Home
  By Author [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Title [ A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z |  Other Symbols ]
  By Language
all Classics books content using ISYS

Download this book: [ ASCII | HTML | PDF ]

Look for this book on Amazon


We have new books nearly every day.
If you would like a news letter once a week or once a month
fill out this form and we will give you a summary of the books for that week or month by email.

Title: Memoria sobre a cultura da Urumbeba e sobre criação da Cochonilha
Author: Berthollet, Claude-Louis
Language: Portuguese
As this book started as an ASCII text book there are no pictures available.
Copyright Status: Not copyrighted in the United States. If you live elsewhere check the laws of your country before downloading this ebook. See comments about copyright issues at end of book.

*** Start of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Memoria sobre a cultura da Urumbeba e sobre criação da Cochonilha" ***

This book is indexed by ISYS Web Indexing system to allow the reader find any word or number within the document.



generously made available by National Library of Portugal
(Biblioteca Nacional de Portugal).)



Cultura da Urumbeba



MEMORIA
SOBRE A CULTURA
DA
URUMBEBA,
E SOBRE A CRIAÇÃO
DA
COCHONILHA.

EXTRAHIDA

POR M. BERTHOLET

Das Observações feitas em Guaxaca.

POR

M. THIERY DE MENONVILLE,
E Copiada do V. Tomo dos Annaes de
Chymica,
DEBAIXO DOS AUSPICIOS,
E ORDEM
DE SUA ALTEZA REAL
O
PRINCIPE N. SENHOR,
_Por Fr. José Marianno da Conceição
Velloso._


LISBOA. M. DCC. XCIX.
Na Of. de Simão Thaddeo Ferreira.



SENHOR


_O Extracto, que tenho a honra de apresentar a V. ALTEZA REAL, foi feito
por M. Bertholet, Chymico Francez, de outra obra maior, composta por M.
Menonville, que contém o resultado das suas Observações sobre a cultura
do Nopal, como chamão os Mexicanos; ou da Urumbeba, como chamão os
Brasilianos, e igualmente sobre a criação do Insecto da Cochonilha,
quando só pelo fim de os examinar, e de os estabelecer em a Ilha de S.
Domingos emprehendeo em 1777 a viagem a Guaxaca no interior do Mexico,
auxiliado das graças do seu respectivo Soberano. Este mesmo extracto
contém o juizo que por Ordem Ministerial fizerão os Chymicos Francezes,
Bertholet, Desmarest, Fougeroux, o Abbade Tessier da Cochonilha, que o
mesmo Naturalista estabeleceo em S. Domingos, a pezar da nenhuma
correspondencia que tiverão os seus trabalhos._

_Espero que, sendo esta Memoria espalhada pelo Brasil, e particularmente
pelos póvos de Beira mar, que possuem tantos tratos arenosos, inuteis a
toda outra planta, excepto esta, haja de produzir hum maravilhoso
effeito no commercio Nacional, pela grande falta que se experimenta
deste genero, assim na Europa, como na Asia. Que ella se dê bem nas
areias, he hum facto da nossa Agricultura do Brasil; pois governando o
Rio de Janeiro o Excellentissimo Luiz de Vasconcellos e Sousa, animou
tanto a sua cultura nas freguezias que ficão pela praia ao Nórte da
mesma Cidade, isto he, Taipú, Maricá, Saquarema, e Yraruama, de que se
lembra a Relação do Inglez Stauton, que não só chegou a mandar grandes
partidas para este Reino, compradas pela Real Fazenda, como tambem a dar
hum tom de vida a estes ichthiophagos póvos, que só vivião dos peixes
que pescão nas grandes lagoas, em cujas margens estão aquellas
freguezias, e os vendem na Cidade. A longitude de 18 leguas, que ha
entre as duas Cidades de São Sebastião e da Assumpção de Cabo Frio, sem
contar o mais, e menos da largura, como roubada pela enfiada de lagoas,
que se poderião cortar, e fazer navegaveis até ao Rio, sendo coberta de
Urumbebaes, plantados, e cultivados em regra, quanta riqueza não
deverião esperar de hum semelhante estabelecimento?

A latitude do Rio de Janeiro ao Sul, he a mesma do Mexico ao Norte.
Deste se exportão todos os annos 880 mil arrateis, os quaes, segundo
sabios calculadores Negociantes Hollandezes, lhe deixão o lucro de 15
milhões, e 50,690 libras Francezas. O que obrigou a dizer a hum Francez
estas notaveis palavras. Este he o melhor elogio que se póde fazer dos
cadaveres de insectos: ao qual se póde ajuntar: que elles são para o
Mexico huma riqueza mais segura que as suas minas de prata: pois se dão
muitos paizes, em que este metal abunda, e só o Mexico produz a
Cochonilha. Se as latitudes são as mesmas, porque não rivalizaremos
aquella rica producção? Isto será devido aos cuidados de V. ALTEZA REAL.

Ultimamente será esta obra precursora da mesma de M. de Menonville, que
fica já no prelo, e vai enriquecida de duas Monographias com figuras;
huma da grande familia dos Cactos; e outra dos progalinsectos, chamados
Cochonilhas, ou Coccos, e dos que lhe são affins, em ambas se acharáõ
especies novas ainda não descriptas; a qual fará a III. Parte do II.
Tomo do Fazendeiro do Brasil,_

Beija o Supedaneo do Real Throno

_DE V. ALTEZA REAL_

o mais humilde Vassallo

_Fr. José Marianno da Conceição Velloso._



EXTRACTO

DA OBRA

DE M. MENONVILLE

SOBRE A CULTURA

DA

URUMBEBA,

Cactus _Coccinillifer_,

E CRIAÇÃO DA

COCHONILHA.

Coccus _Cacti_.


O Extracto desta obra parece estranho ao fim, que se propoz, quando se
publicou esta collecção; mas a Cochonilha he hum objecto de tanta
importancia ao commercio, e de tanto interesse ás Artes, que não deve
ser indifferente a aquisição dos seus costumes, e dos cuidados, que
requer a sua criação.

Além deste me obrigou outro motivo, o qual foi, ter achado nesta obra os
fructos de huma generosa empreza, feita totalmente só pelo ardor de
enriquecer as nossas Colonias de hum dom da natureza, o qual huma Nação
estranha monopoliza.

Tendo os Hespanhoes observado que os Indios do Mexico se servião deste
insecto, para pintarem as suas casas, e tingirem os seus algodões,
attrahidos da belleza desta côr informárão a seu respeito o Ministerio,
que passou ordens a Cortes em 1523. de promover a multiplicação deste
precioso insecto.

