto que preguntey,
    soube logo que era el rrey,
    quando o vy tam apressado,
    foy, que nunca mays faley.
    E quando vy que deçia,
    sahy ha porta da sala,
    deuinhando o que queria,
    com gram choro & cortesya
    lhe fiz huma triste fala.
    Meus filhos pus derredor
    de mym com gram omildade,
    muy cortada de temor,
    lhe disse: avey, senhor,
    desta triste piadade.
    Nam possa mais a paixam
    que o que deueys fazer,
    metey nysso bem a mam:
    que'e de fraco coraçam
    sem porque matar molher.
    Quando mays a mym, que dam
    culpa, nam sendo rrezam,
    por ser mãy dos ynoçentes
    qu'ante vos estam presentes,
    os quaes vossos netos sam.
    E tem tam pouca ydade
    que, se não forem criados
    de mym, soo com saudade
    & sua gram orfyndade
    morreram desemparados.
    Olhe bem quanta crueza
    faraa nisto voss'alteza,
    & tambem, senhor, olhay,
    pois do prinçepe sois pay,
    nam lhe deis tanta tristeza.
    Lembre-uos o grand'amor
    que me uosso filho tem,
    e que sentiraa gram dor
    morrer-lhe tal seruidor,
    por lhe querer grande bem.
    Que s'algum erro fizera,
    fora bem que padeçera,
    & qu'estes filhos ficaram
    orfaãos tristes, & buscaram
    quem d'eles paixam ouuera.
    Mas poys eu nunca errey
    & sempre mereçy mais,
    deueys, poderoso rrey,
    nam quebrantar vossa ley,
    que, se moyro, quebrantays.
    Usay mays de piadade
    que de rrigor, nem vontade:
    avey doo, senhor, de mym,
    nam me deys tam triste fim,
    pois que nunca fiz maldade.
    El rrey, vendo como estaua,
    ouue de mym compaixam
    & vyo o, que nam oulhaua,
    qu'eu a ele nam erraua,
    nem fizera traiçam.
    E vendo, quam de verdade
    tive amor & lealdade
    hoo prinçepe, cuja sam,
    pode mais a piadade
    que a determinaçam,
    Que se n'ele defendera,
    c'a sseu filho nam amasse
    & lh'eu nam obedeçera,
    entam com rrezam podera
    dar-m'a moorte c'ordenasse.
    Mas vendo que nenhum'ora,
    desque naçy ategora,
    nunca nisso me falou,
    quando sse d'isto lembrou,
    foy-se pola porta fora.
    Com sseu rrosto lagrimoso,
    c'o proposito mudado,
    muyto triste, muy cuidoso,
    como rrey muy piadoso,
    muy Cristam & esforçado.
    Hum daqueles que trazia
    conssiguo na companhya,
    caualeyro desalmado,
    de tras d'ele, muy yrado,
    estas palauras dezia:
    Senhor vossa piadade
    he dina de rreprender,
    pois que sem necessidade
    mudaram vossa vontade
    lagrimas d'uma molher.
    E quereys c'abarreguado
    com filhos, como casado,
    estê senhor vosso filho;
    de vos mais me marauilho
    que d'ele, que'e namorado.
    Se a loguo nam matais,
    não sereis nunca temido,
    nem faram o que mandays,
    poys tam çedo vos mandays
    do consselho qu'era avido.
    Olhay, quam justa querela
    tendes, pois por amor d'ela
    vosso filho quer estar
    sem casar, & nos quer dar
    muyta guerra com Castela.
    Com sua morte escusareis
    muytas mortes, muytos danos,
    vos, senhor, descanssareis,
    & a vos & a nos dareis
    paz para duzentos anos.
    O prinçepe casaraa,
    filhos de bençam teraa
    seraa fora de pecado;
    c'aguora seja anojado,
    a menham lh'esqueeçeraa.
    E ouuyndo seu dizer,
    el rrey ficou muy toruado,
    por se em tais estremos ver,
    & que avya de fazer
    ou hum ou outro, forçado.
    Desejaua dar-me vida,
    por lhe nam ter mereçida
    a morte, nem nenhum mal:
    sentya pena mortal
    por ter feyto tal partida.
    E vendo que se lhe daua
    a ele tod'esta culpa,
    & que tanto o apertaua,
    disse a aquele que bradaua:
    mynha tençam me desculpa.
    Se o vos quereis fazer,
    fazey-o sem m'o dizer;
    qu'eu nisso nam mando nada,
    nem vejo ha essa coytada
    porque deva de morrer,
    Dous caualeyros yrosos,
    que tais palauras lh'ouvyram,
    muy crus & nam piadosos,
    perverssos, desamorosos,
    contra mym rrijo se vyram.
    Com as espadas na mam
    m'atrauessam o coraçam,
    a confissam me tolheram:
    este he o gualardam,
    que meus amores me deram.

Cancioneiro Geral, t. III, p. 617.

      *      *      *      *      *


FRANCISCO DE SOUSA


Trovas a este vilancete:

    Abayx'este sserra
    Verey minha terra.

    Oo montes erguidos!
    Deyxay-vos cahyr,
    deyxay-vos somyr
    & ser destroydos.
    Poys males sentidos
    me dam tanta guerra,
    por vêr minha terra.
    Ribeyras do mar!
    que tendes mudanças,
    as minhas lembranças
    deyxay-as passar.
    Deyxay-m'as tornar
    dar nouas da terra,
    que daa tanta guerra.
    O ssol escureçe,
    a noyte sse uem,
    meus olhos, meu bem
    ja nam aparece.
    Mays çedo anoyteçe
    aaquem d'esta sserra
    que na minha terra.

Cancioneiro Geral, t. III, p. 562.

      *      *      *      *      *


GIL VICENTE


Romance em memoria da partida da Infanta Dona Beatriz para Saboya,
cantado no Auto das Cortes de Jupiter, que se representou nos
Paços da Ribeira em 1519.

    Niña era la Ifanta,
    Dona Beatriz se decia,
    Nieta del buen Rey Hernando,
    El mejor Rey de Castilla,
    Hija del Rey Don Manoel
    Y Reyna Dona Maria,
    Reis de tanta bondad
    Que tales dos no habia.
    Niña la casó su padre,
    Muy hermosa á maravilla,
    Con el Duque de Saboya,
    Que bien le pertenecia.
    Señor de muchos señores,
    Mas que Rey es su vaalia.
    Ya se parte la Ifanta,
    La Ifanta se partia
    De la muy leal ciudad
    Que Lisbona se decia;
    La riqueza que llevaba
    Vale toda a Alejandria.
    Sus naves muy alterosas,
    Sin cuento la artilleria;
    Va por el mar de Levante,
    Tal que temblaba Turquia.
    Con ella va el Arzobispo
    Señor de la Clerezia:
    Van Condes y Caballeros,
    De muy notable osadia;
    Lleva damas muy hermosas,
    Hijas dalgo y de valia.
    Dios los lleve á salvamiento
    Como su madre querria.

Obras t. II, p. 416.
Edição de Hamburgo.

      *      *      *      *      *


Romance burlesco, glosando o celebre romance de «Yo me estaba alla
en Coimbra» cantado na farça dos Almocreves que se representou em
Coimbra em 1526.

    _Yo me estaba en Coimbra_,
    Cidade bem assentada;
    Pelos campos de Mondego
    Não vi palha nem cevada.
    Quando aquillo vi mesquinho,
    Entendi que era cilada
    Contra os cavallos da côrte
    E minha mula pellada.
    Logo tive a mao sinal
    Tanta milhan apanhada,
    E a peso de dinheiro
    O mula desamparada.
    Vi vir ao longo do rio
    Hua batalha ordenada,
    Não de gente, mas de mus,
    Com muita raiva pisada.
    A carne está em Bretanha,
    E as couves em Biscaia.
    Sam capellão d'hum fidalgo
    Que não tem renda, nem nada;
    Quer ter muitos apparatos,
    E a casa anda esfaimada;
    Toma ratinhos por pagens,
    Anda já a cousa damnada.
    Quero-lhe pedir licença,
    Pague-me minha soldada.

Obras, t. III, p. 202.

      *      *      *      *      *


Cantiga dos Romeiros em folia no Auto do Templo d'Apollo,
representado em 1526 na partida da infanta filha de D. Manoel, que
casou com Carlos V.

    Pardeos, bem andou Castella,
    Pois tem Rainha tão bella.
    Muito bem andou Castella
    E todos os Castelhanos,
    Pois tem Rainha tão bella,
    Senhora de los Romanos.
    Pardeos, bem andou Castella
    Com toda sua Hespanha,
    Pois tem Rainha tão bella,
    Imperatriz d'Allemanha.
    Muito bem andou Castella,
    Navarra e Aragão,
    Pois tem Rainha tão bella,
    E Duqueza de Milão,
    Pardeos, bem andou Castella
    E Sicilia tambem,
    Pois tem Rainha tão bella,
    Conquista de Jerusalem.
    Muito bem andou Castella,
    E Navarra não lhe pesa,
    Pois tem Rainha tão bella,
    E de Frandes he Duqueza.
    Pardeos bem anda Castella,
    Napoles e sua fronteira,
    Pois tem Rainha tão bella,
    França sua prisioneira.

Obr. t, II, p. 392.

      *      *      *      *      *


Romance ao nascimento do infante Dom felipe, com que termina a
tragi-comedia da Romagem de Aggravados, representada em Evora em 1533.

    Por Maio era por Maio
    Ocho dias por andar,
    El Ifante Don Felipe
    Nació en Evora ciudad.
    Viva el Ifante, El Rey, y la Reyna,
    Como las aguas del mar.
    No nació en noche escura,
    Ni tampoco por lunar,
    Nació quando el sol decrina
    Sus rayos sobre la mar.
    En un dia de domingo
    Domingo para notar,
    Cuando las aves cantaban
    Cada una su cantar.
    Cuando los árboles verdes
    Sus fructos quieren pintar,
    Alumbró Dios á la Reina
    Con su fructo natural.
    Viva el Ifante, el Rey y la Reyna
    Como las aguas do mar.

Obr. t. II, p. 531.

      *      *      *      *      *


Romance á morte de El Rei Dom Manoel.

    Pranto fazem em Lisboa,
    Dia de Santa Luzia,
    Por El Rei Dom Manuel,
    Que se finou n'esse dia.
    Choram Duques, Mestres, Condes,
    Cada um quem mais podia;
    Os fidalgos e donzellas
    Muito tristes em porfia;
    Os Iffantes davam gritos,
    A Iffanta se carpia;
    Seus olhos maravilhosos
    Fonte d'agua parecia.
    Bem merecem ser escriptas
    As lastimas que fazia:
    «Paço tão desamparado
    Derribado merecia,
    Pois a sua fortaleza
    Se tornou em terra fria.
    Oh minha senhora madre
    Rainha Dona Maria,
    Quem a vós levou primeiro
    Mui grande bem vos queria,
    Pois que vos livrou da pena
    Que passamos n'este dia.»
    E outras magoas, que de tristes
    Contar não mais ousaria.
    O Principe dava suspiros,
    Que a alma se lhe sahia;
    Suas lagrimas prudentes,
    Como a gran senhor cumpria:
    De dia sempre velava,
    De noite nunca dormia.
    A Rainha estrangeira
    Já chorar o não podia:
    Com rouca voz dolorosa
    Estas palavras dizia:
    «Oh Reina desamparada!
    Qué haré sim compañia,
    Pues que en esta triste vida
    Sola una vida tenia!
    Y pues me la llevó la muerte,
    Para qué quiero la mia?
    Oh sin ventura casada
    Tres años no mas habia,
    Quien tan presto fue viuda
    Triste para que nascia;
    Niña sola en tierra agena,
    Huérfana sin alegria!»
    Se uma vez acordava
    Outras sete esmorecia;
    Assi pedia a Deos morte
    Como quem pede alegria,
    Dizendo: «Llevenme luego,
    Que esta tierra ya no es mia:
    Por la mar por donde fuere
    Algun peligro venia,
    Que me matasse á mi sola
    Salvando la compañia.»
    O bom Rei em seu acordo
    Deste mundo se partia:
    Sua morte conhecendo
    Com muita sabedoria,
    Per palavras piedosas
    Os sacramentos pedia;
    Falando sempre com todos,
    Deu sua alma a quem devia.
    Morto levam o gran Rei
    Senhores de gran valia,
    Dizendo uns aos outros:
    Oh que triste romaria!
    Que grande amigo perdemos
    E que doce companhia!
    Já passada a meia noite,
    Tres horas antes do dia
    Mettido em um ataúde
    O qu'inda ha pouco regía,
    O gran senhor do Oriente
    Dos seus Paços se partia.
    Seiscentas tochas accezas,
    Escuras a quem as via;
    Triste pranto até Belem
    Nem passo não se esquecia.
    Em terra fica enterrado,
    Porque assi mandado havia,
    Conhecendo que era terra
    A mundanal senhoria.
    Disse que os vãos thezouros
    Á morta não pertencia.
    Desque ficou enterrado
    Cada um se despedia,
    Dizendo estes versos tristes
    Á gloriosa Maria. Etc.

Obr. t. III, p. 348.

      *      *      *      *      *


Romance á aclamação de D. João 3.º

    Desanove de Dezembro,
    Perto era do Natal,
    Na cidade de Lisboa
    Mui nobre e sempre leal,
    Foi levantado por Rei
    Dos reinos de Portugal
    O Principe Dom João,
    Principe angelical.
    Sahiu n'uma faca branca,
    Parecia de cristal,
    Guarnecida de maneira
    Que se não viu sua igual.
    Opa leva roçagante,
    Tudo fio d'ouro tal,
    Forrada de ricas martas,
    Bem parecia real;
    Pelote de prata fina,
    Prata mui oriental,
    Barrado de pedraria
    Vinha-lhe mui natural.
    De perlas não fazem conta
    Porque é baixo metal;
    Só um collar que levava
    Toda Alexandria val;
    Na cabeça leva preto
    Por seu padre natural;
    Sahiu com lagrimas tristes
    Como filho mui leal.
    O seu rosto tão formoso
    Que parece divinal,
    Seus olhos resplandeciam
    Como estrellas igual;
    Os cabellos da cabeça
    D'ouro eram que não d'al;
    Sua boca graciosa
    Com ar mui angelical,
    Um semblante soberano,
    Um olhar imperial.
    Não foi tal contentamento
    No povo todo em geral,
    Como ver na Rua nova
    Ir o seu Rei natural
    Com tanta graça e lindeza,
    Que não parece humanal.
    Os forasteiros diziam:
    Mui ditoso é Portugal.
    O Iffante Dom Luis
    Leva o estoque Real;
    O Iffante Dom Fernando,
    Outro seu irmão carnal,
    Ao estribo direito
    A pé, não lhe estava mal,
    Porque em tal solemnidade
    Tudo lhe vem natural:
    Todolos Grandes a pé,
    Quantos ha em Portugal.
    O Conde Priol levava
    A bandeira principal.
    Chegou assi a San Domingos,
    Onde estava o Cardial:
    Benzeu o mui alto Rei
    De benção pontifical,
    E deu logo juramento;
    Jurou n'um livro missal
    De fazer cumprir as leis
    Como lei imperial;
    Confirmou os privilegios
    D'esta cidade Real.
    Os povos muito contentes
    De Rei tão especial,
    De pequeno sempre grande,
    Magnifico e liberal,
    Que é virtude julgada
    Dos Principes principal.
    Isto tudo assi acabado,
    Disseram: Arraial! Arraial!
    Alli tocam as trombetas,
    Atabales outro tal:
    Todos lhe beijam a mao,
    Os senhores em geral.

Obr. t. III, p. 355.

      *      *      *      *      *


Cantiga da Natal, com que remata o Auto Pastoril, representado em
Evora a D. João 3.º em 1523.

    Quem he a desposada?
    A Virgem sagrada.
    Quem é a que paria?
    A Virgem Maria.
    Em Bethlem, cidade
    Muito pequenina,
    Vi hua desposada
    E Virgem parida.
    Em Bethlem, cidade,
    Muito pequenina,
    Vi hua desposada
    E Virgem parida.
    Quem he a desposada?
    A Virgem sagrada.
    Quem he a que paria?
    A Virgem Maria.
    Hua pobre casa
    Toda reluzia,
    Os anjos cantavam,
    O mundo dizia:
    Quem he a desposada?
    A Virgem sagrada.
    Quem he a que paria?
    A Virgem Maria.

Obr. t. I, p. 147.

      *      *      *      *      *


Vilancete de Abel no Auto da Historia de Deos, representado em
Almeirim em 1527.

    Adorae, montanhas,
    O Deos das alturas,
    Tambem as verduras;
    Adorae, desertos
    E serras floridas,
    O Deos dos secretos,
    O Senhor das vidas:
    Ribeiras crescidas,
    Louvae nas alturas
    Deos das criaturas.
    Louvae, arvoredos
    De fructo presado,
    Digam os penedos
    Deos seja louvado,
    E louve meu gado
    N'estas verduras
    O Deos das alturas.

Obr. t. I, p. 317.

      *      *      *      *      *

    A serra é alta, fria e nevosa;
    Vi venir serrana gentil, graciosa.

    Cheguei-me a ella de gran cortezia,
    Disse-lhe:--Senhora, quereis companhia?

    Disse-lhe:--Senhora quereis companhia?
    Disse-me: «Escudeiro, segui vossa via.

Obr. t. III, p. 214.

      *      *      *      *      *


Fragmento da versão da «Bella mal maridada.»

    Le bella mal maruvada
    De linde que a mi ve,
    Vejo-ta triste nojada,
    Dize tu razão puruque.
    A mi cuida que doromia
    Quando me foram cassá;
    Se acordaro a mi jazia
    Esse nunca a mi lembrá.
    Le bella mal maruvada
    Não sei quem cassa a mi,
    Mia marido não vale nada,
    Mi sabe razão puruque.

Obr. t. II, p. 333.

      *      *      *      *      *

    --D'onde vindes, filha,
    Branca e colorida?
    «De lá venho, madre
    De ribas de um rio;
    Achei meus amores
    N'um rosal florido.
    --Florido, enha filha
    Branca e colorida.
    «De la venho, madre,
    De ribas de um alto,
    Achei meus amores
    N'um rosal granado.
    --Granado, enha filha,
    Branca e colorida.

Obr. t, III, p. 270

      *      *      *      *      *


Cantiga cantada em chacota de pastores na tragicomedia pastoril da
Serra da Estrella, representanda em Coimbra em 1527.

    Não me firaes, madre,
    Que eu direi a verdade.
    Madre, hum escudeiro
    Da nossa Rainha
    Falou-me d'amores;
    Vereis que dizia,
    Eu direi a verdade.
    Falou-me d'amores,
    Vereis que dizia:
    Quem te me tivesse
    Desnuda em camisa!
    Eu direi a verdade.

Obras. t. II, p. 445.

      *      *      *      *      *


Cantiga consenvada no Auto da Lusitania, representado em 1532.

    Vanse mis amores, madre
    Luengas terras van morar,
    Yo no los puedo olvidar.
    Quien me los hará tornar.
    Yo soñara, madre, un sueño,
    Que me dió nel corazon,
    Que se iban mis amores
    Á las islas de la mar,
    Yo no los puedo olvidar.
    Quien me los hará tornar.
    Yo soñora, madre, un sueño
    Que me dió nel corazon,
    Que se iban mis amores
    Á las terras de Aragon:
    Alla se van á morar.
    Yo no los puedo olvidar,
    Quien me los hará tornar.

Obr. t. III, p. 299.

      *      *      *      *      *


Cantiga conservada na comedia de Rubena.

    Halcon que se atreve
    Con garza guerrera
    Peligros espera.
    Halcon que se vuela
    Con garza á profia,
    Cazar la queria,
    Y no la receia:
    Mas quien no se vela
    De garza guerrera
    Peligros espera.
    La caza de amor
    Es de altaneria;
    Trabajos de dia,
    De noche dolor:
    Halcon cazador
    Con garza tan fiera
    Peligros espera.

Obr. t. II, p 49.

      *      *      *      *      *


BERNARDIM RIBEIRO


Cantar á maneira de Solao, que vem no capitulo XXI da menina e Moça.

    Pençando-vos estou filha,
    Vossa mãe me está lembrando,
    Enchem-se-me os olhos d'agoa
    Nella vos estou lavando.
    Nascestes filha entre magoa,
    Pera bem inda vos seja,
    Pois em vosso nascimento
    Fortuna vos houve inveja.
    Morto era o contentamento,
    Nenhuma alegria ouvistes,
    Vossa mãe era finada,
    Nós outros eramos tristes.
    Nada em dôr, em dôr criada,
    Não sei onde isto hade ir ter,
    Vejo-vos filha fermosa
    Com olhos verdes crescer.
    Não era esta graça vossa
    Pera nascer em desterro;
    Mal haja a desaventura
    Que poz mais nisto que o erro.
    Tinha aqui sua sepultura
    Vossa mãi, e magoa a nós;
    Não ereis vós filha, não,
    Pera morrerem por vós.
    Não houve em fados razão,
    Nem se consentem rogar;
    De vosso pai hei mór dôr,
    Que de si se hade queixar.
    Eu vos ouvi a vós só
    Primeiro que outrem ninguem;
    Não foreis vós, se eu não fôra,
    Não sei se fiz mal, se bem.
    Mas não póde ser, senhora,
    Pera mal nenhum nascerdes,
    Com esse riso gracioso
    Que tendes sob olhos verdes.
    Conforto mais duvidoso
    Me é este que tomo assi,
    Deos vos dê melhor ventura
    Do que tiveste té aqui.
    A dita, e a formosura
    Dizem patranhas antigas,
    Que pelejaram um dia
    Sendo d'antes muito amigas.
    Muitos hão que é fantesia;
    Eu que vi tempos e annos,
    Nenhuma cousa duvido
    Como ella é azo de damnos.
    Nem nenhum mal não é crido;
    O bem só é esperado:
    E na crença, e na esperança
    Em ambas ha hi cuidado;
    Em ambas ha hi mudança.

      *      *      *      *      *


Romance de Avalor, que vem no capitulo XI da segunda parte das Saudades.

    Pola ribeira de um rio,
    Que leva as agoas ao mar,
    Vai o triste de Avalor,
    Não sabe se hade tornar.
    As agoas levam seu bem,
    Elle leva o seu pesar,
    E só vai sem companhia,
    Que os seus fora elle leixar.
    Cá quem não leva descanso,
    Descansa em só caminhar:
    Descontra donde ia a barca
    Se ia o Sol a baxar.
    Indo-se abaxando o Sol,
    Escurecia-se o ar:
    Tudo se fazia triste
    Quanto havia de ficar.
    Da barca levantam remo,
    E ao som do remar
    Começaram os remeiros
    Do barco este cantar:
    Que frias eram as agoas,
    Quem as haverá de passar?
    Dos outros barcos respondem:
    Quem as haverá de passar?
    Senão quem a vontade pôz
    Onde a não pode tirar,
    Trala barca levam olhos,
    Quanto o dia dá logar.
    Não durou muito; que o bem
    Não pode muito durar.
    Vendo o Sol posto contr'elle
    Soltou redeas ao cavallo
    Da beira do rio andar.
    A noite era callada
    Pera mais o magoar
    Que ao compasso dos remos
    Era o seu suspirar.
    Querer contar suas magoas
    Seria arêas contar,
    Quanto mais se alongando
    Se ia alongando o soar.
    Dos seus ouvidos aos olhos
    A tristeza foi egualar;
    Assim como ia a cavallo
    Foi pela agua dentro entrar.
    E dando um longo suspiro,
    Ouvia longe falar:
    Onde magoas levam alma
    Vão tambem corpo levar.
    Mas indo assi, por acerto,
    Foi c'um barco n'agua dar,
    Que estava amarrado á terra,
    E seu dono era a folgar.
    Saltou, assim como ia, dentro,
    E foi a amarra cortar,
    A corrente e a maré
    Acertaram-no a ajudar.
    Não sabem mais que foi d'elle,
    Nem novas se podem achar;
    Suspeitou-se que era morto,
    Mas não é para affirmar;
    Que o embarcou ventura
    Para só isso guardar,
    Mais são as magoas do mar
    Do que se podem curar.

      *      *      *      *      *


Romance que vem na Ecloga 5.ª ao qual se chamou Cuidado e Desejo.

    Ao longo de uma ribeira,
    Que vae polo pé da serra,
    Onde me a mi fez a guerra
    Muito tempo o grande amor,
    Me levou a minha dôr;
    Já era tarde do dia,
    E a agua d'ella corria
    Por antre um alto arvoredo,
    Onde ás vezes ia quedo
    O rio, e ás vezes não.

    Entrada era do verão,
    Quando começam as aves,
    Com seus cantares suaves
    Fazer tudo gracioso;
    Ao rugido saudoso
    Das aguas cantavam ellas;
    Todalas minhas queréllas
    Se me pozeram diante;
    Ali morrer quizera ante,
    Que ver por onde passei;
    Mas eu que digo? passei!
    Antes inda heide passar
    Em quanto hi houver pezar,
    Que sempre o hi hade haver.

    As aguas, que do correr
    Não cessavam um momento,
    Me trouxeram ao pensamento,
    Que assim eram minhas magoas,
    D'onde sempre correm aguas
    Por estes olhos mesquinhos,
    Que têm abertos caminhos,
    Pelo meio do meu rosto.
    E já não tenho outro gosto
    Na grande desdita minha.
    O que eu cuidava que tinha
    Foi-se-me assim não sei como,
    D'onde eu certa crença tomo,
    Que pera me leixar veiu.
    Mas tendo-me assim alheio,
    De mim o que ali cuidava,
    Da banda d'onde a agoa estava,
    Vi um homem todo caã
    Que lhe dava pelo cham,
    A barba e o cabello.
    Ficando eu pasmado d'ello,
    Olhando elle para mim,
    Falou-me, e disse-me assim:
    «Tambem vae esta agoa ao Tejo.»

    N'isto olhei, vi meu Desejo
    Estar detraz triste e só,
    Todo cuberto de dó,
    Chorando, sem dizer nada,
    A cara em sangue lavada,
    Na bocca pósta uma mão,
    Como que a grande paixão
    Sua fala lhe tolhia.
    E o velho que tudo via,
    Vendo-me tambem chorar,
    Começou assi a falar:
    «Eu mesmo sou teu Cuidado,
    Que n'outra terra criado,
    N'esta primeiro nasci.
    E ess'outro que está aqui
    É o teu Desejo triste,
    Que má hora o tu viste,
    Pois nunca te esquecerá!
    A terra e mar passará
    Traspassando a magoa a ti.»

    Quando lhe eu aquisto ouvi,
    Soltei suspiros ao choro;
    Ali claramente o fôro
    Meus olhos tristes pagaram
    De um bem só qu'elles olharam,
    Que outro nunca mais tiveram,
    Nem o tive; nem m'o deram:
    Nem o esperei sómente.
    De só ver fui tão contente,
    Que pera mais esperar
    Nunca me deram lugar.
    E n'aquisto, triste estando,
    Com os olhos tristes olhando
    D'aquellas bandas d'álem,
    Olhei, e não vi ninguem.
    Dei então a caminhar
    Rio abaixo, até chegar
    Acerca de Monte-Mór.
    Com meus males derredor,
    Da banda do meio dia,
    Ali minha Phantasia,
    D'antre uns medrosos penedos,
    Onde aves que fazem medos
    De noite os dias vão ter,
    Me saíu a receber
    Com uma mulher polo braço,
    Que, ao parecer, de cansaço
    Não podia ter-se em si,
    Dizendo:--Vês, triste, aqui
    A triste Lembrança tua.--
    Minha vista então na sua
    Puz; d'ella todo me enchi:
    A primeira cousa que vi,
    E a derradeira tambem,
    Que no mundo vão e vem!
    Seus olhos verdes rasgados,
    De lagrimas carregados,
    Logo em vendo-os, pareciam
    Que de lagrimas enchiam
    Contino as suas faces,
    Que eram, gram tempo, paces
    Antre mim e meus cuidados.
    Louros cabellos ondados
    Que um negro manto cobria:
    Na tristeza parecia
    Que lhe convinha morrer.
    Os seus olhos de me ver,
    Como furtados, tirou,
    Depois em cheio me olhou.
    Seus alvos peitos rasgando,
    Em voz alta se aqueixando,
    Disse assim mui só sentida:
    --Pois que mór dôr, ha na vida,
    Pera que houve ahi morrer?--
    Calou-se sem mais dizer,
    E de mi gemidos dando,
    Fui-me pera ella chorando
    Pera a haver de consolar...

    N'isto pôz-se o sol ao mar,
    E fez-se noite escura,
    E disse mal á ventura,
    E á vida, que não morri...
    E muito longe d'ali,
    Ouvi de um alto outeiro
    Chamar: _Bernardim Ribeiro_
    E dizer:--Olha onde estás.--
    Olhei de ante, e de trás
    E vi tudo escuridão,
    Cerrei meus olhos então,
    E nunca mais os abri,
    Que depois que os perdi
    Nunca vi tão grande bem,
    Porém inda mal, porém!

Obras. p. 351 ed. de 1852.

      *      *      *      *      *


CHRISTOVAM FALCÃO


Cantiga com suas voltas.

    Não posso dormir as noites,
    Amor, não as posso dormir.

    Desque meus olhos olharam
    Em vós seu mal e seu bem,
    Se algum tempo repousaram
    Já nenhum repouso tem.
    Dias vão e dias vem,
    Sem vos vêr, nem vos ouvir,
    Como as poderei dormir?

    Meu pensamento occupado
    Na causa do seu pensar,
    Acorda sempre o cuidado
    Pera nunca descuidar.
    As noites de repousar
    Dias são ao meu sentir,
    Noites do meu não dormir.

    Todo o bem que é já passado
    E passado em mal presente,
    O sentido desvelado,
    O coração descontente.
    O juizo que isto sente
    Como se deve sentir,
    Pouco deixará dormir.

    Como não vi o que vejo
    C'os olhos do coração,
    Não me deito sem desejo,
    Nem me ergo sem paixão;
    Os dias sem vos vêr vão,
    As noites sem vos ouvir,
    Eu não n'as posso dormir.

      *      *      *      *      *


SÁ DE MIRANDA


Cantiga.

    Naquella alta serra
      Me quero ir morar,
      Quem me quizer bem,
      Quem bem me quizer,
      Lá me irá buscar.

VOLTAS

    N'estes povoados
      Tudo sam requestas,
      Deixay-me os cuidados
      Que em vós deixo as festas.
      D'aquellas florestas
      Verey longe o mar,
      Por-me-hey a cuidar.

    Sombras e aguas frias,
      Quando o sol mais arde;
      Despois sobre a tarde
      Por cá bradarias,
      Vês, que pressa os dias
      Levam sem cansar,
      Nunca hamde tornar.

    Não julgue ninguem
      Nunca outrem por si,
      Mais de um bem que ouvi
      A vida nam tem.
      Nam deixa este bem,
      Onde se elle achar
      Mais que desejar.

    Deixa as vaydades
      Que da mão á bocca
      O prazer se troca,
      Trocão-se as vontades.
      Essas são saudades,
      Armadas no ár,
      Que podem durar?

    'Naquella espessura
      Me hey d'ir esconder,
      Venha o que vier,
      Achar-me-ha segura,
      Se tal bem não dura
      Ao seu trespassar
      Tudo hade acabar.

Obras, ediç. de 1677, p. 314.

