Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Memoria dos feitos macaenses contra os piratas da China - e da entrada violenta dos inglezes na cidade de Macáo
Author: Andrade, José Ignacio de
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Memoria dos feitos macaenses contra os piratas da China - e da entrada violenta dos inglezes na cidade de Macáo" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



project.)



    *Nota de editor:* Devido à existência de erros tipográficos neste
    texto, foram tomadas várias decisões quanto à versão final. Em caso
    de dúvida, a grafia foi mantida de acordo com o original. No final
    deste livro encontrará a lista de erros corrigidos.

                                           Rita Farinha (Maio 2011)



                               MEMORIA
                                 DOS
                          FEITOS MACAENSES
                      CONTRA OS PIRATAS DA CHINA:
                                E DA
                    ENTRADA VIOLENTA DOS INGLEZES
                         NA CIDADE DE MACÁO:

                               AUCTOR

                       _JOSÉ IGNACIO ANDRADE_.


                           SEGUNDA EDIÇÃO.


                              [Figura]


                 LISBOA: NA TYPOGRAFIA LISBONENSE 1835.
                        Largo de S. Roque N. 12
                             _A C. Dias_.



                    _Rien ne peut arretêr dans leurs projets nouveaux
                    Ces Portugais ardens qui volent sur les eaux,
                    O' com bien de héros guiderent leur audace!
                    Que de faits immortels ont signalé leur trace!_


                                              Esmenarde, C. V. pg. 26.



                               PROEMIO.


Quanto é arriscado escrever feitos gloriosos de homens, que ainda vivem!
Não só os seus inimigos, mas tambem os feridos do orgulho, ou da inveja,
saírão a vociferar contra a mesma evidencia. Ha quem julgue mais
prudente calar as grandes acções dos heroes em sua vida. Mas porque se
ha de recusar este premio ás pessoas, que o ganharam a risco da vida e
fazenda?[1] Por se temer a mordacidade dos _zoilos_? Eis a fraqueza, que
não tenho. Transmittindo a verdade aos vindouros, e dizendo o que
fizeram os Portuguezes dignos deste nome; se fôr censurado por alguns,
louvarão outros o meu zelo.



                             INTRODUCÇÃO.


De todos os espectaculos, que a industria humana tem dado ao mundo
nenhum mais admiravel do que a navegação. Entes fracos e mortaes filhos
da terra ousaram transportar-se sobre elemento inestavel e perigoso,
levantar edificios em cima das aguas, dominar os ventos, e voar ás
extremidades do mundo por baixo de Ceos desconhecidos.

Mas qual é a sorte do homem? Dotado de coração tão perverso, quanto o
espirito é grande; o crime assenta-se ao lado do genio. De todas as
invenções sublimes tem os homens abusado. Dos vegetaes extraíram
venenos: do ouro a moeda que tudo corrompe. As artes serviram-lhe para
multiplicarem os meios de se destruirem. A navegação é, sobre tudo,
origem de mortandades; o mar tornou-se campo de carnagem; e as ondas
foram ensanguentadas pela guerra.

As duas partes do globo oriente, e occidente, terra e mar, são
igualmente o theatro das desgraças e crimes do homem: com a differença,
que dilatando as vistas e passos ao longo do continente, descobrimos
ruinas e despojos do ferro e fogo; campos e ermos incultos; porém o mar
sendo tumulo de grande parte da humanidade, nenhum vestigio offerece de
tantos estragos. Todos os dias passa o navegador com despejo por cima
das ondas, que tem engolido milhares de homens.

Quem não desejará voltar aos tempos felizes de ignorancia e parcimonia,
em que nossos avós menos grandes, porém menos criminosos, sem industria,
mas sem remorsos, viviam pobres e virtuosos, e morriam nos campos que os
tinham visto nascer.[2]

Á custa das vidas portuguezas formaram os nossos antepassados um
estabelecimento na China: os nossos contemporaneos foram de novo
obrigados a ensanguentar as ondas para submetter Cam-pau-sai ás leis do
imperio; e a usar prudencia consummada além do valor, a fim de livrar
Macáo da invasão britanica.==Nada ha mais proveitoso que a historia para
adquirir prudencia, (diz Jeronimo Osorio) nem mais poderoso do que ella
para despertar virtudes, mais saudavel para sanar as feridas da
republica, nem mais aprasivel para o deleitamento da vida. Mas segundo
os homens foram sempre, não crêm nunca feitos, quem sahêm álém do seu
engenho e posses; nem ha meio que admittam o que sobrepuja os termos de
trivial esforço, e usada industria.==Todavia os feitos exarados nesta
memoria jámais serão desmentidos; e podem despertar virtudes.

A China por nós ha muito tempo ignorada, depois inteiramente
desfigurada, e hoje melhor conhecida do que algumas provincias da
Europa, é o imperio mais antigo, extenso, e florecente do globo. Pelo
ultimo censo, feito no seculo passado, foram avaliados os seus
habitantes em duzentos milhões de almas. O rendimento annual sobe a
quinhentos milhões de cruzados. Sustenta oitocentos mil soldados, e
trezentos mil cavallos, que emprega nas armas, e correios publicos.

Ha tempo immemoriavel são os imperadores tambem pontifices do imperio;
para que as authoridades civil, e religiosa nunca se achem em conflicto.
Adoram um Deus unico; e offerecem-lhe as primicias de um campo lavrado,
todos os annos em dia solemne, por suas proprias mãos. Alento exemplar á
agricultura, primeira base da independencia e prosperidade nacional.

Pela maxima da tolerancia geral seguida no oriente, admittem-se os
bonzos de todas as religiões, e deixam-os espalhar os seus desvarios:
mas se chegam a amutinar o povo, são logo enforcados. Assim os toleram e
os reprimem. O imperador Cham-hi mandou gravar no frontispicio da sua
capella:==O Chang-ti não tem principio nem fim: creou e governa tudo: é
summamente bom e justo.==

Os Chinezes em geral são polidos e virtuosos. O Imperador tem uma só
mulher legitima, mas póde segundo as leis do Imperio ter grande numero
de amasias. A sorte destas é triste, por viverem encerradas. Pagam com a
privação em que vivem da sociedade, a honra de satisfazer ao imperante,
a qual devem á formosura, e não ao nascimento, que os Chinezes
desapreciam, quando não é accompanhado da virtude.

Os Coláos e mandarins letrados são mais estimados no imperio do que os
militares. Entre o grande numero dos primeiros ha seis que acompanham a
côrte. O coláo mais antigo e de maior merito nomeia os mandarins para
todos os empregos superiores, e os manda punir se não cumprem com o seu
dever; o segundo cuida nos cultos, e dispõe as ceremonias da côrte; o
terceiro é o Ministro da Justiça; o quarto administra a fazenda; o
quinto preside no ministerio da guerra, e determina tudo, quando é
preciso sustentala; o sexto tem a seu cargo as obras publicas.

Ha outros que deliberam com o Imperador sobre os negocios do Estado.
Além disso tem censores publicos de officio. Em cada uma provincia ha um
Suntó (delegado imperial) com tres mandarins letrados debaixo das suas
ordens. O primeiro conhece das causas civis e criminaes; o segundo
recebe os tributos; o terceiro mantém a segurança publica. Para chegar a
ser mandarim é preciso passar por tres gráos, como os nossos de
Bacharel, Licenciado, e Doutor: destes são tirados os coláos.

O governo não é despotico como se pensa. Os mandarins oppõem-se aos seus
decretos, quando são contrarios ás leis do Estado. Querendo certo
Imperador abusar do poder, um mandarim escreveo-lhe pelo modo
seguinte:--Senhor sei que me arrisco em offender o vosso amor proprio,
mas devo preferir a morte á perda da honra: não posso deixar de vos
advertir, que o máo exemplo dado por vós ao Imperio nos lança a todos no
abysmo.--O Imperador foi generoso para não se agravar, mas não o foi
para mudar de conducta. Todos os mandarins esperaram occasião para lhe
mostrar serem dos sentimentos do primeiro.

Não tinha o Imperador filhos legitimos, e pelas leis do Estado devem ser
chamados á successão do Imperio os bastardos, preferindo sempre o
primogenito. O Imperador tinha grande affeição a um dos outros:
pretendeu que o reconhecessem, com perjuizo do mais velho. Os mandarins
representaram ao Imperador a injustiça que pretendia fazer: este por
isso privou alguns dos empregos. Aquelles publicaram um aviso dirigido a
todos os mandarins anexos á côrte para se acharem um dia aprazado no
logar ordinario. Ahi decidiram em junta que visto o Imperador desprezar
as leis do Estado, deviam elles desistir dos seus empregos e ir para
suas casas viver como particulares: assim o executaram.

O Imperador entrou em seus deveres: mandou aos mandarins que tornassem
aos seus empregos, que estava pelo que elles entendiam. Assim obedeceram
todos á lei. Os mandarins ganharam nesta occasião honra por sua firmeza,
e o Imperador por sua prudencia.

O tribunal da historia, para tudo ser conforme, é surdo ás supplicas, ou
ameaços dos imperantes. Na sala do tribunal ha um cofre, onde cada
historiador lança suas memorias sem as communicar a pessoa alguma. No
fim de cada reinado abre-se o deposito, e dos escriptos alli achados
formam os annaes do Imperio: Para conhecer o espirito deste tribunal
basta o caso seguinte:

Tai-te-song, Imperador da dynastia de Tang, rogou ao presidente do
tribunal, que lhe mostrasse as memorias que deviam formar a historia do
seu reinado. Senhor, deveis saber, que damos conta exacta dos vicios e
das virtudes dos Soberanos, e que deixariamos de ser livres se
consentissimos no que exigis--O Imperador tornou:--Pois vós que me sois
tão obrigado, pretendeis levar á posteridade os meus defeitos?--Com
summa dôr os escreverei, mas é tal o dever do meu emprego, que me obriga
a levar á posteridade a pretenção, que hoje tivestes de mim.--

Em todos os paizes as leis punem os crimes, na China fazem mais premeiam
a virtude. A noticia de uma acção generosa, de uma virtude extremada,
assim que se divulga em qualquer provincia, é obrigado o mandarim de
policia a participala ao Imperador: este manda logo áquelle subdito um
signal, que o distingue no caminho da virtude.

O certo é, que os vicios e as virtudes dos povos nascem da sua
legislação: esse conhecimento deu talvez motivo a esta boa lei dos
Chinezes.--Para fecundar o germen da virtude, os mandarins participam da
gloria, ou da vergonha das acções virtuosas ou injustas commettidas em
seu governo.

A moral, a obediencia ás leis, e o culto ao ente supremo, formam a
religião do Estado. O Imperador não é só pontifice, mas tambem o
primeiro orador do Imperio. Seus decretos são quasi sempre lições de
moral. Subsistem ha mais de quatro mil annos com a mesma forma de
governo, as mesmas leis e costumes, sempre estudiosos e apreciadores das
letras.

Com tudo o povo é idolatra; os letrados deistas, sem acreditarem em
revelação alguma, nem na vida eterna. Dados ao estudo das leis,
desprezam por ellas os dogmas e ritos de seus bonzos. Em verdade estes
são ignorantes, supersticiosos, credulos e ambiciosos de riquezas. A
maior parte dos Chinezes observam as seguintes maximas de Confucio.

Lembra-te que és homem, a tua natureza é fraca, podes succumbir. Afasta
de ti os obstaculos que te embaracem o caminho da virtude.

O homem bom occupa-se de suas virtudes: o máo de suas riquezas. Aquelle
trata do interesse da patria: este só no seu cuida.

Faze aos outros o que desejas te façam: eis a unica lei que te é
precisa.

O silencio é indispensavel ao sabio; este despreza sempre os rasgos da
eloquencia por inuteis; explica-se por suas acções. O ceo falla, mas por
que modo nos diz elle ser o Soberano principio de todas as cousas? O seu
movimento é a sua linguagem: creou e deu impulso á natureza, e esta como
filha sua obedece-lhe e produz.

Quando se trata da saude da patria despreza-se o perigo da vida.

O ganho do imperante avalia-se pela felicidade publica.

Estas poucas regras bastam para se fazer perfeita idéa da moral Chineza.

Por morte de Afonso de Albuquerque, em 1515, succedeu-lhe no governo da
India Lopo Soares de Albergaria: no principio do anno de 1517, mandou
este uma esquadra de nove embarcações commandadas por Fernão Peres de
Andrade, levar ao Imperador dos Chinezes o Embaixador Thomé Pires, como
El-Rei D. Manoel lhe tinha ordenado.

Por motivo de grande temporal arribou a frota a Malaca, e só pôde sair
daquelle porto, para estrear as quilhas portuguezas no mar da China, em
Junho do mesmo anno. Já os nossos sabiam, pela amisade contrahida em
Malaca, com os Chinezes, a que rumo lhe demorava Cantão: foram ás ilhas
visinhas daquella cidade por onde enviaram o nosso Embaixador á côrte.

Quando alli aportou o nosso Andrade, achou uma frota Chineza destinada a
combater os piratas, que infestavam aquelles mares. Sendo Fernão Peres
de Andrade benefico e destemido, anniquillava preversos, e attrahia qual
iman os discipulos de Confucio. Largou aquelle Imperio deixando nelle as
cem trombetas da fama apregoando sua magnanimidade.


                 _Do meu arco possante
                 Hoje o famoso Andrade
                 Alvo será: seu nome triunfante
                 No porto surgirá da Eternidade._[3]


Assim que largou de Cantão chegou alli Simão de Andrade, com outros:
procederam de forma, que perderam, em credito, tudo quanto Fernão Peres
tinha adquirido. Usaram tão grandes violencias, que os Chinezes
resolveram tratalos como a piratas. Equiparam grande frota, e cercaram
os portuguezes por todos os lados. Se não fôra um temporal, que abrio
caminho por onde fugiram, ficariam todos prisioneiros.

Depois de tal desar das armas e da honra portugueza, chegou alli Afonso
Martins de Mello, ignorando o que se tinha passado. Assim que os
mandarins o descobriram reuniram a sua frota para atacalo. Martins de
Mello, dizia-lhe, que ia levar paz e não guerra; mas estes só lhe
respondiam por bocas de fogo. Travou-se o combate; os nossos
succumbiram. Assim que Martins de Mello vio perdidos todos os recursos,
cortou a linha inimiga como raio abrazador, e ganhou o mar largo,
deixando os Chinezes pasmados de tal audacia. Foi preciso que os
portuguezes com seu valor e prudencia, fizessem esquecer aos Chinezes a
memoria do immoral Simão, para serem outra vez recebidos em seus portos.

Recuperada a boa fé entre as duas nações obtiveram os portuguezes, em
recompensa de serviços prestados ao Imperio, o isthmo do Sul na ilha de
Macáo, para levantarem casas, debaixo de certas condições; mas fizeram
delle uma cidade a que deram o nome da ilha.

Foi no anno de 1557, que o Imperador da China concedeu aos portuguezes
aforarem aquelle isthmo em premio de terem anniquilado a esquadra do
pirata Chang-Silau.

Em 1584 prometteram os macaenses obediencia a Filippe II, porém a
bandeira portugueza tremulou sempre nas fortalezas de Macáo.

Em 1586 recebeu Macáo o titulo de cidade do nome de Deus na China, e
todas as liberdades e preeminencias, que tinha a cidade de Evora, cujos
foros se confirmaram em 1709.

Em 1622 tendo Macáo apenas 80 portuguezes, e alguns cafres, foi atacado
por 800 hollandezes: deixaram 500 mortos, e 100 prisioneiros; os
restantes fugiram largando em nosso poder 8 bandeiras, armas e bagagens.

Antes de fazerem o desembarque, pediram a dois navios inglezes, surtos
na bahia, para ajudalos; estes não duvidaram, mas exigiam o fruto de
todo o saque. Os hollandezes rejeitaram: julgaram muito excessiva a
ambição dos inglezes.

De 1557 até 1625 foi Macáo governado pelos capitães de navios do Estado,
que todos os annos iam de viagem ao Japão, e faziam escala naquella
cidade. Com esses governadores teve prosperidade.

Em 1626 foi de Goa para Macáo D. Francisco Mascaranhas para Governador
com o titulo de Capitão Geral. Começou no seu governo a desintelligencia
com o Senado, e a dissolução praticada pelos Governadores. Este foi
grande assassino, grande roubador e forçador cruel das mulheres e filhas
dos cidadãos. Levou os macaenses a tal desesperação, que o mataram, a
fim de se verem livres de tão horrendo monstro.

Em 1641 chegou alli a noticia da feliz aclamação do Senhor D. João IV:
os macaenses logo romperam os grilhões de Filippe, e mandaram grande
donativo á capital do Rei legitimo.

Em 1709 soffreram segundo Verres; Diogo de Pinho Teixeira; chegou a
mandar bombardear o Senado, onde ferio e matou, por não consentir em
suas prepotencias.

Em 1726 chegou a Macáo o Embaixador Alexandre Metello de Sousa Menezes,
mandado por El-Rei D. João V. ao Imperador da China. Os moradores
daquella cidade cooperaram muito para sustentar-se o decoro nacional
naquella embaixada.

Em 1747 foi governar Macáo, Antonio José Telles: espantou os algozes do
Imperio Chinez por suas crueldades. Levou aquelle estabelecimento aponto
de perder-se.

Esta cidade celebre pela riqueza de seu trato, illustre pela fama de
nossas victorias, é situada na latitude de 22-1/4 gráos ao Nórte do
Equador, e 122.° ao Oriente de Lisboa. Seus habitantes pouco distam dos
nossos periecios; motivo talvez por que o Padre Antonio Vieira disse:
que a espada dos portuguezes tinha chegado, onde não alcançou a penna de
Santo Agostinho. Tem de extensão a cidade pouco mais de uma legua. Do
lado do Norte é defendida por grossa muralha guarnecida de fortins: e do
Sul por tres fortalezas. A de S. Francisco na parte oriental da Praia
Grande; a do Bom porto na ponta occidental e a de Sant-Iago que defende
a entrada da barra: tem mais entre as primeiras duas, o forte de S.
Pedro. No centro a fortaleza do monte domina toda a cidade. Além destas
fortalezas tem outra sobre o monte da Sr.^a da Guia, fora dos muros da
cidade. As casas são bem edificadas, mas as ruas desiguaes. O porto é
bom: podem entrar nelle navios em lastro de oitocentas tonelladas.
Tambem podem surgir ao largo náos de 74. A povoação é de 20 mil
individuos, a maior parte Chinezes. O Governo é o Senado composto de
dois Juizes ordinarios, tres Vereadores, um Procurador, e um Escrivão. O
Governador militar ou Capitão Geral, e o Ouvidor, são chamados ao
Senado, quando ha negocios politicos, ou de fazenda. Neste caso preside
no Senado o Capitão Geral, e tem voto de qualidade. A tudo o que é
relativo ao governo municipal preside o Vereador do mez.

Os macaenses são tão zelozos das suas liberdades, que até na meza das
sessões do Governo tiraram ao Presidente a regalia de ficar isolado no
extremo della. Sendo nove os membros, collocaram a meza dentro de uma
tribuna de modo, que ficam tres de cada lado; a frente é livre para
entrar e sair.

Sobre a meza descança um extremo da vara da Justiça, e o outro fica
encostado na parede por cima da cabeça do Ministro: um delles (Lazaro da
Silva Ferreira) assombrando-se com ella tocou-lhe de proposito para a
fazer cair, e mandou-a tirar, dizendo lhe ferira a cabeça. Os Senadores
mandaram por-lhe um gancho no extremo, e uma argola na parede para
segurar assim a insignia da Justiça. Outro dia o Ministro ao entrar
tocou-lhe para caindo lançala fora: ficou surpreso ao ver, que estava
segura. O Vereador do mez tirou-o do embaraço dizendo:--Tributamos tão
grande respeito a nossos maiores, que não podemos prescindir deste seu
costume; e presamos tanto a V. S.^a, que para não o ferir a vara da
Justiça mandamo-la segurar.

Ha um Bispo, e um Batalhão de naturaes de Goa, commandados por Officiaes
macaenses; guarnece as fortalezas, e faz as rondas da cidade. Seus
rendimentos são os direitos da Alfandega.

As minhas viagens á China deram-me occasião para conhecer os
descendentes dos honrados portuguezes, que no tempo do nosso captiveiro
debaixo do pezado grilhão dos Filippes tiverão a constancia e valor de
conservar illesos os foros nacionaes naquelle canto do mundo. Ainda que
logravam a amizade dos Chinezes, só tinham seus braços para se
defenderem das nações da Europa, que alli foram atacalos. A historia diz
pouco ácerca dos grandes feitos macaenses daquella época.[4] Apenas
dessas grandes acções ha hoje pintadas algumas mais notaveis na Sé e
Senado de Macáo. Tudo o mais se tem perdido com os heróes, que tão
dignos eram de memoria eterna.

Em 1808 foram os macaenses atacados por tal forma, que a não terem
herdado o valor de seus maiores, de certo succumbiriam[Nota 1^a]. Fui
testimunha de feitos mui gloriosos. Os portuguezes nesta época
mostraram-se grandes nas armas, e na politica; nas armas pelo valor com
que tomaram a grande esquadra de Campau-sai, na politica, pelo bem que
se houveram com os Chinezes e Inglezes. Salvaram Macáo de nadar em
sangue; acreditaram-se com os primeiros; e foram uteis aos segundos.
Deixarei tão nobres acções no esquecimento á maneira de nossos maiores?
Não: farei diligencia para as transmittir á posteridade. Se não forem
uteis aos presentes, se-lo-hão por certo aos vindouros. Não ha cousa
mais capaz de fortalecer nossas almas, do que as proezas de nossos avós.
Julgo de obrigação referilas a nossos nétos.

Macáo é monumento precioso da gloria portugueza. Fernão Peres de
Andrade, foi quem primeiro immortalisou os portuguezes naquella parte do
mundo. Ver-se-ha firmado pela mão dos Chinezes, que ainda temos grande
consideração naquelle imperio.

Contendo esta memoria dois objectos differentes, julguei a proposito
lançalos em separado; ainda que um principia antes e acaba depois do
outro. Pegaram os macaenses ás mãos com os piratas em 1805: A esquadra
ingleza aportou em Macáo a 18 de Setembro de 1808, e saiu a 10 de
Dezembro do mesmo anno. O Tratado entre o Governo Chinez e o Macaense,
para a completa derrota da esquadra de Cam-pau-sai, foi assignado em 23
de Novembro de 1809, e concluido tão importante negocio em Abril de
1810. Para o leitor vêr sem custo as grandes difficuldades, que em Macáo
se venceram, dividirei, esta memoria em duas partes. Tractarei na
primeira da extincção dos piratas. Cousas ha nesta parte, que se fossem
praticadas em tempos mais tenebrosos, seriam tidas por milagres, sendo
só o esforço de almas valorosas que mandaram seus braços com a penna e
espada obrar taes prodigios. Na segunda fallarei da invasão dos inglezes
em Macáo, da sua e nossa conducta, assim como da politica Chineza, e do
final resultado.