Reamur propoz ao Regente de França o transferir-se a Cochonilha para as
nossas Colonias; mas este projecto não teve a sua devida execução. M.
Thiery de Menonville, concebendo o novamente, sem se assustar dos
empecilhos, que o poderião embaraçar, apenas acceitou a metade da
consignação feita a este fim, isto he, 2 mil libras, reservando a outra
ametade, outras 2 mil, para que, no caso que, por qualquer impedimento,
visse frustrada esta sua primeira diligencia, podesse por huma segunda
conseguir o seu proposto, e premeditado fim. Elle (conforme disse) se
contentaria de sustentar a sua vida com pão, e agua.

Embarcou-se aos 21 de Janeiro de 1777 em o Porto do Principe, parando em
Habana, chegou a Vera Cruz. Aqui se informou de que Guaxaca era o Lugar,
em que a melhor Cochonilha se criava. Nada mais foi necessario para o
decidir á empreza desta viagem. Mas, como Guaxaca lhe ficava em
distancia de 70 leguas, e se não pode chegar a ella sem trepar montanhas
inaccessiveis pela sua altura, atravessar rios caudalosos, e arriscados,
e em huma palavra, só por caminhos pessimos: afóra isto ainda tinha de
vencer o illudir a vigilancia dos multiplicados Satellites, e a
desassocegada espreita dos Governadores: nada disto, nem do Fysico, nem
do Politico o intimida, e o faz parar: bem que se veja na precisão de
empregar toda a sua manha nesta obra, quanta deve ter hum empreiteiro de
natureza, ou politica, ou criminal. Principia pelos obsequiar
sobremaneira a fim de os interessar. Rebuça o seu projecto com o gosto,
e ardor que tinha pela Botanica, e com a necessidade, em que se via,
pela sua má saude, de tomar banhos no rio da Magdalena distante de Vera
Cruz algumas leguas. Mas, tomando caminho de Guaxaca, vio pela primeira
vez a Cochonilha em Galatillan: palpita-lhe de alegria o coração; e logo
se vê accommettido de reflexões amargurosas, que se entremisturárão com
a embriaguez, ou transporte, em que se via. Como, dizia elle, poderei eu
transportar hum animal tão debil, tão sujeito a machucar-se, e que, a
primeira vez que cahir, se não apegará mais a sua planta! He impossivel
que os abalos da cavalgadura em huma viagem de terra tão comprida não os
acabe? Como poderei carregar as volumosas plantas, sobre que elles
vivem? Como poderei eu isentallos das indagações, a que estão sujeitos?

Logo que chegou a Guaxaca, comprou caixões no paiz cubertos de
Cochonilha, com pretexto de lhe serem necessarias para hum remedio
contra a gotta. Misturou com as Urumbebeiras outras plantas, e teve a
felicidade de as poder trazer comsigo; porque julgarão que erão
futilidades, que só podião interessar a hum botanico. Soffreo na sua
viagem do mar hum grande temporal, que o obrigou a fundear em Campeche,
donde elle apanhou plantas de hum Cacto, que póde servir de sustento a
Cochonilha, e aportou em Porto do Principe aos 25 de Setembro do mesmo
anno.

Empregou toda a sua actividade em estabelecer hum urumbebal, e em
aprender os cuidados, que requer a criação das duas especies de
Cochonilhas. Conhecia que a Cochonilha silvestre, ou bravia se criava em
huma especie de urumbeba na mesma Ilha de S. Domingos.

Mas sua alma altiva, offendida, e ulcerada de ver que hum tão relevante
serviço, como o que acabava de fazer, era tido em pouca monta, e como
tal, muito mal correspondido, finalizou os seus dias de huma paixão em
1780.

O circulo dos Filadelfos, que a nenhuma outra circumstancia deve o seu
estabelecimento, senão ao desejo de fazer uteis as nossas Sciencias a S.
Domingos, ajuntárão os seus papeis, e os fizerão imprimir, e destes he,
que eu agora tenho a honra de apresentar este resumo, ou Extracto,
cingindo-me tão sómente ao que diz respeito á Cochonilha, e ás
urumbebas, que lhe servem de sustento.

Eu começarei, como o Author, fazendo conhecer as Urumbebas: ao depois
passarei a fallar das duas especies de Cochonilhas: finalmente
descreverei as experiencias comparativas, que fiz das duas Cochonilhas
fina, ou metesca, e a Cochonilhas bravia do Mexico, e da que se cria em
S. Domingos.


Cactos.


A Urumbeba he huma familia de plantas, muito numerosa em individuos; e
particular d'America. Esta planta penetra a terra com huma raiz mestra
mui profundamente; e ao mesmo tempo espalha quasi a flôr da mesma muitas
raizes fibrosas, horizontaes, e de rojo, apenas enterradas huma
pollegada. O seu verdor goza de varios matizes, segundo as suas diversas
especies: a substancia he tenrissima, e carnosa, mas volta-se em hum
durissimo lenho á força da velhice. He cheia do huma seiba mucilaginosa,
que algumas vezes se extravasa, como uma gomma opaca, farinhosa, branca,
ou amarella, que promptamente se enrija, e se dissolve como a gomma; mas
que tem menor viscosidade, e tenacidade: suas hastes, ou tálos se
levantão em arvores pelo nascimento successivo de outras hastes, que
sahem humas de outras, como ensartadas, ou unidas por articulações, mas
a apparente solução de continuidade se desfaz pela idade da planta, e
todas estas articulações desapparecem pelo crescimento das partes, de
modo que as articulações dos Cactos, que são espalmados, ou chatos, se
enchem, e se arredondão em troncos de arvore, em a qual se não distingue
mais o menor rasto, ou signal do seu nascimento, da sua fórma primitiva,
da posição de humas a respeito de outras. Dão-se arvores destas, que
chegão a ter seis pés de circumferencia, e trinta ou quarenta de altura.