      *      *      *      *      *


JORGE DE MONTE-MOR


Canção tirada da novella pastoril intitulada «Diana.»

    Os tempos se mudarão,
    A vida se acabará;
    Mas a fé sempre estará
    Onde meus olhos estão.
    Os dias e os momentos,
    As horas com suas mudanças,
    Amigas são de esperanças,
    E amigas de pensamentos.
    Os pensamentos estão,
    A esperança acabará,
    A fé não me deixará
    Por honra do coração.
    É causa de muitos danos
    Duvidosa confiança;
    Que a vida sem esperança
    Já não teme desenganos.
    Os tempos se vem e vão,
    A vida se acabará,
    Mas a fé não quererá
    Fazer-me esta sem razão.

      *      *      *      *      *


Outra cançoneta

    Suspiros, minha lembrança,
    Não quer, porque vos não vades,
    Que o mal que fazem saudades
    Se cura com esperanças.
    A esperança me vai
    Por causa, em que se tem,
    Nem prommette tanto bem
    Quanto a saudade faz mal.
    Mas, amor, desconfiança,
    Me deram tal qualidade,
    Que nem me mata a saudade,
    Nem me dá vida a esperança.
    Errarão, se se queixarem
    Os olhos, com que eu olhei,
    Porque não me queixarei
    Em quanto os seus me lembrarem.
    Nem poderá haver mudança
    Jamais em minha vontade,
    Ou me mate a saudade,
    Ou me deixe a esperança.

      *      *      *      *      *


JORGE FERREIRA DE VASCONCELLOS


Romance da batalha que El-Rei Arthur teve com Morderet, seu filho.

    Gram Bretanha desleal,
    Ao melhor rei que tiveste
    D'agora, té o fim do mundo
    Chora quanto bem perdeste:
    Jaz no campo, entregue á morte
    Que falsa, ingrata lhe deste,
    A flor da cavalleria
    Com que te ensoberveceste.
    A pena tem já da culpa
    Que lhe assi favoreste,
    Oh traidor de Mordereth,
    Porque um tal rei vendeste?
    Oh Bretanha desleal
    Que grande traição fizeste,
    A vinte quatro da Távola
    Que por Ginebra escolheste.
    Á demanda do Grial
    Triste remate poseste;
    Morto jaz de mil feridas,
    E tu, soberba lh'as deste,
    Dom Galvão tão animoso
    Por quem mil glorias tiveste;
    E matar Dom Galeazo
    Ingrata como podeste?
    Que em obras de fortaleza,
    Não sei se outro egual houveste!
    Pôde matar-te Bretanha
    Que tu tanto engrandeceste!
    Esforçado Flordemares,
    Que em forças mares venceste,
    A morte, que em defenderes
    Tal rei, d'ella padeceste.
    Oh animado Troyano,
    Nunca lh'o tu mereceste,
    Mal lhe merecias, mal
    O que d'ella recebeste.
    Palamedes, oh pagão
    Que nas armas floreceste:
    Dom Tristão de Leonis,
    Que por amores morreste.
    Em não morreres aqui
    Ditosa sorte tiveste,
    Tu, Lançarote do Lago
    Que as glorias de amor houveste;
    De damas servido, amado
    Da dona a quem mais quizeste,
    Com dano dos traydores
    Á morte a que te rendeste.
    Ficarás sem sepultura
    Co'a pena que mereceste
    Tu traidor Morderet
    Pois tal traição commetteste
    Aqui se acabou a gloria
    Quanta, Bretanha, tiveste:
    Em pago da qual a Arthur
    Nem a sepultura deste.
    Cá na Ilha de Avalom,
    Merlim, vergel lhe fizeste,
    Em que vive, e só salval-o
    De affronta e morte podeste.
    Como amigo que as más manhas
    De Bretanha conheceste,
    Mas n'algum tempo inda Arthur,
    Bom Rei que desmereceste,
    Bretanha virá a vingar-se
    Da traição que lhe fizeste.

_Memorial das Proesas da Segunda Tavola Redonda_, cap. III.

      *      *      *      *      *


Romance ao modo hespanhol, com gentil arte e disposição, sobre a
Guerra de Troya.

    Naquella montanha Ydéa
    Que Afrodísia frequentava,
    Páris, aquelle pastor
    A quem Enone amava,
    Com ella de companhia
    As feras bravas caçava,
    As aves de mil maneiras
    Armando laços tomava.
    Antre murteiras, nos braços
    Da Nimpha a sesta passava,
    D'onde ter-lhe eterno amor
    Muitas vezes lhe jurava;
    E de tel-a por senhora
    Comsigo se vangloriava.
    Aquelle que por ser justo
    De hera os touros coroava,
    Embaixada de Tronante
    Mercurio lhe apresentava:
    Pera julgar antre as Deosas
    Que a discordia baralhava,
    E de cada uma dellas
    Promessas lhe apresentava,
    Riqueza uma, outra victoria,
    Venus formosura dava.
    O justo pastor se incrina
    Ao que os olhos contentava,
    E quer ver núas as Deosas
    Que nada vêr lhe estorvava.
    Oh desenho temerario,
    Que tal perigo intentava,
    Com rasão e com desejo,
    Por Cytherêa julgava.
    E a Deosa satisfeita
    Da palavra penhorava:
    Enlevado na esperança
    Ênone já desprezava.
    Lagrimas por seu amor
    Em satisfação lhe dava:
    O seu descanso amoroso
    Por trabalhos o trocava.
    Venus cumpre sua promessa,
    Fortuna Ênone vingava,
    Com a fermosa Greciana
    A toda a Troya abrasava.
    E não lhe valeu Cassandra,
    Que furiosa o gritava,
    Que estes são os galardões
    Que amor vingativo dava.

_Memorial das Proesas, etc._ cap. VIII

      *      *      *      *      *


Romance da morte de Achilles, e desgraça de Policena.

    Diante os muros de Troya
    Mui ufano passeava
    Achilles, o mui soberbo
    Que em seu peito a abrasava.
    A fermosa Policena
    Antre as ameyas estava;
    E tal era a fermosura
    Com que d'ellas se estremava,
    Que ao romper per antre as nuvens
    A Aurora semelhava.
    O cruel inimigo os olhos
    A tal luz alevantava.
    De seus raios traspassado
    Dentro do peito se achava,
    Com a dor que na alma sente
    A falar-lhe se chegava;
    Mas a troyana princeza
    Que em extremo o desamava,
    Recolheu-se com gemidos
    Que a deoses apresentava,
    Pedindo-lhes a vingança
    Que ella a tomar não bastava.
    O cavalleiro indomavel
    Tam preso e triste ficava,
    Que com suspiros ao céo
    Sua dor manifestava:
    Já d'antes a tinha visto
    Quando ella Hector pranteava,
    Des então do seu amor
    Sua alma presa enxergava;
    De como pudesse havel-a
    Muitas contas só lançava.
    Como agora, amor repouso
    Nem soffrimento lhe dava,
    Soccorreu-se á esperança
    Que a vida lhe sustentava;
    A Hecuba sua madre
    Tal mensagem ali mandava:
    Que se quer ver Troya livre
    Policena assegurava
    Que elle a fará descercar
    Se por senhora lhe dava.
    Hecuba, que mais que a vida
    Vingar Hector desejava,
    Com Páris logo da morte
    De Achilles cruel tratava.
    Respondeu-lhe que se vissem
    No templo em que Apollo estava.
    Recebera Policena,
    Se a fé ante elle lhe dava;
    E de imigo será filho,
    Se lhe Troya descercava.
    O triste amador que a via,
    Nem cem vidas estimava,
    A respeito do desejo
    Que Policena causava.
    Sem temer e sem receio,
    Sem cuidar que aventurava,
    Entregando-se á ventura
    E Amor que o guiava,
    Sem cautella e em seu conselho
    No templo de Apollo entrava.
    De giolhos posto ante elle
    Muitas graças a amor dava.
    Páris, que com arco armado
    Escondido o esperava,
    Fazendo votos a Apollo
    Se lhe a seta endereçava,
    Em o vendo de giolhos
    Muy prestes n'elle encarava;
    Pola pranta do seu pé
    A vida lhe atravessava,
    Cae o triste namorado
    De quem tanto o desamava;
    N'esta vingança de Hector
    Toda a Troya se alegrava

Obra cit. p. 128.

      *      *      *      *      *


Romance da morte de Policena para Vingar os manes de Achilles.

    No templo de Apollo, Achilles
    Desprovido, namorado
    Jaz morto n'alma do pé
    De uma seta trespassado.
    E não lhe valeu no mar
    Por Thetis ser encantado,
    Aquelle que dos Troyanos
    Era temor e cuidado.
    Dos Gregos o defensor
    Pouca cinza já tornado,
    A pequena Urna não enche
    Aquelle grande esforçado.
    Contem de sobre suas armas
    Todo capitão notado,
    A Thelamão e a Ulysses
    Todos o logar tem dado.
    Não nas leva o cavalleiro
    E levou-as o avisado,
    A Troya é toda abrasada,
    O Illião derrubado.
    Querem-se partir os Gregos
    Não fica Achilles vingado.
    Da terra sae a sua sombra,
    E com o seu vulto ayrado,
    Como quando a Agamenão
    Tentou matar denodado:

    «Quereis vos partir, (dizia)
    Grego exercito malvado?
    E fique eu na sepultura
    Sem vingança deshonrado.»
    Pede Policena a alma
    De Achiles d'ella engeitado.
    Agora Pirho o soberbo
    Filho, do pae o traslado,
    Dos braços da triste mãy
    Que por todos tem chorado,
    Traz Policena ao sepulchro
    Virgem de animo estremado;
    E vendo Pirho, o cruel,
    Contr'ella determinado,
    Com rosto seguro, honesto,
    Fermoso, mas descorado,
    Diz: «Derrama o generoso
    Sangue real apurado:
    Farte-se a grega crueza
    Cumpra-se meu triste fado;
    Seja meu pescoço ou peito
    D'essa espada trespassado.
    Livre naceu Policena,
    Servir outrem não lhe é dado.
    Não será com minha morte
    Algum idolo applacado,
    O coração só quizera
    Da minha mãe esforçado.
    O gosto da morte minha
    Esta dor m'o tem tirado:
    Deve chorar só sua vida
    E invejar meu estado.
    A filha do rei Priamo
    Sobre os reis afortunado,
    Vos roga que á triste mãe
    Seja seu corpo entregado;
    Não seja como o de Hector
    Por outro inda resgatado,
    Contentae-vos que com lagrimas
    A coitada o tem comprado.»
    Isto disse, e de um só golpe
    Do cruel Pirho indomado,
    O pescoço cristalino
    Do corpo lhe foi apartado;
    De recolher, em caindo,
    As fraldas, teve cuidado
    Por conservar o decoro
    Nas Virgens sempre estimado.

_Memorial_, cap. XXXV.

      *      *      *      *      *


Romance da Historia de Roma.

    De ti casto Scipião
    Sofonisba ouvi queixar,
    Que foste imigo de amor
    Por querer d'ella triumphar.
    Na forte cidade Cirta
    Masenisa fôra entrar,
    E por teu mandado Sifax
    Seu marido foi matar.
    Com furia e odio imigo
    Nos seus paços fôra dar,
    Mas na mór força da furia
    Amor o pôde amansar:
    Dos encontros dos seus olhos
    O seu coração domar.
    De escrava feita senhora
    De quem vinha cativar,
    De eterno amor dada fé,
    As almas foram trocar:
    Lagrimas e fermosura
    Tudo puderam acabar.
    Sabido per Cipião
    Que amor não pôde abrasar,
    Com coração deshumano,
    Com razoes não de acceitar,
    A Masenisa escrevia
    Que lh'a mandasse entregar,
    Porque era imiga de Roma
    Da geração de Amilcar.
    Em grande affronta se vê
    Masenisa e gram pesar,
    O coração não lhe leva
    Á Sofonisba faltar.
    Cuidou um mui duro meio
    Pera haver de a libertar!
    Uma cópa de peçonha
    Lhe mandou appresentar,
    Em logar da liberdade
    Que lhe não podia dar.
    Sofonisba muy contente
    A bebeu sem receiar,
    Sentindo somente a dor,
    Que se não pode escusar,
    Por amor da Masenisa
    Que vive pera a passar.
    Dizendo: «Por vós, amor,
    Me quero sacrificar,
    Não será d'outro cativa
    Quem toda se vos quiz dar.»
    Mal haja fortuna imiga
    Que tal amor foi cortar.

_Memorial_, etc. cap. XIII.

      *      *      *      *      *


Romance da vespera da batalha da Pharsalia

    De Roma sahe Pompeo,
    E toda Roma o seguia,
    Com temor de Julio Cesar
    Que de França já partia.
    O Robicão tem passado
    Contra Roma traz a via.
    Apesar do bom Metelo,
    Do thesouro se provia,
    Apoz Pompeo se vae,
    E Pompeo que o sabia,
    Em Brandusio se faz forte,
    E d'ali per mar fugia;
    Desamparando a Italia
    Defendel-a pertendia,
    De romanos e outra gente
    Grande exercito fazia;
    A Cesar dera batalha
    Se o seguira vencia,
    Por arredal-o do mar
    Fugir-lhe Cesar fingia:
    Ser arte de capitão
    Pompeo bem o entendia,
    A Cesar, contra o que entende,
    E a seu pesar, seguia.
    Já nos campos de Pharsalia
    Um contra o outro se via,
    Vendo-se chegado á summa
    Pompeo do que temia.
    Oh que grande senhorio
    O conjugal amor cria,
    Que só Cornelia é a causa
    Que reprime o que cumpria;
    É-lhe forçado apartal-a,
    Dilata-o de dia em dia,
    No seu leito sem repouso
    Chorando, cá não dormia.
    Cornelia tem a seu lado
    Que animal-o commetia,
    De lagrimas suas faces
    Humidas ali sentia.
    Dissimula, cá não ousa
    Tomal-o em tal agonia,
    Parecendo-lhe que o magno
    Pompeo assi se abatia.
    Elle que a sente e entende
    Taes palavras lhe dizia:
    «Mulher, a que eu mais que a propria
    Vida, ditosa queria,
    Não esta que me aborrece
    Mas quando ledo vivia,
    É vindo o tempo que eu triste
    Dilatado, e já não podia
    Cá Cesar está no campo
    E a batalha offerecia;
    Cumpre dar logar á guerra
    Mandar-te a Lesbos queria;
    O al tenho a mi negado,
    Não cures de mais porfia,
    Este nosso apartamento
    Por muito pouco seria.
    Do teu verdadeiro amor
    Confiança não teria
    Se vêres esta batalha
    O coração t'o soffria.
    Corro-me de estar comtigo
    Quando a guerra assi fervia;
    Mais seguro é que de longe
    Ouças o que succedia,
    Se me a fortuna fôr falsa
    E se me Cesar vencia!
    A melhor parte de mim
    Segurar, sequer, queria.
    Quero ter onde me ir possa
    Segurar minha agonia.»
    Cortada de mortal dor
    Cornelia, que isto ouvia,
    Esforçando-se com dor
    A triste assi respondia:
    --Dos deoses e da fortuna
    Já me queixar não podia,
    Pois per morte não me aparta
    Da conjugal companhia,
    Ser como vil engeitada
    De ti, d'isto me sentia.
    Cuidares que algum logar
    Sem ti me seguraria!
    E queres, se fôres morto,
    Que viva ainda algum dia?
    Já me ensinas a soffrer
    Dor que nem cuidar soffria:
    A mulher do gram Pompeo
    Esconder não se podia.
    D'onde se desbaratado
    Fôres, isto só pedia:
    Salva-te em toda outra parte
    E de Lesbos te desvia.»
    Partindo-se d'elle agora
    Um do outro não se espedia.
    A Lesbos se vae Cornelia
    Pompeyo logo a seguia.
    Vencido vae de seu sogro
    Tal Cornelia o recebia.
    «Esta é a minha fortuna
    Que me inda segue» dizia.

_Memorial das Proezas, etc._ cap. 45.

      *      *      *      *      *


Romance cantado a trez vozes, que se refere á morte do principe
Dom Affonso, filho de El-rei Dom João II e seu unico successor.

    Principes e Emperadores
    Que o mundo a sabor mandaes,
    E tam pouco vos lembraes
    Da rota da vida eterna!
    A soberba que governa
    Vossos peitos deshumanos,
    Derruba os grandes tyrannos
    Da mais alta monarchia:
    Quem da fortuna se fia
    Não lhe sabe a condição!
    Soberba lançou Adão
    Do Parayso deleitoso,
    Ficando victorioso
    Do mundo o enganador.
    Aquelle edificador
    De Babel, que em competencia
    Da eterna summa potencia
    Presumiu d'ella isentar-se,
    Cahiu por alevantar-se.
    Apoz elle os successores
    Assyrios emperadores
    Que a fortuna sublimou,
    Em breve os desapossou,
    Sardanapalo o sentiu.
    Dos Medos tambem se viu
    Astiages, que cuidava
    Que a seus fados atalhava
    Com mandar matar o neto,
    Cyro animoso e discreto
    Que o despossou de seu estado,
    E foi o Imperio passado
    Aos Persas, onde o perdeu
    Dario que desconheceu
    Vossa humana condição.
    E aquelle filho de Adão
    Que negou a natureza,
    Cuja soberba altiveza
    Teve em pouco e desprezou
    O mundo que conquistou,
    Sua cobiça atenuada
    Foy com morte antecipada,
    Seu Imperio dividido.
    Cesar não menos temido
    Em confirmação d'este erro
    Foi morto dos seus a ferro.
    E todos quantos subiram
    Tyrannamente, caíram:
    Caíu Thebas, caíu Troya,
    Roma que levou a boya
    A toda potencia humana,
    Quando foi mais soberana
    Por si mesma se abateu,
    Que o mundo não concedeu
    Haver estado seguro:
    Por tanto quem quer ter muro
    Inexpunhavel, e um forte
    Que não entre humana sorte,
    Em Deos ponha a confiança,
    O fundamento, a esperança,
    Com verdade e com amor:
    D'onde tu, Rei Sagramor,
    No que ora vires, verás
    Exempro que tomarás
    E te fique por aviso,
    Que todo o mundo é riso,
    Sem ter Deos por padroeyro,
    Guia e norte verdadeiro.
    E verás um poderoso
    Rey prudente e justiçoso
    Liberal, manso, benigno,
    Que em Deos tem posto seu tino,
    Christianissimo, cremente,
    Nos desgostos paciente,
    Sesudo em prosperidade.
    Soffreu na adversidade,
    De David claro traslado,
    Que sendo de Deos tocado
    Per vezes, em seu louvor
    Converte sempre sua dor;
    A paciencia lhe sobeja,
    D'onde fortuna, de inveja,
    Quando mais contente o viu
    E descuidado o sentiu,
    De si mesma á traição
    Poz-lhe o Reyno em condição
    De fazer termo mortal,
    E acabar-se Portugal:
    O bom Rey, que assi o temia,
    A seu Deos se convertia,
    E com seu povo gemendo
    Confiança n'elle tendo,
    De um phenix que vivo ardeu
    Logo outro phenix nasceu
    Por Deos a Portugal dado,
    Pera ser mais exalçado
    Que Israel per Salamão.
    Taes pronosticos nos dão
    Os aspeitos celestiaes,
    E seus principios reaes,
    Como foram trabalhosos
    Assi hão de ser famosos
    Os meios e fins da vida,
    Que longa lhe é concedida;
    Cá o que se dá sopesado
    Dos céos sempre foi estremado,
    Tam beninas as estrellas
    Lhe serão, que suas velas
    No mundo sejam espanto,
    E elle, outro Affonso sancto
    Que o Reyno renovará,
    E os termos lhe augmentará
    Muyto melhor do que eu canto.

_Memorial das proezas_, cap. 46.

      *      *      *      *      *


Romance á morte do principe D. João.

    Soberbo está Portugal
    Em sua gloria enlevado,
    Vê-se de um rei sabedor
    Mimoso e bem governado.
    O mundo todo anda em guerras
    Injustas mui baralhado:
    Elle só estava em remanso
    Seguro e mui descansado,
    Plantando antre os infieis,
    Pendões do Crucificado,
    Por capitães animados
    Que os levam per seu mandado.
    E como Deos de taes obras
    Folga ver-se penhorado,
    C'os olhos em Portugal
    Está sempre occupado.
    E como filho mimoso
    De quem não perde o cuydado,
    Porque nam se ensoberbeça
    Em se vêr tão prosperado,
    Na força das suas glorias
    No tempo mais festejado,
    D'antre os olhos lhe tirava
    O seu Principe estremado.
    Vendo no pae paciencia
    Pera ser mais apurado,
    Dá graças ao Criador
    Inda que desconsolado.
    A menina que seu amor
    Em flor assi viu cortado,
    Vencida com soffrimento
    A dor do amor encortado,
    No peito se abrasa em magoa
    O rosto mostra esforçado;
    O coração lhe dizia
    O mal de que era assombrado,
    Entende, soffre e gemia,
    Padece e maldiz seu fado.
    A si mesmo se esforçava
    E fazel-o era forçado,
    Por dar esforço e consolo
    A um pae desconsolado,
    E pera poupar o fructo
    Do seu amor desejado.
    Oh animosa princeza,
    Quanto vos fica obrigado
    Um reino, que destruido
    Por vós ficou restaurado!
    Esforça-te, Portugal,
    Pois já te vês melhorado
    De um Rey que antre os Reys
    Estremo será chamado.

_Memorial, etc._ cap. XLVII.

      *      *      *      *      *


LUIZ DE CAMÕES


Endechas a Barbara escrava

      Aquella cativa,
    Que me tem cativo,
    Porque n'ella vivo,
    Ja não quer que viva.
    Eu nunca vi rosa
    Em suaves mólhos,
    Que para meus olhos
    Fosse mais formosa.
      Nem no campo flores,
    Nem no céo estrellas,
    Me parecem bellas,
    Como os meus amores.
    Rosto singular,
    Olhos socegados,
    Pretos e cansados
    Mas não de matar.
      Uma graça viva,
    Que n'elles lhe mora,
    Para ser senhora
    De quem é cativa.
    Pretos os cabellos,
    Onde o povo vão,
    Perde opinião,
    Que os loucos são bellos.
      Pretidão de amor
    Tão doce a figura,
    Que a neve lhe jura
    Que trocara a côr.
    Léda mansidão
    Que o siso acompanha,
    Bem parece estranha,
    Mas barbara não.
      Presença serena
    Que a tormenta amansa:
    N'ella em fim descansa
    Toda minha pena.
    Esta é a cativa.
    Que me tem cativo;
    E pois n'ella vivo,
    É força que viva.

      *      *      *      *      *


Mote

    Descalça vae para a fonte
    Leonor pela verdura;
    Vae formora, e não segura.

            VOLTAS

      Leva na cabeça o pote,
    O testo nas mãos de prata,
    Cinta de fina escarlata,
    Saínho de chamalote:
    Traz a vasquinha de cote,
    Mais branca que a neve pura;
    Vae formosa e não segura.
      Descobre a touca a garganta,
    Cabellos de ouro entrançado,
    Fita de côr de encarnado,
    Tão linda que o mundo espanta:
    Chove n'ella graça tanta
    Que dá graça á formosura;
    Vae formosa e não segura.

      *      *      *      *      *


FRANCISCO RODRIGUES LOBO


Cantiga

    Descalsa vae para a fonte
    Leanor pela verdura,
    Vae fermosa e não segura.

            VOLTAS

        A talha leva pedrada,
    Pucarinho de feição,
    Saia de côr de limão,
    Beatilha suqueixada:
    Cantando de madrugada,
    Pisa as flores na verdura,
    Vae fermosa e não segura.
        Leva na mão a rodilha,
    Feita de sua toalha,
    Com uma sustenta a talha,
    Ergue com outra a fraldilha:
    Mostra os pés por maravilha,
    Que a neve deixam escura;
    Vae fermosa e não segura.
        As flores, por onde passa,
    Se o pé lhe acerta de pôr,
    Ficam de inveja sem côr,
    E de vergonha com graça.
    Qualquer pegada que faça
    Faz florescer a verdura;
    Vae fermosa e não segura.
        Não na vêr o sol lhe val,
    Por não ter novo inimigo;
    Mas ella corre perigo,
    Se na fonte se vê tal.
    Descuidada d'este mal
    Se vae vêr na fonte pura,
    Vae formosa e não segura.

_Obras compl._ Ecl. X, p. 651.

      *      *      *      *      *


Cantiga

    Antes que o sol se levante,
    Vae Violante a vêr o gado;
    Mas não vê sol levantado
    Quem vê primeiro a Violante.

            VOLTAS

      He tanta a graça que tem
    Com uma touca mal envolta,
    Manga da camisa solta,
    Faixa pregada ao desdem;
    Que se o sol a vir diante,
    Quando vae munir o gado,
    Ficará como enleado
    Ante os olhos de Violante.
      Descalsa ás vezes se atreve
    Ir em mangas de camisa;
    Se entre as ervas neve pisa
    Não se julga qual é neve;
    Duvída o que está diante,
    Quando a vê munir o gado,
    Se é tudo leite amassado,
    Se tudo as mãos de Violante.
      Se acaso o braço levanta,
    Porque a beatilha encolhe,
    De qualquer parte que a olhe
    Leva a alma na garganta.
    E inda que o sol se alevante
    A dar graça e luz ao prado,
    Já Violante lh'a tem dado,
    Que o sol tomou de Violante.

_Idem_, p. 653.

      *      *      *      *      *


Romance do Desenganado

    Sobre as aguas vagarosas
    Que o Tejo já traz cansadas
    De abrandar duros penedos,
    E de romper serras altas:
    Perto d'onde o mar oceano
    Lhe offerece livre entrada,
    Dando ás crystallinas ondas
    Livres e douradas praias:
    Leva o pescador sereno
    Com rôtas redes a barca,
    Tam perseguida dos ventos
    Quanto de amar sustentada;
    E por que o leva forçado
    Sua virtude contraria,
    Desterrado do seu Lena,
    E de sua amada patria,
    Já o vento o favorece
    E o mar lhe mostra bonança,
    Porque para a desventura
    A ventura nunca falta.
    E ao som que os duros remos
    Fazem dividindo as aguas,
    Derramando-as de seus olhos,
    Vae dizendo estas palavras:
    «Fermosas aguas do Tejo,
    Do mundo tão celebradas,
    Morada de tantas nymphas,
    E inveja de outras tantas;
    Este corpo que amparaes,
    Que persegue a sorte ingrata,
    Dae-lhe vós a sepultura,
    Que é corpo que vae sem alma.
    Mil annos vivi sem tel-a,
    Por poder de uma esperança
    Enganada da ventura,
    Que tam facilmente engana.
    Causa foi da minha morte
    Lisêa, e melhor se acclara
    Que, pois tanto amei Lisêa,
    Eu fui de meu mal a causa,
    O espirito com que vivo
    É de um tormento que mata,
    Que os males aonde ha firmeza
    Nem com a vida se acabam.
    Junto então do rio Lis
    Meu rebanho apacentava,
    Fiz-me pescador do Lena
    Provei a sorte em mudanças.
    Só no mal achei firmeza,
    Sei do bem quam cedo passa,
    E sei que a quem muda a vida
    Se muda mas não se acaba.
    Sei que vive um corpo morto
    Por milagre de esperanças,
    E que o mal ainda sustenta
    Quando as esperanças faltam.
    Se em vós móra piedade
    'Nessas humidas entranhas,
    Dae fim a meus tristes dias,
    E a vosso nome esta fama:
    --Contra o poder da ventura
    Empregada em um sujeito,
    De um fogo de amor perfeito
    Aguas foram sepultura.»

_Romances_, 2.ª parte, p. 722.

      *      *      *      *      *


DOM FRANCISCO DE PORTUGAL


Romance pastoril.

    Deixou de ir Leonor á fonte,
    Por ver damas estrangeiras,
    Não para vir invejosa,
    Mas para matar de inveja.
    Mais que a vêr foi a ser vista,
    Que como novas estrellas,
    Não ha olhos que os seus levem,
    Alma que a sua não seja.
    De vinte e quatro alfinetes,
    Como dizem, foi a festa,
    Que muito que pique a muitos
    Quem tanto alfinete leva?
    Saia de palmilha azul,
    Que tudo são palmas n'ella,
    Que é bem que vista do céo
    O mór milagre da terra.
    Gibão de cannequim fino
    Que desconfiado confessa:
    Aqui jaz em neve um fogo
    Que o meu branco em branco deixa.
    Beatilha, melhor que ouro
    Encobre um par de madeixas,
    Alcaide de liberdades
    Que só soltando condemna.
    Fita verde que entre raios
    Com perigos lisongeia,
    Inda que negue esperança
    Quando só mortes promette.
    O desprezo dos cathurnos
    De umas sapatas vermelhas,
    Purpura de unido aljofar,
    Nacar de animadas perolas,
    Tantas perfeições airosas
    Em naturaes extranhezas,
    Tanto computo artificio
    No descuido de ser bella;
    Aquelles olhos rasgados,
    Em que amor faz por mór guerra,
    Cada sobrancelha um arco,
    Cada pestana uma setta.
    Aquelle engraçado riso,
    Que por crystaes de Veneza,
    Com gloria brinda as vontades,
    Sêde mortal que deleita.
    Em casa de um mercador
    Na rua nova á janella,
    Sem si Leonor estava
    Formosa ouvindo estas queixas:

          Quebrou Leonor
          O pote na fonte,
    E deitou-lhe os testinhos tão longe?

    Sem seu bem mais suspirado
    D'onde estava d'este modo
    A si o descuido todo,
    E a seu mal todo o cuidado.
    O peito tinha abrazado
    Tendo nos olhos a fonte,

          E deitou-lhe os testinhos
          Mana, tão longe.

    Diria quem a assim visse
    Que eram pedras que atirava,
    Porque tanto quanto amava
    Tanto tinha de doudice.
    E para que mais sentisse
    Seu sentido está na fonte,

          E deitou-lhe os testinhos,
          Mana, tão longe.

      *      *      *      *      *


BALTHASAR DIAS


Romance do Marquez de Mantua e do Imperador Carlos Magno.

(Introducção recolhida pelo Cavalheiro de Oliveira)

    Na caça andava perdido
    De Mantua o velho Marquez,
    E no peito pressentido
    O coração traz d'envez;
    Mas não sabe o succedido!
    Farto já de caminhar
    Por tão fragosa montanha,
    Cansado assim sem companha,
    Sem ter onde repousar
    'Nessa terra tão extranha,
    Vendo o mato tão cerrado,
    Assentou de se apear,
    E o seu cavallo deixar,
    Porque estava de cansado
    Que já não podia andar.

Marquez:

    Fortunosa caça é esta
    Que fortuna me ha mostrado,
    Pois que por ser manifesta
    Minha pena, e gram cuidado,
    Me mostrou esta floresta.
    Nunca vi tão forte brenha
    Desque me acórdo de mi;
    Eu creio, que Margasi
    Fez esta serra d'Ardenha,
    Estes campos de Methli.
    Quero tocar a bosina
    Por vêr se alguem me ouvirá;
    Mas cuido, que não será,
    Porque minha gram mofina
    Commigo começou já.
    Todavia quero vêr
    Se mora alguem n'esta serra,
    Que me diga d'esta terra,
    Cuja é para saber;
    Que quem pergunta não erra.
    Por demais é o tanger
    Em logar deshabitado,
    Onde não ha povoado,
    Nem quem possa responder,
    Ao que lhe fôr perguntado.
    Gram mal é o caminhar
    Por tão fragosa montanha,
    Cançado assim sem companha,
    Nem tendo onde repousar
    N'esta terra tão extranha.
    Vejo o matto tão cerrado,
    Que fiz bem de me apear,
    E meu cavallo deixar,
    Porque estava tão cançado,
    Que já não podia andar.
    Agora vejo-me aqui
    N'esta tão grande espessura,
    Que nem eu me vejo a mi,
    Nem sei de minha ventura.
    Nem menos será cordura,
    Repousar n'este logar,
    Nem sei d'onde possa achar
    Descanço á minha tristura.