Em Athenas, eram os famosos oradores quem celebravam os heroes de
Salamina; e tinham por ouvintes os Socrates e os Pericles. Eu não tenho
os mesmos talentos, e tenho juizes não menos temiveis. Mas em objecto
desta natureza a eloquencia consiste em ser sincero.



                          PRIMEIRA PARTE.


Ao valor dos Portuguezes deve o Imperio da China ver-se livre dos
piratas, que por duas vezes pertenderam dominalo. A primeira foi obra
dos Lusitanos do seculo XVI: a segunda de seus descendentes nossos
contemporaneos, a tempo que seus irmãos na Patria anniquilavam as aguias
do oppressor da Europa. Depois que no seculo XVI os piratas foram
destruidos, tentaram formar novo partido; e pouco a pouco engrossaram
seu numero e força de modo, que em 1805 estavam senhores de grande
esquadra, bem guarnecida de artilheria, e com perto de quarenta mil
homens de tripulação. Tendo morrido o Chefe dos piratas ficou sua
mulher, não só herdeira do posto, mas tambem da sua audacia no exercicio
da piratagem. Assim que tomou posse do commando de tão grande poderio,
dividio-o em duas esquadras, e deu o commando dellas a dois parentes do
marido, que mais se tinham acreditado debaixo das suas ordens. A
primeira e mais possante coube ao celebre _Apócha_, que depois se chamou
_Cam-pau-sai_, e onde sempre residio a viuva. _Apau-tai_ foi commandar a
segunda, composta de 130 embarcações, e com bandeira preta.

Cam-pau-sai, homem forte, ardiloso e emprehendedor, depois de ter
ganhado o affecto dos seus, teve arte de dispolos a executar qualquer
empreza que imaginasse. Com effeito concebeu projecto tão elevado, que
bem se pode comparar com o de Afonso de Albuquerque, quando pertendeu
tirar da Meca o corpo do Profeta, e mudar a direcção do rio Nilo,
fazendo-o desaguar no mar roxo para anniquilar desse modo os Turcos no
Egypto! Cam-pau-sai tentou coroar-se Imperador dos Chinezes, e lançar a
dynastia Tartara para o Norte da grande muralha, que a divide da China.
Começou a fazer guerra tão atroz, que não só paralisou o commercio
maritimo nas costas meredionaes do Imperio, mas tambem fazia
desembarques no continente, e arrasava todos os logares por onde
passava. Sendo a Cidade de Cantão a mais rica e a mais commerciante,
quiz embaraçar alli o negocio com os europeos. Para esse fim veio postar
suas forças na emboccadura do rio Tygre, e em todos os canaes que formam
as ilhas visinhas de Macáo. Assombrando assim Cam-pau-sai os mares das
ilhas da China com seu poder, não se limitou a perseguir seus irmãos
Chinezes, tambem se atreveu a insultar os navios da Europa.

Vendo o Governo de Macáo o risco em que ficava, rodeado de immensa força
inimiga, na estação em que todos os navios da praça se achavam ausentes;
mandou a Bengalla fazer um brigue para ficar de guarda costa, em quanto
estes não se recolhiam: porque em os piratas sabendo, não haverem navios
dentro do porto, que os fossem acommetter, chegavam quasi ao alcance da
artilheria das nossas fortalesas, para embaraçarem os mantimentos, que
todos os dias entram na Cidade.

Deu-se tanta pressa á factura do brigue, que do momento em que se lançou
a quilha no Estaleiro, até sair da barra fóra, só mediaram vinte e oito
dias! Quando chegou a Macáo estavam os piratas tam destemidos, que o
Governo julgou ser insufficiente tão pequena força, para os afastar da
Cidade. Comprou mais o navio Arriaga, a que deu o nome de Ulises, e
mandou-o armar, abrindo-lhe uma bateria na coberta.

Assim que estas duas embarcações começaram a bater os piratas, estes não
ousavam aproximar-se dellas. Com tudo ainda faziam damno ao commercio;
porque os nossos vasos não podiam entrar nos pequenos canaes, onde elles
o interceptavam. Alli podia a esquadra Imperial fazer-lhe algum ataque;
mas o respeito devido a Cam-pau-sai, tirava a lembrança de o
acommetterem. Passou o anno de 1806, e parte de 1807, sem que os piratas
arriscassem entrar em combate com os nossos. Esperavam achalos
separados, e em parte onde não se podessem soccorrer; no entanto iam
devastando a provincia de Cantão.

Meado o anno de 1807 achou o nosso brigue em boa posição para atacalo.
Mandou uma divisão commandada por um de seus Capitães mais
experimentados, que o fosse combater. Commandava o nosso brigue, o
valente e destemido _Pereira Barreto_. Já nesse tempo havia adquirido
tam grande credito entre os Chinezes, que lhe chamavam o Tygre do
mar.[5] O impavido _Barreto_ tinha valor para investir com toda a
esquadra de Cam-pau-sai, quanto mais com uma de suas divisões. Assim que
a julgou ao alcance da artilheria, virou sobre ella fez-lhe fogo tão
vivo, e estrago tão grande, que todos fugiram deixando a Capitanía ás
mãos com o brigue. Vendo o forte _Barreto_, que a artilheria inimiga éra
de maior calibre, resolveu abordar o Taó[6]. Deve imaginar-se uma grande
lancha dando abordagem a uma Náo. Assim parecia o brigue junto ao Taó, e
apenas tinha um quinto da equipagem do navio inimigo. Todavia o forte
_Barreto_ dirige a sua embarcação á pôpa do Taó. Quando se lhe botavam
os arpéos lançaram os piratas uma balça de fogo dentro da prôa do
brigue, que decerto o abrazaria, se o previdente _Barreto_ não corresse
a lançala ao mar. A este tempo unem se as embarcações; _Barreto_ é o
primeiro que trépa pelo Taó acima, e tão depressa pôde firmar os pés
sobre a tolda inimiga, cantou victoria:


                _Saltando a fará só com lança e espada
                De quatro centos mouros despejada_[7]


_Barreto_ usava de espada colubrina, e manejava de sorte que dos setenta
homens, equipagem do brigue, os que poderam subir disseram, que chegando
acima, viram a tolda coberta de mutilados! Achou o nosso heroe tão
porfiada resistencia, que todos foram mortos porém nenhum vencido, ou
aprisionado. Os que pertenderam escapar aos golpes do nosso Marte irado,
lançaram-se ao mar. O seu Chefe, vendo-se perdido desceu á camara, pegou
em sua mulher pelos cabellos, cortou-lhe a cabeça com o alfange, e
sepultou-se no mar com ella.[8]

Este combate foi dado perto de Macáo; _Barreto_ conduzio immediatamente
a preza ao porto. Os macaenses e muitos estrangeiros, foram logo dar o
parabem a tão valente Capitão, e ver o navio inimigo. Ficaram
horrorisados da carnagem, porque os piratas só se rendiam com a morte.
Haviam seculos, que já se não faziam d'estas proezas; e até nos parecia
impossivel, que no tempo de Camões, D. Lourenço de Almeida fosse
bastante para debellar em uma Náo da Méca quatro centos mouros. Mas
ainda em nossos dias mostra o entendimento supremo, que um portuguez só
com seu braço é sufficiente para destruir em um Taó mais de 300
Chinezes.

Esta verdade precisa quasi de tanto valor para escrevela, como para
obrala, ainda sendo evidente ao escriptor; mas é qualificada pelos
habitantes de uma cidade, onde residiam subditos de varias nações. Já o
nosso Diniz cantou as victorias de outro Barreto; justo é que tão divino
estro sirva para immortalisar os dois.


             _Lavremos pois, oh! Musa, á gran memoria
             Com argivo buril padrão sagrado:
                   Morda-se o tempo irado,
             Que ella eterna fará a clara historia
             Alma que atraz da fama immenso espaço
                   Corre, veja em meus hymnos
             Que em vão não sua bellicoso braço._[9]


Por feito tão assombroso ficou Macáo em socego. Os piratas retiraram-se
para longe, mas sempre fazendo estrago em tudo que podiam vencer. A
esquadra imperial com a noticia d'esta victoria animou-se a sair de
Cantão e aproximar-se de Macáo, cruzeiro que ella já não ousava fazer
com receio dos piratas. A brilhante proeza do invicto _Barreto_ fez
desapparecer das ilhas da China aquella praga devastadora: por
consequencia o Governo de Macáo mandou recolher as suas embarcações.

Sabendo-se na China, que o Sr. D. João VI tinha deixado Portugal para
reinar no Brazil; lembraram-se os macaenses de mandar cumprimentar o Rei
dos Lusos nas suas possessões do polo antarctico. Apromptaram o navio
Ulises, nomeando para ir saudar El-Rei, pelo Senado, ao honrado cidadão
Antonio Joaquim de Oliveira Matos; e deram o commando da embarcação ao
denodado _Barreto_. Destinando-se aquella enviatura a obsequiar o Chefe
dos Lusos, pensaram não ser pequeno mimo fazer-lhe conhecer quem tanto
honrava o nome portuguez. Foi o nosso heroe recebido no Brazil, quasi da
mesma sorte que os Dias, e os Gamas, recolhendo-se de suas trabalhosas
viagens, eram recebidos pelos antigos reis portuguezes. O Sr. D. João VI
o elevou de primeiro Tenente a Capitão de Fragata: Premiou os macaenses:
deu-lhes distinctivos, que foram assaz estimados, talvez por se
esquecerem das altas virtudes de seus maiores, que os despresavam por
bons costumes.

Affastado Cam-Pau-Sai de Macáo por temer os portuguezes, não esfriou em
sua empreza. Começou então a proclamar a todos os do seu partido a
tyrannica oppressão, que sofria o imperio, por consentirem no thorono a
intrusa dinastia barbara. Demonstrou-lhe quão facil éra depôr aquella,
restabelecer a Chineza, e fazer a cada um dos seus regulo do imperio.
Tal pericia desenvolveu na piratagem, e na persuasão, que já os seus não
duvidavam ser elle o unico capaz de restaurar a dignidade da Patria.

Andavam assim de animo affeito á guerra, quando tiveram a feliz noticia,
de já não existir em Macáo o _tygre do mar_. Voaram como bando de Açores
famintos a devorar tudo quanto podiam encontrar pelas ilhas visinhas de
Macáo. Não esperando o Almirante Chinez aquelle infausto encontro,
cruzava afoito na bocca do Tyre. Assim que foi descoberto por
Cam-pau-sai, carregou sobre elle. Uma divisão imperial de 28 navios de
15 a 20 peças cada um, que não fugio para fazer-lhe frente, ficou
prisioneira. Soberbo com essa victoria, começou de novo a investir as
embarcações da Europa, e as macaenses. Nesta epoca alguns navios
Americanos se poderam escapar ao abrigo das nossas fortalezas.

Recolhendo-se de Goa o brigue do _Botelho_, Capitão Manoel José Vianna,
foi visto dos piratas; carregaram sobre elle; mas acharam tão grande
resistencia naquelle esforçado Capitão, que restando apenas seis homens
da sua equipagem, com elles fazia grande estrago ao inimigo. Com tudo o
fogo abrandou, pelo cansaço; mas vendo Apautai, que não arreavam
bandeira, mandou abordalos. O impavido Vianna ao ver-se rodeado de
torres ambulantes e coberto de lanças, longe de esmorecer, tomou em sua
alma o espirito de Duarte Pacheco; e á imitação dos nossos _Barretos_,
quantos inimigos lhe saltavam na sua embarcação, tantos a sua espada
lançava no abysmo. Os Chinezes espantados já não o julgavam homem, mas
sim algum ente superior á especie humana. Parecia invulneravel! Com tudo
morreu no combate. Mas como? Cançado de matar piratas.


                     _Cem paráos torreados,
               Donde por boccas mil brota Mavorte;
                     Entre horrorosos brados_

               _Em fogo, em fumo, em sangue envolta a morte
               Zarguchos, flexas, que em chuveiro voam._[10]


Tal foi o combate supportado pelo Magnanimo Vianna. Com a sua morte
ganharam os piratas tal audacia, que tiveram a ousadia de passar com o
navio prisioneiro, e com a bandeira de rasto, á vista de Macáo. A
sensação que fez esse triste espectaculo nos moradores daquella cidade é
inexplicavel. Juraram não só retomar a sua embarcação, mas tambem dar
aos piratas o castigo merecido. Os navios que então se achavam no porto
capazes de tal empreza, eram o brigue do _Senado_, e o navio Belisario.
O brigue achava-se desarmado, e desaparelhado, assim como o Belisario.

Seriam nove horas da manhã, quando se avistou o navio apresado; e antes
de anoitecer já os nossos iam no alcance da esquadra inimiga! Como foi
possivel obrar tanto em tão pouco tempo? Tudo se deveu á generosidade
dos macaenses, e ao estimulo dado pelo incançavel Arriaga. Este digno
Ministro, honra dos togados, e columna forte da gloria nacional, não se
limitou a ser o primeiro em votar, e concorrer com meios para o
desempenho desta empreza. Pesando a importancia da cidade, e o perigo em
que ella se achava, resolveu sobre sua defeza penhorar todas as forças
sem perdoar as despezas, diligencias ou perigos. Foi com seus braços dar
exemplo aos macaenses mais distinctos, que todos trabalharam na
promptificação dos navios.

Era este varão entre os macaenses bem similhante á alma dos estoicos,
espalhada pelo universo. Estava em toda a parte. Seria preciso
eloquencia extremada e presencear todos os seus illustres feitos, para
elogiar as altas qualidades deste preclaro varão: sem isso não é
possivel apparecerem tão brilhantes como foram praticados.

Por não haver então em Macáo Official de mar, que se julgasse dextro na
politica, ainda que todos sobrepujavam, no valor, deu-se o commando em
chefe ao Capitão de artilheria José Pinto Alcoforado de Azevedo e Sousa.
Sustentou este invicto heroe, em toda a lucta contra os piratas, a
dignidade portugueza de modo, que bem se parecia com o primeiro Capitão
Lusitano, que aportou naquelle imperio.[Nota 2^a] Theotonio da Silva
Braga, commandava o navio Belisario. Caío tão grande tufão na noite
seguinte ao dia em que saíram os navios, que se julgava telos
submergido.

Ao amanhecer subirão os montes, sobranceiros á cidade, anciosos por ver
seus campeões; avistaram o brigue do _Botelho_, que tendo surgido em
Lantáo prisioneiro, e ficando-lhe abordo os portuguezes restantes do
combate, assim que o tufão soprou do Oriente, cortaram as amarras e
vieram encalhar na Taipa. Os macaenses exultaram com este successo, e
muito mais por avistarem o brigue, e o Belisario, que pela grande
pericia de seus officiaes tinha escapado á furia do tufão.

Havia tambem uma lorcha armada em guerra[11] commandada por Antonio José
Gonçalves Caroxa: mancebo activo e destemido. Era commando de difficil
desempenho; por ser a embarcação conductora dos viveres para os nossos,
levados por entre os inimigos em frequentes combates. A força da lorcha
constava de quatro pedreiros, um obuz de doze, e trinta homens de
tripulação. Algumas vezes aconteceu estar encorporada aos nossos navios,
quando batiam os piratas. Se o acaso permittia accalmar o vento, nessas
occasiões fazia o nosso Caroxa maravilhas extremadas.

Desejava Cam-pau-sai encontralo, onde não podessem defendelo os nossos,
para mais a salvo descarregar sobre elle seu poder, e seu odio. Teve
quem lhe desse dia certo em que a lorcha havia passar por logar, onde
Cam-pau-sai podia satisfazer seus desejos. Amanheceu o dia aprasado, e o
novo _Aquilles Lusitano_ chegou ao passo, que bem pode nomear-se
Cabalão[12]. Achou-o coberto de inimigos: mas julgando urgente o
desempenho da sua commissão, tentou abrir caminho. Ainda que a sua
tripolação era toda de Chinezes, tinha a sua disciplina: julgou que isso
bastava.

Os inimigos tentaram rodealo; mas o intrepido Caroxa lançou mãos ao
obuz, e como o reparo era de pião, jogava para todos os lados. Aos que
se lhe aproximavam cortava-os com metralha; e aos que estavam mais longe
passava-os com balas. Mas os navios inimigos eram tantos, que mal podia
desbaratar a todos os que lhe vinham ao alcance. Com tudo apezar de ver
a maior parte da tripolação morta, não esfriava no empenho de vencer.
Não usava render-se, nem fugir; cada vez mais afouto pertendia
desembaraçar o passo. Mas os restantes da tripolação vendo passar-lhe as
ballas pelo vestido, sem lhe offender o corpo, e irem matar os seus
companheiros; por que não lhes succedesse o mesmo, ousaram lançar-se a
elle, e amarralo de pés e mãos. Segurando assim o homem, que lhes
parecia invulneravel, fugiram para a cidade, onde o entregáram cheios de
espanto e de temor, dando por desculpa do seu arrojo, o muito que
apreciavam a existencia do seu commandante.

Os macaenses receberam o destemido Caroxa com estimação digna dos
importantes serviços, que lhes fazia, e do valor com que se
immortalisava. Mas o conselheiro Arriaga sobresaía a todos. Tinha
maneiras singulares para introduzir heroismo nos homens, que destinava a
emprezas arriscadas. O sentimento lugubre, que mostrava pela morte de um
marinheiro habil, ou o elogio feito a outro que se distinguia, dava a
todos cobiça de se verem acatados e elogiados por elle. Nesta occasião
um abraço dado no Caroxa, em nome da patria fortaleceu a alma deste
Lusitano de modo, que só elle em sua lorcha, com outra equipagem, se
julgava sufficiente para arrostar com todos os piratas.

Em verdade, onde as leis são respeitadas, a sociedade é livre: e os
homens serão livres em toda a parte, que houver governo justo como era
então o de Macáo. Longe de envejar a seus concidadãos as vantagens,
grangiadas por sua industria, cuidava com muito desvelo em augmenta-las.
Não só deixava de opprimilos; mas assegurava a sua liberdade; bem
precioso ao homem, e necessario á sua ventura; tão distante da licença
perigosa, como da humiliação servil. O governo providente apenas liga as
mãos aos homens para não se offenderem; mas deixa-os trabalhar sem
obstaculo para a sua felicidade; sabe que a ignorancia não só deslumbra
os homens mas tambem os faz pusillanimes e desgraçados: a razão e a
liberdade melhoram o coração e os faz virtuosos e resolutos.

Arriaga sabia que a justa destribuição dos premios e das penas é a
melhor acção do governo sobre o povo: servio-se destas principaes molas
do coração humano, para animar a virtude e o merito; e obrigar o
interesse particular a promover o interesse publico. O certo é que a
virtude desapparece, quando o vicio é honrado. Algumas vezes lhe ouvi eu
que os favores dados á incapacidade, são roubos feitos ao merecimento; e
as recompensas dadas a quem bem serve a patria são dividas, que o
governo paga por ella. Fui testimunha das bençãos, que lhe lançavam os
macaenses pelo muito que se occupava da sua ventura.--Fazia do
merecimento dos homens estimação tão justa, que nem á conveniencia, nem
ao estado ficava devedor: virtude nos principes difficultosa, e nos
ministros rara[13].

Os temerarios, que tinham amarrado o invicto Caroxa, foram excluidos do
serviço portuguez. Tomou nova tripolação e continuou a destruir os
piratas. Cam-pau-sai vio constantemente frustradas, quantas diligencias
fez para o tomar.

Logo que amainou o tufão, partiram os nossos em procura do inimigo.
Acharam reunidas as esquadras de Cam-pau-sai, e Apau-tai, nos canaes de
Wam-poo, em 15 de Septembro de 1809. Assim que avistaram os navios
Macaenses, suspenderam, mas os nossos carregaram sobre elles.
Cam-pau-sai empenhou-se no combate; fez entrar nelle os seus melhores
navios: mas o fogo violento das nossas embarcações fazia-lhe tal
estrago, que saindo elles do alcance da nossa artilheria, poucas ficavam
em estado de entrar segunda vez no fogo. Com tudo cevados de raiva, e
avidos de gloria, a fim de illudir os povos do seu partido, ainda bem
uns não se tinham retirado, já outros tomavam o logar vago. Não sendo o
Belisario construido para guerra tão violenta, abrio com o impulso da
artilheria; tornou-se incapaz de combater: retirou-se. O invito
Alcoforado não podendo vencer força tão superior tambem se retirou, mas
deixou em cinzas muitas embarcações inimigas.

É sempre a guerra origem fecunda de calamidades, vexames, e ruinas para
os povos. Appareceu na China o torbulento Cam-pau-sai, para estrago de
seus moradores, e vexação dos macaenses. É evidente, que o conquistador,
não é só inimigo dos povos, onde recruta; mas tambem se torna flagello
do genero humano. Sim a guerra sobrecarrega os povos de impostos, e
raras vezes o tumulto dos combates deixa ouvir as supplicas da
justiça.[14]

Os macaenses tiveram nesta occasião motivo para julgar quão forte éra o
inimigo: e Cam-pau-sai a ufania de fazer retirar dois navios
portuguezes.

Apezar da perda que sofreu, ficou mais altivo, e mais assolador. Exaltou
o espirito dos Chinezes de modo, que se levantaram em Cantão partidos de
descontentes. O Suntó prevendo a ruina, que ameaçava o Imperio, tratou
com o Governo de Macáo para reforçar a esquadra portugueza, e junta com
a Chineza cruzar nos mares daquellas ilhas, afim de livrar o commercio
das duas cidades, e portos contiguos. O Governo macaense testimunha do
vexame em que se achavam os moradores da cidade, e dos gastos que tinham
feito em guerra tão dilatada, mal podia convencionar com os Chinezes,
por ser a empreza mui dispendiosa. Com tudo o magnanimo Arriaga, a quem
nada parecia impossivel decidio o Governo macaense a tratar com o de
Cantão, e fez-se a convenção seguinte:[15]

O Governo das duas provincias de Cantão e Quang-si, e o de Macáo,
igualmente convencidos da precisão, que tem de pôr fim ás invasões dos
piratas (os quaes sem temor infestam os mares, que cercam estas duas
cidades) de restituirem a publica tranquillidade, e as relações
commerciaes, formarão uma guarda costa, combinando a força dos dois
governos: para esse fim nomearam os seus plenipotenciarios: Cantão, os
mandarins de Nam-hay, Shon-key-chi, de Hiang-sam, Pom, e o da Caza
branca, Chu: Macáo ao Conselheiro Arriaga, e ao Procurador do Senado,
José Joaquim de Barros; os quaes depois de terem respectivamente
communicado os seus plenos poderes, e discutido a materia, concluiram e
ajustaram os artigos seguintes:

1.^o Haverá uma guarda costa, de seis navios portuguezes, conbinada com
uma esquadra imperial; cruzará seis mezes, desde a bocca do tygre á
cidade de Macáo, a fim de embaraçar que os piratas não entrem nos
canaes, que até agora tem infestado.