As articulações, ou ramos, que nascem em lançamentos cylindricos nos
Cacteiros _Opuncias_, trazem nos ultimos, por hum ou dous mezes,
folhinhas conicas, curvas, de huma ou duas linhas de alto, dispostas em
quinconce, sobre linhas paralellas. Na axila destas folhinhas se acha
posto hum feixe de sedas innumeraveis, subsistentes, quebradiças, mais,
ou menos sahidas, espalhadas nos dous lados da articulação achatada. Ao
redor deste feixe se vê em todos os Cactos achatados, á proporção da sua
maior, ou menor cultura, 1, 2, 3, e ainda 12 espinhos de differentes
cores, regulados estes pelas suas differentes especies, compridos de 6
até 30 linhas, agudos, sólidos, perigosissimos, quando pungem, e
dispostos em rosa, ou em molhos: do centro destes, e do feixe das sedas
se vê sahir indifferentemente, ou a flôr, ou o garfo, que ha de
continuar a haste. As sedas, que se enfeixão, nada mais são que as
pontas dos espinhos das axillas das flores, ou dos garfos futuros, que
já se achão, como em resumo, debaixo destes pontos quinconceaes armados
de 2, 3, ou 20 espinhos da seiba precedente, e ellas farão, ao chegar a
sua vez na seiba seguinte, o officio dos espinhos, que antecedentemente
tem existido.

As flores sahem do topo de hum calis armado das mesmas sedas, e espinhos
que os garfos: são brancas, vermelhas, amarellas, purpureas, carmezins,
confórme as differentes especies: tem de 2 linhas até 6 pollegadas de
grandeza. Os petalos tem algumas vezes o número de 10, 12, 18, redondos,
ovados, oblongos, farpados, acuminados, algumas vezes mui abertos outras
fechados, ou conniventes, passando, atravéz delles os estames, e
pistillo, que os excede em longura, e talvez menores. Os Estames são aos
centos, os filamentos em fio, algumas vezes deitados: a Anthera oblonga,
e amarella, de huma grossura dobrada do filamento. O Estigma ás vezes em
fórma de prego com a cabeça, ou topo fendido em tres, seis, ou mais
partes.

Cahidas as partes da flôr, só fica o calis com o germe: o calis se
transfórma em huma baga oblonga, oval, muitas vezes redonda, como hum
pomo, unilocular, cheia de polpa, que, quando madura, he branca,
amarella, vermelha, carmezim, morada, purpurea, parda, ou verde,
regulada pelas suas differentes especies. Aninhão-se nesta polpa as
sementes, que tem a figura de hum rim, maiores que lentilhas, cobertas
de huma casca negra, parda, esmigalhadiça, costracea, e cheia de hum pó
branquissimo.

M. Linne ajuntou no Genero _Cactus_ as plantas que Tournefort chamou
_Melocactus opuntia_, as que Dillenio chamou _Tuna_, e as que Plumier
chama _Pereschia_. Dividio este genero em tantas Secções, quantas erão
as suas figuras exteriores, pela singularidade de suas differenças,
conservando a cada huma destas plantas na sua Secção o nome especifico
dos AA., que se acabão de nomear: por tanto dividio o genero dos Cactos
em oiriçados, cacteiros melões, cirios angulosos rectos, cirios
angulosos de lastro, ou de rojo, e em opuncias, ou comprimidos, e de
artigos proliferos.

Nesta Secção ultima he, que se achão os Cactos, em que até aqui se
encontra a Cochonilha bravia, e nos que se póde criar a fina. Contém hum
grande número de especies muito differentes de todas, as que tem sido
descritas pelos Botanicos; porém o A. não teve tempo, nem liberdade, de
as descrever, nem meios de as trazer comsigo do Mexico. Por tanto
hiremos sómente apontar as especies, cujo conhecimento he mais
interessante em razão da sua relação com a Cochonilha.

A Tuna de Dillenio, a qual os Hespanhoes de Vera Cruz chamão Tuna, e os
Colonos de S. Domingos chamão Raquetas da borda do mar. (_Raquetes des
bords de mer._) rara vez cresce em arvore: as suas articulações são
sólidas, espessas, rijas, de hum verde gaio, tirante a verde mar: seus
espinhos amarellos. Continuamente se vêm nellas em Vera Cruz as
Cochonilhas silvestres.

A _Pereschia_, conhecida em S. Domingos pelo nome _pata de Tartaruga_,
existe no Mole de S. Nicoláo, e na planicie de _Cul de Sac_ de S.
Domingos: he muito espinhosa, e da idade de 3 ou 4 annos se faz huma
arvore: suas articulações são menores que as das outras, mas o tronco he
provido de formidaveis espinhos, que são muito mais compridos, e em
maior quantidade que os da Tuna. A Cochonilha silvestre se acha sobre
esta Opuncia, e sobre ella foi, que o Author a descobrio em S. Domingos
no seu regresso do Mexico. Ella a prefere a Tuna; pelo facto de S.
Domingos, onde abandonou a ultima.

O Author trouxe de Campeche huma especie de Opuncia commua em as
Antilhas: este Cacto he pouco armado nas suas articulações, e nos garfos
tem hum, ou dous espinhos: as novas articulações rara vez os tem: são
oblongas, perfeitamente lisas, de hum verde sombrio, e mui lustroso nas
adultas, e de hum verde claro nas articulações novas: Cresce como
arvore. A Cochonilha silvestre se cria muito bem nesta Opuncia, que tem
a mesma vantagem de poder tambem criar a Cochonilha fina, quando se
pertende sómente semealla, ou entretella: porque nella se multiplica
muito pouco, para que se possa ter em vista fazer alguma colheita em
termos.

A _Opuncia_, que os Colonos chamão Raqueta Hespanhola, he huma grande
especie, articulada, em forma ovada, cujas hastes crescem em arvore;
seus garfos são sómente armados de seda, com hum, dous, ou tres espinhos
curtos. A Cochonilha silvestre se cria muito bem sobre esta especie de
Opuncia.

O Author dá o nome de _Nopal_ silvestre a huma Opuncia, que he a especie
dominante nos campos do Mexico: levanta-se em arbustos de 18 a 20 pés de
alto: suas articulações são redondas na cabeça; e todos os garfos
armados de rosas de espinhos brancos, curtos, que se entrelação huns com
outros, e embaração absolutamente applicarem-se os dedos na superficie
desta articulação. Esta especie serve muito bem de sustento á Cochonilha
silvestre.

As Opuncias, que sustentão melhor a Cochonilha, que as precedentes, são
a verdadeira Urumbeba do Jardim do Mexico, e a Urumbeba de Castella; a
Cochonilha silvestre nella fica tamanha, como a Cochonilha fina, e he
nella menos algodoenta que nas outras especies de Cacteiros: o seu
algodão he tão bem menos tenaz, mais frôxo, e mais espalhado.