Valdevinos:

    Oh Virgem minha senhora,
    Madre do rei da verdade,
    Por vossa gram piedade
    Sêde minha intercessora
    Em tanta necessidade.
    Oh summa Regina pia,
    Radiante luz phebêa,
    _Custodia animæ mea_,
    Pois está na terra fria
    A alma de pezar cheia.
    Pois és amparo dos teus,
    Consola os desconsolados,
    Rainha dos altos céos,
    Rogae a meu senhor Deos,
    Que perdoe meus peccados.

Marquez:

    Não sei quem ouço chorar
    E gemer de quando em quando!
    Alguem deve aqui estar...
    Segundo se está queixando,
    Deve ter grande pesar.

Valdevinos:

    _Domine momento mei_,
    Lembrae-vos de minha alma,
    Pois que sois da gloria Rei
    Nascido da flor da palma,
    Remedio da nossa Lei.

Marquez:

    Segundo d'elle se espera,
    Aquelle homem anda perdido,
    Ou por ventura ferido
    De alguma d'estas féras.
    Quero vêr este mysterio,
    Que a fala me dá ousadia:
    Porque dois em companhia
    Tem mui grande refrigerio
    Para qualquer agonia.

Valdevinos:

    Oh minha esposa e senhora,
    Já não tereis em poder
    Vosso esposo que assim chora,
    Pois a morte roubadora
    Vos roubou todo o prazer.
    Oh vida de meu viver,
    Resplandecente narcizo,
    Gram pena levo em saber,
    Que nunca vos heide ver
    Até o Dia de Juizo.
    Oh esperança, por quem
    Tinha victoria vencida!
    Oh minha gloria, meu bem;
    Porque não partis tambem,
    Pois que sois a minha vida?
    Se não fôr vossa vontade
    De haver de mim compaixão,
    Mandae-me meu coração,
    Minha fé e liberdade,
    Que está em vossa prisão.
    Madre minha muito amada,
    Que é do filho que paristes
    De quem ereis consolada?
    Como se ha tornado nada
    Quanta gloria possuistes?
    Já me não vereis reinar,
    Já me não dareis conselho;
    Nem eu o posso tomar,
    Que quebrado é o espelho,
    Em que vos sabeis olhar.
    Já nunca me haveis de vêr
    Fazer justas e torneios,
    Nem vestir nobres arreios,
    Nem Cavalleiros vencer,
    Nem tomar bandos alheios.
    Já não tomareis prazer
    Quando me virdes armado,
    Já vos não virão dizer
    A fama de meu poder,
    Nem louvar-me de esforçado.
    Oh valentes Cavalleiros,
    Reinaldos de Montalvão,
    Oh esforçado Roldão,
    Oh Marquez Dom Oliveiros,
    Dom Ricardo, Dom Dudão,
    Dom Gaiferos, Dom Beltrão,
    Oh Grão Duque de Milão,
    Que é da vossa companhia
    Duque Maime de Baviera,
    Que é de vosso Valdevinos?
    Oh esforçado Guarinos,
    Quem comsigo vos tivera!
    Meu amigo Montesinhos,
    Já nunca mais vos verei;
    Dom Alonso de Inglaterra,
    Já não acompanharei
    O Conde Dirlos na guerra.
    Oh esforçado Marquez
    De Mantua, teu senhorio,
    Já não me poreis arnez,
    Nem me vereis outra vez
    Gozar vosso poderio.
    Já não quero vosso estado,
    Já não quero ser pessoa,
    Nem mandar, nem ter reinado,
    Já não quero ter corôa
    Nem quero ser venerado.
    Oh Carlos Imperador,
    Senhor de mui alta sorte,
    Como sentireis grão dôr
    Sabendo da minha morte,
    E quem d'ella é causador!
    Bem sei, se for informado
    Do caso como passou,
    Que serei mui bem vingado,
    Ainda que me matou
    Vosso filho mui amado.
    Oh Principe Dom Carloto,
    Quem, sendo tão desigual,
    Te moveu a fazer mal
    Em um logar tão remoto
    A teu amigo leal?
    Alto Deos omnipotente,
    Juiz direito sem par,
    Sobre essa morte innocente
    Justiça queiraes mostrar,
    Pois morro tão cruelmente.
    Oh madre de Deos benigna,
    E fonte de piedade,
    Arca da santa Trindade,
    De donde o Verbo divino
    Trouxe sua humanidade.
    Oh Santa _Dómina mea_,
    Oh Virgem _gratia plena_.
    Em que a alma se recreia
    Dá remedio á minha pena,
    Pois que morro em terra alheia.

Marquez:

    Senhor, porque vos queixaes?
    Quem vos tratou de tal sorte?
    E quem é o que tal morte
    Vos deu, como publicaes,
    Que assás é esta má sorte!
    Não me negueis a verdade,
    Contae-me vosso pezar,
    Que vos prometto ajudar
    Com toda a força e vontade.

Valdevinos:

    Muito me agasta, amigo,
    Certamente teu tardar,
    Dize se trazes comtigo,
    Quem me haja de confessar?

Marquez:

    Eu nao sou quem vós cuidaes;
    Nunca comi vosso pão,
    Mas vossos gritos e ais
    Me trouxeram aonde estaes
    Mui movido á compaixão.
    Dizei-me vossa agonia,
    Que, se remedio tiver,
    Eu vos prometto fazer
    Com que tenhaes alegria.

Valdevinos:

    Meu senhor, muitas mercês
    Por vossa bôa vontade!
    Bem creio, que ma fareis
    Muito mais do que dizeis,
    Segundo vossa bondade.
    Mas minha dor é mortal,
    Meu remedio só é morte,
    Porque estou parado tal,
    Que nunca homem mortal
    Foi tratado de tal sorte.
    Tenho, senhor, vinte e duas
    Feridas todas mortaes,
    As entranhas rotas e nuas,
    E passo penas tão cruas,
    Que não poderão ser mais.
    Ha-me morto á traição
    O filho do Imperador,
    Carloto a gram sem razão;
    Mostrando-me todo o amor,
    Não o tendo no coração.
    Muitas vezes requeria
    Minha esposa com maldade,
    Mas ella não consentia,
    Pelo bem que me queria,
    Por sua grande bondade.
    Carloto com grão pezar
    Como mais traidor, que forte,
    Ordenou de me matar,
    Cuidando com minha morte
    Com ella haver de casar.
    Matou-me com gram falsia,
    Trazendo cinco comsigo,
    Sem eu trazer mais commigo,
    Que um pagem por companhia.
    A mim chamam Valdevinos,
    Sou filho de El-Rei de Dacia,
    E primo de El-Rei de Grecia,
    E do forte Montesinos
    Que é herdeiro de Dalmacia;
    Dona Hermelinda formosa
    Minha madre natural,
    Sibylla minha esposa,
    De graças especial,
    Mas com primores famosa.
    Esta nova contareis
    Á triste de minha madre,
    Que em Mantua achareis,
    E ao honrado Marquez
    Meu tio, irmão de meu padre.

Marquez:

    Oh desastrado viver,
    Oh amargosa ventura,
    Oh ventura sem prazer,
    Prazer cheio de tristura,
    Tristura que não tem ser.
    Oh desventurada sorte,
    Oh sorte sem soffrimento,
    Desamparado tormento,
    Dôr muito peior que a morte,
    Morte de desabrimento!
    Oh meu sobrinho, meu bem,
    Minha esperança perdida!
    Oh gloria que me sustem,
    Porque vos partís de quem
    Sem vós não terá mais vida?
    Oh desventurado velho,
    Captivo sem liberdade!
    Quem me póde dar conselho,
    Pois perdido é o espelho
    De minha gram claridade.
    Oh minha luz verdadeira,
    Trevas do meu coração,
    Penas da minha paixão,
    Cuidado que me marteira,
    Tristeza de tal traição!
    Porque não queres falar
    A este Marquez coitado,
    Que tio sohieis chamar?
    Falae-me, sobrinho amado,
    Não me façaes rebentar.

Valdevinos:

    Meu tormento tão molesto
    Me faz não vos conhecer,
    Nem na fala, nem no gesto;
    Nem entendo vosso dizer,
    Se não fôr mais manifesto.
    Estou tão posto no fim,
    Que não sei se sou alguem,
    Nem menos conheço a mi;
    Pois quem não conhece a si
    Mal conhecerá ninguem.

Marquez:

    Como não me conheceis
    Meu sobrinho Valdevinos?
    Eu sou o triste Marquez,
    Irmão de El-Rei Dom Salinos,
    Que era o pae que vos fez.
    Eu sou o Marquez sem sorte,
    Que devêra rebentar
    Chorando a vossa morte,
    Por com vida não ficar
    N'este mundo sem de porte.
    Oh triste mundo coitado,
    Ninguem deve em ti fiar
    Pois és desaventurado,
    Que o que tens mais exaltado
    Mór quéda lhe fazes dar.

Valdevinos:

    Perdoae-me, senhor tio,
    A minha descortezia,
    Que a minha grande agonia
    Me pôz em tanto desvio,
    Que já vos não conhecia.
    Não me queiraes mais chorar,
    Deveis de considerar
    Que para isso é o mundo;
    Que dobraes meu mal profundo,
    Para bem é mal passar:
    E bem sabeis que nascemos,
    Para ir a esta jornada,
    E que quanto mais vivemos,
    Maior offensa fazemos
    A quem nos criou de nada.
    Assim que necessidade
    Não tendes de me chorar,
    Pois que Deos me quiz levar
    No melhor de minha idade,
    Para mais me aproveitar.
    Mas o que haveis de fazer,
    É por minha alma rogar,
    Porque o muito chorar
    Á alma não dá prazer,
    Mas antes mui grão pesar.
    Quero-vos encommendar
    Minha esposa e minha madre,
    Pois que não tem outro padre,
    Que as haja de amparar,
    Senão vós, como é verdade.
    Mas o que me dá paixão
    Em esta triste partida,
    É morrer sem confissão,
    Mas se parto d'esta vida,
    Deos receberá a tenção.

(Vem o Ermitão e o Pagem)

Ermitão:

    A paz de Deos sempiterno
    Seja comvosco irmão,
    Lembrae-vos da sua paixão
    Que, por nos livrar do inferno,
    Padeceu quanto a varão.

Valdevinos:

    Com cousa mais não folgára
    De que vêl-o aqui chegado,
    Padre de Deos enviado,
    Que se um pouco mais tardara,
    Não me achára n'esté estado.

Pagem:

    Oh que desastrada sorte
    Meu senhor Dones Ogeiro!
    Olhae vosso escudo forte
    Olhae, senhor, vosso herdeiro,
    Em que extremo o pôz a morte.
    Oh desditoso caminho,
    Caça de tanto pezar,
    Que cuidando de caçar,
    A morte a vosso sobrinho
    Viestes, senhor, buscar.

Ermitão:

    A gram pressa que trazia,
    Não me deu, senhor, logar,
    De conhecer, nem falar
    A vossa gram senhoria.
    N'este erro se ha culpa,
    Peço-lhe d'elle perdão,
    Ainda que a discrição
    Sua me dará desculpa.

Marquez:

    Rogae a Deos Padre honrado,
    Que me queira dar paciencia,
    Que o perdão é escusado,
    Porque vossa diligencia
    Vos não deixa ser culpado.

Ermitão:

    O filho de Deos enviado
    Vos mande consolação!
    E pois que aqui sou chegado
    Quero ouvir de confissão
    Este ferido e angustiado.
    Coisa é mui natural
    A morte a toda a pessoa,
    A todo o mundo em geral,
    Pois que a nenhum perdôa,
    Não a tenhamos por mais.
    Porque o peccado de Adão,
    Foi tão fero e de tal sorte,
    Que não só por perdição.
    Mas Deos, que é salvação,
    Quiz tambem receber morte.
    E por tanto, filho meu,
    Não se deve de espantar,
    Da morte que Deos lhe deu,
    Pois que em provimento seu,
    Lh'a deu o para salvar.
    Lembre-lhe sua paixão:
    Veja este mundo coitado,
    E não o engode o malvado,
    Que não dá por galardão
    Senão tristeza e cuidado.
    Em quanto, filho, tem vida,
    Chame a Madre do Deos,
    Aquella que foi nascida,
    Sem peccado concebida,
    E coroada nos céos.
    Esta foi santificada,
    E visitada dos Anjos;
    E em corpo e alma levada
    Á gloria, onde exaltada
    Lá está sobre os archanjos.
    Assim, que ao Redemptor,
    E a esta Virgem sem par
    Se hade, filho, encommendar,
    Depois que os santos fôr
    Sua vontade chamar.
    As mãos levante aos céos,
    Faça confissão geral,
    Confessando-se a Deos,
    E á Virgem celestial,
    E a todos os santos seus.

Marquez:

    Oh bonancia aborrecida,
    Oh desastrada fortuna!
    De prazeres gram tribuna!
    Porque não desamparaes
    A quem sois tam importuna?
    Tristeza, desconfiança,
    Porque não desesperaes
    A quem não tem confiança?
    Contae-me, pagem Burlor,
    O caso como passou,
    Quem foi aquelle traidor
    Que matou vosso senhor,
    Ou porque causa o matou.

Pagem:

    Seria mui mal contado
    Se a sua gram Senhoria
    Não contasse o que é passado.
    Eu sei certo que faria,
    O que não é esperado
    Contra quem me deu estado,
    E ha feito tantas mercês,
    Que nunca meu pae me fez,
    Que é meu senhor amado,
    E mais vós, senhor Marquez.
    Estando pois em Paris,
    O filho do Imperador,
    Mandou chamar meu senhor
    Nos paços da Imperatriz;
    Falaram muitos a sabor,
    O que falaram não sei,
    Senão que logo n'essa hora
    Sem fazerem mais demora,
    Com quatro detraz de si
    Foram da cidade fóra,
    Armados secretamente,
    Segundo depois ouvi.
    Partimos todos d'aí.
    E Dom Carloto presente,
    Tambem armado outrosi.
    E tanto que aqui chegaram,
    N'este valle de pezar
    Todos juntos se apearam,
    E fizeram-me ficar
    Com os cavallos que deixaram.
    E logo todos entraram
    Em este esquivo logar,
    Onde meu senhor mataram;
    E depois de o matar,
    Nos cavallos se tornaram;
    Como eu os vi tornar,
    Sentindo muito tal dôr,
    Temendo de lhe falar,
    Não usei de perguntar
    Onde estava meu senhor.
    Vendo-os assim caminhar,
    Porque nenhum me falava,
    Quiz a meu senhor buscar,
    Porque o coração me dava
    Sobresaltos de pezar.
    Não o podia topar,
    Porque a grande espessura
    E a noite medrosa, escura
    Me fazia não o achar:
    Do que tinha gram tristura.
    Buscando-o com gram paixão,
    N'aquelle logar remoto
    O achei d'esta feição.
    Disse como á traição
    O matára Dom Carloto.
    Perguntei porque rasão?
    Triste, cheio de agonias,
    Disse-me com afflicção:
    «Vae-me buscar confissão,
    Já se acabaram meus dias.»
    Como taes novas ouvi,
    Com grande tribulação
    E pezar de vêl-o assi,
    Me parti logo d'aqui
    A buscar esse Ermitão.
    Isto é, senhor, o que sei
    D'este caso desastrado,
    Quanto me ha perguntado,
    Outra cousa não direi
    Mais do que lhe hei contado.

Marquez:

    Quando sua magestade
    Justiça me não fizer
    Com toda a rigoridade,
    Á força de meu poder
    Cumprirei minha vontade.

Ermitão:

    Já, senhor, se ha confessado,
    E fez actos de christão;
    Morre com tal contricção,
    Que eu estou maravilhado
    De sua gram discrição.
    Muito não pode tardar,
    Segundo n'elle senti:
    Acabei de lhe falar,
    Porque lhe quero resar
    Os psalmos de el-rei David.

Valdevinos:

    Não tomeis, tio, pezar,
    Que me parto de vos ver
    Para nunca mais tornar;
    Pois Deos me manda chamar
    E não posso mais fazer.
    Torno-vos a encommendar
    Minha esposa e minha mãe,
    Que as queiraes consolar,
    E ambas as amparar,
    Pois que não tem outro pae.

Oração de Valdevinos:

    Em as tuas mãos, Senhor,
    Encommendo meu espirito;
    Pois que és Salvador meu,
    Meu Deos, e meu Redemptor,
    Não me falte favor teu;
    Pois, Senhor, me redemiste,
    Como Deos, que és de verdade,
    Senhor de toda a piedade,
    Lembra-te d'esta alma triste
    Cheia de toda a maldade.
    Salve, Senhora benigna,
    Madre de misericordia,
    Paz de nossa gram discordia,
    Dos peccadores mesinha;
    Vida doce e concordia,
    _Spes nostra_, a ti invocamos,
    Salva-nos da escura treva.
    A ti, Senhora, chamamos
    Desterrados filhos de Eva;
    A ti, Virgem, suspiramos
    A ti gemendo e chorando
    Em aqueste lagrimoso
    Valle sem nenhum repouso,
    Sempre Virgem, a ti chamamos,
    Que és nosso prazer e gôso.
    Ora pois, nossa advogada,
    Amparo da christandade,
    Volve os olhos de piedade
    A mim, Virgem consagrada,
    Pois que és nossa liberdade.
    Dá-me, Senhora, virtude
    Contra todos meus imigos,
    Pois que és a nossa saúde,
    Eu te rogo, que me ajudes
    Nos temores e perigos;
    Roga tu por mim, Senhora,
    Oh santa madre de Deos,
    A quem minha alma adora,
    Pois és rainha dos céos,
    E dos anjos superiora.

(Aqui expira Valdevinos)

Marquez:

    Oh triste velho coitado!
    Oh cãs cheias de tristura!
    Oh doloroso cuidado!
    Oh cuidado sem ventura,
    Sem ventura desterrado!
    Quebrem-se minhas entranhas
    Rompa-se meu coração
    Com minha tribulação.
    Chorem todas as campanhas
    Minha grande perdição;
    Escura-se o sol com dó,
    Caiam estrellas do céo,
    As trevas de Faraó
    Venham já sobre mim só,
    Pois minha luz se perdeu
    Na luz de mui claro dia;
    Claridade, sem clareza,
    Minha doce companhia,
    Onde está vossa alegria,
    Que me deixa tal tristeza?
    Oh velhice desastrada,
    Sem gloria e sem prazer,
    Para que me deixaes ser,
    Pois que sendo, não sou nada,
    Nem desejo de viver?
    Porque não vens, padecer,
    Porque não vindes, tormentos?
    Para que são soffrimentos,
    A quem os não quer já ter,
    Nem busca contentamentos?
    Para que quero rasão
    Para que quero prudencia,
    Nem saber, nem discrição?
    Para que é paciencia,
    Pois perdi consolação?

Pagem:

    Oh meu senhor muito amado,
    Porque vos tornastes pó!
    Porque me deixastes só
    Em este mundo coitado
    Com tanta tristeza e dó?
    Leváreis-me em companhia,
    Pois sempre vos tive, vivo.
    Oh minha grande alegria,
    Porque me deixaes captivo,
    Mettido em tanta agonia?
    Meu senhor, minha alegria
    Dizei, porque nos deixaes
    Com tanta pena notoria!
    Lembrae-vos, tende memoria,
    De quantos desamparaes.
    Oh sem ventura Burlor!
    De quem serás amparado,
    De quem terás o favor
    Que tinhas do teu senhor,
    Pois que já te ha faltado?

Ermitão:

    Não tomeis, filho, pezar
    Pois claramente sabeis,
    Que pelo muito chorar
    Não cobraes o que perdeis.
    Deveis, filho, de cuidar,
    Que nossa vida é um vento
    Tão ligeiro de passar,
    Que passa em um momento
    Por nós, assim como o ár.
    Quem viu o senhor Infante,
    Tão pouco ha, fazer guerra,
    E ser n'ella tão possante,
    E agora em um instante,
    Ser tornado escura terra,
    Diria com gram rasão
    Que este mundo coitado
    Não dá outro galardão,
    Senão tristeza e paixão,
    Como a vós outros foi dado.
    Olhae, el-rei Salomão
    O galardão que lhe deu:
    A Amão, e Absalão,
    E ao valente Sansão,
    E ao forte Macabeu.
    Em a Sacra Escriptura
    Muitos mais podia achar,
    Se os quizesse contar;
    Mas vossa grande cordura
    Suprirá donde faltar,
    E pois que não tem já cura
    O mal feito e o passado,
    Cesse a vossa tristura,
    E demos á sepultura
    Este corpo já finado.
    Levemol-o onde convém
    Para que seja enterrado;
    E pode bem ser guardado
    N'aquella ermida que vêem,
    Até ser embalsamado.

(Aqui levam a Valdevinos á Ermida, e entra o Imperador e conde Ganalão)

Imperador:

    Certo, Conde Ganalão,
    Muito gram perda perdemos,
    Pêza-me no coração,
    Porque na côrte não temos
    Reinaldos de Montalvão,
    Nem o Conde Dom Roldão,
    Nem o Marquez Oliveiros,
    Nem o Duque de Milão,
    Mem o Infante Gaifeiros,
    Nem o forte Meredião.

Ganalão:

    Muito alto Imperador,
    Muito estou maravilhado
    Porque mostraes tal favor
    A quem vos ha deshonrado
    Com tanta ira e rigor,
    Que, chamando-se Almansor,
    Com o seu rosto mudado
    Aquelle falso traidor
    Com mui grande deshonor,
    Quiz deshonrar vosso estado:
    Porque, senhor, não sentís,
    Que este malvado ladrão
    Vos prendeu de sua mão
    Tomando-vos a París
    Com muito grande traição?
    Pondo-vos em Montalvão
    Apesar de vosso imperio,
    Onde com gram vituperio
    Estivestes em prisão,
    Sem ter nenhum refregerio?

Imperador:

    Verdade é isso, cunhado,
    Porém deveis de saber
    Que em Reinaldos me prender
    Eu mesmo sou o culpado:
    Isto bem o podeis crêr.
    Se então me quiz offender
    Não é muita maravilha,
    Pois já me quiz guarnecer
    Matando el-rei Carmeser,
    Que me trouxe a sua filha.

Ganalão:

    Vossa real magestade
    Dirá tudo o que quizer,
    Mas eu espero a Beltrão...
    Que se conheça a maldade,
    De quem se hade conhecer.

(Aqui se vae Ganalão: e vem dois Embaixadores mandados pelo Marquez de
Mantua, chamados Dom Beltrão e Duque Amão: e virão vestidos de dó)

Beltrão:

    Gram Cezar Octaviano,
    Magno, augusto, forte rei,
    Grande imperador romano
    Amparo da nossa lei,
    Poderosa magestade,
    Senhor de toda a Magança,
    Da Gascunha e da França,
    Gram patrão da christande,
    Esteio da segurança!
    Pois sois senhor dos senhores,
    Imperador dos christãos;
    Somos vossos servidores,
    Amigos leaes e sãos.

Imperador:

    Eu me espanto, Dom Beltrão,
    De vos vêr d'aquella sorte,
    E a vós forte Duque Amão,
    Não é esta disposição
    E trajo da nossa Côrte.

Duque:

    Muito mais será espantado
    De nossa triste embaixada,
    E do caso desastrado,
    O qual lhe será contado,
    Se seguro nos é dado.

Imperador:

    Bem o podeis explicar
    Sem ter medo, nem temor.
    Para que he assegurar?
    Pois sabeis que o embaixador
    Tem licença de falar.

Duque:

    Quiz senhor, nossa mofina
    Que o infante Valdevinos,
    Primo do forte Guarinos,
    Filho da linda Hermelinda
    E do grande rei Salinos,
    Fosse morto á traição
    Na floresta sem ventura.
    A tão grande desventura
    Haverá quem não procure
    De vingar tal perdição?

Imperador:

    É certa tam gram maldade,
    Que o sobrinho do Marquez
    É morto, como dizeis?

Duque:

    Pela maior falsidade,
    Que nunca ninguem tal fez.

Imperador:

    Este caso é desastrado:
    Saibamos como passou,
    E quem tão mau feito obrou;
    Que, o que tal senhor matou,
    Merece bem castigado.

Duque:

    Saiba vossa magestade
    Que dez dias pôde haver
    Que o Marquez foi á cidade
    De Mantua com gram vontade
    Á caça, que sóe fazer.
    Andando assim a caçar,
    Da companhia perdido
    Foi por ventura topar
    Com seu sobrinho ferido,
    Quasi a ponto de expirar.
    Bem póde considerar
    O gram pezar que teria
    De se vêr sem companhia,
    E morrer em tal logar
    A coisa que mais queria.
    Perguntando a rasão,
    Sendo d'ella mui ignoto,
    Disse com grande paixão,
    Que o matára a traição
    Vosso filho Dom Carloto.
    A causa que o moveu
    Dar morte tão dolorosa
    A tão grande amigo seu,
    Não foi outra, senhor meu,
    Salvo tomar-lhe a esposa.
    Matou-o á falsa fé,
    Indo muito bem armado.
    Com quatro homens de pé.
    Quem mata tão sem porque
    Merece bem castigado.
    O marquez Danes Ogeiro
    Lhe manda pedir, senhor,
    Justiça mui por inteiro:
    Que ainda que perca herdeiro,
    Elle perde successor.

Dom Beltrão:

    Não deve deixar passar
    Tão gram mal sem o prover,
    Porque deve de cuidar,
    Se seu filho nos matar,
    Quem nos deve defender?
    E mais lhe faço saber,
    Porque esteja aparelhado,
    Se justiça não fizer,
    Que o Marquez tem jurado
    De por armas a fazer.
    O mui valente e temido
    Reinaldos de Montalvão
    Entre todos escolhido,
    Está bem apercebido
    Como geral capitão.
    Dom Chrisão e Aguilante
    Com o forte Dom Guarinos,
    E o valente Montesinos
    Primo do morto Infante,
    Primo de el-rei Dom Salinos,
    E o mui grande Rei Jaião,
    De Dom Reinaldos cunhado,
    E o esforçado Dudão,
    E o gram Duque de Milão,
    E Dom Richarte esforçado,
    O Marquez Dom Oliveiros,
    E o famoso Durandarte,
    E o infante Dom Gaifeiros,
    E o mui forte Ricardo,
    E outros fortes cavalleiros,
    Todos tem boa vontade
    De ajudar ao Marquez
    Em essa necessidade;
    Porque foi gram crueldade
    A que vosso filho fez.
    Evitae, senhor, tal damno?
    Pois que sois juiz sem par,
    Não vos mostreis inhumano,
    Acordae-vos de Trajano,
    Em a justiça guardar.
    Assim que, alto, esclarecido,
    Poderoso sem egual,
    O que fez tão grande mal,
    Bem merece ser punido
    Por seu mandado imperial.
    E pois, senhor, é proposta
    A causa, porque viemos,
    E sabeis o que queremos,
    Mandae-nos dar a resposta,
    Com que ao Marquez tornemos.

Imperador:

    Oh poderoso senhor,
    Que grande é o vosso mysterio:
    Pois para meu vituperio
    Me deste tal successor,
    Que deshonrasse este Imperio?
    Se o que dizeis é verdade,
    Como creio que será,
    Nunca rei na christandade,
    Fez tão grande crueldade,
    Como por mim se verá.
    Por minha corôa juro
    De cumprir e de mandar
    Tudo que digo e procuro.
    Ao Marquez podeis dizer,
    Que elle póde vir seguro,
    E todos quantos tiver,
    Venham de guerra ou de paz,
    Assim como elle quizer.
    E pois que justiça quer,
    Com ella muito me praz.

(Entra Dom Carloto)

D. Carloto:

    Bem sei, que com gram paixão
    Está vossa magestade
    Pela falsa informação
    Que de mim, contra rasão,
    Deram com gram falsidade.
    Porque um filho de tal home,
    E tão grande geração,
    Não deve sujar seu nome
    Em caso tal de traição.
    Por vida de minha madre,
    Que se tão grande deshonror
    Não castigar com rigor
    Que me será cruel padre,
    Não direito julgador.

Imperador:

    Não vos queiraes desculpar;
    Pois que tendes tanta culpa,
    Que se o mundo vos desculpa,
    Eu não heide desculpar.
    E por tanto mando logo,
    Que estejaes posto a recado,
    Até ser determinado
    Por conselho de meu povo
    Se sois livre ou condemnado.
    Mando que sejaes levado
    Á minha gram fortaleza,
    E que lá sejaes guardado
    De cem homens do estado
    Até saber a certeza.

D. Carloto:

    E como, senhor, não quer
    Vossa real magestade
    Saber primeiro a verdade,
    Senão mandar-me prender
    Por tão grande falsidade?

Imperador:

    Não vos quero mais ouvir,
    Levem-no logo á prisão,
    Onde eu o mando ir;
    Porque tam grande traição
    Não é para consentir.
    Vós outros podeis tornar,
    E contar-lhe o passado
    A quem vos cá quiz mandar;
    Que o seguro que lhe hei dado
    Eu o torno a affirmar.

(Aqui vem a Imperatriz)

Imperatriz:

    Eu muito me maravilho
    De vossa grande bondade;
    Que sem rasão, nem verdade
    Trataes assim vosso filho
    Com tão grande crueldade.
    Olhe vossa magestade
    Que é herdeiro principal,
    E que toda a christandade
    Lh'o hade ter muito a mal.

Imperador:

    A mim, senhora, convém
    Ser contra toda a traição,
    E se vosso filho a tem,
    Castigal-o-hei muito bem;
    E essa é a minha tenção.
    E mais eu vos certifico,
    Que com direito e rigor
    Heide castigar o iniquo,
    Ora seja pobre, ou rico,
    Ora servo, ou gram senhor.

Imperatriz:

    Como quer vossa grandeza
    Infamar o nosso estado
    Sem causa, com tal crueza?

Imperador:

    Quem me cá mandou recado
    Não foi senão com certeza.

Imperatriz:

    Por tal recado, senhor,
    Quereis tratar de tal sorte
    Vosso filho e successor,
    Que depois de vossa morte
    Hade ser imperador?

Imperador:

    Em eu o mandar prender
    Não cuideis que o maltrato;
    Mas se elle o merecer,
    Eu espero de fazer
    A justiça de Torquato;
    Porque pae tão poderoso,
    Sendo de tantos caudilho
    Se não fôr tão rigoroso,
    Nem elle será bom filho,
    Nem será rei justiçoso.
    Que agora, mal peccado!
    Nenhum rei, nem julgador
    Faz justiça do maior;
    Mas antes é desprezado
    O pequeno com rigor.
    Todo o mundo é affeição;
    Julgam com rara remissa
    O nobre que, sem rasão
    Alguma, tem opinião
    De lhe tocar a justiça...
    Que conta posso eu dar
    Ao Senhor dos altos céos,
    Se a meu filho não julgar
    Como outro qualquer dos meus?
    Assim que escusado é
    Buscar este intercessor;
    Porque Deos de Nazareth
    Não me fez tão gram senhor
    Para minha alma perder.