2.^o O Governo chinez obriga-se a contribuir com oitenta mil taés para
ajudar o armamento dos navios portuguezes.

3.^o O Governo de Macáo fará logo cruzar os dois navios, que tem
armados, e apromptará com brevidade os quatro restantes.

4.^o Ambos os Governos devem ajudar-se em tudo o que for a bem do
cruzeiro, o qual não se estenderá além dos pontos determinados.

5.^o As presas seram repartidas entre os dois Governos.

6.^o Quando a expedição finalisar serão restituidos aos macaenses os
seus antigos privilegios.

7.^o As partes contractantes obrigam-se a cumprir tudo quanto se
estipulou nos mencionados artigos sem alterar cousa alguma, e a
consideralos como ratificados em virtude de seus plenos poderes. Macáo
23 de Novembro de 1809.


                      Shou-Key-chi.--Arriaga.

                        Pom.--Chu--Barros.


O governo de Macáo observou logo o 3.^o artigo. Arriaga entrou a
promover os aprestos dos navios restantes, mas o thesouro do Senado não
podia suprir a tão grandes despesas. Arriaga tomou de seus amigos
grandes sommas sobre o seu credito: então era valor de sobejo para os
negociantes, que lhe offereceram quanto possuiam[16].

Havia na cidade pouca gente para tripolar os navios se não suprissem os
prodigios obrados pela gente portugueza.


               _.....Tornando frio
               De espanto o ardor immenso do oriente,
               Que verá tanto obrar tão pouca gente._


Mojatecão, observando e experimentando o valor dos portuguezes em Diu,
exclamou:--São dignos de que os sirvam as outras gentes. A fortuna do
mundo está em serem poucos.--Em verdade com cem portuguezes, e sete
centos manillas e cambojas, se fez á véla a esquadra (seis dias depois
da convenção) levando por chefe o destemido Alcoforado, na galera
inconquistavel. Luiz Carlos de Miranda commandava a Pala, Anacleto José
da Silva o Indiano, Antonio José Gonçalves Caroxa, o brigue do Senado,
José Felis dos Remedios o navio S. Miguel, José Alves o Belisario. Nesse
mesmo dia attacáram e dispersaram os piratas, que se retiraram para mais
longe de Macáo.

O governo de Cantão, não foi activo como o dos macaenses; além disso a
esquadra chineza nem uma só vez chegou a auxiliar os nossos. Tanto medo
tinham de Cam-pau-sai, que nem ao lado dos portuguezes se atreviam
acommettelo. O governo de Macáo vendo assombrada toda a provincia de
Cantão, pelo grande vulto, que faziam os piratas, resolveu despresar os
soccorros da esquadra imperial, e anniquilar só o grande poder de
Cam-pau-sai. Mandou pelo chefe Alcoforado intimar-lhe, que se entregasse
á obediencia do imperador, promettendo-lhe perdão, e gráo superior na
classe mandarina.

Entraram os chefes am correspondencia: o nosso pedia ao dos piratas, que
viesse a Macáo para tractarem de convenção amigavel: declarando-lhe, que
se não conviesse com elle, poria em acção todos os recursos da guerra, e
não descançaria sem exterminalo.

Campau-sai, respondeu:--Tenho presente a vossa carta: não me assusta.
Desejo fazer a paz com os portuguezes, com tanto que não entendam
comigo. Quanto a submetter-me ao imperador, jámais o farei, ainda que me
assegureis e digais o que quizerdes. Sô não terei duvida no que tenho
acima dito. Quando abraceis esse partido, podeis retirar-vos para Macáo,
e mandai-mo dizer para não entender com os vasos portuguezes. Esta
resposta de Cam-pau-sai, firmada no dia 18 de Dezembro de 1809, foi
moderada em razão de ter sido atacado e batido pelos nossos em 11 do
mesmo mez.

Em quanto estas cousas se passavam entre Alcoforado e Cam-pau-sai, deu o
imperador amnistia a todos os piratas, que se lhe entregassem. Apau-tai
receando o valor dos nossos, julgou conveniente entregar-se. Concordou
com os principaes da sua divisão: rendeu-se com cento e trinta
embarcações bem equipadas de homens e de armas.

Trahido Cam-pau-sai pelo amigo, que mais estimava, ficou magoado por ver
a pouca perseverança dos homens, ainda mesmo os que tem as mais intimas
relações de interesse, parentesco e amisade; mas era tal o seu animo,
que nenhuma desgraça o intimidava. Mais atrevido ainda mandou apromptar
a esquadra do seu commando a fim de concluir seus designios.

Alcoforado aproveitou-se da cobardia de Apau-tai, attacou, e fez retirar
Cam-pau-sai. Logo depois mandou-lhe dizer, que assim como Apau-tai, o
havia abandonado, assim o fariam os outros seus companheiros; e
diminuidas assim as suas forças seria obrigado a entregar-se
prisioneiro: que era melhor capitular já, alcançando honra e interesse,
como lhe tinha promettido e affiançado. A esta segunda instancia
respondeu Cam-pau-sai pelo modo seguinte.

Hontem recebi uma carta vossa mui persuasiva: conheço o desejo que
tendes de me ver em Macáo: fico-vos agradecido por tão singular obsequio
e estimação.

Estando sobre os mares, como no centro de um reino, no qual empunho o
sceptro do poder, e governança para todos os que me obedecem, vivo muito
occupado. Não é simples negocio o governo de um reino: eis o motivo por
que não cumpro o vosso desejo.

Agora todo o meu empenho é restaurar e possuir as terras deste orbe:
assim ficarão completos os meus desejos. Digo-vos ingenuamente este é o
fim a que me proponho. Tenho muitas embarcações, e mantimentos para
longo tempo: nada me falta. Vendo que me estimaes, por isso vos dou a
conhecer o meu projecto.

Se quizerdes emprestar-me quatro navios para fazer com elles o que me
aprouver, mais depressa restaurarei o imperio. Depois dar-vos-ei duas o
tres provincias a vosso contento. Asseguro-vos a fidelidade da minha
promessa. Se não podeis agora mandar-me os navios seja quando vos
convier.

Ha muitas pessoas, que me aconselham para render vassalagem a um
tartaro! São exortações baldadas. Possuindo esta esquadra com a divisa
da bandeira vermelha, farei com ella os maiores esforços para restaurar
o imperio. Já mandei apromptar a minha esquadra, para se dirigir á bocca
do rio tygre; a fim de bater os imperiaes. Tenho outros assumptos a
communicar-vos, porém agora não o posso fazer. Basta o conteudo desta,
para viveres na intelligencia do meu firme proposito. Dezembro 26, de
1809.

Desenganado Alcoforado de que não conseguia a entrega dos piratas sem
fusão de sangue, começou de novo a batelos. Os nossos estavam já tão
praticos nos canaes das ilhas da China, que os piratas apenas lhe
escapavam nos pequenos rios, onde os nossos vasos não podiam entrar.
Cam-pau-sai usou entreter as embarcações portuguezas com alguns Taós, em
quanto a dextrava os seus no exercicio da artilharia, tomando por
mestres os americanos inglezes, que tinham aprisionado.

Era tão sagaz e ardiloso, que nos encobria seus planos com extranho
recato. Em 21 de Janeiro de 1810, julgou-se em estado de poder vencer a
frota macaense. Pairava esta junto á ilha de Lantáo, quando entraram a
levantar do oriente os piratas alinhados em divisões. Nesta occasião
obrou o invicto Alcoforado tão grandes prodigios, que só poderam ser
cantados antes, pelo nosso Diniz.


              _A fiel ave, que arma vigilante
                    O grão furor a Jove.
              Quando sobre os mortaes os raios chove
                    A dextra coruscante,
              Tão rapida ao rebanho temeroso
              Não cala, a garra abrindo, das estrellas,
                   Como o varão famoso
                   Sobre as immensas velas
                   Cahe de grande ira armado
                   Treçando denodado
              A féra espada, e torna em seu estrago
              O azul oceano em roxo lago._[17]


Considere-se uma lagôa com seis leguas de diametro, semeada de ilhas e
syrtes, onde apenas Galerno encrepava a superficie das aguas. A esquadra
portugueza constando de seis navios, sendo o maior de quatro centas
tonelladas, e o mais pequeno de 120: guarnecidos todos com 120 peças de
artilheria; e 700 homens. A esquadra inimiga, de 300 vasos, com mil e
quinhentas peças de artilheria, e mais de 20:000 homens aguerridos,
commandados por chefe valoroso e desesperado. Neste conflicto o famoso
Alcoforado, treçando denodado a féra espada mandou atacar. Foi sentelha
electrica lançada no coração dos seus companheiros. Dirigiram-se os
nossos á vanguarda das columnas inimigas despresando suas hostilidades
até chegar a tiro de espingarda. Nessa distancia uma descarga de
metralha punha em fugida o navio, que a soffria. Alguns mais destemidos
arribavam para sotavento afim de metter os nossos entre dois fogos;
manobra que estes concertavam para lançar-lhes a morte por todos os
lados. O fumo mal lhes dixava vêr as embarcações portuguezas, cercadas
pelas suas. O astuto e bravo pirata, julgava que dividindo os nossos
poderia destruilos; e o chefe portuguez julgando ter Marte em cada um de
seus companheiros quiz dar a todos motivo para demonstrarem a sua
pericia e desmedido valor. Ficaram deste modo os navios macaenses no
centro de cada circulo dos piratas: assim os raios despedidos do centro
levavam á circumferencia o estrago, o horror, e a morte. As balas da
circumferencia, raras vezes acertavam no ponto central: qualquer
desmancho nas pontarias fazia com que empregassem as balas nos seus
mesmos companheiros. Todos os Commandantes portuguezes adqueriram fama
neste dia; mas ha acasos em uma batalha, que fazem uns mais distinctos
do que outros. O navio commandado por _Luiz Carlos de Miranda_, na maior
força do combate, deu em escôlho: Cam-pau-sai, vendo aquelle navio
encalhado, considerou-o em desordem; mandou carregar sobre elle, a ver
se podia principiar o seu triunfo por destruilo. Mas o denodado Miranda,
vendo perigos por todos os lados, resolveu debellar o inimigo, ou não
saír com vida do conflicto. Entre o valor e a desesperação (ultimo
sentimento das almas grandes), disse a seus companheiros:--Creio não
haver entre nós quem regeite a immortal gloria, que este feliz dia lhe
destina: assim faça cada um o seu dever. Mandou empregar a gente da
mareação nas baterias, e diffundindo o seu valor em toda a equipagem,
fez tão grande estrago no inimigo, que já este não tinha animo para
acommettelo. Emquanto debellava os piratas, o fluxo das aguas tirou o
navio do escôlho.

O Caroxa tambem fez cousas admiraveis. Deparou-lhe o acaso o Taó do
pagode.[Nota 3^a] Logo que assomou o deposito do erro, virou sobre elle;
e emquanto não o lançou no abismo, não descançou. O templo, os bonzos,
os idolos tudo foi submergido no orco. Esta proeza do atrevido Caroxa
lançou o espanto e o horror no espirito de todos os piratas. A vista dos
seus deuses espedaçados, e levados, á discrição das aguas, tirou-lhes de
todo o animo: apenas ousaram largar as velas todas, e por entre syrtes
foram abrigar-se na bocca do rio de Hiang-san: logar onde os nossos
vazos não podiam entrar.

Não ha cores assás vivas para demonstrar a sua confusão na fugida.
Cam-pau-sai medío então as forças macaenses ainda mais pelo valor, do
que pelo seu atrevimento. Os nossos cantaram victoria! Mas incançaveis
na destruição do inimigo, não deixaram de perseguilo até á bocca do rio.
Alli formou o previdente Alcoforado apertado bloqueio a Cam-pau-sai. Só
o deixou saír para entregar-se.

Cam-pau-sai resolveu entregar-se, mas uma das principaes condições éra
de ser Miguel de Arriaga fiador de tudo quanto se ajustasse no acto de
capitulação; e que só trataria com os imperiaes, estando elle presente.
Logo que o Governo de Macáo recebeu esta participação do chefe
Alcoforado, remetteo-a ao Suntó, e este dirigio-a ao Imperador.

Succedeu nesta occasião um facto, que muita honra faz á memoria do
generoso Arriaga. Quando se tratava da entrega dos piratas, chegou a
Macáo, um novo _Ouvidor_, e segundo a lei, Arriaga deu-lhe posse do
logar. Mas Cam-pau-sai, e os mandarins, logo que o souberam avisaram o
Governo de Macáo, não poderem entrar naquella negociação com o Ouvidor
novo, mas sim com o antigo; já por saber este melhor daquelle negocio,
já porque só com elle Cam-pau-sai capitularia. O Senado e todos os
macaenses desejavam o mesmo; pois éra publica a grande reputação, que
Arriaga havia entre os Chinezes. Foi completa a vontade geral; e é só em
táes occasiões, que padecendo a lei exultam os povos. O Ouvidor Peixoto
começou no exercicio das suas funções: mas o famoso Arriaga continuou a
tractar deste importante negocio.

Em quanto os nossos bloqueavam a esquadra inimiga, e Arriaga ajustava a
capitulação com os mandarins, aconteceu outro facto, que muito honra a
memoria do invicto Alcoforado. Logo que a frota portugueza saío de
Macáo, convidou elle o chefe dos piratas para entrar em Macáo, e tractar
alli da sua capitulação: mas Cam-pau-sai confiado em suas forças
respondeu pela negativa como fica dito. Agora vendo-se obrigado a fazer
o que então recusou, pedio ao nosso Alcoforado a mercê de honralo com
uma visita para ter o gosto de o conhecer pessoalmente.

Alcoforado mandou apromptar um escaler para satisfazer Cam-pau-sai mas
os seus espozeram-lhe ser grande temeridade entregar-se a um pirata.
Esta lembrança foi acompanhada da responsabilidade, e isso obrigou
Alcoforado a chamar os commandantes das mais embarcações,
communicou-lhes o convite de Cam-pau-sai, e a deliberação, que havia
tomado. Todos acordaram com os Officiaes do seu navio, menos elle, que
fallou da maneira seguinte.--Grande é meu contentamento por ver o
empenho, que fazeis para não me arriscar nesta visita; seja por
estimardes a minha existencia, ou por julgardes em mim algum prestimo.
Confesso-vos, que tão grande é o vosso empenho, quanto mais firme se
torna a minha resolução: já porque recusando este convite ficará mui
cerceada a nossa reputação já porque seria o primeiro signal de fraqueza
da esquadra Macaense: se for traída a minha boa fé, tereis novo
incentivo para anniquilardes o inimigo vingando-me. Asseguro-vos que
vendo-me Cam-pau-sai, em seu navio, de coração socegado e alma firme,
tremerá de vós--Todos o escutavam com attenção: e ás ultimas palavras
cada um desejava ser Alcoforado: Mas a gloria de sacrificar-se pela
honra da Patria, e pela humanidade, só a ella pertencia, naquella
occasião. Despedio-se e partio para a esquadra inimiga. Assim que passou
a primeira embarcação da vanguada[Nota 4^a]:


               _Sonorosas trombetas incitavam
               Os animos alegres resonando:
               Dos_ Chinas _os bateis o mar coalhavam,
               Os toldos pelas aguas arrojando.
               As bombardas horrisonas bramavam
               Com as nuves de fumo o sol toldando._[18]


Ao chegar Alcoforado ao navio de Cam-pau-sai, veio este recebelo ao
portaló, e o conduzio pela mão á camara. Alli trocáram as mais apuradas
civilidades. Cam-pau-sai, estudando o modo de obsequiar o nosso heroe,
não achou outro mais capaz de lisongear a sua alma, do que offerecer-lhe
pela honra, que lhe tinha feito, a liberdade de todos os prisioneiros
europeos, que tinha em sua esquadra. O presente foi recebido com
demonstrações proprias de captivar o offerente pelas cadêas da amizade.
Cam-pau-sai assegurou-lhe, ser então o seu maior empenho não o ter por
inimigo; pois havia experimentado o valor dos portuguezes.

Demonstrou, que arriscando uma batalha, poderia ter a vantagem de saír
do bloqueio com as embarcações mais veleiras, para onde não podessemos
incommodalo; porém que a honra daquella visita o tinha penhorado de
modo, que estava resolvido a entregar-se com toda a esquadra; vista a
promessa que lhe fizera o ministro Arriaga, de quem formava alto
conceito, e a quem de boa vontade se rendia.

Alcoforado afiançou a promessa do ministro, mostrando-se pesaroso em não
depender só delle a capitulação para em tudo a fazer a contento de
Cam-pau-sai. Disse mais:--como chefe da esquadra macaense, tenho ordem
para destruir a vossa, se tentardes saír daqui: e serei obrigado a
fazelo por ser usança portugueza romper as linhas da amizade, quando
assim o urgem as precisões do estado. Espero de vós não ter occasião
para rompelas. Assim o prometteu Cam-pau-sai; e o nosso Alcoforado,
levantou-se:

Lembrai-vos de como se despedio Luiz XI, quando visitou o nosso Affonso
V;[19] ajuntai-lhe os requintes das ceremonias asiaticas, e julgai da
separação destes guerreiros; não querendo ceder um ao outro a primasia
em affectos delicados. Com tudo não pôde Alcoforado impedir a
Cam-pau-sai, de acompanhalo até ao escaler em que partio para a sua
frota. Ao entrar nella salvaram todos os navios, e os marinheiros
subiram ás vergas para todos a um tempo lhe darem os emboras.

Em quanto os chefes se visitavam cuidava-se em Macáo; no ponto, onde se
faria a entrega da esquadra inimiga, visto ser da vontade de
Cam-pau-sai, entregala aos portuguezes. Lucas José de Alvarenga,
governador militar daquella cidade, obstou a que os macaences tivessem
mais esse dia de triunfo. Temeu gente, que estremecia só de ouvir fallar
das façanhas portuguezas[20]. Assim foi Arriaga obrigado a concluir este
importante negocio fóra de Macáo.

Avisou os mondarins, _Chu_, e _Pom_, que viessem ao pagode[21]:
ajustaram alli, que o logar do congresso seria na villa de Hiang-san e
fizeram aviso aos delegados do imperador para se acharem alli em dia
aprazado. Juntaram-se os mandarins do destricto, os mandarins da côrte,
e o nosso Arriaga, que foi recebido entre elles com singular distincção.

Já o congresso deliberava sobre a capitulação, quando chegou de Macáo a
relação do que se tinha passado entre os chefes das esquadras. A ousadia
do atrevido Alcoforado não só penhorou Cam-pau-sai, mas tambem os
mandarins, que pasmados do que ouviam, ficaram por algum tempo notando o
gesto e maneiras com que o magnanimo Arriaga captivava as suas vontades.

Tornando o congresso de novo os seus trabalhos, caminhou o negocio com
mais rapidez; pois dalli em diante estavam os mandarins quasi sempre de
accordo com o nosso ministro. Convieram em mandar a Cam-pau-sai, que
viesse com sua esquadra para Chumpin, onde elles se deviam tambem
reunir: e ordenaram ao chefe Alcoforado, que levantasse o bloqueio. As
ordens foram derigidas a Cam-pau-sai, em direitura, e a José Pinto
Alcoforado, pelo governador de Macáo: homem pouco experiente dos
costumes chinezes, e cobarde, por isso demorou a ordem do congresso. No
dia seguinte recebendo Cam-pau-sai, a que lhe fora dirigida, levantou
ancora e principiou a velejar para fora. Alcoforado, ignorando as ordens
do congresso, e vendo a esquadra inimiga em movimento, mandou suspender
a sua, e manobrar de modo hostil. Cam-pau-sai, percebeu logo haver
desintelligencia: ordenou á sua frota, que amainasse e surgisse.
Sabendo-se no congresso da imprudencia do timido Alvarenga, dirigio-se
Arriaga a Macáo para animalo, e os delegados do imperador tomaram a
resolução de ir á esquadra portugueza certificar ao chefe o que se tinha
tractado com o ministro.

Assim que o nosso Alcaforado vio em sua embarcação dois chinezes de
cabaias amarellas, conheceu a gerarquia dos hospedes; por ser côr
privativa da familia imperial. Tractou-os com a cortezia devida á
civilidade chineza. Rogaram ao chefe portuguez, não compromettesse a
palavra de Arriaga, nem a delles, para com o chefe dos piratas, a quem
tinham mandado dizer, que velejasse para Chumpin, e a elle Alcaforado,
que o deixasse saír; que a inexperiencia do governador, não devia
embaraçar a execução dos poderes dados pelo Senado ao ministro Arriaga.

Alcoforado respondeu:--aprecío muito a honra, que me fazeis--e desejo,
ainda mais, ser-vos util: porém as leis militares entre nós executam-se
sem discrepancia. Tenho ordem do governo para bater a esquadra inimiga,
se tentar saír, em quanto não houver outra em contrario, não posso
deixar de fazelo.

Os mandarins tornaram-lhe:--Homem recto e valoroso, conhecemos os
serviços que tens feito ao imperio, e á tua nação: não offusques essa
gloria deixando outra vez as costas da China cobertas de piratas.
Cam-pau-sai ainda tem grandes recursos: não o irrites. Grande parte da
provincia de Chin-cheu segue o seu partido: sabes que é povoada de
homens marcantes, robustos, e denodados; a gente creada sobre as ondas é
audaz, e ardilosa; em pouco tempo equiparão outra esquadra para
obrigar-te a levantar o bloqueio; assim apezar do teu valor, e do
esforço macaense, teremos guerra eterna. Pedimos-te, pelo que mais
estimas, modefiques as ordens que tens, a fim de Cam-pau-sai não
desconfiar da nossa palavra.--Nesta occasião chegou a ordem de Macáo,
por diligencia de Arriaga, para Alcoforado levantar o bloqueio, e seguir
Cam-pau-sai para Chumpin. Mui contentes ficaram os mandarins: partiram
satisfeitos para o logar do congresso, onde já acharam o nosso Arriaga.
Mandou-se nova ordem a Cam-pau-sai; no dia immediato surgio no logar
aprazado.