A Urumbeba dos Jardins de Mexico, da qual o A. não vio, nem as flores,
nem os fructos, tem as suas raizes de hum pardo acinzentado com longes,
ou laivos de amarello, e que ficão lenhosas com a idade: levanta-se em
arvore, como a maior parte das Opuncias: as suas articulações são de
huma fórma oblonga e oval: tem huma superficie macia ao tocar, de hum
verde sombrio nas adultas, e verde claro e luzidio nas novas: os garfos
são armados de hum, dous, ou tres espinhos desiguaes no tronco da
planta.

A Urumbeba de Castella he a melhor das Opuncias: dão-lhe este nome para
caracterisar a sua belleza pelo costume, em que estão no Mexico, de
applicar huma idéa de nobreza ao nome de Castella: as suas articulações
tem algumas vezes 30 pollegadas de comprimento, e 12 e 15 de largura. -
O Author diz que a experiencia tem approvado que a côr vermelha,
violete, amarella, ou branca dos fructos das Opuncias differentes não
prestão, nem offendem a côr da Cochonilha, que se sustenta nestes
Cactos, nem he huma causa, ou indicio da sua aptidão maior, ou menor em
sustentar este insecto.

M. Thiery de Menonville, arranja por este modo as Opuncias pela
propriedade, que ellas tem de sustentar a Cochonilha silvestre: põem a
Tuna em o mais baixo gráo, ao depois a Pereskia, ao depois a Opuncia de
Campeche, o Nopal silvestre, a Raqueta Hespanhola: e finalmente a
verdadeira Urumbeba do Jardim de Mexico: e no ultimo e supremo lugar a
Urumbeba de Castella: com tudo não he este o unico alvo, a que se deve
olhar nas Opuncias: as que são muito espinhosas se oppõem á colheita da
Cochonilha, e devem ser rejeitadas, ainda que sejão proprias a
nutrillas; por esta razão não podem servir as Tunas, as Pereskias, o
Nopal silvestre do Mexico, de sorte que he preciso limitarem-se a
Opuncia de Campeche, a Raqueta Hespanhola, a verdadeira, e a Urumbeba de
Castella.

A Cochonilha fina não póde viver sobre todas as Opuncias: morre nas
Tunas, nas Pereskias, nas Raquetas Hespanholas: mas nutrem se sobre a
Opuncia de Campeche, ainda que mais espinhosa que a Raqueta Hespanhola:
todavia ella só se póde criar sobre a Urumbeba dos Jardins de Mexico, e
sobre a de Castella.

Logo que se pertende criar a Cochonilha, he preciso começar se por
estabelecer hum viveiro de Urumbebas, ao qual se dará o nome de
Urumbebal.

M. Thiery de Menonville, dá huma instrucção muito extensa e mui
circumstanciada ácerca da natureza do terreno, que convém a hum rendoso
Urumbebal, e aponta todos os cuidados, que se requerem, assim para o seu
estabelecimento, como para a sua mantença.


_Da Cochonilha silvestre, e da Mesteca._

Plinio, e outros antigos tinhão dado o nome de Coccus á côr vermelha,
que se tira do Kermes, e a este mesmo insecto, que olhavão, como o grão
da arvore, em que se propagava.

Linne reteve o nome de Coccus para designar esta familia de insectos
hemipteros, cuja cabeça he hum ponto na superficie do peito, e o abdomen
acaba em pequenas sedas: cuja femea carece de azas, tendo o macho
todavia duas levantadas. Abrangeo neste genero 22 especies, em cujo
número entra o Kermes, o Cocco de Polonia, o Cocco do Cacto
Cochinilheiro, que produz a Cochonilha.

Além das 22 especies descriptas por Linne, M. Thiery de Menonville,
descreve huma Cochonilha aptera, que se encontra em muitas especies de
arvores de S. Domingos, que forão reputadas pelo Padre Labat, Plumier,
Nicolson, e outros pela Cochonilha de Mexico.

Parece que os Naturalistas, até agora, não tem conhecido a Cochonilha
silvestre, pois que só descrevérão as que ficão ditas acima; mas, antes
de determinar as differenças da Cochonilha mesteca, e da silvestre, he
preciso considerar se a Cochonilha em geral.

A Cochonilha he hum Cocco que habita no Cacto cochinilheiro: a femea tem
o corpo chato da parte do ventre, e abaulado, ou emisferico pela parte
das costas, as quaes são raiadas por listras transversaes, que acabão no
ventre, formando nelle hum beiço, ou margem dobrada, das quaes a
superior he menor: toda a pelle he de huma côr parda de sombra, a bocca
nada mais, que hum ponto, que sahe do meio do arcabouço, ou thorax: tem
6 pés, pardos, curtissimos, e nada de azas. O macho tem o corpo
alongado, de huma côr vermelha, escura, coberto de duas azas
horisontalmente abatidas, e algum tanto encruzadas sobre o dorso, ou
costas: tem duas pequenas antennas; a cabeça menor hum terço, que o
corpo; o abdomen terminado por duas sedas posteriores, e, do mesmo modo
que as antennas, divergentes: tem igualmente 6 pes, porém maiores que os
da femea: não tem hum vóo continuado, mas de _pousa lousa_ em voltas,
saltando raramente. Em Mexico chamão á Cochonilha _Grana_ da palavra
Hespanhola, que faz lembrar o erro dos antigos, que julgavão ser este
insecto hum grão produzido por hum vegetal.

Julga-se que a Cochonilha silvestre se acha em a Urumbeba silvestre, e
na Tuna do Mexico; mas cria-se tambem nas hortas, nas verdadeiras
Urumbebas, que não tem espinhos. M. Thiery de Menonville, ao depois de
ter aprendido a conhecella no Mexico, as veio encontrar em S. Domingos
no Cacteiro Pereskia.

As pequenas Cochonilhas silvestres são contidas no seio da Mãe em figura
de ovos ensartados pelo embigo, huns ao depois dos outros, na placenta
commum. Quando a prenhez chega ao seu termo prefixo pela Natureza, estas
contas se desenfião grão por grão: e a Mãe figura então em vivipara:
porque os filhos sem dúvida deixão na passagem o véo, em que estão
contidos debaixo da apparencia de ovos; e sahem á luz, como animaes
vivos perfeitamente organisados: neste tempo serão do tamanho da cabeça
de hum alfinetesinho: o macho he menor hum terço que a femea: parece ser
alguma cousa mais comprido: tem as sedas muito curtas, e em menor
quantidade que a femea, que tem doze pares em a margem dobre, que
termina as costas no ventre: os filhos se demorão já em baixo do ventre
da Mãe, já nas costas por dous ou tres dias, e algumas vezes estão
pendurados por baixo do abdomen, em figura de hum pequeno cacho de uvas,
por oito dias, principalmente quando ha tempestades, ou chuvas: em fim,
ou; porque o cordão, que retem os filhos, esteja secco; ou porque
obrigados pela fome possão romper este vencelho, ou atilho, correm pela
planta: e esta he a unica vez, em todo o tempo da sua vida, que caminhão
as femeas. Chegados, que sejão, as articulações da Urumbeba desde o
mesmo dia, ou, quando tarde, no seguinte, estes pequenos insectos se
fixão e cravão sobre o reverso da folha, ou articulação, que o seu
instincto lhe fez escolher: preferem a todos os outros as articulações
mais novas, isto he, das seibas precedentes, e se vem, principalmente,
escolher o lado da articulação, que olha para Oes-Sud'Oeste, para evitar
os golpes de vento do Nordeste, e sobretudo, a força da briza de Leste
sempre igualmente regular, e violenta no Valle de Guaxaca.