Imperatriz:

    Ai triste de mim coitada!
    Para que quero viver,
    Pois que sempre heide ser
    Do meu filho tão penada,
    Como uma triste mulher?
    Pois tão triste heide ser
    Por meu filho muito amado,
    Nunca tomarei prazer,
    Senão tristeza e cuidado.

Imperador:

    Não façaes tantos extremos,
    Pois dizeis que tem desculpa,
    Que antes que sentença démos,
    Primeiro todos veremos
    Se tem culpa ou não tem culpa.
    Mostrae maior soffrimento,
    Que o caso é desastrado,
    E i-vos a vosso aposento,
    Que elle não será culpado.

(Aqui se vae a Imperatriz, e vem a mãe, e esposa de Valdevinos)

Mãe:

    Oh coração lastimado,
    Mais triste que a noite escura!
    Oh dolorosa tristura,
    Cuidado desesperado,
    E fortunosa ventura!
    Oh vida da minha vida,
    Alma d'este corpo meu!
    Oh desditosa perdida,
    Oh sem ventura nascida,
    A mais que nunca nasceu!
    Oh filho meu muito amado,
    Minha doce companhia,
    Meu prazer, minha alegria,
    Minha tristeza e cuidado,
    Minha sab'rosa lembrança,
    Que serei eu sem vos vêr?
    Filho de minha alegria,
    Oh meu descanço e prazer,
    Porque me deixaes viver,
    Vida com tanta agonia?
    Adonde vos acharei,
    Consôlo de meu pezar?
    Onde vos irei buscar,
    Pois que perdido vos hei
    Para jámais vos cobrar!
    Filho d'esta alma mesquinha,
    Dos meus olhos claridade,
    Onde estás, minha mesinha?
    Filho de minha saudade,
    Meu prazer e vida minha?

Esposa:

    Que é de vós meu coração,
    Que é da minha liberdade,
    Espelho da christandade,
    Quem vos matou sem razão
    Com tão grande crueldade?
    Quem vos apartou de mim,
    Meu querido e meu esposo?
    Oh meu prazer saudoso,
    Porque me deixaes assim
    Com cuidado mui penoso?
    Oh minha triste saudade,
    Oh meu esposo e senhor,
    Minha alegria e vontade,
    Escudo da christandade,
    Dos tristes consolador!
    Que farei pobre coitada,
    Mais que nenhuma nascida?
    Miseravel, angustiada,
    Para que quero ter vida,
    Pois minha alma é apartada?
    Oh fortuna variavel,
    Triste, cruel, matadora,
    De prazeres roubadora,
    Inimiga perduravel,
    Mata-me se queres agora.

Hermelinda:

    Se vossa gram magestade
    Não dér castigo direito
    A quem tanto mal ha feito,
    Nem sustentar a verdade,
    Não será juiz perfeito.
    Não olhe vossa grandeza
    Sua madre dolorosa,
    Nem sua tanta tristeza;
    Mas olhe tão gram princeza
    Como esta sua esposa.

Imperador:

    Faz-me tanto entristecer
    Este tão gram vituperio,
    Que mais quizera perder
    Juntamente meu Imperio,
    Que tal meu filho fazer.
    Mas se tal verdade é
    Como já sou informado,
    Que tal castigo lhe dê,
    Que seja bem castigado.

Sybila:

    Seja justiça guardada
    A esta orpha sem marido,
    Viuva desamparada,
    Tão triste e desconsolada
    Mais que quantas têm nascido.
    Olhae, senhor, tão gram mal,
    Como vosso filho ha feito,
    E não queiraes ter respeito
    Ao amor paternal,
    Pois que não é por direito.

Imperador:

    Senhora, não duvideis
    Que eu farei o que hei jurado,
    Se é verdade o que dizeis,
    Porque cumpre meu estado
    De fazer o que quereis:
    Que mais quero ter commigo
    Fama de rigoridade,
    Que deixar de ter castigo
    Quem commetteu tal maldade.
    Para que é ser caudilho
    De tanto povo e tão grado,
    E Imperador chamado,
    Se não julgasse meu filho
    Como qualquer estragado?
    Não cuidem duques, nem reis,
    Que por meu herdeiro ser,
    Que por isso hade viver;
    Que aquelle, que fez as Leis,
    É obrigado a as manter.
    Assim que, por bem querer,
    Amizade nem respeito
    Como agora sóem fazer,
    Não hei de negar direito,
    A quem direito tiver.
    E bem vos podeis tornar,
    Fazei certo o que dissestes,
    E não tomeis tal pesar,
    Porque o bem que perdestes,
    Não o cobraes com chorar.

Hermelinda:

    Senhor, nós outras nos pomos
    Em mãos de vossa grandeza:
    Olhae bem, senhor, quem somos,
    E de que linhagem fomos,
    Pois Deos nos deu tal nobreza.

Sybila:

    Olhae os serviços dinos,
    Que tanto tempo vos fez
    Meu esposo Valdevinos;
    Tambem seu tio Marquez,
    E como foram continos.

(Aqui se vae Hermelinda e Sybila, e virá Reinaldos com uma carta, que
tomaram a um Pagem de Dom Carloto)

Reinaldos:

    O summo rei dos senhores,
    Que morreu crucificado
    Em poder dos pharizeus,
    Accrescente vosso estado,
    E vos livre dos traidores.

Imperador:

    Mui valente e esforçado,
    Reinaldos de Montalvão,
    Vós sejaes tambem chegado,
    Como a sombra no verão.
    Muito estou maravilhado,
    Invencivel e mui forte,
    De ver-vos assim armado,
    Sabendo que em minha côrte,
    Nunca fostes mal tratado.

Reinaldos:

    Senhor, não seja espantado
    De vêr-me assim d'esta sorte,
    Porque com todo o cuidado,
    Ganalão vosso cunhado
    Sempre me procura a morte.
    Bem sabeis que sem rasão
    Com vontade mui malina,
    Fez matar com gram traição,
    A Tiranes, e Erocina,
    E ao feito Salião,
    E a mim já quiz matar
    Muitas vezes com maldade;
    E para mais me danar,
    Fez á sua magestade,
    Mil vezes me desterrar.
    O grande mal que me quer
    De todo o mundo é sabido,
    E por isso quiz trazer
    Armas para offender,
    Antes que ser offendido.
    Mas deixando isto assim
    Guardado p'ra seu logar
    Onde se hade vingar,
    Vos quero, senhor, contar:
    Notorio a todo o christão
    É o pesar lastimeiro
    Do Marquez Danes Ogeiro,
    Que tem com justa rasão
    Pela morte do herdeiro.
    N'esta nobre côrte estão
    Muitos mui nobres senhores,
    Que sabem que Dom Beltrão
    E o nobre Duque Amão
    Foram seus embaixadores:
    Tambem este é sabedor
    Das respostas que lhe déstes,
    E mais de como prendestes
    Vosso filho successor.
    Do qual está mui contente
    De tel-o posto em prisão,
    E tem mui grande rasão,
    Porque na carta presente
    Á qual fez da sua mão,
    Confessa toda a traição,
    E um pagem a levava
    Para o Conde Dom Roldão,
    Que na cidade de Boava
    Faz a sua habitação.
    E como não ha falsia,
    Que se possa esconder,
    Tinha o Marquez espia,
    Porque queria saber
    O que Dom Roldão faria.
    Esse pagem embuçado,
    Sem suspeita, sem revez
    Ia mui determinado,
    Onde logo foi tomado,
    E levado ao Marquez.
    Lendo a carta Dom Guarinos,
    N'ella contava a tenção,
    Porque o matára á traição.
    Isto é, senhor, a verdade,
    O que vos manda dizer:
    Se o que digo é falsidade,
    (Que por isso a quiz trazer,)
    A letra é bom conhecer,
    Que é este o seu sinal.
    Pois, quem fez tão grande mal,
    Bem merece padecer
    Morte justa corporal.

Imperador:

    Se tal a carta disser,
    Não se ha mister mais provar,
    Nem mais certeza fazer,
    Senão logo executar
    A pena que merecer.
    E por tanto sem deter,
    Lea-se publicamente
    Ante esta nobre gente;
    Porque todos possam ver
    Vossa verdade evidente.

Carta de Dom Carloto a Dom Roldão.

    «Caudilho de gram poder,
    Capitão da christandade,
    Esta vos quiz escrever,
    Para vos fazer saber
    Minha gram necessidade.
    Porque o verdadeiro amigo,
    Hade ser no coração,
    Assim como fiel irmão
    E não hade temer p'rigo,
    Por salvar quem tem rasão.
    Porque sabereis, senhor,
    Que me sinto mui culpado,
    Como quem foi matador;
    E temo ser condemnado
    De meu padre Imperador.
    Eu confesso que pequei,
    Pois com vontade damnosa
    A Valdevinos matei.
    Amor me fez com que errei,
    E o primor de sua esposa.
    O Imperador, meu padre
    Me mandou prezo guardar,
    E nunca quiz attentar
    Os rogos da minha madre.
    A ninguem quer escutar,
    E o Marquez tem jurado
    De não vestir, nem calçar,
    Nem entrar em povoado,
    Até me vêr justiçar.
    Tendo por accusadores,
    Reinaldos de Montalvão,
    E seu padre o Duque Amão,
    E muitos grandes senhores:
    O Gram Duque de Milão
    Com o forte Montesinos,
    Que é primo de Valdevinos.
    Assim que todos me são
    Accusadores continos.
    Pois tantos contra mim são,
    Eu vos rogo como amigo,
    Que vós queiraes ser commigo;
    Porque tendo Dom Roldão,
    Não temo nenhum perigo.»

Imperador:

    Antes que algum mal cresça,
    Façamos o que devemos:
    Pois o sinal conhecemos,
    E pois vemos que confessa,
    De mais prova não curemos,
    Nem vós façaes mais detença:
    E pois já tendes licença,
    Podeis dizer ao Marquez
    Que venha ouvir a sentença.

(Ir-se-ha Dom Reinaldos, e vem a Imperatriz vestida de dó)

Imperador:

    Senhora, já não dirão
    Que fui eu mal informado,
    Nem que o prendo sem rasão,
    Pois por sua confissão,
    Vosso filho é condemnado.
    Vêdes a carta presente,
    Que foi feita da sua mão,
    Para o Conde Dom Roldão;
    A qual muito largamente,
    Declara toda a traição.

Imperatriz:

    Eu muito me maravilho
    Do que, senhor, me ha contado;
    Pois que elle ha confessado,
    Melhor é morrer o filho
    Que deshonrar o estado.
    Mas a dôr do coração
    Sempre me hade ficar...
    Peço-lhe com affeição,
    Que lhe busque salvação,
    E que o queira escutar.

Imperador:

    Melhor é que o successor
    Padeça morte sentida,
    Que ficar o pae traidor,
    Que será trocar honor
    Pela deshonra nascida.
    Tambem eu padeço dôr,
    Tambem eu sinto paixão,
    Tambem eu lhe tenho amor,
    Mas antes quero rasão,
    Que amisade sem favor.

Imperatriz:

    Pois que não póde escapar,
    Eu não consinto, nem quero,
    Que vós o hajaes de julgar,
    Porque vos podem chamar
    Muito mais peior que Nero.

Imperador:

    Não vivaes em tal engano,
    Que tambem foram caudilhos
    O gram Torcato, o Trajano,
    E quizeram com gram dano
    Ambos justiçar seus filhos.
    Pois que menos farei eu
    Tendo tão grande estado?
    Quem é com rasão culpado
    Em maior caso que o seu?
    E por tanto eu vos rogo
    Que não tomeis tal pesar,
    Porque com vos enojar
    Dá-se gram tristeza ao povo.

Imperatriz:

    Eu cumprirei seu mandado,
    Porque vejo que é rasão;
    Mas sempre meu coração
    Terá tristeza e cuidado
    E grande tribulação.

(Aqui se vae a Imperatriz, e vem o Marquez de Mantua vestido de dó)

Marquez:

    Bem parece, alto senhor,
    Que vos fez Deos sem segundo,
    E de todos superior,
    Dos maiores o melhor,
    Rei e monarcha do mundo.
    Porque vós, senhor, sois tal,
    Que com rasão e verdade
    Sustentaes a christandade
    Em justiça universal,
    A qual para salvação
    Vos é muito necessaria,
    Porque convem ao christão
    Que use mais de rasão,
    Que da affeição voluntaria:
    Como faz vossa grandeza
    Com seu filho successor
    Assim que digo, senhor,
    Que estima mais a nobreza
    Que amisade, nem favor.

Imperador:

    Não curemos de falar
    Em cousa tão conhecida;
    Porque n'esta breve vida
    Havemos de procurar
    Pela eterna e comprida.
    Para sentir gram pesar,
    Vós tendes rasão infinda,
    E tambem de vos vingar,
    Pois foi justa vossa vinda.
    Bem vimos vossa embaixada,
    E a causa d'ella proposta
    Foi de nós mui bem olhada,
    E não menos foi mandada
    Mui convencivel reposta:
    E vimos vossa tenção,
    E soubemos vosso voto,
    E vemos tendes rasão,
    Pela grande informação
    Do principe Dom Carloto.
    E vimos a confissão
    De Dom Carloto tambem,
    E soubemos a traição
    Como na carta contém,
    Que mandava a Dom Roldão.
    De tudo certificado,
    Eu condemno a Dom Carloto
    Tudo o que hei mandado.

(Vem um Pagem da Imperatriz)

Pagem:

    A Imperatriz, senhor,
    Está tão amortecida
    De grande paixão e dôr,
    Que não tem pulso nem côr,
    Nem nenhum sinal de vida.
    Nenhum remedio lhe vemos;
    Está n'esse padecer,
    Sem lhe podermos valer:
    E segundo n'ella cremos
    Mui pouco hade viver.

Imperador:

    Eu muito me maravilho
    De sua gram discrição;
    Mais sinto sua paixão,
    Que a morte de meu filho...
    Não te quero mais dizer,
    Quero-a ir consolar,
    Pois tanto lhe faz mister.
    Não sei porque é enojar,
    Por se justiça fazer.

(Aqui se vae o Imperador, e virá Reinaldos com o Algoz, o qual traz a
cabeça de Dom Carloto)

Reinaldos:

    Já agora, senhor Marquez,
    Vos podeis chamar vingado,
    Porque assás é castigado
    O que tanto mal vos fez,
    Pois que morreu degolado.
    Fazei por vos alegrar,
    Dae graças ao redemptor,
    Pois assim vos quiz vingar,
    Sem nenhum de nós p'rigar,
    E com mais vosso valor.

_Folha volante_ de 1665.

      *      *      *      *      *


Historia da Imperatriz Porcina, mulher do Imperador Lodonio de Roma.

    No tempo do Imperador,
    Que Lodonio se dizia,
    Que a grã cidade de Roma,
    E seu Imperio regia,
    Casado com a Imperatriz
    Que Porcina nome havia,
    Por suas muitas virtudes,
    Formosura, e valia
    Como princeza que era
    Filha do grão rei da Hungria:
    Tinha este Imperador
    Comsigo em companhia
    Um irmão por nome Albano
    Que elle muito queria,
    Em rasão do parentesco,
    O melhor que ser podia.
    Este nobre Imperador
    Bem dois annos estaria
    Com sua amada mulher,
    Sem haver filho, nem filha,
    Certamente mui contente
    Pois Deos assim o queria,
    E d'isso era servido,
    Por muitos bens que fazia:
    As viuvas amparava,
    E os pobres soccorria.
    As orfãs todas casava,
    Quantas na cidade havia.
    As obras de misericordia
    Com grã vontade cumpria,
    Por amor de Jesus Christo,
    E da sagrada Maria.
    Tinha este Imperador
    Promettido em romaria,
    Visitar a terra santa,
    Que Jerusalem se dizia;
    E ver os santos logares,
    Todos os que n'ella havia,
    Nos quaes havia de estar
    Um anno que assim cumpria.
    Antes de sua partida
    Quiz fazer o que devia,
    Deixou por govornadores
    A sua nobre Porcina,
    E tambem a seu irmão,
    Que o povo assim o pedia.
    Como isto foi acceitado,
    O povo ajuntar fazia:
    Manifestou-lhe a partida,
    Que escusar-se não podia,
    Dizendo--que obedecessem,
    Sem curar de mais porfia,
    A sua amada mulher,
    Que em seu logar ficaria,
    E tambem a seu irmão,
    Pois tinha tanta valia.
    Todo o povo está contente
    Do que o Imperador queria,
    E acabando de comer,
    A horas do meio dia,
    Entrou em o aposento
    Onde a Imperatriz dormia,
    Viu-a estar muito chorosa,
    Apartada de alegria.
    Como quem adivinhava
    O mal, que ella não sabia,
    Com o rosto dissimulado,
    Encobrindo o que sentia,
    Disse-lhe d'esta maneira,
    Com pena que padecia:

    --Minha amada companheira,
    Minha doce companhia,
    Lume de meus claros olhos,
    Espelho em que eu me via;
    Porque estaes assim chorosa
    Com tão sobeja agonia?
    Porque de ver-vos assim,
    A alma se me saía?
    Mas se vós quereis, senhora,
    Deixarei a romaria,
    Mandarei outrem por mim,
    Pois não se escusa esta via.

    Respondendo a Imperatriz
    D'esta maneira dizia:

    «Não olheis vós, meu senhor,
    A fraqueza, que em mim havia,
    Porque eu como mulher
    Nunca deixar-vos queria;
    Nem estar de vós apartada
    Só um momento de um dia.
    Mas o que vós promettestes
    Outrem cumprir não podia,
    Que seria grão peccado,
    Que Deos muito extranharia.
    Por tanto, Nosso Senhor
    Seja sempre em vossa guia,
    Que eu vos encommendarei
    A elle e a santa Maria.

    Despediu-se o Imperador
    Sem cuidar de mais porfia,
    Abraçando a Imperatriz
    Que mil lagrimas vertia,
    Pois no coração lhe deu
    Que mui tarde o veria.
    E depois d'elle partido
    Para a sua romaria,
    Esta tão nobre senhora
    Quiz fazer o que devia
    No governo do Imperio,
    Com Albano em companhia,
    Que seu marido Lodonio
    Nenhuma mingua fazia.
    Como este Albano era
    Cheio de toda a falsia,
    Amava a Imperatriz
    Já de muito tempo havia;
    Morria por seus amores
    Que todo se desfazia,
    Pela sua honestidade
    D'ella não a requeria;
    Que como agora tivesse
    Tempo para o que queria,
    Determina entrar com ella,
    Pois que fazel-o podia,
    Que, como governador,
    Ella não extranharia.
    Em estas coisas pensando
    Está até o outro dia.
    Ás horas que a Imperatriz
    De sua cama se erguia,
    Estava quasi despida,
    Porque a ninguem temia:
    Como viu entrar o cunhado
    Toda se estremecia.
    Porque sua honestidade
    Tal cousa não requeria:
    Como dentro entrou com ella
    Mui contente em demazia,
    Foi-lhe a beijar as mãos,
    O que d'antes não fazia.
    A Imperatriz tão casta,
    Assombrada em demazia,
    Cobriu-se com um roupão
    De ouro e de pedraria;
    Com rosto mui vergonhoso
    Encobrindo o que sentia,
    Levantou-se logo em pé
    Descalça na pedra fria,
    Assombrada e mui turbada
    Espera o que lhe dizia.
    Disse-lhe o traidor cunhado,
    Sem olhar o que devia:

    --«Perdoae-me, alta Princeza,
    Minha grande ousadia,
    Que d'onde ha força de amor
    Não póde haver cortezia.
    Muitos dias ha, senhora,
    Claro espelho e luz do dia,
    Que desejo descobrir-vos
    O que encobrir não podia;
    Que por vosso grande amor
    Triste estou sem alegria,
    Se vós me não daes remedio,
    Sem nenhum eu ficaria.
    Por tanto se vós quereis,
    Grão prazer receberia
    De vos casardes commigo,
    Sem cuidar de mais porfia,
    Levantemo-nos c'o Imperio,
    Pois que fazer-se podia,
    Sendo nós Governadores
    Ninguem nol-o tolheria.
    Se vós, senhora, temeis
    Pelo que o povo diria,
    Eu irei matar meu irmão
    Estando na romaria.
    Far-lhe-hei dar tal peçonha,
    Que morra antes de um dia.

    Foi-lhe a Imperatriz á mão
    Do mais que dizer queria,
    E abrazada toda em mágoa
    D'esta sorte respondia:

    «Por certo, falso cunhado,
    Vós tendes grande ousadia,
    Vosso grande atrevimento
    Grão castigo merecia:
    Em que viva me queimassem,
    Nunca tal consentiria,
    Porque a fé e lealdade
    Que a meu marido devia,
    Em que me dessem mil mortes
    Eu nunca a quebrantaria!
    Tirae-vos diante de mim,
    Traidor cheio de falsia.»

    Vendo-a elle tão irada,
    A grande pressa saía
    Da camara, onde estava
    Que assim se despedia.
    Temendo que aos seus brados
    Muita gente acudiria;
    Determinou entrar de noite
    Na camara onde dormia,
    E que com tapar-lhe a bocca,
    Seu desejo cumpriria.
    Descobrindo isto a um pagem
    Que fiel lhe parecia,
    Porque o acompanhasse
    Na traição que commettia,
    Pareceu-lhe a este pagem,
    Que mui culpado seria,
    Se ali se deshonrasse
    Pessoa de tal valia;
    Determinou de dizer-lhe,
    Antes que chegasse o dia,
    Porque não viesse a effeito
    O que elle fazer queria.
    Como a Imperatriz o soube,
    Com grã pressa em demazia,
    O mandou logo prender
    Na casa d'onde dormia;
    Mandou-o pôr era uma torre,
    Que dentro do paço havia.

    Depois que o Imperador
    Acabou sua romaria,
    Cumprindo sua promessa
    Como a tal senhor cumpria,
    Determinou de tornar-se
    Com muita grande alegria;
    Porque esperava de vêr
    A quem tanto lhe queria.
    Mandou diante um correio
    Em que a saber lhe fazia,
    Como seria com ella
    Antes do oitavo dia;
    Com a qual a Imperatriz
    Foi alegre em demazia:
    Fel-o a saber á cidade,
    Porque assim fazer devia,
    Para fazer grandes festas
    A quem tanto merecia.
    Foi-se direita á prizão
    Onde o cunhado jazia,
    Disse-lhe:

              «Senhor cunhado
    Não tenhaes tal fantazia,
    Porque já vem vosso irmão,
    Tomemos grande alegria;
    Eu vos perdôo o passado,
    Pois que ninguem o sabia;
    Recebei o Imperador
    Com toda a cavallaria,
    E levareis um vestido
    De ouro e argenteria,
    Que está feito para vós,
    Que é de muita valia.

    Tirou-o da prizão fóra,
    Foi com elle em companhia,
    Porque ninguem conhecesse
    O mal que feito havia.
    Cuidava o falso cunhado
    Em como se vingaria
    De quem lhe fez tal pezar,
    Pois já tel-a não podia.
    Foi-se receber o irmão
    Pela pósta ao outro dia,
    Vestido todo de dó
    Que o cavallo lhe cobria;
    Chegando onde elle estava,
    Vestido assim como ia,
    Fez-lhe grande acatamento,
    Fingindo mais que sohia;
    Quando viu o Imperador
    Certo não o conhecia,
    Mas depois de o conhecer,
    Mui turbado lhe dizia:

    --Dizei-me por Deos, irmão,
    Por que assim o dó trazia,
    Como está a Imperatriz,
    Minha fiel companhia?
    Dizei-me se é viva ou morta?
    Tirae-me d'esta agonia,
    Que meu triste coração
    Grão sobresalto sentia.

    Respondeu o falso irmão
    Com mui grande ousadia:

    --«Eu vos direi a verdade
    Pela fé que vos devia,
    E por que sois meu irmão,
    A quem mentir não podia.
    Depois que d'aqui partistes
    Para ir á romaria,
    Deixastes a Imperatriz,
    E eu com ella em companhia,
    Para governar o Imperio
    De Roma e sua senhoria.
    Prouvera a Deos fôra eu
    Sepultado em terra fria,
    Antes de ficar com ella,
    Pois tal traição commettia.
    Estando, senhor, dormindo
    Fóra de tão grã falsia,
    Entrou de noite commigo
    Na camara onde dormia,
    E chegando á minha cama
    D'esta sorte me dizia:
    «Que por mim perdida andava
    Já de muito tempo havia,
    Que casasse eu com ella,
    Sem cuidar de mais porfia:
    E que logo Imperador
    N'essas horas me faria,
    E quando vós viesses,
    Que ella vos mataria
    Com muito forte peçonha,
    Que não vivesses um dia.»
    E porque não consenti,
    Disse que eu a accommettia,
    E fez-me logo prender,
    O que ella merecia.
    Até agora preso estive
    Com muito grande agonia.
    Esta é, senhor, a verdade,
    Que de mim saber querias.

    Quando o nobre Imperador
    Tam maldita nova ouvia
    D'aquella que tanto amava
    Mais que a vida, em que vivia,
    Caiu do cavallo em terra,
    Uma hora se amortecia,
    Fizeram-n'o tornar em si,
    Com lhe deitar agua fria;
    Cobriu-se logo de dó
    Com o que o irmão trazia;
    Todo o amor que lhe tivera,
    Em odio se convertia.
    Sem mais falar com ninguem,
    Que a tristeza lh'o tolhia,
    Determinou dar-lhe a morte,
    Que ella tam mal merecia.
    De noite secretamente,
    O mais quieto que podia,
    Entrou dentro da cidade,
    Á meia noite seria;
    Mandou tres homens dos seus
    Sem outra mais companhia,
    Que matassem a Imperatriz
    Antes que viesse o dia,
    N'uma floresta cerrada
    Por onde gente não ia,
    E vestida a enterrassem,
    Porque assim fazer cumpria;
    E se isto não fizessem,
    A vida lhes custaria.
    Mandou-lh'a logo entregar
    C'o vestido que trazia,
    Para receber aquelle
    Que tão mal a recebia.
    Vendo-se ella assim levar,
    Suspeitando o que seria,
    Como discreta, que era,
    Cheia de sabedoria,
    Levantou o rosto ao céo,
    D'esta maneira dizia:

    «Encommendo a Deos minh'alma
    E á virgem santa Maria,
    Porque me criou de nada,
    Por sua bondade pia.
    Lembrae-vos, Senhor, de mim,
    Pois sem culpa padecia,
    Não olheis os meus peceados,
    Nem o mal, que merecia;
    Mas vossa misericordia,
    Que todo o mundo cobria.
    Eu perdôo a meu cunhado
    Todo o mal que fazia,
    E tambem a meu marido,
    Porque enganado vivia.»

    Os homens que a levavam
    Onde padecer havia,
    Viram sua formosura
    Co'a lua, que então saía,
    Disseram uns aos outros:

    ==Mal empregada seria
    A morte a esta senhora,
    Pois que tem tanta valia;
    Gozemos primeiro d'ella
    Que a coma a terra fria.

    N'isto se determinaram,
    Sem cuidar de mais porfia.

    Respondeu a Imperatriz:
    (Bem vereis o que diria.)

    «Fazei o que vos mandaram,
    Não cureis de fantazia;
    Deixae a minha limpeza
    Para quem a merecia,
    Que se tocasses em mim,
    A vida vos custaria.»

    Não cuidaram os algozes
    No que a senhora dizia,
    Antes remetteram a ella
    Com muito grande ousadia.
    A innocente cordeira,
    Vendo que a gente a despia,
    Começou a dar taes gritos,
    Que a floresta retinia;
    E como ainda era noite
    Em grande parte se ouvia.
    Acertou de ouvil-a um Conde
    Que muita gente trazia,
    Que vinha de Jerusalem,
    Onde muita gente ía.
    Quiz Deos que aquella noite
    Por ali fizesse via,
    Para livrar a Princeza
    Da pena que padecia.
    Como taes gritos ouviu
    Do cavallo se descia,
    E com muita grande pressa
    Na floresta se mettia;
    Seguiram-no seus criados,
    Cada um como podia,
    Ao som dos tristes gritos
    A gente toda o seguia;
    Foram dar n'aquella parte,
    Onde a coitada gemia,
    Que com mui grande fraqueza
    A força lhe fallecia,
    E se um pouco mais tarda
    Sua honra se perdia.
    O Conde mui piedoso,
    Que Clitaneo se dizia,
    Vendo tão grande maldade,
    Com grã pressa em demazia,
    Disse: Matae, meus criados,
    Quem tal traição commettia.
    Todos foram logo mortos
    Antes d'uma ave-maria;
    E a Imperatriz ficou livre,
    Porque mal não merecia.
    Deu-lhe a Imperatriz as graças
    Do bem que feito lhe havia;
    Quando isto aconteceu,
    Já era mui claro dia.
    E o Conde tão assombrado,
    Que quasi emmudecia
    De ver sua formosura
    Mais que todas quantas via,
    Logo suspeitou que era
    Senhora de grã valia,
    Assim por seu parecer,
    Como pelo que vestia.
    Disse-lhe d'esta maneira
    Com mui grande cortezia:

    «Não me negueis vós, senhora,
    Isto que agora diria,
    Porque não queria errar
    Contra vossa senhoria:
    Vós sois de alta linhagem,
    Isto eu o juraria;
    Se vós me dizeis quem sois,
    Grã prazer receberia;
    Quem vos trouxe a este logar
    Com tão falsa companhia?
    Dizei-me toda a verdade
    Sem cuidar de mais porfia.

    Respondeu a Imperatriz,
    Porque encobrir se queria:

    «Eu sou mal afortunada,
    Que não sei porque nascia,
    Por um falso testemunho
    Perdi minha grã valia;
    Não vos posso mais dizer,
    Porque escusado seria:
    Senão, quero vos rogar
    Por Deos e santa Maria,
    Me quereis levar comvosco
    O que eu não merecia;
    Servir-vos-hei como escrava,
    Sempre de noite e dia.

    Foi o Conde mui contente
    De fazer o que dizia;
    Deu-lhe uma cavalgadura
    De muitas que ali trazia.
    Chegaram á pousada
    Com muito grande alegria,
    Onde foi bem recebido
    De sua mulher Sophia;
    Contou-lhe o que passou
    Em a sua romaria;
    Tambem lhe apresentou
    A senhora que trazia;
    Contou-lhe como a achara,
    Que nada não lhe mentia.
    Beijou-lhe a Princeza as mãos
    Inda que ella não queria,
    Tomou-lhe mui grande amor
    A Condessa em demazia,
    Que não comia sem ella,
    Com ella folgava e ria;
    Mais que sua irmã carnal,
    Era o que lhe queria,
    Até o menino de teta,
    Que pouco maior seria,
    Lh'o deu á Imperatriz,
    E sempre com ella dormia.

    Tinha o Conde um irmão,
    Que Nathão por nome havia,
    O qual por esta senhora
    Graves penas padecia:
    Não tinha nenhum prazer
    O dia que a não via.
    Determinou descobrir-lhe
    Como por ella morria;
    E um dia, tendo logar,
    Quando a Condessa dormia,
    Disse-lhe d'esta maneira
    Com grande dor que sentia:

    --Mui resplandecente aurora,
    Claro sol do meio dia
    Que fez o Eterno Pintor,
    Que todas as coisas cria.
    Minha alma por vós padece,
    Minha vida se perdia;
    Por isso me deu o amor
    Esta tão grande ousadia,
    Que ousasse a descobrir
    O que o coração sentia.
    O que vós tendes roubado
    É liberdade e alegria;
    Essas crystalinas mãos
    De aljofar e pedraria
    Me deixae beijar, senhora,
    Pois que tem tanta valia.
    Não consintaes que padeça,
    Quem a vida só queria,
    Para vos poder servir,
    Como ella merecia.