Mandou-se a bordo cumprimentar o chefe dos piratas, e convida-lo a
entrar no congresso, onde devia firmar a sua capitulação. Promptamente
chegou: ao entrar na salla dos congregados, conheceu por vestiario e
gesto, o nosso ministro: dirigio-se a elle e fallou desta maneira.

Grandes motivos me fazem render e tractar comvosco da minha capitulação,
para entrar na classe dos Coláos, como mo promettestes pelo imperador.
Mas confesso-vos, que o principal foi conhecer o fulcro da lavanca
destruidora do meu poder. Já vos vi: estou satisfeito. Devo muito á
natureza, e á minha assidua applicação; mas em tudo me acho vencido por
vós.--E virando-se para os mandarins:--Tendes por experiencia de 14
annos, quão poderoso e vigilante foi o meu sceptro: sabei agora da minha
bocca, que o valor portuguez foi quem o destruira. Aqui me tendes em
vossa presença: espero que me trateis como a homem livre, e destemido--E
tomou assento.

Disseram-lhe que para exemplo era preciso castigar alguns dos seus, que
fossem mais criminosos.--Para satisfazer a esse requisito, darei os
nomes de 14 faccinorosos, que existem na esquadra. Paguem com suas
cabeças as atrocidades que fizeram, e eu desaprovei.--Sendo este o unico
embaraço que havia, concluio-se o negocio.

Cam-pau-sai declarou ter ainda uma divisão de 80 embarcações, que antes
de vir attacar a esquadra macaense, tinha mandado para Chin-cheu receber
os tributos do anno passado; mas que por aviso seu viriam entregar-se.

Ordenadas assim as cousas principaes, tractaram da forma porque se devia
repartir a preza; visto são ser o artigo 1.^o da convenção preenchido
pelo Governo Chinez; e ter só a esquadra macaense reduzido Cam-pau-sai a
capitular.

Já o Ministro Arriaga tinha mostrado aos Chinezes, quão valoroso e
sensivel éra o seu coração; mas então quiz mostrar-lhe quanto éra
liberal. De tudo quanto existia na esquadra de Cam-pau-sai, exigio a
melhor parte das bombardas: tudo o mais deixou á disposição do
Imperador. Os companheiros de Cam-pau-sai ficaram cidadãos chinezes;
elle Coláo do Imperio; e as cabeças dos 14 criminosos, para exemplo dos
malevolos, foram espetadas em paos no istmo que devide, a cidade, da
ilha de Macáo, onde ficaram até serem consumidas pelo tempo.

Concluida a capitulação, disse Cam-pau-sai, ao Conselheiro
Arriaga:--Ainda tenho um favor a pedir-vos. Pertendo ir a Macáo, se me
concederes licença, para ter o gosto de ver todos os meus vencedores--O
Ministro agradeceu: e dissolveu-se o congresso, saindo todos os seus
membros cheios de alegria e admiração: Arriaga, da inexplicavel
civilidade e sciencia dos mandarins da côrte, ou coláos! Cam-pau-sai, da
pessoa, e do espirito de Arriaga! Os coláos! de Cam-pau-sai, e de
Arriaga! Tudo lhe parecia prodigioso. Mal podiam capacitar-se de ver
livre o imperio do flagelo, que o tinha assolado em 14 annos continuos.

Assim que Arriaga entrou na cidade, tractou do triumfo dos heroes
macaenses, que éra ao mesmo tempo o seu. A caza deste illustre varão
tinha para elles a mesma consideração, que o Capitolio para os romanos.
Não foi este triumfo tão aparatoso no exterior como os de Cesar, ou o de
D. João de Castro em Goa. Mas os corações de todos os habitantes de
Macáo exultavam de prazer até alli nunco visto nem sentido.[Nota 5^a]

Em Maio chegou a Cantão a noticia de não querer entregar-se a divisão
rebelde, despresando a ordem do seu antigo chefe. Avisou-se a
Cam-pau-sai da conducta dos piratas, e Pedio-se-lhe o desempenho da
palavra dada no acto da capitulação. Respondeu:--Rebellada a divisão a
primeira vez contra a minha ordem não devo mandar-lhe outra. Tenho
recurso mais prompto. Dai-me sessenta embarcações das que foram minhas,
deixai-mas tripolar com os que já me obedeceram; e se não trouxer os
rebeldes dou a minha cabeça. Lembro-me que podeis desconfiar da minha
palavra: deixarei em refens o que possuo de mais apreciavel; dois filhos
que me deu a natureza. Se sois pai, avaliareis a qualidade do penhor.

O Suntó: apezar das demonstrações de firmesa e honrada conducta de
Cam-pau-sai, recusou entregar-lhe a esquadra que elle pedia. Mandou
apromptar uma frota imperial de perto de duzentas embarcações, e bem
equipadas com parte dos instrumentos de guerra que tinham sido de
Cam-pau-sai. Saío esta de Cantão e foi encontrar o inimigo. Em pouco
tempo veio entrar em Macáo fugida, e derrotada pela divisão rebelde.
Chegando esta noticia a Cantão, o Suntó mandou perguntar ao Conselheiro
Arriaga, o que deveria fazer ácerca do offerecimento de
Cam-pau-sai.--Que se estivesse no seu logar, tornou Arriaga, tinha
aceitado os serviços de Cam-pau-sai, logo que elle os offereceu, sem lhe
tomar refens; pois esperava delle tudo quanto é proprio de honralo, e de
utilisar ao imperio.--

O Suntó com tal resposta, mandou entregar a Cam-pau-sai sessenta
embarcações, e tudo quanto pedio. Largou o novo Almirante de Cantão
deixando a todos em expectativa. Dirigio-se a Macáo, onde estava tudo
prompto para recebelo. Em dia assignalado foram os commandantes da nossa
esquadra[Nota 6^a] com os bons moradores da cidade a caza do Ministro
Arriaga. Ainda bem o não tinham cumprimentado, annunciou-se a entrada de
Cam-pau-sai. Foi conduzido á Sala. Acabadas as civilidades requintadas,
segundo o costume Chinez disse:--Deus immortal, estão completos os meus
ultimos desejos, vendo e abraçando heroes tão sublimados--Brilhava o
jubilo no rosto de todos vendo Marte humilhado em sua presença.--Acha-se
neste circulo o valoroso commandante da Lorcha Leão? Desejo
conhecelo--Aqui me tendes respondeu o _Caroxa_. Cam-pau-sai caminhou
para elle, abraçou-o: e virando-se para o Ministro disse:--Este homem
fez mais damno ao meu poder, do que toda a vossa esquadra. Eu fui
vencido: mas quem disputando a gloria aos portuguezes dirigidos por vós,
ficará victorioso. Cedo vos mostrarei como venço a outra gente.

--Tenho conhecido em vossas acções, disse Arriaga, que sois varão
assignalado. Agradeço-vos por todos o alto conceito, que de nós fazeis:
affirmo-vos ser o maior premio de nossas fadigas, ter-vos elevado á
ordem dos Coláos, onde fareis a ventura da vossa patria, e as delicias
do Imperador. Imitai os vossos vencedores promptos sempre a dar a vida
pela restauração da gloria nacional, pelos seus direitos, e pelos do seu
Monarca legitimo. Lembrai-vos de todas as acções que lhes vistes
praticar:[Nota 7^a]


             _E julgareis qual é mais excellente,
             Se ser do mundo rei, se de tal gente._[22]


Se a liberdade, a propriedade, e a segurança são as unicas linhas, que
prendem os homens á terra onde habitam, e ao rei; senão ha amor de
patria, onde não existem estas vantagens; julgue-se pelo amor dos
Portuguezes ao rei e á patria, das qualidades do Senhor D. João VI. Paga
o amor que lhe temos usando do seu poder, para oppôr barreiras fortes, e
dar remedio ás paixões dos subditos, sem que possamos conhecer as suas
proprias paixões.[23]



                   _Do vosso nome um grão Rei
                   Neste reino Lusitano
                   Se poz esta mesma lei:
                   Que diz o seu Pelicano
                   Pela lei, e pela grei_[24]


Em todo o tempo, que esteve em Macáo o celebre Cam-pau-sai, foi
surprendido pelas maneiras singulares com que o obsequiou o ministro
Arriaga: mas foi obrigado a saír de Macáo para em breve desempenhar a
sua commissão. Em poucos dias encontrou a divisão rebelde, a quem fez
saber que era o Almirante da esquadra imperial pela seguinte:


                            _Procclamão_.

Camaradas e amigos, sei que duvidastes da minha ordem: fizestes bem.
Lembrastes-vos sem duvida, que era falsa; ou eu ter sido obrigado pela
força a escrevela. Não: assignei-a por minha vontade. Se ainda o
duvidais, vinde ouvilo da minha bocca. Dir-vos-hei tambem os motivos,
que me fizeram render. Neste mundo ha dois caminhos a seguir, o do bem,
ou o do mal. Todos desejamos seguir o do bem, mas somos muitas vezes
lançados pelo erro em precipicios. Em outro tempo vos aconselhava eu a
seguirdes o meu partido; mas então ainda eu não havia encetado o caminho
do bem. Hoje conheço que marchava pela estrada do erro, afastado da
vontade do maior numero. O imperio tem povoação summamente grande; e o
nosso partido a seu respeito é summamente pequeno. Não podeis negar-me,
que é preciso haver desmedida ambição nos poucos, que pertendem
apossar-se do que é de muitos. Não é conforme ás leis do imperio, nem ás
do entendimento supremo. Todos devemos concorrer para a felicidade dos
outros homens; e no caminho em que andavamos deivairados, faziamos a sua
desgraça[25]. Exposta assim a verdade a vossos olhos, espero não
duvideis abraçala; e quando useis tenacidade, em vosso erro,
experimentareis pela primeira vez o meu rigor.

Os rebeldes não attenderam ás rasões de Cam-pau-sai: julgando-se
superiores em força, cresceu, a sua audacia; responderam com despreso.
Cam-pau-sai dispoz os seus de tal sorte, que dando sobre os rebeldes, em
poucas horas os que não se afundaram, ficaram prisioneiros. Navegou com
elles para Macáo; a fim de mostrar ao ministro Arriaga, e a todos os
macaenses, a verdade do que lhe havia dito.

Entrou alli a divisão rebelde em estado tão deploravel pelo estrago
soffrido no combate, que levou muitos dias a concertar para ir a Cantão.
Cam-pau-sai largando o nosso porto, dirigio-se á _bocca do tygre_. Alli
encontrou o mar cheio de embarcações, que tinham vindo para o levar em
triumfo ao Suntó. É inexplicavel o contentamento, que o povo d'aquella
cidade teve nessa occasião. O Suntó obsequiou Cam-pau-sai de modo, que
se o imperador viesse a Cantão, não haveria mais nada a fazer-lhe para
honra-lo. Dirigio á côrte tão grandes recommendações ácerca do novo
Almirante, que o imperador mandou, que fosse a Pekim, para ter o gosto
de velo.

Partio Cam-pau-sai; e foi dando interessante espectaculo a todas as
villas e cidades, por onde passava. Todos ambicionavam ver o chefe dos
piratas (que tanto havia assustado o throno e o imperio) tornado uma das
pessoas mais interessantes ao mesmo imperio. Assim que entrou na capital
foi apresentado ao imperador: teve com elle larga conversação: depois
houve conselho de estado, em que foi Cam-pau-sai um dos seus membros.
Emprego superior aos ministros de Estado.

Pode-se julgar por este facto, qual é a politica do Governo Chinez. Já
não tinha que temer no mar; com tudo premiou Cam-pau-sai, não só para
cumprir o que havia promettido, mas tambem para se approveitar dos seus
conhecimentos e qualidades relevantes.[26] É provavel, que em quanto
elle for Conselheiro de Estado, não hajam piratas nos mares da China.
Tem adquerido tão grande reputação na côrte, que não só os particulares
mas tambem o Imperador o tracta com singular distincção.

Por mais que sejam plausiveis os motivos da guerra, sempre offende:
ainda custando só a vida de um homem, assim mesmo é funesta. A estatua
do vencedor é sempre banhada de lagrimas pelos vencidos. Todavia esta
guerra foi differente. Obrigados os macaenses por _Ladrões_ a defenderem
as vidas e a fazenda, mediram as forças mais pelo valor, do que pelo
numero; atacaram e venceram. Castigando malvados, lançaram todos os mais
ao seio da patria, nos braços de seus irmãos. Em logar de pranto de
vencidos, derramaram lagrimas de prazer trocando trabalhos e miserias
por vida socegada. Nesta guerra sempre os nossos attenderam mais á
humanidade, do que á vingança: fóra do conflicto das batalhas, não
houveram crueldades.

Quando o generoso Arriaga exigio, no acto da capitulação, a melhor parte
das bombardas de Cam-pau-sai, foi com intento de presentear com ellas ao
Senhor D. João VI. Recolhendo-se a Macáo, declarou o seu projecto no
Senado que de boa vontade assentio.

Já em 1642 o senado de Macáo mandára a El-Rei D. João IV, as bombardas
tomadas aos hollandezes, para com ellas romper de todo o jugo dos
Filippes. O mesmo senado em 1811 mandou ao Senhor D. João VI, a
artilheria tomada aos piratas da China, não só para mostrar-lhe a grande
força do inimigo vencido, mas tambem para com ella debellar as falanges
de Bonaparte.

A cidade de Macáo tinha perdido muitos dos seus privilegios. Os
chinezes, esquecidos do que os nossos antepassados tinham feito em
beneficio de seus maiores, já começavam a ver os portuguezes com a mesma
indifferença, com que olhavam para os outros europeos. Mas a serie de
factos brilhantes, paraticados no espaço de cinco annos, fizeram reviver
a nossa antiga reputação naquelle imperio.


                                [Figura]



                             _Nota_ (1.^a)

Lendo a pagina 253 da relação abbreviada da viagem de La-Perouse, as
falsidades alli escriptas em desabono dos Macaenses, não posso deixar de
as repelir. Começa dizendo não ter espressões para louvar o Governador
de Macáo. A paginas 255 rompe:--De grande importancia seria Macáo a uma
nação justa, e que tivesse firmesa e dignidade, contra o Governo Chinez,
injusto, oppressor e cobarde! Alli diz que o Governador de Macáo éra
optimo, aqui o Governo Portuguez não é digno, nem justo; e o Governo
Chinez, é reputado por elle o peior do mundo!

Se La Perou-se pertendeu fallar do Governo Portuguez em relação a Macáo,
tambem não foi exacto. Que mais poderia fazer El-Rei, ou os seus
delegados, do que nomear, para governar Macáo, um homem, que segundo o
juizo do mesmo La Perouse, estava prompto a sacrificar-se pela honra da
nação? La Perouse, queria achar nos Macaenses firmesa, que desse a todos
os europeos liberdade para irem á China quebrar as leis do Imperio como
elle mesmo fez desembarcando pelles por contrabando. E atreve-se a dizer
que o Governo Chinez é injusto, oppressor e cobarde! Como se poderão
avaliar os costumes e o caracter das nações pelo juizo de taes
escriptores? A Nação Chineza é independente; não quer ter communicação
com os Europeos; renuncía a ganancia do commercio exterior pelo socego
do Imperio. Todavia Le Perou-se, e outros europeos queriam achar em
Macáo homens que fossem agriolhar em Pekim o mesmo Imperador! Vesse
nesta memoria pelos judiciosos discursos dos Mandarins, quão falsas e
injustas são as invectivas de La Perouse contra os Chinezes e Macaenses.


                             _Nota_ (2.^a)

Quando louvo Fernão Peres de Andrade e outros navegadores e guerreiros,
tomo por base a justiça e as suas virtudes. Jámais escreveria este
opusculo, se a guerra feita aos piratas não tivesse por fundamento a
defesa natural, e o bem estar dos povos constituidos em sociedade.

Desta guerra resultou grande beneficio á humanidade. Eu louvo só os
Portuguezes que em épocas mais felizes, para nós, se conduziram com
valor e dignidade; e os que em nossos dias os imitam. Afonso de
Albuquerque foi respeitado ainda mais pelas suas virtudes perfeitas e
pela justiça, que praticava, do que pelo extremado valor.


                             _Nota_ (3.^a)

Era Cam-pau-sai tão extremoso em ardiz, que não lhe escapou de enredar
os seus no fanatismo para mais devotamente chegar aos fins dos seus
designios. Logo que os interesseiros bonzos lhe afiançaram o bom
resultado da empreza, lançou mão desses instrumentos do erro, que
degradam o homem para a classe dos brutos fazendo-os tirar o carro dos
conquistadores quasi sempre seus verdugos, mandou erigir-lhe um pagode
na maior embarcação, e deu o commando della ao Capitão mais
experimentado para defender de todo o risco o templo dos idolos.

Aqui temos Cam-pau-sai, pescador dos mares da China feito protector dos
bonzos, e reputado seu chefe.

Deram passos tão agigantados na estrada da superstituição, que já não
faziam guerra nem paz sem consultar o oraculo. Saíam todos os
commandantes de seus Taós para irem áquelle onde se achava o pagode
incensar os idolos, e ouvir do oraculo o que deviam fazer; isto é o que
o chefe dos piratas havia concertado com o principal dos bonzos.

Estes delirios julgados propicios aos seus intentos, eram favoraveis aos
nossos. Em quanto elles praticavam taes momisses, o valor macaense
anniquilava pagode, idolos, bonzos, e supersticiosos.


                             _Nota_ (4.^a)

Em quasi todas as circunstancias da vida, foi Alcoforado, digno de
eterna memoria: Na guerra fazia maravilhas extremadas; na paz, o juizo
de Mr. Arago, dá bem a conhecer o caracter do nosso heroe.[27] Eis como
elle o pinta.

--Parabens, meu amigo; chegamos a Diely.[28] Dir-te-hei o modo porque
fomos hospedados. Ás protestações de amisade cheias de franqueza, a
maneiras honestas e frequente agrado, é difficil ajuntar mais polidez,
nem mais desvelo para obsequiar-nos. Desde o primeiro dia a generosidade
do Governador, mandou á nossa meza, com profusão, os manjares mais
delicados. Queria mostrar, dizia elle, o prazer que sentia em brindar os
patricios dos maiores sabios do mundo.

Jantares sumptuosos, presididos pelas açafroadas bondades do paiz,
cobertas de joias; festas encantadoras, onde reinava a galantaria, mais
franca e mais activa, faziam desapparecer as horas, que voam nas azas do
prazer.

O Governador achou ainda outro modo de augmentar as provas da sua
generosa affeição: fez acceitar, a quasi todos, presentes; e fingia não
lhes dar valor para nos livrar de escrupulos. Chamava-se José Pinto
Alcoforado de Azevedo e Souza: mancebo amavel, jovial, e de
conhecimentos. O motivo de sua especie de degredo para Timor, pelo que
nos deu a entender, procedeu de causas politicas.[29] Ocupou-se com
desvelo em felicitar o paiz que lhe foi confiado: a sua administração é
doce. Os Rajaz não são aviltados pelo despotismo como succede em
Coupang. Pelo contratrio são tratados com amor.--

Já, em outras éras, menores virtudes de outro Souza foram assim
cantadas.


           _Le généreux Souza, qui sut domter l'amour
           Dans ces climats ardens oú son feu nous dévore,
           Et q'aprés Scipion la vertu nomme encore._



                             _Nota_ (5.^a)

No dia 3 de Junho de 1810, cantou o honrado e benemerito cidadão José
Baptista de Miranda e Lima as virtudes do nosso Arriaga pelo modo
seguinte:


                 Á sombra de frondifera oliveira,
              Por ti, ha tanto tempo, desejada,
              (Graças ao creador Omnipotente.)
              Te vejo, cara patria[N1] reclinada.
                 No pelago espaçoso, que te cerca,
              Ja não vês tremular hostis pendões[N2].
              Não ouves rebombar os horisontes[N3]
              Com horrorosos tiros de canhões[N4].
                De salitroso pó[N5] que antes servia
              Para ao longe mandar lethaes pelouros
              Se ferreos tubos hoje tu carregas[N6],
              É só por festejar c'os seus estouros.
                Centenares de Taós[N7] prenhes de tygres,
              Que ao pé de ti rasgavam cruelmente[N8]
              Meninas e donzelas delicadas
              A teu Pai sujeitou[N9] o Eterno Ente.
                Teu benefico Pai, o Arriaga[N10]
              Estes tygres de Hyrcania domou
              E a frondente oliveira, que te cobre,
              Cortando mil obstaculos, plantou.
                Jámais pois riscarão da fantasia[N11]
              O nome deste Heroe da lusa gente:
              E agora, que celebras seu triumfo,
              De verde palma vai cingir-lhe a frente.
                Da victoria este emblema para ornares,
              Lindas flores procura designantes
              D'aquelles predicados appreciaveis,
              Neste filho de Lisia mui brilhantes.
                O louro girasol, que sempre segue
              O planeta, que os outros illumina[N12]
              Designa a bem notoria lealdade
              Do nosso Heroe á prole Bragantina.
                Os rubros amaranthos, que resistem
              Ao vento, á calma, ao gelo, symbolisam
              A intrepida constancia nas empresas[N13],
              Que o nome de Arriaga immortalizam.
                A candida açucena, que dispende
              Liberalmente o corceo, de que gosa
              É symbolo do seu singello peito[N14],
              Emblema da sua alma generosa.
                O Lirio, que nascendo d'alta vara,
              Sendo rei da florida monarquia
              Para baixo a sublime frente inclina,
              Sua clemencia designa, e cortezia[N15].
                Das mais virtudes symbolos procura
              N'outros lindos matizes dos jardins;
              Não te esqueças das rosas rubicundas,
              Dos junquilhos, dos cravos, dos Jasmins.
                De ti receba agora esta corôa
              Bem que inferior ao seu merecimento;
              Em quanto outra melhor se lhe prepara
              No reino superior ao firmamento.


_Notas de Antonio Francisco de Miranda e Sousa, Deão da Sé de Macáo._

[N1] 1.^a A patria é a cidade de Macáo.

[N2] 2.^a As bandeiras vermelhas e pretas das duas columnas inimigas.

[N3] ?

[N4] 4.^a Mil e oitocentas bombardas de diversos calibres entregou
Cam-pau-sai, e mais de mil Apau-tai, chefes dos piratas.