As novas Cochonilhas se fixão nas articulações da Urumbeba, cravando seu
bico assovellado em a casca: se este delicado fio se quebra, morre a
Cochonilha, sem que lhe seja possivel agarrar-se com os pés, e tornar a
cravar de novo em a planta esta sorte de tromba, para lhe chupar o succo
gommoso, que serve de seu sustento. O corpo da femea se cobre por toda a
sua superficie de hum certo algodão fino, e pegajoso, o qual se estende
por toda a sua circumferencia, menos no arcabouço pelos seus movimentos.
Em quanto ao macho, este abandona a sua coberta no fim de hum mez, e se
manifesta em feição de huma pequena mosca, formosa, de huma côr
affogueada carregada, elle se arremeça, dando voltas, e saltos até á
altura de 6 pollegadas embusca da femea: topando-a, a fecunda, e morre:
a femea se emprenha, pare no fim de hum mez: este he tambem o termo da
sua vida.

A Cochonilha silvestre, pousada huma vez em a Urumbeba, se perpetuaría
nella, sem que houvesse mister outro cuidado, e nella se multiplicaria
até cansar, e esvair a planta, cujas articulações se apodrentarião e
cahirião successivamente, humas depois de outras, no caso de que senão
tivesse o cuidado de as tirarem, ou colherem de dous em dous mezes.

Para se embaraçar a degeneração do insecto, que aconteceria, deixando-o
estar amontoado em qualquer Urumbeba esvaida; e pelo contrario: para se
manter huma bella qualidade; e ainda, para se aperfeiçoar ou melhorar a
sua raça, e precaver a ruina e estrago da planta, se faz preciso
proporcionar sempre a sua força e vigor com a quantidade da Cochonilha,
que nella se cria, e habita. He mister apanhalla radicalmente todos os
dous mezes, e alimpar a planta do algodão, que ellas deixão, esfregando
a toda com hum pano molhado, que o tire. Por este meio fica livre assim
dos ovos, como das chrysalidas dos insectos destruidores, que podem
muito bem estar apegados, e occultos no algodão da Cochonilha.

Sería impossivel recolher a Cochonilha silvestre, que existe sobre a
Opuncia espinhosa com proveito; os obreiros, que tem maior arte, e
mestria, não pódem colher por dia huma tal quantidade dellas, que lhes
haja de dar, ao depois de seccas, duas onças; pela difficuldade de as
tirar d'entre os espinhos: e com tudo hum só obreiro póde colher
quantidade, que lhe renda, ao depois de seccas, tres arrateis por dia,
quando as tirar a Urumbeba das hortas. Tambem he sabido que se melhora,
e aperfeiçôa sobre a Urumbeba por meio da multiplicidade de colheitas, e
semeaduras; e pela bondade da planta, em que ella pérde muito da sua
quantidade, e da tenacidade do seu algodão, e constantemente se faz mais
grossa outro tanto, quanto se não encontra nas que vivem sobre as
Opuncias espinhosas, assim nos matos, como nos campos. He por tanto
mister, para se poder conseguir a melhor Cochonilha silvestre, semealla
de dous em dous mezes, tanto quanto consentir a constituição das
estações, ou quadras do anno, sobre a Urumbeba das hortas, e desprezando
se todas as outras especies de Opuncias. Porém, quando se não tem huma
grande quantidade da sobredita Urumbeba, neste caso se semeará, e creará
na Opuncia de Campeche, e tambem na Raqueta Hespanhola.

Dizem, semear a Cochonilha (como se ella fosse algum grão) quando
espalhão os pequenos insectos, pela planta, que a deve criar, e
sustentar.

O Urumbebal põe-se em estado de poder acceitar os insectos, para os
manter ao decimo outavo mez depois de plantado. Semeão-se, como dizem,
as Cochonilhas em ninhos feitos da parenchyma das folhas da palmeira: em
cada ninho se põe de 4 até 6 mães, quando estiverem proximas ao seu
parto, proporcionando se o número dos ninhos, e o das mães ao das
articulações da Urumbebeira: fixão-se os ninhos nas axillas dos ramos,
tendo-se o cuidado, de que fiquem expostas ao Sol de nascente.

Passados dous mezes, depois que as Cochonilhas forão semeadas, e
precisamente hum mez, depois das mães serem fecundadas, se vem sahir
algumas pequenas Cochonilhas do seio de suas mães: este he o momento, em
que se devem escolher para fazer a colheita. Passa se o ferro, ou folha
de huma faca, que tenha o fio embotado, e arredondado entre a casca da
Urumbeba, e as pinhas da Cochonilha, que a cobre: fazem se cahir em hum
panno de linho, ou em alguma vasilha prompta a recebella. Quando a
colheita estiver feita, se mergulha a Cochonilha, mettida em dous
pannos, dentro da agua fervendo, por dous ou tres minutos: estendem-se
ao depois em taboas, ou taboleiros: ou, o que he muito melhor, em bacias
de arame: expõe-se ao ardor do Sol, para se assegurarem melhor da sua
dessecação, e se repete por segurança ainda outra vez no outro dia. Este
methodo he muito melhor, e preferivel ao do forno, e ferro quente, pelo
inconveniente de huma dessecação desigual, e de calcinar, ou torrar as
partes, que immediatamente o tocão. Mr. Thiery de Menonville assegura
que, na sua viagem, não víra praticar outro methodo fóra do d'agua
fervente em ambas as especies de Cochonilhas.

A Cochonilha fina não se encontra nos campos, ou matos do Mexico, e só
sim nas casas, e hortas dos Indios, que a colhem.