    Querendo-lhe a mão tomar,
    A Imperatriz se desvia,
    Em ira toda abrazada,
    Resposta lhe não dizia:

    «Senão olhara, senhor,
    O mal que n'isto faria,
    Eu manifestara ás gentes
    Vossa louca ousadia.
    Tirae-vos diante de mim,
    Não cureis de mais porfia,
    Ou dil-o-hei á Condessa,
    Minha senhora Sophia,
    E tambem ao senhor Conde,
    Que de mim tanto se fia.

    Sem curar de mais palavras,
    Na camara se recolhia,
    Queixando-se da fortuna,
    Porque tanto a perseguia.
    Ficou tão triste Nathão,
    Quanto dizer não podia,
    Por tão áspera resposta
    Como d'ella ouvido havia.
    Todo o amor que lhe tivera,
    Em tedio se convertia;
    Determina de vingar-se
    Por qualquer maneira ou via.
    Como a noite foi cerrada,
    Que já ceado se havia,
    O Conde e a Condessa
    E toda a mais companhia,
    Cada um em seu aposento
    A dormir se recolhia,
    E tambem a Imperatriz
    Á cama d'onde dormia;
    Levava comsigo o menino,
    Como d'antes o fazia.
    Deixou a candeia acceza,
    Como de costume havia.
    Assim como se deitou
    Logo se adormecia,
    Com o menino nos braços,
    Porque muito lhe queria.
    Estava o falso espreitando
    Como a cordeira dormia,
    Cançada de muitos choros,
    Que de continuo fazia,
    Lembrando-lhe seu marido,
    E o bem que d'elle perdia;
    E que sendo Imperatriz
    De tanto estado e valia,
    Agora como escrava
    De uma vassalla se via,
    E que de um seu irmão
    Tanta affronta recebia.
    Como viu este malvado,
    Que o somno a embebia,
    Tirou a porta do couce,
    Com um engenho que trazia,
    E foi-se direito á cama,
    Onde o sobrinho dormia,
    Degollou-o c'um cutéllo
    Mui agudo em demazia.
    Depois que o teve morto,
    Que com pé nem mão bolia,
    Deixou o cutéllo nas mãos
    Da innocente que dormia,
    E saíu cerrando a porta,
    Melhor que elle podia.
    Era o sangue de tal sorte
    Que do menino corria,
    Que o corpo da Imperatriz,
    Olhos e mãos lhe enchia;
    Como o tinha nos braços,
    Toda de sangue a cobria;
    Entrando-lhe pela bocca,
    Acordar logo a fazia.
    Vendo na mão o cutéllo,
    E o menino que jazia,
    Começou com grandes gritos
    A publicar o mal que via,
    Dizendo; «Acudi depressa
    Minha senhora Sophia,
    Que mataram vosso filho
    Minha doce companhia.»
    Ás vozes que ella dava,
    A Condessa se erguia,
    Que ainda estava na cama,
    Porque era antes do dia,
    E seu marido com ella
    Mui triste em demazia.
    Vendo o filho como estava,
    Em terra logo caía,
    Estava tal como morta,
    Que com pé nem mão bolia.
    Á coitada da Imperatriz
    A alma se lhe saía,
    Não podia suspeitar
    Quem tanto mal lhe fazia;
    E ainda que suspeitasse,
    Pouco lh'aproveitaria.
    E n'isto chegou o irmão,
    Que de prazer não cabia,
    Porque tanto se vingara
    De quem tanto a offendia.
    Disse o irmão a Clitaneo,
    Chorando, demais seria:

    --Quem matou o meu sobrinho,
    Grande castigo merecia.
    Mandae-m'a vós queimar logo,
    Sem curar de mais porfia;
    Porque ali tem o cutelo
    Com que fez tão grã falsia.

    Estas palavras dizendo,
    A Condessa em si volvia,
    Levantando-se em pé,
    Com o grande pezar que havia,
    Viu estar a Imperatriz,
    Que finada parecia,
    Seu rosto maravilhoso
    Feito côr de pedra fria;
    Seus olhos fontes de lagrimas
    Com o chorar que fazia;
    Tinha o coração cerrado,
    Falar a ninguem podia,
    Ainda que perguntavam,
    A ninguém não respondia.
    Estava como pasmada
    Com estas coisas que via.
    A Condessa piedosa,
    Com o bem que lhe queria,
    Não podia esta senhora
    Crer que tal ella faria;
    Mas o malvado cunhado
    A todos os induzia,
    Que lhe dessem logo a morte
    Que ella tão bem merecia;
    E se matar a mandava,
    Que elle mesmo a mataria,
    Por matar a seu sobrinho,
    Que tanto bem lhe queria.
    Chorando singularmente
    Mostrando que se doía;
    E para mais a commover
    O cutélo lhe trazia,
    Todo coberto de sangue
    Do innocente que morria.
    A pomba sem fél chorava
    A tudo quanto ali via,
    Não querendo desculpar-se
    Porque crida não seria,
    E não por temor da morte,
    Que d'ella não se temia;
    Mas antes continuamente
    A Deos sempre a pedia,
    Que quem vive sempre triste
    A morte lhe é alegria.
    E mais ella, que estava
    Com tão sobeja agonia:
    Acordou fazer-se muda,
    Pois falar-lhe não valia.
    A quanto lhe perguntavam
    Vendo que não respondia,
    Cuidando então a Condessa,
    Que culpada não seria,
    E que matára seu filho
    Alguem que mal lhe queria;
    E que ella ora com pezar
    De tal sorte emmudecia,
    E dizendo a seu marido
    Isto que cuidado havia,
    Parecia-lhe bem ao Conde
    O que a Condessa dizia,
    Por não dar tão cruel morte
    A quem tão bem a servia.

    Foi determinado então,
    Desterral-a sem porfia,
    E n'uma Ilha lançal-a,
    Que dentro do mar jazia
    Quarenta leguas de terra,
    Onde gente não havia;
    E que ali de fome e sêde
    Sua culpa pagaria,
    E comida de animaes,
    D'isto não escaparia.

    Como a noite foi chegada
    Ás horas que anoitecia,
    Manda que seja levada
    Por dois homens de valia,
    Com ella duas mulheres,
    Para ir em companhia,
    Para que fosse guardada
    Sua honra, como devia.
    Em um navio veleiro
    A Imperatriz se mettia,
    Com lagrimas dos seus olhos
    Da terra se despedia.
    Chegaram á dita Ilha
    Á noite do outro dia,
    A Princeza deixam em terra
    Com grã choro em demazia.
    Tornaram-se com o navio,
    Porque assim fazer cumpria.

    Quando a nobre Imperatriz
    Em tal logar só se via,
    N'uma Ilha tão deserta,
    Onde ninguem não vivia,
    Senão bravos animaes,
    De que ella manjar seria,
    Chorando lagrimas tristes,
    D'esta maneira dizia:

    «Ó meu nobre Imperador,
    Meu bem e minha alegria,
    Que pouca é vossa lembrança
    De quem tanto vos queria!
    Que pouco tempo durou
    Vossa doce companhia?
    Sempre cuidei de vos ver
    Algum tempo ou algum dia;
    Agora por meus peccados
    Jámais nunca vos veria.
    Deos perdôe a vosso irmão,
    E a Virgem santa Maria,
    Que eu lhe perdôo aqui
    Todo o mal, que me fazia.
    Oh senhor, e só meu pae,
    Principe e rei de Hungria,
    Quão triste vida será
    A vossa sem alegria,
    Em ouvindo tão má fama,
    Que em Roma de mim corria?
    Mais sinto vosso pezar,
    Que minha grande agonia;
    Pois morrerei uma vez
    Vós morrereis cada dia.
    A vossa deshonra sinto,
    Que a morte não a temia,
    Porque mais hade temer,
    Quem tão sem culpa morria.

    Estas palavras dizendo,
    Mui grande ruido ouvia,
    Tão terrivel e espantoso,
    Que soffrer-se não podia;
    Ouvindo isto a senhora
    A força lhe fallecia;
    Como era delicada
    Em terra logo caía.
    Estes eram animaes
    De muitos que ali havia,
    Que tanto que a sentiram,
    Com grã pressa em demazia
    Correram para a comerem,
    Cada um qual mais podia.
    Antes que a ella chegassem
    Um resplendor apparecia.
    Estiveram todos quedos,
    Nenhum ali se movia,
    Com temor de uma senhora,
    De quem o inferno tremia;
    Pois vinha com magestade
    A Virgem santa Maria,
    Para guardar a limpeza
    De quem a ella recorria.
    Chegando com grande amor,
    Onde a Imperatriz jazia,
    Disse-lhe d'esta maneira
    Com suave melodia:

    «Minha Porcina, não temas,
    Que nenhum mal te viria;
    Eu sou a Madre de Deos;
    A quem serves cada dia,
    Que te venho soccorrer
    Em tão extrema agonia;
    Não temas nenhum perigo
    Princeza nobre e mui pia,
    Porque Deos será comtigo
    Sempre de noite e de dia,
    Por muitos bens que fizeste,
    De que elle se servia.
    D'esta herva colherás,
    Que n'este logar nascia,
    Sem levar outra mistura
    Mais que sómente agua fria,
    Na qual cozida será
    Quanto te parecia:
    E um unguento farás
    De grande preço e valia,
    Com o qual darás saude
    A quem a mister havia,
    Em nome do Redemptor,
    Rei de toda a monarchia.»

    E estas palavras dizendo
    A Virgem ao céo subia,
    Os animaes que ali estavam
    Nenhum mais apparecia.
    A Imperatriz ficou
    Mui alegre em demazia,
    E dando a Deos as graças,
    E á sagrada Maria,
    Colheu d'aquella herva tanta,
    Quanta mister lhe fazia.
    Acabando de colher,
    Um navio á vela via,
    Capiando-lhe com a mão,
    A gente á terra sahia,
    Mui espantados em vêl-a
    Perguntaram que queria,
    Ou quem a trouxe ali,
    Onde ninguem não vivia.
    Respondendo a Imperatriz,
    D'esta maneira dizia:

    «Que vindo com seu marido
    Para Roma sua via,
    A grã tormenta do mar
    Ali lançado os havia,
    E a Nau foi dar á costa
    Com a gente que trazia,
    E que ella escapara
    Sem outra mais companhia:
    Quero-vos rogar, irmãos,
    Por Deos, e por cortezia,
    Me leveis á terra firme,
    Que bem vol-o pagaria.

    Todos foram mui contentes,
    Sem curar de mais porfia.
    Como foi posta em terra
    Com mui grande alegria,
    Foi-se direita ao Castello,
    Que Alberto se dizia,
    Pelo nome do Senhor,
    Que sempre n'elle vivia,
    O qual tinha sua mulher,
    A quem elle muito queria,
    Doente de sangue fluxo,
    Que grã pena padecia.
    Não lhe davam cura os Mestres
    Que grande pezar sentia,
    A Imperatriz piedosa,
    Licença ao marido pedia,
    Para curar a mulher,
    Que tanto mister havia:
    E assim logo entrou dentro
    Adonde a mulher jazia,
    Untou-lhe todo o seu corpo
    Com unguento que trazia,
    Pela vontade de Deos
    A saude recebia.
    Levantou-se logo em pé,
    O que d'antes não fazia,
    Muito rija e muito inteira,
    E com grande melhoria,
    Clamando por seu marido,
    O qual logo lhe acudia:
    Disse-lhe como era sã,
    Do gram mal que padecia,
    Abraçando a Imperatriz,
    Tão leda, que não cabia,
    Tomou-lhe tão grande amor
    Como a razão o pedia.
    Muita gente a vinha vêr,
    Espantada do que via;
    Que fosse sã tão depressa
    Quem tanto mal padecia.
    Olhava a Imperatriz
    A quem tal bem lhe fazia,
    Mui espantados de a vêr
    Tão formosa em demasia,
    Sarar tal enfermidade
    Com sua sabedoria.
    Elles a isto assistindo,
    Um cego apparecia,
    E chegando ao Castello,
    Que já dito vos havia,
    Quiz elle pedir esmola
    Assim como antes sohia.
    Vendo-o a Imperatriz,
    Movida com a obra pia,
    Curou-o em nome do Padre,
    Que todas as coisas cria,
    Do filho e do Espirito Santo,
    Que d'entre ambos procedia;
    A Santissima Trindade
    Saude lhe concedia.
    Como o cego se viu são,
    Com grã prazer que sentia,
    Pôz-se ante ella de joelhos,
    Dando vozes de alegria.
    Levantou-o a Imperatriz,
    Que tal coisa não queria,

    «Irmão, dae graças a Deos,
    (Mui humilde lhe dizia),
    Que só vos deu a saude
    Com a sua sabedoria,
    E a infinita bondade,
    Que terra e mar enchia.

    A fama destes milagres,
    Pela terra se estendia;
    A Clitaneo os contaram,
    E a sua mulher Sophia,
    Os quaes foram mui alegres
    Pelo que agora diria.
    Natão aquelle malvado,
    Que arriba se dizia,
    Que matou a seu sobrinho,
    Do que não se arrependia,
    Que offendendo tanto aquella
    Que nenhum mal merecia,
    Depois de ser desterrada
    Antes de passar um dia,
    Veiu a fazer-se gafo,
    Que nenhum remedio havia,
    Senão pagar com a morte
    No inferno o que devia.
    Era tal sua doença,
    Que tudo aborrecia,
    E ninguem chegava a elle
    Tão fortemente fedia.
    Acordou pois Clitaneo
    (Porque muito lhe doía)
    De logo o levar comsigo,
    Adonde Alberto vivia.
    Pois que era seu parente,
    Grande amigo em demasia,
    Disse tambem a mulher,
    Que com elle ir queria.
    Metteram-no em umas andas
    Aonde só ir podia.
    Partiram todos de casa
    Quando a luz apparecia,
    Chegaram ao dito Castello
    Á meia noite seria,
    No qual o parente Alberto
    Mui alegre os recebia.
    Ao tempo que ali chegaram,
    A Imperatriz dormia,
    E não a poderam ver,
    Até que foi bem de dia;
    Como foi pela manhã,
    A recebel-o saía,
    Com aquelle acatamento,
    Que a humildade devia;
    Todos logo a receberam
    Com mui grande cortezia,
    E quiz nosso Senhor Deos
    Que ninguem a conhecia,
    O Conde e a Condessa,
    Nem a sua companhia.
    Todos eram espantados
    Do primor, que n'ella havia,
    Contou Clitaneo então
    A causa que os trazia,
    Pela doença do irmão,
    Que tal tormento sentia.
    Dizendo:--Pois Deos lhe dera
    Tal graça e tal valia,
    Que lh'o quizesse curar
    Como aos outros fazia,
    Que se por paga o houvesse
    Quanto quizesse daria.

    Respondeu a Imperatriz
    Mui contente do que via,
    Para se manifestar
    Como sem culpa vivia;
    Que fosse onde elle estava,
    Porque ella ver o queria.
    Foram com ella as senhoras
    Por lhes fazer companhia,
    Tambem todos os senhores,
    Para ver o que fazia.
    Chegando onde elle estava
    Tão fortemente fedia,
    Que não podia soffrel-o
    Toda a gente que ali ía,
    A Imperatriz piedosa,
    Com a humildade que havia,
    Chegando á sua cama,
    D'esta sorte lhe dizia:

    «Meu irmão, salve-o Deos,
    Que todas as coisas cria;
    E vos salve vossa alma,
    E ao corpo dê melhoria.
    Vós, irmão, quereis ser são?
    (Disse-lhe elle que queria.)
    Haveis-vos de confessar
    Sem cuidar de mais porfia,
    Diante d'estes senhores,
    Porque assim fazer cumpria:
    E se vos não confessaes,
    Saude vos não daria
    Christo nosso eterno Deos,
    Porque d'isto se servia,
    Que digaes publicamente
    O que a consciencia sentia.

    Confessou-se logo á hora
    Do tudo quanto sabia,
    Mas o que mais relevava,
    Calava, que não dizia.
    Disse-lhe a Imperatriz,
    Como quem o entendia:

    «Se tudo não confessaes,
    Eu curar-vos não podia,
    Porque um grave peccado
    Que a Deos muito offendia,
    Convem que satisfaçaes
    A honra que se perdia
    D'aquella, que vós sabeis
    Quão innocente vivia.

    Como isto ouviu Natão,
    Mui fortemente gemia,
    Dava tão grandes suspiros
    Que a alma se lhe sahia,
    Como quem do que fizera
    Muito se arrependia.
    Disse-lhe então o irmão,
    Vendo que tanto temia:

    --Como tão grande peccado,
    Tendes vós na fantazia,
    Que o não quereis confessar
    Pois que tanto vos cumpria,
    Por haverdes a saude
    De quem dar-vol-a podia?

    Respondeu logo Natão:

    --Senhor, não tenho ousadia,
    Se vós me não perdoaes,
    E vossa mulher Sophia.

    Disse elle, era contente,
    E ella, que lhe aprazia.
    Ouvindo isto Natão,
    Pois tal fazer não podia,
    Chorando lagrimas tristes
    Com mui grave agonia
    Contou logo todo o caso,
    De sua grande falsia:
    Como matára o sobrinho
    Na camara onde dormia,
    Porque ella não quizera,
    Fazer o que elle pedia;
    E de como a commettera,
    E o que ella respondia;
    Contou tudo sem deixar
    Nada, que assim lhe cumpria.

    Como isto ouviu a Condessa
    Em terra se amortecia,
    E seu marido Clitaneo
    O mesmo tambem fazia.
    Depois que tornou em si
    A Condessa assim dizia:

    --«Oh malvado! quem cuidara
    Tua grande hypocrisia,
    Porque te déra o castigo,
    Que tal traição merecia!
    A amiga maior perdi
    Que ninguem nunca perdia,
    Minha fiel companheira,
    Que a mim tanto me queria.
    Não me peza de meu filho,
    Em que a carne o requeria,
    Porque como pequenino
    Mui pouca mingua fazia;
    Mas a vós, minha senhora.
    Que eu matei com ousadia,
    Tenho tão grande pezar,
    Que a alma se me saía;
    Eu não posso perdoar
    Aquillo que não sabia;
    E se eu lhe dei perdão,
    Em muito me arrependia,
    Nem meu senhor e marido
    Perdoar-lhe tal devia;
    Porque, sendo seu irmão,
    Lhe fez tão grande falsia.

    A prudente Imperatriz
    Muitas coisas lhe dizia,
    Porém nada aproveitava,
    Que tanto a aborrecia.
    Até que esta senhora
    A todos se descobria,
    Dizendo que ella era
    Por quem tanto se doía.
    Ouvindo isto a Condessa,
    Pelo que em ella via
    No resplandor do seu rosto,
    E na fala a conhecia,
    Porque Deos lhe abriu os olhos
    De sua sabedoria:
    Foi-se c'os braços abertos,
    Que parecia sandia,
    Aos seus da Imperatriz,
    Que outra vez se esmorecia,
    Porque tambem isto faz
    A mui sobeja alegria.
    E seu marido Clitaneo
    De contente não cabia,
    Perdoára a seu irmão,
    Porque ella lh'o pedia;
    E logo quiz dar saude
    A quem lh'a não merecia,
    Untando-lhe todo o corpo,
    E as chagas que n'elle havia,
    E tambem a sua bocca
    D'onde máo cheiro sahia.
    Em nome de Jesus Christo,
    Saude lhe concedia,
    Mais são, e mais esforçado
    Do que antes ser podia.
    Como isto viu Natão,
    Mui contente em demazia,
    Foi-se a fazer penitencia,
    Onde mais não parecia.
    Toda a gente que ali estava,
    Tanta honra lhe fazia;
    Como se todos souberam
    Sua grande senhoria.
    Nunca d'ella se apartava
    A sua amiga Sophia,
    Tambem a mulher de Alberto,
    Que em extremo lhe queria.
    Vinham de todas as partes
    Ali enfermos cada dia,
    Aos quaes ella curava,
    Sem nenhuma fantazia,
    E a todos dava saude,
    Porque Deos o permittia.

    Como a fama era ligeira,
    Por todo o mundo corria,
    Disse-se ao Imperador
    Que em Roma residia,
    O qual foi mui contente,
    Quando taes cousas ouvia,
    Porque tinha seu irmão,
    De que acima dito havia;
    Doente em cama, mui gafo,
    Que já viver não podia,
    Mui peior do que Natão,
    Porque em taes casas fedia;
    Sua carne tão malvada
    De bichos já se comia;
    Ninguem o podia ver,
    Porque logo adoecia,
    Que tanto era o fedor,
    Que de seu corpo saía.
    Como lhe certificassem
    Ser de mui grande valia,
    Um Duque manda por ella,
    De quem muito se confia,
    Dizendo que lh'a trouxesse
    Antes do terceiro dia,
    Porque não viesse a morte
    A quem tanto lhe doía.
    Vendo o Duque seu mandado
    A grã pressa se partia,
    Chegando ao dito Castello
    Clitaneo o conhecia:
    Logo o foi a receber
    Com mui grande cortezia,
    Fazendo-lhe aquella honra,
    Que tal senhor merecia.
    Como tão pouca detença
    O Duque fazer cumpria,
    Perguntou pela senhora,
    Que tantas coisas fazia.
    Como lhe fosse mostrada,
    Grande espanto recebia,
    De ver sua formosura
    Mais que todas quanto via,
    Lembrando-lhe a havia visto,
    Mas aonde lhe esquecia,
    Muito fóra de cuidar,
    Que a Imperatriz seria.
    A mui nobre Imperatriz,
    Que mui bem o conhecia,
    Seu rosto maravilhoso
    D'elle sempre escondia,
    De que causa se assombram
    Porque a todos se encobria.
    O Duque sem mais deter-se,
    Sua vinda lhe dizia,
    Contando-lhe como Albano
    Cruel pena padecia;
    E que o Imperador
    Lhe rogava e lhe pedia
    Que logo o fosse curar,
    Pois tanto mister o havia,
    E que se o désse são,
    Que elle lhe promettia,
    Fazel-a tão grã senhora,
    Como ella bem veria.
    Foi a Imperatriz contente,
    Sem cuidar de mais porfia,
    Determinou ir com ella
    A sua amada Sophia;
    Tambem a mulher de Albano
    Disse que não ficaria,
    Assim que ambos os maridos
    Lhe fizeram companhia,
    Porque tambem desejavam
    De ir a Roma em romaria.
    Partiram com tanta pressa,
    Que chegando ao outro dia
    Á grã cidade de Roma,
    Quando o sol claro saía,
    Era tanta pelas ruas
    A gente que a seguia,
    Que quando chegaram ao paço
    Caber n'elle não podia.
    O Imperador Lodonio
    Tão alegre a recebia,
    Que todos se assombravam
    De sua grande alegria.
    Foi ella beijar-lhe a mão,
    Mas elle o não consentia;
    Ia c'o rosto coberto,
    Que pouco lhe apparecia.
    Como ella se viu diante
    De quem mais que a si queria,
    Não podia ter-se em pé,
    Do grão prazer, que sentia.
    O Imperador fez honra
    A todos quantos trazia,
    Maiormente a Clitaneo,
    Por sua grande valia;
    Sentou-os todos á mesa,
    Com todos juntos comia.
    Em quanto durou o comer,
    Os seus olhos não desvia
    De sua amada mulher,
    Que elle reconhecia;
    Mas o coração lhe dava
    Sobresaltos de alegria.
    A prudente Imperatriz
    O mesmo tambem fazia.
    Acabando de comer
    A seu marido dizia:

    «Clarissimo Imperador,
    Rei de toda a monarchia,
    A quem devem sujeição
    Todos os que a terra cria;
    Eu, como serva menor
    De quantos no mundo havia,
    Conhecendo o grão pesar
    Que tendes em demasia,
    Pela doença do irmão,
    Que tanto mal padecia,
    Venho aqui para o curar
    Como quem em Deos confia,
    Como elle lhe dará saude
    Por sua clemencia pia;
    Portanto eu quero vel-o
    Se o Senhor m'o concedia.

    O benigno Imperador
    Muito lh'o agradecia;
    Foram postos muitos cheiros
    Na cama d'onde dormia,
    Porque de outra maneira
    Ninguem lá entrar queria.
    Foram todos juntamente,
    Que ninguem ficar queria,
    Á camara onde estava
    Quem tanto mal padecia.
    Tinha tão grandes tormentos
    Que a alma se lhe saía.
    A humilde Imperatriz,
    Por fazer o que devia,
    A rogos do seu irmão,
    A quem tanto amor havia,
    Chegando-se á sua cama,
    Salvando-o como sohia,
    A fazer que o curava,
    Como quem seu mal sentia:
    Albano lhe torna graças,
    Muito alegre em demasia,
    Disse-lhe a Imperatriz
    Com mui grande cortezia;

    «Convém de se confessar
    Logo vossa senhoria,
    Diante do Imperador,
    E esta nobre companhia,
    De todos os seus peccados,
    Que contra Deos commettia,
    Se um só ficar por dizer,
    Saral-o não me atrevia.

    Respondeu logo Albano,
    Como quem já se temia:
    Que elle os seus peccados
    Ao Sacerdote os diria,
    E que de outra maneira
    Confessar-se não podia.

    «Será logo por demais,
    (A Imperatriz dizia,)
    Minha vinda a este logar,
    Pois nada aproveitaria.
    O Imperador agastado,
    A seu irmão respondia:

    --Quem agora vos curasse,
    Tam grã milagre fazia,
    Como resurgir um morto,
    Que já come a terra fria;
    E pois por tal vos contamos,
    Porque vos falta ousadia
    De dizer vossos peccados
    Ante esta tal companhia?
    Dizei-nos, por Deos, irmão,
    Não cuideis de mais porfia,
    Se vós não confessaes,
    Grã pezar receberia.

    Disse-lhe então Albano,
    Que pois isto elle queria,
    Que logo lhe perdoasse
    Um grã mal, que feito havia;
    O qual era de tal sorte
    Que perdão não merecia,
    E se lhe não perdoava,
    Que não se confessaria.
    Respondeu-lhe o Imperador
    Que mil lhe perdoaria,
    E pois era seu irmão,
    Porque d'elle se temia?
    Respondeu então Albano,
    Com grã pezar, que sentia:

    ==Bem sei que sereis lembrado
    D'aquelle tam triste dia,
    Quando d'aqui vós partistes
    Para ir á romaria?
    Por Governador deixastes,
    Como a razão pedia,
    A mim e á Imperatriz,
    Que eu matei com grã falsia.

    Contou-lhe todo o successo,
    Porque nada lhe mentia.
    Ouvindo o Imperador
    Bem vereis o que diria:

    --Piedoso Jesus Christo,
    Eterna sabedoria,
    Tam altos são teus mysterios,
    Que ninguem os entendia:
    Quem cuidara que um irmão
    Tão grã traição me faria?
    Eu fui mui pouco discreto,
    Pois fiz o que não devia,
    Sem primeiro me informar
    De quem o caso sabia.
    Oh minha amada mulher,
    Claro sol, e luz do dia,
    Minha saborosa lembrança,
    Espelho em que me via!
    Como partiste queixosa
    De uma tão penosa via,
    De mim mais, que do cunhado,
    Porque eu o merecia
    Em vos matar tão sem culpa,
    Sem olhar o que fazia.
    Porque devera olhar
    O que por razão seria,
    Que quem tem fiel amor,
    Nunca mudar se podia.
    Pelejem os elementos,
    E abra-se a terra fria,
    Para que consumma em si
    Quem tanto a Deos offendia?
    Escureça o sol, e a lua
    Que todo o mundo allumia,
    Porque ajudem a meu pranto,
    Como a razão o pedia.

    Estas palavras dizendo,
    Com a dôr se amortecia,
    Era por morto julgado
    Da gente que assim o via.
    Vem logo todos os Mestres,
    Cada um como podia,
    Os quaes sabendo a verdade,
    Com muita grande agonia,
    Tantas cousas lhe fizeram
    Com sua sabedoria,
    Até que em si o tornaram,
    Como de antes sohia.
    Não quiz mais a Imperatriz
    Encobrir o que sentia,
    Descobriu seu lindo rosto,
    E a seu marido dizia:

    «Oh meu bem tam desejado,
    Minha doce companhia,
    Eu sou a que com razão
    Devo de ter alegria;
    Pois Deos me deixou ver-vos
    Como sempre lhe pedia:
    Se agora viesse a morte
    Mui leda a receberia;
    Eu sou a vossa mulher
    Filha do grão Rei de Hungria,
    Que vós mandaste matar,
    Pelo que não merecia:
    Quiz-me guardar Jesus Christo
    E a Virgem santa Maria,
    Por guardar fidelidade
    A quem tanto me queria.

    Poz-se ante d'elle de joelhos
    Ainda que o não merecia,
    Por força lhe beija as mãos,
    Mas elle o não consentia;
    Antes quando a conheceu
    Tão grã prazer recebia,
    Que abraçando-a docemente
    Todo o sentido perdia.
    Não ha ninguem que escreva
    O que cada um dizia,
    Nem papel onde caber
    O que escrever se podia.
    Em extremo se assombraram
    Clitaneo, e mais Sophia,
    Vendo a Imperatriz
    De tão grande Senhoria,
    Aquella que em sua casa,
    Como escrava os servia;
    Que mandaram desterrar
    Por culpa que não havia,
    Temendo-se que agora
    Algum grã mal lhes viria,
    As mãos postas, de joelhos,
    Mui tristes em demazia,
    Chorando pedem perdão,
    Que logo lh'o concedia,
    Fazendo-os levantar
    Com mui grande cortezia;
    A ambos os dois abraçou,
    Chorando com alegria,
    Contando ao Imperador
    O muito que lhes devia.
    Que se por elles não fôra,
    Sua honra se perdia;
    E do grande agasalhado,
    Que cada um lhe fazia
    E que a vida, e a honra
    A elles ambos devia.

    O Imperador mui ledo,
    Quando estas cousas ouvia,
    A Deos dava muitas graças,
    E á Virgem sancta Maria,
    Promettendo a Clitaneo
    Que elle lh'o pagaria,
    Com fazel-o grã o Senhor
    De todos quantos havia.
    Tomou a Imperatriz
    A sua amada Sophia,
    Por sua camareira mór,
    Pelo bem que lhe queria.
    Tudo quanto ella mandava
    No imperio se fazia;
    Determinou o Imperador
    Por fazer o que devia,
    Queimar a seu irmão vivo
    Doente como jazia,
    Dizendo:--que mais merece
    Quem tal traição commettia?
    A Imperatriz piedosa
    De joelhos lhe pedia,
    Lhe quisesse dar a vida.
    Ainda que não merecia,
    Dizendo que bem bastava
    A pena que padecia.
    Outorgou o Imperador,
    Porque mui chorosa a via,
    Porque a sua nobreza,
    A muito mais se estendia.
    Levantou-se d'onde estava
    A que n'elle se veria,
    E se foi deitar á cama
    Em que morrendo vivia.
    E untando-o com ungento
    A saude recebia:
    Ficou muito forte e disposto,
    O qual d'antes não fazia;
    Conheceu o Imperador
    Sua virtude e valia,
    Que era ainda muito mais
    Do que elle cuidar podia.
    Seu irmão, por nome Albano,
    Que muito se arrependia,
    Fez mui grande penitencia,
    Porque bem se arrependia.
    O Imperador Lodonio,
    Mandou fazer cada dia
    Muitas grandes procissões
    A Deos e sancta Maria,
    Dando-lhe infinitas graças
    Pelos bens que lhe fazia.
    Fizeram por toda Roma
    Muitas festas de alegria,
    Os pobres se alegravam,
    E toda a gente dizia:
    Viva a nossa Imperatriz
    Que tanto bem nos fazia;
    Iam-na todos a ver,
    Como vem á romaria,
    A todos benignamente
    A Senhora recebia,
    Fazendo-lhes mais esmolas,
    Do que ella d'antes fazia.
    O Imperador Lodonio
    Tambem com vontade pia
    Fazia mui grandes bens,
    A todos grã bem fazia:
    Foram bemaventurados,
    Segundo a historia dizia.