[N5] 5.^a Polvora, cuja fabrica Miguel de Arriaga estabeleceu em Macáo
em 1809, pelo Boticario J. J. dos Santos.

[N6] 6.^a Quando appareceu o retrato de El-Rei, na sala onde se
celebrava o triunfo, e onde se achava a nobreza, o clero, e nos seus
contornos, a melhor parte do povo da cidade.

[N7] 7.^a Embarcações de guerra. Cam-pau-sai entregou 3800 homens,
Apautai 2000.

[N8] 8.^a Só no canal de Hiangsan mataram mais de 15000 pessoas.

[N9] 9.^a Entrega de Cam-pau-sai á benevolencia de Miguel de Arriaga,
seu medianeiro para com o imperador da China.

[N10] 10.^a Miguel de Arriaga Brum da Silveira, ouvidor de Macáo.

[N11] 11.^a O nome de Miguel de Arriaga será lembrado não só na ilha de
Macáo mas tambem no imperio da China, pois o Suntó o mandou gravar em
seus annaes para haver delle eterna memoria.

[N12] 12.^a Grande e indefectivel zelo com que Arriaga trabalhou para
dirigir o Senado e o Governador, contra os inglezes, a fim destes não
arrebatarem esta cidade á nação portugueza.

[N13] 13.^a Contra a inveja, a intriga, e odio de alguns que mofaram da
empreza. A constancia de Arriaga foi quem nos deu a victoria.

[N14] 14.^a A candura, e inteiresa com que tratou a Cam-pau-sai, e ao
Suntó. Só o nosso Arriaga foi capaz de conciliar amizade entre aquelles
desavindos.

[N15] 15.^a Despresando difficuldades tratou sempre em Macáo os máos,
com a mesma clemencia que usava para com os bons, e tudo isso nascia da
sua nobreza de coração e das altas e perfeitas virtudes que possuia.

Em recompensa de tão relevantes serviços o conservou El-Rei D. João VI,
na ouvidoria de Macáo, sem limete de tempo, e d'ahi nasceram seus
imfortunios, e sua morte prematura.


                             _Nota_ (6.^a)

Entre os nossos heroes não haviam grandes patentes: a mais subida era a
do chefe, José Pinto Alcoforado de Azevedo e Sousa: Capitão de
artilheria. Em verdade para obrar grandes cousas não são precisos gráos
elevados. No tempo dos Andrades, Sousas, Pachecos e outros, que obraram
prodigios custosos de crer, por extraordinarios, tambem foram praticados
por homens, que sabiam honrar-se com o gráo do seu nome!

Para não ser extenso fallei só dos macaenses, que fizeram acções
extremadas. Se mencionasse todos os que nos cinco annos da guerra contra
os piratas, obraram cousas uteis, faria mui grosso o volume; porque
muitos foram elles, e todos merecem elogio.


                             _Nota_ (7.^a)

Quando os governos não excitam os homens á gloria, os concidadãos tem em
pouco a estimação publica. A maior parte dos homens são como o
negociante avaro: se armam não é com esperança de immortalisar seu nome.
Unicamente sensiveis ao ganho temem, que o navio se afaste do caminho já
sulcado; por este sabem elles não haverem novas terras para descobrir.
Com tudo recommendam ao piloto, que se por algum temporal for levado a
ilha desconhecida, e obrigado a surgir, não a explore nem reconheça os
habitantes: tome agoa e largue as velas ao seu destino sem lhe importar
descobertas[30]. Já não ha Zarcos nem Gamas! Sobre os mares deste mundo,
unicamente invejosos de honras, empregos, e riquezas poucos homens
embarcam a fim de explorar a naturesa[31]. Todavia o governo de Macáo
provou o muito que tinha excitado os seus concidadãos á gloria. Estes
para merecela, não receberam pensões, arriscaram a vida e prestaram a
fazenda. Graças aos macaenses; pela gloria que adqueriram, e pelo
desinteresse que mostraram, chegaram a par dos Castros e Albuquerques.



                             SEGUNDA PARTE.


                      INVASÃO DAS TROPAS INGLEZAS
                                EM MACÁO
                             E SUA RETIRADA.



                        PROLOGO DA SEGUNDA PARTE.


A Virtude é o nexo da sociedade: e consiste em nos abstermos de fazer
mal; não privar pessoa alguma das vantagens que desfructa; dar a cada um
o que é devido; e promover a felicidade dos outros em geral. O homem só
merece o nome de virtuoso se contribue para a utilidade e segurança da
sociedade.

A primeira das virtudes sociaes é a humanidade; esta pode considerar-se
o centro comum de todas as outras. Ella dá aos entes da especie humana
direitos sobre o nosso coração. Sim ella tem por base a sensibilidade, e
esse sentimento dispõe-nos a fazer aos outros todo o bem de que as
nossas faculdades são capazes. Seus effeitos são o amor, a beneficencia,
a liberalidade, a indulgencia, e a piedade.

Quando a humanidade reside na sociedade em que vivemos, constitue o amor
da patria; isto é, produz a necessaria affeição nacional.

A força deve só respeitar-se como virtude; quando defende a sociedade em
que vivemos, quando se acha acompanhada de grandeza d'alma, valor, e
moderação. A actividade tambem deve entrar na ordem das virtudes
sociaes; as quaes tem por objecto o bem da sociedade devem ser efficazes
e não inertes como outras quimericas e falsas, introduzidas pela
impostura, ou fanatismo. A sociedade só agradece acções proveitosas: só
essas merecem a sua estimação e reconhecimento.

A justiça é o vinculo da união social; sustenta a balança em equilibrio
entre os membros da sociedade; remedeia os males que resultam da
differença que a natureza poz entre os homens; e faz servir essa mesma
desigualdade ao bem geral. A justiça pelas leis da equiedade e sábia
distribuição do premio e do castigo excita a virtude, reprime o vicio, e
chama á ordem os que são tentados a obrar contra os entes da sua
especie.

Taes são as disposições que a sociedade deve exigir dos seus membros;
tudo nos mostra a sua utilidade; são necessarias e invariaveis; pois tem
por fundamento a natureza e as precisões constantes da especie humana.
Faltando a justiça não ha ventura na sociedade; sem ella o estado social
torna-se mais desagradavel do que o estado selvagem. É melhor viver só
do que rodeado de homens injustos.

A temprança é igualmente necessaria: a prudencia nasce da razão ou da
experiencia das cousas. A razão eleva o homem ás causas, ensina-lhe a
estudar a sua influencia, e a prevêr os effeitos. Sim, a razão compara
os objectos, e despoja-os de apparencias falsas; e aproveita-se do
preterito, e do futuro para não saír da meta conveniente na occasião
opportuna.

Do governo humano, activo, justo e prudente, resulta o bem estar da
sociedade; o seu maior cuidado é fazer gosar os cidadãos, em paz e
socego, o fructo dos seus trabalhos; conservalos exemptos dos vicios
internos, e das invasões externas. O Senado de Macáo firme nestes
principios, e sabendo quanto os sobrecargas inglezes ambicionavam
aquelle nosso estabelecimento, poz-se em guarda contra os que pertendiam
esbulha-lo da sua pósse, ou perturbar o socego publico.

Aportando alli o Almirante Drury, com ordem de Lord Minto (Governador de
Bengalla) para introduzir tropas inglezas em Macáo, ainda que elles
diziam ser aquelle procedimento a nosso favor; com tudo o Senado
desconfiou do empenho com que pertendiam verificar a offerta.

Assim firme em sua resolução, sustentou entre os Chinezes e os
britanicos a seguinte correspondencia.



                           SEGUNDA PARTE


Assim que o Almirante Drury aportou em Macáo, remeteu uma intimação de
Lord Minto, a Bernardo Aleixo (Governador de Macáo)[32] e mandou Robert,
(primeiro sobrecarga da companhia) em deputação ao Governador. Robert
fallou neste espirito.[33]

--Sou mandado pelo Almirante Drury participar-vos, que o seu intento é
empregar as forças do seu commando na defeza de Macáo, contra os
francezes! A explicação desta medida feita a V. Exc. por Lord Minto
dispensa-me de repetir os motivos porque o Governo Britanico assim
procede.

O Almirante está disposto a conferir com vosco antes do desembarque das
tropas: com tudo é preciso que o Senado esteja tambem disposto a
cooperar com os inglezes para a segurança desta cidade e do commercio;
se o plano proposto não tiver effeito por motivo do Senado, o Almirante,
a seu pesar; terá conducta opposta.

[Nota: Setembro 11]

É para notar o ameaço que faz o sobre carga na primeira entre vista!

É grato ao meu coração, tornou Bernardo Aleixo, ver o empenho que tomais
em defender as possessões lusitanas: com tudo pela intima alliança dos
nossos monarcas, pelas ordens que tenho do Sr. D. João VI, e pelos
tratados feitos com os Chinezes, não devo consentir no desembarque das
vossas tropas, sem ordem superior.

[Nota: Septembro 12.]

Não posso duvidar, replicou Drury, da vossa franquesa nem da convicção
em que estais da intimidade dos nossos monarcas: sou sensivel á situação
em que vos achaes: comtudo previno-vos, que pela grande distancia do
logar donde podeis receber ordem superior, não a tereis tão cêdo, como é
de meu dever cumprir o que me foi determinado por Lord Minto. Para a
conclusão deste negocio desejo ter uma conferencia com vosco.

[Nota: Septembro 13.]

Não só na primeira participação, mas tambem na primeira replica teve o
Senado motivo bastante para desconfiar das intenções britannicas; por
tanto officiou ao Almirante pelo modo seguinte:[34]

Suppondo-vos certo da razão que me assiste para não alterar as ordens
que tenho; devo lisongiarme da vossa persuasão tanto da lealdade no
desempenho dos meus deveres, como da certeza em que estou da intima
alliança dos nossos monarcas: assim espero que modifiqueis as instruções
de Lord Minto, em quanto não chegam ordens do Brazil, ou de Goa. Eu
tambem demorarei a participação das vossas intenções ao Governo Chinez:
intenções de dificil compreensão a povos altivos e desconfiados.

Estimarei a vossa visita, farei tudo para satisfazer-vos, menos
consentir no desembarque das vossas tropas. Terei a satisfação de
aprender com vosco o modo de tirar a estes povos o receio, que lhe ficou
em 1802, e agora renovado pela vossa pretenção.[35] O Imperio da China é
o protector desta cidade ha 270 annos; nada mais é preciso para sua
defeza. Sendo a coacção origem de disturbios e conhecendo vós a nossa
razão, espero que se houver máo resultado na vossa empreza, não o
imputareis ao governo de Macáo.

[Nota: Setembro 14]

Não havendo resposta do Almirante até o dia 16 o Senado intimou um
protesto aos sobrecargas, e disse mais: Será infalivel a complicação dos
negocios britanicos, se o vosso Almirante tentar contra os ajustes
feitos em 1802 pelo Senado com o Governo Chinez, para não admittir
auxilio extrangeiro.

Sabendo agora pelo Governador de Bengalla, que tendes grande parte nesta
empreza, é do meu dever segnificar-vos, que no caso não esperado, de
continuarem as mesmas instancias para a admissão das vossas tropas nesta
cidade, farei pôr em execução o que no protesto junto declaro. É
repugnante o vosso procedimento contra povos fieis e amigos da Caza de
Bragança desde a sua restauração. Exijo que o protesto junto com a copia
desta carta seja remettido ao Almirante.

Não produzindo estes escriptos o effeito desejado, o Senado enviou a
participação seguinte ao mandarim de Hiang-san. A dez de Setembro
surgiram em frente desta cidade, uma náo, uma fragata, e um brigue da
nação ingleza, sendo chefe desta força o Almirante Drury. Trouxe uma
carta de Lord Minto, que diz mandar, da parte do seu rei, antigo alliado
do nosso, soldados para defenderem esta cidade de alguma invasão
franceza. O Almirante assegura não exceder os limites de defesa; porém
como o seu desembarque nesta cidade, quebra os tractados deste governo
com a celestial dynastia, somos obrigados a fazer-vos este aviso a fim
de o levares ao Suntó, em virtude dos mesmos tractados.

O Governo de Macáo, animado do ardente desejo de manter as relações
politicas e commerciaes, que tem ligado esta cidade com os Chinezes, e
varias nações da Europa; e tendo o mesmo empenho em continuar a merecer
na opinião das nações, propria e extrangeiras, a consideração de leal e
honrado, titulo nunca recusado a este Senado: julgou preciso offerecer
ao publico a succinta e franca exposição dos factos acontecidos desde a
chegada do Almirante Drury a este porto até hoje, no protesto seguinte.

A dez de Setembro de 1808, chegou ao porto desta cidade a frota
commandada pelo almirante Drury. A 11 recebi uma carta de Lord Minto,
onde refere os desastres de Portugal; e o favor recebido, pelo nosso
Rei, de George IV, para conservar as possessões da India e China; e que
sendo esta de muita importancia para os inglezes, devia ser guarnecida
com as suas tropas. Para esse fim mandava um destacamento a esta cidade,
e pedia pelo vinculo de antiga amizade, a sua admissão e necessario
arranjo.

No mesmo acto disse, que pelos motivos da amizade expendida não deviam
obrar de modo, que destruissem a independencia, que deviam querer
segurar; nem admittia ser eu violentado a fazer o que não devo.

Esperava desta resposta alguma moderação, e mais por saberem, que os
chinezes não admittem novidades com que possam julgar menos segura a sua
independencia. Com tudo reagiram, mandando intimar pelo chefe da
companhia, que se não fossem admittidas as tropas, seria differente o
seu procedimento.

Firme nos meus principios, e na minha primeira resolução, assegurei-lhe
a immutabilidade do meu pensar, e dos habitantes desta cidade, que
jámais deram motivo para serem invadidos e atropellados por uma nação,
que se dizia alliada: porém que a ter logar aquella intimação
ameaçadora, eu me defenderia conforme o direito natural, e os limites
desta praça, que sempre fora respeitada por todas as nações costumadas a
descançar á sombra da bandeira portugueza.

Vendo que os inglezes não socegavam, e que eram baldados os esforços da
mais estudada prudencia; querendo salvar a honra, e a paz constrangida
pelo nosso mais antigo alliado; não devo demorar por mais tempo a
necessaria participação ao governo chinez. Este como protector da cidade
fundada por sua concessão em seus dominios, da qual recebe foro a seu
contento; prestará com brevidade os socorros precizos. Sou obrigado a
participar-lhe todas as circunstancias, não obstante saber quão tristes
se tornarão as suas providencias, se o almirante não cessar da sua
contumacia.

O senado tomará como hostil o procedimento que tiver por fim desembarcar
tropas inglezas nesta cidade; declara que se defenderá até o ultimo
extremo. Protesta contra taes procedimentos: a responsabilidade recaírá
sobre os aggressores. A razão anima os habitantes desta cidade, que
tanta honra e gloria tem dado á nação portugueza em sua não interrompida
posse.

[Nota: Setembro 16]

Quem não esperaria moderação nos britannicos, pela leitura daquelle
protesto? Retorquiram!--Sendo os offerecimentos liberaes de Lord Minto
rejeitados pela desleal conducta do governo macaense[36], e os esforços
da nossa parte a fim de livrar esta cidade da invasão franceza, e
querendo nós conservar boa intelligencia entre o governo chinez e a
nação britannica: somos arrastados pela inexperada conducta dos
macaenses a tomar medidas, que podem offender os chinezes; mas o senado
responderá por tudo.

Achamos-nos levados ao penoso extremo de vos participar, que em breve os
soldados inglezes occuparão Maçáo. A nossa tenção, quando chegar esse
momento, é desembarcar tambem os marinheiros, e tomar posse da cidade á
ponta de bayoneta. Consideraremos qualquer opposição como rebelião
directa. Para evitar o conflicto de soldados e marinheiros raivosos,
deve o Senado admittir já as tropas britannicas.

[Nota: Setembro 19]

Foi recebida esta intimação, quando chegava outra dos mandarins do
destricto, para não deixar o Senado, desembarcar as tropas inglezas. O
governador remetteu-a por copia ao almirante, com a seguinte carta.

Agora me foi presente a vossa intimação! Com pesar vejo nella, tratada
de infiel a conducta do governo desta cidade por não admittir, contra o
seu dever, guarnição ingleza! E que tomareis como acto hostil qualquer
resistencia da nossa parte, dando para unico remedio a tantos males,
introduzir aqui tropas britannicas! Tenho presente as rasões que vos
expuz; extranho caracterisares este governo de mal intencionado no
cumprimento dos seus deveres. Confesso que da minha parte os tenho
modificado, julgando continuar assim a distincta amizade dos respectivos
monarcas. Ponderei em pleno conselho a vossa intimação: sendo bem
examinada a ultima parte em que dizeis cesserá o vosso rigor,
admittindo-se um destacamento inglez, desejo saber como fareis isso sem
nos dar motivo para desconfiar das intenções britannicas; e sem que os
chinezes se offendam de tão escandaloso procedimento. Posso
assegurar-vos, que elle não só ha de ser prejudicial a Macáo: a
companhia ingleza soffrerá tambem os seus effeitos.

No dia 20 os sobrecargas Roberts, Patlle, Brameston, Helphinstone, e
Baring dirigiram ao governador a carta seguinte.--O protesto de Vossa
Excellencia, será apresentado ao almirante, assim como a intimação dos
mandarins. Nós sabemos o que elles são: o almirante não fará caso
delles. Sendo preciso concluirá este negocio com o Suntó.

É memoravel nos annaes macaenses, o dia 20 de Setembro de 1808.
Achavam-se ás mãos com os piratas da China, e ameaçados, pelo almirante
inglez, de serem atacados á bayoneta. Mas quanto maiores eram as
adversidades, mais se engrandecia o animo dos macaenses... Assim que se
publicou no Senado a injusta, cruel, e atroz intimação da força ingleza,
gritaram todos:--Só depois de morrermos na defesa destes muros
levantados por nossos maiores, poderão entrar esses barbaros, que não
podendo tomar nossas casas pela hypocrisia, tentam fazelo com ameaços. O
capitão mór José Joaquim de Barros, ardendo em lavaredas de amor
patriotico, disse para o governador;--Irei para o logar mais arriscado,
lá darei a vida na defesa do meu posto--Bernardo Aleixo, consummado em
prudencia, não soffreu ser vencido em valor. Dirigio-se ao Ministro
Arriaga, dizendo:--Honrado collega, com taes companheiros não serão
arrebatados os lares macaenses. Devemos acabar de ter contemplação com
homens, que mais parecem inimigos do que alliados. Deixo a minha
residencia da praia grande; vou tomar o meu logar na fortaleza do monte,
confiado em que ordenareis tudo para conservar o socego publico; e
fiquem todos na intelligencia, que ella não se renderá em quanto eu
existir.

Quem poderá escrever os dons naturaes e do estudo, desenvolvidos pelo
magnanimo Arriaga neste conflicto? Soube moderar o valor exaltado que
tinha accendido nos peitos macaenses, e persuadilos, que não se offendia
em cousa alguma a honra nacional, desembarcando a tropa ingleza, com
permissão do Senado; e talvez isso desse novo realce á gloria dos
portuguezes; afiançou não ser longa a demora dos inglezes em Macáo.
Disse que todos sabiam ter o governo feito, quanto estava ao seu alcance
para livrar a cidade da invasão ingleza; mas que em todo esse andamento
haviam chegado os negocios a tal extremo, que a julgava necessaria para
ensinar os britanicos, pela experiencia, que os macaenses não toleram
invasores.

Socegaram os animos; deram-se todas as providencias para se effectuar o
desembarque sem disturbios. Entregaram-se as fortalezas a pessoas de
confiança. O Governador foi para a do monte: e o Capitão mór para a de
S. Francisco. Commandava então a guarnição da praça, o Senhor José
Ozorio de Castro Cabral e Albuquerque; sempre mereceu elogios do Governo
por saber conciliar as qualidades militares com as virtudes civicas.

No dia 21 ao romper da alva desembarcaram os Capitães Robertson, e
Claulfield, com plenos poderes para tractarem com o Governo de Macáo,
ácerca do desembarque da tropa; e levaram a Bernardo Aleixo a carta
seguinte.

Tive a honra de receber a vossa participação, diz o Almirante, em que me
informais da sabia e leal determinação do Senado, em adimittir um
destacamento inglez na defesa desta cidade. É grande o meu prazer entrar
em Macáo como sincero amigo, e sem quebrar-se a antiga amizade dos
nossos monarcas. Affirmo-vos que haveis achar nas tropas britanicas,
obediencia e respeito.

Quão differente linguagem da que empregou no dia 17! Em quanto os
macaenses não cederam á tenacidade britanica, éram infieis; agora que
pareciam afrouxar na defesa dos seus direitos, são leaes e sabios!
Ver-se-ha mudarem de linguagem em pouco tempo.

No mesmo dia os delegados do Almirante, e os do Senado (Bernardo Aleixo,
e Miguel de Arriaga) convencionaram nos artigos seguintes.

1.^o As leis do paiz regerão com toda a sua plenitude.

2.^o Os crimes contra os Chinezes, seguirão o julgado estabelecido.

3.^o O destacamento inglez será subordinado ao governo desta cidade,
combinando com o Capitão Robertson, em casos extraordinarios.

4.^o Nenhuma outra bandeira será arvorada em Macáo, além da portugueza.

5.^o As munições do destacamento entrarão nos armazens publicos, ás
ordens do governo desta cidade. Os inglezes terão permissão para
beneficialas.

6.^o Os navios que pelas leis do paiz tem livre entrada neste porto não
serão interrompidos, nem registados pelos britanicos: e os navios
inglezes ficarão no mesmo estado em que se achavam antes desta
convenção.

Depois de assignada, o Senado fará diligencia para evitar complicação
com o governo chinez. O governo de S. M. Britanica fica responsavel ao
Sr. D. João VI, pelas consequencias deste tractado.

Desembarcaram as tropas sem tumulto; aquartelaram-se na feitoria de
Bernardo Gomes de Lemos, e nas fortalezas da Guia, e do Bom-parto. O
Almirante requereu estes dois ultimos quarteis, para não haverem
disturbios.

Antes de desembarcar as tropas dizia, que ellas guardariam obediencia e
respeito, assim que entrou com ellas na cidade, mudou de lingoagem:
temeu logo que os britanicos insultassem os Chinezes. A intenção dos
sobrecargas e do Almirante, éra de ir pouco a pouco, escondidos na capa
da amizade, appossando-se de todas as fortalezas: e exigindo sempre, que
o Governo de Macáo avisasse ao de Cantão, que tudo aquillo procedia da
intima alliança entre as duas Côroas de Portugal, e Gran-Bertanha.