As femeas pequenas desta especie tem as costas listradas com rugas
transversaes, que terminão na aba dobrada do ventre, e sobre a qual se
vêm doze pequenas sedas, que desapparecem nos adultos. Dez dias, ao
depois do nascimento, as femeas se despem destas roupas franjadas, e
bordadas de pequenas sedas, e se cobrem de hum pó branco muito fino, que
as preserva da humidade; 20, ou 25 dias, depois do seu nascimento, se
despojão das suas segundas roupas, operação que muitas vezes lhe causa a
morte, então ellas apparecem de huma côr parda clara; mas no dia
seguinte se achão já cobertas de pó: 3, ou 4 dias depois, estão habeis a
serem fecundadas. Ellas se engrossão ao dobro quasi da Cochonilha
silvestre.

O macho da Cochonilha fina he perfeitamente semelhante ao macho da
Cochonilha silvestre, menos em ser a sua grossura dobrada.

O Author discute a questão: se a Cochonilha fina he da mesma especie da
silvestre, aperfeiçoada porém por hum sustento melhor, e pelos cuidados
da cultura? ou se ellas fórmão duas especies essencialmente distinctas?
A grossura, que adquire a Cochonilha silvestre, quando se cria, e a
diminuição, que experimenta o seu frouxel, ou pluma algodoada: assim
como a pequenhez, a que se reduz a Cochonilha fina, quando lhe falta o
sustento conveniente, parece que dão muito pezo á primeira opinião; com
tudo, o Author acha que estas razões não bastão para a solução deste
problema interessante, requer para a qual novas observações.

Devem observar-se tres circumstancias essenciaes na creação da
Cochonilha fina.

I. Convém, quando as semeão, escolher para cada huma das novas gérações,
as mães mais bellas, e mais grossas.

II. Precisa que sejão semeadas em os melhores Urumbebaes.

III. Cumpre que sejão recolhidas na estação das chuvas, para hum lugar
coberto, e multiplicallas nelle, até que voltem as seccas, para
semeallas em o ar livre. Deve se tambem acautellar, que a Cochonilha
silvestre se misture, e se confunda com a fina, e para isto se faz
indispensavel, que estejão humas das outras distantes cem varas, dando a
vantagem do lugar do nascente á Cochonilha fina. A temperatura do ar,
que melhor lhe convém, he a de 12 até 20 gráos do termometro. No Mexico
se fazem tres colheitas no bom tempo.

Mr. Thiery de Menonville não póde conseguir huma instrucção certa do
methodo, que se emprega no Mexico, para conservar a Cochonilha pelo
inverno: com tudo convenceo-se por algumas razões, que lhe parecêrão
fortes, que se conservão nas mesmas Urumbebas, cobrindo-as com esteiras.
Elle aconselha hum methodo excogitado por elle, e tambem experimentado.
Prescreve a construcção de huma alpendrada, coberta de caixilhos, que se
desção no tempo das aguas, e que se levantem quando o tempo estiver bom;
e de se plantar debaixo desta alpendrada Urumbebeiras, cuja terça parte
seja destinada successivamente em manter a Cochonilha os seis mezes das
aguas.

O preço da Cochonilha fina excede em hum terço ao da Cochonilha
silvestre. Além disso: duas Urumbebeiras de igual grandeza, carregadas
ambas, huma da Cochonilha fina, outra da bravia: esta dará hum terço
menos em pezo, que aquella, que o dará mais forte.

O Author compára as despezas da cultura, que a Cochonilha requer no
Mexico, com o preço da mão d'obra ordinaria em S. Domingos, e conclue da
facilidade, em que vivem alguns Indios, aos quaes pertence
principalmente esta producção, que esta grangearia, ou cultura se
poderia estabelecer com muita vantagem em S. Domingos; e tanto mais,
quanto os Indios do Mexico tem pouca actividade, e que os multiplicados
monopolios os privão de huma grande parte da producção da venda da
Cochonilha na Europa.

Á primeira vista a Cochonilha fina parece apresentar grandes vantajens
ao Granjeiro sobre a Cochonilha silvestre: mas, attendendo-se que a
criação da ultima requer muito menos trabalho; que o frouxel, que a
cobre, a defende das chuvas, dos temporaes, os quaes muitas vezes causão
grandes prejuizos á Cochonilha fina; e que ella póde ser colhida seis
vezes no anno, e que neste comenos, na estação das chuvas, não ha
producto algum da Cochonilha fina; e que a final sendo preciso muito
menos despeza para o estabelecimento, que ella requer, se concluirá: que
as vantajens de huma, e outra se compensão, e equivalem: e tambem, que
os Colonos pobres devem dar preferencia á grangearia da Cochonilha
silvestre; por que esta lhes póde apresentar hum precioso soccorro, ou
recurso.

Ao depois da morte de M. Thiery de Menonville, pereceo a Cochonilha
fina, que elle criava em o Jardim do Porto do Principe; mas M. Bruley,
substituto do Procurador geral, cheio de zelo, não querendo que se
perdessem todos os fructos das emprezas de M. Thiery de Menonville,
formou hum Urumbebal, com os fragmentos do seu plano, e nelle criou a
Cochonilha silvestre. Em 1788 escreveo que o seu Urumbebal já lhe podia
dar huma colheita de cem libras de Cochonilha secca, se huma molestia o
não embaraçasse de aproveitar a bella estação.

M. Bruley communicou o grão da Cochonilha silvestre ao circulo dos
Philadelfos, que começou em 1785 a occupar-se na criação deste insecto
precioso.


_Comparação da Cochonilha mesteca, da Cochonilha silvestre, e da que se
cria em S. Domingos._

Fazendo-se digerir no alcohol o extracto, que a decocção da Cochonilha
dá por evaporação, as partes colorantes se dissolvem, e deixão hum
residuo, que retém unicamente a côr da borra, ou pé do vinho, a qual o
novo alcohol não lhe póde tirar. Esta parte dá na analyse pelo fogo os
productos das substancias animaes.

O alcohol da Cochonilha deixa por evaporação hum residuo transparente,
que he de hum vermelho escuro, e que secco parece huma resina.
Igualmente por distillação dá os productos das substancias animaes, o
que confirma que esta parte colorante he huma producção animal.

Entretanto a decocção da Cochonilha entra difficultosamente em
putrefacção: tenho-a conservado por mais de dous mezes ao ar livre, e em
hum frasco fechado. A primeira, passado este espaço de tempo, não
apresentou indicio algum de putrefacção; a segunda tinha hum leve cheiro
putrido. A primeira se turvou nos primeiros dias; e deixou no filtro hum
depósito arroxado pardo, devido á combinação do Oxigeno com as partes
colorantes, conforme as observações de M. de Fourcroy; a segunda
conservou por muito tempo a sua transparencia, e provavelmente a perdeo
pelo effeito do principio de putrefacção, que experimentou. A cor de
huma e outra se mudou para Carmesim; mas a da primeira era mais fraca;
porque huma grande parte das moleculas colorantes se tinha precipitado.