_Folha volante_, de 1660

      *      *      *      *      *


DOM FRANCISCO MANOEL DE MELLO


Romance picaresco, intitulado «Debuxo de Pena,»

    Que em portuguez a retrate
    Me rogou Dona Breitís;
    Porque tem nojo das côres
    Dos poetas de Madril.
    Eil-a vae, escutae, vede,
    Pois logo vereis se ouvís;
    Que se não vae para vêr,
    Vae, ao menos, para ouvir.
    O _cabello_ é pino de ouro
    Tanto mais que o Potosy,
    Que ao pino do meio dia
    Faz cada dia o sol crís.
    Apodara-lhe eu a _testa_
    A um pedaço de marfil;
    Mas ella diz d'esse apodo
    Que m'o deixa para mim.
    Os _olhos_ são dois soldados
    Da fronteira ou do Brazil;
    A quem amor por valentes
    Deu o habito de Aviz.
    Trez _meninas_ tem travessas
    Com as duas que lhe vi,
    Pois brincando ella com ellas
    São trez meninas, emfim.
    Porque são arcos de flores,
    Me jurou Maria Gil,
    Lhe comprára para a dança
    As sobrancelhas sutís.
    _Pestanas_ tem, não queimadas
    Por lhe não servir assi,
    Para uns olhos tão dormidos
    As pestanas são dormir.
    Ambas as _faces_ parecem
    De obra de agulha gentil,
    Bainha de ambas as faces
    Em lenço feito em Cochim.
    Não falemos no do meio
    Ramalhete de jasmins,
    Que segundo é lindo, e cheira
    É ramalhete ou _nariz_.
    O carão limpo e luzente
    Uma pessa é do sitim,
    Não picado, que picado
    É só quem tal carão vir.
    O _rostro_ livro é de caixa
    Cujas partidas gentís
    Não viu o Infante Dom Pedro
    Emquanto andou por ahi.
    As _orelhas_ fogem ás dores
    Porque as não querem sentir,
    Orelhas de mercador
    Vendendo mais dor assim.
    A _boca_ d'esta fidalga,
    Se não vem como se diz
    A pedir de boca, é boca
    Que nunca vem a pedir.
    Que pouco direi dos _dentes_.
    Bem que muito dizer quiz;
    Mas cada _dente_ tem dente
    Contra a musa mais subtil.
    Se tomal-a pelo _beiço_
    Quer o cravo e o rubi,
    Ella pelo o beiço toma
    Mil cravos e mil rubis.
    Sem falta a moça não come
    Outro pão, que de ambar gris,
    Segundo vem perfumados
    Seus nãos, quanto mais seus sins.
    Na _garganta_ me deu susto
    Quando fui e quando vim;
    Porque co'alma na garganta
    Sempre a verá quem a vir.
    O _talho_ de muito inteiro
    É feito tão sobre si,
    Que tal me depare Deos
    No meu feito o meu juiz.
    Conforme que prende e mata
    Com _olhar_ e com _sorrir_,
    A senhora traz no gesto,
    Um algoz e um beleguim.
    Se trez foram como duas
    Que são duas flores de liz,
    Lhe tomára as _mãos_ por armas
    De França o mesmo Delphim.
    Ouvi que lhe pediu Venus
    Para pôr nos seus jardins
    Os _pés_, que postos em terra
    Prendem quaes pés de jasmins.
    Quando pisa, o cravo cheiro,
    D'onde já disse Merlim,
    Que _pés_ que assim pisam cravo
    São _pés_ mãos de almofariz.
    Senhora Breitís, agora
    Comvosco vos conferí;
    Que se este retrato é pouco
    Far-vos-hei d'estes cem mil;
    Porque só pinto o que vejo,
    Não lanço adiante o gis,
    Senão, dae-me mais que vêr
    Que eu vos darei mais que rir.
    Quando empunhando o rifão
    Faça crêr, como eu o crí,
    Que a Breitís sempre é das moças
    Qual das aves a perdiz.

_Obras metricas_, t. II, p. 219. Edição de 1665.

      *      *      *      *      *


M. QUINTANA DE VASCONCELLOS


Romance da Claridea ao som da harpa da Torre

    Todas as vezes que canto
    Por aliviar minha pena,
    Segue o pensamente a voz
    Té chegar á causa d'ella.
    Lá entre mil alegrias,
    Que a memoria representa,
    Tão triste me considero,
    Que me converto em tristeza.
    Ser alivio de um mal grande
    Qualquer gosto, ninguem creia,
    Que augmente ao contrario ás forças
    Uma debil resistencia.
    Rouba o tempo ao mesmo tempo,
    A musica o animo alegra,
    E é tão querida de amor,
    Que amando o mais rudo adestra.
    Tema do seu doce effeito
    Prodigiosas experiencias,
    Nas aves de que é seguida,
    Nos animaes que deleita.
    Eu só me afflijo cantando,
    E todo o bem me atormenta,
    Que perder vida e memoria
    São os remedios da auzencia.
    Tem por mór mal o da morte
    Nossa fragil natureza;
    Mas, maior mal ha na vida
    Se ha memorias, o soffrel-a.
    Aqui só n'esta prizão,
    E em meu cuidado mais preza,
    Estam tão longe de mim,
    Que nada sei de mim mesma.
    Lagrimas me tem comsigo
    Quando a suspirar-me leva,
    Do que fui tenho saudade,
    E de ser quem sou me pesa.
    Viver co'a dôr que padeço
    Deve ser ventura alheia,
    Inda que dão desventuras
    Forças da nossa fraqueza.
    Mas quem desespera auzente
    Do bem que amando deseja,
    Já não tem dor que sentir,
    E embalde outra morte espera.

Novella da _Paciencia Constante_.

      *      *      *      *      *


ANTONIO SERRÃO DE CASTRO


Romance da briga de um cego e um corcovado

    De um Cego e de um Corcovado
    Hoje o desafio escrevo;
    N'um vou á cega lagarta,
    N'outro vou com grande peso.
    N'uma palestra se acharam
    Os dois a um mesmo tempo,
    Um carregado de espaldas,
    Outro de colera cego.
    Vinha o Corcovado armado
    De bacias de barbeiro,
    Uma trazia nas costas,
    Outra trazia no peito.
    Com vir nas conchas metido
    Parece vinha com medo,
    Pois nas conchas com alongo
    Um cágado estava feito.
    No Cego vejo a razão,
    No Corcovado a não vejo,
    Porque é um homem que nunca
    Teve avesso nem direito.
    Esgrimiu o Cego um pau
    E andou com elle tão déstro,
    Que em dois angulos obtusos
    As pancadas deu correndo.
    Descarregou de pancadas
    No Corcovado um chuveiro,
    Porque os chuveiros nos montes
    Dão as pancadas mais cedo.
    Dar o Cego a bateria
    No Corcovado era certo,
    Porque duas eminencias
    Tinha por onde batel-o.
    Sem haver pé de pessoa
    Que a briga estivesse vendo,
    Foi o Cego dar com um pau
    Em dois vultos não pequenos.
    Tropeçou o Cego n'elles,
    Que é o tropeçar de cegos;
    E deu de cego pancadas
    Em dois mui grandes torpeços.
    Pôr no Corcovado o pau
    Não foi n'este Cego o erro;
    Que em casas que tem corcovas
    Pôr-lhe pontões é acerto.
    Dando na Casa dos Bicos
    Eram golpes tão horrendos,
    Que lá no Cunhal das Bolas
    Soando estavam seus eccos.
    Sempre um cego ha mister guia,
    Mas eu n'este Cego vejo
    Que não ha mister guiado
    Pois tanger sabe um camello.
    Como os cegos tangem bem,
    Este tangeu tão avesso,
    Que nas costas de um laúde
    Deu bordoadas aos centos.
    N'um mesmo tempo brigou,
    E acclamou o vencimento,
    Pois sempre na briga esteve
    Os atabales tangendo.
    O Cego teve a victoria
    Mas o Corcovado, é certo,
    Que nos despojos levou
    Os dous alforges bem cheios.

      *      *      *      *      *


ANONYMO


Romances e cantigas da canonisação de Sam Francisco Xavier

    Pérola muy bella
    Nos traz Oriente;
    Mais resplandecente
    Qu'hũa nova Estrella.
    Quanto tem valia
    Muito áquem lhe fica;
    Pérola tam rica
    No mar não se cria.
    Orvalho dos céos
    Gerou tal belleza,
    Contra a natureza
    Junt'os Pyreneos.
    Vêdes quam ditosas
    São nossas montanhas,
    Pois tem nas entranhas
    Pedras preciosas.
    Não sei se notaes
    Grandeza tão rara,
    Pedras de Navarra
    Vencem orientaes.

Outra cantiga, que fala com o Piloto da Nau, que é o Sancto

    Piloto da Nau ligeira,
    Que corre por terra e mar!
    A maré é de rosas,
    O porto seguro,
    As velas mandae tomar.
    No meio do coração
    Vos darêmos gasalhado,
    Que por bem aventurado
    Se terá com tal patrão.
    Tendes vara de codão
    Pera todos cativar.
      A maré é de rosas,
      O porto seguro, etc.

    Enchestes o Oriente
    De luz e de piedade;
    Visitae esta cidade
    Qu'é senhora d'essa gente,
    E vereis quão diligente,
    Se mostr'em vos festejar.
      A maré é de rosas,
      O porto seguro, etc.

    De drogas celestiaes
    Vindes muito carregado,
    Vede que sois obrigado
    Repartir c'os naturaes:
    Amor quero, e nada mais
    Por ser pedra de bazar.
      A maré é de rosas,
      O porto seguro
      As velas mandai tomar.

             ----

    Oh Nau que pera a viagem,
    Marinheiros não temais,
    Pois tal Piloto levaes,
    Poderá com segurança
    Quem tal Piloto levar,
    Ou pollo mar com bonança
    Ou por terra navegar.
    Espertae a confiança
    Que dos céos vereis o caes,
    Pois tal Piloto levaes.
    Desferi todas as velas,
    E botae de foz em fóra,
    Pera que possam enchel-as
    Ventos galernos emb'ora.
    Alegres todos a ellas,
    Tempestades não temaes,
    Pois tal Piloto levaes.
    Assás covarde será
    Quem receiar a viagem,
    Pois Xavier governará
    Que é Piloto de vantagem.
    Elle franquêa a passagem,
    Iça, iça, mais e mais,
    Pois tal Piloto levaes.

           ----

    Xavier ao leme,
    Anjos a cantar,
    Larguemos a vela
    Pera navegar.
    É sabio o Patrão
    Que assi manda a via,
    Vêm ao Galeão
    Todos á porfia.
    Ledos e contentes
    Pera embarcar,
    E tudo está lestes
    Pera se navegar.
    Galeão fermoso
    E bem artelhado,
    Em tudo lustroso,
    Em partes dourado.
    Quem póde temer,
    Ou arreceiar?
    Já se faz á vela
    Pera navegar.
    Pois não teme guerra
    Na terra ou no mar;
    Por mar e por terra
    Pode caminhar.
    Vae esta Nau bella
    Ao Céo demandar,
    Larga, larga a vela
    Pera bolinar.
    Dourado pharol,
    Dourada bandeira,
    Francisco é o sol,
    Norte de carreira.
    É Nau de alto bordo,
    Não póde remar,
    Tende logo acordo
    Pera velejar.
    Xavier ao leme
    Anjos a cantar,
    Larguemos a vela,
    Pera navegar.

Relaçam das Festas que a religiam da Companhia de Jesus fez em a Cidade
de Lisboa, na beatificação do Beato S. Francisco Xavier, segundo
Padroeiro da mesma Companhia, e Primeiro apostolo dos reinos de Japão,
em Dezembro de 1620, recolhidas pelo Padre Diogo Marques Salgueiro, etc.
Lisboa, por João Rodrigues, 1621.

      *      *      *      *      *


Cantiga de Abel

    Doloroso gado
    De tanto primor,
    Dôa-te o fado
    Do triste pastor.
    Lembrae-vos, cordeiros,
    Da minha tristura,
    Ovelhas, carneiros
    Que pastaes verdura.
    Abel sem ventura
    De vós apartado,
    Meu gado amado,
    De mim com amor,
    Dôa-te o fado
    Do triste pastor.
    Doei-vos de quem
    De vós se doía;
    Lembrae-vos tambem
    Minha companhia,
    De quem ser sohia
    Sou outro tornado,
    Ficaes só deixado.
    Sem ter guardador
    Doei-vos do fado
    Do triste pastor.

_Auto do Dia do juizo_;--Folha volante de 1659.

      *      *      *      *      *


FRANCISCO LOPES


Romance de Santo Antonio e a Princeza

    Estava el-rei de Leão
    Casado com uma princeza
    De portugueza nação,
    Devota, por portugueza,
    De Antonio, santo varão.
    Tinha morta esta rainha
    Uma filha já mulher;
    A qual não pode soffrer
    Que enterrem, como convinha,
    Pelo muito que lhe quer.
    El-rei e toda a mais corte
    Para a sepultura se ajunta,
    Mas era o amor tão forte,
    Que, tendo a filha defunta,
    Não crê a rainha a morte.
    Trez dias chegou a estar
    A mãe em continuo pranto
    E a filha sem sepultar,
    Com grande fé no seu santo,
    Que lh'a hade ressuscitar.
    Erguendo o rosto choroso
    Ao céo com fé verdadeira
    Ao seu Santo glorioso,
    Tão santo e tão poderoso,
    Orava d'esta maneira:

    «Já que sois universal
    Nos milagres que fazeis
    Por todo o mundo em geral,
    O remedio não negueis
    A esta vossa natural.
    E se é justo que sintaes
    Esta ausencia tão esquiva,
    Porque a vida lhe negaes,
    Dae-me minha filha viva,
    Pois tantos ressuscitaes.»

    Inda a rainha não tinha
    Dita a sua oração santa,
    Quando Deos ouve a rainha,
    E Antonio põe a mésinha,
    Com que a moça se levanta.
    Porém a infanta amada,
    Que tornou cá a esta vida
    Lá da angelica morada,
    Anojada e offendida
    Contra a mãe responde irada:

    --Perdôe-vos Deos, senhora,
    Que me tirastes dos céos,
    Aonde eu estava agora,
    Porque santo Antonio fôra
    O que isto pedira a Deos.
    E Deos como o ama tanto,
    Porque tanto a Deos amou,
    Por aplacar vosso pranto,
    D'entre as virgens me tirou
    Do côro celeste e santo.
    Porém a bondade immensa
    Que tudo move e governa,
    Quinze dias só dispensa
    Que esteja em vossa presença
    E que torne á vida eterna.--

    Como o divino recado
    Deu a ditosa menina
    Do que Deos tinha ordenado,
    Sendo este tempo acabado
    Subiu á patria divina.

_Santo Antonio_, Milagre XXXVI.--Vide Rom. Ger. n.º 44; Rom. de Aravias,
n.º 72. Legitima assimilação popular, de 1620.

      *      *      *      *      *



ROMANCES

DA

HISTORIA DE PORTUGAL

TIRADOS

DAS COLLECÇÕES HESPANHOLAS

      *      *      *      *      *


1


Romance del Conde Alfonso Enriquez

(anonymo)

    Cuando el Conde Alfonso Enriquez,
    Primer rey de Portugal,
    Hijo del conde Borbon,
    De Borgoña natural,
    Despues que en campo de Ourique
    A muy duro pelear
    Venció siete reyes moros
    Y los trujo á su mandar,
    Y despues que por sus hechos
    Le vino Dios á premiar,
    Dándole sus cinco llagas
    Por armas y por señal;
    Ya que ganó á Santaren
    Con mucha guerra y afan,
    Y puso á Lisboa cerco
    Por la tierra y por la mar,
    Salió de dentro elRey d'ella,
    Llamado Venalmazar;
    Pide al Conde franca entrada,
    El cual se la mandó dar.
    --Habrás de saber, le dice,
    Que ha que tengo en herdad
    A la ciudad de Lisboa
    Treinta y siete años y mas;
    My padre cuarenta y tres
    En quieta y segura paz;
    Mi abuelo la tuvo treinta
    Con guerras e mucho afan.
    Al fin la habemos gozado
    En feliz securidad
    Desde que el-rey Don Rodrigo
    La perdió con Portugal;
    Y que aquesta noche estando
    En mi casa á mi folgar,
    Vi venir una doncella
    Al parecer celestial,
    La cual hoy me dijo
    Ser su entera voluntad
    Que sin guerra te entregasse
    Mi reino y esta ciudad,
    Y que me torne Cristiano
    Para mi alma salvar,
    Y tu que te apartes luego,
    Buen Conde, de mas peccar.--
    El Conde quedó espantado
    De lo que al moro oyo hablar;
    Inclinadas las rodillas
    Comenzó de razonar:
    --Mil gracias le doy á Dios
    Por la merced que me hace,
    Y pues que d'esto se sirve,
    Cúmpla-se su voluntad.--
    En esto luego se entraron
    Los dos dentro la ciudad,
    Do al moro hicieron Cristiano
    Y al Conde rey natural.

_Romanceiro general_, de Duran, t. II, pag. 215.

      *      *      *      *      *


2


Romance de Don Egas Moniz

(De Juan de la Cueva)

    La villa de Guimaraes
    Don Alonso habia cercado,
    Oitavo rey de Castilla,
    Conmovido y alterado
    Contra Don Alonso Enriquez,
    Su infante y su mayorazgo,
    Que no obedeciendo al Rey
    Contra su edicto y su mando,
    Teniéndole en menosprecio,
    No acudiendo á su llamado,
    Ni á las cortes de Castilla,
    Aunque era á ellas citado,
    Como tenia obligacion,
    Y debe cualquier vasallo,
    Cual el era de Castilla
    Con juramento obligado,
    Y no acudia á sus cosas,
    Ni d'ellas tenia cuidado.
    O fuese por querer suyo,
    O por mal aconsejado,
    Al fin estimaba en poco
    Ser de Castilla llamado.
    D'esto el Rey ardiendo en ira
    Contra el Infante indignado,
    Le comenzó á combatir
    Teniéndole ya cercado,
    Dàndole por todas partes
    Fieros y duros asaltos,
    Perseverando en su intento,
    Prometiendo y protestando
    Que hade igualar por el suelo
    Su muro reedificado,
    De donde los portuguezes
    Se defienden aunque en vano,
    Porque la porfia del Rey
    En un tiempo ya tan largo
    Los tenia tan estrechos,
    Tan sin fuerzas y gastados,
    Faltos de mantenimientos
    E de vituallas faltos,
    Costreñidos de la suerte
    Que estaban determinados
    A rendirse, pues se vian
    Sin remedio en tal estado,
    Y entregar al Rey la villa
    Por no recebir mas daño.
    Todo el pueblo en este acuerdo
    La ocasion anda trazando,
    Viendo que el Rey persevera
    Que su intento lleve al cabo,
    Sin desistir de su intento
    Ni alzar del cerco la mano,
    Y para que venga á efecto,
    Un dia andaba mirando
    El sitio, el lugar y assiento,
    Por uno e por otro cabo,
    Y por d'onde el dia siguiente
    Pueda el pueblo ser entrado
    Con mayor facilidad,
    Pues casi estaba arruinado.
    Los de dentro temerosos,
    El presto fin aguardando,
    Viendo que él solicitaba
    Su total miseria y daño,
    Un caballero animoso,
    Que era Egas Nuñez llamado,
    Viendo el peligroso apierto
    Del cerco en que estan cercados,
    Temiendo ver que se entregue
    El pueblo ya acobardado,
    Que viendo al Rey junto al muro
    Todos estaban temblando;
    Mas él con ánimo fuerte
    Y corazon levantado,
    Determina de morir
    O que su pueblo sea salvo;
    Y asi con firme braveza
    Armado subió á caballo
    Y sale á do estaba el Rey,
    Y ante el puesto, asi ha hablado:
    --¿Qué razon hay que tu Alteza
    Con ánimo tan airado
    Asi quiera destruirnos,
    Y en ello ponga el cuidado,
    Siendo razon mas urgente
    Que mires por tus vassallos,
    Que no hacerles tal guerra,
    En la cual no acobardados
    Hallarás los corazones,
    Que nada les pone espanto,
    Ni les forzará á que hagan
    Por fuerza tu real mandado,
    Pues pueden sufrir el cerco
    Y darte guerra diez años,
    Sin que les falte comida,
    Ni cosa para este caso?
    Mas una razon los vence,
    Y es esta quien me ha forzado
    Que venga á pedir que quieras
    Que esto acabe, el cerco alzando,
    Pues la fe que en ti tenemos
    Nos da esfuerzo en el quebranto,
    Que aceptarás nuestro ruego
    Cual te ha sido suplicado.
    A esto vengo como tio
    Del Infante, y su vasallo,
    Por el cual te doy la fe,
    Como noble hijo-dalgo,
    Que en todo cuanto mandares
    Seguirá tu real mandado;
    Y acabe ya esta contienda
    De cristianos á cristianos,
    Y vamos contra los moros
    Que nos hacen tanto daño,
    Entrandose por Castilla,
    Tu poder menospreciando;
    Que en lo que toca á nosotros
    Por la fe que ya te he dado,
    Juro en nombre del Infante
    Como deudo mas cercano,
    Que el y todos te obedezcan
    Como leales vasallos.--
    Esto oido por el Rey,
    Luego el cerco levantando,
    Egas Nuñez dió la vuelta
    El libre, y su pueblo salvo.
    Fuése el Rey, ordenó Cortes,
    Todo aquesto ya pasado,
    Citan al Infante á ellas
    Por edicto señalado,
    Responde que él no hade ir
    A ellas, siendo forzado.
    Oyendo Egas Nuñez esto,
    Y habiendole al Rey jurado
    Que el Infante cumpliria
    Lo que dél fuese mandado,
    Visto que el enganó al Rey,
    Y que él era el obligado
    A cumplir el juramento
    Que hizo como hijo-dalgo,
    Con su mujer e sus hijos,
    Dispuesto y aparejado
    A lo que dél sucediese,
    Para el Rey siguió su paso
    Vestido de peregrino,
    Y de aquel modo llegado
    A la presencia del Rey,
    Le dice ante el humillado:
    --Gran senor, yo me presento
    Ante ti, en ti confiado,
    Que mirarás con clemencia
    La culpa en que soy culpado.
    Yo soy aquel caballero
    Con quien hablaste en tu campo,
    Cuando sobre Guimarães
    Lo tenias asentado.
    Fingiendo-me que era tio
    Del Infante, fuete dado
    Seguro de mi palabra
    Que vendria a tu llamado,
    Esto sin mas facultad
    De la que yo hube tomado,
    Pues no es mi deudo el Infante,
    Cual de mi te fue afirmado;
    Mas es mi rey y señor
    Y yo, como su vassallo
    Viendo el peligro y aprieto
    En que lo tenias cercado,
    Quise por aquesta via
    Ser remedio de su daño:
    Y asi pues yo me obligué,
    Y por mi fueste engañado,
    Yó, mis hijos y mujer
    Paguemos este peccado.--
    Esto diciendo Egas Nuñez
    Cruzó en el pecho los brazos,
    Y hincado de rodillas
    Como estaba se ha quedado.
    El Rey de oir la extrañeza
    Aunque de ira incitado,
    Se admiro, y mirando á Egas
    Le dijo, asiendole el brazo:
    --Levanta, que tu lealtad
    Te hace libre, y tu engaño
    Alabo, pues me engañaste
    Por hacer a tu rey salvo;
    Y asi llevarás el premio
    Digno de un hecho tan alto,
    Mandóle dar muchos dones,
    Aderezos e caballos
    Para volver-se a su tierra,
    Do vuelto, fué mui loado
    De todos, y del Infante
    Conforme al hecho estimado.

_Coro Febeo de romances historiades_. Ed. 1687.

      *      *      *      *      *


3


Romance del rey don Alfonso quando libertó del tributo al reino
de Portugal.

(Lorenzo Sepulveda)

    En Sevilla estava Alfonso
    Sabio por todos llamado,
    El rey que ganara a Murcia
    Antes que oviesse el reynado;
    El infante don Dionis
    A Sevilla avia llegado,
    Hijo del rey don Alfonso
    De Portugal el reynado,
    Del rey Alfonso era nieto
    El infante ya nombrado.
    Gran plazer tomó su abuelo
    Quando lo vido a su lado,
    De edad era pequeño,
    A quinze años no ha llegado,
    Pedio por merced al rey
    Cavallero lo aya armado
    Con otros sus cavalleros
    Que vienem a acompañarlo.
    Concedierale el buen rey
    Lo que le fue demandado,
    Cavallero era el infante
    A su abuelo se ha humillado,
    Deixole:--Rey, mi señor,
    Pues que soys tan señalado
    Entre los reyes del mundo
    De rey liberal y franco,
    Concedeme lo que os pido
    Seraas mucho loado,
    Y es que quiteys de tributo
    A Portugal mi reynado,
    Y que no vengan sus reyes
    A cortes siendo llamados,
    Ne les pidays gentes darmas
    Como hasta oy se os han dado.
    El rey respondio al infante:
    Quel solo por si en su cabo
    No podia responder
    Ni le dá lo demandado
    Hasta llamar los infantes
    Y los grandes de su estado,
    Que estavan alli con el
    Que a cortes se avien juntado,
    Y que si ellos lo han por bien
    El no se lo avia negado.
    Otro dia al rey Alfonso
    Sus grandes avie llegado,
    Declaro delante todos
    Lo qu'el nieto ha demandado,
    Pidio que le den consejo
    Si lo hara o sera negado.
    Todos callaran gran pieça,
    Ninguno no avia hablado,
    El rey se enojo de todos
    Por que no le han replicado,
    Mas contra aquesse don Nuño
    La saña mas ha mostrado.
    Don Nuño se puso en pie
    Con el rostro demudado
    Dixo: «Al rey mi señor
    Mi hablar fuera escusado,
    Estando aqui presentes
    Los infantes vuestros hermanos,
    Y don Estevan con ellos,
    Y don Lope Diaz de Haro,
    Que son mas sabios que yo
    Para tal consejo daros;
    Pero quereys mi consejo
    Daros lo he yo de buen grado,
    Y es que hagades mucha honra
    Mucho bien y mucho algo
    Al infante don Dionis
    Que sera bien empleado,
    Por el deudo que le aveys
    A esto soys le obligado,
    Y por que era cavallero
    Armado por vuestra mano,
    Y si ajuda ha manester
    Tenido soys a ayudarlo
    Como a qualquier hijo vuestro
    De los que teneys amado;
    Mas quitar de la corona
    De aqueste vuestro reynado
    El tributo que los reyes
    De Portugal han pagado
    A este reyno de Castilla
    Yo no os lo avre consejado.»
    Y en diziendo estas palabras
    Salido se ha del palacio.
    No le plugo al rey Alfonso
    De lo que Nuño ha hablado,
    El infante don Manuel
    Y otros han deliberado
    Haga lo que don Dionis
    Le pidio y a suplicado
    Pues el tributo era poco
    Que no se lo aya negado.
    El rey que lo ha en voluntad
    Otorgolo de buen grado,
    Sus cartas le dio de quito
    Y a Portugal se ha tornado
    Muy pagado de su abuelo
    Que su reyno ha libertado.

_Romances sacados de historias_, fl. 203.--Anvers, 1551.

      *      *      *      *      *


4


Romances de D. Pedro 1.º de Portugal y Dona Inez de Castro.--I

(De Gabriel Lobo Laso de la Vega)

    El valeroso Don Pedro,
    Gran principe lusitano,
    Hijo del Rey Don Alonso,
    Sucesor en sus estados,
    De una doncella en Galicia,
    Dicha Doña Inez de Castro
    Y Valladares, fue preso
    De su hermosura forzado,
    Cuya recta descendencia
    Fue del tronco claro y alto
    De los antiguos de Lémos
    Que resplandecen hoy tanto,
    Hija bastarda que fué
    De Pedro Hernandez de Castro,
    Un valiente caballero
    Del Principe primo hermano.
    Digo pues que como fuese
    Este Principe casado
    Dió grandes muestras de estar
    D'esta Doña Inez prendado,
    A quien con sola la vista
    Iba su mal declarando,
    No gozando aun toda veces
    D'esto, que a nadie es negado.
    Que de amor cualquier afecto
    Ofende a un intento casto.
    Hizo muchas diligencias
    De hablarla, y todas en vano,
    Que la bella Doña Inez
    Da a su pretension de mano,
    Viendo que el mejor suceso
    Tiene de ser en su daño;
    Mas como és vispera el bien
    Del acaecimiento malo,
    Sucedio pués que murió
    La Princeza en esto estado.
    Hallóse Don Pedro libre,
    Ya su mal medio buscando,
    Se caso con Doña Inez
    En Berganza con recato;
    En la cual tuvo trez hijos,
    De que fue el Rey avisado,
    A quien peso por extremo;
    Y de trez malos vasallos
    Fué inducido con instancia
    A hacer un hecho villano,
    Que prosiguiendo adelanto
    Se dirá el suceso infausto.

_Romancero y tragedias_, etc.

      *      *      *      *      *


5


Don Pedro 1.º de Portugal y Dona Inez de Castro.--II

(De Gabriel Lobo Laso de la Vega)

    Contento con Doña Inez
    Está Don Pedro en Coimbra:
    No en tanto el futuro cetro
    Como el poseerla estima,
    Y le paga Doña Inez
    Con esta voluntad misma;
    Y como en el buen estado
    La constancia está abscondida,
    Ofreciosele a Don Pedro
    Una ausencia hacer precisa,
    Cosa que el que bien amare
    Sabra bien cuanto lastima.
    Sabiendo el Rey Don Alonso
    De su hijo la partida,
    Con lo trez crueles vasallos
    Que al mal, mal le persuadian
    Do está Doña Inez de Castro
    Con gran secreto camina,
    Confuso atemorisado
    Porque los trez le decian
    Que seria el casamiento
    Del reino total ruina,
    Y que el morir Doña Inez
    Era lo que convenia,
    Hirosele duro al Rey
    Su inocente culpa vista
    De que los trez indignados,
    Con suprema justicia
    Que eran del reyno, tomaron
    Sobre si aquesta malicia,
    Finalmente, Doña Ines
    Rindió a sus dagas la vida
    Cuya lastimosa muerte
    Por el Principe sabida
    Mueve guerra contra el padre,
    El cual morio en pocos dias
    De pesadumbre, y los trez
    Se huyeron para Castilla.
    Coronose el Portuguez,
    Segun su fuero en Coimbra,
    Coronando juntamente
    Por reina e mujer legitima
    Los huesos de Doña Ines,
    Que desenterrar hacia,
    Funestas bodas y exequias
    Celebrando un mismo dia;
    Y de los trez, dós cogiendo
    Hizo d'ellos cruel justicia.