No primeiro de Outubro, pedio o Almirante ao Senado, licença para enviar
ao Suntó o tractado feito com o Senado, antes de entrarem as tropas
inglezas em Macáo. Já a esse tempo o Suntó estava sciente de tudo quanto
se tinha feito em Macáo.

No dia 8, começou o almirante, com os seus, a dirigir queixas ao
governador, pelos insultos, que faziam os chinezes aos britannicos; e
dirigiram-lhe a participação seguinte.--Somos obrigados, com pezar
nosso, a representar-vos a necessidade de mettermos o nosso destacamento
na fortaleza de monte, a fim de evitar a communicação com os chinezes;
por quanto já espancaram alguns officiaes, e esta manhãa insultaram
outros de modo, que se não estivessem dentro dos limites do quartel,
haveria grande desordem. Se o destacamento se estabelecer na fortaleza
do monte, acabar-se-ha a idéa de perigo. Asseguramos-vos a repugnancia
com que fazemos esta applicação, mas somos a isso obrigados para evitar
males, que podem envolver os nossos governos com o dos chinezes, de quem
temos ouvido dizer está fazendo grandes preparativos de guerra. Seria
bom, que assim como publicastes a ordem de Goa para receber o nosso
destacamento, fizesseis o mesmo á proclamação do vice-rei de Goa.

Os inglezes esperavam, sem duvida, achar os macaenses no estado em que
os havia descripto o capitão Laperouse: e que Bernardo Aleixo não
possuia o talento e virtudes exaradas por aquelle celebre navegador nas
paginas da sua viagem. A carta seguinte tirou os inglezes da illusão em
que estavam.

Não tenho duvida em passar o vosso destacamento para a fortalesa do
monte: sendo necessaria para defeza contra os francezes, está nos termos
da ordem que recebi de Goa[37]: porém sendo o motivo dessa exigencia
evitar a communicação e disputa com os chinezes, estou certo de que na
feitoria, onde se acha aquartelada, observada a disciplina que hade usar
na fortaleza, conseguirá o mesmo fim sem dar logar a ciumes da parte dos
chinezes; causa sem duvida de males maiores do que pretendeis evitar: e
de mais, isso não é conforme com o tractado, que fizemos.

--A desconfiança do governo chinez tem augmentado pela occupação das
fortalezas da Guia, e Bom-parto com tropas britanicas. Assim acrescerá
mais em prejuizo do commercio das duas nações, que na união, com os
chinezes tem igual parte nesta cidade. A nação britanica não consentirá
em plano algum, que destrua esta união: e a mim não é permittido
admittir defeza opposta á lealdade, que este governo tem á constituição
do imperio, seu protector; e com direito sobre o territorio a que chama
parte do mesmo imperio.

Ainda que é forte a razão que me assiste, maior será o meu pesar, quando
pareça falta de condescendencia da minha vontade prompta em reconhecer
os serviços de S. Magestade Britanica, ao S. D. João VI. Elles exigem,
que espereis a resposta do governo chinez, aos artigos da nossa
convenção, que não pode alterar-se para não sermos obrigados a fazer
outra participação. Sería agora passo arriscado, pelo escrupulo dos
Chinezes ácerca das intenções britanicas. O Senado já mais deixará de
cooperar no que for util á nação britanica. Agora mesmo acaba de pedir
aos mandarins do districto, providencias para evitar, que os chinezes
insultem os vossos officiaes.

Lisongeio-me constar-vos a publicidade que dei á ordem de Goa. Tambem
fiz publicar a proclamação segundo o costume deste governo. Vivei na
intelligencia, que não esconderei o que vos possa interessar, não
offendendo o decóro desta cidade.

De 3 a 14 de Outubro recebeu o Senado varios avisos do Mandarin de
Hiang-san, aos quaes o procurador, José Joaquim de Barros, respondeu
neste espirito.--Eu o procurador da Cidade de Macáo, mandarim de
Hao-king, remetto-vos toda a nossa correspondencia com os inglezes, a
fim de conheceres a verdade. O Senado remetteu ao Almirante todas as
vossas chapas, (avisos) nestas circunstancias é o que podemos fazer.--

O mandarim respondeu:--Pelo que respeita ás cartas do Almirante, ainda
que as tenho feito interpretar, não posso entender o seu verdadeiro
sentido: espero que o declarareis ao portador desta para minha
intelligencia. A ordem do Vice-Rei de Gôa não prevalece contra os
tractados existentes do Governo celestial com o vosso Rei. Em quanto ao
desasocego dos moradores chinezes em Macáo, depende de vós: fazei com
que os inglezes tornem para os seus navios, todos ficarão em perfeita
quietação.--

[Nota: Outubro.]

No dia 16 remetteu outro aviso.

--Sei que fôra apresentada a minha carta aos inglezes para saírem de
Macáo, e que responderam terem vindo para defenderem Macáo dos
francezes, visto não o poder agora fazer o vosso Rei; e que para saírem
precisam que venham soldados portuguezes!

É inegavel ser Macáo territorio da China, assim como ter-vo-lo concedido
a celestial dynastia, attendendo a virdes de tão longe, e quererdes
repousar neste Imperio. Ha perto de tres seculos, não só vos tracta sem
differença de seus povos, mas tambem como filhos enchendo-vos de
beneficios.[38] Os francezes não costumam insultar as terras deste
imperio: quando usassem agora commetter essa injustiça, os inglezes
deviam lembrar-se, que temos mandarins de letras e de armas e poderoso
exercito para defender-vos, sendo preciso. Exponde estas verdades ao
Almirante, e aos sobrecargas, e intimai-lhe de minha parte que embarquem
o seu destacamento sem demora.--

No dia 17 sabendo o mesmo mandarim, que os Chinezes emigravam de Macáo
assustados pelo ameaço da guerra, mandou outra chapa ao procurador,
offerecendo-lhe tropas para auxiliar os portuguezes, e animar os
Chinezes a fazerem o trato do costume, para não soffrerem os habitantes
da cidade por falta de alimentos.

(18 de Outubro.)--Mostrei a vossa chapa de hontem ao Almirante (tornou o
procurador ao mandarim) assegurou-me ir a Cantão ultimar este negocio
com o Suntó. Desejo que vos empenheis no bom tractamento para com elle,
visto ir encarregado de negocio tão importante.

No mesmo dia 17, recebeu o Governador a carta seguinte (dos
sobrecargas).--Capacitesse V. Exc.^a da grande importancia, que é para
as duas nações Portugueza e ingleza, accommodar em breve a
desintelligencia, que reina entre nós e os Chinezes. A viagem do
Almirante a Cantão, dirige-se a esse fim; mas é preciso que os seus
intentos sejam sincenramente narrados ao Suntó. Só o padre Rodrigo o
pode fazer como desejamos; assim rogamos a V. Exc. faculdade para elle
acompanhar o Almirante. O Governador concedeu a licença pedida.

Quando em Macáo se esperava que fossem diminuidas as calamidades,
augmentaram. Assim o demonstram os sobrecargas na carta seguinte: basta
meditala com reflexão para se conhecerem as intenções britanicas.

--Soubemos esta manhãa--ter chegado de Bombaim outro destacamento. O
Almirante ordena que desembarque immediatamente. Rogamos a V. Exc., que
mande fazer os arranjos necessarios para esse fim. Alcançaremos grandes
vantagens se persuadires os chinezes, que são tropas mandadas pelo vosso
Rei; e que desembarcadas estas embarcarão as que se acham em terra. Para
dar mais força a esta lembrança pode V. Exc. mandar entrar os navios com
bandeira portugueza. As objecções dos chinezes são de pouca entidade.
Para este segundo desembarque, escusa V. Exc. pedir-lhe venia. Pedimos
licença para manifestar a V. Exc. o escandaloso procedimento de alguns
macaenses infieis ao Senhor D. João VI; pois enviam aos mandarins
representações desfavoraveis aos britanicos. Da sua má conducta nascem
os inconvenientes, que temos soffrido. Se V. Exc. não dá remedio a tam
grande mal, o Almirante enviará para o Brazil as pessoas suspeitas.[39]
Esta carta demonstra bem a protecção levada pelos inglezes a Macáo. 1.^o
soberba, 2.^o falsidades, 3.^o arrogancia fraudulenta, 4^o calumnias,
5.^o despotismo horrivel. Bernardo Aleixo usando da sua consumada
prudencia, respondeu nestes termos.

(Outubro 21.)--Dizeis ter ordem do Almirante para desambarcar tropas
novamente chegadas! E desejais, que eu dê a entender aos chinezes, virem
da parte do Sr. D. João VI! Nenhuma duvida teria no seu desembarque, se
as circunstancias decorridas depois que desembarcaram as primeiras não
tivessem de dia em dia complicado mais este negocio com os mandarins.
Effeituando-se este segundo desembarque antes de conferir o Almirante
com o Suntó, pode transtornar o negocio, e ser funesto ao commercio, já
suspenso em Cantão. Accresce ter eu agora recebido, ácerca dessa tropa,
protesto, que devo tomar em muita consideração. Esta cidade tem soffrido
muito com a vossa expedição; e a meu cargo está vigiar por seus
interesses. Não me consta haver aqui morador algum infiel á Caza de
Bragança, apesar de ser dever meu cuidar nessa indagação.

(Outubro 21.)--No mesmo dia, escreveu o mandarin de Hiang-san, ao
procurador de Macáo, neste espirito.--Consta-me chegarem ahi mais tropas
inglezas; jámais deveis permittir o seu desembarque. Duvidamos muito dos
seus intentos. Se o consentirdes darei parte ao Suntó, de que faltais ao
vosso dever.

(Outubro.)--De 21 a 28 houveram disturbios entre os inglezes e os
chinezes. O procurador representou aos mandarins, que não tinha leis por
onde castigasse os chinezes em casos taes; e que para isso exigia
providencias.--Aquelles tornaram. Não são precisas leis para castigar
crimes, que jámais devem existir neste imperio. Embarquem os inglezes,
tudo fica remediado.--Não davam resposta, á exigencia de providencias.

(Outubro.)--Em 29 escreveram os sobrecargas ao Governador:--Sabemos com
certeza não serem as partecipações de V. Exc. (ácerca do auxilio
britanico) expostas ao Suntó como deviam; antes sim pelo contrario.
Rogamos a V. Exc. lhe declare o justo procedimento do governo britanico,
e que esta declaração seja remettida ao Almirante para elle mesmo a
entregar ao Suntó. Extranhamos a repugnancia de V. Exc. em seguir o
exemplo do Vice-Rei de Goa, isto é, animar os portuguezes contra os
nossos inimigos. Se os moradores desta cidade fossem assim admoestados,
desejariam o nosso auxilio em logar de o aborrecer.--

(Outubro 30.)--Entre as difficuldades, que vos apresentei, tornou
Bernardo Aleixo, foi uma a complicação com os chinezes. Tenho
conhecimento do systema do seu governo por longa experiencia adquirida
na pratica; sei os vinculos que os unem a esta cidade; e por isso previ
o máo resultado da vossa empreza. Falleivos com franqueza, fui
considerado como desaffecto aos vossos projectos. Em 20 do mez passado
desclarasteis (ainda que pouco favoravel ao exercicio do meu emprego)
ser qual quer opposição do governo chinez, desembaraçada pelo Almirante
com o Suntó; agora vejo depender deste governo a ultimação do negocio.

O Senado trabalha para que não sejam reputados sinistros os fins da
vossa expedição: se tem havido desconfiança nos mandarins, não é
motivada por este governo; pois tem patenteado com franqueza a sua
correspondencia entre vós e os chinezes.

Já vos disse, e agora o repito: dos macaenses, nem um só deixa de
respeitar a caza de Bragança, costumada a encher esta cidade de
beneficios em honra do seu governo, e gloria de seus moradores. Porém
como não lhe seja vedado amar a tranquillidade publica do seu paiz, não
deve extranhar-se a cada um chorar a sua desgraça: sem blasfemar da
causa, aborrece os effeitos.

Os pais de familias lastimam a morte de seus filhos, pelo abandono das
amas chinezas--que se retiram. Os infelizes que tem na labutação diaria
o seu recurso, lastimam-se pela escacez e carestia dos generos
alimentares. Os mais abastados lastimam-se por ver chegar o tempo de
fazerem suas negociações, e terem ainda as mercadorias empatadas por
falta de gyro, ha cincoenta dias. Até os navios estão ainda por fabricar
á mingua de artifices, que tambem fugiram. Os empregados publicos vendo
parar o commercio, lastimam-se por saberem, que delle tira o estado
rendimento para pagar-lhes. Os mesmos habitantes chinezes, dados ao
commercio, tem emigrado e levado até o mais inferior dos seus trastes.
Isto era de esperar de homens pacificos ao verem apparatos de guerra.
Além disso ameaçados pelos mandarins, que julgam a constituição do
imperio atacada pela vossa imprudencia.

Á vista do exposto não admira haverem descontentes, que deplorem a sua
desgraça, e aspirem ao socego deste fiel estabelecimento, que ha 252
annos tem sempre respeitado as ordens do seu monarcha. Julgai por este
quadro se um tal povo necessita de proclamações para ser fiel ao Rei a
quem adora?

Assim que esta carta foi remetida, mandou o Senado ao procurador, que
exigisse do mandarim de Hiang-san, o motivo da queixa dos Inglezes; o
que fez pelo modo seguinte.--O chefe da companhia ingleza accusa-vos de
não teres enviado as minhas chapas ao Suntó, ou que mandando-as lhes
viciastes o texto. Não posso crer teres procedimento alheio do vosso
emprego e caracter. Espero que immediatamente apresenteis os originaes
ao Suntó: eu envio as copias ao almirante para as conferir com elle, e
ficar desse modo illesa a vossa reputação.

Os sobrecargas responderam á carta de trinta pelo modo seguinte:--A
vossa carta encheu de magoa os nossos corações pelas circunstancias em
que se acham os habitantes de Macáo; tudo nasceu da conducta do Senado:
se adoptasse o nosso systema, não teria agora de vêr essas lastimas. Os
macaenses julgaram a proposito tomar medidas contra a nossa expedição; e
fizeram repetidas instancias ao governo chinez, pedindo soccorro contra
os hostis procedimentos britannicos: o excessivo ciume dos chinezes, e o
manejo do Senado motivaram todos os males.--Em verdade dissemos, que o
almirante removeria todos os obstaculos em Cantão; assim aconteceria se
o governo de Macáo se unisse cordialmente com o almirante.

Os esforços que V. Ex.^a promette fazer em suas applicações ao governo
chinez, são para nós de grande importancia. Sabemos que hão-de produzir
bom affeito. Estamos persuadidos, que só o governo de Macáo pode remover
as presentes difficuldades e miserias.

Grande documento é este para augmentar, se é possivel, a honra dos
macaenses, pelo valimento que tem com os chinezes. No principio da
carta, invectivam os sobrecargas aos macaenses; no fim pedem-lhe
misericordia! Era tal a ambição, ou a impudencia daquelles bretões, que
diziam em face ao governo de Macáo serem motivadas as calamidades
daquella cidade pela ignorancia dos chinezes, e manejo do Senado! Quem
não vê provir tudo da tenacidade dos sobrecargas em quererem apossar-se
daquelle nosso estabelecimento? Quem poderá capacitar-se de ser aquelle
empenho unicamente sustentado para guardar Macáo aos portuguezes? Em
pouco sairá o almirante da illusão em que o tinham os sobrecargas.

O ultimo paragrafo desta carta merece particular attenção: O governador
despresou as argucias do primeiro, e respondeu ao segundo.--Vejo a
necessidade que tendes de novo recurso deste governo ao de Cantão: O
Senado já enviou uma chapa ao mandarim do destricto, da qual se vos
remette copia, e de toda a nossa correspondencia com os chinezes, a
vosso respeito. Faço isto para ver se acabam as vossas desconfianças.

Nesta intelligencia e com o mesmo desvelo (posto que até agora equivoco)
farei novas representações ao governo chinez sempre que me indiqueis a
forma de applacar a tormenta, que vos ameaça, pela desconfiança dos
mandarins superiores.

Á vista do corpo disforme, que tomou este negocio, quem não esperaria
moderação nos sobrecargas? A carta seguinte mostra o contrario!

[Nota: (Novembro 3.)]

--Pertendem ainda quebrar as leis do imperio, introduzindo e
descarregando navios britannicos em Macáo.--Em virtude de ordens do
almirante, dizem elles, participamos a V. Ex.^a que mande apromptar
armazens para depositar nelles os generos vindos em nossas embarcações.
Esta medida nasce da oppoção que os chinezes fazem ao auxilio dado por
nós a esta cidade. Esperamos que V. Ex.^a não recuse os seus extremosos
esforços em nosso beneficio, vendo que os sacrificios do governo de
Macáo são bagatela em comparação dos que temos soffrido pelo embargo do
commercio britannico (em Cantão) só por usarmos a generosidade de
querermos dar segurança a esta cidade: Assim esperamos a ordem para a
descarga, sem dilação.

Não tenho duvida em prestar a minha condescendencia á vontade do
almirante, respondeu Bernardo Aleixo, com tudo sou forçado a dizer o que
sendo publico, admira ser por vós ignorado. As leis deste paiz só
admittem navios estrangeiros no caso de mera hospitalidade, segundo o
direito das gentes. Applica-se aos navios de entrada e saída de Cantão,
até poderem seguir o seu destino. Achando-se em iguaes circunstancias,
qualquer navio da companhia, não haverá duvida na sua admissão; porém se
a descarga, que se pertende fazer em Macáo provem da opposição dos
chinezes ao commercio britannico, tenho grande embaraço no cumprimento
do meu desejo.

Os tractados desta cidade, com o governo chinez, permittem só
carregações neste porto vindas em navios portuguezes, ou hespanhoes; se
o commercio inglez está prohibido em Cantão, como o poderei admittir em
Macáo, sendo dominio chinez, sómente aforado aos portuguezes debaixo de
certas condições, que vós, dizendo auxiliar, pretendeis romper?

Accresce não haver logar para tão grandes carregações: por falta de
gyro, acham-se todos os armazens cheios de generos vindos na monção
ultima. Dizeis que são grandes os vossos sacrificios, e os nossos
bagatela! Os sacrificios, neste sentido, não devem considerar-se pelo
valor das riquezas: por perderes muito não se segue, que não sejam
maiores os nossos sacrificios perdendo tudo. Lançais as culpas das
vossas perdas sobre nós, e que faremos a vosso respeito? O tempo fará
justiça ao nosso procedimento[40].

Agora (apezar de tudo) é tal o meu desvelo em vos servir, que se algum
navio se acha em estado de tornar indispensavel a sua descarga, terá os
soccorros necessarios como se pratica entre povos civilisados; sem
offensa dos laços domicilarios e privativos, sustentados pelo esforço e
gloria da Nação Portugueza.

Em todo o mez de Novembro houveram disturbios entre os chinezes e os
britannicos: aquelles não só maltractavam estes, encontrando-os nas
ruas, mas tambem lhe apedrejavam as janallas. Por mais que o procurador
do Senado exigisse providencias dos mandarins, a resposta éra sempre a
mesma.--Sáiam os britannicos da cidade, e tudo ficará em socego.--Quando
os inglezes estavam mais teimosos em descarregar os seus navios em
Macáo, baixou a seguinte admoestação do Suntó aos sobre-cargas.

Sobre-cargas da companhia ingleza, sabei que a virtude do nosso
Imperador se manifesta como o céo, abrange tudo: considerando elle que
os reinos da Europa se tem mostrado, ha muito tempo, obedientes e
politicos, concedeu aos europeos licença para negociar em Cantão;
reputando-vos como individuos da mesma familia. Vós o tendes
experimentado, e sabeis, que nunca foi concedido ficardes permanentes na
China. Logo não devieis trazer navios cheios de soldados, nem
desembarcalos contra as leis do imperio. Macáo é cidade edificada em
terreno chinez: a dynastia passada concedeu aos portuguezes
estabelecerem-se alli; a presente, em virtude da sua antiga posse,
deixou-os ficar como d'antes; porém debaixo de certas condições. A
nenhuns outros europeos se concedeu privilegio semilhante! Como
pertendeis vós agora persistir em Macáo? Dizeis recear venham os
francezes insultar os macaenses! Nunca se attreveram a pertubar as
terras deste imperio: e quando venham com muito socego os esperaremos;
vindo desfalecidos, e sendo poucos contra muitos, sem batalha ficarão
vencidos. Terão a sorte da carne na banca do cosinheiro. Dizeis ser
amigos dos Portuguezes e que viesteis ajudalos contra os francezes!
Porque não obrasteis este excesso de amizade la na Europa, ou porque não
os esperais fora das ilhas da china para os baterdes quando cheguem? Não
é justo estares em Macáo quebrantando as leis do imperio, e dissolvendo
a união mutua, que deve existir em todos os seus dominios: desse modo
perdeis o direito, que haveis á nossa benevolencia. Por ventura não
sabeis o que vos é interessante? Podereis existir sem commercio? Por
certo não: pois quanto mais depressa embarcardes os soldados, mais cedo
se vos abrirão as Alfandegas. Se retardares o seu embarque, não tereis
communicação com a terra. Ponderai bem o que vos proponho, e não me
incommodeis com mais peditorios.--

Em quanto o governo de Macáo pedia aos mandarins do districto, que o
ajudassem a sanear as feridas abertas pelos inglezes, nas leis do
imperio, a fim de não se irritar contra elles o Suntó, chegou outra
chapa deste, pelo mandarim de Hiangsan, em que dizia:--

Eu o Governador das duas provincias de Cantão e Kuansi, faço saber ao
mandarin de Hiang-san, que da entrada dos soldados inglezes em Macáo,
são culpados os seus moradores; pois deviam tela embaraçado. Mas
examinando o seu antigo, e moderno procedimento, achei serem sempre
gratos aos nossos Imperadores; por esse motivo toléro o erro commettido.

Ácerca dos navios inglezes, já consultei o Kuam-pu, a fim de lhes
permittir descarga, e poderem negociar. Pelo que pertence aos soldados,
dei parte ao Imperador; eis a sua resposta:--Se os inglezes tiverem a
ousadia de presistirem em sua teima, lançaios fora com o nosso
exercito.--Em poucos dias elle marchará sobre Macáo: no entanto
recommendai aos portuguezes a segurança da fortaleza do monte. Adverti
ao Procurador, que não se fie desses inglezes.