Ao depois da morte de M. Thiery de Menonville, a Cochonilha mesteca, que
tinha trazido, acabou, como acima se disse; mas, occupando-se M. Bruley
com muito cuidado em criar a Cochonilha silvestre: e em 1787 enviou huma
grande quantidade desta ao Ministro da Marinha com huma Memoria _Ensaios
da Cultura do Nopal, criacão e preparação da Cochonilha_. A Academia das
Sciencias encarregou a MM. Desmarest, Fougeroux, o Abbade Tessier, e a
mim de examinarmos esta Cochonilha, e a Memoria, que a acompanhava.

Resultou dos ensaios da tinta, que fizemos em casa de M. Moneri,
proprietario de huma manufactura de Escarlate nos Gobelins, que a
Cochonilha, remettida por M. Bruley, dava ao panno a mesma côr, que a
Cochonilha mesteca, com tanto porém que se lhe augmentasse a quantidade
na proporção de 12 a 5.

M. Bruley fez huma segunda remessa da Cochonilha, colhida em 1788, e
voltárão os mesmos commissarios a serem de novo incumbidos do seu exame.
Por outro methodo vierão a obter com pouca differença os mesmos
resultados, que tiverão com a primeira Cochonilha.

Por se terem repetido os ensaios, que se fizerão em commum, fazendo
entrar em comparação a Cochonilha silvestre do commercio, contentar-me
hei agora de fallar das minhas ultimas experiencias.

A decocção da Cochonilha silvestre tem o mesmo matiz que a Cochonilha de
S. Domingos. Este matiz tira mais para o Carmesim que o da Cochonilha
mesteca: mas os precipitados, que della se obtem, quer pela dissolução
do estanho, quer pelo alume, são de huma côr perfeitamente igual á da
Cochonilha mesteca, e estes precipitados são, os que colorão as
substancias, que se tingem, combinando-se com ellas.

Já disse em a minha Memoria sobre a branqueação (_Ann. Chym. Tom. II._)
que M. Wat se servira da decocção da Cochonilha, para determinar a força
do Acido muriatico oxigenado pela quantidade desta decocção, que elle
pode destruir: eu fiz ás avessas, e me servi do ácido muriatico
oxigenado para determinar a proporção de partes colorantes, que as
decocções de differentes Cochonilhas continhão. Fiz ferver por tanto,
por huma hora, hum igual pezo de cada huma das tres Cochonilhas,
fazendo-lhe todas as circumstancias tão iguaes, quanto me fosse
possivel: lancei cada huma destas tres decocções filtradas em hum
cylindro de vidro graduado, e lhe misturei o mesmo ácido muriatico
oxigenado, até que todas as tres fossem levadas ao mesmo matiz amarello.
As quantidades do ácido, que representão as partes colorantes, se
acharão quasi o mesmo em razão dos números seguintes: 8 para a
Cochonilha de S. Domingos, 11 para Cochonilha silvestre do commercio, 18
para Mesteca.

Disto se vê que a Cochonilha de S. Domingos he, não sómente muito
inferior á Cochonilha mesteca, mas tambem á Cochonilha silvestre do
Mexico, e effectivamente muito mais algodoada, e mais pequena; mas estas
desavantagens não devem diminuir o zelo, dos que se occupão nesta
criação.

As observações de M. Thiery de Menonville tinhão já mostrado que a
Cochonilha silvestre perdia seu algodão, e se fazia mais grossa por huma
successão de gérações cuidadosas: e nos princípios forão obrigados a
empregar as urumbebas, que não tinhão chegado á sua grossura ordinaria.
Ha por tanto lugar de esperar que a Cochonilha de S. Domingos poderá vir
a ser, havendo hum cuidado effectivo, tão boa, como a Cochonilha
silvestre do Mexico, e póde ser que ainda a exceda; mas sempre lhe será
inferior em quanto a quantidade de partes colorantes: mas não sería huma
razão bastante, para se desprezar o adiantamento de hum ingrediente tão
precioso ás tinturarias.

Relativamente a qualidade da côr, se vio que a Cochonilha de S. Domingos
não cedia em cousa alguma a Mesteca; mas se o algodão, de que ella se
reveste, póde prejudicar nas operações em grande a belleza do escarlate,
do qual a vivacidade se póde mui facilmente alterar, se acharia huma
applicação vantajosa para elle assim nos meios escarlates, como nos
carmezis, e em outros matizes, que são menos delicados, que as côres
mais vivas.

Mr. Bruley indagou os meios de poder separar o algodão da Cochonilha de
S. Domingos; porém ficavão-lhe muitas partes colorantes nos seus
residuos, o que parece dever-se principalmente ás pequenas Cochonilhas,
que ficaráõ adherentes ao algodão.

As opiniões, que Mr. Bruley expoz na sua Memoria, não concordão algumas
vezes com as de Mr. Thiery de Menonville: e he natural que observações
encontradas requeirão conhecimentos mais exactos ácerca de hum objecto,
que para nós he tão novo, mas sobre isto se deve esperar que as
diligencias do circulo dos Filadelfos, e as de Mr. Bruley nos hajão bem
depressa de fazer, que nada tenhamos mais que desejar a este assumpto.

He muito difficultoso fazer huma idéa da utilidade, que nos póde dar
esta Cochonilha de S. Domingos, que possue tão ricas producções. Mr.
Thiery de Menonville a olhava, como hum soccorro precioso, para aquellas
partes da Ilha, cujo terreno ingrato recusa outro genero de grangearias;
e para aquelles pobres Colonos, que não podem fazer as despezas
necessarias ás outras producções. Mr. Bruley ainda he mais favoravel as
vantagens, que se póde esperar da Cochonilha; mas o circulo dos
Filadelfos se absteve de proferir o seu parecer; e não julga que se deva
dizer ainda cousa alguma.

As tentativas feitas merecem ser proseguidas, e favorecidas com tanto
maior empenho, com quanto tem por seu objecto hum ramo de tanta
importancia para o commercio, como este; e com quanto huma industria
illuminada sabe tirar grandes proveitos sobre huma ignorante indolencia.

FIM.