_Romancero y tragedias_, etc.

      *      *      *      *      *


6


Don Pedro e Dona Ines de Castro.--III

(ANONYMO.)

    Don Pedro, a quien los crueles
    Llaman sin razon Cruel
    Desde Coimbra a Alcobaza
    Cien mil hachas hizo arder.
    Todas arden, mas que todas
    Arde el corazon del Rey,
    Lo que va de amôr á luces
    Y de cera al querer bien.
    Sentose a su lado y luego
    Los fidalgos y la plee
    Y el reino besó en cenizas
    La mano que nieve fué.
    Para obrar tan gran fineza
    No le falto a Amor ser rey,
    Sin juntarse con las armas
    Del monarca portuguez.
    El sol desconose el dia
    Cuando por tierra la vê
    En la noche de sus luces
    Todo el firmamiento en pié.
    La muerte que solo es fenix,
    Este bodes supo hacer,
    Donde en la vida e la muerte
    Reinan marido y mujer.
    Los clarines y clamores
    Dan pésame y parabien,
    Al vivo de su firmeza,
    Y al cadaver, de su fé.
    Lo que sobro del sepulcro
    Cubre funesto dosel;
    Tálamo y tumulo cubren
    A Don Pedro y Doña Ines.

_Romances de varios e differentes auctores._

      *      *      *      *      *


7


Dona Inez de Castro, Cuello de Garsa, de Portugal.--IV

(ANONYMO)

    A la Reina de los cielos
    Que con excelencias tantas
    Se coronó de laureles
    Para llevar-se la palma;
    A aquella que ave divina
    Se remontó bella garza
    A lo mas alto del cielo,
    Adonde está colocada,
    Le suplico que me preste
    Una pluma de sus alas
    Para que escriba mi ingenio
    La crueldad mas inhumana,
    Y la lastima que lloran
    De bronce y marmol estatuas.
    En ese lucido reino
    De la gente lusitana
    Nació un principe famoso,
    A quien dió nombre la fama
    De cruel, aunque para serlo
    Le dieron bastante causa.
    Por gusto del rey su padre
    Con una infanta de España
    Casó el Principe famoso
    Con grandeza soberana,
    Y á Portugal, con su reina,
    Pasó por dama, una dama,
    Cuya hermosura por grande
    Se igualó con su desgracia.
    Era Doña Ines de Castro,
    Ya lo he dicho, que esto basta.
    Murió luego en Portugal
    La princesa castellana;
    Sintió Portugal su muerte
    Tanto como le tocaba,
    Y el Principe se portó
    Con grandeza para honrarla;
    Y sosegada la pena,
    Que el tiempo todo lo acaba,
    Salió para divertirse
    Al jardin, como estilaba,
    Donde dió vista á una fuente
    De una fabrica tan rara,
    Que era toda de alabastro,
    Com una taza de plata,
    Y alli poniendo sus ojos
    Vió reclinada una dama,
    Que en los frigidos cristales
    Al espejo se miraba.
    Llegó el Principe á la fuente,
    Porque el fuego busca al agua
    Y mirando su hermosura,
    Quedó su vista abrasada.
    Y á su cariñoso estilo
    Volvió Doña Ines la cara.
    Quedóse el Principe helado,
    Y Doña Ines quedó helada,
    Bebiendo se los alientos
    Por los ojos, hasta el alma.
    El fuego venció á la nieve,
    Y derritiendo la causa
    Que aprisionaba su lengua,
    Rendido el Principe habia.
    Palabra le dió de esposo
    Prometiendo coronarla
    Por reina de Portugal;
    Y la dama cortesana
    Con juxto agradecimiento
    Su candido jazmin saca.
    Dióle la mano de esposa,
    Y en fe de mano y palabra
    Se casaron en secreto
    Con union muy voluntaria;
    Y temiendo que su padre
    Esta accion les estorbara,
    Para que mas se ocultase
    Del real palacio la saca,
    Aposentando su hechizo
    En una quinta que estaba
    Convecina del Mondego.
    Y su padre, que ignoraba
    Los lances que he referido,
    Trató luego con Navarra,
    Atribuyéndolo á dicha,
    El casarle con su Infanta.
    Concediólo el Rey navarro,
    Y la infanta Doña Blanca,
    Acompañada de grandes
    De su corte y de su casa,
    Pasó á Lisboa, causando
    Mil penas eslaboñadas.
    Visitó el Principe al Rey,
    El cual le ordena y le manda
    Que pues ha de ser su esposo,
    Visitase á Doña Blanca.
    Obedecióle Don Pedro,
    Y recibióle la Infanta
    Con cariñosos cortejos,
    Y el Principe asi le habla:
    --Ilustrissima Señora,
    Cierto me holgara en el alma
    Excusar vuestro disgusto
    Y el mio, por ser yo causa
    De los presentes desaires
    En que os miro estimulada;
    Mas supuesto que es preciso
    Vuestra pena declarada,
    Rompa mi voz el silencio,
    Pues ya no puedo occultarla.
    Casé, Señora, en Castilla
    Primera vez con la Infanta
    Por el gusto de mi padre;
    Pero pues no está ignorada
    La dicha de estos principios,
    Pasemos á la sustancia.
    Cuando mi querida esposa
    Pasó á Portugal, de España
    Vino assistiendola entónces
    Una bellisima dama,
    Una hermosura, un prodigio,
    Perdóneme el alabarla
    Vuestra Alteza en su presencia:
    De su belleza informarla
    Mi importa, porque disculpe
    Temeridades osadas,
    Cuando advertida conozca
    De estos extremos la causa.
    Es, en fin, por abreviar,
    Doña Inês, Cuello de Garza,
    Tan garza, que su hermosura
    Y discrecion remontada,
    Por ser un cielo, es el centro
    De la gloria de mi alma.
    Vióla mi vista, y perdila,
    Pues me la robó su gracia;
    Solicité su hermosura,
    Y favoreció mis ansias
    Tanto, que logré la dicha
    De gozar premios por paga.
    Ya Doña Ines es mi esposa
    Que está conmigo casada,
    Su esposo soy tan gustoso
    Que á mi dicha no se iguala
    La mayor dicha del mundo,
    Porque es mi dicha tan alta:
    Y asi podrá vuestra Alteza
    Volverse luego á Navarra,
    Que solo Ines hade ser
    En Portugal coronada.--
    Fuese el Principe, y quedó
    En blanco la triste Blanca,
    Dando á los ojos licencia
    Para que tristes lloraran
    La pena que padecia;
    Y el noble rey de Navarra
    Sintió con grandes extremos
    El desaire de su hermana,
    Mandó que al arma tocasen
    Las trompetas y las cajas,
    Y los fuertes capitanes
    Se pusiesen en campaña
    Con ejercitos valientes
    Bien prevenidos de armas,
    Hasta ver de Portugal
    La corona derribada;
    Que para recuperar
    El agravio de su hermana
    Solo pretende ponerla
    Por alfombra de sus plantas.
    Sonó el clarin belicoso,
    Crujió el parche de las cajas,
    Poblóse el campo de picas,
    De mosquetes y alabardas,
    Y con fieros estandartes,
    Y banderas tremoladas,
    Le puso sitio á Lisboa;
    Y temiendo su arrogancia
    El portuguez, pidió treguas
    Y á sus consejeros llama:
    Y puesto en el trono altivo
    Su consejo les demanda.
    Era el uno Egas Coello,
    Y Alvar Gonzalez llamaban
    Al segundo consejero,
    Y el consejo que le daban
    Fué que Dona Ines de Castro
    Muriese, que era la causa
    De las guerras, que su muerte
    Era de mucha importancia.
    El Rey replico que no,
    Que era tirania ingrata.
    Replicaron los traidores
    Que perderia su fama,
    Y que junto con su vida
    Su corona peligraba
    Y en fin, tiranos, aleves,
    Tantos riesgos alegaban,
    Que bajó desde su trono
    El Rey, dejando firmada
    De Doña Ines la sentencia
    De que muera degollada.
    Al Principe aseguraron
    En la prizon de un alcázar,
    Y partieron á Coimbra,
    Donde Doña Ines estaba.
    Aqui la mano me tiembla,
    Aqui la pluma se pára,
    Aqui el pulso titubea,
    Y la lengua aprisionada
    Entre penas y tormentos,
    No pronuncia lo que habla,
    Le leyeron la sentencia
    A aquella cordera mansa,
    A aquella que imitó á Abel
    Entre el furor y la saña
    De tan ingratos Caines;
    Y vestida de mil ansias,
    Rociaron sus auroras
    Perlas, que en la filigrana
    De sus hermosas mejillas
    Se miraron esmaltadas;
    Y sentada en una silla
    Las manos atras atadas,
    Llegó el tirano homicida,
    Cubrió su cielo una banda,
    Cortó el ingrato cuchillo
    Su bellisima garganta.
    Quedó aquella nieve, roja,
    Aquella luna, eclipsada,
    Aquel sol, todo nublado,
    Aquella luz, apagada,
    Aquella estrella, sin rayos
    Aquel lucero, sin alba,
    Sin purpura, aquella rosa,
    Aquel clavel, sin fragrancia,
    Aquel jazmin, deshojado,
    Y sin cuello aquella garza,
    Abatidos ya sus vuelos,
    Y remontada su fama.
    Murió Doña Ines de Castro,
    Dios le dé gloria á su alma,
    Y entre hermozos paraninfos
    S'eternice colocada;
    Y el Principe mas amante
    Cuando supo la desgracia,
    Sus amorosos extremos
    Digalos por mi la fama;
    Y desmintiendo la noche
    Con la luz de cien mil hachas,
    Le hizo un entierro solemne.
    Desde Coimbra á Alcobaza,
    Donde sobre su cabeza
    Puso la corona sacra,
    Y luego todos sus grandes
    Besaron la mano blanca.
    Hizo que todo su reino
    Por su reina la jurara,
    Y á los ingratos traidores
    Por las traidoras espaldas
    Arrancó los corazones,
    Porque su culpa pagaran.
    Emplazado murió el Rey
    Para dar cuanta tan larga:
    Quedó Doña Ines sim vida,
    Y los traidores sin alma;
    Y cuando supo el suceso
    Levantó el sitio Navarra,
    Y el Principe sin consuelo
    Quedó llorando mil ansias.
    Rendido pide el ingenio
    Perdon de sus muchas faltas.

_Pliego suelto._

      *      *      *      *      *


8


Romance de Dona Isabel

--De cómo Dona Isabel quiso en vano ser reina de Castilla.--

(ANONYMO)

    Yo me estando en Tordesillas
    Por mi placer y holgar,
    Vinome al pensamiento,
    Vinome a la voluntad
    De ser reina de Castilla,
    Infanta de Portugal.
    Mandé hacer unas andas
    De plata, que non de al
    Cubiertas con terciopelo
    Forradas en tafetan.
    Pase las aguas del Duero,
    Paselas yo por mi mal
    En los brazos a Don Pedro
    Y por la mano a Don Juan,
    Fuerame para Coimbra,
    Coimbra de Portugal:
    Coimbra desque lo supo
    Las puertas mando cerrar.
    Yo triste, que aquesto vi,
    Rescibiera gran pezar:
    Fuerame a un monasterio
    Qu'estaba en el arrabal,
    Casa es de religion
    Y de grande santidade;
    Las monjas estan comiendo,
    Yá que querian acabar
    Luego yo cuando lo supe
    Envie con mi mandar
    A decir á la Abadesa
    Que no se tarde en bajar
    Que espera Doña Isabel
    Para con ella hablar.
    La Abadesa que lo supo,
    Muy poco tardo en bajar:
    Tomarame de la mano,
    A lo alto me fué a llevar
    Hizome poner la meza
    Para haber de yantar.
    Despues que hube yantado
    Comenzome a preguntar
    Como vine a la su casa
    Como no entré en la ciudad?
    Yó le respondi:--Señora,
    Eso es largo de contar:
    Otro die hablaremos,
    Cuando tengamos lugar.

_Cancionero de Romances_, fol. 176 v.

      *      *      *      *      *


9


Romances de Dona Isabel de Liar

Cómo, porque el Rey tenia hijos de ella, la reina la mando matar.--I

(ANONYMO)

    Yó me estando en Giromena
    Por mi placer y holgare,
    Subierame a un mirador
    Por mas descanso tomare:
    Por los campos de Monvela
    Caballeros vi asomare:
    Ellos de guerra no vienem,
    Ni menos vienen de paz,
    Vienem en buenos caballos,
    Lansas y adargas traen:
    Desque yó lo vi, mezquina,
    Peremelos a mirare,
    Conociera a uno d'ellos
    En el cuerpo y cabalgare,
    Don Rodrigo de Chavella
    Que llaman del Marechale,
    Primo hermano de la Reina
    Mi inemigo era mortale.
    Desque yó, triste, le viera,
    Luego vi malo señale.
    Tomé mis hijos conmigo
    Y subime al homenaje;
    Yó que yo iba a subir,
    Ellos en mi casa estane:
    Don Rodrigo és el primero,
    Y los otros traz el vane.
    --Salveos Diós, Doña Isabel.
    «Caballeros bien vengades.
    --Conoscedesnos, señora,
    Pues asi vais a hablare?
    «¡Yá os conozco, Don Rodrigo!
    Yá os conozco por mi male!
    ¿A qu'era vuestra venida?
    ¿Quien vos ha enviado acae?
    --Perdonemedes, señora,
    Porque lo que os quiero hablare,
    Sabed que la Reina, mi prima
    Aca enviado me hae,
    Porque ella es muy mal casada,
    Y esta culpa en vos estae,
    Porque el Rey tiene en vos hijos
    Y en ella nunca los hae,
    Siendo, como sois, su amiga,
    Y ella mujer naturale:
    Manda que murais, señora
    Paciencia querais prestar.--
    Respondió Doña Isabel
    Con muy grande honestidade:
    «Siempre fuistes, Don Rodrigo,
    Todo em mi contrariedade:
    Si vos queredes, señor,
    Ben sabedes la verdade
    Qu'el Rey me pedio mi amôr,
    Yo no se lo quiso dare,
    Teniendo en mas a mi honra
    Que no sus reinos mandare;
    Cuando vió que no queria
    Mis padres fuera a mandare,
    Ellos tan poco quisieron
    Por la su honra guardare
    Desque todo aquesto vido,
    Por fuerza me fué a tomare;
    Trujome a este fortaleza,
    Do estoy en este lugare;
    Trez años he estado en ella
    Fuera de mi voluntade,
    Y si el Rey tiene en mi hijos
    Plugo a Diós y a su bondade,
    Y si no los ha en la Reina
    És asi su voluntade.
    ¿Porque me habeis de dar muerte
    Pues no merezco mal?
    Merced os pido, señores,
    No me la querais negare:
    Desterreisme d'estes reinos,
    Qu'en ellos no estaré mares
    Irme he yo para Castilla,
    O a Aragon mas adelante,
    Y si no bastare aquesto
    A Francia me iré a morare.
    --Perdonedenos, señora,
    Que no se puede hacer mas.
    Aqui está el Duque de Bavia
    Y el Marquez de Villareale,
    Y está el Obispo de Oporto
    Que os viene a confesare.
    Cabe vos está el verdugo
    Que os habia de degollare,
    Y aun aquesto pajecico
    La cabeza ha de llevare.--
    Respondió Doña Isabel,
    Con muy grande honestidade:
    «Bien paresce que soy sola,
    No tengo quien me guardare,
    Ni madre ni padre tengo,
    Pues no me dejan hablare;
    Y el Rey no está en este tierra,
    Qu'ere ido allende el mare;
    Mas de qu'el sea venido
    La mi muerte vengarae.
    --Acabedes yá, señora,
    Acabedes de hablare.
    Tomalda señor Obispo,
    Y metedla a confesare.--
    Mientras en la confesion,
    Todos trez hablando estane,
    Si era bien hecho o mal hecho
    Esta dama degollare:
    Los dos dicen que no muera,
    Qu'en ella culpa no hae;
    Don Rodrigo, qu'es muy cruel,
    Dice que la ha de matare.
    Sale de la confesion
    Con sus trez hijos delante,
    El uno dos años tiene,
    Elle otro para ellos vae,
    Y el otro, qu'era de teta,
    Dandole sale a mamare,
    Toda cubierta de negro,
    Lástima es de la mirare:
    «Adiós, adiós, hijos mios;
    Hoy os quedareis sim madre:
    De alta sangre caballeros,
    Por ellos querais mirare,
    Que al fin son hijos de rey,
    Aunque son de baja madre.»
    Tiendenla en un repostero
    Para habella degollare:
    Asi murio esta Señora
    Sin merecer ningun male.

_Cancionero de Romances._

      *      *      *      *      *


10


Al mismo asumto.--II

(ANONYMO)

    En Ceute estava el buen Rey,
    Ese Rey de Portugal,
    Cuando le dieron aviso
    De tristeza y de pesar,
    Diciendole que habian muerto
    A Doña Isabel de Liar
    Y que lo mandó la Reina
    Por su mala voluntad.
    Don Rodrigo fué el cruel,
    El que llaman del Marchal.
    Y ese Duque de Salinas,
    Y el Marquez de Villareal,
    Con el o bispo de Oporto,
    Que la fuera a confesar.
    Cuando aquesto supo el Rey,
    No hace sino llorar;
    Juraba por su corona
    Que le habia de vengar.
    Mandó tocar sus trompetes,
    El real mandara alzar,
    Vistiose todo de luto
    Luego se quizo embarcar
    Con solo diez caballeros
    Que no le quieren dejar.
    No quiso aguardar la flota,
    Por no se tanto tardar,
    Y dentro de siete dias
    A Sevilla fué á llegar
    Y de alli a pocos dias
    Es llegado a Portugal.
    Fuese derecho a palacio,
    Do salia reposar.
    La reina cuando lo supo
    Vinose a lo visitar;
    Mas el Rey con mucha saña
    D'esta suerte le fue a hablar:
    --Mal vengades vos, la Reina,
    Malo sea vuestro llegar.--
    En diciendo estas razones,
    La mandó presto tomar,
    Y en el mismo repostero
    Do su amiga fué a finar,
    Mandó degolar la Reina,
    Don Rodrigo cuartear,
    Y a ese Duque de Salinas,
    Y al marquez de Villareal,
    Y al buen Obispo de Oporto
    Le mandó descabezar.
    Hizo sacar a su amiga
    Para con ella casar,
    Y por heredar sus hijos,
    A Don Pedro y a Don Juan.
    Y despues con mucha honra
    La mando luego enterrar;
    D'este modo vengo el Rey
    A Dona Isabel de Liar.

Timoneda, _Rosa Espanola._--It. _Rosa de Romances._

      *      *      *      *      *


11


Romances del Duque de Guimarans.--I

Don Juan II de Portugal hace decapitar al Duque de Guimarans, y mata por
su mano al joven Duque de Viseo, su primo y cuñado.

(ANONYMO)

    Los grandes de Portugal
    Se muestran muy enojados,
    Con gran queja de su rey
    Muy gran odio le han tomado.
    Y el Duque de Guimarans
    Es el que mas le ha mostrado,
    El cual con sus trez hermanos
    Se siente mui agraviado.
    Por muy aspero le acusan
    Y de no bien enseñado,
    Porque mui mal los tratava
    No haciendo d'ellos caso,
    Siendo de su misma sangre,
    Y sus deudos muy cercanos,
    Fuera de lo que su padre
    Siempre los habia tratado,
    Y de la humana llaneza
    Con que era communicado;
    Agravando el mal presente,
    Mirando en el bien pasado,
    Y con este descontento
    Estando muy indignados
    Publicaban que era el Rey
    Avariento en sumo grado,
    Injusto, incapaz que el reino
    Fuese por el gobernado;
    Lo cual por el Rey sabido,
    Mostrando-se muy airado,
    Dicen que les levantó,
    O que fué de ello informado,
    Que el Duque y sus trez hermanos
    Que se habian conjurado
    De matar a su persona,
    Y de tomarle su estado
    Y darlo a su primo el Duque
    De Viseo, su cuñado,
    Y por esto los prendió
    Tomandolos descuidados
    Y procedio contra ellos;
    Y el processo sentenciado,
    Fué el Duque de Guimarans
    En publico degollado:
    Esotros sus trez hermanos
    Fueron todos desterrados,
    Y al Duque de Viseo
    Perdonó por ser muchacho.
    Y no dende a mucho tiempo
    En que aquesto hubo passado,
    Publicó que aquesto Duque,
    Su primo, queria matarlo,
    Y con otros caballeros,
    Que estaba yá conjurado:
    Envió a llamar al Duque
    El cual vino a su mandado
    De un pequeño luga suyo,
    Donde estaba aposentado,
    En la cámara del Rey
    Entró el Duque descuidado.
    Viendole el Rey ante si,
    Que le maten ha mandado;
    Pero teniendo respeto
    Nadie quiso ejecutallo
    Por ser su primo del Rey,
    Y ser tambien su cuñado.
    El Rey sacando un puñal,
    Fué contra el muy airado
    Diciendole:--¡Oh traidor!--
    Y el Duque muy fatigado,
    Viendose llamar traidor
    Respondió muy denodado:
    «Vos sois traidor y mentis
    En eso que habeis hablado.»
    Dijole el Rey:--Tu pensabas
    Levantarte con mi Estado
    Y matarme a mi primero;
    Pues mal te se ha ordenado,
    Que si mi brazo me ayuda,
    No verás lo que has pensado.
    Y abrazandose con el
    Dos puñalados le ha dado,
    Y dejandole alli muerto
    Entró dentro en su palacio,
    Y preguntole a la Reina
    Con rostro disimulado:
    --A quien quisiese matarme
    Y alzarseme con mi Estado
    ¿Que os parece que merece
    En pago de su pecado?--
    La Reina le respondió:
    «El que tal caso ha pensado
    Muy cruel muerte merece
    Como traidor y malvado.»
    Dijo El Rey:--Tened paciencia,
    Que asi he hecho a vuestro hermano.

Fuentes, _Libro de los Cuarenta cantos_, etc.

      *      *      *      *      *


12


La Duqueza de Guimarans se queja al Rey por la muerte que hizo dar
a su esposo.--II

(ANONYMO)

    --Quejome de vos, el Rey,
    Por haber credito dado
    Del buen Duque, mi marido,
    Do que le fue levantado.
    Mandastemelo prender
    No siendo en nada culpado.
    ¡Mal lo hicistes, mi Señor!
    ¡Mal fuistes aconsejado!
    Que nunca os hizo aleve
    Para ser tan maltratado;
    Antes os servió, ¡mezquino!
    Poniendo por vos su Estado:
    Siempre vino a vuestras cortes
    Por cumplir vuestro mandado.
    No lo hiciera asi, señor,
    Si en algo os hubiera errado,
    Que gentes y armas tenia
    Para darse a buen recaudo;
    Mas vino, como inocente
    Que estaba de aquel pecado.
    Vos no mirando justicia,
    Habeismelo degollado.
    No lloro tanto su muerte
    Como vello deshonrado,
    Con un pregon que decia
    Lo por el nunca pensado.
    Murió por culpas ajenas
    Injustamente juzgado:
    El ganó por ello gloria,
    Yó para siempre cuidado,
    Agora vivo en prisiones
    En que vos me habeis hechado,
    Con una hija que tengo
    Que otro bien no me ha quedado,
    Que trez hijos que tenia
    Habeismelos apartado:
    El uno és muerto en Castilla,
    El otro desheredado,
    El otro tiene su ama,
    No espero verle criado:
    Por el cual pueden decir
    Inocente, desdichado.
    Y pido de vos enmienda,
    Rey, señor, primo hermano,
    A la justicia de Diós
    De hecho tan mal mirado,
    Por verme a mi con venganza
    Y a el sin culpa, culpado.

_Cancionero de Romances._

      *      *      *      *      *


13


Romance del Duque de Braganza, Don Jayme

(ANONYMO)

    Lunes se decia lunes,
    Trez horas antes del dia,
    Cuando el Duque de Braganza
    Con la Duqueza reñia.
    El Duque con grande enojo
    Estas palabras decia:
    --Traidora me sois, Duquesa,
    Traidora, falsa, malina,
    Porque pienso que traicion
    Me haceis y aleivosía.
    «No te soy traidora, Duque,
    Ni en mi linaje lo habia.»
    Echo la mano a la espada,
    Viendo que asi respondia:
    La Duqueza con esfuerzo
    Con las manos la tenia.
    --Dejes la espada, Duqueza,
    Las manos te cortaria.
    «Por mas cortadas, el Duque
    A mi nada se daria,
    Si no, vedlo por la sangre
    Que mi camíza teñia.
    ¡Socorred, mis caballeros,
    Socorred por cortesia!»
    No hay ninguno alli de aquellos
    A quien la favor pedia,
    Que eran todos portuguezes
    Y ninguno la entendia,
    Sino era un pajecico
    Que a la mesa la servia:
    ==Dejes la Duquesa, el Duque,
    Que nada te merecia.==
    El Duque muy enojado
    Detrás del paje corria
    Y cortole la cabeza
    Aunque no lo merecia,
    Vuelve el Duque a la Duquesa
    Antes que viniese el dia.
    «En tus manos estoy, Duque,
    Haz de mi a tu fantasia,
    Que padre y hermanos tengo
    Que te lo demandarian,
    Y aun que estos estan en España,
    Allá mui bien se sabria.
    --No me amenaceis, Duqueza,
    Con ellos yo me avernia.
    «Confessar me dejes, Duque,
    Y mi alma ordenaria.
    --Confesaos con Diós, Duqueza,
    Con Diós y Santa Maria.
    «Mirad, Duque, esos hijicos
    Que entre vos y mi había.
    --No los lloreis mas, Duqueza,
    Que yó me los criaria.--
    Revolvio el Duque su espada,
    A la Duquesa heria:
    Diole sobre su cabeza,
    Y a sus pies muerta caia.
    Cuando ya la vido muerta
    Y la cabeza volvia,
    Vido estar sus dos hijicos
    En la cama do dormia,
    Que reian y jugaban
    Con sus juegos a porfia.
    Cuando asi jugar los vido,
    Mui tristes llantos hacia:
    Con lagrimas de sus ojos
    Les hablaba y les decia:
    --Hijos ¡cual quedais sin madre,
    A la cual yo muerto habia!
    Matela sin merecerllo,
    Con enojo que tenia.
    ¿Donde irás, el triste Duque?
    De tu vida ¿que seria?
    ¿Como tan grande pecado
    Diós te lo perdonaria?

Cancionero llamado--_Flor de Enamorados._

      *      *      *      *      *


14


Á la muerte del principe de Portugal

(De Fray Ambrosio de Montesino)

    Hablando estaba la Reina,
    En cosas bien de notar,
    Con la infanta de Castilla,
    Princesa de Portugal:
    A grandes voces oyeron
    Un caballero llorar,
    La ropa hecha pedazos,
    Sin dejar de se mesar,
    Diciendo:--Nuevas os traigo
    Para mil vidas matar:
    No son de reinos estraños,
    De aqui son d'este lugar:
    Desgreñad vuestros cabellos,
    Collares ricos dejad,
    Derrubad vuestras coronas
    Y de jerga os enlatad;
    Por pedraria y brocado
    Vestid disforme sayal;
    Despedios de vida alegre;
    Con la muerte os remediad.--
    Entreambos á dos dijeron
    Con dolor muy cordial,
    Con semblante de mortales,
    Bien con voz para espirar:
    «Acabadnos, caballero,
    De hablar y de matar,
    Decid: qué nuevas son estas
    De tan triste lamentar?
    Los grandes reys de España
    Son varios, ó vales mal?
    Que tienen cerco en Granada
    Con triumfo imperial.
    A qué causa dais los gritos
    Que al cielo quieren llegar?
    Hablad ya, que nos morimos
    Sin podernos remediar.
    --Sabed, dijo el caballero,
    Muy rouco de voces dar,
    Que fortuna os es crueldad,
    Y el peligro de su rueda
    Por vos hubo de pasar.
    Yo lloro porque se muere
    Vuestro Principe real,
    Aquel solo que paristes,
    Reina de dolor sin par,
    Y el que mereció con vós,
    Real Princesa, casar:
    De los principes del mundo
    Al mayor el mas igual,
    Esforzado, lindo, cuerdo,
    Y el que mas os pudo amar,
    Que cayó de un mal caballo
    Corriendo en un arenal,
    Do yace casi defuncto
    Sin remedio de sanar.
    Si lo quiéres ver morrir,
    Andad, señoras, andad,
    Que ya ni ve, ni oye,
    Ni menos puede hablar,
    Suspira por vos, Princesa,
    Por señas de lastimar,
    Con la candela en la mano
    No os ha podido olvidar.
    Con el está el Rey su padre
    Que quiere desesperar:
    Dios os consuele, señoras,
    Si es possible conhortar;
    Qu'el remedio destes males
    Es a la muerte llamar.

_Cancionero de diversas obras._

      *      *      *      *      *


15


Romance de la muerte del enamorado Don Bernaldino.

(ANONYMO)

    Ya piensa don Bernaldino
    Ir su amiga visitar,
    Da voces á los sus pages
    Que vestir le queiran dar;
    Dábanle calzas de grana,
    Borceguis de cordoban,
    Un jubon rico broslado,
    Que en la corte no hay su par;
    Dábanle uma rica gorra,
    Que no se podria apreciar,
    Con una letra que dice:
    «Mi gloria por bien amar.»
    La riqueza de su manto
    No os la sabria yo contar,
    Sayo de oro de mastillo,
    Que nunca se vió su igual,
    Una blanca hacanea
    Mando luego ataviar,
    Con quince mosos de espuelas
    Que le van compañar,
    Ocho pages van con él,
    Los otros mandó tornar;
    De morado y amarillo
    Es su vestir y calzar.
    Allegado han á las puertas
    Do su amiga solia estar;
    Hallan las puertas cerradas,
    Empieson de preguntar:
    --¿Donde está doña Leonor,
    La que aqui solía morar?
    Respondió un maldito viejo,
    Que el luego mandó matar:
    «Su padre se la llevó
    Lejas tierras a habitar.»
    El rasga sus vestiduras
    Con enojo y gran pezar,
    Y volvióse á los palacios
    Donde solía repozar:
    Puso una espada á sus pechos
    Por sus dias acabar.
    Un su amigo que lo supo
    Venialo á consolar,
    Y en entrando por la puerta
    Vidolo tendido estar.
    Empiesa á dar tales voces
    Que al cielo quieren llegar;
    Vienem todos sus vassallos,
    Procurar de lo enterrar
    En un rico monumento
    Todo echo de cristal,
    En torno del cual se puso
    Un letrero singular:
    «Aqui esta don Bernaldino
    Que morio por bien amar.»