Como estes não fossem promptos na execução das ordens do Suntó,
augmentou-se a soberba e desconfiança chineza de modo, que julgaram
tambem sermos culpados no insulto commettido pelos inglezes.
Desembarcarem estes as tropas já não éra a maior offensa: o que mais
ferio o orgulho chinez, foi não obedecerem logo ao mando do Imperador.
Tomaram os mandarins calor tão ardente, que não deixavam passar um dia
sem repetirem intimações para que os inglezes saíssem de Macáo: eis o
seu espirito.

Senhor Procurador, esses inglezes entrando em Macáo apossaram-se das
igrejas e das fortalezas! Em pouco tomarão vossas cazas possuidas ha
seculos; depois tirar-vos-hão mulheres e filhos: não podemos soffrer tam
grande offensa. Marcham oitenta mil homens sobre os campos de Móa.
(proximos á cidade de Macáo) afim de os anniquilar. Despresaram a graça
feita pelo Suntó; soffrerão o peso da força, que marcha contra elles.
Esses inglezes sendo homens não tem coração humano; conhecem os males
que tem feito, e não se arrependem! Desejamos que todos vivam em paz, e
somos obrigados a mandar um exercito receando, que nem um só inglez
escape á morte! Fazei-lhe conhecer estas verdades, e perguntai-lhe se
ainda querem teimar contra a justiça, que os ameaça.--O procurador
respondeu:--

--Tenho apresentado as mais essenciaes das vossas chapas aos sobrecargas
inglezes; não despresam as graças do Suntó; acham-se promptos para
retirar-se; mas não o podem fazer de repente. Os inglezes vieram com
designio de nos auxiliar assim julgo ser mal fundada a vossa
desconfiança. Não precisamos do vosso exercito; viria fazer maior damno
á cidade. Sabeis quaes são as leis que regem este nosso estabelecimento:
não deve entrar nelle, nem mesmo aproximar-se ás muralhas desta cidade
tropa chineza, sem que a pessa, e é cousa, que ainda me não veio á
lembrança. Não é justo imitares aos inglezes: estes diziam vir-nos
auxiliar; trouxeram-nos incommodos e perdas.--

É notavel a prudencia e a generosidade do Senado macaense para com os
inglezes, quando estes só lhe dirigiam offensas! Ao mesmo tempo enviaram
os sobrecargas a Bernardo Aleixo a carta seguinte.

--A situação em que nos achamos é triste: temos recommendação do
Almirante para evitar hostilidades e fazer tudo quanto possa
reconciliar-nos com os chinezes. Se esta recommendação for confirmada
aos manderins, por V. Exc. por certo diminuirá o seu rigor para com os
inglezes.

Nos maiores conflictos apparecia em publico o Magnanimo Arriaga e dava
socego a todos. Offereceu-se para convencionar com os mandarins, sobre a
retirada da espedição britanica sem efusão de sangue, donde resultou o
tratado seguinte.

Bernardo Aleixo de Lemos e Faria, Miguel de Arriaga Brun da Silveira, e
o commandante das forças britanicas com os sobrecargas da selecta
companhia, desejando retirar o destacamento inglez, decorosamente,
ajustaram:

1.^o O Ministro Arriaga tractará com os mandarins ácerca da retirada das
forças britannicas, ficando o commercio inglez no mesmo estado em que se
achava, antes da sua entrada nesta cidade.

2.^o Exigindo este negocio a cooperação do Almirante, Miguel de Arriaga
irá a Wampo-o, para se concluir alli do modo mais vantajoso ao vinculo
das tres nações.

3.^o Concluido este negocio cessará a prohibição de mantimentos para
sustento dos inglezes.

4.^o Os mandarins farão suspender immediatamente a marcha das tropas
chinezas dirigidas a esta cidade.

[Nota: (Dezembro 11.)]

A presente convenção mostra a confiança, que o Ministro Arriaga tinha em
domar o orgulho e o rigor dos mandarins. Parece impossivel, que só a
politica a firmesa de caracter, e a urbanidade de um homem pudesse
conter a justiça chineza, sustentada por 80 mil homens! A carta seguinte
dirigida a Bernardo Aleixo, dá bem a conhecer o dominio que Arriaga
tinha na vontade dos mandarins.

(Dezembro 11)--Depois que assignámos a convenção esta manhã, fui ao
pagode, onde me esperavam os mandarins: tive larga discussão com elles a
fim de soltar difficuldades proprias a uma nação escrupulosa e
desconfiada; todavia consentiram em tudo o que lhes propuz. Além disso
capaciteios das boas intenções britannicas (apezar de terem sido más
para nós); naquella intelligencia asseguraram-me ficar o commercio
inglez no mesmo pé e systema antigo--Despedidos os mandarins; tornou
Arriaga á cidade contente por ter concluido negocio tão espinhoso por
meios tão honrosos para a nação portugueza, como lisongeiros para o
negociador.

Sabendo o mandarin de Hiang-san, que o novo governador Lucas José de
Alvarenga, instava pela posse do seu emprego, remetteu ao procurador a
chapa seguinte.

--Da entrada dos inglezes até hoje, tem o antigo governador dirigido bem
este negocio; agora constame, que o successor insta para tomar posse e
que o Sr. Bernardo Aleixo de Lemos e Faria o pretende fazer: não é
conveniente: os inglezes entraram no tempo do seu governo, nelle devem
saír. Sabemos que o novo governador veio em navio inglez; quem nos
assegura não ter elle correspondencia com esses homens? Não é justo nem
conveniente tomar elle agora posse do governo. Em casos extraordinarios
nem sempre podem seguir-se as leis ordinarias: quando os inglezes saírem
de Macáo e ficarem todos em socego, far-se-ha tudo segundo a lei e os
costumes.

[Nota: (Dezembro 11 de 1808.)]

No mesmo dia partio Miguel de Arriaga, no brigue do Senado, para
Wam-poo. Em 24 horas chegou a bocca do rio Tygre: logo que da náo se
avistou suspendeu esta e veio ao encontro do brigue. Em 14 de Dezembro,
já de volta fez Arriaga, a participação seguinte a Bernardo
Aleixo.--Assim que cheguei á falla da náo, fiz saber ao almirante, qual
era a minha commissão: respondeu ter já ordenado o embarque das tropas,
e que desejava ser grato ás officiosas declarações anteriormente feitas
pelo governo de Macáo; pois eram veridicas e rasoaveis. Recebeu-me com a
civilidade propria de sua pessoa: disse que esperava do governo de Mocáo
o bom serviço de remover qualquer difficuldade, que de novo apparecesse.
Despedi-mo-nos com as mesmas ceremonias da entrada, e não querendo elle
ceder veio acompanhar-me ao portaló.

Logo que o ministro Arriaga concluio a sua negociação com o almirante,
dirigio-lhe o governador Bernardo Aleixo de Lemos e Faria a carta
seguinte.

(Dezembro de 1808.)--Os officios de V. S., de 11 e 14, manifestam o
grande trabalho, que teve na conferencia com os mandarins: Pelo contexto
dos mesmos se conhece a excessiva applicação e desvelo com que V. S.,
além dos limites ordinarios, se empenhou em acalmar, com heroico
patriotismo, a cruel revolução que ameaçava esta cidade.

Com o seu grande zelo e reconhecido talento, fez V. S. o mais importante
serviço á patria. Á força de tão efficazes e singulares deligencias
_devem os inglezes_ fazer a sua retirada sem effusão de sangue, e os
macaenses o socego da cidade.

(Dezembro de 1808.)--No dia 16 começou a retirar-se o destacamento
britannico; depois de se effeituar o embarque de tudo quanto lhe
pertencia, cuidaram logo os sobrecargas em obter licença para
desembarcar as suas mercadorias em Cantão. No 1.^o de Janeiro expedio o
Suntó a chapa seguinte.

--Qu-Hiung-Kuang, Suntó (vice-rei) de Cantão, faz saber a todos os
europeos, que por desembarcarem soldados inglezes em Macáo jámais se
lhes devia permittir commerciar neste imperio. Com tudo lembrando-nos
que o seu rei offerecera tributo ao nosso imperador, relevamos a
offensa, que nos fizeram pela sua entrada em Macáo. Agora depois de
enviarem os soldados ás suas terras, pedem os sobrecargas, arrependidos,
perdão com muita humildade, a fim de se lhes permittir commerciar neste
imperio. Conhecendo a misericordía do nosso imperador, cedi ás suas
repetidas supplicas, deixando que desembarquem as mercadorias, e possam
vendelas nesta cidade. Devem receber esta graça como um beneficio
extraordinario. Assim mostramos, que as leis chinezas tem enfraquecido
com o tempo: no futuro haverão medidas mais rigorosas. Daqui em diante
se algum europeo se atrever a quebrar as leis do imperio será lançado
fora para sempre.

Assim ficáram os inglezes no mesmo estado em que se achavam antes de
tentarem invadir Macáo; perdendo a companhia enormes sommas dispendidas
naquella empreza.

Tendo demonstrado com os sobrecargas desistiram della, farei ver agora o
motivo porque atentaram.

A grande influencia de Bonaparte na peninsula, obrigou El-Rei D. João
VI, a fechar os portos aos inglezes: esta medida fez julgar aos bretões,
que Bonaparte se apossaria de Portugal, assim como o tinha feito da
maior parte da Europa.

Considirando-nos debaixo do jugo do novo Filippe, seu inimigo, seu
inimigo, como havia sido o antigo, praticaram a lição tomada dos
hollandezes; isto é pretenderam apossar-se do que ainda tinhamos no
Oriente.

Sendo os nossos estabelecimentos da Asia, interessantes aos inglezes,
não lhes convém possuilos outra nação, que não seja a portugueza, já
pela sua antiga alliança, já por não a temerem. Avisaram os agentes da
companhia, para guardarem as terras, que nos pertenciam naquella parte
do mundo, a fim de não serem tomadas pelos francezes; na esperança de
que voltando Portugal á sua independencia, tudo ficaria como dantes; e
se não podesse livrar-se do jugo francez, herdarem elles o que haviamos
ainda no Oriente. Eis o motivo porque os inglezes invadiram Goa, e
Macáo, cidades que immortalisaram sempre o nome portuguez.

Accresce a estes successos da Europa, o desejo, que tinham os
sobrecargas inglezes de possuirem um estabelecimento na China; julgavam
desairoso ao seu poder, haverem os portuguezes na China o que os
britannicos não podiam alcançar. Sendo ricos espalharam dinheiro na
feira de Cantão, esperando que havendo alguma desintelligencia entre os
portuguezes e os chinezes, estes os preferissem.

Os lusos soffrem grande critica pelo que praticaram nas suas conquistas
em seculos tenebrosos; com tudo são menos culpados do que os inglezes;
por quanto estes não são menos violentos em seculo mais illustrado.
Veja-se no quadro seguinte a differença de ambição e despotismo das duas
nações.

--Existe no Oriente imperio immenso, com mais de 100 milhões de homens
de castas, côres, e raças differentes: é a India ingleza. A Soberania
não pertence á nação; exemplo unico na historia do mundo; é propriedade
de uma companhia de negociantes! Viram-se os cartiginezes enriquecidos
pelo commercio, conquistaram a Sicilia e a Hespanha; mas a republica, o
corpo inteiro da nação, foi quem adquerio pelas armas importantes
possessões. Em tempos modernos, a companhia hollandeza adquirio grande
esplendor; mas os seus estabelecimentos nas costas da Asia, eram
armações fortificadas, e não colonias.

A companhia ingleza sem perder o commercio dos portos de mar, estendeu o
seu dominio a mais de trezentas leguas pelo interior das terras. As
regiões mais ferteis e mais ricas do globo pertencem-lhe como fardos de
fazenda amantoados em seus armazens. O chefe, e delegados, ostentam luxo
asiatico, e reinam com orgulho.

Especulações mercantis elevaram este thesouro de nova especie, que
subsiste sem ser mantido como os outros pela gloria dos Principes,
respeito dos povos, ou pelo tempo que toléra e consagra nefandas
usurpações.

As authoridades de tão grandes dominios, podem dizer-se, que são
vendidas em leilão, o mais vil inglez, em tendo algumas livras e
comprando acções da companhia pode ficar membro desta sociedade, que tem
fortalezas, náos, e mais de cem mil soldados; além disso pode vir e
dirigir este poder colossal, que tem destruido o imperio do Grão-Mogol,
o do Teppo-Sail, e ameaçado algumas vezes o Sofi da Persia e Grande
Lama[41]!

Os portuguezes combateram na India os sectarios de Mafoma livrando desse
modo a seus pacificos habitantes do captiveiro turco; os inglezes
servem-se dos braços sarracenos para agrilhoar os mal fadados bramas.

Assim vê-se que se nessa época tenebrosa os lusitanos obraram prodigios
na India, vingando sobre os turcos os males que lhe haviam soffrido em
nossa terra, hoje não desmerecemos na ordem dos nossos maiores; por
quanto o Suntó disse:--Nenhuns outros europeos alcançarão (por merito)
os privilegios concedidos aos portuguezes.--Os sobrecargas confessaram,
que só o Governo de Macáo podia remover as difficuldades e miserias (que
elles tinham motivado): o Almirante Drury tambem disse:--Estou muito
obrigado ao governo de Macáo pelas suas declarações anteriores; por
quanto eram veridicas e justas.--Taes declarações confirmam a dignidade
do caracter Luzitano, em todos os tempos e logares.

Sabendo-se em Londres a conducta daquelles sobrecargas, foram outros
nomeados: chegando a Macáo esconderam o que se havia passado alli em
1808, e fallaram do que viram praticar em 1809, pelo modo seguinte.--As
patrioticas applicações e desvelos dos macaenses, adquiriram a esta
cidade muitas vantagens; ao governo portuguez gloria; e a todas as
nações commerciantes a liberdade dos mares da China[42]. Os povos
chinezes congratulam-se com a extincção do inimigo que por mais de 20
annos os havia opprimido, por serem as forças maritimas do imperio
insufficientes para destruilo.--

Accrescentarei o que os sobrecargas não poderam escrever: não foi menor
a vantagem de Macáo e a gloria da nação portugueza, lançar fora daquella
cidade as tropas inglezas, que della se pertendiam apossar.

Vendo uma memoria do Sr. Lucas José de Alvarenga, Governador que fôra de
Macáo, sou obrigado a contestala para desagravar os macaenses das
offensas que alli lhes derige aquella triste e miseravel jactancioso.

Imprimio a sua memoria no Rio de Janeiro em 1828, e diz que lhe dera
motivo a isso outra impressa em Lisboa em 1824; por se achar nella o seu
nome inglorio. Sendo eu quem a escreveu, devo mostrar a razão de não
fallar em louvor do Sr. Lucas.

Saí de Macáo para Lisboa em janeiro de 1808, e o Sr. Lucas entrou
naquella cidade em Setembro do mesmo anno. Tornei a Macáo em Novembro de
1810, já elle tinha saido dalli em Abril desse anno. Querendo recolher
factos sobre a extincção dos piratas, a fim de completar o meu opusculo,
tomeios das actas do Senado, e das pessoas conspicuas daquella cidade.
Haviam em tão pouca conta este cavalheiro, que não se atreveram a
confiar-lhe o governo das armas senão depois de fazerem retirar as
tropas inglezas, como fica demonstrado, no officio do mandarim de
Hiang-san.

O Sr. Lucas, a pag. 4 da sua memoria diz serem verdadeiros os factos
lançados na que se imprimira em Lisboa; isto é, 1.^o O zelo e a
actividade do Ministro Arriaga; 2.^o o valor das pessoas empregadas na
esquadra; 3.^o a existencia dos tractados; 4.^o a entrega dos piratas
5.^o a invasão e a retirada das tropas inglezas; mas offende-se do
silencio guardado a seu respeito; e julga haver nesse procedimento algum
misterio.

Assim julga o Sr. Lucas não haver exactidão nesta memoria por não fallar
na sua entrada em Macáo, no dia da sua saída, e talvez naquelle em que
fôra encontrado na Sé vestido com trajos de mulher. Confesso não ter
fallado do Sr. Lucas para não ennodoar um escripto consagrado ás
virtudes Luso-Macaenses, com a irregular conducta de tal governador.

Como fallaria em louvor de um individuo desprezado não só pela sua
conducta, mas tambem pela sua cobardia? O Sr. Lucas por fraco obstou ao
mais glorioso triunfo que podiamos obter em recompensa de tantas e tão
longas fadigas: obstou que o chefe dos piratas se entregasse com toda a
sua esquadra no porto de Macáo. Destas e outras acções do Sr. Lucas
devia eu fallar, se escrevesse a historia de Macáo, mas eu apenas me
encarreguei de levar á posteridade dois factos dessa historia, a
destruição dos piratas, e o desembarque e retirada das tropas
britanicas. Não fazendo o Sr. Lucas cousa boa digna de notar-se, julguei
fazer mercê ao Sr. Lucas, deixando-o no escuro em que alli se lançou.

Sendo este opusculo destinado a louvar as acções dos Luso-Macaenses, não
devia apparecer entre elles um brasileiro empenhado em fazer o contrario
do que os outros praticavam. Como se fallaria em louvor de um
governador, cuja administração foi tempo de martyrio para os macaenses,
não só pela falta de caracter do Sr. Lucas, mas tambem pela grande
rapina do ouvidor Peixoto?

É verdade innegavel ser tudo quanto alli se praticou de maravilhoso,
devido ao genio extenso e luminoso de Miguel de Arriaga. Assim o provam
as actas do Senado, as cartas de Cam-pau-sai, as de Bernardo Aleixo, e o
hymno cantado na presença dos bons Macaenses, pelo benemerito cidadão
José Baptista de Lima, no dia em que estes celebraram o triumfo de
Miguel de Arriaga pela extincção dos piratas.

Quando fallei, em 1824, na 1.^a parte desta memoria, ácerca do bom
governo Macaense referime á sua fórma e aos annos em que influio nelle
Miguel de Arriaga, e Bernardo Aleixo. Agora vejo, com admiração, o Sr.
Lucas arrogar a sí os louvores de outros, quando elle ainda nem ao menos
tinha visto Macáo!

O Sr. Lucas diz, a paginas 23 de sua memoria:--Sei em ultima analyse que
não sei nada, e não sou nada--e a paginas 7 diz:--Tendo eu sido autor de
todos os negocios publicos e mui particularmente este, sería bastante
para dar idéa do objecto contestado, e da falta de exactidão da memoria
impressa em 1824, do espirito, conhecimentos, e fins com que foi
escripta.--

O homem que não é nada, e não quer nada pretende roubar a gloria dos que
foram alguma cousa; contestar com falsidades, documentos legaes e
autenticos. Confessa a veracidade dos factos impressos nesta memoria, e
censura o seu autor por não lhe dar a elle o que pertencia a outros! Eis
a falta de exactidão encontrada pelo Sr. Lucas: dahi nasce a sua
desconfiança ácerca do espirito, conhecimentos e fins com que ella fôra
escripta.

Póde viver certo de que o espirito foi patriotico; os conhecimentos
extraídos, parte das actas do Senado, parte adquerida na presença dos
factos; e os fins limitaram-se no gosto de levar á posteridade os factos
macaenses.

Arriaga, Bernardo Aleixo, Pereira Barreto, Alcoforado, e outros muitos
empregados naquella empreza, já o mundo os havia perdido quando tive a
honra de publicar pela imprensa as suas virtudes e proezas; o Sr. Lucas
não sendo nada e não querendo nada, esperou que elles morressem para
denegrir não só as proezas, mas tambem as virtudes daquelles varões
illustres!

--Não posso deixar passar semelhante expressão, diz o Sr. Lucas a pag.
11, por conter noções erroneas e falsas em perjuizo da honra e da gloria
que me provem do resultado de todos os brilhantes feitos na época
sómente do meu governo, e cujo brilhantismo principiou com a minha
chegada e acabou com a minha retirada!--

Ainda senão vio maior jactancia. O Sr. Lucas chega aponto de alterar a
fórma do governo só a fim de roubar a gloria que não lhe pertence.

É elle mesmo quem confessa, apesar do roubo que pretende fazer, a
paginas 42 da sua memoria, não ter influencia no governo.--O Senado, diz
elle, projectou mandar a galera Ulises ao Rio de Janeiro, afim de
cumprimentar El-Rei; oppuz-me; com tudo a galera proseguio--Assim
destroe o mesmo Sr. Lucas as suas argucias.

Em quasi todas as paginas da sua memoria lançou argumentos
contra-producentes.--Chegaram os piratas pela sua quantidade e força,
diz elle a paginas 43, a dominar os canaes de Wampo-o; então por
circunstancias, apesar das ordens superiores que me embaraçavam a
fazelo, expedi ordens em Setembro de 1809 para serem batidos. O Sr.
Lucas, em seus improvisos desacredita os mesmos a quem pretende elogiar.
As ordens superiores referem-se ao Vice-Rei de Goa: porque motivo daria
este ordem para não se atacar os piratas? Estaria comprado por elles?
Que mais é preciso para saber-se que o Sr. Lucas não cooperara cousa
alguma para a destruição dos piratas, elle mesmo confessa que fôra
obrigado a mandar ordens para serem batidos os piratas?

Em verdade o Senado, de quem Arriaga éra a alma, foi quem o obrigou a
mandar aquella ordem; logo fica demonstrado pelo mesmo Sr. Lucas, que o
brilhantismo daquella época não lhe pertence, pois até para expedir a
ordem para serem batidos os piratas foi obrigado pelo Senado.

É certo, diz elle a pag. 46, que um dia depois que recebi parte do
commandante da esquadra, em que dava por verificada a entrega de
Cam-pau-sai, partio Arriaga para a bocca do rio Tygre, dizendo ír a
negocio particular, e é certo que indo, esteve com o cabeça dos piratas;
e é certo tambem que este logo se retirou com toda a sua esquadra; e que
a entrega se não fez, quando a parte do commandante (Alcoforado) a dava
por verificada!--

Que mais se poderia dizer em desabono do Sr. Lucas, do que elle mesmo
escreveo? Pois quem diz fizera tudo, não sabendo nada! Quem diz que o
brilhantismo de Macáo principiara com a sua chegada alli, e acabara com
a sua retirada, confessa que tendo uma esquadra vencedora debaixo das
suas ordens, deixara fugir o inimigo depois de se ter já entregado?
Então a quem comprou Arriaga na sua viagem á bocca do rio Tigre, ao
Chefe da esquadra portugueza, ou ao chefe dos piratas? Compraria ambos?
Tudo aquillo é falso; mas quando fosse verdadeiro, provaria que éra
Miguel de Arriaga quem predominava em Macáo.