METHODO

DE PREPARAR

A

COCHONILHA

NO RIO DE JANEIRO,

SEGUNDO

STAUTON,

_Secretario, e Author da Relação da Embaixada á China do Lord
Macartnei._



O Proveito que os Portuguezes tirão da Cochonilha no Rio de Janeiro he
pouco consideravel, em consequencia de hum erro na sua preparação. Duas
ou tres vezes cada semana, os escravos destinados a este objecto, buscão
as plantas _Cactus_, e com huma varinha de Bambú, cortada de algum modo
na figura de huma penna, tirão todo o insecto plenamente crescido com
muitos outros, que ainda não tem chegado ao seu estado de perfeição: a
consequencia disto he, que as plantas nunca tem a metade dos insectos,
que podião sustentar, pois que muitas das femeas, morrem antes de terem
feito os seus depositos. Os Naturaes do Mexico seguem hum methodo muito
differente. Logo que passão as chuvas periodicas, e que o tempo he mais
quente, e mais secco, fixão nos bicos das folhas do _Cactus_ pequenas
porções do mais fino musgo, servindo como de ninhos, capaz cada hum de
encerrar dez ou doze Insectos femeas, no seu estado de pleno
crescimento. Estes Insectos no decurso de poucos dias, produzem huma
innumeravel familia de pequeninos, que se espalhão pelas folhas, e ramos
da Planta, até que se fixão naquelles pontos, que achão mais proprios a
dar-lhe succo nutritivo; onde crescendo em pouco tempo o mais a que
podem chegar, ficão immoveis, e então se tirão para uso; deixando sempre
hum número sufficiente, para a producção de novas criações. Hum muito
simples processo converte em pouco tempo os Insectos em Cochonilha; mas
se, em soffrimento corporeo, o pobre Escaravelho sente tormento igual ao
do Gigante, quando morre, este processo não he mais simples, do que he
cruel. Apanhão-se os Insectos em huma taça de madeira, e daqui se
estendem espessamente sobre hum prato chato de barro, e assim vivos se
põem sobre fogo de carvão de lenha, onde se vão lentamente torrando, até
desapparecer a coberta cheia de penugem, e que os succos aquosos do
animal estejão totalmente evaporados. Em quanto dura esta operação,
mechem-se continuamente com huma colher grande de estanho os Insectos, e
algumas vezes se borrifão com agua, para prevenir que de todo se torrem,
o que destruiría a côr, e reduziría o Insecto a carvão; mas pouco habito
basta para ensinar, quando se devem tirar do lume. Ficão então na fórma
de grãos redondos, escuros de alguma sorte, vermelhos, e tomão o nome de
Cochonilha, conservando tão pouco a fórma original do Insecto, que esta
preciosa tintura foi por muito tempo conhecida, e buscada na Europa
antes dos Naturalistas decidirem, se era substancia animal, vegetal, ou
mineral. O Jardim do Rio de Janeiro não produz annualmente mais do que
trinta arrateis desta fazenda: com tudo, tendo bom trato, este mesmo
número de plantas podia produzir dez vezes esta quantidade. Em Maricá, e
Saquarema, ambos lugares contiguos ao Cabo Frio, ha plantações
consideraveis do _Cactus_, que facilmente se augmentão com garfos da
mesma, plantados na estação fria, e chuvosa, ainda que depois medrão
menos, quando não expostas ao Sol. Os Insectos crião, e colhem-se em
tempo secco desde Outubro até Março. Animou-se a preparação da
Cochonilha, deixando livre este ramo de commercio, que antigamente era
hum monopolio da Coroa[1].

FIM.



ADVERTENCIA.


Os Brasilianos dividião a familia dos Cactos, ou Cacteiros em duas, aos
que tinhão a folha chata e espinhosa, a que os Botanicos dão geralmente
o nome de Opuncias, chamavão _Ju-ro beba_, de _jú_ espinho, _oba_, folha
ou vestido _beba_ chata, o qual por corrupção se diz Urumbeba; e aos que
erão esquinados a que os Botanicos com Jussieu chamárão _Cirios_, pela
configuração com as tochas quadradas, davão o nome de _Ju-macarú_, e
hoje _Nanacurú_, e nesta familia ha huma que dá hum fructo delicioso. Na
obra grande, que traduzimos de M. de Menonville, nos esforçaremos em
fazer vêr todas as especies, que encontrámos no Brazil. Aqui sómente
daremos a figura do Cacto Cochinilheiro, copiada da que traz Dillenio no
Horto Elthamense, que he a cilanda por Linne, como tambem a da
Cochonilha, e reservamos para a outra dar a Estampa de Menonville.



[Figura: CACTO _cochonilheiro_.]



*Notas:*

[1] _A Coroa nunca monopolisou este genero: só o comprava por hum maior
preço, para animar os moradores á sua cultura._





*** End of this Doctrine Publishing Corporation Digital Book "Memoria sobre a cultura da Urumbeba e sobre criação da Cochonilha" ***

Doctrine Publishing Corporation provides digitized public domain materials.
Public domain books belong to the public and we are merely their custodians.
This effort is time consuming and expensive, so in order to keep providing
this resource, we have taken steps to prevent abuse by commercial parties,
including placing technical restrictions on automated querying.

We also ask that you:

+ Make non-commercial use of the files We designed Doctrine Publishing
Corporation's ISYS search for use by individuals, and we request that you
use these files for personal, non-commercial purposes.

+ Refrain from automated querying Do not send automated queries of any sort
to Doctrine Publishing's system: If you are conducting research on machine
translation, optical character recognition or other areas where access to a
large amount of text is helpful, please contact us. We encourage the use of
public domain materials for these purposes and may be able to help.

+ Keep it legal -  Whatever your use, remember that you are responsible for
ensuring that what you are doing is legal. Do not assume that just because
we believe a book is in the public domain for users in the United States,
that the work is also in the public domain for users in other countries.
Whether a book is still in copyright varies from country to country, and we
can't offer guidance on whether any specific use of any specific book is
allowed. Please do not assume that a book's appearance in Doctrine Publishing
ISYS search  means it can be used in any manner anywhere in the world.
Copyright infringement liability can be quite severe.

About ISYS® Search Software
Established in 1988, ISYS Search Software is a global supplier of enterprise
search solutions for business and government.  The company's award-winning
software suite offers a broad range of search, navigation and discovery
solutions for desktop search, intranet search, SharePoint search and embedded
search applications.  ISYS has been deployed by thousands of organizations
operating in a variety of industries, including government, legal, law
enforcement, financial services, healthcare and recruitment.



Home