_Cancionero de Romances._

      *      *      *      *      *


16


Romances del Rey Don Sebastian--I

(ANONYMO)

    Una bella lusitana,
    Dama ilustre y de valia,
    Haciendo sus ojos fuentes,
    Con llanto estiende la vista
    A la poderosa armada,
    Que de Lisboa salia,
    La vuelta el mar de Levanto,
    Por Sebastiano regida.
    Y como vido que el norte
    Sopla furioso y aprísa
    Dijo con un ¡ai! del alma,
    Triste, turbada, afligida:
    «Que no hay quien baste
    Contra gallardo rey, moro arrogante.»
    Esta mirando por tierra
    La mucha gente lucida,
    Diferenciados en traje
    Y en diferentes divisas,
    Porque aunque Cristo llevan
    La cruz en medio tendida,
    El galan y enamorado
    Conforme a su intento pinta;
    Pero la afligida dama,
    Que vido una roja insignia
    En una alta popa puesta,
    Desde un balcon que partia
    Digo: «No hay quien baste
    «Contra un gallardo rey, moro arrogante.»
    Mira las lucidas armas
    Que lleva la fidalguia,
    Y de telas de oro y plata
    Costosas ropas vestidas;
    Y las medallas compuestas
    De muy rica pedreria,
    Cadenas de oro pendientes,
    Tantas que la vista admiran;
    Considerando de muchos
    La dolorosa partida,
    Y que ve entre los que parten
    El bien de su alma y vida,
    Dijo:--«No hay quien baste, etc.»
    Tocan las trompas à leva,
    Y las cajas resonantes
    Con los pifaros parleros
    Dicen que todos se embarquen.
    Los marineros dan voces
    Para que el ferro se alce,
    Y los lijeros grumetes
    Al viento velas esparcen,
    Cuando la dama hermosa,
    Procurando consolarse,
    Dice:--«Plega, Diós que vuelvas
    Victorioso y muy pujante,
    «Y habra quien baste
    Contra un gallardo rey, moro arrogante.»

_Romancero generale._

      *      *      *      *      *


17


El Rey Don Sebastian--II

(ANONYMO.)

    De la sangrienta batalla
    Que tuvo el rey Sebastiano
    Con los africanos moros,
    Rompido y desbaratado
    Se ha escapado un español
    De los que Felipe ha enviado
    Al socorro y obediencia
    Del bando del lusitano.
    Despedazadas las armas,
    Sin aliento y sin caballo,
    En roja sangre teñido,
    Por muchas partes llagado,
    Arrimose el español
    A un arbol espeso y bajo,
    De donde vido en su gente
    Aquel mortifero estrago;
    Y aunque lacio y macilento,
    Dijo, que lo oyó un soldado:
    --No me pesa de mi muerte,
    Pues con una vida pago
    La deuda que a Diós le debe
    El catolico cristiano;
    Mas ¿porque ha de morir
    Un rey mancebo y lozano
    Y con el todos los suyos
    Por ser mal aconsejado?--
    Estas razones diciendo
    Llegó el Rey alborotado,
    Y dijo: «¿Como, español,
    En tal priesa, tanto espacio?»
    --Inclito Rey, le responde,
    Oyeme bien lo que hablo,
    Y és que te guardes, señor,
    Y retires todo el campo,
    Y no des al enemigo
    Tan abierta y larga mano,
    Y que los tuyos perezcan,
    Sin que se escape un cristiano.
    Mira que una retirada,
    Cuando és con acuerdo sano,
    Vale mas que un vencimiento,
    Si el tal se alcanza con daño.
    El Rey atento le ha oido
    Y dijole: «Castellano,
    Toma para ti el consejo
    Que me dás, nó todo sano
    Mas con pecho de cobarde,
    Que no de diestro soldado.»
    El capitan que se vió
    Ser del Rey abaldonado,
    Cobró el aliento perdido
    Y tomó presto un caballo,
    Y con la espada desnuda
    Parte al sarraceno campo,
    Y dijole:--Excelso Rey,
    Porque entiendas que mi brazo
    No te ha de echar en afrenta,
    Ten cuenta con lo que hago.--
    Trez alcaides tiene muertos
    En una hora de espacio,
    Y mas de diez corredores
    De los que andan en el campo.
    El Rey, que atencion le tuvo
    Aunque no estaba parado,
    Dijo a los suyos: «Sin duda
    El español es honrado;
    Haced lo mismo vosotros
    Los que vos preciais de hidalgos,
    Y ninguno vuelva atras,
    Mientras no vuelve mi brazo.»
    Pero la parca cruel
    Que tiene el cuchillo alzado,
    A Sebastiano dió muerte,
    Y a su reino eterno llanto.

_Romancero generale._

      *      *      *      *      *


18


El Rey Don Sebastiano.--III

(ANONYMO)

    Discurriendo en la batalla
    El Rey Sebastiano bravo,
    Bañado en sangre enemiga
    Toda la espada y el brazo,
    Herida su real persona,
    Pero no de herir cansado;
    Que en tal valeroso pecho
    No pudo caber cansacio,
    A todas partes acude,
    Do el peligro está mas claro,
    Poniendo en orden su gente
    Y temor en el contrario,
    Entre los alarbes fieros,
    Haciendo en ellos estrago
    Con la prisa y peso de armas
    Sale cansado el caballo.
    A remediar su peligro
    Venir vió un valiente hidalgo;
    Las armas traia sangrientas,
    Por muchas partes pasado,
    En un caballo lijero
    Contra moros peleando,
    Y sacando de flaqueza
    La voz, dice suspirando:
    --D'este caballo te sirve,
    Inclito Rey Sebastiano
    Y salvarás en salvarte
    Lo que queda de tu campo:
    Mira el destrozo sangriento,
    De tu pueblo lusitano,
    Cuya lastimosa sangre
    Hace lastimoso lago;
    Sin orden tu infanteria,
    Rompidos los de a caballo,
    Senal de triste suceso
    Favorable en el contrario.
    Que te apartes d'esa furia
    Te suplican tus vasallos
    Llenos de sangre los pechos,
    Puestas las vidas al caso:
    Pon los ojos en tu fé,
    Y recibe mi caballo;
    Prefierase el bien comun
    A la vida de un hidalgo:
    No abaldones mi deseo,
    Huye las manos del daño.--
    De cuyos ruegos movido,
    Respondió el Rey acetando:
    «A tel estrecho he venido,
    Que tengo de ser forzado
    A receber con tu muerte
    La vida que yá desamo;
    Pero poca es la ventaja
    Que me llevaras, hidalgo,
    Que aqui do quiere fortuna,
    No está mal morir temprano.»
    Decende, le dice el Rey;
    Pero no puede el vasallo,
    Que mil honrosas heridas
    Le traian en tal estado:
    Ayudale a decender
    El Rey con sus proprios brazos,
    Echandoselos al cuello,
    Y subiendo en el caballo.
    «Adiós, dice, caballero:
    Que a buscar venganza parto
    En los fieros enemigos
    Y a morir con mis vasallos.»

_Romancero generale_, fl. 73 v.


FIM



ADDIÇÕES Á PAG. XXXII

Nos _Livros de Linhagens_, dos fins do seculo XIV, já lá se fala nas
façanhas dos Doze Pares, do cyclo de Carlos Magno: «muitos rricos
homeens que hiam pera lhes acorrerem disseram a el-rey dom Fernando que
numca virom cavalleiros nem ouviram falar que tam sofredores fossem, _e
poseram-nos em par dos doze pares_:» _Mon. Hist. Scriptores._ Vol. I,
fasciculo III, p. 283.

Dos romances populares feitos á morte de Dona Inez de Castro, cantados
pelo povo em Coimbra, fala o Pe. Dom Marcos de Sam Lourenço, no
manuscripto dos Lusiadas commentados, cujo autographo existe na
Bibliotheca das Necessidades: «As filhas de Mondego, diz Camões que,
longo tempo fizeram memoria d'esta morte de Dona Inez, _o que se entende
nas cantigas_ que logo saem e se compõem quando algum caso notavel
acontece, como quando mataram D. Alvaro de Luna, em Castella. Estas
cantigas e romances duraram mais na bocca das moças de cantaro e
lavandeiras, principalmente onde a gente é alegre e prezenteira como a
de Coimbra, onde esta historia aconteceu[78].» Este commento
foi escripto depois de 1633, e é natural que andassem ainda na tradição
os cantos que agora vão apparecendo em cadernos de uso popular.

Entre os peccados de bocca, el-rei Dom Duarte ennumera, no _Leal
Conselheiro_ (p. 357), o cantar «_cantigas sagraes_.» N'esta passagem
refere-se aos romances da paixão que começaram no principio do seculo
XV, os quaes foram prohibidos no tempo da Reforma, e condemnados
nos _Index Expurgatorios_ de Portugal e Hespanha no seculo XVI.

Sá de Miranda na ecloga VIII, allude a um romance antigo:

            o baboso da aldeia
    Que traz sempre a bocca cheia
    Das _Filhas de Dom Beltrane_.[79]

Gil Vicente tambem allude á morte de Roland, do cyclo de Carlos Magno:

    É o precioso terçado
    Qoe foi no campo tomado
    Depois de morto Roldão.[80]

Seropita faz allusão ao romance dos _Sete Infantes de Lara_, quando fala
dos namorados que aos domingos galanteiam do canto das travessas, «os
quaes, pela maior parte, não sahem de obreiros de official que para este
passo se almofaçam de maneira que vos pareceram uns _Sete infantes de
Lara_.» (p. 109 das _Poesias e Prosas ineditas_).

No tempo de Dom Constantino de Bragança, vice rei da India, o povo, ao
vel-o mandar construir uma Nau, vinha cantar-lhe injustamente debaixo da
janella uma parodia do romance hespanhol:

    Mira Nero de Tarpeia
    A Roma como ardia,

d'esta forma:

    Mira Nero da janella
    La nave como se hacia.[81]



INDICE


TRANSFORMAÇÕES DO ROMANCE POPULAR DO SECULO XVI A XVIII

Os romances populares soffrem a mesma transformação que em Hespanha
receberam no seculo XVI. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .   V

Originalidade dos romances portuguezes. . . . . . . . . . . . . . . . VI

O cyclo da _Tavola Redonda_ em Portugal, o tempo de D. João I. . .   VII

A poesia palaciana exclue os romances populares. . . . . . . . . .  VIII

As glossas do romance popular. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .  IX

_Pliegos sueltos_ e cadernos de uso popular. . . . . . . . . . . . .   X

O _Cancioneiro_ de Resende não allude a romances populares. . . . .   XI

Gil Vicente e a Comedia de _Rubena_. . . . . . . . . . . . . . . .  XIII

Edições portuguezas de Romanceiros hespanhoes. . . . . . . . . . .  XIII

Luctas da _Escóla italiana_ em Portugal. . . . . . . . . . . . . . . XIV

O metro encadecasyllabo e octosyllabo. . . . . . . . . . . . . . . .  XV

Reacção do metro popular. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .  XVIII

Lucta de Sá de Miranda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .   XX

Os poetas classicos desprezam a poesia do povo. . . . . . . . . .  XXIII

A reacção contra a _Reforma_ extingue em Portugal a poesia popular. XXIV

Influencia jesuitica nos cantos do povo. . . . . . . . . . . . . . . XXV

Condemnação dos _Livros de cordel_. . . . . . . . . . . . . . . . . XXVI

O _Index Expurgatorio_. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .  XXVII

Extinção de varias festas populares. . . . . . . . . . . . . . .  XXVIII

Instrumentos musicos do seculo XVII. . . . . . . . . . . . . . . .  XXIX

Introducção dos romances hespanhoes em Portugal. . . . . . . . . . . XXX

Romances portuguezes em Hespanha. . . . . . . . . . . . . . . . . . XXXI

Causa da extensão do Romanceiro hespanhol. . . . . . . . . . . . . XXXII

Romances conhecidos em Portugal hoje obliterados na tradição. . .  XXXII

Addições a pag. XXXII. Vid p. 211 e 212.

A comedia do _Fidalgo Aprendiz_ encerra a historia do romance em
Portugal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . XXXIII

Os romances populares postos em musica. . . . . . . . . . . . . . .  XLI

Letra castelhana em moda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . XLII

Romances trovados ou glosados. . . . . . . . . . . . . . . . . . . XLIII

Romances ao divino. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . XLIV

As Xacarandinas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . XLV

O que era o cantar de algaravia en aravia. . . . . . . . . . . . .  XLVI

Os romances mouriscos. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .  XLVIII

Forma lyrica dos romances. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .    LI

Os romances amorosos dos Mosteiros. . . . . . . . . . . . . . . .    LII

Estado actual da poesia popular. . . . . . . . . . . . . . . . . .  LIII


ROMANCES COM FORMA LITTERARIA, DO SECULO XVI A XVII

Alvaro de Brito--Trovas á morte do principe Dom Affonso, filho de D.
João II. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .   1

Garcia de Resende--Trovas á maneira de romance feitas á morte de
Dona Inez de Castro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .   3

Francisco de Sousa--Trovas a um Vilancete. . . . . . . . . . . . . .   8

Gil Vicente--Romance em memoria da partida da Infanta Dona Beatriz.    9

--Romance burlesco, glosando o celebre romance _Yo me estaba en
Coimbra_. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .   11

--Cantiga dos romeiros. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .   12

--Romance ao nascimento do Infante Dom Felipe. . . . . . . . . . . .  13

--Romance á morte de Dom Manuel. . . . . . . . . . . . . . . . . . .  14

--Romance á acclamação de Dom João III. . . . . . . . . . . . . . .   16

--Cantiga do Natal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .   19

--Vilancete de Abel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .  20

--Fragmento da _Bella mal maridada_. . . . . . . . . . . . . . . . .  21

--Cantiga cantada em Chacota. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .   22

--Cantiga do _Auto da Luzitania_. . . . . . . . . . . . . . . . . .   22

--Cantiga da Comedia de _Rubena_. . . . . . . . . . . . . . . . . .   23

Bernardim Ribeiro--Cantar a maneira de Soláo. . . . . . . . . . . .   24

--Romance de Avalor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .  25

--Romance de Cuidado e Desejo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .  27

Christovam Falcam--Cantiga com suas voltas. . . . . . . . . . . . .   33

Sá de Miranda--Cantiga. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .   32

Jorge de Monte-Mór--Canção. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .   34

--Outra cançoneta. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .  35

Jorge Ferreira de Vasconcellos--Romance da batalha de El-rei Arthur
com Morderet. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .   36

--Romance sobre a Guerra de Troya. . .  . . . . . . . . . . . . . .   38

--Romance da morte de Achilles. . . . . . . . . . . . . . . . . . .   39

--Romance da morte de Policena. . . . . . . . . . . . . . . . . . .   42

--Romance da Historia de Roma. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .  44

--Romance da Batalha da Pharsalia. . . . . . . . . . . . . . . . . .  46

--Romance á morte do principe D. Affonso. . . . . . . . . . . . . .   49

--Romance á morte do Principe D. João. . . . . . . . . . . . . . . .  52

Luiz de Camões--Endechas a Barbara escrava. . . . . . . . . . . . .   54

--Mote com sua volta. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .   55

Francisco Rodrigues Lobo--Cantiga. . . . . . . . . . . . . . . . . .  56

--Outra. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .  57

--Romance do Desenganado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .   58

Dom Francisco de Portugal--Romance pastoril. . . . . . . . . . . . .  60

Balthazar Dias--Romance do Marquez de Mantua e do Imperador Carlos
Magno. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .  62

--Historia da Imperatriz Porcina (tirada do _Speculum historiale_).  104

Dom Francisco Manoel de Mello--Romance picaresco. . . . . . . . . .  149

Quintana de Vasconcellos--Romance de Claridea. . . . . . . . . . . . 152

Antonio Serrão de Castro--Romance da Briga de um Cego com um
Corcovado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154

Anonymo(1620)--Romances e cantigas da canonisação de S. Francisco
Xavier. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .  156

--Cantiga de Abel (1659). . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .  159

Francisco Lopes--Romance de Santo Antonio e a Princeza. . . . . . .  160


ROMANCES DA HISTORIA DE PORTUCAL, TIRADOS DAS COLLECÇÕES HESPANHOLAS

1--Romance del Conde Don Henrique. . . . . . . . . . . . . . . . . . 163

2--Romance de Egas Moniz. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .  165

3--Romance del Rey Don Affonso, quando libertó Portugal del tributo. 171

4--Romances de Don Pedro I de Portugal y Dona Inez de Castro--I. . . 174

5--Don Pedro I y Dona Inez--II. . . . . . . . . . . . . . . . . . .  175

6--Don Pedro I y Dona Inez--III. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177

7--Dona Inez de Castro, Cuello de Garsa de Portugal--IV. . . . . . . 178

8--Romance de Dona Isabel. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185

9--Romance de Dona Isabel de Liar--I. . . . . . . . . . . . . . . .  187

10--Al mismo asunto--II. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191

11--Romances del Duque de Guimarans, I. . . . . . . . . . . . . . .  193

12--La Duqueza de Guimarans se queja al Rey por la muerte que hizo
dar a su esposo--II. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196

13--Romance del Duque de Bragança Don Jayme. . . . . . . . . . . . . 197

14--A la muerte del Principe de Portugal. . . . . . . . . . . . . .  200

15--Romance de la muerte del enamorado Bernaldino. . . . . . . . . . 202

16--Romances del Rey Don Sebastiano, I. . . . . . . . . . . . . . .  204

17--El-Rey Don Sebastiano--II. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206

18--El-Rey Don Sebastiano--III. . . . . . . . . . . . . . . . . . .  208

FIM DO INDICE.


    [1] Memorial das proezas da Segunda Tavola Redonda, por
    Jorge Ferreira de Vasconcellos, cap. XLVI, de accordo com Fernão
    Lopes, na Chronica, Parte II, p. 190, cap. 76; e com a Chronica do
    Condestabre, p. 12.

    [2] Cancioneiro geral de 1516, fol. lxxiij: «sobre o
    menospreço do mundo».

    [3] Idem, fol. lxxij: «Del rrey don Pedro quatro cantigas»
    erradamente attribuidas a Don Pedro I.

    [4] Fol. xxvij. Edição de Anvers de 1557, em casa de Martin
    Nuncio.

    [5] Fol. xxvj. verso.

    [6] Da fol. cci a ccxvj. São ao todo 38.

    [7] Catalogo por ordem alfabetica de varios pliegos sueltos
    que contienem romances, vilancicos, canciones, etc. «Romancero
    generale,» t. I, pag. LXXVII.

    [8] Durante o meu trabalho de collecionação, encontrei
    cadernos de uso do povo, cheios de emblemas pittorescos, e mais
    ainda de gordura. De um d'esses tirei a «Conversa de Namorados».

    [9] Cancioneiro geral, fol. 221.

    [10] Idem, fol. 217.

    [11] «No ay cosa mas facil que hazer un Romance, ni cosa
    mas difficultosa, si hade ser qual conviene. O que causa la
    facilidad es la composicion del metro, que toda es de uma Redondilla
    multiplicada. La difficuldad está en que la materia sea tal, y se
    trate por tales terminos, que levante, mueva y suspenda los animos.
    Y se esto falta, como la assonancia de suyo no lleba el oydo tras
    si, no sè que bondad puede tener el Romance. Descrievese en los
    Romances hechos hazañosos, casos tristes y lastimeros,
    acontecimentos raros, nuevos, singulares.» Edição de 1592, p. 38,
    cap. XXXIII.

    [12] Conde de Lucanor, fol. 128. Edição de 1624.

    [13] Idem, fol. 130, V.

    [14] Santo Isidro, Barcelona, 1608. Prologo, p. 3 mihi.

    [15] Conde de Lucanor, edição de 1642, fol. 127.

    [16] Ibid. fol. 128.

    [17] Sepulveda, Romances nuevamente sacados de historias
    antiguas, Anvers, 1551, fol. 2 verso.

    [18] Idem, ibid. fol. 3.

    [19] Pag. 67, edição de 1677.

    [20] Pag. 87.

    [21] Pag. 102.

    [22] Soneto xxviij.

    [23] Pag. 132 da ed. 1614.

    [24] Poemas Lusitanos, T. II, p. 98.

    [25] Idem, p. 46.

    [26] Pereira da Silva, Varões illustres, t. I. p. 15 e 16.

    [27] Wolf, Brésil litteraire, cap. I, p. 8.

    [28] Varnhagen, Florilegio, t. I, p. XXII--XXIII.

    [29] Index de 1581, fol. 41.

    [30] Fol. 57.

    [31] Canc. fol. 20.

    [32] Acto V, scena II.

    [33] Fidalgo Aprendiz, ed. de Leon de Francia de 1665, p.
    242-243.

    [34] Annaes de Dom João III, por Fr. Luiz de Sousa,
    publicados pelo sr. Herculano, cap. VIII, p. 35.

    [35] Vida de D. João de Castro, publicada por Fr.
    Francisco de S. Luiz, Doc. 60, 61, pag. 509. Lisboa, 1835.

    [36] Pag. 361 das Rimas, edição de Franco Barreto, 1666.

    [37] Romance XXII da colleção de Escobar, ed. de 1605,
    pag. 46, V.

    [38] Rimas, p. 173, ed. 1666.

    [39] Idem. p. 284.

    [40] Comedias p. 349. Estes versos são um fragmento do
    velho romance que vem no Cancioneiro de Anvers:

        Mis arreos son las armas
        Mi descanso es pelear.
        Mi cama las duras peñas,
        Mi dormir siempre velar.
        Las manidas son escuras,
        Los caminos por usar,
        El cielo con sus mudanzas
        Ha por bien de me dañar,
        Andando de sierra en sierra
        Por as illas de la mar,
        Por probar si en mi ventura
        Hay logar donde avadar;
        Pero por vos mi señora
        Todo se hade comportar.

    [41] El-rei Seleuco, p. 153 da Segunda parte das Rimas.

    [42] Obras, p. 316, ed. 1666.

    [43] Poetica española, de 1592; cap. XXXVIII.

    [44] Obras de Bernardim Ribeiro, p. 356, ed. 1852. Este romance
    acha-se na sua integra na «Floresta de Varios,» de 1642.

    [45] Ochoa, «Tesoro de los Romanceros» aonde se lê a pag. 86.

    [46] «Compendio historial» de Llaguno y Amirola, ap. Amador de los
    Rios, Hist. critica de la litteratura hespanola, t. VII, p. 437,
    not. 2.

    [47] Obr. t. II, 215.

    [48] Obras metr. t. II, p. 97.

    [49] Çanfonha d'Eut. p. 99.

    [50] Id. p. 116.

    [51] Pag. 71.

    [52] Obras metricas de Dom Francisco Manoel, p. 247--8, t.
    II, Viola de Thalia. Leon de Francia, 1665.

    [53] Primeira jornada, p. 159.

    [54] Edição de 1867, p. 215.

    [55] Chr. de D. Manoel, Parte IV, c. 84.

    [56] Historia da Poesia popular portugueza, p. 22

    [57] Id. pag. 137.

    [58] Romanceiro geral portuguez, p. 26--28.

    [59] «No ha muchos anos, que començaron nuestros Poetas a
    glossar «Romances viejos,» metiendo cada dos versos en la segunda de
    las Redondillas. Y han sido tan bien recebidas estas cosas, que los
    han dado los musicos muchas sonadas, y se cantan y oien con
    particular gusto.» Poetica española, cap. XXXVIII, Salamanca, 1592.

    [60] Obras, p. 312, edição de Lisboa de 1677.

    [61] Obras, t. III, p. 294, e outros logares.

    [62] Obras metricas, ed. de Leon de Francia de 1665, p. 71.

    [63] Tesoro de los Romanceros, p. 359.

    [64] Index scriptorum damnatae memoriae, p. 175.
    Transcrevemos para amostra do genero este bello romance de Gil Vicente:

    OS CATIVOS DO PECCADO

        Voces daban prisoneros,
        Luengo tiempo estan llorando,
        En el triste cárcel escuro
        Padeciendo y suspirando,
        Con palabras dolorosas
        Sus prisiones quebrantando:
        --Que es de ti, Virgen y Madre,
        Que á ti estamos esperando?
        Despierta el Señor del mundo,
        No estemos mas penando.--
        Oyendo sus voces tristes,
        La Virgem estaba orando
        Cuando vino la embajada
        Por el ángel saludando;
        «Ave rosa gracia plena,»
        Su prenez anunciando.
        Suelta los encarcelados,
        Que por ti estan suspirando;
        Por la muerte de tu hijo
        Á su padre estan rogando.
        Cresca el nino glorioso,
        Que la cruz está esperando.
        Su muerte será cuchillo,
        Tu anima trespassando.
        Sufre su muerte, Senora,
        Nuestra vida deseando.
                    Obras t. I, p. 233.

    [65] Musa VI, p. 464. ed. de Lisboa de 1652.

    [66] Musa VI, p. 455.

    [67] «Romancero generale», prologo, p. XIV, t. I (Collec.
    Ribadaneira t. X.)

    [68] Historia do Direito portuguez, cap. I e IV.

    [69] Vid. Cantos populares do Archipelago açoriano

    [70] Citações dos annotadores de Ticknor, ao cap. VII.

    [71] Conde de Lucanor, de 1642, fol. 128.

    [72] Conde de Lucanor, fl. 129, V.

    [73] Opinião dos snrs. D. Pascual de Gayangos o D.
    Henrique Vedia nos Commentarios a Ticknor, cap. VII.

    [74] Duran, «Romancero generale», t. I, p. 26, n.º 54.

    [75] Duran, Romancero, t. I, p. X, not. 8.

    [76] Sobre a existencia das «xacaras» populares diz o seu
    annotador: «Muchas xacaras rudas y desabridas le avian precedido
    entre la tropeça del vulgo: pero las ingeniosas, y de donayrosa
    propriedad y capricho el fue el primero descobridor sin duda.» Musa
    V, p. 221, ediç. de Lisboa de 1652.

    [77] Edição de Madrid, 1724, pag. 248.

    [78] O Visconde de Juromenha, na sua edição de Camões,
    fala n'este manuscripto, t. I, p. 323--328.

    [79] Ed. de 1677, p. 177.

    [80] _Obr._ t. II, p. 416.

    [81] Juromenha, «Vida de Camões,» t. I, pag. 82.--Vid.
    egualmente t. I, p. 45.

      *      *      *      *      *


CANCIONEIRO

E

ROMANCEIRO GERAL

PORTUGUEZ

5 volumes in-8.º

VOLUME I--HISTORIA DA POESIA POPULAR PORTUGUESA.--_Primeira parte_:
Vestigios da primitiva poesia popular portugueza.--_Segunda parte_:
Unidade dos romances populares do Meio Dia da Europa. VIII, 221 pag.
Porto, 1867.

VOLUME II--CANCIONEIRO POPULAR, colligido da tradição oral. Reliquias da
poesia portugueza do seculo XIV a XVI. Sylva de cantigas soltas, Fados e
Canções da rua, Orações, Prophecias nacionaes, Proverbial de aphorismos
poeticos da lavoura. VII, 223 pag. Coimbra, 1867.

VOLUME III--ROMANCEIRO GERAL, contendo a Flor dos romances anonymos dos
cyclos Bretão e Carlingiano; e um Vergel de Romances mouriscos, Contos
de cativos, Lendas piedosas e Xacaras, com sessenta e uma notas extensas
sobre as origens de cada romance, VIII, 224 pag. Coimbra, 1867.

VOLUME IV--CANTOS POPULARES DO ARCHIPELAGO AÇORIANO, _Cancioneiro das
Ilhas_: Rosal de Enamorados, Serenadas do luar, Doutrinal de Orações.
_Romanceiro de Aravias_: Enselada de Romances novelescos, Primavera de
Romances maritimos, Rosa de Romances mouriscos, Silva de Romances
historicos, Coro de Romances sacros, Enseladilha de romances
entretenidos. Com oitenta e cinco notas sobre as origens e paradigmas
das varias cantigas e romances, XVI, 478 pag. Porto, 1869.

VOLUME V--FLORESTA DE VARIOS ROMANCES com forma litteraria. Estudo sobre
as transformações do romance popular do seculo XVI a XVIII.--Romances
com forma litteraria doseculo XVI e XVII--Romances da Historia de
Portugal, tirados das Colleções hespanholas. LIII, 218 pag. Porto, 1869.


Desde 1867 até 1869 entrou em curso de publicaçäo o livro dos cantos
populares da nação portugueza; eis finalmente completo o quadro das
antigas tradições epicas da edade media, ainda hoje repetidas pelo nosso
povo com esse colorido de _maravilhoso_ e da aventura do genio celtico.
Todas as provincias do reino e ilhas dos Açores contribuiram para o
monumento do seu _Cancioneiro e Romanceiro geral_; a Beira Baixa,
interrogada por differentes collectores, apresentou as velhas
rhapsodias, em um grande estado de perfeição, rivalisando com os mais
velhos romances hespanhoes, e ás vezes completando-os, como se vê pelo
romance de conde _Grifos Lombardo_; logo depois, Traz-os-Montes, é a
mais rica de lendas cavalheirescas, introduzindo principalmente em cada
romance o elemento do maravilhoso e do milagre, como se vê no romance da
_Justiça de Deos_ e do _Conde Ninho_. O Algarve deu as lendas religiosas
dos primeiros seculos da monarchia, e as _zambras_ mouriscas,
similhantes á aventura do mouro Galvan. A provincia do Minho contribuiu
com as lendas piedosas dos santos e da hospitalidade. Coimbra, a terra
das serenadas e das cantigas, deu a mais vasta collecção da _Sylva_,
verdadeiro colar de perolas, a que o povo prendeu a historia dos seus
amores. Sobre tudo, a genuina poesia popular portugueza foi encontrada
no estado da inteireza e rudeza primitiva, nas Ilhas dos Açores; ali a
tradição está pura e simples, como nos fins de seculo XIV, quando
começou a elaboração poetica do Romanceiro da Peninsula; a linguagem
d'ella é esse portuguez archaico do tempo do _Cancioneiro de Resende_;
conserva ainda a designação de _aravias_, que revela o segredo da sua
origem mosarabica; n'ella se encontram allusões sem numero aos costumes
juridicos das Cartas de Foral, por onde se determina a epoca da sua
formação, por isso que nas ilhas dos Açores nunca existiram foraes com o
caracter politico e revolucionario que tiveram no seculo XII e XIII.
Todos estes diversos cantos epicos da tradição portugueza foram
estudados e comparados com a totalidade dos cantos epicos dos
romanceiros do Meio Dia da Europa, descobrindo-se ás vezes debaixo de
forma novellesca os factos historicos que tem passado até hoje como
desapercebidos; acham-se classificados com o maior rigor, adoptando como
base os trabalhos de Jacob Grimm, Lafuente y Alcantara e Don Agustin Duran.

No ultimo volume recentemente publicado, a _Floresta de Romances_, se
mostra como o romance rude do povo foi imitado pelos nossos
quinhentistas e seiscentistas e como lhe imprimiram uma fórma culta e
litteraria, substituindo aos grandes e profundos traços dramaticos a
expressão subjectiva e um exagerado lyrismo. O quadro termina no
principio do seculo XVIII, justamente quando o romance caiu outra vez em
desuso, ficando privativamente das classes baixas. O _Cancioneiro e
Romanceiro geral portuguez_ é tão vasto, como a gigante collecção
hespanhola, se attendermos a que n'este o numero dos romances anonymos,
ou perfeitamente do povo, não se eleva a mais de cem, que outros tantos
repete a tradição portugueza. Este trabalho lento, completado com mais
de dez annos consecutivos de esforços, e com sacrificios pecuniarios,
tem encontrado em Vienna, em Paris e em Madrid um acolhimento, que
compensa o collector da indifferença que a imprensa e o publico
portuguez, por malevolencia ou por incapacidade tem manifestado. No
momento em que um povo se extingue ai ficam recolhidos os seus cantos;
praza a Deos que o que se recolhe como um despojo da ruina, seja um
incentivo de renovaçao.

A obra está á venda em todas as livrarias; avisam-se os senhores
subscriptores, para virem receber o ultimo volume da collecção.


Preço da obra completa 2$500





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Floresta de varios romances" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home