Os documentos improvisados pelo Sr. Lucas; e o Officio dirigido ao
Vice-rei, são partos do seu estro, quando se achava dominado pelo furor
de elogiar-se. O enviado inglez, no Rio de Janeiro, servio-se delles
para desacreditar Arriaga, e Bernardo Aleixo na opinião de El-Rei; mas
este desmascarou a intriga, premiou os macaenses, e castigou o Vice-rei,
por ter mandado a Macáo o Sr. Lucas, que desde então já mais obteve
emprego algum.

Este cavalheiro além de pretender a gloria alheia, deixa ver na sua
memoria o azedume com que a escrevêra! Tentou deprimir os macaenses, e
denegrio a sua estirpe. Um brasileiro jámais deve fallar em desabono
ácerca de colonias povoadas por degradados; por quanto assim que Pedro
Alves Cabral descobrio -----File: 0166.png---\\\\\\-----o Brazil
despejaram-se as masmorras de Portugal. Quando nossos maiores chegaram a
edificar uma cidade no imperio chinez, os criminozos de todo o reino
eram diminutos para domar a sanha dos butecudos e tupinambas nos sertões
do Brazil.

Timor é o unico presidio que temos além da Taprobana. Só Camões, pelo
respeito devido ao genio, obteve ficar em Macáo servindo o emprego de
Juiz dos orfãos naquella cidade, rica pela salubridade do clima, pelos
alimentos, pela forma do seu governo, e pelas virtudes de seus
moradores.

O Sr. Lucas não escreveu para fornecer á historia cousas proprias a
fazer os homens melhores; pertendeu injuriar os macaenses com despreso
da razão e da justiça. As providencias que ele diz foram a Macáo em
1783, são impoliticas e desconcertadas: que outra cousa se poderia
esperar de dois theologos no governo de um reino? (Martinho de Mello, e
um frade) visões, argucias, e fogueiras.

Fallava Martinho de Mello, naquella época, dos incontestaveis direitos
que tem a corôa de Portugal sobre Macáo! Que dirá o imperador da China,
a quem pagamos fóro? Mas quando assim fosse, quem sustentou ha perto de
300 annos esses direitos? Degradados? Por certo não. Martinho de Mello
era tão hospede na historia daquelle paiz, que ignorava haver um decreto
feito em 31 de Agosto de 1629, que prohibe a qualquer degredado, que
alli se refugie, servir os encargos da cidade, e mesmo de eleger para
elles.

--O Senado de Macáo, composto de degradados que para alli se refugiam,
diz Martinho de Mello, ou de outros similhantes, ignorantissimos em
materia de governo, não lhe importa cousa alguma que diga respeito a o
decoro nacional, nem ao incontestavel direito da soberania, que Portugal
tem áquelle importante dominio!--

Fallar assim a povos residentes na China, não é só grande impolitica mas
tambem supina ignorancia das materias de governo. Graças aos generozos
macaenses, que despresando as invectivas dos sejanos, tem sempre
concorrido para tudo quanto é decoroso e interessante a Portugal. O
procedimento daquelle ministro deixa ver que elle tinha mais carencia de
luzes e de virtudes, do que os homens a quem offendeu.

Nem Martinho de Mello, nem o Sr. Lucas (da viola) jámais poderiam fazer
as proezas que em todos os tempos obraram os illustres macaenses. Thomaz
Vieira, natural de Macáo, sendo governador daquella cidade em 1627,
vendo-a sitiada pelos hollandezes, armou seis pequenas embarcações e foi
accommettelos. Abordou uma grande náo, que tomou, fazendo horrivel
mortandade no inimigo; os restantes fugiram deixando triumfante o
denodado Vieira.

Os macaenses sempre honraram e prestaram a Portugal, já fazendo despezas
avultadas com os nossos embaixadores ao imperador da China, já mandando
generosos presentes á capital do reino luso, já derramando o proprio
sangue a fim de limpar as costas da China de piratas, já na defeza dos
muros levantados por seus maiores.

Os governadores exigentes das providencias, que alli mandou Martinho de
Mello, eram similhantes aos que desolaram Macáo em 1626, 1709, 1747, e
mesmo ao Sr. Lucas seu elogiador aprol da tyrannia. Para se avaliar dos
homens que pedem taes providencias, bastará ler a carta seguinte do
Conde de S. Vicente. Tem por objecto responder a El-Rei D. Afonso V,
sobre o oitavo que mandava receber, de todos os rendimentos
particulares; tributo imposto em 1666 pelo vice-rei Antonio de Mello e
Castro.

--Sr.: a India ve-se de muito longe, e ouve-se mui tarde: assim não me
espanto da fórma com que muitas ordens se expedem, nem do mal com que
outros se guardam[43]. Já um grande ministro disse:--A jurisdicção dos
Reis de Portugal apenas chega a Santarem; dahi para cima tudo é dos
corregedores--Na India a dos vice-reis não chega a tanto; o mais é dos
capitães das fortalezas! Os gentios não tem fazendas, os canarins apenas
cultivam para comer; assim não ha de quem se receba esse oitavo. Das
pedras não se tira mel. Vossa Magestade deve mandar á India quem lhe
faça desses impossiveis, que eu não sei mais do que chorar as miserias,
que vejo. Se isto vai de mim, venha outro; se nasce dos povos, tenha
Vossa Magestade delles piedade. Goa 26 de Janeiro de 1668.

Se todos os vice-reis fallassem deste modo aos imperantes, não íriam a
Macáo aquellas offenças em logar de providencias; os povos seriam
felizes, os portuguezes respeitados, e os Alvarengas mais commedidos.

Julgo ter dito quanto basta para fazer arrepender o Sr. Lucas de querer
arrogar asi a honra, que não lhe pertence, e de ser ingrato aos
macaenses que tanto lhe soffreram. Para o Sr. Lucas avaliar, com mais
conhecimento de causa, o espirito e fins com que fora escripta esta
memoria, ahi lhe remetto a copia fiel de uma carta que dirigi ao Senado
de Macáo em 1826, assim como a sua resposta.


                _Carta dirigida ao Senado de Macáo._

Senhores, ainda que separado de vós ha doze annos pela distancia immensa
da Europa á China, o meu espirito esteve sempre comvosco. Havendo no
coração o germen de todas as virtudes, e recebido da natureza alma docil
ás suas impressões, jámais poderia esquecer-me das sublimes qualidades
que possuis. Deviam ser escriptas por outro Andrade como Jacinto Freire,
mas tivesteis a desventura de viverdes em seculo diminuto em escriptores
capazes de dar vida ás proezas dos heroes.

--Grandes e magnificos foram sem duvida os feitos dos athenienses; mas
quanto a mim, diz Salustio, menores do que a fama. Havendo alli muitos e
grandes escriptores, as proezas dos athenienses foram celebradas no
mundo pelas maiores. Assim o valor dos que as fizeram passa por tal,
qual nos seus exagerados escriptos o figuraram esses preclaros
engenhos[44]--Em nosso tempo não acontece o mesmo; para o mundo saber
das vossas proesas na carreira da gloria servio-se da minha tosca penna.

O livro que vos offereço é pequeno em volume, porém grande em seu
objecto: basta conter os grandes feitos que praticasteis na extincção
dos piratas. Na segunda parte que ficou a imprimir-se em Lisboa ainda
alcançasteis mais gloria. Na primeira realçam os vencedores de
Cam-pau-sai, na segunda brilha o Senado com a expulsão dos inglezes.
Porém não é elle a mesma cousa, o Leal Senado de Macáo, e os cidadãos
macaenses? Nesse tempo luctuoso viviam todos animados do mesmo espirito;
a todos se ouvia a mesma voz:--Morrer, dizeis, ou mostrar que
descendemos dos Castros e dos Almeidas.--

Desculpai, Srs., se desafio a vossa mágoa recordando-vos os illustres
collegas, que por longa serie de annos regeram com vosco esta cidade.
Julgo-os com direito á minha lembrança e aos vossos elogios. Porque
motivo usarão os oradores celebrar só os poderosos? Por que não louvam
elles as pessoas abalisadas em merito e virtudes? Se é preciso celebrar
sempre os grandes, porque não se lembram tambem dos homens que foram
uteis? Não será digno de louvor o magistrado que usando da espada de
Astrêa, por muitos annos, o fez com tanta prudencia, que não ferio
cidadão algum? Magistrado que havia coração tão sensivel e humano, que
não se limitando em fazer a paz e a ventura de uma cidade, pretendia
abranger com esses dons á maior parte do mundo? Que abrazado no sancto
amor da patria, empenhava quanto possuia para engrandecela e
glorificala? Em fim o varão forte que assaltado por intrigas e calumnias
de ingratos, capazes de enfraquecer o espirito de Zeno, as supportava de
animo tranquillo? Vós sabeis que Miguel de Arriaga possuio estas
sublimes qualidades.

Quem, Senhores, deixará de louvar o illustre José Joaquim de Barros,
quando nesse mesmo recinto, agitando-se a questão se deviam, ou não ter,
accesso os inglezes, exclamou.--Voto que não se deixem entrar; desse-me
o lugar mais arriscado para defendelo; se a fortuna me for adversa,
gostoso darei a vida em honra da Patria[45].

Qual de vós, macaenses, nessa crise perigosa houve differentes
sentimentos? Todos repulsasteis o inimigo por modo singular e
extraordinario.

Do monumento consagrado á vossa memoria, offereci um exemplar ao Sr. D.
João VI; dizendo-lhe que certo de em parte alguma depositar melhor as
proezas macaenses do que em suas reaes mãos, alli lhe entregava feitos
praticados em dias, bem similhantes aos do feliz tempo em que os
lusitanos pelo caminho da virtude subiram ao templo da immortalidade.
Fiquei satisfeito por saber depois, que El-Rei apreciára o livro, onde
se acham exaradas as proezas macaenses; porém será completo o meu gosto
se as julgardes levadas á posteridade por maneira digna de vós.

Em verdade, Senhores, é preciso ser estupido para não admirar o vosso
animo, e barbaro para com o vosso exemplo não sentir o estimulo da
virtude. Coimbra, Mattos, Limas, e outros, possuiram virtudes perfeitas:
serviram por mais de trinta annos os encargos desta cidade por modo, que
nem Focio, ou Aristides o fez melhor em Athenas[46].

Macaenses, se os louvores provém de interesse, devem despresar-se; se a
lisonja tenta enganar os poderosos, deve temer-se; porém quando a
admiração tributa homenagem á virtude deve estimar-se.

Assevero-vos que nesse opusculo liguei sempre a minha alma ás vossas
acções; se lhes faltam pensamentos animados, por mingua de genio, tem o
grito da verdade, unico preciso para immortalisar-vos.


                             _Resposta._

O Senado recebeo com satisfação a vossa memoria, por ver nella
immortalisados os feitos macaenses, na estincção dos piratas, que
infestavam o nosso arquipelago. Em verdade vós ornasteis o vosso e o
nosso quadro com as flores e bellesas de Camões e dos Andrades. O Senado
não perderá occasião, em que vos possa ser util em reconhecimento de tão
precioso presente.

_Cartorio do Senado, 16 de Novembro de 1826_


                                  FIM.



Notas:

[1] Sacrifico a minha vida e fortuna á vossa (dizia Cicero ao povo
Romano); só exijo em recompensa conserveis a memoria dos meus serviços

                                                  _Catilinaria IV._

[2] M. Thomas.

[3] Diniz Ode XV.

[4] O reprehensivel descuido dos nossos auctores agora o pagamos por
castigo, ignorando os nossos proprios successos; e sujeitando-nos a
crêr, e a estimar delles sómente aquella pequena parte, que nos quizeram
contar os inimigos, mais obrigados da dôr, que da verdade.

                                                  _D. F. M. C. 26._

[5] Era este Illustre Varão de mediana altura, reforçado, largo de
ombros, mui cabelludo e tinha olhos amarellos.

[6] Navio de 20 bombardas com 300 homens.

[7] _Camões, C. X. Est 82_

[8] Por estas acções heroicas, ainda que barbaras, pode julgar-se o
valor dos inimigos que tinhamos a vencer.

[9] Ode XI. Epodo 4

[10] Ode XV. Dinis.

[11] Embarcação de 20 tonelladas.

[12] Camões, C. X. Est. 12 e 13.

[13] Jacintho F. de Andrade.

[14] Cam-pau-sai flagelou as provincias meridionaes do Imperio com
repetidos tributos; e saques aos remissos.

[15] Foi mui reprehensivel o modo porque obrigaram Arriaga a dacontas do
dinheiro, que seus inimigos divulgavam ter elle levado dos cofres
publicos, em sua administração; sabendo-se em Macáo, os sacreficios que
elle tinha feito em honra da Nação e a bem daquella cidade. Graças
eternas sejam dadas á sua memoria. Além de não dever nada aos cofres
publicos, (como mostrou a Commissão nomeada para lhe tomar contas) ficou
sendo credor de 11 contos de réis; o que foi publico nas gazetas de
Macáo.

[16] Com especialidade F. A. P. Thovar e Felis José Coimbra.

[17] Diuiz Ode 34

[18] Camões, Canto 2, Est. 100.

[19] Duarte Nunes de Leão, C. dos reis de Portugal.

[20] L. J. de Alvarenga, queixa-se do mysterioso silencio guardado a seu
respeito nesta memoria. No fim della direi qual foi o mysterio.

[21] No suburbio da cidade.

[22] Camões, Canto 1. Est X.

[23] Este paragrafo foi composto no dia 9 de Maio de 1824; dia em que o
Senhor D. J. VI proclamou aos portuguezes de bordo da Nao Windsor
Castle; tomou aquelle asilo para escapar aos malevolos que o tinham
cercado desde o dia 30 de Abril.

[24] Sá de Miranda.

[25] Allud e a uma maxima de confucio.

[26] O Imperador observou a seguinte maxima de Confucio.--Respeitos que
te levam vantagem por natureza.

[27] Promenade autour du monde, em 1817, 1818, 1819, 1820, Carta 68.

[28] Cidade portugueza na ilha de Timor. Procedia este contentamento por
terem saído de Coupang, cidade hollandeza na parte occidental da mesma
ilha aonde Arago e seus companheiros foram mal recebidos.

[29] Duarte Pacheco, depois de fazer prodigios na Asia, a inveja, a
calumnia e a intriga trouxeram-o da Africa a Lisboa em ferros.
Albuquerque, de-pois de immortalisar a nação a que pertencia, foi
victima das mesmas furias. Não admira ter Alcoforado em premio de seus
ma-Portantes serviços o governo da pestilente ilha de Timor, onde morreu
na flor da idade.

[30] Como estariam hoje os brazileiros se Pedro Alves Cabral levasse
taes ordens.

[31] Vede se esses homens que prestaram serviços, para terem patria,
recusaram as enormes pensões com que pertendem inchar!

[32] No protesto de Bernardo Aleixo se verá o espirito da intimação.

[33] Esta correspondencia foi extrahida, por integra, do Senado, mas é
dada aqui em espirito.

[34] O Governador éra o orgão do Senado.

[35] Já em 1802 quizeram os Inglezes abusar dos nossos tractados com o
governo Chinez.

[36] É notavel o modo civíl e urbano do governo de Macáo, e as maneiras
asperas de Roberts, etc. companhia.

[37] Tinha chegado na antevespora ordem de Goa para entrarem os inglezes
em Macáo!

[38] Note-se como fallam os mandarins a nosso respeito. Eis o que
prometti na introducção da primeira parte.

[39] Admira não dizer que os mandaria para Botany-bay.

[40] Bernardo Aleixo apelou para o tempo: esse inflexivel juiz dos
homens e das cousas já castigou os seus detractores.

[41] M. de Levis.

[42] Juizo dos sobrecargas, mandado a Londres.

[43] É boa resposta ás providencias de Martinho de Mello.

[44] Versão do Sr. J. V. B. Feio.

[45] Varão septuagenario.

[46] Catão o censor, não possuio tão grande somma de virtudes perfeitas,
como havia o benemerito cidadão Felis José Coimbra.



Lista de erros corrigidos


Aqui encontram-se listados todos os erros encontrados e corrigidos:


  +----------+----------------------+---------------------------+
  |          |      Original        |         Correcção         |
  +----------+----------------------+---------------------------+
  |#pág.    8| Chang-ti             | Cham-hi(*)                |
  |#pág.   12| Tai-te-sang          | Tai-te song(*)            |
  |#pág.   12| qualqner             | qualquer                  |
  |#pág.   13| natueza              | natureza                  |
  |#pág.   14| Abuquerque           | Albuquerque               |
  |#pág.   17| fizerão della        | fizerão delle(*)          |
  |#pág.   18| cidadadãos           | cidadãos                  |
  |#pág.   19| periecios            | periecos                  |
  |#pág.   25| 1585                 | 1805(*)                   |
  |#pág.   26| Ciadde               | Cidade                    |
  |#pág.   29| bribue               | brigue(*)                 |
  |#pág.   29| Bareto               | Barreto                   |
  |#pág.   31| argino               | argivo(*)                 |
  |#pág.   35| Com paráos           | Cem paráos(*)             |
  |#pág.   36| illultres            | illustres                 |
  |#pág.   37| aubiram              | subirão(*)                |
  |#pág.   37| tinha                | tinhão(*)                 |
  |#pág.   42| Wam-pao              | Wam-poo(*)                |
  |#pág.   44| para ser             | por ser(*)                |
  |#pág.   44| mais                 | mui(*)                    |
  |#pág.   45| formaram             | formarão(*)               |
  |#pág.   46| 8^o                  | 3^o(*)                    |
  |#pág.   51| fusão                | effusão(*)                |
  |#pág.   56| espedadaçados        | espedaçados               |
  |#pág.   56| os velas             | as velas                  |
  |#pág.   58| Officiciaes          | Officiaes                 |
  |#pág.   64| a a honra            | a honra                   |
  |#pág.   65| mercantes            | marcantes(*)              |
  |#pág.   65| a Chum-pin           | para Chumpin(*)           |
  |#pág.   67| alguns do seus       | alguns dos seus           |
  |#pág.   74| snummameute          | summamente                |
  |#pág.   75| Cam-paui-sai         | Cam-pau-sai               |
  |#pág.   79| pala honra           | pela honra                |
  |#pág.   83| nommme               | nomme                     |
  |#pág.   87| Virtudes             | virtudes que possuia(*)   |
  |#pág.   87| fazia                | faria(*)                  |
  |#pág.   88| habitautes           | habitantes                |
  |#pág.   88| tome a agua          | tome agoa(*)              |
  |#pág.   88| Gragas               | Graças                    |
  |#pág.   91| as quaes tem         | as que tem(*)             |
  |#pág.   91| reconhcimento        | reconhecimento            |
  |#pág.   96| pessoas              | possesões(*)              |
  |#pág.   96| Septemero            | Septembro                 |
  |#pág.   98| vosas tropas         | vossas tropas             |
  |#pág.  101| quã o                | quão                      |
  |#pág.  103| a tractada           | tratada(*)                |
  |#pág.  105| presidente           | Ministro(*)               |
  |#pág.  105| lares                | os lares(*)               |
  |#pág.  106| nos macaenses        | nos peitos macaenses(*)   |
  |#pág.  106| a persuadilos        | e persuadilos(*)          |
  |#pág.  106| por missão           | permissão(*)              |
  |#pág.  106| e afiançou           | afiançou(*)               |
  |#pág.  106| Francico             | Francisco                 |
  |#pág.  107| quebar-se            | quebrar-se(*)             |
  |#pág.  109| enentrarem           | entrarem                  |
  |#pág.  110| qnanto               | quanto                    |
  |#pág.  110| tortaleza            | fortaleza                 |
  |#pág.  112| amim                 | a mim                     |
  |#pág.  112| A inda               | Ainda                     |
  |#pág.  114| respoderam           | responderam               |
  |#pág.  114| cencedido            | concedido                 |
  |#pág.  114| virtudes             | virdes(*)                 |
  |#pág.  117| fraududulenta        | fraudulenta               |
  |#pág.  117| horririvel           | horrivel                  |
  |#pág.  117| da consumada         | da sua consumada(*)       |
  |#pág.  119| foi uma complicação  | foi uma a complicação(*)  |
  |#pág.  122| çom elle             | com elle                  |
  |#pág.  123|       o 1.º § acaba no ponto final(*)            |
  |#pág.  130| obedecer             | obedecerem(*)             |
  |#pág.  133| Winistro             | Ministro                  |
  |#pág.  133| innlezes             | inglezes                  |
  |#pág.  143| miseraravel          | miseravel                 |
  |#pág.  143| em Lx.a impressa     | impressa em Lisboa(*)     |
  |#pág.  144| o Prezidente         | o Ministro(*)             |
  |#pág.  147| de que este espirito | de que o espirito(*)      |
  |#pág.  147| adquerida            | adqueridos(*)             |
  |#pág.  148| fróma                | fórma                     |
  |#pág.  149| que elle             | que o Sr. Lucas(*)        |
  |#pág.  149| cooperarem           | cooperara(*)              |
  |#pág.  149| do que a sua mesma   | elle mesmo                |
  |          | confissão de que fôra|   confessa que fôra(*)    |
  |#pág.  151| encontrado           | entregado(*)              |
  |#pág.  151| o Chefe              | ao Chefe(*)               |
  |#pág.  151| prova                | provaria(*)               |
  |#pág.  152| butucudos Tupinambas | butecudos e tupinambas(*) |
  |#pág.  152| e o Arcebispo        | e um frade(*)             |
  |#pág.  153| e mesmo eleger       | e mesmo de eleger(*)      |
  |#pág.  155| Afonso V.            | Afonso VI. (*)            |
  |#pág.  155| que outros guardam   | com que outros se         |
  |          |                      |   guardam(*)              |
  |#pág.  158| Julgo-vos            | Julgo-os(*)               |
  |#pág.  161| neste apuzento       | neste opusculo(*)         |
  |          |                      |                           |
  |#nota   15| oomo                 | como                      |
  |#nota   17| 24                   | 34(*)                     |
  |#nota   36| civíi                | civíl                     |
  +----------+----------------------+---------------------------+


(*) Correcções efectuadas com base na errada da obra original.

Foram mantidas as variações das palavras "La Perouse", "Le Perou-se",
"La Perou-se"...

Na página 85, não existe ponto 3º//nota 3.

A pontuação foi corrigida de acordo.
Exemplo: colocação de pontos finais em vez de vírgulas no final de frases.





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Memoria dos feitos macaenses contra os piratas da China - e da entrada violenta dos inglezes na cidade de Macáo" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home